AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO"

Transcrição

1 AS FIANDEIRAS DE JATAÍ: UMA MEMÓRIA SE PERDENDO NO TEMPO Simone Aparecida Borges Dantas 1 Adriano Freitas Silva 2 Esta comunicação é fruto do projeto de pesquisa As fiandeiras de Jataí: Uma memória se perdendo no tempo em que se estabeleceu a parceria entre o Curso de História da UFG/Jataí e o Museu Histórico Francisco Honório Campos. Com objetivo de atender a demanda colocada pela Secretaria Municipal de Cultura, o Curso, desenvolveu, sob a coordenação da Professora Mestre Simone Aparecida Borges Dantas, e colaboração voluntária dos alunos do Curso, atividades de coleta e reunião de fontes escritas, iconográficas e orais, que retrataram a história e memória das fiandeiras da cidade de Jataí. Para viabilizar a pesquisa, reconstituir e registrar a história e memória das fiandeiras de Jataí trabalhou-se com uma noção ampliada de documento histórico, por isso, foram utilizadas fontes de diversas naturezas: documentos escritos, iconográficos e, notadamente, as fontes orais. No trabalho com as fontes orais, utilizou-o princípio formulado por Thompson (2002, p. 176), que diz o seguinte: [Todas as fontes] são falíveis e sujeitas a viés, e cada uma delas possui força variável em situações diferentes. Em alguns contextos, a evidência oral é o que há de melhor, em outros, ela é suplementar, ou complementar, à de outras fontes. Conforme Macêdo (1999, p.11), Não estamos vendo a documentação oral como panacéia, mas como instrumento de inegável importância para o historiador que trabalha com a chamada História do Tempo Presente. E ainda a intenção é trabalhar com a memória 1 Professora da UFG/Jataí 2 Acadêmico de Graduação do curso de História da UFG/Jataí

2 percebendo a como uma construção do passado, portanto carregada de emoções e vivências (MACÊDO, 1999, p. 11). No trabalho com as fontes orais, primeiramente definiu-se a colônia, ou seja, o grupo comum que seria entrevistado. Definiu se, assim, como colônia o grupo de pessoas ligadas diretamente a memória das fiandeiras de Jataí, isto é, senhoras praticantes desta arte e que participam do Mutirão da fiandeiras, evento organizado pelo Museu Histórico Francisco Honório Campos. Posteriormente, a rede: uma subdivisão da colônia e que visa estabelecer parâmetros para decidir sobre quem deve ser entrevistado ou não (MEIHY, 1996, p. 53). A partir dessas definições estabeleceu-se a entrevista denominada ponto zero. A rede, na verdade, formou se à medida que as entrevistas se sucederam, pois uma entrevistada, na maioria das vezes, indicava outra. No trabalho com as entrevistas, foi utilizado o conceito de composição da memória em Thomson (1997). Conforme Thompson, no trabalho com as fontes orais A lição importante é aprender a estar atento àquilo que não está sendo dito, e a considerar o que significam os silêncios. Os significados mais simples são provavelmente os mais convincentes (THOMPSON, 2002, p ). Na perspectiva de se utilizar as fontes orais e em resposta àqueles que duvidam de sua credibilidade, Thompson afirma que: Toda fonte histórica derivada da percepção humana é subjetiva, mas apenas a fonte oral permiti nos desafiar essa subjetividade: descolar as camadas de memória, cavar fundo em suas sombras, na expectativa de atingir a verdade oculta (THOMPSON, 2002, p. 197). A partir da memória de sujeitos que fizeram e fazem parte da história da arte de fiar na cidade de Jataí, o intuito foi de: Recuperar lágrimas e risos, desilusões e esperanças, fracassos e vitórias, fruto de como os sujeitos viveram e pensaram sua própria existência, forjando saídas na sobrevivência, gozando as alegrias da solidariedade ou sucumbindo ao peso de forças adversas (KHOURY, 1991, p. 12).

3 A partir das entrevistas realizadas, percebeu-se que a arte de fiar era uma atividade praticada desde cedo pelas mulheres da família, isto é, um trabalho feminino, desenvolvido de geração em geração. Assim, as mulheres que a exerciam passavam para as suas filhas desde os primeiros anos de vida. Esta atividade era utilizada como fonte de renda para o sustento da família, como pode ser percebido no relato a seguir: Eu não lembro mais acho que eu tinha uns 5 anos quando a gente começou a aprender e mamãe ensinava a gente., punha a gente pra descaroçar o algodão a cardar. Eu acho que é 5 anos mesmo ai a gente iniciou desde a idade de 5 anos. Morava tudo na fazenda e o serviço era só esse não tinha outra coisa para fazer tinha que fazer esse serviço (...) quando eu morava na fazenda era só fiar, fazendo corte de rede coberta, né fazia bacheiro, ontem eu tava contando pros colega aqui, que agente fazia bacheiro e passava os viajante, viajantes não o boiadeiro e o ponto de posso era a nossa casa ne agente morava na fazenda dos outros não nessa não então agente pegava achava bom de mais quando os boiadeiros chegava agente corriam vendia os bacheiro pra eles (OLIVEIRA, H ) D. Adélia reforça essa idéia de utilizar a fiação como renda familiar abordada acima, através de sua descrição a seguir: Agente fazia rede, fazia os punhos de rede, tecia o pano, fazia rede, rede a gente vendia. Vendia rédia, trançava rédia uma linha que fiava como lã, como linha, vendia, vendia assim, vendia bacheiro, tecido trabalhado na grade, fiava na roda e tecia na grade (FREITAS, A. 2008). Na memória das fiandeiras outro aspecto que perpassa todas as entrevistas é que o produto da fiação como roupas, cobertores e lençóis eram para o consumo da própria família, bem como para a produção de peças para o enxoval do casamento das filhas, conforme o trecho a seguir: Todas as mulheres, toda a fazenda, todas as mulheres eram fiandeiras, todo mundo vivia de pano de algodão (...) Quando eu fiquei moça já ia arranjar enxovão pro casamento já tinha que fiar fazer minha roupa de cama (OLIVEIRA, A. 2008).

4 Além disso, na confecção de roupas e principalmente de cobertores, as fiandeiras utilizavam além do algodão a lã, sendo que em algumas fazendas além do plantio de algodão, havia a criação de ovelhas. Essa prática pode ser compreendido no relato a seguir: Trabalhei muito com fiação criei meus filhos todos com cobertor de lã agente criava o carneiro cortava a lã tecia e fazia aquelas cobertas iguais um cobertor né, quente de mais (...) tecia fazia coberta de, o tecido de cortia com a lã com a linha de algodão e tampava com a lã e fazia aquele tecido de dado, fazia aqueles tecidos mais bonitos de vários modelos de flores de quadro tampava com lã (FREITAS, A. 2008). Nas reminiscências das fiandeiras também o relato dos momentos dos trabalhos coletivos, momento em que as fiandeiras se reuniam na casa de outra para uma produção em maior escala. Esses momentos ocorriam principalmente no período de casamentos. Esses encontros eram os Mutirões das fiandeiras. No relato de Dona Adélia esses momentos ficaram assim representados: quando a gente fazia mutirão e reunia com as fiandeiras, fiava numa casa outra hora fiava tudo para aquela dona da casa, que as fiandeiras ajuntavam fiava tudo, aqueles que fiavam naquele dia, eram tudo para a dona da casa para a dona do mutirão, ai outro dia fazia na casa da outra e juntava e fiava lá (FREITAS, A. 2008) No trecho a seguir D. Ana fortalece essa lembrança do Mutirão das fiandeiras que ocorriam nas fazendas Nos juntava pra fiar, ficava a semana toda cardando algodão preparando tudinho e ia pra, os mutirões e as mulheres iam pra roda fiava o dia todinho, juntava rodas trabalhando o dia todo, e depois tal dia era na sua casa, tal dia era lá fazia o mutirão de fiar (OLIVEIRA, A. 2008). Cabe ressaltar que a arte de fiar para as fiandeiras representava não só trabalho, mas também um lazer, por isso esta atividade era embalada por músicas. A música era entoada principalmente quando as fiandeiras se

5 reuniam para realizarem os mutirões, como pode ser percebida na entrevista de Dona Hilda: Tinha o mutirão das fiandeiras quando falava hoje o mutirão e lá na casa da comadre Maria, e comadre né, ai agente ia carda algodão ai eles cardava muitos dias as vezes agente ia lá ajudar ai quando era o dia do mutirão ai todo mundo saia sedo com as rodas nas costas a pé por que as vez não era muito longe ne ai ia com as rodas nas costas, levava quando chegava lá e fiava o dia inteirinhos ai de tarde era o baile (OLIVEIRA, H ) Contudo, essas fiandeiras que começaram suas vidas nas fazendas, ao mudarem para Jataí apresentaram algumas dificuldades para o desenvolvimento desta arte, como a falta de algodão, incentivo familiar e de tempo para exerce lá. Nos porões da memória, D. Ana relembra esse momento: É fui deixando, deixando já não encontrava mais algodão, já não plantava não tinha roça, e precisava comprar também então não deu pra mim continuar, também não enteressava mais a esse negócios de algodão acabou assim acabou o uso ninguém usa mais né e vai ficando distante pra mim tecer o pano que tinha que ir pra fazenda era muito difícil (...) É fui deixando, deixando já não encontrava mais algodão, já não plantava não tinha roça, e precisava comprar também então não deu pra mim continuar (OLIVEIRA, A. 2008). No trecho de outra entrevista, todavia, ressalta como outro impedimento, a falta de tempo para o exercício da fiação Logo que eu mudei pra cá eu fiz o curso de enfermagem e já fui convidada para trabalhar ai eu já fui trabalhar de enfermeira então eu já não fiei deixei as coisas guardadas (...) mesmo se eu tivesse o algodão, eu acho que eu tinha tempo de fiar né (OLIVEIRA, H. 2008). Além disso, outro fator que ajudou ao enfraquecimento desta arte foi o processo de urbanização muito acelerado no sudoeste goiano. A arte de fiar era praticada na maior parte nas fazendas, devido à produção de algodão. Entre as décadas de 1950 e 60 a população urbana de Jataí já correspondia a mais da metade de sua população total. Em 1980 essa população já

6 correspondia a 80,37%. A partir dessas décadas citadas a população jataiense foi se tornando cada vez mais urbana, conforme nos mostra o gráfico abaixo: Fonte: Encontros e desencontros: estudo urbano de Jataí, Vilma de Fátima Machado em sua monografia, comenta sobre a instalação de indústrias do agro-negócio no sudoeste goiano, alterando a produtividade e o dia a dia rural conforme diz o trecho a seguir: A presença de grandes empresas agro-industriais na região sudoeste já era uma realidade na década de 1980, o que de certa forma gerou transformações no sistema produtivo da região na medida em que os pequenos agricultores procuravam adequar seus produtos às necessidades do mercado que se configurava (...) à medida que o acesso aos bens manufaturados vai sendo facilitado pela expansão urbana, o dia a dia da vida no campo também vai sendo alterado. (MACHADO, V. 2001, pág. 24). Além disso, outro fator de grande relevância para a debilitação da arte de fiar foi o grande desinteresse da juventude em trabalhar com essa arte, pois para eles o processo de fiar colher o algodão, descaroçar, cardar e fiar é muito trabalhoso e desperdício de tempo, consequentemente o número dessas artesãs vêm reduzindo na cidade e essa tradição vem se perdendo no tempo. Segundo D. Adélia Eu acho que não teve continuidade nesse trabalho esse povo jovem né não teve esse interesse de mexer com essas coisas (FREITAS, A. 2008). No entanto em outra entrevista, a arte de fiar não é colocada não só como um desinteresse para a juventude, mas também como uma atividade antiga

7 Eles falam que isso e da antiguidade a isso não vai acima não, mexer com isso não, a hoje eu não vou mexer com fiar não, eu vou na loja e compra uma roupa pronta, hoje nem costuras ninguém não quer mais né só quer comprar roupa prontinha para vestir e pronto ninguém não quer saber disso não (OLIVEIRA, A. 2008). Devido esses fatores o MHJ Museu Histórico de Jataí Francisco Honório Campos na tentativa de preservação desse saber, promove há dez anos a Semana das Fiandeiras. A idéia de criação deste mutirão foi fruto dos esforços do Setor de Ação Educativa do Museu juntamente com a Direção deste. A idéia foi discutida com o Conselho de Amigos do Museu e mediante sua aprovação foi realizado o projeto para a execução do que ficou sendo a primeira edição do Mutirão de Fiandeiras de Jataí (MACHADO, V. 2001, pág. 12). Conforme a direção do Museu o Mutirão foi divulgado na mídia e teve boa aceitação entre as fiandeiras. Conforme a direção do Museu o Mutirão foi divulgado na mídia e teve boa aceitação entre as fiandeiras. A partir da primeira edição do evento o Museu montou um cadastro com o nome das fiandeiras da Cidade, que passaram a participar nos anos posteriores. Nas gavetas da memória de dona Hilda o início do Mutirão ficou assim representado: Eu vi na televisão. as pessoas eu vi umas amigas que era do tempo que eu morava na fazenda elas também moravam.., faziam mutirão e agente fiava junto. Ai eu vi na televisão eu falei eu vou lá e hoje e falou o dia ne no radio, o radio estava ligado. Era o último dia, eu fui era de tarde umas 4 e pouca, e 5 horas era o encerramento.tinha o chá pra todo mundo que participou ai as meninas (do Museu) (...) também a Enimar já pegou o meu nome e endereço pra quando fosse no outro ano eu participar, mim convidou e eu continuei (OLIVEIRA, H. 2008) Na semana em que é comemorado a Semana das Fiandeiras, o Museu Histórico recebe um grande público escolar, principalmente da rede municipal de ensino. Para os visitantes é um local de reviver as tradições

8 antigas, para o grupo de fiandeiras este evento é um local de lazer, reencontro com as antigas companheiras e, sobretudo um local de preservação cultural. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MACHADO,V. F. Tramas no Museu: estratégias de preservação, memória e identidade. Monografia de Especialização. FCHF/UFG: Goiânia, Silva, M. R. Encontros e desencontros: estudo do espaço urbano de Jataí-GO. IESA/PPPGG/UFG: Goiânia, FONTES ORAIS Hilda Oliveira Moraes Fiandeira (28 de março de 2008); Ana Joaquina de Oliveira Fiandeira (14 de março de 2008); Adélia Conceição de Freitas Fiandeira (28 de fevereiro de 2008).

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

FICHA SOCIAL Nº 107 INFORMANTE: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCAL:

FICHA SOCIAL Nº 107 INFORMANTE: IDADE: ESCOLARIZAÇÃO: LOCAL: FICHA SOCIAL Nº 107 INFORMANTE: L.M.S. IDADE: 62 anos - Faixa III ESCOLARIZAÇÃO: 9 A 11 anos (2º Grau Pedagógico) LOCAL: Distrito de Dom Quintino - Zona Rural PROFISSÃO: Professora (aposentada) e Agricultora

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

por futebol profissional ou amador?

por futebol profissional ou amador? Tabela 3 - Síntese das entrevistas com torcedores I O que é o futebol pra você? Uma paixão. É um esporte que eu pratico, que gosto. O meu time de futebol é a razão do meu viver. Você se interessa mais

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5

Lógicas de Supervisão Pedagógica em Contexto de Avaliação de Desempenho Docente. ENTREVISTA - Professor Avaliado - E 5 Sexo Idade Grupo de Anos de Escola docência serviço Feminino 46 Filosofia 22 Distrito do Porto A professora, da disciplina de Filosofia, disponibilizou-se para conversar comigo sobre o processo de avaliação

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos

Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Geração Graças Peça: Os Cofrinhos Autora: Tell Aragão Personagens: Voz - não aparece mendigo/pessoa Nervosa/Ladrão faz os três personagens Menina 1 Menina 2 Voz: Era uma vez, duas irmãs que ganharam dois

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. Relatório referente ao encontro realizado no Departamento de educação física (03/06/2015) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAULO CÉSAR DUTRA JUNIOR PIBID SUBPROJETO EDUCAÇÃO FÍSICA 0 física (03/06/2015) O primeiro assunto pautado na reunião foi sobre o V SEMINÁRIO INSTITUCIONAL PIBID/UFPR 2015,

Leia mais

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento.

P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. museudapessoa.net P/1 Então por favor, começa com o seu nome completo, local e a data de nascimento. R Meu nome é Kizzes Daiane de Jesus Santos, 21 de julho de 1988, eu nasci em Aracaju, no estado do Sergipe.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS SAMARA DA SILVA VIEIRA (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto:

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica até sua chegada à Universidade Federal de Uberlândia.

Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica até sua chegada à Universidade Federal de Uberlândia. Experiências de uma vida dedicada à Geografia e ao meio ambiente - Marlene Teresinha de Muno Colesanti Instituto de Geografia da Revista OBSERVATORIUM (R.O): Conte-nos um pouco sobre sua formação acadêmica

Leia mais

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú

Dados internacionais de catalogação Biblioteca Curt Nimuendajú Catalogação: Cleide de Albuquerque Moreira Bibliotecária/CRB 1100 Revisão: Lucimar Luisa Ferreira / Marinez Santina Nazzari Revisão Final: Elias Januário Consultor: Luís Donisete Benzi Grupioni Projeto

Leia mais

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, R.J.

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros, R.J. Aline Clark 2006 Copyright 2006 by Aline Clark Projeto gráfico e capa: Pedro Costa Diagramação: Pedro Costa Revisão: João Pinheiro CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte Sindicato Nacional dos Editores de Livros,

Leia mais

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1

EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 EDUCAÇÃO ALGÉBRICA, DIÁLOGOS E APRENDIZAGEM: UM RELATO DO TRABALHO COM UMA PROPOSTA DIDÁTICA 1 Claudemir Monteiro Lima Secretária de Educação do Estado de São Paulo claudemirmonteiro@terra.com.br João

Leia mais

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni

Contexto. Rosana Jorge Monteiro Magni Título MUDANÇAS DE CONCEPÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE GEOMETRIA EM UM CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA PROFESSORES DE MATEMÁTICA DA EDUCAÇÃO BÁSICA Doutoranda da Universidade Anhangura/ Uniban

Leia mais

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava

Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava O Príncipe das Histórias Era uma vez um príncipe que morava num castelo bem bonito e adorava histórias. Ele gostava de histórias de todos os tipos. Ele lia todos os livros, as revistas, os jornais, os

Leia mais

Talita e seus projetos e conquistas

Talita e seus projetos e conquistas Talita e seus projetos e conquistas Introdução Antonio Claudio dos Santos Francisco, vinte e sete anos, nasceu na cidade de Ibiporã no Paraná em 27 de abril de 1988, filho de José Claudio dos Santos Francisco,

Leia mais

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses?

INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por ser filho de pais portugueses? Transcrição da entrevista: Informante: nº15 Célula: 5 Data da gravação: Agosto de 2009 Geração: 2ª Idade: 35 Sexo: Masculino Tempo de gravação: 10.24 minutos INQ Já alguma vez se sentiu discriminado por

Leia mais

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 10 de junho de 2008 Humberto Cordeiro Carvalho admitido pela companhia em 1 de julho de 1981. Eu nasci em 25 de maio de 55 em Campos do Goytacazes. FORMAÇÃO Segundo grau Escola

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

NA LOJA DE CHAPÉUS. Karl Valentin. Personagens. Vendedora. Valentin ATO ÚNICO

NA LOJA DE CHAPÉUS. Karl Valentin. Personagens. Vendedora. Valentin ATO ÚNICO NA LOJA DE CHAPÉUS De Karl Valentin Personagens Vendedora Valentin ATO ÚNICO Bom dia, senhor. O que deseja? Um chapéu. Que tipo de chapéu? Um chapéu pra botar na cabeça. Certamente, meu senhor, um chapéu

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

09/09/2004. Discurso do Presidente da República

09/09/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na solenidade de recepção da delegação brasileira que participou das Olimpíadas de Atenas Palácio do Planalto, 09 de setembro de 2004 Meu caro Grael, Meu querido René Simões,

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0

Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos 3D.ACDEMY.COM.BR COMO GERAR RENDA COM PROJETO VERSÃO 1.0 Aprenda a Gerar Renda Utilizando Seus Conhecimentos em Promob e Projetos CAIO HENRIQUE TEODORO DOS SANTOS Página 1 Versão 1.0 2013 Esforcei-me ao máximo para transmitir em poucas páginas algumas dicas

Leia mais

E é perto de onde essa cidade? É uma cidade fica no município de Manhumirim.

E é perto de onde essa cidade? É uma cidade fica no município de Manhumirim. Qual a cidade que a senhora nasceu? Nasci em NP no município de Manhurmirim, cidadizinha muito piquinininha só tinha a cidade tinha três ruas tinha uma rua principal e mais duas ruazinha que cortavam a

Leia mais

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN)

Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Instituto Superior Técnico Programa de Estágios do Núcleo de Engenharia Biológica (PEN) Núcleo de Engenharia Biológica Em primeiro lugar, a direcção do NEB gostaria de deixar claro que a resposta de forma

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

Desafios da maturidade

Desafios da maturidade Desafios da maturidade PATRÍCIA ESTER Ação de extensão da UFMG enfrenta contratempos após trajetória de mais de duas décadas Foto: patientsafetyauthority.org Q uando a velhice chega, poucos sabem para

Leia mais

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II

11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo II Capítulo II Mark Ford 11 Segredos para a Construção de Riqueza Capítulo Dois Como uma nota de $10 me deixou mais rico do que todos os meus amigos Das centenas de estratégias de construção de riqueza que

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

P/1 Então, vamos voltar; como é que era essa sua casa de infância, descreve ela?

P/1 Então, vamos voltar; como é que era essa sua casa de infância, descreve ela? museudapessoa.net P/1 Natasha, você pode falar seu nome, local e data de nascimento? R Meu nome é Natasha Firmino da Silva Alves; minha data de nascimento nasci dia primeiro de janeiro de 1991 e não me

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). ATIVIDADES CULTURAIS PARA IDOSOS: CENTRO DE REFERÊNCIA SÃO MIGUEL Autores: Marta Lucia Souto da Silva Nádia Dumara Ruiz Silveira Natália Aparecida de Meira Franco Mario César Pereira Instituição: Pontifícia

Leia mais

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1

1. Pateo do Collegio conhecia não conhecia não responderam 16 18 0. 1. Pateo do Collegio gostei não gostei não responderam 33 0 1 1. Pateo do Collegio conhecia conhecia 16 18 0 1. Pateo do Collegio gostei gostei 33 0 1 Pateo do Collegio 3% Pateo do Collegio gostei 0% conhecia 53% conhecia 47% gostei 97% Por quê? Aprendi mais sobre

Leia mais

Anexo XXXIII Peça teatral com fantoches

Anexo XXXIII Peça teatral com fantoches Anexo XXXIII Peça teatral com fantoches Amanda (entra procurando os amigos) Lucas!? Juninho!? Chico!? Onde estão vocês? Ai meu Deus. Preciso encontrar alguém por aqui. (para o público) Ei pessoal, vocês

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADE

RELATÓRIO DE ATIVIDADE RELATÓRIO DE ATIVIDADE A IMPORTÂNCIA DE CADA ALIMENTO Coordenador da atividade: Thaís Canto Cury Integrantes da equipe: Manha: Bianca Domingues, Fernando Peixoto e Juliana Ravelli Tarde: Thaís Cury, Thalita

Leia mais

Lista de Diálogo - Cine Camelô

Lista de Diálogo - Cine Camelô Lista de Diálogo - Cine Camelô Oi amor... tudo bem? Você falou que vinha. É, eu tô aqui esperando. Ah tá, mas você vai vir? Então tá bom vou esperar aqui. Tá bom? Que surpresa boa. Oh mano. Aguá! Bolha!

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NA AMAZÔNIA: O CASO DO MUNICÍPIO DE COTRIGUAÇU-MT

A PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NA AMAZÔNIA: O CASO DO MUNICÍPIO DE COTRIGUAÇU-MT Especialização em Gestão colaborativa de sistemas socioecológicos de produção familiar na Amazônia A PARTICIPAÇÃO DA AGRICULTURA FAMILIAR NA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NA AMAZÔNIA: O CASO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica?

As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? As prostitutas de BH perguntam: e a gente, como fica? Categories : Copa Pública Date : 18 de setembro de 2012 Maria Aparecida Menezes Vieira, a Cida, de 46 anos, há mais de 20 anos faz ponto na rua Afonso

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Encontros de vida que se faz vivendo.

Encontros de vida que se faz vivendo. Encontros de vida que se faz vivendo. Thatiane Veiga Siqueira 1 A menina do coração de chocolate. Juliana tem nove anos, é uma menina de olhos esbugalhados, com sorriso fácil, ao primeiro olhar já se vê

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

Vivendo e aprendendo em família

Vivendo e aprendendo em família Vivendo e aprendendo em família VERSÍCULO BÍBLICO Que todas estas palavras que hoje lhe ordeno estejam em seu coração. Ensine-as com persistência a seus filhos. Converse sobre elas quando estiver sentado

Leia mais

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg

!!!!! Castelo neuschwanstein/neuschwanenstein em Fussen. host family que recebeu minha irmã em 2010/2011 em Augsburg Alemanha Eu cheguei na Alemanha no dia 14 de Agosto de 2014, e desde então moro em Potsdam, a capital de Brandeburgo e 30 minutos de Berlim A minha host family me buscou no aeroporto e desde o primeiro

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN

CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN CENTRO DE MEMÓRIA DO ESPORTE ESCOLA DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROJETO GARIMPANDO MEMÓRIAS GEÓRGIA BALARDIN (depoimento) 2014 CEME-ESEF-UFRGS FICHA TÉCNICA Projeto: Garimpando

Leia mais

Sinopse I. Idosos Institucionalizados

Sinopse I. Idosos Institucionalizados II 1 Indicadores Entrevistados Sinopse I. Idosos Institucionalizados Privação Até agora temos vivido, a partir de agora não sei Inclui médico, enfermeiro, e tudo o que for preciso de higiene somos nós

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO

DESENVOLVIMENTO E SUCESSO DESENVOLVIMENTO E SUCESSO Janeiro de 2014 número 1 DISBEME COMEMORA UM ANO DO SEU PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Neste mês, a Disbeme Distribuidora de Tanhaçú/BA, comemorou um ano do lançamento do seu planejamento

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet

5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet 5 Dicas Testadas para Você Produzir Mais na Era da Internet Uma das verdades absolutas sobre Produtividade que você precisa saber antes de seguir é entender que se ocupar não é produzir. Não sei se é o

Leia mais

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol?

Domingo. Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam fogo com a luz do sol? Domingo Cocoricóóó! Acorda, seu dorminhoco, está na hora de levantar! Urrggghhoquefoi? Eu disse que já é de manhã e está na hora de você sair da cama. De manhã? Meus pais esqueceram que os zumbis pegam

Leia mais

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate )

Roteiro de Áudio. SOM: abertura (Vinheta de abertura do programa Hora do Debate ) Roteiro de áudio. Programa: Hora de Debate. Campanhas.../ Monica G. Zoppi-Fontana 1 Roteiro de Áudio Episódio 1 Combatendo o preconceito: argumentação e linguagem Programa Hora de Debate. Campanhas de

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1

Como Ganhar 10 Mil Reais por Mês com o Método Formula Negócio Online 2016. w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 w w w. t o t a l m e n t e l i v r e. c o m Página 1 INTRODUÇÃO Olá amigos tudo bem? Deixa eu me apresentar meu nome é Rodrigo Alves, sou empreendedor digital com foco em marketing de afiliados e também

Leia mais

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental

Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Home Índice Autores deste número Investigando números consecutivos no 3º ano do Ensino Fundamental Adriana Freire Resumo Na Escola Vera Cruz adota-se como norteador da prática pedagógica na área de matemática

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES

POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES 197 POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE INDIANISTAS; EXPERIÊNCIA NO MÉDIO SOLIMÕES E AFLUENTES DUSILEK, Alessandra 1 INTRODUÇÃO: Este relato de experiência é fruto de participação de um projeto de oferta de atendimento

Leia mais

Dicas para investir em Imóveis

Dicas para investir em Imóveis Dicas para investir em Imóveis Aqui exploraremos dicas de como investir quando investir e porque investir em imóveis. Hoje estamos vivendo numa crise política, alta taxa de desemprego, dólar nas alturas,

Leia mais

Entrevista Armando José Farah

Entrevista Armando José Farah Saju Pesquisa Histórica Entrevista Armando José Farah Transcrição Leonardo Serrat de O. Ramos 07 Saju: Nome? Armando José Farah... - É, já tavam sabendo que o entrevistado é Armando José Farah, o que os

Leia mais

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES

O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES O PETIANO E O RETORNO AS COMUNIDADES POPULARES: COMPARTILHAMENTO ENTRE SABERES POPULARES E ACADÊMICOS NO ESPAÇO DE PRÉ-UNIVERSITÁRIOS POPULARES TIERRE OTIZ ANCHIETA 1 MÔNICA HEITLING 2 TAINAN SILVA DO

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Quem tem medo da Fada Azul?

Quem tem medo da Fada Azul? Quem tem medo da Fada Azul? Lino de Albergaria Quem tem medo da Fada Azul? Ilustrações de Andréa Vilela 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2015 Edição de Texto Noga Sklar Ilustrações Andréa Vilela Capa KBR

Leia mais

7 Negócios Lucrativos

7 Negócios Lucrativos 7 Negócios Lucrativos CAPÍTULO 1 Mentalidade Geralmente empreendedores ficam caçando uma maneira nova de ganhar dinheiro constantemente, e de fato é isso que faz com que uns cheguem ao topo e outros não,

Leia mais

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança

Projetos sociais. Criança Futuro Esperança Projetos sociais Newsletter externa ABB - Projetos sociais Criança Futuro Esperança Maria Eslaine conta sobre o início de seu curso profissionalizante 02 De ex-aluno do projeto a funcionário da ABB 04

Leia mais

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são "os Resultados"

Uma lição de vida? Nos meus últimos anos tenho aprendido muitas lições de vida mesmo. A que eu acho mais importante de transmitir são os Resultados Gonçalo Carvalho Em entrevista exclusiva à Federação Equestre Portuguesa, meses antes do início dos Jogos Olímpicos do Rio 2016, Gonçalo Carvalho fala da sua paixão pelo desporto equestre, da trajetória

Leia mais

Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade

Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade 1 Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade Realização: Prefeitura de Nova Bandeirantes - MT Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA)

Leia mais

Relato de parto: Nascimento do Thomas

Relato de parto: Nascimento do Thomas Relato de parto: Nascimento do Thomas Dia 15 de dezembro de 2008, eu já estava com 40 semanas de gestação, e ansiosa para ter meu bebê nos braços, acordei as 7h com uma cólica fraca, dormi e não senti

Leia mais

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1

Anexo 2.1 - Entrevista G1.1 Entrevista G1.1 Entrevistado: E1.1 Idade: Sexo: País de origem: Tempo de permanência 51 anos Masculino Cabo-verde 40 anos em Portugal: Escolaridade: Imigrações prévias : São Tomé (aos 11 anos) Língua materna:

Leia mais

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil

Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Reflexões e atividades sobre Ação Social para culto infantil Apresentaremos 4 lições, que mostram algum personagem Bíblico, onde as ações praticadas ao longo de sua trajetória abençoaram a vida de muitas

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar.

Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. 16 Entrevista Dinorah Anselmo Nasoni, aos 79 anos tem disposição de dar inveja a muita gente jovem Trabalha desde os 13 anos e não pensa tão cedo em se aposentar. Fotos e texto: Alessandra Anselmi Fotos:

Leia mais

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871.

A África no Brasil. Ventre Livre, de 28 de setembro de 1871. A África no Brasil A África aparece nas narrativas primeiramente como referência de ancestralidade. Neste sentido, nas narrativas selecionadas, a memória da África e do africano aparecem associadas à noção

Leia mais

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL

DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL DO PROCESSO DE EMANCIPAÇÃO A PRIMEIRA ELEIÇÃO MUNICIPAL O processo de emancipação e a primeira eleição municipal de São João da Ponta ocorreram com muitas dificuldades. Para entendermos um pouco mais como

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação Português Compreensão de texto 2 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Compreensão de texto Nome: Data: Leia este texto expositivo e responda às questões de 1 a 5. As partes de um vulcão

Leia mais

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV

Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV DINO - Divulgador de Notícias Marcos Tolentino revela como se tornou o presidente da Rede Brasil de Televisão - RBTV Marcos Tolentino conta sua trajetória e revela como o filho de um vendedor de carros

Leia mais

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin

Fotos: Luís Antônio Rodrigues. No Perfil Ché & Colin Fotos: Luís Antônio Rodrigues No Perfil & Perfil Em meio às gravações no estúdio Brothers da Lua do músico, juntamente com o gravamos uma entrevista, onde eles nos contam como começou essa amizade e parceria,

Leia mais

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos

Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Módulo Intermediário - Mídia Rádio Íntegra do Tópico Ecossistemas Comunicativos Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil Eliany Salvatierra Doutoranda

Leia mais

Cada coisa no seu lugar

Cada coisa no seu lugar A U A UL LA M Ó D U L O 13 Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Cada coisa no seu lugar Cenatexto Hilda chega, finalmente, a sua casa. Os meninos estão todos encarapitados no velho sofá, com os olhos vidrados

Leia mais

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências)

ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) ESCOLA NACIONAL DE BOMBEIROS (Centro de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Educação (PRODEP III) Objectivos: Reduzir

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 4

Transcrição de Entrevista nº 4 Transcrição de Entrevista nº 4 E Entrevistador E4 Entrevistado 4 Sexo Masculino Idade 43 anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica E - Acredita que a educação de uma criança é diferente perante o

Leia mais