MPL20 MÉDICO PLANTONISTA CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPL20 MÉDICO PLANTONISTA CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:"

Transcrição

1 MÉDICO PLANTONISTA MPL20 CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que, na primeira hora de prova, se ausentar da sala e a ela não retornar, será eliminado. 3 - Os 3 (três) últimos candidatos a terminar a prova deverão permanecer na sala até que todos tenham finalizado suas provas e somente poderão sair juntos do recinto, após aposição em ata de suas respectivas assinaturas. 4 O candidato NÃO poderá levar o seu Caderno de Questões (Provas Objetivas) e NÃO poderá copiar o gabarito (assinalamentos). A imagem do seu Cartão de Respostas será disponibilizada na página do concurso em na data prevista no cronograma. INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA 1 - Confira atentamente se este Caderno de Questões (Provas), que contém 40 (Quarenta) questões objetivas, está completo. 2 - Cada questão da Prova Objetiva conterá 5 (cinco) opções e somente uma correta. 3 - Confira se os seus dados pessoais, o cargo/emprego escolhido, indicados no cartão de respostas, estão corretos. Se notar qualquer divergência, notifique imediatamente ao Fiscal de Sala ou ao Chefe de Local. Terminada a conferência, você deve assinar o cartão de respostas no espaço apropriado. 4 - Confira atentamente se o cargo/emprego e o número do caderno que estão no caderno de questões é o mesmo do que consta em seu cartão de respostas e na etiqueta com seus dados colada na mesa/cadeira onde foi designado para sentar. Se notar qualquer divergência, notifique imediatamente ao Fiscal de Sala ou ao Chefe de Local. 5 - Cuide de seu cartão de respostas. Ele não pode ser rasurado, amassado, dobrado nem manchado. 6 - Se você marcar mais de uma alternativa, sua resposta será considerada errada mesmo que uma das alternativas indicadas seja a correta. 7 No decorrer da prova objetiva o fiscal de sala irá colher a sua digital no selo que está no seu cartão de respostas. AGENDA 27/04/2014, Provas Objetivas. 28/04/2014, Divulgação dos Exemplares dos Cadernos de Questões (Provas) das Provas Objetivas. 28/04/2014, Divulgação dos Gabaritos Preliminares das Provas Objetivas. 29/04/2014, Disponibilização das Imagens dos Cartões Respostas das Provas Objetivas. 30/04 e 02/05/2014, Interposição de Recursos contra as questões das Provas Objetivas. 08/05/2014, Divulgação dos Gabaritos Definitivos das Provas Objetivas. 09/05/2014, Relação Final de Notas das Provas Objetivas. INFORMAÇÕES: Tel: das 9 às 18h Internet:

2 TEXTO LÍNGUA PORTUGUESA O PREOCUPANTE AVANÇO DA CENSURA JUDICIAL O Globo, 11/4/2014 O fim da censura, ainda no regime militar, e a garantia de liberdade de expressão explicitamente inscrita na Constituição de 1988 são marcos fundamentais da redemocratização do país. Foram conquistas árduas, que custaram sacrifícios à sociedade. No caso específico do direito à livre manifestação, trata-se de fruto de longo processo, que só se completou bem depois da volta dos militares aos quartéis e da promulgação da Carta: como entulho herdado da ditadura, perdurou como espasmo do autoritarismo na legislação brasileira a Lei de Imprensa, permanente ameaça a jornalistas e veículos de comunicação, até ser enviada ao lixo pelo Supremo Tribunal Federal, em O país consagra, portanto, esse princípio inerente ao estado democrático de direito. E, em comparação com outras nações do continente, onde agravos à liberdade de expressão têm sido praticados sistematicamente, o Brasil é um exemplo positivo. Mas essa confrontação, se nos coloca em patamar diverso de Estados com governos autoritários, como Argentina, Venezuela e outros, por outro mitiga uma realidade na qual o exercício do jornalismo profissional e responsável está sujeito a inaceitáveis trancos. Caso explícito da chamada censura judicial, em geral requerida por agentes públicos contra veículos de imprensa e jornalistas em todo o país. (...) Neste sentido, é positiva a iniciativa de instituições como ONU, OEA, STF e CNJ de realizar, no Rio, importante debate sob o tema Liberdade de Expressão e Judiciário. É iniciativa bem-vinda para aparar arestas, devolver ao país a plena acepção do direito amplo e irrestrito à informação e restabelecer, em definitivo, o princípio constitucional segundo o qual a liberdade de expressão prescinde de regulamentação. QUESTÃO 1 O país consagra, portanto, esse princípio inerente ao estado democrático de direito. E, em comparação com outras nações do continente, onde agravos à liberdade de expressão têm sido praticados sistematicamente, o Brasil é um exemplo positivo. Mas essa confrontação, se nos coloca em patamar diverso de Estados com governos autoritários, como Argentina, Venezuela e outros, por outro mitiga uma realidade na qual o exercício do jornalismo profissional e responsável está sujeito a inaceitáveis trancos. Sobre os valores dos conectivos desse segmento do texto, a afirmação correta é: (A) portanto indica explicação (B) onde indica tempo (C) mas indica adição (D) se indica condição (E) como indica comparação QUESTÃO 2 Todo texto é fruto de um momento que o provoca; nesse sentido, o acontecimento que motivou o aparecimento deste texto foi: (A) a realização de um debate no Rio de Janeiro. (B) o fim da censura, ainda no regime militar. (C) o desaparecimento da Lei de Imprensa. (D) a existência da censura judicial no país. (E) o aspecto positivo do país em relação a outros Estados. QUESTÃO 3 O objetivo básico do texto é: (A) elogiar a preocupação da ONU com a liberdade de expressão. (B) debater o fim da censura e seu papel histórico. (C) defender a extinção da chamada censura judicial. (D) fazer um breve histórico da censura no país. (E) destacar o país como mais democrático que seus vizinhos na América. QUESTÃO 4 A expressão abaixo que NÃO mostra conotação negativa é: (A) como entulho herdado da ditadura (B) até ser enviada ao lixo pelo Supremo Tribunal Federal, em (C) Foram conquistas árduas que custaram sacrifícios... (D) perdurou como espasmo do autoritarismo (E) permanente ameaça a jornalistas e veículos de comunicação. QUESTÃO 5 O fim da censura, ainda no regime militar... ; o emprego do vocábulo sublinhado tem a função de: (A) indicar um tempo visto como distante. (B) criticar a demora na extinção da censura. (C) mostrar a proximidade temporal do fim da censura. (D) lembrar um período de opressão. (E) atestar o espírito democrático de nosso país. 2

3 QUESTÃO 6 O fim da censura, ainda no regime militar, e a garantia de liberdade de expressão explicitamente inscrita na Constituição de 1988 são marcos fundamentais da redemocratização do país. Nesse segmento do texto, o adjetivo inscrita se refere a: (A) censura (B) garantia (C) censura e garantia (D) liberdade (E) expressão QUESTÃO 7 A palavra cujo prefixo tem seu valor semântico indicado de forma inadequada é: (A) redemocratização / de novo (B) perdurou / através de (C) inaceitáveis / negação (D) bem-vinda / aspecto positivo (E) irrestrito / movimento para dentro QUESTÃO 8 Segmento do texto em que há o mau emprego de um vocábulo é: (A) Neste sentido, é positiva a iniciativa de instituições como ONU, OEA, STF e CNJ de realizar, no Rio, importante debate sob o tema Liberdade de Expressão e Judiciário. (B) É iniciativa bem-vinda para aparar arestas, devolver ao país a plena acepção do direito amplo e irrestrito à informação... (C)... e restabelecer, em definitivo, o princípio constitucional segundo o qual a liberdade de expressão prescinde de regulamentação. (D) O país consagra, portanto, esse princípio inerente ao estado democrático de direito. (E) E, em comparação com outras nações do continente, onde agravos à liberdade de expressão têm sido praticados sistematicamente, o Brasil é um exemplo positivo. QUESTÃO 9 Observe o uso do acento grave indicativo da crase nos seguintes segmentos do texto: I custaram sacrifícios à sociedade II direito à livre manifestação III agravos à liberdade de expressão IV direito amplo e irrestrito à informação Os casos em que o emprego do acento grave indicam a mesma função sintática são: (A) I-II-III-IV. (B) I-IV. (C) I-II. (D) II-III-IV. (E) I-III. QUESTÃO 10 Observe o início do texto: O fim da censura, ainda no regime militar, e a garantia de liberdade de expressão explicitamente inscrita na Constituição de 1988 são marcos fundamentais da redemocratização do país. Foram conquistas árduas, que custaram sacrifícios à sociedade. No caso específico do direito à livre manifestação, trata-se de fruto de longo processo, que só se completou bem depois da volta dos militares aos quartéis e da promulgação da Carta.... O elemento sublinhado é: (A) um elemento ainda não citado anteriormente. (B) uma retomada de liberdade de expressão. (C) uma retomada de fim da censura. (D) uma retomada de marco de redemocratização do país. (E) um exemplo de um sacrifício da sociedade. SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE-SUS QUESTÃO 11 São características do processo de trabalho das equipes de Atenção Básica, entre outras, EXCETO: (A) definição do território de atuação das UBS. (B) programação e implementação das atividades, com a priorização de solução dos problemas de saúde mais graves, considerando a responsabilidade da assistência resolutiva à demanda espontânea. (C) desenvolvimento de ações educativas que possam interferir no processo de saúde-doença da população e ampliar o controle social na defesa da qualidade de vida. (D) desenvolvimento de ações focalizadas sobre os grupos de risco e fatores de risco comportamentais, alimentares e/ou ambientais, com a finalidade de prevenir o aparecimento ou a manutenção de doenças e danos evitáveis. (E) assistência básica integral e contínua, organizada à população adscrita, com garantia de acesso ao apoio diagnóstico e laboratorial. 3

4 QUESTÃO 12 Avalie se são objetivos do Sistema Único de Saúde - SUS: I - A identificação e divulgação dos fatores condicionantes e determinantes da saúde; II - A formulação de política de saúde destinada a promover, nos campos econômico e social, o dever do Estado de garantir a saúde consiste na formulação e execução de políticas econômicas e sociais que visem à redução de riscos de doenças e de outros agravos e no estabelecimento de condições que assegurem acesso universal e igualitário às ações e aos serviços para a sua promoção, proteção e recuperação. III - A assistência às pessoas por intermédio de ações de promoção, proteção e recuperação da saúde, com a realização integrada das ações assistenciais e das atividades preventivas. Está correto o que se afirma em: (A) I, apenas. (B) I e II, apenas. (C) I e III, apenas. (D) II e III, apenas. (E) I, II e III. QUESTÃO um conjunto de ações que proporcionam o conhecimento, a detecção ou prevenção de qualquer mudança nos fatores determinantes e condicionantes de saúde individual ou coletiva, com a finalidade de recomendar e adotar as medidas de prevenção e controle das doenças ou agravos. O texto faz referência: (art 5, lei 80808/90) (A) à vigilância epidemiológica. (B) à vigilância sanitária. (C) à assistência farmacológica. (D) ao controle e á fiscalização de substâncias de interesse para a saúde. (E) à assistência terapêutica integral. QUESTÃO 14 As ações e serviços públicos de saúde e os serviços privados contratados ou conveniados que integram o Sistema Único de Saúde (SUS) devem obedecer a vários princípios, dentre os quais os seguintes, EXCETO UM, que está ERRADO. Assinale-o. (A) regionalização e hierarquização da rede de serviços de saúde. (B) centralização político-administrativa, com direção única em cada esfera de governo e ênfase na centralização dos serviços na esfera federal. (C) integração em nível executivo das ações de saúde, meio ambiente e saneamento básico. (D) conjugação dos recursos financeiros, tecnológicos, materiais e humanos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios na prestação de serviços de assistência à saúde da população. (E) capacidade de organização dos serviços públicos de modo a evitar duplicidade de meios para fins idênticos. QUESTÃO 15 Em relação às comissões intersetoriais, previstas na Lei 8080/90, avalie se as afirmativas a seguir são falsas (F) ou verdadeiras (V): I - As comissões intersetoriais são de âmbito nacional, subordinadas ao Conselho Nacional de Saúde e integradas pelos Ministérios e órgãos competentes e por entidades representativas da sociedade civil. II - As comissões intersetoriais têm a finalidade de articular políticas e programas de interesse para a saúde, cuja execução envolva áreas não compreendidas no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). III - A articulação das políticas e programas, a cargo das comissões intersetoriais, abrangerá, em especial, as seguintes atividades: alimentação e nutrição; saneamento e meio ambiente; vigilância sanitária e farmacoepidemiologia; recursos humanos; ciência e tecnologia; e saúde do trabalhador. IV - Devem ser criadas Comissões Permanentes de integração entre os serviços de saúde e as instituições de ensino profissional e superior. As afirmativas I, II, III e IV são respectivamente: (A) F, F, V e V. (B) V, F, F e F. (C) V, V, V e V. (D) F, F, F e V. (E) V, V, V e F. 4

5 QUESTÃO 16 Associe as atribuições a seguir com: I Direção Nacional do SUS; II Direção Estadual do SUS e III - Direção Municipal do SUS. Atribuições: (i) formular, avaliar e apoiar políticas de alimentação e nutrição. (ii) participar na formulação e na implementação das políticas de controle das agressões ao meio ambiente, de saneamento básico e as relativas às condições e aos ambientes de trabalho. (iii) definir e coordenar os sistemas de redes integradas de assistência de alta complexidade, de rede de laboratórios de saúde pública, de vigilância epidemiológica e de vigilância sanitária. As atribuições (i), (ii) e (iii) competem: (A) a I, II, I e III, respectivamente. (B) a II, I, I e I, respectivamente. (C) a III, I, II e II, respectivamente; (D) todas a I. (E) a II, II, I e I, respectivamente. QUESTÃO 17 Em relação ao atendimento domiciliar e à internação domiciliar, avalie, á luz da lei 80880/90, as afirmativas a seguir: I - São ambos estabelecidos no âmbito do Sistema Único de Saúde. II - Na modalidade de assistência de atendimento e internação domiciliares incluem-se, principalmente, os procedimentos médicos, de enfermagem e fisioterapêuticos, ficando os procedimentos de assistência social e psicológica sujeitos a disponibilidade de atendimento integral. III - O atendimento e a internação domiciliares serão realizados por equipes multidisciplinares que atuarão nos níveis da medicina preventiva, terapêutica e reabilitadora. IV - O atendimento e a internação domiciliares só poderão ser realizados por indicação médica, mesmo sem expressa concordância do paciente e de sua família. QUESTÃO 18 Avalie se, de acordo com a NOAS-SUS 01/02, as seguintes afirmativas acerca do processo de regionalização são falsas (F) ou verdadeiras (V): I - Estabelece o processo de regionalização como estratégia de hierarquização dos serviços de saúde e de busca de maior equidade. II - O processo de regionalização deverá contemplar uma lógica de planejamento integrado, compreendendo as noções de territorialidade, na identificação de prioridades de intervenção e de conformação de sistemas funcionais de saúde, não necessariamente restritos à abrangência municipal, mas respeitando seus limites como unidade indivisível, de forma a garantir o acesso dos cidadãos a todas as ações e serviços necessários para a resolução de seus problemas de saúde, otimizando os recursos disponíveis. III - Institui o Plano Diretor de Regionalização - PDR como instrumento de ordenamento do processo de regionalização da assistência em cada estado e no Distrito Federal, baseado nos objetivos de definição de prioridades de intervenção coerentes com as necessidades de saúde da população e garantia de acesso dos cidadãos a todos os níveis de atenção. IV - O PDR fundamenta-se na conformação de sistemas funcionais e resolutivos de assistência à saúde, por meio da organização dos territórios estaduais em regiões/microrregiões e módulos assistenciais; da conformação de redes hierarquizadas de serviços; do estabelecimento de mecanismos e fluxos de referência e contra-referência intermunicipais, objetivando garantir a integralidade da assistência e o acesso da população aos serviços e ações de saúde de acordo com suas necessidades. As afirmativas I, II, III e IV são respectivamente: (A) V, V, V e V. (B) F, V, V e V. (C) V, F, V e F. (D) F, V, F e F. (E) F, F, F e F. Estão corretas as afirmativas: (A) I e III, apenas. (B) II e IV, apenas. (C) I, II e III, apenas. (D) II, III e IV, apenas. (E) I, II, III e IV. 5

6 QUESTÃO 19 Em relação à participação complementar dos serviços provados de assistência à saúde, avalie se as afirmativas a seguir são falsas (F) ou verdadeiras (V): I - Quando suas disponibilidades do SUS forem insuficientes para garantir a cobertura assistencial à população de uma determinada área, o SUS poderá recorrer aos serviços ofertados pela iniciativa privada, dando preferência às entidades filantrópicas e às sem fins lucrativos. II - A participação complementar dos serviços privados será formalizada mediante contrato ou convênio, observadas, a respeito, as normas de direito público. III - Os critérios e valores para a remuneração de serviços e os parâmetros de cobertura assistencial serão estabelecidos pela direção nacional do Sistema Único de Saúde (SUS), aprovados no Conselho Nacional de Saúde. IV - Os serviços contratados submeter-se-ão às normas técnicas e administrativas e aos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS), mantido o equilíbrio econômico e financeiro do contrato. As afirmativas I, II, III e IV são respectivamente: (A) F, V, V e V. (B) F, V, V e F. (C) V, F, F e V. (D) V, V, V e V. (E) V, F, V e F. QUESTÃO 20 Em relação à Atenção Básica, avalie se as afirmativas a seguir são falsas (F) ou verdadeiras (V): I - Considera o sujeito em sua singularidade, na complexidade, na integralidade e na inserção sociocultural. II - Busca a promoção da saúde, a prevenção e o tratamento de doenças e a redução de danos ou de sofrimentos que possam comprometer as possibilidades de o sujeito viver de modo saudável. III - Tem a Saúde da Família como estratégia prioritária para sua organização. de acordo com os preceitos do Sistema Único de Saúde. As afirmativas I, II e III são respectivamente: (A) V, F e V. (B) F, V e F. (C) V, V e F. (D) F, F e V. (E) V, V e V. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 21 Um dos efeitos colaterais da espironolactona: (A) hipocalemia. (B) ginecomastia. (C) trombocitose. (D) leucocitose. (E) insônia. QUESTÃO 22 A seguinte estratégia favorece a relação médico/paciente: (A) proceder a tratamento culpabilizador. (B) exercer a tomada de decisões compartilhada. (C) fazer perguntas indutoras. (D) interromper o paciente. (E) manter abordagem centrada na doença. QUESTÃO 23 De acordo com o Código de Ética Médica é vedado ao médico: (A) esclarecer o trabalhador sobre as condições de trabalho que ponham em risco sua saúde. (B) assumir a responsabilidade de qualquer ato profissional que tenha praticado ou indicado, ainda que solicitado ou consentido pelo paciente ou por seu representante legal. (C) atender em setores de urgência e emergência, quando for sua obrigação fazê-lo, expondo a risco a vida de pacientes, mesmo respaldado por decisão majoritária da categoria. (D) esclarecer o paciente sobre as determinantes sociais, ambientais ou profissionais de sua doença. (E) deixar de garantir ao paciente o exercício do direito de decidir livremente sobre sua pessoa ou seu bem-estar, bem como exercer sua autoridade para limitá-lo. QUESTÃO 24 O seguinte exame laboratorial é um dos marcadores de colestase: (A) fosfatase alcalina. (B) taxa de protrombina. (C) albumina. (D) bilirrubina. (E) transaminase gltâmico-pirúvica. QUESTÃO 25 O melhor exame para avaliação da função tireoidiana é: (A) Tiroxina total. (B) Tiroxina livre. (C) Tri-iodotironina total. (D) Tri-iodotironina livre. (E) TSH. 6

7 QUESTÃO 26 Mecanismo de ação do nitroprussiato de sódio: (A) beta-bloqueador. (B) bloqueador de canal de cálcio. (C) vasodilatador arterial e venoso direto. (D) diurético. (E) inibidor da ECA. QUESTÃO 27 A causa mais comum de pericardite aguda é: (A) idiopática. (B) uremia. (C) bacteriana. (D) viral. (E) autoimune. QUESTÃO 28 A tríade clássica da pancreatite aguda é caracterizada por: (A) dor abdominal + náuseas + vômitos. (B) dor abdominal + febre + vômitos. (C) icterícia + febre + náuseas. (D) icterícia + calafrios + diarreia. (E) diarreia + náuseas + vômitos. QUESTÃO 29 Sinal de psoas é caracterizado por: (A) dor em fossa ilíaca direita à palpação da fossa ilíaca esquerda. (B) dor à flexão e rotação interna da coxa direita. (C) dor à extensão da coxa direita, com o paciente em decúbito lateral esquerdo. (D) descompressão dolorosa da fossa ilíaca direita. (E) temperatura retal maior 1 grau em relação à axilar. QUESTÃO 31 Recentemente, os antibióticos macrolídeos foram associados à arritmias ventriculares graves, com risco aumentado de morte súbita. Dentre os citados a seguir, aquele que NÃO pertence à classe dos macrolídeos é a: (A) claritromicina. (B) eritromicina. (C) espiramicina. (D) neomicina. (E) azitromicina. ATENÇÃO: LEIA O CASO CLÍNICO ABAIXO E RESPONDA CORRETAMENTE AS CINCO PRÓXIMAS QUESTÕES Paciente do sexo feminino, 52 anos, é trazida ao serviço de emergência com quadro de astenia, febre não aferida, tosse produtiva com expectoração purulenta e dispneia iniciados há dois dias, com piora nas últimas horas. Tem diagnóstico de hipertensão arterial sistêmica e faz uso de hidroclorotiazida 25 mg/dia. Nega uso recente de antibioticoterapia, internação ou a realização de procedimentos invasivos. À ectoscopia está hipocorada, desidratada e com discreta cianose de extremidades. Apresenta ainda batimento de asa de nariz e uso de musculatura acessória da respiração. De imediato, foi iniciada terapia com oxigênio suplementar e a paciente monitorizada. Os dados obtidos foram: PA: 70 x 35 mmhg FC: 122 bpm SatO2: 88 % Temp.: 38,4 o C FR: 33 irpm No restante do exame físico tem murmúrio vesicular reduzido na base pulmonar direita, com estertores crepitantes e roncos nesta topografia. A taquicardia é sinusal. O exame do abdome e dos membros não evidencia outras alterações. A radiografia de tórax é a mostrada abaixo: QUESTÃO 30 É critério de contraindicação do uso do trombolítico no paciente com diagnóstico de acidente vascular encefálico isquêmico: (A) início dos sintomas há menos de 3 horas. (B) paciente PA menor que 180X110 mmhg. (C) paciente com mais de 60 anos. (D) paciente com história de TCE nos últimos 90 dias. (E) paciente com glicemia maior que 250 mg/dl. 7

8 QUESTÃO 32 O agente etiológico mais comumente envolvido com o quadro descrito acima é: (A) Escherichia coli (B) Enterococcus faecium (C) Haemophilus influenzae (D) Streptococcus pneumoniae (E) Klebsiella pneumoniae QUESTÃO 33 Com relação ao diagnóstico, é correto afirmar que: (A) uma amostra de escarro considerada adequada para cultura deve conter, ao exame microscópico, mais de 25 neutrófilos e menos de 10 células escamosa por campo de pequeno aumento. (B) a hemocultura tem excelente rendimento diagnóstico, sendo positiva em cerca de 70% dos casos de pneumonia comunitária grave. O germe mais comumente isolado é o Streptococcus pneumoniae. (C) os métodos diagnósticos baseados na detecção de antígenos urinários podem ser solicitados para pesquisa do Streptoccocus pneumoniae ou da Legionella pneumophila. Entretanto, a sensibilidade e a especificidade de ambos os métodos são baixas, mesmo quando a amostra é coletada antes do início da antibioticoterapia. (D) a pesquisa de material genético (DNA ou RNA) de determinados patógenos não deve ser solicitada de maneira habitual pois não possui nenhuma correlação com desfecho prognóstico, independente agente etiológico envolvido na gênese da pneumonia. (E) a radiografia de tórax é um importante exame complementar e deve ser solicitada em todos os pacientes com suspeita de pneumonia comunitária. A presença de alterações como pneumatoceles é sugestiva de infecção por Pseudomonas aeruginosa. QUESTÃO 34 Com relação à estratégia ventilatória, a melhor opção neste momento é: (A) coletar gasometria arterial e, se for confirmada hipoxemia, iniciar suporte ventilatório não-invasivo. (B) coletar gasometria arterial e, se for confirmada hipercapnia, iniciar suporte ventilatório não-invasivo. (C) aguardar o resultado do aporte inicial de oxigênio suplementar. Caso não haja resposta adequada, coletar gasometria arterial e iniciar suporte ventilatório não-invasivo caso persista a hipoxemia. 8 (D) aguardar o resultado do aporte inicial de oxigênio suplementar. Caso não haja resposta adequada, coletar gasometria arterial e iniciar suporte ventilatório não-invasivo caso exista hipercapnia. (E) proceder a intubação orotraqueal de imediato, com início de ventilação mecânica invasiva, independente do resultado da gasometria. QUESTÃO 35 Considerando o diagnóstico de pneumonia comunitária grave e as características clínico-epidemiológicas do caso, a melhor combinação a ser usada no esquema antibiótico empírico inicial é: (A) carbapenêmico com glicopeptídeo. (B) glicopeptídeo com fluoroquinolona. (C) beta-lactâmico com macrolídeo. (D) aminoglicosídeo com carbapenêmico. (E) aminoglicosídeo com glicopeptídeo. QUESTÃO 36 A gasometria arterial coletada na chegada, em ar ambiente, é a seguinte: ph 7,33, PaCO2 38 mmhg, PaO2 50 mmhg, BE 5,8, Bicarbonato 18 meq/l e lactato sérico 4.8 (V.R.: até 2 mmol/l). Analisando a gasometria, podemos afirmar que: (A) trata-se de alcalose metabólica compensada por hiperlactatemia. (B) a troca pulmonar, apesar da paciente estar taquipneica, encontra-se normal. (C) trata-se de acidose metabólica. (D) trata-se de acidose mista. (E) a PaCO2 esperada é de 42 mmhg. QUESTÃO 37 Nos casos de acidente vascular cerebral isquêmico, são consideradas contraindicações à administração do trombolítico, EXCETO: (A) coma ou estupor. (B) infarto agudo do miocárdio recente. (C) rápida melhora dos sintomas. (D) plaquetopenia (< /mm 3 ). (E) glicemia de 280 mg/dl. QUESTÃO 38 Na fibrilação atrial, são considerados fatores de risco para o acidente vascular encefálico cardioembólico, EXCETO: (A) hipertensão arterial. (B) diabetes mellitus. (C) estenose mitral. (D) disfunção ventricular direita. (E) insuficiência cardíaca.

9 QUESTÃO 39 A hiperhomocisteinemia é uma doença associada à um maior risco de aterosclerose precoce. A deficiência de determinados cofatores podem contribuir para sua etiologia. A deficiência dos seguintes cofatores pode levar à hiperhomocisteinemia: (A) vitamina B4, vitamina B8 e ácido fólico. (B) vitamina B6, vitamina B12 e ácido fólico. (C) ácido ascórbico, tiamina e folato. (D) ácido ascórbico, B12 e folato. (E) ferro, folato e ácido ascórbico. QUESTÃO 40 Nos pacientes com Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) descompensada, devemos sempre procurar por fatores que possam ter levado à descompensação aguda. Considere uma paciente com 58 anos, tabagista pesada, portadora de DPOC que procurou o serviço de emergência por dispneia súbita iniciada há 3 horas. A radiografia de tórax realizada no momento da sua chegada é a demonstrada abaixo: Com base na radiografia de tórax, a provável etiologia da dispneia dessa paciente é: (A) derrame pleural volumoso. (B) atelectasia parcial. (C) pneumonia bacteriana. (D) tromboembolismo pulmonar. (E) pneumotórax espontâneo. 9

10

MPD19 MÉDICO PEDIATRIA CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

MPD19 MÉDICO PEDIATRIA CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: MÉDICO PEDIATRIA MPD19 CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que, na

Leia mais

PPD27 PSICÓLOGO PSICOPEDAGOGO CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

PPD27 PSICÓLOGO PSICOPEDAGOGO CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: PSICÓLOGO PSICOPEDAGOGO PPD27 CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que,

Leia mais

EGE04 ENGENHEIRO-ELÉTRICA CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

EGE04 ENGENHEIRO-ELÉTRICA CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: ENGENHEIRO-ELÉTRICA EGE04 CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que,

Leia mais

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO

P N E U M O N I A UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES 10/09/2015 CONCEITO UNESC ENFERMAGEM ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES P N E U M O N I A CONCEITO Processo inflamatório do parênquima pulmonar que, comumente, é causada por agentes infecciosos. 1 Uma

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA / INTERPRETAÇÃO DE TEXTO Leia o texto abaixo: O PREOCUPANTE AVANÇO DA CENSURA JUDICIAL O Globo, 11/4/2014

LÍNGUA PORTUGUESA / INTERPRETAÇÃO DE TEXTO Leia o texto abaixo: O PREOCUPANTE AVANÇO DA CENSURA JUDICIAL O Globo, 11/4/2014 LÍNGUA PORTUGUESA / INTERPRETAÇÃO DE TEXTO Leia o texto abaixo: O PREOCUPANTE AVANÇO DA CENSURA JUDICIAL O Globo, 11/4/2014 O fim da censura, ainda no regime militar, e a garantia de liberdade de expressão

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria

Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria 2012 Pneumonia e Derrame Pleural Protocolo Clínico de Pediatria UNIPAC-Araguari Santa Casa de Araguari 2012 2 INTRODUÇÃO Pneumonia é uma inflamação ou infecção dos pulmões que afeta as unidades de troca

Leia mais

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA

Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA Processo Seletivo 2015-1 RV Vestibular de Acesso aos Cursos ENGENHARIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas e

Leia mais

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho

Interpretação da Gasometria Arterial. Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Interpretação da Gasometria Arterial Dra Isabel Cristina Machado Carvalho Distúrbios Ácido-Base O reconhecimento dos mecanismos homeostáticos que controlam o equilíbrio ácido-base é fundamental, pois os

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016

RESIDÊNCIA MÉDICA 2016 NOME INSCRIÇÃO SALA LUGAR DOCUMENTO DATA DE NASC ESPECIALIDADE PROVA DISSERTATIVA ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS ASSINATURA DO CANDIDATO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Ciências Médicas LOTE

Leia mais

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos)

b) indique os exames necessários para confirmar o diagnóstico e avaliar o grau de comprometimento da doença. (8,0 pontos) 01 Um homem de 30 anos de idade, que morou em área rural endêmica de doença de Chagas até os 20 anos de idade, procurou banco de sangue para fazer doação de sangue e foi rejeitado por apresentar sorologia

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C D HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Residência Multiprofissional em Saúde do Idoso Área: Enfermagem Discursiva Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL

Leia mais

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel

Insuficiência respiratória aguda. Prof. Claudia Witzel Insuficiência respiratória aguda O que é!!!!! IR aguda Incapacidade do sistema respiratório de desempenhar suas duas principais funções: - Captação de oxigênio para o sangue arterial - Remoção de gás carbônico

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

CON02 CONTADOR CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

CON02 CONTADOR CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: CONTADOR CON02 CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA:

SERVIÇO SOCIAL. Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: Processo Seletivo para Ingresso nos Programas de Residência Multiprofissional em Área Profissional de Saúde - INCA 2014 PROGRAMA: SERVIÇO SOCIAL CÓDIGO: SSC24 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, do Sr. Roberto Gouveia Dispõe sobre a garantia dos trabalhadores à prevenção dos riscos decorrentes do trabalho e à promoção, proteção, recuperação e reabilitação da saúde, no âmbito

Leia mais

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003

PNEUMONIA. Internações por Pneumonia segundo regiões no Brasil, 2003 PNEUMONIA Este termo refere-se à inflamação do parênquima pulmonar associada com enchimento alveolar por exudato. São infecções das vias respiratórias inferiores gerando um processo inflamatório que compromete

Leia mais

Processo Seletivo 2015

Processo Seletivo 2015 Processo Seletivo 2015 Programa Jovem Aprendiz CADERNO: 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato

Leia mais

Lei 8080/90 Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 Compartilhe

Lei 8080/90 Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 Compartilhe Lei 8080/90 Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990 Compartilhe Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes

Leia mais

OFICIAL DE FARMÁCIA. Programa de Estratégia de Saúde na Família ESF Processo Seletivo IABAS ESF CADERNO: 1 CÓDIGO: OFA82

OFICIAL DE FARMÁCIA. Programa de Estratégia de Saúde na Família ESF Processo Seletivo IABAS ESF CADERNO: 1 CÓDIGO: OFA82 Programa de Estratégia de Saúde na Família ESF Processo Seletivo IABAS ESF OFICIAL DE FARMÁCIA CÓDIGO: OFA82 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 4 horas, já incluído o tempo de preenchimento

Leia mais

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE

AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE AGENDA PROPOSITIVA DO CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE Com o objetivo de estimular o debate democrático, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) apresenta à sociedade brasileira sua Agenda Propositiva para a Saúde

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA MÉDICO ESPECIALISTA NEUROLOGISTA 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA)

Leia mais

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO

Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO Universidade Federal da Integração Latino Americana MANUAL DO ESTAGIÁRIO MANUAL DO ESTAGIÁRIO PROGRAD - Pró-Reitoria de Graduação DEAC - Divisão de Estágios e Atividades Complementares Sumário 1. Apresentação...

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO:

PROVA ESPECÍFICA Cargo 28. São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 28 QUESTÃO 26 São características da saúde pública predominante nos anos 60 do século passado, EXCETO: a) Ênfase nas campanhas sanitárias. b) Fortalecimento do setor de saúde

Leia mais

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico

INSTITUTO LATINO AMERICANO DE SEPSE CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO. Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico CAMPANHA DE SOBREVIVÊNCIA A SEPSE PROTOCOLO CLÍNICO Atendimento ao paciente com sepse grave/choque séptico 1. Importância do protocolo Elevada prevalência Elevada taxa de morbidade Elevada taxa de mortalidade

Leia mais

CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA

CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA COV40-COVEIRO COZ41-COZINHEIRO OMP42-OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS (E) ASG52-AJUDANTE DE SERVIÇOS GERAIS - SAAETRI MOT53-MOTORISTA (D) - SAAETRI OMS54-OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS (E) - SAAETRI CADERNO:

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta Preâmbulo A CASES, consciente do seu papel no âmbito da economia social, considera importante colocar a questão da ética como prioridade na sua agenda. O presente documento apresenta os princípios gerais

Leia mais

Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior

Fundação Saúde Concurso Público CEPERJ 2011 Prova de Nível Superior Caros Leitores e Concurseiros, Analisaremos as questões do Sistema Único de Saúde SUS - cobradas pela organizadora CEPERJ no concurso da Fundação Saúde (Estado do Rio de Janeiro) para os cargos de nível

Leia mais

Pneumonia na Pediatria

Pneumonia na Pediatria Pneumonia na Pediatria Universidade Católica de Brasília Nome: Gabriela de Melo Souza da Silva Costa Matrícula: UC11045029 Orientadora: Drª Carmem Lívia Faria da Silva Martins Pneumonias São doenças inflamatórias

Leia mais

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA

PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA CADERNO 1 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração da prova é de 3 horas, já incluído o tempo de preenchimento do cartão de respostas. 2 - O candidato que, na primeira

Leia mais

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3

Data: 25/11/2013. Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Nota Técnica: 234/2013 Solicitante: Juiz Eduardo Monção Nascimento Numeração: 0209.13.009508-3 Data: 25/11/2013 Medicamento x Material x Procedimento Cobertura TEMA: Anlodipina, losartana,hidroclorotiazida,

Leia mais

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL

300 QUESTÕES DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PARA TÉCNICO EM SAÚDE BUCAL Caro Leitor, A equipe técnica do Concurseiro da Saúde empenha-se em desenvolver apostilas e materiais atualizados de acordo com as leis recentemente publicadas a fim de estar sempre em consonância com

Leia mais

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO. Quanto às obrigações do médico plantonista ou médico de guarda, o nosso Código de Ética Médica orienta que é vedado ao médico:

CONSULTA FUNDAMENTAÇÃO. Quanto às obrigações do médico plantonista ou médico de guarda, o nosso Código de Ética Médica orienta que é vedado ao médico: PARECER CREMEB Nº 33/12 (Aprovado em Sessão Plenária de 23/10/2012) EXPEDIENTE CONSULTA Nº. 214.608/11 ASSUNTO: Implicações éticas da conduta profissional de médico, único plantonista da unidade, quanto

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA

CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA CONCURSO PÚBLICO DE SELEÇÃO PARA RESIDÊNCIA MÉDICA 2012 PROVA TIPO C C / NN - NEONATOLOGIA 1 2 CONCURSO 2012 PARA RESIDÊNCIA MÉDICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos

Dengue grave. Diagnóstico laboratorial da dengue em seres humanos Prefeitura Municipal de Curitiba - Secretaria Municipal da Saúde Centro de Epidemiologia - Vigilância Epidemiológica DENGUE (CID A90 ou A91) CHIKUNGUNYA (CID A92) ZIKA (CID A92.8) Definição de caso suspeito

Leia mais

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA

PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES INTERNADOS EM HOSPITAIS, DE QUEM É A COMPETÊNCIA coren-ro.org.br http://www.coren-ro.org.br/parecer-tecnico-no-0122012-aspiracao-de-pacientes-internados-em-hospitais-de-quem-e-acompetencia_1165.html PARECER TÉCNICO Nº 012/2012- ASPIRAÇÃO DE PACIENTES

Leia mais

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL I OFICINA REGIONAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE ESTADO DO TRABALHO, EMPREGO E ECONOMIA SOLIDÁRIA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA ALIMENTAR

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações

Actualizado em 28-09-2009* Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações Definição de caso, de contacto próximo e de grupos de risco para complicações 1. Introdução A evolução da epidemia causada pelo vírus da gripe pandémica (H1N1) 2009 implica que as medidas sejam adaptadas

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS

VERIFICAÇÃO DE SINAIS VITAIS Página Responsáveis Preparado por: Enfermeiros Analisado por: Serviço de Enfermagem Aprovado por: DAS. Objetivos. Aplicação Padronizar as técnicas de avaliação dos Sinais Vitais a fim de otimizar o serviço

Leia mais

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE

TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE TERAPÊUTICA ANTIBIÓTICA DA PNEUMONIA DA COMUNIDADE Todos os indivíduos com suspeita de Pneumonia Adquirida na Comunidade (PAC) devem realizar telerradiografia do tórax (2 incidências)(nível A). AVALIAÇÃO

Leia mais

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE

VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA EM SERVIÇOS DE DIÁLISE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SÃO PAULO COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS - CCD CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA "PROF. ALEXANDRE VRANJAC" DIVISÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

Leia mais

Abordagem do doente com DPOC Agudizada

Abordagem do doente com DPOC Agudizada 2010 Abordagem do doente com DPOC Agudizada Amélia Feliciano Centro Hospitalar Lisboa Norte Hospital Pulido Valente Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) Resposta inflamatória anómala dos pulmões a

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS QUESTÃO 1 Assinale a opção que contém os instrumentos de planejamento da Regionalização, defendido no pacto pela saúde 2006: a. O PDR (Plano Diretor de Regionalização), o Plano

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia

Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Alexandre Chater Taleb Universidade Federal de Goiás Especialização do C taleb@uol.com.br de Especialização Política Nacional de Atenção em Oftalmologia Portaria

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO E NÃO OBRIGATÓRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente regulamento da Faculdade Católica do Tocantins (Facto), mantida

Leia mais

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010)

PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) PARECER CREMEB Nº 32/10 (Aprovado em Sessão da 3ª Câmara de 13/05/2010) EXPEDIENTE CONSULTA N.º 169.266/09 ASSUNTO: Tratamento endovascular do aneurisma da aorta abdominal justarenal. RELATOR: Cons. Luiz

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DA BOA VISTA PREFEITURA DO MUNICÍPIO

MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DA BOA VISTA PREFEITURA DO MUNICÍPIO CONHECIMENTOS GERAIS 1 Conforme previsto na Lei nº 8.080/90, a articulação das políticas e programas, a cargo das comissões intersetoriais, abrangerá, em especial, as seguintes atividades: A) Alimentação,

Leia mais

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora:

Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Anotadas do 5º Ano 2008/09 Data: 26 Novembro 2008 Disciplina: Medicina Prof.: Dr. Germano do Carmo Tema da Aula Teórica: Pneumonias Autor(es): Maria Inês Ribeiro Equipa Revisora: Nota 1: O professor incidiu

Leia mais

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ?

Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO. 1- Como aderir à proposta AMQ? Dúvidas Freqüentes IMPLANTAÇÃO 1- Como aderir à proposta AMQ? A adesão é realizada através do preenchimento e envio do Formulário de Cadastramento Municipal no site do projeto. O gestor municipal da saúde

Leia mais

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE

Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE Saúde Naval MANUAL DE SAÚDE IDOSO DOENÇAS MAIS COMUNS Com a chegada da terceira idade, alguns problemas de saúde começam a aparecer, conheça alguns dos mais comuns e saiba como se prevenir: 1 2 DIABETES

Leia mais

Preliminarmente, o Edital do Concurso Público fez menção expressa de quais os fatos a ensejar a interposição de recurso de forma fundamentada:

Preliminarmente, o Edital do Concurso Público fez menção expressa de quais os fatos a ensejar a interposição de recurso de forma fundamentada: Belo Horizonte, 03 de dezembro de 2013. À DO RECURSO A candidata CÁSSIA APARECIDA FERREIRA SILVA (n 10176), inscrita no cargo de AUXILIAR DE SERVIÇOS GERAIS, enviou recurso solicitando a revisão da folha

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES 0 Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Enfermagem FERNANDA ARAUJO RODRIGUES Vivenciando a Saúde Comunitária na Unidade Básica de Saúde Glória Porto Alegre 2011 1 FERNANDA ARAUJO RODRIGUES

Leia mais

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP)

Raniê Ralph Pneumo. 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) 18 de Setembro de 2008. Professora Ana Casati. Trombo-embolismo pulmonar (TEP) Hoje o DX é feito em menos de 30%. Antigamente só fazia DX quando havia triângulo de Infarto Pulmonar: bilirrubina aumentada,

Leia mais

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção

a. Limpeza b. Descontaminação c. Degermação d. Anti-sepsia e. Desinfecção 21. Sobre a participação do setor privado no Sistema Único de, SUS, é incorreto afirmar que: a. As entidades filantrópicas e sem fins lucrativos também recebem remuneração do SUS pelos serviços prestados

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Legislação do SUS Professor: Marcondes Mendes

Legislação do SUS Professor: Marcondes Mendes SUS EM EXERCICIOS PARA A SECRETARIA DE SAÚDE DO DF. LEI 8.080/90 - Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014

PROCESSO SELETIVO 2014 PROCESSO SELETIVO 2014 EDITAL N 47/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: GESTÃO E ATENÇÃO NO SUS - LATO SENSU O Centro de Educação Tecnológica e Pesquisa em Saúde Escola GHC e o Instituto

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS

A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS A gestão regionalizada das Redes de Atenção Luís s Carlos Casarin Ministério da Saúde Secretaria de Atenção àsaúde -SAS DESAFIO DESAFIO Extensão: 8.547.403,5 Km² (dimensão continental) População: 190.732.694

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

A C D E CRONOGRAMA PREVISTO

A C D E CRONOGRAMA PREVISTO Prevenção e Controle de Câncer TPPCC INSTRUÇÕES GERAIS Você recebeu do fiscal: - Um caderno de questões contendo 40 (quarenta) questões de múltipla escolha da Prova Objetiva e 5 (cinco) questões da Prova

Leia mais

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS

ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS ANEXO I FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO DE DOENÇAS I. IDENTIFICAÇÃO DA OPERADORA Nº de registro da operadora: II. CARACTERIZAÇÃO DA OPERADORA (Aspectos Epidemiológicos)

Leia mais

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar.

IV Seminário de Promoçã e Prevençã. ção à Saúde. ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar. I Seminário de Atençã. Suplementar. IV Seminário de Promoçã ção o da Saúde e Prevençã ção o de Riscos e Doenças na Saúde Suplementar I Seminário de Atençã ção à Saúde Suplementar Dezembro 2007 Área de Atençã ção à Saúde da Mulher Marco Regulatório

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

ADENDO HFA ASSISTENTE ADMINISTRATIVO LEGISLAÇÃO BÁSICA. Professor: Will Félix

ADENDO HFA ASSISTENTE ADMINISTRATIVO LEGISLAÇÃO BÁSICA. Professor: Will Félix ADENDO HFA ASSISTENTE ADMINISTRATIVO LEGISLAÇÃO BÁSICA Professor: Will Félix LEGISLAÇÃO DA SAÚDE * A saúde é um direito público subjetivo, de responsabilidade do Estado, mas que pode também ser prestado

Leia mais

10 de Julho de 2010 PROVA 2

10 de Julho de 2010 PROVA 2 Pontifícia Universidade Católica do Paraná Transferência Externa Medicina 2º Semestre 2010 10 de Julho de 2010 PROVA 2 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 6º PERÍODO N.º DO CARTÃO NOME (LETRA DE FORMA) ASSINATURA

Leia mais

DIRETRIZ 001/2014 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 SESI PARANÁ

DIRETRIZ 001/2014 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 SESI PARANÁ DIRETRIZ 001/2014 REQUISITOS PARA ADESÃO À CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA A GRIPE 2014 SESI PARANÁ Com objetivo de promover a qualidade de vida do trabalhador da indústria e ampliar a participação empresarial

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/MC/FUNTTEL PLATAFORMAS PARA CONTEÚDOS DIGITAIS - 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/MC/FUNTTEL PLATAFORMAS PARA CONTEÚDOS DIGITAIS - 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP/MC/FUNTTEL PLATAFORMAS PARA CONTEÚDOS DIGITAIS - 01/2007 SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DE PLATAFORMAS PARA PRODUÇÃO E DIFUSÃO

Leia mais

Há salvação para o ensino público

Há salvação para o ensino público LÍNGUA PORTUGUESA Há salvação para o ensino público 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 O resultado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), disponível

Leia mais

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica:

TÍTULO I DA NATUREZA, DAS FINALIDADES CAPÍTULO I DA NATUREZA. PARÁGRAFO ÚNICO Atividade curricular com ênfase exclusiva didático-pedagógica: REGULAMENTO GERAL PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DO IFRR N A regulamentação geral de estágio tem por objetivo estabelecer normas e diretrizes gerais que definam uma política

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

ACD46 AGENTE CADASTRAL CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES:

ACD46 AGENTE CADASTRAL CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES AGENDA INSTRUÇÕES - PROVA OBJETIVA INFORMAÇÕES: AGENTE CADASTRAL ACD46 CADERNO: 2 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES 1 - A duração das provas será de 4 (quatro) horas, já incluído o tempo de preenchimento do Cartão de Respostas. 2 - O candidato que, na

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD)

PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo PROJETO DE LEI 01-00453/2014 dos Vereadores Floriano Pesaro (PSDB), Andrea Matarazzo (PSDB), José Américo (PT) e Marta Costa (PSD) Autores

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA RESPOSTA TÉCNICA COREN/SC Nº 47/CT/2015 Assunto: Administração de Radiofármaco Palavras chaves: Oncologia; Radiofármaco; Punção Venosa. I Solicitação recebida pelo Coren/SC: A punção venosa para aplicação

Leia mais

Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE BARRA BONITA CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PROVA TIPO 03 CADERNO DE PROVAS CARGO: FISIOTERAPEUTA

Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE BARRA BONITA CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PROVA TIPO 03 CADERNO DE PROVAS CARGO: FISIOTERAPEUTA 1 Estado de Santa Catarina MUNICÍPIO DE BARRA BONITA CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2014 PROVA TIPO 03 CADERNO DE PROVAS CARGO: FISIOTERAPEUTA Nome do candidato... Data./.../2014 2 Leia atentamente as INSTRUÇÕES:

Leia mais

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS

REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS REGULAMENTO OPERACIONAL DA CENTRAL DE REGULAÇÃO CENTRAL DE CONSULTAS E EXAMES ESPECIALIZADOS Aprovado através da Resolução nº 06/CMS/2010, de 09 de março de 2010, Ananindeua PA Capítulo I DO CADASTRAMENTO

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PÁRA PROTOCOLAR PROJETOS DE PESQUISA NO COMITÊ DE ÉTICA

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PÁRA PROTOCOLAR PROJETOS DE PESQUISA NO COMITÊ DE ÉTICA - SOMENTE PODERÃO SER SUBMETIDOS PARA ANÁLISE DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA, PROJETOS QUE NÃO INICIARAM COLETA DE DADOS; - PROJETOS JÁ CONCLUÍDOS NÃO SERÃO ANALISADOS. DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PÁRA PROTOCOLAR

Leia mais

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS

PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS PNEUMONIAS COMUNITÁRIAS A maior parte dos casos são as chamadas comunitárias ou não nosocomiais Típica Não relacionada à faixa etária. Causada por S. pneumoniae, H. influenzae e S. aureus. Sintomatologia

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 1.549, DE 2003 (Apensos os Projetos de Lei nº 2.284, de 2003, e nº 2.626, de 2003) Disciplina o exercício profissional de Acupuntura

Leia mais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais

EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais EXMO. SR. DR. PROCURADOR REGIONAL DA REPÚBLICA DA 1ª REGIÃO. Assunto: Leitos Psiquiátricos nos Hospitais Públicos Federais ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA (ABP), associação civil sem fins lucrativos

Leia mais