FACULDADE DOM PEDRO II CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DOM PEDRO II CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL"

Transcrição

1 FACULDADE DOM PEDRO II CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL Coordenação de Estágio Supervisionado Salvador 2012

2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2. O ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL: PRINCIPIOS E DIRETRIZES DA FACULDADE DOM PEDRO II 3. OBJETIVOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 3.1. Objetivo Geral 3.2. Objetivos Específicos 4. AS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 4.1. Estágio Supervisionado I 4.2. Estágio Supervisionado II 4.3. Estágio Supervisionado III 4.4. Estágio Supervisionado IV 5. BASE DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL 5.1. Regulamento do Estágio Supervisionado do Curso de Serviço Social da Faculdade Dom Pedro II 6. REFERÊNCIAS 7. APÊNDICES 8. ANEXOS

3 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Supervisionado é apreendido como uma importante atividade que os alunos devem realizar durante o período de sua graduação, uma vez que corresponde à primeira aproximação com os campos de prática do Assistente Social. O estágio é um momento de fundamental importância no processo de formação do aluno, pois tratase de um treinamento que possibilita ao estudante vivenciar o aprendido na Faculdade, tendo como função integrar as inúmeras disciplinas que compõem o currículo acadêmico, dando-lhes unidade estrutural e testando-lhes o nível de consistência e o grau de entrosamento. Por meio dele o estudante pode perceber as diferenças do mundo organizacional e exercitar sua adaptação aos meios empresariais e profissionais. O estágio funciona como uma oportunidade do aluno vislumbrar seu futuro. Deve ser uma passagem natural do saber sobre para o saber como ; um momento de validação do aprendizado teórico e prático em confronto com a realidade. O Estágio Supervisionado tem cumprido de forma eficiente o papel de elo entre os mundos acadêmico e profissional ao possibilitar ao estagiário a oportunidade de conhecimento da filosofia, das diretrizes e do funcionamento das organizações e suas inter-relações com a comunidade. A realização de estágios será incentivada como forma de aproximar os alunos das necessidades do mundo do trabalho, criando oportunidades de exercitar a prática profissional, além de enriquecer e atualizar a formação acadêmica desenvolvida nos Cursos da Faculdade D. Pedro II. O Estágio Supervisionado, desenvolvido ao longo do curso, sob a coordenação e supervisão do Coordenador de Estágio do respectivo curso, deverá, além dos objetivos que são inerentes à atividade, desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor do aluno. Deverá complementar o processo ensino aprendizagem, através da conscientização das deficiências individuais e incentivar a busca do aprimoramento pessoal e profissional e facilitar o processo de atualização de conteúdos disciplinares, permitindo adequar aquelas de caráter profissionalizante às constantes inovações tecnológicas, políticas, sociais e econômicas a que estão sujeitas. A atividade Incentiva o desenvolvimento de potencialidades individuais, além de possibilitar à Faculdade um bom posicionamento social junto ao mercado de trabalho ao evidenciar a qualidade de seu curso, a partir do desempenho de seus alunos. O Estágio se apresenta de forma clássica e obrigatória para a conclusão do curso superior em todas as carreiras universitárias. Sua realização é fundamental para a complementação/conclusão do ensino universitário, sendo este o momento de uma reflexão mais séria do estudante acerca da natureza do mercado de trabalho e das habilidades e capacidades que lhe serão exigidas. O Estágio Supervisionado deverá ser iniciado no quinto semestre letivo com o objetivo de capacitar o aluno a dominar todo instrumental necessário para intervir na dinâmica organizacional, gerencial, operacional e ambiental através do aprofundamento dos conhecimentos vinculados aos Campos de conhecimento do Curso. O Estágio inicia obrigatoriamente no quinto semestre do curso, onde é possível o aluno desenvolver o processo de conhecimento da Organização, e é capaz de levantar indicadores e analisar a situação organizacional e o contexto onde a mesma se encontra localizada, fazer um diagnóstico, identificar as fraquezas da Instituição, seus pontos fortes, as situações de entrave e analisar as possíveis intervenções. A partir do sétimo semestre letivo, de posse dos conhecimentos adquiridos, e com o

4 apoio do corpo docente e das contribuições decorrentes dos seminários, ele poderá delinear um plano de ação para uma organização similar, uma monografia sobre determinado aspecto da gestão, ou até mesmo um relatório mais analítico, como resultado das observações e da própria atividade de estágio, aglutinando os subsídios recebidos durante os semestres anteriores. Entretanto, diante da dinâmica das mudanças tecnológicas e organizacionais, torna-se imperativo uma familiarização do aluno com a realidade empresarial e /ou societária mais cedo, em razão do que o aluno, além do Estágio obrigatório para a conclusão do curso, será estimulado a realizar atividades complementares que se caracterizem como uma oportunidade de observação da práxis administrativa e organizacional, como forma de adquirir uma visão crítica do seu ambiente e, em especial, do universo em que se situa a sua profissão, e com o objetivo de aprofundar os estudos acerca dos fenômenos administrativos e organizacionais, assim como suas inter-relações com a realidade social na sua totalidade, quando terá oportunidade de verificar a aplicabilidade dos conceitos, dos métodos, formas e técnicas gerenciais, para agir com maior segurança, e até mesmo, competência quando nas atividades do Estágio Supervisionado. Essas atividades Supervisionadas, que podem envolver programações de workshops, visitas às empresas e organizações, trabalhos de campo na comunidade e trabalhos voluntários, programas de pesquisa integrados, dentre outras, deverão ser autorizadas, acompanhadas e avaliadas pela Coordenação de Estágio e pela Coordenação do Curso, além do Professor Orientador. O Estágio Supervisionado será regulamentado pela Instituição, e gerenciado pela Coordenação de Estágio que definirá as competências do Professor Orientador e do Supervisor da organização, bem como dos estagiários, os períodos de realização, os planos de desenvolvimento e mecanismos de acompanhamento, os sistemas de controle, avaliação e processos e as atividades de socialização das experiências vivenciadas. O Estágio Supervisionado adotará um Regulamento Comum, submetido ao corpo docente e discente do Curso, para as adequações que se fizerem oportunas em função, inclusive, do momento da implantação dos Cursos. Como prática de estágio, o aluno tende a desenvolver melhor as atividades exigidas na vida profissional, pois o Estágio proporciona aos estudantes oportunidades de correlação do conhecimento com a prática, facilitando o processo de atualização dos conteúdos disciplinares, incentivando o desenvolvimento das potencialidades individuais e promovendo a integração escola-instituiçãocomunidade. Nesse contexto, o objetivo é familiarizar o acadêmico com a realidade de seu ambiente, para que possa exercitar uma visão crítica do universo em que se situa sua profissão. Conforme a lei de 25 de setembro de 2008, estágio para os cursos de graduação é ato educativo escolar supervisionado, desenvolvido no ambiente de trabalho, que visa a preparação para o trabalho produtivo de educandos que estejam freqüentando o ensino regular em instituições de educação superior, [...]. O Estágio de Serviço Social está regulamentado em lei, em conformidade com o disposto no parecer CNE/CES nº 492/2001, homologado pelo Ministério de Estado da Educação em 09 de julho de 2001 e consubstanciado na Resolução CNE/CES 15/2002, publicada no Diário Oficial da União em 09 de abril de Segundo as Diretrizes Curriculares do Curso de Serviço Social o Estágio é uma atividade curricular obrigatória que se configura a partir da inserção do aluno no espaço sócio-institucional, objetivando capacitá-lo para o exercício profissional, o que pressupõe supervisão sistemática (Resolução nº 15, de 13 de março de 2002).

5 As normas que regem o Estágio Supervisionado do Curso de Serviço Social da Faculdade Dom Pedro II encontram-se neste MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL. O objetivo deste é inteirar alunos e supervisores sobre as disposições do Estágio Supervisionado do Curso de Serviço Social, orientando-os quanto às normas de funcionamento, programas, disciplinas e atividades a serem cumpridas pelos mesmos, a fim de terem um melhor aproveitamento desta experiência. 2. O ESTÁGIO EM SERVIÇO SOCIAL: PRINCIPIOS E DIRETRIZES DA FACULDADE DOM PEDRO II Base da inserção do aluno no âmbito profissional alicerça a teoria na prática, pautando-se nas normas e conduta da instituição em que o aluno se propôs a executar seu aprendizado. O estudo da ética profissional e sua prática devem perpassar todas as atividades vinculadas ao estágio. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB - (1998) destaca os estágios de formação profissional no artigo 82: "Os sistemas de ensino estabelecerão as normas para realização dos estágios dos alunos regularmente matriculados no ensino médio ou superior em sua jurisdição. O Projeto Pedagógico do Curso de Serviço Social da Faculdade Dom Pedro II define o estágio supervisionado como elemento fundamental para o desenvolvimento, pelo aluno, através de atividades práticas, exercidas mediante fundamentação teórica prévia ou simultaneamente adquirida. O Estágio Supervisionado tem por objetivo oferecer ao aluno a oportunidade de participação efetiva no contexto da gestão de organizações, privadas ou públicas, de modo a conectar os conhecimentos adquiridos ao longo de sua formação acadêmica com os problemas administrativos complexos que nelas se manifestam, além de complementar o processo ensino aprendizagem e de fortalecer e enriquecer a formação profissional. A prática do Estágio Supervisionado deverá, obrigatoriamente, ser realizado em organizações legalmente constituídas, que tenham condições de celebrar convênios de estágio, Termos de compromisso, acordos de cooperação, protocolos de intenções com a FACULDADE DOM PEDRO II, tais como órgãos públicos, empresas privadas, organizações estatais, sociedades civis e órgãos representativos de classe. O Estágio Supervisionado será desenvolvido nas áreas de concentração do estudo dos cursos oferecidos pela IES, dentro de uma área de interesse de aprofundamento pelo aluno. Conforme a Lei de Diretrizes Curriculares do Curso de Serviço Social/ ABEPSS/MEC, a supervisão do estágio será feita pelo professor, supervisor acadêmico e pelo profissional do campo, supervisor de campo, através da reflexão, acompanhamento e sistematização, com base em planos de estágio elaborados em conjunto pelas unidades de ensino e organizações que oferecem estágio. Somente será válido o Estágio realizado por aluno que esteja regularmente matriculado na Faculdade D. Pedro II, quando inscrito no Programa de Estágio Supervisionado. A inscrição referida será realizada juntamente com a matrícula, mediante o preenchimento do formulário encaminhado à Coordenação de Estágio, data em que as condições do aluno serão avaliadas para deferimento ou não do pedido. O Estágio Supervisionado será solicitado mediante a apresentação de uma Proposta de Estágio pelo aluno acompanhada de parecer do Professor Orientador, que será escolhido entre os membros do Corpo Docente. O Estágio Supervisionado contemplará uma carga horária mínima definida no projeto pedagógico de cada curso, distribuídas ao longo do mesmo, conforme Plano de Estágio apresentado por cada aluno.

6 Ao fim do Programa de Estágio Supervisionado IV, o aluno deverá construir e apresentar o Relatório Final de Estágio atendendo a normatização da ABNT, contendo as seguintes informações (Modelo anexo): Identificação do aluno; Identificação da empresa/organização concedente; Identificação do responsável que o supervisiona; Indicação do órgão ou área de realização do estágio; Relação das principais atividades/ações que está desempenhando; Opinião sobre a contribuição que o estágio dá aos seus conhecimentos e à formação profissional; Principais dificuldades enfrentadas; Sugestões visando melhoria dos resultados do estágio. Ao final de cada período de estágio o aluno apresentará em seminário, um relato das atividades desenvolvidas e ações realizadas que culminaram com modificações nos procedimentos, normas, concepção da organização, além de avaliação com comentário do supervisor na empresa/organização. Quanto à última fase do Estágio Supervisionado, o estagiário, para obtenção de aprovação do programa, deverá apresentar parecer fornecido pela empresa/organização concedente e relatório das atividades desenvolvidas, que será apreciado pelo Coordenador do Estágio Supervisionado, pelo Professor Orientador, os quais procederão avaliação do desempenho e das contribuições apresentadas. A socialização dos relatórios será feita em Seminários Integrados. O parecer emitido pela empresa concedente deverá conter as seguintes informações: identificação do aluno, identificação e endereço da empresa, período de realização do estágio (respeitando-se o período de inscrição no programa), carga horária total de dedicação no período citado, carga horária diária, atividades desenvolvidas pelo aluno, avaliação do desempenho do aluno (qualidade e quantidade do trabalho, nível de conhecimento, comportamento individual e grupal), identificação do responsável direto pelo estagiário (nome e cargo), data, carimbo e assinatura do responsável. O aluno que estiver desempenhando funções em empresas ou organizações como empregado ou titular poderá realizar os estágios na própria instituição, desde que cumpra as exigências previstas neste regulamento, devidamente autorizado pelo Colegiado do Curso e supervisionado pelo Coordenador do Estágio e pelo Professor Orientador. O atual currículo coloca esta obrigatoriedade acadêmica para os alunos, do 5 ao 8 semestres, com carga horária total prevista de 474 horas, sendo 144 horas de atividades teóricas e 330 horas de atividades práticas. (Conforme Tabela anexa) A institucionalização do campo de estágio é de responsabilidade da Faculdade, para o que exige: a) O local de estágio se constituir efetivamente em espaço de construção e sistematização da prática profissional do assistente social; b) Existência de um assistente social-supervisor direto do aluno no local de estágio (supervisor de campo); c) Elaboração do plano de estágio e do sistema de avaliação semestral do aluno, pelo assistente social-supervisor de campo e pelo supervisor acadêmico com a participação do aluno, tendo por referência a Lei 8662/90 (Lei de Regulamentação da Profissão) e o Código de Ética Profissional (1993); d) Estabelecimento de política de acompanhamento pedagógico dos estágios pelo supervisor acadêmico e coordenador de estágio.

7 A demanda por estagiários, nas organizações, deve ser encaminhada pelos assistentes sociais que, como supervisores de campo, exercem uma atribuição a mais no seu cotidiano profissional: a de participar da formação profissional. O estágio é, portanto, uma dimensão do trabalho do assistente social, que expressa as condições do exercício profissional, traduzidas nas relações entre as condições de trabalho do assistente social e a sua visão de projeto profissional. O ingresso do aluno no estágio requer a formalização de um instrumento jurídico entre a instituição de ensino e a instituição concedente, que visa estabelecer Acordos ou Convênios para a realização do estágio. A atividade de supervisor de campo não estabelecerá relação trabalhista com a Faculdade, tendo em vista que receber e orientar estagiários em seu local de trabalho constitui atribuição privativa do Assistente Social (Lei 8662/93). Atribui-se à supervisão de campo, também denominada Supervisão Direta, a reflexão, acompanhamento, estudo e sistematização das atividades desenvolvidas pelo aluno, com base em Plano de Estágio, o qual terá acompanhamento sistemático e avaliação pela disciplina de Estágio Supervisionado I, II, III e IV e pela Coordenação de Estágio. A supervisão acadêmica será feita por professor do Curso de Serviço Social com formação obrigatória em Serviço Social. A seleção dos supervisores acadêmicos considerará sua prática profissional. Constitui atividades da supervisão acadêmica, além do planejamento da Disciplina, elaboração de instrumentos para orientação do estágio e organização do acervo documental do mesmo: a) Acompanhamento e avaliação do aluno em sala de aula; b) Comparecimento ao campo de estágio pelo menos 2 vezes no semestre para complementar a avaliação do aluno; c) Participar de, pelo menos, 2 reuniões com os demais supervisores acadêmicos para discutirem assuntos correlatos a prática de estágio; d) Participar de pelo menos duas reuniões semestrais com os supervisores de campo; e) Participar de reuniões regulares com o coordenador de estágio, coordenador de curso e demais professores; f) Realizar seminários semestrais para exposição de trabalhos acadêmicos dos alunos concluintes. A avaliação das atividades do Estágio Supervisionado será efetuada de acordo com a legislação vigente, em especial as normas fixadas pela Faculdade Dom Pedro II, levando em consideração os relatórios e o desempenho das atividades realizadas, bem como outros indicadores e instrumentos que constem dos respectivos Planos de Ensino. 3. OBJETIVOS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO: 3.1. Objetivo Geral: Preparar o aluno para compreender, analisar e intervir na realidade social, a partir do contexto histórico e conjuntural, no qual se processa a prática do Serviço Social Objetivos Específicos: Estimular o aluno a conhecer a realidade do campo de estágio (recursos, estrutura, funcionamento, etc.) relacionando-o às políticas sociais.

8 Proporcionar a capacitação técnico-operativa através da ação. Analisar e orientar o comportamento ético-profissional nos processos de intervenção. Viabilizar a integração de conhecimento e experiência profissional através do processo contínuo de análise das práticas sociais. Incentivar o aprendizado do trabalho em equipe e a socialização de conhecimentos. Utilizar ferramentas conceituais para estudo dos processos sociais, de modo a analisar e, em sincronia, intervir na realidade social. Articular os conhecimentos trabalhados no conjunto das disciplinas do curso com a prática do estágio. Orientar quanto a utilização das metodologias de pesquisa como elemento fundamental à cientificidade de ação profissional; Compreender o processo de planejamento social como instrumento de ação profissional; Desenvolver a capacidade de formular e avaliar uma proposta de ação; Conhecer ações administrativas de programas e/ou serviços, como modo de implemento de ações de serviços sociais; Ensinar o registro, a documentação e o processo de avaliação em todos os níveis de intervenção. AS DISCIPLINAS DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO As disciplinas de Estágio Supervisionado de Serviço Social I, II, III, IV ocorrerão a partir do 5º semestre do Curso. Estas disciplinas constituem-se em um momento privilegiado de relação teoria-prática, a partir do processo desencadeado nas demais disciplinas do Curso. Estas disciplinas colocam-se em seqüência, sendo a primeira pré-requisito da segunda e esta da terceira e da quarta. Caberá ao professor da disciplina desenvolver o conteúdo programático e o programa que contemple a problematizarão dos temas que formam o cenário da realidade social e a capacitação técnicooperativa da profissão, com ênfase na prática profissional. 1. Estágio Supervisionado I: Semestre: 5º Carga Horária: 116 horas Ementa: Aproximação dos discentes com as diferentes realidades dos campos de estágio. Indicações para análise do fazer profissional no campo de estágio. Orientações ao processo de observação, registro e análise da experiência de estágio. Indicações para a elaboração da proposta de intervenção. Objetivos: Geral: Discutir a importância do estágio supervisionado para a formação do profissional de Serviço Social e oportunizar ao aluno conhecer a realidade organizacional em que estiver inserido de maneira a identificar as demandas dos usuários, bem como as possibilidades profissionais Específicos: Proporcionar aos alunos, através da observação, a relacionar a teoria com a prática; Observar a realidade social que configura o campo de estágio, refletindo sua especificidade dentro da totalidade; Realizar atividades concernentes ao campo de estágio; Reconhecer os elementos que incidem e configuram a dinâmica organizacional;

9 Identificar os elementos que compõem o processo de trabalho do Serviço Social na organização; Orientar o aluno (a) quanto à necessidade de problematização teórico-metodológica relativa às questões vivenciadas numa prática particular, objetivando a sistematização da caracterização da instituição e da população usuária, assim como a escolha do objeto de intervenção. Orientar o aluno (a) quanto à importância do exercício dos valores éticos na sua formação enquanto profissional e na trajetória do campo de estágio. 2. Estágio Supervisionado II Semestre: 6º Pré-requisito: Estágio Supervisionado I Carga horária: 116 horas Ementa: Desenvolvimento do projeto de intervenção profissional. Estudo da população, das demandas, dos recursos institucionais, condução dos recursos técnicos mediante observação, registro e análise do fazer profissional. Reformulação das estratégias de ação em função da inserção do estagiário na instituição. Avaliação dos processos de trabalho, das atividades investigativas. Objetivos: Geral: Capacitar o acadêmico a compreender, analisar e intervir na realidade social, a partir do contexto histórico e conjuntural, no qual se processa a prática do Serviço Social Específicos: Levantar as necessidades sociais e conhecimento institucional. Criar condições para que o acadêmico realize o diagnóstico sócio-institucional e elabore o(s) projeto(s) de ação profissional. Aprofundar a articulação teórico-prático através da mediação das expressões da questão social apresentadas nos campos de estágio através da caracterização da população usuária, estudos de demandas e elaboração de registros técnicos. Oportunizar que o acadêmico vivencie o planejamento no âmbito dos processos de trabalho do Serviço Social. Possibilitar que o acadêmico articule permanentemente no campo de estágio os conceitos teóricos estudados nas demais disciplinas do currículo do curso. Orientar o aluno (a) quanto à necessidade de problematização teórico-metodológica relativa às questões vivenciadas numa prática particular, objetivando a sistematização das ações do Serviço Social que deverão culminar com a elaboração/conclusão de um projeto de intervenção. 3. Estágio Supervisionado III Semestre: 7º Pré-requisito: Estágio Supervisionado I e II Carga horária: 116 horas Ementa: Conclusão das atividades de campo e sistematização do conhecimento adquirido através da pesquisa e da atuação profissional no campo de estágio. Avaliação do impacto da intervenção junto à população, à instituição, à escola de serviço social. Objetivos: Geral:

10 Contribuir com o processo de apreensão das dimensões teórico-metodológica, ético-político e técnica-operativa do fazer profissional a partir da experiência de estágio tendo em vista o desenvolvimento de competências e habilidades necessárias ao exercício profissional. Específicos: Orientar as/os alunas(os) no processo de execução do projeto de intervenção Acompanhar o desenvolvimento do estágio das/os alunas(os) na perspectiva da unidade teoria/prática. Refletir com as/os alunas(os) a experiência de estágio tendo como foco as dimensões teóricometodológica, ético-política e técnico-operativa do fazer profissional. Intrumentalizar os alunos no processo de sistematização do trabalho desenvolvido no estágio tendo em vista a produção do conhecimento. Orientar o aluno (a) quanto à necessidade de problematização teórico-metodológica relativa às questões vivenciadas numa prática particular, objetivando a sistematização das ações do Serviço Social que deverão culminar com a execução do projeto de intervenção. Adequar o projeto de intervenção durante a sua execução. 4. Estágio Supervisionado IV Semestre: 8º Pré-requisito: Estágio Supervisionado I, II e III Carga horária: 126 horas Ementa: Sistematização do conhecimento adquirido através da observação crítica, caracterização e execução do projeto de intervenção, realizados no campo de estágio, tendo em vista a reflexão dos limites e possibilidades institucionais, do serviço social de campo e da ação do estagiário no cotidiano e nas ações propostas. Avaliação do impacto da intervenção junto à população, à instituição, à escola de serviço social. Objetivos: Geral: Entender o Estágio Supervisionado como momento de prática das teorias apreendidas em sala de aula, complexa e por vezes contraditoriamente articuladas. Específicos: Compreender o processo de avaliação de projetos; Perceber a dinâmica das questões sociais e os processos de trabalho na profissão do Assistente Social; Entender as diretrizes curriculares que direcionam a formação do Assistente Social e os eixos temáticos que permeiam esta formação; Avaliar o projeto de intervenção profissional elaborado ou reformulado; Desenvolver atitudes e comportamentos condizentes com a Ética Profissional; Analisar o grau de conhecimento adquirido pelo estagiário e comprometimento com a prática profissional. Orientar o aluno (a) quanto à necessidade de problematização teórico-metodológica relativa às questões vivenciadas numa prática particular, objetivando a sistematização das ações do Serviço Social no campo de estágio, que deverão culminar com a avaliação do Projeto de Intervenção elaboração do Relatório Final de Estágio.

11 BASE DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DA FACULDADE DOM PEDRO II I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1. Este Regulamento rege as atividades de estágio do curso de Graduação em Serviço Social da Faculdade Dom Pedro II, em especial o Estágio Supervisionado (Curricular). Art. 2. As atividades de estágio são de caráter investigativo e interventivo e devem proporcionar ao estudante a participação em situações simuladas e reais de vida e trabalho, vinculadas à sua área de formação, bem como a análise crítica das mesmas. Art. 3. As atividades de estágio devem buscar, em todas as suas variáveis, a articulação entre ensino, pesquisa e extensão. Art. 4. O estudo da ética profissional e sua prática devem perpassar todas as atividades vinculadas ao estágio. II - DA COORDENAÇÃO DE ESTÁGIOS Art. 5. O Coordenador de Estágio será indicado pelos membros do Colegiado de Curso com aprovação do Coordenador do Curso e do Diretor Acadêmico da IES, submetida à apreciação e aprovação da Diretoria Geral da Faculdade. 1º. São atribuições do Coordenador de Estágio: I. Divulgar as normas referentes ao Estágio Supervisionado; II. Atender e orientar os alunos interessados; III. Estimular a celebração de convênios, acordos, termos de compromisso, protocolos de intenções, entre a Faculdade e as empresas e organizações; IV. Identificar locais e organizações para realização das atividades de observação, das atividades práticas e dos estágios. V. Encaminhar ao Coordenador do Curso, ao término de cada período de estágio, a relação dos alunos que o concluíram, bem como a documentação exigida, para o devido arquivamento em suas respectivas pastas. VI. Coordenar e acompanhar todas as atividades relacionadas ao estágio; VII. Assegurar os campos de estágio e supervisão a todos os acadêmicos do curso; VIII. Coordenar e acompanhar todas as atividades relacionadas ao estágio; IX. Manter permanentemente atualizada a documentação referente ao estágio; X. Receber, organizar, controlar e fornecer toda a documentação referente ao estágio; XI. Encaminhar os estagiários aos campos de estágio munidos de carta de apresentação; XII. Manter contatos periódicos através de reuniões, com os supervisores de campo, Supervisores acadêmicos e estagiários; XIII. Avaliar os campos de estágio e o processo de supervisão; XIV. Analisar e encaminhar casos omissos neste regulamento; XV. Assinar as correspondências, certidões e declarações referentes aos estágios; XVI. Elaborar, semestralmente, proposta de distribuição entre os professores de estágio das diversas atividades atinentes ao Estágio Supervisionado, encaminhando-a a Coordenação do Curso; XVII. Encaminhar à Coordenação propostas de modificações na pauta de visitas e atividades simuladas constantes dos Planos de Ensino;

12 XVIII. Encaminhar aos órgãos competentes da Faculdade Dom Pedro II na forma da legislação vigente, as propostas de convênios de estágio aprovados pela Coordenação; XIX. Autorizar atividade externa de estágio em órgão, entidade ou empresa conveniada com a Faculdade Dom Pedro II; XX. Apresentar à Coordenação do Curso de Graduação em Serviço Social semestralmente, relatório do trabalho desenvolvido no exercício da Coordenação de Estágios; XXI. Tomar, em primeira instância, todas as decisões e medidas necessárias ao efetivo cumprimento deste Regulamento. IV - DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 6. As atividades do Estágio Supervisionado obedecem ao estipulado na legislação em vigor sobre estágios e ao previsto neste Regulamento e incluem a prática profissional, nos seguintes níveis: I Dos Supervisores Acadêmicos Art. 7. O professor Supervisor pertence ao quadro funcional do Curso de Serviço Social da Faculdade Dom Pedro II. A ele compete: I. Orientar, acompanhar e avaliar o (a) aluno (a) em sala de aula de acordo com o calendário acadêmico com base nos conteúdos programáticos dos programas de Estágio Supervisionado I, II, III e IV; II. Visitar semestralmente, as instituições nas quais seus alunos estão realizando o estágio com vistas a orientação, avaliação e observação das condições objetivas de manutenção do campo; III. Proceder a avaliação dos alunos de acordo com o instrumental adotado pela Coordenação de Estágio Supervisionado; IV. Registrar a avaliação atribuída ao aluno na caderneta levando em consideração a do Técnico de Apoio dentro do período estabelecido no calendário acadêmico; V. Acompanhar o planejamento e a execução da proposta de estágio curricular supervisionado e apresentar sugestões por escrito; VI. Indicar instituições que apresente condições objetivas de convênio para fins de estágio; VII. Analisar o instrumental de avaliação e apresentar sugestões por escrito. Art. 8º. O Supervisor acadêmico deve ser professor do curso de Serviço Social com Formação em Serviço Social; II Dos Supervisores de Campo Art. 9. Supervisor de campo é todo profissional, Assistente Social, designado pela instituição conveniada como campo de estágio, que irá receber e orientar as ações práticas do estudante. Parágrafo único Tal atividade não estabelecerá relação trabalhista com a instituição de ensino, tendo em vista que receber e orientar estagiários em seu local de trabalho faz parte das atribuições do Assistente Social. Art. 10. Compete ao Supervisor de campo: I. Conhecer o plano de estágio do Curso de Serviço Social da Faculdade Dom Pedro II para orientar o (a) aluno (a); II. Conferir o preenchimento da folha de produção do(a) aluno (a) e encaminhar assinada mensalmente ao supervisor; III. Comunicar com antecedência ao supervisor o desempenho (bom ou não) do (a) aluno (a);

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 74/2010

RESOLUÇÃO Nº 74/2010 RESOLUÇÃO Nº 74/2010 Institui e regulamenta o estágio supervisionado curricular nos cursos de graduação da UFES. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no

Leia mais

FACULDADE VASCO DA GAMA CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE VASCO DA GAMA CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL FACULDADE VASCO DA GAMA CURSO DE BACHARELADO EM SERVIÇO SOCIAL MANUAL INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL Salvador 2010 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...03 2. A CONCEPÇÃO DO ESTÁGIO DE

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA DOS OBJETIVOS

CLÁUSULA SEGUNDA DOS OBJETIVOS TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO, QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA, A INSTITUIÇÃO CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA S/S LTDA - CENECT - E O ESTAGIÁRIO O MUNICÍPIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TERMO DE COMPROMISSO Termo de Compromisso que entre si celebram e o(a) (Pessoa Jurídica)... e o(a) estudante... com a interveniência da Universidade

Leia mais

CONVÊNIO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

CONVÊNIO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CONVÊNIO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A UNIÃO SOCIAL CAMILIANA - CENTRO UNIVERSITARIO SÃO CAMILO - ESPIRITO SANTO E, VISANDO A CONCESSÃO DE CAMPO DE ESTÁGIO CURRICULAR

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CONCEDENTE: SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE BELO HORIZONTE, organização filantrópica inscrita no CNPJ sob o nº 17.209.891/0001-93, situada na Avenida Francisco

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO PROFª. NAIR FORTES ABU-MERHY REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA ALÉM PARAÍBA MG

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 4 Regulamento de Estágio do Curso de Serviço Social DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio Supervisionado, previsto no Currículo do Curso de Serviço Social será desenvolvido de acordo com as normas

Leia mais

À vista das deliberações do plenário, em reunião realizada no dia 21 de junho de 2010 (Processo n.º 23096.029583/09-32).

À vista das deliberações do plenário, em reunião realizada no dia 21 de junho de 2010 (Processo n.º 23096.029583/09-32). 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 01/2010 Regulamenta a realização do Estágio de Extensão não-obrigatório,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA)

REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) 1 REGULAMENTAÇÃO ESPECÍFICA DO ESTÁGIO DE INTERESSE CURRICULAR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS (BACHARELADO E LICENCIATURA) Resolução nº 015/2005 do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA.

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA. REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PEDAGOGIA. JUIZ DE FORA MG APRESENTAÇÃO O Instituto Superior de Educação Carlos Chagas ISECC, com sua sede na cidade de Juiz de Fora, Estado

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

CONVÊNIO. Convênio n 027/2010 MPGO DAS PARTES:

CONVÊNIO. Convênio n 027/2010 MPGO DAS PARTES: Convênio n 027/2010 MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E A FACULDADE MONTES BELOS FMB, POR INTERMÉDIO DA PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA, VISANDO A CONCESSÃO

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

CONVÊNIO. Convênio n 016/2010 MPGO DAS PARTES:

CONVÊNIO. Convênio n 016/2010 MPGO DAS PARTES: Convênio n 016/2010 MPGO CONVÊNIO CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS E O CENTRO UNIVERSITÁRIO DE DESENVOLVIMENTO DO CENTRO-OESTE UNIDESC, POR INTERMÉDIO DA PROCURADORIA-GERAL

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA Art. 1º O presente regulamento estabelece as orientações básicas

Leia mais

NORMAS PARA ESTÁGIOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

NORMAS PARA ESTÁGIOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL NORMAS PARA ESTÁGIOS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Este documento tem como finalidade estabelecer e orientar as atividades de estágio desenvolvidas pelos alunos do Curso Superior

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Regulamento do Estágio Curricular Obrigatório do Bacharelado em Ciências Biológicas 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COLEGIADO DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Estágio Supervisionado do Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO União da Vitória/PR 2011 1 I Da Caracterização

Leia mais

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário.

Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. FACULDADE DE PSICOLOGIA Bem vindo! Você, acadêmico de Psicologia, chegou ao meio do curso, e a partir de agora até a formatura, é também um estagiário. Estagiário é todo aluno, regularmente matriculado,

Leia mais

RESOLUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

RESOLUÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO RESOLUÇÃO CAS N. 10/2009, DE 26 DE MAIO DE 2009. ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DAS FACULDADES INTEGRADAS MACHADO DE ASSIS DISPOSTO NOS PROJETOS PEDAGÓGICOS DE

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM NUTRIÇÃO - BACHARELADO Autorizada pela Portaria MEC 2.626 de 25 de julho de 2005 Frutal/MG 1 Mantenedora: SOFES SOCIEDADE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO. Matriz 23 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA Matriz 23 Junho de 2013 1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

Faculdade Decisão Faculdade Decisão FADEC - CNPJ. 82.103.292/0001-52 Credenciada Pela Portaria MEC Nº 1029/2000 DOU: 21.07.2000

Faculdade Decisão Faculdade Decisão FADEC - CNPJ. 82.103.292/0001-52 Credenciada Pela Portaria MEC Nº 1029/2000 DOU: 21.07.2000 TERMO DE CONVÊNIO PARA ESTÁGIO CURRICULAR FADEC/EMPRESA TERMO DE CONVÊNIO PARA ESTÁGIO CURRICULAR QUE ENTRE SI CELEBRAM, DE UM LADO A FACULDADE DECISÃO E DE OUTRO LADO, A EMPRESA, VISANDO À REALIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E TURISMO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO MANUAL DE ESTÁGIO

Leia mais

ESTAGIO: Aspectos Legais. Dra. Sandra Marangoni

ESTAGIO: Aspectos Legais. Dra. Sandra Marangoni ESTAGIO: Aspectos Legais Dra. Sandra Marangoni LEGISLACAO REGULAMENTADORA: Lei n. 6.494, de 7 de dezembro de 1977 Decreto Nº 87.497, de 18 de AGOSTO de 1982 Medida Provisória n. 2.164-41 de 24 de agosto

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Art.1º. O Estágio Supervisionado é componente curricular obrigatório do Curso de Graduação em Administração da FASIP que visa a proporcionar

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE CIÊNCIAS SOCIAIS REGULAMENTO Guarapuava 2013 1 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES INICIAIS Art. 1º As atividades de Estágio Curricular Supervisionado do Curso de

Leia mais

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA

MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ INSTITUTO DE CULTURA E ARTE CURSO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA O Manual ora apresentado visa orientar os alunos

Leia mais

FACULDADE DE ARARAQUARA

FACULDADE DE ARARAQUARA SUMÁRIO CADASTRO DA EMPRESA E DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO... 1 CLÁUSULA PRIMEIRA CONCEITOS E OBJETIVOS... 2 CLÁUSULA SEGUNDA DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO... 4 CLÁUSULA TERCEIRA DA EMPRESA... 5 CLÁUSULA QUARTA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL DAS DEFINIÇÕES E DIRETRIZES

REGIMENTO INTERNO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL DAS DEFINIÇÕES E DIRETRIZES UNIESP União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo FAM - Faculdade de MIRANDÓPOLIS Autorizada pela Portaria nº 1464 e 1465 de 11 de outubro de 1999 CNPJ nº 63.083.869/0001-67 Avenida São

Leia mais

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Matrícula n o : xxx. CPF nº: RG nº: Nascimento: / /

TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO. Matrícula n o : xxx. CPF nº: RG nº: Nascimento: / / 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO TERMO DE COMPROMISSO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO.

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Fisioterapia da Faculdade ASCES constitui uma etapa curricular com

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS TÍTULO I CAPÍTULO I DA NATUREZA E DA FINALIDADE Seção I Da Natureza Art. 1º. Estágio é atividade educativa escolar supervisionada, desenvolvida

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACHADO CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE MACHADO CENTRO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE MACHADO SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

o Conselho Universitário - CONSU, conforme o

o Conselho Universitário - CONSU, conforme o CENTRO UNIVERSITARlO EURÍPIDES DE MARÍLIA - UNIVEM Mantido pela Fundação de Ensino Euripides Soares da Rocha Internet: \\www.univem.edu.br - e-mail: fundação@univem.edu.br RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 REGULAMENTAÇÃO DO ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Resolução 004/2011 da Pró-Reitoria de Graduação Capítulo I - Do Conceito Art.

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA Coronel Fabriciano 2012 2 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Aspectos legais... 4 4 Requisitos acadêmicos... 4 5 Estrutura curricular organizacional

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DA FINALIDADE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO (OBRIGATÓRIO) Art.

Leia mais

LEI N.º 966/2006. Prefeitura Municipal de Rubinéia, 01 de março de 2006. APARECIDO GOULART Prefeito Municipal

LEI N.º 966/2006. Prefeitura Municipal de Rubinéia, 01 de março de 2006. APARECIDO GOULART Prefeito Municipal LEI N.º 966/2006 Autoriza o Poder Executivo, através da Administração direta, indireta e fundacional, a celebrar Convênio com o Centro de Referência e Apoio à Criança e ao Adolescente - CRA, para implantação

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1. APRESENTAÇÃO O curso de Educação Física da FISMA, através de sua orientação de estagio supervisionado obrigatório, vem por meio de o presente documento estabelecer as diretrizes básicas da realização

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA DISCENTES DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA DISCENTES DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DO ESTÁGIO DE DOCÊNCIA PARA DISCENTES DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO (Aprovado pelo Parecer do CONSEPE/USC nº 11, de 27

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Resolução do colegiado de Pedagogia nº 03/2014 Regulamenta Estágio supervisionado do curso de Pedagogia, fixados no Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, do Centro de Ensino Superior

Leia mais

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2

SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2. 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. OBJETIVO 2 3. DA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 2 3.1 Requisitos para participar do estágio supervisionado 2 3.2 Como Fazer o Estágio Supervisionado Curricular 3 3.3 A empresa e o supervisor

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FACULDADE CAMPO REAL MANUAL DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Prof. Carlos Bernardo Gouvea Pereira COORDENADOR ADJUNTO GUARAPUAVA-PR 2013 1 - Apresentação O Estágio Curricular Obrigatório (ECO)

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO REGULAMENTO DO COMPONENTE CURRICULAR ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 1. Das Disposições Preliminares Art. 1 o. Este instrumento legal regulamenta o componente curricular Estágio

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ODONTOLOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ODONTOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE ODONTOLOGIA CACOAL RO Considerações Gerais De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Odontologia expressas na

Leia mais

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE VISCONDE DE CAIRU FAVIC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL SALVADOR 2014 FACULDADE VISCONDE DE CAIRU - FAVIC CURSO DE SERVIÇO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA UNILA RESOLUÇÃO N 003/2013 DE 10 DE SETEMBRO DE 2013 Institui e regulamenta o Estágio Supervisionado, nos Cursos de Graduação

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO

SOLICITAÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO SOLICITAÇÃO DE ESTÁGIO VOLUNTÁRIO Sr(a) Chefe de Departamento, Curitiba, de de. Eu,, aluno(a) regularmente matriculado(a) no Curso de matrícula nº, solicito estágio não remunerado no Departamento de, Laboratório

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SERTÃOZINHO

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SERTÃOZINHO CONVÊNIO DE CONCESSÃO DE ESTÁGIO PROFISSIONALIZANTE QUE ENTRE SI CELEBRAM.E O CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA, POR INTERMÉDIO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SERTÃOZINHO. Pelo presente

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC DA FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS-FAM-CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE DE MIRANDÓPOLIS Administração: Reconhecido pela Portaria nº 4218, de 06/12/2005, D.O.U. de 07/12/2005 Pedagogia: Reconhecido pela Portaria nº 42, de 22/05/2006, D.O.U. de 24/05/2006 Serviço Social:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 20, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre a realização dos Estágios destinados a estudantes regularmente matriculados na Universidade Federal do Pampa e sobre os Estágios realizados no âmbito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 186/2001-CAD/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 186/2001-CAD/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 186/2001-CAD/UNICENTRO Celebra Termo de Convênio firmado entre a UNICENTRO e a COPACOL. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho de Administração,

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO CESUBE Considerando o significado e a importância do Estágio como parte fundamental da formação profissional, define-se

Leia mais

PROTOCOLO DE ENTREGA DO RELATÓRIO FINAL

PROTOCOLO DE ENTREGA DO RELATÓRIO FINAL DISCIPLINA: ESTÁGIO SUPERVISIONADO (informar I ou II) SEMESTRE LETIVO: (informar 1º ou 2º semestre de 20 ) PROTOCOLO DE ENTREGA DO RELATÓRIO FINAL DADOS GERAIS ALUNO: RA: COORDENADOR DE ESTÁGIO: Prof.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º Este Regulamento disciplina as atividades do Estágio Curricular Supervisionado,

Leia mais

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições:

As partes acima qualificadas celebram entre si o presente convênio de estágio para estudantes, mediante as seguintes condições: CONVÊNIO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO PROFISSIONAL, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.788 DE 25 DE SETEMBRO DE 2008, COM A LEI Nº 9.394 DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996 LEI DE DIRETRIZES

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE ENSINO MÉDIO INTEGRADO DO COLÉGIO PEDRO II TÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES Art.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS 2011 1. CARACTERIZAÇÃO O Estágio Supervisionado do Curso de Administração realizar-se-á sob a supervisão indireta de um professor, nas seguintes áreas, entre outras:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

Colegiado do Curso de Graduação em Administração

Colegiado do Curso de Graduação em Administração Colegiado do Curso de Graduação em Administração Resolução nº 03/2012 de 08 de novembro de 2012 Fundamentada na LEI Nº 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008. Regulamenta os procedimentos de Estágio Supervisionado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA (UNILA) COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 025, DE 01 DE SETEMBRO DE 2014. Aprova o Regulamento do Estágio Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FACULDADE SUMARÉ 2008 CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. Respeitada a legislação vigente, as normas específicas aplicáveis a cada curso e, em

Leia mais

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE

FACULDADE SÃO MIGUEL MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS RECIFE 2014 2 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Normas e orientações gerais para o Estágio Supervisionado da Licenciatura em Letras 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012.

R E S O L U Ç Ã O. Fica alterado o Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Psicologia, do. São Paulo, 26 de abril de 2012. RESOLUÇÃO CONSEACC/SP 04/2012 ALTERA O REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA, DO CAMPUS SÃO PAULO DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO USF. A Presidente do Conselho Acadêmico de Campus

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS REGULAMENTO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO CURSO DE LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS CAPÍTULO I DA NATUREZA DO ESTÁGIO Art. 1º O Estágio Obrigatório previsto na Estrutura Curricular do Curso de Letras, Licenciatura Português/Inglês

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES

REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES REGULAMENTAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACULDADE ASCES NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º. O estágio curricular do Curso de Odontologia da Faculdade ASCES constitui um momento de aprendizagem

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, de um lado,, com sede a, nº, na cidade de Pelotas, inscrita no CNPJ sob o nº, doravante

Leia mais

Manual de Estágio Não Obrigatório

Manual de Estágio Não Obrigatório Manual de Estágio Não Obrigatório Faculdade Antonio Meneghetti Recanto Maestro, 2010 1 Introdução A lei nº 11.788/2008 define estágio como o ato educativo escolar, supervisionado, desenvolvido no ambiente

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA DO IMMES. Capítulo I

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA DO IMMES. Capítulo I MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE BACHARELADO EM ODONTOLOGIA DO IMMES. Capítulo I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art.1 - O presente Manual tem por finalidade orientar os alunos concluintes do Curso

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados)

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE TECNÓLOGO EM PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO (com ênfase em calçados) Mantenedora: Fundação Educacional Fausto Pinto da Fonseca - CNPJ : 04.149.536/0001-24 Av. Dom Cabral, 31 Centro - CEP: 35.519-000 - Nova Serrana - MG Fone: (37) 3226-8200 - Site: www.fanserrana.com.br

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CAPÍTULO I DEFINIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - As presentes normas têm por objetivo organizar e disciplinar o Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

Carta de Apresentação

Carta de Apresentação Carta de Apresentação Rio de Janeiro,... de... de... Do: Professor de Estágio Supervisionado da UNISUAM Ao(à): Sr(a) Diretor(a) do(a)... Assunto: Apresentação de Estagiário Senhor(a) Diretor(a): Apresentamos

Leia mais

NSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE IESRIVER FACULDADE OBJETIVO

NSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE IESRIVER FACULDADE OBJETIVO NSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE RIO VERDE IESRIVER FACULDADE OBJETIVO MANUAL DE NORMAS E DIRETRIZES PARA ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO Rio Verde - GO APRESENTAÇÃO O Instituto de Ensino Superior de Rio Verde IESRIVER,

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OS ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG APRESENTAÇÃO Prezado(a) aluno(a): Este manual tem como objetivo orientá-lo quanto às normas do Trabalho de

Leia mais

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA SUMÁRIO Capítulo I 3 DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS 3 Capítulo II 3 DA APRESENTAÇÃO 3 Capítulo III 4 DOS OBJETIVOS

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO

SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO SOCIEDADE PIAUIENSE DE ENSINO SUPERIOR LTDA. INSTITUTO CAMILLO FILHO CONSELHO SUPERIOR Anexo Único à Resolução nº 008/2014, de 11 de dezembro de 2014, do Conselho Superior (CONSUP) REGULAMENTO DO ESTÁGIO

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais