COMPUTERWORLD. Março COMPUTERWORLD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPUTERWORLD. Março 2012 - COMPUTERWORLD"

Transcrição

1 COMPUTERWORLD Março 2012 Big Data A grande promessa Problema antigo mas maior Três vertentes de reforço Mais é ou não melhor? Tirar partido para lá do hype Tendência preocupa e causa grande confusão Cinco coisas que deve fazer agora Mais oportunidades de carreira para profissionais de TI Faltam profissionais em Portugal Março COMPUTERWORLD

2 2 Comunicações Big Data Unificadas A grande promessa As organizações estão a descobrir que as tecnologias para gerir grandes quantidades de dados (Big Data) podem rapidamente encontrar uma agulha no palheiro. Para o Twitter, fazer sentido das montanhas de dados dos seus utilizadores era um problema suficientemente grande que comprou uma outra empresa apenas para a ajudar a fazer esse trabalho. O sucesso do Twitter depende inteiramente de quão bem a empresa explora os dados que os seus utilizadores geram. E tem um monte de dados para trabalhar: armazena mais de 200 milhões de contas, que geram 230 milhões de mensagens diárias no Twitter. Em Julho passado, a gigante das redes sociais adquiriu a BackType, uma empresa com o software Storm que permite analisar fluxos de dados dinâmicos, como os milhões de feeds do Twitter. Após a aquisição, o Twitter libertou o código-fonte do Storm, não tendo interesse em comercializar o produto em si. O Storm é valioso para o Twitter nas suas próprias operações, especificamente porque pode ser útil na identificação de tópicos emergentes à medida que se estão a desenvolver, em tempo real, no serviço da empresa. Por exemplo, o Twitter usa o software para calcular quão amplamente endereços da Web são partilhados entre vários utilizadores do Twitter em tempo real. Esse trabalho "é realmente de computação intensiva, que pode envolver milhares de acessos às base de dados e a milhões de registos de utilizadores", revela Nathan Marz, engenheiro-chefe para o Storm, que explicou a tecnologia em Dezembro passado numa conferência em Nova Iorque realizada pela DataStax, empresa de software de Big Data. Usando uma única máquina, calcular o alcance de um endereço Web pode levar até 10 minutos. Mas usando 10 máquinas, explicou Marz, pode ser executado em apenas alguns segundos. Para uma empresa que ganha dinheiro a vender anúncios que se conjuguem com as tendências emergentes, quanto mais rápida for essa operação pode ser crucial. Como o Twitter, as organizações estão a descobrir que têm uma grande quantidade de dados em mãos, e que os dados podem ser usados para maximizar os lucros e melhorar a eficiência - se os conseguirem organizar e analisar com suficiente rapidez. Este objectivo, tornado possível por uma série de novas tecnologias que são em sua maioria de código COMPUTERWORLD - Março 2012 aberto, é muitas vezes referida como Big Data ou grandes quantidades de dados. "Dá-nos uma vantagem competitiva se podemos entender melhor com o que as pessoas se preocupam e para melhor utilizar os dados que temos para criar experiências mais relevantes", refere Aaron Batalion, director de tecnologia (CTO) para o serviço de compras online LivingSocial, que usa tecnologias como a plataforma de processamento de dados Hadoop, do projecto Apache, para recolher mais informações sobre o que os seus utilizadores querem. "Os dias terminam quando se cria um produto uma vez e ele simplesmente funciona", disse Batalion. "Tem de se ter ideias, testá-las, iterálas, usar os dados e analítica para entender o que funciona e o que não funciona, a fim de ser bem sucedido. E é assim que usamos a nossa infra-estrutura de Big Data". Muitos dados cada vez maiores Em Maio passado, a empresa de consultoria McKinsey publicou um relatório que antecipou como as organizações seriam inundadas com dados nos próximos anos. Ela também previa que uma série de indústrias - incluindo saúde, sector público, retalho e fabrico - poderiam beneficiar da análise dos seus rapidamente crescentes montes de dados. Recolher e analisar os dados transaccionais dará às organizações um melhor conhecimento sobre as preferências dos seus clientes. Isso pode ser usado para informar melhor na criação de produtos e de serviços, e permitir que as organizações possam resolver problemas emergentes mais rapidamente. "A utilização de grandes dados será uma base fundamental na concorrência e crescimento para as empresas", conclui o relatório. "A utilização de Big Data suportará novas ondas de crescimento na produtividade e satisfação do consumidor". É claro que a Teradata, a IBM e a Oracle, entre muitas outras, têm warehouses de dados à escala dos terabytes há mais de uma década. Actualmente, no entanto, os dados tendem a ser recolhidos e armazenados numa ampla variedade de formatos e podem ser processados em paralelo em vários servidores, o que é uma necessidade dadas as quantidades de informações que estão a ser analisadas. Para lá de manter exaustivamente os dados transaccionais em bases de dados e outros cuidadosamente residentes em warehouses, as organizações também estão a recolher quantidades incalculáveis de dados dos acessos ( logs ) dos servidores e outras formas de dados gerados pelas máquinas, comentários de clientes internos e de redes sociais exter-

3 Big Data 3 nas, e ainda outras fontes de dados soltos, não chamado Bigtable. A Google manteve o Bigtable para uso temos interno, números mas Doug até um Cutting, pouco mais um a estruturados. Internet nem Amazon e a "Os Fnac sistemas não facturava tradicionais o M&P: de dados Mas há simplesmente factura não hoje. manipulam Receber grandes mentar o quantidades portfólio RD ao busca nível de em open cliente source em base de Lucene/Solr, dados, tenho de criou ad- planos concretos programador de au- jovens que já do havia que a criado idade média o motor do meu de que uma de carta dados das muito Selecções bem, seja imprensa? porque não podem uma versão de mitir. código Tirando aberto, os países denominando da América Latina e do da nome Ásia, do a elefante minha revista de pe- é a era lidar um com evento a variedade e tinha de FL: dados Se as - os oportunidades dados de surgirem tecnologia e a partir uma hoje taxa são de resposta muito menos brutal. evoluem Hoje não muito estamos rapidamente um fundo -, de ou investimento porque até Uma facilita das primeiras pareça em entidades relação a a outros adoptar países. o Ha- De- forem estruturados boas, sim. porque E ter como luche accionista do seu invulgarmente filho. jovem, por estranho que nessa [esses realidade. sistemas] A concorrêncisionados é duríssima, à velocidade os que plano devem para mastigar investiir uns os quantos e começou mi- a problema dedicar porque grandes a população quantidades não está do não conseguem as coisas. Mais ser dimen- facilmente doop vêem foi uma Yahoo. pois também A empresa não contratou é propriamente Cutting um nossos dados", livros refere têm dscondo Eric Baldeschwieler, lhões num novo CTO prodr da uns quantos trabalho mi-dlhões saída num novo da Yahoo, produto do por que volta meio de limite até tenho "A Yahoo um mercado tinha maior. muitos engenharia a rejuvenescer, a refinar antes pelo a tecnologia, contrário. No que Hortonworks, foi uma das uma razões empresa que que me oferece facilitou uma a decisão, Os entrei dados depois estão a de crescer no a uma taxa exponen- poderiam ser M&P: correlacionados A percepção é que de a várias revista é ma- um distribuição milhão do de Hadoop. dólares de desvio de dados budget. interessantes em toda a empresa que ano cial, anterior graças terem à Lei saído de Moore, M&P: salientou Dado que Curt têm Monash, da Monash Research. fontes A de Lei receita, de Moore parece quase separados", uma refere muda? Cutting, que agora trabalha de diversificar neiras, mas o pouco que existia envelhecida. estava Como em sistemas é que se muitas afirma que o número inevitabilidade. de transístores que para a Cloudera, FL: A um maior fornecedor parte das de pessoas distribuição várias Hadoop. pega na revista há mais de dez anos. A não M&P: podem As 'gorduras' ser colocados já tinhacessador sido cortadas. duplica aproximadamente formas de poder a cada crescer, 18 uma A Yahoo delas é hoje percepção um dos depois maiores é um utilizadores ciclo vicioso, do numa FL: Não wafer necessariamente. dum pro- Tenho FL: meses. Já, já. Cada Houve nova três geração razões duas pelas vezes quais mais consegui- potente que que domino a sua muito anteces- bem, que mil é a venda servidores. procura. A empresa Por outro utiliza lado, a as tecnologia vendas em sair de da processadores minha concha. Há é um Hadoop, mercado tendo-o se a minha implantado percepção em é esta mais não de vou 40à mos sora atingir mais este recente. ano o E, por não correspondência. surpreendentemente, o depois poder de dos doisnovos alargar servidores o lote de também produtos que mantêm podemos ficheiros magadora massivos maioria de das logs vendas, de 94 a his- 95 Estamos de a diferentes tentar banca maneiras. também Clusters têm vindo a cair. Hadoop A es- break-even, ou duplica três anos a cada de perdas 18 meses, vender, o que já significa hoje vendo que vitaminas, tórias como e secções mil, são em por que assinatura os utilizadores e.< clicaram. vita- A actividade publicitária também é muito as suas duras actividades em Portugal. vão se gerar fossem conjuntos cum teste e devendemos A dados fundamental igualmente foi, claramente, A abordagem o corte na à estru- Big Data jóias. representa uma as listas de todo o conteúdo e artigos que a maiores. minas. Nos catálogos já vendemos armazenada em clusters Hadoop, como são tura grande custos, alteração aconteceu na forma como os dados são Yahoo publica. também manipulados, noutros diz países, Jack Norris, M&P: vice-presidente Diversificar não é necessariamente Antes, na os área dados editorial, cui-portantoganizar e condensar grandes quantidades de "O Hadoop é uma óptima ferramenta para or- mas de em marketing Portugal foi da drásticodadosamente Saíram dezenas escolhidos de FL: eram Não é canalizados uma inevitabilidade. dados Ou antes de serem colocados numa base MapR. pesal através e Espanha, da rede ra fa para do um seja, data sim warehouse, tenho de analisar de oportunidades examinados. de investimento Com ana área logia edito- é particularmente bem adequada para dados relacional", refere Monash. A tecno- que onde prostão podiam não é depois a estrutura quantidade de custos, crescente que não é de rial dados, e revistas no entanto, em concreto, "a depois pesquisar não padrões em grandes conjuntos de ser elevada, rede torna-se o problema o estrangulamento", é que sei que posso refere. cdes Sistemas receita distribuídos não é suficiente como o não Hadoop posso apostar permitem tudo aaí. Posso Outra cres- tecnologia de Big Data que teve o seu é que vou texto. investir, a para, análise em condições onde residem normais, Em rentabilizar vez de criar essa um subconjunto dumail, de anúncios limpo nos de ps base países de da dados Cassandra. A Cassandra é os cer dados. o negócio com venda de início mais pro- num fornecedor de serviços online foi a dados do utilizador para Europa. os colocar numa capaz de armazenar 2 milhões de colunas M&P: data Noutros warehouse mercados apara serem consultados numa única linha, tornando-as acessíveis para RD num tem número lançado limitado títulos de M&P: formas E isso pré-determinadas, segmentos o software nos quais de obig Data cer o perfil recolhe de audiência todos osda Selecções? zadores existentes, sem saber de antemão está a ajudar a rejuvenes- acrescentar mais dados sobre contas de utili- em grupo dados tem que know-how. uma organização Esse FL: Estamos gera, e a ter permite resultados como de vendas os dados devem ser formatados. tipo que de os estratégia administradores está a e melhores analistas do se que preocupem pensada em como para o os mer- usar mais lhores tarde. do que Neste esperávamos, sen- ser precisa- vantajoso na medida em que pode ser di- há uns tempos, Usar a me- base de dados Cassandra também pode ser cado tido, ibérico? são mais escaláveis mente do que porque os bancos estamos de a vidida conseguir por vários servidores, o que ajuda as organizações as a escalar as suas bases de dados FL: dados O mercado tradicionais português e as data chegar warehouses. a mais pessoas. A internet, em termos publicitários é novas formas de comunicação, facilmente estãonos a a Big permitir Datachegar a novos mesmo clientes, num pequeno cluster de servidores. para lá de um único servidor, ou até um Como décimo, a Internet mais coisa estimulou menos De muitas coisa, maneiras, do Espanhol. de serviços É um mercado online rela- como mente, a Google, não são Amazon, assim tão diferentes. Facebook, que precisava de uma enorme base os gigantes clientes diferentes, fornecedores mas que, A Cassandra feliz- foi desenvolvida pela rede social tivamente Yahoo, Facebook pequeno e Twitter e Diferradicionais têm estado na compram. vanguarda ocupado da aprendizagem por gran- para vindo retirar e gostam o máximo dos produtos. na Eu entrada tenho do serviço, refere Jonathan Ellis, o de Eles dados têm distribuída para lidar com as buscas muito des proveito grupos de media, tais enormes portanto, A Google não é e caro a Yahoo, lançar entre de outros, percepção, participaram as pessoas pensam co-fundador RD da DataStax, empresa que agora bons conjuntos produtos, de tenho dados. é um responsável problema do projecto Apache Cassandra e revistas no desenvolvimento em Portugal o di-dfícil do Facebook é rentabilizá-las. desenvolveram a primeira base Como o Yahoo, o Facebook queria usar a ar- Hadoop. e imaginam Engenheiros logo teias de aranha. oferece suporte profissional para Cassandra. Agora de dados o meu dever distribuída é analisar também oportunidades, em open ver source. o ções o Bareme Imprensa indica fornecer uma estrutura de base de dados Cassandra, M&P: Olhando da Apache, para o perfil quitectura da Selec- Bigtable da Google, que poderia que O faz Hadoop sentido teve lançar o ou, seu início FL: Esses a partir números de um dão uma orientada idade para colunas e linhas que poderia eventualmente, white paper adquirir. da Google, média em 2004, de 44 anos que do descreveu lado de a infraestrutura Espanha, o da reme Google Imprensa construída maneira como O limite é cal- da Bigtable é que era um projecto meu leitor ser - espalhada o Ba- por um grande número de nós. Do mercado para analisar é muito dados grande, em vários culado servidores vale o que diferentes, utilizando um sistema de indexação ção dependia de um único nó para vale, mas orientado é o que para um nó principal. Toda a opera- coordenar Março COMPUTERWORLD

4 4 Big Data as actividades de leitura e escrita em todos os outros nós. Por outras palavras, se o nó principal fosse abaixo, todo o sistema ficava inutilizado. "Isso não é o melhor desempenho. Quer-se um em que se uma máquina vai abaixo, as outras continuarão a funcionar", disse Ellis. Assim, Ellis e os seus colegas desenvolveram a Cassandra usando uma arquitectura distribuída da Amazon, chamada Dynamo, que os engenheiros da Amazon descreveram num artigo de A Amazon desenvolveu inicialmente a Dynamo para acompanhar o que os seus milhões de clientes online iam colocando no carrinho de compras. A Dynamo não é dependente de qualquer nó central. Qualquer nó pode aceitar dados para todo o sistema, bem como responder a consultas. Os dados são replicados em vários hosts. Para a empresa A boa notícia é que muitas destas primeiras ferramentas desenvolvidas por esses fornecedores de serviços online estão a ficar mais disponíveis para as empresas como software de código aberto. Por estes dias, ferramentas para grandes dados estão a ser testadas por uma ampla gama de organizações, fora dos COMPUTERWORLD - Março 2012 grandes fornecedores de serviços online. Instituições financeiras, telecomunicações, agências governamentais, empresas de serviços públicos, retalho e empresas de energia estão a testar grandes sistemas de dados, observa Baldeschwieler. "Há um ar de inevitabilidade" com o Hadoop e implementações de Big Data, diz. "É aplicável a uma grande variedade de clientes". Então como é que uma organização pode começar a usar os seus montes de dados gerados por máquinas e redes sociais? Talvez surpreendentemente, a criação da infraestrutura não será o maior desafio para o CIO. Fabricantes como a Cloudera, Hortonworks, MapR e outros estão a comercializar tecnologias de Big Data, com efeito, tornando-os mais fáceis de implementar e gerir. Em vez disso, encontrar o talento certo para analisar os dados será o maior obstáculo, segundo o analista da Forrester Research, James Kobielus. As organizações "tem de se concentrar na ciência dos dados", diz Kobielus. "Têm de contratar modeladores estatísticos, profissionais de extracção de texto, pessoas que se especializaram em análise de sentimentos". A Big Data baseia-se na sólida modelação dos dados, refere Kobielus. "Modelos estatísticos preditivos e modelos analíticos de teste serão as principais aplicações de que se precisa para gerir muitos dados", refere. Muitos estão prevendo que a Big Data trará um tipo inteiramente novo de profissional, o cientista de dados. Este será alguém com um profundo entendimento de matemáticas e estatísticas, que também sabe trabalhar com tecnologias de Big Data. Pode haver escassez destas pessoas. Em 2018, só os Estados Unidos podem enfrentar a falta de 140 mil a 190 mil pessoas com profundas capacidades analíticas, bem como 1,5 milhões de gestores e analistas com knowhow para usar a análise dos grandes dados para tomar decisões eficazes, estimou a McKinsey. Apesar destas limitações, as organizações precisam de seguir em frente apenas para permanecerem competitivas e eficientes, diz Norris, da MapR. Como exemplo, ele aponta a Google, que entrou no campo das buscas na Internet anos após a concorrência, para acabar por dominar o mercado em dois anos. "Muito disto deveu-se às vantagens da arquitectura back-end da Google", considera Norris. A Big Data "é uma grande mudança de paradigma que tem o potencial de mudar indústrias".<

5

6 6 Big Data Problema antigo mas maior As empresas portuguesas já lidam com os problemas do crescimento exponencial de dados há algum tempo. Mas considerando as dimensões e os constrangimentos actuais, o desafio é mais elevado e diferente. Para grande parte das organizações portuguesas, Big Data é uma denominação nova para um problema antigo, com dimensões maiores e a exigir redobrada atenção. O grau de preparação varia, com o sector da banca e das telecomunicações a liderarem. Mas, desta vez, os constrangimentos de financiamento trazem barreiras adicionais, muitas vezes incontornáveis incluindo o adiamento do investimento. As empresas em Portugal já assimilaram o conceito de Big Data, afirma Fernando Faria, Manager de Data & Information Management na Unisys. Existirão factores externos para isso, como o papel da comunicação social e o próprio discurso dos fabricantes e prestadores de serviços de alojamento. Mas as próprias organizações já constataram o fenómeno internamente, reforça. Também o CTO da Feedzai, Paulo Marques, considera que o fenómeno Big Data não é novo para as empresas portuguesas. Do seu ponto de vista, a questão mais importante que se coloca às empresas passa por saber como extrair valor de negócio dos dados que existem na organização, independentemente da tecnologia utilizada como suporte. A grande diferença é que hoje o desafio ganha outra dimensão e relevância devido à surpreendente magnitude dos volumes de dados produzidos pelas organizações, salienta Sofia Esteves, directora do centro de competência de BI da Novabase. Assim, ele depende da organização ter ou não um volume de dados tal, que impossibilite o seu tratamento e análise de forma efectiva, sustenta. A própria globalização constitui um factor de pressão, na opinião desta responsável. A presença das organizações em várias partes do Û Três vertentes de reforço globo, as consequências da actividade empresarial decorrer em fusos horários distintos e a necessidade de haver uma visão global sobre o negócio, são vertentes desse aspecto. O mesmo resulta num esmagamento das janelas de processamento de dados disponíveis, criando novos desafios na eficiência e performance dos processos de ETL (Extraction, Transformation e Loading), explica. Como noutros países, também em Portugal as redes sociais são um dos factores de crescimento exponencial da informação, confirma Fernando Faria (Unysis). E a análise, extracção e processamento desta informação pertinente para o ramo de negócio de uma empresa será um factor justificativo para o investimento no tratamento de Big Data, explica. Contudo, o responsável considera que as organizações estão a tentar passar esta problemática para um futuro próximo, procurando adiar investimentos que não tenham um retorno rápido para o seu negócio. O momento de contenção de investimentos será o principal responsável pela situação. Não obstante, Paulo Marques (Feedzai) tem uma perspectiva mais positiva sobre a dinâ- O novo universo de capacidades inerente ao Big Data permitirá complementar as capacidades actualmente instaladas nas empresas portuguesas, considera o consultor da Deloitte, Pedro Lopes. Sobretudo em três vertentes ou situações: quando se pretende que os data warehouses actuais desçam a um nível de detalhe adicional que antes não era suportável pela enorme quantidade de informação resultante (exemplos são os detalhes de facturas ou de chamadas telefónicas); para se tirar partido de ferramentas de funcionamento em tempo real, que necessitam de capacidades de resposta sobre análises de grandes quantidades de dados, superiores às tradicionais; com o objectivo de obter alertas e significado, com valor, a partir de informação não estruturada como Web logs, fluxos de media social, dados de RFID ou de outros sensores, ou dados sobre cliques em sites Web.< COMPUTERWORLD - Março 2012

7 Big Data 7 mica do mercado. Confia na abertura enorme das empresas nacionais para usar tecnologia de ponta mas com uma condição: é preciso que a tecnologia resolva os seus problemas de análise de dados. Do que temos assistido no terreno, as empresas também estão neste momento dispostas a investir por forma a conseguirem reduzir custos nas suas operações com tecnologia, que lhes permitam melhores insights de negócio na sua organização, concretiza. Para o responsável da start-up participada da Novabase, o mercado português não apresenta qualquer peculiaridade face a outros. ÞMais é ou não melhor? "Big Data não tem a ver apenas com análise de dados, assegura o CTO da Amazon, Werner Vogel. Tem a ver com o fluxo todo, afirma. Por isso, é necessário pensar em todas as diferentes etapas de processamento de dados: recolha, armazenamento, organização, análise e partilha. Já o CTO da Feedzai, Paulo Marques, dá destaque ao conhecimento sobre as perguntas mais importantes a fazer. Para aproveitar as crescentes quantidades de dados e ganhar vantagens competitivas, as empresas terão de inovar em todas essas áreas, não apenas na análise, segundo Vogel. A Amazon tem desenvolvido muita actividade em torno do Big Data e da análises de dados para conseguir chegar a clientes-alvo e disponibilizar recomendações pertinentes. O que tem aprendido ao longo do caminho é que maior, neste caso, é sinónimo de melhor, diz Vogel. Quando são detectados erros, estes são normalmente devidos ao facto de não existirem dados suficientes para sustentar uma recomendação, por exemplo. Mas para o CTO da Feedzai, nem sempre é preferível ter uma maior quantidade de dados. Em contexto de "Big Data", diz, a pergunta mais importante a fazer é o que é que eu preciso de compreender do negócio que me permita ter uma organização mais eficiente, mais produtiva, ou com mais oportunidades de negócio? Quando essa questão estiver resolvida, utilizam-se os dados necessários existentes nos sistemas de informação. Usar a maior quantidade possível de dados não será efectivamente a melhor resposta. Saber que perguntas é que têm valor em termos de negócio, sim, é um catalisador chave de soluções de Big Data, defende.< Tirar partido para lá do hype É impossível negar o crescimento exponencial da informação nos últimos anos. Para Fernando Faria, Manager de Data & Information Management da Unisys, o reconhecimento da sua existência como Big Data, mais recentemente, comprova a tendência. Estando na ordem do dia, tem sido um pouco enfatizado pelos fabricantes. Contudo, não deixa de ser uma realidade que merece atenção. Sobretudo, com o objectivo de as organizações conseguirem tirar partido da compreensão e exploração desta informação em tempo real, reforça o responsável. Empresas em aprendizagem Sendo Portugal um país com uma malha empresarial composta sobretudo por PME, levantam-se algumas dúvidas. Na opinião de Pedro Lopes, da Deloitte, as PME não serão naturais clientes das capacidades inerentes ao fenómeno Big Data. A sua justificação liga-se à visão de Sofia Esteves: o consultor baseia a sua opinião nas necessidades típicas de análise de informação que normalmente evidenciam. Contudo isso não invalida a utilidade de investirem num contexto de Big Data e obterem proveitos. As organizações portuguesas, tal como as outras, poderão tirar partido destas capacidades para segmentar os seus clientes com base em novas fontes de informação como os media sociais, tomar decisões de oferta de produtos ou serviços em tempo real com base em informação captada no momento ou identificar fraudes por análises a informação mais detalhada que antes não eram possíveis, explica. Nesse contexto, considera que do ponto de vista da sua preparação, estão ao nível da generalidade das organizações de outros países pelo que poderão, mediante mais alguma preparação, reforçar e complementar as suas capacidades actuais. Na sua visão, exceptuando organizações como a Google ou a Facebook, pioneiras a lidar com o fenómeno Big Data, todas as empresas ainda estão a aprender como fazê-lo. Na mesma linha, o gestor da Reditus, Nuno Pacheco, afirma que o universo tecnológico em torno do Big Data é recente e disruptivo, considerando os cenários tradicionais de BI. Nuno Pacheco considera existir no mercado português algum investimento, particularmente nas soluções de data mining e data warehousing. A realidade é que apenas têm capacidade limitada de armazenar e analisar as suas fontes internas de informação, mesmo que já conseguindo desenvolver uma actividade analítica sobre o negócio, revela. Com o know-how já existente, complementado com uma abordagem Big Data, será possível adquirir, organizar e analisar fontes de informação tanto internas como externas, com uma abrangência bastante mais alargada, defende o responsável da Reditus. Que capacidades deverão ser utilizadas? Para que propósitos de negócio?, são as questões mais prementes para as organizações interessadas, segundo Pedro Lopes. O responsável da Deloitte aponta ainda três aspectos em que uma abordagem no contexto Big Data poderá complementar as estratégias das organizações portuguesas (ver caixa). Nem só de software se fará a preparação para a abordagem Big Data. As empresas irão começar a olhar para um tipo de informação diferente, que antes estava consolidada na sua infra-estrutura tradicional, destaca Fernando Faria, da Unisys. Esse corpo de informações começará a ser deslocado para sistemas desenhados para proporcionarem armazenamento e rápido acesso, explica. Além disso, os mesmos terão a capacidade para interpretar e explorar os dados em benefício do negócio. Desta forma, as empresas terão que começar a manejar um novo tipo de infra-estrutura, para um novo tipo de informação com requisitos de manipulação completamente diferentes daqueles utilizados até agora, alerta.< Março COMPUTERWORLD

8 8 Big Data Tendência preocupa e causa grande confusão A Big Data tem tido alguma atenção por estes dias e as organizações estão cada vez mais preocupadas com o problema da sua gestão, mas muitas ainda não entendem o que são realmente as grandes quantidades de dados. Nem sequer têm as ferramentas existentes para gerir eficazmente muitos dos dados já à sua disposição, diz Mandeep Khera, director de marketing da LogLogic, especializada numa plataforma escalável de registos e segurança de inteligência ( log and security intelligence platform ou LSIP) para empresas e cloud. "A maioria delas estão preocupadas com os grandes dados, mas ainda não entendem o que isso significa", diz Khera. "Porque tem havido tanto dito sobre Big Data, não há uma definição clara e todos estão confusos". Um novo estudo conduzido pela LogLogic em conjunto com a consultora de segurança de TI Echelon One verifica que 49% das organizações estão um pouco ou muito preocupadas com a gestão de grandes dados, mas 38% não entende o que é a Big Data e 27% ainda dizem que têm uma compreensão parcial. Além disso, o estudo descobriu que 59% das organizações não possuem as ferramentas necessárias para gerir os dados nos seus sistemas de TI, voltando-se em vez disso para sistemas separados e diferentes, ou até folhas de cálculo. "Sabemos que os dados são importantes a partir de muitas perspectivas diferentes: segurança, operações de TI, conformidade", diz Khera. "As empresas precisam de gerir os dados dxe forma muito mais eficaz para que possam tomar decisões mais inteligentes". O estudo global foi baseado nas respostas de 207 indivíduos ao nível da direcção numa variedade de indústrias, incluindo manufactura, educação, governo, finanças, saúde, transportes, media e edição, e outros. "Big Data é sobre muitos terabytes de dados não estruturados", explica Khera. "A informação é poder, e a COMPUTERWORLD - Março 2012 Big Data, se administrada correctamente, pode dar uma tonelada de conhecimento para ajudar a lidar com questões da segurança, operacionais e de conformidade. Organizações de todos os tamanhos estão a recolher mais dados de uma variedade de fontes de dentro da empresa e de infraestruturas na nuvem, e muitas organizações não estão a utilizar as ferramentas e processos adequados para gerir esses dados. Se este padrão continuar, veremos as empresas a ficarem para trás, incapazes de obter conhecimentos que podem ajudar as organizações a tomar decisões inteligentes". A maioria dos inquiridos 62% - disse que já geria mais de um terabyte de dados. Mas há mais para vir. O volume de dados está a aumentar no mundo a uma taxa quase incompreensível. A IBM diz que criamos 2,5 quintiliões de bytes de dados todos os dias. E talvez ainda mais surpreendente, 90% dos dados no mundo foram criados nos últimos dois anos, segundo a empresa. Os dados são provenientes de sensores, registos de transacções, imagens e vídeos, mensagens nos media sociais, registos de entrada e todos

9 Big Data 9 os tipos de outras fontes. É isto que é a Big Data. Ela pode fornecer o tipo de inteligência e perspicácia activa com que os líderes empresariais sonham. Na frente da segurança, pode ajudar a proteger a organização contra ameaças persistentes avançadas (APT) e ataques de malware, fornecendo visibilidade sobre o que está a acontecer na rede, e pode também dar à análise forense um enorme impulso. E também pode levar a enormes ganhos em termos de eficiência operacional, desde a optimização dos servidores a otimizar a gestão da cadeia de abastecimento. Pode até ajudar em questões de conformidade. Mas se não se tiverem as ferramentas para gerir e realizar a analítica na infindável inundação dos dados, eles são essencialmente lixo. Khera diz que uma das chaves para ter a Big Data sob controlo é a gestão dos logs, que consolida e centraliza os registos de toda a organização - incluindo os logs de aplicações Web, middleware, aplicações de back-end personalizadas e bases de dados -, com um repositório indexado de armazenamento e uma interface de utilizador comum. Para se obter sentido dos dados, requerse a capacidade de os normalizar, correlacionar, emitir relatórios e alertas. Este ano, a LogLogic encomendou ao IANS (fundado como Institute for Applied Network Security), para realizar uma análise de investimento na segurança da informação (Information Security Investment Analysis ou ISIA) dos seus produtos de gestão de registos e de conformidade. Após entrevistar clientes da LogLogic que lidam com as questões das grandes quantidades de dados, o IANS afirmou: "o maior diferenciador na gestão de registos em Big Data é o tamanho da quantidade de informações nos logs. Tentar recriar um evento após o facto não é uma questão simples se apenas alguns dispositivos estão disponíveis. Imagine olhar através de milhares de dispositivos e através de petabytes de dados sem ter um fácil de usar interface de utilizador ou um repositório de armazenamento indexado para uma resposta rápida. A Big Data é caracterizada não apenas pelo tamanho, mas também pela velocidade. Procurar através de quantidades maciças de dados leva tempo se não estiverem indexados correctamente. Se a informação crítica sobre acessos não autorizados ou outras actividades não estiverem disponíveis porque não foram indexadas, os resultados de uma pesquisa serão inconclusivos. Assim, uma solução de gestão de muitos dados deve ser capaz de funcionar mesmo com a inundação das novas mensagens. Isto é ainda mais importante quando se trata dos alertas. Se a indexação demorar muito, as mensagens críticas de alerta serão atrasadas causando uma latência inaceitável nos tempos de resposta". Por enquanto, porém, apenas 54% dos entrevistados disseram usar uma solução de gestão de logs para gerirem os seus dados de registos. Muitos usam folhas de cálculo para gerir os registos, de acordo com o estudo, e 33% não fazem nada. "Os resultados mostram significativas inconsistências na prática", diz Bob West, fundador e CEO do Echelon One. "Ou seja, enquanto a Big Data, as necessidades na cloud e os requisitos de conformidade são claramente as maiores preocupações, a maioria das empresas não estão preparadas para lidar com qualquer um deles de forma adequada. É fascinante ver essa distância, e uma percentagem esmagadora das empresas inquiridas não estão preparadas para gerir muitos dados adequadamente, monitorizar os ambientes cloud de forma eficaz ou relatar as actividades da rede e dos dispositivos correctamente. Estas empresas estão a ficar expostas a ataques, a tomada de decisões menos informadas de negócios e até mesmo a arriscarem multas das agências reguladoras por não cumprirem com as suas obrigações".< Março COMPUTERWORLD

10 10 Big Data Cinco coisas que deve fazer agora Tem o seu plano para grandes quantidades de dados em prática? Se não, pode querer pensar na implementação de um. A Big Data está sendo saudada - ou mediatizada, dependendo do seu ponto de vista - como um activo de negócio estratégico para o futuro. Isto significa que é apenas uma questão de tempo até os colegas no escritório quererem saber os pensamentos da TI sobre o assunto. O que lhes pode dizer? Para ter a certeza, lidar com grandes quantidades de dados não é um território virgem para a maioria dos departamentos de TI, mas para além do hype, dizem os analistas, a Big Data é realmente diferente do data warehousing, data mining ou da análise de business intelligence que surgiram antes. Os dados estão a ser gerados a uma maior velocidade e variabilidade do que antes e, ao contrário dos dados no passado, a maior parte é desestruturada e rude (por vezes, são os chamados "dados cinzentos"). Blogues, redes de media social, sensores de máquinas e ferramentas baseadas em localização estão a gerar todo um novo universo de dados não estruturados que - quando rapidamente capturados, geridos e analisadas - podem ajudar as empresas a descobrir factos e padrões que não foram capazes de reconhecer no passado. "Recolhemos dados há muito tempo mas era de forma muito limitada o que produziu um monte deles, mas sem que alguém estivesse a fazer alguma coisa com eles", diz Paul Gustafson, director dos programas de tecnologia Forum Leading Edge na Computer Sciences Corp. "Os dados foram arquivados, e foram modelados em torno de processos de negócios, não como um conjunto mais amplo de conhecimento básico para a empresa. O mantra é essa mudança de os recolher para os ligar". A TI está a liderar a vanguarda dessa revolução dos dados, dizem observadores do sector. "Esta é uma oportunidade para entrar no escritório do CEO e dizer, 'eu posso mudar este negócio e proporcionar o conhecimento na ponta dos dedos em questão de segundos, por um preço que eu não podia oferecer há cinco anos", diz Eric Williams, CIO da Catalina Marketing. Williams sabe do que fala a Catalina mantém uma base de dados de 2,5 petabytes com a fidelização dos clientes que inclui dados sobre mais de 190 milhões de clientes de supermercados norte-americanos, reunidos pelas maiores redes de retalho. Esta informação é, por sua COMPUTERWORLD - Março 2012 vez, utilizada para gerar cupões no checkout com base no historial de compras. Para orientar as organizações para a era da inteligência predictiva em tempo real, Williams e outros observadores da indústria dizem que os gestores de tecnologia devem evoluir a sua arquitectura corporativa de gestão da informação e cultura para suportar analíticas avançadas em armazenamento de dados que calculem em terabytes e petabytes (e possam potencialmente escalar para os exabytes e zetabytes). "A TI está sempre a dizer que quer encontrar formas de aproximar-se do negócio - [Big Data] é uma oportunidade fenomenal para fazer exactamente isso", diz Williams. Ao invés de esperar que as peças encaixem, os líderes conhecedores de TI devem começar a preparar-se e às suas organizações para se chegarem à frente da transformação, dizem os analistas, como Mark Beyer, da Gartner. Eis as cinco principais acções que os gestores de tecnologia devem tomar hoje para definir uma base adequada para a era da Big Data de amanhã. Faça um balanço dos seus dados Quase todas as organizações têm potencialmente acesso a um fluxo constante de dados não estruturados seja nas redes sociais ou a partir de sensores que monitorizam o chão da fábrica. Mas só porque uma organização está a produzir essa quantidade de informação, isso não significa que há um imperativo de negócio para guardar e agir em cada byte. "Com todo este interesse inicial em torno dos grandes dados, as pessoas estão a sentir uma necessidade artificial de compreender todos os dados que vêm de Web logs ou de sensores", observa Neil Raden, analista da Research Constellation. Parte dessa ansiedade pode ser proveniente de fornecedores e consultores ansiosos para promover a próxima grande coisa na computação empresarial. "Há concerteza um esforço determinado nesse sentido vindo das pessoas que estão a comercializar a tecnologia", observa Raden. Os gestores inteligentes de TI vão resistir à tentação e servir como filtro para ajudar a descobrir quais os dados que são ou não relevantes para a organização. Um bom primeiro passo é fazer um balanço de que dados são criados internamente e determinar quais as fontes de dados externas, se as houver, para preencher lacunas de conhecimento e trazer conhecimento agregado ao negócio, diz Raden. Uma vez isso em curso, a TI deve avançar com

11 Big Data 11 projectos altamente direccionados que possam ser usados para demonstrar os resultados, por oposição a optar por grandes projectos de Big Data. "Não se tem de gastar alguns milhões de dólares para iniciar um projecto e ver se vale a pena", diz Raden. Deixe as necessidades corporativas prevalecerem Pode já ter ouvido isto antes, mas o alinhamento dos negócios com as TI é fundamental para uma iniciativa tão grande e variada como é a Big Data, dizem os analistas. Muitas das primeiras grandes oportunidades nos grandes dados começaram em áreas fora das TI - os departamentos de marketing, por exemplo, estão a analisar os fluxos nos media sociais para ganharem uma melhor compreensão sobre as exigências dos clientes e tendências de compra. Enquanto especialistas em disciplinas específicas sobre o lado do negócio podem reconhecer as oportunidades de fazer dinheiro, é responsabilidade da TI de tomar conta dos conceitos de partilha e de federação dos dados que fazem parte integrante de uma estratégia de Big Data. "Isto não é algo que a TI possa fazer por conta própria", diz Dave Patton, analista das indústrias de gestão de informação na PricewaterhouseCoopers. "Vai ser difícil transformar isto numa história de sucesso se [a iniciativa] não estiver alinhada com os objectivos do negócio". No início da iniciativa de Big Data na Catalina Marketing, Williams juntou os gestores de negócio ao grupo de análise e planeamento financeiro (FPA), num esforço de equipa para ter um business case para investimentos em arquitectura de informação. O lado do negócio identificou áreas onde novas ideias podiam trazer valor - por exemplo, na determinação de compras posteriores com base nos items do carrinho de compras ou através de uma análise da próxima compra baseada em ofertas de produtos e a equipe FPA analisou os números para quantificar o que os resultados significavam em termos de aumento de produtividade ou de aumento de vendas. Reavaliar a infra-estrutura As iniciativas de Big Data exigem grandes mudanças, tanto na infra-estrutura de servidores e de armazenamento e na arquitectura de gestão de informação na maioria das empresas, dizem Beyer e outros especialistas. Os gestores de TI precisam de estar preparados para expandir os seus sistemas para conseguirem lidar com as quantidades cada vez maiores de dados estruturados e não estruturados, dizem. Isto requer descobrir a melhor abordagem para tornar ambos os sistemas extensíveis e escaláveis e desenvolver um roteiro para a integração de todos os diferentes sistemas que irão alimentar o esforço de análise de Big Data. "Hoje, a maioria das empresas tem sistemas diferentes e silos para folhas de pagamento, para gestão de clientes, para marketing", diz Anjul Bhambhri, vice-presidente da IBM para os produtos Big Data. "Os CIOs precisam realmente de ter uma estratégia para juntar esses diferentes sistemas e silos e construir um sistema de sistemas. Quer-se fazer perguntas que fluam através de todos esses sistemas para se obterem respostas". Desossar a tecnologia O mundo dos dados enormes vem com uma longa lista de novas siglas e de tecnologias que provavelmente nunca apareceram no radar de um CIO. Ferramentas de código aberto estão a ter a maior parte da atenção. Tecnologias como Hadoop, MapReduce e NoSQL estão a ser creditadas como a ajuda de gigantes da Web, como a Google e o Facebook, a escavarem os seus reservatórios de muitos dados. Muitas destas tecnologias, agora já disponíveis em modelos comerciais, ainda estão bastante imaturas e necessitam de pessoas com competências muito específicas. Outras tecnologias que são importantes para o mundo dos grandes dados incluem analítica de base de dados, bases de dados verticais e aplicações de data warehouse. Os gestores de TI e as suas equipas têm de compreender estas novas ferramentas para garantir que serão capazes de tomar decisões bem informadas na Big Data. Prepare as suas equipas Quer precisem de especialistas do Hadoop ou cientistas de dados, a maioria das organizações de TI sentem muita falta do talento necessário para dar os próximos passos na Big Data. Capacidades de analítica são talvez a mais crucial, e essa é a área onde a maioria das equipas de TI têm as maiores lacunas. A McKinsey antecipa que, só nos EUA, haverá uma necessidade em 2018 entre 140 mil a 190 mil especialistas em métodos estatísticos e em tecnologias de análise de dados. Os cargos que estarão em procura vão incluir o papel amplamente alardeado e emergente do cientista de dados. Além disso, a McKinsey antecipa a necessidade seja no lado do negócio ou técnico da organização para mais 1,5 milhões de gestores letrados em dados que tenham formação em analítica predictiva e estatística. Para algumas empresas, especialmente aquelas em áreas menos povoadas, o pessoal será provavelmente um dos aspectos mais desafiantes numa iniciativa de Big Data. A enorme quantidade de dados "requer definitivamente uma mentalidade diferente e capacidades numa série de áreas", diz Rick Cowan, CIO da True Textiles, fabricante de tecidos interiores para o mercado comercial, baseado em Guilford (EUA). "Como empresa de médio porte, tem sido um desafio ser capaz de conseguir pessoal e mantê-lo a funcionar num ambiente em constante mudança", diz Cowan. Para atender à necessidade, ele começou a treinar programadores e analistas de bases de dados para os levar até à analítica avançada. Os responsáveis dos departamentos de TI terão também de assumir algumas transformações para terem sucesso neste admirável mundo novo. Enquanto os melhores líderes de tecnologia do passado foram parte bibliotecário da informação e parte engenheiro de infra-estrutura, os gestores de TI do futuro vão ser uma combinação de cientista de dados e engenheiro de processos de negócios, diz Beyer, da Gartner. "Os CIOs têm sido usados para gerir a infra-estrutura baseada num conjunto de instruções dadas a partir do negócio, por oposição a um CIO que é capaz de identificar a oportunidade e, portanto, puxar pelo uso inovador da informação", explica. "Essa é a transformação que precisa de acontecer".< COMPUTERWORLD AV. DA REPÚBLICA, N.º 6, 7º ESQ LISBOA DIRECTOR EDITORIAL: PEDRO FONSECA EDITOR: JOÃO PAULO NÓBREGA DIRECTOR COMERCIAL E DE PUBLICIDADE: PAULO FERNANDES TELEF. / FAX PAGINAÇÃO: PAULO COELHO - TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS. A IDG (International Data Group) é o líder mundial em media, estudos de mercado e eventos na área das tecnologias de informação (TI). Fundada em 1964, a IDG possui mais de funcionários em todo o mundo. As marcas IDG Computerworld, CIO, CFO World, CSO, ChannelWorld, InfoWorld, Macworld, PC World e TechWorld atingem uma audiência de 270 milhões de consumidores de tecnologia em mais de 90 países, os quais representam 95% dos gastos mundiais em TI. A rede global de media da IDG inclui mais de 460 websites e 200 publicações impressas, nos segmentos das tecnologias de negócio, de consumo, entretenimento digital e videojogos. Anualmente, a IDG produz mais de 700 eventos e conferências sobre as mais diversas áreas tecnológicas. Pode encontrar mais informações do grupo IDG em Março COMPUTERWORLD

12 12 Big Data Mais oportunidades de carreira para profissionais de TI Novas oportunidades de emprego estão a surgir para os profissionais de TI na área dos dados "grandes", o termo usado para descrever como as empresas reúnem grandes quantidades de dados em tempo real sobre os seus clientes e os analisam para conduzir a tomada de decisão e aumentar o lucro. Um novo cargo - cientista de dados está na moda. Um cientista de dados tem normalmente formação em ciências da computação ou matemática, bem como as capacidades analíticas necessárias para encontrar a proverbial agulha num palheiro de dados recolhidos pela empresa. "Um cientista de dados é alguém que é curioso, que pode olhar os dados e detectar tendências", diz Anjul Bhambhri, vice-presidente de produtos Big Data na IBM. "É quase como um homem da Renascença que realmente quer aprender e trazer mudança para a organização". Inédito há 18 meses atrás, o termo "cientista de dados" explodiu em popularidade no Google. O número de buscas atingiu picos de 20 vezes maior do que o normal no último trimestre de 2011 e primeiro trimestre de É um termo de busca popular em locais de alta tecnologia nos Estados unidos, como São Francisco, Washington D.C. e Nova Iorque. Entre as empresas que procuram contratar cientistas de dados estão a PayPal, Amazon e HP. O termo "cientista de dados" é mencionado em 195 anúncios de emprego no Dice.com, um site para profissionais de TI. Os departamentos de TI também está adicionando programadores centrados nos dados e administradores de sistemas especializados em ferramentas como o open source Apache Hadoop. O Hadoop é mencionado em 612 dos mais de 83 mil anúncios de emprego no Dice.com. Entre as empresas que procuram contratar engenheiros de software e programadores Hadoop estão a AT&T Interactive, Sears, PayPal, AOL e Deloitte. O Hadoop "é uma capacidade emergente", diz Alice Hill, directora-executiva do Dice.com. "As empresas precisam de gerir operações de dados em grande escala, e toda a ideia do Hadoop é que se pode fazer isso com um baixo custo. Isto funciona muito bem com o que estamos a ver em termos de movimento para a cloud". Hill vê oportunidades relacionadas com o Hadoop quer ao nível de entrada como de equipas de TI experientes, bem como nos especialistas de hardware e de software. "As pessoas tradicionais do hardware precisam de descobrir como se agrupar em diferentes ambientes. Não é apenas sobre a compra de COMPUTERWORLD - Março 2012 uma base de dados e a ligar a um disco rígido. Agora já se têm bancos de dados distribuídos que estão ligados a múltiplos servidores e múltiplos discos rígidos", diz Hill. O Hadoop "é barato mas exige alguém que realmente saiba como escalar hardware". Hill diz também que o Hadoop é igualmente uma boa oportunidade a seguir por profissionais de TI com experiência em gestão de bases de dados relacionais. "Se realmente se entende de estrutura de dados e de consultas [ queries ], haverá um monte de oportunidades de emprego", acrescenta. Oportunidades de trabalho para cientistas de dados e especialistas do Hadoop estão a surgir em todos os sectores, desde empresas de Web a e-lojas, a serviços financeiros, energia, saúde, utilities e media. "Há tantas direcções em que se pode seguir com estas capacidades de gestão de dados, aponta Hill. "É um solo muito fértil para profissionais de TI experientes, mas também para pessoas que se estão a formar em ciências da computação. É uma grande área para se especializar". Bhambhri diz que os departamentos de TI vão estar a olhar para contratar novas pessoas na área da Big Data, bem como para re-formar alguns dos seus actuais empregados para adicionar capacidades análise de dados e ÞFaltam profissionais em Portugal O gestor da Reditus, Nuno Pacheco, revela que no âmbito da sua aposta numa oferta para Big Data está a fazer um forte investimento na aquisição de valências nesta área. Mas considera que ainda é escassa a oferta de profissionais de TI especializados. Na sua visão, as PME terão de se adaptar a um novo paradigma, no qual as fontes de informação a analisar estão fora do domínio das empresas. O volume de informação já não se encontra na ordem dos gigabytes, mas sim nos tera, exa ou mesmo petabytes. Pode parecer assustadora esta ordem de grandeza, mas é importante referir que uma solução Big Data actua mais no tratamento e redução da informação, do que no armazenamento, explica. E é esse enfoque que permitirá efectuar análises mais especializadas por exemplo, na análise a redes sociais.< programação relacionada com Hadoop e capacidades administrativas. Por exemplo, a IBM re-treinou profissionais de TI em Big Data Bootcamps, que usava para os seus clientes e parceiros no ano passado. "Os departamentos de TI têm realmente que expandir as suas plataformas de dados e não estarem restringidos aos repositórios de dados estruturados", diz Bhambhri. "Eles têm que trazer novas fontes de dados não estruturados para as suas plataformas para responder às perguntas que os executivos de nível C estão a pedir para os seus processos decisórios. De uma perspectiva da TI, é muito importante para as pessoas em TI não só identificarem estas fontes de dados mas para trabalharem com os seus parceiros de negócios e descobrir que outras fontes de dados precisam de ser integradas nas suas plataformas". A IBM tem uma nova iniciativa denominada Big Data University, que visa a formação de estudantes e de pós-graduados na área de Big Data e de exposição ao Hadoop. Lançada em Outubro passado, a Big Data University já atraiu mais de 14 mil estudantes interessados em se inscreverem nos seis cursos online relacionadas com Hadoop e Big Data. "Estamos a tentar fazer com que os alunos vejam o potencial real do Big Data e que resultados de negócio pode obter a partir dessas novas fontes de dados", diz Bhambhri. "Estamos a dar-lhes casos úteis de empresas no retalho, cuidados de saúde ou telecomunicações. Mostramos porque não era possível antes e é possível agora por causa do trabalho que temos feito com diferentes clientes nestes sectores diferentes". Bhambhri está optimista com as perspectivas de carreira para profissionais de TI com competências em gestão de dados e em Hadoop. "Em todos os sectores, há uma grande quantidade de dados que está sendo capturada", diz Bhambhri. "Os volumes de dados são enormes. Assim, muitos dos nossos clientes estão a capturar os dados mas até agora não havia tecnologia disponível que eles pudessem usar para analisar esses dados de forma rápida numa relação de custo-benefício. Era um grande problema. Agora, lemos o que o Yahoo e a Google estão a fazer com o Hadoop e o MapReduce, e parece realmente que essas ferramentas em código aberto vão resolver o problema".<

Alavancando a segurança a partir da nuvem

Alavancando a segurança a partir da nuvem Serviços Globais de Tecnologia IBM White Paper de Liderança em Pensamento Serviços de Segurança IBM Alavancando a segurança a partir da nuvem O quem, o que, quando, por que e como dos serviços de segurança

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

PALAVRAS CHAVE RESUMO

PALAVRAS CHAVE RESUMO ESIG2001 SPATIAL INTELLIGENCE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA COMO MEIO DE SUPORTE À DECISÃO João Machado Costa, Rui Marques Ferreira Novabase www.novabase.pt joao.machado@novabase.pt PALAVRAS CHAVE Spatial Information

Leia mais

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las

as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 as cinco principais batalhas do monitoramento e como você pode vencê-las agility made possible sumário resumo executivo 3 efetivo do servidor: 3 difícil e piorando

Leia mais

INFORMAÇÕES CONECTADAS

INFORMAÇÕES CONECTADAS INFORMAÇÕES CONECTADAS Soluções de Negócios para o Setor de Serviços Públicos Primavera Project Portfolio Management Solutions ORACLE É A EMPRESA Alcance excelência operacional com fortes soluções de gerenciamento

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%?

E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? E se conseguisse reduzir os seus custos de energia até 20%? Uma solução eficaz de Gestão Energética para o Retalho Eficiência Energética no Retalho Será que está a gastar mais em energia do que necessita?

Leia mais

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais.

Tentar entender como usar melhor os diferentes canais. The New Conversation: Taking Social Media from Talk to Action A Nova Conversação: Levando a Mídia Social da Conversa para a Ação By: Harvard Business Review A sabedoria convencional do marketing por muito

Leia mais

TI como serviço: Iniciativa em andamento

TI como serviço: Iniciativa em andamento TI como serviço: Iniciativa em andamento Resumo executivo Computação em nuvem, virtualização, mobilidade: Individualmente, essas tendências tecnológicas vêm trazendo mudanças enormes para as organizações

Leia mais

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online

Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Wall Street Institute resolve necessidades complexas de e-mail com solução Microsoft Exchange Online Além da poupança na infra-estrutura física dos servidores e do preço das licenças, há reduções de custos

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

Business analytics conquista terreno

Business analytics conquista terreno Business analytics conquista terreno Surge como uma evolução natural do business inteliigence e alimenta-se da necessidade de as empresas obterem respostas cada vez mais exactas. O business analytics acaba

Leia mais

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007

Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Um artigo técnico da Oracle Junho de 2007 Direcionando o Planejamento Estratégico com Modelo de Previsão Com um processo funcional de planejamento

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM.

Computação em nuvem. Mudança da função e da importância das equipes de TI O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM. O PONTO DE VISTA DOS EXECUTIVOS SOBRE A NUVEM O ponto de vista dos executivos sobre a nuvem Janeiro de 2015 Computação em nuvem Mudança da função e da importância das equipes de TI Janeiro de 2015 1 Capacitação

Leia mais

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas

Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas BOLETIM INFORMATIVO Como ter sucesso no desenvolvimento e suporte de nuvens híbridas Oferecido por: HP Gard Little Julho de 2014 Elaina Stergiades OPINIÃO DA IDC Ao planejar a adoção de novas tecnologias

Leia mais

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER

POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER POR QUE UTILIZAR BUSINESS INTELLIGENCE NO CALL CENTER ÍNDICE Por que utilizar Business Intelligence no call center? Introdução Business Intelligence na área de saúde Por que usar Business Intelligence

Leia mais

Segurança na Web: Proteja seus dados na nuvem

Segurança na Web: Proteja seus dados na nuvem White paper Segurança na Web: Proteja seus dados na nuvem Resumo Sabemos que as equipes de segurança não podem estar em todos os locais, mas o cenário atual exige que as empresas estejam prontas para proteger

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados

BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados BIG DATA Armazenamento e Gerenciamento de grandes volumes de dados Carlos Marques Business Development Manager, Data Connectivity and Integration Latin America & Caribbean Market (CALA) O que veremos hoje?

Leia mais

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted

IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Microsoft Dynamics CRM Online Customer Solution Case Study IDC Portugal IDC Portugal aumenta produtividade e reduz custos operacionais com Microsoft Dynamics CRM em modelo hosted Sumário País Portugal

Leia mais

IBM Cloud: Repense a TI. Reinvente os negócios.

IBM Cloud: Repense a TI. Reinvente os negócios. Software Group White paper de Liderança de Pensamento Junho de 2011 IBM Cloud: Repense a TI. Reinvente os negócios. 2 IBM Cloud: Trabalhando na nuvem. Reinventando negócios. Os CIOs e executivos seniores

Leia mais

Business Intelligence & Performance Management

Business Intelligence & Performance Management Como medir a evolução do meu negócio? Tenho informação para esta decisão? A medição da performance é uma dimensão fundamental para qualquer actividade de gestão. Recorrentemente, qualquer gestor vê-se

Leia mais

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação

Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Tendências na adoção de Big Data & Analytics: Inovação em tempo real para empresas que precisam de transformação Luciano Ramos Coordenador de Pesquisas de Software IDC Brasil A América Latina enfrenta

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. VISÃO GERAL

Detecção e investigação de ameaças avançadas. VISÃO GERAL Detecção e investigação de ameaças avançadas. VISÃO GERAL DESTAQUES Introdução ao RSA Security Analytics, que oferece: Monitoramento da segurança Investigação de incidente Geração de relatórios de conformidade

Leia mais

Extraindo o máximo valor do Big Data: concentre-se nas oportunidades, não nos obstáculos

Extraindo o máximo valor do Big Data: concentre-se nas oportunidades, não nos obstáculos Big Data Extraindo o máximo valor do Big Data: concentre-se nas oportunidades, não nos obstáculos Índice 2 Embarque na jornada rumo ao Big Data com segurança Primeiros passos, acompanhando a mudança 3

Leia mais

Big Data: Uma revolução a favor dos negócios

Big Data: Uma revolução a favor dos negócios Big Data: Uma revolução a favor dos negócios QUEM SOMOS Empresa especializada em Big Data e Analytics. Profissionais com larga experiência na gestão de bureaus de crédito, analytics e uso inteligente da

Leia mais

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento

FERRAMENTAS? a alterar, em muitas organizações, um. instrumento tão abrangente como um orçamento O QUE É IMPRESCINDÍVEL NUMA SOLUÇÃO DE ORÇAMENTAÇÃO E PREVISÃO? Flexibilidade para acomodar mudanças rápidas; Usabilidade; Capacidade de integração com as aplicações a montante e a jusante; Garantir acesso

Leia mais

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem

Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem White paper Para provedores de nuvem Uma abordagem estratégica para atender à demanda de Nuvem Introdução: os novos desafios dos clientes estimulam a adoção da nuvem Em um ambiente de negócios dinâmico,

Leia mais

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas

Questão em foco: Colaboração de produto 2.0. Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Questão em foco: Colaboração de produto 2.0 Uso de técnicas de computação social para criar redes sociais corporativas Tech-Clarity, Inc. 2009 Sumário Sumário... 2 Introdução à questão... 3 O futuro da

Leia mais

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador

Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Soluções de análise da SAP Edições Edge do SAP InfiniteInsight Visão geral Viabilizando insights preditivos apenas com cliques de mouse, sem códigos de computador Índice 3 Um caso para análise preditiva

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice

7 Passos Para a Criação de Uma Boa Loja Virtual. Índice 2 Índice Introdução... 3 Passo 1 Entender o que é Venda Online e E-commerce... 4 Passo 2 Entender o Mercado de Comércio Eletrônico... 5 Passo 3 Canais de Venda... 6 Passo 4 Como identificar uma Boa Plataforma

Leia mais

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP Conteúdos A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP... 3 PREPARA-SE PARA UMA MAIOR MOBILIDADE... 4 O IMPACTO DOS ERP NO MOBILE... 5 CONCLUSÕES...

Leia mais

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca

dynam PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca PROPOSTA OFICIAL PARA PPC (Links Patrocinados) dynam publicidadeonline AGÊNCIA SEARCH ENGINE MARKETING Marketing de Busca Av. Carlos Gomes 141 Suite 411 - Porto Alegre. RS Tel. +55(11) 3522-5950 / (51)

Leia mais

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.

O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito. Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1. O que é a ciência de dados (data science). Discussão do conceito Luís Borges Gouveia Universidade Fernando Pessoa Versão 1.3, Outubro, 2015 Nota prévia Esta apresentação tem por objetivo, proporcionar

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS

COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS COMPUTAÇÃO EM NUVEM: TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS TM RELATÓRIO EXECUTIVO DE NEGÓCIOS A visão da computação em nuvem por Aad van Schetsen, vicepresidente da Compuware Uniface, que mostra por que

Leia mais

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 COMO GERIR A INFORMAÇÃO OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 RESUMO:"O mundo dos negócios vai mudar mais nos próximos 10 anos do que nos últimos 50 anos. O êxito

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Inteligência de Dados

Inteligência de Dados Inteligência de Dados Apoio Master Transformando Dados em Vantagem Competitiva Leonardo Couto Sócio e Diretor Comercial leo.couto@wiseminer.com +55 21 9 7295 1422 Big Data Bang e os desafios da gestão

Leia mais

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft

SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft SIBS PROCESSOS cria solução de factura electrónica com tecnologias Microsoft A solução MB DOX oferece uma vantagem competitiva às empresas, com a redução do custo de operação, e dá um impulso à factura

Leia mais

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas

Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas Faça com que o CRM trabalhe da mesma maneira que o seu pessoal de vendas APROVEITE AS TECNOLOGIAS DE HOJE PARA MAXIMIZAR A ADOÇÃO POR PARTE DOS USUÁRIOS Para os profissionais de venda, o tempo nunca havia

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais

ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais ESTUDO IDC O papel das tecnologias de informação na produtividade e redução de custos nas organizações nacionais Patrocinado por: Microsoft Versão Preliminar - Março 2013 SUMÁRIO EXECUTIVO IDC Portugal:

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Sistema IBM PureApplication

Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistema IBM PureApplication Sistemas de plataforma de aplicativos com conhecimento integrado 2 Sistema IBM PureApplication A TI está vindo para o centro estratégico dos negócios

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico.

Transforme. Transforme a TI. a empresa. Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. TECH DOSSIER Transforme a TI Transforme a empresa Três imperativos da TI para a transformação da empresa realizada pelo CIO em um mundo dinâmico. Consolidar para conduzir a visibilidade da empresa e a

Leia mais

Não está gostando do jogo? Mude-o!

Não está gostando do jogo? Mude-o! WHITE PAPER Não está gostando do jogo? Mude-o! Entenda o mercado de Provedores de Serviços e descubra novas maneiras de aumentar os lucros, reduzir os custos, lançar novos serviços e muito mais; com informações

Leia mais

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema

PHC Dashboard CS. Diversidade de análises de dados pré-configuradas. Representação gráfica da informação do sistema PHC Dashboard CS Um novo nível de gestão A gestão da informação empresarial de forma sintética, visual e abrangente, possibilitando uma tomada de decisão mais rápida, correcta e precisa. BUSINESS AT SPEED

Leia mais

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions

Rumo à Integração de Segurança. IDC FutureScape IT Security Products and Services 2015 Predictions Rumo à Integração de IDC FutureScape IT Security Products and Services 0 Predictions ª Plataforma Processo de Decisão Evolução da ª Plataforma focalizada no risco do acesso a servidores centralizados e

Leia mais

A Internet nas nossas vidas

A Internet nas nossas vidas Economia Digital A Internet nas nossas vidas Nos últimos anos a internet revolucionou a forma como trabalhamos, comunicamos e até escolhemos produtos e serviços Economia Digital Consumidores e a Internet

Leia mais

IP Communications Platform

IP Communications Platform IP Communications Platform A Promessa de Convergência, Cumprida As comunicações são essenciais para os negócios mas, em última análise, estas são conduzidas a nível pessoal no ambiente de trabalho e por

Leia mais

CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em. liderar o setor de big data e da nuvem

CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em. liderar o setor de big data e da nuvem 8 A pesquisa indica ênfase na criação de valor, mais do que na economia de custos; o investimento em big data, na nuvem e na segurança é predominante CIOs da região Ásia-Pacífico interessados em liderar

Leia mais

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa

ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa ILM e as Arquitecturas Empresariais por Pedro Sousa Neste artigo clarifica-se os objectivos do ILM (Information Life Cycle Management) e mostra-se como estes estão dependentes da realização e manutenção

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente.

Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente. Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. Gerenciamento de Ciclo de Vida do Cliente Uma experiência mais sincronizada, automatizada e rentável em cada fase da jornada do cliente. As interações com os clientes vão além de vários produtos, tecnologias

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence e-book Senior Business Intelligence 1 Índice 03 05 08 14 17 20 22 Introdução Agilize a tomada de decisão e saia à frente da concorrência Capítulo 1 O que é Business Intelligence? Capítulo 2 Quatro grandes

Leia mais

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território

O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Conferência Ibero-Americana WWW/Internet 2004 7/8 Outubro, Madrid, Espanha O RELACIONAMENTO COM O CIDADÃO A importância do Território Jorge Xavier Aluno de Mestrado DEGEI UA Campus Universitário de Santiago.

Leia mais

Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 15. Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 17

Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 15. Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. 17 Copyright 2003, SAS Institute Inc. All rights reserved. Agenda Supplier Relationship Management Ana Rita Cunha Janeiro de 2004 Definição do conceito Problemas no relacionamento com fornecedores Como é

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

O nosso desafio é o seu sucesso!

O nosso desafio é o seu sucesso! O nosso desafio é o seu sucesso! Clien tes de Refe rên cia Distribuição Construção Civil Industria Tecnologias Potenciamos o seu negócio A Empre sa. Somos uma empresa especializada na prestação de serviços

Leia mais

Incorporação de Business Angels e Venture Capital como accionista:

Incorporação de Business Angels e Venture Capital como accionista: Dossier de Imprensa Quem Somos Quem Somos Agile Content é uma empresa de tecnologia com soluções para gerenciamento de vídeo e Big Data Audience Management com modelo de Software (SaaS), nas quais permitem

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES.

BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 88 BUSINESS INTELLIGENCE, O ELEMENTO CHAVE PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES. Andrios Robert Silva Pereira, Renato Zanutto

Leia mais

Os Desafios de Mobile, Cloud, GIS e Big Data nas Organizações. Leandro M. Rodriguez General Manager, Latin America - Esri

Os Desafios de Mobile, Cloud, GIS e Big Data nas Organizações. Leandro M. Rodriguez General Manager, Latin America - Esri Os Desafios de Mobile, Cloud, GIS e Big Data nas Organizações Leandro M. Rodriguez General Manager, Latin America - Esri Big Data Num futuro próximo, toda a informação vai ser Big Data. Já não existe pouca

Leia mais

Pós-Graduação Business Intelligence

Pós-Graduação Business Intelligence Pós-Graduação Business Intelligence Tendências de Mercado de Business Intelligence Aula 04 Como se organizar para o sucesso em BI Dinâmica Organizacional Complexa Cria o maior ônus para o sucesso de BI

Leia mais

Cisco Intelligent Automation for Cloud

Cisco Intelligent Automation for Cloud Dados técnicos do produto Cisco Intelligent Automation for Cloud Os primeiros a adotarem serviços com base em nuvem buscavam uma economia de custo maior que a virtualização e abstração de servidores podiam

Leia mais

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE

SEO LINKEDIN FACEBOOK GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE TWITTER UNICRE PAY PAL 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE LINKEDIN FACEBOOK TWITTER GOOGLE REDES SOCIAS E-COMMERCE PAY PAL SEO UNICRE 6.0 PLATAFORMA INTEGRADA DE NEGÓCIO E COMUNICAÇÃO ONLINE ACTUALIZE O SEU SITE VENDAS ONLINE MARKETING ONLINE A PLATAFORMA GCM

Leia mais

Estudo de caso O HPE Cyber Defense Center protege recursos globais a cada minuto, todos os dias. Objetivo Abordagem Questões de TI

Estudo de caso O HPE Cyber Defense Center protege recursos globais a cada minuto, todos os dias. Objetivo Abordagem Questões de TI Objetivo Proteger recursos de empresas globais ao mesmo tempo que serve de modelo de boas práticas operacionais para inovação em segurança empresarial. Abordagem Implementar produtos da HPE ArcSight e

Leia mais

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo

CUSTO TOTAL DE PROPRIEDADE DO PANDA MANAGED OFFICE PROTECTION. 1. Resumo Executivo 1. Resumo Executivo As empresas de todas as dimensões estão cada vez mais dependentes dos seus sistemas de TI para fazerem o seu trabalho. Consequentemente, são também mais sensíveis às vulnerabilidades

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE IV: Fundamentos da Inteligência de Negócios: Gestão da Informação e de Banco de Dados Um banco de dados é um conjunto de arquivos relacionados

Leia mais

Robótica e Automação em PMEs

Robótica e Automação em PMEs J. Norberto Pires Departamento de Engenharia Mecânica Universidade de Coimbra Email: norberto@robotics.dem.uc.pt Web: http://robotics.dem.uc.pt/norberto Robótica e Automação em PMEs Vantagens e dificuldades

Leia mais

enfrentando os cinco maiores desafios da disseminação de serviços na nuvem

enfrentando os cinco maiores desafios da disseminação de serviços na nuvem WHITE PAPER Gerenciando o desempenho de serviços em um mundo conectado na nuvem Julho de 2011 enfrentando os cinco maiores desafios da disseminação de serviços na nuvem Erik Hille Gerenciamento de portfólio

Leia mais

7 sinais e meio de que o seu Gerenciamento de documentos precisa de uma revisão

7 sinais e meio de que o seu Gerenciamento de documentos precisa de uma revisão Relatório gratuito 7 sinais e meio de que o seu Gerenciamento de documentos precisa de uma revisão A quantidade de informações disponíveis cresce a uma velocidade alucinante. Sem um gerenciamento de documentos

Leia mais

IDC - Business Intelligence no mercado das PME

IDC - Business Intelligence no mercado das PME IDC - Business Intelligence no mercado das PME Nuno Moura Pires Territory Sales Manager 24 de Setembro de 2008 Agenda QlikTech / QlikView Tomada de decisões e Business Intelligence Business Intelligence

Leia mais

Cada empresa é uma empresa de informação. Não

Cada empresa é uma empresa de informação. Não Gestão da Informação Corporativa OpenText Desligue o seu celular e o seu computador. Desligue os seus servidores. E agora você consegue fazer negócios? Cada empresa é uma empresa de informação. Não importa

Leia mais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais

Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais Maturidade da Impressão e Gestão Documental nas Organizações Nacionais 1. Tendências na impressão e gestão documental 2. Modelo de maturidade da impressão e gestão documental 3. Q&A 2 Uma nova plataforma

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica

Inteligência em. redes sociais. corporativas. Como usar as redes internas de forma estratégica Inteligência em redes sociais corporativas Como usar as redes internas de forma estratégica Índice 1 Introdução 2 Por que uma rede social corporativa é um instrumento estratégico 3 Seis maneiras de usar

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani Data Warehouse - Conceitos Hoje em dia uma organização precisa utilizar toda informação disponível para criar e manter vantagem competitiva. Sai na

Leia mais

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS

António Amaro Marketing Digital Junho 2014 INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS INTRODUÇÃO E OBJECTIVOS FACTOS A Internet mudou profundamente a forma como as pessoas encontram, descobrem, compartilham, compram e se conectam. INTRODUÇÃO Os meios digitais, fazendo hoje parte do quotidiano

Leia mais

utilizando o catálogo de serviços para expandir seus negócios como provedor de serviços gerenciados

utilizando o catálogo de serviços para expandir seus negócios como provedor de serviços gerenciados DOCUMENTAÇÃO TÉCNICA Setembro de 2012 utilizando o catálogo de serviços para expandir seus negócios como provedor de serviços gerenciados agility made possible sumário resumo executivo 3 Introdução 3 O

Leia mais

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF

GESTÃO. Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) CLF GESTÃO Gestão dos Processos e Operações Gestão de Sistemas e Tecnologias de Informação (dentro do capítulo 6) Informação e Decisões Gerir envolve tomar muitas e frequentes decisões Para decidir com eficácia

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial

White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial White Paper: Como Produzir um Case Study Guia Prático e Essencial Indíce de Conteúdos O Que É um Case Study?... Os seus clientes realmente gostam sua empresa e têm excelentes resultados com os seus produtos,

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma?

Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: você tem uma? Janeiro de 2008 A nova agenda para gestão da informação: Agenda para gestão da Informação Página Conteúdo 2 Introdução 3 A necessidade de informações confiáveis 5 Uma nova abordagem a agenda para gestão

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR

COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR COMO CONQUISTAR CLIENTES COM APLICATIVOS PARA CELULAR CONTEÚDO 1 2 3 4 5 6 Por que as empresas precisam estar conectadas ao mundo mobile Como os aplicativos mobile podem atrair mais clientes. Como os aplicativos

Leia mais

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI

Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Oracle Financing: A Maneira Mais Rápida e Acessível de Adquirir Soluções de TI Para competir com eficácia, as empresas da atualidade precisam se adaptar a um ambiente tecnológico que sofre rápidas mudanças.

Leia mais

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI?

Terceirização de RH e o líder de TI SUMÁRIO EXECUTIVO. Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? SUMÁRIO EXECUTIVO Sua tecnologia de RH está lhe proporcionando flexibilidade em TI? EM ASSOCIAÇÃO COM A TERCEIRIZAÇÃO DE RH LIBERA AS EQUIPES DE TI Nove em cada 10 CIOs se preocupam em reter os melhores

Leia mais

JOIN SOMETHING NEW. Recomendações de um projeto criado para colocação no mercado de um novo serviço tecnológico www.joinsomethingnew.

JOIN SOMETHING NEW. Recomendações de um projeto criado para colocação no mercado de um novo serviço tecnológico www.joinsomethingnew. JOIN SOMETHING NEW Recomendações de um projeto criado para colocação no mercado de um novo serviço tecnológico www.joinsomethingnew.com Resumo Existe um novo serviço tecnológico que irá ajudar milhões

Leia mais

Como se preparar para o fenômeno da Consumerização

Como se preparar para o fenômeno da Consumerização Como se preparar para o fenômeno da Consumerização Anderson B. Figueiredo Gerente Pesquisa & Consultoria IDC Brasil Agosto/2013 2 Presença em mais de 110 países ao redor do mundo; Mais de 1.000 analistas

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios-

BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, HUMANAS E SOCIAIS BUSINESS INTELLIGENCE -Inteligência nos Negócios- Curso: Administração Hab. Sistemas de Informações Disciplina: Gestão de Tecnologia

Leia mais

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação

A versão básica disponibiliza a informação criada no Microsoft Navision em unidades de informação O Business Analytics for Microsoft Business Solutions Navision ajuda-o a ter maior controlo do seu negócio, tomar rapidamente melhores decisões e equipar os seus funcionários para que estes possam contribuir

Leia mais