Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior"

Transcrição

1 Caros Leitores e Concurseiros, Analisaremos as questões do Sistema Único de Saúde SUS - cobradas pela organizadora CEPERJ no concurso da Fundação Saúde (Estado do Rio de Janeiro) para os cargos de nível superior e técnico. Aproveitamos para desejar, a todos os candidatos que estão concorrendo a uma das vagas, muitíssimo boa sorte. Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior CONHECIMENTOS SOBRE SUS 01. A Lei Nº de 28 de dezembro de 1990, dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde SUS. Em relação a essa determinação é correto afirmar que: A) O Sistema Único de Saúde - SUS contará, apenas na esfera municipal de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as instâncias colegiadas. B) A Conferência de Saúde reunir-se-á anualmente com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada pelo Poder Legislativo ou, extraordinariamente, por este ou pelo Conselho de Saúde. C) O Conselho de Saúde, que funciona em caráter permanente e deliberativo, é um órgão colegiado composto exclusivamente por representantes do governo, profissionais de saúde e usuários. D) O Conselho de Saúde atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente, inclusive nos aspectos econômicos e fi- nanceiros, cujas decisões serão homologadas pelo chefe do poder legalmente constituído em cada esfera do governo. Comentários sobre a questão: A Lei nº 8.142, de 1990 dispõe, conforme o enunciado da questão, sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e também sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros. Sobre a Letra A: A participação da comunidade na gestão do SUS ocorre através das Conferências e dos Conselhos de Saúde. O art. 1º da referida Lei dispõe que o SUS contará, em cada esfera de governo, sem prejuízo das funções do Poder Legislativo, com as seguintes instâncias colegiadas: I a Conferência de Saúde; e II o Conselho de Saúde.

2 A expressão Em cada esfera do governo significa que haverá instâncias colegiadas não só no nível municipal, mas também no estadual e federal. Desta forma, a alternativa de letra A está incorreta. Vale ressaltar o cuidado que o candidato deve ter com itens que contenham palavras restritivas, tais como apenas, somente, unicamente, exclusivamente, pois, normalmente (mas nem sempre!), tais itens são incompletos. Vejamos a alternativa de letra B que menciona a Conferência de Saúde. Sobre esta, devemos recorrer ao 1º do art.1º que dispõe: 1º A Conferência de Saúde reunir-se-á a cada quatro anos com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar a situação da saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada pelo Poder Executivo ou, extraordinariamente, por esta ou pelo Conselho de Saúde. Há dois erros na assertiva: o primeiro diz respeito à peridiocidade que deve ocorrer a cada quatro anos e não anualmente; e o segundo, refere-se à convocação que pode ser pelo Poder Executivo e não o legislativo ou, extraordinariamente, por esta ou pelo Conselho de Saúde. Sendo assim, alternativa errada. As letras C e D interrogam sobre o Conselho de Saúde, disposto na referida lei no 2º do art.1º: O Conselho de Saúde, em caráter permanente e deliberativo, órgão colegiado composto por representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários, atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros, cujas decisões serão homologadas pelo chefe do poder legalmente constituído em cada esfera do governo. Por tratarse de instâncias colegiadas, os Conselhos de Saúde são geridos por uma direção compartilhada, entendida como um conjunto de pessoas com igual autoridade. Todos os segmentos mencionados na questão fazem parte da gestão, porém faltou mencionar os prestadores de serviço. Vale destacar que os profissionais de saúde são as pessoas físicas participantes do SUS (médicos, enfermeiros, psicólogos, odontólogos etc), já os prestadores de serviço são pessoas jurídicas que estabelecem convênios ou contratos com o SUS. Sendo assim, a letra C está incorreta. Resta-nos a letra D que já sabemos ser a correta, não só por exclusão, mas por que é exatamente o que dispõe o 2º do art.1º, conforme acima mencionado. GABARITO: LETRA D Questão de fácil resolução uma vez que traz exatamente a letra da lei.

3 02. Para superar as dificuldades existentes no Sistema Único de Saúde, os gestores do SUS devem assumir o compromisso público da construção do PACTO PELA SAÚDE 2006, que é composto por três componentes: Pacto pela Vida, Pacto em Defesa do SUS e Pacto de Gestão do SUS. Em relação a esses componentes, é correto afirmar que: A) Elaborar e implantar a Política Nacional de Promoção da Saúde, com ênfase na adoção de hábitos saudáveis por parte da população brasileira, de forma a internalizar a responsabilidade individual da prática de atividade física regular, alimentação saudável e combate ao tabagismo, é uma das prioridades do Pacto de Gestão do SUS. B) Consolidar e qualificar a estratégia da Saúde da Família, como modelo de atenção básica à saúde e como centro ordenador das redes de atenção à saúde do SUS, é uma das prioridades do Pacto em Defesa do SUS. C) Definir de forma inequívoca a responsabilidade sanitária de cada instância gestora do SUS: federal, estadual e municipal, superando o atual processo de habilitação, é uma das prioridades do Pacto de Gestão do SUS. D) Implementar um projeto permanente de mobilização social, com a finalidade de mostrar a saúde como direito de cidadania e o SUS como sistema público universal garantidor desses direitos, é uma das prioridades do Pacto pela Vida. Comentários sobre a questão: O Pacto pela Saúde 2006 foi editado através da portaria nº 399/GM de 22 de fevereiro de 2006 com o objetivo de aprimorar o processo de pactuação intergestores, de definir as responsabilidades sanitárias entre as três esferas do sistema e de consolidar o processo da Reforma Sanitária Brasileira. Suas diretrizes operacionais foram divididas em três componentes: 1) Pacto pela Vida; 2) Pacto em Defesa do SUS; 3) Pacto de Gestão do SUS. As alternativas desta questão, com o objetivo de confundir o candidato, misturam as atribuições de cada um dos componentes acima citados. Elaborar e implantar a Política Nacional de Promoção da Saúde, conforme menciona a letra A, é uma diretriz do Pacto pela Vida e não do Pacto de Gestão do SUS. Assertiva incorreta. Consolidar e qualificar a estratégia da Saúde da Família, como modelo de atenção Básica à saúde também é uma diretriz do Pacto pela Vida e não do Pacto em Defesa do SUS. Alternativa B é incorreta. Definir as responsabilidades sanitárias de cada instância gestora do SUS é uma das prioridade do Pacto de Gestão do SUS, portanto a alternativa C está correta.

4 A implementação de um projeto permanente de mobilização social é uma das prioridades do Pacto em Defesa do SUS. Sendo assim, alternativa D é incorreta. GABARITO: LETRA C Questão de fácil resolução. Basta o candidato ter um pouco de conhecimento do Pacto pela Saúde. 03. De acordo com a Portaria nº 648/GM de 28 de março de 2006, que aprova a Política Nacional de Atenção Básica, é correto afirmar, em relação à Atenção Básica, que: A) A Atenção Básica considera o sujeito em sua singularidade, na complexidade, na integralidade e na inserção sociocultural e busca prioritariamente o tratamento de doenças que possam comprometer suas possibilidades de viver de modo saudável. B) Compete ao Ministério da Saúde organizar, executar e gerenciar os serviços e ações de Atenção Básica, de forma universal, dentro do seu território, incluindo as unidades próprias e as cedidas pelo estado e pela União. C) São definidas como áreas estratégicas para atuação da Atenção Básica em todo o território nacional a eliminação da hanseníase, o controle da tuberculose, o controle da hipertensão arterial, o controle do diabetes mellitus, o controle da dislipidemia, a eliminação da desnutrição infantil, a saúde da criança, a saúde da mulher, a saúde do idoso e a saúde do homem. D) Orienta-se pelos princípios da universalidade, da acessibilidade e da coordenação do cuidado, do vínculo e continuidade, da integralidade, da responsabilização, da humanização, da equidade e da participação social. Comentários sobre a questão: A primeira parte da alternativa da letra A está correta, uma vez que, de fato, a Atenção Básica considera o sujeito em sua singularidade, na complexidade, na integralidade e na inserção sociocultural(...), mas a busca não é prioritariamente pelo tratamento de doenças, como nos quer induzir o complemento da questão, mas sim pela promoção da saúde, a prevenção e tratamento de doenças e a redução de danos ou de sofrimentos que possam comprometer as possibilidade de um viver de modo mais saudável. Desta forma, alternativa A está incorreta. Tendo o conhecimento básico de que a rede de serviço do SUS deve ser organizada de forma regionalizada e hierarquizada, já podemos supor que a assertiva da letra B está incorreta. Os Municípios e o Distrito Federal, como gestores dos sistemas locais de saúde, são responsáveis pelo cumprimento dos princípios da Atenção Básica, pela organização e execução das ações em seu território. Logo, item incorreto.

5 A letra C está incorreta, pois, além de mencionar dois elementos que não constam como estratégia da Atenção Básica (o controle da dislipidemia e a saúde do homem), não incluiu em suas áreas estratégicas a saúde bucal e a promoção da saúde. O disposto na letra D é exatamente o que consta no primeiro parágrafo da Portaria nº 648/GM, no item 1- Dos Princípios Gerais. Portanto, assertiva correta. GABARITO: LETRA D Questão de média a difícil resolução, pois é necessário que o candidato tenha um bom conhecimento do disposto nesta importante Portaria. 04. O Acolhimento com Classificação de Risco se constitui de dispositivos técnico-assistenciais que permitem uma mudança no modo de realizar assistência em saúde. Em relação ao Acolhimento com Classificação de Risco, é correto afirmar que: A) A Classificação de Risco é um processo de triagem para identificar os pacientes que necessitam de tratamento hospitalar, de acordo com o potencial de risco e agravos à saúde, no qual todos os pacientes que não estão em risco de vida devem ser referenciados para agendamento de consulta em unidades básicas de saúde. B) A Central de Acolhimento avalia a demanda do usuário imediatamente e referencia os pacientes que procuram por exames e por consultas ambulatoriais para atendimento imediato. C) A redução do tempo para o atendimento médico, fazendo com que o paciente seja visto precocemente de acordo com a sua gravidade, é um dos objetivos da classificação de risco. D) A Classificação de Risco se dá em 2 níveis: vermelho (atendimento imediato), amarelo (atendimento o mais rápido possível). Comentários sobre a questão: Para esta questão, vale o comentário de que devido à grande quantidade de concorrentes aos cargos públicos, as entidades organizadoras buscam cada vez mais esmiuçar os conteúdos referentes à matéria. Daí a importância de estudar, no que se refere ao SUS, não só as leis 8.080/90 e 8.142/90, mas também suas principais portarias. Sobre o Acolhimento com Classificação de Risco, ele é um instrumento da Política Nacional de Humanização PNH, conhecida como HumanizaSUS, disposto na Portaria de número 2048 de 05 de Novembro de 2002, do Ministério da Saúde. O Humaniza/SUS tem como um de seus principais objetivos priorizar o atendimento com qualidade. Para tanto, a tecnologia de Avaliação com Classificação de Risco deve ser realizado por profissional de saúde, de nível superior, mediante treinamento específico e utilização de protocolos pré-estabelecidos e tem por objetivo avaliar o

6 grau de urgência das queixas dos pacientes, colocando-os em ordem de prioridade para o atendimento. (BRASIL, 2002). Vamos analisar cada uma das assertivas desta questão: A letra A menciona que a classificação de Risco é um processo de triagem para identificar os pacientes que necessitam de atendimento hospitalar(...). De acordo com a cartilha de Acolhimento com avaliação e classificação de Risco elaborada pelo Ministério da Saúde(2004), O acolhimento não é um espaço ou um local, mas uma postura ética, não pressupõe hora ou local específico para fazê-lo, implica compartilhamento de saberes, necessidades, possibilidades, angústias e invenções. Desse modo é o que o diferenciamos de triagem, pois ele não se constitui como uma etapa do processo, mas como ação que deve ocorrer em todos os locais e momentos do serviço de saúde.(...). Conforme o disposto, muito mais do que mecanicamente triar pacientes, identificando suas necessidades, o acolhimento é uma postura ética que deve permear o atendimento de saúde como um todo. Portanto, esta alternativa está incorreta. Vejamos a letra B: Ela menciona que há a imediata avaliação da demanda do usuário e aqueles que procuram por exames e consultas ambulatoriais são encaminhados para atendimento imediato. De fato, o acolhimento tem como um de seus pressupostos a agilidade no atendimento, mas o encaminhamento do usuário não vai ocorrer de forma imediata, mas sim de acordo com a análise do grau de necessidade. Sendo assim, a alternativa está incorreta. Letra C: De acordo com as informações discorridas até então, podemos supor que esta assertiva é a correta, uma vez que atender com agilidade, avaliando o grau de necessidade do usurário, proporcionando atenção centrada no nível de complexidade e não na ordem de chegada, é o que pretende a tecnologia de Avaliação com Classificação de Risco. Assertiva correta. Vejamos o erro da Letra D: A Classificação de Risco não se dá em dois níveis, mas sim em quatro níveis: vermelho, amarelo, verde e azul. No vermelho significa que o usuário precisa de atendimento imediato; o amarelo, que o atendimento deve ocorrer o mais rápido possível; verde, que a prioridade não é urgente e no nível azul que o atendimento pode ocorrer de acordo com o horário de chegada. GABARITO: LETRA C Questão de média complexidade, uma vez que este dispositivo ainda é pouco divulgado entre os profissionais de saúde.

7 05. As Comissões Intergestoras são instâncias de pactuação consensual entre os entes federativos para definição das regras da gestão compartilhada do SUS. Em relação às Comissões Intergestoras, é correto afirmar que: A) A CIT, no âmbito da União, está vinculada à Secretaria Estadual de Saúde para efeitos administrativos e operacionais. B) A CIB, no âmbito do Estado, está vinculada à Secretaria Municipal de Saúde para efeitos administrativos e operacionais. C) À CIB compete exclusivamente a pactuação dos critérios para o planejamento integrado das ações e serviços de saúde da Região de Saúde, em razão do compartilhamento da gestão. D) As Comissões Integestoras pactuarão as diretrizes gerais sobre Regiões de Saúde, integração de limites geográficos, referência e contrarreferência e demais aspectos vinculados à integração das ações e serviços de saúde entre os entes federativos. Comentários sobre a questão: As Comissões Intergestoras Tripartite e Bipartite (CIT e CIB) foram criadas pela NOB 93. São fóruns de negociação formados por gestores das instâncias Federal, Estadual e Municipal. De acordo com a NOB 93, a Comissão Intergestores Tripartite CIT é integrada paritariamente por representantes do Ministério da Saúde e dos órgãos de representação do conjunto dos Secretários Estaduais de Saúde/CONASS e do conjunto dos Secretários Municipais de Saúde/CONASEMS, e tem por finalidade assistir o Ministério da Saúde na elaboração de propostas para a implantação e operacionalização do SUS submetendo-se ao poder deliberativo e fiscalizador do Conselho Nacional de Saúde. Sendo assim, a CIT não está vinculada à Secretaria Estadual de Saúde para efeitos administrativos e operacionais como menciona a letra A. Questão incorreta. No que se refere à CIB, diz a NOB que a Comissão lntergestores Bipartite CIB é integrada paritariamente por dirigentes da Secretaria Estadual de Saúde e do órgão de representação dos Secretários Municipais de Saúde do estado, devendo ser criada e formalizada através de portaria do Secretário Estadual de Saúde, sendo a instância privilegiada de negociação e decisão quanto aos aspectos operacionais do SUS. Portanto, ela não está vinculada à Secretaria Municipal de Saúde. Alternativa B é incorreta. A alternativa C está incorreta, pois restringe as funções da CIB, ou seja, ela se utiliza da palavra exclusivamente para afirmar que somente é de sua alçada a pactuação dos critérios para o planejamento integrado das ações e serviços de saúde da Região de Saúde, em razão do compartilhamento da gestão. No entanto, também são funções da CIB: elaborar propostas para a implantação e operacionalização da gestão descentralizada do sistema (normatização,

8 planejamento, programação integrada, controle e avaliação); definir e aprovar os critérios para a alocação de recursos federais, de custeio e de investimento para a cobertura assistencial ambulatorial e hospitalar nos municípios; desenvolver estudos específicos para o equacionamento de problemas identificados na operacionalização das políticas de saúde regional e estadual; acompanhar e avaliar a implantação da gestão descentralizada das ações e serviços de saúde nos estados e municípios. Mais uma vez convém o alerta: CUIDADO com questões que contenham palavras restritivas! A alternativa D é a correta, pois cita adequadamente uma das várias funções da CIB sem, no entanto, limitá-la a apenas esta. GABARITO: LETRA D Questão de média complexidade, já que requer um conhecimento mais ampliado das Comissões Intergestoras. Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Técnico CONHECIMENTOS SOBRE SUS 01. A Lei Nº de 28 de dezembro de 1990 dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do SUS e sobre as transferências intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde. Em relação a essa Lei, é correto afirmar que: A) O Conselho de Saúde, que funciona em caráter permanente e deliberativo, é um órgão colegiado composto por representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários. B) A Conferência de Saúde reunir-se-á anualmente com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada pelo poder Executivo ou, extraordinariamente, por este ou pelo Conselho de Saúde. C) As Conferências e os Conselhos de Saúde são instâncias colegiadas executivas. D) A representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e Conferências de Saúde será minoritária em relação ao conjunto dos demais segmentos.

9 COMENTÁRIOS SOBRE A QUESTÃO: O item A define corretamente o Conselho de Saúde, pois de acordo com a Lei 8.142/90 no Art. 1º, 2 : O Conselho de Saúde, em caráter permanente e deliberativo, órgão colegiado composto por representantes do governo, prestadores de serviço, profissionais de saúde e usuários, atua na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde na instância correspondente, inclusive nos aspectos econômicos e financeiros, cujas decisões serão homologadas pelo chefe do poder legalmente constituído em cada esfera do governo. O item B está errado, pois a Conferência de Saúde se reúne a cada quatro anos e não anualmente, conforme dispõe o art 1º, 1 -: A Conferência de Saúde reunir-se-á a cada quatro anos com a representação dos vários segmentos sociais, para avaliar a situação de saúde e propor as diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes, convocada pelo Poder Executivo ou, extraordinariamente, por esta ou pelo Conselho de Saúde. O item C está incorreto, pois tanto as Conferências quanto os Conselhos não têm caráter executivo, um vez que não são eles que executam as ações de saúde. Os Conselhos têm caráter deliberativo, ou seja, eles atuam na formulação de estratégias e no controle da execução da política de saúde, na instância correspondente. E as Conferências têm como objetivo avaliar a situação de saúde e propor diretrizes para a formulação da política de saúde nos níveis correspondentes. O item D está errado, pois a representação dos usuários terá paridade numérica com os demais, como rege o art 1, 4 : A representação dos usuários nos Conselhos de Saúde e Conferências será paritária em relação ao conjunto dos demais segmentos. GABARITO: LETRA A Questão de fácil complexidade. 02. A Lei nº de 19 de setembro de 1990 dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços de saúde. Em relação a essa Lei, é correto afirmar que: A) As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o SUS são desenvolvidos de acordo com as diretrizes previstas na Constituição Federal. B) O dever do Estado de garantir a saúde como direito fundamental exclui o das pessoas, da família, das empresas e da sociedade.

10 C) As ações e serviços de saúde, executados pelo SUS, seja diretamente ou mediante participação complementar da iniciativa privada, serão organizados de forma centralizada e hierarquizada em níveis de complexidade crescente. D) Os Municípios, para receberem os recursos financeiros do Ministério da Saúde, deverão contar com: Fundo de Saúde, Conselho de Saúde e com plano municipal de saúde. COMENTÁRIOS SOBRE A QUESTÃO: Este tipo de questão é bastante recorrente em concursos, pois mescla artigos da Constituição Federal e das leis 8.080/90 e 8.142/90. Vejamos: o item A está correto e de acordo com o art 198 da CF. Já o item B está incorreto pois contradiz o art. 2º 2 da lei O item C mistura o art. 4ª 2 da com o art. 198 da CF e erra ao afirmar que é de forma centralizada. O item D se refere aos artigos 2º e 4º da lei e está incorreto pois os recursos do SUS são provenientes do Fundo Nacional de Saúde que é o seu gestor financeiro na esfera federal, e não o Ministério da Saúde. Atente-se à diferença. GABARITO: LETRA A Questão de fácil complexidade, pois aborda aspectos fundamentais do SUS. 03. O Pacto pela Vida é um dos componentes do Pacto pela Saúde Em relação a esse componente, é correto afirmar que: A) Envolve ações concretas e articuladas pelas três instâncias federativas, no sentido de reforçar o SUS como política de Estado, mais do que política de governos, e de defender, vigorosamente, os princípios basilares dessa política pública, inscritos na Constituição Federal. B) Estabelece as responsabilidades claras de cada ente federado de forma a diminuir as competências concorrentes e a tornar mais claro quem deve fazer o quê, contribuindo, assim, para o fortalecimento da gestão compartilhada e solidária do SUS. C) Está constituído por um conjunto de compromissos sanitários, expressos em objetivos de processos e resultados, e derivados da análise da situação de saúde do País e das prioridades definidas pelos governos federal, estaduais e municipais. D) Radicaliza a descentralização de atribuições do Ministério da Saúde para os estados e para os municípios, promovendo um choque de descentralização, acompanhado da desburocratização dos processos normativos, além de reforçar a territorialização da saúde como base para organização dos sistemas, estruturando as regiões sanitárias e instituindo colegiados de gestão regional.

11 COMENTÁRIOS SOBRE A QUESTÃO: O item A se refere ao Pacto em Defesa do SUS, portanto é incorreto. Os itens B e D são referentes ao Pacto de Gestão do SUS, desta forma, também estão errados. O item C é o correto, uma vez que é o único deles que se refere ao Pacto pela Vida como pede o enunciado. GABARITO: Letra C Questão de difícil resolução, pois como mistura os três segmentos do Pacto pela Saúde 2006 requer do candidato, para que não se confunda, um conhecimento bastante aprofundado do assunto. Malícia da banca para eliminar candidatos. (Faz parte!) 04. De acordo com a Política Nacional de Atenção Básica, a Saúde da Família é considerada como estratégia prioritária para sua organização. Analise as opções abaixo em relação ao processo de trabalho das equipes de Saúde da Família e marque a alternativa correta: A) Busca a integração com instituições e organizações sociais, em especial em sua área de abrangência, para o desenvolvimento de parcerias. B) Realiza o cuidado dos indivíduos e das famílias cadastradas pontualmente, mantendo sempre postura pró-ativa frente aos problemas de saúde e doença da população. C) Deve desenvolver atividades de acordo com o planejamento e a programação definida pelos gestores federais, pois se trata de uma política nacional. D) Deve atuar no território, realizando cadastramento domiciliar, diagnóstico situacional, ações dirigidas exclusivamente aos problemas de saúde de menor gravidade e referenciando os problemas de maior gravidade para a rede hospitalar. COMENTÁRIOS SOBRE A QUESTÃO: O item A está correto, pois é o que está especificado na Política Nacional de Atenção Básica (Portaria GM/MS 648 de 28 de março de 2006.), Capítulo II- Das Especificidades da Estratégia de Saúde da Família 1 Princípios Gerais, item IV. O item B está incorreto, pois o cuidado dos indivíduos e das famílias cadastradas deve ser efetuado de maneira continuada e não como algo esporádico e pontual. Já o item C está errado, pois, apesar de ser uma política nacional, os municípios têm autonomia para desenvolvê-la e organizá-la de acordo com os problemas de saúde por eles encontrados. E o item D está incorreto, pois as ações de saúde não são dirigidas exclusivamente aos problemas de menor gravidade e sim a todos os problemas de saúde que podem ser tratados no âmbito domiciliar e ambulatorial. Mais uma vez, atente-se às palavras restritivas, pois elas geralmente tornam a questão inexata.

12 GABARITO: LETRA A Questão de média a difícil complexidade, pois requer do candidato conhecimento detalhado das Especificidades da Estratégia de Saúde da Família.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 14.310, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013. (publicada no DOE n.º 189, de 1º de outubro de 2013) Institui o Sistema

Leia mais

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL

O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL O SUS COMO UM NOVO PACTO SOCIAL Profª Carla Pintas O novo pacto social envolve o duplo sentido de que a saúde passa a ser definida como um direito de todos, integrante da condição de cidadania social,

Leia mais

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Porto Alegre/RS, agosto de 2011 Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem

Leia mais

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1

Realização: CEREMAPS, EESP e Fundação CEFETBAHIA 1 CONHECIMENTOS GERAIS SOBRE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (QUESTÕES 01 a 30) Questão 01 (Peso 1) A saúde, através do Sistema Único de Saúde, é desenvolvida através de uma política social e econômica que visa,

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 10

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 10 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 10 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus

ERRATA. Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais do Sus ERRATA Secretaria de Saúde do DF AUXILIAR EM saúde - Patologia Clínica Sistema Único de Sáude - SUS Autora: Dayse Amarílio D. Diniz Na página 11, continuação do Quadro Esquemático das Normas Operacionais

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DA SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA ORIENTAÇÕES BÁSICAS À GESTÃO MUNICIPAL: ORGANIZAÇÃO DA CONFÊRENCIA

Leia mais

Desafios para gestão municipal do SUS

Desafios para gestão municipal do SUS XXVII Congresso de Secretários Municipais de Saúde do Estado de São Paulo Desafios para gestão municipal do SUS Arthur Chioro Secretário de Saúde de São Bernardo do Campo Presidente do Cosems-SP Política

Leia mais

PROJETO DE LEI FEDERAL PARA CRIAÇÃO DA CIT-CIB. Gilson Carvalho 1

PROJETO DE LEI FEDERAL PARA CRIAÇÃO DA CIT-CIB. Gilson Carvalho 1 PROJETO DE LEI FEDERAL PARA CRIAÇÃO DA CIT-CIB Gilson Carvalho 1 Desde a discussão do PLP 01-2003 de Regulamentação da EC-29 coloca-se a questão de oficializar por lei a COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE-CIT

Leia mais

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS

FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS FONSEAS I Encontro Nacional da Gestão Estadual do SUAS BRASIL 8,5 milhões de Km²; 192 milhões de habitantes; 26 Estados e 01 Distrito Federal; 5.564 municípios (70,3 % com menos de 20.000 habitantes);

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações;

- organização de serviços baseada nos princípios de universalidade, hierarquização, regionalização e integralidade das ações; PORTARIA N 224/MS, DE 29 DE JANEIRO DE 1992. item 4.2 alterada(o) por: Portaria nº 147, de 25 de agosto de 1994 O Secretário Nacional de Assistência à Saúde e Presidente do INAMPS, no uso das atribuições

Leia mais

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA

IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA IV SEMINÁRIO DE ATENÇÃO PRIMÁRIA/ SAÚDE DA FAMÍLIA A TRAJETÓRIA DE IMPLANTAÇÃO DO ACOLHIMENTO: RELATO DE EXPERIÊNCIA Geordany Rose de Oliveira Viana Esmeraldo Enfermeira e Mestranda em Saúde PúblicaUECE

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA:

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: SERVIÇO SOCIAL CÓDIGO: SSC24 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 15/2012 - CCS

CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 15/2012 - CCS 1 CHAMADA PÚBLICA DE SELEÇÃO Nº 15/2012 - CCS Seleção de Monitores Bolsistas para o Pró-Saúde e PET-Saúde/RAS da Universidade Estadual do Ceará / 2012-2014 Prova Escrita - 19 de setembro de 2012 Candidato:

Leia mais

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015

MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 MINUTA DE PORTARIA v. 21.09.2015 PORTARIA Nº..., de...de...de 2015 Dispõe sobre a participação complementar da iniciativa privada na execução de ações e serviços de saúde, e o credenciamento de prestadores

Leia mais

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história;

Art. 3º. O Plano Municipal Decenal de Educação observará os seguintes elementos e princípios: I diagnóstico e realidade sócio-educacional e história; Lei nº 1.315, de 25 de agosto de 2003. Dispõe sobre o Plano Municipal Decenal de Educação e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE CODÓ, ESTADO DO MARANHÃO: Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC

7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade. Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC 7ª Jornada Capixaba de Medicina de Família e Comunidade Associação Capixaba de Medicina de Família e Comunidade ACMFC Processo de Trabalho e Qualificação Profissional do médico APS PROVAB / Lei 12.871

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.904, DE 14 DE JANEIRO DE 2009. Mensagem de veto Vigência Institui o Estatuto de Museus e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

10/04/2015. Lei Orgânica da Saúde Lei nº 8.080/1990

10/04/2015. Lei Orgânica da Saúde Lei nº 8.080/1990 Lei Orgânica da Saúde Lei nº 8.080/1990 1 Próximas aulas YOUTUBE www.romulopassos.com.br contato@romulopassos.com.br WhatsApp (074) 9926-6830 2 3 Já baixou o slide em PDF? Disposições Gerais do SUS Art.

Leia mais

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios

O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios Colegiado de Secretários Municipais de Saúde do Estado de PE COSEMS-PE O Pacto de Gestão do SUS e os Municípios 2º Congresso Pernambucano de Municípios - AMUPE Gessyanne Vale Paulino Saúde Direito de todos

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cit/2012/res0004_19_07_2012.html Página 1 de 17 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Gabinete do Ministro Comissão Intergestores

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PACTO PELA SAÚDE. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007. Departamento de Apoio à Descentralização

PACTO PELA SAÚDE. Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão. Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007. Departamento de Apoio à Descentralização PACTO PELA SAÚDE Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão Seminário Pacto pela Saúde Agosto/2007 Departamento de Apoio à Descentralização Secretaria Executiva PACTO PELA SAÚDE Pactuaçã ção o firmada

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011 Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY

PARECER Nº, DE 2012. RELATORA: Senadora MARTA SUPLICY PARECER Nº, DE 2012 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 238, de 2011, da Senadora Vanessa Grazziotin, que dispõe sobre a imunização de mulheres

Leia mais

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015

DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 DECRETO 7.508 E O PLANEJAMENTO REGIONAL INTEGRADO DANTE GARCIA 2015 Região de Saúde [...] espaço geográfico contínuo constituído por agrupamentos de Municípios limítrofes, delimitado a partir de identidades

Leia mais

Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão

Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria-Executiva Coordenação de Apoio à Gestão Descentralizada Diretrizes Operacionais para os Pactos pela Vida, em Defesa do SUS e de Gestão Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 40

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 40 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 40 QUESTÃO 17 São competências do Sistema Único de Saúde: I- Colaborar na proteção do meio ambiente, incluindo o ambiente do trabalho. II- Participar do controle

Leia mais

5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO

5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO Plano de Manejo da APA de Conceição da Barra - Volume 2 Planos e Programas Pág. 941 / 1008 5 PLANOS E PROGRAMAS GOVERNAMENTAIS PARA A REGIÃO O item a seguir apresentará de forma integrada as informações

Leia mais

regionalização e contratos organizativos de ação pública.

regionalização e contratos organizativos de ação pública. A Regulamentação da Lei 8.080/90: A Regulamentação da Lei 8.080/90: regionalização e contratos organizativos de ação pública. Seminário Nacional PRÓ Saúde e PET Saúde Brasília, 19 de outubro de 2011.,

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 08 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 08 Legislação do SUS Completo e Gratuito Página 1 2 www.romulopassos.com.br

Leia mais

Apoio à Gestão Municipal. Governo Federal e Municípios. Cresce o Brasil Ganham os Municípios e Cidadãos

Apoio à Gestão Municipal. Governo Federal e Municípios. Cresce o Brasil Ganham os Municípios e Cidadãos Cresce o Brasil Ganham os Municípios e Cidadãos Governo Federal e Municípios Apoio à Gestão Municipal Orientações Para o Gestor Municipal Início de Mandato Copyright 2008 Presidência da República Qualquer

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO 1º Quadrimestre / 2015 Apresentação Os relatórios quadrimestrais são: instrumentos de monitoramento e acompanhamento da execução da PAS (Art. 6º, Portaria nº 2.135/13 Estabelece diretrizes

Leia mais

Super Dicas de SUS. Prof. Marcondes Mendes. SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes

Super Dicas de SUS. Prof. Marcondes Mendes. SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes Super Dicas de SUS Prof. Marcondes Mendes SUS em exercícios comentados Prof Marcondes Mendes 1. Evolução histórica da organização do sistema de saúde no Brasil Prevenção Modelo de Saúde Sanitarista Campanhismo

Leia mais

Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011

Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011 VI Decreto 7.546, de 02 de agosto de 2011 [Regulamenta os 5º a 12 do art. 3º da Lei 8.666/93, e institui a Comissão Interministerial de Compras Públicas] (DOU de 03.08.2011) Regulamenta o disposto nos

Leia mais

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo -

Decreto 7.508 de 28/06/2011. - Resumo - Decreto 7.508 de 28/06/2011 - Resumo - GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Secretaria de Estado de Saúde Pública Sistema Único de Saúde SIMÃO ROBISON DE OLIVEIRA JATENE Governador do Estado do Pará HELENILSON PONTES

Leia mais

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos

A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos A contribuição do Controle Social para Promoção do Uso Racional de Medicamentos II Seminário Multiprofissional sobre o Uso Racional de Medicamentos Maceió - 2014 Medicamentos e Uso Racional 1975 28ª Assembleia

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE TOCANTINS EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Ampliação da cobertura e qualidade dos serviços de saúde, com o aprimoramento

Leia mais

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil

Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa inistério da Saúde Organização do Sistema Único de Saúde Organization of the Health System in Brazil Brasília, março de 2014 Saúde Direito de todos e dever

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Articulação Interfederativa COAP O Brasil é o único país......com + de 100 milhões de hab. com o desafio de ter um sistema

Leia mais

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 1.097 DE 22 DE MAIO DE 2006. Define o processo da Programação Pactuada e Integrada da Assistência em Saúde seja um processo instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde. O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE

PORTARIA 1.600, DE 7 DE JULHO DE PORTARIA No- 1.600, DE 7 DE JULHO DE 2011 Reformula a Política Nacional de Atenção às Urgências e institui a Rede de Atenção às Urgências no Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE,

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE REGIONALIZAÇÃO NAS DIFERENTES REDES DE ATENÇÃO: COAP E REGIONALIZAÇÃO FERNANDO RITTER SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE CONTRATO ORGANIZATIVO DA AÇÃO

Leia mais

PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de que o setor saúde

Leia mais

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 04

GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS. Professor Rômulo Passos Aula 04 1 www.romulopassos.com.br / www.questoesnasaude.com.br GRATUITO CURSO COMPLETO DO SUS 17 AULAS 500 QUESTÕES COMENTADAS Professor Rômulo Passos Aula 04 L e g i s l a ç ã o d o S U S C o m p l e t o e G

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-301-R00 ESTÁGIO PROBATÓRIO 11/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 06 de novembro de 2015. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA Parecer Coren/SC Nº 008/CT/2015 Assunto: Solicitação de esclarecimentos quanto à competência da Enfermagem na Terapia Contínua Lenta de Substituição Renal (Hemodiafiltração veno-venosa contínua HVVC) I

Leia mais

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014

Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 NOTA ORIENTATIVA 01/2014 GCOOR/GGCOF Assunto: Mudanças trazidas pela Portaria GM/MS 475/2014 (Planejamento e Programação, Pactuação, Prestação de Contas e Monitoramento para fins de repasse financeiro)

Leia mais

Propostas para Melhorar a Cobertura, a Eficiência e a Qualidade no Setor Saúde 1

Propostas para Melhorar a Cobertura, a Eficiência e a Qualidade no Setor Saúde 1 Propostas para Melhorar a Cobertura, a Eficiência e a Qualidade no Setor Saúde 1 1 André Medici 1 INTRODUÇÃO Nas últimas três décadas, a incorporação progressiva de direitos sociais, como parte dos atributos

Leia mais

Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os

Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Institui a Política Nacional de Saúde Integral da População Negra O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que

Leia mais

PUBLICADO NO DOU Nº 40 DE : 28/02/2002 SEÇÃO : 1 PÁG. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 373, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2002

PUBLICADO NO DOU Nº 40 DE : 28/02/2002 SEÇÃO : 1 PÁG. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 373, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2002 PUBLICADO NO DOU Nº 40 DE : 28/02/2002 SEÇÃO : 1 PÁG. MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 373, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2002 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, e Considerando

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO TÍTULO I DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º - O Estágio Supervisionado é um componente que integra a estrutura curricular do Curso de Tecnologia em Gestão da Tecnologia

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA

CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art.1º - A SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE - SUSAM integra a Administração Direta do Poder Executivo, na forma da Lei nº 2783, de 31 de janeiro de 2003, como órgão responsável,

Leia mais

F. Tratamento fora do domicílio

F. Tratamento fora do domicílio F. Tratamento fora do domicílio artigos 197 e 198 da Constituição Federal de 1988; Lei Orgânica da Saúde nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, disciplinada pela Portaria Federal nº 055, de 24 de fevereiro

Leia mais

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: APROFUNDANDO A DESCENTRALIZAÇÃO COM EQÜIDADE NO ACESSO

REGIONALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: APROFUNDANDO A DESCENTRALIZAÇÃO COM EQÜIDADE NO ACESSO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Assistência à Saúde Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência REGIONALIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE: APROFUNDANDO A DESCENTRALIZAÇÃO COM EQÜIDADE NO ACESSO

Leia mais

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012

Princípios Gerais. Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 15/10/2012 Princípios Gerais Política Nacional de Saúde Integral da População Negra PORTARIA Nº 992, DE 13 DE MAIO DE 2009 Profª Carla Pintas A Constituição de 1988 assumiu o caráter de Constituição Cidadã, em virtude

Leia mais

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde

O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde Informativo interativo eletrônico do CNS aos conselhos de Saúde Brasília, junho de 2006 Editorial O papel dos conselhos na afirmação do Pacto pela Saúde A aprovação unânime do Pacto pela Saúde na reunião

Leia mais

ESCOLAS DE GOVERNO MUNICIPAIS PERFIS E PANORAMA

ESCOLAS DE GOVERNO MUNICIPAIS PERFIS E PANORAMA ESCOLAS DE GOVERNO MUNICIPAIS PERFIS E PANORAMA Escolas de Governo: o termo A Emenda Constitucional nº 19 1998 criou a figura da EG, art. 39, parágrafo 2º: A União, os Estados e o Distrito Federal manterão

Leia mais

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos

Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Atribuições federativas nos sistemas públicos de garantia de direitos Características da Federação Brasileira Federação Desigual Federação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE MINAS GERAIS PARECER TÉCNICO Nº. 136 / 2011 REFERÊNCIA: Competência do enfermeiro para realizar a Classificação de Risco nos diversos pontos de atenção à saúde da população. HISTÓRICO Recebemos da Presidente do Coren-MG

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE NO ÂMBITO PRÉ- HOSPITALAR E HOSPITALAR PARA ENFRENTAMENTO DE SITUAÇÕES DE MÚLTIPLAS VÍTIMAS, DESASTRES E CATÁSTROFES

ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE NO ÂMBITO PRÉ- HOSPITALAR E HOSPITALAR PARA ENFRENTAMENTO DE SITUAÇÕES DE MÚLTIPLAS VÍTIMAS, DESASTRES E CATÁSTROFES ORGANIZAÇÃO DA ATENÇÃO À SAÚDE NO ÂMBITO PRÉ- HOSPITALAR E HOSPITALAR PARA ENFRENTAMENTO DE SITUAÇÕES DE MÚLTIPLAS VÍTIMAS, DESASTRES E CATÁSTROFES NO ESTADO DE MINAS GERAIS: LEGISLAÇÃO, ESTRUTURA FÍSICA,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA PARA ASSUNTOS PARLAMENTARES FORMULÁRIO DE POSICIONAMENTO SOBRE PROPOSIÇÃO LEGISLATIVA

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA PARA ASSUNTOS PARLAMENTARES FORMULÁRIO DE POSICIONAMENTO SOBRE PROPOSIÇÃO LEGISLATIVA MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO ASSESSORIA PARA ASSUNTOS PARLAMENTARES FORMULÁRIO DE POSICIONAMENTO SOBRE PROPOSIÇÃO LEGISLATIVA Proposição Legislativa: PL 7663/2010 Autor: DEPUTADO FEDERAL OSMAR

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Cláusulas de exclusão nos contratos de planos de saúde 1 Por Amanda Flávio de Oliveira I- Os casos a) Um senhor casado, com pouco mais de 50 anos, descobre-se portador de câncer

Leia mais

Prova Comentada 1ª Parte

Prova Comentada 1ª Parte Prova Comentada 1ª Parte Olá, Pessoal! Seguem as disciplinas de legislação e gestão em saúde comentadas. Até amanhã encaminho a segunda parte, com a disciplina de política social. No geral, achei a prova

Leia mais

FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE

FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE ESTUDO FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE Gustavo Silveira Machado Consultor Legislativo da Área XVI Saúde pública e Sanitarismo ESTUDO MAIO/2010 Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes

Leia mais

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP)

O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa O processo de Planejamento Regional e o Contrato Organizativo de Ação Pública (COAP) NORMAS

Leia mais

Gestão do Trabalho em Saúde

Gestão do Trabalho em Saúde Universidade Federal de Alagoas Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Prova de Conhecimentos Específicos da Especialização Lato Sensu UFAL 2012.1 Gestão do Trabalho em Saúde CADERNO DE QUESTÕES INSTRUÇÕES

Leia mais

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO

5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO 5ª EDIÇÃO DA CERTIFICAÇÃO SELO ODM MOVIMENTO NÓS PODEMOS PARANÁ REGULAMENTO O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade - Nós Podemos Paraná, articulado pelo Sesi-PR e com o apoio de diversas instituições

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.390, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), estabelecendo-

Leia mais

Nº 253 - Seção 1, terça-feira, 31 de dezembro de 2013. Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.390, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

Nº 253 - Seção 1, terça-feira, 31 de dezembro de 2013. Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.390, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 Nº 253 - Seção 1, terça-feira, 31 de dezembro de 2013 Ministério da Saúde GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 3.390, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 Institui a Política Nacional de Atenção Hospitalar (PNHOSP) no

Leia mais

REGIMENTO. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo. Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

REGIMENTO. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo. Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen REGIMENTO 2011 Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen Rua Monsenhor

Leia mais

I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação assistencial e auditoria do SUS

I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação assistencial e auditoria do SUS Ministério da Saúde Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Departamento de Auditoria do SUS I Fórum Pernambucano de Regulação Assistencial e Auditoria do SUS COAP na perspectiva da regulação

Leia mais

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS

DAI/SGEP/MS. Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Planejamento em Saúde Sistema de Apoio ao Relatório de Gestão - SARGSUS Brasília DF, 06/03/2013 Saúde Direito de todos e dever do Estado CONSTITUIÇÃO FEDERAL Lei 8.080 Lei 8.142 DECRETO 7.508 Lei 12.401

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS

POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA POLÍTICAS DE SAÚDE EM QUEIMADOS JUNHO - 2009 Diretrizes Tomando por base a necessidade de organizar à assistência

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA

POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA NOTA TÉCNICA 05 2007 POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA Versão preliminar Brasília, 20 de março de 2007. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL EM GENÉTICA CLÍNICA 1. Antecedentes

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO

GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO 2.ª edição Série B. Textos Básicos de Saúde Brasília DF 2006 2004 Ministério

Leia mais

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO

A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei Nº 12.145, DE 08 DE SETEMBRO DE 2011. A OUTORGA ONEROSA DE ALTERAÇÃO DE USO REFERÊNCIAS LEGAIS Lei 10.257/01

Leia mais

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo?

Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? 008 Repasse de recursos: convênio ou transferência fundo a fundo? Luciano de Souza Gomes SENADO FEDERAL Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle Diretor Luiz Fernando de Mello Perezino Editores

Leia mais

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00

PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Legislações - GM Seg, 26 de Dezembro de 2011 00:00 PORTARIA Nº 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE

MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO 7.508/11 E APRIMORAMENTO DO PACTO PELA SAÚDE Decreto 7.508/11 Regulamenta a Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema

Leia mais

Sistema Único de Saúde (SUS)

Sistema Único de Saúde (SUS) LEIS ORGÂNICAS DA SAÚDE Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990 Lei nº 8.142 de 28 de dezembro de 1990 Criadas para dar cumprimento ao mandamento constitucional Sistema Único de Saúde (SUS) 1 Lei n o 8.080

Leia mais

20NU - Apoio à Prevenção da Violação dos Direitos Humanos em Ações de Desenvolvimento Urbano

20NU - Apoio à Prevenção da Violação dos Direitos Humanos em Ações de Desenvolvimento Urbano Programa 2064 - Promoção e Defesa dos Direitos Humanos Número de Ações 9 Tipo: Operações Especiais 0083 - Pagamento de Indenização a Familiares de Mortos e Desaparecidos em Razão da Participação em Atividades

Leia mais

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte.

É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. 2003. Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Série B. Textos Básicos de Saúde MS Série Políticas de Saúde Tiragem: 10.000 exemplares Elaboração,

Leia mais

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e

O uso de substâncias psicoativas (SPA) lícitas. nenhum controle sobre publicidade, preço e CRACK DIMENSÃO 2 A política do MS é tímida e equivocada. Os CAPS AD são poucos e ineficientes. Os serviços comunitários, geralmente religiosos, são muitos, são precários, carecem de base científica e beneficiam

Leia mais

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal;

Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional de Atenção ao Portador de Doença Renal; SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 211, DE 15 DE JUNHO DE 2004 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições; Considerando a Portaria nº 1.168/GM, de 15 de junho de 2004, que institui

Leia mais

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014

13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 13º - AUDHOSP AUDITORIA NO SUS VANDERLEI SOARES MOYA 2014 AUDITORIA NA SAÚDE Na saúde, historicamente, as práticas, as estruturas e os instrumentos de controle, avaliação e auditoria das ações estiveram,

Leia mais

Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin

Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 432 LICITAÇÃO Matheus Tarocchi da Silveira, Jackson Vicente Macedo, Murilo Luis Monzani Tomazin Discente do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE DIREITO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ESTATUTO CAPÍTULO I - DOS OBJETIVOS Art. 1º. O Serviço de Assistência Judiciária da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI

REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI REGIMENTO ESCOLAR DA FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - FaBCI MANTIDA PELA FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO - FESPSP DEZEMBRO DE 2003 Sumário TÍTULO I - DA INSTITUIÇÃO...

Leia mais

Uma Nova Agenda para a Reforma do

Uma Nova Agenda para a Reforma do Uma Nova Agenda para a Reforma do Setor Saúde: Fortalecimento das Funções Essenciais da Saúde Pública e dos Sistemas de Saúde FORO REGIONAL ANTIGUA/GUATEMALA 19-22 DE JULHO DE 2004 PERSPECTIVAS NACIONAIS

Leia mais

PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso de suas atribuições, e PORTARIA Nº 399/GM DE 22 DE FEVEREIRO DE 2006. Divulga o Pacto pela Saúde 2006 Consolidação do SUS e aprova as Diretrizes Operacionais do Referido Pacto. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, INTERINO, no uso

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora dos planos de saúde do Brasil

Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora dos planos de saúde do Brasil Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora dos planos de saúde do Brasil 2 Agenda Regulatória Eixo 1 Modelo de Financiamento do Setor; Eixo 2 Garantia de Qualidade e Acesso Assistencial;

Leia mais