ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO"

Transcrição

1 ESTATUTOS DA UNIÃO DISTRITAL DAS INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE AVEIRO Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, natureza e fins Artigo 1º Da denominação e sede A União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social de Aveiro, abreviadamente também designada por União de Aveiro ou pela sigla UDIPSS-AVEIRO, criada em Assembleia Geral do Secretariado Distrital de Aveiro realizada em Oliveirinha, Aveiro, em um de Dezembro de dois mil e um, tem a sua sede nesta cidade de Aveiro à Rua de S. Martinho, número dezoito, primeiro andar B e rege-se pelos presentes Estatutos. Artigo 2º Da natureza, âmbito e princípios organizativos 1. A UDIPSS-AVEIRO tem âmbito distrital, prossegue fins não lucrativos e no desenvolvimento das suas actividades rege-se por princípios de democraticidade, representatividade e de regionalização. 2. A UDIPSS-AVEIRO é a expressão organizada da cooperação entre as Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS), sedeadas no distrito de Aveiro, visando proteger o quadro de valores éticos e filosóficos que lhes é comum. Neste sentido e ainda enquanto parte integrante da União das Instituições Particulares de Solidariedade Social Confederação Nacional, procurará designadamente: a) Preservar a identidade das IPSS, particularmente no que concerne à sua preferencial acção junto das pessoas, famílias e grupos mais carenciados. b) Acautelar a respectiva autonomia, designadamente ao nível da livre escolha da organização interna e áreas de acção, bem assim como da sua liberdade de actuação. 1

2 c) Desenvolver e alargar a base de apoio da solidariedade sobretudo no que respeita à sensibilização para o voluntariado e á mobilização das comunidades para a causa da acção social. Artigo 3º Dos fins Para a prossecução destes objectivos a UDIPSS-AVEIRO propõem-se: a) Promover e coordenar acções que visem o reforço da cooperação e do intercâmbio interinstitucional, a inter-ajuda e o conhecimento recíproco das Instituições; b) Representar as IPSS, promover e assumir a defesa dos respectivos interesses; c) Organizar serviços e acções de apoio às associadas, nomeadamente aos seus voluntários e técnicos da acção social, nos domínios da formação, informação e racionalização de recursos; d) Contribuir para o reforço do papel de intervenção das Instituições junto das comunidades, bem como de quaisquer entidades públicas ou privadas. Capitulo II Das associadas Artigo 4º Da admissão 1. A UDIPSS-AVEIRO é constituída pelas instituições nela associadas. 2. Será admitida como associada qualquer instituição particular de solidariedade social que tal o solicite devendo cumulativamente reunir as seguintes condições: a) Declarar formalmente a aceitação dos princípios e regras consignadas nos presentes Estatutos; b) Gozar de independência partidária; c) Estar devidamente registada; 2

3 d) Estar sedeada na área geográfica do Distrito de Aveiro e/ou nele exercer a sua actividade social. Artigo 5º Dos direitos As associadas têm direito a participar na vida da UDIPSS-AVEIRO nos termos dos presentes Estatutos e dos seus Regulamentos, nomeadamente: a) Eleger e ser eleitas para os órgãos sociais, b) Participar nas Assembleias-gerais; c) Consultar a escrituração, livros e documentos contabilísticos. Artigo 6º Dos deveres As associadas têm os deveres e obrigações instituídos nos presentes Estatutos e seus Regulamentos, devendo em especial: a) Contribuir para a realização o escopo institucional; b) Pagar pontualmente a quota com base nos critérios estabelecidos; c) Participar de forma activa na vida da União. Artigo 7º Regime disciplinar 1. O incumprimento, por acção ou omissão, dos deveres preceituados nos presentes estatutos e seus Regulamentos constitui infracção disciplinar. 2. As infracções disciplinares são passíveis da aplicação 3

4 a) Advertência; b) Suspensão de direitos até um ano; c) Exclusão. 3. A sanção disciplinar pressupõe a prévia audição da infractora, devendo ser proporcional à gravidade do comportamento e à culpabilidade revelada, não podendo aplicar-se mais do que uma pena pela mesma infracção. 4. O exercício da acção disciplinar será objecto de Regulamento. 5. A aplicação da sanção de exclusão é da competência da Assembleia Geral. Artigo 8º Da perda de qualidade de associada 1. As associadas podem a todo o tempo retira-se da União mediante comunicação escrita dirigida à Direcção. 2. Perde ainda a qualidade de associada a instituição que não responda após ter sido interpelada, por escrito e sob registo, ao pagamento de quotização em atraso. 3. A saída de qualquer associada não lhe confere o direito a reaver as quotizações pagas sem prejuízo de serem exigíveis os montantes em divida. Capitulo III Da estrutura e órgãos distritais da União Secção I Disposições Gerais 4

5 Artigo 9º Dos órgãos sociais São órgãos sociais da UDIPSS-AVEIRO: a) A Assembleia Geral; b) A Direcção; c) O Conselho Fiscal. Artigo 10º Da eleição e mandatos 1. A Assembleia Geral elege os membros dos órgãos sociais de entre pessoas singulares, maiores e capazes, designadas pelas instituições associadas no pleno gozo dos seus direitos, nos termos destes Estatutos e seus Regulamentos. 2. A duração do mandato dos órgãos sociais é de três anos, podem os seus membros ser eleitos apenas para dois mandatos consecutivos, salvo se a Assembleia Geral, por maioria absoluta, expressamente reconhecer que é impossível ou inconveniente proceder à sua substituição. 3. O mandato inicia-se com a tomada de posse perante o Presidente da Mesa da Assembleia Geral cessante ou seu substituto. 4. O mandato dos órgãos sociais cessantes considera-se em quaisquer circunstâncias, prorrogado até à posse dos novos órgãos sociais. Artigo 11º Do funcionamento Os órgãos de administração e fiscalização da UDIPSS-AVEIRO são convocados pelos respectivos Presidentes, ou seus legais substitutos, e só podem deliberar com a presença da maioria dos seus titulares. 5

6 Artigo 12º Das condições do exercício dos cargos 1. O exercício de qualquer cargo na UDIPSS-AVEIRO é gratuito mas pode justificar o pagamento de despesas dele derivadas. 2. O volume de movimento financeiro da UDIPSS-AVEIRO e a complexidade da sua administração podem justificar o pagamento, aos órgãos sociais duma remuneração a fixar de harmonia com os critérios definidos e aprovados pela Assembleia Geral, por maioria simples. Artigo 13º Da destituição dos órgãos sociais 1. Os membros da Mesa da Assembleia Geral, da Direcção e do Conselho Fiscal podem ser a todo o tempo destituídos por deliberação de, pelo menos 2/3 das associadas presentes em Assembleia Geral; 2. Para efeitos consignados no número anterior a Assembleia Geral; reúne a solicitação de ¾ das associadas no pleno gozo dos seus direitos e só poderá funcionar com a presença de ¾ dos requerentes. Artigo 14º Do suprimento da vacatura 1. A Assembleia-Geral que destituir um ou mais órgãos directivos determinará na mesma sessão a forma de suprir a vacatura, bem como a data em que terá lugar o novo processo eleitoral; 2. Em caso de vacatura decorrente da demissão da maioria dos membros de cada órgão, a Assembleia Geral procederá ao preenchimento das vagas verificadas, no prazo máximo de um mês, salvo se estas forem ocupadas por membros suplentes 6

7 previstos nos estatutos, neste caso devem estes completar, apenas, o período do mandato em curso. 7

8 Secção II Da Assembleia Geral Artigo 15º Da constituição 1. A Assembleia Geral da UDIPSS-AVEIRO é constituída por todas as associadas no pleno gozo dos seus direitos. 2. Para efeitos de participação na Assembleia Geral cada Instituição credenciará um seu representante, sem prejuízo da faculdade de os membros dos respectivos órgãos sociais poderem assistir às sessões mas sem direito de intervenção e/ou voto. 3. Cada associada não pode aceitar poderes de representação de mais do que um sócio. 4. Nas Assembleias Eleitorais as associadas podem apenas fazer-se representar por membros dos seus órgãos sociais. Artigo 16 Da competência Assembleia Geral é o órgão soberano da UDIPSS-AVEIRO competindo-lhe em especial deliberar sobre: a) A definição das grandes linhas de orientadoras da acção da UDIPSS-AVEIRO; b) A eleição e destituição dos membros dos órgãos sociais; c) A apreciação e votação das Contas de Exploração Previsional, Orçamento de Investimento e Desinvestimentos, Plano de Acção, Relatório e Contas; d) A alteração dos presentes Estatutos, cisão, fusão, ou extinção da UDIPSS-AVEIRO; e) A aprovação da adesão a quaisquer organizações de cooperação interinstitucional nacional ou internacional; f) A fixação do montante da quota das associadas; g) Os recursos interpostos das deliberações da Direcção; h) As matérias não compreendidas nas atribuições legais ou estatutárias dos outros órgãos sociais; 8

9 i) Deliberar sobre a aquisição onerosa e a alienação a qualquer título, de bens imóveis e de outros bens patrimoniais de rendimento ou de valor histórico ou artístico; j) Autorizar a União a demandar os membros dos corpos sociais por factos praticados no exercício das suas funções; k) Fixar as remunerações dos membros dos corpos gerentes, nos termos do artigo 18º do Estatuto das IPSS. Artigo 17º Das sessões 1. A Assembleia Geral reúne em sessões ordinárias e extraordinárias; 2. São ordinárias as sessões, a realizar respectivamente em Novembro e Março de cada ano civil, para efeitos consignados na alínea c) do artigo anterior, bem como as que se reportem à eleição trienal dos órgãos sociais, sendo extraordinárias todas as restantes. 3. As sessões extraordinárias realizam-se a solicitação da Direcção, do Conselho Fiscal ou a requerimento de, pelo menos, 10% das associadas no pleno gozo dos seus direitos. Artigo 18º Da convocação e do funcionamento 1. As sessões da Assembleia-Geral são convocadas pelo Presidente da Mesa ou seu legal substituto com um mínimo de quinze dias de antecedência sobre a data da sua realização. 2. A convocatória indicará o dia, hora e local da reunião, bem como a respectiva ordem de trabalhos, e será expedida por via postal ou correio electrónico para cada uma das associadas, podendo ainda ser objecto de publicação de anúncio de imprensa. 3. A Assembleia Geral com excepção das sessões eleitorais, pode destinar um período máximo de uma hora para apresentação de sugestões e informações de interesse para os objectivos da UDIPSS-AVEIRO. 9

10 4. A Assembleia Geral, com excepção das sessões eleitorais, pode destinar um período máximo de uma hora para apresentação de sugestões e informações de interesse para os objectivos da UDIPSS-AVEIRO. 5. À excepção das situações previstas nas alíneas d), e) e k) do artigo 16º e nos artigos 27º e 28º destes Estatutos, as deliberações tomadas por maioria simples dos votos dos presentes, tendo o Presidente da Mesa voto de qualidade. 6. A situação prevista na alínea d) do artigo 16º não terá concretização, qualquer que seja a votação que se verifique a condição referida no nº 2 do artigo 28º destes Estatutos, de acordo com o Artigo 62º nº 3 do Estatuto das IPSS. Artigo 19º Da Mesa da Assembleia Geral 1. A Mesa da Assembleia Geral é constituída por um Presidente e dois Secretários; 2. Compete designadamente ao Presidente: a) Convoca e estabelece a ordem de Trabalhos da Assembleia Geral; b) Dirigir os respectivos trabalhos; c) Dar posse aos órgãos sociais; d) Assistir às reuniões de Direcção, por iniciativa sua ou a solicitação da mesma, podendo intervir mas sem direito de voto. 3. Compete aos secretários substituir o Presidente nos seus impedimentos e coadjuvalo no exercício das suas funções. 10

11 Secção III Da Direcção Artigo 20º Da constituição 1. A Direcção da UDIPSS-AVEIRO é constituída por um Presidente, também designado Presidente da União de Aveiro, um Presidente Adjunto, um Tesoureiro, um Secretário e três Vogais. 2. Sem prejuízo do disposto em norma destes Estatutos ou seus regulamentos, a Direcção definirá o conteúdo funcional âmbito e limites dos poderes dos vários cargos na primeira reunião efectuada após a respectiva eleição. 3. A deliberação a que se refere o número anterior pode a qualquer momento ser objecto de alteração. Artigo 21º Da natureza e competência 1. A Direcção é o órgão de administração e de representação da UDIPSS-AVEIRO ao qual, em particular, compete: a) Cumprir e fazer cumprir os Estatutos, regulamento, disposições legais e as deliberações validamente tomadas pelos órgãos sociais nos limites das suas competências, b) Tomar e desenvolver iniciativas que assegurem a concretização do disposto nos artigos 2º e 3º dos presentes Estatutos; c) Solicitar a convocação e propor à Assembleia Geral o que tiver por necessário ou conveniente; d) Elaborar anualmente e submeter ao parecer do órgão de fiscalização e á apreciação da Assembleia Geral os documentos a que se reporta o artigo 16º alínea c), dos presentes Estatutos; e) Administrar os recursos, organizar os serviços, contratar e agir o pessoal; f) Representar a União em juízo e fora dele; g) Celebrar convenções de trabalho. 11

12 Artigo 22º Da delegação de competências A Direcção pode delegar alguns dos seus poderes, designadamente, em qualquer dos seus membros e em profissionais qualificados ao seu serviço. Artigo 23º Das deliberações 1. As reuniões da Direcção deverão ter periodicidade mínima mensal; 2. As deliberações são tomadas por maioria dos votos, tendo o Presidente voto de qualidade; 3. A UDIPSS-AVEIRO fica obrigada com a assinatura do Presidente da Direcção ou do Presidente Adjunto, conjuntamente com a de qualquer outro membro da Direcção, sendo que em assuntos de natureza financeira este será obrigatoriamente o Tesoureiro. 4. Nos actos de mero expediente a UDIPSS-AVEIRO obriga-se pela assinatura de qualquer dos membros da Direcção. Secção IV Do Conselho Fiscal Artigo 24º Da natureza e constituição O Conselho Fiscal é o órgão de fiscalização da UDIPSS-AVEIRO e é constituído por um Presidente, dois Vogais efectivos e dois Vogais suplentes. 12

13 Artigo 25º Da competência Compete em especial ao Conselho Fiscal: a) Examinar os livros, bem como os documentos de tesouraria e da escrituração da UDIPSS-AVEIRO; b) Dar parecer sobre as Contas de Exploração Previsional, Orçamento de Investimentos e Desinvestimentos e sobre o relatório e Contas da UDIPSS- AVEIRO e ainda sobre todas as matérias que a Direcção entenda dever submeter à sua apreciação, nomeadamente doações, aquisição de móveis de valor superior a trinta mil euros; c) Solicitar a convocação da Assembleia Geral, dirigir-lhe mensagens e prestarlhe informações que decorram do exercício dos poderes que lhe estão cometidos. Capitulo IV Do Regime Financeiro Artigo 26º Das receitas da UDIPSS-AVEIRO Constituem receitas da UDIPSS-AVEIRO: a) As contribuições das associadas; b) Os subsídios, legados, donativos e doações de quaisquer entidades públicas; c) Outras receitas decorrentes de rendimentos ou actividades da União. Capitulo V Das disposições finais e transitórias 13

14 Artigo 27º Da alteração estatuária Os presentes Estatutos podem ser alterados pelo voto favorável de ¾ do numero de associadas no pleno gozo dos seus direitos presentes em Assembleia Geral expressamente convocada para esse fim. Artigo 28º Da dissolução da União 1. A UDIPSS-AVEIRO dissolve-se por deliberação de ¾ do número de todas as associadas no pleno gozo dos seus direitos em Assembleia Geral expressamente convocada para esse fim, por disposição legal ou decisão judicial. 2. Na sessão em que for votada a dissolução ou que se realize para dar execução a disposição legal ou a decisão judicial dissolutória, a Assembleia Geral nomeia os liquidatários, se for possível e necessário e decidirá sobe os bens e valores que restarem após satisfação dos compromissos e obrigações de acordo com as disposições legais aplicáveis. Artigo 29º Convocação da Assembleia Eleitoral O Presidente da Assembleia Geral, no prazo de sessenta dias a contar da aprovação da presente alteração estatutária procederá à abertura o processo eleitoral para os órgãos sociais da UDIPSS-AVEIRO, anunciando para o efeito a convocação da Assembleia Geral. Aprovados por unanimidade das instituições presentes, na Assembleia de 1 de Dezembro de 2001, realizada no Auditório da Junta de Freguesia de Oliveirinha. 14

15 Alterados em Assembleia Geral Extraordinária de 22 de Março de 2003, para a presente convenção. 15

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS CAPITULO I. Disposições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º 1 É constituída a partir desta data e por tempo indeterminado uma associação de solidariedade social que adopta a denominação Associação de Idosos de Santa

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PORTA DO MAIS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINS, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação Porta do Mais é uma Associação sem fins lucrativos e existe por

Leia mais

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.

A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS. Capítulo I. Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1. A.F.S.D. ASSOCIAÇÃO DE FAMÍLIAS SOLIDÁRIAS COM A DEFICIÊNCIA ESTATUTOS Capítulo I Denominação, sede, âmbito de acção e afins. Artigo 1.º 1. A.F.S.D. - Associação de Famílias Solidárias com a Deficiência,

Leia mais

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins

ESTATUTOS. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Âmbito de Acção e Fins Artigo 1º A Associação Grãos de Gente Creche e Jardim-de-Infância do Campus da Quinta do Marquês é uma instituição particular de solidariedade social

Leia mais

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins)

ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) ESTATUTOS DA LIGA PARA O ESTUDO E APOIO À INSERÇÃO SOCIAL (LINADEM) Capítulo I (Constituição, denominação, sede, âmbito social e fins) Artigo 1º. - A Liga para o Estudo e Apoio à Inserção Social, designada

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º

CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º (Denominação, constituição e duração) É constituída e reger-se-á pelos presentes Estatutos e pela Lei aplicável, uma Associação de âmbito nacional,

Leia mais

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo

CAPÍTULO I. Da denominação, sede, âmbito da acção e fins. Artigo Primeiro. Artigo Segundo CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito da acção e fins Artigo Primeiro A Associação para o Desenvolvimento de Miragaia, é uma Instituição Particular de Solidariedade Social, com sede na Rua do Clube,

Leia mais

CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS

CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS ESTATUTOS DO CENTRO DE DIA - CASA DE IDOSOS DE SÃO JOSÉ DAS MATAS CAPITULO I Da denominação, sede, âmbito de ação e fins Artigo 1.º Denominação, sede

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO CORAÇÃO AMARELO APROVADOS EM ASSEMBLEIA - GERAL DE 13.11.2009 Revistos conforme instruções da Procuradoria da República de Lisboa em Dezembro de 2010 ~~~~ ENTRADA EM VIGOR A 15

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE DE FERREL ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DE FERREL APROVADOS PELO DECRETO LEI N.º 119/ 83 DE 25 DE FEVEREIRO DE 2000 ALTERADOS PELO DECRETO LEI N.º 402/ 85 DE

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL OS AMIGOS DA LANDEIRA

ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL OS AMIGOS DA LANDEIRA ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL OS AMIGOS DA LANDEIRA CAPITULO I NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJETO Artigo 1º Denominação e natureza jurídica A Associação de Solidariedade Social Os Amigos da Landeira

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º. (Denominação)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º. (Denominação) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO A CASA DO CAMINHO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E FINS ARTIGO 1º (Denominação) A Associação A Casa do Caminho, adiante designada abreviadamente por Associação, é uma associação

Leia mais

Estatutos da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito da ação e fins

Estatutos da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial. Capítulo I Da denominação, sede e âmbito da ação e fins Estatutos da Associação para o Estudo e Integração Psicossocial Capítulo I Da denominação, sede e âmbito da ação e fins Artigo 1 (Denominação, natureza jurídica, sede e duração) 1 A instituição adota a

Leia mais

Associação Vidas Cruzadas

Associação Vidas Cruzadas Associação Vidas Cruzadas Associação de Desenvolvimento Pessoal e Comunitário Instituição Particular de Solidariedade Social ESTATUTOS Capitulo I Da denominação, sede, âmbito, acção e fins Artigo 1º A

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DAS ALDEIAS DE CRIANÇAS S.O.S. DE PORTUGAL (Aprovados em Assembleia-Geral de 3 de Outubro de 2015) PREÂMBULO (Declaração de Princípios) As Aldeias de Crianças S.O.S. nasceram na

Leia mais

Estatutos da Casa do Juiz

Estatutos da Casa do Juiz Estatutos da Casa do Juiz (TEXTO COMPLETO DE HARMONIA COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA ASSEMBLEIA GERAL DE 27/11/2009) A Associação de Solidariedade Social «Casa do Juiz» foi constituída no dia 16 de

Leia mais

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES

GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA EMPRESARIAL - ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTO, PRINCÍPIOS E VALORES Art. 1º 1. GRACE GRUPO DE REFLEXÃO E APOIO À CIDADANIA

Leia mais

Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO

Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO Clube de Golfe da Academia da Força Aérea REGULAMENTO CAPÍTULO I Denominação, Finalidades e Sede Artigo 1.º O Clube de Golfe da Academia da Força Aérea, abreviadamente designado por CGAFA, ou por Clube,

Leia mais

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003)

ESTATUTOS DA TINIGUENA. (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) ESTATUTOS DA TINIGUENA (Revisão aprovada pela 9ª Assembleia Geral da Tiniguena reunida em Bissau a 30 de Agosto de 2003) Bissau, 30 de Agosto de 2003 Capítulo I (Denominação, Natureza, Sede, Âmbito e Objecto)

Leia mais

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS

Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS. Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Nós Servimos ASSOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE INTER-LIONS Distrito Múltiplo 115 de Lions Clubes ESTATUTOS Associação de Solidariedade Inter - Lions ESTATUTOS Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação,

Leia mais

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS

APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS APESP ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ESTATUTOS CAPÍTULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE E FINS Artigo 1º Denominação e Natureza 1. A ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DO ENSINO SUPERIOR

Leia mais

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração)

Estatutos. Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas. CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Estatutos Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas CAPÍTULO PRIMEIRO (Denominação, Sede, Objecto e Duração) Artigo Primeiro A Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas (APDM) é uma Sociedade Cientifica

Leia mais

CENTRO COMUNITÁRIO DE ESMORIZ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins

CENTRO COMUNITÁRIO DE ESMORIZ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins CENTRO COMUNITÁRIO DE ESMORIZ INSTITUIÇÃO PARTICULAR DE SOLIDARIEDADE SOCIAL ESTATUTOS CAPITULO I Da denominação, sede e âmbito de ação e fins Artigo 1º - O Centro Comunitário de Esmoriz, criado por iniciativa

Leia mais

Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João. Capítulo I

Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João. Capítulo I Estatutos Associação Voluntariado Hospital S. João Capítulo I (Natureza, Denominação, Sede e Objecto) Artigo 1º (Denominação, natureza jurídica e sede) 1. A Associação Voluntariado Hospital S. João, adiante

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - ESTATUTOS DO DESAFIO JOVEM (TEEN CHALLENGE) PORTUGAL - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - CAPÍTULO I - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I (DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E AFINS)

ESTATUTOS CAPÍTULO I (DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E AFINS) ESTATUTOS CAPÍTULO I (DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E AFINS) Art.º 1º O Grupo de Acção Comunitária, abreviadamente designado por G.A.C., é uma Instituição Privada de Solidariedade Social, constituída

Leia mais

VIDA PLENA Associação de Solidariedade Social de Leiria

VIDA PLENA Associação de Solidariedade Social de Leiria VIDA PLENA Associação de Solidariedade Social de Leiria ESTATUTOS De acordo com a alteração do D.L. 119/83 de 25 de fevereiro pelo D.L. 172- A/2014 de 14 de novembro Pag 2/9 E ST AT UTOS DA V I D A PL

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE)

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS DA ESCOLA SUPERIOR DE HOTELARIA E TURISMO DO ESTORIL (ALUMNI- ESHTE) CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de actividade Artigo 1.º Designação 1. É constituída,

Leia mais

CAPÍTULO I Definições Gerais

CAPÍTULO I Definições Gerais ESTATUTOS DA ADDICT CAPÍTULO I Definições Gerais Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação, que adopta a denominação ADDICT Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas, doravante

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SÓCIO-PROFÍSSIONAL DOS PERÍTOS FORENSES DA POLÍCIA JUDICIÁRIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO E OBJECTO Artigo 1º Denominação, sede e duração 1. A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO

Leia mais

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013

ESTATUTOS. Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 ESTATUTOS Com alterações aprovadas na Assembleia Geral de 25 de Novembro de 2013 CAPÍTULO I - DENOMINAÇÃO, OBJECTO, NATUREZA E SEDE Artº 1º - Denominação e Objecto Artº 2º - Âmbito e Duração Artº 3º -

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS CAPÍTULO I Identificação e caraterização ARTIGO 1º 1. A Associação adota a denominação ASSOCIAÇÃO DE REFORMADOS DA FREGUESIA DE MEDAS. 2. Tem a

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º

ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I. Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º ESTATUTOS DO CENTRO SOCIAL DAS ANTAS CAPÍTULO I Denominação, Constituição e fins ARTIGO 1º 1. O Centro Social das Antas é uma associação pública de fiéis, também constituída em Instituição Particular de

Leia mais

ESTATUTOS Casa do Pessoal do Instituto Politécnico do Porto

ESTATUTOS Casa do Pessoal do Instituto Politécnico do Porto ESTATUTOS da Casa do Pessoal do Instituto Politécnico do Porto A Casa do Pessoal do IPP foi constituída por escritura pública de 15 de Dezembro de 2005, conforme publicação no Diário da República n.º 35,

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

ESTATUTOS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS ARTIGO 1.º

ESTATUTOS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS ARTIGO 1.º ESTATUTOS CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, ÂMBITO DE ACÇÃO E FINS ARTIGO 1.º 1. A Associação Teatro Construção, designada por ATC, é uma instituição privada dotada de personalidade jurídica com duração

Leia mais

ESTATUTO DA ASSCODECHA

ESTATUTO DA ASSCODECHA ESTATUTO DA ASSCODECHA ASSCODECHA ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA PARA O DESENVOLVIMENTO DO CHAMANCULO ESTATUTO DA ASSCODECHA CAPITULO PRIMEIRO DENOMINAÇÃO, NATUREZA, DURAÇÃO, SEDE, OBJECTIVOS E ACTIVIDADES ARTIGO

Leia mais

ESTATUTOS. IPSS inscrita sob o nº 5/95 a folhas 22, no Livro das Associações de Solidariedade Social

ESTATUTOS. IPSS inscrita sob o nº 5/95 a folhas 22, no Livro das Associações de Solidariedade Social CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E ÂMBITO DE AÇÃO E FINS ARTIGO 1º A ASSOCIAÇÃO SANTO MAMEDE, adiante designada por Associação, Pessoa Coletiva de Utilidade Pública número 503 123 668, é uma Instituição

Leia mais

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º.

Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º. Estatutos ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO DOURO SUPERIOR DE FINS ESPECÍFICOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E OBJECTIVOS ARTIGO 1º Denominação A Associação adopta a denominação de ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO DE LEIRIA (APPDA-L) Capítulo primeiro DA ASSOCIAÇÃO

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO DE LEIRIA (APPDA-L) Capítulo primeiro DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA PARA AS PERTURBAÇÕES DO DESENVOLVIMENTO E AUTISMO DE LEIRIA (APPDA-L) Capítulo primeiro DA ASSOCIAÇÃO Artigo 1.º 1. A Associação Portuguesa para as Perturbações do Desenvolvimento

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO. Artigo 1.º. (Natureza e denominação)

Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO. Artigo 1.º. (Natureza e denominação) Estatutos CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1.º (Natureza e denominação) O Companheiro Associação de Fraternidade Cristã, doravante designada também por Associação, é uma instituição particular

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS CRIT CENTRO DE REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO TORREJANO CAPÍTULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins. Artigo 1º.

PROPOSTA DE ESTATUTOS CRIT CENTRO DE REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO TORREJANO CAPÍTULO I. Da denominação, sede e âmbito de ação e fins. Artigo 1º. PROPOSTA DE ESTATUTOS DO CRIT CENTRO DE REABILITAÇÃO E INTEGRAÇÃO TORREJANO CAPÍTULO I Da denominação, sede e âmbito de ação e fins Artigo 1º. 1 A Associação CRIT - Centro de Reabilitação e Integração

Leia mais

Estatutos da Fundação CEBI

Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da Fundação CEBI Estatutos da CEBI - Fundação para o Desenvolvimento Comunitário de Alverca Capítulo I (Disposições Gerais) Art.º 1º - A CEBI - Fundação Para o Desenvolvimento Comunitário de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DE RAÇA BARROSÃ ESTATUTOS 2011 AMIBA ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA BARROSÃ CAPÍTULO PRIMEIRO DESIGNAÇÃO, SEDE E AFINS Artigo primeiro: É constituída, por

Leia mais

DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º (Sede) A Associação Leões da Lapa Futebol Clube, tem sede na Rua Pereira Azurar n.º 48, na cidade da Póvoa de Varzim.

DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1º (Sede) A Associação Leões da Lapa Futebol Clube, tem sede na Rua Pereira Azurar n.º 48, na cidade da Póvoa de Varzim. REGULAMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO LEÕES DA LAPA FUTEBOL CLUBE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Sede) A Associação Leões da Lapa Futebol Clube, tem sede na Rua Pereira Azurar n.º 48, na cidade da

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins. Art 1 (Natureza)

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS. CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins. Art 1 (Natureza) ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA CONTRA A LEUCEMIA ESTATUTOS CAPÍTULO I Natureza, duração e Fins Art 1 (Natureza) A Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL) é uma instituição particular de solidariedade social.

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

ESTATUTOS. 2012 Estatutos da Associação Vila Animal

ESTATUTOS. 2012 Estatutos da Associação Vila Animal 2012 Estatutos da Associação Vila Animal Vila Animal Associação de Protecção de Animais de Viana do Castelo Loja Shopping Estação Viana 4900 Viana do Castelo CAPÍTULO I ASSOCIAÇÃO E OBJETIVOS Artigo 1º.

Leia mais

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma

Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto. Artigo 1.º. Natureza e Firma Contrato de Sociedade do Banco Espírito Santo, S.A. Capítulo I Denominação, Sede, Duração e Objecto Artigo 1.º Natureza e Firma 1. A Sociedade é organizada sob a forma de sociedade anónima e adopta a firma

Leia mais

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS

Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Associação de Pais do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul ESTATUTOS Os presentes Estatutos da APAESUL - Associação de Pais e Encarregados de Educação do Agrupamento de Escolas de São Pedro do Sul,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL

REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL REGULAMENTO INTERNO DA PSIANIMAL ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TERAPIA DO COMPORTAMENTO E BEM-ESTAR ANIMAL CAP. I Denominação e Princípios Artigo 1.º Denominação e Princípios 1. A PSIANIMAL Associação Portuguesa

Leia mais

Associação de Jovens Empresários Madeirenses (AJEM) Estatutos

Associação de Jovens Empresários Madeirenses (AJEM) Estatutos Associação de Jovens Empresários Madeirenses (AJEM) Estatutos Artigo 1º. (Denominação, Sede, Duração) A Associação adopta a denominação de Associação de Jovens Empresários Madeirenses A.J.E.M., (designada

Leia mais

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS

ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS ESTATUTOS DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS CAPÍTULO I - CONSTITUIÇÃO, DURAÇÃO E SEDE Artigo 1.º (Constituição e denominação) É constituída uma associação cultural sem fins lucrativos denominada Instituto

Leia mais

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional

Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Regulamento Interno da PROMUNDO Associação de Educação, Solidariedade e Cooperação Internacional Capítulo I Objecto e Âmbito do Regulamento Interno Artigo 1º O presente Regulamento tem como objecto a PROMUNDO

Leia mais

ESTATUTOS SOCIAIS. EAPN Rede Europeia Anti Pobreza/Portugal, Associação

ESTATUTOS SOCIAIS. EAPN Rede Europeia Anti Pobreza/Portugal, Associação ESTATUTOS SOCIAIS EAPN Rede Europeia Anti Pobreza/Portugal, Associação 1 CAPÍTULO I NATUREZA, SEDE ÂMBITO E FINS ARTIGO 1º 1- A EAPN - Rede Europeia Anti Pobreza/Portugal, Associação, adiante designada

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ANTIGOS ALUNOS E AMIGOS DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE LEAL DA CÂMARA RIO DE MOURO ESTATUTOS ARTIGO 1º (Constituição) A Associação dos Antigos Alunos e Amigos da Escola Secundária de Leal da Câmara,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração

ESTATUTOS. Artigo Primeiro. Denominação, natureza jurídica, sede e duração ESTATUTOS Artigo Primeiro Denominação, natureza jurídica, sede e duração 1. É constituída a contar da data de hoje e por tempo indeterminado uma associação privada denominada de "LusNIC Associação de Registries

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE RIBEIRA GRANDE

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE RIBEIRA GRANDE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DE BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE RIBEIRA GRANDE A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Ribeira Grande, fundada em 15 de Abril de 1875, altera pelos presentes

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE FORMADORES E MONITORES SURDOS DE LÍNGUA GESTUAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE FORMADORES E MONITORES SURDOS DE LÍNGUA GESTUAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE FORMADORES E MONITORES SURDOS DE LÍNGUA GESTUAL 2 INDICE CAPÍTULO PRIMEIRO Designação, Duração, Sede e Fins da Associação...3 CAPÍTULO SEGUNDO Dos Associados...5 CAPÍTULO TERCEIRO

Leia mais

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira)

ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Assembleia de Freguesia de Ferreira (Paços de Ferreira) PROJECTO DE REGIMENTO DA ASSEMBLEIA DE FREGUESIA DE FERREIRA (Paços de Ferreira) Regimento da Assembleia de Freguesia De FERREIRA (Paços de Ferreira)

Leia mais

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law

Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Estatutos da Associação iisbe Portugal iisbe Portugal By Law Capítulo I Constituição, Âmbito, Objecto e Atribuição Artigo 1.º (Denominação e natureza) É constituída por tempo indeterminado, uma associação

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato

Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA. Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato Regimento de Assembleia de Freguesia Santa Margarida da Coutada CAPÍTULO I DOS MEMBROS DA ASSEMBLEIA Artigo 1 Natureza e âmbito do mandato 1. Os membros da Assembleia de Freguesia representam os habitantes

Leia mais

ESTATUTOS do LAR DE SANTA ISABEL

ESTATUTOS do LAR DE SANTA ISABEL ESTATUTOS do LAR DE SANTA ISABEL Capitulo I Disposições Gerais Artigo 1º. Denominação, natureza, fins, objetivos e forma jurídica 1. O Lar de Santa Isabel, adiante designado por Instituição ou por Associação,

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS. Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL ESTATUTOS DA ASSOCIAÇAO DE PAIS E ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO DA ESCOLA DO 1º CICLO DE MOUTIDOS Rua de Moutidos 4445 ÁGUAS SANTAS PORTUGAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Âmbito da Acção e Fins ARTIGO UM

Leia mais

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE

BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE BANCO PRIMUS ESTATUTOS CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO SEDE OBJETO E DURAÇÃO DA SOCIEDADE Artigo 1.º Natureza jurídica e denominação social A Sociedade, que adota a denominação de Banco Primus SA («a Sociedade»),

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

Instituição Particular de Solidariedade Social ( Pessoa Coletiva de Utilidade Pública ) ESTATUTOS

Instituição Particular de Solidariedade Social ( Pessoa Coletiva de Utilidade Pública ) ESTATUTOS Instituição Particular de Solidariedade Social ( Pessoa Coletiva de Utilidade Pública ) ESTATUTOS ( Alteração aos Estatutos conforme D.R., n.º 172-A publicado no D.R., 1ª Série, n.º 221 de 14/11/2014 e

Leia mais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais

COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL. Capítulo I Disposições Gerais COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE SÃO PEDRO DO SUL REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito de Aplicação O presente estatuto visa regular o funcionamento e competências

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA UMA GESTÃO FLORESTAL RESPONSÁVEL CAPÍTULO I DESIGNAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO 1º 1. Nos termos da Lei e dos presentes

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA UMA GESTÃO FLORESTAL RESPONSÁVEL CAPÍTULO I DESIGNAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO 1º 1. Nos termos da Lei e dos presentes ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA UMA GESTÃO FLORESTAL RESPONSÁVEL CAPÍTULO I DESIGNAÇÃO, SEDE, OBJECTO E DURAÇÃO 1º 1. Nos termos da Lei e dos presentes Estatutos é criada a Associação para uma Gestão Florestal

Leia mais

SECÇÃO II COMISSÃO EXECUTIVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO III CONSELHO FISCAL CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS

SECÇÃO II COMISSÃO EXECUTIVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS SECÇÃO III CONSELHO FISCAL CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1 OBJECTO E FINS Artigo 2 NATUREZA Artigo 3 ESTATUTO JURÍDICO Artigo 4 SEDE Artigo 5 FILIAÇÃO INTERNACIONAL Artigo 6 DISTINTIVOS E UNIFORME CAPÍTULO II PRINCÍPIOS GERAIS

Leia mais

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação

ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I. Natureza, denominação, duração, sede e objeto. Artigo 1.º. Natureza e denominação ESTATUTOS DA IMPRENSA NACIONAL-CASA DA MOEDA, S. A. CAPÍTULO I Natureza, denominação, duração, sede e objeto Artigo 1.º Natureza e denominação A sociedade tem a natureza de sociedade anónima de capitais

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CRIANÇAS E JOVENS DA VILA

ASSOCIAÇÃO CRIANÇAS E JOVENS DA VILA ASSOCIAÇÃO CRIANÇAS E JOVENS DA VILA ------ De acordo com o disposto no acto da Constituição da Associação supracitada, propõe à Assembleia Geral o presente documento, do qual fazem parte integrante os

Leia mais

ESTATUTOS DA AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS. CAPÍTULO I Definições Gerais. Artigo 1º

ESTATUTOS DA AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS. CAPÍTULO I Definições Gerais. Artigo 1º ESTATUTOS DA AGÊNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS CRIATIVAS CAPÍTULO I Definições Gerais Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação, que adopta a denominação ADDICT - Agência para

Leia mais

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA

PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA PROPOSTA DE ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS DO CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DE SÃO JOSÉ, DA GUARDA Capítulo I Da denominação, natureza e fins Artigo 1º Denominação A Associação de Pais e Encarregados de Educação

Leia mais

CKL CLUBE DE KENDO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO

CKL CLUBE DE KENDO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO CKL CLUBE DE KENDO DE LISBOA REGULAMENTO INTERNO (15 FEV 2015) 1 Artigo 1º Âmbito Este documento visa regulamentar a actividade e funcionamento do CKL CLUBE DE KENDO DE LISBOA, adiante designado CKL, sem

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

Estatutos da ELSA UMinho

Estatutos da ELSA UMinho Estatutos da ELSA UMinho Título I Princípios Gerais Capítulo I Identificação e Fins Artigo 1º The European Law Students' Association 1 - A The European Law Students' Association da Universidade do Minho,

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO - A.E.E.P.

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO - A.E.E.P. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO - A.E.E.P. Com as alterações aprovadas em Assembleia Geral de 8 de Julho de 2003 CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, SEDE, NATUREZA

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 1 ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA 2 ESTATUTOS DA COOPERATIVA DE SOLIDARIEDADE SOCIAL SOL MAIOR, COOPERATIVA DE RESPONSABILIDADE LIMITADA

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO CULTURAL DA CRIANÇA (APCC) in Diário da República - III Série - N.º 227-30/09/1996 CAPÍTULO I Da denominação, sede, âmbito, duração, objeto e princípios ARTIGO 1.º

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vidago ESTATUTOS

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vidago ESTATUTOS Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Vidago Fundada em 15 de Setembro de 1967 ESTATUTOS Denominação, sede, duração Artigo 1.º Denominação É fundada na Vila de Vidago a quinze de Setembro

Leia mais

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado.

A Associação é uma Instituição de Solidariedade Social sem fins lucrativos e durará por tempo indeterminado. ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA Artigo 1º A associação denomina-se ASSOCIAÇÃO DIABÉTICO FEIRA, com sede no Hospital de São Sebastião, EPE,, concelho de Santa Maria da Feira, podendo ser transferida

Leia mais

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP)

ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP) ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO PARTICULAR E COOPERATIVO (AEEP) Versão atualizada com as alterações aprovadas em Assembleia-Geral de vinte e nove de novembro de dois mil e treze. CAPÍTULO

Leia mais

Regulamento da Liga de Amigos da Fundação Aurélio Amaro Diniz. Aprovado em 6 de Maio de 2002. www.faad.online.pt 1/1

Regulamento da Liga de Amigos da Fundação Aurélio Amaro Diniz. Aprovado em 6 de Maio de 2002. www.faad.online.pt 1/1 Aprovado em 6 de Maio de 2002. www.faad.online.pt 1/1 Artigos dos estatutos da Fundação de Aurélio Amaro Diniz que referem a Liga de Amigos Artigo 31º - A Liga de Amigos da Fundação é constituída por todas

Leia mais

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A.

Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. Estatutos da Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima e a denominação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS

ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS ASSOCIAÇÃO CORAÇÕES COM COROA ESTATUTOS Estatutos aprovados em Acta de fundação em 4 de Janeiro de 2012 Alterações estatutárias aprovadas em 28 de Fevereiro de 2012 Publicados e disponíveis no site publicacoes.mj.pt

Leia mais

ASOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DOS PROFESSORES

ASOCIAÇÃO DE SOLIDARIEDADE SOCIAL DOS PROFESSORES Estatuto - Art.1º (Identidade da Associação) 1. A Associação de Solidariedade Social dos Professores, referida neste Estatuto pela sigla ASSP ou apenas por Associação, é uma pessoa colectiva de direito

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA. Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO SEM FINS LUCRATIVOS INOVA-RIA Artigo 1º Denominação, Natureza e Duração A Associação adota a denominação INOVA-RIA: Associação de Empresas para uma Rede de Inovação em Aveiro e

Leia mais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais

Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Estatutos Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade Évora = NEECUE = - Capitulo I Princípios Gerais Artigo 1º Denominação, Âmbito e Sede O Núcleo de Estudantes de Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA

REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DO CONCELHO DE VILA NOVA DE CERVEIRA Regulamento Interno da Comissão de Protecção de Crianças e Jovens do Concelho de Vila Nova de Cerveira

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP

REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP REGULAMENTO ELEITORAL DO CDS-PP (APROVADO A 24 DE NOVEMBRO DE 2007 E ALTERADO A 2 DE AGOSTO DE 2008, EM CONSELHO NACIONAL) CAPÍTULO I Disposições Preliminares Artigo 1º (Âmbito de aplicação) 1. O presente

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais