Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias"

Transcrição

1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadria de Alumínio Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 Esquadrias Diretora da BELTRAME ENGENHARIA - GESTORA TÉCNICA DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO E DE AÇO Novo Hamburgo, 06/08/2014

2 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações ABNT NBR EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - DESEMPENHO PARTE 4: REQUISITOS PARA OS SISTEMAS DE VEDAÇÕES VERTICAIS INTERNAS E EXTERNAS Primeira publicação em 2008 (válida a partir de 2010) Revisão publicada em 19/02/2013 Válida a partir de 19/07/2013

3 ABNT NBR EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS ABNT NBR EDIFICAÇÕES HABITACIONAIS - PARTE 4: REQUISITOS PARA OS SISTEMAS DE VEDAÇÕES VERTICAIS INTERNAS E EXTERNAS QUANDO TRATA DE ESQUADRIAS, REFERENCIA A ABNT NBR E A ABNT NBR PARA GUARDA-CORPOS!!! CONTRIBUI PARA A EXIGIBILIDADE DO DESEMPENHO DA ESQUADRIA!!! (Adicionalmente: Desempenho Acústico e Desempenho Térmico)

4 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações PRINCÍPIO BÁSICO: ATENDER A NORMA DE ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821:2011 Parte 1 Terminologia Parte 2 Classificação e desempenho Parte 3 Métodos de ensaio Válidas a partir de 11/02/2011

5 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações ESQUADRIAS ENTRE VÃOS

6 ABNT NBR 10821:2011 FACHADAS CORTINAS

7 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações REQUISITOS DA ABNT NBR PENETRAÇÃO DE AR (LOCAIS CLIMATIZADOS E NÃO CLIMATIZADOS) VERIFICAÇÃO DA ESTANQUEIDADE À ÁGUA VERIFICAÇÃO DO COMPORTAMENTO, QUANDO SUBMETIDO À CARGAS UNIFORMEMENTE DISTRIBUÍDAS (PRESSÕES DE ENSAIO E PRESSÕES DE SEGURANÇA) RESISTÊNCIA ÀS OPERAÇÕES DE MANUSEIO

8 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações GRÁFICO DAS ISOPLETAS DE VELOCIDADE BÁSICA DO VENTO, EM m/s NO BRASIL Fonte: ABNT NBR 6123

9 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações Quantidade de pavimentos Altura máxima Região do País Pressão de ensaio (Pa) Positiva e negativa P e = P p x 1,2 Pressão de segurança (Pa) - Positiva e negativa P s = P e x 1,5 Pressão de água (Pa) P a = P P x 0, m I II III IV V m I II III IV V m I II III IV V m I II III IV V m I II III IV V

10 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações VERIFICAÇÃO DA ESTANQUEIDADE À ÁGUA - EXEMPLOS Após troca da escova na caixa de dreno, não ocorreram borbulhamentos que reprovam até 180 Pa

11 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações VERIFICAÇÃO DO COMPORTAMENTO, QUANDO SUBMETIDO À CARGAS UNIFORMEMENTE DISTRIBUÍDAS A esquadria, quando submetida à pressão prescrita para a região em que ela é utilizada, não pode: - apresentar ruptura, ou colapso total ou colapso parcial de qualquer de seus componentes, incluindo o vidro; - ter seu desempenho deteriorado, quanto às condições de abertura e fechamento; -ter o seu desempenho, quanto à permeabilidade ao ar, no caso de esquadrias instaladas em edificações climatizadas, acima de um nível de desempenho; - apresentar deflexão máxima instantânea superior a L/175 do perfil; e - apresentar deformação residual superior a 0,4 % do comprimento livre do perfil em análise, medida após pelo menos 3 min do desligamento da pressão de ensaio.

12 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações RESISTÊNCIA ÀS OPERAÇÕES DE MANUSEIO - A esquadria deve resistir aos ensaios especificados por tipologia de esquadria, sem que haja: Deformação residual superior a 0,4% do perfil ao longo do vão; a) Ruptura dos vidros; b) Deterioração de qualquer componente; c) Colapso da esquadria: qualquer alteração vital no funcionamento do conjunto, dos componentes, da estrutura da esquadria e que coloque em risco o usuário ou terceiros. Após ciclos, força necessária para: abertura < 100 N; fechamento < 50 N

13 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações ESPECIFICAÇÃO CORRETA DAS ESQUADRIAS Com os ensaios as diferenças entre os produtos com ou sem desempenho começam a aparecer e podem ser demonstradas! Devemos verificar e cobrar isto do fabricante!!!

14 ENSAIO DE RESISTÊNCIA À FLEXÃO

15 ENSAIO DE ESFORÇO HORIZONTAL COM UM CANTO IMOBILIZADO

16 ESTANQUEIDADE À ÁGUA Esquadrias sem vedações mínimas

17 ESTANQUEIDADE À ÁGUA Resultado do ensaio sem as vedações

18 PROJETO DA ESQUADRIA COM DETALHES

19 PROJETO DA ESQUADRIA COM DETALHES O setor de projetos do fabricante de esquadrias responsável pelo detalhamento da montagem e usinagens dos perfis e encaixe dos componentes. Todas essas informações, devem ser transmitidas ao setor de fabricação.

20 AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA ESQUADRIA

21 AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA ESQUADRIA

22 AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA ESQUADRIA Efeitos da utilização de produtos fora de norma conjugado com perfil normalizado, perfil este que sofrerá ações do vento, da água e resistência mecânica. Baixa espessura 0,8mm - 0,400 kg/m - Barra de 6m = 2,40 kg Espessura correta 1,2mm - 0,520 kg/m - Barra de 6m = 3,12 kg. Extrusor despreparado Sistemista Extrusor despreparado Sistemista

23 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações CUIDADOS COM PROJETO E DIMENSIONAMENTO ABNT NBR Portas externas com folhas de giro (abrir), de correr, pivotantes, articuláveis, devem atender a todos os requisitos desta Norma. A porta de giro com sentido de abertura para dentro, por suas características construtivas, pode não atender aos requisitos de permeabilidade ao ar e estanqueidade à água. Vidros instalados em esquadrias abaixo de 1,10m, devem ser de segurança: temperado ou laminado NBR 7199

24 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações CUIDADOS COM TIPOLOGIAS NÃO APROVADAS PELA ABNT NBR

25 GUARDA-CORPOS ABNT NBR ESFORÇO ESTÁTICO HORIZONTAL ESFORÇO ESTÁTICO VERTICAL RESISTÊNCIA A IMPACTOS Vidros instalados em guarda-corpos devem ser de segurança: laminado ou aramado NBR 7199

26 GUARDA-CORPOS ABNT NBR Vãos abertos nos guarda-corpos, espaçamentos mínimos No caso de guarda-corpos (do tipo gradil), o espaçamento entre perfis verticais (vão luz) não deve ser superior a 0,11 m. A configuração do guarda-corpos deve prever componente de fechamento posicionado no lado interno, na medida em que houver apoios que permitam a escalada até a altura de 0,45m. O espaçamento entre perfis horizontais acima desta cota não deverá exceder 0,11m.

27 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR Projetos finalizados encaminhados para a ABNT em julho 2014 Parte 4 Requisitos de desempenhos adicionais atenuação acústica, desempenho térmico (ventilação e sombreamento) Parte 5 Instalação e manutenção

28 Atenuação acústica do conjunto e da esquadria, em laboratório Metodologia: ISO , Ensaio realizados em vários Laboratórios

29 ESTUDO ABAL Atenuação acústica das esquadrias, em laboratório 1º CICLO DE ENSAIOS RESULTADOS DOS ENSAIOS LABORATÓRIO IPT ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA - Rw (C,Ctr) db PRODUTOS JANELA DE CORRER 2 FOLHAS JANELA VENEZIANA JANELA DE CORRER INTEGRADA VIDRO 4mm VIDRO 6mm VIDRO 4mm VIDRO 4mm VIDRO 6mm PRODUTO 1 20 (0;-1) 19 (0; 0) 15 (0;-1) 26 (-1;-4) 26 (-1;-4) PRODUTO 2 19 (0; 0) 20 (-1;-1) 19 (0;-2) 26 (-1;-4) 27 (-1;-5) PRODUTO 3 19 (0;-1) 20 (0;-0) 19 (-1;-2) 26 (-1;-3) 26 (-1;-3) Obs: Dados obtidos do grupo de sistemistas da ABAL (2010/2011)

30 Atenuação acústica do conjunto e da esquadria Os resultados obtidos praticamente nos ensaios de laboratório em composições de alvenarias e de esquadrias, também pode ser obtidos na teoria por fórmula matemática que leva em consideração: -Área total da parede; -Área da esquadria; -Atenuação acústica da parede, obtida em laboratório; -Atenuação acústica da esquadria, obtida em laboratório.

31 ISOLAMENTO ACÚSTICO DE FACHADAS Na tabela abaixo são apresentados valores do isolamento sonoro da fachada, D 2m,nT,w, calculados a partir dos valores da isolação dos esquadrias, considerando uma situação típica: (R w +C tr ), Isolação resultante da esquadria (R e ) Tabela R w Parede (R p ) 40 Área total da parede - 2,60m x 3,00 m (S t ) 7,80 Área esquadria 1,20 m x 1,20 m (S e } 1,44 Área parede (S p ) 6,36 A fórmula de cálculo é D 2m, nt, w S 10log p 10 Rp /10 Re / 10 Se10 Obs: Estudo preliminar realizado pelo pesquisador Peter (IPT), com os resultados de ensaios, fornecidos pelo AFEAL, obtidos em janelas comercializadas. S t

32 Atenuação acústica Ensaio do conjunto Para a Norma de desempenho ABNT NBR o que importa é o resultado do conjunto composto de alvenaria + esquadria Alvenaria considerada: Blocos cerâmicos com 14 cm de espessura Revestimento externo com argamassa industrializada de 3 cm de espessura Revestimento interno com argamassa industrializada de 1 cm de espessura Variação da espessura do vidro 4 mm 6 mm + Variação das dimensões da esquadria JC 02 fls 1,20 x 1,20m 1,60 x 1,40m

33 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações Resultado do conjunto composto de alvenaria + esquadria RESULTADOS DOS ENSAIOS LABORATÓRIO IPT ÍNDICE DE REDUÇÃO SONORA - Rw (C; Ctr) db PAREDE DE BLOCO CERÂMICO 42 (-1; -4) JANELA DE CORRER 2 FOLHAS VIDRO DE 4 MM (L=1200, H=1200) 30 (0; -1) JANELA DE CORRER 2 FOLHAS VIDRO DE 6 MM (L=1200, H=1200) 31 (0; -1) JANELA DE CORRER INTEGRADA 2 FOLHAS VIDRO DE 4 MM (L=1200, H=1200) JANELA DE CORRER INTEGRADA 2 FOLHAS VIDRO DE 6 MM (L=1200, H=1200) JANELA DE CORRER 1 FOLHA VIDRO DE 4 MM E 2 FOLHAS VENEZIANAS (L=1200, H=1200) 35 (-1; -3) 35 (-1; -3) 29 (0; -2) JANELA DE CORRER 2 FOLHAS VIDRO DE 4 MM (L=1600, H=1400) 27 (0; 0) JANELA DE CORRER 2 FOLHAS VIDRO DE 6 MM (L=1600, H=1400) 28 (0; -1) Obs: Dados obtidos do grupo de sistemistas da ABAL

34 Proposta de revisão ABNT NBR E ABNT NBR Ensaio de laboratório x Ensaio de campo Exemplo 1: Rw da esquadria Janela de correr 02 folhas = 20dB; Rw da parede com bloco cerâmico de 14cm = 42 db; Rw do sistema - parede + JC 02 fls (1200x1200)mm = 30dB; Provável D 2m,nT,w, da vedação externa = 25 db Ok, para a condição mínima das áreas I e II Exemplo 2: Rw da esquadria Janela de correr 02 folhas com persiana integrada = 27dB; Rw da parede com bloco cerâmico de 14cm = 42 db; Rw do sistema - parede + JC 02 fls (1200x1200)mm = 35dB; Provável D 2m,nT,w, da vedação externa = 30 db Ok, para a condição mínima das áreas I, II e III

35 Proposta de revisão ABNT NBR Ensaio de campo Tabela 17 Valores mínimos da diferença padronizada de nível ponderada, D 2m,nT,w, da vedação externa Classe de ruído Habitação localizada distante de fontes de ruído intenso de quaisquer naturezas Habitação localizada em áreas sujeitas a situações de ruído não se enquadráveis nas classes I e III Habitação sujeita a ruído intenso de meios de transporte e de outras naturezas, desde que esteja de acordo com a legislação D 2m,nT,w [db]

36 ISOLAMENTO ACÚSTICO DE FACHADAS

37 ISOLAMENTO ACÚSTICO DE FACHADAS Conclusões preliminares: 1. A isolação acústica da parede/ alvenaria deve ser > 40 db. 2. Para atender o critério de fachada de D2m,nT,w 25 db, uma esquadria deve ter índice de redução sonora ponderado (Rw+Ctr) 20 db. A esquadria que atende a NBR para a região Sul, por exemplo, já tem boa vedação e provavelmente atende a este desempenho acústico.

38 PROPOSTA ABNT NBR Tabela 1 Níveis de desempenho das esquadrias Ensaio Desempenho D C B A Índice de redução sonora ponderado R w (db) R w < < R w < < R w < 30 R w > 30 Texto que entrará em consulta nacional no segundo semestre de 2013.

39 PROPOSTA ABNT NBR

40 ISOLAMENTO ACÚSTICO DE FACHADAS (2º ciclo de ensaios) Concremat (SP) Material Tipologia Vidro [mm] R w C tr R e = (R w +C tr ) (esquadria) D 2m,nT,w (fachada) Aço padronizado* Maxim-ar Aço padronizado* JVC 03 fls Aço padronizado* JVC 06 fls Aço padronizado* JC 04 fls Aço padronizado* JVC 06 fls Alumínio padronizado* JC 02 fls Alumínio padronizado* JVC 03 fls Alumínio padronizado* JC 02 fls Alumínio padronizado * JC 02 fls Alumínio padronizado* JC 02 fls Alumínio padronizado * Maxim-ar Alumínio padronizado* JC 02 fls * Janelas compradas em lojas de materiais de construção, linhas menos resistentes, geralmente 16.

41 ISOLAMENTO ACÚSTICO DE FACHADAS Material Tipologia Vidro [mm] R w C tr R e = (R w +C tr ) (esquadria) D 2m,nT,w (fachada) Alumínio sistema JC 02 fls Alumínio sistema JC 02 fls Alumínio sistema JVC 03 fls Alumínio sistema JC 02 fls integrada Alumínio sistema JC 02 fls integrada Alumínio sistema Porta correr 02 fls 10 laminado Al sistema especial Porta correr 02 fls 10 laminado Janelas fabricantes com sistemas já aprovados na norma de esquadrias ABNT NBR 10821, de sistemistas como Alcoa, Hydro e Belmetal, linha 25.

42 PROPOSTA ABNT NBR º CICLO DE ENSAIOS (Atenuasom/ Modal) ENSAIOS REALIZADOS EM JANELAS DE CORRER, EM NOVEMBRO 2012

43 PROPOSTA ABNT NBR RESULTADOS DE ACÚSTICA COMPATÍVEIS COM A ABNT NBR PARA ATENDIMENTO AO ISOLAMENTO ACÚSTICO NA CLASSIFICAÇÃO A, OS RESULTADOS DE DESEMPENHO DEVEM SER: PERMEABILIDADE AO AR: SUPERIOR ESTANQUEIDADE À ÁGUA: SEM PI ENTRE 280 a 300 Pa

44 PROPOSTA ABNT NBR PLANILHA DE SIMULAÇÃO DO ISOLAMENTO ACÚSTICO

45 PROPOSTA PARA ABNT NBR MODELO DE ETIQUETA DE CONFORTO TÉRMICO

46 PROPOSTA PARA ABNT NBR APLICAÇÃO DA ETIQUETA DE CONFORTO TÉRMICO EXEMPLO 01 Planilha em excell desenvolvida por consultor da ABIVIDRO

47 PROPOSTA PARA ABNT NBR APLICAÇÃO DA ETIQUETA DE CONFORTO TÉRMICO EXEMPLO 2 Planilha em excell desenvolvida por consultor da ABIVIDRO

48 ESQUADRIAS COM QUALIDADE QUE ATENDEM A ABNT NBR SUGESTÃO PARA SAIR DAS ESQUADRIAS POUCO EFICIENTES Desenvolver melhorias na vedação das esquadrias de correr e divulgar novas tipologias: Janela de correr integrada; Janela maxim-ar; Esquadrias de movimentos compostos.

49 Figura 11 : Esquadria de correr com giro LADO INTERNO Folhas de correr que ao fechar comprimem o marco inferior deixando sem peso nas roldanas VISTA INTERNA Esquadrias de movimentos compostos, conforme ABNT NBR VISTA INTERNA Figura 13 : Esq ua d ria gira e ou tomba ESQUADRIAS COM QUALIDADE QUE ATENDEM A ABNT NBR LADO INTERNO Folhas alinhadas quando fechadas VISTA INTERNA Folhas de correr que ao fechar pressionam perimetralmen VISTA INTERNA FIXO FIXO FIGURA 14 : Equadria de correr paralela e ou tomba FIGURA 15 : Esquadria de correr Contact Figura 12 : Esquadria alç ante FIXO FIXO LADO INTERNO LADO INTERNO LADO INTERNO Esquadria paralela e de tombar Esquadria alçante Esquadria de abrir e de tombar LADO INTERNO Esquadria de correr com compressão transversal ao plano de movimentação

50 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações É preciso especificar corretamente as esquadrias, em função do desempenho desejado PASSOS PARA A ESPECIFICAÇÃO DAS ESQUADRIAS QUALIFICAÇÃO DO PRODUTO/FORNECEDOR (PSQ ESQUADRIAS) DESEMPENHO POR OCUPAÇÃO E USO (TIPOLOGIA ADEQUADA AO AMBIENTE) DIMENSÕES DOS VÃOS (LARGURA E ALTURA DA ESQUADRIA) LOCAL DE INSTALAÇÃO (REGIÃO DO PAÍS E ALTURA DA EDIFICAÇÃO) DESEMPENHO DESEJADO (MÍNIMO, INTERMEDIÁRIO OU SUPERIOR) REQUISITOS ADICIONAIS (ACÚSTICO E TÉRMICO) PADRÃO ESTÉTICO (TRATAMENTO DE SUPERFÍCIE, FORMA DOS PERFIS)

51 ABNT NBR Esquadrias externas para edificações O QUE DEVE SER SOLICITADO AO FABRICANTE? QUALIFICAÇÃO DO PRODUTO/FORNECEDOR ANÁLISE ESTRUTURAL EM FUNÇÃO DA REGIÃO DO PAÍS E ALTURA DA EDIFICAÇÃO ANÁLISE DE PROJETO COM ENSAIOS PROCEDÊNCIA DA MATÉRIA-PRIMA, PERFIS E COMPONENTES PERFEITA FABRICAÇÃO PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO ADEQUADA, COM FISCALIZAÇÃO PROCEDIMENTO PARA LIMPEZA E MANUTENÇÃO

52 ABNT NBR Instalação e manutenção INSTALAÇÃO ADEQUADA CHUMBADA NA ALVENARIA COM CONTRAMARCO VÃO ACABADO

53 Esquadrias, especificação e instalação CUIDADOS NO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO PREVER LOCAIS ADEQUADOS PARA ARMAZENAR OS MATERIAIS Esquadrias armazenadas em local e de forma inadequada

54 Esquadrias, especificação e instalação CUIDADOS NO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO As esquadrias devem ser estocadas protegidas da ação do sol e da chuva, sobre estrados fora do contato com o chão. ARMAZENAMENTO CORRETO: Na horizontal deve ser estocado em pilhas horizontais de 10 a 15 peças no máximo, com as esquadrias afastadas do chão, com proteção para evitar contato de fechos, dobradiças e fechaduras com os esquadros.

55 Esquadrias, especificação e instalação CUIDADOS NO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO ARMAZENAMENTO CORRETO: Na vertical, apoio total, ângulo de 15º em relação a vertical, afastados do chão, sem sobre empilhamento, com proteção para evitar contato de fechos, dobradiças e fechaduras com os esquadros.

56 Esquadrias, especificação e instalação INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS As esquadrias DEVEM entrar na obra no estágio de acabamento!!!

57 Esquadrias, especificação e instalação INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS Vão de alvenaria gabaritado Gabarito posicionado de maneira inadequada no vão Gabarito com a dimensão correta do vão que receberá a esquadria

58 Esquadrias, especificação e instalação INSTALAÇÃO DAS ESQUADRIAS

59 ABNT NBR DURABILIDADE E MANUTENIBILIDADE

60 ABNT NBR VIDA ÚTIL DE PROJETO (VUP)

61 Esquadrias, especificação e instalação MANUTENÇÃO DAS ESQUADRIAS (Manual AFEAL a ser revisado - completado) LIMPEZA A limpeza das esquadrias deve ser feita com uma solução de água e detergente neutro, a 5%, com auxílio de esponja ou pano macios, nos seguintes intervalos: -No mínimo, a cada 12 meses em zona urbana ou rural; -No mínimo, a cada 3 meses em zona marítima ou industrial Os trilhos de janelas e portas de correr devem ser constantemente limpos, para se evitar o acúmulo de poeira, que podem se transformar em crostas de difícil remoção comprometendo as roldanas. Não deve ser realizada lubrificação nos componentes das esquadrias.

62 Esquadrias, especificação e instalação MANUTENÇÃO DAS ESQUADRIAS LIMPEZA

63 Esquadrias, especificação e instalação QUAIS OS RISCOS PARA QUE A ESQUADRIA NÃO TENHA UMA VUP DE 20/ 40 ANOS? Estes itens devem ter manutenção preventiva ou devem ser substituídos SUGESTÕES Elaborar tabela com a VUP de cada componente/ parte da esquadria; Descrever em nosso Manual o Plano de Manutenção adequada, inclusive alertando o síndico de que ele deve solicitar uma revisão/ inspeção na esquadria, após por exemplo 10 anos.

64 PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO RELATÓRIO SETORIAL - TABELA DE QUALIFICAÇÃO Documento atualizado a cada três meses disponível para consulta nos sites: Última atualização, Relatório setorial n o 48, JUNHO de 2014

65 INFORMAÇÕES TÉCNICAS DISPONÍVEIS NO SITE DA AFEAL

66 OBRIGADA PELA ATENÇÃO!!! QUALQUER DÚVIDA ESTAMOS A DISPOSIÇÃO!!! CONTATO: Cel: Tel:

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos

O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias. Aspectos técnicos e jurídicos O impacto da ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho sobre Esquadrias Aspectos técnicos e jurídicos Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

Esquadrias para Edificações. Como atender a norma de desempenho das edificações ABNT NBR 15575-4

Esquadrias para Edificações. Como atender a norma de desempenho das edificações ABNT NBR 15575-4 Esquadrias para Edificações Como atender a norma de desempenho das edificações ABNT NBR 15575-4 Enga. Fabiola Rago Beltrame AFEAL - Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio ABNT NBR

Leia mais

Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Subsistemas construtivos e componentes caracterizados por ensaios e avaliações segundo os requisitos da norma de desempenho ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO

Leia mais

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013

ESQUADRIAS EXTERNAS. NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 ABNT NBR 10821 Esquadrias externas para edificações ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821 Projetos finalizados encaminhados para consulta nacional da ABNT em maio 2013 Parte 4 Requisitos de desempenhos

Leia mais

Esquadrias Externas para Edificações ABNT NBR 10821, sua revisão e a Norma de desempenho

Esquadrias Externas para Edificações ABNT NBR 10821, sua revisão e a Norma de desempenho Esquadrias Externas para Edificações ABNT NBR 10821, sua revisão e a Norma de desempenho Eng a. Fabiola Rago Beltrame ESQUADRIAS EXTERNAS PARA EDIFICAÇÕES NBR 10821:2011 Parte 1 Terminologia Parte 2 Classificação

Leia mais

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias

Aplicação das normas ABNT NBR Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR Esquadrias Aplicação das normas ABNT NBR 15575 Edificações habitacionais Desempenho e ABNT NBR 10821 - Esquadrias Enga. Fabiola Rago Beltrame Coordenadora da CEE-191 (ABNT) Esquadrias Diretora do IBELQ Instituto

Leia mais

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575

ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS. Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 ISOLAMENTO ACÚSTICO DAS VEDAÇÕES VERTICAIS EXTERNAS Como escolher a esquadria da sua obra e atender a NBR 15.575 Em julho de 2013 entrou definitivamente em vigor a NBR 15.575, a norma de desempenho de

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS HISTÓRICO DO PSQ-Esquadrias de Alumínio - ABR/2001: AFEAL implementa o Programa Setorial da Qualidade (PSQ) de Esquadrias de Alumínio. O referido programa está inserido no Programa

Leia mais

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho.

COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110. ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 173110 ABNT NBR 15575:2013: edificações habitacionais, desempenho. André Azevedo Palestra apresentado na 10.Convenção Nordeste de Cerâmica Vermelha, Teresina, PI, 2015.. A série

Leia mais

PSQ AL FT 09/15. Entidade Setorial Nacional Mantenedora. Entidade Gestora Técnica

PSQ AL FT 09/15. Entidade Setorial Nacional Mantenedora. Entidade Gestora Técnica Página 1 de 26 - Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Rua Dr. Elias Chaves, 122 Campos Elíseos São Paulo SP cep 01205-010 Telefone: (0XX11)

Leia mais

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS

PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES PARA CONSTRUÇÃO CIVIL FABRICADOS COM PERFIS DE PVC SETORIAL JANELAS AFAP-PVC: TESIS: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS FABRICANTES DE PERFIS DE PVC PARA CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA DE SISTEMAS EM ENGENHARIA REFERÊNCIA: PGQ 2 - F - PGQ-2 PROGRAMA DE GARANTIA DA QUALIDADE DE COMPONENTES

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS

QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS QUALIFICAÇÃO DE PRODUTOS HISTÓRICO DO PSQ-Esquadrias de Aço - NOV/1996 :O Programa da Qualidade da Construção Habitacional do Estado de São Paulo (QUALIHAB), implantado pela CDHU, estimulou a criação do

Leia mais

VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575

VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575 VIABILIDADE DA IMPLEMENTAÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO NBR15575 M. Engº Jorge Batlouni Neto Set/2010 NBR 15575 Edifícios habitacionais até cinco pavimentos Desempenho. Parte 1: Requisitos gerais; Parte 2:

Leia mais

ENVIDRAÇAMENTO COM TECNOLOGIA

ENVIDRAÇAMENTO COM TECNOLOGIA BBA Sistemas de Envidraçamento Ltda ENVIDRAÇAMENTO COM TECNOLOGIA MANUAL PRÁTICO DE USO, CONSERVAÇÃO E LIMPEZA DO SISTEMA REIKI 2013 Apresentação Este manual de uso e limpeza foi elaborado com o objetivo

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014

A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO 2014 A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA TARJAB NA ADOÇÃO DA NORMA DE DESEMPENHO OUTUBRO Apresentação dos trabalhos Porque devemos atender à Norma de Desempenho? O Contexto da normalização no Brasil A experiência

Leia mais

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação

NBR 15575. Requisitos. a) Segurança 1. Desempenho estrutural 2. Segurança contra incêndio 3. Segurança no uso e operação NBR 15575 Requisitos b) Habitabilidade 1. Estanqueidade 2. Desempenho térmico 3. Desempenho acústico 4. Desempenho lumínico 5. Saúde, higiene e qualidade do ar 6. Funcionalidade e acessibilidade 7. Conforto

Leia mais

ESQUADRIAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESQUADRIAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II ESQUADRIA Elemento da Vedação Vertical utilizado no fechamento de aberturas

Leia mais

bloco de vidro ficha técnica do produto

bloco de vidro ficha técnica do produto 01 Descrição: votomassa é uma argamassa leve de excelente trabalhabilidade e aderência, formulada especialmente para assentamento e rejuntamento de s. 02 Classificação técnica: ANTES 205 Bloco votomassa

Leia mais

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO

ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO ABNT NBR 14718 GUARDA-CORPOS PARA EDIFICAÇÃO Válida a partir de: 28.02.2008 Esta Norma fixa as condições mínimas de resistência e segurança exigíveis para guarda-corpos de edificações para uso privativo

Leia mais

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas

1. FERRAMENTAS. Elevação e Marcação. Trenas de 5m e 30m. Nível a laser ou Nível alemão. Pág.4 1. Ferramentas ÍNDICE: 1. Ferramentas 2. Equipamentos de Proteção Individual - EPI 3. Serviços Preliminares 4. Marcação da Alvenaria 5. Instalação dos Escantilhões 6. Nivelamento das Fiadas 7. Instalação dos gabaritos

Leia mais

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall.

ANEXO 01. Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. ANEXO 01 Sala MEV DW DW B B Figura 1 - Planta da área a ser trabalhada. DW indica os locais a serem trabalhados com drywall. 1 Figura 2 Detalhes das portas em drywall. A porta P11, destinada a acesso à

Leia mais

Soluções Recomendadas

Soluções Recomendadas Cement Wood Board Soluções Recomendadas Fachadas Fichas de Aplicação Fachadas Ventiladas Sistema de s Fachadas Aplicação: Exterior Estrutura de suporte: Madeira ou metal Fixação: s de cabeça externa Espessura:

Leia mais

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL

Sumário. Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento de argamassa. Subsistema vedação vertical EM ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Universidade de Pernambuco Escola Politécnica de Pernambuco TR Tecnologia dos Revestimentos Aulas 01 e 02 Subsistema vedação vertical Revestimentos Revestimento

Leia mais

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio

A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio A Importância dos Projetos de Sistemas de Proteções Coletivas Engº José Carlos de Arruda Sampaio Ciclo de Vida do Empreendimento: Todos os empreendimentos tem um ciclo de vida - têm um início, um crescimento

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001

Ficha Técnica de Produto Argamassa Biomassa Código: AB001 1. Descrição: A é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos em sistemas de vedação vertical. O principal

Leia mais

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO

ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO ABNT NBR 15.575 NORMA DE DESEMPENHO O que é uma Norma Técnica? O que é uma Norma Técnica? Documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso repetitivo,

Leia mais

ecoprodutos Universidade do Minho Guimarães, 2 de Dezembro de 2013 Francisco Pereira Branco

ecoprodutos Universidade do Minho Guimarães, 2 de Dezembro de 2013 Francisco Pereira Branco ecoprodutos Universidade do Minho Guimarães, 2 de Dezembro de 2013 Francisco Pereira Branco Quanto estamos a projectar um edifício, seja de raiz ou reabilitação, o que procuramos numa caixilharia? Quando

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES NT-920 SUPORTE PARA SORO HASTE E GUIA INOX - BASE ALUMÍNIO C/ RODÍZIOS NOTA! ESTE SUPORTE PARA SORO É DESTINADO AO USO MÉDICO HOSPITALAR. Página 1 de 10 INTRODUÇÃO PARABÉNS! Você acaba

Leia mais

Assentar pisos e azulejos em áreas internas.

Assentar pisos e azulejos em áreas internas. CAMPO DE APLICAÇÃO Direto sobre alvenaria de blocos bem acabados, contrapiso ou emboço desempenado e seco, isento de graxa, poeira e areia solta, para não comprometer a aderência do produto. Indicado apenas

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

Qualidade Aprovada. Centro Tecnológico de Controle de Qualidade Falcão Bauer ABNT NBR 16259

Qualidade Aprovada. Centro Tecnológico de Controle de Qualidade Falcão Bauer ABNT NBR 16259 Qualidade Aprovada Centro Tecnológico de Controle de Qualidade Falcão Bauer ABNT NBR 16259 Lançamento da BBa, único e inovador, o Reiki UP chega ao mercado com força total, oferecendo um produto diferenciado,

Leia mais

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções.

Esquadrias Metálicas Ltda. Manual de instruções. Manual de instruções. PORTA DE ABRIR A Atimaky utiliza, na fabricação das janelas, aço galvanizado adquirido diretamente da Usina com tratamento de superfície de ultima geração nanotecnologia (Oxsilan)

Leia mais

UM ÚNICO SISTEMA. INFINITAS POSSIBILIDADES.

UM ÚNICO SISTEMA. INFINITAS POSSIBILIDADES. Catálogo Técnico UM ÚNICO SISTEMA. INFINITAS POSSIBILIDADES. O peitoril suporta altas cargas de esforço de acordo com a nova NBR 14718:2008. O perfil do parapeito tem forma arredondada para evitar apoio

Leia mais

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

FICHA TÉCNICA DO PRODUTO FICHA TÉCNICA DO PRODUTO TOPECA, Lda Rua do Mosqueiro 2490 115 Cercal Ourém PORTUGAL Tel.: 00 351 249 580 070 Fax.: 00 351 249 580 079 geral@ topeca. pt www.topeca.pt topeca glass block argamassa para

Leia mais

kit imperband standard

kit imperband standard Ficha técnica kit imperband standard O kit imperband standard é um sistema de impermeabilização de interiores formado por um ralo de ABS termossoldado a uma membrana impermeável de 150 x 225 cm. Especialmente

Leia mais

1 Desempenho térmico

1 Desempenho térmico Desempenho térmico 1 2 Desempenho térmico A norma NBR 15575 não trata de condicionamento artificial. Todos os critérios de desempenho foram estabelecidos com base em condições naturais de insolação, ventilação

Leia mais

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas

Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em alturas SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE COORDENAÇÃO DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL SUBGERÊNCIA DA VIGILÂNCIA EM SAÚDE DO TRABALHADOR Requisitos Técnicos para o trabalho seguro em

Leia mais

O Vidro Isolante para a Tranquilidade e o Conforto VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A.

O Vidro Isolante para a Tranquilidade e o Conforto VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. O Vidro Isolante para a Tranquilidade e o Conforto Isolamento acústico e poupança de energia com o vidro cria propriedades de isolamento acústico e térmico para uma melhor qualidade de vida. combina as

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13

APRESENTAÇÃO SG - V02-04/13 APRESENTAÇÃO ÍNDICE GERAL 1 TIPOLOGIAS PÁG. TI-01 a TI-03 2 NORMAS PÁG. NR-01 a NR-08 3 ENSAIOS PÁG. EN-01 a EN-03 4 PERFIS PÁG. PE-01 a PE-15 5 COMPONENTES PÁG. CO-01 a CO-23 6 DETALHES CONSTRUTIVOS PÁG.

Leia mais

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA EXECUÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA EXECUÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA CONDIÇÕES DE INÍCIO Vigas baldrames impermeabilizadas e niveladas,

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3

ESCORAMENTO ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 ESCORAMENTO PÁGINA 1/16 MOS 4ª Edição ESPECIFICAÇÕES MÓDULO 05 VERSÃO 00 DATA jun/2012 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 3 0501 ESCORAMENTO DE MADEIRA... 3 0502

Leia mais

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação

8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5. Inter-relação entre os requisitos acústicos e as exigências de conforto higrotérmico e ventilação 8.5.1. Introdução O conforto higrotérmico tem motivado o desenvolvimento de tecnologias passivas com

Leia mais

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015

1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 FABRICANTES, LOJISTAS, CONSTRUTORAS E CONSUMIDORES 1º ENCONTRO NACIONAL DO PSQ ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO 2015 PSQ Esquadrias de Alumínio 2015 Alberto

Leia mais

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL

LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL LINHAS ESPECIAIS CONSTRUÇÃO CIVIL 01 Sumário 04 Esquadrias Master Inova Extrema Gold IV Única 08 Fachadas Soluta Citta Due ACM 12 Proteção & Estilo Brises Guarda-corpo Grades e Gradis Portão Vidro Temperado

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras MEMORIAL DESCRITIVO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Departamento de Projetos e Obras PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ MEMORIAL DESCRITIVO FORNECIMENTO E EXECUÇÃO

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções A Esquadrias Galon, com o objetivo de oferecer aos seus clientes os melhores produtos e preservar pela sua qualidade, orienta para que sejam observadas as instruções abaixo: 1 - O

Leia mais

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS

DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS DER/PR ES-OA 05/05 OBRAS DE ARTE ESPECIAIS: FÔRMAS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

23/05/2014. Professor

23/05/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Civil Disciplina: Construção Civil I Alvenarias Área de Construção Civil Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Elementos

Leia mais

MAR DE ITAPUÃ Padrões Esquadrias/Gradis OBRA: MAR DE ITAPUÃ SALVADOR-BA DATA: SET/15 VERSÃO: R00

MAR DE ITAPUÃ Padrões Esquadrias/Gradis OBRA: MAR DE ITAPUÃ SALVADOR-BA DATA: SET/15 VERSÃO: R00 MAR DE ITAPUÃ Padrões Esquadrias/Gradis OBRA: MAR DE ITAPUÃ SALVADOR-BA DATA: SET/15 VERSÃO: R00 FECHAMENTO VARANDAS FECHAMENTO VARANDAS 1- MODELO DEFINIDO COMO SUGESTÃO PARA FECHAMENTO COM VIDRO PARA

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012.

Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 658, de 17 de dezembro de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12

Apostila Técnica de Estantes 01 de 12 01 de 12 ESTANTES METÁLICAS - Componentes Cantoneiras Perfuradas: Tipo N3, produzidas em aço estrutural de média resistência. As cantoneiras podem ser fornecidas em comprimentos múltiplos de 40 mm. 35

Leia mais

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo.

N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO. Estudo Comparativo. N.14 Abril 2003 PAREDES DIVISÓRIAS PAINEIS PRÉFABRICADOS DE ALVENARIA DE TIJOLO REVESTIDA A GESSO Estudo Comparativo Mafalda Ramalho EDIÇÃO: Construlink, SA Tagus Park, - Edifício Eastecníca 2780-920 Porto

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SOPRADORES TIPO ROOTS DOSITEC SÉRIE Cutes - CR Parabéns por adquirir sopradores roots Dositec, série Cutes - CR, os quais são o resultado de avançado projeto

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação

Certificado Energético Edifício de Habitação Válido até 22/07/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada TRAVESSA DOS GALINHEIROS, 17, 2ºDIR Localidade GANDRA PRD Freguesia GANDRA Concelho PAREDES GPS 41.186242, -8.449825 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas

Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas Maio 2011 Recife Fabio Villas Bôas 1 FULL SERVICE - INCORPORAÇÃO / CONSTRUÇÃO / VENDAS 34 ANOS DE MERCADO; 1851 COLABORADORES PRÓPRIOS; 6415 COLABORADORES TERCEIROS; MAIS DE 2,7 MILHÃO DE M 2 LANÇADOS

Leia mais

ESQUADRIAS Resumo da aula

ESQUADRIAS Resumo da aula ESQUADRIAS Resumo da aula Os vãos têm como funções a vedação e a comunicação dos ambientes internos e externos do edifício. Ambos necessitam de obras e serviços, executadas com materiais, segundo determinadas

Leia mais

NBR 15575 NORMA DE DESEMPENHO

NBR 15575 NORMA DE DESEMPENHO NBR 5575 NORMA DE DESEMPENHO As avaliações dos quesitos exigidos pela Norma de Desempenho (NBR 5575) foi conduzida no âmbito do PSQ (Programa Setorial de Qualidade Drywall). O objetivo desse programa é

Leia mais

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES

LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Contribuição técnica nº 23 LIGHT STEEL FRAMING COMO ALTERNATIVA PARA A CONSTRUÇÃO DE MORADIAS POPULARES Autores: ALEXANDRE KOKKE SANTIAGO MAÍRA NEVES RODRIGUES MÁRCIO SEQUEIRA DE OLIVEIRA 1 CONSTRUMETAL

Leia mais

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda.

Associação Brasileira do Drywall. TESIS Tecnologia e Qualidade de Sistemas em Engenharia Ltda. Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Brasileira do Drywall Rua Julio Diniz, 56 cj. 41 V. Olímpia CEP 04547-090 São Paulo SP Tel./Fax: (11) 3842-2433 http://www.drywall.org.br Entidade Gestora

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE

ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE. Professora ROSELI VALLE ENGENHARIA CIVIL 5º SEMESTRE Professora ROSELI VALLE MARINGÁ 2015 Denomina-se CONCRETO ARMADO à associação do aço ao concreto para que haja melhor resistência em determinados tipos de esforços. Fatores

Leia mais

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES

ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ANEXO II CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ARQUIVOS DESLIZANTES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À EDIFICAÇÃO DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PARANÁ, LOCALIZADA

Leia mais

AFEAL - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FABRICANTES DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO RELATÓRIO SETORIAL

AFEAL - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FABRICANTES DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO RELATÓRIO SETORIAL AFEAL - ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FABRICANTES DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO RELATÓRIO SETORIAL PERÍODO: JANEIRO A DEZEMBRO DE 2007 1. HISTÓRICO Em abril

Leia mais

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria.

Art. 1 Aprovar e colocar em vigor a NORMA TÉCNICA N 03/2015-CBMDF, na forma do anexo a presente Portaria. Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF PORTARIA N 09, DE 20 DE MARÇO DE 2015. Aprova a Norma Técnica N 03/2015- CBMDF - Sistema de Proteção por Extintores de Incêndio. O COMANDANTE-GERAL

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA

MANUAL DE INSTALAÇÃO INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA INFORMAÇÕES PARA INSTALAÇÃO DA SUA PLACA FORMATO PADRÃO: 1,2 m x 0,8 (largura x altura) 3 LAYOUTS DIFERENTES: 1 para 5º e 9º ano juntos 1 para 5º ano somente 1 para 9º ano somente LAYOUTS OPÇÕES DE MATERIAIS

Leia mais

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS

COMPONENTES PARA ANDAIMES PROFISSIONAIS Bastidores das Torres Rolantes Disponíveis em 2 larguras (0,75 e 1,35 m) de 4 degraus (1 m) e 7 degraus (2 m) Os degraus possuem uma superfície estriada antideslizante e a distância entre degraus é de

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis

Wood Frame CONCEITO. O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis CONCEITO O Wood-Frame é um sistema composta por perfis de madeira que em conjunto com placas estruturais formam painéis estruturais capazes de resistir às cargas verticais (telhados e pavimentos), perpendiculares

Leia mais

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO

DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DESEMPENHO ACÚSTICO - RUÍDO AÉREO DETERMINAÇÃO DO ISOLAMENTO SONORO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES EM LABORATÓRIO itt PERFORMANCE UNISINOS Av. Unisinos, 9 Cristo Rei, São Leopoldo APRESENTAÇÃO Único instituto da

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 Manual de Operação 1 Termo de Garantia A Midea do Brasil, garante este produto contra defeito de fabricação pelo prazo de um ano a contar da data da emissão da nota fiscal de compra para o consumidor final.

Leia mais

Ciclone. fig. B. fig. A. fig. C. Conteúdo. Legenda. Descrição do equipamento. Apresentação. Instalação. Fecha - mais sucção. Abre - menos sucção

Ciclone. fig. B. fig. A. fig. C. Conteúdo. Legenda. Descrição do equipamento. Apresentação. Instalação. Fecha - mais sucção. Abre - menos sucção Ciclone 4 3 5 2 1 8 6 7 fig. B Abre - menos sucção Fecha - mais sucção fig. A Conteúdo Apresentação... 01 Legenda... 01 Descrição do equipamento... 01 Instalação... 01 Procedimentos antes da utilização/

Leia mais

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I ALVENARIA E OUTROS SISTEMAS DE VEDAÇÃO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I SISTEMAS DE VEDAÇÃO VERTICAL SISTEMA DE VEDAÇÃO Um subsistema

Leia mais

Fachada A.080. 04/15 A.080 - Fachadas - Pag.1

Fachada A.080. 04/15 A.080 - Fachadas - Pag.1 Fachada A.080 04/15 A.080 - Fachadas - Pag.1 EXTRUSAL A.080 É COMPOSTO POR SEIS OPÇÕES DISTINTAS. SISTEMA DE FACHADA A.080 SOLUÇÃO HÉLIOS Solução integrada para envidraçados e controlo solar. Vidros e

Leia mais

WEIKU do Brasil Com mais de 25 anos de experiência, desde 1990 e originalmente sediada na Alemanha, a WEIKU inaugurou sua fábrica de esquadrias na cidade de Weißenfels (weiku.de). Somos parceiros do grupo

Leia mais

Para a consulta atualizada deste manual, acesse o site www.nardelli.com.br/downloads

Para a consulta atualizada deste manual, acesse o site www.nardelli.com.br/downloads 1 Parabéns Obrigado por adquirir uma coifa de ilha Fogatti, esperamos que este produto satisfaça a sua necessidade. Por favor, leia todas as instruções atentamente para obter os melhores resultados da

Leia mais

MEMORIAL DE CÁLCULO E MATERIAIS PROJETO DE ACÚSTICA ARQUITETÔNICA TCE/AC ARQ. DAVID QUEIROZ DE SANT ANA CREA PR-82206/D

MEMORIAL DE CÁLCULO E MATERIAIS PROJETO DE ACÚSTICA ARQUITETÔNICA TCE/AC ARQ. DAVID QUEIROZ DE SANT ANA CREA PR-82206/D MEMORIAL DE CÁLCULO E MATERIAIS PROJETO DE ACÚSTICA ARQUITETÔNICA TCE/AC ARQ. DAVID QUEIROZ DE SANT ANA CREA PR-82206/D CURITIBA 2012 1. INTRODUÇÃO Este memorial de cálculo e materiais foi elaborado para

Leia mais

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA

NPT 015 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 8 18 ASPECTOS DE SEGURANÇA DO PROJETO DE SISTEMA DE CONTROLE DE FUMAÇA Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 015 Controle de fumaça Parte 8 Aspectos de segurança CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 6 páginas SUMÁRIO 18 Aspectos de segurança

Leia mais

Guarda-corpo. São aplicados em locais de uso privativo e coletivo, em edificações

Guarda-corpo. São aplicados em locais de uso privativo e coletivo, em edificações MATERIAL OPÇÕES Veja abaixo os tipos de caixilhos GUARDA-CORPO JANELAS PADRONIZADAS FACADAS-CORTINA FACADAS COM PLACAS DE ROCA FACADAS COM PLACAS CERÂMICAS FIXADAS COM INSERTES METÁLICOS CECKLIST Itens

Leia mais

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria

PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR. Automotiva Indústria PERFIL DE JUNÇÃO REHAU VEDAR, UNIR, DESTACAR www.rehau.com.br Construção Automotiva Indústria DESIGN PARA MÓVEIS DA REHAU: SOLUÇÕES INOVADORAS DE SISTEMAS NO MESMO LOCAL A REHAU se estabeleceu como a principal

Leia mais

Fachadas Fichas de Aplicação

Fachadas Fichas de Aplicação Fichas de Aplicação Ventiladas - Sistema de s Ventiladas - Viroclin Ventiladas - Virocnail Ventiladas - Sistema Misto Consulte o Dossier Técnico Viroc disponível em www.viroc.pt, na página de Downloads.

Leia mais

DEPOSITOS HORIZONTAIS / VERTICAIS

DEPOSITOS HORIZONTAIS / VERTICAIS DEPOSITOS HORIZONTAIS / VERTICAIS 1. INTRODUÇÃO A família de produtos Ecoágua foi criada com o objectivo de responder às carências existentes, ao nível de armazenamento de líquidos diversos. Os depósitos

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE

MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA ARQUIVO DESLIZANTE ESPECIFICAÇÕES DE MOBILIÁRIO DE INFORMÁTICA E ARQUIVOS DESLIZANTES DESTINADOS À AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL,

Leia mais

APRESENTAÇÃO FA - V02-05/13. Belmetal SP - GDP

APRESENTAÇÃO FA - V02-05/13. Belmetal SP - GDP APRESENTAÇÃO Ousadia. Este é o resultado estético da utilização do sistema, que ao criar um aspecto clean acrescenta modernidade à sua obra. Com versões ``pele de vidro e structural glazing, o sistema

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL

PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL PROCEDIMENTOS PARA EXECUÇÃO DE REVESTIMENTO INTERNO COM PROGESSO PROJETÁVEL DESCRIÇÃO DO MÉTODO DE EXECUÇÃO: 1. Condições para o início dos serviços A alvenaria deve estar concluída e verificada. As superfícies

Leia mais

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P

EXAUSTOR MUNTERS MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P MANUAL DE INSTALAÇÃO EXAUSTOR MUNTERS REV.00-11/2012-MI0047P 0 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 IMPORTANTE... 3 SEGURANÇA... 3 CUIDADOS AO RECEBER O EQUIPAMENTO... 4 1) Instalação dos exaustores... 5 2) Instalação

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

Projetar para o Desempenho: Premissa básica da nova Norma da Construção Habitacional Brasileira

Projetar para o Desempenho: Premissa básica da nova Norma da Construção Habitacional Brasileira Projetar para o Desempenho: Premissa básica da nova Norma da Construção Habitacional Brasileira Enga. Inês L. S. Battagin Superintendente do ABNT/CB18 Diretora Técnica do IBRACON Projetar a edificação

Leia mais

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL TÉCNICO 13 de março de 2008 FNDE ProInfância INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO MEMORIAL TÉCNICO Memória Descritiva e Justificativa

Leia mais

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações

Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Seminário: Interface com Outros Subsistemas Dicas e recomendações Carlos Chaves LOG Gestão de Obras O Sistema Paredes de concreto moldadas no local Um sistema racionalizado. Racionalização: Simplificação

Leia mais

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são:

Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Forma - é o conjunto de componentes provisórios cujas funções principais são: Molde: dar forma ao concreto; Conter o concreto fresco e sustentá-lo até que atinja resistência mecânica necessária; Proporcionar

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos:

3.1. Esta especificação faz referência aos seguintes documentos: 1/7 1. OBJETIVO: 1.1. Esta Especificação Técnica tem por objetivo definir as características e estabelecer os critérios para a fabricação e aceitação do Sistema para Cabeamento Interno Aparente em Ambiente

Leia mais

Apresentação. Conceito

Apresentação. Conceito Apresentação Apresentamos um novo conceito de Mercado para a Distribuição e Venda Direta de Produtos e Serviços para o Setor da Construção Civil; Com Ênfase em atender principalmente, construtoras, lojas

Leia mais