Estudo Setorial. A Hora e a vez dos grandes riscos Novas janelas que se abrem Página: 03. Revista Suma Economica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudo Setorial. A Hora e a vez dos grandes riscos Novas janelas que se abrem Página: 03. Revista Suma Economica"

Transcrição

1 Estudo Setorial Revista Suma Economica ISSN Edição Especial 71 - Novembro de 2012 A Hora e a vez dos grandes riscos Novas janelas que se abrem Página: 03 Capemisa: ramo corporativo como aposta Pág. 08

2 Saiba como identificar e aproveitar oportunidades, controlar custos, diminuir riscos e avaliar os rumos da empresa. Um orçamento operacional e de vendas bem feito precisa envolver todo o pessoal-chave de sua empresa: finanças, RH, logística, marketing, vendas, produção e pessoal de apoio. Orçamento operacional e de vendas Baixe um leitor de QR code em seu celular, aproxime o telefone do código e aproveite as promoções no site: Saiba como maximizar os lucros fazendo o trade-off entre preços e quantidade de vendas, como preparar a matriz de preços de sua empresa para atingir o melhor resultado financeiro. Aprenda melhorar o mix de seus produtos e fazer a estratégia de preços. O planejamento do orçamentário é um diferencial que determina muitas vezes o sucesso ou fracasso de uma empresa. Aprenda a calcular todos os aspectos essenciais de seu negócio, tais como a receita à vista, o cálculo das despesas proporcionais a venda, o prazo de recebimento, a projeção futura de resultados e outros.

3 Grandes Riscos A hora e a vez dos Grandes Riscos editorial O crescimento da economia brasileira tem aberto, nos últimos anos, inúmeras novas janelas de oportunidade para o mercado de seguros e de resseguros. Esse processo se intensificou mais recentemente com o início das grandes obras de infraestrutura e do Programa de aceleração do Crescimento (PAC) e a proximidade de eventos esportivos internacionais, como a Copa das Confederações (2013), A Copa do Mundo (2014) e as Olimpíadas do Rio de Janeiro (2016). Além desse cenário favorável, o mercado de seguros e de resseguros ainda contabiliza a seu favor o fato de ter um amplo espaço para avançar, visto que ainda não ocupou todo o potencial que se oferece. Não por acaso, especialistas projetem que, em cinco anos, será possível dobrar a participação dessa indústria no PIB brasileiro, hoje na faixa de 4%. Os Grandes Riscos tema central deste estudo setorial oferecem perspectivas especialmente favoráveis para os grupos seguradores consolidadas, que apresentam profunda experiência e lastro para aceitar um volume maior de risco. A intenção é mostrar, nas próximas páginas, quais os produtos e serviços que o mercado brasileiro, em parceria com as resseguradoras, nacionais ou estrangeiras, pode oferece para atender a essa demanda, assegurando, dessa forma, as condições necessárias e servindo como um dos pilares para o desenvolvendo de grandes projetos nacionais. Este caderno traz um conteúdo técnico e ainda dados estatísticos e informações relevantes sobre o mercado. Um cenário amplamente favorável para quem já opera ou planeja direcionar o seu foco para seguros patrimoniais (roubos, incêndios, lucros cessantes, riscos de engenharia, etc.); para os riscos especiais, que cobrem projetos na área nuclear e de exploração de petróleo; ou ainda para os ramos marítimos ou aeronáuticos. Como se vê, os Grandes Riscos formam um amplo nicho de mercado que seguradoras e resseguradoras podem explorar e obter um grande retorno bastante compensador pelos próximos cinco anos. Boa leitura! Estudo Setorial 3

4 Capemisa: ramo corporativo como aposta Pág. 08 Grandes capitalização Riscos índice 03 EDITORIAL A Hora e a vez dos grandes riscos 05 MERCADO Crescimento a reboque das grandes obras 08 Capemisa CAPEMISA aposta no ramo corporativo 10 DEBATE Riscos declináveis dividem opiniões 12 PERDAS Relatório aponta riscos na área energética 14 CONCORRÊNCIA Grande risco é ou não um bom negócio? 4 A edição especial sobre SEGUROS CORPORATIVOS faz parte da revista SUMA ECONOMICA, um suplemento da COP EDITORA LTDA. DIRETOR: Alexis Cavicchini - BANCO DE DADOS E PESQUISA ECONÔMICA: Fernando Lopes de Mello - COLABORAÇÃO: Jorge Clapp Projeto GrAfico e diagramação: CRIA - Design e Comunicação Visual - DIRETORIA COMERCIAL: Salete Gondin - ATENDIMENTO: Tathiane Gregório - Estudo Setorial CENTRAL DE ATENDIMENTO AO CLIENTE: (0xx21) CIRCULAÇÃO: Otácilio Vieira Filho RIO DE JANEIRO: Rua Baronesa do Engenho Novo, Cep Engenho Novo - Rio de Janeiro - RJ. Tel.: (0xx21) Fax: (0xx21) TIRAGEM DESTA EDIÇÃO: exemplares. Estudo Setorial Revista Suma Economica A Hora e a vez dos grandes riscos Novas janelas que se abrem Página: 03 Todas as análises e estatísticas são cuidadosamente preparadas pela equipe da SUMA ECONOMICA, de acordo com os últimos dados disponíveis no seu fechamento. Contudo, o uso destas informações para fins comerciais e de investimento é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. ISSN Edição Especial 71 - Novembro de 2012

5 Grandes Riscos Crescimento a reboque das grandes obras Em linhas gerais, o segmento conhecido como Grandes Riscos engloba três grupos de seguros: Patrimoniais (contra roubos, incêndios, lucros cessantes, riscos de engenharia, etc.); Especiais (riscos nucleares, de petróleo ou de satélites); e Cascos (principalmente riscos marítimos e aeronáuticos). Com o crescimento da economia nacional, esse segmento vem ganhando destaque cada vez maior no contexto do mercado de seguros. mercado oportunidade que certamente terá forte reflexo no desempenho do setor. Assim, é possível prever um salto expressivo, por exemplo, da carteira de riscos patrimoniais, que hoje representa algo em torno de um quinto do faturamento do setor (21%, ver quadro). Especialistas afirmam que essa avalanche de grandes eventos, somada ao Programa de Aceleração Econômico E as projeções são bastante otimistas. No rastro dos investimentos já programados para os próximos anos, sejam nas obras preparatórias para os grandes eventos esportivos internacionais que o Brasil irá sediar até 2016, ou na indispensável infraestrutura que o País necessita para sustentar o avanço nos campos econômico e social, as seguradoras vislumbram uma janela de O resseguro serve apenas para grandes riscos? Não. Além de essa operação ter várias finalidades, os diversos tipos de resseguro podem suprir as necessidades das seguradoras. Riscos pequenos, de grande massificação, também podem representar possibilidade de prejuízos relevantes, se considerada a extensão de determinada ocorrência. Fenômenos da natureza, por exemplo, podem atingir grande área geográfica, em razão de um único evento. (Fonte: da Escola Nacional de Seguros). Estudo Setorial 5

6 Grandes Riscos (PAC) e projetos de grupos privados, irão gerar nos próximos anos quase quatro mil projetos de construção. negócios vêm apresentando um ritmo acelerado de incremento. A estimativa é a de que todas essas obras poderão gerar prêmios da ordem de US$ 5,5 bilhões (cerca de R$ 11 bilhões). Desse total, aproximadamente 25% serão direcionados para os seguros e 75% para resseguros. Em estimativa modesta, os valores cobertos ficam próximos a R$ 300 bilhões. Esse cenário leva o titular da Superintendência de Seguros Privados (Susep), Luciano Portal Santanna, a afirmar que o mercado vive um momento impar. Para ele, são fortes os indícios de que essa tendência de crescimento acelerado será mantida nos próximos anos. Em 2012, o crescimento do setor pode chegar a 23%. E tudo indica que, nos próximos anos, não haverá mudanças nesse quadro de crescimento sustentável, comenta. Luciano Portal adverte, no entanto, que mercado deve ficar sempre atento às reais necessidades do consumidor para não perder as oportunidades que deverão surgir nos próximos anos. O presidente da Bradesco Seguros, Marco Antonio Rossi, pensa da mesma forma. Na visão dele, é preciso olhar com atenção redobrada o segmento de pequenos e de médias empresas. Em 2025, serão 20 milhões de empresas empregando um exército de pessoas. Todo esse universo precisará de seguro e proteção, afirma Rossi. O executivo comemora o fato de o mercado viver um momento espetacular, com crescimento sempre bem acima da média da economia brasileira. De acordo com o presidente da Bradesco Seguros, todas as linhas de Riscos de Engenharia O seguro de riscos de engenharia garante proteção contra perigos que afetam todo tipo de obra civil, como incêndio, erro de execução, sabotagens, roubo e furto qualificado. A proteção também é contra danos decorrentes de vendaval, queda de granizo, entre outros, inclusive, prejuízos causados a terceiros. Cobre, ainda, máquinas e equipamentos em fase de instalação e montagem, além do maquinário em operação. Os governos estaduais também já detectaram o papel fundamental que o seguro pode exercer no processo de crescimento econômico. O vice-governador do Rio de Janeiro, Luiz Fernando Pezão, por exemplo, aproveitou sua participação no IV Enconseg Encontro dos Corretores de Seguros, organizado pelo sindicato da categoria (Sincor- -RJ), em meados de outubro, para convidar o setor de seguros a direcionar o seu foco para o estado. As perspectivas são mais do que positivas para a economia fluminense e para as modalidades que poderão ser beneficiadas pela forte expansão esperada para os próximos anos. Tenho certeza de que o mercado de seguros vai acompanhar a valorização e o crescimento do estado, discursou. Ameaça estatal Os seguradores não poupam críticas à decisão do Governo de criar a Agência Brasileira Gestora de Fundos e Garantias (ABGF). Temem que a nova estatal, apelidada de Segurobras, entre em cena para concorrer na área de grandes riscos com as 117 seguradoras e 102 resseguradoras em plena atividade no país. O presidente da Confederação Nacional das Seguradoras (CNSeg), Jorge Hilário Gouvêa Vieira, por exemplo, adverte que, embora o Ministério da Fazenda tenha sinalizado que o Governo não pretende ocupar o espaço do setor privado, da forma como o projeto de conversão foi aprovado, não há como ficarmos despreocupados. A confederação pediu o veto ao artigo do projeto de lei que permite a atuação da ABGF como concorrente direto das seguradoras, em diferentes modalidades de seguros. A solicitação foi negada. Para a CNSeg, essa decisão desestimula o setor privado, pois a nova estatal terá muitas vantagens competitivas. Isso traz insegurança aos investi- 6 Estudo Setorial

7 dores, sobretudo os estrangeiros, critica o presidente da CNSeg. Seguro Compreensivo mercado No Congresso Nacional, o deputado federal Armando Vergilio, apresentou cinco emendas ao projeto. Mas, todas foram reprovadas. Essa empresa é absolutamente desnecessária, critica o parlamentar, que é presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor) e já comandou também a Superintendência de Seguros Privados (Susep). Vergilio estranha o fato de o Palácio do Planalto ter escondido essa matéria no meio da MP 564, que estabelece as regras para o funcionamento do Plano Brasil Maior e concede incentivo à indústria nacional. Não vejo motivo para tanto açodamento do Governo. É muito estranho isso, critica. O Governo garante, contudo, que a intenção é assegurar a devida cobertura para grandes riscos, especialmente relacionados às obras estratégicas. Também conhecido como seguro compreensivo empresarial, o seguro multirriscos patrimoniais foi desenvolvido especialmente para atender empresas comerciais, industriais e de serviços. Dependendo do porte da empresa, é possível elaborar apólices sob medida, ou seja, o empresário compõe uma apólice personalizada de acordo com suas necessidades. A principal diferença desse seguro para as apólices com coberturas independentes, por risco, é que este oferece, em uma única apólice, um conjunto de garantias que se adaptam a situações específicas. A contratação da cobertura básica (incêndio, queda de raio e explosão) e de, pelo menos, uma cobertura facultativa costuma ser obrigatória. Em entrevista para jornalistas, o secretário-executivo adjunto do Ministério da Fazenda, Dyogo Henrique de Oliveira, lembrou que, durante a forte crise financeira de 2008, houve séria dificuldade para contratar o seguro para as obras da hidrelétrica de Santo Antônio, no rio Madeira. Estudo Setorial 7

8 Empresas CAPEMISA aposta no ramo corporativo A CAPEMISA Seguradora vem cada vez mais direcionando o seu foco para os produtos corporativos. Não por acaso, em apenas dois anos, a participação desse segmento na receita global do Grupo dobrou de tamanho. Atualmente, cerca de 60% da receita são gerados pelos planos e seguros voltados para empresas. Nesse contexto, a prioridade é a oferta de uma rede de proteção e de benefícios para que os sócios de pequenas e médias empresas possam proteger a si, aos seus familiares e aos empregados. Assim, a comercialização de seguros e planos de previdência complementar aberta para esse nicho de mercado já representa aproximadamente 30% das vendas. Segundo o Diretor Comercial da CAPEMISA, Laerte Lacerda, a tendência é de um crescimento ainda maior desse percentual nos próximos anos. Nós estamos investindo muito nesse segmento das pequenas e médias empresas. Utilizamos o que há de mais moderno em tecnologia para oferecer o melhor atendimento ao corretor e seus clientes, afirma o executivo, acrescentando que a equipe Perfil comercial do grupo está pronta para atender com rapidez a toda a demanda apresentada por esse público. O corretor de seguros é um aliado importante para a CAPEMISA nesse processo, principalmente porque o grupo aposta no conceito do taylor-made (em que os produtos são formatados sob medida, de acordo com as necessidades do segurado) para melhor atender aos clientes. Laerte Lacerda explica que o corretor tem papel preponderante nesse processo porque conta com a total confiança do cliente, que está cada vez mais exigente e consciente dos seus direitos. Esse novo consumidor é muito bem informado e, por essa razão, tornou-se mais exigente e detalhista, o que torna indispensável a consultoria prestada pelo corretor de seguros de sua confiança. Ao atender a essa expectativa do público, a CAPEMISA avança para assegurar o seu espaço e o respeito do cliente em um cenário em que a concorrência está cada vez mais acirrada, destaca o Diretor Comercial da CAPEMISA. A CAPEMISA é uma empresa que nasceu na década de 60, portanto com mais de 50 anos de atuação. O grupo tem o corretor de seguros como o principal canal de distribuição de seus produtos, mantendo sucursais de atendimento a clientes e aos seus parceiros comerciais em todas as capitais e em várias cidades do interior. O Grupo, que vivencia um crescimento constante, atingiu, no primeiro semestre 2012 a marca de R$ bilhão em ativos totais. Só em ativos financeiros, ultrapassou a marca de R$ bilhão, o que representa 95% de seu ativo total, demonstrando excelente liquidez. O patrimônio liquido de R$ 734 milhões representa 85% de suas reservas técnicas, R$ 867 milhões, garantindo ótimo nível de solvência. Seus mais de seiscentos e cinquenta funcionários contam com Seguro de Vida, Seguro Saúde e Seguro Dental, além de outros benefícios que elevam a qualidade de vida dos colaboradores e de suas famílias. Além de atuar no ramo de Seguro de Vida e Previdência, o Grupo CAPEMISA passou, em abril de 2012, a operar no segmento de Capitalização. A CAPEMISA Seguradora de Vida e Previdência recebeu em São Paulo, no final de abril, o Prêmio Segurador Brasil na categoria Destaque Nacional no Ramo de Pessoas. Essa foi a quinta vez que a seguradora conquistou esse prêmio. Em setembro, além do Diretor-Presidente do grupo, eleito o Homem de Seguro do Ano, a empresa foi agraciada também na categoria Gerente Comercial, com a entrega do Oscar do Seguro ao executivo Fábio Lessa. 8 Estudo Setorial

9 capemisa A CAPEMISA tem como regra interferir o menos possível na definição do rol de coberturas ou dos serviços que irão constar do contrato do seguro. Trabalhamos tendo sempre em mente que cada pessoa ou empresa tem o direito de contratar apenas aquilo que lhe convém, observa Lacerda. Outro pilar importante dessa estratégia é a possibilidade de comercialização por meio remoto de seguros de vida, títulos de capitalização e planos de previdência complementar aberta, sempre com a intermediação dos corretores parceiros. Esses profissionais, desde que cadastrado pela CAPEMISA, podem entrar a qualquer hora do dia no portal da Seguradora e, após digitar sua senha, desenhar o seguro ou o plano de previdência aberta no formato que melhor atende aos anseios dos seus clientes. Isso oferece ao corretor um diferencial bastante relevante, pois todo o processo pode ser concluído em questão de minutos. A CAPEMISA criou, inclusive, dois precificadores que permitem ao cliente visualizar junto com o seu corretor as coberturas mais adequadas e os respectivos custos. O modelo foi adotado no começo deste ano e os resultados superam as expectativas iniciais. A aceitação foi muito boa, comemora Laerte Lacerda, segundo o qual o público sempre responde muito bem quando o atendimento é feito com rapidez e tem a possibilidade de contratar produtos feitos sob medida. No caso do seguro de vida, o processo de customização do produto vai além da seleção das coberturas mais adequadas. Isso porque o corretor pode também incluir uma série de outros benefícios para os empregados, caso seja esse o desejo do empregador. É possível, por exemplo, incluir no seguro de vida o auxílio funeral e a possibilidade de participação em sorteios, através de títulos de capitalização acoplados à apólice. Também é possível contratar planos em que o empregador responda pelo pagamento integral das contribuições ou, então, deixar a cargo do empregado o desembolso mensal da totalidade desses valores, se for do seu interesse. Se desejar, o responsável pela empresa pode optar pela divisão de responsabilidades, cabendo ao empregador definir qual será o percentual de contribuição que caberá a ele e ao funcionário mensalmente. Nós estamos investindo muito nesse segmento das pequenas e médias empresas. Utilizamos o que há de mais moderno em tecnologia para oferecer o melhor atendimento ao corretor e seus clientes Laerte Lacerda, Diretor Comercial Estudo Setorial 9

10 grandes riscos Riscos declináveis dividem opiniões A abertura no resseguro, com o fim do monopólio do IRB Brasil Re, no final da década passada, trouxe a esperança de novos e bem melhores dias para o mercado doméstico, com a oferta de diferentes coberturas e preços mais baixos. Contudo, quase cinco anos após a promulgação da Lei Complementar 126/07, que encerrou um ciclo de quase 70 anos de monopólio estatal no resseguro, há ainda alguns obstáculos pela frente. E entre as questões que geram muitos debates e alguma polêmica estão os chamados riscos declináveis, aqueles que, por uma razão ou outra, uma seguradora Por que ter um gerente de risco? Segundo a Associação Brasileira de Gerência de Riscos (ABGR), o gerente de risco é o responsável por criar modelos e cenários, onde são analisados questões de sinistros e os aspectos legais além de riscos para a população de modo geral. Esse gerente deve acompanhar a relação da sua empresa com as companhias de seguros e, através de seus modelos, adequar as apólices e coberturas à realidade do segurado. O gerente de riscos também zela pela imagem institucional de empresa e, quando é o caso, responde pela análise até mesmo o impacto de certas ações na sociedade e no meio ambiente. Em comum, essas atividades apresentam maior frequência de sinistros, notadamente de incêndio, o que assusta e afasta as seguradoras. Na verdade, há até quem defenda a tese de que é possível aceitar qualquer tipo de risco, desde que preenchidos os requisitos que o tornam segurável. Sob o ponto de vista do seguro, não há riscos declináveis, mas, sim, agravados, costuma afirmar o diretor de Sinistros do IRB Brasil Re, Francisco Aldenor Alencar Andrade. Bacharel em Ciências Atuarias e acumulando a experiência de quem já exerceu diversas funções gerenciais e de assessoramento naquela resseguradora e também na Superintendência de Seguros Privados (Susep), ele não tem dúvidas em afirmar que atendidos alguns requisitos, tudo o mais passa a ser uma questão de underwriting e precificação. considera passíveis de não serem aceitos por ela. Esse tipo de problema vem afetando, com mais intensidade, segmentos tais como os supermercados, fábricas de colchões, indústrias químicas, depósitos e centros de distribuição. Na prática, contudo, não é bem isso que acontece. Tanto assim que o sindicato dos corretores de seguros de São Paulo (Sincor-SP) criou uma comissão para debater o tema e buscar soluções. 10 Estudo Setorial

11 A entidade decidiu convidar a Federação Nacional de Seguros Gerais (Fenseg) - que agrega as seguradoras que operam em grandes riscos para participar dessa comissão. Essa comissão foi formada pouco tempo depois da realização do Fórum Sobre Riscos Declináveis, em São Paulo. Na época, o consultor Boris Be, lamentou o fato de o mercado não ter criado um modelo sustentável de transição, para o momento imediatamente posterior ao da abertura no resseguro. Há uma carência de profissionais nas seguradoras e nas resseguradoras. Não temos um interlocutor. Como explicar para um cliente segurado por mais de 30 anos e que nunca teve um sinistro que não é mais possível fazer o seguro?, questionou. O tema foi também tratado na 15ª edição do Conec, encontro dos corretores paulistas, que reuniu mais de cinco mil profissionais em meados de outubro. Na ocasião, em um painel sobre Riscos Declináveis, Antonio Penteado Mendonça, afirmou que, para a seguradora, não há seguro bom ou ruim, mas sim seguro mal aceito. Quando a seguradora paga indenização, ela não tem prejuízo, pois está fazendo o negócio dela, salientou. Na avaliação de Mendonça, o problema do risco declinável é como o corretor vai trabalhar o produto, pois, para ele, esse é um tipo de situação que não tem sido bem trabalhada. Indenização histórica O consultor sugeriu ainda que o corretor procure uma seguradora para ser a sua parceira nessa área. Mas, para isso, é preciso ter competência de entender o risco. Ganhará muitos pontos quem souber explicar e desenhar um produto adequado. E nunca é demais lembrar que preço não é tudo, mas serviço sim, observou. Os participantes desse painel chegaram à conclusão que, se bem trabalhados, os chamados riscos declináveis, longe de representarem um problema, podem significar até uma bela janela de oportunidade para o corretor. Um dos mais graves acidentes nas instalações da Petrobras foi o naufrágio da plataforma P-36, em março de A perda representou o maior sinistro já ocorrido no Brasil até então e o processo de liquidação do seguro, envolveu a transferência de US$ 491,9 milhões de 20 resseguradoras mundiais para a petroleira no exterior e ainda a quitação de outros US$ 4,8 milhões das seguradoras brasileiras que assinaram a apólice. Segurada em US$ 500 milhões, a P-36 tinha franquia de US$ 6,5 milhões. Desse total de, cerca de US$ 325 milhões ficaram no exterior para pagamento do financiamento da plataforma. Outra parte foi destinada à quitação de importações da empresa e ao financiamento de construção de nova plataforma. O consórcio de resseguradores internacionais respondeu por 99,02% do risco eo grupo de seguradoras nacionais, com apenas 0,98%. debate Em linhas gerais, foi proposta que cada profissional, na medida do possível, escolha uma área de atuação e se especialize para que possa apresentar ao cliente as soluções mais adequadas para cada demanda apresentada. Um dos maiores defensores dessa tese é o corretor Renato da Cunha Bueno Marques, que integra a comissão de Riscos Declináveis do Sincor-SP e que participou daquele evento. Ele citou o exemplo de um corretor de São Paulo que trabalha com seguro de armazenagem de algodão, pule de dez na lista dos segmentos considerados como risco declinável por boa parte das seguradoras. Esse profissional aprendeu a gerenciar o risco e encontrou uma seguradora parceira que desenhasse um produto específico. Encontrou um nicho com pouca concorrência, soube trabalhá-lo e obteve muito sucesso, frisou Marques. Representando a Bradesco Auto/RE na discussão, o especialista Humberto Siqueira Marques afirmou que cabe ao empresário investir no seu negócio visando a reduzir e prevenir acidentes e, dessa forma, tornar o seu risco mais atrativo para as seguradoras. Há exemplos de clientes, como loja de tintas e gráficas, exemplos de riscos geralmente declinados, que tiveram sinistro e foram atendidos integralmente, exempleificou. O executivo acrescentou que as seguradoras também têm uma missão a cumprir, qual seja a de intensificar o processo de realização de inspeções e revisões para que se possa melhorar a aceitação do risco. Marques comentou ainda que existe outro importante e forte atrativo para os corretores de seguros que pensam direcionar o seu foco para esses segmentos que, muitas vezes, são vistos como patinhos feios pelas seguradora: a baixa concorrência. O segredo é escolher um nicho, dedicar-se muito e ser próximo da seguradora, além claro, de ter um amplo conhecimento técnico sobre o assunto, recomendou. Estudo Setorial 11

12 Grandes Riscos Relatório aponta riscos na área energética Relatório elaborado pela Marsh que figura entre as líderes do mercado mundial de corretagem e de gerenciamento de riscos indica que a indústria global de power & utilities (geração, transmissão e distribuição) continua a ver um aumento constante no número de grandes sinistros desde 2005, colocando pressão tanto sobre a oferta global de energia em um momento de crescente demanda, quanto sobre o futuro da própria indústria. O estudo, intitulado The Impact of Large Losses in the Global Power Industry se baseia em sinistros para contas operacionais de Power & Utilities gerenciadas pela Bowring Marsh, corretora internacional da Marsh especializada em desenhar, estruturar e colocar resseguros facultativos para uso exclusivo dos clientes da Marsh. Foi apurado que, desde 2005, as seguradoras têm se envolvido na resolução de pelo menos um grande sinistro de Power por ano em mais de US$ 25 milhões. Além de um aumento em grandes incidentes, as empresas de energia também enfrentam outros desafios: uma força de trabalho envelhecida, equipamentos deteriorados, uma demanda crescente por eletricidade em especial pelas economias emergentes, regulamentações ambientais e a ascensão da energia renovável. Segundo o presidente global da prática de Power & Utilities da Marsh, Philippe Du Four, as seguradoras estão reconsiderando suas posições em relação a preços e condições para a indústria global de Power após pesadas perdas sofridas e que decorreram de quebra de maquinário, incêndios e explosões, catástrofes naturais e lucros cessantes. Melhorar as técnicas de gerenciamento de riscos de maneira a reduzirem sinistros e custos freqüentes deve tornar-se um imperativo de negócio para as empresas de Energia. Nos últimos sete anos, o número de grandes perdas continua com sete perdas da magnitude acima registradas em 2010 somente o 1º semestre deste ano já foi responsável pelo maior número anual deste tipo de sinistro. Além disso, de acordo com o relatório da Marsh, as empresas de Energia sofreram perdas consideráveis na última década devido à maior frequência e severidade das catástrofes naturais que atingiram o mundo, questões de infra- Incentivo na contratação do seguro O Governo quer usar o seguro como uma ferramenta para agilizar a realização de grandes obras de infraestrutura. Uma das medidas adotadas nesse sentido entrará em vigor em novembro (dia 16), com o fim da cobrança do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) no momento da contratação de um seguro garantia. Até agora, ao contratar esse seguro, o empresário era obrigado a arcar com alíquota de 7,38% de IOF. A decisão do Governo foi oficializada através do Decreto 7.787/12, publicado em 16 de agosto, com início de vigência em 90 dias. Esse decreto incluiu o seguro garantia no artigo 22 do Decreto 6.306/07, que zerou a alíquota do IOF em várias operações ligadas ao mercado, incluindo o resseguro e os seguros de crédito à exportação, de transporte internacional de mercadorias e o de financiamento de imóvel habitacional (obrigatório), entre outros. Ao anunciar a medida, o Ministério da Fazenda deixou claro que a intenção do Governo é reduzir os custos dos projetos de infraestrutura. Não por acaso, a decisão foi anunciada um dia após o lançamento do Programa de Investimento de Logística, que prevê investimentos privados de R$ 133 bilhões nos próximos 25 anos. A renúncia fiscal estimada é de em R$ 60 milhões por ano. 12 Estudo Setorial

13 Grandes Riscos perdas estrutura relacionadas aos mercados em desenvolvimento e aumento no valor de seus equipamentos. De 2001 a 2011, sinistros totalizando US$ 1,2 bilhão foram atribuídos a falhas em turbinas, transformadores e geradores isolados. Se grandes sinistros continuarem a deteriorar a indústria de Power com a mesma frequência que se tem observado ao longo da última década, o apetite das seguradoras para subscrever negócios de Energia provavelmente mudará. Muitos já estão adotando uma abordagem muito mais rigorosa para precificar estes riscos. Isto também poderá levar a uma redução da capacidade do seguro e concorrência no mercado e, por fim, a um aumento nos prêmios, afirma o executivo da Marsh. SANDY Estudo realizado pela AIR Worldwide sobre os possíveis efeitos do furacão Sandy, que devastou parte da América Central e dos Estados Unidos, prevê que as seguradoras e resseguradoras vão ter de desembolsar algo entre US$ 7 bilhões e US$ 15 bilhões em indenizações. Outro relatório, da empresa de consultoria Fitch, sinaliza que Sandy deverá gerar um volume de indenizações de US$ 4 bilhões a US $ 5 bilhões. Boa parte do risco será arcado pelas principais seguradoras americanas. Na época da sua aprovação, a medida foi recebida com entusiasmo pelos seguradores. O presidente da seguradora J. Malucelli, Alexandre Malucelli, por exemplo, afirmou que essa notícia é superpositiva para o mercado, pois a cobrança desse imposto não tinha justificativa, tendo como única consequência oneração das apólices desse ramo, fato agravado pela não incidência do IOF na contratação da fiança bancária, principal concorrente do seguro garantia. Pela legislação em vigor, os investidores podem usar o seguro ou a fiança locatícia como garantia no financiamento público ou privado de um projeto de infraestrutura. Agora, o que se espera é que haja a natural redução do preço final do seguro, com o repasse integral do fim da incidência do imposto. Assim, para o corretor, a medida traz novas oportunidades de negócios, que devem ser aproveitadas antes mesmo da vigência do novo critério. É uma janela de oportunidade importante que está se abrindo e não podemos deixar de aproveitar essa chance, afirma o corretor Manoel Gonçalves, diretor da Nictheroy Corretora de Seguros, que pretende, inclusive, direcionar um pouco mais o foco da sua atividade para essa carteira. O seguro garantia indeniza o segurado no caso de o tomador não cumprir suas obrigações decorrentes de contrato ou por força de lei. Estudo Setorial 13

14 Grandes Riscos Grande risco é ou não um bom negócio? Operar com grandes riscos é um bom negócio para seguradoras instaladas no Brasil? A questão ainda divide opiniões, embora seja cada vez maior o número de empresas que apostam nesse nicho de mercado, a maioria estrangeiras. É o caso, por exemplo, da japonesa Mitsui Sumitomo, que acumula grande expertise no ramo de grandes riscos em seu país de origem. No Brasil, o grupo almeja atingir um novo posicionamento e o foco principal é o forte investimento em pessoal, infraestrutura e tecnologia visando a oferecer a melhor prestação de serviço possível ao segurado. O objetivo inicial é estar posicionada entre as dez maiores seguradoras no segmento de Grandes Riscos até Hoje, a Mitsui é a 18º colocada nesse ranking. concorrência Em contrapartida, a SulAmérica anunciou, no final de outubro, que está deixando de operar nos grandes riscos. Não queremos atuar com grandes obras, que exigem expertise e grandes contratos de resseguro. O foco, agora, são os pequenos e médios negócios, explicou o presidente-executivo da SulAmérica, Thomaz Menezes, em conversa com a imprensa. Segundo o executivo, a empresa não quer mais o seguro da obra do Maracanã, mas sim dos negócios que estão em volta. NORMA Seguradoras e resseguradoras locais terão que seguir novos critérios para calcular os chamados limites de retenção (ou técnico), que é o valor máximo de responsabilidade que elas podem reter em cada risco isolado. Nesse primeiro momento, está sendo intensificado também o relacionamento com as empresas de origem japonesa. Depois, será buscada a expansão para empresas nacionais e até mesmo outras multinacionais. A BB/Mapfre, fruto da união das operações de seguros do Banco do Brasil e da Mapfre Seguros, que completou um ano em 30 de junho, também trabalha forte para figurar entre as líderes no segmento de grandes riscos. Na primeira metade do ano, essa área apresentou um incremento da ordem de 28% na receita acumulada, bem acima da média do mercado, que oscilou em torno dos 5,5%. Segundo executivos do grupo, a empresa já está, hoje, na segunda colocação do setor nessa carteira. Para manter essa escalada, a companhia investe na sinergia entre as áreas de operações, produtos e distribuição, aproveitando as experiências das duas instituições. Pelas novas regras propostas pela autarquia, a base de cálculo passará a ser determinada pelo patrimônio líquido ajustado da seguradora e da resseguradora local, ante a regra em vigor que estabelece o ativo líquido como parâmetro. Além disso, a Susep deixará de estabelecer limites de cálculo, hoje com piso de 0,3% e teto de 3% do ativo líquido, como também desaparecerá o mínimo de 0,075% fixado para ramos de seguros em início de operações. Além disso, seguradoras e resseguradoras locais não precisarão submeter à aprovação da Susep limites de retenção inferiores a 3% do patrimônio líquido ajustado. Aprovação prévia será obrigatória só acima desse valor. Independentemente do valor, as empresas supervisionadas terão que informar mensalmente à Susep os limites praticados em cada ramo de seguro. A regra em vigor exige comunicados trimestrais. 14 Estudo Setorial

15 Aprenda como adaptar os principais indicadores de gestão ao dia-a-dia de sua empresa, transformando-os em poderosas ferramentas de decisão estratégica. Baixe um leitor de QR code em seu celular, aproxime o telefone do código e aproveite as promoções no site: Indicadores de Gestão Muitas vezes é extremante difícil saber como se utilizar dos indicadores de gestão na prática em sua empresa. Este curso em DVD mostra exatamente como você poderá aplicar estes conceitos consagrados de gestão para se fazer uma mudança em sua empresa, para confirmar uma tendência ou estratégia ou simplesmente para se assegurar que o direcionamento tomado pela direção está correto. Este produto é essencial para o iniciante que deseja conhecer ou se aperfeiçoar em conceitos como macro-indicadores, balanced scorecard, liquidez, custo industrial, entre outros.

16

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS OUTUBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

A palavra é eficiência

A palavra é eficiência A palavra é eficiência A redução de juros está no radar da indústria global de seguros. Compensar negócios mal precificados com ganhos financeiros já não é mais possível em um cenário de taxas em queda.

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização

Panorama e Perspectivas 2011/2012. Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização Panorama e Perspectivas / Mercado de Seguros, Previdência Complementar Aberta e Capitalização 1. Sumário Executivo... 2 2. Seguradoras do grupo de seguros gerais... 2 2.1 Ramos do grupo de seguros gerais...

Leia mais

PROMOÇÃO DE CRÉDITO: COMO AMPLIAR AS VENDAS E GARANTIR QUALIDADE OPORTUNIDADES NO MERCADO DE SEGUROS SP, 10.11.2010.

PROMOÇÃO DE CRÉDITO: COMO AMPLIAR AS VENDAS E GARANTIR QUALIDADE OPORTUNIDADES NO MERCADO DE SEGUROS SP, 10.11.2010. PROMOÇÃO DE CRÉDITO: COMO AMPLIAR AS VENDAS E GARANTIR QUALIDADE OPORTUNIDADES NO MERCADO DE SEGUROS SP, 10.11.2010 Eugênio Velasques 2020 2030 2040 2050 2010 Evolução da População 300 250 200 150 5 vezes

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das

ESECS-PJ. Estudo Socioeconômico das ESECS-PJ Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros A G O S T O / 2 0 1 3 O Estudo Socioeconômico das Empresas Corretoras de Seguros Pessoa Jurídica (ESECS-PJ) é fruto de um trabalho de

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JUNHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS AGOSTO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Seguro ACE PME: Plano de Seguro diferenciado com ampla cobertura para pequenas e médias empresas.

Seguro ACE PME: Plano de Seguro diferenciado com ampla cobertura para pequenas e médias empresas. INSURING PROGRESS Seguro ACE PME: Plano de Seguro diferenciado com ampla cobertura para pequenas e médias empresas. 2 Veja por que a parceria com a área de PME da ACE é fácil e lucrativa A ACE Seguradora

Leia mais

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS JULHO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Apresentação. Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome.

Apresentação. Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome. Apresentação Queremos lhe dar as boas-vindas à San Martin Corretora de Seguros um negócio seguro até no nome. História A empresa foi fundada no ano de 1995 na cidade paulista de São José do Rio Preto e

Leia mais

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi

Seguros Empresariais. Alexandre Vilardi Seguros Empresariais Alexandre Vilardi Segmentação das Empresas no Brasil Introdução O mercado brasileiro é composto por mais de 5 milhões de empresas classificadas em Grandes, Médias, Pequenas e Micros,

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T06 Porto Seguro 14 de Agosto de 2006 Operadora: Bom dia a todos. Sejam Bem Vindos à Teleconferência da S.A. para a discussão dos resultados referentes ao segundo trimestre de 2006. Estão presentes no evento os Srs. Casimiro Blanco Gómez,

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

A Taxa Média de Retorno do Patrimônio Líquido foi equivalente a uma aplicação financeira com remuneração anual de 34,69% contra 24,94%.

A Taxa Média de Retorno do Patrimônio Líquido foi equivalente a uma aplicação financeira com remuneração anual de 34,69% contra 24,94%. 1- INTRODUÇÃO: A SUSEP liberou no dia 07/03/2015 os números do Mercado de Seguros e Previdência referente ao mês de janeiro 2015. Cabe ainda lembrar que esses números se referem ao banco de dados SES o

Leia mais

Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008

Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008 Vencedoras - XI Prêmio Cobertura Francisco Galiza Outubro/2008 I) Critérios www.ratingdeseguros.com.br 1) Os dados usados serão os números de 2007 e do 1º Semestre de 2008. 2) Os prêmios serão dados nas

Leia mais

Estudo Setorial. A década da previdência complementar aberta. Revista Suma Economica. ISSN 0100-8595 - Edição Especial 72 - Junho de 2013

Estudo Setorial. A década da previdência complementar aberta. Revista Suma Economica. ISSN 0100-8595 - Edição Especial 72 - Junho de 2013 Estudo Setorial Revista Suma Economica ISSN 0100-8595 - Edição Especial 72 - Junho de 2013 A década da previdência complementar aberta Saiba como identificar e aproveitar oportunidades, controlar custos,

Leia mais

Entrevista CADERNOS DE SEGURO

Entrevista CADERNOS DE SEGURO Entrevista 6 Marco Antonio Rossi Presidente da Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização (CNseg) POR Vera de Souza e Lauro Faria

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS COMPREENSIVOS Nilso Gonçalves Membro Comissão Ramos Diversos PDES Seguros Compreensivos

Leia mais

Horário Atividades Descrição Informações Importantes Visitação dos participantes ao Complexo Portuário de SUAPE e Abertura Oficial do CONSEG

Horário Atividades Descrição Informações Importantes Visitação dos participantes ao Complexo Portuário de SUAPE e Abertura Oficial do CONSEG C o n g r e s s o d e S e g u r o s Horário Atividades Descrição Informações Importantes 13h às 22h Visitação dos participantes ao Complexo Portuário de SUAPE e Abertura Oficial do CONSEG Ônibus sairá

Leia mais

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS

SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS SEMINÁRIO NOVA LEI GERAL DE SEGUROS Marco Antonio Rossi Presidente da Fenaprevi Presidente da Bradesco Seguros Agenda Mercado Segurador Nacional Os direitos dos Segurados e Participantes Legislação O Brasil

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007

Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 Análise econômica das novas regras de solvência das seguradoras brasileiras Francisco Galiza 1 Outubro/2007 1) Introdução Nos últimos dias úteis de 2006, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP)

Leia mais

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO

CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Grupo Ramo 0982 Início de vigência às 24 h do dia Nº da Apólice CERTIFICADO INDIVIDUAL DE SEGURO MAPFRE ACIDENTES PESSOAIS PREMIADO Nº do Certificado Individual Fim de vigência às 24 h do dia Data da Emissão

Leia mais

Release de Resultado Janeiro/08

Release de Resultado Janeiro/08 PORTO SEGURO anuncia lucro líquido de R$10,0 milhões ou R$0,13 por ação em janeiro de 2008 São Paulo, 17 de Março de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados de janeiro de 2008. As

Leia mais

Resseguros sem fronteiras

Resseguros sem fronteiras Resseguros sem fronteiras Ernesto Borges do Rio O dia 17 de abril já entrou para a história do setor de seguros no Brasil. Depois de 70 anos de monopólio estatal, o segmento de resseguros foi finalmente

Leia mais

Press Release 2T15 12/08/2015

Press Release 2T15 12/08/2015 Press Release 2T15 12/08/2015 Sumário 1. Destaques do período... 4 2. Sumário de resultados... 5 3. Receita bruta... 6 3.1 Produtos de bancassurance... 6 3.1.1 Vida... 7 3.1.2 Habitacional... 7 3.1.3 Prestamista...

Leia mais

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a

Todo início de ano é a mesma coisa: fazemos a Entre nós www.marinhodespachantes.com Novas oportunidades! de todos nossos clientes, parceiros, amigos e colaboradores em 2012 e renovar nosso contrato de amizade para 2013 Elza Aguiar Presidente Todo

Leia mais

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia

JARDINE LLOYD THOMPSON. JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia JARDINE LLOYD THOMPSON JLT Re Palestra sobre Seguro Garantia Seguro Garantia - Definição O Seguro Garantia é um ramo de seguro destinado a garantir o cumprimento de uma obrigação contratual, seja ele de

Leia mais

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA

Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Transcrição da Teleconferência de Resultados do 2T14 Q&A SULAMÉRICA Vamos agora iniciar a sessão de perguntas e repostas. Nossa primeira pergunta vem do Senhor do Bradesco. Por favor, você pode ir em frente.,

Leia mais

CONSUMIDOR DE SEGUROS

CONSUMIDOR DE SEGUROS CONSUMIDOR DE SEGUROS PREZADO CONSUMIDOR, em um CONTRATO DE SEGURO, o seu CORRETOR DE SEGUROS, é um profissional liberal consciente, ele é o único representante legal junto as SEGURADORAS, tem a condição

Leia mais

SEGUROS DIRETOS R$ 15.575.883 43,36% R$ 18.153.604 43,69% 16,55% DPVAT R$ 1.267.600 3,53% R$ 1.436.782 3,46% 13,35%

SEGUROS DIRETOS R$ 15.575.883 43,36% R$ 18.153.604 43,69% 16,55% DPVAT R$ 1.267.600 3,53% R$ 1.436.782 3,46% 13,35% MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS JAN A ABRIL 2011 Tomando por base os números divulgados hoje pela SUSEP através do sistema de informações SES (que tem como fonte os FIPS enviados pelas empresas) o mercado

Leia mais

(MLRV) SEGURO RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1

(MLRV) SEGURO RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES. lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 SEGURO RISCOS DE ENGENHARIA JAN A MAIO DE 2015 SUSEP SES lcastiglione@uol.com.br - 011-99283-6616 Página 1 1- INTRODUÇÃO: As coberturas oferecidas pelo mercado podem ser básicas, especiais e adicionais.

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

São 12 anos de parceria com a Associação SABESP. Apresentando o que tem de melhor em seguro e seguradoras

São 12 anos de parceria com a Associação SABESP. Apresentando o que tem de melhor em seguro e seguradoras São 12 anos de parceria com a Associação SABESP. Apresentando o que tem de melhor em seguro e seguradoras Apólice de Vida em Grupo Associação SABESP Administração - FAMA Corretora de Seguros Apólice em

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS PARA VENDA DE SEGUROS EM ORGANIZAÇÕES VAREJISTAS 18/03/2014 Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional,

Leia mais

PME BRASIL. ACE Brasil

PME BRASIL. ACE Brasil PME BRASIL Grupo ACE Criada em 1.985 Receita de Prêmio Superior a US$ 20 bilhões em 2010 Classificação AAA+ pela Moody s. Ativos de mais de US$ 78 bilhões Atuação em Seguros e Resseguros Presente em mais

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Luciano Coutinho Presidente

Luciano Coutinho Presidente Como Financiar os Investimentos em Infraestrutura no Brasil? FÓRUM ESTADÃO BRASIL COMPETITIVO - OS NÓS DA INFRAESTRUTURA São Paulo, 13 de setembro de 2012 Luciano Coutinho Presidente No longo prazo, economia

Leia mais

C ELULOS E & P A P E L

C ELULOS E & P A P E L ELULOSE C & P A P E L C ELULOSE & P A P E L APRESENTAÇÃO A Revista CELULOSE & PAPEL surge no segmento para oferecer aos seus leitores uma nova oportunidade na busca da melhor informação do mercado e novos

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 4T11

Reunião Pública dos Analistas 4T11 Grjrr Reunião Pública dos Analistas 4T11 Porto Seguro Agenda Visão da Indústria de Seguros Cenário Atual Perspectivas Visão Geral da Porto Seguro Estrutura Linhas de Negócio Estratégia e Cultura Resultados

Leia mais

Gerenciar risco, eis a paixão de

Gerenciar risco, eis a paixão de Gerenciar risco, eis a paixão de Jorge Luzzi Jorge Luzzi GERENCIADOR DE RISCOS, DA HERCO GLOBAL, DO GRUPO MDS Jorge Luzzi, considerado um dos maiores experts em gerenciamento de riscos, foi fisgado pela

Leia mais

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO

MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO 2 PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR 3 4 PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO 1 MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO Seguros Gerais 14 Milhões de Automóveis Segurados 7 Milhões

Leia mais

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro

Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Presidente da Terra Brasis faz críticas às mudanças na regulamentação do resseguro Por Paulo Botti, presidente da Terra Brasis, resseguradora local Nascido em 2008 após árduo trabalho e amplo diálogo entre

Leia mais

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação

Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil. Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Uma Visão do Setor de Seguros no Brasil Alexandre H. Leal Neto Superintendente de Regulação Pauta da apresentação 1º Estrutura do Setor 2º Representação Institucional do Setor 3º Arrecadação Visão por

Leia mais

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08

1T11. Principais. Destaques. Qualidade da Carteira de Crédito 4T09 3T09 4T08. 4T09 x 4T08 1T11 Disclaimer Todas as informações financeiras aqui apresentadas são consolidadas, abrangendo as demonstrações financeiras do Banco, suas controladas, a JMalucelli Seguradora, a JMalucelli Seguradora

Leia mais

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil Eng. Augusto Andrade 17/04/2013 Agenda Estrutura do Mercado Seguros no Brasil; Mercado de Resseguros; Seguros e Garantias para Construção Civil:

Leia mais

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas

Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas Manual de Boas Práticas para Venda de Seguro em Organizações Varejistas 1. Introdução A estabilização da economia nacional, a facilidade de acesso ao crédito e as ações do governo para incentivar o consumo

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SUBSCRIÇÃO E ACEITAÇÃO DE RISCOS Jean Carlo de Borba Diretor SindsegSC PDES Subscrição e

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

Estudo Setorial. Seguro Auto: inicia-se nova era. Mercado continua crescendo. Revista Suma Economica

Estudo Setorial. Seguro Auto: inicia-se nova era. Mercado continua crescendo. Revista Suma Economica Estudo Setorial ISSN 0100-8595 - Edição Especial 80 - Setembro de 2015 Revista Suma Economica Mercado continua crescendo Seguro Auto: inicia-se nova era Aprenda como adaptar os principais indicadores de

Leia mais

Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros

Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros Marco Antonio Rossi Bradesco Seguros MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO PANORAMA DO GRUPO SEGURADOR PERSPECTIVAS E EVOLUÇÃO FUTURA ESTRATÉGIA EM AÇÃO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

Apresentação Comercial. Generali Brasil Seguros

Apresentação Comercial. Generali Brasil Seguros Apresentação Comercial Generali Brasil Seguros O GRUPO GENERALI Liderança, a, solidez e presença a global Assicurazioni Generali SPA., fundada em 1831 em Trieste Itália. 85.000 funcionários no mundo e

Leia mais

Resultados do 2T08 PSSA3

Resultados do 2T08 PSSA3 Resultados do PSSA3 Perspectivas Perspectivas para o para segundo 2008 semestre de 2008 A Aumento criação de de empregos 31,6% no formais número até de empregos junho foi o formais maior desde em relação

Leia mais

Reunião Pública dos Analistas 1T12

Reunião Pública dos Analistas 1T12 Reunião Pública dos Analistas Agenda Visão da Indústria de Seguros Cenário Atual Perspectivas Visão Geral da Estrutura Linhas de Negócio Estratégia e Cultura Resultados em 2011 Principais Realizações e

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência

Marco Antonio Rossi. Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência Marco Antonio Rossi Diretor Presidente do Grupo Bradesco Seguros e Previdência 1 Brasil Entre as Maiores Economias do Mundo Mercado Brasileiro de Seguros e Previdência O Mundo do Seguro e Previdência Desafios

Leia mais

Pessoas que cuidam de pessoas

Pessoas que cuidam de pessoas Pessoas que cuidam de pessoas Agenda Cenário Econômico Mundial Ranking PIB 2012 15,68 8,22 5,96 3,40 2,60 2,44 2,39 2,02 2,01 1,82 Estados Unidos China Japão Alemanha França Reino Brasil Rússia Itália

Leia mais

N SEGURADO DADOS DO SEGURADO FACULDADES CATOLICAS 3039218 33.555.921/0001-70 LOCAL DE COBRANÇA / CORRESPONDÊNCIA CEP R ACRE 47 20081-000

N SEGURADO DADOS DO SEGURADO FACULDADES CATOLICAS 3039218 33.555.921/0001-70 LOCAL DE COBRANÇA / CORRESPONDÊNCIA CEP R ACRE 47 20081-000 SEGURADO DADOS DO SEGURADO N SEGURADO FACULDADES CATOLICAS 3039218 33.555.921/0001-70 LOCAL DE COBRANÇA / CORRESPONDÊNCIA CEP R ACRE 47 20081-000 CIDADE RIO DE JANEIRO UF RJ DADOS DA E-MAIL RAMO CONTRATO

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Gestão de Benefícios

Gestão de Benefícios Gestão de Benefícios 2EASY GESTÃO DE BENEFÍCIOS A 2Easy Benefícios é uma unidade de negócios da 2Easy Solutions, reconhecida pelo seu know how em Soluções para Gestão de Pessoas. A 2Easy Benefícios nasceu

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados

MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados MINISTÉRIO DA FAZENDA Superintendência de Seguros Privados CIRCULAR SUSEP nº XXX, de X de XXXX de 2013 Estabelece critérios para fins de cálculo da provisão de sinistros ocorridos e não avisados (IBNR)

Leia mais

2010 Começa a expansão. 11 de Setembro. Aquisição Internacional da. Sinistros pagos em. Alico MetLife (US)

2010 Começa a expansão. 11 de Setembro. Aquisição Internacional da. Sinistros pagos em. Alico MetLife (US) Breve Histórico 1868 Início das atividades 1912 Centro de Apoio aos sobreviventes do Titanic 1931 Financiamento do Empire State e do Rockfeller Center 1945 Financiamento aos Aliados durante a Segunda Guerra

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Fitch Afirma Ratings do Banco Fator e da Fator Seguradora; Perspectiva Revisada Para Negativa

Fitch Afirma Ratings do Banco Fator e da Fator Seguradora; Perspectiva Revisada Para Negativa Fitch Afirma Ratings do Banco e da Seguradora; Perspectiva Revisada Para Negativa Fitch Ratings - São Paulo/Rio de Janeiro, 16 de outubro de 2014: A Fitch Ratings afirmou, hoje, os Ratings Nacionais do

Leia mais

A locomotiva de concreto

A locomotiva de concreto A locomotiva de concreto 16 KPMG Business Magazine Construção civil supera período de estagnação, mas ainda há gargalos que podem comprometer o ritmo de investimentos A construção civil no Brasil não para

Leia mais

Earnings Release 1s14

Earnings Release 1s14 Earnings Release 1s14 1 Belo Horizonte, 26 de agosto de 2014 O Banco Bonsucesso S.A. ( Banco Bonsucesso, Bonsucesso ou Banco ), Banco múltiplo, de capital privado, com atuação em todo o território brasileiro

Leia mais

Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013

Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013 Teleconferência Resultado 2T2013 13/08/2013 BB Seguridade S.A. Resultado do 2º Trimestre de 2013 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas,

Leia mais

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009

Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 Algar Telecom registra lucro de R$ 71 milhões em 2009 EBITDA atingiu a soma de R$ 391 milhões no ano passado São Paulo, 24 de março de 2010 A Algar Telecom, empresa de telecomunicações do Grupo Algar,

Leia mais

COMPRA. Relatório de Acompanhamento Porto Seguro S.A. A história da Porto Seguro tem como marco inicial a comercialização de seguros por

COMPRA. Relatório de Acompanhamento Porto Seguro S.A. A história da Porto Seguro tem como marco inicial a comercialização de seguros por COMPRA Código em Bolsa PSSA3 Setor de Atuação Seguros Categoria 1 Linha Cotação Atual R$ 22,5 Preço Alvo R$ 32,7 Potencial de Valorização 42,52% Preço / Lucro (11E) 13,28 Preço / Vendas (11E),76 Preço

Leia mais

da apólice Muito além Pode parecer estranho, mas a Gestão patrimonial

da apólice Muito além Pode parecer estranho, mas a Gestão patrimonial Surpreendida por um incêndio em 2005, loja Confiança Max recebeu a indenização da seguradora e reabriu um mês depois com novo layout Muito além da apólice Na hora de fazer o seguro, empresas do setor devem

Leia mais

MICROSSEGUROS E INCLUSÃO SOCIAL

MICROSSEGUROS E INCLUSÃO SOCIAL MICROSSEGUROS E INCLUSÃO SOCIAL Incentivo da autarquia é decisivo para a expansão do mercado segurador no Brasil / pág 5 BALANÇO DO MERCADO SEGURADOR 2013 foi marcado por forte crescimento / pág 6 // ENTREVISTA

Leia mais

Em relação às outras duas questões, eu vou passar ao Sérgio, que está aqui ao lado, para fazer o comentário.

Em relação às outras duas questões, eu vou passar ao Sérgio, que está aqui ao lado, para fazer o comentário. Rafael Frade, Bradesco: Bom dia a todos. Eu tenho três perguntas. Uma é com relação ao segmento de saúde, que vimos um forte crescimento, principalmente na parte de SME, pequenas empresas, e eu queria

Leia mais

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013

SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA. Resoluções CNSP de fevereiro de 2013. 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 SEGUROS, RESSEGUROS E PREVIDÊNCIA 08/03/2013 Resoluções CNSP de fevereiro de 2013 1. Resolução CNSP nº. 276, de 30 de janeiro de 2013 A Resolução CNSP nº. 276, publicada em 18 de fevereiro de 2013 no Diário

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Proteção de riscos: O ponto de vista do mercado segurador no Brasil. José Carlos de Lacerda Souza Gerente de Property & Casualty Brasil IRB Brasil RE

Proteção de riscos: O ponto de vista do mercado segurador no Brasil. José Carlos de Lacerda Souza Gerente de Property & Casualty Brasil IRB Brasil RE Proteção de riscos: O ponto de vista do mercado segurador no Brasil José Carlos de Lacerda Souza Gerente de Property & Casualty Brasil IRB Brasil RE Agenda: 1. Introdução ao mercado de seguros 2. Números

Leia mais

Previdência Complementar Aberta

Previdência Complementar Aberta Estudo Setorial Revista Suma Economica ISSN 0100-8595 - Edição Especial 76 - Março de 2014 Previdência Complementar Aberta Céu de Brigadeiro em um cenário econômico de incertezas Saiba como identificar

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09. Demonstração do Valor Adicionado COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 09 Demonstração do Valor Adicionado PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO 1-2 ALCANCE E APRESENTAÇÃO 3 8 DEFINIÇÕES 9 CARACTERÍSTICAS DAS

Leia mais

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida

1. Razões Técnicas da Medida Sugerida VOTO ASSUNTO: AUDIÊNCIA PÚBLICA DE NOVA NORMA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO EM MOEDA ESTRANGEIRA E CONTRAÇÃO DE SEGURO NO EXTERIOR PROCESSO N.º 15414.002557/2008-56 DIRETOR ALEXANDRE PENNER Senhores Diretores:

Leia mais

Recursos do Sistema Gerenciador de Seguros VS IT 2015

Recursos do Sistema Gerenciador de Seguros VS IT 2015 Recursos do Sistema Gerenciador de Seguros IT 2015 1) Cadastros, definições e parametrizações 1.1) Corretoras Prêmio por anos de trabalho da Corretora Tabela de acréscimos sobre a comissão recebida da

Leia mais

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização.

Empresas de. 5 Capitalização. Melhores Práticas das. 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização. Melhores Práticas das Empresas de Capitalização 2 Apresentação 4 Introdução 5 Composição do Sistema de Capitalização 5 Capitalização 6 Missão da Capitalização 7 Valores da Capitalização 7 Melhores Práticas

Leia mais

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS

DE SEGUROS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS UM DOS MAIORES GRUPOS MUNDIAIS DE SEGUROS Mais de 300 anos de atuação Negócios em mais de 140 localidades Operações em 30 países Cerca de 23 mil funcionários Mais de 17 milhões de clientes RSA SEGUROS

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA A Jetta Corretora de Seguros foi criada a partir da identificação de uma demanda do mercado por serviços especializados em seguros, atuamos nas áreas de consultoria, assessoria e corretagem de seguros

Leia mais

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013

A Colocação do Resseguro Facultativo. Marcus Clementino Março/2013 1 A Colocação do Resseguro Facultativo Marcus Clementino Março/2013 Marcus Clementino 2 Formação Acadêmica Engenheiro de Sistemas - PUC/RJ - 1971 Ph.D. em Matemática Aplicada - London School of Economics

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009

CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 CIRCULAR SUSEP Nº 392, DE 16 DE OUTUBRO DE 2009 DOU 20.10.2009 Dispõe sobre procedimentos operacionais para emissão de seguro em moeda estrangeira e para contratação de seguro no exterior, e dá outras

Leia mais