Arranjo fatorial de tratamentos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arranjo fatorial de tratamentos"

Transcrição

1 Matéria Seca de Nódulos (mg/planta) Mario Andrade Lira Junior Estatística Aplicada à Agricultura 01- Exemplo gráfico com fator quantitativo Arranjo fatorial de tratamentos Características básicas Utilizável em qualquer delineamento experimental Continua a desdobrar a variação total de acordo com o delineamento Tratamento é combinação de níveis de fatores, e seu efeito é desdobrado na ANOVA Termos importantes Fator cada coisa que estudamos Nível cada item de um fator Tratamento combinação de um nível de cada fator Efeito principal - cada fator como se fosse um experimento sozinho Efeito secundário=interação o Como um fator modifica o que acontece com o outro o A parte da variação de dois fatores (ou mais) que não se deve a qualquer deles isoladamente (ou à interação entre dois dos três, etc) Número real de repetições quantas parcelas físicas do experimento têm um determinado nível do fator o Pode ser diferente para cada fator o Afeta a precisão dos testes F e Tukey para o fator Vantagens e desvantagens Vantagens Estuda efeitos principais e interações Flexível Aproxima mais da realidade Maior número de repetições para efeitos principais Interação Desvantagens Pode aumentar demais o número de tratamentos Pode ter interpretação difícil, quando tem muitas interações Se não for significativa, (F não significativo), estudar os efeitos principais o Cada fator é avaliado separadamente, ou seja os demais fatores são repetições Se for significativa, não estudar os efeitos principais o Como a interação foi significativa, indica que um fator mexe com o outro o Não faz sentido ver o que acontece com cada um em separado O desdobramento é feito avaliando um fator dentro do outro o Compara todos os níveis do fator considerando o nível X do fator 1 o Depois compara os níveis do fator 1, para cada nível do É a razão de tabelas com letras maiúsculas e minúsculas junto de cada valor Exemplo gráfico com fator qualitativo Adubo Nacional Nativa Tropical Com P Sem P Exemplo de tabela Tabela x - Efeito de diferentes fontes de nitrogênio, na presença e na ausência de adubação fosfatada, sobre a nodulação do feijão caupi subsequente, Marte, 050 Fontes de N Adubação fosfatada Com Sem Adubo 7Ba 45Ab Nacional 19Aa 45Ab Nativa 146Aa 64Ab Tropical 144Aa 51Ab Valores em uma mesma coluna, seguidos de letras maiúsculas idênticas, ou em uma mesma linha seguidos por letras minúsculas idênticas, não se diferenciaram ao nível de 5% pelo teste de Tukey Formação de tratamentos Combina um nível de cada um dos fatores Exemplo com três fatores o Cobertura verde (Cob) mato (Mato), milheto (Mil) ou mucuna (Muc) o Fonte de nitrogênio (N) adubo (Ad), inoculante nacional (Nac), não inoculado=nativa (Nat), inoculante tropical (Trop) o Fósforo (P) com (Com) ou sem (Sem) Notação comum: 3 x 4 x 4 tratamentos Procedimento o Fixa um nível do primeiro fator (Mato) o Fixa um nível do segundo fator (Ad) o Combina com todos os níveis do terceiro fator (Mato, Ad, Com e Mato, Ad, Sem) o Fixa o próximo nível do segundo fator (Nac) o Repetir até acabarem todas as combinações dos fatores e 3

2 o Passar para o próximo nível do fator 1 o Repetir até acabar Tr Cob N P 1 Mato Ad Com Mato Ad Sem 3 Mato Nac Com 4 Mato Nac Sem 5 Mato Nat Com 6 Mato Nat Sem 7 Mato Trop Com 8 Mato Trop Sem 9 Mil Ad Com 10 Mil Ad Sem 11 Mil Nac Com 1 Mil Nac Sem 13 Mil Nat Com 14 Mil Nat Sem 15 Mil Trop Com 16 Mil Trop Sem 17 Muc Ad Com 18 Muc Ad Sem 19 Muc Nac Com 0 Muc Nac Sem 1 Muc Nat Com Muc Nat Sem 3 Muc Trop Com 4 Muc Trop Sem Desdobramento de tratamentos A variação total desdobra de acordo com o delineamento, do mesmo jeito de sempre A parte devida aos tratamentos é dividida entre os fatores e suas interações o Efeitos principais Cobertura Fonte de N Fósforo o Interações Entre dois fatores - Todas as combinações de dois fatores Cob x N Cob x P N x P Entre três fatores -Todas as combinações entre três fatores Cob x N x P O desdobramento segue a lógica normal o Graus de liberdade o Soma de quadrados GL efeito principal número de níveis menos um GL Interação o GL total da combinação dos fatores, menos os GL já conhecidos isoladamente o Interação dupla o o o Considerando Cob x N Para interação tríplice Considerando Cob x N x P SQ SQ SQ Combinação Combinação 1 Evidentemente a soma dos GL dos efeitos componentes do tratamento tem de ser GL Tratamento Soma de quadrados o Efeito principal Mesma lógica de SQT ou SQB o SQ Fator 1 total de cada nível SQFator C Re petições reais fator Interação Mesma lógica de GL total combinação 1 e C Re petições reais combinação Trat1 x1 Trat1 x Tratnxn C número parcelas cada combinação Combinação SQ Fator1 SQ Fator o A soma de todas as SQs tem de ser igual à SQT Os cálculos das SQ são simplificados com tabelas de dupla entrada o Uma tabela para cada combinação de dois fatores o Os efeitos principais usam os totais o A interação usa a parte central da tabela o O total geral tem de ser igual ao total do experimento 3 Total Fator Total Quadrado médio e teste de F o Como de costume Total Geral Exemplo de análise Um experimento foi conduzido na Unidade Acadêmica de Júpiter, 100, avaliando o efeito de três coberturas verdes (mato, milheto ou mucuna) na nodulação do caupi subseqüente, que recebeu quatro fontes de nitrogênio distintas (adubo químico, inoculação com recomendação nacional, ausência de inoculação, ou inoculação com estirpes tropicais), e foi adubado ou não com fósforo. O experimento foi conduzido em três blocos. Os dados de Matéria Seca de Nódulos estão na tabela abaixo: BLOCO Ad Verde Fonte N Fósforo MSN BI Mato adubo com 60 BI Mato adubo sem 57 BI Mato nacional com 137 BI Mato nacional sem 64 BI Mato nativa com 18

3 BI Mato nativa sem 90 N 3(4-1) BI Mato tropical com 9 BI Mato tropical sem 43 Adubo Trop BI milheto adubo com 39 /(3(b)*3(a)*(p))- BI milheto adubo sem 38 c BI milheto nacional com 18 P 1(-1) SQN/GLN QMN/QMR BI milheto nacional sem 6 (com + sem )/( BI milheto nativa com 44 3(b)*3(a)*4(n))-c SQP/GLP QMP/QMR BI milheto nativa sem 15 AxN 6(3(a)*4(n BI milheto tropical com 136 )-1- ((Mato-adubo) BI milheto tropical sem 71 (GLA) (muctrop) BI mucuna adubo com 150 3(GLN) )/(3(b)*(n)- BI mucuna adubo sem 1 c-sqa-sqn SQAxN/GLAxN QMAxN/QMR BI mucuna nacional com 145 AxP (3(a)*(p BI mucuna nacional sem 49 )-1- ((mato-com) BI mucuna nativa com 113 (GLA) (trop- BI mucuna nativa sem 57 1(GLP) sem) )/(3(b)*4(n)) BI mucuna tropical com 115 -c-sqa-sqp SQAxP/GLAxP QMAxP/QMR BI mucuna tropical sem 51 NxP 3(4(n)*(p BII Mato adubo com 40 )-1- ((adubo-com) 3(GLN) (tropsem) )/(3(b)*3(a)- BII Mato adubo sem 35 1(GLP) BII Mato nacional com 85 c-sqn-sqp SQNxP/GLNxP QMNxP/QMR BII Mato nacional sem 69 AxNx GLT- SQT-Sqa-SQN- BII Mato nativa com 1 P GLA- SQP-SQAxN- BII Mato nativa sem 50 GLN- SQAxP-SQNxP BII Mato tropical com 158 GLP- BII Mato tropical sem 59 GLAxN- BII milheto adubo com 94 GLAxP- SQAxNxP/GLAxN QMAxNxP/Q BII milheto adubo sem 60 GLNxP xp MR BII milheto nacional com 148 (Trat) 3(a*n*p- (mato-adubo- BII milheto nacional sem 38 1) com²+...+muc- BII milheto nativa com 135 trop-sem²)/(3(b))- BII milheto nativa sem 5 c BII milheto tropical com 57 Bl (b-1) (bi²+...+biii²)/(4( BII milheto tropical sem 7 t))-c BII mucuna adubo com 75 BII mucuna adubo sem 60 Res 46(GLTot- Sqtot-SQT-SQB BII mucuna nacional com 195 GLT- GLB) BII mucuna nacional sem 59 BII mucuna nativa com 131 Tot 71(anp*b- (mato-adubo- BII mucuna nativa sem 60 1) com-bli²+...+muc- BII mucuna tropical com 05 trop-sem-bliii²)-c BII mucuna tropical sem 51 BIII mato adubo com 99 BIII mato adubo sem 56 Tratamento BI BII BIII Total BIII mato nacional com 83 1 Mato Adubo Com BIII mato nacional sem 4 Mato Adubo Sem BIII mato nativa com Mato Nacional Com BIII mato nativa sem 95 4 Mato Nacional Sem BIII mato tropical com Mato Nativa Com BIII mato tropical sem 80 6 Mato Nativa Sem BIII milheto adubo com 30 7 Mato Tropical Com BIII milheto adubo sem 0 8 Mato Tropical Sem BIII milheto nacional com 3 9 Milheto Adubo Com BIII milheto nacional sem Milheto Adubo Sem BIII milheto nativa com Milheto Nacional Com BIII milheto nativa sem 65 1 Milheto Nacional Sem BIII milheto tropical com Milheto Nativa Com BIII milheto tropical sem 9 14 Milheto Nativa Sem BIII mucuna adubo com Milheto Tropical Com BIII mucuna adubo sem Milheto Tropical Sem BIII mucuna nacional com Mucuna Adubo Com BIII mucuna nacional sem Mucuna Adubo Sem BIII mucuna nativa com Mucuna Nacional Com BIII mucuna nativa sem 10 0 Mucuna Nacional Sem BIII mucuna tropical com Mucuna Nativa Com BIII mucuna Tropical sem 5 Mucuna Nativa Sem Mucuna Tropical Com FV GL SQ QM F 4 Mucuna Tropical Sem Total A (3-1) (mato muc ) /(3(b)*4(n)*(p))- c SQA/GLA QMA/QMR Mato Milheto Mucuna Total Adubo Nacional Nativa Tropical

4 Total Adubo Nacional Nativa Tropical Mato Milheto Mucuna Total Com Sem Total Com 71,89 Com 18,67 Com 146,44 Com 143,89 Sem 44,67 Sem 44,89 Sem 64,11 Sem 51,44 Com Sem Total Adubo Nacional Nativa Tropical Total q QMR 1,94 3( a) x3( b) (5%,4,46) N dentro de P C=( X)²/anpb=664²/7= SQTot= x²-c= (60² ²) =4317,00 SQB= B²/anp-c= (060²+038²+166²)/ =390,33 SQT= T²/B-c= (199²+148² ²)/ ,68=17747,30 SQA= Adubo²/BNP-C= (409²+1503²+35²)/(3x4x) =1456,75 SQN= Fonte²/BAP- C= (1049²+156²+1895²+1758²)/(3x3x) =911,67 SQP= Fosforo²/BAN-C= (4418²+1846²)/(3x3x4) =91877,56 SQAxN= Ad,Fon²/BP-C-SQA- SQN= (347² ²)/(3x) ,75-911,67=14075, SQAxP= Ad,Fos²/BN-C-SQA- SQP= (1687² ²)/(3x4) , ,56=4008,1 SQNxP= Fon,Fos²/BA-C-SQN- SQP= (647² ²)/(3x3) , ,56=100,78 SQAxNxP=SQAd,Fon,Fos²-c-SQA-SQN-SQP-SQAxN- SQAxP-SQNxP=(199² ²)/ ,75-911, , ,1-100,78=11095,31 FV GL SQ QM F PR >F (NS) A 1456, ,38 7,5515 0, N 3 911, , 5,3755 0,00947 P , ,56 64,66851,57E-10 A x N ,5 345,875 1, , A x P 4008,08 004,014 1, ,54368 N x P 3 100, ,96, , A x N x P , ,18 1, ,75554 Tratamento ,3 Bloco 390,3333 Residuo ,33 140,746 Total Adubo verde q(5%,3,46) QMR 6,38 4( N) x( p) x3( b) Adubo verde Total Média Mato ,38 Milheto ,6 Mucuna 35 98,00 P dentro de N Com Sem Adubo 71,89 Adubo 44,67 Nacional 18,67 Nacional 44,89 Nativa 146,44 Nativa 64,11 Tropical 143,89 Tropical 51,44 Tabela 1 - Efeito de diferentes adubos verdes sobre a nodulação do feijão caupi subsequente, Marte, 050 Adubo Verde MSN Mato 100A Milheto 63B Mucuna 98A Valores em uma mesma coluna, seguidos de letras idênticas não se diferenciaram ao nível de 5% pelo teste de Tukey Tabela - Efeito de diferentes fontes de nitrogênio, na presença e na ausência de adubação fosfatada, sobre a nodulação do feijão caupi subsequente, Marte, 050 Fontes de N Adubação fosfatada Com Sem Adubo 7Ba 45Ab Nacional 19Aa 45Ab Nativa 146Aa 64Ab Tropical 144Aa 51Ab Valores em uma mesma coluna, seguidos de letras maiúsculas idênticas, ou em uma mesma linha seguidos por letras minúsculas idênticas, não se diferenciaram ao nível de 5% pelo teste de Tukey Programa para análise SAS Proc GLM data=aula.fatorial; Class bloco adverde fonten fosforo; Model MSN=bloco adverde fonten fosforo adverde*fonten adverde*fosforo fonten*fosforo adverde*fonte*fosforo; S adverde fonten fosforo /adjust=tukey pdiff; Run; Quit; q QMR 9,04 3( a) x3( b) (5%,,46)

5 Interpretação The SAS System 18:44 Sunday, May 30, Class Level Information Class Levels Values BLOCO 3 BI BII BIII AdVerde 3 Mato Milheto Mucuna FonteN 4 Adubo Nacional Nativa Tropical Fosforo Com Sem Number of observations 7 The SAS System 18:44 Sunday, May 30, 010 MSN Sum of Source DF Squares Mean Square F Value Pr > F Model <.0001 Error Corrected Total R-Square Coeff Var Root MSE MSN Mean Source DF Type I SS Mean Square F Value Pr > F BLOCO AdVerde FonteN AdVerde*FonteN Fosforo <.0001 AdVerde*Fosforo FonteN*Fosforo AdVerd*FonteN*Fosfor Source DF Type III SS Mean Square F Value Pr > F BLOCO AdVerde FonteN AdVerde*FonteN Fosforo <.0001 AdVerde*Fosforo FonteN*Fosforo AdVerd*FonteN*Fosfor The SAS System 18:44 Sunday, May 30, AdVerde MSN Number Mato Milheto Mucuna for effect AdVerde i/j The SAS System 18:44 Sunday, May 30, FonteN MSN Number Adubo Nacional Nativa Tropical

6 for effect FonteN i/j The SAS System 18:44 Sunday, May 30, AdVerde FonteN MSN Number Mato Adubo Mato Nacional Mato Nativa Mato Tropical Milheto Adubo Milheto Nacional Milheto Nativa Milheto Tropical Mucuna Adubo Mucuna Nacional Mucuna Nativa Mucuna Tropical for effect AdVerde*FonteN i/j for effect AdVerde*FonteN i/j The SAS System 18:44 Sunday, May 30, H0:LSMean1= LSMean Fosforo MSN Pr > t Com 1.7 <.0001 Sem

7 The SAS System 18:44 Sunday, May 30, AdVerde Fosforo MSN Number Mato Com Mato Sem Milheto Com Milheto Sem Mucuna Com Mucuna Sem for effect AdVerde*Fosforo i/j < < <.0001 < < < < < <.0001 < < <.0001 The SAS System 18:44 Sunday, May 30, FonteN Fosforo MSN Number Adubo Com Adubo Sem Nacional Com Nacional Sem Nativa Com Nativa Sem Tropical Com Tropical Sem for effect FonteN*Fosforo i/j < < < < < < < < < <

8 The SAS System 18:44 Sunday, May 30, AdVerde FonteN Fosforo MSN Number Mato Adubo Com Mato Adubo Sem Mato Nacional Com Mato Nacional Sem Mato Nativa Com Mato Nativa Sem Mato Tropical Com Mato Tropical Sem Milheto Adubo Com Milheto Adubo Sem Milheto Nacional Com Milheto Nacional Sem Milheto Nativa Com Milheto Nativa Sem Milheto Tropical Com Milheto Tropical Sem Mucuna Adubo Com Mucuna Adubo Sem Mucuna Nacional Com Mucuna Nacional Sem Mucuna Nativa Com Mucuna Nativa Sem Mucuna Tropical Com Mucuna Tropical Sem for effect AdVerd*FonteN*Fosfor i/j

9 i/j for effect AdVerd*FonteN*Fosfor i/j

DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS (DBC) Mario de Andrade Lira Junior

DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS (DBC) Mario de Andrade Lira Junior DELINEAMENTO EM BLOOS ASUALIZADOS (DB) Mario de Andrade Lira Junior GENERALIDADES Delineamento mais comum em ciências agrárias Delineamento mais simples com controle local Só usar quando confiar que pode

Leia mais

Mario Andrade Lira Junior Estatística Aplicada à Agricultura o Interação Graus de liberdade de todas as

Mario Andrade Lira Junior Estatística Aplicada à Agricultura o Interação Graus de liberdade de todas as Cmbina cm tds s níveis d terceir fatr (Mat, Ad, Cm e Mat, Ad, Sem) Fixa próxim nível d segund fatr Arranj fatrial de trataments (Nac) Repetir até acabarem tdas as Características básicas cmbinações ds

Leia mais

Mario de Andrade Lira Junior - Reservados todos os direitos autorais.

Mario de Andrade Lira Junior   - Reservados todos os direitos autorais. Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br todos os direitos autorais. 27/6/2010 1 Caso especial do fatorial, com todas as características do mesmo Principal diferença é o uso de parcelas diferentes

Leia mais

5. BLOCOS ALEATORIZADOS QUADRADOS LATINOS

5. BLOCOS ALEATORIZADOS QUADRADOS LATINOS 5. BLOCOS ALEATORIZADOS e QUADRADOS LATINOS Vamos analisar 4 tipos de experimentos: I) Projetos completamente aleatorizados II) Projetos em blocos aleatorizados III) Quadrados Latinos IV) Quadrados Greco-Latinos

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema 4: Experimentos factoriais Definição Experimentos factoriais são aqueles que incluem todas as combinações possíveis de vários conjuntos de factores. Ex : Um experimento com

Leia mais

Delineamento em Blocos ao Acaso

Delineamento em Blocos ao Acaso Costa, S.C. 1 Universidade Estadual de Londrina Departamento de Estatística Delineamento em Blocos ao Acaso Silvano Cesar da Costa Londrina - Paraná Costa, S.C. 2 Delineamento em Blocos Casualizados Experimento

Leia mais

EXPERIMENTOS COM INTERAÇÕES

EXPERIMENTOS COM INTERAÇÕES EXPERIMENTOS COM INTERAÇÕES Na maioria dos experimentos, os tratamentos são de efeitos fixos. Mas também são realizados experimentos em que os efeitos dos tratamentos são aleatórios. 1 Para saber se, em

Leia mais

UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC)

UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIENCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR UNIDADE V EXPERIMENTOS FATORIAIS (RC) Profª Railene Hérica Carlos Rocha Pombal, PB. 1. Conceitos

Leia mais

Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO. *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL);

Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO. *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL); Aula Prática 03 Estatística Experimental DELINEAMENTO QUADRADO LATINO *Planejamento do Experimento Delineamento Quadrado Latino (DQL); ods rtf; title 'Planejamento do Experimento - Quadrados Latinos';

Leia mais

Aula no SAS. Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado. Saídas

Aula no SAS. Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado. Saídas Aula no SAS Planejamento do Experimento - Delineamento inteiramente casualizado Saídas title "Antes da Casualização"; data plano; do parc=1 to 20;*DEVE SER MÚLTIPLO DO NÚMERO DE TRATAMENTOS; trat=int((parc-1)/5)+1;*tratamentos+1=5;

Leia mais

A DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS NA ENGENHARIA FLORESTAL

A DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS NA ENGENHARIA FLORESTAL IPEF Série Técnica, Piracicaba, 9(6): -36, mar.993 ISSN 00-837 A DETERMINAÇÃO DE EQUAÇÕES VOLUMÉTRICAS NA ENGENHARIA FLORESTAL Frederico Pimentel Gomes Carlos Henrique Garcia INSTITUTO DE PESQUISAS E ESTUDOS

Leia mais

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO Digamos que temos 6 métodos de ensino aplicados a 30 crianças cada

Leia mais

Sabatina Delineamentos

Sabatina Delineamentos Diferenças de um mesmo tratamento aplicado a diferentes unidades experimentais contribuem para o erro experimental. Tratamentos atribuídos às diferentes unidades experimentais devem ser homogêneos quanto

Leia mais

Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas

Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas Comparação dos procedimentos GLM em parcelas subdivididas e o MIXED no modelo de medidas repetidas Maria Elizabeth da Costa Vasconcellos 1 Paula Cristina de Oliveira Klefens 2 Cezar Francisco Araujo Junior

Leia mais

Delineamento e Análise Experimental Aula 7. Anderson Castro Soares de Oliveira

Delineamento e Análise Experimental Aula 7. Anderson Castro Soares de Oliveira Aula 7 Castro Soares de Oliveira Experimentos Fatoriais Nos experimentos mais simples comparamos tratamentos de apenas um tipo ou fator. Em algumas situações existem vários fatores envolvidos em um experimento,

Leia mais

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados

O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados O modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Juntando os pressupostos necessários à inferência, Modelo ANOVA a dois factores, hierarquizados Seja A o Factor dominante e B o Factor subordinado. Existem

Leia mais

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste

Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Modelos de Regressão Linear Simples - Erro Puro e Falta de Ajuste Erica Castilho Rodrigues 2 de Setembro de 2014 Erro Puro 3 Existem dois motivos pelos quais os pontos observados podem não cair na reta

Leia mais

Mini Curso # 4: Estatística para Bioquímica e Biotecnologia. Ministrado por: Dr. Marcelo Caldeira Viegas marcelo.viegas@unopar.br

Mini Curso # 4: Estatística para Bioquímica e Biotecnologia. Ministrado por: Dr. Marcelo Caldeira Viegas marcelo.viegas@unopar.br Mini Curso # 4: Estatística para Bioquímica e Biotecnologia Ministrado por: Dr. Marcelo Caldeira Viegas marcelo.viegas@unopar.br CONSIDERAÇÕES INICIAIS A competitividade e o alto custo tornam, a cada momento,

Leia mais

Uma Aplicação de Modelos Lineares Mistos

Uma Aplicação de Modelos Lineares Mistos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Uma Aplicação de Modelos Lineares Mistos Professor Jomar Antonio Camarinha Filho CURITIBA - PARANÁ SETEMBRO/2003ÍNDICE Modelos Mistos Prof. Jomar

Leia mais

Anova Univariada e Multivariada

Anova Univariada e Multivariada UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA Anova Univariada e Multivariada Curso: Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Nome: Denis

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS observação = previsível + aleatória aleatória obedece algum modelo de probabilidade ferramenta: análise de variância identificar fatores, controláveis, que expliquem o fenômeno ou alterem a característica

Leia mais

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB

SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FANAT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DECB DISCIPLINA BIOEXPERIMENTAÇÃO Exercício de experimento fatorial resolução passo-à-passo Os dados apresentados abaixo são uma adaptação do exemplo apresentado por Banzato e Kronka (199) Os dados são valores

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA CADERNO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA SERIE B: TRABALHO DE APOIO DIDÁTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA CADERNO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA SERIE B: TRABALHO DE APOIO DIDÁTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE MATEMÁTICA CADERNO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA SERIE B: TRABALHO DE APOIO DIDÁTICO ANÁLISE ESTATÍSTICA JOÃO RIBOLDI SERIE B, N 56, PORTO ALEGRE, MAIO

Leia mais

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO

ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Dr. Sérgio do N. Kronka 1. INTRODUÇÃO A Estatística Experimental tem por objetivo o estudo dos experimentos, incluindo o planejamento, execução, análise dos dados e interpretação

Leia mais

Curso de Estatística Descritiva e Inferencial (Planejamento Experimental) Prof. Dr. Jomar Camarinha

Curso de Estatística Descritiva e Inferencial (Planejamento Experimental) Prof. Dr. Jomar Camarinha Curso de Estatística Descritiva e Inferencial (Planejamento Experimental) Prof. Dr. Jomar Camarinha CONTEÚDO Estatística Descritiva e Exploratória Noções de Estimação de Parâmetros Intervalos de Confiança

Leia mais

DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO

DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO DELINEAMENTO EM BLOCOS AO ACASO Sempre que não houver condições experimentais homogêneas, devemos utilizar o principio do controle local, instalando Blocos, casualizando os tratamentos, igualmente repetidos.

Leia mais

Planejamento e análise de experimentos usando ferramentas computacionais

Planejamento e análise de experimentos usando ferramentas computacionais Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Dois Vizinhos PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Planejamento e análise de experimentos usando ferramentas computacionais

Leia mais

Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 22 Experimentos de dois fatores DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM

Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 22 Experimentos de dois fatores DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM Morgana Pizzolato, Dr a. Aula 22 Experimentos de dois fatores DPS1037 SISTEMAS DA QUALIDADE II ENGENHARIA DE PRODUÇÃO CT/UFSM TÓPICOS DESTA AULA Projetos de Experimentos de dois fatores Projetos fatoriais

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais

Capítulo 7. Experimentos com dois ou três Fatores de Interesse. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior

Capítulo 7. Experimentos com dois ou três Fatores de Interesse. Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Capítulo 7 Experimentos com dois ou três Fatores de Interesse Gustavo Mello Reis José Ivo Ribeiro Júnior Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Setor de Estatística Viçosa 2007 Capítulo

Leia mais

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO _2010_03_Exercicio _Regressão_exemplo O gerente de uma loja de artigos escolares, cada semana, deve decidir quanto gastar com propaganda e que atrativo (por exemplo preços

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Mestrado

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1

VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP. João Riboldi 1 VALIDAÇÃO DE MODELOS DE REGRESSÃO POR BOOTSTRAP João Riboldi 1 1. Introdução Na construção de um modelo de regressão, de uma maneira geral segue-se três etapas: executa-se o ajuste do modelo, obtendo-se

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 23/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 23/2015 Campus Rio Pomba FOLHA DE PROVA Tema 01: DELINEAMENTOS EXPERIMENTAIS Descreva as características que diferenciam um delineamento experimental (p. ex. inteiramente casualizado, em blocos completos, em quadrado latino, em blocos incompletos

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELOS MISTOS

INTRODUÇÃO A MODELOS MISTOS INTRODUÇÃO A MODELOS MISTOS Delineamento experimental ou desenho experimental, de uma forma bastante simples, é a forma em que os tratamentos (níveis de um fator ou combinações de níveis de fatores) são

Leia mais

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 7 Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise da Variância Objetivos do Aprendizado Nesta aula você aprenderá: A utilizar a análise de variância de fator único para testar diferenças

Leia mais

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial

Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Análise de Variância com dois ou mais factores - planeamento factorial Em muitas experiências interessa estudar o efeito de mais do que um factor sobre uma variável de interesse. Quando uma experiência

Leia mais

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde

Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Biomassa Microbiana em Cultivo de Alface sob Diferentes Adubações Orgânicas e Manejo da Adubação Verde Microbial Biomass In Lettuce Culture Under Different Organic Fertilizers And Management Of Green Manure

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO

AVALIAÇÃO DE PROGÊNIES DE MILHO NA PRESENÇA E AUSÊNCIA DE ADUBO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA ISSN 1677-0293 PERIODICIDADE SEMESTRAL ANO III EDIÇÃO NÚMERO 5 JUNHO DE 2004 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Análise de Variância simples (One way ANOVA)

Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de Variância simples (One way ANOVA) Análise de experiências com vários grupos de observações classificados através de um só factor (por exemplo grupos de indivíduos sujeitos a diferentes tratamentos

Leia mais

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA

EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA EXPERIMENTAÇÃO AGRÁRIA Tema : Delineamentos experimentais básicos (DCC/DBCC/DQL) Delineamento de Blocos Completos Casualizados (DBCC) Quando usar? Quando as unidades experimentais não apresentam características

Leia mais

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e CASUALIZADOS

DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e CASUALIZADOS DELINEAMENTO INTEIRAMENTE CASUALIZADO e DELINEAMENTO EM BLOCOS CASUALIZADOS Prof. Anderson Rodrigo da Silva anderson.silva@ifgoiano.edu.br 1. Objetivos Estudar o procedimento de instalação e análise de

Leia mais

Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir

Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir Teste 2 Colégio Módulo 3 o Ano do Ensino Médio Prof.: Wladimir Questão 01 Três blocos A, B, e C, de massa,, estão numa superfície lisa e horizontal, desprovida de atritos. Aplica-se no bloco A uma força

Leia mais

O que é uma folha de cálculo?

O que é uma folha de cálculo? O que é uma folha de cálculo? Livro-razão Folha de cálculo Empréstimo $12.000,00 Taxa Juro 9,60% # meses 60 Mensalidade $252,61 Ambiente para facilitar a manipulação numérica Permite a produção de gráficos

Leia mais

Testes (Não) Paramétricos

Testes (Não) Paramétricos Armando B. Mendes, DM, UAç 09--006 ANOVA: Objectivos Verificar as condições de aplicabilidade de testes de comparação de médias; Utilizar ANOVA a um factor, a dois factores e mais de dois factores e interpretar

Leia mais

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO

TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO TIJOLOS CRUS COM SOLO ESTABILIZADO João Maurício Fernandes Souza¹; José Dafico Alves² ¹ Bolsista PIBIC/CNPq, Engenheiro Agrícola, UnUCET - UEG 2 Orientador, docente do Curso de Engenharia Agrícola, UnUCET

Leia mais

Uso do SISVAR na Análise de Experimentos

Uso do SISVAR na Análise de Experimentos UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS/MG DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS/DEX PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AGRÁRIAS Curso Básico de Estatística Experimental Uso do SISVAR na Análise de Experimentos Roberta

Leia mais

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES

O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES O PROBLEMA DO BAIXO NÚMERO DE REPETIÇÕES EM EXPERIMENTOS DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES Cristiano Nunes Nesi 1, Antônio Lourenço Guidoni 2 Cleber Bringhenti 1 INTRODUÇÃO Uma questão importante a ser definida

Leia mais

Teste de hipótese em modelos normais lineares: ANOVA

Teste de hipótese em modelos normais lineares: ANOVA Teste de hipótese em modelos normais lineares: ANOVA Prof Caio Azevedo Prof Caio Azevedo Exemplo 1 No primeiro modelo, o interesse primário, de certa forma, é testar se a carga não contribui para explicar

Leia mais

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois Prof. Lorí Viali, Dr. http://www.pucrs.br/famat/viali/ viali@pucrs.br O teste de McNemar O teste de McNemar para a significância de mudanças é particularmente aplicável aos experimentos do tipo "antes

Leia mais

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador

Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 10., 2013, Belo Horizonte Efeito de hipoclorito de sódio na desinfestação de meristemas de bastão-do-imperador Sueli Lourdes Ferreira Tarôco (1), Erivelton

Leia mais

Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos

Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos Prof. Dr. Silvio Sandoval Zocchi 15 de Setembro de 2016 Prof. Dr. Silvio Sandoval Zocchi Experimentos Fatoriais 2 k em Blocos 15 de Setembro de 2016 1 / 32 1. Introdução

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Avaliação da Nutrição e Produtividade da Cultura do Milho sob Diferentes Doses e Fontes de Fósforo 1 Arthur José

Leia mais

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo.

TITULO DO PROJETO: (Orientador DPPA/CCA). Para que se tenha sucesso em um sistema de plantio direto é imprescindível uma boa cobertura do solo. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS

ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS ACLIMATIZAÇÃO DE CULTIVARES DE ABACAXIZEIRO SOB MALHAS DE SOMBREAMENTO COLORIDAS RAFAEL SOUZA MELO 1 ; JEFFERSON BITTENCOURT VENÂNCIO 2 ; WELLINGTON FARIAS ARAÚJO 3 ; EDVAN ALVES CHAGAS 4 ; NILMA BRITO

Leia mais

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico.

Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Capacidade de Expansão do Milho Pipoca Crioulo cultivado no Cerrado Goiano em Sistema Agroecológico. Teixeira, W. G. (1), Matteucci, M. B. A. (2), Malta, C. G. (1), Barbosa, S. C. (1) e Leandro, W. M.

Leia mais

Planejamento de Experimentos

Planejamento de Experimentos Planejamento de Experimentos 6. Os Modelos fatoriais 2 k Trataremos agora de um caso especial de experimentos fatoriais no qual todos os fatores têm apenas dois níveis. Tais níveis podem ser quantitativos

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO. Vitor Valerio de Souza Campos LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Vitor Valerio de Souza Campos Exemplos de algoritmos Faça um algoritmo para mostrar o resultado da multiplicação de dois números. Algoritmo em descrição narrativa Passo 1 Receber

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 455 Página 455 AVALIAÇÃO DA FITOMASSA SECA DA MAMONEIRA BRS 149 NORDESTINA SOB FERTILIZAÇÃO MINERAL Lúcia Helena Garófalo Chaves 1 ; Evandro Franklin de Mesquita 2,3 ; Hugo Orlando Carvallo Guerra 1 ; Diva

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5

Truques e Dicas. = 7 30 Para multiplicar fracções basta multiplicar os numeradores e os denominadores: 2 30 = 12 5 Truques e Dicas O que se segue serve para esclarecer alguma questão que possa surgir ao resolver um exercício de matemática. Espero que lhe seja útil! Cap. I Fracções. Soma e Produto de Fracções Para somar

Leia mais

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO

TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO 1 TÉCNICAS EXPERIMENTAIS APLICADAS EM CIÊNCIA DO SOLO Mario de Andrade Lira Junior www.lira.pro.br direitos autorais. INTRODUÇÃO À ANÁLISE MULTIVARIADA Apenas uma breve apresentação Para não dizerem que

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

DELINEAMENTO FATORIAL. Profª. Sheila Regina Oro

DELINEAMENTO FATORIAL. Profª. Sheila Regina Oro DELINEAMENTO FATORIAL Profª. Sheila Regina Oro Existem casos em que vários fatores devem ser estudados simultaneamente para que possam nos conduzir a resultados de interesse. Experimentos fatoriais: são

Leia mais

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO

INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO INFLUÊNCIA DE PLANTAS DE COBERTURA DO SOLO NA OCORRÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS E NA PRODUTIVIDADE DE GRÃOS DE TRIGO AMARAL, Kevin Bossoni do 1 ; CAMPOS, Ben-Hur Costa de 2 ; BIANCHI, Mario Antonio 3 Palavras-Chave:

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Fatoriais em blocos completos

Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Fatoriais em blocos completos Planejamento e Análise Estatística de Experimentos Fatoriais em blocos completos Contexto Já vimos como analisar um experimento em blocos na presença de um único fator de interesse. Podemos ter experimentos

Leia mais

Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS. Andréia Fróes Galuci Oliveira 1

Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS. Andréia Fróes Galuci Oliveira 1 Revista Eletrônica Nutritime, v.5, n 6, p.777-788 Novembro/Dezembro 008. Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS Andréia Fróes Galuci Oliveira 1 INTRODUÇÃO Quando a análise de variância

Leia mais

3 Previsão da demanda

3 Previsão da demanda 42 3 Previsão da demanda Este capítulo estuda o processo de previsão da demanda através de métodos quantitativos, assim como estuda algumas medidas de erro de previsão. Num processo de previsão de demanda,

Leia mais

Planejamento de Experimentos

Planejamento de Experimentos Planejamento de Experimentos 8. Planos Fatoriais Fracionários 2 k 8.1 Introdução A medida que o número de fatores k cresce, o número de combinações de tratamento em cada replicação cresce exponencialmente

Leia mais

Questão 1: Questão 2: Defina tratamentos, fator, nível, parcela, subparcela, coeficiente de variação e interação entre fatores.

Questão 1: Questão 2: Defina tratamentos, fator, nível, parcela, subparcela, coeficiente de variação e interação entre fatores. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA AGROALIMENTAR DISCIPLINA: ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL LISTA DE EXERCÍCIOS 3 a AVALIAÇÃO PROFESSOR: ROBERTO QUEIROGA Questão 1: Faça um croqui (disposição

Leia mais

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância Roteiro Técnicas Multivariadas em Saúde Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF 1. Introdução 2. Distribuições de Probabilidade Multivariadas 3. Representação de Dados Multivariados 4. Testes de

Leia mais

Exercícios Teóricos Resolvidos

Exercícios Teóricos Resolvidos Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Exercícios Teóricos Resolvidos O propósito deste texto é tentar mostrar aos alunos várias maneiras de raciocinar

Leia mais

Sessão Saber profundo Contribuição dos xs (http://www.midomenech.com.br/artigos.asp)

Sessão Saber profundo Contribuição dos xs (http://www.midomenech.com.br/artigos.asp) Sessão Saber profundo Contribuição dos xs (http://www.midomenech.com.br/artigos.asp) Carlos H. Domenech e Patrícia Fonseca Em 0 palavras ou menos Durante a etapa Analisar do DMAIC o Belt usualmente deseja

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007

ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 2 Professor Claodomir Antonio Martinazzo Sumário 1 Introdução... 03 2 Instalação da ferramenta Análise de Dados... 04 3 Estatística Descritiva...

Leia mais

Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557

Group Statistics. residência N Mean Std. Deviation Std. Error Mean. Avaliação Breve do Estado Mental. meio rural 11 27,73 1,849,557 ANEXO M: Output 1 Teste t de Student para amostras independentes, para comparação entre médias obtidas nos quatro instrumentos de avaliação pelas duas amostras: meio rural e meio urbano. Group Statistics

Leia mais

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere

CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS. Retratos do. Cárcere CENTRO DE POLÍTICAS SOCIAIS Retratos do Cárcere 2 PRESIDIÁRIO CARIOCA O Centro de Políticas Sociais da Fundação Getúlio Vargas (CPS/IBRE/FGV) realizou um breve levantamento dos presídios cariocas, que

Leia mais

II Análise de variância... 17

II Análise de variância... 17 Índice Página I Introdução... 1 1 População e amostra... Intervalo de confiança da média da população... 4 3 Comparação das médias de duas amostras Teste t... 6 4 Testes à normalidade da distribuição e

Leia mais

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA.

A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo do dado define como ele será: Armazenado na memória. Manipulado pela ULA. Representação de Dados Tipos de dados: Caracteres (letras, números n e símbolos). s Lógicos. Inteiros. Ponto flutuante: Notações decimais: BCD. A declaração de uma variável vel define o seu tipo. O tipo

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL

CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL 1 CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LÓGICA COMBINACIONAL Sumário 1.1. Sistemas de Numeração... 3 1.1.1. Conversão Decimal Binária... 3 1.1.2. Conversão Binária Decimal... 3 1.1.3. Conversão Binária Hexadecimal...

Leia mais

PROJETO PRESTES MAIA. Transposição Seca Santos Guarujá

PROJETO PRESTES MAIA. Transposição Seca Santos Guarujá PROJETO PRESTES MAIA Transposição Seca Santos Guarujá Análise de alternativas construtivas em função da localização com melhores indicadores de demanda CONCEPÇÃO DO PROJETO DE ENGENHARIA Restrições da

Leia mais

INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR

INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR INFLUÊNCIA DA GELATINA NA EFICÁCIA PROTEICA DA CASEÍNA EM RATOS WISTAR Cláudia Cantelli Daud BORDIN 1 ; Maria Margareth Veloso NAVES 2 Palavras-chave: gelatina, caseína, proteína, utilização biológica.

Leia mais

Universidade Federal do Acre Departamento de Ciências Agrárias Pet- Agronomia

Universidade Federal do Acre Departamento de Ciências Agrárias Pet- Agronomia Universidade Federal do Acre Departamento de Ciências Agrárias Pet- Agronomia Bolsista: Rayany Martins; Rafael Clemêncio. Tutor: Prof. Doutor José de Ribamar Torres da Silva. O QUE É UM RELATÓRIO TÉCNICO-CIENTÍFICO?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS GABARITO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS GABARITO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPATAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para Mestrado 16- GABARITO N o de inscrição

Leia mais

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com

Caramuru Alimentos Ltda, Rod. BR 060 Km 388 s/n Zona Rural, C.E.P: 75.901.970 - Rio Verde/GO e-mail: zeronaldo@caramuru.com Teores de óleo e proteína em grãos de soja, com diferentes manejos de percevejo, da colheita ao armazenamento, utilizando a espectroscopia no infravermelho próximo (NIR) 59 Marcelo Alvares de Oliveira

Leia mais

Técnicas de Programação I

Técnicas de Programação I Técnicas de Programação I Conceitos básicos C/C++ Material baseado nas aulas da Profa. Isabel Harb Manssour http://www.inf.pucrs.br/~manssour/laproi, entre outros materias Estrutura de Seleção: Comando

Leia mais

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil

Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Revista Caatinga ISSN: 0100-316X caatinga@ufersa.edu.br Universidade Federal Rural do Semi-Árido Brasil Leite de Lima, Grace Kelly; Liberalino Filho, João; Ferreira Linhares, Paulo César; Borges Maracajá,

Leia mais

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc.

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Cap. 1 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 008 Prentice-Hall, Inc. Chap 1-1 Final de curso... tempo de recordar : ) Cap. 9 Fundamentos de testes

Leia mais

PROF. ADILSON DOS ANJOS

PROF. ADILSON DOS ANJOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CURSO PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS II (Notas de Aula) PROF. ADILSON DOS ANJOS Curitiba, 13 de agosto de 2004 Planejamento

Leia mais

Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais. Organização da Disciplina. Conteúdo da Aula. Contextualização. Farmácia Industrial UFPR

Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais. Organização da Disciplina. Conteúdo da Aula. Contextualização. Farmácia Industrial UFPR Estatística Aplicada às Ciências Sociais e Ambientais Apresentação Aula 1 Prof. Daniel de Christo Farmácia Industrial UFPR Mestrado em Genética UFPR Lecionando no Ensino Superior desde 2003 Organização

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE EXTRAÇÃO DE AÇÚCARES REDUTORES DA POLPA DO BARU (Dipteryx alata Vog.) Alunos do Curso de Química Industrial, UnUCET - UEG.

OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE EXTRAÇÃO DE AÇÚCARES REDUTORES DA POLPA DO BARU (Dipteryx alata Vog.) Alunos do Curso de Química Industrial, UnUCET - UEG. OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO DE EXTRAÇÃO DE AÇÚCARES REDUTORES DA POLPA DO BARU (Dipteryx alata Vog.) Danilo Martins dos Santos 1 ; William Oliveira de Araujo 1 ; Diego Palmiro Ramirez Ascheri 1 Alunos do Curso

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE TROCADORES DE CALOR DE TUBOS ALETADOS CIRCULARES E ELÍPTICOS EM REGIME TURBULENTO

OTIMIZAÇÃO DE TROCADORES DE CALOR DE TUBOS ALETADOS CIRCULARES E ELÍPTICOS EM REGIME TURBULENTO III WORKSHOP PROSUL GERAÇÃO DE POTÊNCIA DISTRIBUÍDA E ENERGIA AUTO-SUSTENTÁVEL ROQUE LUIZ SUTIL MAINARDES 1 OTIMIZAÇÃO DE TROCADORES DE CALOR DE TUBOS ALETADOS CIRCULARES E ELÍPTICOS EM REGIME TURBULENTO

Leia mais

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal.

Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Desempenho de cultivares e populações de cenoura em cultivo orgânico no Distrito Federal. Flávia M. V. Teixeira Clemente, Francisco V. Resende, Jairo V. Vieira Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70.359-970,

Leia mais