Carta de apresentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Carta de apresentação"

Transcrição

1 Carta de apresentação TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO 53 Carta de apresentação É uma Carta que apresenta o candidato, em que condições e para quê. Deve conter: Identificação do Candidato; Dados da Empresa; Localidade, dia, mês e ano; Referência à razão do seu envio; Dados essenciais que levam a concorrer. Pode ser de candidatura ou de apresentação 54 1

2 Carta de apresentação Demonstrar confiança e disponibilidade Curta e concisa linhas Um parágrafo para desenvolver cada ideia. Não são admissíveis erros de linguagem ou ortográficos e rasuras 55 Conteúdo (Garrido, 2008) 1º parágrafo: de que maneira o conheci Explicar porque esta organização e a fonte da vaga 2º parágrafo: porque lhe escrevo Apresentar motivo da candidatura de forma interessante e indique a função pretendida 3º parágrafo: o que posso proporcionar Explique de forma clara porque se sente qualificado(a), com algumas competências 4º parágrafo: e se nos encontrássemos? Encerrar indicando interesse numa entrevista, cumprimentar e assinar. 56 2

3 Exemplo: Carta de Candidatura Telmo da Silva Rua Ernesto Lopes, 12, 1º F 2400 Leiria Alcogulhe de Baixo, 1 de Maio do Exmo. Sr. Director dos Recursos Humanos Em resposta ao vosso anúncio, com referência nº 17/A/2009, publicado no Jornal da Vizinha, do dia 31 de Abril de 2009, anunciando uma vaga de Engenheiro, venho apresentar a minha candidatura a esse lugar. Tenho 23 anos, terminei em Setembro de 2008, o curso de Engenharia Sem Materiais, do Insituto Politécnico de Leiria. Estagiei na empresa Por Aí, Ltd. e tenho experiência na função referida. Considero-me honesto, com boas capacidades de comunicação e de trabalho de equipa, aspectos muito valorizados na empresa onde estagiei. Encontro-me disponível para uma futura entrevista e agradeço o interesse que a minha candidatura lhe possa merecer. Na esperança de o ver em breve, despeço-me com os melhores cumprimentos. Assinatura Candidatura Espontânea Uma carta de apresentação deve incluir 3 pontos: 1. Introdução: Apresentação do motivo de candidatura- captar o interesse do empregador; 2. Desenvolvimento: apresentação da formação e experiência, relacionada com a actividade da empresa; 3. Conclusão: convença o empregador a conceder-lhe uma entrevista. 3

4 Curriculum Vitae TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO 59 Curriculum Vitae O aspecto é muito importante. Num primeiro momento, CV com aspecto desadequado são postos de lado, sem serem lidos. (Garrido, 2008) Muitas vezes é o primeiro e único contacto com o empregador. Deve ser sempre acompanhado de Carta de Apresentação. 60 4

5 Curriculum Vitae Clareza: dar uma impressão clara de quem é. Não se pode tornar confuso. Justificar interrupções Frases curtas Centrado no mais importante e de forma resumida. Consistente: o contrário demonstra descuido Conciso: quanto mais simples melhor. Dar a alguém para ler Adaptado à função: seleccionar o mais relevante para a função em causa. Estruturado e organizado Curriculum Vitae Definição: É um resumo dos nossos dados pessoais; da nossa formação; da nossa experiência profissional; dos nossos interesses e até das nossas actividades não profissionais. Elementos: Informação Pessoal Experiência Profissional Educação e Formação Aptidões e Competências Pessoais Informação Adicional Anexos 5

6 Organização do Currículo 1. Informação Pessoal Nome Morada Telefone(s) Endereço de correio electrónico Nacionalidade Data de nascimento Sexo 2. Experiência Profissional Formação Escolar Data(s) Função ou cargo ocupado Principais actividades e responsabilidades Nome e endereço do empregador Tipo de empresa/sector Organização do Currículo 3. Educação e Formação Data(s) Designação da qualificação atribuída Principais disciplinas/competências profissionais Nome e tipo da organização de ensino ou formação Classificação obtida 4. Aptidões e Competências Pessoais Aptidões no âmbito da Língua materna e estrangeira(s) Aptidões e Competências Sociais Aptidões e Competências de Organização Aptidões e Competências Técnicas Aptidões e Competências Informáticas Aptidões e Competências Artísticas Outras Aptidões e Competências Carta de condução 6

7 Organização do Currículo 5. Informação Adicional 6. Anexos Não esquecer datar e assinar o CV Curriculum Vitae Escrito em computador Não deve exceder 2 páginas Na 3ª pessoa, com verbos no infinitivo Elaboração; Produção; Montagem Evitar parágrafos com mais de 5 linhas. Indicar o significado das siglas Breve e conciso, para que o C.V. seja de rápida leitura. 7

8 Curriculum Vitae Valorize os pontos fortes Minimize os pontos fracos Seja honesto Adapte à empresa Cuidado com os erros e com a apresentação do CV Peça a opinião de outra pessoa Não coloque referências sem autorização 67 Curriculum Vitae Deve estar paginado, rubricado no canto e assinado na última página. Evite números por extenso. Uniformidade nas informações colocadas. Papel de qualidade Não se devem fazer referências de pormenores das actividades passadas (ex. remuneração) 68 8

9 Curriculum Vitae Existem dois tipos principais de Currículo: Cronológico apresentam-se as actividades começando na mais antiga, dividido por temáticas. Europeu apresentam-se as actividades começando na mais recente. Segue regras específicas que se encontram em: (basta procurar por EUROPASS) Exemplo: Currículo Cronológico Dados Pessoais Nome: Joaquim Ferro Idade: 22 anos Morada: Praceta da Concha nº7 r/ch Atouguia da Baleia Telefone: B. I. nº Formação Escolar 2009 Licenciatura em Gestão Hoteleira e Turismo, concluído na Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar do Instituto Politécnico de Leiria, com média de 13 valores. Formação Profissional Curso de Informática na óptica do utilizador, com a duração de 60 horas, no Centro de Formação Profissional Forpescas em Peniche. 9

10 Exemplo: Currículo Cronológico Formação Complementar Curso de Socorrismo, com a duração de 21 horas, na Casa do Povo do Baleal 2006 Curso de Francês da Alliance Française em Caldas da Rainha Experiência Profissional Agente de turismo na Empresa Viagens Sem Volta, em Peniche. Onde era responsável pela organização de excursões idosos a vários pontos do país Tractorista na Cooperativa Agrícola Frutos Secos. Outros Carta de condução de categoria B. Disponibilidade imediata. A ENTREVISTA 10

11 Técnicas de Selecção Técnicas de Selecção Permitem avaliar a adequação do candidato à função. 1. Provas de conhecimento 1. gerais ( de cultura geral) 2. específicas (conhecimentos técnicoprofissionais). 2. Testes psicológicos 1. Testes motores (destreza manual) 2. Testes de audição e visão 3. Testes de aptidão geral 4. Testes de personalidade 11

12 Técnicas de Selecção 3. Testes de Situação 1. Técnicas de grupo: discussão de um assunto 2. Situação de laboratório: reproduz-se o dia-a-dia. 3. Técnicas de confronto: o candidato é confrontado com situações problemáticas. 4. Exame médico 5. Entrevista a sua duração varia muito individual, em grupo e o candidato pode ficar perante dois ou mais entrevistadores. George Clooney Consegue-se o emprego no momento em que entramos na sala. Porque, por mais estranho que pareça, não é a capacidade de actuar que se está a vender. O que se está a vender é a confiança. (Kennedy, 2008) O papel a desempenhar é o seu melhor! (Kennedy, 2008) 12

13 Entrevista de Emprego É o momento decisivo de todo o processo de procura de emprego; Troca de informações entre o candidato e entrevistador; Conversa mais ou menos formal; Técnica de selecção mais utilizada e a que mais influencia a decisão final a respeito do aproveitamento ou não de um candidato a emprego. Objectivos do candidato Vender os seus serviços ; Mostrar as suas competências e o seu currículo; Convencer o empregador a admiti-lo; Tomar conhecimento das condições de trabalho; Uma entrevista dá a oportunidade de revelar outros aspectos para além do que está no curriculum; Acentuar as capacidades de comunicação, a auto-confiança, a energia, a criatividade, que permitirão formar uma imagem favorável. 13

14 Objectivos do entrevistador Aprofundar os elementos apresentados no currículo; Verificar se o perfil (interesses, competências e motivações) do candidato se adequa às exigências da profissão; Recolher outras informações que permitam decidir sobre a admissão do candidato. Preparação para a Entrevista Obter informações sobre a empresa (ramo de actividade, produtos, funcionamento - através de um conhecido que lá tenha trabalhado ou através de artigos publicados); Releia o currículo e prepare-se para aprofundar os aspectos focados (formação, experiência); Prepare a documentação que achar conveniente (cópias de certificados de cursos, estágios, carteira profissional); 14

15 Que pesquisas O que faz a empresa? Está a lançar novos produtos? Quais são os seus produtos? Qual é a missão da empresa? Quem são os concorrentes? Qual é a sua reputação? Onde e quando foi fundada? Etc. Preparação para a Entrevista Verifique a hora, data e local da entrevista e chegue mais cedo que o previsto; Prepare-se para a hipótese de enfrentar mais de 1 entrevistador; Prepare-se para questões que possam surgir no decorrer da entrevista; Apresente-se de forma cuidada (higiene, vestuário, calçado, cabelo, barba, unhas). 15

16 Durante uma Entrevista Perguntas Pessoais: Estas focam aspectos como a personalidade, a forma como um indivíduo se vê a si próprio, exigem pelo menos uma reflexão sobre a imagem que é projectada, a sua relação com a realidade, e com aquilo que o entrevistador pretende. Durante uma Entrevista Experiências Vividas: O percurso de um candidato e a forma como fala dele, como identifica elementos nessas experiências, pode dar pistas muito valiosas para um entrevistador, daí que seja útil rever o que se fez e qual a melhor forma de o abordar antes de ir para uma entrevista. 16

17 Durante uma Entrevista Actividades Desenvolvidas: O tipo de trabalho, Actividades voluntárias, E o desempenho neles será, também, um dos principais tópicos de conversa, daí que também se tenha que considerar a melhor forma de responder a questões relacionadas com esta área. Durante uma Entrevista Conhecimentos: Algumas entrevistas podem, também, abordar os conhecimentos que o candidato adquiriu nos seus estudos, e nas suas experiências de trabalho anteriores, assim como, outro tipo de informações de carácter mais geral, e que podem dar uma imagem sobre o carácter, interesses e capacidades do candidato. 17

18 Durante uma Entrevista Preparação Psicológica: Existem três princípios que devem ser mantidos durante estas situações: congruência das suas informações e actuações atenção a todos os pormenores do entrevistador e da própria sala empatia com o entrevistador, procurando focar os aspectos que ele considera importantes Durante a entrevista Tenha algum cuidado com a sua apresentação; Apresente-se, cumprimentando quem o recebe; Aguarde que o convidem a sentar-se; Sente-se e mantenha uma postura correcta; Olhe de frente para o entrevistador. 18

19 Durante a entrevista Mostre-se atento e interessado, com desejo de aprender e progredir; Responda com determinação às perguntas; Dê exemplos concretos das suas competências; Demonstre que possui algum conhecimento da empresa e da função à qual se candidata; Seja prudente, se abordarem aspectos da sua vida pessoal; Peça esclarecimentos delicadamente, sempre que não perceber algo. O que impressiona Kennedy, Entusiasmo 2. Capacidade de comunicação 3. Autoconfiança 4. Boa apresentação 5. Vestuário adequado ao cargo 6. Boas maneiras 7. Conhecimento técnico 8. Contacto visual firme 9. Segurança 10.Poder de decisão 19

20 A Evitar Interromper o entrevistador Falar mal das suas últimas experiências de trabalho Fugir das questões que lhe são colocadas Mendigar trabalho Demonstrar arrogância e auto-elogiar-se Mexer-se continuamente na cadeira Mastigar pastilha elástica Insistir na questão da remuneração Tecer comentários de cariz político, religioso ou desportivo Exemplo questões Questões colocadas pelo Entrevistador: Enumere 3 qualidades e 3 defeitos seus. Quer falar-me da sua experiência profissional? Porque razão se encontra desempregado? Colocação de situações imprevistas. Quanto gostaria de ganhar? Onde se vê daqui a 5 anos? 20

21 Exemplo questões a colocar: Questões colocadas pelo Entrevistado: Qual o local de Trabalho e Horário? Que funções poderei desenvolver dentro da Empresa? A função é desenvolvida individualmente ou em grupo? Qual o grau de autonomia e de responsabilidade da função? Quais as possibilidades de progressão na carreira? Qual a remuneração prevista e regalias sociais? Avaliação da Entrevista Como decorreu a entrevista? Que aspectos despertaram maior interesse no entrevistador? Realcei suficientemente as minhas competências? Falei de mais ou de menos? Dei uma imagem positiva de mim? Que aspectos poderei melhorar na próxima entrevista? 21

22 Algumas dicas para totós (Kennedy, 2008) Seja simpático(a), sorria Seja positivo(a) Escolha o que vestir antecipadamente Seja pontual Cumpra as regras de boa educação Não se limite a respostas simples As habilitações não são tudo Preste atenção e ouça 10 Características do candidato sem sucesso 1. Falta de educação 2. Desonesto 3. Convencido das capacidades pessoais 4. Trocista 5. Diz mal 6. É indiscreto 7. É impulsivo 8. Tem medo e vergonha 9. Instável ou indeciso 10. Mente 96 22

23 Atenção Fortalecer os pontos fortes Minimizar os pontos fracos Ser honesto Ser pro-activo Procurar emprego é a tempo-inteiro Diversificar e adaptar Avaliar 97 Formas de comunicação Comunicação Verbal uso de palavras. Livros Diálogo entre pessoas Jornais Comunicação Não Verbal sem recorrer a palavras Gestos Silêncios Distâncias 98 23

24 Comunicação verbal Sistema de comunicação herdado, aprendido e partilhado pelos integrantes de uma mesma comunidade. Através da fala, os indivíduos criam diferentes representações do mundo, interagem, comunicam, trocam experiências e buscam soluções para seus problemas. Qualquer acto comunicativo é compreensível apenas num quadro de regras comum. 99 Comunicação Verbal A fluência com que se fala, bem como a articulação, o ritmo ou o timbre que emprega, não escapam à observação social e cultural de determinados meios. Polissemia - mecanismo propício ao desencontro de sentidos. O uso sistemático de vocábulos com vários significados induz uma fonte de ruído. (cabo, banco, sexo, operação, coração)

25 Comunicação Não Verbal A comunicação não verbal produzida pelo Homem é: espontânea raramente é consciente, caracteriza-se por padrões comportamentais nunca fornece certezas absolutas, mas a acumulação de padrões permite tirar conclusões. 101 Comunicação Não Verbal É através da comunicação não verbal que transmitimos uma grande parte dos sentimentos e das emoções. Permitem reforçar ou contradizer a mensagem verbal. Ocorre, na maior parte das vezes, de forma inconsciente

26 Comunicação Não Verbal: expressão facial Os rostos transmitem essencialmente sentimentos. As pessoas olham umas para as outras, entre 30% e 60% do tempo da conversa, e quando gastam mais do que 60% estão mais interessadas no interlocutor do que na conversa. Já foram identificados 135 gestos e expressões do rosto, cabeça e corpo, dos quais 80 eram do rosto e cabeça. 103 Comunicação Não Verbal: movimento dos olhos Um olhar fixo pode ser entendido como prova de interesse, mas noutro contexto pode significar ameaça, provocação. Desviar os olhos pode transmitir a ideia de submissão ou de desinteresse. Olhadela, o olhar, o contacto visual, o evitar do olhar, o desviar do olhar, etc

27 Comunicação Não Verbal: postura e movimentos do corpo os movimentos corporais podem fornecer pistas mais seguras do que a expressão facial para se detectarem determinados estados emocionais. Cada pessoa tem um andar característico (o passo, a largura e a atitude) e interpretamo-las em função da forma como se deslocam. 105 Comunicação Não Verbal: comportamentos não verbais da voz Variam em função das características físicas, sociais e psicológicas. Uma voz calma geralmente transmite mensagens mais claras do que uma voz agitada. a entoação, o timbre, a intensidade da voz, as pausas, a articulação, a pronúncia, etc

28 Comunicação Não Verbal: o silêncio Faz parte da comunicação e consegue ser tão informativo como a comunicação voluntária. É bastante frequente na relação interpessoal. Pode ser um momento de troca de emoções. É essencial porque para escutar temos que estar em silêncio. Comunicação Não Verbal: a aparência A aparência reflecte o tipo de imagem que se pretende passar. Através do vestuário, penteado, maquilhagem, apetrechos pessoais, postura, gestos, modo de falar, etc., as pessoas criam uma projecção de como são e de como gostariam de ser tratadas. As relações interpessoais serão menos tensas se a pessoa fornecer aos outros a sua ideia de si própria e se os outros respeitarem essa ideia

29 Exemplos O ! Gravata? Piercing? Saias? Maquilhagem? Gravar no quarto? Gravar na cozinha? Onde gravar? Formação de Impressões Efeito de ordem a ordem com que se apresenta a informação condiciona a impressão. Os primeiros elementos apresentados vão condicionar a interpretação dos subsequentes efeito de primazia ou precedência. Quando os primeiros elementos são, por algum motivo neutros, a pessoa baseia-se nos últimos dados obtidos - efeito de recência

30 Formação de Impressões Efeito de halo quando se cria uma primeira impressão positiva ou negativa, há uma tendência para interpretar os outros dados consistentemente com a primeira impressão. Generalizamos características com base nos primeiros dados avaliados. Sofre de efeitos provenientes por exemplo do aspecto físico, situação social, etc. 111 Primeira Impressão

31 Princípios Quem vê procura fazer perceber a maneira de ser da pessoa, com base no que vê. Qualquer pessoa assume que a amostra de comportamentos que observa constituem uma base segura para avaliar a personalidade do outro. 113 Princípios Esperamos consistência nos traços e comportamentos da pessoa. A partir do primeiro traço percebido, esperamos que os seguintes sejam coerentes; o mesmo com os comportamentos. Quando são detectadas discrepâncias, qualquer pessoa procura resolvê-las de forma a voltar a formar um todo coerente

32 Primeira Impressão 115 Primeira Impressão

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea.

3 - Seleccionar e responder a Anúncios de Emprego ou redigir uma Carta de Candidatura Espontânea. Mercado de Emprego Etapas a Percorrer 1 - Estabelecer o Perfil Profissional Fazer a avaliação de si mesmo: - Competências - Gostos - Interesses Elaboração de uma lista do tipo de empregos que correspondem

Leia mais

Técnicas de Procura de Emprego UNIVA. Técnicas de Procura de Emprego

Técnicas de Procura de Emprego UNIVA. Técnicas de Procura de Emprego Técnicas de Procura de Emprego Objectivos Conhecer as fontes de emprego; Aprender a elaborar a documentação para uma candidatura; Aprender a preparar-se para uma entrevista de emprego. Começar Balanço

Leia mais

Guia de Orientação na Procura de Emprego

Guia de Orientação na Procura de Emprego Guia de Orientação na Procura de Emprego Prepare-se para procurar emprego A procura de emprego é um trabalho que exige planeamento, esforço e análise. Onde quero trabalhar? Que tipo de empregos me interessam?

Leia mais

COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO

COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO COMPETÊNCIAS EM LITERACIA DA INFORMAÇÃO SABER USAR A INFORMAÇÃO DE FORMA EFICAZ - CONSTRUIR UM CURRICULUM VITAE CURRICULUM VITAE Segundo o Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa, a expressão latina

Leia mais

Dicas de entrevista de seleção. Professora Sônia Regina Nozabielli Março/2005

Dicas de entrevista de seleção. Professora Sônia Regina Nozabielli Março/2005 Dicas de entrevista de seleção Professora Sônia Regina Nozabielli Março/2005 O que é a entrevista de seleção? É uma etapa do processo seletivo que tem como objetivo levantar maiores informações a respeito

Leia mais

Explique o que o atrai na empresa, na função, no setor. Aproveite para mostrar entusiasmo. Não se prolongue

Explique o que o atrai na empresa, na função, no setor. Aproveite para mostrar entusiasmo. Não se prolongue Cartas de apresentação Juntamente com o CV, a carta de apresentação é um dos primeiros elementos que a empresa à qual se candidata tem sobre si. Saiba como elaborar uma carta de apresentação e veja um

Leia mais

COMO CANDIDATAR-SE A UM EMPREGO

COMO CANDIDATAR-SE A UM EMPREGO COMO CANDIDATAR-SE A UM EMPREGO O Futuro do Engenheiro Electromecânico Escola Superior de Tecnologia de Setúbal 18 de Maio de 2005 Alexandra Martins Docente do Departamento de Comportamento Organizacional

Leia mais

Em Entrevistas Profissionais

Em Entrevistas Profissionais Em Entrevistas Profissionais Amplie a sua performance na valorização das suas competências 2011 Paula Gonçalves [paula.goncalves@amrconsult.com] 1 Gestão de Comunicação e Relações Públicas As Entrevistas

Leia mais

Elaboração do CV. Março de 2011

Elaboração do CV. Março de 2011 Elaboração do CV Março de 2011 Programa de Apresentação 1 2 3 4 5 Informação a constar no CV Aspectos Gerais a ter em conta na elaboração do CV Aspectos a Evitar O que valorizam as Empresas nos Recém-Licenciados

Leia mais

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM

CURRICULUM VITAE UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM UNIÃO DAS FREGUESIAS DE GONDOMAR (S. COSME), VALBOM E JOVIM Componentes de um Curriculum Vitae Regras para a elaboração Regras para a utilização Diferentes tipos de Curriculum Vitae Qual o tipo de Curriculum

Leia mais

[A CARTA DE APRESENTAÇÃO] Projecto CLDS Guarda + Social. Gabinete de Empregabilidade e Inserção

[A CARTA DE APRESENTAÇÃO] Projecto CLDS Guarda + Social. Gabinete de Empregabilidade e Inserção 2011 Projecto CLDS Guarda + Social Gabinete de Empregabilidade e Inserção [A CARTA DE APRESENTAÇÃO] É uma carta simples e breve que deve acompanhar o Curriculum Vitae. CLDS Guarda + Social Carta de Apresentação

Leia mais

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae

Competências em Literacia da Informação. Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae Competências em Literacia da Informação Saber usar a informação de forma eficaz Construir um curriculum vitae Ana Isabel Roxo 2013 CURRICULUM VITAE Segundo o Dicionário da Academia de Ciências de Lisboa,

Leia mais

Anúncios de Emprego Cartas de Apresentação

Anúncios de Emprego Cartas de Apresentação Investe nas pessoas! Projeto cofinanciado pelo FUNDO SOCIAL EUROPEU através do Programa Operacional Setorial para o Desenvolvimento dos Recursos Humanos 2007 2013 Eixo prioritário 5: "Promoção de medidas

Leia mais

CARTA DE EMPREGO. A carta de emprego/apresentação deverá ser usada em duas situações: Resposta a ofertas/anúncios de emprego Candidaturas espontâneas

CARTA DE EMPREGO. A carta de emprego/apresentação deverá ser usada em duas situações: Resposta a ofertas/anúncios de emprego Candidaturas espontâneas CARTA DE EMPREGO A carta de emprego/apresentação deverá ser usada em duas situações: Resposta a ofertas/anúncios de emprego Candidaturas espontâneas ANÚNCIOS DE JORNAIS (CARTA DE RESPOSTA) Redigida de

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Assistente Técnico e Técnico

ANÚNCIO DE CONCURSO. Assistente Técnico e Técnico Direcção Geral da Administração Pública Rua Funchal Meio da Achada Santo António C.P nº 200 Cidade da Praia - Cabo Verde PBX: 3337399 www.dgap.com.cv ANÚNCIO DE CONCURSO Assistente Técnico e Técnico O

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO

TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO TÉCNICAS DE PROCURA DE EMPREGO 1 I Factores a considerar no plano de procura de emprego Procurar emprego é, cada vez mais, uma tarefa árdua e complicada que requer um cada vez maior empenhamento e postura

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão.

ANÚNCIO DE CONCURSO. Área Formação Académica Cargo/Nível Vaga. Licenciatura: Engenharia de Informática, Ciências da Computação, Informática de Gestão. ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos no regulamento de concursos, com o objectivo

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Sete (7 ) Técnicos - Ministério Desenvolvimento Rural (MDR)

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Sete (7 ) Técnicos - Ministério Desenvolvimento Rural (MDR) ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de Sete (7 ) Técnicos - Ministério Desenvolvimento Rural (MDR) O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública e de acordo

Leia mais

COACHING COMERCIAL. - Um PROCESSO ao serviço do. DESENVOLVIMENTO Pessoal e. Profissional - DESENVOLVIMENTO DA PERFORMANCE COMERCIAL LACOSTE P/V 2008

COACHING COMERCIAL. - Um PROCESSO ao serviço do. DESENVOLVIMENTO Pessoal e. Profissional - DESENVOLVIMENTO DA PERFORMANCE COMERCIAL LACOSTE P/V 2008 COACHING COMERCIAL LACOSTE P/V 2008 - Um PROCESSO ao serviço do DESENVOLVIMENTO Pessoal e Profissional - 1 COACHING: do que se trata! Existem variadas definições para caracterizar o Coaching, no entanto

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Nº de Vagas Instituição

ANÚNCIO DE CONCURSO. Nº de Vagas Instituição ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de um Inspetor Geral para a Inspecção Geral da Construção e da Imobiliária do Ministério das Infraestruturas e Economia Marítima O presente anúncio de recrutamento é coordenado

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015

CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015 CONTRATAÇÃO DE ESCOLA 2014-2015 Informam-se os interessados que está aberto o procedimento concursal para recrutamento no âmbito da Reserva de Recrutamento / Contratação de Escola dos horários abaixo discriminados,

Leia mais

Tipo de perguntas mais frequentes

Tipo de perguntas mais frequentes Tipo de perguntas mais frequentes Para facilitar a preparação de uma entrevista apresentamos questões que frequentemente são colocadas nesta situação. Com base nestas, os candidatos poderão praticar as

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. 1. Perfil / Vagas. Previsão de Vagas. Formação Académica

ANÚNCIO DE CONCURSO. 1. Perfil / Vagas. Previsão de Vagas. Formação Académica ANÚNCIO DE CONCURSO O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública e de acordo com os novos procedimentos do Recrutamento Centralizado estabelecidos na Directiva

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de 4 Técnico Superior Nível I

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de 4 Técnico Superior Nível I Direcção Geral da Administração Pública Rua Funchal Meio da Achada Sto. António C.P nº 200 Cidade da Praia - Cabo Verde PBX: 3337399 www.dgap.com.cv Ponta Belém - Plateau -Praia CP nº 114- Praia República

Leia mais

Corpo e Fala EMPRESAS

Corpo e Fala EMPRESAS Corpo e Fala EMPRESAS A Corpo e Fala Empresas é o braço de serviços voltado para o desenvolvimento das pessoas dentro das organizações. Embasado nos pilares institucionais do negócio, ele está estruturado

Leia mais

O que Vês na Imagem?

O que Vês na Imagem? O que Vês na Imagem? Fonte: Farol, versão portuguesa do COMPASS: www.humanaglobal.com Duração aproximada: 30 minutos a 1 hora Palavras-chave: direitos humanos, interpretação/visão individual dos direitos

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de três (3) Engenheiros para Projecto de desenvolvimento do sistema de abastecimento de água na Ilha de Santiago

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de três (3) Engenheiros para Projecto de desenvolvimento do sistema de abastecimento de água na Ilha de Santiago ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de três (3) Engenheiros para Projecto de desenvolvimento do sistema de abastecimento de água na Ilha de Santiago O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0462 62 IDENTIFICAÇÃO: Título: A IMPORTÂNCIA DO RECRUTAMENTO E SELEÇÃO PARA O FUTURO DA EMPRESA. Atributo: COMPATIBILIDADE DO PERFIL. Processo: RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTIAGO DO CACÉM ESCOLA FREI ANDRÉ DA VEIGA DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS - 2º CICLO 5º ANO Competências de comunicação Pesos Instrumentos Parâmetros

Leia mais

Como os candidatos podem se preparar para uma entrevista de emprego

Como os candidatos podem se preparar para uma entrevista de emprego Como os candidatos podem se preparar para uma entrevista de emprego Existe muita literatura no mercado sobre esse assunto, e várias páginas na Internet em todos os idiomas. Aqui abaixo dois exemplos de

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO?

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO? Palestra: Comunicação e Marketing Pessoal: Dicas para Valorizar a sua Imagem. Prof. Adm. Esp. Juliana Pina Bomm E-mail: professorajulianapina@yahoo.com.br QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE

Leia mais

Como enfrentar uma entrevista de emprego, sem tremer!

Como enfrentar uma entrevista de emprego, sem tremer! Como enfrentar uma entrevista de emprego, sem tremer! Pr_p[r[-t_ p[r[ [ _ntr_vist[ ^ mpr_go A entrevista de emprego traduz-se num marco fulcral no processo de procura de emprego, correspondendo ao diálogo

Leia mais

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Dirigentes Intermédios

ANÚNCIO DE CONCURSO. Recrutamento de Dirigentes Intermédios ANÚNCIO DE CONCURSO Recrutamento de Dirigentes Intermédios O presente anúncio de recrutamento é coordenado pela Direcção Geral da Administração Pública (DGAP), de acordo com os novos procedimentos do Recrutamento

Leia mais

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Competências chave para o Emprego

ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Competências chave para o Emprego ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Competências chave para o Emprego Introdução Objectivos: Desenvolver um conjunto de atitudes e competências de carácter pessoal, social e profissional,

Leia mais

Formação em Coach c in i g Pro r fis fi sio i nal PROGRAMA DE COACHING PROFISSIONAL copyright YouUp 2011

Formação em Coach c in i g Pro r fis fi sio i nal PROGRAMA DE COACHING PROFISSIONAL copyright YouUp 2011 Formação em CoachingProfissional Objectivos Gerais Distinguir entre auto-estima e auto-confiança. Enumerar vantagens de uma auto-estima elevada. Saber como pode Coaching ajudar a elevar a auto-estima.

Leia mais

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE

COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMO CONTRATAR OS MELHORES REPRESENTANTES DE ATENDIMENTO AO CLIENTE Por que se importar 3 O melhor representante de atendimento 4 SUMÁRIO Escrevendo um anúncio de vaga de emprego Carta de apresentação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF Avaliador Cargo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O PESSOAL DOS GRUPOS PROFISSIONAIS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira

Leia mais

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência)

1. Motivação para o sucesso (Ânsia de trabalhar bem ou de se avaliar por uma norma de excelência) SEREI UM EMPREENDEDOR? Este questionário pretende estimular a sua reflexão sobre a sua chama empreendedora. A seguir encontrará algumas questões que poderão servir de parâmetro para a sua auto avaliação

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste

LEITURA DA ENTREVISTA 2. E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste LEITURA DA ENTREVISTA 2 E Boa tarde. Desde já quero agradecer-lhe a sua disponibilidade para colaborar neste trabalho que estou a desenvolver. Como lhe foi explicado inicialmente, esta entrevista está

Leia mais

para o mercado de trabalho

para o mercado de trabalho Orientação Profissional para o mercado de trabalho 2 APRESENTAÇÃO O SINDEPRESTEM, através de seu Plano Diretor, tem trabalhado com responsabilidade social e dedicação empresarial na promoção de ações e

Leia mais

Europass Curriculum Vitae

Europass Curriculum Vitae Europass Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido(s) / Nome(s) próprio(s) Morada(s) Rua General Pinto Monteiro nº12 2º dto 6300 Guarda Portugal Telemóvel 967210667 Endereço(s) de correio electrónico

Leia mais

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ)

CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) INTEGRAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS SUPERIORES BACHARÉIS, LICENCIADOS E MESTRES CURSO DE INTEGRAÇÃO EMPRESARIAL DE QUADROS (CIEQ) GUIA DE CURSO ÍNDICE 1 - Objectivo do curso 2 - Destinatários 3 - Pré-requisitos

Leia mais

Formulário de Avaliação de Desempenho

Formulário de Avaliação de Desempenho Formulário de Avaliação de Desempenho Objetivos da Avaliação de Desempenho: A avaliação de desempenho será um processo anual e sistemático que, enquanto processo de aferição individual do mérito do funcionário

Leia mais

CURRICULUM VITAE - «curso de vida»

CURRICULUM VITAE - «curso de vida» CURRICULUM VITAE - «curso de vida» De forma breve, presta informações do candidato às entidades; Uma ferramenta de marketing pessoal. Principal objetivo vender os seus talentos ao potencial empregador

Leia mais

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO

Voluntariado REGULAMENTO INTERNO Voluntariado REGULAMENTO INTERNO 1. Âmbito e Enquadramento O Projeto de Voluntariado da FUNDAÇÃO DA JUVENTUDE dá a oportunidade aos jovens portugueses de contribuírem para o desenvolvimento do país e da

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MARKETING

COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO DE MARKETING COMUNICAÇÃO INTEGRADA DE MARKETING Meio através do qual a empresa informa, persuadi e lembra os consumidores sobre o seu produto, serviço e marcas que comercializa. Funções: Informação

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

ATENDIMENTO AO PUBLICO

ATENDIMENTO AO PUBLICO ATENDIMENTO AO PUBLICO Apresentado por Rui Fontes CONTEXTO Alterações sociais, politicas e económicas das sociedades Cliente é o centro de toda a actividade económica Como cliente o cidadão ganha um poder

Leia mais

CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional

CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional CQEP Centro para a Qualificação e Ensino Profissional Em março de 2014, o Centro para a Qualificação e o Ensino Profissional (CQEP) da Escola Secundária de Felgueiras iniciou a sua missão de informar,

Leia mais

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2

Conteúdo. Como ler artigos científicos... 2 Comol era r t i gos c i ent íc os Conteúdo Como ler artigos científicos... 2 Dicas de como ler o artigo... 4 Guia de como ler um artigo:... 5 Atividade 1... 7 Etapa 1... 7 Etapa 2... 8 Etapa 3... 8 Etapa

Leia mais

AVALIAÇÃO: Teste escrito

AVALIAÇÃO: Teste escrito Aulas de Ciências do Comportamento 24 Novembro (quarta) Introdução à Psic. Desporto Conhecimento do atleta Motivação 3 Dezembro (quarta) Comunicação e aprendizagem Auto-confiança Formulação de objectivos

Leia mais

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS

AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS D O S S I E R D O E M P R E E N D E D O R AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS PROJECTO PROMOÇÃO DO EMPREENDEDORISMO IMIGRANTE P E I AUTO-DIAGNÓSTICO DE COMPETÊNCIAS EMPREENDEDORAS Competências

Leia mais

I. A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO PROCESSO DE PROCURA DE EMPREGO

I. A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO PROCESSO DE PROCURA DE EMPREGO I. A ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DO PROCESSO DE PROCURA DE EMPREGO Manter uma atitude positiva na procura de Emprego e Formação Profissional O aumento do desemprego (procura de trabalho superior à oferta) leva

Leia mais

Comunicar com. Madalena Leão

Comunicar com. Madalena Leão Comunicar com Impacto Madalena Leão 15 de Fevereiro de 2009 Falar em público Capacidade que possibilita a um bom orador defender e fundamentar as suas ideias; Afirmar energeticamente as suas propostas;

Leia mais

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios

Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Serviço de Apoio à Criação de Emprego e estágios Outubro de 2010 Agenda EM DESTAQUE Aderir à REDE! NOTÍCIAS/ EVENTOS Índice Nota Editorial Eventos/Notícias Na Primeira Pessoa Instituição do Mês Protocolos

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança)

Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) Mestrado em Sistemas Integrados de Gestão (Qualidade, Ambiente e Segurança) 1 - Apresentação Grau Académico: Mestre Duração do curso: : 2 anos lectivos/ 4 semestres Número de créditos, segundo o Sistema

Leia mais

Considerações Finais. Resultados do estudo

Considerações Finais. Resultados do estudo Considerações Finais Tendo em conta os objetivos definidos, as questões de pesquisa que nos orientaram, e realizada a apresentação e análise interpretativa dos dados, bem como a sua síntese final, passamos

Leia mais

Sou uma pessoa esforçada, simpática, responsável, de boa apresentação e de fácil aprendizagem.

Sou uma pessoa esforçada, simpática, responsável, de boa apresentação e de fácil aprendizagem. Exm. Srº (ª) Chamo-me Marta Madeira, tenho 21 anos, sou de Vila Nova da Barquinha, tendo também moradia na freguesia da Carregueira, conselho da Chamusca. Tenho o curso de Técnica de Apoio á Infância com

Leia mais

Formação em Coach c in i g Pro r fis fi sio i nal PROGRAMA DE COACHING PROFISSIONAL copyright YouUp 2011

Formação em Coach c in i g Pro r fis fi sio i nal PROGRAMA DE COACHING PROFISSIONAL copyright YouUp 2011 Formação em CoachingProfissional Objectivos Gerais Definir coaching em traços gerais e enumerar os elementos essenciais ao coaching Distinguir as grandes categorias de coaching Enumerar as 11 competências

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre Entrevista de Emprego Todos nós desejamos, em algum ponto da carreira, ter a oportunidade de trabalhar na

Leia mais

PROJECTO DE COMUNICAÇÃO

PROJECTO DE COMUNICAÇÃO PROJECTO DE COMUNICAÇÃO VITÓRIA SPORT CLUBE Visão O objectivo e desafio do Departamento de Comunicação visa ajudar a congregar os actos comunicativos de todos aqueles que fazem parte do Clube e transmitir

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Eloqüência na gestão de carreira Ari Lima * Eloqüência, é a faculdade de considerar, para cada questão, o que pode ser apropriado para persuadir. Aristóteles A comunicação interpessoal

Leia mais

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social Semana da Liberdade de Escolha da Escola / School Choice Week & I Conferência da Liberdade de Escolha da Escola / 1st School Choice Conference Guião de apoio para divulgação junto da Comunicação Social

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008

ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003. Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 ORIENTAÇÃO SOBRE PRINCÍPIOS DE AUDITORIA NP EN ISO 19011:2003 Celeste Bento João Carlos Dória Novembro de 2008 1 SISTEMÁTICA DE AUDITORIA - 1 1 - Início da 4 - Execução da 2 - Condução da revisão dos documentos

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS

TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS APTIDÕES SOCIAIS TREINO DE APTIDÕES SOCIAIS Objectivo: aumentar as competências do sujeito para lidar com situações sociais e diminuir a sua ansiedade ou desconforto nestas Teorias acerca da etiologia

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1

Análise de conteúdo dos programas e planificações António Martins e Alexandre Ventura - 1 1 Domínio perceptivo-cognitivo Visão global dos fenómenos Análise de uma situação Identificação de problemas Definição de estratégias para a resolução de problemas Pesquisa e selecção da informação Aplicação

Leia mais

Prémio EDP Novos Artistas. Regulamento

Prémio EDP Novos Artistas. Regulamento Prémio EDP Novos Artistas Regulamento DO PRÉMIO 1. O Prémio EDP Novos Artistas, criado em 2000, é uma iniciativa da Fundação EDP. Com a atribuição deste prémio, a Fundação EDP confirma a sua responsabilidade

Leia mais

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS

CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO MANUAL DE GESTÃO DE CONFLITOS CENTRO SOCIAL SANTA CRUZ DO DOURO Você deve ser a mudança que deseja ver no mundo. (Mahatma Gandhi) GESTÃO DE CONFLITOS Gestão de Conflitos é a arte de identificar, lidar e minimizar/resolver situações

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros

MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros MOBILIZAR É PRECISO! COMO FAZEMOS? Dr. Dante R Quadros AMEAÇAS Gary Hamel SOCIEDADE OUTRAS INSTITUIÇÕES COMPETIÇÃO DESINTERESSE CONFLITOS APATIA ETC. MUDANÇAS Pesquisa da TMI 1. 10% dos empregados andam

Leia mais

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º

5- Cite, em ordem de preferência, três profissões que você mais gostaria de exercer: 1º 2º 3º 18. DICAS PARA A PRÁTICA Orientação para o trabalho A- Conhecimento de si mesmo Sugestão: Informativo de Orientação Vocacional Aluno Prezado Aluno O objetivo deste questionário é levantar informações para

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS

COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS COMUNICAÇÃO DE MÁS NOTÍCIAS José Filipe Farela Neves Funchal, Outubro 2012 Comunicação de más notícias Tarefa complexa, difícil. Em intensivos, frequentemente inesperada. Pouco tempo para estabelecer relação

Leia mais

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução

Capítulo 9 Emprego. 9.1 Introdução Capítulo 9 Emprego 9.1 Introdução Hoje em dia, as redes sociais são as grandes responsáveis pelas contratações de emprego. Muitos dos responsáveis por recrutamento e recursos humanos das empresas avaliam

Leia mais

CCSQ. Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 Setembro 2013. www.ceb.shl.com

CCSQ. Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente. Nome Sample Candidate. Data 23 Setembro 2013. www.ceb.shl.com CCSQ Relatório para o Gestor Funções de Contacto com o Cliente Nome Sample Candidate Data 23 Setembro 2013 www.ceb.shl.com INTRODUÇÃO Este Relatório para o Gestor ajuda a compreender a adequação potencial

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE PROCURA DE

ESTRATÉGIAS DE PROCURA DE Estou a acabar o meu curso, e agora? Estratégias de procura QUASE de emprego A ACABAR O CURSO, E AGORA? ESTRATÉGIAS DE PROCURA DE EMPREGO A conclusão dos estudos e a transição para o mercado de trabalho

Leia mais

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado;

Princípio da Solidariedade: Responsabilidade de todos os cidadãos na concretização das finalidades do voluntariado; 1. DEFINIÇÃO DE VOLUNTARIADO é o conjunto de acções de interesse social e comunitário, realizadas de forma desinteressada por pessoas, no âmbito de projectos, programas e outras formas de intervenção ao

Leia mais

Barómetro das Profissões

Barómetro das Profissões Número 1T/2011 Período: 1 de Janeiro a 31 de Março Abril 2011 Realizado por Isabel Machado para IPAM Carreiras INTRODUÇÃO O presente Barómetro trimestral inserido na investigação do IPAM Carreiras pretende

Leia mais

Modelos de Cartas. Gabinete de Imagem e Relações com o Exterior. Bolsa de Emprego da FCUP Elisabete Rodrigues

Modelos de Cartas. Gabinete de Imagem e Relações com o Exterior. Bolsa de Emprego da FCUP Elisabete Rodrigues Gabinete de Imagem e Relações com o Exterior Bolsa de Emprego da FCUP Elisabete Rodrigues Tel.: 22 0100766 Fax: 22 0100767 e-mail: esrodrig@fc.up.pt Web: www.fc.up.pt Modelos de de Cartas Índice Índice

Leia mais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais

sistema de gestão do desempenho e potencial Directório de Competências e de Perfis Profissionais SGDP sistema de gestão do desempenho e potencial :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais :: Directório de Competências e de Perfis Profissionais ÍNDICE Competências Inovação e Criatividade

Leia mais

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento

Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento Reflexão Final do Módulo Língua inglesa - Atendimento R u i J o r g e d a E i r a P e r e i r a N º 1 6 Página 1 Índice Remissivo Capa de apresentação... 1 Índice remissivo... 2 Dados biográficos... 3

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades...

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO. 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 11 PRIMEIRA PARTE A RELAÇÃO CONSIGO MESMO 1. AUTOCONHECIMENTO... 15 1.1 Processos... 16 1.2 Dificuldades... 19 2. AUTOESTIMA... 23 2.1 Autoaceitação... 24 2.2 Apreço por si... 26

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR

REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO INTERNO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições

Leia mais

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz Em abril de 2.000 Jack Welch - o executivo do século foi entrevistado pela Executive Focus International. Essa entrevista foi coberta com exclusividade pela revista brasileira HSM Management, edição de

Leia mais

Dominando os Meios de Comunicação

Dominando os Meios de Comunicação Dominando os Meios de Comunicação CORTESIA DE Save the Children Young People s Press Prep. para os Meios de Comunicação Conhecendo os Meios de Comunicação Você deve saber que tipo de entrevista vai dar:

Leia mais

Marketing Pessoal. Manuel Joaquim de Sousa Pereira

Marketing Pessoal. Manuel Joaquim de Sousa Pereira Marketing Pessoal Manuel Joaquim de Sousa Pereira Índice Introdução Geral 1 Capítulo I Parte I Da massificação à individualização da comunicação 1 Introdução...................... 21 2 A comunicação....................

Leia mais

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão

Saiba como tirar partido de. Ana Leitão Saiba como tirar partido de Ana Leitão O que pode correr mal numa apresentação? Descubra o que mais o assusta, conheça as suas fragilidades para as superar. Prévios Definição de metas/objectivos Selecção

Leia mais

Programa de Estágios Extra-curriculares Voluntários (PEEV) da Associação de Estudantes do Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte (AE ISCS-N)

Programa de Estágios Extra-curriculares Voluntários (PEEV) da Associação de Estudantes do Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte (AE ISCS-N) Programa de Estágios Extra-curriculares Voluntários (PEEV) da Associação de Estudantes do Instituto Superior de Ciências da Saúde do Norte (AE ISCS-N) 1ª Edição 2012/2013 Programa de Estágios Extra-curriculares

Leia mais

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada.

10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS ASSERTIVAS. dar FEEDBACK, dizer NÃO, Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada. 10+10 MINIGUIA... ATITUDES E PALAVRAS Para administrar CONFRONTAÇÃO; dar FEEDBACK, dizer NÃO, expressar DESACORDO ou SATISFAÇÃO Veronica Z. Herrera Consultora Treinadora Coach Certificada CONSTRUINDO MELHORES

Leia mais

Plano de Formação 2013

Plano de Formação 2013 Plano de Formação 2013 Ações Internas 2013 APRESENTAÇÃO DAS ÁREAS DE FORMAÇÃO Línguas Higiene, segurança e saúde no trabalho Relacionamento Interpessoal Tecnologias de Informação 2 TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima

Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima A. Preâmbulo A missão do professor de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) não

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

Passo 2 Formas de Envio de Curriculum e Carta Apresentação

Passo 2 Formas de Envio de Curriculum e Carta Apresentação Passo 2 Formas de Envio de Curriculum e Carta Apresentação Considero este Passo tão importante ao passo anterior, pois de nada adianta fazer um ótimo curriculum. Aqui vamos expor as maneiras atuais que

Leia mais