FOLHA DE ROSTO UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO. Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOLHA DE ROSTO UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO. Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ"

Transcrição

1 FOLHA DE ROSTO Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração COPPEAD UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NOS SETORES BANCÁRIO E DE SEGURADORAS Américo Leite de Almeida Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo Rio de Janeiro, 2000

2 II FOLHA DE APROVAÇÃO Título: UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NOS SETORES BANCÁRIO E DE SEGURADORAS Américo Leite de Almeida Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Administração. Aprovada por: Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo - Presidente da Banca Profa. Dra. Rebecca Arkader Profa. Dra. Fátima Sobral Fernandes Rio de Janeiro, 2000

3 III FICHA CATALOGRÁFICA Almeida, Américo Leite de. Um estudo sobre elementos da Cadeia Serviços/Lucro nos setores bancário e de seguradoras/américo Leite de Almeida. Rio de Janeiro: COPPEAD, VII, 206p. Dissertação Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Operações. 2. Serviços. 3. Tese (Mestr. COPPEAD/UFRJ). I. Título.

4 IV Aos meus pais, Zélia e Américo, por tudo.

5 V AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo, que sugeriu a bibliografia inicial e o tema da pesquisa. Pelo incentivo e atenção a mim dispensados, meus sinceros agradecimentos. Às professoras da Banca Examinadora, Profa. Dra. Rebecca Arkader e Profa. Dra. Fátima Sobral Fernandes, desejo expressar gratidão pelo profissionalismo manifesto na leitura cuidadosa dos originais, cujas sugestões muito enriqueceram este estudo. Gostaria de homenagear os colegas da Turma 97 do COPPEAD, com os quais muito aprendi. À amiga Cláudia Freire, uma especial saudação pelo cuidado na elaboração do abstract num domingo longínquo. Aos profissionais e amigos José Gaspar Nayme Novelli, Douglas Ramos e Rosa Said, meu muito obrigado pela compreensão, tolerância e apoio, que muito me foram úteis nesta longa jornada. À Aline, às nossas famílias e amigos, no Rio e em Brasília, agradeço pelo carinho e paciência. Aos funcionários da Biblioteca e da Secretaria do COPPEAD, uma menção honrosa pela excelência do trabalho. Gostaria de aqui expressar minha gratidão a todas as empresas e profissionais que aceitaram participar da pesquisa. Por fim, meu agradecimento ao Banco do Brasil, pelo patrocínio a mim concedido na qualidade de pesquisador, sem o qual este estudo não teria sido possível.

6 VI RESUMO RESUMO DA DISSERTAÇÃO APRESENTADA À COPPEAD/UFRJ COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M.SC.) UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NOS SETORES BANCÁRIO E DE SEGURADORAS AMÉRICO LEITE DE ALMEIDA NOVEMBRO/2000 ORIENTADOR: PROF. KLEBER FOSSATI FIGUEIREDO PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO Este é uma pesquisa exploratória do tipo survey que objetiva estudar o grau de conhecimento e aplicação de elementos da Cadeia Serviços/Lucro nos setores bancário e de seguradoras, com ênfase nos conceitos qualidade e valor percebidos, satisfação e lealdade do cliente. Aplicou-se pioneiramente no Brasil o questionário da Pesquisa Internacional em Serviços. O modelo teórico, baseado na Cadeia Serviços/Lucro, propõe um forte elo entre lucratividade e crescimento da empresa prestadora de serviços, lealdade e satisfação do cliente, o valor dos bens e serviços entregues ao cliente e os aspectos internos da empresa capacitação, satisfação, lealdade e produtividade dos empregados. De acordo com a teoria, os clientes percebem o tipo de ambiente interno da companhia através do modo como os empregados os atendem, e isto afeta a percepção deles quanto à experiência do serviço. Os resultados indicam que as empresas pesquisadas não se utilizam dos dados sobre qualidade para melhorar o serviço que prestam a diferentes segmentos de clientes, predominando uma cultura interna reativa às mudanças no mercado. Uma possível interpretação para esses resultados pode ser o ambiente econômico favorável aos setores estudados, nos últimos três anos antes da pesquisa, o que permitiu um crescimento expressivo da base de clientes. Como resultado, essas empresas provavelmente não sentiram necessidade de se concentrar em alcançar altos padrões de qualidade, adotar estratégias de marketing defensivo e elevar a retenção de clientes.

7 VII ABSTRACT SUMMARY OF THE DISSERTATION PRESENTED TO COPPEAD/UFRJ AS PART OF THE REQUIREMENTS NEEDED TO OBTAIN THE TITLE OF MASTER IN SCIENCE (M.SC.) A STUDY OF THE ELEMENTS OF THE SERVICE/PROFIT CHAIN IN THE BANKING AND INSURANCE SECTORS AMÉRICO LEITE DE ALMEIDA NOVEMBER/2000 ADVISOR: PROF. KLEBER FOSSATI FIGUEIREDO PROGRAM: BUSINESS ADMINISTRATION This is an exploratory study of a survey type which aims to evaluate the degree of knowledge and application of the concepts of the Service/Profit chain in the banking and insurance sectors, with emphasis in the concepts of quality and perceived value, satisfaction and client loyalty. The application of the International Service Survey - ISS was pioneer in Brazil. The theoretical model, based in the Service Profit Chain, suggests that there are strong relationships between profit and the service company's growth, customer loyalty and customer satisfaction, and the value of goods and services delivered to customers and the internal aspects of a company employee capability, satisfaction, loyalty and productivity. According to the theory, clients perceive the type of internal environment of a company through the way employees serve them, and this affects their perception of the service experience. The results obtained indicate that the companies surveyd do not use the data collected on quality to improve the service they provide to different segments of clients, with the predominance of an internal culture that is reactive to market changes. A possible explanation for these results is the favorable economic environment experienced by the sectors studied in the last three years before this research, which has allowed a strong growth in the companies' client base. As a result, these companies probably did not feel the need to focus on reaching higher quality standards, adopting defensive marketing strategies and increasing clients retention.

8 Índice CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO RELEVÂNCIA DO ASSUNTO Bancos Seguros OBJETIVOS DO ESTUDO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO CAPÍTULO 2 - REVISÃO DA LITERATURA PRIMEIRA PARTE - OS CONCEITOS BÁSICOS DESTE ESTUDO QUALIDADE PERCEBIDA Qualidade em Serviços A questão da percepção A relatividade da Qualidade Percebida Distinções entre Expectativas e Necessidades do Cliente Qualidade como Modelo de Gestão Modelos de Qualidade em Serviços O Modelo dos Cinco Hiatos de Qualidade em Serviços O Modelo de Qualidade de Serviços de Grönroos SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Paradigma da Desconfirmação das Expectativas A Teoria da Atribuição Distinção e Elo entre Satisfação do Consumidor e Qualidade Percebida Elo entre Satisfação e Força do Relacionamento VALOR PERCEBIDO Valor Superior como Gerador de Lealdade Alternativas para modificar ovalor Percebido LEALDADE DO CLIENTE Lealdade e Relacionamento O Elo entre Força do Relacionamento e Lealdade Lealdade com os Clientes Certos Segmentação dos Clientes de Serviços Recuperação de Serviços e Lealdade Benefícios da Análise das Causas da Evasão de Clientes Implicações Estratégicas da Lealdade Na prática, uma melhor percepção do cliente quanto à qualidade e ao valor 52 oferecido compensam, do ponto de vista financeiro?

9 Índice SEGUNDA PARTE - MODELOS E TEORIAS QUE RELACIONAM OS CONCEITOS ESTUDADOS À LUCRATIVIDADE AS DIFICULDADES DE MENSURAÇÃO DOS CONCEITOS AS DIMENSÕES ECONÔMICAS DA LEALDADE O ELO ENTRE LEALDADE E LUCRATIVIDADE A CADEIA SERVIÇOS/LUCRO Lucratividade e Crescimento estão relacionados à Lealdade do Consumidor A Lealdade do cliente está relacionada à sua Satisfação A Satisfação dos Clientes está relacionada com Valor do Serviço A produtividade está relacionada à Lealdade dos Empregados A Lealdade Interna está relacionada à Satisfação dos Empregados A Satisfação dos Empregados está relacionada à Qualidade Interna A Liderança está por detrás do sucesso da Cadeia Serviços/Lucro A CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NO BRASIL TERCEIRA PARTE - A IMPORTÂNCIA DOS EMPREGADOS RECONHECIMENTO E FEEDBACK RECOMPENSA E DESEMPENHO ADAPTABILIDADE CLIMA E CULTURA CULTURA DE SERVIÇOS ORIENTAÇÃO PARA SERVIÇO LÓGICA DE SERVIÇOS LIMITAÇÕES AO POTENCIAL UNIFICADOR DA LÓGICA DE SERVIÇOS PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES SOBRE A REVISÃO DA LITERATURA CAPÍTULO 3 METODOLOGIA PERGUNTAS DA PESQUISA ESCOLHA DO MÉTODO DE PESQUISA DETERMINAÇÃO DA POPULAÇÃO E DA AMOSTRA COLETA DE DADOS INSTRUMENTO QUADRO CONCEITUAL TRABALHO DE CAMPO TRATAMENTO E ANÁLISE DOS DADOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO

10 Índice CAPÍTULO 4 - RESULTADOS DA PESQUISA DESCRIÇÃO DOS RESULTADOS Categoria: Qualidade Percebida Subcategoria 1: Qualidade como Modelo de Gestão Subcategoria 2: Visão sobre a Qualidade dos Serviços Subcategoria 3: Conhecimento de Clientes, Mercados e Segmentos Subcategoria 4: Momento da Verdade Categoria: Valor Percebido Categoria: Satisfação do Cliente Categoria: Lealdade dos Clientes Subcategoria 1 Lealdade propriamente dita Subcategoria 2: Recuperação Categoria: Crescimento e Lucratividade Categoria: Aspectos relacionados aos Empregados ANÁLISE DOS RESULTADOS Concentração na Nota Média Confronto entre os Resultados e o Referencial Teórico CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES SUMÁRIO DA DISSERTAÇÃO RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS DA PESQUISA CONSIDERAÇÕES FINAIS RECOMENDAÇÕES PARA FUTURAS PESQUISAS CAPÍTULO 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11 Índice de Figuras FIGURA 1 - DISTINÇÕES ENTRE EXPECTATIVAS E NECESSIDADES DOS CLIENTES FIGURA 2 - MODELO DOS CINCO HIATOS DE QUALIDADE FIGURA 3 - QUALIDADE EM SERVIÇOS, SEGUNDO GRÖNROOS FIGURA 4 - DIFERENTES NÍVEIS DE PERCEPÇÃO DO CLIENTE QUANTO AO SERVIÇO FIGURA 5 - O ELO ENTRE QUALIDADE PERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR FIGURA 6 - O ELO ENTRE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR E FORÇA DO RELACIONAMENTO 30 FIGURA 7 - O ELO ENTRE FORÇA DO RELACIONAMENTO E LEALDADE FIGURA 8 - PADRÕES DE LUCRO NO CICLO DE VIDA DO CLIENTE EM SETORES ESPECÍFICOS FIGURA 9 - CURVA DE EVASÃO DE CLIENTES DE UMA COMPANHIA DE CARTÕES DE CRÉDITO FIGURA 10 - IMPACTO DE UM AUMENTO DE CINCO PONTOS PERCENTUAIS NO ÍNDICE ANUAL DE RETENÇÃO SOBRE O VPL DO CLIENTE FIGURA 11 PORQUE OS CLIENTES LEAIS SÃO MAIS RENTÁVEIS FIGURA 12 RECEITA DO RELACIONAMENTO COM UMA PARTE DO VOLUME TOTAL - - DO CLIENTE 68 FIGURA 13 A CADEIA SERVIÇOS/LUCRO FIGURA 14 - VISÃO SINTÉTICA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

12 Índice de Tabelas TABELA 1 - DIMENSÕES DA QUALIDADE EM SERVIÇOS TABELA 2 - OS TRÊS NÍVEIS DO MARKETING DO RELACIONAMENTO TABELA 3 - INFLUÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE SERVIÇO TABELA 4 - PRINCIPAIS RESULTADOS DA PESQUISA DE RAMOS (1998) TABELA 5 - PESQUISAS QUE VINCULAM AS PERCEPÇÕES DE EMPREGADOS E CLIENTES TABELA 6 - POSICIONAMENTO DAS EMPRESAS RESPONDENTES, SEGUNDO O RANKING 101 DA REVISTA EXAME TABELA 7 - CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 1: Qualidade como Modelo de Gestão TABELA 8 CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 2: Visão sobre a 106 Qualidade dos Serviços TABELA 9 CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 3: Conhecimento 108 de Clientes e Mercados TABELA 10 CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 4: Momento da 110 Verdade TABELA 11 CATEGORIA VALOR PERCEBIDO TABELA 12 CATEGORIA SATISFAÇÃO DO CLIENTE TABELA 13 CATEGORIA LEALDADE - Subcategoria 1: Lealdade propriamente dita TABELA 14 CATEGORIA LEALDADE - Subcategoria 2: Recuperação TABELA 15 CATEGORIA ASPECTOS RELACIONADOS AOS EMPREGADOS TABELA 16 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL RELATIVA AO TOTAL DE INDICAÇÕES TABELA 17 - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL RELATIVA DAS RESPOSTAS TABELA 18 - PRINCIPAIS RESULTADOS DESTA PESQUISA TABELA 19 - RENTABILIDADE DOS BANCOS TABELA 20 - PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO E DEPÓSITOS TOTAIS TABELA 21 - PERCENTUAL BANCARIZADO DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA PEA TABELA 22 - SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS TABELA 23 - CRESCIMENTO DO MERCADO SEGURADOR NO BRASIL TABELA 24 - PRINCIPAIS OPERAÇÕES DAS SEGURADORAS INTERNACIONAIS COM SÓCIOS BRASILEIROS TABELA 25 PARTICIPAÇÃO DOS 5 MAIORES GRUPOS NO MERCADO DE SEGURIDADE 163 TABELA 26 CORRETAGEM DOS BANCOS NA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS

13 Índice de Quadros QUADRO 1 - EXPECTATIVAS DOS CLIENTES X PERCEPÇÃO DOS EXECUTIVOS (HIATO 1) QUADRO 2 - PERCEPÇÃO INTERNA QUANTO ÀS EXPECTATIVAS DOS CLIENTES X ESPECIFICAÇÕES DA QUALIDADE DO SERVIÇO (HIATO 2) QUADRO 3 - ESPECIFICAÇÕES DA QUALIDADE DO SERVIÇO X PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PROPRIAMENTE DITA (HIATO 3) QUADRO 4 - PRESTAÇÃO DO SERVIÇO X COMUNICAÇÕES EXTERNAS (HIATO 4) QUADRO 5 - ASPECTOS MAIS RELEVANTES DA REVISÃO DA LITERATURA QUADRO 6 - CATEGORIAS PARA ANÁLISE DOS RESULTADOS

14 Apêndice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO MERCADO BRASILEIRO BANCÁRIO E DE SEGURADORAS

15 Índice de Anexos ANEXO 1 - INSTRUÇÕES E QUESTIONÁRIO ANEXO 2 - RELAÇÃO ENTRE AS QUESTÕES DO QUESTIONÁRIO E AS VARIÁVEIS ANALISADAS ANEXO 3 - IDENTIFICAÇÃO DOS RESPONDENTES DA PESQUISA INTERNACIONAL EM - - SERVIÇOS ANEXO 4 - TABELA DE FREQÜÊNCIA DOS RESULTADOS

16 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO RELEVÂNCIA DO ASSUNTO Inúmeros estudiosos defendem que o mundo ocidental está vivenciando uma sociedade de serviços, ou uma economia de serviços. Essa economia é caracterizada pelo fato de mais da metade do produto interno bruto dos países ter origem no setor de serviços (Grönroos, 1995). Segundo Zeithaml e Bitner (1996, p.xv), a economia mundial está cada vez mais dominada pelo setor de serviços: esse segmento representa, no PIB dos Estados Unidos, França, Inglaterra, Canadá e Japão, 72,3%, 54,3%,62,9%, 62% e 56,8%, respectivamente. Haksever et al. (2000, p.4) observam que, nos Estados Unidos, o percentual dos empregos no setor de serviços subiu, entre 1980 e 1990, de 69% para 75%, e que a previsão para 2005 é que este percentual chegue a 80%. Para Grönroos (1995) tais cifras não contam toda a verdade. Segundo o autor, existe um grande setor oculto de serviços, uma vez que serviços produzidos pelos fabricantes de bens no setor industrial não estão incluídos nas estatísticas que definem o setor de serviços. Por exemplo, se os serviços de manutenção de elevadores forem produzidos por uma empresa independente, eles são contabilizados como parte da produção de serviços. Mas se esses mesmos serviços forem prestados por um fabricante de elevadores, é o produto interno bruto do setor industrial de fabricação que apresenta esse crescimento. Ressalte-se, todavia, que a economia de serviços não está em oposição à economia industrial; antes, representa um estágio mais avançado de desenvolvimento na história econômica (Gronroos, 1995, p.7). Nem se deve supor que a produção de bens manufaturados e matéria prima, incluindo produtos agrícolas, estão em vias de desaparecer. Ao contrário, são condições para os serviços: sem produtos, a economia morre (Gumesson, 1994, p.79). O Brasil, é claro, não está imune a esses fenômenos. Dados do Ministério do Trabalho apontam que, de 1990 até hoje, o deslocamento da indústria para a área de serviços foi de 6% da população economicamente ativa (PEA). Em outros termos, cinco milhões de pessoas deixaram as fábricas e se empregaram no setor de serviços. 1 1 Fonte: site acesso

17 2 Segundo relatório de 1998 da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), a privatização de empresas de energia elétrica e de telecomunicações fez o setor de serviços tomar o lugar da indústria no que diz respeito ao investimento direto de estrangeiros no Brasil. Até 1995, 55% de todas as aplicações externas no país eram destinadas a empreendimentos industriais, contra 43,4% à área de serviços. Dois anos depois, estes passaram a concentrar 56,6% dos investimentos, enquanto a participação das fábricas foi reduzida para 41,5%. 2 Em função desse crescente protagonismo do setor de serviços, delineia-se uma nova forma de concorrência, em comparação à sociedade industrial. Segundo Grönroos (1995, p.3), "é uma transição da mesma magnitude que a transição para a sociedade industrial de duzentos anos atrás". A lógica da produção de valor na sociedade e nas indústrias de serviços está mudando rapidamente, assim como o conceito de ativos: Hoje a rentabilidade e o crescimento são decorrentes da habilidade gerencial desses ativos, muitos deles não refletidos no balanço patrimonial porque são intangíveis. Relacionamentos com clientes representam o ativo mais crucial (Normann, 1993, p.36). De modo pioneiro, Levitt (1984, p.52) já antecipava esta transformação: o recurso mais precioso de uma empresa é seu relacionamento com os clientes. Nesse novo modelo econômico, onde os produtos estão se transformando em commodities, a diferenciação entre as empresas se dá pelos serviços que são oferecidos aos clientes. Berry e Parasuraman (1995, p.21) salientam, nesse sentido, que executivos de fábricas estão enxergando a sinergia do tangível com o intangível como o elemento diferenciador. Portanto, cada vez mais a interação entre a empresa e o consumidor ganha destaque. A satisfação do cliente com o serviço prestado, a sua disposição em ser leal à empresa e a produção de receitas que tudo isto gera deve ocupar espaço significativo na agenda dos executivos. É preciso notar, ainda, a inadequação das tentativas de transposição direta das práticas industriais para a área de serviços. 2 Fonte: site acesso

18 3 Por outro lado, como essa expansão é relativamente recente, em termos acadêmicos, não se percebe uma teoria perfeitamente sólida e segura que oriente as empresas no gerenciamento de seus serviços. Muito se tem escrito a respeito, como se verá nas seções do referencial teórico, mas muito ainda há que se escrever e testar. Esse é apenas mais um desafio às empresas e aos executivos que pretendam se destacar no novo contexto. Segundo Riddle (1986, apud Fitzsimmons e Fitzsimmons, 1998), o setor de serviços pode ser dividido em cinco subsetores: Serviços de infra-estrutura, Administração Pública, Serviços associados a negócios (Business Services), Serviços associados ao comércio (Trade Services) e Serviços sociais/pessoais. Cada um dos subsetores tem características e variáveis próprias que devem ser devidamente consideradas no momento de formular práticas de gerenciamento. Exatamente com o objetivo de isolar variáveis e focalizar as particularidades de um serviço específico, este trabalho focou um tipo de serviço classificado como Business Services: o proporcionado por Bancos e Seguradoras. Tais setores possuem participação notável na economia, não só em termos de participação no PIB como pelo poder gerador de empregos. Além disso, como será visto a seguir, os bancos de varejo, pelo papel de financiamento, e as seguradoras, pela cobertura contra riscos, são importantes em qualquer economia capitalista, contribuindo decisivamente para a geração de riquezas (Fortuna, 1996) Bancos Historicamente, são líderes de grandes conglomerados, onde atuam de modo coordenado todas as modalidades de instituições financeiras. Antes de 94, a atividade bancária era desenvolvida com poucos riscos e grandes retornos; as receitas com float chegaram a responder por 38% da renda total dos bancos de varejo. 4 3 O Apêndice 1 detalha os setores bancário e segurador brasileiros, enfocando sobretudo a última década. 4 Float é o dinheiro disponível entre o recebimento de fundos e o pagamento planejado desses fundos. Durante o intervalo, o guardador dos recursos pode depositá-los no mercado e receber juros. Em tempos de inflação, esses juros representavam os maiores ganhos de muitos bancos.

19 4 Com o Plano Real, em 1994, o setor apresentou queda de rentabilidade e passou por uma forte reestruturação. Entre 1994 e 1998 (4 anos), 97 instituições financeiras foram liquidadas extrajudicialmente, dentre elas 38 bancos. Entre 1993 e 1998, foram cortados empregos na indústria bancária, com queda de 37,4% do contingente. Em agosto/95, o Banco Central interveio no Banco Econômico, um dos maiores do país, à época. Os Programas PROER e PROES, implementados pelo governo brasileiro, injetaram R$ 21 bilhões nas instituições privadas e R$ 50 bilhões no sistema público, sobretudo na esfera estadual. 5 Com isto, os bancos voltaram-se para fontes mais tradicionais de renda - operações de crédito e arrecadação de tarifas. Restaram, em 1998, 201 bancos, mas a característica concentrada do sistema não abrandou: os 11 maiores bancos detêm 75% dos depósitos totais, 68,5% dos ativos totais do sistema e 75% das operações de crédito. Vem se notando, desde então, um grande assédio dos bancos estrangeiros ao mercado nacional, o que certamente acirrará a rivalidade. Há grandes oportunidades, uma vez que 68% da população, a maioria de baixa renda, ainda não é usuária de bancos. 6 O perfil do bancário indica um aumento na escolaridade, com ligeiro aumento médio nos salários. Apesar dos grandes investimentos em automação, a produtividade dos bancos ainda apresenta áreas significativas de melhoria Seguros Nos últimos 20 anos antes de 1994, o setor notabilizou-se pela imagem pouco dinâmica, com perspectivas restritas e taxa de crescimento de 1% do PIB praticamente inalterada. Entre 1994 e 1998, sob o impacto do Plano Real, houve uma verdadeira transformação no setor, com gigantesco crescimento. Em 1990, a participação do setor no PIB era de 1,34%; em 1997, essa participação pulou para 2,12%, com tendência de crescimento. 5 Este parágrafo e o seguinte baseiam-se em dados da Pesquisa Internacional sobre a Indústria Bancária e de Seguros, realizada em 1998 pela firma de Auditoria e Consultoria KPMG por encomenda da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN. 6 Estudo de 1999 da LAFIS - Latin American Financial & Investment Services - Equity Information & Research in Latin America a que o autor teve acesso privilegiado.

20 5 Em quatro anos, a receita das empresas seguradoras cresceu quase 190%, a das empresas de previdência privada, 485%, e a das de capitalização cresceu em torno de 1.320% (Galiza, 1998). Em 1997, houve 21 negócios envolvendo fusões, aquisições e joint ventures, com a entrada, no mercado brasileiro, de grandes seguradoras estrangeiras. Embora se note uma tendência de desconcentração, em 1998 as dez primeiras seguradoras dominavam 70% do mercado. Há hoje quase 140 seguradoras operando no país OBJETIVOS DO ESTUDO No presente estudo, tem-se por objetivo estudar o grau de conhecimento e aplicação de elementos da Cadeia Serviços/Lucro nos setores bancário e de seguradoras, com ênfase nos conceitos qualidade e valor percebidos, satisfação e lealdade do cliente. Subsidiariamente, pretende-se contribuir para a sistematização de um corpo teórico que auxilie as empresas brasileiras de serviço a alcançarem uma melhoria dos serviços e de estratégias, de modo a lhes permitir rentabilizar a base atual de clientes e conquistar a lealdade de clientes já existentes. Uma das motivações deste estudo foi a Pesquisa Internacional em Serviços (International Service Study ISS), que vem estudando a área de serviços em diversos países. Além de gerar um melhor entendimento do estado do gerenciamento em serviços nos setores onde se realiza, a Pesquisa Internacional almeja propiciar oportunidades de benchmarking entre os países participantes. Para a realização do estudo, aplicou-se o questionário da Pesquisa Internacional em Serviços, através do qual as empresas pesquisadas se posicionam em relação a vários atributos. A consulta à base de dados relativa às pesquisas acadêmicas indica que a aplicação deste instrumento é pioneira no país. Segundo Meyer et al. (1999), a Pesquisa Internacional em Serviços parte da premissa de que a adoção das melhores práticas de gestão está diretamente relacionada ao atingimento de altos níveis de desempenho no serviço, o que, por seu turno, leva a um desempenho superior do negócio e à maior competitividade da empresa.

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz

A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz A Estratégia na Gestão de Serviços em uma Grande Empresa de Telefonia na Cidade de São Paulo: um Estudo de Caso na Empresa Xyz Marcelo Rabelo Henrique marcelo@mrhenriqueconsult.com.br Unicastelo José Abel

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

31 descobertas sobre liderança

31 descobertas sobre liderança ALTA GERÊNCIA 31 descobertas sobre liderança Estudo Leadership Forecast 2005-2006, realizado pela firma de consultoria Development Dimensions International (DDI), buscou analisar como são percebidas em

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. Dr. Jorge Muniz Jr. Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade

Leia mais

Coleção ajuda no sucesso profissional

Coleção ajuda no sucesso profissional COLEÇÃO Unic Josafá Vilarouca Renata Tomasetti (11) 5051-6639 josafa@unicbuilding.com.br renata@unicbuilding.com.br Coleção ajuda no sucesso profissional Série lançada pela Publifolha possui 36 títulos,

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês

A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês Adriana Lúcia de Escobar Chaves A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

Pós Graduação em Trade Marketing

Pós Graduação em Trade Marketing Pós Graduação em Trade Marketing Público - alvo O curso é dirigido para profissionais de Marketing, Comunicação, Administração e ainda para aqueles que atuem no Varejo ou Indústria nas áreas de Gestão,

Leia mais

3.9 Malcolm Baldrige Award

3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award (MBA) Criado pelo Congresso dos Estados Unidos em 1987, o Baldrige National Quality Program (Programa Nacional de Qualidade Baldrige) foi instituído

Leia mais

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto

Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Eng. e Gestão do Conhecimento Um Modelo de Indicadores de Desempenho em e-commerce Pré-projeto Rafael Tezza Introdução Clientes de e-commerce

Leia mais

As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho

As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho Luciana Terra Targino As práticas de marketing de relacionamento das empresas brasileiras: panorama e desempenho Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais

A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Augusto César Ferreira Lima A avaliação de um modelo de comprometimento do consumidor com livrarias virtuais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO

CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO CARACTERÍSTICAS DE UM PROJETO Temporário: significa que cada projeto tem um início e um fim muito bem definidos. Um projeto é fundamentalmente diferente: porque ele termina quando seus objetivos propostos

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros

Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros 1 Bancos brasileiros prontos para um cenário de crescimento sustentado e queda de juros Tomás Awad Analista senior da Itaú Corretora Muito se pergunta sobre como ficariam os bancos num cenário macroeconômico

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS

PROCEDIMENTOS E CONTROLES INTERNOS AGI.01 1ª 1 / 7 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 2 2. INTRODUÇÃO... 2 3. ABRANGÊNCIA E APLICABILIDADE... 2 4. PRINCÍPIOS GERAIS... 2 5. COLABORADORES... 3 A Conduta Pessoal e Profissional... 3 B Condutas não Aceitáveis...

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS

MARCA BRADESCO RECURSOS HUMANOS ATIVOS INTANGÍVEIS Embora a Organização não registre seus ativos intangíveis, há evidências da percepção de sua magnitude pelos investidores e que pode ser encontrada na expressiva diferença entre o Valor

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar Clima Organizacional Como mensurar e melhorar Índice Clique para navegar pelo material Capítulo 1 O que é o Clima Organizacional Capítulo 2 Clima Organizacional x Cultura Organizacional Capítulo 3 O impacto

Leia mais

O processo de decisão de compra

O processo de decisão de compra DOSSIÊ O processo de decisão de compra Estudo IBM Business Consulting Services sugere uma ferramenta para entender as escolhas dos consumidores Você sabe tudo que precisa saber sobre as razões que levam

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Introdução Qualidade é um dos principais objetivos da Engenharia de Software. Muitos métodos, técnicas e ferramentas são desenvolvidas para apoiar a produção com qualidade. Tem-se

Leia mais

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional

Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 9115 Qual o papel do RH nos processos de mudança de cultura organizacional 20 de Outubro, 2011 2011 Accenture. Todos os direitos reservados. Accenture, seu logo e High performance. Delivered. são marcas

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV

2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 7LUOr&UX]6LOYD 2XVRGD$QiOLVHGH*DSVQD$YDOLDomRGD3HUFHSomRGRV &OLHQWHV VREUH R 3URFHVVR GH 'LVWULEXLomR )tvlfd (VWXGR GH&DVRHP'LVWULEXLGRUDGH%HELGDV 'LVVHUWDomRGH0HVWUDGR Dissertação apresentada como requisito

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO

Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Comunicação empresarial eficiente: Saiba como gerir uma equipe com essas dicas REALIZAÇÃO Sumário 01 Introdução 02 02 03 A comunicação dentro das empresas nos dias de hoje Como garantir uma comunicação

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso

Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Brasil em Alto Contraste: Conhecer é preciso Percepção da Pesquisa no Brasil Congresso Brasileiro de Pesquisa Mercado h Opinião h Mídia Nelsom Marangoni Ney Luiz Silva Mudanças, muitas mudanças... e mudanças

Leia mais

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo

Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo Quais são as Balas de Prata no Gerenciamento de Projetos? (Autores: Carlos Magno da Silva Xavier e Alberto Sulaiman Sade Júnior) Resumo A metáfora bala de prata se aplica a qualquer ação que terá uma extrema

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING

Gestão de Negócios. Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING Gestão de Negócios Unidade III FUNDAMENTOS DE MARKETING 3.1- CONCEITOS DE MARKETING Para a American Marketing Association: Marketing é uma função organizacional e um Marketing é uma função organizacional

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br

5ª EDIÇÃO. Agenda. 08 de Outubro 2015. Hotel Green Place Flat São Paulo, SP. Realização: www.corpbusiness.com.br Agenda 5ª EDIÇÃO 08 de Outubro 2015 Hotel Green Place Flat São Paulo, SP Realização: www.corpbusiness.com.br Patrocínio Gold Patrocínio Bronze Apoio Realização: APRESENTAÇÃO COMO ESTABELECER UM PROGRAMA

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso

Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira. O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Marcos Paulo Garrido Bittencourt de Oliveira O uso de mídias sociais como ferramentas para criação de novos negócios: Estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report

Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Perfil Caliper Gerencial e Vendas The Inner Leader and Seller Report Avaliação de: Sr. José Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: 11/06/2014 Perfil Caliper Gerencial e Vendas

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

1 Descrição do Problema

1 Descrição do Problema 1 Descrição do Problema Este capítulo apresentará o problema de pesquisa em questão. Além disso, serão apresentados o contexto, os objetivos, a motivação, a relevância e a delimitação do estudo. 1.1 Introdução

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade

Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade Nota Técnica 2015 Fundação Nacional da Qualidade As orientações aqui inseridas visam à antecipação de dúvidas que possam surgir durante o processo de avaliação. Não visam substituir ou suplantar as conclusões

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS. Instrutora: Rafaela Sampaio

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS. Instrutora: Rafaela Sampaio AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS Instrutora: Rafaela Sampaio Esse não será um treinamento comum... Apresento a todos o EVOLUIR!!! EVOLUIR O EVOLUIR é o momento onde você terá a oportunidade, de

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra

UNESP - Botucatu. Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional. Prof. Joel Dutra UNESP - Botucatu Gestão da Carreira e do Desenvolvimento Profissional Prof. Joel Dutra Prof. Joel Dutra Professor-Livre Docente da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo FEA-USP,

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSIÇÃO DE UMA METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SERVIÇO PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS: UM ESTUDO DE CASO Heitor Vitor Chaves Galindo (UFPE) heitorgalindo@hotmail.com Renata Maciel de Melo

Leia mais

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias

MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias MBA Gestão de Pessoas Ênfase em Estratégias Curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização (versão 2011) Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO ATRAVÉS DO ATENDIMENTO DE VENDAS: um estudo de caso na Indústria de Bebidas Refrigerantes Minas Gerais.

AVALIAÇÃO DO MARKETING DE RELACIONAMENTO ATRAVÉS DO ATENDIMENTO DE VENDAS: um estudo de caso na Indústria de Bebidas Refrigerantes Minas Gerais. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS E GERENCIAIS - ICEG PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO AVALIAÇÃO DO MARKETING

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores

RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10. Curso tecnológico em Redes de Computadores CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO PARCIAL DA AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2010/10 Curso tecnológico em Redes de Computadores CATEGORIAS & DIMENSÕES AVALIADAS:

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais