Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet"

Transcrição

1 Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Julho de 1996 São apresentadas as primeiras queixas criminais contra Augusto Pinochet, com acusações de genocídio e terrorismo no Supremo Tribunal de Espanha. Fevereiro de 1997 São iniciadas investigações judiciais em Espanha centradas nas violações dos Direitos Humanos de cidadãos espanhóis residentes no Chile durante o Governo Militar do General Augusto Pinochet e violações cometidas durante a Operação Condor. As acusações de crimes contra a humanidade incluem desaparecimentos, tortura e execuções extrajudiciais. Outubro de 1998 Os Juízes espanhóis Manuel Garcia-Castellón e Baltasar Garzón Real recorreram a uma petição oficial, dirigida às autoridades britânicas, para interrogarem Augusto Pinochet. São também emitidos mandatos provisórios para garantir a prisão preventiva de Augusto Pinochet em Londres, juntamente com um mandato de busca internacional, por parte do Juiz Baltasar Garzón, para a preparação de um pedido de extradição. Estes procedimentos criminais são anunciados em Itália, Luxemburgo, Noruega, Suécia e Estados Unidos e foram iniciados processos na Bélgica, França e Suíça. Os advogados de Augusto Pinochet submetem um apelo contra a detenção do mesmo ao Supremo Tribunal de Justiça do Reino Unido que declara a imunidade de Augusto Pinochet, na sua qualidade de ex-chefe de Estado, impedindo a extradição perante as acusações de assassinato, tortura, desaparecimentos, detenções ilegais e transferências forçadas. O Ministério Público recorreu da decisão Supremo Tribunal e garantiu levar o caso a Câmara dos Lordes. Novembro de 1998 O Governo espanhol emite um pedido formal de extradição de Augusto Pinochet ao governo britânico para que este fosse julgado em Espanha pelos crimes de genocídio, terrorismo, perseguição, tortura, desaparecimentos e de

2 conspiração para combater estes crimes. O governo Suíço e Francês também emitiram pedidos de extradição junto do governo britânico. O Comité contra a Tortura das Nações Unidas recomendou ao governo britânico que o caso de Augusto Pinochet fosse referido ao Gabinete do Procurador do Ministério Público em prol da análise de viabilidade de um processo penal no Reino Unido no caso de este não ser extraditado Apelou também a reformas dos sistema jurídico britânico por este se encontrar em desacordo com a Convenção contra a Tortura e Outros Tratamentos Desumanos, Degradantes ou Punições, nomeadamente a garantia de imunidade a antigos Chefes de Estado e a necessidade de autorizar os procedimentos legais em casos de tortura. O Comité judicial da Câmara dos Lordes, instância mais alta dos tribunais britânicos, reverte a decisão do Supremo Tribunal relativa à imunidade de Augusto Pinochet. A sentença abre caminho à extradição do mesmo por acusações de assassinatos em massa, terrorismo e tortura. A decisão final para autorizar a extradição ficaria a cabo do Ministro do Interior britânico Jack Straw. Dezembro 1998 O governo Belga também emite um pedido de extradição junto do governo britânico e na véspera do 50º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos Jack Straw, Ministro do Interior Britânico, autoriza que o processo de extradição prossiga. O painel original de Law Lords é dissolvido devido a alegada ligação de um dos seus membros à Amnistia Internacional, sendo constituído um novo painel de 7 Law Lords em Janeiro de Enquanto decorrem os procedimentos legais, Augusto Pinochet, permanece sob a guarda da polícia britânica. Janeiro de 1999 Novas audições têm início na Câmara dos Lordes, são autorizados a participar a Amnistia Internacional, a Fundação Médica de Apoio às Vítimas de Tortura, a Redress Trust, Mary Ann e Juana Francisca Beausire, Sheila Cassidy, jovem britânica vítima de tortura e a Associação dos Familiares dos Presos Desaparecidos no Chile são autorizados a participar como terceiras partes assim como o Governo Chileno. Março de 1999 Por maioria de seis contra um é retirada a imunidade a Augusto Pinochet por crimes de tortura cometidos enquanto este era Chefe de Estado do Chile e é também autorizada a sua extradição mas apenas por crimes de tortura e

3 conspiração de tortura cometidos após dia 8 de Dezembro de 1988, data na qual a Convenção contra a Tortura e Outros Tratamentos Desumanos, Degradantes ou Punições se tornou vinculativa no Chile, Espanha e Reino Unido. Apesar de outras acusações terem sido eliminadas a sentença dos Law Lords afirma que durante o Governo de Augusto Pinochet foram cometidos terríveis actos de barbárie no Chile e no resto do mundo: tortura, assassinatos e desaparecimentos inexplicáveis de indivíduos em larga escala. A sentença dos Law Lords permite que o Ministro do Interior continue os processos de extradição de Augusto Pinochet apesar da diminuição das acusações. O Comité dos Direitos Humanos das Nações Unidas afirma que a Lei Chilena de Amnistia de 1978 viola o direito à compensação e é incompatível com as obrigações do estado de investigar as violações dos Direitos Humanos. Abril de 1999 O Ministro do Interior autoriza pela segunda vez o processo de extradição. As audições para o processo de extradição são marcadas para o mês de Setembro. Agosto 1999 O 5º Tribunal de Apelos Chileno rejeita o pedido judicial para a inclusão de Augusto Pinochet como suspeito nas investigações do assassinato de 72 pessoas em 1973 durante a operação Caravana da Morte. O Tribunal afirma excluir Augusto Pinochet do processo devido a imunidade que lhe é garantida na sua qualidade de antigo Chefe de Estado. Setembro de 1999 Um ano após a sua detenção são instaurados 40 processos nos tribunais Chilenos contra Augusto Pinochet. São iniciadas, no Reino Unido, as audições para a sua extradição. As 35 acusações de tortura e conspiração de tortura cometidas após 8 de Dezembro de 1988 e 1,198 casos de tortura relativos aos casos de desaparecimentos submetidos pelo Juiz Baltasar Garzón no Tribunal Espanhol estavam agora sobre avaliação do Magistrado do Tribunal de Bow Street, Ronald Bartle.

4 Outubro de 1999 O Magistrado Bartle dá permissão para a continuação dos procedimentos necessários à extradição de Augusto Pinochet, dando especial ênfase ao facto de não ter havido uma decisão sobre a culpa do acusado mas sim uma verificação das condições necessárias para a extradição, atribuindo-lhe a prisão preventiva até a decisão final do Ministro do Interior. O Magistrado considerou a informação submetida relativa às alegações pós 8 de Dezembro de 1988 como constituindo condutas que podem ser consideradas tortura e conspiração para tortura pelas quais Augusto Pinochet gozara de imunidade. Relativamente aos desaparecimentos", Bartle considera que os efeitos nos familiares das vítimas podem ser considerados tortura mental. O Governo Chileno pede às autoridades britânicas que realizem testes médicos a Augusto Pinochet de forma a considerar a sua libertação por razões humanitárias, enquanto os advogados do mesmo apelam desta decisão do Magistrado através de um mandado de habeas corpus.. Novembro de 1999 O Ministério do Interior autoriza Augusto Pinochet a fazer testes médicos independentes no seguimento dos pedidos do Governo Chileno para que fosse libertado devido ao seu estado de saúde. O Supremo Tribunal Espanhol rejeita, pela terceira vez, as tentativas do Ministério Público Espanhol e do Procurador da Coroa para travar os procedimentos jurídicos contra Augusto Pinochet em Espanha. O Supremo Tribunal reafirma o direito de jurisdição e autoriza a continuação das investigações do Juiz Baltasar Garzón. Janeiro de 2000 O Secretário do Interior Jack Straw anuncia a possibilidade de rejeição do pedido de extradição de Augusto Pinochet para Espanha por motivos de saúde, tendo como base o relatório de quatro médicos. Inicialmente tinha sido negado a cada um dos quatro países que requereram a extradição de Augusto Pinochet o acesso ao relatório médico, no entanto o Supremo Tribunal decidiu disponibilizá-lo.

5 Março de 2000 Augusto Pinochet regressa ao Chile após a decisão do Ministro do Interior Jack Straw de não autorizar a sua extradição para Espanha por motivos de saúde. Nesse mesmo dia sete advogados dos Direitos Humanos submeteram um pedido judicial para iniciar os procedimentos que levantassem a sua imunidade como Senador Vitalício. Aquando da sua chegada ao Chile, mais de 2,000 casos individuais de violações dos Direitos Humanos contra Augusto Pinochet foram submetidos aos tribunais.

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA

JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA JUSTIÇA MILITAR. ORGANIZAÇÃO E COMPETÊNCIA CONFORMAÇÃO CONSTITUCIONAL Constituição Federal (OBS: o Decreto 4.346/02 exige o cumprimento do contraditório na apuração das infrações disciplinares) Art. 92.

Leia mais

(Actos legislativos) DIRECTIVAS

(Actos legislativos) DIRECTIVAS 26.10.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 280/1 I (Actos legislativos) DIRECTIVAS DIRECTIVA 2010/64/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 20 de Outubro de 2010 relativa ao direito à interpretação

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO...

CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...19 DEDICATÓRIA...21 CAPÍTULO I - FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 23 1. Antecedentes históricos da função de advogado...23 2. O advogado na Constituição Federal...24 3. Lei de

Leia mais

Comunicações individuais ao abrigo do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos

Comunicações individuais ao abrigo do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos Comunicações individuais ao abrigo do Pacto Internacional sobre os Direitos Civis e Políticos Njal Hostmalingen, Director do International Law and Policy Institute (ILPI) Fala para a Ordem dos Advogados

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE RONDÔNIA. LEONARDO P. DE CASTRO, advogado inscrito na OAB sob o nº 4.329, com escritório nesta Comarca, na Avenida

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003

Jornal Oficial da União Europeia. (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) de 27 de Novembro de 2003 23.12.2003 L 338/1 I (Actos cuja publicação é uma condição da sua aplicabilidade) REGULAMENTO (CE) N. o 2201/2003 DO CONSELHO de 27 de Novembro de 2003 relativo à competência, ao reconhecimento e à execução

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal HABEAS CORPUS 115.126 SÃO PAULO RELATORA IMPTE.(S) : MIN. ROSA WEBER :ZHEN HAIFANG :WU LIZHEN :ZHOU XINYOU :LIU PEIHUA :WANDERLEY RODRIGUES BALDI :DELEGADO DE POLÍCIA FEDERAL QUE ATUA JUNTO AO AEROPORTO

Leia mais

Questões de Processo Penal

Questões de Processo Penal Questões de Processo Penal 1º) As Contravenções Penais (previstas na LCP) são punidas com: a) ( ) Prisão Simples; b) ( ) Reclusão; c) ( ) Detenção; d) ( ) Não existe punição para essa espécie de infração

Leia mais

Comissão dos Assuntos Externos PROJETO DE PARECER

Comissão dos Assuntos Externos PROJETO DE PARECER PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão dos Assuntos Externos 20.4.2012 2012/2033(INI) PROJETO DE PARECER da Comissão dos Assuntos Externos dirigido à Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos

Leia mais

Artigo 1.º Âmbito de aplicação

Artigo 1.º Âmbito de aplicação Resolução da Assembleia da República n.º 54/2004 Acordo entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da Região Administrativa Especial de Hong Kong, da República Popular da China, Relativo ao Auxílio

Leia mais

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO

2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. RECURSO EM SENTIDO ESTRITO 2. 1 HIPÓTESES DE CABIMENTO - Decisão que rejeitar a denúncia ou queixa - Decisão que concluir pela incompetência do juízo - Decisão que julga procedente alguma das exceções,

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução

O Papel do DPP. Escritório do Procurador-Geral. Introdução 3 Introdução Este livreto explica em linguagem clara o que o (DPP) faz. O livreto tenta responder às perguntas que as pessoas nos fazem mais frequentemente. Ele não lida com cada situação possível e não

Leia mais

Nº /2015 ASJCRIM/SAJ/PGR Petição n. 5263 Relator : Ministro Teori Zavascki Nominados : ANTÔNIO PALOCCI

Nº /2015 ASJCRIM/SAJ/PGR Petição n. 5263 Relator : Ministro Teori Zavascki Nominados : ANTÔNIO PALOCCI Nº /2015 ASJCRIM/SAJ/PGR Petição n. 5263 Relator : Ministro Teori Zavascki Nominados : ANTÔNIO PALOCCI PROCESSO PENAL. COLABORAÇÃO PREMIADA. EX- PRESSA VEDAÇÃO CONSTITUCIONAL (ART. 86, 4º, CF/88) PARA

Leia mais

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA)

CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) CASO RELATIVO A DETERMINADOS PROCEDIMENTOS PENAIS NA FRANÇA (REPÚBLICA DO CONGO V. FRANÇA) Pedido de indicação de medida provisória Resumo do Despacho de 17 junho de 2003 Aplicação e pedido de medida provisória

Leia mais

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA

CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL PARA A EX-IUGOSLÁVIA FASES DO PROCESSO PENAL DIANTE DOS TRIBUNAIS INTERNACIONAIS VISITA AOS TRIBUNAIS INTERNACIONAIS DA HAIA CORTE INTERNACIONAL DE JUSTIÇA CORTE PERMANENTE DE ARBITRAGEM TRIBUNAL PENAL INTERNACIONAL TRIBUNAL

Leia mais

CASO MAGALHÃES PEREIRA c. PORTUGAL. (Queixa n.º44872/98) Acórdão. Estrasburgo. 26 de Fevereiro de 2002

CASO MAGALHÃES PEREIRA c. PORTUGAL. (Queixa n.º44872/98) Acórdão. Estrasburgo. 26 de Fevereiro de 2002 CASO MAGALHÃES PEREIRA c. PORTUGAL (Queixa n.º44872/98) Acórdão Estrasburgo 26 de Fevereiro de 2002 Este acórdão é definitivo nas condições estabelecidas no n.º2 do artigo 44.º da Convenção. Está sujeito

Leia mais

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals

Supreme Court. Courts of Appeals. Federal Circuit. District Courts. Court of Int l Trade, Claims Court, and Court of Veterans Appeals SI STEMA JURÍ DI CO DOS EUA: Um a Breve Descrição Federal Judicial Center Histórico A Constituição dos Estados Unidos estabelece um sistema federal de governo. A Constituição dá poderes específicos ao

Leia mais

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002

Profissão de advogado na União Européia. Directiva 98/5/CE 08-05-2002 Profissão de advogado na União Européia Directiva 98/5/CE 08-05-2002 tendente a facilitar o exercício permanente da profissão de advogado num Estado-membro diferente daquele em que foi adquirida a qua

Leia mais

Considerando que o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um;

Considerando que o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um; PREAMBULO Os Estados africanos membros da Organização da Unidade Africana, partes na presente Carta que tem o título de "Carta Africana dos Direitos Humanos e dos Povos", Lembrando a decisão 115 (XVI)

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas com as disposições

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 2.384-B DE 2015 Disciplina o processo e o julgamento do recurso extraordinário e do recurso especial; altera a Lei nº 13.105, de 16 de março de 2015 Código de Processo Civil;

Leia mais

O QUE É O SERVIÇO SOLVIT O SOLVIT PODE INTERVIR

O QUE É O SERVIÇO SOLVIT O SOLVIT PODE INTERVIR O QUE É O SERVIÇO SOLVIT Viver, trabalhar ou estudar em qualquer país da UE é um direito básico dos cidadãos europeus. Também as empresas têm o direito de se estabelecer, prestar serviços e fazer negócios

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 6 Comunidade Global Tema Direitos fundamentais do : Declaração Universal dos Direitos do OBJECTIVO: Participa consciente e sustentadamente na comunidade global 1. Leia, com atenção, a Declaração Universal

Leia mais

CÁTEDRA JEAN MONNET: Direito da União Européia e Transnacionalidade. Análise jurisprudencial - Tribunal de Justiça da União Européia

CÁTEDRA JEAN MONNET: Direito da União Européia e Transnacionalidade. Análise jurisprudencial - Tribunal de Justiça da União Européia CÁTEDRA JEAN MONNET: Direito da União Européia e Transnacionalidade Análise jurisprudencial - Tribunal de Justiça da União Européia Raphael Fernando Pinheiro 1 Processo C-148/02 (García Avello). Partes:

Leia mais

PARECER N.º 182/CITE/2013

PARECER N.º 182/CITE/2013 PARECER N.º 182/CITE/2013 Assunto: Queixa de Sindicato dos Enfermeiros sobre recusa de pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares Processo

Leia mais

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido

CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido CASO AVENA E OUTROS NACIONAIS MEXICANOS (MEXICO v. UNITED STATES OF AMERICA) Professor Fabrício Pasquot Polido Fatos do caso 1. Em 09 de janeiro de 2003 o Governo do México iniciou procedimento contencioso

Leia mais

R E L A T Ó R I O. O Sr. Ministro RICARDO LEWANDOWSKI: Trata-se de. habeas corpus, com pedido de medida liminar, impetrado por

R E L A T Ó R I O. O Sr. Ministro RICARDO LEWANDOWSKI: Trata-se de. habeas corpus, com pedido de medida liminar, impetrado por HABEAS CORPUS 97.511 SÃO PAULO RELATOR : MIN. RICARDO LEWANDOWSKI PACTE.(S) : PAULO SALIM MALUF IMPTE.(S) : JOSÉ ROBERTO LEAL DE CARVALHO COATOR(A/S)(ES) : PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA R

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

Deontologia Jurídica. Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1

Deontologia Jurídica. Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1 Deontologia Jurídica Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1 ATIVIDADE PRIVATIVA QUESTÃO Nº01 A empresa Consumidor Ltda., composta por contadores, despachantes,

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE

Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE P7_TA(2013)0322 Programas de vigilância da NSA dos EUA, serviços de informações de vários Estados Membros e impacto na privacidade dos cidadãos da UE Resolução do Parlamento Europeu, de 4 de julho de 2013,

Leia mais

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito

CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito CONTINUAÇÃO - RECURSOS NO PROCESSO PENAL, Recurso no Sentido Estrito Efeito suspensivo O RESE, como regra, não tem efeito suspensivo. Terá, apenas, quando a lei prever. O art. 584 do CPP 1 prevê 05 hipóteses

Leia mais

O JUÍZO PRELIMINAR III SITUAÇÃO NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA CASO O PROCURADOR. Documento Público

O JUÍZO PRELIMINAR III SITUAÇÃO NA REPÚBLICA CENTRO AFRICANA CASO O PROCURADOR. Documento Público ICC-01/05-01/08-15-tPOR 01-08-2008 1/11 VW PT Original: francês N. : ICC 01/05 01/08 Data: 10 de Junho de 2008 O JUÍZO PRELIMINAR III Composto pelos seguintes membros: Sr. a Dr. a Fatoumata Dembele Diarra,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO. Exposição de motivos

PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO. Exposição de motivos PROJETO DE LEI N.º 647/XII ALTERA O CÓDIGO PENAL, CRIMINALIZANDO A PERSEGUIÇÃO E O CASAMENTO FORÇADO Exposição de motivos A Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência contra

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO EMENTA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO EMENTA nteiro Teor (4842046) de 8 03/03/2016 09:31 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0009189-59.2013.4.03.6100/SP 2013.61.00.009189-0/SP RELATOR APELANTE ADVOGADO APELADO(A)

Leia mais

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PENAL E DIREITO PROCESSUAL PENAL PEÇA PROFISSIONAL Lúcio, policial federal acusado de extorquir, no exercício de suas funções, determinada quantia em dinheiro de servidor público federal, encontra-se

Leia mais

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR.

CONVENÇÃO COMPLEMENTAR À CONVENÇÃO DE PARIS DE 29 DE JULHO DE 1960 SOBRE A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DOMÍNIO DA ENERGIA NUCLEAR. Decreto do Governo n.º 24/84 Convenção de 31 de Janeiro de 1963 Complementar da Convenção de Paris de 29 de Julho de 1960 sobre Responsabilidade Civil no Domínio da Energia Nuclear O Governo decreta, nos

Leia mais

Lei n.º 22/97 de 27 de Junho

Lei n.º 22/97 de 27 de Junho Lei n.º 22/97 de 27 de Junho (Alterada pelas Leis n. os 93-A/97, de 22 de Agosto, 29/98, de 26 de Junho e 98/2001, de 25 de Agosto) Classificação e licença de armas de defesa... 2 Armas de caça, precisão

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DIRECÇÃO NACIONAL DE ASSESSORIA JURÍDICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E LEGISLAÇÃO Proposta de lei n.º / Regime penal especial para jovens com idade entre 16 e os 21 anos O presente diploma sobre o regime penal

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios

Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007. Conteúdo e desafios Tratado de Lisboa 13 Dezembro 2007 Conteúdo e desafios Os Tratados Tratado de Paris (CECA) 18 de Abril de 1951 Tratados de Roma (CEE e CEEA) 25 de Março de 1957 Acto Único Europeu 17 de Fevereiro 1986

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.391.004 - GO (2013/0219024-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO MARCO AURÉLIO BELLIZZE : MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS : ADEMIR NOLASCO GUIMARÃES : ACHILES

Leia mais

Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional. Factos e Números

Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional. Factos e Números Embargado até às 10h00 TMG, de dia 23 de Maio de 2007 Relatório Anual 2007 Amnistia Internacional Factos e Números Estes factos e números ilustram a situação em algumas áreas de trabalho da Amnistia Internacional

Leia mais

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948

Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 PARTE A Módulo I Acordos/Convenções Internacionais 1. Declaração Universal dos Direitos Humanos Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA MARATONA DE CARTAS

APRESENTAÇÃO DA MARATONA DE CARTAS APRESENTAÇÃO DA MARATONA DE CARTAS http://www.amnistia-internacional.pt/liberdade/ Sobre esta apresentação: Este PowerPoint é um recurso para os/as professores/as apresentarem a Maratona de Cartas aos

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015

Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 Sessão Solene de abertura do Ano Judicial Supremo Tribunal de Justiça 8 de outubro de 2015 1. Ao longo da legislatura que agora termina, fiz sempre questão de enfatizar, em todas as sessões de abertura

Leia mais

Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA

Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA 1 Profissões jurídicas - outras SOCIOLOGIA JURÍDICA PROF. ADRIANO DE ASSIS FERREIRA Profissões jurídicas 2 2410 : Advogados 1113 : Magistrados 2412 : Procuradores e advogados públicos 2413 : Tabeliães

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG Agravo Interno na APELAÇÃO N.º 0001126-86.2007.8.19.0050 Apelante: ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Apelado:

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL EFICÁCIA JURÍDICA Atualizado em 12/01/2016 NACIONALIDADE: ARTS. 12 E 13 CF88 A nacionalidade é o vínculo jurídico-civil que liga o indivíduo a um determinado território e é considerada

Leia mais

Período pré-colonial

Período pré-colonial CHILE Período pré-colonial O navegador português Fernão de Magalhães, a serviço do rei da Espanha, foi o primeiro europeu a visitar a região que hoje é chamada de Chile. Os mapuches, grande tribo indígena

Leia mais

01 Direito da Criança e do Adolescente

01 Direito da Criança e do Adolescente 01 Direito da Criança e do Adolescente Constitui-se em um direito dos pais ou responsáveis, assegurado pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, a) adentrar no prédio escolar até as salas de aula em qualquer

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

(Atos legislativos) DIRETIVAS

(Atos legislativos) DIRETIVAS 6.11.2013 Jornal Oficial da União Europeia L 294/1 I (Atos legislativos) DIRETIVAS DIRETIVA 2013/48/UE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 22 de outubro de 2013 relativa ao direito de acesso a um advogado

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º

PROCEDIMENTO DA DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º PROCEDIMENTO DA AUTORIDADE POLICIAL DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS ART. 6º E 7º DILIGÊNCIAS INVESTIGATÓRIAS CONHECIMENTO DA NOTITIA CRIMINIS delegado deve agir de acordo comoart.6º e 7º do CPP, (não exaustivo

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PERICIAL DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS

REGULAMENTO DA COMISSÃO PERICIAL DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS REGULAMENTO DA COMISSÃO PERICIAL DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS Artigo 1.º Criação 1. A Ordem dos Médicos Dentistas, através do conselho diretivo e com a colaboração do conselho deontológico e de disciplina,

Leia mais

PARECER N.º 104/CITE/2014

PARECER N.º 104/CITE/2014 PARECER N.º 104/CITE/2014 Assunto: Parecer relativo a queixa sobre a recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível, pedido pela trabalhadora com responsabilidades familiares ao Laboratório,

Leia mais

A Sentença, em especial a decisão de facto

A Sentença, em especial a decisão de facto Jornadas de Processo Civil CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS Fórum Lisboa 19 de Abril de 2013 A Sentença, em especial a decisão de facto Com base no texto final da Proposta de Lei n.º 113/XII, aprovado na

Leia mais

* PROJECTO DE RELATÓRIO

* PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão das Liberdades Cívicas, da Justiça e dos Assuntos Internos 26.10.2009 2009/0101(CNS) * PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a proposta de decisão-quadro do Conselho relativa

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02

PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012 Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 A Lei n.º 5/2008, de 12 de Fevereiro, aprovou a criação de uma base

Leia mais

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n.

CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO. CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL. (Queixa n. CONSELHO DA EUROPA TRIBUNAL EUROPEU DOS DIREITOS DO HOMEM 2ª SECÇÃO CASO MORA DO VALE E OUTROS contra PORTUGAL (Queixa n.º 53468/99) ACÓRDÃO (reparação razoável) ESTRASBURGO 18 de Abril de 2006 Este acórdão

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF)

TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA MATRICULA:12/0138573 ALUNO:WILSON COELHO MENDES PROFESSOR:VALLISNEY OLIVEIRA TRABALHO 1 COMENTÁRIOS A ACÓRDÃO(STF) Teoria geral do Processo II Princípio:Juiz natural, com observações

Leia mais

Despedimento de trabalhadores

Despedimento de trabalhadores Despedimento de trabalhadores A lei não permite que a empresa despeça um trabalhador sem que exista justa causa para o fazer. Assim, esta forma de terminar o contrato de trabalho não pode ser utilizada

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta pelo Ministério Público Federal contra sentença proferida pelo MM. Juízo da 37ª Vara de Pernambuco, na

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOCATÍCIOS DA OAB/RS 1. ATIVIDADES AVULSAS OU EXTRAJUDICIAIS 1.1 Consulta R$ 200,00 Consulta em condições excepcionais R$ 500,00 1.2 Hora intelectual R$ 500,00 1.3 Acompanhamento ou exame de documentos em órgão público R$

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987

LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 LEI COMPLEMENTAR N. 13, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1987 Dá nova redação aos artigos que menciona, entre outras providências, da Lei Complementar n. 3, de 12 de janeiro de 1981, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação

Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação Informações importantes sobre a apresentação de uma reclamação Quem pode fazer uma reclamação? Pode fazer uma reclamação se: for confrontado com um comportamento inapropriado por parte de um agente ou

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS.

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E OS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA RELATIVO À ASSISTÊNCIA MÚTUA ENTRE OS RESPECTIVOS SERVIÇOS ADUANEIROS. Decreto n.º 25/95 Acordo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América Relativo à Assistência Mútua entre os Respectivos Serviços Aduaneiros Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL:

JURISPRUDÊNCIA FAVORÁVEL: TRF 2 COMPETÊNCIA PENAL - PROCESSO PENAL - DECISÃO QUE REJEITA EXCEÇÃO DE INCOMPETÊNCIA - INEXISTÊNCIA DE RECURSO - APELAÇÃO CRIMINAL NÃO CONHECIDA - PEDIDO RECEBIDO COMO HABEAS CORPUS - REDUÇÃO À CONDIÇÃO

Leia mais

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura;

Prova: PC-SP - 2011 - PC-SP - Delegado de Polícia Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Prova: FGV - 2012 - OAB - Exame de Ordem Unificado - IX - Primeira Fase Disciplina: Direitos Humanos Assuntos: Convenção Interamericana para Prevenir e Punir a Tortura; Com relação à Convenção Interamericana

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) 1. O advogado deve, no exercício da profissão

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-638/00 (A6) DATA: 2000-04-06 Assunto: Motorista

Leia mais

PLANTÃO JUDICIAL. HABEAS CORPUS N.º 4000932-10.2015.8.04.0000 - Plantão Judicial Portaria n.º 357/2015

PLANTÃO JUDICIAL. HABEAS CORPUS N.º 4000932-10.2015.8.04.0000 - Plantão Judicial Portaria n.º 357/2015 fls. 678 PLANTÃO JUDICIAL HABEAS CORPUS N.º 4000932-10.2015.8.04.0000 - Plantão Judicial Portaria n.º 357/2015 IMPETRANTE PACIENTE IMPETRADO PLANTONISTA : Aldemir da Rocha Silva Junior : Gregorio Graça

Leia mais

IV - APELACAO CIVEL 2007.51.05.000235-5

IV - APELACAO CIVEL 2007.51.05.000235-5 Relatora : Desembargadora Federal SALETE MACCALÓZ APELANTE : CARMEM LUCIA LOPES TEIXEIRA Advogado : Paulo Roberto T. da Costa (RJ141878) APELADO : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF Advogado : Gerson de Carvalho

Leia mais

PARECER N.º 48/CITE/2004

PARECER N.º 48/CITE/2004 PARECER N.º 48/CITE/2004 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e do artigo 98.º da Lei n.º 35/04, de 29 de Julho Processo n.º

Leia mais

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ

O Tribunal Penal Internacional. Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ O Tribunal Penal Internacional Luciana Boiteux Prof. Adjunta de Direito Penal FND/UFRJ Conceitos Básicos É o primeiro tribunal penal internacional permanente Os tribunais internacionais criados até então

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

Processo n.º 662/2013 Data do acórdão: 2013-11-28. manifesta improcedência do recurso rejeição do recurso S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng

Processo n.º 662/2013 Data do acórdão: 2013-11-28. manifesta improcedência do recurso rejeição do recurso S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng Processo n.º 662/2013 Data do acórdão: 2013-11-28 (Autos em recurso penal) Assuntos: manifesta improcedência do recurso rejeição do recurso S U M Á R I O É de rejeitar o recurso em conferência, quando

Leia mais

Sugestões da ACPI em relação à Proposta de Lei nº 32/XI

Sugestões da ACPI em relação à Proposta de Lei nº 32/XI Sugestões da ACPI em relação à Proposta de Lei nº 32/XI Como já havia afirmado, a ACPI entende que a criação do Tribunal da Propriedade Intelectual constitui uma medida positiva e correcta atenta que é

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008.

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008. Ntátuald, TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA - APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2008.012051-0/002, ORIGEM :Processo n. 001.2008.012051-0 da 3 a Vara

Leia mais

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13

Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 Manual de GUIA PRÁTICO ADOÇÃO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Adoção (32 V4.08) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social,

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

Innocence Project: a liberdade não é um fim

Innocence Project: a liberdade não é um fim Innocence Project: a liberdade não é um fim Boas Práticas 10/02 Março 2010 Não alcançamos a liberdade procurando a liberdade, mas sim a verdade. A liberdade não é um fim, mas uma consequência, escreveu

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 *

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * ACÓRDÃO DE 14. 9. 2000 PROCESSO C-348/98 ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA (Quinta Secção) 14 de Setembro de 2000 * No processo C-348/98, que tem por objecto um pedido dirigido ao Tribunal de Justiça, nos

Leia mais