Segue-se, portanto, o Edital da Arsenal Brasil.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segue-se, portanto, o Edital da Arsenal Brasil."

Transcrição

1 Introdução Carta de Apresentação Toda torcida de clubes de futebol sente necessidade de um Estatuto de Regras, tanto para os Membros quanto para o Comitê Geral. As regras têm como objetivo manter a Torcida organizada e estabelecer certa ordem entre os membros e as ações executadas entre os administradores. Serve, principalmente, como um contrato entre os Membros e a Torcida, no qual ambos vão assinar acordos: por um lado, o torcedor se mantém filiado e pode adquirir todos os benefícios oferecidos, e a Torcida se beneficia também com a contribuição dos membros financeiramente. Entretanto, um Estatuto só pode ser registrado como oficial de uma torcida caso esta seja cadastrada em Cartório. Antes disso, devemos criar um Edital, como se fosse um conjunto de pequenas regras e acordos primários entre os torcedores iniciantes e os administradores da Torcida. O presente Edital Arsenal Brasil foi escrito para todos os membros que iniciaram esta grande jornada rumo à oficialização da Torcida. Abaixo seguem algumas regras e acordos que estarão vigentes até que a Torcida esteja registrada oficialmente em Cartório, para que possamos elaborar um Estatuto mais complexo e detalhado. Cada detalhe está explicitado abaixo. A primeira parte refere-se ao Comitê Geral, assim chamado daqui para frente. Detalha as funções dos cargos administrativos e regulamenta sua atuação até o registro da Torcida. A segunda parte, então, refere-se aos membros como um todo, especificando a questão das Taxas e Mensalidades, bem como a atuação de cada membro e seus benefícios até o presente momento. O texto termina com um Projeto Social que a Torcida pretende realizar ao longo de sua existência, levando ajuda a crianças carentes em locais necessitados do Brasil. O Edital deve, primeiramente, ser aprovado pelo Comitê Geral, e posteriormente será posto em prática. O Edital, também a priori, ficará com o idealizador e fundador da Arsenal Brasil. Quando elaborado o Estatuto detalhado e registrado em Cartório, tal documento, assim como todos os outros, ficará em poder do Presidente, e cada membro do Comitê Geral terá uma cópia. Segue-se, portanto, o Edital da Arsenal Brasil.

2 1. Do Comitê Geral 1.1 Atribuições dos cargos administrativos A Arsenal Brasil terá como órgão administrativo o Comitê Geral, constituído inicialmente por quatro cargos, devidamente explicitados abaixo: 1. Presidente 2. Vice-Presidente 3. Tesoureiro 4. Secretário Entretanto, com o crescimento da torcida, será permitido que cada nova chapa que se candidatar seja formada por estes 4 cargos + no máximo 1% (hum por cento) do número de membros da torcida em cargos novos, cujas funções e responsabilidades deverão ser descritos durante o processo de eleição, e então adicionados no estatuto. Os membros do comitê terão as mesmas vantagens dos membros contribuintes da Torcida, porém por dedicar seu tempo e trabalho à manutenção e crescimento da Arsenal Brasil, não precisarão contribuir financeiramente com a parcela anual. No caso de ausência por motivo de força maior, o membro do Comitê deverá nomear um substituto para o tempo que estiver incapacitado (caso não haja um Vice respectivo). Esse prazo não pode ser maior do que 6 (seis) meses, em tal caso o membro do Comitê deverá pedir sua renúncia (o item lida com essa questão). Caso a ausência seja súbita, sem possibilidade de nomear um substituto, cabe ao Presidente nomear esse substituto.

3 1.2 Funções dos cargos do Comitê Abaixo seguem as principais funções dos quatro cargos administrativos da Arsenal Brasil. Os cargos poderão ser preenchidos apenas com membros maiores de 18 anos de idade, de qualquer sexo Presidente: O Presidente deve ser responsável pela Torcida, respondendo por ela em qualquer circunstância necessária. A Presidência é responsável, principalmente, pelas questões jurídicas da Torcida. O nome do Presidente deve ser incluído em todos os documentos jurídicos, e toda e qualquer ação deve passar pela aprovação final do Presidente. A assinatura do mesmo é indispensável para que qualquer decisão seja tomada. O Presidente deverá também organizar as reuniões do Comitê Geral, para aprovação e ajuste de contas. O Presidente é o contato direto da Torcida com o Arsenal FC, e responsável pela entrega de relatórios para o Clube. O Presidente deve, também, assinar os cheques bancários e qualquer outro documento importante junto ao Tesoureiro. Em caso de falta do Presidente, fica incumbido de tal função o Secretário. O voto do Presidente tem caráter de desempate em qualquer eleição dentro do Comitê Vice-Presidente: O Vice-Presidente trabalha de forma a auxiliar o Presidente com suas funções, e monitorar todos os processos da torcida. Na ausência do Presidente em qualquer atividade oficial, o Vice-Presidente assume as funções e responsabilidades do mesmo. É função do Vice-Presidente ser o responsável pelo patrimônio da Torcida, até que um cargo específico com essa função seja criado. O Vice-Presidente também tem como função auxiliar os outros cargos do comitê com suas obrigações caso seja solicitado Tesoureiro: Fica como responsabilidade do Tesoureiro organizar e administrar as contas e quaisquer outros fundos ou arrecadações que a Torcida obtiver. A pessoa que exercer

4 este cargo deverá ter uma noção de movimentação monetária eletrônica ou bancária para que possa sempre estar a par das ações realizadas na Torcida. O Tesoureiro deve organizar e coletar as taxas dos membros, bem como qualquer outra forma de arrecadação financeira da Torcida. É responsabilidade do Tesoureiro realizar pesquisas de mercado e cotações para os produtos e serviços oferecidos pela Torcida aos seus membros, como também para os produtos e serviços de propriedade da Torcida. Embora o Tesoureiro deva manter as contas bancárias sempre abertas aos membros do Comitê, todos são responsáveis pela movimentação, como pagamentos, recebimentos, transferências, depósitos ou qualquer outro tipo de ação monetária. Portanto fica expressa a total necessidade de que os membros do Comitê Geral intervenham sempre nas movimentações bancárias e mantenham-na sempre clara. O Tesoureiro deverá também organizar e apresentar o Relatório de Contas aos membros do Comitê Geral todo final de semestre para aprovação dos mesmos. Em reuniões com os membros contribuintes, todos deverão estar a par do que ocorre com o dinheiro Secretário: O Secretário é responsável, essencialmente, por duas funções: Organizar encontros de Comitê e de membros e realizar a comunicação do Comitê para com os membros associados. O Secretário deve operar como meio de comunicação entre membros da Torcida e o Comitê, esclarecendo dúvidas e auxiliando em todas as atividades realizadas pela mesma. O Secretário também poderá assinar os cheques e movimentações bancárias da Torcida, mas somente na ausência do Tesoureiro. O Secretário deve manter todas as formas de comunicação da torcida atualizados, como website e fórum oficial da torcida, podendo delegar algumas tarefas como a inserção de material no website oficial para outros membros contribuintes. Reuniões, encontros e eventos no geral devem ser organizados pelo Secretário, que ficará também responsável por elaborar a ata das reuniões. O Secretário também fica responsável pelo envio dos materiais inclusos no Kit Anual que cada membro da Torcida recebe após seu cadastro ou renovação.

5 1.3 Das eleições do Comitê As eleições deverão ser promovidas a cada 2 (dois) anos. Isso significa a troca do Comitê a cada duas temporadas do futebol inglês. As eleições deverão ocorrer da seguinte maneira: - Noventa dias antes das eleições, que ocorrerão no mês de junho, será aberto o prazo de inscrição das chapas, formuladas conforme descrito no setor do comitê. As chapas terão 30 dias para se apresentar e formular seus planos para o mandato. - Passado esse prazo de 30 dias, as chapas irão apresentar suas idéias no fórum, onde um processo de discussão e esclarecimento de dúvidas ocorrerá durante 60 dias. - Após os 60 dias de discussão no fórum, começará o processo de votação, que será em aberto no próprio fórum e durante o período de 3 (três) dias. A chapa que tiver 50% +1 de votos válidos será eleita. - Caso não haja candidatos aos cargos, fica decidido que os presentes membros do Comitê estão reeleitos. Todas as etapas das eleições (início da criação de chapas, início das discussões e realização da votação) deverão ser divulgadas pelo atual comitê no site da torcida, fórum da torcida e também enviado por diretamente a todos os membros da torcida. A reeleição do presidente da torcida só pode ocorrer 1 (uma) vez, porém o mesmo não ocorre com outros membros do comitê, que podem ser reeleitos indefinidas vezes conforme a formulação das chapas. O presidente, após dois mandatos, também pode fazer parte do próximo comitê, desde que em outro cargo Das anulações de mandato Caso 60% da torcida se manifeste a favor do impeachment do Presidente do Comitê, novas eleições imediatas para a escolha de uma nova chapa deverão ocorrer, e os membros do Comitê que se tornarem membros contribuintes deverão realizar sua inscrição de forma normal, com pagamento da contribuição anual. Os novos membros eleitos não têm direito a reembolso dos valores já pagos. No caso de renúncia, se o membro do comitê não possuir um vice direto, deverá haver votação simples com todos os membros da Torcida para definir o novo membro do comitê para o cargo específico, organizada pelo Presidente do Comitê.

6 1.4 Reuniões de Comitê (CM) e Reuniões Anuais Gerais (AGM) Reuniões de Comitê (CM) Committee Meetings Devido a questões geográficas, fica infactível realizar reuniões presenciais do comitê, tendo em vista que cidades distantes de mais de 4000 quilômetros entre membros pôde ser notada no comitê inaugural da torcida. O Comitê irá portanto se reunir online, com o uso de webcams e microfones e software adequado, para discutir o que se deve na Torcida, seja para elaboração de novos projetos ou para aprovação de contas e documentos. Tais reuniões deverão ocorrer, no mínimo, três (3) vezes ao ano. As datas das Reuniões de Comitê deverão ser enviadas à Diretoria do Arsenal. O clube Arsenal FC reserva-se no direito de enviar um representante para aprovação de contas, caso desejem ou necessitem. Portanto é necessário que pelo menos um membro do Comitê seja fluente em Língua Inglesa para que possam conversar com o representante do clube. Tais reuniões deverão gerar um Relatório de Reunião. Estes Relatórios deverão ficar à disposição de todos os membros para que possam saber o que foi discutido e também para o representante do clube. O Relatório deverá ser assinado por todos os membros do comitê Reuniões Anuais Gerais (AGM) Annual General Meetings O Comitê também deverá organizar pelo menos uma (1) Reunião na qual TODOS os membros da Torcida serão convidados. É imprescindível o comparecimento de todos os membros. O Comitê deverá contatar a Diretoria do Arsenal FC sobre a AGM até 21 dias antes da Reunião se realizar. A Diretoria do Arsenal FC também se reservará no direito de enviar representantes para aprovação de contas ou qualquer outra reivindicação do Comitê. As Reuniões Anuais Gerais deverão, de preferência, serem presididas pelo Presidente do Comitê. Nem sempre será possível que todos os membros do Comitê encontrem-se, e neste caso o Tesoureiro preside. Na ausência do mesmo, preside o Secretário, e em caso de falta do mesmo, preside qualquer membro da Torcida maior de 18 anos. Todas as Reuniões Anuais Gerais deverão gerar uma Ata de Reunião. Todas as ações realizadas na AGM deverão ser expressas nesta Ata de Reunião e assinada pelo presidente da Reunião. A Ata de Reunião deverá ser enviada à Diretoria do Arsenal FC até dia 31 de Outubro.

7 1.5 Processo Jurídico Quaisquer torcidas de clubes de futebol são registradas em Cartório para que possam realizar suas ações livremente de clandestinidade. Deve-se, portanto, abrir uma empresa com nome de Pessoa Jurídica. Trata-se de ter um CNPJ próprio para que a torcida possa abrir uma Conta Bancária da Arsenal Brasil em nome de Pessoa Jurídica. Até o presente momento, a Conta Bancária da Torcida (CB) será movimentada pelo Tesoureiro e terá caráter pessoal. Quando a Arsenal Brasil tiver fundos suficientes para pagamento do Processo Jurídico, a Conta Bancária será aberta em nome de Pessoa Jurídica (CNPJ).

8 1.6 Bens Comuns da Arsenal Brasil Fica então decidido que os itens abaixo são de posse comum a todos os membros da Arsenal Brasil, tanto os do Comitê quanto os membros contribuintes: Conta Bancária embora a Conta seja de caráter público e comum, apenas o Comitê poderá movimentá-la e ter acesso a mesma Ata de Reunião deverá ser disponibilizada para todos os membros contribuintes, impressa ou digital no website da Torcida Estatuto da Torcida tal documento deverá ser enviado a todos os membros que gostariam de recebê-lo e tê-lo em mãos. Tal documento deverá ser disponibilizado impresso ou digital no website da Torcida. Entretanto, o Estatuto somente será disponibilizado após a aprovação de todos os membros do Comitê e da maioria dos membros contribuintes Bandeiras todas as bandeiras produzidas e/ou compradas para a Torcida serão posse de todos os membros. Entretanto, tais artigos ficarão com o Comitê.

9 1.7 Documentação atual Para que haja uma melhor organização nos papéis, os documentos da torcida inicialmente ficarão em posse do Presidente do Comitê. Quando os cadastramentos iniciarem, o Comitê deverá indicar um local para que todos os documentos originais sejam guardados e preservados de qualquer perigo. A perda ou destruição destes documentos implicará no desligamento imediato do membro do Comitê da Torcida.

10 1.8 Futura criação do Estatuto da Torcida Como já expresso em outros itens acima, o Comitê Geral deverá elaborar e aprovar por unanimidade um Estatuto da Torcida. Tal Estatuto estará disponível a qualquer momento a todos os membros da Arsenal Brasil. O Estatuto deverá conter as assinaturas dos três membros do Comitê Geral. O Estatuto somente entrará em vigor após a aprovação de pelo menos 50% +1 voto de todos os membros contribuintes.

11 2. Dos Membros 2.1 Membros contribuintes Fica expresso como membro contribuinte todo aquele que estiver com as taxas e mensalidades em dia para com a Arsenal Brasil. Todo membro contribuinte deve respeitar as regras e acordos previstos no Edital e, posteriormente, no Estatuto da Torcida. Taxas e mensalidades são explanadas mais a frente, mas fica expressa a necessidade de que todos os membros estejam realmente contribuindo para o crescimento e desenvolvimento da Torcida. Os membros contribuintes terão um cadastro na Arsenal Brasil e se servirão de todos os benefícios oferecidos pela Torcida, conforme explanados adiante. Todos os membros contribuintes poderão fazer parte das eleições e terão direito a se candidatarem aos cargos. Também poderão requerer uma cópia digital ou impressa dos Documentos Comuns da Arsenal Brasil, caso desejem tê-los em mãos. Fica também como direito dos membros contribuintes a participação em todos os sorteios e eventos realizados pela Arsenal Brasil.

12 2.2 Das Taxas e Mensalidades O membro contribuinte da torcida deverá participar financeiramente com uma contribuição anual, que pode vir a ser parcelada a partir de empresas terceiras ou sistemas de pagamento aprovados pelo Comitê vigente. Essa contribuição será inicialmente no valor de R$ 98,00 (noventa e oito reais), podendo ser reajustada pelo Comitê desde que com justificativa pertinente e prestação de contas que confirme a necessidade de tal reajuste. Esse valor pode ser parcelado diretamente pela Arsenal Brasil ou por outros sistemas de crédito conforme informado pelo comitê, porém quaisquer taxas ou juros adicionais ao valor da contribuição ficarão obrigatoriamente por conta do membro contribuinte. Deste valor, necessariamente, no mínimo 30% (trinta por cento) deverá ser retornado ao membro contribuinte em materiais diretos, a ser recebido no chamado Kit Anual, entregue no princípio da temporada, logo após a data de cadastramento dos membros. Os outros 70% podem ser investidos na torcida para fins de curto, médio e longo prazo (manutenção da torcida, sorteios, confecção da bandeira, etc.), lembrando que a torcida não possui fins lucrativos, e que portanto 100% do valor pago pelo membro contribuinte deverá ser utilizado em bens para o próprio membro ou na torcida. Os membros do comitê não participam financeiramente da contribuição anual, doando ao invés seu trabalho e dedicação para o crescimento e funcionamento da torcida, o que lhes garante todos os direitos de um membro contribuinte.

13 2.3 Benefícios Iniciais aos Membros Podemos listar alguns benefícios aos membros contribuintes, alguns deles garantidos pela Diretoria do Arsenal FC: Kit Anual Todo o membro receberá após seu cadastro um Kit oficial da Arsenal Brasil, contendo a carteirinha de Membro Contribuinte da Arsenal Brasil, uma Camiseta da Torcida, e outros itens que forem estabelecidos pelo Comitê Ingressos disponíveis como estamos em um país longe da Inglaterra, este benefício será muito útil aos membros que forem viajar para Londres e quiserem assistir a um jogo do Arsenal no Emirates Stadium. A Diretoria do Arsenal FC nos reserva uma ou duas unidades dos ingressos. Todas as torcidas tem direito a pelo menos um ingresso, mas deverá ser requerido com bastante antecedência Descontos em compras o torcedor oficial, filiado a qualquer torcida oficial do Arsenal no mundo, tem descontos de 20% em compras feitas pela loja do arsenal.com. Ficará à disposição da Diretoria do Arsenal FC decidir se este dinheiro vai para o clube ou para a Torcida. Comprando produtos oficiais e originais, diretos de Londres, o associado da Arsenal Brasil também contribuirá para o crescimento da Torcida. O desconto é válido para compras acima de 100 euros, e é dever do Comitê organizar no fórum da torcida para que compras sejam realizadas em conjunto e então distribuídas, para que o membro contribuinte possa usufruir do desconto em compras de baixo valor. É importante salientar que o valor da compra pode sofrer taxação da Receita Federal brasileira, e que no caso de isso ocorrer o membro contribuinte terá de arcar com os custos adicionados por essas taxas. É obrigação do Comitê informar destes riscos a cada vez que for realizado algum lote de compras Uso do escudo a Torcida poderá utilizar o escudo do Arsenal livremente, assim como a Diretoria determinar. Tal escudo poderá ser utilizado em camisetas, carteirinhas, e outros produtos produzidos pela Torcida Contato direto com a Diretoria do Arsenal FC A Diretoria do Arsenal FC trata-se de um setor que dialoga com os torcedores que assim o quiserem, e quaisquer denúncias ou reclamações, os membros assim o poderão fazer livremente Conteúdo exclusivo no site arsenalbrasil.com.br, incluindo conteúdo multimídia inédito, entrevistas exclusivas, fórum para discussões apenas entre os membros contribuintes, informações históricas, novidades do clube, etc Club Culture uma seção própria da Arsenal Brasil no site oficial do Arsenal FC (arsenal.com), com descrições dos encontros, contato, etc Tours pelo Emirates Stadium caso organizemos um grupo de torcedores que queiram visitar o estádio, poderemos ter acesso a locais e em horários agendados somente para nós. Uma viagem a Inglaterra para conhecer o Emirates Stadium por dentro, detalhe por detalhe, só membros associados a torcidas oficiais têm.

14 2.3.9 Encontros com representantes do Arsenal FC Diretores, secretários, comunicadores, enfim, qualquer representante que gostaríamos de ter em nossos encontros poderá vir ao Brasil para acompanhar nossos encontros. Podemos fazer essa solicitação a qualquer momento, conhecendo pessoalmente cada vez mais o staff administrativo do Arsenal FC Oportunidade de Apresentar o Jogador do Ano como todo torcedor do Arsenal sabe, ao final da temporada o clube faz uma votação de quem foi o melhor jogador do Arsenal FC na época. Caso fôssemos escolhidos, a Arsenal Brasil poderia entregar o prêmio de Melhor Jogador do Ano em mãos dos craques, e aproveitar para conhecer todos os outros jogadores e o Emirates Stadium Permissão de comércio com o escudo do Arsenal Podemos comercializar produtos personalizados da Torcida, como objetos no geral. Bandeiras, canecas, camisetas, bonés, blusas, e muitas outras coisas que leve o nome da Arsenal Brasil Participação de sorteios e promoções da Torcida, que poderão variar desde brindes do clube até viagens para assistir o Arsenal no Emirates Stadium, em um momento em que a torcida esteja próspera o suficiente para tal Direito de voto e formação de chapa para participar do Comitê administrativo da torcida. É de responsabilidade do torcedor reivindicar seus direitos, mas também cumprir com seus deveres na Torcida. Com a colaboração de todos, tanto dos membros como do Comitê Geral, a Arsenal Brasil vai crescer a cada dia.

15 2.4 Obrigações do membro contribuinte e penalidades O membro contribuinte tem como obrigações zelar pelo nome e pelo patrimônio da Arsenal Brasil Advertências e expulsão O membro que realizar algum tipo de falta grave com relação aos compromissos da Torcida (como por exemplo racismo, baderna ou Hooliganismo nos encontros da torcida, brigas entre membros ou entre membros e outras pessoas durante os eventos, destruição de propriedade do local onde os eventos estiverem sendo realizados ou descuido dos bens da própria torcida, etc.) estará sujeito a advertência do Comitê da Arsenal Brasil e em casos extremos inclusive expulsão da torcida. Em um caso de falta grave, o Comitê irá se reunir para discutir o ocorrido e então decidir qual o caminho a ser tomado com relação ao membro contribuinte em questão. Caso não haja unanimidade, o comitê realizará uma votação interna para decisão da opção tomada. No caso de empate, como sempre ocorre para votações internas do Comitê, o voto do Presidente é definitivo. O membro contribuinte que for expulso da torcida não poderá se cadastrar novamente na temporada seguinte, apenas após duas temporadas, mas para isso deverá haver uma votação entre os membros contribuintes, que então definirão a viabilidade da sua volta. A carteirinha do membro expulso perde o valor a partir do dia da sua expulsão, que será documentada em ata redigida pelo Secretário. O membro contribuinte perde então todos seus direitos na Torcida. O membro que for expulso da Torcida não tem direito a reembolso de qualquer parte de sua anualidade Desistência do membro contribuinte O membro contribuinte que não desejar mais fazer parte da Torcida não tem direito a reembolso de qualquer parte de sua anualidade. A partir da desistência, todos seus direitos como torcedor cessam, e sua carteirinha perdem valor. O membro contribuinte que desistir de sua participação na torcida pode, porém, voltar a participar da torcida na temporada seguinte.

16 2.5 Projeto Social O Projeto Social baseia-se em organizar Programas Sociais, a fim de levar a imagem do Arsenal a crianças carentes de instituições filantrópicas. Levar a alegria do futebol a crianças que necessitam de artigos básicos para sobrevivência também é um objetivo da Arsenal Brasil, e o Comitê deve se sentir honrado em fazê-lo. Os Programas Sociais podem, também, abater alguns impostos que futuramente teremos que pagar. As crianças, os membros e a Torcida ganham juntos. O Projeto Social da Arsenal Brasil está de acordo com a Política de Caridade que o Arsenal FC adotou desde o ano de 2006, quando iniciou sua campanha de contribuição a instituições de caridade na Inglaterra. A Arsenal Brasil tem orgulho de poder contribuir em alguma instituição de caridade no Brasil, estendendo a política assistencialista do Arsenal FC. O Projeto Social deverá também ser aprovado pelo Comitê Geral no ato da aprovação do Estatuto. Caso seja aprovado, serão organizados grupos em todo o Brasil a fim de fazer visitas a creches, orfanatos e hospitais para levar um pouco de alegria a crianças carentes.

17 Comitê Geral Como membro do Comitê Geral, e de pleno acordo com o descrito acima, responsabilizo-me por cumprir o que está previsto no Edital da Arsenal Brasil. Comprometo-me a organizar-me da melhor forma possível para que possa me dedicar o bastante para que a Torcida se desenvolva e cresça vertiginosamente. Com o amor pelo Arsenal e fidelidade ao clube, decreto que a Arsenal Brasil está criada formalmente desde o dia / /. Como torcedor do Arsenal FC e membro da Arsenal Brasil, prometo que farei o que estiver ao meu alcance para o cumprimento dos objetivos da Torcida. Sr(a). Presidente do Comitê Geral Nome: Ass.: Sr(a). Vice-Presidente do Comitê Geral Nome: Ass.: Sr(a) Tesoureiro(a) do Comitê Geral Nome: Ass.: Sr(a) Secretário(a) do Comitê Geral Nome: Ass.:

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto.

Art. 2 A Liga possui estatuto, gestão e gerenciamento próprios, tendo a sua Diretoria direitos e deveres para exercer suas funções em estatuto. Estatuto da Liga de Cirurgia da Universidade Federal de São Carlos. 08/05/2013 Da Disposição Geral Sobre a Liga de Cirurgia da UFSCar Art. 1 - A Liga de Cirurgia da UFSCar é uma instituição acadêmica,

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR

ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR ESTATUTO DA EMPRESA FAI JÚNIOR Capitulo I - Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1 - A associação civil tem com a denominação social: FAI JÚNIOR, e como o titulo do estabelecimento a expressão

Leia mais

ESTATUTO Comissão de Formatura Formandos em Engenharia Ambiental 2013/2 FAESA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE VITÓRIA. Capítulo I Da Denominação e da Sede

ESTATUTO Comissão de Formatura Formandos em Engenharia Ambiental 2013/2 FAESA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE VITÓRIA. Capítulo I Da Denominação e da Sede ESTATUTO Comissão de Formatura Formandos em Engenharia Ambiental 2013/2 FAESA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE VITÓRIA Capítulo I Da Denominação e da Sede Art. 1º - Sob a denominação Formandos em Engenharia Ambiental

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES

ASSOCIAÇÃO DE JOGADORES DE BEACHTENNIS ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS. CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES 1 ESTATUTO SOCIAL DOS JOGADORES DE BEACHTENNIS CAPÍTULO l DENOMINAÇÃO, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINALIDADES CAPÍTULO II INDEPENDÊNCIA CAPÍTULO III ADMISSÃO, DIREITOS, DEVERES E PENALIDADES CAPÍTULO IV DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

E s t a t u t o d a A s s o c i a ç ã o B r a s i l e i r a d e K i t e s u r f

E s t a t u t o d a A s s o c i a ç ã o B r a s i l e i r a d e K i t e s u r f E s t a t u t o d a A s s o c i a ç ã o B r a s i l e i r a d e K i t e s u r f ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE KITESURF (ABK) (Consolidado em 02 de Novembro de 2006) CAPÍTULO I Do nome, jurisdição,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA VILA BASEVI ESTATUTO TÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO CAPITULO I DA NATUREZA E OBJETIVOS Art. 1º A Associação Comunitária dos Moradores da Vila Basevi é uma ONG Organização Não Governamental,

Leia mais

ANEXO I - REGULAMENTO OFICIAL Programa Sócio Torcedor NAÇÃO XV do EC XV de NOVEMBRO DE PIRACICABA

ANEXO I - REGULAMENTO OFICIAL Programa Sócio Torcedor NAÇÃO XV do EC XV de NOVEMBRO DE PIRACICABA ANEXO I - REGULAMENTO OFICIAL Estabelecer regras de funcionamento e uso do Programa Sócio-torcedor NAÇÃO XV do XV de NOVEMBRO DE PIRACICABA, especificando também os direitos e deveres das partes envolvidas.

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA - ABA Capítulo I - DENOMINAÇÃO E NATUREZA Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AGROECOLOGIA (ABA) é uma sociedade cultural e técnico-científica sem fins

Leia mais

Estatutos Prescritos para o Rotaract Club

Estatutos Prescritos para o Rotaract Club Estatutos Prescritos para o Rotaract Club Metas Patrocínio de Rotary Club Requisitos para associação ARTIGO I Nome O nome desta organização será Rotaract Club de. ARTIGO II Propósito e Metas O propósito

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM

FEDERAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPIXABA DE PEBOLIM CAPITULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS, DURAÇÃO E FÓRUM. Art. 1º A Associação Capixaba de Pebolim também chamada em sua forma abreviada de ACP, sediada à rua Prefeito

Leia mais

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI

REGRAS Processo Eleitoral ANPEI REGRAS Processo Eleitoral ANPEI 1. DA CONSTITUIÇÃO DA COMISSÃO ELEITORAL: Conforme definido no Art. 40, as eleições serão realizadas em conformidade com o disposto neste Estatuto Social e de acordo com

Leia mais

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs

Regulamento das comissões internas de prevenção de acidentes - CIPAs Pág.: 1/5 1 Objetivo 1.1 Esta Norma estabelece os procedimentos relativos ao funcionamento das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes - CIPAs na COPASA MG. 1.2 Aplica-se a todos os empregados e Unidades

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO TIME ENACTUS FACAMP

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO TIME ENACTUS FACAMP Título I - Da Entidade Art. 1 - A Associação Time ENACTUS FACAMP (doravante denominado Time ENACTUS FACAMP), fundada em 04 de Outubro de 2012, associação civil, sem fins lucrativos, apartidária, de tempo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA,

ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA, ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE EMPRESARIAL DA SERRA GAÚCHA CICS - SERRA Capítulo I DA DENOMINAÇÃO E SEDE DA ENTIDADE Artigo 1 o - ASSOCIAÇÃO DAS ENTIDADES REPRESENTATIVAS DA CLASSE

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO GAÚCHA DOS ESPECIALISTAS EM ORTODONTIA E ORTOPEDIA FACIAL SOGAOR CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 A Associação Gaúcha dos Especialistas em Ortodontia e Ortopedia Facial SOGAOR é

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ. Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Objetivos e Duração. Art 1 - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS SOBRE O BEBÊ (ABEBÊ) foi constituída

Leia mais

ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº

ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº ASEC ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA CNPJ Nº 54.796.016/0001-81 ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS DE CUMBICA REALIZADA EM 06 DE OUTUBRO DE 2004. Aos (6) seis dias

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH

ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH ESTATUTO SOCIAL DA ANINTER-SH Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação Interdisciplinar em Sociais e Humanidades Aprovado em 08 de maio de 2012 CAPÍTULO I Da Constituição, Denominação, Sede e Foro.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

NR5 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (205.000-5) DO OBJETIVO 5.1 A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho,

Leia mais

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9

Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 Associação Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia Página 1 de 9 ASSOCIAÇÃO FÓRUM NACIONAL DE GESTORES DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA FORTEC REGIMENTO INTERNO Sumário

Leia mais

FACULDADE DA SERRA GAÚCHA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

FACULDADE DA SERRA GAÚCHA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO FACULDADE DA SERRA GAÚCHA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PROCESSO ELEITORAL PARA NOVA DIRETÓRIA EXECUTIVA DO DIRETÓRIO ACADÊMICO GESTÃO 2015/2016 Edital 02/2015 A Comissão Eleitoral do curso de Arquitetura

Leia mais

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO

DIRETÓRIO ACADÊMICO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL ALÉM PARAÍBA Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais Alves Fortes ESTATUTO ESTATUTO Capítulo I: Da Denominação Artigo 1º - O Diretório Acadêmico da, FACE ALFOR, é entidade máxima de representação dos estudantes dos cursos de Direito, Administração de Empresas e Engenharia Civil

Leia mais

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições:

FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO. CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: FORUM PERMANENTE DA AGENDA 21 LOCAL DE SAQUAREMA REGIMENTO INTERNO CAPITULO 1-Da natureza, sede, finalidade, princípios e atribuições: Artigo I: O Fórum Permanente da Agenda 21 de Saquarema, criado pelo

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos.

ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos. ESTATUTO DA EMPRESA JUNIOR, Trópicos. CAPÍTULO I:. Da Denominação, sede, Finalidade e Duração: Art. 1º - A EMPRESA JUNIOR DE ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI/ CAMPUS DE PICOS, doravante

Leia mais

Associação de Estudantes

Associação de Estudantes DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ESCALADA, PAMPILHOSA DA SERRA Ano Letivo 2014/2015 Associação de Estudantes Objetivos A. Representar

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E PROPRIETÁRIOS DO LOTEAMENTO VILLAGIO I DA DENOMINAÇÃO Art. 1º - A Associação dos Moradores e Proprietários do Loteamento VILLAGIO I, com o nome de fantasia ASSOCIAÇÃO

Leia mais

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna

III - Dos princípios gerais da gestão e ferramentas de gestão interna CAPITULO I - DOS PRINCÍPIOS GERAIS I Apresentação Ainda que não precisem gerar lucro, as organizações do terceiro setor demandam, cada vez mais, uma gestão profissionalizada, que lhes permita avaliar adequadamente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO

REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE MANUTENÇÃO Capítulo I da Finalidade Art. 1o. - Este Regimento Interno complementa e disciplina disposições do Estatuto da Associação Brasileira de Manutenção

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL DE CORRÊA RIBEIRO S/A COMÉRCIO E INDÚSTRIA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETO SOCIAL E PRAZO DE DURAÇÃO: Denominação Artigo 1º - Corrêa Ribeiro S/A Comércio e Indústria é uma sociedade

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO

Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO

ETEC Prof. Horácio Augusto da ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO Page 1 of 10 ETEC Prof. Horácio Augusto da Silveira ESTATUTO DO GRÊMIO ESTUDANTIL DA ETEC HORÁCIO CÁPITULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Art. 1º - O Grêmio Estudantil da Escola Técnica Estadual

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CATARINENESE DE PRESERVAÇÃO DA NATUREZA - ACAPRENA CAPÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO Art. 1 - Fundada em 05 de maio de 1973, por prazo indeterminado, a ASSOCIAÇÃO CATARINENSE DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL.

SECRETARIA DE ESTADO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E ASSUNTOS DO MERCOSUL. ANEXO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM REGIONAL PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º. Ao Fórum Regional Permanente das Microempresas

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social

ESTATUTO SOCIAL. MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social 1 ESTATUTO SOCIAL MOINHOS DA CIDADANIA - Projetos de Desenvolvimento Social Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A organização não-governamental Moinhos da Cidadania - Projetos de Desenvolvimento

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS

ESTATUTO DO GRÊMIO DA ESCOLA NOSSA SENHORA DAS GRAÇAS CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Fins e Duração Artigo 1 O Grêmio Estudantil é o Grêmio geral da Escola Nossa Senhora das Graças, fundado no dia 07 de abril de 1992, com sede no estabelecimento e de duração

Leia mais

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração

SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO. Título I Da finalidade, sede e duração SEÇÃO SINDICAL DOS DOCENTES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA REGIMENTO Título I Da finalidade, sede e duração Art. 1º. A Seção Sindical dos Docentes da Universidade Estadual de Ponta Grossa, fundada

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix I - Do Objeto e suas finalidades Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa do Centro Universitário Metodista

Leia mais

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO

INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO INSTITUTO DARWIN INSTITUTO DE APOIO À EVOLUÇÃO DA CIDADANIA REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO REGIMENTO INTERNO Artigo 1º - O presente Regimento Interno visa disciplinar os trabalhos Administrativos,

Leia mais

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL

Código: ESGE Revisão: 03 Páginas: 08 ESTATUTO SOCIAL GRÊMIO ESTUDANTIL GRÊMIO ESTUDANTIL Paulo Medeiros Prudêncio Júnior 0 CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJETIVOS Art. 1º - O Grêmio Estudantil Paulo Medeiros Prudêncio Júnior, fundado no ano de 1997, com sede no

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República

Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República Regulamento do Conselho de Administração da Assembleia da República publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 11 de 8 de Janeiro de 1991 Conselho de Administração O Conselho de Administração

Leia mais

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP

ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO OBASP ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO DA ASSOCIAÇÃO E SEUS FINS OBASP Art 1º - A ORDEM BRASILEIRA DE ASSISTÊNCIA AO SERVIDOR PÚBLICO também designado pela sigla OBASP, é uma pessoa jurídica

Leia mais

KELLY CHRISTINA DE CASTRO MACEDO AV.CAIO DE BRITO 204,APTO 202. TRÊS PONTAS MG - 37190-000

KELLY CHRISTINA DE CASTRO MACEDO AV.CAIO DE BRITO 204,APTO 202. TRÊS PONTAS MG - 37190-000 PROGRAMA DE INTERCÂMBIO DE JOVENS- PIIJ D.4560 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO DO PIIJ DE 21 DE NOVEMBRO DE 2015 GUIA DE ORIENTAÇÃO AOS CLUBES E CANDIDATOS CLASSIFICADOS 1 Data: 21 de novembro de 2015 2 Local:

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 153, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1967 Cria a Sociedade Beneficente da Assembléia Legislativa do Estado do Acre. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que o Poder Legislativo decreta e eu sanciono a

Leia mais

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Capítulo I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede social 1. A Associação tem a denominação Caminhar com rumo - Associação Juvenil,

Leia mais

PROGRAMA DE SÓCIO SOU AUTOMOBILSITA

PROGRAMA DE SÓCIO SOU AUTOMOBILSITA PROGRAMA DE SÓCIO SOU AUTOMOBILSITA REGULAMENTO 1. OBJETIVO 1.1 Regular as relações dos participantes, quais sejam, pessoas físicas, que em caráter voluntário, aderirem ao Programa de Sócio Torcedor SOU

Leia mais

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO

Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Perguntas e Respostas Conselho de Usuários VIVO Resolução n o 623, de 18 de Outubro de 2013 1. Qual a Resolução que trata sobre Conselho de Usuários e onde ela está disponível? Trata-se da Resolução n

Leia mais

Prestação de Contas Eleitorais 2010

Prestação de Contas Eleitorais 2010 Prestação de Contas Eleitorais 2010 Tribunal Regional Eleitoral do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria de Controle Interno e Auditoria Contas Eleitorais e Partidárias pcontas@tre-rs.gov.br Legislação

Leia mais

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO

MODELO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE ACOMPANHAMENTO E CONTROLE SOCIAL DO FUNDEB NO MUNICÍPIO DE DA FINALIDADE E COMPETÊNCIA DO CONSELHO MODELO O conteúdo desse Modelo de Regimento Interno representa a contribuição do MEC, colocada à disposição dos Governos Municipais, a título de apoio técnico, previsto no art. 30, I, da Lei nº 11.494,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS 01 ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL, SERVIÇOS E AGROPECUÁRIA DE CASCA - RS ÍNDICE CAPÌTULO I PÁG. 2...DAS FINALIDADES II PÁG. 2...DA CONSTITUIÇÃO E SEDE III PÁG. 3...DOS ASSOCIADOS IV

Leia mais

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 490, DE 24 DE JANEIRO DE 2008 REGULAMENTO DE CONSELHO DE USUÁRIOS DO STFC CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Este Regulamento estabelece as regras básicas para implantação,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO LEOPOLDO Estado do Rio Grande do Sul DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. DECRETO Nº 5.541, DE 10 DE MARÇO DE 2008. Regulamenta o artigo 66, do Estatuto dos Servidores Públicos de São Leopoldo, Lei nº 6.055 de 14 de Setembro de 2006, Da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes-

Leia mais

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração

CEMIG TRADING S.A. ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Duração CEMIG TRADING S.A. O presente Estatuto é uma consolidação do aprovado pela Escritura Pública de Constituição, em 29-07-2002 - arquivada na JUCEMG em 12-08-2002, sob o nº 3130001701-0, e pelas Assembléias

Leia mais

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros

Prefeitura Municipal de São Pedra dos Ferros CNPJ/MF. nº 19.243.500/0001-82 Código do Município: 847-8 Praça Prefeito Armando Rios, 186-Centro - 35360-000 São Pedra dos Ferros-MG lei no 101, de 08 de maio de 2014. DISPÕE SOBRE A CONSTITUiÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto

Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Liga Acadêmica de Diabetes Estatuto Capítulo I - Título, sede. Capítulo II - Finalidades da Liga de Diabetes. Capítulo III - Dos membros: direitos; deveres; código disciplinar. Capítulo IV - Dos órgãos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto)

REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º (Objeto) REGULAMENTO INTERNO DA ASSEMBLEIA GERAL DA FPAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º (Objeto) O funcionamento da Assembleia Geral rege-se pelo disposto no presente Regulamento e pelas demais disposições dos Estatutos

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ÁGUAS DE LINDÓIA, ESTADO DE SÃO PAULO.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ÁGUAS DE LINDÓIA, ESTADO DE SÃO PAULO. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE ÁGUAS DE LINDÓIA, ESTADO DE SÃO PAULO. CAPÍTULO I Da denominação, natureza, sede, objetivos e duração. ARTIGO 1 A ASSOCIAÇÃO COMERCIAL E EMPRESARIAL DE

Leia mais

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011

ESTATUTO CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 ESTATUTO DA CÂMARA DE COMÉRCIO AMERICANA 25.03.2011 1 TÍTULO I Denominação, natureza e objetivos Artigo 1 - A American Chamber of Commerce for Brazil", em português denominada Câmara de Comércio Americana

Leia mais

Estatuto do Grêmio Estudantil

Estatuto do Grêmio Estudantil Estatuto do Grêmio Estudantil CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1 O Grêmio Estudantil, é o Grêmio Geral da Escola Estadual de, fundado no dia / /, com sede neste estabelecimento e de

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

Estatuto. Associação Brasileira da Classe Dingue (ABCD).

Estatuto. Associação Brasileira da Classe Dingue (ABCD). Estatuto da Associação Brasileira da Classe Dingue ABCD Associação Brasileira da Classe Dingue (ABCD). A Associação Brasileira da Classe Dingue (ABCD) é uma agremiação especificamente criada para proprietários

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ)

Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Estatutos da Associação Cecília e João (ACJ) Capítulo I Da Associação Art. 1º - A Associação Cecília e João (ACJ), entidade de personalidade jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede em

Leia mais

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC

Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC 1 Regimento Interno de Atuação do Conselho Fiscal da Fundação das Escolas Unidas do Planalto Catarinense Fundação UNIPLAC Capítulo I Da Natureza, Finalidade e Composição Art. 1 - O Conselho Fiscal é o

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO.

ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO IRD-ASSIRD ESTATUTO CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, DA SEDE E DA DURAÇÃO. Art. 1º. A ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO INSTITUTO DE RADIOPROTEÇÂO E DOSIMETRIA, ASSIRD, é uma sociedade civil, sem

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos

FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL. 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Módulo - 4 FINANCIAMENTO DE CAMPANHA ELEITORAL 1. Da arrecadação e aplicação de recursos Sob pena de rejeição das contas a arrecadação de recursos e os gastos por candidatos, inclusive dos seus vices e

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE. Capítulo I. Da Denominação

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE. Capítulo I. Da Denominação ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO OESTE PAULISTA - UNOESTE Capítulo I Da Denominação Artigo 1º A Liga Acadêmica de Medicina da Universidade do Oeste Paulista é uma Associação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO SOCIAL DO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH RHEINBOLDT Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1º - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO CENTRO DE ESTUDOS QUÍMICOS HEINRICH

Leia mais

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL

PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Guia do Al-Anon C-12 PARA A JUNTA DE CURADORES DOS GRUPOS FAMILIARES AL-ANON DO BRASIL Este Guia define as funções e responsabilidades da Junta de Curadores dos Grupos Familiares Al-Anon do Brasil, bem

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS DA GOVERNANÇA Versão 1.0 Setembro/2014 Página2 2014 Programa de Desenvolvimento Econômico do Território Oeste do Paraná Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV

ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV Estatuto ESTATUTO SOCIAL DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE FISIOLOGIA VEGETAL SBFV CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, OS FINS E A SEDE DA ASSOCIAÇÃO. Art. 1º - A associação é denominada Sociedade Brasileira de Fisiologia

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO

ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO ESTATUTO CAPITULO 1 DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO,CRIAÇÃO, DURAÇÃO, FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DE PAIS E MESTRES DO COLÉGIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE VELA DO ESTADO DO AMAPÁ - AVAP (Consolidada em 17 de dezembro de 2010) CAPÍTULO I. DO NOME, ATRIBUIÇÃO, OBJETIVO e SEDE.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE VELA DO ESTADO DO AMAPÁ - AVAP (Consolidada em 17 de dezembro de 2010) CAPÍTULO I. DO NOME, ATRIBUIÇÃO, OBJETIVO e SEDE. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE VELA DO ESTADO DO AMAPÁ - AVAP (Consolidada em 17 de dezembro de 2010) CAPÍTULO I DO NOME, ATRIBUIÇÃO, OBJETIVO e SEDE. Do Nome Art.1º O nome da Associação será: ASSOCIAÇÃO DE

Leia mais

AdDIARY EXCHANGE PROGRAM REALIZAÇÃO PUCPR DE 09 A 21 DE OUTUBRO DE 2015 EDITAL PUCPR / 2015

AdDIARY EXCHANGE PROGRAM REALIZAÇÃO PUCPR DE 09 A 21 DE OUTUBRO DE 2015 EDITAL PUCPR / 2015 AdDIARY EXCHANGE PROGRAM REALIZAÇÃO PUCPR DE 09 A 21 DE OUTUBRO DE 2015 EDITAL PUCPR / 2015 O AdDIARY EXCHANGE PROGRAM, a ser desenvolvido por estudantes universitários da PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PARACATU. ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS.

AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PARACATU. ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE PARACATU ESTATUTO Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS. Art. 1º. A Agência para o Desenvolvimento Econômico e Social de Paracatu, também designada pela sigla

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL (EMBRAPII) REGIMENTO INTERNO Aprovado na 3ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da EMBRAPII, realizada em 25 de fevereiro de 2014 ÍNDICE

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime

REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Definição e regime REGULAMENTO DO CONSELHO CIENTÍFICO DO LABORATÓRIO NACIONAL DE ENERGIA E GEOLOGIA, I.P. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e regime O Conselho Científico do Laboratório Nacional de Energia

Leia mais