REGULAMENTO INTERNO CRECHE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO INTERNO CRECHE"

Transcrição

1 REGULAMENTO INTERNO CRECHE Abril 2014

2 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração a Doutrina Social da Igreja, o Centro Social Paroquial de S. Pedro e de S. João do Estoril procura estar atento às necessidades mais prementes das pessoas da sua área geográfica, no sentido de promover respostas sociais diversificadas com qualidade profissional criando simultaneamente uma comunidade de serviço entre trabalhadores profissionais e voluntários, dando testemunho da caridade da Igreja de S. Pedro e S. João do Estoril. Artigo 2º Caraterização e Localização O Centro Social Paroquial de S. Pedro e de S. João do Estoril, adiante designado por CSPSPSJE, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com sede na Praceta Padre João Cabeçadas, nº 60 S. João do Estoril, Estoril. A Resposta Social Creche funciona no edifício da Creche S. Pedro sito na Praceta de S. Pedro e S. João, nº 91, S. João do Estoril, Estoril. Artigo 3º Âmbito de Aplicação A Resposta Social Creche, tem Acordo de Cooperação celebrado com o Centro Distrital de Segurança Social de Lisboa, em 14 de Outubro de 2008, destina-se a crianças dos quatro meses aos três anos de idade. A Resposta Social Creche funciona na Praceta S. Pedro e S. João, S. João do Estoril, nº 91, S. João do Estoril, Estoril. Artigo 4º Legislação Aplicável e Enquadramento Legal A Resposta Social Creche pertencente ao CSPSPSJE rege-se pelo estipulado no Modelo de Regulamento das Comparticipações dos Clientes e seus Familiares pela Utilização de Serviços e Equipamentos Sociais das Instituições Particulares de Solidariedade Social, transmitido pela Circular de Orientação Técnica nº 3 de Os princípios legislativos pelos quais se rege a actividade da Resposta Social Creche são: 1. Portaria 262/2011, de 31 de Agosto, alterado pela Portaria 411/2012 de 14 de Dezembro. 2. Despacho Normativo nº75/92, de 20 de Maio. 3. Protocolo de Cooperação entre o Ministério da Segurança Social e do Trabalho e Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade. 4. Lei nº67/98, de 26 de Outubro. Artigo 5º Objetivos Gerais O CSPSPSJE visa: 1. Dar resposta adequada às carências que eventualmente se verifiquem entre os habitantes da Paróquia, mediante ações de assistência, promoção ou desenvolvimento, segundo as circunstâncias, conforme os Estatutos do CSPSPSJE de

3 Direção 26/03/ / Colaborar com as famílias no desenvolvimento físico, intelectual, social e moral das crianças, sempre num projeto e ambiente de Educação Cristã, sendo fundamental a presença e intervenção direta das Religiosas do Instituto das Irmãs da Misericórdia de Verona. 3. Assegurar a divulgação e o cumprimento das regras de funcionamento da Resposta Social Creche, prestadora de serviços. Capitulo II Calendarização e Horários Artigo 6º Horários A Resposta Social Creche funciona de segunda a sexta-feira das 7.30h às 18.00h. Artigo 7º Calendarização 1. O ano letivo tem início no primeiro dia útil de Setembro. 2. A Resposta Social Creche funciona todos os dias, exceto: a) Sábados, Domingos e feriados b) Quinta-Feira Santa c) Feriado Municipal de 13 de Junho d) De 15 a 31 de Agosto e) 24 de Dezembro f) Outro(s) a definir anualmente no Manual de Acolhimento do Cliente. Capítulo III Processo de Admissão Artigo 8º Condições Gerais A Resposta Social Creche tem capacidade para 66 crianças. Artigo 9º Candidatura Para efeitos de admissão, os Clientes deverão candidatar-se através do preenchimento de uma Ficha de Candidatura que constitui parte integrante do processo individual do Cliente. Artigo 10º Condições de Admissão 1. São condições de admissão: a) Clientes que tenham frequentado a Instituição em ano transato b) Existência de irmãos na Instituição c) 10 crianças encaminhadas pelos Serviços de Segurança Social, ao abrigo do Acordo de Cooperação para a Resposta Social Creche d) 3 crianças ao abrigo da Protocolo Plataforma para a Qualificação das Creches, Crescer Melhor em Cascais com a Câmara Municipal de Cascais e) Crianças cujos pais sejam funcionários da Instituição f) Crianças em situação de risco g) Famílias em situação de carência económica

4 Direção 26/03/ / 14 h) Agregado familiar composto só por um adulto i) Encarregado de Educação que trabalhe na área de S. Pedro e de S. João do Estoril. 2. É fundamental a concordância do Encarregado de Educação com os princípios, os valores e as normas regulamentares da Instituição e aceitação do Contrato de Prestação de Serviços. Artigo 11º Admissão 1. A admissão das crianças é da responsabilidade da Direção da Instituição, sendo os processos de admissão orientados pela Diretora Técnica da Resposta Social e respetivos serviços administrativos. 2. O processo de admissão tem início em mês a definir anualmente e decorre com base na seguinte forma:. Informação sobre o número de vagas existentes. Candidatura. Análise e hierarquização dos candidatos. Informação ao Cliente da admissão. Inscrição. Renovação da Inscrição. 3. Poderá haver admissões durante o ano letivo, sempre que haja vagas. Artigo 12º Processo de Admissão 1. Cada admissão deverá ser precedida por uma candidatura. 2. A data de admissão é acordada entre a Instituição e o Encarregado de Educação. O incumprimento por parte deste será considerado como uma desistência. 3. As renovações das admissões decorrerão em data a definir anualmente e serão feitas pelo Encarregado de Educação da criança. 4. A Instituição deverá informar o Encarregado de Educação sobre a mensalidade estabelecida. Artigo 13º Documentos a Apresentar 1. No ato da admissão, deverão ser apresentados os seguintes documentos: 1.1 Referentes à criança: a) Assento de nascimento ou documento de identificação b) Número de Identificação Fiscal c) Boletim de vacinas atualizado d) Boletim de Saúde e) Cartão de Utente do Serviço Nacional de Saúde f) Número de Identificação da Segurança Social (NISS) g) Documento de Regulação do Poder Paternal (caso exista) h) Sendo baptizada, a data e a Igreja. 1.2 Referentes ao Agregado Familiar: a) I.R.S. referente ao ano anterior em documento autenticado pelo Serviço de Finanças, ou Declaração do I.R.S. entregue via Internet b) O valor da renda de casa ou de prestação mensal devida pela aquisição de habitação própria, emitido pela respetiva entidade bancária

5 Direção 26/03/ / 14 c) Os encargos médios mensais com transportes públicos d) As despesas com aquisição de medicamentos de uso continuado em caso de doença crónica, devidamente acompanhadas de declaração médica atestando a existência de doença(s) crónica(s), bem como informação do(s) medicamento(s) de uso continuado, aplicáveis ao(s) caso(s) concreto(s). 2. A falta de entrega dos documentos necessários para o cálculo do rendimento per capita implica o pagamento da mensalidade máxima. Artigo 14º Custo da Inscrição 1. O custo da inscrição corresponde a 50% da mensalidade. 2. O não pagamento da inscrição no ato da mesma, leva à anulação da admissão da criança. 3. Em caso de desistência/anulação da inscrição e/ou da frequência, não haverá lugar à devolução do valor previamente pago pelo Encarregado de Educação. Capítulo IV Comparticipação Familiar Artigo 15º Cálculo da Mensalidade 1. A mensalidade será estabelecida por escalões de acordo com o rendimento per capita de cada família. 2. A comparticipação familiar mensal a determinar para cada criança é calculada em função do estudo da situação económica do agregado familiar, com base nas Orientações Técnicas da Direção Geral de Ação Social. Escalões Remuneração Mínima Mensal 485,00 1º Até 30% da RMM Até 145,50 35% 2º De 30% a 50% da RMM De 145,50 a 242,50 40% 3º De 50% a 70% da RMM De 242,51 a 339,50 46% 4º De 70% a 100% da RMM De 339,51 a 485,00 50% 5º De 100% a 150% da RMM De 485,01 a 727,50 52% 6º Mais de 150% da RMM Mais de 727,51 56% O cálculo do rendimento per capita do agregado familiar é realizado de acordo com a seguinte fórmula: R = RF D N

6 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 6/ 14 Sendo: R = Rendimento per capita RF = Rendimento mensal ilíquido do agregado D = Despesas fixas N = Número de elementos do agregado familiar 3. Consideram-se despesas fixas do agregado familiar: 3.1 O valor das taxas e impostos mensais necessários à formação do rendimento líquido, designadamente do imposto sobre o rendimento e da taxa social única 3.2 O valor real da renda de casa ou da prestação mensal devida pela aquisição de habitação própria 3.3 Os encargos médios mensais com transportes públicos 3.4 As despesas com aquisição de medicamentos de uso continuado, em caso de doença crónica. 4. Quando o somatório das despesas dos pontos 3.2 a 3.4 for inferior a 12 vezes a remuneração mínima mensal, é deduzido o valor real apresentado pelas famílias. 5. Quando o somatório das despesas dos pontos 3.2 a 3.4 for superior a 12 vezes a remuneração mínima mensal, a Instituição pode deduzir o valor real apresentado pelas famílias ou estabelecer um limite que nunca poderá ser inferior a 12 vezes a remuneração mínima mensal. 6. As despesas indicadas nos números 3.2 a 3.4 serão adicionadas à despesa fixa mensal referida no número A mensalidade máxima é atualizada para cada ano letivo. 8. Um ano letivo na Resposta Social Creche corresponde a 12 meses, cujas mensalidades serão liquidadas de Setembro a Julho. 8.1 O valor do mês de Agosto corresponde a 75% da mensalidade e o seu pagamento é efetuado em 11 prestações, cada uma acrescida às referidas mensalidades; 8.2 Caso haja frequência no mês de Agosto, conforme previsto no Capítulo V, a mensalidade base é acrescida de 12,5%, a pagar no mês de Maio. 9. O pagamento das mensalidades deverá ser efetuado até ao dia 08 do mês a que correspondem, das 08.30h às 13.00h e das 14.00h às 18.00h nos Serviços Administrativos da Instituição. 10. O não cumprimento desta norma, implica a suspensão da criança na frequência da Resposta Social Creche a partir do 1º dia útil do mês seguinte ao incumprimento, sem prejuízo da exigibilidade das correspondentes comparticipações familiares devidas até à data da eventual denúncia do contrato de prestação de serviços. 11. A continuação da frequência na Instituição dependerá da decisão tomada pela Direção, que será imediatamente comunicada ao Encarregado de Educação. 12. As comparticipações familiares, em regra, são objeto de revisão anual, devendo ser efetuadas no início do ano letivo. 13. A Instituição poderá reduzir o valor ou suspender o pagamento das comparticipações familiares, sempre que, através de uma cuidada análise socioeconómica do agregado familiar, se conclua pela sua especial onerosidade e se verifique a possibilidade de protelamento de pagamento para data oportuna, mediante acordo/compromisso escrito e assinado por ambas as partes contratantes.

7 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 7/ 14 Artigo 16º Reduções 1. Haverá redução de 20% na mensalidade no caso da frequência de irmão, exceto para o primeiro filho admitido. 2. Haverá redução de 25% na mensalidade quando o período de ausência, devidamente justificado por escrito à Direção, exceda os 15 dias consecutivos, iniciando-se a contagem do prazo no primeiro dia útil à tomada de conhecimento por parte da Instituição da respetiva ausência. Capitulo V Mês de Agosto Artigo 17º Frequência Mês de Agosto 1. A Resposta Social Creche prolonga o seu funcionamento durante a primeira quinzena do mês. 2. O referido no número anterior refere-se apenas às crianças em que ambos os Encarregados de Educação trabalhem nesse período. 3. A inscrição será validada por uma declaração da entidade patronal dos Encarregados de Educação em como trabalham nesse período. 4. A inscrição para a frequência no mês de Agosto é feita desde o início do ano letivo até 31 de Março. 5. A comparticipação familiar prevista no Capitulo IV, Artigo 15º, ponto 8.2, não será devolvida caso haja desistência. 6. Caso não se verifique o número suficiente de inscrições a Direção da Instituição reserva-se o direito de não colocar em funcionamento esta Resposta Social, no período em questão. Capitulo VI Presenças Artigo 18º Registo de Presenças A Educadora responsável da sala dispõe de uma ficha de registo de presenças da criança. Artigo 19º Ausências 1. Deve o Encarregado de Educação comunicar diretamente aos responsáveis da sala, mesmo que seja pelo telefone, até às 9.30h do próprio dia a ausência da criança, caso não seja possível avisar com outra antecedência. 2. A ausência, por período de tempo (consecutivo) igual ou superior a um mês, sem que tenha sido comunicado por escrito à Instituição, tem como consequência a anulação da inscrição, com a abertura de vaga a outra criança, sem prejuízo da exigibilidade das correspondentes comparticipações familiares devidas até à data da denúncia do contrato de prestação de serviços.

8 Direção 26/03/ / 14 Capítulo VII Serviços Artigo 20º Refeições 1. A Instituição fornecerá almoço e lanche, conforme ementas que serão mensalmente afixadas. 2. Os bebés que se encontrem ainda em regime de aleitamento especial deverão trazer o respetivo leite, acompanhado das instruções relativas ao preparo. 3. A Instituição terá em conta as situações justificadas por declaração médica, da necessidade de dieta especial, desde que o aviso seja entregue até às 9.30h do dia de início de dieta. 4. O almoço será servido diariamente às 11.00h e o lanche às 15.00h. Artigo 21º Higiene e Vestuário 1. O material necessário para a higiene e conforto da criança nomeadamente lençóis, cobertores, babetes e a respetiva manutenção é da responsabilidade da Instituição e os seus custos estão incluídos na mensalidade. 2. As crianças devem ter sempre na Resposta Social Creche uma muda de roupa identificada, fraldas e toalhetes suficientes para uso diário devidamente entregues pelo Encarregado de Educação. 3. As crianças que ainda usam chucha deverão trazê-la numa embalagem identificada. Artigo 22º Cuidados de Saúde 1. Não poderão ser aceites na Instituição quaisquer crianças que estejam com febre ou apresentem sintomas de doença. Se durante a sua permanência na Instituição, a criança apresentar sintomas de doença, o Encarregado de Educação será contatado de imediato e deve comparecer na Instituição o mais rápido possível. 2. Em caso de acidente ou doença súbita e tendo em atenção a gravidade do caso, a Instituição assegura os cuidados imediatos à criança, recorrendo, se necessário, a um Centro de Enfermagem ou ao Centro Hospitalar de Cascais. 3. Sempre que a criança falte mais de 3 dias por motivo de doença, deverá ser apresentado um atestado de alta médica, quando esta regressar à Instituição, nos casos de doença infetocontagiosa. 4. Qualquer medicamento que seja necessário administrar à criança deverá apresentar-se devidamente acondicionado, identificado e acompanhado da prescrição médica. 5. Para os casos de doenças crónicas e/ou alérgicas, deverá ser entregue uma informação escrita da situação indicando que medidas se devem tomar em caso de urgência. Artigo 23º Seguro de Acidentes Pessoais As crianças estão abrangidas por um seguro escolar durante o período de frequência na Resposta Social Creche.

9 Direção 26/03/ / 14 Artigo 24º Segurança 1. Para maior segurança das crianças, a saída com pessoas não identificadas no processo de admissão, só é permitida mediante autorização escrita ou contacto pessoal do Encarregado de Educação, ao responsável da sala. 2. Só será permitida a saída das crianças com jovens menores de 16 anos em situações a decidir em cada caso(s) concreto(s) e desde que previamente solicitados, mediante a assinatura de um termo de responsabilidade pelo Encarregado de Educação. Capítulo VIII Relação da Instituição com as Famílias Artigo 25º Atendimento aos Pais 1. As Educadoras recebem o Encarregado de Educação sempre que necessário, devendo proceder-se à marcação prévia, junto da Educadora responsável, com o mínimo de 24 horas de antecedência. 2. Poderá ainda o Encarregado de Educação contar com a disponibilidade da Diretora Técnica para atendimento, desde que viável. Artigo 26º Participação da Família na Instituição Os aniversários das crianças podem ser comemorados na Instituição com os colegas de sala, sendo possível a presença e participação do Encarregado de Educação, se solicitado previamente e com a antecedência mínima de 24 horas. Capítulo IX Recursos Humanos e Instalações Artigo 27º Recursos Humanos 1. Constituem a Direção da Instituição a Presidente, o Vice-Presidente, a Secretária, o Tesoureiro e estatutariamente integra como Vogal um elemento das Religiosas do Instituto das Irmãs da Misericórdia de Verona. 2. A orientação pedagógica está a cargo de uma Educadora de Infância. 3. Os recursos humanos afectos à Resposta Social Creche são: a) 1 Técnica Superior de Serviço Social b) 1 Enfermeira c) 2 Educadoras d) 8 Ajudantes de Ação Educativa e) 1 Auxiliar de Serviços Gerais. 4. O quadro de pessoal da Resposta Social Creche encontra-se afixado no espaço da Receção do próprio edifício.

10 Direção 26/03/ / 14 Artigo 28º Instalações A Instituição dispõe na Resposta Social Creche de: 1 Espaço de Receção; 1 Berçário; 1 Sala de Parque; 1 Copa de Leites; 1 Sala de Mudas; 3 Salas de Atividades; 1 Cozinha/Copa/Despensa; 1 Refeitório; 1 Gabinete Técnico; 1 Sala de Reuniões; 1 Sala de Isolamento (em caso de doença súbita); Instalações Sanitárias; 1 Parque Infantil/Jardim. Todos os espaços acima referidos estão apetrechados com equipamento e material apropriado para a idade das crianças. Capítulo X Direitos e Deveres Artigo 29º Direitos dos Clientes e Encarregado de Educação São direitos dos Clientes e Encarregado de Educação: 1. Ver respeitada a sua intimidade e privacidade nomeadamente no que concerne ao fornecimento de dados e informação de qualquer natureza de caráter pessoal. Não se encontra abrangido nesta disposição o acesso de tais dados com efeitos meramente informativos a entidades com as quais a Instituição mantém acordos de cooperação, protocolos, parcerias, e no cumprimento de ordens judiciais. 2. Possuir um exemplar do contrato de prestação de serviços assinado. 3. Conhecer todas as alterações na prestação dos serviços. 4. Reclamar verbalmente ou por escrito. Artigo 30º Deveres dos Clientes e Encarregado de Educação São deveres dos Clientes e Encarregado de Educação: 1. Cumprir com o Regulamento Interno para assegurar o bom funcionamento da Resposta Social Creche. 2. Colaborar com a Instituição prestando todas as informações necessárias sobre o desenvolvimento e/ou alterações diretamente relacionadas com o contexto familiar. 3. Participar em todas as reuniões para que sejam convocados. 4. Respeitar e tratar qualquer dirigente, colaborador e voluntário com urbanidade. 5. Tratar com zelo as instalações e equipamentos ao seu dispor. 6. Cumprir com as regras de higiene e normas de segurança da Instituição.

11 Elaborado por: Aprovado por: Direção Artigo 31º Direitos da Instituição Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 11/ 14 São direitos da Instituição: 1. Ver cumprido o Regulamento Interno da Resposta Social Creche pelos Clientes e Encarregado de Educação. 2. Proceder à averiguação dos elementos necessários à comprovação e veracidade das declarações prestadas pelo Encarregado de Educação, sempre que a Instituição considere necessário. 3. Serem tratados com dignidade os dirigentes, colaboradores e voluntários da Instituição. 4. Ver respeitado o seu património. 5. A Instituição reserva-se o direito de não permitir a entrada das crianças após as 09.30h. Artigo 32º Deveres da Instituição São deveres da Instituição: 1. Celebrar um Contrato de Prestação de Serviços com o Encarregado de Educação, feito em duplicado, sendo um exemplar para cada um dos outorgantes. 2. Garantir o bom funcionamento da Resposta Social Creche, de forma a assegurar o bem-estar e o adequado atendimento dos Clientes. 3. Manter uma estrutura de recursos humanos qualitativa e quantitativamente adequada ao normal desenvolvimento das atividades e serviços. 4. Aplicar as instruções emanadas pelo Ministério da Economia e do Emprego e pelo Ministério da Solidariedade e da Segurança Social, em matéria de recursos humanos e ainda no que respeita à comparticipação dos Clientes pela utilização da Resposta Social Creche. 5. Guardar sigilo dos dados pessoais fornecidos pelos Clientes ou seus representantes, salvo quando solicitados, por entidades com as quais a Instituição mantém Acordos de Cooperação, Protocolos, Parcerias e no cumprimento de ordens judiciais. Artigo 33º Direitos do Trabalhador São direitos do Trabalhador: 1. Ter conhecimento do Regulamento Interno da Resposta Social, normas de funcionamento, deliberações da Direção e demais informação para o bom desempenho da atividade. 2. Ser tratado com respeito e urbanidade pelos Representantes legais e Clientes da Instituição, superiores hierárquicos e demais pessoas que estejam ou entrem em relação com a Instituição. 3. Receber formação profissional e humana de âmbito geral e especifico para as funções que desempenha, se verificado como necessário pela Instituição. 4. Ter autonomia técnica para o exercício da atividade no caso de profissões vinculadas a regulamentação ou deontologia profissional. Artigo 34º Deveres do Trabalhador São deveres do Trabalhador: 1. Cumprir as normas do presente Regulamento Interno e outras deliberações da Direção.

12 Direção 26/03/ / Tratar com urbanidade os Clientes da Instituição, representantes legais, superiores hierárquicos e demais pessoas que estejam ou entrem em relação com a Instituição. 3. Estar devidamente identificado com o nome e a categoria profissional. 4. Executar todas as tarefas com zelo e dedicação. 5. Zelar pela preservação e uso adequado das instalações bem como dos bens dos Clientes e da Instituição. Informar o(s) superior(es) hierárquico(s) sobre os aspetos relevantes para o bemestar dos Clientes e a qualidade dos serviços prestados. 6. Guardar lealdade à Instituição, designadamente não divulgando informações relativas às mesmas e/ou aos Clientes e familiares destes. 7. Colaborar na obtenção de maior produtividade e qualidade dos serviços e da Resposta Social, bem como na promoção humana e desenvolvimento social de todas as pessoas envolvidas na atividade da Instituição. 8. Frequentar ações de formação profissional propostas pela Instituição. Capitulo XI Disposições Finais Artigo35º Contrato de Prestação de Serviços No ato de admissão é celebrado, por escrito, um Contrato de Prestação de Serviços entre a Instituição e o Encarregado de Educação. Artigo 36º Denúncia do Contrato de Prestação de Serviços É admitida a denúncia do contrato de prestação de serviços por desistência da frequência do Cliente na Resposta Social Creche ou por outro motivo a ele imputável. Deve tal facto ser comunicado com trinta dias de antecedência e por escrito à Direção da Instituição, apresentando o motivo da mesma, sem prejuízo da exigibilidade das correspondentes comparticipações familiares devidas até à data da denúncia do contrato de prestação de serviços. Artigo 37º Livro de Reclamações Nos termos da legislação em vigor, a Instituição possui Livro de Reclamações, o qual poderá ser solicitado no Serviço Administrativo da Instituição. Artigo 38º Aspetos de Ordem Geral 1. A Instituição não se responsabiliza pela perda ou danos de objetos pessoais, assim como de quaisquer valores que as crianças tragam consigo, ainda que autorizados pelo Encarregado de Educação. 2. Em caso de eventuais lacunas no presente Regulamento, as mesmas serão supridas pela Direção da Instituição, tendo em conta a Legislação e Normativos em vigor. 3. A Instituição arroga-se o direito de alertar a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens de Cascais sempre que sejam detetadas situações de negligência ou maus-tratos nas crianças. 4. Este regulamento entra em vigor a 01 de Abril de 2014 e revoga o anterior regulamento de 1 de Abril de 2013.

13 Direção 26/03/ / Os assuntos sujeitos a atualização anual serão apresentados no Manual de Acolhimento do Cliente, disponível para consulta na receção da Instituição. S. João do Estoril, 01 de Abril de A Presidente da Direção Dr.ª Ana Rente

14 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 14/ 14 Centro Social Paroquial de S. Pedro e S. João do Estoril Edifício Sede Praceta Padre João Cabeçadas, nº 60 S. João do Estoril Estoril Telefone: Fax: Creche de S. Pedro Praceta S. Pedro e S. João, nº 91 S. João do Estoril Estoril Telefone: Fax:

REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO JARDIM DE INFÂNCIA Abril 2014 Elaborado por: Aprovado por: Direção Data de elaboração: 26/03/2014 Edição: 01 Pág.: 2/ 14 Capítulo I Natureza e Missão Artigo 1º Missão Tendo como inspiração

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIARIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social e Polivalente de Ourentã, (C.S.P.O.) designado por Instituição

Leia mais

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CENTRO SOCIAL E CULTURAL DE CUSTÓIAS REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I Artigo 1º 1.A resposta Social de Apoio Domiciliário, doravante designado por S.A.D., está situado nas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. NORMA I Âmbito de Aplicação REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro de Estimulação Precoce da designado por CEP, com acordo de cooperação para a resposta social de Creche

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE CENTRO DE CONVÍVIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS (Natureza) Art.º - 1º - O Centro de Infância, Velhice e Acção Social da Senhora da Hora (CIVAS) é uma Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13

Regulamento Interno da CRECHE 2012/13 REGULAMENTO INTERNO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 2012/13 RESPOSTA SOCIAL CRECHE Capítulo I - Disposições Gerais Norma I Âmbito de Aplicação O Centro Social da Paróquia de N.ª S.ª da Conceição da Abóboda,

Leia mais

Regulamento do Apoio à Infância

Regulamento do Apoio à Infância Regulamento do Apoio à Infância No âmbito da responsabilidade social os Serviços de Ação Social da Universidade de Lisboa (SASULisboa), em complemento dos sistemas públicos de ação social asseguram, como

Leia mais

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS

Rev.2015 REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO. Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS Rev.2015 Associação de Solidariedade Social de Crestuma IPSS REGULAMENTO INTERNO APOIO DOMICILIÁRIO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO Associação de Solidariedade Social de Crestuma Capítulo

Leia mais

Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º

Âmbito. Objetivos. Inscrições. Artigo 1º. Artigo 2º. Artigo 3º Artigo 1º Âmbito 1. O CASPAE, IPSS, Coimbra é uma Instituição Particular de Solidariedade Social que tem por missão cumprir o dever moral de solidariedade e de justiça dos indivíduos, promovendo respostas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO

REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO REGULAMENTO INTERNO -SAD- CENTRO DE SANTO ANTÓNIO ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 1. ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 2. LEGISLAÇÃO APLICÁVEL... 3 3. VISÃO E MISSÃO... 3 4. CONCEITO... 3 5. CAPACIDADE...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt

REGULAMENTO INTERNO. Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt REGULAMENTO INTERNO Av. Costa Pinto, nº 440 2750-329 Cascais Tel: 21 482 15 21 Email: achupeta@sapo.pt OBJECTIVOS DA CHUPETA "Proporcionar o atendimento individualizado da criança num clima de segurança

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL

REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL REGULAMENTO INTERNO K CRECHE K PRÉ-ESCOLAR K 1º CICLO DE ENSINO BÁSICO K ATL O Centro Social Paroquial de São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social ou simplesmente Centro, é uma Instituição

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013

REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 REGULAMENTO INTERNO 2012-2013 2 1. Admissão e lotação 1.1. O colégio admite crianças com idades entre os 4 meses e os 6 anos. 1.2. A lotação da creche (dos 4 meses aos 3 anos) é de 56 crianças distribuídas

Leia mais

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga

ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA AAPPO IIO I DDOMI IICCI IILLI ÁÁRRI IIO São Vítor - Braga SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGA REGULAMENTO INTERNO DO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação O Centro Social de S. Miguel de Arcozelo, Associação de Solidariedade Social, é uma Instituição

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE

ANEXO I REGULAMENTO DA CRECHE ANEXO I Norma I Âmbito de aplicação 1. O presente Regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da Creche integrada no Centro Social Paroquial de Carnide. 2. A Creche destina-se a crianças

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO»

REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» REGULAMENTO INTERNO «SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO» JULHO 2015 ÍNDICE ÍNDICE... 2 CAPÍTULO I... 3 Disposições Gerais... 3 Artigo 1º (Definição Legal)... 3 Artigo 2º (Objectivos do Lar de Sant ana - Matosinhos)...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE MAIS SAÚDE

REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE MAIS SAÚDE REGULAMENTO DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE SAÚDE MAIS SAÚDE PREÂMBULO No intuito de dar coerência às políticas sociais desenvolvidas no Concelho de S. Pedro do Sul, a Câmara Municipal

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015

REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 REGULAMENTO INTERNO BOSCH SUMMER CAMPUS VERÃO 2015 CAPITULO I NATUREZA, FINS E OBJETIVOS A empresa de consultoria e assessoria de eventos PORMENOR MÁGICO, com sede em Guimarães juntamente com a empresa

Leia mais

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização

LAR JACINTO FALEIRO. Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I. Capítulo I Natureza e Objectivos. Artigo 1º Caracterização e Localização LAR JACINTO FALEIRO Regulamento da Estrutura Residencial Para Idosos Pólo I Capítulo I Natureza e Objectivos Artigo 1º Caracterização e Localização A ERPI, Jacinto Faleiro, Instituição Particular de Solidariedade

Leia mais

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família

Norma IV Funcionamento da Componente de Apoio à Família Norma I Enquadramento Institucional A ABLA é uma IPSS e ONGD de inspiração cristã evangélica criada em 1984 por beneméritos alemães. A Associação dispõe de múltiplas respostas sociais para todas as gerações

Leia mais

NORMAS MUNICIPAIS APLICÁVEIS À AÇÃO SOCIAL ESCOLAR E ATIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA

NORMAS MUNICIPAIS APLICÁVEIS À AÇÃO SOCIAL ESCOLAR E ATIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA NORMAS MUNICIPAIS APLICÁVEIS À AÇÃO SOCIAL ESCOLAR E ATIVIDADES DE APOIO À FAMÍLIA CAPÍTULO I SECÇÃO ÚNICA DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente Normativo estabelece as regras de funcionamento

Leia mais

Normas de participação

Normas de participação Natal na desportiva Programa de ocupação de tempos livres Normas de participação I. Apresentação e objetivos 1. Entidade promotora e organizadora - município de Loures 1 a) O Programa de ocupação de tempos

Leia mais

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO -

- NORMAS DE FUNCIONAMENTO - - NORMAS DE FUNCIONAMENTO - O Colégio Laranja e Meia destina-se a receber crianças dos 3 meses aos 6 anos. Horário - Abertura : 8.30 horas - Encerramento : 19 horas As actividades pedagógicas decorrem

Leia mais

Regulamento da Creche da Assembleia da República

Regulamento da Creche da Assembleia da República Regulamento da Creche da Assembleia da República Despacho n.º 855/2005, de 23 de novembro de 2004 publicado no Diário da República, II Série, n.º 9, de 13 de janeiro de 2005 com as alterações introduzidas

Leia mais

ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 93.º/E

ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 93.º/E ATIVIDADES DE ANIMAÇÃO E APOIO À FAMÍLIA (AAAF) CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 93.º/E Âmbito O presente Título destina-se a regular o funcionamento dos serviços de atividades de animação e apoio

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão)

Regulamento Interno. Artigo 1º (Missão) Regulamento Interno O presente regulamento aplica-se a todos os Cursos de formação concebidos, organizados e desenvolvidos pelo Nucaminho - Núcleo dos Camionistas do Minho, com o objetivo de promover o

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

Regulamento Interno da Creche

Regulamento Interno da Creche Regulamento Interno da Creche Capitulo I Disposições gerais Artigo 1º (âmbito de aplicação) 1. O presente regulamento visa definir as regras de organização e funcionamento da creche integrada no Externato

Leia mais

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha

Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DA FREGUESIA DE CUNHA INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL Associação de Pais e Amigos da Freguesia de Cunha Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS)

Leia mais

PROGRAMA CULTURA SOCIAL PROJETO FÉRIAS DESPORTIVAS 2016 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO

PROGRAMA CULTURA SOCIAL PROJETO FÉRIAS DESPORTIVAS 2016 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO PROGRAMA CULTURA SOCIAL PROJETO FÉRIAS DESPORTIVAS 2016 NORMAS DE PARTICIPAÇÃO I - PROMOÇÃO Este projeto encontra-se inserido no Programa Cultura Social, programa de Voluntariado e Ocupação de Tempos Livres

Leia mais

-------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente,

-------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente, -------------- PREÂMBULO-------------------------------------------------------------------------- --------------O Município de Barcelos, legalmente, tem vastas atribuições e competências, entre outras,

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Oliveira de Azeméis PREÂMBULO O voluntariado é definido como um conjunto de ações e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO CAPÍTULO I FUNCIONAMENTO 1. Natureza O presente Regulamento aplica-se ao Serviço de Apoio Domiciliário da Liga de Amigos do Hospital Garcia de Orta.

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR

REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR MUNICÍPIO DE REGULAMENTO DOS CAMPOS DE FÉRIAS ORGANIZADOS PELO MUNICÍPIO DE VILA POUCA DE AGUIAR PREÂMBULO A organização de campos

Leia mais

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima

Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios. Freguesia de Fátima Projeto de Regulamento de Concessão de Apoios Freguesia de Fátima Índice Nota justificativa... 2 Capítulo I - Disposições gerais... 2 Artigo 1.º Lei habitante... 2 Artigo 2.º Objeto... 3 Artigo 3.º Âmbito

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DO AMIAL SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO DE UTENTES CAPITULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º (Identificação) O Serviço de Apoio Domiciliário é uma resposta social

Leia mais

Câmara Municipal de Fafe

Câmara Municipal de Fafe ÍNDICE REMISSIVO. Artigo 1º - Disposições gerais. Artigo 2º - Objeto e âmbito da aplicação. Artigo 3º- Conceitos. Artigo 4º - Natureza do apoio. Artigo 5º - Condições de acesso ao Programa Ser Solidário.

Leia mais

Município de Leiria Câmara Municipal

Município de Leiria Câmara Municipal REGULAMENTO DO SERVIÇO DE COMPONENTE DE APOIO À FAMÍLIA PRÉ ESCOLAR E DO SERVIÇO DE REFEIÇÕES NO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO, DE GESTÃO DIRECTA DO MUNICÍPIO DE LEIRIA Aprovado em reunião de Câmara a 30

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Creche

Regulamento Interno da Resposta Social de Creche Data: 24 de Abril de 2014 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I ÂMBITO DE ENQUADRAMENTO DA RESPOSTA SOCIAL DE CRECHE 1. O Centro Social Paroquial de S. Domingos de Rana, designado por CSPSDR é uma Instituição

Leia mais

Capítulo 1 - Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Capítulo 1 - Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) Capítulo 1 - Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) Norma I Enquadramento Institucional A ABLA é uma IPSS e ONGD de inspiração cristã evangélica criada em 1984 por beneméritos alemães. A Associação

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE SOBRAL DE MONTE AGRAÇO Reunião de Câmara (aprovação do projecto) 01/03/2010 Edital (apreciação pública) 19/03/2010 Publicado (projecto) no DR II Série, n.º

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL Despacho n.º 1009/2012 de 20 de Julho de 2012 O Decreto Regulamentar n.º 84-A/2007, de 10 de dezembro, alterado pelos Decretos

Leia mais

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF)

Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) 1 Normas de Funcionamento das Atividades de Animação e de Apoio à Família (AAAF) nos estabelecimentos de educação pré-escolar da rede pública do concelho de Vendas Novas PREÂMBULO O Programa de Expansão

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac.

JUNTA DE FREGUESIA DO CACÉM Rua Nova do Zambujal, n.º 9 2735-302 AGUALVA-CACÉM Telefone 219129380 Fax 219129389 jfcacem@mail.telepac. REGULAMENTO INTERNO CAMPO DE FÉRIAS NÃO RESIDENCIAL CACÉM EM FÉRIAS Nota introdutória É objectivo geral da Junta de Freguesia do Cacém prover a ocupação de tempos livres de crianças e jovens durante o

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE FERREIRA DO ZÊZERE REGULAMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO PREÂMBULO A Santa Casa da Misericórdia de Ferreira do Zêzere possui acordo de cooperação para a resposta social de Serviço de Apoio Domiciliário, celebrado

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do

JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto. Regulamento do JUNTA DE FREGUESIA DE CAMPANHÃ Concelho do Porto Regulamento do Projeto de Emergência Social - P.E.S.- Aprovado na reunião do Órgão Executivo de 11 de Dezembro de 2014. Proposta a apresentar à Exmª. Assembleia

Leia mais

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002

Regulamento Interno do Voluntariado. Aprovado em 20 de Maio de 2002 Aprovado em 20 de Maio de 2002 www.faad.online.pt 1/1 CAPÍTULO I NATUREZA, FINS E DEFINIÇÃO ARTIGO 1º 1. A Fundação de Aurélio Amaro Diniz é uma Instituição Particular de Solidariedade Social registada

Leia mais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente estatuto visa regular o funcionamento e competências

Leia mais

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE CEDÊNCIA E UTILIZAÇÃO DA VIATURA DE TRANSPORTE DE PASSAGEIROS DO COMITÉ OLIMPICO DE PORTUGAL CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto 1. O Presente Regulamento estabelece as condições

Leia mais

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO

GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO GINÁSIO DA ATFCUL REGULAMENTO A Associação de Trabalhadores da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (ATFCUL) coloca ao dispor de todos os associados a partir de Fevereiro 2016 um Ginásio para

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche

REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche REGULAMENTO INTERNO do NINHO DO SOL Berçário e Creche PREÂMBULO O presente regulamento regula a organização e o modo de funcionamento do NINHO DO SOL Berçário e Creche, Lda. Este regulamento interno será

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO DE DIA MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO DE DIA MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO CENTRO DE DIA MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento ou estrutura prestadora de serviços), tem

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento ou estrutura prestadora

Leia mais

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º

Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I. Artigo 1º. Artigo 2º Regulamento Interno da Resposta Social de Lar de Idosos CAPITULO I (Natureza e Objectivos) Artigo 1º Caracterização e Localização A Associação Lageosense de Solidariedade Social (adiante designada por

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE VISEU REGULAMENTO DOS CURSOS DE ESPECIALIZAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto e âmbito O presente regulamento

Leia mais

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF)

EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR. Normas de Funcionamento. da Componente de Apoio à Família (CAF) EDUCAÇÃO PRÉ ESCOLAR Normas de Funcionamento da Componente de Apoio à Família (CAF) A educação pré-escolar destina-se a todas as crianças com idades compreendidas entre os 3 anos e a idade de ingresso

Leia mais

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO

Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO Serviços de Saúde e Bem-estar Atelier de Saúde REGULAMENTO INTERNO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO EUZINHO ATELIER DE SAÚDE ARTIGO 1º Denominação e Natureza 1. O EUzinho Atelier de Saúde é um programa

Leia mais

Regulamento Interno Creche Familiar

Regulamento Interno Creche Familiar Regulamento Interno Creche Familiar CAPITULO I O ESTABELECIMENTO Artigo 1º - Denominação e Sede A Bela Vista Centro de Educação Integrada, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, que se encontra

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres)

Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Instituição Particular de Solidariedade Social A.T.L. (Atelier de Ocupação Tempos Livres) Regulamento A. T. L. Capítulo I Âmbito de Aplicação e Objectivos Art.º 1º 1- O presente regulamento visa definir

Leia mais

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

Regulamento Interno REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO REGULAMENTO INTERNO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO IMP01.PC02/00 Valores, um desafio... REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO (SAD) O Centro Social Paroquial de São João das

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014. Série. Número 27 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 16/2014 Aprova o Regulamento do Programa Jovem

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI)

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO A Instituição Particular de Solidariedade Social designada

Leia mais

DECPC Divisão de Educação

DECPC Divisão de Educação Conforme o Regulamento Municipal para as Atividades de Animação e Apoio à Família Prolongamento de Horário, aprovado na reunião de Câmara de 16 de julho de 2014 1/9 Índice 1. Enquadramento Legal... 3 2.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) MODELO

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) MODELO REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO ESTRUTURA RESIDENCIAL PARA PESSOAS IDOSOS (ERPI) MODELO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA 1ª ÃMBITO DE APLICAÇÃO O/A.(referir a designação do estabelecimento), tem

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES

ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES 1 ARRENDAMENTO DO RESTAURANTE-BAR, NO RAMO DE ESTABELECIMENTO DE RESTAURAÇÃO, SITO NA PISCINA MUNICIPAL, RUA DR. EDMUNDO CURVELO, EM ARRONCHES CADERNO DE ENCARGOS Artigo 1.º Objeto A Câmara Municipal de

Leia mais

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4.

Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Manual do Índice 1. Introdução... 2 2. Objetivo e Âmbito do Manual do Voluntariado... 2 3. Definições... 2 3.1. Voluntariado... 2 3.2. Voluntário... 3 4. Ser Voluntário da Liga... 3 5. Reflexões prévias...

Leia mais

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação

Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC. I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação Regulamento Interno das Componentes de Apoio à Família da AJEC I. Funcionamento e Âmbito de Aplicação O presente Regulamento Interno tem por objetivo regulamentar o funcionamento do projeto Componente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO CENTRO DE REABILITAÇÃO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMA I Âmbito de Aplicação A Associação de Paralisia Cerebral de Guimarães, adiante designado por APCG, Instituição

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha

Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Normas de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Albergaria-a-Velha Preâmbulo Na perspectiva de garantir a todos os cidadãos a participação solidária em acções de voluntariado, a Lei n.º 71/98,

Leia mais

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO

PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO PISCINA MUNICIPAL AO AR LIVRE DE BOQUES PROJETO DE REGULAMENTO 2 ÍNDICE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 4 Artigo 1.º Destino e funcionamento... 4 Artigo 2.º Época de funcionamento... 5 Artigo 3.º Interrupção

Leia mais

SAD - SERVIÇO DE APOIO

SAD - SERVIÇO DE APOIO A.S.C.R.D.P.P. SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO MANUAL DE FUNÇÕES SAD - SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO 1 Os recursos humanos afetos à valência de Serviço de Apoio Domiciliário da Associação Social, C.R.D.

Leia mais

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 104/2015 de 15 de Julho de 2015 Considerando que um dos objetivos do Programa do XI Governo Regional assenta no fomento de medidas de apoio ao

Leia mais

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste

Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Projeto de Regulamento do Fundo Municipal de Emergência Social (FMES) de Nordeste Tendo por base o n.º 8 do artigo 112.º e o artigo 241.º da Constituição da República Portuguesa, o Município de Nordeste

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL SÃO JOÃO DAS LAMPAS REGULAMENTO INTERNO * * * LAR DE IDOSOS CENTRO DIA APOIO DOMICILIÁRIO O Centro Social Paroquial São João das Lampas, adiante também designado por Centro Social

Leia mais

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira

Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Regulamento do Serviço de Consulta Psicológica da Universidade da Madeira Preâmbulo No âmbito dos novos desafios, exigências e problemas que se colocam às universidades nacionais e internacionais e aos

Leia mais

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho

Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Assistência Paroquial de Santos-o-Velho Casa Nossa Senhora de Fátima Regulamento Interno APOIO DOMICILIÁRIO 2013 Regulamento Interno HISTÓRIA: Assistência Paroquial de Santos-o-Velho é uma Instituição

Leia mais

Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público

Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público Proposta Regulamento Normativo para a Concessão de Apoios a entidades e organismos que prossigam na Freguesia, fins de interesse público Junta de Freguesia de Águas LivresIncumbe ao Estado, em colaboração

Leia mais

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo

RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo RMABE-Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo Preâmbulo Os Municípios são as Autarquias Locais que têm como objectivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respectivos

Leia mais

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se:

SECRETRIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397. Assim, determina-se: I SÉRIE - N.º 48-27-11-2003 1397 Assim, determina-se: 1. A taxa a que se refere o n.º 2 da cláusula 5.ª dos anexos I, II e III do Despacho Normativo n.º 89/98, de 26 de Março bem como do Anexo I do Despacho

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objetivos de intervenção desta Instituição. Face ao atual contexto socioeconómico cujas consequências

Leia mais

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015

S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 S.R. DA SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 37/2015 de 31 de Março de 2015 O Decreto Legislativo Regional n.º 16/2008/A, de 12 de junho, que procedeu à criação da Rede de cuidados continuados

Leia mais

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais...

ÍNDICE. 1 - Disposições Gerais... 3. 2 - Ensino Básico... 4. 3 - Ensino Secundário... 4. 4 - Alunos com Necessidades Educativas Especiais... MUNICÍPIO DE VILA FRANCA DE XIRA NORMAS DE PROCEDIMENTO DE CANDIDATURA AO SUBSÍDIO DE TRANSPORTE ÍNDICE 1 - Disposições Gerais... 3 2 - Ensino Básico... 4 3 - Ensino Secundário... 4 4 - Alunos com Necessidades

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Pés no Risco

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO. Pés no Risco REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO Pés no Risco Página 2 de 10 Capítulo I - Caracterização Localização O Projeto Pés no Risco, localiza-se na Rua Afonso Albuquerque, n.º 86, 4400-003, Vila Nova de Gaia,

Leia mais

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos

Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística. Caderno de Encargos Direção Nacional Unidade Orgânica de Logística e Finanças Departamento de Logística Caderno de Encargos Caderno de Encargos Cláusula 1.ª Objeto 1. O presente caderno de encargos compreende as cláusulas

Leia mais

Creche da Fundação do Colégio de São Gonçalo de Amarante CRECHE. Regulamento Interno 2010/2011 2012/2013. Amarante

Creche da Fundação do Colégio de São Gonçalo de Amarante CRECHE. Regulamento Interno 2010/2011 2012/2013. Amarante Creche da Fundação do Colégio de São Gonçalo de Amarante CRECHE Regulamento Interno 2010/2011 2012/2013 Amarante Setembro de 2010 Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação A Instituição

Leia mais

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO

SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE AVEIRO COMPLEXO SOCIAL (MOITA - OLIVEIRINHA) Regulamento Interno SERVIÇO DE APOIO DOMICILIÁRIO Janeiro. 2004 Capítulo I Natureza e Fins - Art.º 1.º 1.º O Serviço de Apoio

Leia mais