FOLHA DE ROSTO UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO. Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FOLHA DE ROSTO UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO. Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ"

Transcrição

1 FOLHA DE ROSTO Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração COPPEAD UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NOS SETORES BANCÁRIO E DE SEGURADORAS Américo Leite de Almeida Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Administração. Orientador: Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo Rio de Janeiro, 2000

2 II FOLHA DE APROVAÇÃO Título: UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NOS SETORES BANCÁRIO E DE SEGURADORAS Américo Leite de Almeida Dissertação submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração - COPPEAD da Universidade Federal do Rio de Janeiro como parte dos requisitos necessários à obtenção do grau de Mestre em Administração. Aprovada por: Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo - Presidente da Banca Profa. Dra. Rebecca Arkader Profa. Dra. Fátima Sobral Fernandes Rio de Janeiro, 2000

3 III FICHA CATALOGRÁFICA Almeida, Américo Leite de. Um estudo sobre elementos da Cadeia Serviços/Lucro nos setores bancário e de seguradoras/américo Leite de Almeida. Rio de Janeiro: COPPEAD, VII, 206p. Dissertação Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Operações. 2. Serviços. 3. Tese (Mestr. COPPEAD/UFRJ). I. Título.

4 IV Aos meus pais, Zélia e Américo, por tudo.

5 V AGRADECIMENTOS Ao Prof. Dr. Kleber Fossati Figueiredo, que sugeriu a bibliografia inicial e o tema da pesquisa. Pelo incentivo e atenção a mim dispensados, meus sinceros agradecimentos. Às professoras da Banca Examinadora, Profa. Dra. Rebecca Arkader e Profa. Dra. Fátima Sobral Fernandes, desejo expressar gratidão pelo profissionalismo manifesto na leitura cuidadosa dos originais, cujas sugestões muito enriqueceram este estudo. Gostaria de homenagear os colegas da Turma 97 do COPPEAD, com os quais muito aprendi. À amiga Cláudia Freire, uma especial saudação pelo cuidado na elaboração do abstract num domingo longínquo. Aos profissionais e amigos José Gaspar Nayme Novelli, Douglas Ramos e Rosa Said, meu muito obrigado pela compreensão, tolerância e apoio, que muito me foram úteis nesta longa jornada. À Aline, às nossas famílias e amigos, no Rio e em Brasília, agradeço pelo carinho e paciência. Aos funcionários da Biblioteca e da Secretaria do COPPEAD, uma menção honrosa pela excelência do trabalho. Gostaria de aqui expressar minha gratidão a todas as empresas e profissionais que aceitaram participar da pesquisa. Por fim, meu agradecimento ao Banco do Brasil, pelo patrocínio a mim concedido na qualidade de pesquisador, sem o qual este estudo não teria sido possível.

6 VI RESUMO RESUMO DA DISSERTAÇÃO APRESENTADA À COPPEAD/UFRJ COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÁRIOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M.SC.) UM ESTUDO SOBRE ELEMENTOS DA CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NOS SETORES BANCÁRIO E DE SEGURADORAS AMÉRICO LEITE DE ALMEIDA NOVEMBRO/2000 ORIENTADOR: PROF. KLEBER FOSSATI FIGUEIREDO PROGRAMA: ADMINISTRAÇÃO Este é uma pesquisa exploratória do tipo survey que objetiva estudar o grau de conhecimento e aplicação de elementos da Cadeia Serviços/Lucro nos setores bancário e de seguradoras, com ênfase nos conceitos qualidade e valor percebidos, satisfação e lealdade do cliente. Aplicou-se pioneiramente no Brasil o questionário da Pesquisa Internacional em Serviços. O modelo teórico, baseado na Cadeia Serviços/Lucro, propõe um forte elo entre lucratividade e crescimento da empresa prestadora de serviços, lealdade e satisfação do cliente, o valor dos bens e serviços entregues ao cliente e os aspectos internos da empresa capacitação, satisfação, lealdade e produtividade dos empregados. De acordo com a teoria, os clientes percebem o tipo de ambiente interno da companhia através do modo como os empregados os atendem, e isto afeta a percepção deles quanto à experiência do serviço. Os resultados indicam que as empresas pesquisadas não se utilizam dos dados sobre qualidade para melhorar o serviço que prestam a diferentes segmentos de clientes, predominando uma cultura interna reativa às mudanças no mercado. Uma possível interpretação para esses resultados pode ser o ambiente econômico favorável aos setores estudados, nos últimos três anos antes da pesquisa, o que permitiu um crescimento expressivo da base de clientes. Como resultado, essas empresas provavelmente não sentiram necessidade de se concentrar em alcançar altos padrões de qualidade, adotar estratégias de marketing defensivo e elevar a retenção de clientes.

7 VII ABSTRACT SUMMARY OF THE DISSERTATION PRESENTED TO COPPEAD/UFRJ AS PART OF THE REQUIREMENTS NEEDED TO OBTAIN THE TITLE OF MASTER IN SCIENCE (M.SC.) A STUDY OF THE ELEMENTS OF THE SERVICE/PROFIT CHAIN IN THE BANKING AND INSURANCE SECTORS AMÉRICO LEITE DE ALMEIDA NOVEMBER/2000 ADVISOR: PROF. KLEBER FOSSATI FIGUEIREDO PROGRAM: BUSINESS ADMINISTRATION This is an exploratory study of a survey type which aims to evaluate the degree of knowledge and application of the concepts of the Service/Profit chain in the banking and insurance sectors, with emphasis in the concepts of quality and perceived value, satisfaction and client loyalty. The application of the International Service Survey - ISS was pioneer in Brazil. The theoretical model, based in the Service Profit Chain, suggests that there are strong relationships between profit and the service company's growth, customer loyalty and customer satisfaction, and the value of goods and services delivered to customers and the internal aspects of a company employee capability, satisfaction, loyalty and productivity. According to the theory, clients perceive the type of internal environment of a company through the way employees serve them, and this affects their perception of the service experience. The results obtained indicate that the companies surveyd do not use the data collected on quality to improve the service they provide to different segments of clients, with the predominance of an internal culture that is reactive to market changes. A possible explanation for these results is the favorable economic environment experienced by the sectors studied in the last three years before this research, which has allowed a strong growth in the companies' client base. As a result, these companies probably did not feel the need to focus on reaching higher quality standards, adopting defensive marketing strategies and increasing clients retention.

8 Índice CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO RELEVÂNCIA DO ASSUNTO Bancos Seguros OBJETIVOS DO ESTUDO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO ORGANIZAÇÃO DO ESTUDO CAPÍTULO 2 - REVISÃO DA LITERATURA PRIMEIRA PARTE - OS CONCEITOS BÁSICOS DESTE ESTUDO QUALIDADE PERCEBIDA Qualidade em Serviços A questão da percepção A relatividade da Qualidade Percebida Distinções entre Expectativas e Necessidades do Cliente Qualidade como Modelo de Gestão Modelos de Qualidade em Serviços O Modelo dos Cinco Hiatos de Qualidade em Serviços O Modelo de Qualidade de Serviços de Grönroos SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR Paradigma da Desconfirmação das Expectativas A Teoria da Atribuição Distinção e Elo entre Satisfação do Consumidor e Qualidade Percebida Elo entre Satisfação e Força do Relacionamento VALOR PERCEBIDO Valor Superior como Gerador de Lealdade Alternativas para modificar ovalor Percebido LEALDADE DO CLIENTE Lealdade e Relacionamento O Elo entre Força do Relacionamento e Lealdade Lealdade com os Clientes Certos Segmentação dos Clientes de Serviços Recuperação de Serviços e Lealdade Benefícios da Análise das Causas da Evasão de Clientes Implicações Estratégicas da Lealdade Na prática, uma melhor percepção do cliente quanto à qualidade e ao valor 52 oferecido compensam, do ponto de vista financeiro?

9 Índice SEGUNDA PARTE - MODELOS E TEORIAS QUE RELACIONAM OS CONCEITOS ESTUDADOS À LUCRATIVIDADE AS DIFICULDADES DE MENSURAÇÃO DOS CONCEITOS AS DIMENSÕES ECONÔMICAS DA LEALDADE O ELO ENTRE LEALDADE E LUCRATIVIDADE A CADEIA SERVIÇOS/LUCRO Lucratividade e Crescimento estão relacionados à Lealdade do Consumidor A Lealdade do cliente está relacionada à sua Satisfação A Satisfação dos Clientes está relacionada com Valor do Serviço A produtividade está relacionada à Lealdade dos Empregados A Lealdade Interna está relacionada à Satisfação dos Empregados A Satisfação dos Empregados está relacionada à Qualidade Interna A Liderança está por detrás do sucesso da Cadeia Serviços/Lucro A CADEIA SERVIÇOS/LUCRO NO BRASIL TERCEIRA PARTE - A IMPORTÂNCIA DOS EMPREGADOS RECONHECIMENTO E FEEDBACK RECOMPENSA E DESEMPENHO ADAPTABILIDADE CLIMA E CULTURA CULTURA DE SERVIÇOS ORIENTAÇÃO PARA SERVIÇO LÓGICA DE SERVIÇOS LIMITAÇÕES AO POTENCIAL UNIFICADOR DA LÓGICA DE SERVIÇOS PRINCIPAIS CONSIDERAÇÕES SOBRE A REVISÃO DA LITERATURA CAPÍTULO 3 METODOLOGIA PERGUNTAS DA PESQUISA ESCOLHA DO MÉTODO DE PESQUISA DETERMINAÇÃO DA POPULAÇÃO E DA AMOSTRA COLETA DE DADOS INSTRUMENTO QUADRO CONCEITUAL TRABALHO DE CAMPO TRATAMENTO E ANÁLISE DOS DADOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO

10 Índice CAPÍTULO 4 - RESULTADOS DA PESQUISA DESCRIÇÃO DOS RESULTADOS Categoria: Qualidade Percebida Subcategoria 1: Qualidade como Modelo de Gestão Subcategoria 2: Visão sobre a Qualidade dos Serviços Subcategoria 3: Conhecimento de Clientes, Mercados e Segmentos Subcategoria 4: Momento da Verdade Categoria: Valor Percebido Categoria: Satisfação do Cliente Categoria: Lealdade dos Clientes Subcategoria 1 Lealdade propriamente dita Subcategoria 2: Recuperação Categoria: Crescimento e Lucratividade Categoria: Aspectos relacionados aos Empregados ANÁLISE DOS RESULTADOS Concentração na Nota Média Confronto entre os Resultados e o Referencial Teórico CAPÍTULO 5 CONCLUSÕES SUMÁRIO DA DISSERTAÇÃO RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS DA PESQUISA CONSIDERAÇÕES FINAIS RECOMENDAÇÕES PARA FUTURAS PESQUISAS CAPÍTULO 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11 Índice de Figuras FIGURA 1 - DISTINÇÕES ENTRE EXPECTATIVAS E NECESSIDADES DOS CLIENTES FIGURA 2 - MODELO DOS CINCO HIATOS DE QUALIDADE FIGURA 3 - QUALIDADE EM SERVIÇOS, SEGUNDO GRÖNROOS FIGURA 4 - DIFERENTES NÍVEIS DE PERCEPÇÃO DO CLIENTE QUANTO AO SERVIÇO FIGURA 5 - O ELO ENTRE QUALIDADE PERCEBIDA E SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR FIGURA 6 - O ELO ENTRE SATISFAÇÃO DO CONSUMIDOR E FORÇA DO RELACIONAMENTO 30 FIGURA 7 - O ELO ENTRE FORÇA DO RELACIONAMENTO E LEALDADE FIGURA 8 - PADRÕES DE LUCRO NO CICLO DE VIDA DO CLIENTE EM SETORES ESPECÍFICOS FIGURA 9 - CURVA DE EVASÃO DE CLIENTES DE UMA COMPANHIA DE CARTÕES DE CRÉDITO FIGURA 10 - IMPACTO DE UM AUMENTO DE CINCO PONTOS PERCENTUAIS NO ÍNDICE ANUAL DE RETENÇÃO SOBRE O VPL DO CLIENTE FIGURA 11 PORQUE OS CLIENTES LEAIS SÃO MAIS RENTÁVEIS FIGURA 12 RECEITA DO RELACIONAMENTO COM UMA PARTE DO VOLUME TOTAL - - DO CLIENTE 68 FIGURA 13 A CADEIA SERVIÇOS/LUCRO FIGURA 14 - VISÃO SINTÉTICA DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL

12 Índice de Tabelas TABELA 1 - DIMENSÕES DA QUALIDADE EM SERVIÇOS TABELA 2 - OS TRÊS NÍVEIS DO MARKETING DO RELACIONAMENTO TABELA 3 - INFLUÊNCIA DA RECUPERAÇÃO DE SERVIÇO TABELA 4 - PRINCIPAIS RESULTADOS DA PESQUISA DE RAMOS (1998) TABELA 5 - PESQUISAS QUE VINCULAM AS PERCEPÇÕES DE EMPREGADOS E CLIENTES TABELA 6 - POSICIONAMENTO DAS EMPRESAS RESPONDENTES, SEGUNDO O RANKING 101 DA REVISTA EXAME TABELA 7 - CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 1: Qualidade como Modelo de Gestão TABELA 8 CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 2: Visão sobre a 106 Qualidade dos Serviços TABELA 9 CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 3: Conhecimento 108 de Clientes e Mercados TABELA 10 CATEGORIA QUALIDADE PERCEBIDA - Subcategoria 4: Momento da 110 Verdade TABELA 11 CATEGORIA VALOR PERCEBIDO TABELA 12 CATEGORIA SATISFAÇÃO DO CLIENTE TABELA 13 CATEGORIA LEALDADE - Subcategoria 1: Lealdade propriamente dita TABELA 14 CATEGORIA LEALDADE - Subcategoria 2: Recuperação TABELA 15 CATEGORIA ASPECTOS RELACIONADOS AOS EMPREGADOS TABELA 16 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL RELATIVA AO TOTAL DE INDICAÇÕES TABELA 17 - DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL RELATIVA DAS RESPOSTAS TABELA 18 - PRINCIPAIS RESULTADOS DESTA PESQUISA TABELA 19 - RENTABILIDADE DOS BANCOS TABELA 20 - PARTICIPAÇÃO NAS OPERAÇÕES DE CRÉDITO E DEPÓSITOS TOTAIS TABELA 21 - PERCENTUAL BANCARIZADO DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA PEA TABELA 22 - SISTEMA NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS TABELA 23 - CRESCIMENTO DO MERCADO SEGURADOR NO BRASIL TABELA 24 - PRINCIPAIS OPERAÇÕES DAS SEGURADORAS INTERNACIONAIS COM SÓCIOS BRASILEIROS TABELA 25 PARTICIPAÇÃO DOS 5 MAIORES GRUPOS NO MERCADO DE SEGURIDADE 163 TABELA 26 CORRETAGEM DOS BANCOS NA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS

13 Índice de Quadros QUADRO 1 - EXPECTATIVAS DOS CLIENTES X PERCEPÇÃO DOS EXECUTIVOS (HIATO 1) QUADRO 2 - PERCEPÇÃO INTERNA QUANTO ÀS EXPECTATIVAS DOS CLIENTES X ESPECIFICAÇÕES DA QUALIDADE DO SERVIÇO (HIATO 2) QUADRO 3 - ESPECIFICAÇÕES DA QUALIDADE DO SERVIÇO X PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PROPRIAMENTE DITA (HIATO 3) QUADRO 4 - PRESTAÇÃO DO SERVIÇO X COMUNICAÇÕES EXTERNAS (HIATO 4) QUADRO 5 - ASPECTOS MAIS RELEVANTES DA REVISÃO DA LITERATURA QUADRO 6 - CATEGORIAS PARA ANÁLISE DOS RESULTADOS

14 Apêndice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO MERCADO BRASILEIRO BANCÁRIO E DE SEGURADORAS

15 Índice de Anexos ANEXO 1 - INSTRUÇÕES E QUESTIONÁRIO ANEXO 2 - RELAÇÃO ENTRE AS QUESTÕES DO QUESTIONÁRIO E AS VARIÁVEIS ANALISADAS ANEXO 3 - IDENTIFICAÇÃO DOS RESPONDENTES DA PESQUISA INTERNACIONAL EM - - SERVIÇOS ANEXO 4 - TABELA DE FREQÜÊNCIA DOS RESULTADOS

16 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO RELEVÂNCIA DO ASSUNTO Inúmeros estudiosos defendem que o mundo ocidental está vivenciando uma sociedade de serviços, ou uma economia de serviços. Essa economia é caracterizada pelo fato de mais da metade do produto interno bruto dos países ter origem no setor de serviços (Grönroos, 1995). Segundo Zeithaml e Bitner (1996, p.xv), a economia mundial está cada vez mais dominada pelo setor de serviços: esse segmento representa, no PIB dos Estados Unidos, França, Inglaterra, Canadá e Japão, 72,3%, 54,3%,62,9%, 62% e 56,8%, respectivamente. Haksever et al. (2000, p.4) observam que, nos Estados Unidos, o percentual dos empregos no setor de serviços subiu, entre 1980 e 1990, de 69% para 75%, e que a previsão para 2005 é que este percentual chegue a 80%. Para Grönroos (1995) tais cifras não contam toda a verdade. Segundo o autor, existe um grande setor oculto de serviços, uma vez que serviços produzidos pelos fabricantes de bens no setor industrial não estão incluídos nas estatísticas que definem o setor de serviços. Por exemplo, se os serviços de manutenção de elevadores forem produzidos por uma empresa independente, eles são contabilizados como parte da produção de serviços. Mas se esses mesmos serviços forem prestados por um fabricante de elevadores, é o produto interno bruto do setor industrial de fabricação que apresenta esse crescimento. Ressalte-se, todavia, que a economia de serviços não está em oposição à economia industrial; antes, representa um estágio mais avançado de desenvolvimento na história econômica (Gronroos, 1995, p.7). Nem se deve supor que a produção de bens manufaturados e matéria prima, incluindo produtos agrícolas, estão em vias de desaparecer. Ao contrário, são condições para os serviços: sem produtos, a economia morre (Gumesson, 1994, p.79). O Brasil, é claro, não está imune a esses fenômenos. Dados do Ministério do Trabalho apontam que, de 1990 até hoje, o deslocamento da indústria para a área de serviços foi de 6% da população economicamente ativa (PEA). Em outros termos, cinco milhões de pessoas deixaram as fábricas e se empregaram no setor de serviços. 1 1 Fonte: site acesso

17 2 Segundo relatório de 1998 da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (CEPAL), órgão da Organização das Nações Unidas (ONU), a privatização de empresas de energia elétrica e de telecomunicações fez o setor de serviços tomar o lugar da indústria no que diz respeito ao investimento direto de estrangeiros no Brasil. Até 1995, 55% de todas as aplicações externas no país eram destinadas a empreendimentos industriais, contra 43,4% à área de serviços. Dois anos depois, estes passaram a concentrar 56,6% dos investimentos, enquanto a participação das fábricas foi reduzida para 41,5%. 2 Em função desse crescente protagonismo do setor de serviços, delineia-se uma nova forma de concorrência, em comparação à sociedade industrial. Segundo Grönroos (1995, p.3), "é uma transição da mesma magnitude que a transição para a sociedade industrial de duzentos anos atrás". A lógica da produção de valor na sociedade e nas indústrias de serviços está mudando rapidamente, assim como o conceito de ativos: Hoje a rentabilidade e o crescimento são decorrentes da habilidade gerencial desses ativos, muitos deles não refletidos no balanço patrimonial porque são intangíveis. Relacionamentos com clientes representam o ativo mais crucial (Normann, 1993, p.36). De modo pioneiro, Levitt (1984, p.52) já antecipava esta transformação: o recurso mais precioso de uma empresa é seu relacionamento com os clientes. Nesse novo modelo econômico, onde os produtos estão se transformando em commodities, a diferenciação entre as empresas se dá pelos serviços que são oferecidos aos clientes. Berry e Parasuraman (1995, p.21) salientam, nesse sentido, que executivos de fábricas estão enxergando a sinergia do tangível com o intangível como o elemento diferenciador. Portanto, cada vez mais a interação entre a empresa e o consumidor ganha destaque. A satisfação do cliente com o serviço prestado, a sua disposição em ser leal à empresa e a produção de receitas que tudo isto gera deve ocupar espaço significativo na agenda dos executivos. É preciso notar, ainda, a inadequação das tentativas de transposição direta das práticas industriais para a área de serviços. 2 Fonte: site acesso

18 3 Por outro lado, como essa expansão é relativamente recente, em termos acadêmicos, não se percebe uma teoria perfeitamente sólida e segura que oriente as empresas no gerenciamento de seus serviços. Muito se tem escrito a respeito, como se verá nas seções do referencial teórico, mas muito ainda há que se escrever e testar. Esse é apenas mais um desafio às empresas e aos executivos que pretendam se destacar no novo contexto. Segundo Riddle (1986, apud Fitzsimmons e Fitzsimmons, 1998), o setor de serviços pode ser dividido em cinco subsetores: Serviços de infra-estrutura, Administração Pública, Serviços associados a negócios (Business Services), Serviços associados ao comércio (Trade Services) e Serviços sociais/pessoais. Cada um dos subsetores tem características e variáveis próprias que devem ser devidamente consideradas no momento de formular práticas de gerenciamento. Exatamente com o objetivo de isolar variáveis e focalizar as particularidades de um serviço específico, este trabalho focou um tipo de serviço classificado como Business Services: o proporcionado por Bancos e Seguradoras. Tais setores possuem participação notável na economia, não só em termos de participação no PIB como pelo poder gerador de empregos. Além disso, como será visto a seguir, os bancos de varejo, pelo papel de financiamento, e as seguradoras, pela cobertura contra riscos, são importantes em qualquer economia capitalista, contribuindo decisivamente para a geração de riquezas (Fortuna, 1996) Bancos Historicamente, são líderes de grandes conglomerados, onde atuam de modo coordenado todas as modalidades de instituições financeiras. Antes de 94, a atividade bancária era desenvolvida com poucos riscos e grandes retornos; as receitas com float chegaram a responder por 38% da renda total dos bancos de varejo. 4 3 O Apêndice 1 detalha os setores bancário e segurador brasileiros, enfocando sobretudo a última década. 4 Float é o dinheiro disponível entre o recebimento de fundos e o pagamento planejado desses fundos. Durante o intervalo, o guardador dos recursos pode depositá-los no mercado e receber juros. Em tempos de inflação, esses juros representavam os maiores ganhos de muitos bancos.

19 4 Com o Plano Real, em 1994, o setor apresentou queda de rentabilidade e passou por uma forte reestruturação. Entre 1994 e 1998 (4 anos), 97 instituições financeiras foram liquidadas extrajudicialmente, dentre elas 38 bancos. Entre 1993 e 1998, foram cortados empregos na indústria bancária, com queda de 37,4% do contingente. Em agosto/95, o Banco Central interveio no Banco Econômico, um dos maiores do país, à época. Os Programas PROER e PROES, implementados pelo governo brasileiro, injetaram R$ 21 bilhões nas instituições privadas e R$ 50 bilhões no sistema público, sobretudo na esfera estadual. 5 Com isto, os bancos voltaram-se para fontes mais tradicionais de renda - operações de crédito e arrecadação de tarifas. Restaram, em 1998, 201 bancos, mas a característica concentrada do sistema não abrandou: os 11 maiores bancos detêm 75% dos depósitos totais, 68,5% dos ativos totais do sistema e 75% das operações de crédito. Vem se notando, desde então, um grande assédio dos bancos estrangeiros ao mercado nacional, o que certamente acirrará a rivalidade. Há grandes oportunidades, uma vez que 68% da população, a maioria de baixa renda, ainda não é usuária de bancos. 6 O perfil do bancário indica um aumento na escolaridade, com ligeiro aumento médio nos salários. Apesar dos grandes investimentos em automação, a produtividade dos bancos ainda apresenta áreas significativas de melhoria Seguros Nos últimos 20 anos antes de 1994, o setor notabilizou-se pela imagem pouco dinâmica, com perspectivas restritas e taxa de crescimento de 1% do PIB praticamente inalterada. Entre 1994 e 1998, sob o impacto do Plano Real, houve uma verdadeira transformação no setor, com gigantesco crescimento. Em 1990, a participação do setor no PIB era de 1,34%; em 1997, essa participação pulou para 2,12%, com tendência de crescimento. 5 Este parágrafo e o seguinte baseiam-se em dados da Pesquisa Internacional sobre a Indústria Bancária e de Seguros, realizada em 1998 pela firma de Auditoria e Consultoria KPMG por encomenda da Federação Brasileira de Bancos - FEBRABAN. 6 Estudo de 1999 da LAFIS - Latin American Financial & Investment Services - Equity Information & Research in Latin America a que o autor teve acesso privilegiado.

20 5 Em quatro anos, a receita das empresas seguradoras cresceu quase 190%, a das empresas de previdência privada, 485%, e a das de capitalização cresceu em torno de 1.320% (Galiza, 1998). Em 1997, houve 21 negócios envolvendo fusões, aquisições e joint ventures, com a entrada, no mercado brasileiro, de grandes seguradoras estrangeiras. Embora se note uma tendência de desconcentração, em 1998 as dez primeiras seguradoras dominavam 70% do mercado. Há hoje quase 140 seguradoras operando no país OBJETIVOS DO ESTUDO No presente estudo, tem-se por objetivo estudar o grau de conhecimento e aplicação de elementos da Cadeia Serviços/Lucro nos setores bancário e de seguradoras, com ênfase nos conceitos qualidade e valor percebidos, satisfação e lealdade do cliente. Subsidiariamente, pretende-se contribuir para a sistematização de um corpo teórico que auxilie as empresas brasileiras de serviço a alcançarem uma melhoria dos serviços e de estratégias, de modo a lhes permitir rentabilizar a base atual de clientes e conquistar a lealdade de clientes já existentes. Uma das motivações deste estudo foi a Pesquisa Internacional em Serviços (International Service Study ISS), que vem estudando a área de serviços em diversos países. Além de gerar um melhor entendimento do estado do gerenciamento em serviços nos setores onde se realiza, a Pesquisa Internacional almeja propiciar oportunidades de benchmarking entre os países participantes. Para a realização do estudo, aplicou-se o questionário da Pesquisa Internacional em Serviços, através do qual as empresas pesquisadas se posicionam em relação a vários atributos. A consulta à base de dados relativa às pesquisas acadêmicas indica que a aplicação deste instrumento é pioneira no país. Segundo Meyer et al. (1999), a Pesquisa Internacional em Serviços parte da premissa de que a adoção das melhores práticas de gestão está diretamente relacionada ao atingimento de altos níveis de desempenho no serviço, o que, por seu turno, leva a um desempenho superior do negócio e à maior competitividade da empresa.

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles AS EXPECTATIVAS DO CLIENTE COM O SERVIÇO Expectativas dos clientes São crenças acerca da execução do serviço que

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno

Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Título do Case: Departamento Comercial com foco nas expectativas do cliente Categoria: Projeto Interno Resumo O presente case mostra como ocorreu o processo de implantação do Departamento Comercial em

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão

5 CONSIDERAÇÕES FINAIS. 5.1 Conclusão 97 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS 5.1 Conclusão Este estudo teve como objetivo final elaborar um modelo que explique a fidelidade de empresas aos seus fornecedores de serviços de consultoria em informática. A

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil

Ponto de vista. Metodologia para um índice de confiança. E expectativas das seguradoras no Brasil Ponto de vista 40 Metodologia para um índice de confiança E expectativas das seguradoras no Brasil Francisco Galiza Em 2012, no Brasil, algumas previsões econômicas não fizeram muito sucesso. Por exemplo,

Leia mais

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas?

Quem precisa de metas afinal? Por que ter metas? Metas e Objetivos Muito se confunde a respeito destes dois conceitos quando se faz um planejamento estratégico do negócio. A diferença entre Meta e Objetivo, no entanto, é bastante clara como será apresentada

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA

IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA IMPORTANTES ÁREAS PARA SUCESSO DE UMA EMPRESA SILVA, Paulo Henrique Rodrigues da Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerencias E-mail: ph.rs@hotmail.com SILVA, Thiago Ferreira da Docente da Faculdade

Leia mais

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil

High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil High Potentials, Talentos e Sucessão no Brasil P e s q u i s a d a F u n d a ç ã o G e t u l i o V a r g a s I n s t i t u t o d e D e s e n v o l v i m e n t o E d u c a c i o n a l Conteúdo 1. Propósito

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

3.9 Malcolm Baldrige Award

3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award 3.9 Malcolm Baldrige Award (MBA) Criado pelo Congresso dos Estados Unidos em 1987, o Baldrige National Quality Program (Programa Nacional de Qualidade Baldrige) foi instituído

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE

ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE ADMINISTRAÇÃO DO RELACIONAMENTO COM O CLIENTE Módulo 15 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO E DA INSATISFAÇÃO DOS CLIENTES Objetivo: Ao final desta aula, você deverá saber (1) sobre os fatores que causam a satisfação

Leia mais

cada fator e seus componentes.

cada fator e seus componentes. 5 CONCLUSÃO Conforme mencionado nas seções anteriores, o objetivo deste trabalho foi o de identificar quais são os fatores críticos de sucesso na gestão de um hospital privado e propor um modelo de gestão

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade).

O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). O QUE É? Um programa que visa melhorar a Gestão dos CFCs Gaúchos, tendo como base os Critérios de Excelência da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade). Coordenação Sindicato dos Centros de Formação de Condutores

Leia mais

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO

A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO A PROGRAMAÇÃO DO ESFORÇO MERCADOLÓGICO Luiz Carlos Bresser-Pereira Revista Marketing n. 7, vol. II, 1968: 24-32. Um programa mercadológico é um instrumento para se pensar com antecedência, para se estabelecer

Leia mais

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso:

Sem Mais Desculpas Treinamentos E porque? O que é vender no mundo de hoje O que você verá neste curso: A Sem Mais Desculpas Treinamentos defende um conceito chamado Comportamento Comercial. Acreditamos que todas as pessoas, em todas as funções, necessitam ter uma visão e uma atitude comercial daquilo que

Leia mais

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS

OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS OS DESAFIOS DO INTERIOR DE SÃO PAULO EM ATRAIR E CONTRATAR EXECUTIVOS EDITORIAL Bem vindos à nossa pesquisa. No Brasil desde 2000, a Michael Page foi a primeira consultoria internacional de recrutamento

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT

MASTER IN PROJECT MANAGEMENT MASTER IN PROJECT MANAGEMENT PROJETOS E COMUNICAÇÃO PROF. RICARDO SCHWACH MBA, PMP, COBIT, ITIL Atividade 1 Que modelos em gestão de projetos estão sendo adotados como referência nas organizações? Como

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS

CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA DE PROJETOS www.tecnologiadeprojetos.com.br Diretoria de Acompanhamento e Avaliação de Projetos da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais DAPE/SEE-MG RELATÓRIO DE PESQUISA 1 : CONTRIBUIÇÃO DE UMA DIRETORIA

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas

O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade. O Administrador na Gestão de Pessoas O Administrador e a Magnitude de sua Contribuição para a Sociedade Eficácia e Liderança de Performance O Administrador na Gestão de Pessoas Grupo de Estudos em Administração de Pessoas - GEAPE 27 de novembro

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema

1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema 1 Introdução 1.1 Contextualização do Problema O papel do líder é muito relevante numa pequena empresa familiar. Isso se dá devido a vários fatores, dentre outros, deve-se enfatizar a dificuldade de criação

Leia mais

Curso Empreendedorismo Corporativo

Curso Empreendedorismo Corporativo Curso Empreendedorismo Corporativo Todos os fatores relevantes atuais mostram que a estamos em um ambiente cada vez mais competitivo, assim as pessoas e principalmente as organizações devem descobrir maneiras

Leia mais

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit.

1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 1- Objetivo: Avaliar os conhecimentos adquiridos durante o auto treinamento de Governança de TI com as práticas da ITIL e Cobit. 2 Regras e Instruções: Antes de começar a fazer a avaliação leia as instruções

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo:

Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: Para a citação deste material como referência, favor seguir conforme abaixo: ALVARELI, Luciani Vieira Gomes. Novo roteiro para elaboração do projeto de trabalho de graduação. Cruzeiro: Centro Paula Souza,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL

A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO PLANALTO CENTRAL Aprovadas pela Portaria SESu/MEC Nº. 368/08 (DOU 20/05/2008) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO A IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DE VIDA PARA O TRABALHADOR NA GRÁFICA E EDITORA

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL

PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL PESQUISA DE CLIMA MOTIVACIONAL Relatório e Análise 2005 Introdução: ``Para que a Construtora Mello Azevedo atinja seus objetivos é necessário que a equipe tenha uma atitude vencedora, busque sempre resultados

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 12 Questões sobre o tópico Desenvolvimento e treinamento de pessoal: levantamento de necessidades, programação, execução e avaliação. Olá Pessoal, hoje veremos outro

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

O Supply Chain Evoluiu?

O Supply Chain Evoluiu? O Supply Chain Evoluiu? Apresentação - 24º Simpósio de Supply Chain & Logística 0 A percepção de estagnação do Supply Chain influenciada pela volatilidade do ambiente econômico nos motivou a entender sua

Leia mais

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites

A. Conceito de Trade Marketing, responsabilidades, atividades, amplitude de atuação e limites 5 Conclusão Trade Marketing é um termo conhecido por grande parte dos profissionais das áreas comercial e de marketing, principalmente entre as indústrias de bens de consumo. Muitas empresas já incluíram

Leia mais

Como é o RH nas Empresas?

Como é o RH nas Empresas? Como é o RH nas Empresas? Informações gerais da pesquisa Objetivo: entender a percepção dos profissionais de RH sobre clima organizacional Pesquisa realizada entre 24/06 e 12/07 Parceria entre Hay Group

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto

Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto BALANCED SCORECARD Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto Por que a Implementação da Estratégia torna-se cada vez mais importante? Você conhece a Estratégia de sua Empresa? Muitos líderes

Leia mais

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles

Marketing de Serviços e de Relacionamento. MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Marketing de Serviços e de Relacionamento MBA em Gestão de Marketing Prof.: Alice Selles Conteúdo programático Os fundamentos do Marketing de serviços O comportamento do consumidor nos serviços As expectativas

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

Gestão de T.I. GESTÃO DE T.I. ITIL. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com 1 Information Technology Infrastructure Library 2 O que é o? Information Technology Infrastructure Library é uma biblioteca composta por sete livros

Leia mais

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.

AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA. Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com. AGENDA SEBRAE OFICINAS CURSOS PALESTRAS JUNHO A DEZEMBRO - 2015 GOIÂNIA Especialistas em pequenos negócios. / 0800 570 0800 / sebraego.com.br COM O SEBRAE, O SEU NEGÓCIO VAI! O Sebrae Goiás preparou diversas

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf

endereço eletrônico) OPCIONAL: http://www.coacavo.com.br/gestao_pdf/avaliacao_desempenho_360grau s.pdf AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão de Recursos Humanos DISCIPLINA: Ferramentas de Gestão de Recursos Humanos ALUNO(A):Aline de Souza MATRÍCULA:51811 Ribeiro da Rocha NÚCLEO REGIONAL: DATA:

Leia mais

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores

Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Palestrante Paulo Gerhardt Inspira, Motiva e Sensibiliza para Resultados Superiores Com uma abordagem inovadora e lúdica, o professor Paulo Gerhardt tem conquistado plateias em todo o Brasil. Seu profundo

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na

Nos últimos anos, o setor de seguros brasileiro vem sofrendo uma. série de transformações. Algumas delas podem ser visualizadas na Visão das Seguradoras: Uma análise da distribuição de seguros no Brasil Francisco Galiza Mestre em Economia (FGV), membro do Conselho Editorial da FUNENSEG, catedrático pela ANSP e sócio da empresa "Rating

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson

Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro. Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo, Towers Watson Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Saúde e produtividade: um olhar sobre o cenário brasileiro Cesar Lopes Líder de Saúde e Benefícios em Grupo,

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS

O DESAFIO DOS EXECUTIVOS COACHING EXECUTIVO O DESAFIO DOS EXECUTIVOS Os executivos das empresas estão sujeitos a pressões crescentes para entregarem mais e melhores resultados, liderando as suas organizações através de mudanças

Leia mais

ORGANIZATI ONAL AGILITY

ORGANIZATI ONAL AGILITY PMI PULSO DA PROFISSÃO RELATÓRIO DETALHADO A VANTAGEM COMPETITIVA DO GERENCIAMENTO EFICAZ DE TALENTOS ORGANIZATI ONAL ORGANIZATI ONAL AGILITY AGILITY MARÇO DE 2013 Estudo Detalhado Pulse of the Profession

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

3 Metodologia da pesquisa

3 Metodologia da pesquisa 3 Metodologia da pesquisa Neste capítulo será abordada a caracterização da pesquisa abrangendo o tipo de pesquisa escolhido, critérios para seleção dos entrevistados, os procedimentos adotados para a coleta

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais

Implementação de estratégias

Implementação de estratégias Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Implementação de estratégias Agenda: Implementação de Estratégias Visão Corporativa sobre

Leia mais

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação

Pesquisa realizada com os participantes do 12º Seminário Nacional de Gestão de Projetos. Apresentação Pesquisa realizada com os participantes do de Apresentação O perfil do profissional de Projetos Pesquisa realizada durante o 12 Seminário Nacional de, ocorrido em 2009, traça um importante perfil do profissional

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais