ANOS ao serviço da mediação de seguros. Jornal dos Seguros n.º 646/Ano XIII Edição de 10/02/2014 Página

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1976 2014 38 ANOS ao serviço da mediação de seguros. Jornal dos Seguros n.º 646/Ano XIII Edição de 10/02/2014 Página"

Transcrição

1 LUCROS DAS SEGURADORAS SOBEM 27% PARA OS 678 MILHÕES DE EUROS Resultados - Apesar da negativa conjuntura económica, as companhias de seguros beneficiaram da forte melhoria da situação dos mercados de capitais, que fez valorizar os seus activos. Num ano em que a economia portuguesa voltou a estar fortemente deprimida, o sector segurador conseguiu terminar 2013 com cerca de 678 milhões de euros de lucros globais, em boa parte graças à boleia da recuperação dos mercados de capitais. Ou não fosse este um sector que gere 63 mil milhões de euros de activos. Os dados do Instituto de Seguros de Portugal (ISP) revelam uma subida de 27,3% dos resultados, que o supervisor atribui a "uma prudente gestão dos investimentos das seguradoras, à regulação que existe para os investimentos financeiros e a um ano de 2013 de valorização dos activos no mercado de capitais". José Almaça, presidente do ISP, sublinha ainda que das cerca de 43 companhias a operar no mercado "só seis tiveram resultados negativos". O responsável reconhece que foi o ramo Vida (seguros Vida, PPR e outros produtos de poupança) que 'puxou' pelo sector neste último ano mas acredita que, em 2014, também no Não Vida se vai regressar ao crescimento. Em 2013, o cenário económico penalizou sobretudo ramos como o Automóvel e os Acidentes de Trabalho. Ainda assim, para José Almaça, a própria crise também "gerou outras necessidades", o que explica os crescimentos em ramos como Doença (seguros de Saúde) ou em seguros mais ligados à exportação e às empresas, como os seguros de crédito ou caução. Se o resultado global do sector em 2012 beneficiou de 160 milhões de euros de ganhos com operações não recorrentes (resseguro da carteira de risco vida do Santander Totta), em 2013 voltaram a existir factores extraordinários. Desta vez operações semelhantes foram feitas pelas seguradoras do BES e Popular, com um ganho global para o sector de cerca de 163 milhões de euros. Esta realidade, assim como a evolução na margem de solvência das companhias ilustra bem a estreita ligação entre bancos e seguradoras, e como estas são preciosas para os grupos bancários como fontes de obtenção de liquidez e outros fundos. De acordo com os números do ISP, a taxa de cobertura para a margem de solvência das companhias ficou-se nos 220,3%, bem acima do mínimo legal mas abaixo dos 250,7% de Este conforto em termos de solidez financeira permitiu que, no ano passado, explica o presidente do ISP, as companhias tenham podido libertar capitais excedentários ou devolver empréstimos subordinados como forma de originar fundos para ajudar os bancos que as detêm. Tal como o ISP tinha divulgado na semana passada, e depois de dois anos de queda, a produção do sector segurador voltou a crescer, com o volume de prémios a subir 20,2% em 2013, para os 13,1 mil milhões de euros. Foi o ramo Vida que alimentou esta subida global, ao registar um aumento de 33,6% na produção, face à queda de 3,1 % no ramo Não Vida. Os números revelam, por outro lado, que, em termos de quota de mercado, a recentemente privatizada Fidelidade mantém-se na liderança, com uma quota de 26,5%, inferior aos 29,2% de 2012, seguida da BES Vida, Ocidental Vida, BPI Vida e Pensões e Santander Totta Vida. RESULTADOS DE 2013 As seguradoras lucraram, globalmente, 678 milhões de euros no ano passado, mais 27,3% do que os 531 milhões de euros de A produção de seguro direto subiu 20,2% para os 13,1 mil milhões de euros. A Fidelidade, BES Vida, Ocidental Vida, BPI Vida e Pensões e Santander Totta Vida foram, por esta ordem, as companhias líder do sector em A taxa de cobertura de margem de solvência foi de 220,3%. Diário Económico 03/02/ milhões de euros em 2013 PORTUGUESES POUPAM NO SEGURO DO CARRO O prémio médio do seguro automóvel baixou 100 euros nos últimos dez anos, pelo que, face aos 7 milhões de veículos com seguro em Portugal, a poupança anual ascende a 700 milhões de euros, segundo a Associação Portuguesa de Seguradores. Em 2013, o prémio médio por veículo fixou-se nos 225,40 euros, um recuo de 2% face ao valor de 2012, mas muito abaixo dos cerca de 335 euros em que se fixava o prémio médio automóvel em 2003, de acordo com os dados ontem divulgados pela entidade que representa as seguradoras que operam em Portugal. "Este montante representa um recuo de 100 euros face ao valor de há 10 anos, pelo que, em números largos, as famílias portuguesas estão a poupar 700 milhões de euros ao ano", sublinhou Pedro Seixas Vale, presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS). A descida do preço médio do seguro automóvel deve-se à queda da sinistralidade (quer em termos de frequência, quer de gravidade), que, em parte, está relacionada com o ambiente económico, que leva a uma menor circulação rodoviária, logo, uma menor exposição ao risco.

2 Mas também "ao aumento da eficiência das seguradoras, ao reforço da monitorização das autoridades e à melhoria na qualidade da condução por parte dos portugueses", realçou Seixas Vale, ao mesmo tempo que apontou para o reforço da capacidade de segurança dos automóveis em circulação, que tem sido promovido pelos fabricantes. De resto, a redução dos custos com os seguros do segmento automóvel é uma tendência que se deve estender nos próximos anos a outros ramos da actividade seguradora, de acordo com o presidente da APS, uma situação que se explicará pela maior concorrência no mercado, a par da maior eficiência assegurada pelas companhias de seguros na gestão do negócio. Jornal da Madeira 30/01/2014 Concorrentes da Fidelidade estão de olhos postos no líder de mercado MERCADO AGUARDA IMPACTO DA PRIVATIZAÇÃO DA CAIXA SEGU- ROS É com grande expectativa que os operadores do mercado segurador nacional aguardam o impacto da venda de 80% da Caixa Seguros e Saúde ao conglomerado chinês Fosun. A solução escolhida pelo Governo acabou por ser recebida com naturalidade, mas a quota de mercado de 26% detida pelo líder de mercado não deixa nenhuma seguradora indiferente Concluída a privatização da Caixa Seguros e Saúde, o futuro de marcas como a Fidelidade, a Multicare e a Ok! Teleseguros está agora nas mãos do conglomerado chinês Fosun, cuja proposta de aquisição de 80% do braço segurador da Caixa Geral de Depósitos saiu vencedora de um processo que se arrastou durante vários meses. Além das três marcas, todas líderes dos respetivos segmentos, passam para as mãos do operador chinês algumas empresas de prestação de serviços no mercado segurador, nomeadamente a empresa de assistência Cares ou a empresa de prevenção, análise e segurança Safemode. Em causa está, afinal, uma quota de mercado de mais de 26%, cuja passagem para mãos chinesas não deixa indiferentes os restantes operador do mercado segurador nacional. Os primeiros dias pós-privatização não deixaram transparecer qualquer movimentação mais brusca no seio da Caixa Seguros. As equipas que comandavam os destinos das diferentes empresas do grupo mantêm-se operacionais e as redes de distribuição dos produtos das diferentes companhias continuam a fazer o trabalho da mesma forma. Recorde-se que além da maior rede de mediadores, a Caixa Seguros conta também com a distribuição de produtos efetuada via telefone, internet, balcões da Caixa Geral de Depósitos e balcões dos CTT. E é precisamente pela capilaridade da sua rede multicanal que as mudanças na Caixa Seguros e Saúde despertam alguma ansiedade e expectativa nos operadores concorrentes. Ao OJE, os líderes de algumas companhias de seguros confirmaram o interesse com que aguardam o desenrolar do processo, com maiores ou menores índices de preocupação. A maior estabilidade consubstanciada na proposta vencedora é, indubitavelmente, o ponto mais favorável na análise dos operadores. A gestão de uma quota de mercado tão relevante, essa sim, é a questão que levanta maiores anseios. AS REAÇÕES "É um importante sinal de estabilidade" "Pensamos que a aquisição pela Fosun de 80% da Caixa Seguros é mais um sinal de que Portugal, e em particular o mercado segurador, não obstante a evolução dos últimos anos, continuam a apresentar-se como interessantes e com potencial para os investidores. A confirmar-se a continuação da equipa de gestão da Caixa Seguros, tal constituirá também um importante sinal de estabilidade para o setor financeiro português e, em especial, para a sua área seguradora." António Belo, administrador-delegado da MAPFRE "A grande incógnita está na gestão da companhia" "A venda da Caixa Seguros a um privado, a um privado pertencente a um grupo chinês que é pouco conhecido internacionalmente, a um privado que é um conglomerado que opera em muitos setores de atividade, muitos deles bem diferentes do setor segurador (imprensa, imóveis, indústria), e que está a dar os primeiros passos no setor segurador, não deixa de constituir um fator de preocupação para o mercado, até porque falamos da mudança de mãos de uma enorme fatia do mercado segurador português em termos de quota de mercado. Até hoje, em mãos do Estado, as operações de seguros do Grupo Caixa, tirando uma ou outra "trica" assente em personalidades fortes, funcionavam grandemente de maneira muito profissional e responsável em termos concorrenciais e de regulação de mercado. O futuro a Deus pertence. Não me preocupa nada o que a Standard & Poors diz em termos da solidez financeira do comprador FOSUN, até porque aquilo que a Standard & Poors hoje diz, depois daquilo que fizeram em 2008 (dar classificação de AAA a papéis tóxicos, ajudando grandemente à crise financeira internacional), tem muito pouco de credibilidade. Possivelmente nunca mais saberemos quando um rating de muitas destas agências internacionais está assente em análise objetiva, pura e dura, ou é veiculado para servir determinados interesses obscuros. Acredito que a FOSUN terá garantido os meios financeiros para honrar os compromissos que assumiu com o Estado Português, até porque não passou uma semana sobre a compra da Caixa Seguros, e este grupo chinês já estava a fazer

3 uma nova oferta de quase 500 milhões de dólares pela compra da revista Forbes. E um par de semanas antes tinham comprado também por uns 500 milhões de dólares uma das torres de escritórios mais emblemáticas em Manhattan. Ou seja, dinheiro (próprio e/ou proveniente de financiadores, que a liquidez abunda nos mercados) não falta. A grande incógnita vai ser, como dizia atrás, como se vão posicionar em termos de gestão da companhia. Uma coisa é certa. O interesse dos chineses por Portugal prende-se com a qualidade da gestão e dos técnicos que temos. Eles têm o dinheiro, nós temos a expertise em muitas áreas (ciências, engenharias, gestão de grandes projetos de obras públicas e gestão de processos de internacionalização), que lhes falta. Estão a comprar operações que lhes vão permitir encetar processos de internacionalização de maneira bem mais fácil no futuro, do que a partir da China. Essa é a grande mais-valia para eles, muitíssimo válida e importante, dos investimentos cirúrgicos que estão a fazer em Portugal. Para Portugal também terá reflexos importantes, sobretudo em termos de desenvolvimento de carreiras internacionais para técnicos qualificados. Vamos todos é que tratar de aprender rudimentos de Mandarim! Eu já disse às minhas filhas para o fazerem..." José António de Sousa, presidente da Liberty Seguros "Entrada de novo player' vai intensificar dinâmica do mercado" "Vejo com satisfação que o Governo fez, ao que tudo indica, uma análise cuidada ao longo de todo o processo, procurando defender de forma sensata os interesses da Caixa Seguros e da Caixa Geral de Depósitos. Estamos a falar de um pouco mais de um quarto do mercado segurador, e por isso a responsabilidade inerente ao impacto que esta privatização poderá ter no setor só poderia exigir que assim fosse. Não mudando estruturalmente as regras de mercado, e não havendo uma disrupção em relação ao funcionamento de um mercado estável por natureza, acredito que a entrada deste novo player' intensifique a dinâmica do setor." Diogo da Silveira, Presidente da Comissão Executiva da Açoreana "Que se mantenha posicionamento da empresa" "A Caixa Seguros tem desempenhado um papel muito relevante no mercado segurador português, gerando um importante equilíbrio para o setor. Independentemente do acionista, e de eventuais mudanças que possam surgir, a nossa expectativa é que se mantenham estas características fundamentais no posicionamento da empresa". João Leandro, CEO da AXA Portugal Oje Mais Seguro 23/01/2014 TEMPORAL DE JANEIRO CAUSOU MAIS DE 5500 SINISTROS E 11,5 MILHÕES DE PREJUÍZOS O temporal que assolou Portugal continental entre 4 e 7 de Janeiro levou a participação de sinistros, dos quais resultaram prejuízos de 11,5 milhões de euros cobertos pelas seguradoras, revelou ontem a Associação Portuguesa de Seguradores (APS). A larga maioria dos sinistros esteve relacionada com incêndios e outros danos (3.889 sinistros), com a fatia de leão concentrada na habitação (3 349 sinistros) e as restantes partes concentradas no comércio e industria (534 sinistros) e na engenharia (7 sinistros). Depois, sobressaem os sinistros no ramo automóvel (1.631 sinistros) e no último lugar os sinistros com embarcações marítimas, lacustres (lagos) e fluviais (24 sinistros). "Houve muitos automóveis destruídos neste temporal, o que não é muito normal nestas situações", destacou o presidente da APS, Pedro Seixas Vale, num encontro com jornalistas em Lisboa. Ainda assim, conforme realçou o responsável, o temporal de janeiro de 2014 provocou muito menos estragos do que o temporal de janeiro de 2013, quando foram registados mais de 50 mil sinistros e as indemnizações pagas pelas seguradoras ascenderam a 100 milhões de euros. No que toca aos custos assumidos pelo sector segurador com desastres naturais, nota para o tornado em 2012 que causou prejuízos de 3,3 milhões de euros. Em 2010, alem de as indemnizações de 2 milhões de euros assumidas pelas seguradoras devido a um outro tornado, também houve o temporal da Madeira, cujos custos ascenderam a 136 milhões de euros. A subida crescente dos custos suportados pelo sector segurador com fenómenos da natureza e, em parte, explicado pela maior implementação dos seguros multirriscos, salientou Seixas Vale, apontando para as vantagens dos cidadãos subscreverem este tipo de produtos que custam "entre 10 e 14 euros por mês", mas que, quando há desastres naturais, trazem "grandes vantagens" aos segurados. Correio dos Açores 30/01/2014 INDISPONIBILIDADE PARA VENDER MAIORIA DO CAPITAL LIMITA INTERESSE NA TRANQUILIDADE Controlo - A Espírito Santo Financial Group (ESFG) quer manter a maioria do capital da companhia de seguros. O eventual interesse de fundos internacionais na Tranquilidade pode ser posto em causa pelo facto de a Espírito Santo Financial Group (ESFG) querer manter o controlo da companhia, considerada a 'jóia da coroa' do grupo. Ao que sabe o

4 Diário Económico, por ora o que existem são conversas entre grupo de 'private equity' e a companhia, para testar cenários de negócio. No entanto, o interesse não é unilateral por parte dos fundos. A conhecida vontade do grupo de Ricardo Salgado de conseguir suprir, pelos seus meios, as necessidades de capital, sem recurso ao Estado, faz com que, no limite, nenhuma hipótese seja descartada. Depois da privatização da Fidelidade e dadas as necessidades do grupo, haverá vontade de perceber o apetite dos investidores, agora que o sector segurador português entrou no radar de fundos internacionais. O "Jornal de Negócios" deu ontem conta de que, pelo menos, três fundos de 'private equity' estão a cobiçar a Tranquilidade, tendo já pedido informações sobre a companhia. No entanto, se o facto de o controlo da companhia não estar aparentemente à venda, pode ser um entrave, outro será a realidade de já existir um considerável nível de alavancagem com os activos da seguradora que não permite que eventuais investidores possam 'extrair' muita liquidez. Recorde-se que o interesse dos fundos no sector segurador está muitas vezes relacionado com o facto de as seguradoras serem fontes muito relevantes de geração de liquidez pelo elevado volume de activos que gerem. Exemplo disso foi o que se passou na privatização da Fidelidade. Tal como chegou a ser noticiado na imprensa, a Apollo, o candidato derrotado na operação, teria por objectivo a securitização de carteiras de activos da Fidelidade, assim como a monitorização de reservas do seguro automóvel, como forma de obtenção de liquidez. Liquidez essa que podia chegar a várias centenas de milhões de euros. É também por isso que muitos grupos bancários têm normalmente interesse em deter seguradoras. Em grupos financeiros com banco e seguradora, é prática corrente que, sem pôr em causa limites legais e prudenciais, as companhias sejam uma fonte de liquidez para o banco. Questionado em Dezembro pelo Diário Económico sobre a possibilidade de uma eventual dispersão do capital da companhia, o presidente-executivo da Tranquilidade lembrou que "para todos os efeitos, pode-se hoje comprar indirectamente acções da Tranquilidade, através da compra de acções da ESFG", assegurando que "é assim que deve continuar a ser". Brito e Cunha admitia então a vontade da Tranquilidade de, pelo contrário, fazer aquisições em Portugal. E avançava que o mercado português é demasiado pequeno para tantas seguradoras e, por isso, "há espaço e necessidade de alguma consolidação". Ao que sabe o Diário Económico, parte dos interesses na Tranquilidade estarão também relacionados com a possibilidade de a companhia ser ponto de partida para outros movimentos de compras no mercado segurador português. A Groupama está desde 2012 a tentar vender o seu negócio em Portugal, o Banif, como já noticiou o Diário Económico, pode ter de alienar parte da Açoreana, por imposição de Bruxelas, e outros exemplos poderão seguir-se. PRÉMIOS / 349,3 milhões Valor em euros do volume de prémios da Tranquilidade, a 30 de Setembro do ano passado. LUCRO / 15,8 milhões Resultado líquido em euros obtido pela companhia de seguros em igual período do ano passado. Diário Económico 31/01/2014 SEGURADORAS REFORÇAM INVESTIMENTO EM DIVIDA PÚBLICA Resultados - A Associação Portuguesa de Seguradores adianta que os lucros do sector deverão ter voltado a crescer em O sector segurador aumentou em cerca de dois mil milhões de euros a sua exposição a dívida pública portuguesa no ano passado. De acordo com os dados ontem divulgados pela Associação Portuguesa de Seguradores (APS), entre Setembro de 2012 e Setembro de 2013, a exposição subiu, em termos contabilísticos, dos 7,5 mil milhões para os 9,5 mil milhões de euros. Esta evolução e explicada em grande medida pelo aumento do investimento nestes títulos mas também por efeito da valorização das carteiras. Os dados da APS, que incluem ainda o último trimestre do ano, revelam que divida publica portuguesa representa cerca de dois terços da exposição total a risco soberano das companhias. Os números mostram, por outro lado, que a divida publica voltou a assumir mais relevo (30,1 % face a 26,6% em 2012) nas carteiras de investimento das seguradoras, só abaixo das obrigações de entidades privadas, que são ainda a principal fatia (36,1 % face a 42,1 % em sector somava, no final de Setembro do ano passado, perto de 50,5 mil milhões de euros de activos sob gestão, face a 48, 9 mil milhões em igual período de Embora ainda não existam números finais de 2013 em termos de resultados do sector, o presidente da APS adiantou ontem que a expectativa e de uma melhoria face a 2012, com "a grande maioria dos resultados positivos" por companhia. Quanto a 2014, Pedro Seixas Vale mostrou -se optimista, a confirmarem-se os sinais positivos quanto a evolução da conjuntura económica. No entanto, lembrou que será decisiva a evolução dos mercados de capitais, a que se junta o facto de em 2013 terem ocorrido operações extraordinárias "de algumas seguradoras do ramo Vida" que poderão não se repetir este ano. Questionado sobre a recente decisão de venda da Fidelidade aos chineses da Fosun, Seixas Vale defendeu que "a propriedade tem impacto mas não é o fundamental; o fundamental é que se satisfaçam as necessidades dos segurados".

5 Ainda assim, assumiu que esta privatização - fosse qual fosse o vencedor - significa que "no sector segurador passam a ter uma maior importância as empresas estrangeiras do que as nacionais, em termos do valor dos prémios. DADOS DA APS Os custos com sinistros (dados de Novembro) baixaram 7,4% de uma forma global, tendo caído em ramos como os PPR ou o automóvel e subido, por exemplo, nas operações de capitalização, incluindo e multirriscos. O rácio de sinistralidade subiu nos acidentes de trabalho de 92% para 97,8% em Novembro do ano passado; e neste ramo que o rácio é, de longe, o mais elevado. Os números da produção de seguro directo (volume de prémios) da APS confirmam os do supervisor, o ISP, com uma subida de 20% face a O mau tempo verificado em Janeiro deste ano já custou as seguradoras 11,5 milhões de euros, sendo natural que o número final seja superior, diz a APS. Diário Económico 30/01/2014 SEGUROS. PROCURA DE PRODUTOS DE POUPANÇA CRESCEU 42% EM 2013 Segundo o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores, o seguro automóvel custa hoje, em media, menos 100 euros do que há dez anos O sector segurador cresceu 20,4% em 2013, com a produção total a atingir os 12,930 milhões de euros, contra 10,740 no ano anterior. Só o ramo Vida subiu 34%, quase exclusivamente devido ao aumento da procura de produtos de poupança. Entre PPR (planos de poupança reforma) e outros produtos de capitalização, o sector captou perto de 8,3 mil milhões de euros de novas contribuições, mais 42% do que em Os PPR em particular cresceram 37%, com contribuições agregadas superiores a 1,5 mil milhões de euros, anunciou ontem a Associação Portuguesa de Seguradores (APS), que apresentou os dados da produção de seguro directo relativos a 98% do mercado. O presidente da APS, Pedro Seixas Vale, justifica os números. A "apetência dos aforradores individuais pelos produtos de poupança das seguradoras vem comprovar a especial atractividade do seu modelo de renumeração em conjunturas mais voláteis. Na sua larga maioria, oferecem garantias de capital e rendimento aos investidores, o que é um elemento de segurança valorizado em contextos de crise. Em simultâneo, oferecem uma participação significativa nos resultados, envolvendo directamente os aforradores em potenciais valorizações das carteiras", disse. Já para o segmento Não Vida, 2013 foi um ano de contenção, com uma diminuição de 3,4% e quedas do volume de prémios na maior parte dos ramos. O ramo Acidentes de Trabalho foi o que mais caiu (-8%), seguido do ramo Automóvel (-5,5%), onde existe uma pressão concorrencial cada vez maior e que tem condicionado as tarifas e os prémios médios. No ano passado, os portugueses pagaram um prémio médio por veículo de 225,40 euros, menos 2% do que em 2012 e muito abaixo dos 335 euros pagos em Esta descida tem a ver com a diminuição da circulação e menor exposição ao risco (sinistralidade), a maior segurança dos automóveis, a menor gravidade dos acidentes e um maior controlo por parte das autoridades. Os custos suportados pelo sector segurador com fenómenos naturais tem vindo a aumentar, em parte devido à maior implementação de seguros multirriscos. O temporal que assolou Portugal entre 4 e 7 de Janeiro representou prejuízos de 11,5 milhões de euros para as seguradoras. Mesmo assim, estes valores ficaram bastante abaixo dos verificados em Janeiro de 2013, quando foram registados mais de 50 mil sinistros e as indemnizações pagas ascenderam a 100 milhões de euros. "Para 2013, a expectativa é que os resultados da atividade seguradora sejam superiores aos registados em 2012 [o sector teve lucros de 542 milhões de euros] e que a maioria das companhias tenha lucros", disse o presidente da APS. Para Pedro Seixas Vale, o ano ficou marcada pela "menor sinistralidade, nomeadamente no ramo automóvel, pela mudança do perfil das companhias seguradoras, com impacto nos resultados financeiros, pelo ajustamento do modelo de negócio ao ciclo económico, pela estabilidade de emprego e pelo acesso das seguradoras aos mercados internacionais de resseguro". Em Setembro do ano passado, as seguradoras a operar em Portugal tinham cerca de 10 mil milhões de euros aplicados em títulos de divida pública portuguesa (mais dois mil milhões que em 2012). P&R Pedro Seixas Vale/ Presidente da Associação Portuguesa de Seguradores "O Serviço Nacional de Saúde custa, em média, mil euros" Existe uma tendência para as pessoas procurarem também nos seguros uma alternativa ao Sistema Nacional de Saúde? É uma tendência que tem vindo a ganhar expressão. Num pais em que o sistema SNS e tão abrangente - gratuito, para todos e a qualquer momento -, o que leva as pessoas a optar por ter um seguro de saúde e a liberdade de escolha dos prestadores desse serviço, a maior amplitude e a qualidade do serviço. Mas na outro factor: a maioria dos seguros de saúde são baratos, custam em media 267 euros por pessoa/ano, quando o SNS custa, em media, mil euros.

6 Mas a questão é que, além do seguro privado, as pessoas são obrigadas a descontar para o SNS. Devia ser opcional? O SNS tem enormes qualidades e é um bem que os portugueses têm e, muitas vezes, não se apercebem da sua qualidade. Há um caminho a percorrer onde, se for possível, pode haver uma maior responsabilidade individual dos cidadãos. Os sistemas opcionais são sistemas que têm enormes dificuldades em manter-se. A experiencia que existe na Europa mostra que não há muitos países com esse sistema alternativo, porque uma franja significativa das pessoas tem necessidade de ter este bem a preços e custos muito razoáveis. Se o SNS é bom, porque hei-de ter um seguro privado e pagar dois sistemas em vez de um? Mil euros é a média, o que significa que há quem não pague nada e quem pague muito mais. Penso que devem ser as pessoas a tentar resolver os problemas através do seu próprio esforço. Acontece que os seguros de saúde tinham benefícios fiscais que, de alguma maneira, eram resultado do facto de não estarem a utilizar, a sobrecarregar o SNS. Esses benefícios foram fortemente reduzidos, mas tenho a esperança de que, quando sairmos desta situação, quando for possível, sejam repostos. Agora, o mais importante não são as situações individuais, é o país. I 30/01/2014 NOVA ESTRATÉGIA NOS SEGUROS A área de Distribuição da seguradora AIG Portugal tem um novo rosto. Emérico Gonçalves transita da direção do Departamento de Empresa e vai assumir a responsabilidade por todo o desenvolvimento estratégico e gestão dos canais de venda e distribuição de seguros da marca em Portugal. "O ambiente macroeconómico adverso exige foco, visão estratégica e capacidade empreendedora para identificar as oportunidades de crescimento". É com esta postura que Emérico Gonçalves, recém-nomeado diretor de Distribuição da AIG Portugal, assume o seu novo cargo. Com mais de 20 anos de experiência no sector dos seguros. Emérico Gonçalves da direção do Segmento de Empresas da AJG Portugal para a Distribuição, assumindo a gestão de todos os canais de distribuição de seguros em Portugal, incluindo parceiros de negócios, corretores e agentes. Integra a equipa da AIG Portugal desde 2004, depois de passagens pela Newstead & Porter (atual Marsh Mclennan), Gil & Carvajal & Gras Savoye (atual AON Portugal) ou Generali Global. Na AIG somou cargos diversos ligado às áreas de negócio de Acidentes e Doenças ou Empresas. Na nova missão que agora assume quer contribuir para o aumento da presença e expressão da empresa em Portugal Emérico Gonçalves tem como prioridade "desenvolver os canais de distribuição do mercado segurador português e partilhar com os clientes as soluções de vanguarda que caraterizam a proposta de valor da AIG". O novo diretor diz acreditar no potencial de uma nova geração de colaboradores, educada e orientada para um mundo global e diverso, mas reforça: "os líderes devem preocupar-se em manter uma atitude de coaching e motivação dos seus quadros e, por outro lado, preocupar-se em manter os skills necessários para participar ativamente com as equipas no desenvolvimento dos projetos". Estratégias das quais não abre mão. Exame 01/02/2014 BANCA E SEGUROS ESTÃO A CONTRATAR Ano novo, novas prioridades. As estatísticas das oportunidades de emprego divulgadas pelo Expresso Emprego durante o mês de janeiro dão conta de uma dinâmica crescente nos recrutamentos. As empresas estão a regressar ao mercado e ainda que a Engenharia e as TI mantenham a liderança das novas contratações, os dados demonstram que os recrutadores têm novas preocupações no reforço das suas equipas. Sem grandes surpresas, no arranque para 2014, a dinâmica do mercado de recrutamento nacional permanece sustentada pelas ofertas geradas em duas grandes áreas: engenharia e tecnologias de informação. Em 913 oportunidades de emprego divulgadas através das plataformas do Expresso Emprego - versão impressa e sítio online expressoemprego.pt -, 558 são ofertas relacionadas perfis dos diversos ramos da Engenharia ou das Tecnologias de Informação. A grande surpresa deste início de ano é a área da Banca e Seguros que apesar das notícias recentes, pouco favoráveis ao sector, com registo de múltiplos despedimentos e encerramento de agências em várias instituições bancárias, entra em 2014 a apostar forte nas contratações. Sozinho, este sector divulgou no último mês 94 oportunidades de emprego. No ranking dos sectores que geraram em janeiro maior número de oportunidades, a banca figura em quinto lugar, mas foi o que registou maior crescimento face anos meses anteriores. Os dados das ofertas de emprego divulgadas em janeiro no Expresso dão conta de um crescimento da procura de perfis licenciados em economia gestão e contabilidade, mas com especialidades em áreas como a fiscalidade ou o sector segurador. A tendência é acompanhada também pelo incremento do recrutamento por parte das consultoras. Consultores, analistas, controlers, economistas, juristas ou fiscalistas figuram entre os profissionais mais procurados. A merecer destaque durante o último mês está também o aumento da procura de Gestores para cargos de liderança ou de topo. Um sinal de que as organizações estão em mudança e a preparar-se para novos desafios é também a aposta que as empresas estão a realizar na contratação de especialistas em gestão de Recursos Humanos. Um estudo agora divulgado pela consultora de recrutamento Hays aposta a atração, retenção e gestão de talento como o principal desafio das organizações para este ano. As empresas já o perceberam. A braços com a concorrência de empresas estrangeiras que

7 recrutam cada vez mais em Portugal, assegurar a competitividade passa pela retenção de massa crítica e profissionais de excelência. Materializar no terreno esta estratégia poderá não ser tarefa fácil num pais em dificuldades financeiras, razão pela qual as empresas estão a recorrer cada vez mais a gestores de recursos humanos que possam delinear programas específicos que permitam alcançar estas metas. No último mês, o Expresso Emprego divulgou 65 oportunidades para profissionais de recursos humanos. Impossíveis de destronar na liderança dos criadores de emprego permanecem as Engenharias e as TI, com os engenheiros mecânicos e eletrotécnicos a registarem forte procura no mercado. Quem está a recrutar mais Depois de vários rankings liderados por empresas a recrutar para funções internacionais, a lista dos maiores recrutadores de janeiro é 100% nacional, não na origem das empresas mas nos seus objetivos. No último mês, a empresa de sistemas de informação Timestamp destacou-se como a que mais oportunidades divulgou; seguida da consultora Decisões & Soluções que quer contratar este ano 1500 profissionais. Expresso 01/02/2014 E SE O PPR FOR ALTERNATIVA AO SEU DEPÓSITO A PRAZO? Sem benefícios fiscais o resgate é possível a qualquer momento. E a tributação é bastante mais atractiva. E se em vez de fazer um depósito a prazo subscrever um Plano Poupança Reforma (PPR)? O fim dos benefícios fiscais em 2011 retiraram parte do interesse deste produto como complemento de reforma mas abriram também a porta a urna nova forma de o encarar: como simples produto de investimento. Pagam tanto ou melhor do que muitos depósitos a prazo e beneficiam de urna tributação mais atractiva. Já o resgate antecipado, que antes não era opção pois obrigava à entrega dos benefícios recebidos até à data, deixou de ser um problema. Afinal não pode devolver o que não vai receber. Os seguros PPR comparam bem com os depósitos a prazo em quase todos os critérios. Ambos garantem o capital e a larga maioria dos seguros PPR assegura também urna remuneração mínima (ver tabela), que ronda atualmente os 3%. Só 14% dos depósitos a 12 meses oferecem hoje juros iguais ou superiores. Além disso, grande parte dos PPR permite ainda urna participação nos resultados, que sorna à taxa mínima garantida. Mas a grande mais-valia deste produto é mesmo a taxa de tributação dos rendimentos. Enquanto num depósito os rendimentos são tributados a 28%, nos PPR paga 21,5%. A diferença até pode não parecer grande mas é. Uma aplicação de euros a 3% rende-lhe euros, que tributados a 28% passam para euros. Mas se pagar 21,5% arrecada 1.177,50 euros. Ou seja, quase mais 100 euros. A taxa liberatória de 21,5% aplica-se ao resgate antecipado dos PPR fora das condições legalmente previstas. Ou seja, reforma por velhice, desemprego de longa duração, doença grave, pagamento do crédito à habitação, etc. Neste caso a taxa passa para 8%, mas na maioria dos casos o resgate antecipado só é possível cinco anos após a primeira entrega. Já fora destas condições pode resgatar o PPR em qualquer momento pagando 21,5%. E se estiver disposto a manter o investimento entre cinco e oito anos a taxa baixa para 17,2%. A mais de oito anos paga 8,6%. A principal desvantagem deste produto face aos depósitos a prazo podem ser as comissões. Ainda assim não é difícil encontrar no mercado seguros PPR sem comissão de subscrição e de gestão. A maioria cobra ainda comissão de resgate, mas também aqui é possível encontrar produtos que isentam de comissão de resgate a partir do início da segunda anuidade. No que toca às comissões terá mesmo de fazer o trabalho de casa. É essencial encontrar um PPR sem comissões. Diário Económico 31/01/2014 Grupo AXA Assistance TALENTOS EM PROGRESSÃO Desde a admissão, os colaboradores são preparados para evoluir na carreira dentro da empresa e sabem-no bem A gestão do talento é um dos aspetos fortes no Grupo Axa Assistance, que presta assistência em viagem junto dos clientes de várias seguradoras. Para descobrir e formar talentos, os novos colaboradores da companhia são, desde logo, avaliado quanto à sua margem de progressão e preparados tanto nas áreas em que vão operar como noutras relacionadas, para poderem evoluir passado seis meses da admissão. A carreira pode ser feita no país ou num dos países onde o grupo está presente. O Grupo Axa Assistance, cujo principal acionista é o grupo francês Axa (embora seja uma organização distinta da seguradora Axa Portugal) integra três empresas: duas de assistência em viagem (saúde e serviços) e uma, de resseguro, ou seja, que cobre o risco das próprias seguradoras. Todos os colaboradores estão cientes das vagas que existem para progredir na carreira e a mobilidade interna é uma realidade. Em 2013 Foram colocados 10 funcionários em novas funções, fruto dessa facilidade. Por exemplo, no verão, altura em há mais trabalho no call center da assistência, a empresa seleciona empregados temporários, mas frequentemente essas pessoas acabam por ser contratadas após três meses. "Para nós, ter talento é ter a capacidade para entrar em áreas de supervisão, dominar línguas estrangeiras ou ter urna atitude de orientação para o cliente", explica Isabel Varela, diretora do departamento de Administração, Recursos e Qualidade. Ela própria usufruiu das oportunidades de carreira oferecidas pela empresa: entrou em 1990 como assistente e passados 24 anos tem um cargo de chefia.

8 A progressão na carreira esta bem definida e todos a conhecem. Entra-se como assistente estagiário, após dois anos passa-se a assistente Júnior, depois a assistente e, por fim, à categoria de assistente sénior, que domina todas as células e faz assistência internacional. Depois, o salto seguinte é para team leader ou gestor de equipas, supervisor ou supervisorcoordenador, que gere o departamento de assistência e é o braço-direito do diretor. "Dos sete diretores atuais, apenas dois não são fruto de progressão interna na carreira", explica o diretor-geral Eduardo Piçarra, um desses casos que foi recrutado no exterior. Ações a preço de desconto A oferta de stock options motiva os empregados, pois fá-los sentir parte do sucesso. É o caso do programa AXA Miles, com que se distribui gratuitamente 50 ações do Grupo Axa, cotado em Bolsa, a cada colaborador com contrato de trabalho sempre que todos os escritórios do Grupo Axa atinjam os seus objetivos. Outro programa de distribuição de stock options é o Shareplan. Permite que cada um possa comprar ações do Grupo Axa, com 20% de desconto. Exame 01/02/2014 Seguro Directo MINIMIZAR A CRISE A seguradora procura minimizar os efeitos da crise e oferece mais regalias. Remuneração atrativa é um dos aspetos preferenciais No início deste ano, e após 17 anos da marca Seguro Direto, a insígnia, que pertence à multinacional seguradora Axa Global Direct, mudou de logótipo e de designação para Direct, o que representa um novo posicionamento no mercado e novos desafios para os colaboradores. Apesar da mudança de nome, as condições e regalias mantêm-se inalteradas. Na Direct, o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional está no topo das prioridades. A empresa disponibiliza apoio jurídico, psicológico e social com vista a minimizar os efeitos da crise. "Em 2013 tivemos a necessidade de criar medidas a nível da emergência social. Temos uma faixa etária muito jovem, com alguns colaboradores em situação de incumprimento e casos de penhoras do vencimento", refere Sandra Moás, diretora-coordenadora da companhia. A Direct oferece também outros benefícios para facilitar o dia a dia dos funcionários, como a entrega de medicamentos na empresa, a disponibilidade de um médico, uma vez por semana, encomendas de legumes e fruta fresca, assim como a oferta do Serviço Mordomias, que consiste num estafeta para todos os trabalhadores do grupo AXA. "Tentamos trazer as responsabilidades pessoais para a empresa", refere Sandra Moas. O clube de colaboradores AXA disponibiliza ainda, dentro do próprio edifício, uma série de espaços de utilidade e lazer: cafetaria com refeições ligeiras, um espaço mais informal, com snooker e televisão, e um ginásio. Todas estas regalias agradam aos funcionários que apresentam a maior taxa de satisfação dentro grupo, segundo os últimos inquéritos internos, apesar de Portugal ter um peso de apenas 1% no total. Massagens para grávidas A remuneração atrativa, com uma forte componente variável, em função das vendas e dos objetivos é um dos pontos fortes da seguradora. Os benefícios incluem ainda o pagamento de 25% da creche dos filhos, seguro de saúde extensível ao agregado familiar e ainda a oferta de uma massagem por mês às colaboradoras grávidas. Além disso, o horário de trabalho de seis horas por dia no call center permite que vários colaboradores possam ter um segundo emprego ou mais tempo para os filhos, o que facilita o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional. À semelhança do que acontece no sector segurador, os colaboradores da Direct também usufruem de um plano de progressão na carreira e são desafiados a sair de Portugal, através de um programa de mobilidade, que privilegia experiências em Espanha - uma vez que a gestão ibérica está centralizada neste país -mas também noutras filiais do grupo. No futuro, um dos objetivos é integrar pessoas com deficiência motora. Exame 01/02/2014 TOMÁS SALVADO 42 anos/lisboa/união de facto/ 1 filho/ Pós-graduado em Gestão Vai assegurar a direção financeira da seguradora Real Vida Seguros. A nomeação de Tomás Salvado para o cargo acontece na sequência da aquisição da seguradora pela Patris Investimentos SGPS. No currículo o novo diretor soma cargos de liderança em instituições como o Royal Bank of Scotland, onde foi diretor financeiro e de operações na sucursal de Lisboa. Expresso 01/02/2014

9 ROTATIVIDADE ESTIMULADA A aposta na prata da casa é o que mais diferencia a empresa liderada por Carlos Leitão. Palavra de ordem: envolver Fernanda Mota está na Via Directa, companhia de seguros do universo CGD, há 15 anos. Começou como operadora de call center, em 1998, e hoje é responsável pela área de Recursos Humanos e Formação. Pelo caminho, assumiu funções de supervisão, coordenação e integrou o gabinete técnico-funcional. No ano passado, assumiu mais um desafio: liderar o departamento de Recursos Humanos. "Somos constantemente desafiados a aprender e isso faz com que tenhamos a possibilidade de crescer com a empresa", diz. Os vários casos de mobilidade interna são prova disso, conta a responsável. Cerca de 80% dos colaboradores da Via Directa vêm do call center. "Fomentamos muito a rotatividade, porque não queremos que as pessoas façam carreira só num sítio. Queremos que ganhem competências em várias áreas e que acabem por chegar à função adequada", explica Carlos Leitão, administrador-delegado. Quando um departamento identifica uma necessidade, é lançado um processo de mobilidade interna, ao qual todos os colaboradores podem concorrer. Para o administrador, o facto de a maioria dos quadros ter crescido na companhia distingue-a. "Foram recrutadas muito poucas pessoas externas. Esta é uma empresa em que as pessoas, sobretudo as mais antigas, têm um sentimento quase de posse, em que vestem a camisola de forma diferente", acrescenta. Carla Rosário é outro exemplo de recrutamento e mobilidade interna. A gestora da relação (faz a ponte entre a informática e o negócio) está na sociedade há 13 anos e, tal como Fernanda Mota, começou como operadora de call center. Em 2014, vai assumir mais uma função: formadora interna, outra aposta na prata da casa. Em Junho de 2013, alguns os colaboradores/ da Via Directa foram certificados como formadores pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, com o objetivo de enriquecer as suas competências técnicas e pedagógicas. Envolver todos os colaboradores Carlos Leitão, diz que uma das preocupações da organização é encontrar novas formas de envolver as pessoas. Por isso, lançaram a iniciativa "Envolver", que visa abrir a organização aos colaboradores. "O objetivo é que todos saibam o que está a acontecer, quais são os objetivos e o que é que está a ser feito por todos para atingi-los", acrescenta. Cerca de duas semanas antes do Natal, houve testa com crianças na Via Directa, o "OK! Kids", Os filhos dos funcionários tiveram oportunidade de passar o dia no escritório dos pais, uma iniciativa que já vai na quarta edição. A empresa afirma que valoriza o bem-estar, não só do colaborador mas também da família. Por isso, dispensa os pais (com filhos até aos 10 anos) durante a manhã do primeiro dia de aulas, a véspera de Natal e a tarde da quinta-feira anterior ao Domingo de Páscoa. Exame 01/02/2014 APS QUALIFICA NOS SEGUROS A Academia Portuguesa de Seguros está a alargar a sua oferta formativa A Academia Portuguesa de Seguros (APS), entidade formadora da Associação Portuguesa de Seguradores, prepara-se para lançar uma nova edição do curso de "Gestão de Projetos em Seguros - Metodologia PMI/ PMBOK". A formação insere-se na política de investimento que a associação tem vindo a desenvolver, tendo como objetivo a crescente qualificação dos profissionais do sector segurador. O curso tem início agendado para 12 de março. Proporcionando aos formandos os conhecimentos necessários para a gestão de projetos presentes no PMBOK, aplicada às especificidades do sector segurador, e possibilitando o entendimento das diversas metodologias, modelos, frameworks de referência no mercado, nas áreas de projeto, processos, requisitos, qualidade e melhoria contínua, o curso trabalhará igualmente temáticas como a identificação e gestão das atividades das etapas de pré-projeto, projeto e pós-projeto, a definição de objetivos internos e externos e garantir a gestão da satisfação e da qualidade das entregas aos stakeholders e as melhores práticas de gestão do planeamento, estimativas, custos, qualidade ou risco, da gestão de fornecedores, de recursos humanos e de partes interessadas nos projetos. Ao todo são 24 horas de formação, divididas por oito sessões, a realizar em março. A formação tem como destinatários colaboradores do sector segurador que exerçam funções de gestores de projetos, assistentes de gestores de projeto e programa, membros de equipas de projeto e quadros técnicos. Para potenciar a qualificação dos profissionais do sector, a: APS tem vindo a aumentar a sua oferta formativa e a estabelecer parcerias com várias empresas especializadas em áreas relevantes para a atividade seguradora, A recente parceria com a consultora PwC para a realização do curso de Contabilidade Técnica de Seguros, atualmente a decorrer, é disso um exemplo. O programa, cuja formação é assegurada por especialistas da PwC, está sustentado numa: plataforma online, mas inclui como opção adicional a formação presencial. As inscrições para a formação de "Gestão de Projetos em Seguros - Metodologia PMI/PMBOK" estão a decorrer e podem ser formalizadas através da página da APS. Expresso 01/02/2014

10 OPTIMIZAÇÃO FISCAL: NÃO DEIXE O SEU PPR CHEGAR AO VENCI- MENTO José Santos Teixeira, Presidente da Optimize Os PPR (Planos Poupança Reforma) foram concebidos para ter duas fases na sua "longa vida": A fase de constituição de uma poupança de longo prazo ou fase de capitalização. A fase de descapitalização, ou seja, de recuperação da poupança acumulada, como complemento das reformas oficiais. Tendo em conta que em todos os PPR uma parte das carteiras de activos que os constituem, são Obrigações do Tesouro (português ou outros), os sucessivos Governos têm sempre mantido um tratamento fiscal muito favorável para esta poupança de longo prazo: A exoneração fiscal total para todos os rendimentos e mais-valias obtidos pelos títulos das carteiras dos PPR. O pagamento de um imposto limitado a 8% a partir dos 60 anos sobre a mais-valia verificada quando do resgate total ou parcial do PPR. Ou seja, tem existido uma enorme preocupação por parte dos sucessivos Governos em beneficiar a Poupança Complementar para a Reforma, realizada quer via PPR quer Fundos de Pensões. Deste modo, chegar à idade da reforma, encaixar a totalidade do PPR, para fazer outra aplicação constitui, em princípio, um "triplo hara-kiri": 1 - Vai pagar 8% sobre a totalidade da mais-valia do PPR, sendo a poupança imediatamente diminuída desse valor entregue ao Estado. 2 - Vai subscrever, normalmente, um novo produto financeiro sujeito ao imposto normal de 28% sobre rendimentos (de acções e obrigações) e sobre as mais-valias. 3 - Vai, eventualmente, pagar novas comissões de subscrição dos novos produtos. Ou seja, o comportamento fiscal de deixar "chegar ao vencimento" um PPR (Seguro ou Fundo) só pode ser explicado pelo "Síndroma do Tio Patinhas" que quer "ver dinheiro na sua conta bancária.'' Esta "catástrofe fiscal" pode ser evitada com a assinatura de uma simples "Carta de Transferência" do seu PPR Seguro (com vencimento que não devia existir) para um PPR Fundo de Investimento que nunca tem vencimento previsto e obrigatório. Evidentemente que existe uma diferença entre os dois PPR: O das Seguradoras é garantido, embora de baixo rendimento (2% a 4%). O das gestoras de fundos não é de capital, nem de rendimento garantido, mas têm beneficiado de rentabilidades bastante superiores (de 4% a 7%/ano, nos últimos 5 anos.) Gerir com uma estratégia de Optimização Fiscal é, também, uma das componentes, importantes da gestão na sua reforma. Diário Económico 31/01/2014 ALLIANZ CRIA ESPAÇO ONLINE PARA CLIENTES GERIREM OS SEUS SEGUROS A Allianz Portugal criou um espaço online de gestão de seguros dos clientes - ecliente Allianz - que, entre diversas outras funcionalidades, permite a consulta dos contratos (coberturas, capitais, etc.), consulta dos recibos de prémio, anexar documentação digital, e participar um sinistro automóvel ou de habitação. A nova plataforma está acessível no site da seguradora (www.allianz.pt) a todos os clientes particulares, através de um menu dedicado e após registo pessoal e solicitação de um código individual de acesso. Vida Económica 31/01/2014 DIRECT LANÇA NOVA APLICAÇÃO A Direct, nova designação da marca Seguro Direto, lançou uma aplicação (para Android e ios). Entre outras funcionalidades, apresenta um detetor automático de acidentes, um reminder de estacionamento e permite a participação de sinistros. Em caso de acidente, a aplicação aciona automaticamente a assistência em viagem, alertando para a possibilidade de uma situação de perigo. Vida Económica 31/01/2014 SEGUROS TEM 10 MIL MILHÕES DE DÍVIDA PORTUGUESA CONTAS - As seguradoras a operar em Portugal tinham 9,5 mil milhões de euros de divida publica portuguesa no final de setembro de No entanto, tendo em conta a valorização dos títulos, o montante em carteira terá ascendido a dez mil milhões no final do ano. Os números foram ontem apresentados pela Associação Portuguesa de Seguradores (APS). A produção de seguros registou um crescimento de 20,4%, ascendendo a 12,9 mil milhões de euros, bem acima dos 10,7 mil milhões de "Voltamos ao crescimento em Esta é a segunda maior taxa de crescimento desde Houve um crescimento significativo, uma evolução favorável da sinistralidade automóvel e uma mudança no perfil de

11 investimento", assegurou a APS. A suportar esta progressão esteve o ramo Vida, que cresceu 33,8%, ascendendo a 9,2 mil milhões de euros, suportado fortemente pela componente dos PPR, que registou uma progressão de 36,8%, enquanto o Não Vida registou uma queda de 3,4%, atingindo os 3,7 mil milhões, por estar mais dependentes da atividade económica. Diário de Noticias 30/01/2014 PRODUTORES DE VINHO DA REGIÃO PODERÃO ACEDER A SEGURO DE COLHEITAS NO PRÓXIMO ANO Os produtores de vinho dos Açores poderão aceder a seguros de colheitas em 2015, revelou ontem o secretário regional dos Recursos Naturais, indicando que um grupo de trabalho vai "definir as particularidades" do sector nas ilhas. Neto Viveiros disse a agência Lusa que este foi um dos assuntos que abordou ontem com o secretário de Estado da Agricultura, José Diogo Albuquerque, numa reunião em Lisboa. Segundo o secretário regional, a expectativa é que o seguro de colheitas na área da vinha, que já funciona há algum tempo no continente, seja extensível aos Açores num "futuro breve". Para isso, o Governo dos Açores vai "constituir um grupo de trabalho que irá definir as particularidades da região, que são naturalmente diferentes daquilo que acontece nas zonas vitivinícolas no continente" e "muitas vezes são próprias de cada uma das ilhas". A definição dessas particularidades vai permitir depois "uma negociação com as seguradoras" e a disponibilização deste seguro aos agricultores dos Açores "já na campanha de 2015", acrescentou. A par deste trabalho, será necessário que o Governo da República leve a cabo algumas "alterações legislativas", através de uma portaria, de forma a dar uma "abrangência maior" ao acesso ao seguro, que inclua as duas regiões autónomas, explicou Neto Viveiros. Nesta "reunião de trabalho" com o secretário de Estado, o governante açoriano transmitiu ainda "preocupações" do arquipélago relacionadas com a fase de transição entre quadros comunitários de apoio e a preparação do novo período de programação de fundos comunitários ( ). Neste âmbito, reiterou que esta garantido o financiamento, no próximo quadro comunitário, de projectos agrícolas já apresentados, que serão "devidamente apreciados e aprovados", sem que os candidatos tenham de fazer "qualquer intervenção". Neto Viveiros adiantou ainda que abordou com o secretário de Estado a questão do processo de revisão do programa europeu específico para as regiões ultraperiféricas, o POSEI. "Pedimos ao senhor secretário de Estado o seu empenho junto da Comissão [Europeia], conforme também temos feito, para que as medidas que os Açores recebem sejam de facto contempladas", disse Neto Viveiros, dizendo que obteve "bom feedback"', que o secretário de Estado "partilhou das preocupações" açorianas e que "em oportunidades que ai virão exercerá a sua influência junto da comissão para que as expectativas dos Açores sejam perfeitamente satisfeitas". Diário dos Açores 30/01/2014 Multas variam entre 250 e euros POLICIA APANHA 411 SEM INSPECÇÃO EM 2013 Na Madeira, a Policia detectou em 2013 um total de 411 veículos sem inspecção obrigatória e 212 condutores com falta de seguro. Ainda assim, os números diminuíram em relação a anos anteriores. Comando Regional da Madeira da Polícia de Segurança Publica detectou em 2013 um total de 411 veículos que circulavam sem inspeccão e 212 sem seguro. Ainda assim, este número baixou em relação a 2012 (falta de inspeccão 523 e falta de seguro 329). Em 2011 esses valores são também mais elevados em relação a 2013 (583 e 274, respectivamente). A falta de um contrato de seguro de responsabilidade civil para os veículos a motor e punida por lei e pode implicar apreensão do veículo, pagamento de uma coima e, em caso de acidente, a responsabilização do condutor ou do proprietário desse veículo pelo pagamento de indemnizações aos lesados. Neste caso, a falta de seguro em caso de automóvel corresponde a uma sanção de 500 euros se pagar voluntariamente. Caso contrário pode ir até euros. Do mesmo modo, se for motociclo ou ciclomotor a sanção varia entre os 250 e os euros de acordo com o artigo 150º. do Código de Estrada. Por seu lado, se o condutor não possuir a ficha de inspecção periódica que comprova a realização da mesma, emitida pela entidade gestora do Centro de inspecção, e punido com uma coima de 250 euros se pagar voluntariamente. Se for pessoa colectiva este valor pode aumentar até os euros previsto pelo artigo 114º. e que se relaciona com o 116º. do Código de Estrada. Segundo dados recolhidos, se algum dos condutores não exibir documentos comprovativos do contrato de seguro, os outros intervenientes no acidente devem recolher os dados atras referidos, em particular a matrícula e a identificação do condutor, e pedir informações ao Departamento de Apoio aos Consumidores do ISP sobre a forma de localizar a empresa de seguros a partir da matricula, ou de recorrer ao Fundo de Garantia Automóvel, se não existir seguro valido. Aconselha-se também que seja solicitada a presença das autoridades policiais.

12 O Fundo de Garantia Automóvel (FGA) e um fundo autónomo que funciona junto do Instituto de Seguros de Portugal. Este fundo garante o pagamento das indemnizações devidas por danos corporais e ou materiais, decorrentes de acidentes de viação causados por veículos que não tenham o seguro obrigatório válido ou eficaz a data do acidente. Só estão abrangidos pelo Fundo de Garantia Automóvel os acidentes causados por veículos matriculados em Portugal e, de um modo geral, em países não aderentes ao sistema de Carta Verde. Por sua vez, os responsáveis pelos danos indemnizados pelo Fundo de Garantia Automóvel ficam obrigados a reembolsar, com juros, os montantes gastos. No caso da falta de inspecção. Ainda de acordo com dados disponíveis, o "novo" Código da Estrada não deixa passar em branco a falta de inspecção, apesar de esta infracção ser considerada leve, punível apenas com coima, que pode ir dos 250 aos 1250 euros. Uma situação um tanto invulgar visto a falta de inspecção obrigatória poder significar falta de segurança do veículo, e poder colocar em perigo o próprio condutor, assim como os outros. O valor da multa varia conforme a gravidade da situação. Isto é, caso o veículo tenha apenas faltado a inspecção é penalizado com uma coima no valor de 250 euros. Caso o automóvel esteja modificado e não tenha essas modificações averbadas nos documentos, a multa pode ir até aos euros, mais a inspecção obrigatória. Caso se prove que as transformações prejudicam a segurança e o funcionamento normal da viatura, a DGV poderá exigir ao proprietário que reponha as condições normais da viatura. Jornal da Madeira 30/01/2014 Sessão de abertura DIVIDA PORTUGUESA CONTRA TODOS OS RISCOS A dívida portuguesa passou de mal-amada para a preferida de muitos investidores. Não foi do dia para a noite. Foi preciso que existisse visibilidade sobre o apoio dos pares europeus, mas também que a economia portuguesa desse sinais positivos. Entrou-se, mais recentemente, num ciclo virtuoso em que a forte valorização dos títulos, acelerando a descida dos juros implícitos no mercado, trouxesse de volta o apetite pelas obrigações do Tesouro. Entre os investidores que voltaram a confiar na dívida nacional estão as seguradoras portuguesas. De acordo com os dados divulgados pela Associação Portuguesa de Seguradores, o valor nominal das aplicações em títulos da Republica aumentou em 20% no final de Setembro, para um total de 10 mil milhões de euros. O peso destes títulos nas carteiras de investimento da indústria ascendeu a 30,1%, um aumento de 3,5 pontos percentuais face aos 26,6% verificados um ano antes. Não quer isto dizer que a divida nacional esta mais protegida, que tem um seguro contra todos os riscos, como um automóvel. Mas mostra que há sinais de um regresso ao passado, no bom sentido. Ou seja, que investidores de mais longo prazo, como são as seguradoras, acreditam que Portugal manterá o rumo em direcção ao acesso pleno aos mercados de divida. Jornal de Negócios 30/01/2014 Seguros SEGURADORAS BENEFICIAM COM A POUPANÇA O AUMENTO da procura de produtos de poupança das seguradoras, com destaque para os Planos Poupança Reforma (PPR), contribuiu decisivamente para o aumento de 20% no volume de receitas das seguradoras em 2013, confirmou ontem o presidente da Associação Portuguesa de Seguradores (APS). Pedro Seixas Vale revelou que só os PPR tiveram, no ano passado, um crescimento de 37%, enquanto o índice de resgates destes produtos ficou nos 31,2%. "2013 demonstrou mais uma vez a eficiência do setor segurador como gestor de poupanças e o PPR é, em média, o melhor produto financeiro, em termos de garantias e rentabilidades nos últimos cinco anos'', sublinhou. Os dados apurados pela associação apontam para um volume total de receitas de 12,9 milhões de euros em Mais de 9 mil milhões correspondem a receitas do Ramo Vida, que cresceu 33,8% face a Já o Ramo Não Vida registou uma quebra de 3,4%, com receitas no valor de 3,7 mil milhões de euros. Oje 30/01/2014 Mealhada LIBERTY SEGUROS INTERVÉM NA REFLORESTAÇÃO DO BUÇACO No âmbito da sua política de responsabilidade ambiental e social, e em parceria com a Fundação da Mata do Buçaco, a Liberty Seguros irá, amanhã, pelas 10H00, plantar 2000 novas árvores, na zona do Pinhal do Marquês, da Mata do Buçaco. O encontro está marcado para as 10H00, na sala das Pedrinhas, no Palace Hotel do Bussaco. A iniciativa, realizada no âmbito do Projeto BRIGHT, conta com o presidente e CEO da Liberty Seguros, José de Sousa, do presidente da Fundação Mata do Buçaco, Fernando Correia, e de 160 colaboradores da empresa numa ação de

13 voluntariado, cujo objetivo é contribuir para a reflorestação da área afetada pelo Ciclone Gong que, em janeiro de 2013, derrubou mais de um milhar de árvores. A Mata do Buçaco, uma das matas nacionais mais emblemáticas e ricas em património natural, recebe anualmente 200 mil visitantes e é um dos destinos de excelência do Centro que faz parte dos roteiros turísticos internacionais mais conhecidos. Diário Beiras 28/01/2014 SEGUROS DE SAÚDE João Antunes, consultor da OTOC Com o OE/2014 passa a estar expressamente considerado que não são rendimentos da categoria A - trabalho dependente, as importâncias suportadas pelas entidades patronais com seguros de saúde ou doença em benefício dos seus trabalhadores ou respetivos familiares desde que a atribuição dos mesmos tenha caráter geral. Relacionada com esta medida está também a alteração prevista na Lei de Reforma do IRC, através da qual se passa a prever a dedutibilidade do gasto com seguros de saúde ou doença em benefício dos familiares dos trabalhadores. Diário de Notícias 27/01/2014 Reforma INVESTIMENTO EM PPR DISPAROU 38% EM 2013 Portugueses aplicaram mais 425 milhões de euros em PPR do que no ano anterior. Necessidade de precaver a reforma justifica maior investimento Os Planos Poupança Reforma (PPR) voltaram a atrair os portugueses. O investimento nestes produtos disparou 38% no último ano, beneficiando de uma maior consciência para a necessidade de constituir uma poupança para os "anos dourados". Foram aplicados mais de 425 milhões de euros em PPR. As novas contribuições para PPR subiram pela primeira vez em três anos, segundo os dados divulgados pela Associação Portuguesa de Seguradores (APS), relativos à produção anual em O montante total aplicado subiu para os milhões de euros. Esta forte evolução, que já tinha sido visível no relatório intercalar do ano passado, demonstra a maior preocupação dos investidores nacionais em tomada reforma, num ano em que o Governo revelou novos cortes nas pensões dos pensionistas. E anunciou a subida da idade da reforma para 66 anos. A perspectiva de que o sistema de pensões público terá dificuldade sem manter o nível de prestações ajuda a explicar o aumento. "Esta apetência dos aforradores individuais pelos produtos de poupança das seguradoras vem comprovar a especial atractividade do seu modelo de remuneração em conjunturas mais voláteis", defende Pedro Seixas Vale. O presidente da APS adianta ainda que "na sua larga maioria, oferecem garantias de capital e rendimento aos investidores, o que é um elemento de segurança obviamente valorizado nestes contextos". Mas oferecem "em simultâneo, uma participação significativa nos resultados, envolvendo directamente os aforradores em potenciais valorizações das carteiras, concluí. Longe dos valores de 2010 Apesar da forte subida do investimento em PPR, face a 2012, os valores aplicados nestes produtos comercializados pelas seguradoras continuam longe dos montantes registados em 2010, ano em que alcançaram os milhões de euros. Valor que caiu 60%, em Fruto do fim dos benefícios fiscais nos PPR. O Orçamento do Estado para 2011 veio impor um tecto máximo de 100 euros nos benefícios fiscais totais. Enquanto até ao final de 2010 os PPR podiam obter um benefício fiscal máximo de 400 euros na factura do IRS, actualmente esse valor não vai além de 100 euros e já engloba todos os benefícios. Este desincentivo à poupança de longo prazo teve impacto nos últimos dois anos, mas a maior percepção da necessidade de poupar para a reforma poderão estar na base desta mudança de comportamento, Em Agosto, Seixas Vale sublinhava ao Negócios que a mentalidade dos portugueses já estava a mudar. Reformados sob pressão Os reformados têm sido penalizados pelos cortes do Governo, reduzindo-lhes o valor da reforma. O Executivo vai compensar o chumbo de várias medidas por parte do Tribunal Constitucional com cortes nas pensões. Passos Coelho aprovou o alargamento da Contribuição Extraordinária de Solidariedade para pensões até euros, uma medida que vai afectar cerca de 140 mil pensionistas. A que acresce o aumento das contribuições para a ADSE. Os novos cortes deverão entrarem vigor até Abril. Jornal de Negócio 03/02/2014

14 PPR DO ESTADO RENDEU MENOS QUE FUNDOS PRIVADOS Rentabilidade nos últimos 12 meses ficou ligeiramente acima de 3%. Fundos ofereceram mais de 4% Certificado de Reforma, mais conhecido por PPR do Estado, teve um desempenho positivo no último ano. Valorizou-se ligeiramente mais de 3%, beneficiando da aposta no mercado accionista Mas o retorno alcançado não o permitiu, contudo, de ombrear com os fundos de poupança para a reforma que apresentam uma exposição idêntica a activos de maior risco. Os dados do Instituto de Gestão de Fundos de Capitalização da Segurança Social (IGFCSS), referentes a 8 Janeiro, revelam que o Certificado de Reforma completou os últimos 12 meses com uma rentabilidade de 3,04%. Bateu o índice que representa um a carteira de dívida pública alemã até 10 anos, que perdeu 0,09%, mas ficou aquém dos fundos de PPR que renderam mais de 4%. De acordo com a APFlPP, em 2013, os fundos de poupança para a reforma apresentaram uma rendibilidade média de 4,1%. Os que aplicam mais de 35% do montante sob gestão em acções ofereceram retornos bem superiores, de 6,42%, seguidos da categoria em que estes activos de maior risco pesaram entre 15% e 35%, que fecharam o ano com uma valorização de 4,79%. As acções pesam 16,48% no PPR do Estado. Foi a aposta nas acções que deu um forte contributo para o desempenho do Certificado de Reforma, com uma rendibilidade de 15,27% nos últimos 12 meses. À entrada para o último mês de 2013, a carteira de acções do PPR do Estado apresentava um ganho anual de 13,58%, sendo que o bom desempenho das bolsas na recta final do ano passado permitiu ampliar o registo destes títulos. Mais divida As acções representam uma importante "fatia" do investimento destes títulos, mas o grosso da carteira está exposto à dívida pública. Dos 29,4 milhões de euros sob gestão, 7,47 milhões (25,35%) está aplicado em obrigações portuguesas, mas a maior aposta recai sobre títulos emitidos por países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). O bom desempenho da dívida nacional no ano passado permitiu ao PPR do Estado alcançar um retorno de 2,44%. Já a dívida de países da OCDE, apesar de dar um contributo positivo para o retorno global, apresentou uma valorização de apenas 1,07%. Dado o elevado peso na carteira, estas obrigações acabaram por travar a rendibilidade deste complemento de reforma destinados a cidadãos abrangidos por regimes de protecção social obrigatórios, como a Segurança Social e a Caixa Geral de Aposentações. Jornal de Negócios 03/02/2014 SEGURO PERMITE POUPAR NA PRESTAÇÃO DA HABITAÇÃO POUPANÇA Pensado para clientes que têm crédito habitação e pretendem poupar no custo global da prestação, o Tranquilidade Crédito Casa 2.0 surge como a novidade do mercado de seguros de vida, tanto pelas coberturas que oferece como pela simplicidade do processo e com um preço competitivo. "O seguro Tranquilidade Crédito Casa 2.0 é simples e inovador, com formalidades médicas muito reduzidas e cómodas, realizadas através de uma tele-entrevista, com total profissionalismo e confidencialidade. É um produto adequado e dinâmico, na medida em que o estilo de vida de cada pessoa é fator para a definição do preço, garantido as melhores condições contratuais. De 5 em 5 anos é ainda oferecida uma avaliação de saúde e bem-estar", referem os promotores do produto. O Tranquilidade Crédito Casa 2.0 está adaptado às principais preocupações de segurança. Em situação de desemprego involuntário, hospitalização ou incapacidade temporária e absoluta, reembolsa os prémios mensais pagos nesse período (até 6 meses nas primeiras duas situações e até 12 meses na última). Dirigido ao segmento particulares, este seguro de vida permite reforçar o nível de protecção, pois para além das habituais coberturas de morte e invalidez, disponibiliza ainda a cobertura de 16 doenças graves. Diário Regional Viseu 29/01/2014 ZURICH ABRE LOJAS EM OLIVEIRA DO HOSPITAL E FORNOS DE ALGODRES A Zurich reforça a sua presença no centro do país, com a inauguração de dois espaços de atendimento ao cliente em Oliveira do Hospital e Fornos de Algodres. As cerimónias estão marcadas para amanhã, às 10h00 e às 12h30, respectivamente. Diário de Coimbra 03/02/2014 AS 10 PERGUNTAS QUE VÃO SEGURAR A SUA CASA O Negócios diz-lhe tudo o que precisa de saber antes de contratar o seguro que protege os móveis, tapetes, máquinas, chão, tecto e as paredes do seu lar. Incêndios, tempestades, inundações ou furto: nenhuma casa está a salvo. Os acidentes acontecem sem pré-aviso, quer sejam causados pela fúria da Mãe Natureza ou pela mão humana - que, o diga a família de Évora que ficou sem casa na noite de Ano Novo, devido a um incêndio. Quem for proprietário de um apartamento, por exemplo, é obrigado a contratar um seguro de incêndio para as pare-

15 des. Mas isso não protege o investimento feito em roupas, electrodomésticos, móveis, "gadgets" ou equipamentos electrónicos, Nem cobre os estragos provocados pela ruptura de um cano ou uma inundação. Para estes casos, deve contratar um seguro multirriscos habitação O prémio é apurado em função do capital declarado e condicionado por outros factores, como a existência de equipamentos de protecção contra roubo e prevenção contra incêndio. Exemplo: grades nas janelas, portas de entrada blindadas ou extintores. "O risco é menor se tiver um conjunto de protecções, mas os descontos variam consoante a seguradora", explica Mónica Dias. O reverso da medalha são os agravamentos. Se declarar na proposta que vive num prédio construído em 1900, por exemplo, a seguradora pode aplicar um agravamento ao prémio. A selecção do seguro deve ser feita pelo preço, consciente de que quanto mais elevado for o capital seguro, mais caro será o prémio. Deve incluir essa informação na data da renovação da apólice, anualmente, para que possa ser devidamente indemnizado em caso de sinistro. Caso este aconteça antes de fazer a atualização, recebe apenas o valor limite estabelecido pela seguradora, que pode ir até aos euros, consoante as apólices. A Deco também aconselha a que taça urna reavaliação do recheio total da sua casa de quatro em quatro anos. O capital seguro do imóvel deve corresponder ao seu valor de reconstrução. "A tendência ê segurar a casa pelo seu valor de mercado, mas isso é um erro. Regra geral, o valor de reconstrução é substancialmente inferior, porque tem em conta apenas a mão-de-obra e materiais, enquanto o valor de mercado incorpora o terreno e factores como acessibilidades, localização, etc.", explica Mónica Dias. O que a Deco recomenda é que o segurado tenha como referência o valor por metro quadrado para as diversas zonas do país, publicado anualmente em Diário da República. Esta portaria é utilizada para efeitos de renda condicionada, mas a associação considera-a um indicativo do valor de reconstrução. "Deve achar a área da sua casa, multiplicar por esse valor e acrescentar mais 20% como margem de segurança, para cobrir custos de projecto, por exemplo", acrescenta. Através da visita de um perito. Caso haja um incêndio numa divisão, por exemplo, tem 8 dias para comunicá-lo à seguradora. O local é visitado por um perito que fica encarregue de determinar os danos e avaliar o recheio total da habitação. Se o montante apurado for diferente do que indicou na declaração, é aplicada a regra proporcional. Assim, se o valor real for 20 mil euros, mas só tiver declarado 10 mil (50%) e tiver danos no valor de mil euros, a seguradora só lhe paga 500 euros (50%). Caso esteja em conformidade com o que declarou (existe uma margem de erro até 15%) paga a totalidade. Em caso de roubo ou furto, deve fazer uma queixa na polícia onde discrimina os objectos que foram levados. É com base nestas declarações que a seguradora apura o valor do reembolso. Não, deve fazê-lo na instituição que lhe apresentar a solução mais vantajosa, depois de uma prospecção ao mercado. Nalguns casos, é possível que o banco lhe proponha a subscrição do seguro multirriscos habitação aos seus balcões em troca de uma redução de spread". Para saber se compensa subscrevê-los lá, deve consultar a Taxa Anual Efectiva Revista (TAER) na ficha de informação normalizada que é entregue com a simulação. Esta taxa inclui o custo dos produtos que estão associados ao empréstimo como cartões, produtos de aforro ou seguros. Caso opte por subscrever o seguro no banco, informe-se sobre as consequências de uma eventual transferência de seguro mais tarde. "Quando é o proprietário da casa onde reside", responde Mónica Dias. Se em vez de comprar optar por arrendar um imóvel vazio, só deve segurar o recheio que adquiriu, visto que as paredes são da responsabilidade do senhorio. Algumas seguradoras anunciam descontos no prémio final caso contrate ambas as coberturas na mesma apólice. Se estiver nesta situação, opte por fazer uma análise de mercado antes de se deixar levar pelo termo "desconto". Caso conclua que, apesar dos descontos, é mais vantajoso contratar o seguro para as paredes numa seguradora e o do recheio noutra, avance. Segundo a especialista da Deco, as características e preços deste tipo de apólices são muito díspares, pelo que não deve descurar o trabalho de investigação. Pode fazê-lo depois. Por lei, é obrigatória a contratação de um seguro de incêndio para as paredes da habitação, caso more num edifício constituído em propriedade horizontal, como um apartamento ou uma moradia geminada. "O que acontece é que por um acréscimo de prémio que não é significativo, pode contratar um multirriscos habitação, que além do incêndio, cobre danos por água, tempestades, furtos, entre outros", explica Mónica Dias, especialista em seguros da Deco Proteste. Este multirriscos, por sua vez, pode ser contratado exclusivamente para as paredes, recheio ou para ambos. Caso prefira cobrir as paredes primeiro e o recheio mais tarde, pode fazê-lo. O importante é que faça sempre uma prospecção de mercado. Regra geral, os multirriscos habitação têm um conjunto pré-definido de coberturas dividido por vários planos, do mais limitado e barato ao mais completo e caro, com os respectivos limites de capital. A cobertura de incêndio constitui a base dos pacotes, mas as restantes variam de seguro para seguro. "Uma das coberturas que recomendamos sempre é a de fenómenos sísmicos, apesar de ser cara", diz Mónica Dias. Além destas, a Deco aconselha a optar por um pacote que inclua mais oito: danos por água, furto ou roubo, responsabilidade civil, tempestades, inundações, privação temporária da habitação, demolição de escombros e aluimento de terras. Porquê? Pelo valor potencial dos danos e pela frequência com que ocorrem. "Estas são as 10 coberturas que recomendamos, quer contrate o seguro para o imóvel, recheio ou ambos", adianta. Fazendo um inventário do recheio (móveis, electrodomésticos, objectos de decoração, roupa, entre outros), de divisão em divisão, anotando o valor de aquisição de cada objecto em novo. Este inventário é para seu uso pessoal, visto que só

16 tem de apresentar o valor total à seguradora. Contudo, é importante que determine correctamente a totalidade do recheio, porque em caso de sinistro, se o recheio estiver subavaliado, a seguradora pode aplicar a negra proporcional. Caso tenha antiguidades em casa, deve fazer a respectiva avaliação no mercado de especialidade antes de preencher a declaração, para ser devidamente indemnizado em caso de furto ou dano. Sim, com aqueles que são considerados "conteúdo especar' por serem mais apetecíveis em caso de roubo, como jóias, obras de arte, colecções ou electrónica. A avaliação destes objectos é feita à parte e discriminada na declaração. Regra geral, as seguradoras estabelecem um limite de reembolso em caso de sinistro, que pode ir até euros por objecto. Por isso, se tiver um quadro que custa 4 mil euros ou uma máquina fotográfica que custa 3 mil euros, especifique-os na declaração. Se o fizer, é recompensado na totalidade em caso de dano ou furto. Caso contrário, a seguradora reembolsa de acordo com o limite estabelecido no contrato. TOME NOTA - CUIDADOS A TER ANTES DE CONTRATAR A APÓLICE ANALISE O MERCADO Antes de qualquer contratação, deve fazer sempre uma prospecção de mercado. Não se deixe levar pelos descontos sem verificar que preços está a praticar a concorrência. ATENÇÃO ÀS FRANQUIAS Se possível, opte por uma apólice sem franquias (ou com as franquias mais baixas), porque em caso de sinistro terá sempre essa despesa, o que não lhe interessa EXCLUA O QUE NÃO PRECISA O leque de coberturas apresentado pelas seguradoras é vasto, mas deve optar apenas pelas que lhe interessam. Por exemplo, de nada serve cobrir a queda ou quebra de painéis solares se não tiver esse equipamento. EVITE SUBAVALIAR O RECHEIO Se declarar à seguradora um valor de recheio inferior ao seu valor real, caso ocorra um sinistro, esta pode aplicar a regra proporcional e não pagar a totalidade dos danos. DISCRIMINE OBJECTOS VALIOSOS Caso tenha objectos que valham mais do que o limite imposto pela seguradora para os conteúdos especiais, que pode chegar aos 2500 euros, discrimine-os na declaração. Só assim será reembolsado na sua totalidade. Jornal de Negócios 03/02/2014 QUANTO CUSTA PROTEGER O SEU LAR Contratar um pacote base de coberturas para um recheio de 35 mil euros e 5 mil de conteúdo especial, sem incluir fenómenos sísmicos, pode custar entre 40 e 77 euros nas cinco maiores seguradoras não vida O João quer fazer um seguro ao recheio da sua casa. Aos 35 anos, mora num T2, cm Lisboa, e entre móveis, electrodomésticos, objectos de decoração, roupas, entre outros, contabilizou 35 mil euros em bens. Os objectos considerados especiais, como jóias e obras de arte, valem outros 5 mil euros. Apurados estes valores, contactou as cinco maiores seguradoras do ramo não vida a actuar em Portugal, segundo o estudo mais recente da Associação Portuguesa de Seguradoras. Objectivo: saber quanto pagaria anualmente caso contratasse um pacote base de coberturas para segurar o recheio do seu lar. O cenário é fictício e foi o ponto de partida do Negócios. Recebidas as respostas da Fidelidade, Axa, Tranquilidade, Allianz e Açoreana, pudemos concluir que é possível segurar este recheio pagando, no primeiro ano, entre 40 e 76,94 euros. Contudo, as coberturas e capitais variam de seguradora para seguradora, pelo que deve ter isso em consideração quando olhar para os preços. Se quiser incluir a cobertura adicional de fenómenos sísmicos, os valores sobem para montantes que oscilam entre os 47 euros e os 91,10 euros. Na Fidelidade, o prémio anual de 50,46 euros pode reduzir para euros caso opte pelo débito em conta. O pacote cobre incêndios, tempestades, aluimento de terras, danos por ruptura de canalizações interiores, inundações, furto ou roubo, actos de vandalismo, danos estéticos, demolição e remoção de escombros, privação temporária de uso da residência, entre outros. Com a cobertura adicional de fenómenos sísmicos, sobe para 59,36 euros. O cliente beneficia de um desconto de 10% caso efectue a simulação na Internet. O prémio estipulado pela Allianz para o cenário descrito é de 76,94 euros e cobre a 100% alguns sinistros como incêndios, tempestades, inundações, actos de vandalismo, terrorismo, aluimento de terras, danos por água, entre outros. Também inclui outras coberturas como assistência ao domicílio, responsabilidade civil, riscos eléctricos, furto ou roubo. A Allianz não cobra franquias, excepto na cobertura de fenómenos sísmicos. Caso queira inclui-la, o prémio sobe para 91,10 euros. Na Axa, o Pack Basis para a simulação pretendida fica a 44,72 euros, considerando que não existem meios de proteção contra roubo. Este pacote cobre furto ou roubo, responsabilidade civil, demolição ou remoção de escombros, privação temporária de habitação, derrame acidental de óleo, danos em bens do senhorio, entre outros. Se quiser cobrir os prejuízos provocados por fenómenos sísmicos, terá de contratar outro pacote, porque o Basis não permite a contratação de

17 coberturas adicionais. Com o Mesus, por exemplo, ficaria a 69,61 euros e cobriria lambem danos por tempestades, água, inundações, riscos eléctricos e em veículos na garagem. O valor a pagar na primeira anuidade do seguro da Tranquilidade, opção Essencial F 100, é de 40 euros. Nesta, estão incluídos os actos de vandalismo, inundações, tempestades, aluimentos, danos por água, incêndio, responsabilidade civil, furto ou roubo, riscos eléctricos, mudança temporária, entre outros. Caso queira proteger-se dos fenómenos sísmicos, paga 47 euros. Na Açoreana, a opção indicada foi a Extra, por 63,38 euros, que inclui tempestades, responsabilidade civil, quebra acidental de louça sanitária, vidro, mudança temporária, inundações, incêndio, furto ou roubo, danos por água, entre outras. Incluindo os fenómenos sísmicos, sobe para 73,86 euros. O apartamento do João tem 75 metros quadrados e um valor de reconstrução de ,5 euros. Se também quiser segurar as paredes, os preços sobem para 104,75 euros na Fidelidade, 88,81 euros na Axa, 116,25 euros na Allianz, 87 euros na Tranquilidade e 125,85 euros na Açoreana. Incluindo a cobertura de fenómenos sísmicos, os valores aumentam para 144,17 euros, 148,29 euros, 175,23 euros, 138 euros e 181,26 euros, respectivamente. Jornal de Negócios 03/02/2014 Internacionalização MARSH ALERTA PARA RISCO POLÍTICO DE MERCADOS EMERGEN- TES A Marsh alerta as empresas que estão a implementar projetos de internacionalização para o facto de quase metade dos principais mercados emergentes, com elevado potencial de crescimento em 2014, apresentarem um risco político extremo ou elevado para o investimento direto estrangeiro. O alerta da Marsh surge na sequência da conclusão do Mapa de Risco Político Mundial, desenvolvido pela consultora de risco e pela Maplecroft, onde 45% dos mercados externos avaliados revela uma intensa exposição ao risco político. Índia, China e Indonésia lideram a lista dos 197 países mais expostos a este risco, tendo em conta o seu potencial envolvimento em conflitos, atos de terrorismo e outros eventos que afetem a estabilidade macroeconómica do país, bem como o seu estado de direito e ambiente regulatório. De acordo com informação divulgada pela Marsh, dos 17 países que sofreram um maior aumento no seu nível de risco político desde 2010, nove deles estão na região do Médio Oriente e Norte da África, região em que aumentaram os índices dinâmicos de risco político devido à instabilidade e incerteza criadas após o despertar da "Primavera Árabe". A Somália mantém-se como o país mais controverso para o investimento estrangeiro. Já a Síria foi considerada nesta análise o país com o aumento mais significativo de risco, situando-se em 2014 como o segundo país com maior risco político, seguido pelo Afeganistão, Sudão e Congo. Além disso, devido ao rating de violência política, é classificado pela primeira vez o Egipto como o país com risco "extremo. Oje Mais Seguro 23/01/2014 Ramo Não Vida LOGO QUER NOVO RAMO NÃO VIDA EM 2014 E PONDERA CRIAR EMPRESA PARA VIDA Concretizada com sucesso a estratégia de diversificação de oferta nos principais ramos Não Vida, a Logo, operadora direta do grupo Espírito Santo, equaciona para este ano a entrada num novo ramo Não Vida, revelou ao OJE José Pedro Inácio, diretor-geral da seguradora. "Com automóvel, multirriscos habitação e saúde já cobrimos os três principais ramos Não Vida, mas podemos alargar ainda mais a nossa oferta, entrando no ramo de acidentes pessoais", adianta José Pedro Inácio. A entrada no Ramo Vida também não está fora de questão, mas poderá não acontecer ainda este ano, até porque tal implica necessariamente a criação de uma nova empresa com licença para operar no Ramo Vida. A concretizar-se esse projeto, a Logo pondera comercializar em canal direto seguros de vida risco, mantendo a aposta em produtos simplificados, facilmente percetíveis pelo consumidor numa consulta à página da seguradora na internet ou numa chamada telefónica. A Logo completou este mês o seu 6º aniversário e anunciou a intenção de chegar ao "break-even" durante este ano. A companhia conta atualmente com mais de 100 mil clientes no ramo automóvel, sendo muitos deles clientes que acumulam na carteira da seguradora as apólices de multirriscos habitação e/ou saúde. Para assinalar o aniversário da companhia, a Logo lançou a aplicação móvel "mylogo". Acedendo ao seu perfil de segurado, os utilizadores da aplicação podem consultar documentos, pagar recibos, chamar a assistência, participar sinistros, marcar peritagens ou consultas, entre outros serviços. Oje Mais Seguro 23/01/2014

18 Acidentes e doença METLIFE LANÇA SEGURO PARA CRIANÇAS E JOVENS O MetLife Proteção Júnior assegura as coberturas de hospitalização e apoio à cirurgia em caso de acidente ou doença, despesas de tratamento dentário em caso de acidente, doenças graves para as crianças e ainda uma renda anual em caso de morte ou invalidez do pai ou da mãe. Estão ainda disponíveis coberturas de assistência médica e enfermagem ao domicílio, serviço pediátrico de urgência e linha de apoio 24 horas. Além de dar seguimento à estratégia de ajudar os portugueses a enfrentarem melhor a atual conjuntura económica, o novo produto da MetLife permite à seguradora associar-se à Junior Achievement, uma associação sem fins lucrativos empenhada em levar às escolas programas que desenvolvem o gosto pelo empreendedorismo junto de crianças e jovens. Ao longo deste ano, a associação contará também com a seguradora para a concretização de projetos comuns. Oje Mais Seguro 23/01/2014 Nuno Pestana Rosa quer intensificar penetração dos seguros de pagamentos e de desemprego "OS PRODUTOS DE PROTEÇÃO FINANCEIRA VIVEM PARA ALÉM DO CRÉDITO" É na banca que a Genworth concentra o maior número de parcerias para a distribuição dos seus produtos de proteção financeira no mercado português, habitualmente associados ao crédito. Mas Nuno Pestana Rosa, diretor-geral da Genworth em Portugal, confirma ao OJE o potencial de crescimento dos seguros que protegem outro tipo de pagamentos regulares Os portugueses preocupam-se hoje mais com a proteção dos seus compromissos financeiros que há cinco anos? Julgo que sim, que existe hoje uma maior consciência dos portugueses sobre a necessidade de se protegerem. Isso decorre, desde logo, de um maior risco e consciência desse risco porque o desemprego existe hoje numa proporção incomensuravelmente superior do que aquela que existia há cinco anos. Se existe maior consciência também existe mais vontade, mas poderá haver, por vezes, menor disponibilidade. Temos, no entanto, vindo a observar, ao longo dos anos, uma tendência de aumento do rácio de contratos de crédito que são acompanhados por um seguro de proteção ao crédito, o que não significa que tenhamos mais pessoas protegidas, dado haver menos crédito concedido. Mas, efetivamente, as pessoas que contratam um crédito tendem a protegê-lo mais. Os portugueses são pessoas habitualmente preocupadas com os seus compromissos financeiros? Sim. Nós fazemos, anualmente, um levantamento do sentimento europeu de vulnerabilidade financeira das famílias. Vamos fazê-lo este ano outra vez em Portugal. No ano passado, os resultados foram inequívocos de que havia essa consciência. Constatámos que sete em cada dez famílias portuguesas se sentia financeiramente vulnerável e isso representava um aumento substancial face a anos anteriores. Nesse sentido, a vontade de proteger os créditos existe e a procura para os produtos existe não só por parte das famílias, mas da sociedade em geral. Nós temos sido abordados por escolas, operadores de telecomunicações e outras empresas para ver se podemos criar parcerias para disponibilizar aos seus clientes soluções de proteção de pagamentos. Já temos lançado alguns produtos, mas, por vezes, as oportunidades não têm a dimensão necessária para haver uma certa dispersão de risco. Mas notamos, quer da parte dos consumidores, quer da parte do tecido social, uma maior consciência da necessidade de proteção, que decorre também de um certo emagrecimento da proteção social. Os subsídios de desemprego duram menos tempo e estas soluções vão fazer o seu caminho, ocupar um espaço natural e responder a uma necessidade existente. Além dos seguros que cobrem créditos contratados junto de instituições financeiras, a Genworth comercializa também soluções de proteção do vencimento. Como tem evoluído a procura destes seguros? É uma evolução positiva. A sua procura tem vindo a aumentar progressivamente, o que é demonstrativo da consciência de que a flexibilidade laboral que hoje em dia existe requer que elas se protejam mais do que faziam anteriormente. Os seguros de proteção de crédito são subscritos de forma autónoma, como cobertura opcional, ou podem ser de certa forma impostos pela instituição financeira no momento da contratação do crédito? No âmbito do crédito pessoal, estes produtos são estritamente opcionais. Mas temos vindo a lançar soluções que há entidades que oferecem a nossa cobertura de desemprego e incapacidade a qualquer cliente seu. Isso acontece já com a Multicare e a Via Directa [que opera com a marca OK! Teleseguros]. Só aqui é que não é o cliente a optar porque a cobertura lhes é oferecida. Nos restantes casos, a contratação do seguro é inteiramente voluntária. E como tem evoluído a sinistralidade nestes seguros? No ano passado, pagámos 72% dos sinistros que gerimos, ou seja, pagámos mais de 17 milhões de euros em sinistros. A sinistralidade tem vindo a subir ao longo dos últimos anos, fruto da conjugação de duas realidades: a diminuição do crédito concedido e o aumento do desemprego. No entanto, aguardamos com alguma expectativa a evolução para este ano, esperando que cheguem boas notícias. Que balanço faz de 2013?

19 O ano 2013 correu melhor que Do ponto de vista dos prémios subscritos, subimos 10% e, do ponto de vista do prémio líquido de cancelamento, subimos 19%. A sinistralidade subiu 7% face a 2012, mantendo a tendência crescente que já regista desde Do ponto de vista do resultado técnico de exploração das nossas apólices, 2013 foi um ano de melhoria face a 2012, já que o nosso resultado técnico melhorou 26% devido, sobretudo, à alteração de algumas condições de comercialização e tarifação dos produtos. A banca é o parceiro ideal para distribuir estes seguros? A banca é um parceiro idóneo e o melhor parceiro possível, na medida em que é quem disponibiliza mais crédito. Se a banca estivesse afastada deste processo, seria mais difícil proteger o crédito concedido e, por isso, orgulhamo-nos das parcerias que mantemos com as maiores instituições bancárias portuguesas. Mas estes produtos vivem para além do crédito. Onde existir uma obrigação de pagamento recorrente existe, em teoria, uma oportunidade para nós. Falámos de escolas e de fornecedores de "utilities", mas considero que existe também uma grande oportunidade no mercado de arrendamento. São caminhos para explorar este ano? Já temos alguns produtos para arrendamento disponíveis, também já protegemos algumas escolas e estamos a estudar outras oportunidades. Acredita que os consumidores de "utilities" estão disponíveis para subscrever este tipo de proteção aos seus pagamentos? Se eles forem disponibilizados da forma correta e a um preço interessante, sim. A eletricidade e a água são fundamentais, mas hoje até as telecomunicações são importantes para o nosso quotidiano. Se forem disponibilizadas aos consumidores soluções interessantes de proteger as suas obrigações de pagamento para continuar a aceder a esses serviços, penso que sim, tal como se protegerá a propina do colégio ou da universidade. A necessidade de proteção existe. O nosso esforço está em colocar as soluções em condições razoáveis sem exigir um grande esforço dos consumidores no acesso a estas soluções. Mas há espaço para inovação neste mercado? Há. E já temos inovado imenso. O produto de proteção ao crédito foi a génese destes seguros de proteção e a partir desta realidade temos avançado em diversas direções. Até que ponto a crise influencia a procura destes produtos? Apesar de tudo, acredito que a crise influencia positivamente a procura destes produtos porque eles respondem a dificuldades do momento. É também o momento para oferecer estes produtos, desde que em condições ajustadas aos rácios de sinistralidade que vimos observando porque nesta altura temos mais sinistralidade e, logo, temos de colocar o produto em condições sustentáveis. Quais são os desafios para 2014 e o que espera deste ano? Espero que se confirme a tendência de inversão que começámos a observar em 2012, com uma reanimação do mercado de concessão de crédito. Tenho algumas expectativas de que isso se acentue em 2014, considerando que parte da banca foi recapitalizada e haverá agora oportunidade de injetar alguma liquidez no mercado. Do ponto de vista da sinistralidade, julgo que 2014 não vai ser muito diferente, até porque vamos continuar a pagar sinistros participados em 2013 e que previam pagamentos por 12 ou 24 meses. Vemos com algum conforto o facto de a taxa de desemprego ter estabilizado e até regredido um pouco. Tenho alguma esperança de que a situação melhore e tenhamos menos gente a enfrentar o drama do desemprego, mas temos de ser prudentemente otimistas, pois estamos a sair de um programa de ajustamento e da forma como viermos a sair vai depender a evolução a curto e médio prazo da economia portuguesa. As perspetivas são encorajadoras, mas temos de ser prudentes e aguardar mais alguns meses para confirmar uma tendência definitiva de recuperação. Aproveitar a oportunidade do digital Disposta a manter a sua atividade apenas no canal empresarial B2B ("business-to-business"j, a Genworth elege o digital como uma das apostas fortes para dinamizar esse canal em que escolheu operar. "Vemos que há um aumento da penetração dos produtos bancários no digital e temos de aproveitar a oportunidade de trabalhar juntamente com as entidades financeiras que já são nossa parceiras para ativar ainda mais esse canal digital", confirma Nuno Pestana Rosa ao OJE. Aproveitando as plataformas online de que os bancos já dispõem, a Genworth tenciona disponibilizar nesses canais o acesso a produtos de proteção financeira, ampliando assim a penetração dos mesmos. Oje Mais Seguro 23/01/2014

20 Desemprego intensifica preocupação SEGUROS AJUDAM PORTUGUESES A HONRAR COMPROMISSOS FINANCEIROS A consciência de uma maior exposição ao risco de desemprego está a levar cada vez mais portugueses a contratar apólices que asseguram a continuidade dos seus pagamentos regulares, evitando penalizações futuras por incumprimento de obrigações financeiras E SE o desemprego lhe bate amanhã à porta, tal como tem batido à porta de tantas famílias portuguesas? Quantos portugueses se sentem hoje imunes à probabilidade de perder o rendimento que assegura o sustento das suas famílias? E se tal acontecesse, durante quanto tempo conseguiria assegurar o pagamento da prestação do crédito à habitação ou a renda da casa, o pagamento da conta da eletricidade ou a propina da escola do seu filho? Os portugueses sentem-se hoje financeiramente mais vulneráveis. E é esse sentimento que explica a crescente procura de seguros de proteção financeira, soluções que podem ser acionadas em situações de perda involuntária do rendimento regular e que asseguram o pagamento das despesas fixas previamente selecionadas pelo subscritor durante um período igualmente acordado. São estes seguros de proteção de pagamentos ou de proteção do salário que evitam a interrupção de um compromisso financeiro durante alguns meses, esperando-se que esse tempo seja suficiente para o subscritor reorganizar financeiramente a sua vida e encontrar nova fonte de rendimento. Apesar das restrições ao poder de compra sofridas pela generalidade dos portugueses, os operadores garantem que a procura destes seguros tende a aumentar. Oje Mais Seguro 23/01/2014 MAPFRE LANÇA SEGURO DE VIDA RENDIMENTO MAIS Capitalização - A MAPFRE lançou um novo seguro de vida de investimento que oferece 27,75% de taxa efetiva de juro acumulado no vencimento da apólice. De acordo com a companhia, este seguro oferece todas as garantias de uma poupança a longo prazo, apresentando-se como um investimento com rentabilidade atrativa e fixa, imune às perdas do mercado financeiro e que garante a entrega efetuada em caso de resgate. "Ideal para quem quer constituir uma poupança de longo prazo e pretende uma estratégia de diversificação de investimentos, que garante liquidez e que permite ainda uma otimização fiscal pela duração do contrato", alega a MAPFRE. O Rendimento Mais permite ainda fazer o levantamento total em qualquer momento do contrato. Oje Mais Seguro 23/01/2014 Rebranding SEGURO DIRECTO MUDA PARA DIRECT E ELIMINA PACOTES A SEGURO Directo, operadora do grupo AXA para os canais diretos, passou a operar com a marca Direct. A reformulação da marca foi também a ocasião escolhida para a empresa proceder a alterações na sua oferta, eliminando a anterior venda de apólices em pacotes de coberturas pré-desenhados, apostando agora na subscrição de coberturas à exata medida das necessidades do utilizador. Com produtos mais flexíveis e personalizáveis, a Direct oferece aos clientes a oportunidade de escolherem as coberturas que desejam para as suas viaturas e para as pessoas que nelas circulam. "Com este novo modelo de comercialização, caminhamos para um processo mais transparente, em que o cliente sabe o que está a contratar, podendo escolher um pacote base com coberturas extras ou assistência ampliada. É a seleção das coberturas de que o cliente necessita, pagando por aquilo que segura", explica Sandra Moás, diretora-coordenadora da Direct. A campanha publicitária de apresentação da nova marca Direct está já visível na televisão, internet e outdoors. Oje Mais Seguro 23/01/2014 Responsabilidade social LIBERTY SEGURA PRIMEIRAS BEBÉS DE 2014 PELO DÉCIMO ano consecutivo, a Liberty Seguros premeia os Bebés do Ano. Lara Sofia e Luana Rufino, as duas primeiras bebés a nascer em 2014, respetivamente na Maternidade de São Teotónio, em Viseu, e na Maternidade Alfredo da Costa, em Lisboa, vão receber, da companhia, um seguro Liberty Poupança no valor de 1500 euros e um prémio pecuniário no valor de 500 euros. Com estes dois prémios, a companhia de seguros pretende contribuir para o financiamento das despesas que um nascimento acarreta para uma família, concretizando um dos projetos que integram o seu programa de Responsabilidade Social. "Esta iniciativa pretende não só enaltecer o nascimento do primeiro bebé do ano, mas, sobretudo, estabelecer um relacionamento de proteção e de ajuda com os pais, principalmente numa altura em que o país vive momentos de grande austeridade", sublinha Paula Garrido, diretora de Gestão e Suporte ao Talento da Liberty Seguros.

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013

Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 Atividade Seguradora Prémios de Seguro Direto 2013 (atualizado em 23 de janeiro de 2014) No ano de 2013 o volume da produção de seguro direto em Portugal foi ligeiramente superior a 13 mil milhões de euros,

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2011 16 janeiro 2012 No ano de 2011 o volume da produção de seguro direto em Portugal atingiu os 11,6 mil milhões de euros, dos quais cerca de 92,3% diz

Leia mais

18 de novembro de 2014

18 de novembro de 2014 Intervenção inicial do Presidente do Instituto de Seguros de Portugal José Figueiredo Almaça na Comissão Parlamentar de Inquérito à gestão do BES e do Grupo Espírito Santo 18 de novembro de 2014 1. Ponto

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014

Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 Atividade Seguradora - Prémios de Seguro Direto 2014 (atualizado em 15 de janeiro de 2015) No ano de 2014, o volume da produção de seguro direto em Portugal foi de 14,3 mil milhões de euros, refletindo

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2007 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, embora em 2007 tenha

Leia mais

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros

Bê-á-Bá da poupança. Depósitos a prazo. Fundos de Tesouraria em euros Bê-á-Bá da poupança Há um vasto leque de escolhas para quem quer poupar, mas a análise da PROTESTE INVESTE mostra-lhe que nem todas são boas opções. No Dia Mundial da Poupança, saiba quais as alternativas.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais

Abra uma Conta Ordenado BBVA e conheça todas as vantagens que tornam a sua vida mais fácil:

Abra uma Conta Ordenado BBVA e conheça todas as vantagens que tornam a sua vida mais fácil: Protocolo BBVA Soluções Financeiras Conheça as soluções financeiras que o BBVA tem para lhe oferecer e aproveite o Protocolo BBVA com condições exclusivas para os Sócios e Filhos dos Sócios do COFRE DA

Leia mais

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões

capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões capítulo 7 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 147 Relacionamento com o consumidor de seguros e de fundos de pensões 7.1 Considerações gerais Com vista a fomentar e facilitar

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO Entre Agrupamento de Escolas Fernão do Pó, com n.º de Contribuinte 600079970 e sede em Av. Dr. Joaquim de Albuquerque, 2540-004 Bombarral, adiante designado por Agr. Escolas Fernão

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO

Versão Pública. DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO DECISÃO DE NÃO-OPOSIÇÃO Processo Ccent. Nº 48/ 2005 AXA/SEGURO DIRECTO GERE 1 I. INTRODUÇÃO 1. Em 8 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos artigos 9.º e 31.º da

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal

Ficha Técnica. Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões. Título Fundos de Pensões. Edição Instituto de Seguros de Portugal Ficha Técnica Colecção Guia de Seguros e Fundos de Pensões Título Fundos de Pensões Edição Instituto de Seguros de Portugal Coordenação editorial Direcção de Comunicação e Relações com os Consumidores

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

Regime dos Planos de Poupança em Acções

Regime dos Planos de Poupança em Acções Decreto-Lei n.º 204/95 de 5 de Agosto * A constituição de planos individuais de poupança em acções, além de procurar estimular a canalização dos recursos das famílias para a poupança de longo prazo, visa

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2008 ECONOMIA PORTUGUESA A economia portuguesa tem observado fracos crescimentos do Produto Interno Bruto, tendo atingido um valor

Leia mais

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo

EM PORTUGAL REFORMAS E PENSÕES. PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo REFORMAS E PENSÕES EM PORTUGAL PÓS-TROÏKA : A QUEDA DAS PENSÕES E PROPOSTAS PARA REAGIR Diogo Teixeira, Administrador Executivo 20 de Fevereiro de 2014 Quem Somos > Os Nossos Valores > Ativos Sob Gestão

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO GROUPAMA SEGUROS, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática

O que são CFDs? CFDS Uma abordagem prática O que são CFDs? Um CFD (Contract for difference) é um instrumento financeiro negociado fora de mercados regulamentados que proporciona, aos investidores, uma forma mais eficiente de negociação em acções.

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE Prospecto Informativo TAXA GARANTIDA 1ª SÉRIE ICAE NÃO NORMALIZADO Os elementos constantes deste prospecto informativo reportam-se a 31 de Dezembro de 2009 (actualização dos ns.8, 9 e 10 da Parte III)

Leia mais

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA

Soluções Financeiras ANEXO I. Protocolo exclusivo. Soluções Ordenado BBVA. Soluções Habitação BBVA Protocolo exclusivo. Soluções Financeiras ANEXO I Aproveite o Protocolo BBVA para realizar os seus projectos pessoais. O Banco Bilbao Vizcaya Argentaria, coloca ao seu dispor um conjunto de Produtos e

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte

Financiamento das PME. Evolução fiscal e regulatória. Carlos Loureiro. 28 de Novembro de 2014. 2014 Deloitte Financiamento das PME Evolução fiscal e regulatória Carlos Loureiro 28 de Novembro de 2014 1 Temas a discutir Abordagem da temática Financiamento bancário: Panaceia ou factor de restrição? As alternativas

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel?

SEGURO AUTOMÓVEL. Qual a importância do Seguro Automóvel? SEGURO AUTOMÓVEL Qual a importância do Seguro Automóvel? O proprietário ou o condutor de um veículo são responsáveis pelos prejuízos que este possa causar e, em caso de acidente, podem incorrer em graves

Leia mais

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional

90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Michael Page lança Barómetro de TI 90,5% dos perfis de TI disponível para mobilidade profissional Lisboa, 21 de Julho de 2015 A Michael Page, empresa líder em recrutamento de quadros médios e superiores,

Leia mais

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA

PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA PORQUE E COMO ABRIR O CAPITAL DE UMA EMPRESA! Os custos! As vantagens! Os obstáculos! Os procedimentos Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 8 AGOSTO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES Resultado da cimeira "particularmente positivo para Portugal" A cimeira europeia de quinta-feira

Leia mais

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA

GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA GROUPAMA SEGUROS VIDA, SA RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EXERCÍCIO DE 2006 ECONOMIA PORTUGUESA Após o fraco crescimento da economia observado em 2005 (0.4 por cento) estima-se que o Produto Interno

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM. Conta Ordenado Triplus PROTOCOLO CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS E COLABORADORES TRABALHADORES POR CONTA DE OUTREM Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt

Seguro Poupança Crescente. Condições Gerais e Especiais da Apólice. www.ocidentalseguros.pt Ocidental Companhia Portuguesa de Seguros de Vida, SA. Sede: Avenida Dr. Mário Soares (Tagus Park), Edifício 10, Piso 1, 2744-002 Porto Salvo. Pessoa coletiva n.º 501 836 926, matriculada sob esse número

Leia mais

ficha de produto automóvel 2Rodas

ficha de produto automóvel 2Rodas ficha de produto automóvel 2Rodas O que é? O Seguro auto 2Rodas é um seguro que visa garantir o pagamento de indemnizações dos prejuízos sofridos em consequência direta das coberturas e com os limites

Leia mais

Protocolo BBVA Soluções Financeiras

Protocolo BBVA Soluções Financeiras Protocolo BBVA Soluções Financeiras Conheça as soluções financeiras que o BBVA tem para lhe oferecer e aproveite o Protocolo BBVA com condições exclusivas para os Associados do SPLIU. Para o BBVA cada

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões 4. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões O número total de empresas de seguros a operar no mercado nacional manteve-se estável em 212, sem alterações significativas à sua estrutura. Neste

Leia mais

Os seguros na crise financeira

Os seguros na crise financeira Os seguros na crise financeira Intervenção do Presidente do ISP, Professor Doutor José Figueiredo Almaça, na Conferência Os seguros em Portugal, organizada pelo Jornal de Negócios Lisboa, 13 maio 2014

Leia mais

Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA

Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Licenciamento comercial online chega a todo país Jornal Negócios 09-03-15 Filomena Lança filomenalanca@negocios.pt MODERNIZAÇÃO ADMINISTRATIVA Contribuintes podem ir ao site do Fisco nos Espaços do Cidadão

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

Caixa acelera. expansão em Angola. Controlo da parceria com Totta. será antecipado para liderar no financiamento às PME Empresas 8 e 9

Caixa acelera. expansão em Angola. Controlo da parceria com Totta. será antecipado para liderar no financiamento às PME Empresas 8 e 9 Caixa acelera expansão em Angola Controlo da parceria com Totta será antecipado para liderar no financiamento às PME Empresas 8 e 9 BANCA CGD antecipa controlo do Caixa Totta e acelera expansão em Angola

Leia mais

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA.

A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Exchange A EXCHANGE Quem somos A Exchange é uma marca da empresa Changebiz Rede de Consultores Financeiros, SA. Resulta de uma Parceria de Sucesso entre o Grupo Onebiz, referência no desenvolvimento de

Leia mais

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS

BENEFÍCIOS DOS ADVOGADOS Produtos e serviços CGD para profissionais liberais e jovens advogados: CONTAS À ORDEM Conta Extracto A informação onde preferir. Com esta conta recebe um extracto com toda a informação da sua conta, na

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1

A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A banca paga metade da taxa de IRC, as remunerações representam apenas 30% do VAB, e faltam 530 milhões contos Pág. 1 A BANCA PAGA METADE DA TAXA DE IRC, AS REMUNERAÇÕES DOS TRABALHADORES REPRESENTAM APENAS

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE

TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE TAXA GARANTIDA 3ª SÉRIE PROSPECTO SIMPLIFICADO ICAE INSTRUMENTO DE CAPTAÇÃO DE AFORRO ESTRUTURADO (NÃO NORMALIZADO) Os elementos constantes deste Prospecto Simplificado reportam-se a 30 de Abril de 2009

Leia mais

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR

PRÉVOIR PPR NOVA VERSÃO INFORMAÇÕES PRÉ-CONTRATUAIS ANEXO À PROPOSTA PRÉVOIR PPR Este documento apresenta-se como um resumo das Condições Gerais e Especiais do seguro Prévoir PPR e não dispensa a consulta integral das mesmas. SEGURADOR FINALIDADE SEGMENTO-ALVO CONDIÇÕES DE SUBSCRIÇÃO

Leia mais

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa

Prospecto Informativo CA Solução Poupança Activa Produto a comercializar Perfil do Cliente alvo da solução O é um produto financeiro complexo que resulta da comercialização combinada de um depósito a prazo simples, denominado SDA, com um seguro de capitalização

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Banco de Cabo Verde RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2012 Banco de Cabo Verde Índice 1. Introdução... 4 2. Os seguros e a sociedade... 6 3. O Resseguro Cedido... 8 4. Sinistralidade Global... 10 5. Quota de mercado e comparação

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos

8. Gestão dos fundos autónomos. Centro de documentação. Fundo de Garantia Automóvel. Abertura de processos Centro de documentação No decurso de 2012, desenvolveram-se várias ações que visaram, mais uma vez, incrementar a qualidade e quantidade dos recursos documentais, atualizar, diversificar e melhorar os

Leia mais

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar.

orçamento no seu Faça obras pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras no seu orçamento Se quer planear as suas poupanças, há ferramentas disponibilizadas pelos bancos que podem ajudar na tarefa. Saiba o que existe, para que serve e como pode utilizar. Faça obras

Leia mais

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL

ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL ACE BUSINESS CLASS PLUS SEGURO DE VIAGEM CORPORATE INTERNACIONAL Apesar das sequelas da crise financeira global e da ressaca de uma recessão em vários países, os analistas esperam que a procura de viagens

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de, a produção de seguro directo, relativa à actividade em Portugal das empresas de seguros sob a supervisão do ISP, apresentou, em termos globais, uma quebra de 29,8% face

Leia mais

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO

OS FUNDOS DE INVESTIMENTO OS FUNDOS DE INVESTIMENTO CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 Os Fundos de Investimento O que é um Fundo de investimento? Um fundo de investimento é um instrumento financeiro

Leia mais