Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 ANÁLISE DO DISCURSO AULA 01: CARACTERIZAÇÃO INICIAL DA ANÁLISE DO DISCURSO TÓPICO 01: O QUE É A ANÁLISE DO DISCURSO MULTIMÍDIA Ligue o som do seu computador! OBS.: Alguns recursos de multimídia utilizados em nossas aulas, como vídeos legendados e animações, requerem a instalação da versão mais atualizada do programa Adobe Flash Player. Para baixar a versão mais recente do programa Adobe Flash Player, clique aqui! [1] Utilizaremos, para nos aproximarmos de uma definição da Análise do Discurso, de princípios e procedimentos da própria disciplina: a. Como qualquer outra disciplina, ela será encarada como um discurso, ou seja, um dizer e uma ação sobre o real. Numa palavra: uma prática. Não se pretende uma verdade sobre a realidade discursiva, mas uma interpretação desta realidade sob óculos peculiares. Por outro lado, esta realidade, tal como a realidade não-discursiva, não é um mundo estável, estanque e imune à própria discursividade produzida pela Análise do Discurso. b. Partindo do princípio de que o advento de qualquer discurso só existe se posicionando em um campo já habitado, procuraremos indicar em que a disciplina se aproxima e se diferencia de outras conforme suas diversas dimensões. c. Supondo que os títulos das disciplinas não são nem inteiramente transparentes ao objeto das mesmas nem rótulos inocentes e alheios a seus modos de dizer e fazer, iremos submeter a expressão Análise do Discurso a uma análise discursiva. As múltiplas dimensões da Análise do Discurso e sua relação com disciplinas concorrentes Podemos dizer que a Análise do Discurso tem múltiplas dimensões. De um lado trata-se de uma disciplina que se dedica a um modo de leitura de textos. Nesse sentido, ela se filia a uma linhagem de disciplinas que historicamente vêm se dedicando a essa prática, como a Hermenêutica, a Filologia e a Teoria Literária. Hermenêutica: (do grego ermēneutikē ), trata-se de disciplina que tem por fim a interpretação correta e objetiva de textos religiosos ou filosóficos, especialmente das Sagradas Escrituras. Hermes, deus grego da comunicação e do entendimento humano, é o patrono da hermenêutica. A FILOLOGIA (do grego antigo Φιλολογία, amor ao estudo, à instrução ) disciplina que estuda a língua, a literatura e a cultura de

2 um povo numa perspectiva histórica a partir de documentos escritos. Por vezes, o termo pode também denominar o estudo científico da história de uma língua ou família linguística, porém esse estudo é mais apropriadamente chamado hoje de Linguística Histórica. Assim, os filólogos propriamente ditos se dedicam ao estudo material e crítico dos textos. São ramos da filologia a Ecdótica (arte de descobrir e corrigir os erros de um documento escrito, preparando-lhe uma edição em que se procura estabelecer o texto perfeito), a Crítica Textual (estudo dos textos antigos e da sua preservação ou corrupção ao longo do tempo), a Crítica Genética (investiga a gênese da obra literária através do estudo dos mecanismos de produção e caminhos seguidos pelo escritor na preparação dos originais de sua(s) edição(ões)), Paleografia (estuda textos manuscritos antigos e medievais; estuda também a origem, a forma e a evolução da escrita) e a Epigrafia (estuda as inscrições antigas, ou epígrafos, gravados em material sólido visando decifrar, interpretar e classificar as inscrições. Teoria Literária: Disciplina que tem como objeto o texto literário, que vai ser estudado ao nível das suas propriedades, da sua ligação com outros textos similares, do papel do autor e do gênero. A Teoria Literária ou Teoria da Literatura trabalha em conjunto com a História da Literatura tentando integrar os diversos textos numa corrente literária. Enquanto ciência, deve produzir conceitos, hipóteses explicativas, métodos e instrumentos de análise que vão lhe permitir obter um conhecimento profundo sobre uma obra, tendo em conta o gênero, a corrente e a linguagem literária em que se insere. Quanto à Hermenêutica, entendida como disciplina preocupada com a leitura correta dos textos ou com o estabelecimento da melhor interpretação de um texto, a distância se dá pelo fato de AD não pretender a busca do Sentido, isto é, a revelação do verdadeiro sentido de um texto. Ao contrário, a Análise do Discurso pretende liberar os múltiplos sentidos de um texto porque segundo seus princípios, conforme veremos adiante, todo texto é sempre legível de múltiplas formas. Embora a AD pretenda, sim, efetuar uma interpretação de textos, interpretação que se pretende rigorosa, na medida em que amparada em sua materialidade, esta não se pretende o desvelamento do Sentido do texto. Um ponto crucial, portanto, marca o distanciamento entre as duas disciplinas: uma vez que não considera o texto como uma unidade fechada, mas sempre aberta a múltiplas interpretações, a AD está sempre atenta à possibilidade de que o sentido pode ser sempre outro. VERSÃO TEXTUAL Como qualquer disciplina do campo da cientificidade, a AD deve rejeitar uma leitura normativa, se recusando a tentar responder questões como "qual a melhor maneira de se descobrir o que realmente este texto quis dizer?", "como atingir o real sentido de um

3 texto?", etc. Interessa para a AD o que de fato foi dito, os múltiplos sentidos liberados, o como foi dito... Quanto à Filologia, podemos dizer que não se trata para a AD de ler o texto com o pretexto de estabelecer ou compreender seu contexto cultural. Isso pressuporia uma visão do contexto de um texto como uma moldura, numa relação de exterioridade, como se o contexto de um texto fosse uma realidade constante, muda, indiferente e pré-existente ao texto. Veremos que, para a AD, todo texto supõe seu contexto. Ele tem sempre marcas desse contexto e nele interfere diretamente. VERSÃO TEXTUAL Embora muitos analistas estabeleçam objetivos diversos para a análise e, de algum modo, um certo finalismo tenha marcado a própria origem da disciplina, a AD deve rejeitar a ideia de pretexto, pois esta supõe uma secundarização da análise em função de fins ou objetos supostamente mais nobres. À Teoria Literária a AD deve bastante... Esta disciplina tem grande influência nas práticas de leitura e interpretação de textos em ambiente escolar, sendo praticamente, hoje em dia, no Brasil, a responsável quase isolada pelas práticas analíticas voltadas para o texto e para o discurso com as quais os usuários leigos da língua têm contato durante a infância e a adolescência. O estudo dos textos literários historicamente desenvolveu importantes conceitos hoje apropriados pela Análise do Discurso, como gênero, intertextualidade e posicionamento. É clara, no entanto, a diferença entre as duas disciplinas em diversos aspectos. Em primeiro lugar, a apreensão da AD pretende-se muito mais abrangente, podendo inclusive tomar o próprio discurso da Teoria Literária e seu objeto como objetos de análise. No entanto, e este é o segundo lugar, a abordagem discursiva, mesmo a de textos literários, não será estética. Ou seja, sem pretender substituir e sem que o aspecto estético seja negligenciado, o texto literário não será examinado com o objetivo de apreender sua literariedade, não será julgado em suas qualidades artísticas através de conceitos como belo ou bom gosto, mas como uma enunciação (como tantas outras) que funciona ligada a uma instituição discursiva específica. Por outro lado, a Análise do Discurso é uma disciplina preocupada com a formulação de uma teoria geral da linguagem, uma vez que a prática de leitura que realiza pressupõe um modo de conceber o processo que tornou possíveis os textos de que se ocupa. E aí, por esse aspecto, a Análise do Discurso é também uma teoria do discurso, o que a aproxima das disciplinas científicas voltadas para a compreensão teórica da linguagem, como a Linguística (Linguística: Setor das Ciências Humanas cujo objetivo é descrever e explicar cientificamente as línguas naturais humanas, tanto do ponto de vista dos sistemas subjacentes (mentais ou sociais) quanto do ponto de vista dos processos históricos que

4 conduzem à mudança desses sistemas. Pode também investigar os processos de aprendizagem, produção, processamento e transposição material e variação social da linguagem verbal humana. (http://pt.wikipedia.org/wiki/semi%c3%b3tica)) e a Semiótica (Semiótica: (do grego semeiotiké ou a arte dos sinais ) - ciência geral dos signos, estuda os fenômenos culturais como se fossem sistemas sígnicos, isto é, sistemas de significação. Ocupa-se do estudo do processo de significação ou representação, na natureza e na cultura, do conceito ou da ideia. Mais abrangente que a Linguística, a qual se restringe ao estudo dos signos linguísticos, ou seja, do sistema sígnico da linguagem verbal, esta ciência tem por objeto qualquer sistema sígnico.(http://pt.wikipedia.org/wiki/semi% C3%B3tica)). Sem entrar na questão do modo como compreendem a linguagem e o discurso, podemos afirmar que a AD comunga com esses campos de saber no sentido não abrir mão de princípios universais de cientificidade tais como a busca da universalidade, a validação prática de suas descobertas, crenças e criações, a investigação metódica, etc. Diferentemente dessas disciplinas, porém, na medida em que a AD pretende, mais do que propor modelos de análise, verificar os condicionamentos sóciohistóricos da produção linguística concreta, ou ainda, investigar os nexos que condicionam as formas linguísticas, ela esclarece e contribui para a emancipação crítica do falante-ouvinte. Além do mais, a AD não separa o produto do processo de produção. Para ela, a exterioridade é constitutiva do texto, isto é, o falante (escritor), o ouvinte (leitor) e o contexto social e histórico no qual estão inseridos, bem como as próprias formulações linguísticas fixadas na memória discursiva, são levados em conta na sua prática. Dessa forma, ela procura evitar tanto o distanciamento presente nas ciências, quanto o pragmatismo inerente ao senso comum, procurando descrever, explicitar e problematizar a discursividade. Diante desta, o procedimento da AD é, portanto, de reflexão crítica, pois procura problematizar continuamente as evidências e explicitar seu caráter políticoideológico (ORLANDI, 1987). Note-se que a AD não se pretende colocar como uma alternativa para a Linguística e a Semiótica - ciências positivas que pretendem descrever e explicar a linguagem verbal humana, mas como proposta crítica que pretende problematizar as formas de reflexão estabelecidas (ORLANDI, op. cit.). Um aspecto importante dessa diferença entre a Análise do Discurso e as outras perspectivas elencadas diz respeito à forma de encarar o objeto linguagem. A AD olha seu objeto como parte da totalidade social e histórica, procurando articular aquilo que a olho nu aparece como desarticulado: a linguagem, a história, a sociedade, os sujeitos. Daí o caráter interdisciplinar da Análise do Discurso que não hesita em buscar de outras áreas do saber elementos para tentar compreender a linguagem. De outra parte, consideramos que a Análise do Discurso se aproxima do saber filosófico acerca da linguagem. Naturalmente que essa aproximação tem grande relação com o fato de serem filósofos alguns de seus precursores como Mikhail Bakhtin, Louis Althusser e Michel Foucault, além de ser filósofo seu próprio fundador oficial, Michel Pêcheux. Mas seria redutor creditar unicamente a esse fato, certamente relevante, a aura filosófica da

5 Análise do Discurso. Pensamos que isso tem a ver com uma postura reflexiva, crítica e de não-neutralidade, a nosso ver irredutível, diante de seu objeto e do mundo. Diante, por exemplo, da descoberta de estratégias de manipulação do leitor/ouvinte ou de mascaramento de determinados mecanismos de poder, o analista não pode deixar de se posicionar e de denunciar. Mas não apenas isso. Além dessa dimensão ética, pensamos que outra herança do discurso filosófico incorporado pela AD compõe um aspecto de seu instrumental metodológico baseado na reflexão sobre seu objeto em oposição a uma linguagem meramente descritiva, que se pretenderia transparente, reflexo do real. Mais do que desvendar a realidade discursiva, o discurso da Análise do Discurso pretende problematizá-la. Essa problematização passa por um uso da linguagem que problematiza ela própria a linguagem comum das ciências positivas da linguagem. Daí o uso de metáforas, alegorias, aparentes paradoxos, construções inusitadas, de um código de linguagem aberto à visita da subjetividade, mas sempre preso ao rigor e avesso à especulação. QUADRO COM SÍNTESE FONTES DAS IMAGENS Responsável: Professor Nelson Barros da Costa Universidade Federal do Ceará - Instituto UFC Virtual

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010

PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 PROPOSTA PARA ESTÁGIO SUPERVISIONADO II ENSINO DE CIÊNCIAS 2010 OBSERVAÇÃO NA ESCOLA Localização da Escola 29/03 16/04 Espaço Físico PPP e o Ensino de Ciências OBSERVAÇÃO NA SALA Relação Professor/Alunos

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical

Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Sobre a diferença entre música e musicalidade: considerações para educação musical Rafael Beling Unasp rafaelbeling@gamil.com Resumo: os termos música e musicalidade, por sua evidente proximidade, podem

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROGRAMA DE APOIO AO ENSINO E GRADUAÇÃO - PAEG PROJETO DE ENSINO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA: PRÁTICAS DOCENTES E MATERIAIS DIDÁTICOS IDENTIFICAÇÃO DA AÇÃO: COORDENADOR

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social.

A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. A visita domiciliar como instrumento de apreensão da realidade social. Silvana Dóris Perin 1 RESUMO: O presente artigo aborda a necessidade do conhecimento da realidade social para efetivação da práxis

Leia mais

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ALIENAÇÃO E FETICHE: DESDOBRAMENTOS NO TRABALHO REALIZADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Laís Leni Oliveira Lima Universidade Federal de Goiás-Campus Jataí laisleni@yahoo.com.br CONSIDERAÇÕES INTRODUTÓRIAS Este

Leia mais

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA)

Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Colégio Pedro II Departamento de Filosofia Programas Curriculares Ano Letivo: 2010 (Ensino Médio Regular, Ensino Médio Integrado, PROEJA) Considerações sobre o Programa de Filosofia do Ensino Médio Regular

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico.

DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO. META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. DESENVOLVIMENTO E ORGANIZA- ÇÃO DO TRABALHO CIENTÍFICO Aula 3 META Descrever como proceder para melhor elaborar e organizar um trabalho científico. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno(a) deverá: ler

Leia mais

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS

A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS A LEITURA NA VOZ DO PROFESSOR: O MOVIMENTO DOS SENTIDOS Victória Junqueira Franco do Amaral -FFCLRP-USP Soraya Maria Romano Pacífico - FFCLRP-USP Para nosso trabalho foram coletadas 8 redações produzidas

Leia mais

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER

MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER MATEMÁTICA: É PRECISO LER, ESCREVER E SE ENVOLVER Nilton Cezar Ferreira 1 Por mais de dois séculos já se faz reformas curriculares no Brasil, no entanto nenhuma dessas reformas conseguiu mudar de forma

Leia mais

ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS N. 24/2015

ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS N. 24/2015 ORIENTAÇÕES PEDAGÓGICAS N. 24/2015 TÓPICO DE ESTUDO: ANÁLISE DOS RESULTADOS/DEVOLUTIVA 1 DEVOLUTIVA DE AVALIAÇÃO: O QUE É ISSO? No contexto da sala de aula, talvez não exista outra prática curricular mais

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Guia do Professor Introdução

Guia do Professor Introdução Guia do Professor Introdução Uma simulação é um modelo dinâmico que busca representar, tanto quanto possível, o funcionamento real de um sistema, explorando as relações nele presentes. O objeto educacional

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO BUSCA DE UMA POSTURA METODOLÓGICA REFLEXIVA E INVESTIGADORA E A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE PROFISSIONAL DO FUTURO DOCENTE FIGUEIREDO, Katherine Medeiros¹; OLIVEIRA, Claudimary

Leia mais

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1

INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 INTEGRAÇÃO DA TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR QUE ENSINA MATEMÁTICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA 1 Marilena Bittar, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Sheila Denize Guimarães, Universidade Federal de

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES

O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES O QUE OS ALUNOS DIZEM SOBRE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA: VOZES E VISÕES Aline Patrícia da Silva (Departamento de Letras - UFRN) Camila Maria Gomes (Departamento de Letras - UFRN) Orientadora: Profª Dra.

Leia mais

Aula 02 O ATO DE LER ATO DE LER

Aula 02 O ATO DE LER ATO DE LER Aula 02 O ATO DE LER Nesta aula trataremos sobre um assunto extremamente interessante: a leitura. Você já parou para pensar sobre as diversas formas de leitura que temos a oportunidade de fazer?? E de

Leia mais

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO

OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO OS DESAFIOS DO CONHECIMENTO A realidade é que o homem tem um estranho desejo de conhecer e que sua natureza falha... A verdadeira natureza do homem é ampla, consiste em ter capacidades e também em ter

Leia mais

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA

PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA PÉ NO PALCO PROJETO INTERDISCIPLINAR DO ENSINO FUNDAMENTAL II DO COLÉGIO NACIONAL UBERLÂNDIA Getúlio Góis de Araújo getulio_araujo @nacionalnet.com.br Colégio Nacional Ensino Fundamental II Relato de Experiência

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PROCESSO AVALIATIVO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Thayssa Stefane Macedo Nascimento Graduanda do curso de Pedagogia da UFPI RESUMO O presente trabalho discute acerca da avaliação na educação infantil tendo como

Leia mais

O QUE É LEITURA? Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). rosália.prados@gmail.com 1

O QUE É LEITURA? Mestrado em Políticas Públicas da Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). rosália.prados@gmail.com 1 O QUE É LEITURA? Antonio Deusivam de Oliveira (UMC) * Rosália Maria Netto Prados (USP/UMC) ** Quando falamos em leitura, parece que estamos nos referindo a algo subjetivo; no entanto, uma das características

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE CRIANÇAS E LEITURA NO INÍCIO DA VIDA ESCOLAR

RELAÇÕES ENTRE CRIANÇAS E LEITURA NO INÍCIO DA VIDA ESCOLAR RELAÇÕES ENTRE CRIANÇAS E LEITURA NO INÍCIO DA VIDA ESCOLAR FABIANA RODRIGUES CRUVINEL (UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO). Resumo O objetivo desse trabalho é compartilhar resultados acerca de pesquisa

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO

A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO A PESQUISA NA FORMAÇÃO DE PEDAGOGOS: UM ESTUDO DE CASO Msc. Maria Iolanda Fontana - PUCPR / UTP miolandafontana@hotmail.com RESUMO O presente trabalho sintetiza parcialmente o conteúdo da dissertação de

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política

MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política ////////////////////////// Ficha de Leitura * ////////////////////////// MARX, Karl Contribuição à Crítica da Economia Política Introdução [À Crítica da Economia Política] Prefácio [Para a Crítica da Economia

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS

CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS CHARGES ELETRÔNICAS: SOM, ANIMAÇÃO, HUMOR E CRÍTICAS Larissa Fávaro de Oliveira Souza Camila Aparecida Baptista (G - CLCA - UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora - CLCA - UENP/CJ) Introdução Inserida

Leia mais

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva

Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO. Eugênio Pacelli Jerônimo Santos Flávia Ferreira da Silva Aula8 HETEROGENEIDADE DISCURSIVA: OS MODOS DE REPRESENTAÇÃO DO OUTRO NO DISCURSO META Discutir a heterogeneidade discursiva como constitutiva da linguagem. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias OS CICLOS DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO HUMANO E A REALIDADE DA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA PÚBLICA Suzane Ribeiro Milhomem E-mail:

Leia mais

EE JARDIM MARIA DIRCE III

EE JARDIM MARIA DIRCE III EE JARDIM MARIA DIRCE III GUARULHOS SP DIRETORIA DE ENSINO GUARULHOS SUL RUA TREZE DE JULHO 52 JD PRESIDENTE DUTRA TEL 11-24331591 E-MAIL e925111a@see.sp.gov.br A BOA EDUCAÇÃO NÃO É AQUELA EM QUE OS EDUCANDOS

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES 1 A LDB, no Titulo VI, trata dos Profissionais da Educação, considerando sob essa categoria não só os professores, que são responsáveis pela gestão da sala de aula, mas

Leia mais

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT)

UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) Introdução UMA ANÁLISE DISCURSIVA DE DICIONÁRIOS* Joelma Aparecida Bressanin joelmaab@hotmail.com Doutoranda Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT) O projeto História das Ideias Linguísticas 1

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

3 Definição da metodologia

3 Definição da metodologia 3 Definição da metodologia A Pesquisa-ação foi a metodologia escolhida para a realização desta pesquisa, por indicar a participação do autor e a interação de outros atores na produção de conhecimento a

Leia mais

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO

Módulo III Objetos de Aprendizagem ALFABETIZAÇÃO ALFABETIZAÇÃO Guia do professor Introdução A leitura e a escrita são instrumentos que auxiliam a promoção da inclusão social. Sendo assim, a alfabetização é um processo relevante e imprescindível para

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS?

BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? BLOG: GÊNERO TEXTUAL OU SUPORTE PARA GÊNEROS? Daiane Eloísa dos Santos (G-CLCA-UENP/CJ) Geovana Lourenço de Carvalho (G-CLCA-UENP/CJ) Vera Maria Ramos Pinto (Orientadora-CLCA-UENP/CJ) Resumo: Com base

Leia mais

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL PROJETO INTERDISCIPLINAR - 1º SEMESTRE AAP (Atividade Autônoma de Projeto) Jales 2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 FINALIDADE DO P.I. (PROJETO INTERDISCIPLINAR)... 3 3 PRESENÇA

Leia mais

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I:

Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler. Unidade I: Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Unidade I: 0 Unidade: A Poesia: uma outra maneira para gostar de ler Olá Alunos, Na unidade anterior conhecemos e discutimos um pouco a respeito

Leia mais

Antropologia Religiosa

Antropologia Religiosa Antropologia Religiosa Quem somos nós? De onde viemos? Para onde vamos? Qual é a nossa missão no universo? O que nos espera? Que sentido podemos dar a nossa vida? Qual o sentido da história e do mundo?

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA?

ENSINO DE GRAMÁTICA OU ANÁLISE LINGUÍSTICA? SERÁ QUE ESSA ESCOLHA É NECESSÁRIA? 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ENSINO DE

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012

EMENTAS DAS DISCIPLINAS OFERECIDAS NO CURSO DE PEDAGOGIA Catálogo 2012 EP107 Introdução à Pedagogia Organização do Trabalho Pedagógico Ementa: O objetivo das ciências da educação. O problema da unidade, especificidade e autonomia das ciências da educação. A educação como

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1

A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 A IMPORTÂNCIA DO SUPORTE PARA A IDENTIFICAÇÃO DE UMA NOTÍCIA SATÍRICA* 1 Emanoel Barbosa de Sousa - UFC Maria Lourdilene Vieira Barbosa UFMG Resumo: Considerando os elementos responsáveis pela interpretação

Leia mais

AMBIENTAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E AÇÃO TUTORIAL AULA 01: AMBIENTAÇÃO TÓPICO 03: HISTÓRIA E FUNDAMENTOS DA EAD VERSÃO TEXTUAL DO FLASH Você conhece a origem da Educação a Distância? Como se iniciaram

Leia mais

AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil

AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita. CURSO Alfabetização Linguística e Matemática na Educação Infantil AULA 1 Os primeiros contatos da criança com a linguagem escrita Meta Retomar alguns conceitos importantes relativos à alfabetização na educação. Infantil. Sugerir práticas que aproximem a criança do código

Leia mais

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS.

A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. A PRÁTICA PROFISSIONAL NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL: UM ENFOQUE NOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS. CLáudia Mônica dos Santos RESUMO: Esse estudo tem por objetivo conhecer como a prática profissional vem

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA UNIDADE 5 ANO 2 O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NA SALA DE AULA INICIANDO A CONVERSA APROFUNDANDO O TEMA Por que ensinar gêneros textuais na escola? Registro

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO Unidade I PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO EDAAPRENDIZAGEM APRENDIZAGEM Prof. Wanderlei Sergio da Silva Conceito PDA estudo sobre o crescimento mental do indivíduo, desde o nascimento até a adolescência;

Leia mais

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD

A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD A narrativa como instrumento de interação na modalidade de EAD Neusa Teresinha Bohnen (UNITINS) 1. Considerações iniciais Aprender uma Língua Estrangeira (LE) assume um caráter mais importante em tempos

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

Textos originais, revisados pelos membros do conselho editorial. O Editor Científico

Textos originais, revisados pelos membros do conselho editorial. O Editor Científico São Bern@rdo.com.br Revista Acadêmica do Grupo Comunicacional de São Bernardo www.metodista.br/unesco/gcsb/index.htm Ano 1 - nº 1 - (janeiro/junho de 2004) Textos originais, revisados pelos membros do

Leia mais

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução

Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO. Introdução Oficina 18: TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO Introdução Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) o conteúdo Tratamento da Informação, deve ser trabalhado de modo que estimule os alunos a fazer perguntas,

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação

Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Resenha sobre o capítulo II Concepção e Organização da pesquisa do livro Metodologia da Pesquisa-ação Felipe Schadt 1 O presente capítulo 2 é parte integrante do livro Metodologia da Pesquisa-ação, do

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR

A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR A PESQUISA NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO SOCIAL: MAIS UM OLHAR Alexandre de Medeiros Motta 1 RESUMO O campo da comunicação é um espaço emocionante para ser sondado e explorado pela pesquisa, principalmente aquelas

Leia mais

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO

BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO BAKHTIN: O EVENTO DA ENUNCIAÇÃO NO PROCESSO TRADUTÓRIO Evandro Santana 1 RESUMO O presente artigo propõe uma análise do processo de tradução à luz das proposições de Mikhail Bakhtin (1895-1975) 1975) no

Leia mais

Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP

Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP Orientação para CADASTRO de PROJETO DE PESQUISA no BANCO DE DADOS da PESQUISA da UNICAP a) OBJETIVO DA PROPOSTA A Pró-reitoria Acadêmica (PRAC), dando continuidade às ações para consolidação da pesquisa

Leia mais

ESTUDOS DE LETRAMENTO ACADÊMICO

ESTUDOS DE LETRAMENTO ACADÊMICO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ESTUDOS DE

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE LEITURA: A PREDIÇÃO ATRAVÉS DE TEXTOS ONLINE

ESTRATÉGIAS DE LEITURA: A PREDIÇÃO ATRAVÉS DE TEXTOS ONLINE * ESTRATÉGIAS DE LEITURA: A PREDIÇÃO ATRAVÉS DE TEXTOS ONLINE Juliano Paines Martins Mestrando PROSUP/CAPES do PPGL Mestrado: Leitura e Cognição UNISC/RS RESUMO: O presente texto aborda uma prática docente

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM NA ADOLESCÊNCIA AULA 03: ABORDAGEM DA PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO TÓPICO 01: AS FASES DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Para compreendermos a natureza do comportamento

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PARA TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PARA TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PARA TRABALHO FINAL DE GRADUAÇÃO São Borja, Janeiro de 2010. Elaboração: Dra.. Caroline Goerck Dra. Cristina Fraga Me. Eliana Godoy Me. Elisângela Maia Pessoa

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky

O processo de aquisição da linguagem escrita: estudos de A. R. Lúria e L. S. Vygotsky O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ESCRITA: ESTUDOS DE A. R. LÚRIA E L. S. VYGOTSKY Ana Carolina Rosendo Gonzalez C. Baptista Edileusa Lopes de L. Alves Kátia Garcia Vanessa Leite * INTRODUÇÃO O presente

Leia mais

Pesquisa e método científicos

Pesquisa e método científicos Pesquisa e método científicos Cláudia Dias e Denise Fernandes Brasília, março 2000. Resumo Apresenta conceitos de ciência, pesquisa e método científicos e traça paralelos entre conhecimento científico

Leia mais

Relações de força: história, retórica, prova

Relações de força: história, retórica, prova resenhas 223 Relações de força: história, retórica, prova autor Carlo Ginzburg cidade São Paulo editora Companhia das Letras ano 2002 O historiador Carlo Ginzburg configura-se com destaque no cenário internacional,

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br

RESENHA. Magali Aparecida Silvestre. Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br RESENHA Magali Aparecida Silvestre Universidade Federal de São Paulo Campus Guarulhos e-mail: magali.silvestre@unifesp.br Resenha da obra: Didática: embates contemporâneos Maria Amélia Santoro Franco (org.)

Leia mais

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA

AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA AVALIAÇÃO MEDIADORA: RESSIGNIFICANDO O PROCESSO DE AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO BÁSICA Rúbia Emmel, UNIJUÍ Alexandre José Krul, UNIJUÍ RESUMO: Este recorte de pesquisa em educação tem por objetivo refletir sobre

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA

ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA 00929 ALUNOS SURDOS E INTÉRPRETES OUVINTES NA PERSPECTIVA DA INCLUSÃO COMO PRÁTICA DISCURSIVA SANTOS, Joaquim Cesar Cunha dos 1 Universidade Federal do Espírito Santo UFES NOGUEIRA, Fernanda dos Santos

Leia mais

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET

INCLUSÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DE CONSTRUÇÃO COMPARTILHADA NA INTERNET 110. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br

Como desenvolver um projeto de pesquisa. Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Como desenvolver um projeto de pesquisa Profa. Ana Maria Ferreira Barcelos anamfb@ufv.br Pesquisa é curiosidade formalizada. É cutucar e indagar com um propósito. (Zora Neale Hurston) A ciência, como um

Leia mais

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2

Martin Heidegger, La Question de la Technique, in Essais et Conférences, Paris, Éd. Gallimard, 1968. 2 1 PREFÁCIO O objectivo destas páginas é o de apresentar, de maneira acessível e resumida, as principais técnicas da comunicação e da informação, que constituem, em conjunto, um dos domínios que mais directamente

Leia mais

Disciplina: Alfabetização

Disciplina: Alfabetização Título do artigo: As intervenções didáticas no processo de alfabetização inicial Disciplina: Alfabetização Selecionador: Beatriz Gouveia 1 Categoria: Professor 1 Coordenadora de projetos do Instituto Avisa

Leia mais

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1

A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 A TECNOLOGIA DO HIPERTEXTO NA APRENDIZAGEM DE UM CURSO A DISTÂNCIA ON-LINE 1 Naziozênio A. LACERDA (UFPI/UFMG) 2 RESUMO: O objetivo deste trabalho é relatar uma experiência de uso da tecnologia do hipertexto

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE LETRAS INTERDISCIPLINARIDADE: DESAFIO NO ENSINO DAS LETRAS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E PEDAGOGIA Luzinete Alves da Silva. Jeferson

Leia mais