PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS"

Transcrição

1 PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF

2 2 OBJETIVOS Conhecer os conceitos básicos sobre o processamento digital de imagens e ser capaz de implementar vários recursos para processamento e análise de imagens monocromáticas e coloridas. Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

3 3 EMENTA Fundamentos de Processamento Digital de Imagens Noções de Percepção visual Ajuste nos valores dos pixels Operações sobre uma vizinhança Segmentação de imagens Representação e descrição de imagem Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

4 4 BIBLIOGRAFIA AZEVEDO, E.; CONCI, A.; LETA, F. Computação gráfica : processamento de imagens digitais. Vol.2. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier, GONZALEZ, R. C.; WOODS, R. E. Processamento Digital de Imagens 3a. Edição, São Paulo: Addison-Wesley, RUSS, J. C. The image processing handbook. Boca Raton: CRC Press, Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

5 5 REGRAS DO JOGO Código de Conduta! Celular Notebook Laboratório Frequência Faltas Fique de olho! Pontualidade Como mandar bem na disciplina: Participação! Anotação! Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

6 6 AVALIAÇÃO A Avaliação da Disciplina se dará através das notas de Provas e Trabalhos, da seguinte forma: Provas - 25 pts cada Trabalhos - 25 pts Individuais Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

7 7 TRABALHOS Os trabalhos devem ser enviados para a pasta com o nome do aluno no link disponibilizado pela professora, no OneDrive. Atenção ao nome do arquivo! A responsabilidade da entrega do trabalho pertence ao aluno. Caso o trabalho não seja enviado corretamente (arquivo corrompido, falta de internet na hora do envio...), as penalidades referentes ao atraso serão aplicadas. Sugere-se, por isso, enviar o trabalho com antecedência O prazo de entrega do trabalho é até as 23:59:59 da data marcada. Salvo exceções, quando estipulado horário diferente pela professora. Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

8 8 TRABALHOS Trabalhos entregues com atraso valerão 50% a menos a cada 2 dias de atraso Exemplo: (Trabalho Valendo 10 pts) 2 dias de atraso: 5 4 dias de atraso: 2,5 6 dias de atraso: 1,25 8 dias de atraso: 0, Lembrando: Será considerado como atraso os trabalhos enviados após a hora limite estipulada da data marcada. Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

9 Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira 9 INTRODUÇÃO

10 INTRODUÇÃO A área de Processamento de Imagens permite viabilizar grande número de aplicações: Aprimoramento de informações pictóricas para interpretação humana Análise automática por computador de informações extraídas de uma cena.

11 11 PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Motivado por duas principais aplicações: Melhoramento da informação da imagem para interpretação humana Processamento de cenas para percepção de máquinas Armazenamento e transmissão eficientes Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

12 12 PERCEPÇÃO HUMANA Emprega métodos capazes de melhorar a informação pictorial para interpretação e análises humanas Aplicações típicas: realce do conteúdo da imagem aumento de contraste correção de imagens borradas correção de iluminação eliminação de ruídos Pseudo-coloração Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

13 13 AUMENTO DE CONTRASTE Imagem de baixo contraste Imagem realçada Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

14 14 AUMENTO DE CONTRASTE Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

15 15 CORREÇÃO DE FOCO Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

16 16 CORREÇÃO DE MOVIMENTO << Imagem Borrada Imagem corrigida >> Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

17 17 CORREÇÃO DE ILUMINAÇÃO IRREGULAR Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

18 18 ELIMINAÇÃO DE RUÍDOS << Imagem com ruído aleatório Imagem filtrada >> (mediana) Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

19 19 ELIMINAÇÃO DE RUÍDOS Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

20 20 PSEUDO-COLORAÇÃO Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

21 21 PSEUDO-COLORAÇÃO Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

22 22 PERCEPÇÃO DA MÁQUINA Interesse na extração de informações quantitativas da imagem com o objetivo de classificação de padrões e recuperação de imagens por conteúdo. Extração de características: automática semi-automática Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

23 23 TIPOS DE CARACTERÍSTICAS Cor: produz uma assinatura de cor para a imagem ou para uma região (média de cor, histograma, ) Forma: descreve a forma de um objeto ( compacidade, índice de convexidade, perímetro, ) Textura: produz uma caracterização matemática de um padrão que se repete na imagem (entropia, contraste, transformada de wavelet ou Fourier,..) Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

24 O QUE É PROCESSAMENTO DE IMAGENS DIGITAIS Uma imagem pode ser definida como uma função bidimensional f(x,y), em que x e y são coordenadas espaciais (plano). A amplitude de f em qualquer par de coordenadas (x,y) é chamada de intensidade ou nível de cinza da imagem nesse ponto. Uma imagem digital é formada por um número finito de elementos, cada um com uma localização e valores específicos.

25 INTRODUÇÃO Esses elementos são chamados de elementos pictóricos, elementos de imagem, pels e pixels. Os seres humanos são limitados à banda visivel do Espectro EM, porém os aparelhos de processamento de imagens cobrem quase todo o espectro EM, variando de ondas gama a ondas de rádio.

26 EXEMPLOS DE ÁREAS QUE UTILIZAM PDI A principal fonte de energia para imagens utilizada atualmente é o EM. Outras fontes são a acústica, a ultrassônica e a eletrônica (na forma de feixes de elétrons utilizados na microscopia eletrônica) Imagens baseadas na radiação EM são as mais familiares (imagens nas bandas visuais e raios X do espectro)

27 IMAGENS FORMADAS POR RAIOS GAMA

28 IMAGENS FORMADAS POR RAIOS X

29 IMAGENS NA BANDA VISÍVEL E BANDA INFRAVERMELHA

30 BANDA VISÍVEL E INFRAVERMELHA Supera em muito todas as outras em termos de variação de aplicações, pois é a mais rotineira em todas as nossas atividades. Diversas aplicações: Microscopia; Sensoriamento remoto (verificação de condições ambientais) Imagens de centros populacionais Observação e previsão do tempo Indústria Biometria etc...

31 VISÍVEL E INFRAVERMELHA O sensoriamento remoto inclui várias bandas nas regiões visuais e infravermelhas do EM. A tabela mostra as bandas temáticas no satélite Landsalt, da Nasa

32 BANDAS TEMÁTICAS

33

34

35 IMAGENS NA BANDA DE MICRO- ONDAS

36 IMAGENS NA BANDA DE RÁDIO

37 PASSOS FUNDAMENTAIS EM PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS No processamento digital de imagens são definidos duas grandes categorias: Métodos cuja entrada e saída são imagens Métodos cujas entradas podem ser imagens

38 ELEMENTOS DE UM SISTEMA DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS Aquisição de imagens Filtragem e Realce de imagens Restauração de imagens Processamento de imagens coloridas Wavelets e processamento multirresolução Compressão Processamento morfológico Segmentação Representação e descrição Reconhecimento de objetos

39

40 AQUISIÇÃO DE IMAGENS É o primeiro processo A aquisição pode ser tão simples quanto receber uma imagem que já esteja em formato digital. O estágio de aquisição de imagens envolve um pré-processamento, por exemplo, o redimensionamento de imagens.

41 REALCE DE IMAGENS Processo de manipular uma imagem de forma que o resultado seja mais adequado que o original para uma aplicação específica. As técnicas de realce são orientadas de acordo com o problema. Não existe uma teoria geral de realce de imagens. Quando uma imagem é processada para a interpretação visual, o observador é o juiz final do bom funcionamento de um método particular. São bastante variadas as técnicas de realce. O realce baseia-se em preferência humanas subjetivas em relação ao que constitui uma imagem boa.

42 RESTAURAÇÃO DE IMAGENS Área que lida com a melhora visual de uma imagem. A restauração de imagens é objetiva, enquanto o realce é subjetivo. As técnicas de restauração tendem a se basear em modelos matemáticos ou probabilísticos de degradação de imagens.

43 PROCESSAMENTO DE IMAGENS COLORIDAS Área que tem ganhado importância em virtude do aumento significativo da utilização de imagens digitais na Internet. A cor também é utilizada como base para a extração de características de interesse em uma imagem.

44 WAVELETS Fundamentos para a representação de imagens em vários níveis de resolução. Utilizado para compressão de dados de imagens e para a representação piramidal, na qual imagens são subdivididas sucessivamente em regiões menores.

45 COMPRESSÃO Lida com as técnicas de redução do armazenamento necessário para salvar uma imagem, ou a largura de banda necessária para transmiti-la. A compressão de imagens é bem conhecida pela maioria dos usuários de computadores na forma de extensões de arquivos de imagem, como a extensão.jpg utilizada no padrão de compressão de imagens JPEG (Joint Photographic Experts Group)

46 PROCESSAMENTO MORFOLÓGICO Lida com ferramentas para a extração de componentes de imagens úteis na representação e descrição da forma. Transições de processos nos quais as saídas são imagens, para os processos nos quais as saídas passam a ser atributos de imagens.

47 SEGMENTAÇÃO Divide uma imagem em suas partes ou objetos constituintes. A segmentação autônoma é uma das tarefas mais difíceis do processamento digital de imagens. Um procedimento de segmentação de imagens bem-sucedido aumenta as chances de sucesso na solução de problemas que requerem que os objetos sejam individualmente identificados Algoritmos fracos ou inconsistentes quase sempre asseguram falha no processamento. Quanto mais precisa for a segmentação, maiores serão as chances de sucesso no reconhecimento dos objetos.

48 REPRESENTAÇÃO E A DESCRIÇÃO São dados primários em forma de pixels, correspondendo tanto à fronteira de uma região, como a todos os pontos dentro dela. A primeira decisão que deve ser tomada é se os dados devem ser representados como fronteiras ou como regiões completas. Fronteira: o interesse se concentra nas características externas de forma, como vértices e pontos de inflexão Região: apropriada quando o foco é direcionado às propriedades internas do objeto, como a textura ou a forma do esqueleto.

49 RECONHECIMENTO Processo que atribui um rótulo (por exemplo, veículo ) a um objeto com base em seus descritores. Métodos para o reconhecimento de objetos individuais. O conhecimento sobre o domínio do problema está codificado em um sistema de processamento de imagens na forma de uma base (banco de dados) de conhecimento.

50 Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira 50 APLICAÇÕES

51 51 RETOQUE DIGITAL Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

52 52 APLICAÇÕES INDUSTRIAIS Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

53 53 SENSORIAMENTO REMOTO Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

54 54 OUTRAS ÁREAS DE APLICAÇÃO Automação de Escritório / Banco / Biblioteca Eletrônica OCR WEB Base de Dados Multimidia Transmissão Armazenamento Arte / Editoração Fotografia (edição, composição de cenas, efeitos especiais, etc) Edição de layout para impressão Museus Virtuais Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

55 55 OUTRAS ÁREAS DE APLICAÇÃO Video Digital Composição de cenas Efeitos Especiais Criação de cenas Compressão TV Digital Biociências Mamografia Análise de imagens de microscópio Pesquisa biológica (análise de células, tecidos e ossos, análise de DNA) Reconstrução 3D Diagnóstico médico (Raio-X angiografia, tomografia CT, MRI, PET Scanners) Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

56 56 OUTRAS ÁREAS DE APLICAÇÃO Justiça Forense Impressão Digital Análise de DNA Reconhecimento de Faces Defesa / Militar Alvos em imagens de satélite Tracking em tempo real de alvos para lançamento de mísseis, etc Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

57 57 APLICAÇÕES MÉDICAS << Radiografia Tomografia computadorizada >> Ressonância Magnética V Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

58 58 FERRAMENTAS / BIBLIOTECAS Photoshop / Gimp Imagemagick ImageJ Matlab / Scilab / Octave OpenCV - Biblioteca para C/C++, Python, Java OpenImaJ Biblioteca para Java JAI Biblioteca para Java ITK / VTK - Bibliotecas para C++ Processamento Digital de Imagens: Msc. Daniele C. Oliveira

59 PRÁTICA CONHECENDO O OBJETO BUFFEREDIMAGE PARA CRIAR IMAGENS PRETO E BRANCO

60

61

62

63 PRÁTICA CONHECENDO O OBJETO BUFFEREDIMAGE PARA CRIAR IMAGENS EM NÍVEIS DE CINZA

64

65

66 CONTINUAÇÃO

67

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Motivado por duas principais aplicações: Melhorar a informação da imagem para interpretação humana Processamento de cenas para percepção de máquinas (Visão Computacional)

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens Israel Andrade Esquef a Márcio Portes de Albuquerque b Marcelo Portes de Albuquerque b a Universidade Estadual do Norte Fluminense - UENF b Centro Brasileiro de Pesquisas

Leia mais

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens

Fundamentos de Imagens Digitais. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens. Aquisição e Digitalização de Imagens Fundamentos de Imagens Digitais Aquisição e Serão apresentadas as principais características de uma imagem digital: imagem do ponto de vista matemático processo de aquisição e digitalização de uma imagem

Leia mais

Introdução do Processamento de Imagens. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com

Introdução do Processamento de Imagens. Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Introdução do Processamento de Imagens Julio C. S. Jacques Junior juliojj@gmail.com Porque processar uma imagem digitalmente? Melhoria de informação visual para interpretação humana Processamento automático

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Visão e Processamento de Imagens. Imagem digital. Processamento Digital de Imagens. Obtenção de uma imagem digital

Visão e Processamento de Imagens. Imagem digital. Processamento Digital de Imagens. Obtenção de uma imagem digital Visão e Processamento de Imagens Hitoshi aula 1 - Introdução 1o Semestre 2004 Ao final dessa aula você deverá saber: Imagem digital Descrição de imagens digitais Processamento digital de imagens definição

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4)

APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) Prof. Breno Leonardo G. de M. Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br APLICATIVOS GRÁFICOS (AULA 4) 1 Classificação da imagem Em relação à sua origem pode-se classificar uma imagem,

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Processamento Digital de Imagens Prof Fabrízzio Alphonsus A M N Soares 2012 Conteúdo Programático Capítulo 1 Introdução ao PDI Capítulo 2 Fundamentos

Leia mais

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Computacional Não existe um consenso entre os autores sobre o correto escopo do processamento de imagens, a

Leia mais

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores Tópicos Imagens Médicas Prof. João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. Aula na disciplina Processamento de Imagens Universidade de Brasília 17 de novembro de 2011 http://pgea.unb.br/~joaoluiz/ joaoluiz@pgea.unb.br

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519

Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira PLANO DE ENSINO CURSO ENGENHARIA DE AMBIENTAL MATRIZ 519 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL - Abertura e aprovação do projeto do curso:

Leia mais

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2.1. Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens entende-se como a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada

Leia mais

RECONHECIMENTO DE PADRÕES. OCR - Reconhecimento óptico de caracteres

RECONHECIMENTO DE PADRÕES. OCR - Reconhecimento óptico de caracteres RECONHECIMENTO DE PADRÕES OCR - Reconhecimento óptico de caracteres INTRODUÇÃO Reconhecimento de padrões é uma área da ciência cujo objetivo é a classificação de objetos dentro de um número de categorias

Leia mais

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada

Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Trabalho apresentado no XXXV CNMAC, Natal-RN, 2014. Descritores de textura na análise de imagens de microtomografia computadorizada Sandro R. Fernandes Departamento de Educação e Tecnologia, Núcleo de

Leia mais

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica

29/08/2011. Radiologia Digital. Princípios Físicos da Imagem Digital 1. Mapeamento não-linear. Unidade de Aprendizagem Radiológica Mapeamento não-linear Radiologia Digital Unidade de Aprendizagem Radiológica Princípios Físicos da Imagem Digital 1 Professor Paulo Christakis 1 2 Sistema CAD Diagnóstico auxiliado por computador ( computer-aided

Leia mais

Aquisição e Representação da Imagem Digital

Aquisição e Representação da Imagem Digital Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Aquisição e Representação da Imagem Digital Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/33 Sumário. Introdução 2. Aquisição e Representação da Imagem

Leia mais

Estudo de Técnicas Aplicado ao Reconhecimento de Padrões Utilizando Imagens

Estudo de Técnicas Aplicado ao Reconhecimento de Padrões Utilizando Imagens Estudo de Técnicas Aplicado ao Reconhecimento de Padrões Utilizando Imagens Andreza Maculano Esteves Uberlândia, Dezembro/2001. Estudo de Técnicas Aplicado ao Reconhecimento de Padrões Utilizando Imagens

Leia mais

VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO. Professora da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT).

VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO. Professora da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT). VISÃO COMPUTACIONAL COM A OPENCV MATERIAL APOSTILADO E VEÍCULO SEGUIDOR AUTÔNOMO Riccardo Luigi Delai 1 ; Alessandra Dutra Coelho 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola de Engenharia Mauá (EEM/CEUN-IMT);

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Processamento de Imagem. Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Processamento de Imagem Prof. MSc. André Yoshimi Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Visão Humana Sistema complexo Conceitos Básicos e Terminologia

Leia mais

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos

Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Ferramenta para detecção de fadiga em motoristas baseada no monitoramento dos olhos Rafael Dattinger Acadêmico Dalton Solano dos Reis - Orientador Roteiro Introdução/Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP

Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Utilização de imagem CBERS-2 na análise e avaliação dos impactos ambientais da cultura da cana-de-açúcar da região de Ribeirão Preto SP Valéria de Souza Assunção 1 Elizabete Cristina Kono 1 Rafael Frigerio

Leia mais

Processamento de Imagem. Representação, Armazenamento e Formato de imagens Professora Sheila Cáceres

Processamento de Imagem. Representação, Armazenamento e Formato de imagens Professora Sheila Cáceres Processamento de Imagem Representação, Armazenamento e Formato de imagens Professora Sheila Cáceres Representação e armazenamento de imagens Process. de Imagem - Prof. Sheila Cáceres 2 Representação Matricial

Leia mais

Processamento e Análise de Imagens (MC940) Análise de Imagens (MO445)

Processamento e Análise de Imagens (MC940) Análise de Imagens (MO445) Processamento e Análise de Imagens (MC940) Análise de Imagens (MO445) Prof. Hélio Pedrini Instituto de Computação UNICAMP 2º Semestre de 2015 Roteiro 1 Introdução 2 Áreas de Aplicação 3 Etapas de um Sistema

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA

DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA ESTUDO DA DOSE DE ENTRADA NA PELE PARA RADIOGRAFIAS DE TÓRAX E COLUNA International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO COMPUTACIONAL DE EXPOSIÇÃO EXTERNA PARA

Leia mais

Processamento Digital de Imagens

Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens (Conceitos iniciais) Prof. Silvio Jamil F. Guimarães PUC Minas 2013-1 Prof. Silvio Guimarães (PUC Minas) Processamento Digital de Imagens 2013-1 1 / 39 Motivação Desafio

Leia mais

Processamento digital de imagens. introdução

Processamento digital de imagens. introdução Processamento digital de imagens introdução Imagem digital Imagem digital pode ser descrita como uma matriz bidimensional de números inteiros que corresponde a medidas discretas da energia eletromagnética

Leia mais

Prof. Marcelo Henrique dos Santos

Prof. Marcelo Henrique dos Santos POR QUE ESTUDAR COMPUTAÇÃO GRÁFICA? Quem quiser trabalhar em áreas afins: Entretenimento Jogos e filmes Visualização Simulação de fenômenos físicos Arte computadorizada Educação e treinamento Processamento

Leia mais

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Introdução Na Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), diferentemente dos exames de Raio-x ou CT, a emissão da radiação é realizada diretamente

Leia mais

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA

REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA REALCE DE MICROCALCIFICAÇÕES EM IMAGENS DE MAMOGRAFIA UTILIZANDO FILTROS PASSA-ALTA Caio Cesar Amorim Borges e Danilo Rodrigues de Carvalho Universidade Federal de Goiás, Escola de Engenharia Elétrica

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

Classificação de Imagens

Classificação de Imagens Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil Classificação de Imagens Profa. Adriana Goulart dos Santos Extração de Informação da Imagem A partir de uma visualização das imagens,

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais

Thales Trigo. Formatos de arquivos digitais Esse artigo sobre Formatos de Arquivos Digitais é parte da Tese de Doutoramento do autor apresentada para a obtenção do titulo de Doutor em Engenharia Elétrica pela Escola Politécnica da USP. Thales Trigo

Leia mais

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung

Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução ao Processamento de Imagens Profa. Dra. Soraia Raupp Musse Thanks to Prof. Dr. Cláudio Rosito Jung Introdução Processamento de Imagens: processamento de sinais bidimensionais (ou n-dimensionais).

Leia mais

Quais as diferenças entre os formatos de imagem PNG, JPG, GIF, SVG e BMP?

Quais as diferenças entre os formatos de imagem PNG, JPG, GIF, SVG e BMP? Quais as diferenças entre os formatos de imagem PNG, JPG, GIF, SVG e BMP? 66.393 Visualizações Por Daniele Starck Disponível em: www.tecmundo.com.br/imagem/5866 quais as diferencas entre os formatos de

Leia mais

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA.

UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. UM POUCO DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA. Imagem digital é a representação de uma imagem bidimensional usando números binários codificados de modo a permitir seu armazenamento, transferência, impressão ou reprodução,

Leia mais

ferramentas da imagem digital

ferramentas da imagem digital ferramentas da imagem digital illustrator X photoshop aplicativo ilustração vetorial aplicativo imagem digital 02. 16 imagem vetorial X imagem de rastreio imagem vetorial traduz a imagem recorrendo a instrumentos

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos

3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos Página 1 de 5 3 - estética e a técnica na ambientação 3.2. Experimentações: o processo de produção Iluminação de três pontos iluminação de três pontos é composta por três refletores, cada qual com função

Leia mais

Apresentação do Curso e da Área de Processamento de Imagem Digital

Apresentação do Curso e da Área de Processamento de Imagem Digital Apresentação do Curso e da Área de Processamento de Imagem Digital Instituto de Computação - UNICAMP afalcao@ic.unicamp.br Introdução Este curso abordará conceitos e técnicas de processamento de imagem

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA PÓS GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA INF2608 FUNDAMENTOS DE COMPUTAÇÃO GRÁFICA RELATÓRIO: IMAGENS SÍSMICAS VISUALIZAÇÃO E DETECÇÃO

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE

Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Universidade Federal do Rio de Janeiro - IM/DCC & NCE Processamento de Imagens Tratamento da Imagem - Filtros Antonio G. Thomé thome@nce.ufrj.br Sala AEP/033 Sumário 2 Conceito de de Filtragem Filtros

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS Msc. Daniele Carvalho Oliveira Doutoranda em Ciência da Computação - UFU Mestre em Ciência da Computação UFU Bacharel em Ciência da Computação - UFJF FILTRAGEM ESPACIAL

Leia mais

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas

Mídias Contínuas. Mídias Contínuas Mídias Contínuas Processamento da Informação Digital Mídias Contínuas Mídias Contínuas (dinâmicas ou dependentes do tempo) Digitalização de Sinais Áudio Vídeo 1 Digitalização de Sinais Codificadores de

Leia mais

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress

7 Introdução ao uso do LibreOffice Impress Introdução a Informática - 1º semestre AULA 04 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Criar apresentações básicas com uso do LibreOffice Impress; o Manipular a estrutura de tópicos para a digitação de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO - UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA CURSO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FERNANDO DUTKA LEONARDO ZEQUINELLI BIBOLOTTI MAICON ÉDER MOTELIEVICZ ROBERTO FERNANDO NEHLS MAFRA - SC

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO COORDENADOR1A DE PÓS-GRADUAÇÃO STHCTOSBJSU DISCIPLINA Código Denominação Crédito(s) n Carga Horária Teórica Prática Total PCC-XXX 5Q3 Processamento

Leia mais

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite.

Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por vazamento de petróleo utilizando imagem de satélite. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.7636 Morfologia Matemática: Delimitar área de desastre ambiental causado por

Leia mais

4 Experimentos Computacionais

4 Experimentos Computacionais 33 4 Experimentos Computacionais O programa desenvolvido neste trabalho foi todo implementado na linguagem de programação C/C++. Dentre as bibliotecas utilizadas, destacamos: o OpenCV [23], para processamento

Leia mais

1ª PARTE - PERGUNTAS E RESPOSTAS

1ª PARTE - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCLARECIMENTO DE DÚVIDAS Nº 003/LCIC/2012 28/02/2012 PREGÃO ELETRÔNICO N 009/DALC/SEDE/2011 CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA FORNECIMENTO DE 180 (CENTO E OITENTA) EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO DE BAGAGEM DE MÃO,

Leia mais

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico

Tomografia Computadorizada I. Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04. Sistema Tomográfico Tomografia Computadorizada I Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.net Aula 04 Sistema Tomográfico Podemos dizer que o tomógrafo de forma geral, independente de sua geração, é constituído

Leia mais

Introdução. Capítulo. 1.1 Considerações Iniciais

Introdução. Capítulo. 1.1 Considerações Iniciais Capítulo 1 Introdução 1.1 Considerações Iniciais A face humana é uma imagem fascinante, serve de infinita inspiração a artistas há milhares de anos. Uma das primeiras e mais importantes habilidades humanas

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira PROCESSAMENTO DE IMAGENS Engenharia de Computação INTRODUÇÃO Processamento Digital de Imagens refere-se ao processamento imagens por meio de um computador

Leia mais

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas

Segmentação de Imagens de Placas Automotivas Segmentação de Imagens de Placas Automotivas André Zuconelli, Manassés Ribeiro Instituto Federal Catarinense - Campus Videira. Técnico em Informática, turma 2010 Rodovia SC, Km 5 Bairro Campo Experimental

Leia mais

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching"

Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching Respostas do Estudo Dirigido do Capítulo 14 Classical pattern recognition and image matching" 1 Com suas palavras explique o que é Reconhecimento de Padrões- RP. Quais são os fases clássicas que compõem

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Imagens IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo Imagens ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo Imagens Índice

Leia mais

DSG 1005: Procedimentos para G2

DSG 1005: Procedimentos para G2 DSG 1005: Procedimentos para G2 1. Datas importantes 11 de junho: entrega dos desenhos técnicos, fluxogramas e wireframes/modelos e bonecas, segunda 18 de junho: entrega dos manuais de produção (relatório

Leia mais

Princípios Físicos em Raio-X

Princípios Físicos em Raio-X Serviço de Informática Instituto do Coração HC FMUSP Princípios Físicos em Raio-X Marco Antonio Gutierrez Email: marco.gutierrez@incor.usp.br 2010 Formas de Energia Corpuscular (p, e -, n, α, β, ) Energia

Leia mais

Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP

Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP Oficina de Manipulação e Edição de Fotografia e Imagem Digital GIMP O que é o GIMP É um programa de criação e edição de imagens. Foi criado como uma alternativa livre ao Photoshop, ou seja, é um software

Leia mais

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR.

Leia mais

Emprego da Termografia na inspeção preditiva

Emprego da Termografia na inspeção preditiva Emprego da Termografia na inspeção preditiva Rafaela de Carvalho Menezes Medeiros* Resumo A prática de manutenção preditiva corresponde hoje a um meio eficaz de antever uma parada do equipamento por motivo

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

5 Processamento e Análise Digital de Imagens

5 Processamento e Análise Digital de Imagens 52 5 Processamento e Análise Digital de Imagens A área de processamento digital de imagens vem evoluindo continuamente ao longo dos anos, com um aumento significativo de estudos envolvendo morfologia matemática,

Leia mais

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Willian Paraguassu Amorim 27 de julho de 2005 1 Título Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração

Leia mais

Manual do Usuário Janeiro de 2016

Manual do Usuário Janeiro de 2016 Manual do Usuário Janeiro de 2016 SOBRE CMX CMX é uma interface que dá acesso aos estudantes a milhares de atividades, exercícios e recursos todos posicionados com os padrões e conceitos curriculares.

Leia mais

1ª aula. João Kogler Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP

1ª aula. João Kogler Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP 1ª aula João Kogler Departamento de Sistemas Eletrônicos Escola Politécnica da USP Preliminares Informações E-mail: kogler@lsi.usp.br Sala Poli Eletrica bloco A - 2º andar LSI ramal 5673 Websites: Mais

Leia mais

Processamento de Imagens

Processamento de Imagens Processamento de Imagens Prof. Marcelo Portes de Albuquerque Prof. Márcio Portes de Albuquerque Monitores: Fernanda Dutra Moraes (CBPF) Pedro de Souza Asad (CBPF) IX Escola do CBPF 2012 IX Escola do CBPF

Leia mais

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta

Teoria da Cor TI. Elisa Maria Pivetta Teoria da Cor TI Elisa Maria Pivetta A percepção da cor é um processo complexo, resultante da recepção da luz pelo olho e da interpretação desta pelo cérebro. O que de fato determina a cor de um objeto

Leia mais

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem

Figura 1: Formato matricial de uma imagem retangular. Figura 2: Ampliação dos pixels de uma imagem Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Departamento de Eletrônica e Computação - DELC Introdução à Informática Prof. Cesar Tadeu Pozzer Julho de 2006 Imagens Uma imagem é representada por uma matriz

Leia mais

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações:

SUPLEMENTO Nº 02. O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: SUPLEMENTO Nº 02 O presente Suplemento tem por finalidade introduzir no Edital da Licitação as seguintes alterações: 1. A data limite de acolhimento de propostas fica alterada para 19.02.2008. 2. A CLÁUSULA

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

SISTEMÁTICA DA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA

SISTEMÁTICA DA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE ARTES E COMUNICAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA SISTEMÁTICA DA DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS: RELATO DE EXPERIÊNCIA RECIFE,

Leia mais

ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO FORENSE EM FOTOGRAFIAS DIGITAIS: UMA ANÁLISE PARCIAL

ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO FORENSE EM FOTOGRAFIAS DIGITAIS: UMA ANÁLISE PARCIAL ANÁLISE E INVESTIGAÇÃO FORENSE EM FOTOGRAFIAS DIGITAIS: UMA ANÁLISE PARCIAL Ana Elisa SCHIMDT¹, Tiago TORRESANI² ¹ Orientadora IFC-Campus Camboriú; ²Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet

Leia mais

Processamento de Sinais Áudio-Visuais

Processamento de Sinais Áudio-Visuais Processamento de Sinais Áudio-Visuais Parte III Imagem e Video Prof. Celso Kurashima Introdução à Engenharia da Informação Fevereiro/2011 1 A Picture is worth a thousand words Uma imagem vale mil palavras

Leia mais

Orientações para Usuários

Orientações para Usuários Sistema de Gestão de Certificados Eletrônicos Orientações para Usuários Organizadores de evento Controladores de qualidade Objetivos do Sistema Os principais objetivos da concepção do sistema são: automatização,

Leia mais

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001

Figura 5.1.Modelo não linear de um neurônio j da camada k+1. Fonte: HAYKIN, 2001 47 5 Redes Neurais O trabalho em redes neurais artificiais, usualmente denominadas redes neurais ou RNA, tem sido motivado desde o começo pelo reconhecimento de que o cérebro humano processa informações

Leia mais

BUSCA DE IMAGENS BASEADA NO CONTEÚDO: APLICAÇÃO EM IMAGENS MÉDICAS

BUSCA DE IMAGENS BASEADA NO CONTEÚDO: APLICAÇÃO EM IMAGENS MÉDICAS UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO BUSCA DE IMAGENS BASEADA NO CONTEÚDO: APLICAÇÃO EM IMAGENS MÉDICAS RAFAEL GESSELE BLUMENAU

Leia mais

Fundamentos. Guillermo Cámara-Chávez

Fundamentos. Guillermo Cámara-Chávez Fundamentos Guillermo Cámara-Chávez Introdução Uma das primeiras aplicações de técnicas de PDI para interpretação humana: imagens digitalizadas para jornal Transmitidas por cabos submarinos entre Londres

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS NA CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE MATERIAIS COMPÓSITOS

APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS NA CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE MATERIAIS COMPÓSITOS APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS NA CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE MATERIAIS COMPÓSITOS Fernando de Azevedo Silva Jean-Jacques Ammann Ana Maria Martinez Nazar Universidade Estadual

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À INFORMÁTICA PROFESSOR: Alexei Manso Correa Machado 1. EMENTA: Conceitos básicos em informática. Uso do World e Excel. Uso da internet. Uso das ferramentas

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É?

COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? COMPUTAÇÃO GRÁFICA O QUE É? Curso: Tecnológico em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina: COMPUTAÇÃO GRÁFICA 4º Semestre Prof. AFONSO MADEIRA SUMÁRIO O que é COMPUTAÇÃO GRÁFICA Áreas relacionadas

Leia mais

Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor

Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor IEEE LATIN AMERICA TRANSACTIONS, VOL. 4, NO. 1, MARCH 2006 1 Uma Metodologia de Identificação de Imagens de Impressões Digitais pelo Filtro de Gabor Sanderson L. Gonzaga de Oliveira e Joaquim Teixeira

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática ALOCAÇÃO INTERATIVA DE PROFESSORES, DISCIPLINAS E SALAS DO CIn Márcio Barbosa de Oliveira Filho Orientadora: Katia Silva Guimarães Recife, Outubro

Leia mais

Julgue os itens a seguir, referentes a programas de navegação, programas de correio eletrônico e sítios de busca e pesquisa na Internet.

Julgue os itens a seguir, referentes a programas de navegação, programas de correio eletrônico e sítios de busca e pesquisa na Internet. 01 Q360880 Noções de Informática Internet Ano: 2014 Banca: CESPE Órgão: MDICProva: Agente Administrativo BETA Julgue os itens a seguir, referentes a programas de navegação, programas de correio eletrônico

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6050 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579946

Seu manual do usuário XEROX 6050 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579946 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6050. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6050 no manual

Leia mais

Programação de Equipamentos CNC através da Análise de Imagens por Segmentação

Programação de Equipamentos CNC através da Análise de Imagens por Segmentação Programação de Equipamentos CNC através da Análise de Imagens por Segmentação Daniel Welfer (UFSM) welfer@inf.ufsm.br Alexandre Dias da Silva (UFSM) adiass@smail.ufsm.br Marcos Cordeiro d Ornellas (UFSM)

Leia mais

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador

Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Desenho e Apresentação de Imagens por Computador Conteúdo s: Aspetos genéricos sobre o trabalho com imagens computacionais. Imagens computacionais e programas que criam ou manipulam esse tipo de imagens.

Leia mais

Fotografia na Web. Professor: Edvaldo Nascimento Ferreira Junior 71 9908.9404 edvaldo@designconceito.com.br

Fotografia na Web. Professor: Edvaldo Nascimento Ferreira Junior 71 9908.9404 edvaldo@designconceito.com.br Fotografia na Web Professor: Edvaldo Nascimento Ferreira Junior 71 9908.9404 edvaldo@designconceito.com.br www.designconceito.com.br/unijorge (material de aula, trabalhos, bibliografia, links interessantes

Leia mais

Controlando o trabalho impresso 1

Controlando o trabalho impresso 1 Controlando o trabalho impresso 1 O seu driver da impressora fornece a melhor qualidade de saída para vários tipos de necessidades de impressão. No entanto, você pode desejar ter mais controle sobre a

Leia mais

Os Tempos da Máquina. Gabriel Menotti

Os Tempos da Máquina. Gabriel Menotti Os Tempos da Máquina Gabriel Menotti A parte mais evidente das Máquinas do Tempo são as fotografias. É por meio desses elementos que o projeto de Andrei Thomaz se dá prontamente ao olhar. Um público acostumado

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS

IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS IDENTIFICAÇÃO DE MARCADORES DE PAVIMENTAÇÃO NA ORIENTAÇÃO DE CEGOS André Zuconelli¹, Manassés Ribeiro² Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense - Campus Videira Rodovia SC, Km 5

Leia mais

Aula 2 Aquisição de Imagens

Aula 2 Aquisição de Imagens Processamento Digital de Imagens Aula 2 Aquisição de Imagens Prof. Dr. Marcelo Andrade da Costa Vieira mvieira@sc.usp.br EESC/USP Fundamentos de Imagens Digitais Ocorre a formação de uma imagem quando

Leia mais

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos.

O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas em quatro módulos. PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA BIOMÉDICA E ENGENHARIA CLÍNICA 1. ORGANIZAÇÃO E MÓDULOS O curso de Pós-graduação em Engenharia Biomédica e Engenharia Clínica tem 368 horas de atividades presenciais, organizadas

Leia mais

O uso correto do texto alternativo

O uso correto do texto alternativo O uso correto do texto alternativo Tradução livre do texto Appropriate Use of Alternative Text [http://webaim.org/techniques/alttext/] O texto alternativo é, como o nome diz, uma alternativa aos elementos

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES Índice Página PROGRAMAS ACADÊMICOS E PROFISSIONAIS OFERECIDOS POR UM MESMO DEPARTAMENTO...2 PROPOSTA DE PROGRAMA...2 COMO COPIAR E COLAR...2 CADASTRO DOCENTE...2 ATIVIDADE DOCENTE...2

Leia mais