NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL"

Transcrição

1 NOTAS SOBRE A PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS EM SOCIOLOGIA EM PORTUGAL Os dados disponibilizados pelo Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social, permitem caracterizar a procura de emprego por parte dos diplomados em Sociologia 1. Essa caracterização pode surgir pelo reconhecimento do número de desempregados e diplomados em Sociologia (Bacharelato, Licenciatura, Mestrado ou Doutoramento), em Dezembro de 2008: encontravam-se então registados 586 indivíduos identificados pelo par estabelecimento/curso para todos os subsistemas de ensino. Poderão existir, eventualmente, alguns mais diplomados inscritos mas que não aparecem identificados por esta chave estabelecimento/curso. Outros, igualmente desempregados, poderão não estar, tão-pouco, inscritos. Finalmente, diplomados que se encontrem a desempenhar actividades não directamente ligadas à sua habilitação académica, não integram esta estatística do desemprego dos diplomados em Sociologia. As cerca de 6 centenas de sociólogos desempregados serão sempre, e por força do sistema estatístico existente, um universo aproximativo. Sabemos, todavia, que a esmagadora maioria dos 586 diplomados em Sociologia que se encontravam em situação de desemprego registado pelo MCTES e MTSS (97,8%) tinha como habilitação superior atingida a Licenciatura. A variação observada de Dezembro de 2007 para Dezembro de 2008 foi negativa: +23,9%, ou seja, de 473 para 586 indivíduos desempregados. Há que enquadrar este número de sociólogos desempregados e a variação observada no último ano, considerando três ópticas de análise: a) O enquadramento na área das Ciências Sociais e do Comportamento (na qual a Sociologia se integra) 2 ; b) O enquadramento em face do número anual de diplomados em Sociologia, procurando uma medida de intensidade do desemprego; c) O enquadramento dos desempregados diplomados em Sociologia em face da situação de procura ( 1º emprego ou novo emprego ) e do tempo de inscrição ( <12 ou 12 ). A) O DESEMPREGO NA ÁREA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS E DO COMPORTAMENTO 1 2 Os dados estatísticos apresentados neste relatório têm por base duas fontes principais: - Inscritos nos centros de emprego: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I. P. (IEFP/MSST) que, através do Sistema de Gestão e Informação da Área de Emprego (SIGAE), regista as inscrições dos candidatos a emprego; - Diplomados: Gabinete de Planeamento, Avaliação, Estratégia e Relações Internacionais (GPEARI/MCTES), responsável pela recolha de informação fornecida anualmente pelas instituições de ensino superior. Nos termos da Portaria n.º 256/2005, de 16 de Março, que aprovou a Classificação Nacional das Áreas de Educação e Formação (CNAEF), a Sociologia integra a Área de Estudo denominada Ciências Sociais e do Comportamento, a par da Psicologia, da Ciência Política, da Economia, e de outras Ciências Sociais. P á g i n a 1 d e 1 4

2 De acordo com a informação oficialmente disponibilizada, o número de desempregados inscritos e provenientes desta Área de Estudo era, em Dezembro de 2008, de 4594 indivíduos 3. Em Dezembro do ano anterior esse número havia sido de Significa que no último ano de análise se registou uma diminuição absoluta de 382 indivíduos, o que equivale a uma variação de -7,7%. Contudo, a análise a partir do par estabelecimento/curso, só permite identificar 3321 e 4245 indivíduos, respectivamente em Dezembro de 2007 e Dezembro de 2008, facto que se explica por insuficiências do próprio sistema de notação, revelando um falso aumento (cfr. Tabela 1). Não existe, porém, alternativa à utilização destes dados obtidos pelo par estabelecimento/curso, ainda que incompletos. Com efeito, está-lhe associado um conjunto de atributos de caracterização do universo de diplomados inscritos nos Centros de Emprego do IEFP que não são dispensáveis. Tabela 1 - Desempregados com habilitação superior (diplomados), na área de estudo das Ciências Sociais e do Comportamento (situação em Dezembro de 2007 e 2008) Cursos Dezembro de 2008 Dezembro de 2007 variação (em %) 'sociologias' ,9 'economias' ,1 'geografias' ,6 'ciência política, estudos comparados e relações internacionais' ,4 'antropologias' ,5 'psicologias' ,6 'outras ciências sociais' ,8 Totais Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social De acordo com estes dados, o comportamento dos diferentes Cursos aqui organizados por disciplinas, e expressas no plural para salvaguardar a sua diversidade interna não foi homogéneo no período em análise. As economias, as antropologias e as outras ciências sociais sofreram um aumento superior em termos do número de diplomados desempregados inscritos. Todavia, o aumento verificado nas 3 No conjunto de todas as áreas de estudo, em Dezembro de 2008 o número de pessoas com habilitação superior inscritas nos centros de emprego à procura de um primeiro emprego ou de um novo emprego em Portugal, representava cerca de 9,1% do total da população inscrita nos centros de emprego, e equivalia a 4,1% da população com habilitação superior entre os anos residente em Portugal. Ainda em termos globais, a população com habilitação superior inscrita nos centros de emprego do Continente em Dezembro de 2008 (37 176) caracterizava-se, genericamente, por: Ser maioritariamente feminina (69%); Estar particularmente representada na região Norte (40%); Estar maioritariamente inscrita há menos de um ano (76%); Ser predominantemente jovem (72% têm menos de 35 anos). P á g i n a 2 d e 1 4

3 sociologias não é negligenciável (+23,9%), a que acresce o aparecimento (ainda que com valores quase residuais), em Dezembro de 2008, de desempregados com o grau de Mestre ou Doutor (facto que não se verificava em Dezembro de 2007, como anteriormente sinalizado). Da comparação entre Dezembro de 2007 e Dezembro de 2008 no que respeita à distribuição do peso percentual de cada grupo disciplinar no conjunto da Área de Estudos das Ciências Sociais e do Comportamento (ver Gráficos 1 e 2), resulta a verificação de que nesses doze a posição relativa de cada um dos grupos disciplinares não se alterou, tendo sido as psicologias as que mais contribuíram para o total de desempregados diplomados na Área 31, seguidas a uma distância percentual considerável das economias 4. As sociologias mantiveram a quota dos 14% do total nesta Área. Gráfico 1 - Desempregados com habilitação superior (Dezembro de 2008) - Área 31: Ciências sociais e do comportamento 'psicologias' 44% 'antropologias' 3% 'outras ciências sociais' 2% 'ciência política, estudos comparados e relações internacionais' 12% 'sociologias' 14% 'geografias' 2% 'economias' 23% Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Nota: Classificações, cálculos e representação gráfica são da responsabilidade da APS. Complementarmente ao (re)conhecimento do stock de diplomados das Ciências Sociais e do Comportamento, cabe perceber o tipo de desemprego e a situação do ponto de vista da duração (ver Gráfico 3). Gráfico 2 - Desempregados com habilitação superior (Dezembro de 2007) - Área 31: Ciências sociais e do comportamento 4 Importa reter que alguns estabelecimentos de ensino têm contestado os dados divulgados nestes Relatórios, alegando que a contagem dos diplomados não está correcta. No caso das sociologias, a APS teve conhecimento (e divulgou atempadamente), a reacção da Universidade do Minha e da Universidade de Coimbra. Os respectivos documentos podem ser consultados no vortal da APS. P á g i n a 3 d e 1 4

4 'psicologias' 48% 'antropologias' 3% 'outras ciências sociais' 1% 'ciência política, estudos comparados e relações internacionais' 11% 'geografias' 3% 'economias' 20% 'sociologias' 14% Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Nota: Classificações, cálculos e representação gráfica são da responsabilidade da APS. Gráfico 3 - Desempregados com habilitação superior na Área de Estudo das Ciências Sociais e do Comportamento, situação de procura de emprego e tempo de inscrição (Continente) 67,2% Dezembro de 2007 Dezembro de ,4% 38,6% 43,1% 46,9% 30,8% 32,8% 24,1% 18,3% 20,3% 7,8% 8,7% < 12 Meses >= 12 Meses Total < 12 Meses >= 12 Meses Total 1.º Emprego Novo emprego Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Nota: Classificações, cálculos e representação gráfica são da responsabilidade da APS. Verificou-se um agravamento pelo aumento de 2007 para 2008 da percentagem de diplomados à procura de novo emprego (que passou de 61,4% para 67,2%), e um desagravamento pela diminuição da percentagem de jovens diplomados à procura do 1º emprego há menos de 12 (de 30,8% para P á g i n a 4 d e 1 4

5 24,1%). Aparentemente, dir-se-ia que o desemprego ganhou uma maior duração e atingia, em Dezembro de 2008, comparativamente com Dezembro de 2007, mais quem já estava empregado. De notar que a estrutura obtida no Gráfico 3 para Dezembro de 2008 nesta Área das Ciências Sociais e do Comportamento é semelhante à que caracteriza todas as Áreas de Estudo (globalmente consideradas), mas existem diferenças estatisticamente significativas no que respeita ao 1º emprego: nas Ciências Sociais e do Comportamento a percentagem de desempregados há pelo menos 12 (8,7%) é superior à verificada para o conjunto (5,8%), invertendo-se essa tendência na duração inferior a 12 (χ 2 = 72.65; p < 0.001). Esta diferença não se revela, por conseguinte, favorável às Ciências Sociais. B) O DESEMPREGO DOS SOCIÓLOGOS PORTUGUESES: STOCK E INCIDÊNCIA Feito o enquadramento respeitante à Área de Estudo das Ciências Sociais e do Comportamento, cabe recorrer à segunda óptica de análise atrás mencionada, pondo agora em evidência o número anual de diplomados em Sociologia, e procurando uma medida de intensidade do seu desemprego. Podemos considerar para este objectivo, dois quadros de referência temporal: 1. Os desempregados (com ano de conclusão do curso de 2005 a 2007) por par estabelecimento/curso, situação de procura de emprego e tempo de inscrição (Dezembro de 2008) e número médio de diplomados igual ou superior a 20 de a ; 2. Os desempregados por par estabelecimento/curso, situação de procura de emprego e tempo de inscrição (Dezembro de 2008) e diplomados de a O primeiro quadro de referência parece mais ajustado para conhecer o desemprego dos recém diplomados em Sociologia, ou seja, o desemprego dos diplomados à saída da Universidade, procurando limitar o efeito aleatório dos pequenos números (ao impor um número médio de diplomados igual ou superior a 20 indivíduos por curso. O segundo permite englobar outras coortes escolares na análise do desemprego e torna a análise temporalmente mais extensiva, ou seja, acolhe critérios de maior abrangência do universo de diplomados. Optou-se, neste breve documento, por considerar os dois quadros de referência, com um objectivo claramente exploratório. As Tabelas 2 e 3 resumem os resultados obtidos. B1 Os resultados obtidos ao abrigo do critério mais restritivo No que respeita ao desemprego dos recém-diplomados, a situação em Dezembro de 2008 era claramente desfavorável: apenas 53,3% dos diplomados em Sociologia entre 2005 e 2007 estaria a exercer uma actividade profissional, e ainda assim desconhecia-se se essa empregabilidade estaria directamente relacionada com a Sociologia. Este valor era (cfr. ainda Tabela 2), bastante inferior ao observado para o conjunto dos diplomados (i.e., de todas as Áreas) no mesmo período. Relativamente às características do desemprego registado (tipo e duração), verificava-se em Dezembro de 2008 (ver Gráfico 4) a prevalência da procura de novo emprego com uma duração inferior a 12 (45,5%), seguido da procura de um novo emprego, igualmente há menos de 1 ano (24,8%). Por P á g i n a 5 d e 1 4

6 comparação com os outros diplomados, a procura de longa duração do 1º emprego (22,3%) era, nos sociólogos, mais elevada do que nos restantes diplomados (13,8%) [χ 2 = 6.36; p< 0,01). Tabela 2 - Desempregados por par estabelecimento/curso, situação de procura de emprego e tempo de inscrição (Dezembro de 2008), diplomados de a , e índice de empregabilidade (IE) CRITÉRIO RESTRITIVO Totais diplomados em Sociologia Todas os diplomados N.º de Registos (com ano de conclusão do curso de 2005 a 2007) 1.º emprego Novo emprego < < Total Diplomados (últimos 3 anos) (3) Total Média (1) , ,7 IE (2) Fontes: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social; Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Notas: (1) A média corresponde ao número médio de diplomados no intervalo lectivo considerado. (2) O índice de empregabilidade [IE] é calculado com recurso à seguinte fórmula: IE =100 ( registos/ diplomados *100) (3) A nota 3 deverá ser lida na página 8 deste documento da APS. Gráfico 4 - Desemprego dos sociólogos e dos outros recém-diplomados (há menos de três anos), segundo o tipo e duração (Continente). Valores em percentagem. 51,4 sociólogos 45,5 outros diplomados 24,8 25,9 22,3 13,8 7,4 8,9 < < º emprego Novo emprego Fontes: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social; Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Os cálculos e a representação gráfica são da responsabilidade da APS. P á g i n a 6 d e 1 4

7 B2 Os resultados obtidos ao abrigo do critério mais abrangente Recorrendo ao segundo quadro de referência, que alarga o critério temporal de recrutamento dos diplomados a uma década, os valores observados são bastante diferentes, ainda que a estrutura de distribuição do desemprego se mantenha idêntica. Com efeito, prevalece a procura de primeiro emprego há menos de um ano e uma redução dos valores para os períodos de espera superiores a um ano. Porém, neste segundo critério de análise os valores do desemprego primordial (1º emprego) e de longa duração sobem para percentagens que atingem os 22,3% do total no caso dos sociólogos, e 13,8% do total nos demais diplomados. A Tabela 3 (na página seguinte) e o Gráfico 5 permitem retirar estas conclusões. O índice de empregabilidade melhora bastante com este critério, sendo a taxa de desemprego dos sociólogos de aproximadamente 13,4%, ainda assim acima da taxa calculada para todos os diplomados, que se aproximaria dos 8,1%. Gráfico 5 - Desemprego dos sociólogos e dos outros diplomados (na última década), segundo o tipo e duração (Continente). Valores em percentagem. sociólogos 51,8 50,3 outros diplomados 31,5 21,5 17,6 13,4 9,1 4,7 < < º emprego Novo emprego Fontes: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social; Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Os cálculos e a representação gráfica são da responsabilidade da APS. Poderá concluir-se pela existência de um processo de absorção lenta dos diplomados (também dos sociólogos), muito embora com dificuldades crescentes, ficando a dúvida sobre que tipo de empregos esses diplomados acabam por obter. P á g i n a 7 d e 1 4

8 Tabela 3 - Desempregados por par estabelecimento/curso, situação de procura de emprego e tempo de inscrição (Dezembro de 2008), diplomados de a , e índice de empregabilidade (IE) N.º de Registos CRITÉRIO ALARGADO 1.º emprego Novo emprego Habilitação < < Total a Diplomados (últimos 10 anos) [3] Total "Média" [1] Índice [2] Totais da Licenciatura em Sociologia ,6 Todas as Licenciaturas ,9 Fontes: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social; Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Notas: (1) A média corresponde ao número médio de diplomados no intervalo lectivo considerado. [2] O índice de empregabilidade [IE] é calculado com recurso à seguinte fórmula: IE =100 ( registos/ diplomados *100) [3] O MCTES chama a atenção para o seguinte: Os dados sobre os desempregados com habilitação superior apresentados no presente relatório, recolhidos pelo IEFP/MSST reportamse a 31 de Dezembro de 2008 e os últimos dados sobre os diplomados nas instituições de ensino superior, recolhidos pelo GPEARI/MCTES, referem-se a 31 de Dezembro de 2007 visto que o inquérito estatístico aos diplomados em encontra-se, nesta data, em fase de recolha. Existe, assim, um período de 12 de 2008 para o qual existem dados sobre os inscritos diplomados nos centros de emprego e não existem dados sobre os diplomados pelas instituições de ensino superior (página 35). P á g i n a 8 d e 1 4

9 C) O DESEMPREGO DOS DIPLOMADOS NUMA LEITURA REGIONAL Uma das limitações evidentes dos dados que aqui se apresentam refere-se ao facto de boa parte dos apuramentos não contarem com dados das Regiões Autónomas. A abordagem regionalizada do desemprego fica limitada às NUT II do Continente (cfr. Tabela 4). Tabela 4 - Desempregados com habilitação superior por áreas de estudo e NUTS II, Dezembro de 2007 e Dezembro de 2008 (Continente) ÁREA DE ESTUDO ANO Norte Centro Lisboa Alentejo Algarve N.º % N.º % N.º % N.º % N.º % Total Ciências Sociais e do Comportamento TOTAL DOS DIPLOMADOS ano de 2007 ano de 2008 ano de 2007 ano de ,9% ,7% ,5% 224 4,5% 175 3,5% ,8% ,8% ,3% 225 4,9% 148 3,2% ,3% ,1% ,7% ,3% ,6% ,7% ,4% ,3% ,8% ,8% Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Os dados revelam que as Regiões Norte e de Lisboa, em conformidade com o seu perfil demográfico (volume populacional) são também as que concentram um maior número de desempregados. As percentagens não variam significativamente entre a Área de Estudo das Ciências Sociais e do Comportamento e as demais, tomadas conjuntamente. Apenas no caso da Região de Lisboa parece existir uma tendência para que a Área 31 apresente uma expressão percentual um pouco mais elevada, a que não será alheia a oferta concentrada de cursos nesta Região. Aparentemente, a variação observada neste período de Dezembro de 2007 a Dezembro de 2008 terá sido globalmente favorável, com uma variação negativa do número de desempregados em todas as Áreas (-4,2%), até ligeiramente maior na Área das Ciências Sociais e do Comportamento (-7,7% 5 ). Porém, esta diminuição do número de desempregados esteve longe de ter sido homogénea em todo o território nacional, e nalgumas das Regiões (Lisboa, Alentejo, no caso das Ciências Sociais e do Comportamento; Lisboa, Alentejo e Algarve no caso do total de diplomados) registou-se mesmo um acréscimo. O Gráfico 6, na página seguinte, põe em evidência estas dissemelhanças regionais. Com recurso a um polígono circular que definiria a invariabilidade do número de desempregados, verifica-se que o polígono de contracção do desemprego das Ciências Sociais e do Comportamento é mais expressivo do que daquele que define a contracção no conjunto das Áreas de Estudo. No entanto, ele ultrapassa o perímetro da invariabilidade nas Regiões de Lisboa e Alentejo (respectivamente +0,7% e +0,4%), e mais do que isso no conjunto das Áreas de Estudo nas Regiões de Lisboa, Alentejo e Algarve (respectivamente +2,1%, +4,8% e mais 3,1%). 5 Como já havíamos mencionado no primeiro parágrafo da página 2. P á g i n a 9 d e 1 4

10 Gráfico 6 - Polígonos do desemprego dos diplomados com habilitação superior, por áreas de estudo e NUTS II, Dezembro de 2007 e Dezembro de 2008 (Continente). Valores em percentagem. Total (no Continente) -4,2 Norte -7,7 Centro -7,8-10,1-6,9-16,5-15,4 Algarve 3,1 0,7 2,1 Lisboa TOTAL DOS DIPLOMADOS Ciências sociais e do comportamento 0,4 4,8 Alentejo Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Os cálculos e a representação gráfica são da responsabilidade da APS. D) CONSIDERAÇÕES FINAIS Deliberadamente, a análise agora efectuada procurou escapar à tentação de criar rankings de estabelecimentos de ensino, por subsistema (ensino superior público universitário; ensino superior público politécnico; ensino superior privado universitário; ensino superior privado politécnico), no que respeita ao número de diplomados em situação de desemprego provenientes de cada um dos subsistemas e dos respectivos estabelecimentos. Se estes se encontram a funcionar dentro da legalidade, tais disputas só alimentam as (falsas) evidências sobre os méritos de uns e os deméritos de outros. À APS cabe-lhe reflectir sobre a situação actual que a TODOS diz respeito, fugindo às discussões estéreis, e procurando, na medida das suas possibilidades, contribuir para o aumento dos índices de empregabilidade dos sociólogos Portugueses, sejam provenientes de onde forem, residam onde residirem. Como se tem vindo a afirmar, reconhece-se a existência de dificuldades para encontrar emprego e para o manter, em face das transformações sociais, nomeadamente económicas, que se vêm verificando e intensificando, percebendo-se agora melhor que essas dificuldades não terão feito aumentar o número de desempregados neste último ano (de Dezembro de 2007 a Dezembro de 2008), mas revelando situações diferentes de Região para Região. P á g i n a 1 0 d e 1 4

11 A própria diminuição no conjunto dos diplomados na Área de Estudos das Ciências Sociais e do Comportamento, que poderá não se ter verificado nas sociologias, pode até revelar uma situação não menos preocupante, e que consistiria em deslocalizar diplomados para áreas de actividade profissional não relacionadas (ou muito pouco) com as suas habilitações escolares e técnico-científicas. Por outro lado, a análise revelou que os índices de retenção do emprego, por força de uma crescente precariedade nos vínculos e nas modalidades de relação laboral existentes, não têm melhorado, reforçando a instabilidade existente e degradando a qualidade do trabalho remunerado por conta de outrém. Em congruência com as transformações que se referenciaram, nomeadamente as que respeitam à expressão crescente da procura de um novo emprego e ao aumento percentual das categorias do desemprego de maior duração (igual ou superior a 12 ), o Gráfico 7 põe em evidência que a percentagem dos desempregados mais jovens diminuiu no período em referência, tendo aumentado a percentagem dos desempregados com idades compreendidas entre os 35 e os 54 anos. Este facto, relativo a todos os desempregados que se encontram na Área de Estudo das Ciências Sociais e do Comportamento, pode não dizer totalmente respeito aos sociólogos, mas há que cuidar da hipótese de que estes também estejam mais envelhecidos. Gráfico 7 - Desempregados com habilitação superior na Área de Estudo das Ciências Sociais e do Comportamento, segundo o grupo etário, a Dezembro de 2007 e Dezembro de 2008 (Continente). 55 anos e mais 3,9% 3,8% anos Anos anos Anos < 25 Anos 24,2% 19,5% 19,7% 23,5% 52,2% 53,3% ano de 2008 ano de 2007 Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social. Os cálculos e a representação gráfica são da responsabilidade da APS. A análise efectuada pôs ainda em evidência a diversidade regional do ponto de vista das variações observadas, e muito provavelmente reflectirá taxas de empregabilidade distintas, que importa conhecer com mais detalhe. A constituição, já estatutariamente possível, de Núcleos Regionais pode ajudar-nos a compreender estas especificidades, mas seria imperativo que os diplomados em Sociologia que se P á g i n a 1 1 d e 1 4

12 encontram (ou encontraram) em situação de desemprego nos ajudassem a compreender esses processos, que tipo de ofertas existem, em que sectores económicos, em que tipos de administração pública (central, local), quais as eventuais dificuldades sentidas na adaptação no 1º emprego, que obstáculos se colocam no processo de encontrar um novo emprego, entre tantos outros aspectos que escapam às estatísticas oficiais. Neste breve ensaio sobre a procura de emprego dos diplomados em Sociologia em Portugal não se desconhece que, e citando a principal fonte de informação, o número de inscritos com habilitação superior nos centros de emprego em Portugal, entre Dezembro de 2007 e Dezembro de 2008, diminui 4% (passou de para ), apesar do total de inscritos ter aumentado 7%, no mesmo período (passou de para ). Por níveis de ensino, também se verifica que foi apenas no caso do ensino superior que o número de inscritos nos centros de emprego diminuiu, comparando os valores de Dezembro de 2007 e de 2008: o aumento do número de inscritos cifrou-se em 5% no caso sem nenhum nível de instrução, em 3% no Básico 1.º ciclo, em 12% no Básico 2.º ciclo, em 14% no Básico 3.º ciclo e em 7% no Secundário (página 12). O Gráfico 8 ajuda a compreender a espessura temporal do desemprego em Portugal nos últimos quatro anos, e o pico de sazonalidade que afecta mais os diplomados com habilitação superior do que os restantes desempregados. Gráfico 8 - Desempregados inscritos nos centros de emprego por e níveis de ensino, Janeiro de 2004 a Dezembro de 2008 (Portugal) Nenhum Nível de Instrução Básico - 1.º Ciclo Básico - 2.º Ciclo Básico - 3.º Ciclo Secundário Superior Janeiro Abril Julho Outubro Janeiro Abril Julho Outubro Janeiro Abril Julho Outubro Janeiro Abril Julho Outubro Janeiro Abril Julho Outubro ano de 2004 ano de 2005 ano de 2006 ano de 2007 ano de 2008 Fonte: Boletim de informação mensal do mercado de emprego do Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. A representação gráfica é da responsabilidade da APS. P á g i n a 1 2 d e 1 4

13 Também não se desconhece que no primeiro quadrimestre de 2009 a situação do desemprego se agravou consideravelmente, agora oficialmente adjectivada de preocupante. Por conseguinte, o que cabe perceber é se as habilitações superiores se mantêm como factor protector moderado do risco de desemprego, sobretudo dos que já se encontram empregados (ver Tabela 5), e se essa premissa é válida para o emprego dos sociólogos. Com efeito, e de acordo com o Relatório de Fevereiro de 2009, [a] variação do número de inscritos nos centros de emprego com habilitação superior não é exclusiva do mês de Dezembro. Desde o ano de 2007, e por comparação com os homólogos do ano anterior, que esse número de inscritos tem vindo a baixar, apesar da subida do número de pessoas com habilitação superior (15-64 anos) em Portugal: 881,9 em 2007 e 937,8 em (4.º trimestre) (página 18). Tabela 5 - Desempregados por situação de procura de emprego, Dezembro de 2008 (Continente) Total de desempregados Total de desempregados sem habilitação superior Desempregados com habilitação superior N.º % N.º % N.º % 1.º Emprego ,0% ,4% ,3% Novo emprego ,0% ,6% ,7% TOTAL ,0% ,0% ,0% Fonte: Instituto do Emprego e Formação Profissional, I.P. do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social Cabe ainda compreender se, no caso dos sociólogos, a lógica de transição entre o fim da fase de formação e o início da fase de entrada na vida activa, com a prevalência da procura do novo emprego sob o 1º emprego, se tem mantido, agravado ou diminuído. É que os valores expressos nas Tabelas 2 e 3 (cfr. anteriormente) apontam para a precariedade do 1º emprego (explicando a prevalência da procura do novo emprego), e as componentes dessa precariedade podem não ser todas explicáveis pelo lado do empregador. A hipótese subjacente a estas considerações é a de que a sustentabilidade do emprego dos sociólogos deverá ter que ser construída pelo lado da oferta e da procura, e que alguns dos requisitos dessa empregabilidade não decorrem, directa e exclusivamente, das variáveis macro-económicas, sejam conjunturais ou estruturais, mas também das variáveis contextuais desse específico emprego. De entre as variáveis contextuais poderão considerar-se as que se relacionam com a organização incumbente e as que respeitam aos perfis de competências apresentados pelos diplomados em Sociologia. Daí a importância que se entende dever atribuir a programas de formação complementar, não necessária e exclusivamente ancorados nas Universidades. A APS já fez aprovar, este ano, um Plano de Formação que pretende responder, experimentalmente, a alguns destes problemas. Fica lançado o debate. Lisboa, 20 de Maio de 2009 P á g i n a 1 3 d e 1 4

14 Fonte documental MCTES (2009) - PROCURA DE EMPREGO DOS DIPLOMADOS COM HABILITAÇÃO SUPERIOR, RELATÓRIO IV - DEZEMBRO 2008, GABINETE DE PLANEAMENTO, ESTRATÉGIA, AVALIAÇÃO E RELAÇÕES INTERNACIONAIS, LISBOA P á g i n a 1 4 d e 1 4

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior

A procura de emprego dos Diplomados. com habilitação superior RELATÓRIO A procura de emprego dos Diplomados com habilitação superior Dezembro 2007 Fevereiro, 2008 Ficha Técnica Título A procura de emprego dos diplomados com habilitação superior Autor Gabinete de

Leia mais

e ISEL População média desempregada e Taxa de desemprego (%), por Grupo etário e Nível de escolaridade mais elevado completo, Junho de 2011 e

e ISEL População média desempregada e Taxa de desemprego (%), por Grupo etário e Nível de escolaridade mais elevado completo, Junho de 2011 e Índice Índice Folha Conteúdo Todos cursos empregabilidade por curso, por semestre, nos cursos de Bolonha Diurno empregabilidade por curso diurno, por semestre, nos cursos de Bolonha Jun-11 Desempregados

Leia mais

Área de educação e formação. Primeiro emprego 6 a <12 meses. < 6 meses

Área de educação e formação. Primeiro emprego 6 a <12 meses. < 6 meses Quadro 8.1.1 - Desempregados registados com habilitação superior e par estabelecimento/curso válido (Continente - junho de 2014) e diplomados nos anos letivos 1983/84 a 2012/13, segundo a situação de procura

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9%

A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9% Estatísticas do Emprego 3º trimestre de 2007 16 de Novembro de 2007 A taxa de desemprego do 3º trimestre de 2007 foi de 7,9 A taxa de desemprego estimada para o 3º trimestre de 2007 foi de 7,9. Este valor

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

Taxa de desemprego estimada em 11,9%

Taxa de desemprego estimada em 11,9% 5 de agosto de 215 Estatísticas do Emprego 2º trimestre de 215 Taxa de desemprego estimada em 11,9% A taxa de desemprego no 2º trimestre de 215 foi de 11,9%. Este valor é inferior em 1,8 pontos percentuais

Leia mais

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST)

MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico (IST) PERFIL DO ALUNO UNIVERSITÁRIO DO MARTA GRAÇA, CARLA PATROCÍNIO, MARTA PILE Gabinete de Estudos e Planeamento (GEP) Instituto Superior Técnico () 1. Introdução Esta comunicação faz uma caracterização do

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014

AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT 2014 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Março 2015 AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES CANAL INERNET AT AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DO CANAL INTERNET AT Autoridade

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002

Quadro 1 Beneficiários com prestações de desemprego, segundo o sexo e idade em 2002 44 7. Segurança Social 7.1 Invalidez, velhice e sobrevivência No concelho de Vidigueira, em 2002, os beneficiários de todos os regimes de pensão correspondiam a cerca de 39,3% da população residente, em

Leia mais

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos

Responsabilidade Social em Portugal 2013. Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Responsabilidade Social em Portugal 2013 Boas Práticas nos Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos ÍNDICE Sumário Executivo Introdução Caracterização Social Vínculo laboral dos

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares

Novembro de 2008 ISBN: 978-972-614-430-4. Desenho gráfico: WM Imagem Impressão: Editorial do Ministério da Educação Tiragem: 5 000 exemplares Título: Educação em Números - Portugal 2008 Autoria: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério da Educação Edição: Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE)/Ministério

Leia mais

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0

ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS. F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 ESTATÍSTICAS DEMOGRÁFICAS 2001-2008 DISTRITO DE VIANA DO CASTELO E SEUS CONCELHOS U n i d a d e d e S a ú d e P ú b l i c a d o A l t o M i n h o F e v e r e i r o d e 2 0 1 0 U n i d a d e d e S a ú d

Leia mais

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2

EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO VERSÃO 2 EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO 10.º/11.º ou 11.º/12.º Anos de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de Agosto Programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) PROVA 712/12 Págs. Duração

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Barómetro das Crises

Barómetro das Crises Barómetro das Crises 27-01-2015 Nº 12 O salário mínimo: a decência não é um custo A tendência dos últimos anos é de diminuição do peso dos ordenados e salários no Produto Interno Bruto (PIB). Por isso,

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios

CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios Informação à Comunicação Social 4 de Fevereiro de 2002 CENSOS 2001 Análise de População com Deficiência Resultados Provisórios A disponibilização destes resultados provisórios dos Censos 2001 sobre a população

Leia mais

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego

O âmbito geográfico deste estudo é Portugal continental e as regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Saidas. Entradas. Mudanças de emprego Mobilidade dos Trabalhadores ESTATÍSTICAS STICAS em síntese O presente estudo baseia-se nas informações que integram a base do Sistema de Informação Longitudinal de Empresas, Estabelecimentos e Trabalhadores

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

da Uniiversiidade de Évora

da Uniiversiidade de Évora Universidade de Évora Rellatóriio sobre o Inquériito aos Liicenciiados da Uniiversiidade de Évora Pró-Reitoria para a Avaliação e Política da Qualidade Jacinto Vidigal da Silva Luís Raposo Julho de 2010

Leia mais

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento

Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento Inquérito à Situação Financeira das Famílias 2010 25 de maio de 2012 Cerca de 13% das famílias endividadas têm encargos com a dívida superiores a 40% do seu rendimento O Inquérito à Situação Financeira

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida

Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida Implicações da alteração da Taxa de Juro nas Provisões Matemáticas do Seguro de Vida 1. Algumas reflexões sobre solvência e solidez financeira Para podermos compreender o que se entende por solvência,

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Apresentação realizada para a Rede Social de Lisboa Plataforma para a Área do Envelhecimento Zona Centro Ocidental www.observatorio-lisboa.eapn.pt

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE

INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE INQUÉRITO SOBRE EMPREGO, QUALIFICAÇÃO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL RELATÓRIO SÍNTESE MARÇO 2013 Índice 1. RESUMO EXECUTIVO... 3 2. INQUÉRITO AOS AGREGADOS FAMILIARES... 11 2.1. Descrição do trabalho realizado...

Leia mais

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE

CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE CAPÍTULO 6 INTENÇÕES REPRODUTIVAS E PLANEAMENTO DA FECUNDIDADE O questionário do IDS de 1997 conteve várias questões para investigar as preferências reprodutivas da população entrevistada. Foi recolhida

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011 9626 Diário da República, 2.ª série N.º 39 24 de Fevereiro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 3677/2011 O artigo 72.º do Regulamento de Relações Comerciais do Gás

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

PARECER N.º 135/CITE/2009

PARECER N.º 135/CITE/2009 PARECER N.º 135/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2

8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 2 8 de Março 2011- E urgente acabar com as discriminações que a mulher continua sujeita em Portugal Pág. 1 A SITUAÇÃO DA MULHER EM PORTUGAL NO DIA INTERNACIONAL DA MULHER DE 2011 RESUMO DESTE ESTUDO No dia

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação com os dos restantes

Leia mais

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04

Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Índice de Quadros, Gráficos, Imagens, Figuras e Diagramas Introdução 01 Figura 1: Processo de implementação da Rede Social. 04 Parte I: Enquadramentos da Intervenção Social no Concelho de Bragança 08 Quadro

Leia mais

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS

ANEXO 3. A floresta portuguesa FACTOS E NÚMEROS ANEXO 3 FACTOS E NÚMEROS A floresta portuguesa 1. Os espaços florestais ocupam 5,4 milhões de hectares e representam cerca de dois terços da superfície de Portugal Continental. Destes, 3,4 milhões de hectares

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO. Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Diagnóstico Social CADERNO 5. EMPREGO E DESEMPREGO Aspetos Gerais; População Residente Inativa; População Residente Ativa; Pessoas ao Serviço e Trabalhadores por Conta de Outrem; Remunerações; Duração

Leia mais

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6

ÍNDICE. Que expectativas académicas, que organização do estudo e conciliação entre estudos e emprego? 6 Relatório Síntese: Perfil do Trabalhador-Estudante do IST Introdução ÍNDICE Qual a proporção de trabalhadores-estudantes no IST nos últimos 5 anos lectivos? 2 Qual a População-alvo deste inquérito? 2 A

Leia mais

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL

INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO 2 CONSTITUIÇÃO DO INQUÉRITO RELATÓRIO FINAL INQUÉRITO ÀS ENTIDADES GESTORAS NORMA ISO 24510 RELATÓRIO FINAL 1 OBJECTIVO DO INQUÉRITO A publicação das normas ISO 24500 (ISO 24510, ISO 24511 e ISO 24512), que constituem o primeiro conjunto de normas

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR Programa de Actividades de Enriquecimento Curricular no 1º. Ciclo do Ensino Básico Relatório de Acompanhamento da Execução Física 2008/2009 CAP Comissão de Acompanhamento

Leia mais

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias

Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias Aumentou a importância relativa das despesas em habitação nos orçamentos das famílias A despesa anual média dos agregados familiares foi de 20 391, em 2010/2011, de acordo com os resultados definitivos

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se:

1. Introdução. Ao nível dos diplomas complementares destaca-se: ÍNDICE 1. Introdução 3 2. Organograma 7 3. Caracterização Global do Efectivo 9 4. Emprego 10 5. Estrutura Etária do Efectivo 13 6. Antiguidade 14 7. Trabalhadores Estrangeiros 15 8. Trabalhadores Deficientes

Leia mais

B. O mercado de seguros de doença

B. O mercado de seguros de doença B. O mercado de seguros de doença 1. Tipos de coberturas associadas ao risco de doença Os seguros de doença e algumas coberturas específicas de outros riscos com eles intimamente relacionados têm vindo

Leia mais

PERFIL DO ALUNO 2008/2009

PERFIL DO ALUNO 2008/2009 PERFIL DO ALUNO 2008/2009 FICHA TÉCNICA Título Perfil do Aluno 2008/2009 Autoria Gabinete de Estatística e Planeamento da Educação (GEPE) Direcção de Serviços de Estatística Edição Gabinete de Estatística

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM COMUNICAÇÃO SOCIAL Dezembro ÍNDICE 1. Introdução 4 2. População e Amostra 4 3. Questionário de Satisfação dos Alunos 5 3.1. Caracterização dos inquiridos 5 3.2. Apresentação

Leia mais

""" ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO DOS OBJETIVOS DO ESTUDO 1 2. ABORDAGEM METODOLÓGICA 5 2.1 Correção e reformulação da base de dados 5 2.2 Amostra 6 2.3 Análise estatística 6 PARTE I ANÁLISE DOS INDICADORES DE

Leia mais

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração.

SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. DIPLOMA: Decreto-Lei n.º 89/95, de 06 de Maio SUMÁRIO: Regula a atribuição de incentivos à contratação de jovens à procura do primeiro emprego e de desempregados de longa duração. ALTERAÇÕES: Declaração

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL Gabinete do Ministro Parecer do Governo Português relativo ao Livro Verde Modernizar o direito do trabalho para enfrentar os desafios do sec. XXI Introdução O presente documento consubstancia o parecer do Governo Português

Leia mais

10. Equipamentos e Serviços Sociais

10. Equipamentos e Serviços Sociais 68 10. Equipamentos e Serviços Sociais A rede de equipamentos e serviços sociais existentes no concelho de Vidigueira constitui uma realidade resultante do esforço e envolvimento de entidades de diversa

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) através do seu Despacho n.º 13/2008, de 12 de Junho, procedeu à publicação anual

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras

FICHA TÉCNICA. Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras FICHA TÉCNICA Título Perfil do Docente 2010/2011 Línguas estrangeiras Autoria Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC) Direção de Serviços de Estatísticas da Educação (DSEE) Divisão

Leia mais

Bolsa Emprego IPL - FAQS

Bolsa Emprego IPL - FAQS Bolsa Emprego IPL - FAQS EMPRESAS Para poder colocar uma oferta na Bolsa de Emprego tenho que estar registado? Sim. O primeiro passo deverá ser o registo da empresa/instituição. Posteriormente, e após

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho.

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho. REGULAMENTO O Prémio Manuel Lopes foi instituído 1 pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade no sentido de homenagear Manuel Lopes considerando a sua dedicação à implementação da contratação colectiva

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013)

Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais de revitalização (2007-2013) Abril de 2014 Boletim n.º 15 DESTAQUE ESTATÍSTICO TRIMESTRAL 4º Trimestre de 2013 Estatísticas trimestrais sobre processos de falência, insolvência e recuperação de empresas e sobre processos especiais

Leia mais

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal

Estudo sobre situação profissional dos. jovens enfermeiros em Portugal Ordem dos Enfermeiros Rede de Jovens Enfermeiros Estudo sobre situação profissional dos jovens enfermeiros em Portugal Autores: Raul Fernandes (Coordenador) Beto Martins, Bruno Maurício, Daniela Matos,

Leia mais

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.

MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS. Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map. 8. Ribeira Brava MAPA 1. DEMARCAÇÃO GEOGRÁFICA DO CONCELHO DE RIBEIRA BRAVA E RESPECTIVAS FREGUESIAS Fonte:www.geocities.com/Heartland/Plains/9462/map.html (adaptado) A vila de Ribeira Brava, situada no

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO ASSEMBLEIA PARLAMENTAR PARITÁRIA ACP- UE Comissão de Desenvolvimento Económico, Finanças e Comércio 3.9.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o impacto do investimento directo estrangeiro (IDE) nos Estados

Leia mais

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual

RELATÓRIO. Avaliação da satisfação dos utilizadores do BAV. Relatório. Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Relatório Resultados do inquérito de satisfação do Balcão de Atendimento Virtual Direcção Municipal da Presidência Gabinete do Munícipe Divisão Municipal de Gestão da Qualidade Porto, 29 de Junho de 2011

Leia mais

PARECER N.º 40/CITE/2012

PARECER N.º 40/CITE/2012 PARECER N.º 40/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Informar para saber...saber para desenvolver.

Informar para saber...saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º Trimestre de 2011 Serviço Regional de Estatística dos Açores Informar para saber......saber para desenvolver. INQUÉRITO AO EMPREGO 4º TRIMESTRE DE 2011 NOTA INTRODUTÓRIA A presente

Leia mais

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA

APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA 1 de Abril de 2004 População e Sociedade Educação e Formação 2003 (Dados provisórios) APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA No último ano, mais de um milhão e meio de indivíduos com 15 ou mais anos, ou seja, 18,7,

Leia mais

Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém. Autores:

Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém. Autores: Título - Os CET no Instituto Politécnico de Santarém Autores: Natália Gaspar Doutora, Serviços Centrais do Instituto Politécnico de Santarém, Directora da Unidade de Formação Pós-Secundária e Formação

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt

ISSN: 2183-0673. Portugal. em números 2013. Programa Nacional para as. Doenças Respiratórias. www.dgs.pt ISSN: 2183-0673 Portugal em números 2013 Programa Nacional para as www.dgs.pt Portugal. Direcção-Geral da Saúde. Direção de Serviços de Informação e Análise Portugal em números 2013 ISSN: 2183-0673 Periodicidade:

Leia mais

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA

TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Informação à Comunicação Social 3 de Fevereiro de 2000 TIPOLOGIA SÓCIO-ECONÓMICA DA ÁREA METROPOLITANA DE LISBOA Introdução Este estudo procura caracterizar as estruturas territoriais na Área Metropolitana

Leia mais

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE DAS DEMANDAS NO IFPI

ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE DAS DEMANDAS NO IFPI ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL: UMA ANÁLISE DAS DEMANDAS NO IFPI Amanda Marques de Oliveira 1 Guiomar de Oliveira Passos 2 RESUMO : Esse texto analisa o perfil dos estudantes que demandaram

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta

Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta Análise da proposta de deliberação das alterações do Preçário da Universidade Aberta A Associação Académica da Universidade Aberta analisou com atenção a proposta de deliberação da alteração ao Preçário

Leia mais