SUA AERONAVE ESTÁ SEGURA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUA AERONAVE ESTÁ SEGURA?"

Transcrição

1 SEGUROS AERONÁUTICOS SUA AERONAVE ESTÁ SEGURA? As várias modalidades de seguro aeronáutico são muito mais abrangentes e importantes do que parecem. Solange Galante Seguros Aeronauticos.indd /02/12 11:03

2 RETA - Responsabilidade Civil do Explorador ou Transportador Aéreo é o seguro obrigatório. O seguro aeronáutico está presente em todos os segmentos da aviação, desde a linha aérea, incluindo a aviação regional, em que 100% da frota é segurada, além de helicópteros, inclusive operando offshore, aviação geral, que é o grande volume do dia a dia de cotações e seguros contratados, aviação agrícola, experimental, aeronaves de frota parapública etc. As semelhanças do seguro aeronáutico e do seguro para automóveis limitam-se à existência de um seguro obrigatório, o DPVAT para os veículos terrestres e o RETA para os aéreos, e os seguros adicionais contratados. E isso é muito importante saber, porque o seguro aeronáutico contribui diretamente para a operação legal e para a segurança de voo do avião ou helicóptero. Sem o seguro obrigatório, o Responsabilidade Civil do Explorador ou Transportador Aéreo (RETA) que é regulado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) de acordo com o Código Brasileiro de Aeronáutica, a aeronave não pode voar. O RETA é a cobertura básica para a indenização de danos a terceiros, sejam eles passageiros, tripulantes, bens e pessoas no solo, com limite de 45 mil reais por pessoa. A seguir, o proprietário ou operador da aeronave tem a opção de contratar outros seguros, complementares. A proteção da aeronave em si é coberta pelo seguro de casco. No entanto, o seguro de casco não é obrigatório, mas observamos aqui na seguradora que para aeronaves cujo patrimônio exceda 500 mil dólares já existe um grande volume de seguro contratado, ou seja, quanto maior o valor da aeronave, mais as pessoas se preocupam em segurar esse patrimônio, explica Carlos Polízio, diretor de Riscos Aeronáuticos da seguradora Mafre. Calculo que 95% das aeronaves com matrícula brasileira acima daquele valor possui já um seguro de casco. Já de 500 mil dólares para baixo, nem todas têm esse seguro. Infelizmente tem gente que só faz o obrigatório, especialmente na aviação geral. Já o seguro de responsabilidade civil irá complementar o valor definido pelo RETA como indenização a terceiros. Obviamente, dentro do seguro existem condições que são aceitas ou não, explica Polízio. Embora o seguro cubra todos os danos ocorridos à aeronave devido a um acidente, as exclusões mais relevantes são quando o avião ou helicóptero não está sendo operado por piloto legalmente habilitado ou o segurado perde direito à indenização do casco quando a aeronave está sendo usada com finalidade diferente da que está aprovada para voar por exemplo, é de uso particular mas estava realizando fretamentos. A seguradora terá, então, a prerrogativa de negar o seguro, diante de tudo o que estiver fora do que foi declarado no ato do contrato e fora das características de aeronavegabilidade aprovadas da aeronave, incluindo se esta estiver com documentação pendente junto às autoridades aeronáuticas. Portanto, o seguro aeronáutico está muito vinculado à operação legal da máquina. Outro ponto importante a destacar para ficar claro aos clientes é que embora não exista cobertura para quebra mecânica, existem coberturas para objetos estranhos que danifiquem uma turbina, como ingestão de pássaro, gelo, poeira, pedra, etc. Mas se uma peça quebra dentro e danifica a turbina, não será considerada objeto estranho. Existe também cobertura para helicópteros, mesmo Todas as aeronaves podem ter cobertura de seguro. Hangares têm seguro especial. O seguro do casco refere-se à máquina em si. operando em helipontos não homologados existe uma cláusula nesse sentido. Outra particularidade é a cobertura de guerra, que não inclui apenas danos decorridos da guerra em si mas também ocasionados por greve, tumulto, motim, sequestro, etc. Em todo seguro de casco existe uma franquia e quando esta é ultrapassada, já se pode acionar a seguradora. Muito abrangente, no dia a dia o ramo de seguro aeronáutico não trata somente de aeronaves. Outro nicho que vale a pena ressaltar é o do seguro de responsabilidade civil de operadores de hangar, pois todas as aeronaves lá dentro estão sob responsabilidade daquele hangar. Hoje em dia a Infraero está exigindo também seguro das empresas que trabalham dentro de recintos aeroportuários, no transporte de pessoas, carga, catering, handling ou que executam serviços diversos como cortar grama dentro de um recinto aeroportuário. Trata-se de outro seguro de responsabilidade civil contratado no ramo aeronáutico. Há ainda seguro para fabricantes de aeronaves ou peças aeronáuticas, se aquela peça ou aeronave causar algum dano após a entrega. A Good Winds Corretora de Seguros tem um seguro especial, exclusivo, para tripulantes técnicos e comerciais, que cobre a perda definitiva do Certificado de Capacidade Física (CCF), essencial para exercer a profissão, durante os exames médicos para revalidação do mesmo. Alexandre Marroquim, diretor da corretora, é piloto comercial de companhia aérea e sabe bem o quanto esse risco preocupa os aeronautas. O tripulante vai ter a cobertura que ele contratou e isso vai criar um certo conforto, um alívio. Além disso é também um seguro de vida, ele compra, portanto, dois seguros. O seguro de perda de CCF foi criado e remodelado por nós, diante do cenário atual e por solicitação dos próprios clientes. Há seis anos no mercado, a Good Winds está hoje entre as seis principais corretoras de seguros aeronáuticos do Brasil, com resultados já percebidos por todo o mercado e principalmente por seus clientes mais importantes. A equipe da Good Winds tem alto conhecimento de aviação e todos têm algum tipo de paixão pela área. Alguns colaboradores são pilotos profissionais, outros estão terminando o curso de Despachante Operacional de Voo, enfim, todos conhecem como funciona o mercado, as regras da Anac, etc., o que, segundo Alexandre, facilita muito quando o cliente tem necessidade de alguma assessoria e consultoria, além do seguro em si. São vários os seguros complementares. SEGURANÇA DE VOO A contribuição para a segurança de voo proporcionada pelo seguro aeronáutico começa no ato do contrato. Muitos clientes se assustam com a quantidade de perguntas feitas pelo corretor, porque o seguro aeronáutico não é baseado em uma tabela fixa, exceto o RETA, e é muito voltado para a experiência de quem está voando, o nível de treinamento, onde a aeronave está sendo operada, para que está sendo operada. São inúmeras variáveis que as seguradoras levam em consideração no momento de apresentar o custo, ele é muito particular, caso a caso. Duas aeronaves semelhantes nunca vão ter um seguro igual, diz Polízio. Por isso que são muito Seguros Aeronauticos.indd /02/12 11:03

3 O treinamento dos pilotos influencia nos valores dos seguros. Motim, guerra, sequestro têm cláusulas especiais previstas. importantes todas as informações solicitadas pela seguradora na hora do contrato para precificar e poder enquadrar o caso da melhor forma para a pessoa ter um custo justo, objetivo, e quanto mais ela investir na prevenção de acidentes com treinamento de pilotos e pessoal em geral envolvido na operação, eu posso garantir, na Mafre, mais o cliente vai ter benefícios. A Mafre, líder de mercado, está há mais de dez anos na área e, diferentemente de outras seguradoras, atua em todos os segmentos, desde linha aérea até monomotores, passando por aviação geral, offshore, aviação agrícola e até a parapública, onde o risco é alto mas o preparo dos profissionais envolvidos numa operação policial, por exemplo, também é o melhor possível, todos são altamente treinados. A Mafre investe nisso e quer continuar na aviação durante muitos anos. De alguma forma, sempre adaptamos as necessidade do segurado ao seguro. Polízio observa que, hoje, o seguro está mais acessível, o RETA já é comercializado até pela internet e as pessoas estão mais esclarecidas, até para poder contratar para as aeronaves de menor valor. Todos os segmentos da aviação, especialmente a aviação executiva, estão em ascensão. Temos observado crescimento no número de apólices contratadas. A única coisa que nos preocupa um pouco mais é que está faltando piloto no mercado. Será que esses pilotos que estão vindo de baixo estão sendo bem treinados? O fator humano no ramo aeronáutico é grande exposição, se o profissional não estiver bem treinado pode complicar toda uma operação. Segundo Alexandre Marroquim, da Good Winds, observou-se no último ano um pequeno acréscimo nos sinistros pagos, especificamente nos helicópteros executivos, onde a sinistralidade foi bem maior que em anos anteriores. Já a sinistralidade de jatos executivos diminuiu e a de bimotores executivos se manteve estável. Isso se refletiu nas condições e requisitos para contratação do seguro, bem como na questão de experiência dos pilotos, obrigatoriedade de ter copiloto em algumas aeronaves bimotoras e obrigatoriedade de simulador de voo do modelo. O especialista lembra que a Anac baixou portaria obrigando operadores a fazerem simulador para o quadro de tripulação para determinados modelos em operação no Brasil. Entretanto, não temos simuladores de aeronaves executivas homologados no Brasil para isso, levando os operadores a buscarem atender a essa portaria nos simuladores das fabricantes no exterior, e os custos, obviamente, com esta decisão recaem sobre o operador. Quando uma companhia assume um contrato de seguro superior à sua capacidade financeira, ela necessita repassar esse risco, ou parte dele, a uma resseguradora. Resseguro é o seguro do seguro. O Quando uma companhia assume um contrato de seguro superior à sua capacidade financeira, ela recorre a uma resseguradora. mercado hoje é aberto em resseguro, mas o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) detinha o monopólio até Hoje maior ressegurador da América, é um dos principais operadores do mercado de resseguro e um dos melhores e maiores na aviação. Márcio Ruivo, gerente de seguros especiais da Scaramel Corretora de Seguros, observa que o mercado segurador tem acompanhado o expressivo crescimento por demanda de seguro no segmento aeronáutico, que, aliás, representa praticamente 48% das receitas auferidas com prêmios emitidos no último ano fiscal de Contudo, a carteira ainda poderia estar melhor se não fossem ainda as taxas de seguro. Embora tenhamos no momento quase 30 resseguradoras instaladas em caráter de admissão e efetivas, ainda não temos uma resseguradora 100% focada em insurance aviation e, com isso, as taxas ainda são regidas pelos ressseguradores estrangeiros, ligados diretamente às companhias de seguro ou brokers de resseguro, que aqui operam com a carteira de seguros aeronáuticos. Dessa forma, Márcio explica, as companhias de seguro que operam com a carteira de aeronáuticos no mercado brasileiro, possuem apenas um único ressegurador, que pode estar ligado ao próprio grupo da seguradora ou até ser a próprio grupo, sem que o foco dele seja 100% no segmento aeronáutico. Venho defendendo que precisamos ter uma resseguradora instalada cativa no mercado brasileiro, voltada exclusivamente ao segmento aeronáutico, para que com isso possamos ter praticamente as mesmas taxas, produtos e diferenciais que os mercados americano e europeu praticam voltados ao segmento executivo, pois as taxas estão praticamente inalteradas desde 2008 para aeronaves novas, entretanto, para aeronaves usadas e que têm sido importadas com muito mais volume do que as novas (aproveitando-se o atual bom momento de preços nos EUA), as taxas estão bastante disformes e, para as aeronaves com mais de 25 anos, a situação está fora das condições de aceitação do mercado nacional, levando o operador a ter dificuldades para obter uma apólice de seguro. Todos os segmentos da aviação, especialmente o executivo, estão em ascenção. A sinistralidade impacta os valores de cotação de seguros Seguros Aeronauticos.indd /02/12 11:03

4 Especificamente para voos de aeronaves executivas à Europa, há ainda um valor mínimo de seguro LUC para cobertura de terceiros. O mercado de seguro aeronáutico reflete como a aviação está hoje. A aviação continua num bom momento, muitas aeronaves novas e usadas entrando no País, o mercado crescendo em números bastante expressivos, em torno de três a quatro vezes o PIB do País, observa Alexandre, da Good Winds. O seguro acompanha esse crescimento da aviação como um todo. O mercado continua bastante aquecido ainda e espero que continue assim por um bom tempo. Seja como for, o seguro aeronáutico ainda é uma das melhores formas de se garantir o investimento e operação no segmento executivo, levando tranquilidade ao operador num momento de incidente ou acidente com a aeronave segurada. É importante também destacar que o anexo 6 da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) contém as práticas padronizadas e recomendadas para os operadores de aviação geral internacionais e foi modernizado há menos de um ano, em novembro de 2010, sendo que, entre as mudanças e novos padrões, o anexo, em seu item , obriga que os operadores com aeronaves sob FAR part 91 e 125 ou equivalente e peso máximo de decolagem acima de quilos ( libras) ou qualquer turboélice estabeleçam e mantenham um programa de gerenciamento de segurança de voo apropriado para o tamanho e complexidade da operação. A empresa Colt International, especializada em logística e suporte para voos executivos internacionais, juntamente com o Grupo Silverstone, uma das mais respeitadas empresas internacionais de seguros, é uma das autorizadas a fornecer o programa de gerenciamento de riscos do International Standard for Business Aircraft Operations (IS-BAO), que contém os padrões internacionais para operações de aeronaves executivas, desenvolvidos, auditados e implementado pelo International Business Aviation Council (IBAC). Todos os países-membros da OACI, hoje mais que 190 em todo o mundo, devem seguir as orientações da organização. Especificamente para voos de aeronaves executivas à Europa, por meio do regulamento EC-785/2004, de acordo com o peso máximo de decolagem, há ainda um valor mínimo de seguro Em caso de sinistro, o perito iniciará o seu trabalho com análise do local onde ocorreu. LUC (Limite Único Combinado) para cobertura de terceiros. Por exemplo, um Gulfstream ou um Falcon 7X, pelo seu peso, se enquadram na exigência de 150 milhões de SDR (Special Drawing Rights um parâmetro criado pelo Fundo Monetário Internacional). Um SDR equivale a 1,59 dólar, portanto seriam necessários 230 milhões de dólares de cobertura para terceiros. Isso acresce o prêmio do seguro em aproximadamente 30 mil dólares anuais. COMO SÃO OS PROCEDIMENTOS Citando um caso real de sinistro, mas sem especificar o modelo e matrícula da aeronave, Alexandre Marroquim, da Good Winds, explica que no momento de entrega dos certificados de cobertura de seguro ao cliente este é informado de que, em caso de incidente ou acidente com a aeronave segurada, ele deverá comunicar os corretores imediatamente, independente de ser final de semana, feriado ou período noturno, para que eles possam tomar todas as providências necessárias em relação à regulação do sinistro. São fornecidos aos clientes, inclusive, os telefones particulares (residencial e celular) dos mesmos. Não se trata apenas de uma gentileza. Todo e qualquer sinistro envolvendo aeronave segurada, é obrigação/dever do segurado comunicar imediatamente o corretor ou a seguradora do ocorrido, para que sejam tomadas todas as providências necessárias para iniciar a regulação de sinistro, evitando atrasos e problemas para a indenização do mesmo. Uma vez comunicado o sinistro por parte do operador, é aberto pelo corretor ou seguradora o aviso de sinistro. A partir desse momento, é contatado imediatamente o perito de seguro aeronáutico, que receberá as informações preliminares informadas pelo segurado. O perito de seguro aeronáutico é um profissional ligado à aviação, conhecedor pleno de características estruturais, eletromecânicas, aviônicos, grupo motopropulsor, etc., e de experiência comprovada no segmento de perícia em sinistros aeronáuticos. O trabalho do mesmo é altamente técnico. O perito irá se dirigir ao local onde se encontra a aeronave segurada. No momento do incidente ou acidente, os primeiros a chegarem ao local de sinistro são o corpo de bombeiros, representantes da polícia local, equipes de resgate, caso o sinistro ocorra dentro ou nas imediações do aeroporto onde a aeronave estava operando, e, em seguida, representantes da Aeronáutica, em geral, do CENIPA. Dependendo do tipo de sinistro em que a aeronave se envolveu e se podem ser auferidos danos consideráveis em solo, podem também se apresentar os técnicos da Defesa Civil municipal ou estadual. De qualquer forma, a partir de contatado e avisado, o perito tem um tempo de deslocamento de 24 horas para chegar ao local do sinistro. O perito iniciará o seu trabalho com análise do local, levantamento dos motivos prováveis que deram causa ao acidente ou incidente, conversará com testemunhas (se houver), fará várias fotos em diversos ângulos da aeronave sinistrada e, dependendo do ocorrido e se for possível, já solicitará os documentos da aeronave e do piloto. Terminado seu trabalho no local, o perito entra em contato imediatamente com o corretor da apólice, solicitando cópia da mesma e diversas informações acerca dos riscos cobertos da aeronave segurada. Com base no recolhimento dos documentos da aeronave e do(s) piloto(s), mais as informações prestadas pelo corretor, o perito elaborará um relatório preliminar sobre o sinistro, enviando à seguradora no prazo de sete dias. Os documentos inicialmente solicitados pelo perito junto ao segurado e pilotos, caso possível, são os seguintes: da aeronave, cópia da caderneta de manutenção (célula e motor), última IAM, cópia do seguro RETA e cópia do Certificado de Aeronavegabilidade. Aos pilotos são pedidas O mercado de seguro aeronáutico reflete como a aviação está hoje Seguros Aeronauticos.indd /02/12 11:03

5 Há seguros especiais para fabricantes de aeronaves. cópias da CHT, RG, CPF, CIV. Outros documentos da aeronave e pilotos poderão ser solicitados no decorrer da regulação de sinistro. Cada sinistro é um evento único e singular, existindo assim algumas variáveis na regulação do mesmo que podem influenciar na resposta da corretora/seguradora para a indenização. Por exemplo, caso a aeronave se envolva em um incidente simples, como um pouso forçado, trem de pouso retrátil que não baixou e travou, ingestão de objeto estranho (FOD) em aeronaves com propulsão a jato, etc. Qualquer que seja a causa que tenha levado a aeronave a uma perda parcial sem vítimas (ou seja, sem morte ou lesões de invalidez parcial ou total em tripulantes ou passageiros) escoriações, fraturas e ferimentos leves não caracterizam passageiros nem tripulantes como vítimas para o seguro, é possível ao perito colher as informações destes em hospitais ou em suas residências, o que contribui bastante para agilizar e entender o que aconteceu com a aeronave e favorece a regulação de sinistro. Em ocorrências com perda total ou em que houve vítimas, o perito não terá mais a referência destes para o relatório, bem como, dependendo do sinistro, o perito somente irá ter acesso à área do acidente após ela ter sido liberada pela Aeronáutica e, se for o caso, defesa civil. Lembrando que um sinistro pode ocorrer também em áreas de difícil acesso, como florestas. Se as causas prováveis que deram motivo ao sinistro puderem ser provadas através de testes de partes da aeronave, junto ao fabricante, fornecedores de peças, laboratórios, etc., estes serão providos pelo perito e com os custos pagos pela seguradora e, ao final, serão parte integrante do relatório final entregue exclusivamente à seguradora. As supostas causas de sinistros de perda total e com vítimas geralmente demoram para ser esclarecidas e demandam todo um processo de investigação do acidente, o que pode levar meses para ser concluído e em alguns casos, mesmo com auxílio de alta tecnologia, muitas questões podem permanecer sem explicação. O que são relatório preliminar e relatório final? O relatório preliminar é constituído pelas primeiras impressões e fotos colhidas no local do sinistro, com as informações colhidas pelo perito, mais as prováveis causas e informações fornecidas pelo corretor, sendo o primeiro relatório a ser enviado à seguradora e que serve como parâmetro para agilizar ou atrasar a regulação do sinistro. Já o relatório final é o documento oficial produzido com todas as informações do sinistro detalhadas e descritas e com as causas devidamente comprovadas ou prováveis, com os laudos oficiais de testes, riscos cobertos pela apólice, orçamentos de peças e oficina para os reparos em caso de perda parcial, documentos finais e parecer do perito recomendando ou não o pagamento da indenização. Não tem qualquer ligação com o Segurar uma aeronave é preocuparse também com danos pessoais. relatório final produzido pelo Cenipa, por exemplo. Em caso de perda parcial, os orçamentos de peças e mão de obra deverão ser solicitados pelo segurado junto aos seus fornecedores e oficina de manutenção de sua confiança e os orçamentos serão analisados pelo perito que julgará se os valores são os praticados pelo mercado de reposição e pelas oficinas homologadas para serviço do tipo da aeronave sinistrada. Em caso de perda total, a indenização será baseada no relatório final enviado pelo perito e dentro dos limites das coberturas contratadas. Quando se fala em perda parcial ou perda total, deve-se atentar que quando o percentual de perda parcial atingir 75% ou mais do valor real de reconstrução da aeronave, a mesma será declarada como perda total, pois o custo economicamente colocado na reconstrução da aeronave pode não compensar. Em caso de perda parcial, a indenização irá refletir os custos e orçamentos apresentados de reconstrução da aeronave, dentro dos valores aprovados pelo perito e seguradora, autorizando assim o início dos trabalhos na oficina e junto aos fornecedores de peças, com o valor total sendo pago imediatamente ao segurado. Em caso de perda total, a indenização será paga de acordo com os valores e coberturas contratadas na apólice. O pagamento da indenização para apólices contratadas em moeda estrangeira será feito em moeda local (reais) com conversão ao câmbio do dia do pagamento. Especificamente para sinistros envolvendo aeronaves de pequeno a médio porte, os sinistros apresentam 90 dias de prazo máximo para estarem regulados, isto é, já com o relatório final em mãos e com o aviso de indenização ao segurado. Havendo atrasos, os mesmos deverão ser justificados pela seguradora e/ou corretor. Em geral os atrasos se dão por falta de documentos da aeronave, piloto ou segurado, ou situações em que haja conflito de coberturas e/ou riscos cobertos ou ainda declarações inverídicas sobre o ocorrido. Havendo vítimas, sempre a primeira indenização que será feita é a do seguro obrigatório RETA que se aplica apenas em caso de danos aos tripulantes e passageiros e/ou bens e pessoas no solo seguindo posteriormente a cobertura de casco da aeronave e responsabilidade civil a segundo risco ao RETA (LUC). O segurado que possui a aeronave em dia com sua manutenção, pilotos que atendiam ou atendem aos requisitos exigidos de horas em experiência de voo e documentações em dia, e com a apólice de seguro com pagamentos também em dia, não terão qualquer dificuldade para receber a indenização, sendo o processo, em muitos casos, encerrado antes dos 90 dias, tudo em conformidade com as coberturas, limites e riscos cobertos pela apólice contratada. Para o corretor de seguro aeronáutico, é neste momento que ele demonstra seu conhecimento e atendimento integral ao seu cliente em todas as situações. Para a seguradora, o interesse é pagar o sinistro, demonstrando com isso solidez e seriedade no compromisso assumido quando aceitou o risco. Para aeronaves de pequeno a médio porte, os sinistros apresentam 90 dias de prazo máximo para estarem regulados, isto é, já com o relatório final em mãos e com o aviso de indenização ao segurado. O segurado que possui a aeronave em dia com sua manutenção, pilotos que atendem aos requisitos exigidos de experiência e documentações em dia, e com a apólice com pagamentos também em dia, não terá qualquer dificuldade para receber a indenização Seguros Aeronauticos.indd /02/12 11:03

1.2 - São indenizáveis até o limite máximo indicado na especificação de seguro aeronáutico, os seguintes prejuízos:

1.2 - São indenizáveis até o limite máximo indicado na especificação de seguro aeronáutico, os seguintes prejuízos: CONDIÇÕES ESPECIAIS ADITIVO A GARANTIA CASCOS 1 - Objeto do seguro 1.1. Perda ou avaria da aeronave Respeitados os limites indicados na especificação de seguro aeronáutico a Seguradora, com base nas condições

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 017/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE PT-EDP EMB 721C DATA 12 MAR 2009 RF A- 017/CENIPA/2009

Leia mais

PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO. b) Providenciar especificação detalhada de todos os prejuízos sofridos, além da comprovação

PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO. b) Providenciar especificação detalhada de todos os prejuízos sofridos, além da comprovação PROCEDIMENTOS E DOCUMENTAÇÃO EM CASO DE SINISTRO 1. PROCEDIMENTO DO SEGURADO 1.1. SINISTRO DE INCÊNDIO E EXPLOSÃO Em caso de Incêndio e/ou Explosão, o Segurado deve atentar para as seguintes orientações:

Leia mais

MANUAL DE SINISTROS PARA SEGURADOS RSA SEGUROS AUTO FROTAS

MANUAL DE SINISTROS PARA SEGURADOS RSA SEGUROS AUTO FROTAS MANUAL DE SINISTROS PARA SEGURADOS RSA SEGUROS AUTO FROTAS 1 Prezados (as), A RSA Seguros se preocupa com a tranquilidade de seus clientes e quer contribuir para que seus negócios se mantenham em movimento.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO

PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO PROCEDIMENTOS DO SEGURADO EM CASO DE SINISTRO 46 1. COLISÃO DO VEÍCULO SEGURADO Em caso de colisão, o Segurado deve atentar para as seguintes orientações: REGISTRO DE OCORRÊNCIA POLICIAL Para sua segurança

Leia mais

PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS

PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS PROGRAMA LÍDER DE FORMAÇÃO DE PILOTOS Conheça as principais vantagens sobre o programa, informações sobre o mercado de trabalho, esclareça as suas dúvidas com as perguntas frequentes e confira o Edital.

Leia mais

Voar sobre cidade...

Voar sobre cidade... Voar sobre cidade... ...e quando precisamos? Ee q -Quais desses serviços você quer abrir mão? -Polícia -Bombeiro -Tv/rádio/trânsito - roubo veículos - transporte público - transporte privado... e quando

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR

CONDIÇÕES GERAIS RESERVE CLUBCAR Seja bem-vindo à Blue Service Assistance, a opção mais vantajosa em assistência e clube de vantagens. É uma enorme satisfação ter você como nosso associado. A Blue Service Assistance está cada vez mais

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado da Casa Civil SUBSECRETARIA MILITAR

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado da Casa Civil SUBSECRETARIA MILITAR TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SEGURO AERONÁUTICO JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por objetivo estabelecer os requisitos e especificações técnicas para a contratação de Seguro

Leia mais

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL

MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL MANUAL DE COLETA DE DADOS PARA PROJETO PILOTO DE INDICADORES DE DESEMPENHO DA SEGURANÇA OPERACIONAL Este manual tem como objetivo guiar os operadores dos aeródromos participantes do projeto piloto de indicadores

Leia mais

PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO:

PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO: PRINCIPAIS DÚVIDAS EM RELAÇÃO AOS DIREITOS E DEVERES DO PASSAGEIRO: 1. O que é preterição de embarque? A preterição de embarque (embarque não realizado por motivo de segurança operacional, substituição

Leia mais

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO

OBJETIVO CAPITAL SEGURADO OBJETIVO Assegurar aos participantes da SIAS, que aderiram ao seguro, uma indenização aos próprios ou ao(s) seu(s) beneficiário(s), em caso de falecimento ou invalidez, bem como propiciar a utilização

Leia mais

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS!

PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! PRODUTOS PARA VOCÊ TRADIÇÃO E QUALIDADE EM SERVIÇOS! sdfgdfhfdgfsgfdgfsdg sdfgsdgsfdgfd PRODUTOS PARA VOCÊ PRODUTOS PARA VOCÊ Simples e econômico: com apenas uma apólice, toda sua frota fica segurada.

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco

Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.002658/2011-22 Cobertura de Invalidez Permanente por Categoria de Acidente Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 069/CENIPA/2012 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: ACIDENTE PT-YEG 206B 24NOV2009 ADVERTÊNCIA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL -0> RESOLUÇÃO N 030, DE 21 DE MAIO DE 2008. Institui o Regulamento Brasileiro da Aviação Civil RBAC e a Instrução Suplementar IS, estabelece critérios para a elaboração

Leia mais

2. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA AERONAVE

2. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DA AERONAVE COTAÇÃO - ISGH - 2014 1. OBJETO O Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar/ISGH, Organização Social qualificado como Organização Social, conforme Decreto do Governo do Estado do Ceará nº 26.811, de 30/10/2002,

Leia mais

ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros. Proposta de Seguro de Excursão

ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros. Proposta de Seguro de Excursão ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros Proposta de Seguro de Excursão Brasília, 01 de fevereiro de 2011 Proposta de Seguro de Excursão Seguradora: MAPFRE Seguros 1. Descrição Este seguro é um produto

Leia mais

Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante

Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante Guia das Melhores Práticas - DCERTA Mensagem ao Comandante Não seja pego de surpresa! Antes da fase de preparação para o voo, verifique a regularidade dos certificados e licenças da aeronave, da tripulação

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL IG - 153/CENIPA/2014 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: DATA: INCIDENTE GRAVE PR-GEB B300 01SET2014 ADVERTÊNCIA

Leia mais

Para uma maior agilidade no atendimento, tenha as seguintes informações em mãos:

Para uma maior agilidade no atendimento, tenha as seguintes informações em mãos: CARO SEGURADO, A MITSUI SUMITOMO SEGUROS oferece inúmeras facilidades, vantagens e serviços aos Segurados. Para usufruir das vantagens e serviços aqui relacionados, ligue para a Central de Atendimento.

Leia mais

Altera o Manual de Gerenciamento da Frota do CBMMG, aprovado pela Resolução nº 008, de 18 de fevereiro de 2000.

Altera o Manual de Gerenciamento da Frota do CBMMG, aprovado pela Resolução nº 008, de 18 de fevereiro de 2000. COMANDO GERAL RESOLUÇÃO Nº 481, DE 04 DE OUTUBRO DE 2012. Altera o Manual de Gerenciamento da Frota do CBMMG, aprovado pela Resolução nº 008, de 18 de fevereiro de 2000. O COMANDANTE-GERAL DO CORPO DE

Leia mais

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537.

Se estiver no Mercosul, também poderá contar com os serviços de emergência, bastando ligar para 55 11 4133 6537. Assist24h_AutoPasseio_jul 6/13/07 4:32 PM Page 1 CARO SEGURADO Para você que adquiriu o Real Automóvel e contratou os serviços de Assistência 24 horas, este é o seu guia de serviços da Real Assistência.

Leia mais

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO

ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO ANEXO 1 TERMO DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TÁXI AÉREO JUSTIFICATIVA O Rio de Janeiro ao longo dos anos vem ampliando seu destaque no cenário nacional e internacional, sendo sede de diversos

Leia mais

A representação institucional do mercado segurador

A representação institucional do mercado segurador A representação institucional do mercado segurador A Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização CNseg é a entidade de representação

Leia mais

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes?

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes? www.blabus.com.br DICAS Seguro DPEM. O que é DPEM? O seguro DPEM foi instituído pela Lei nº 8.74, de 0//9, que em seu artigo º alterou a alínea "l" do artigo 0 do Decreto lei nº 7, de //66. Tem por finalidade

Leia mais

aeronaves: mercado e regulação no Brasil Manutenção de apresenta Informações e inscrições 11 505165355 ou info@viex-americas.com

aeronaves: mercado e regulação no Brasil Manutenção de apresenta Informações e inscrições 11 505165355 ou info@viex-americas.com REVISTA CONSTRUÇÃO, INFRAESTRUTURA E SUSTENTABILIDADE apresenta Manutenção de aeronaves: mercado e regulação no Brasil Patrocínio Platina: Patrocínio Prata: Apoio: Cerri & Fávero Advogados Associados Grandes

Leia mais

PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315

PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315 PROCEDIMENTO E CONTRATO DE RESERVA DE POSIÇÃO PARA AQUISIÇÃO DA AERONAVE KRONOS 315 Reserva nº - Passo 1: Como reservar sua posição de entrega KRONOS 315. Com projeto de desenvolvimento e construção em

Leia mais

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade

O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade O DCERTA como Ferramenta de Gerenciamento de Risco para Operadores Aéreos de Baixa Complexidade CARLOS MONTINO DE OLIVEIRA Especialista em Regulação da Aviação Civil Gerência de Controle de Riscos Aeronáuticos

Leia mais

AGOSTo 2013 *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD BLACK E VISA INFINITE.

AGOSTo 2013 *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD BLACK E VISA INFINITE. AGOSTo 2013 G u i a r e s u m i d o d e s e g u r o s e a s s i s t ê n c i a s d e v i a g e n s. *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD BLACK E VISA INFINITE.

Leia mais

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro

Saiba mais sobre o Seguro Escoteiro Definição do Seguro: Este seguro garante ao Beneficiário, o pagamento do capital segurado ou reembolso das despesas médicas, hospitalares e/ou odontológicas, exceto se o evento caracterizar-se como um

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011 COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A - Nº 118/CENIPA/2011 OCORRÊNCIA: AERONAVE: MODELO: ACIDENTE PT-HHV 206B DATA: 01 DEZ 2003 ADVERTÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS FCA 58-1 PANORAMA ESTATÍSTICO DA AVIAÇÃO CIVIL BRASILEIRA EM 212 213 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

Leia mais

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo

WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO. Palestrante Vera Cataldo 1 WEBINAR SEGURO DPVAT O SEGURO DO TRÂNSITO Palestrante Vera Cataldo Seguro DPVAT Seguro Obrigatório de Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de Via Terrestre ou por sua carga, a pessoas transportadas

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

ANEXO VI.7 - CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente:

ANEXO VI.7 - CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS. Proponente: ANEXO VI.7 - CONDIÇÕES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS Proponente: Declaro que, caso venha a ser adjudicado com o objeto do Edital MS/CS 510-R02473, comprometo-me a efetuar a contratação de seguros para a

Leia mais

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA

etta Corretora de Seguros AGILIDADE INOVAÇÃO TRANSPARÊNCIA CONFIANÇA A Jetta Corretora de Seguros foi criada a partir da identificação de uma demanda do mercado por serviços especializados em seguros, atuamos nas áreas de consultoria, assessoria e corretagem de seguros

Leia mais

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010.

LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 61 EMENDA nº 00 Título: Aprovação: LICENÇAS, HABILITAÇÕES E CERTIFICADOS PARA PILOTOS. Resolução ANAC nº xxx, de yyyyy de zzzz de 2010. Origem: SSO SUMÁRIO

Leia mais

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional

Tarifas Aeroportuárias e ATAERO. Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias e ATAERO Uma proposta de destinação de parte destes recursos financeiros ao fomento do potencial turístico nacional Tarifas Aeroportuárias - legislação Criação de Tarifas Aeroportuárias

Leia mais

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO

MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO MANUAL SIMPLIFICADO DO SEGURO EMPRESARIAL DA PUC-RIO IMPORTANTE Este Manual tem função meramente informativa, não substituindo, em hipótese alguma, as condições gerais e especiais da apólice. Da mesma

Leia mais

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança

Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança Informativo Boeing Commercial Airplanes P.O. Box 3707 MC 03-XW Seattle, Washington 98124-2207 www.boeing.com Certificação da FAA: um profundo compromisso com a segurança A Boeing projeta e fabrica aeronaves

Leia mais

40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS. seguradas por todo o Brasil. 150 MILHÕES. em prêmios de seguros anuais.

40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS. seguradas por todo o Brasil. 150 MILHÕES. em prêmios de seguros anuais. 40 MIL VEÍCULOS E 200 MIL VIDAS seguradas por todo o Brasil. 150 MILHÕES em prêmios de seguros anuais. SÃO MAIS DE 100 COLABORADORES FORMANDO UMA EQUIPE PREPARADA E EFICIENTE Investimos o máximo possível

Leia mais

TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO

TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO TERMO DE ADESÃO AO SEGURO DE PROTEÇÃO CONTRA PERDA OU ROUBO DE CARTÃO DE CRÉDITO O presente Termo indica as condições do Seguro de Proteção contra Perda ou Roubo de CARTÃO DE CRÉDITO oferecido pelo Banco

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS COLETIVO POR PRAZO CERTO 2 Seguro de Acidentes Pessoais Coletivo por Prazo Certo MANUAL DO CLIENTE Bem-vindo à CAPEMISA. Parabéns, você acaba de adquirir um produto garantido

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I - Das Disposições Preliminares O PRESIDENTE DA REPÚBLICA: LEI N o 7.183, DE 5 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da Profissão de Aeronauta, e dá outras providências. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral?

O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O relatório deverá ser preenchido e enviado para o e-mail relatorio.semestral@anac.gov.br. Para que serve o sistema de envio de relatório semestral? O sistema de envio de relatório semestral tem por finalidade

Leia mais

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE-

Considerando o art. 47 do Programa de Segurança Operacional Específico da ANAC (PSOE- PORTARIA ANAC N o 280/SIA, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. Cria projeto piloto para monitoramento de Indicadores de Desempenho da Segurança Operacional em aeródromos. O SUPERINTENDENTE DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

Leia mais

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008

HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL. Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 HISTÓRICO DO SMS NO BRASIL Evolução 1º SEMINÁRIO SOBRE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DA AVIAÇÃO CIVIL ANAC - 05/12/2008 OBJETIVO Conhecer a evolução do pensamento sobre Gerenciamento

Leia mais

INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE

INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE INVALIDEZ PERMANENTE TOTAL OU PARCIAL POR ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de uma indenização ao segurado, em caso de sua invalidez permanente total ou

Leia mais

Segurança Operacional no Brasil

Segurança Operacional no Brasil Rio de Janeiro, 28 de abril de 2014 Segurança Operacional no Brasil O futuro já chegou Carlos Eduardo Pellegrino Diretor de Operações de Aeronaves Estrutura Governamental Presidência CONAC Conselho Nacional

Leia mais

SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE

SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE SUPLEMENTO COMERCIAL. Domingo, 15 de Novembro de 2015 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO DE NOTÍCIAS E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE www.flyeverjets.com 2 Everjets inaugura voos regulares

Leia mais

Regulamentação da Profissão de Aeronauta

Regulamentação da Profissão de Aeronauta Regulamentação da Profissão de Aeronauta Elisangela Gomes Soares de Castilho 1 Maria Bernadete Miranda 2 Resumo Regulamentação da Profissão de Aeronauta diz respeito ao estudo dos principais meios de regulamentação

Leia mais

FAQ SEGURO PARA MOTORISTAS

FAQ SEGURO PARA MOTORISTAS FAQ SEGURO PARA MOTORISTAS FONTE: www.tudosobreseguros.org.br / Ben s Consultoria Tendo como base a Lei nº 13.103, de 02 de março de 2015, que dispõe sobre o exercício da profissão de motorista, e que

Leia mais

SEGURO COMPREENSIVO DE VIAGEM CONDIÇÕES ESPECIAIS

SEGURO COMPREENSIVO DE VIAGEM CONDIÇÕES ESPECIAIS SEGURO COMPREENSIVO DE VIAGEM CONDIÇÕES ESPECIAIS 1 CONDIÇÃO ESPECIAL DA COBERTURA BÁSICA MORTE ACIDENTAL TRANSPORTE PÚBLICO 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo desta Condição Especial é o de incluir a cobertura

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 A CLAC é um organismo internacional subordinado à OACI. 9 As recomendações e resoluções estabelecidas pela CLAC são

PROVA OBJETIVA. 8 A CLAC é um organismo internacional subordinado à OACI. 9 As recomendações e resoluções estabelecidas pela CLAC são De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

Seguro Compreensivo Residencial

Seguro Compreensivo Residencial Seguro Compreensivo Residencial Este seguro é destinado à moradias (casas e apartamentos) HABITUAIS de alvenaria, de uso exclusivamente residencial, contra diversos riscos, de maneira rápida e descomplicada,

Leia mais

ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros. Seguro para Projeto CALEBE

ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros. Seguro para Projeto CALEBE ARM Sul Americana Unibrás Corretora de Seguros Seguro para Projeto CALEBE Brasília, 12 de Dezembro de 2012 Sumário 1. DESCRIÇÃO... 3 2. VIGÊNCIA... 3 3. MODALIDADE DE SEGURO... 3 4. GRUPO SEGURÁVEL...

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SUBDEPARTAMENTO DE SERVIÇOS AÉREOS DIVISÃO DE FISCALIZAÇÃO INSTRUÇÃO DE AVIAÇÃO CIVIL IAC 200-1001 PLANO DE ASSISTÊNCIA

Leia mais

GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS.

GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS. SETEMBRO 2013 GUIA RESUMIDO DE SEGUROS E ASSISTÊNCIAS DE VIAGENS. *As informações contidas neste guia são válidas exclusivamente para cartões MasterCard Black e Visa Infinite. SERVIÇO DE CONCIERGE Você

Leia mais

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012

Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1 2 3 4 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 Índice do Número de Acidentes da Aviação Regular a cada um Milhão de Decolagens em 2012 1,9 4,8 de A. **Fonte do índice dos Continentes: ICAO. 2,7 4,2 3,8 2,8 3,2 1,0 0,0 Brasil*

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission

Manual de Procedimentos. AIG Mission. Mission Manual de Procedimentos AIG 1 Apólice Procedimentos em caso de Sinistro (Todo o mundo) Sempre que se torne necessário activar as garantias da apólice e, especialmente, em caso de emergência, as Pessoas

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43 012 Aprovação: Portaria Nº 786/SAR, de 25 de março de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2013, Seção 1, pág. 2, republicada no Diário Oficial

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas.

Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas. Abaixo é possível consultar termos sobre seguro de automóveis. As descrições abaixo são meramente explicativas. Acessórios: são considerados acessórios os equipamentos originais de fábrica ou não: rádios

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 602/GC-5, DE 22 DE SETEMBRO DE 2000. Estabelece os procedimentos para a aplicação e para a cobrança das Tarifas

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

COBERTURA DE INVALIDEZ PERMANENTE POR CATEGORIA ACIDENTE

COBERTURA DE INVALIDEZ PERMANENTE POR CATEGORIA ACIDENTE Seguro Coletivo de Pessoas Bradesco Registro do Produto na SUSEP: 15414.005521/2011-20 COBERTURA DE INVALIDEZ PERMANENTE POR CATEGORIA ACIDENTE Cláusulas Complementares CAPÍTULO I - OBJETIVO DA COBERTURA

Leia mais

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero

Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Formação e Capacitação de Pessoas na Infraero Desafios, Necessidades e Perspectivas da Formação e Capacitação de Recursos Humanos na Área Aeronáutica (Senado Federal Comissão de Serviços de Infraestrutura)

Leia mais

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009

RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 COMANDO DA AERONÁUTICA ESTADO-MAIOR DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS RELATÓRIO FINAL A Nº 003/CENIPA/2009 OCORRÊNCIA AERONAVE MODELO ACIDENTE AERONÁUTICO PT MBV

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE

DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE DIÁRIA POR INCAPACIDADE TEMPORÁRIA DECORRENTE DE ACIDENTE 1. OBJETIVO DA COBERTURA O objetivo desta cobertura é garantir o pagamento de uma indenização diária ao segurado, durante o período em que se verificar

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO

O QUE É DPVAT? VALORES DE INDENIZAÇÃO DPVAT O QUE É DPVAT? Toda a facilidade para vítimas, beneficiários, corretores de seguro e hospitais no atendimento aos processos de indenização do Seguro Obrigatório. O Seguro DPVAT foi criado com o objetivo

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral

Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Programa de Gerenciamento de Risco e Segurança Operacional para a Aviação Geral Objetivo da Nossa Aliança: Criar um Programa exclusivamente dedicado à Aviação Geral, em especial aos Proprietários e Pilotos

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO OURO VIDA PRODUTOR RURAL

SEGURO DE VIDA EM GRUPO OURO VIDA PRODUTOR RURAL SEGURO DE VIDA EM GRUPO OURO VIDA PRODUTOR RURAL Condições Gerais e Particulares Processo SUSEP Nº 10.005221/99-41 Deficientes Auditivos ou de Fala: 0800 729 0088 / Ouvidoria: 0800 880 2930 Endereço: Rua

Leia mais

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48

PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$110,9 MILHÕES OU R$0,48 POR AÇÃO ATÉ MAIO DE 2008. São Paulo, 02 de julho de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os resultados dos 5M08. As informações

Leia mais

Proteção Global Escolar MAPFRE PUC-CAMPINAS CAMPINAS. Apólice nº 820.250.5000251.01

Proteção Global Escolar MAPFRE PUC-CAMPINAS CAMPINAS. Apólice nº 820.250.5000251.01 Proteção Global Escolar MAPFRE PUC-CAMPINAS CAMPINAS Apólice nº 820.250.5000251.01 COBERTURAS E CAPITAL ACIDENTES PESSOAIS * MORTE ACIDENTAL: Garante o pagamento de uma indenização, correspondente a 100%

Leia mais

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I

LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. CAPíTULO I. SEçãO I LEI Nº 7.183, DE 05 DE ABRIL DE 1984. Regula o exercício da profissão de aeronauta e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO.

REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. ESCOLA DE AVIAÇÃO CIVIL DE POUSO ALEGRE EAPA REGULAMENTO DO CURSO PRÁTICO DE PILOTO PRIVADO - AVIÃO. Esta publicação deve ser distribuída aos alunos no ato da inscrição / matrícula e ficará em local de

Leia mais

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir:

Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: São Paulo, de de 20. Ref.: Solicitação de Documentos Para análise do processo, favor proceder conforme as instruções a seguir: Aviso de Sinistro: devidamente preenchido e assinado. Formulário de Declaração

Leia mais

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012

L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 L 176/38 Jornal Oficial da União Europeia 6.7.2012 REGULAMENTO (UE) N. o 593/2012 DA COMISSÃO de 5 de julho de 2012 que altera o Regulamento (CE) n. o 2042/2003 relativo à aeronavegabilidade permanente

Leia mais

O SEU PROCESSODE SINISTROS

O SEU PROCESSODE SINISTROS O SEU PROCESSODE SINISTROS O SEU PROCESSO 1. Abertura 1.1. Entre em contato com a seguradora para realizar a abertura do sinistro (portando DOCUMENTO DO VEÍCULO + CNH) ou se preferir ligue para a gente

Leia mais

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA ANAC Nº 2457/SPO, DE 21 DE OUTUBRO DE 2014. Define e torna pública a qualificação dos instrutores dos cursos de PPA, PPH, PCA, PCH, PLA-A, PLA-H, INVA, IFR, PAGA, PAGH, CMV, -CEL, -GMP, -AVI e

Leia mais

Guia de Assistências

Guia de Assistências Guia de Assistências Como acionar os serviços de assistência? Sempre que precisar acionar uma assistência, entre em contato com a Assistência 24 horas BB Seguro Auto: Brasil - 0800 775 1532 Mercosul -

Leia mais

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade

Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil. Eng. Augusto Andrade Seguros e Garantias para Empreendimentos de Construção Civil Eng. Augusto Andrade 17/04/2013 Agenda Estrutura do Mercado Seguros no Brasil; Mercado de Resseguros; Seguros e Garantias para Construção Civil:

Leia mais

Seguros, Previdência e Capitalização

Seguros, Previdência e Capitalização Seguros, Previdência e Capitalização Análise das contas Patrimoniais e do Resultado Ajustado do Grupo Bradesco de Seguros, Previdência e Capitalização: Balanço Patrimonial Mar10 Dez09 Mar09 Ativo Circulante

Leia mais

SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS

SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS SEGURO DE VIDA EM GRUPO CONDIÇÕES GERAIS 1 ÍNDICE CONDIÇÕES GERAIS Conteúdo 1. Objetivo do seguro 2. Definições 3. Estipulante 4. Coberturas do seguro 5. Riscos excluídos 6. Âmbito geográfico de cobertura

Leia mais

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO

RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO RBHA 61 - REQUISITOS PARA CONCESSÃO DE LICENÇAS DE PILOTOS E DE INS- TRUTORES DE VÔO Este arquivo contém o texto do RBHA 61 no formato gráfico de uma coluna. Incorpora as alterações introduzidas até a

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR IS IS N o 61-001 Aprovação: Assunto: Portaria n o 2.363/SSO, de 1 de dezembro de 2011, publicada no Diário Oficial da União nº 231, S/1, pág. 2, de 2 de dezembro de 2011. Procedimentos

Leia mais

Seguro viagem Kit de sinistro relação de documentos para aviso

Seguro viagem Kit de sinistro relação de documentos para aviso Seguro viagem Kit de sinistro relação de documentos para aviso Para o Aviso de Sinistro, o beneficiário do segurado, ou o próprio segurado, deverá apresentar os seguintes documentos básicos, além dos documentos

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS ADVERTÊNCIA O único objetivo das investigações realizadas pelo Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado)

Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) Gerenciamento de Riscos em Projetos de Aerolevantamentos Etapa Captura de Dados (SAE Serviço Aéreo Especializado) O Gerenciamento de Riscos é uma das áreas contidas no Gerenciamento de Projetos, e uma

Leia mais

Guia resumido de seguros e assistências de viagens.

Guia resumido de seguros e assistências de viagens. agosto 2013 Guia resumido de seguros e assistências de viagens. *AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE GUIA SÃO VÁLIDAS EXCLUSIVAMENTE PARA CARTÕES MASTERCARD PLATINUM E VISA PLATINUM. Serviço de concierge Especialistas

Leia mais

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná

Direito do Consumidor Turista. Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná Direito do Consumidor Turista Seja muito bem-vindo ao Estado do Paraná No Brasil os direitos do consumidor são regulamentados pelo Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8078/90). A lei é aplicada quando

Leia mais

Manual seguro do segurado GAP 1

Manual seguro do segurado GAP 1 Manual seguro do segurado GAP 1 Seguro GAP: muito mais tranquilidade na compra do seu veículo Parabéns! Você está adquirindo o Seguro Garantia GAP, da MAPFRE, desenvolvido especialmente para os clientes

Leia mais