A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 -

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br"

Transcrição

1 A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo de aquisição da figura humana por meio da linguagem escrita pelas crianças da Educação Infantil. Este projeto foi implantado na unidade de educação infantil Casa da Criança Manacá, que atende crianças de 0 a 6 anos do município de Americana-SP. A leitura dos textos selecionados pela pesquisa exploratória possibilitou analisar as etapas da evolução dos desenhos das crianças. Além disso, foi possível realizar atividades com 6 crianças de 3 anos a 3 anos e meio, trabalho que possibilitou verificar como alas concebem o desenho da figura humana e suas implicações para o desenvolvimento infantil. Palavras-chave: desenho, educação infantil, desenvolvimento infantil. Apresentação Aliado a minha prática no trabalho na Educação Infantil no ano de dois mil e oito na Casa da Criança Manacá, tive a oportunidade de acompanhar as crianças de três anos a três anos e seis meses (maternal II) durante todo o ano nas atividades pedagógicas, despertando assim meu interesse em desenvolver o projeto de ação educativa com elas. Sendo assim, em março de dois mil e nove iniciei um projeto com a finalidade de estudar como a criança evolui através do desenho e como ela se apropria da construção da figura humana, bem como a própria influencia na aquisição da noção corporal. A metodologia utilizada durante as atividades foram diversificadas incluindo material escrito de diversos gêneros cuja finalidade era perceber o nível de noção corporal em que cada criança se encontrava para posteriormente seguir com as demais etapas do projeto que são a observação, análise e o registro dos desenhos. O que passarei a relatar neste texto é justamente o desenvolvimento do projeto que apliquei. 1 Aluna concluinte do curso de Pedagogia do Centro Universitário Salesiano de São Paulo Unidade de Americana - no ano de Orientador: Prof. Dr. Marcos Francisco Martins. 1

2 Motivações ao trabalho com desenho e algumas referências teóricas Um dos propósitos que me levaram a escolher a instituição de Educação Infantil mais especificamente a Creche, para a realização desta pesquisa foi a busca de elementos que poderiam auxiliar nas minhas reflexões acerca do como o cuidar e o educar vem sendo trabalhado nas unidades de educação da primeira infância. A prática educativa nas creches requer um trabalho integrado, com cuidados relativos à higiene, alimentação e bem estar a Educação Infantil, deve tratar de criar condições para que a criança se aproprie de formas de agir e de significações presentes em seu meio social, auxiliando-a a desenvolver sua afetividade, motricidade, imaginação, raciocínio e linguagem. Tal proposta é fruto do reconhecimento da Educação Infantil como primeira etapa da educação básica, direito garantido pela LDB em seu artigo 21. Reconhecer a criança como sujeito histórico, é garantir a ela uma educação de qualidade que a contemple como sujeito completo, consciente de sua condição e proporcionar a ela situações em que possa expressar-se de múltiplas formas. Além da motivação acima mencionada, fui impulsionada a desenvolver esta pesquisa neste campo devido à minha prática com a Educação Infantil no ano de dois mil e oito na Casa da Criança Manacá, onde tive a oportunidade de acompanhar as crianças de três anos a três anos e seis meses (maternal II) de idade durante todo o ano nas atividades pedagógicas, despertando assim meu interesse. Sendo assim, em março de dois mil e nove iniciei o projeto com a finalidade de estudar como a criança evolui através do desenho, como ela se apropria da construção da figura humana, e como esta construção influencia na sua aquisição da noção corporal. A metodologia utilizada durante as atividades foi diversificada, incluindo material escrito de diversos gêneros cuja finalidade era perceber o nível de noção corporal em que cada criança se encontrava para posteriormente seguir com as demais etapas do projeto que são: observação, análise e o registro dos desenhos. Além da necessidade de conhecer na prática o cotidiano das Creches, o presente trabalho aguçou em mim o interesse por entender como a criança pequena (3 anos) adquire a representação da figura humana. Para melhor conhecer a criança é preciso aprender a vê-la, e observá-la enquanto brinca isso é necessário para poder intervir favoravelmente em seu desenvolvimento; o brilho dos olhos, a mudança de expressão 2

3 do rosto, a movimentação do corpo. Estar atento à maneira como desenha o seu espaço, aprender a ler a maneira como escreve a sua história. O que é preciso considerar diante de uma criança que desenha é aquilo que ela pretende fazer: contar-nos uma história e nada menor que uma história, mas devemos também reconhecer, nesta intenção, os múltiplos caminhos de que ela se serve para exprimir aos outros a marcha de seus desejos, de seus conflitos e receios. (WINNICOTT apud MOREIRA, 1971, p. 212) Segundo MOREIRA (2008), o desenho para a criança é sua primeira escrita, é através dele que ela manifesta suas impressões, isto é, se serve do desenho para se expressar. O que se pode perceber é que no ato de desenhar, pensamento e sentimento estão juntos; o desenho para a criança pequena torna-se um instrumento da linguagem oral ainda não totalmente dominada por ela. Sendo assim, o desenho possibilita à criança expressar seus sentimentos, idéias e impressões do mundo que a cerca. MOREIRA (2008) relata que em cada estágio do desenvolvimento o desenho assume um caráter próprio, que define maneiras de desenhar bastante similares em todas as crianças, apesar das diferenças individuais de temperamento e sensibilidade. Durante a pesquisa, pude observar que as crianças, ao desenharem, demonstraram grande interesse em partilhar comigo e também com a professora o que haviam produzido, buscando constantemente afirmação de se estava certo o que haviam desenhado. Para relatar as fases do desenho,valho-me dos textos lidos. Basicamente neles, penso fazer-se necessário, para uma melhor compreensão, dividir o desenvolvimento do desenho infantil em estágios. A criança pequena desenha pelo prazer do gesto, pelo prazer de produzir uma marca. Conforme MOREIRA (2008) trata-se de um jogo de exercício que a criança repete muitas vezes para certificar-se do seu domínio sobre aquele movimento. Esta afirmativa ficou evidente logo no início da pesquisa, pois observando os primeiros desenhos das crianças, elas ficavam surpresas com a marca deixada sobre o papel, e a cada movimento mais uma marca surgia, tal descoberta era objeto de fascínio para elas. Esta descoberta sela um ciclo importante para a evolução do desenho da criança, pois evidencia a descoberta das formas. Após este primeiro estágio em que o desenho não passa de um prazer de repetir os gestos para produzir uma marca, aparecem as garatujas, que são a evolução dos 3

4 rabiscos para a formação de marcas arredondadas (bolinhas) que darão origem futuramente a representação da figura humana. A partir do instante em que a criança já domina as formas circulares e já possua uma melhor coordenação motora, seus desenhos têm um salto qualitativo, pois passa a configurar uma intenção de linguagem escrita. A diferença essencial entre uma criança no período sensório-motor e uma no subperíodo pré-operacional de operações concretas é que a primeira está relativamente restrita a interações diretas com o ambiente, enquanto a última é capaz de manipular símbolos que representam o ambiente. (RODRIGUES apud MOREIRA, 1980) Nesta fase a criança inicia o processo de significação, ou seja, ela manifesta o interesse em nomear os seus desenhos, cuja finalidade é expressar suas idéias, sentimentos e emoções. É importante que o adulto explore a linguagem oral, pois além de obter da criança suas impressões acerca do que desenhou, o estímulo da linguagem oral favorece o seu desenvolvimento na linguagem escrita. MOREIRA (2008) relata que em termos de desenho as formas são agora mais estruturadas, porém a cor ainda é arbitrária e a ocupação do espaço ainda não obedece nenhuma regra (MOREIRA, 2008, p. 46.) Em conformidade com a autora, pude perceber esta dificuldade de delimitação do papel quando apliquei as atividades junto às crianças, tal dificuldade é totalmente admissível pela faixa etária em que se encontravam durante a pesquisa, ou seja 3 anos e 6 meses, pois a noção espacial começa a ser assimilada por volta dos 4 a 5 anos de idade. É na fase seguinte que a criança passa a buscar a semelhança com o real, isto é, o desenho começa deixar o campo simbólico e procura se aproximar da realidade, surgindo então a preocupação por parte da criança pela utilização da cor correta e também de situar os objetos na folha de acordo com o real, por exemplo: o sol é posicionado no alto da folha, a figura humana na parte inferior, assim como as árvores, animais, casa, etc. Contudo, as fases seguintes não fazem parte do objeto de pesquisa visto que a faixa etária por mim observada e analisada estavam entre 3 anos e 3 anos 6 meses de idade, portanto, as fases subseqüente tratam do processo de desenho num nível mais avançado, e debruçar-se sobre elas fugiria do que proponho como objeto de estudo para esta pesquisa. A pesquisa foi iniciada em março de 2009 na Casa da Criança Manacá situada na área central da cidade de Americana. Sua clientela é composta de crianças de 4 meses a 3 anos e 6 meses de idade. A proposta pedagógica fundamenta-se no pleno 4

5 desenvolvimento do aluno, enquanto construtor de sua história, valorizando os aspectos cognitivos, afetivos, sociais contemplando todas as áreas do conhecimento e do desenvolvimento do aluno, buscando a interação social, resgatando valores culturais e morais. Há área externa para as crianças desenvolverem suas atividades e ela é composta por um parque infantil com área verde e caixa de areia. Há também uma área externa coberta para atividades. A Creche possui sete salas sendo que começa no BI (berçário) até MII (maternal). A minha opção foi pelas crianças de Maternal II com idade de 3 anos a 3 anos e 6 meses por ter acompanhado esta sala no ano anterior e por terem maior autonomia. Ao iniciar a pesquisa, expliquei a elas o que iríamos realizar juntos, questionando-as se gostavam de desenhar, se faziam isto com freqüência, a fim de sondar e, ao mesmo tempo, buscando uma interação maior entre eles. A receptividade das crianças com relação às atividades propostas foi grande. Utilizei como metodologia de trabalho vários instrumentos: roda da conversa, materiais impressos (fotos, revistas, livros, etc.), músicas, tinta, lápis para colorir e outros, cuja finalidade era perceber o nível de noção corporal em que cada criança se encontrava para posteriormente seguir com as demais etapas do projeto que são a observação, análise e o registro dos desenhos. Primeiramente, após uma rápida conversa sobre as partes do corpo, propus que encolhêssemos uma criança para ser modelo para a realização da atividade que foi feita no papel pardo. Durante a atividade fui questionando-os de como nós iríamos fazer para desenhar o amigo no papel, e eles próprios foram dizendo passo a passo como seria feita a atividade, revelando que já conheciam bem a noção corporal. Ao passar dos meses fui propondo várias outras atividades, ao final delas sempre fechando com um desenho sobre o corpo, foram elas: - fazer o desenho do corpo deles no papel pardo; - músicas relacionadas às partes do corpo, - mostrar fotos delas mesmas, para sondar o que sabiam sobre as partes do corpo, fomos ao espaço aberto, onde poderiam aproveitar mais o espaço, brincar e dançar para que explorassem o movimento corporal. Na sala de aula, após alguns meses de atividades, levei um quebra cabeça contendo braços, pernas, cabeça e tronco, para que colassem da forma que achassem 5

6 que fosse a maneira correta, tendo como modelo o que havíamos desenhado no papel pardo que estava colado sobre a lousa. Ao finalizar a pesquisa no mês de setembro pude perceber que as 6 crianças que vim acompanhando mais profundamente seus desenhos, as crianças nº. 2, 3, 4 e 6 saíram dos rabiscos e garatujas e começaram a dar forma ao seus desenhos, podendo observar que neles já possuem cabeça, corpo, braços e pernas. As crianças nº. 1 e 5 não evoluíram, continuaram nos rabiscos, porém usando várias cores, desenhando dentro do espaço delimitado. Segue abaixo os desenhos e análise explicativa da evolução dos mesmos. Criança 1 Ana Clara Ana Clara é uma criança que freqüentou a creche desde seus 2 anos e meio um pouco tímida, não é de se expressar muito, somente com as outras crianças, mas sempre que era pedido alguma atividade ela fazia sem questionar. Pude perceber que nos desenhos ela procurava colocar diversas cores, usando bem espaço da folha, começou a dar indícios de que os desenhos iriam tomar formas. Criança 2 Eudi Eudi freqüenta a creche desde seus 2 anos de idade, ele é uma criança alegre, falante, carinhoso, interessado, tudo ele se propunha a fazer. Ele já estava na fase das 6

7 garatujas, porem sempre desenhando com poucas cores e usando pouco o espaço, mas atingiu o esperado, deu forma a seus desenhos, colocando cabeça, corpo e braços. Criança 3 Giovana Giovana entrou na creche com seus 2 anos e 6 meses de idade, já era uma criança falante, mas muito insegura no começo, ficava muito perto da professora ao invés de se interagir com as crianças, iniciou este ano muito melhor, super interessada, se interagindo com as crianças, adora brincar e ser prestativa, seus desenhos ela usava poucas cores e os desenhos bem juntos, ao final do projeto me surpreendendo em desenhar o corpo se preocupando com os detalhes (olhos, boca, dedos). 7

8 Criança 4 Larissa Larissa iniciou na creche com 2 anos de idade, ela era uma criança que se interagiu rápido com as outras, um pouco individualista no começo, mas que ao ser trabalhado isso foi superado, Larissa adorava desenhar, gostou muito fazer tudo que foi proposto a ela. Ao término deste projeto, Larissa foi transferida para a Emei por causa de sua idade e também por estar num nível mais avançado do que as crianças da creche. Ela evoluiu de forma esperada, pois sempre foi mais interessada que as outras. Criança 5 Amanda 8

9 A Amanda iniciou na creche em É uma criança tímida, gostar de brincar, de ir à creche, interage bem com as crianças, e é calma. Pude observar em Amanda, por não estar acostumada a realizar atividades pedagógicas, que seus desenhos não evoluíram. Ela procurava desenhar de acordo com o que via às crianças de sua mesa. Criança 6 João Eduardo João iniciou na creche com 2 anos e 6 meses. É uma criança agitada que não gosta de ficar muito tempo no mesmo lugar, gostava de desenhar rápido para poder brincar; não prestava atenção nas atividades, porém me surpreendeu ao ver sua evolução. João evoluiu, ao que podemos ver em seu desenho ele já desenha o corpo e procura nos perguntar de detalhes como saber dos olhos, boca, etc. 9

10 Conclusão Ao realizar esta pesquisa, pude concluir que as crianças que freqüentavam a creche desde seus primeiros meses de vida tinham conhecimento de vários tipos de leituras, tinham contato com diferentes tipos de materiais pedagógicos, brinquedos e conviviam em espaços diferentes que não fossem suas próprias casas. Já possuíam uma noção corporal e evoluíram em seus desenhos. Por sua vez, as crianças que entraram na creche neste ano de dois mil e nove ou tiveram, neste, mais tempo para se adaptarem à rotina da creche, mostraram indícios de que os seus desenhos iriam partir para as garatujas. Somente uma criança das seis que foram acompanhadas não atingiu evolução significativa, porém estão a cada dia se desenvolvendo e descobrindo mais seu corpo e buscando pela coordenação motora. Assim posso dizer que o espaço escolar para a criança e para o seu desenvolvimento é de grande importância, pois a criança aprende não só a ter noção da figura humana, como ajuda no seu desenvolvimento motor, cognitivo e afetivo. O que me despertou a curiosidade foi a de saber até que ponto a parte afetiva da criança atrapalha seu rendimento na escola, principalmente nos seus primeiros anos de vida. Posso concluir que essa ação educativa trouxe para mim um aprendizado significativo, aprendendo um pouco mais sobre o desenvolvimento da criança, sabendo 10

11 respeitar os limites de cada uma, criando respeito e afetividade por estarmos trabalhando esse tempo juntos. Bibliografia 1. ARFOUILLOUX, J.C A Entrevista com a criança, Ed. Zahar, Rio de Janeiro, MOREIRA, A. O espaço do desenho: a educação do educador, Loyola, São Paulo,

A EDUCAÇAO INFANTIL DA MATEMÁTICA COM A LUDICIDADE EM SALA DE AULA

A EDUCAÇAO INFANTIL DA MATEMÁTICA COM A LUDICIDADE EM SALA DE AULA A EDUCAÇAO INFANTIL DA MATEMÁTICA COM A LUDICIDADE EM SALA DE AULA RODRIGUES, Patrícia Gomes Universidade Estadual de Goiás, campus Iporá patykauan_5@hotmail.com MARQUES, Daniela Cristina de Sousa Universidade

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 III A JOGOS DIVERTIDOS Fizemos dois campeonatos com a Turma da Fazenda, o primeiro com o seguinte trajeto: as crianças precisavam pegar água em um ponto e levar até o outro,

Leia mais

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega.

Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Prezado Editor, Meu nome é Rosângela Gera. Sou médica e mãe de uma garotinha de sete anos que é cega. Gostaria de compartilhar com os demais leitores desta revista, minha experiência como mãe, vivenciando

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

O TRABALHO COM BEBÊS

O TRABALHO COM BEBÊS O TRABALHO COM BEBÊS FREITAS, Clariane do Nascimento de UFSM, Projeto Uma interlocução entre pesquisadores, acadêmicos e o processo educacional vivido no Núcleo de Educação Infantil Ipê Amarelo clarianefreitas@bol.com.br

Leia mais

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹

PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ PEDAGOGIA EM ESPAÇOS SOCIAIS: OLHARES E REFLEXÕES EM CAMPOS DE ESTÁGIO¹ ALVES, T. C.²; RENK, E. F.³; LEÃO, T.J.E. 4 ¹ Trabalho desenvolvido na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado II Espaços

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

Mão na roda. Projetos temáticos

Mão na roda. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Educação infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos Educação Infantil Data: / / Nível: Escola: Nome: Mão na roda Justificativa A origem da invenção da

Leia mais

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva

Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Prática com Projeto em aulas de Matemática: um desafio Antonio Roberto Barbutti arbarbutti@hotmail.com EMEF Padre Francisco Silva Resumo: Este trabalho é resultado do curso de formação Gestar II Matemática,

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS

FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS E SUA ATUAÇÃO COM CRIANÇAS DE 0 A 5 ANOS Thyanna Silva dos Passos (Graduada/UFRB) Resumo Este trabalho tem como objetivo analisar a formação de professores e sua atuação na sala

Leia mais

O PAPEL DO PROFESSOR NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS

O PAPEL DO PROFESSOR NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS 1 O PAPEL DO PROFESSOR NO DESENVOLVIMENTO DE BEBÊS Victória de Sena Silva¹ Claudete Bonfanti² RESUMO: Este artigo tem o objetivo de relatar atividades desenvolvidas com uma turma de bebês em um Centro

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo.

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo. Centro Educacional Mundo do Saber Maternal II Ano Letivo: 2013 Tema: A fazenda do tio Chico Professora: Heloiza Regina Gervin Plano Anual Eu sou tio Chico, um menino muito esperto e que adora brincar e

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3

ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 A IMAGINOTECA HOSPITALAR COMO UM ESPAÇO DE (DES)ENVOLVIMENTO ALVES, Fernanda de O. 2 VIERO, Francieli C. 2 ; GONÇALVES, Camila dos S. 3 1 Trabalho de Projeto de Extensão _UNIFRA 2 Acadêmicas do Curso de

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação Educação Pré-Escolar 2014/15 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO DO PRÉ-ESCOLAR A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática educativa em cada nível de educação e

Leia mais

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR *

I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * PSICODRAMA DA ÉTICA Local no. 107 - Adm. Regional do Ipiranga Diretora: Débora Oliveira Diogo Público: Servidor Coordenadora: Marisa Greeb São Paulo 21/03/2001 I - RELATÓRIO DO PROCESSADOR * Local...:

Leia mais

Seus filhos na Pré-Escola

Seus filhos na Pré-Escola Seus filhos na Pré-Escola Petites sections Moyennes sections Grandes sections * "Só podemos dar duas coisas às nossas crianças: raízes e asas." * A nomenclatura brasileira para os anos da pré-escola varia

Leia mais

Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil

Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil Projetos e Referencial Curricular Nacional par a a Educação Infantil Maévi Anabel Nono UNESP Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas Departamento de Educação São José do Rio Preto A descoberta

Leia mais

Educação Infantil. Projeto Griô: Contador de Histórias PRIMEIRO LUGAR

Educação Infantil. Projeto Griô: Contador de Histórias PRIMEIRO LUGAR Projeto Griô: Contador de Histórias Ofó: Forças trás-formadoras dos caminhos das Histórias e culturas afro-brasileiras e africanas. A ESCOLA Escola Creche Vovô Zezinho Salvador, BA A Professora PRIMEIRO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO Curso: Pedagogia - vespertino Disciplina: EDM0323 - Metodologia do ensino de português: a alfabetização. Docente: Prof.ª Nilce da Silva Aluna (nºusp): Flávia

Leia mais

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA

ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA ENSINAR CIÊNCIAS FAZENDO CIÊNCIA Antonio Carlos Pavão Quero saber quantas estrelas tem no céu Quero saber quantos peixes tem no mar Quero saber quantos raios tem o sol... (Da canção de João da Guabiraba

Leia mais

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE

LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE LEITURA E ESCRITA NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA PROPOSTA DE APRENDIZAGEM COM LUDICIDADE Martyhellen Maria Monteiro da Silva - Acadêmica do 8º período do Curso de Pedagogia-UVA, Bolsista do PIBID/UVA-Pedagogia

Leia mais

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS

A FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO CIENTISTA SOCIAL: SABERES E COMPETÊNCIAS NECESSÁRIOS O JOGO SEGUNDO A TEORIA DO DESENVOLVIMENTO HUMANO DE WALLON Cleudo Alves Freire Daiane Soares da Costa Ronnáli da Costa Rodrigues Rozeli Maria de Almeida Raimunda Ercilia Fernandes S. de Melo Graduandos

Leia mais

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1

Histórias de. Comunidade de Aprendizagem. Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Histórias de Comunidade de Aprendizagem Histórias de Comunidade de Aprendizagem 1 Introdução O projeto Comunidade de Aprendizagem é baseado em um conjunto de atuações de êxito voltadas para a transformação

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OBSERVAÇÃO PARTICIPATIVA NO ESTÁGIO Monica Isabel

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID): UMA AVALIAÇÃO DA ESCOLA SOBRE SUAS CONTRIBUIÇÕES Silva.A.A.S. Acadêmica do curso de Pedagogia (UVA), Bolsista do PIBID. Resumo: O trabalho

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

Palavras-chave: jogos de matemática, aprendizagem, dinamicidade

Palavras-chave: jogos de matemática, aprendizagem, dinamicidade O JOGO COMO MÉTODO DE ENSINO NAS AULAS DE MATEMÁTICA Ana Carla da Silva Santos i Ana Paula Araújo da Silva Cledineide Medeiros de Araújo Joedna Loyse de Souza Morais O presente trabalho denominado "O jogo

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA AS SÉRIES INICIAIS UTILIZANDO JOGO KTUBERLING

PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA AS SÉRIES INICIAIS UTILIZANDO JOGO KTUBERLING PROPOSTA PEDAGÓGICA PARA AS SÉRIES INICIAIS UTILIZANDO JOGO KTUBERLING Marinez Siveris1 Elci dos Santos Tassi2 Carlos Renato Lima3 Nádia Bodignou4 1 2 3 4 Mestre em Educação. Graduada em Ciências, Hab.

Leia mais

CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013. Telef: 238490000 Fax: 238490003 Av. Cidade da Covilhã Apto. 52 6290-322 Gouveia - www.abpg.

CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013. Telef: 238490000 Fax: 238490003 Av. Cidade da Covilhã Apto. 52 6290-322 Gouveia - www.abpg. CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013 Unidade 1 Vamos à escola PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2012/2013 Unidade 2 Uma árvore de Natal muito familiar Mês: Outubro/Novembro/Dezembro Objetivos

Leia mais

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO EMEFTI PROFESSOR WALDYR EMRICH PORTILHO GESTORA: GERLIANESANTANA GOUVEIA CABRAL COORD. ÁREA: ARISTÓTELES MESQUITA DE LIMA NETTO PROFESSORA SUPERVISORA: ELIZANGELA F. RODRIGUES Exposição e relato de experiências

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Condutas psicomotoras: brinquedos tradicionais e diversões de antigamente ainda encantam?

Condutas psicomotoras: brinquedos tradicionais e diversões de antigamente ainda encantam? Condutas psicomotoras: brinquedos tradicionais e diversões de antigamente ainda encantam? Profª. Ms. Cláudia Yazlle Profª. Ms. Gabriela Maffei 5 e 6 de junho Objetivos da aula de hoje As crianças de 4

Leia mais

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE

O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE O PROCESSO DE MUSICALIZAÇÃO NO 1º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA ESCOLA MUNICIPAL DA CIDADE DO RECIFE Romero Bomfim dos Santos 1 ; Elida Roberta Soares de Santana²; Bruno Fernandes

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

Maternal B. A adaptação foi um período bastante especial para a turma do Maternal, com muitas novidades.

Maternal B. A adaptação foi um período bastante especial para a turma do Maternal, com muitas novidades. Relatório de Grupo Maternal B 2013 Neste relatório, desejamos compartilhar com vocês o início da história do nosso grupo, contando como foram os primeiros dias e as primeiras descobertas. A adaptação foi

Leia mais

DE PAIS 1º SEMESTRE DE

DE PAIS 1º SEMESTRE DE NOSSA FAMÍLIA Escola de Educação Infantil Ltda. REUNIÃO DE PAIS 1º SEMESTRE DE 2015 Mirian Claro de Oliveira Especialista em Neuroaprendizagem, Psicomotricidade, Psicopedagogia, Pedagogia A Importância

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Projeto Pedagógico. Sala Curiosos

Projeto Pedagógico. Sala Curiosos Projeto Pedagógico Sala Curiosos Ano Letivo 2013-2014 2 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS 2013/ 2014 Índice 1- Introdução 2- Caracterização do Grupo 3.- Caracterização da Faixa Etária 4- Fundamentação

Leia mais

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI

PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI PORTFÓLIO COMO INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO FORMATIVA: A ANÁLISE DO PROCESSO NO CMEI VALÉRIA VERONESI Resumo Rosangela de Sousa Cardoso Stabenow1 - UEL Cassiana Magalhães2 - UEL Grupo de Trabalho - Didática:

Leia mais

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA!

GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! ISSN 2177-9139 GINCANA MATEMÁTICA, UM JEITO NOVO DE APRENDER MATEMÁTICA! Thaís Eduarda Ávila da Silveira thaisuab3@gmail.com Universidade Federal de Pelotas, Pólo Sapucaia do Sul, 92990-000 Sapucaia do

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA RELACIONADO À APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 1

A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA RELACIONADO À APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 1 A UTILIZAÇÃO DE JOGOS NO APRENDIZADO DA MATEMÁTICA RELACIONADO À APRENDIZAGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA 1 Ana Paula Martins Medeiros Castilho Cíntia de Melo Barbosa 1 Viviane Ap. Zacheu Viana 2 Terezinha Maia

Leia mais

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL O PORTFÓLIO ENQUANTO INSTRUMENTO DE REFLEXÃO DA PRÁTICA DOCENTE NA EDUCAÇÃO INFANTIL Telma Maria Pereira dos Santos Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado da Bahia UNEB e Pós-graduada em Educação

Leia mais

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL

EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EXPERIÊNCIAS NO ESTÁGIO DOCENTE: OBSERVAÇÕES ACERCA DO COTIDIANO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL Acacia Silva Alcantara Graduanda/UEPB Danielly Muniz de Lima Graduanda/UEPB Glória Mª Leitão de Souza

Leia mais

Cidadania também se ensina. Página 07

Cidadania também se ensina. Página 07 09 de Novembro de 2011 Parte integrante da Edição 1606 Cidadania também se ensina Página 07 2 Quarta-feira, 09 de Novembro de 2011 Educação Estudantes brasileiros passam por avaliação governamental Intenção

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES

ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES ESTRATÉGIAS DE ENSINO NA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) Em nossos encontros conversaremos sobre: Cantinhos Móbiles

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO

ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO ESTRATÉGIAS DE DOCUMENTAÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM ESTUDO DE CASO Eixo Temático 2 - Pesquisa e Práticas Educacionais Autora: Beatriz de Oliveira Abuchaim Orientadora: Maria Malta

Leia mais

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL

Sejam bem vindos ao ano letivo de 2016! EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Amorim / Santa Teresa Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio Rua Lagoa Panema, 466 Vila Guilherme Fone: 2909-1422 Diretoria de Ensino Região Centro Sejam bem vindos ao ano letivo

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO.

COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO. COMUNIDADE AQUÁTICA: EXTENSÃO EM NATAÇÃO E ATENÇÃO AO DESEMPENHO ESCOLAR EM JATAÍ-GO. PEDROZA, Poliana Siqueira 1 LUIZ, Angela Rodrigues 2 SOUZA, Luís César de 3 PALAVRAS-CHAVE: natação, atividades aquáticas,

Leia mais

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013

Atividade Pedagógica Teatro de fantoches. Junho 2013 Atividade Pedagógica Teatro de fantoches Junho 2013 III D Teatro de fantoches A criança que ainda não sabe ler convencionalmente pode fazê-lo por meio da escuta da leitura do professor, ainda que não possa

Leia mais

3/8/2012. Arte, Criatividade e Recreação Profa. Ma. Adriana Rodrigues da Silva. Ementa

3/8/2012. Arte, Criatividade e Recreação Profa. Ma. Adriana Rodrigues da Silva. Ementa Arte, Criatividade e Recreação Profa. Ma. Adriana Rodrigues da Silva 1 Temas em Estudo Tema 1: Tema 2: Pintura - Experiência Lúdica com as Cores 2 Ementa Tendências curriculares no ensino da arte e do

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 II A Jogos As crianças da Turma dos Amigos, desde os primeiros dias de aula, têm incluídos em sua rotina as brincadeiras com jogos de encaixe. Vários jogos estão disponíveis

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

Adriana Ramos Santana 1 Isabele Barbosa dos Santos 2 Priscila Christina Borges Dias Randow 3 RESUMO

Adriana Ramos Santana 1 Isabele Barbosa dos Santos 2 Priscila Christina Borges Dias Randow 3 RESUMO PRÁTICA PEDAGÓGICA NA CASA MATERNAL AMÉLIA LEITE, ARACAJU, SERGIPE: COMPREENDENDO O TEMA HOMEM DO CAMPO E DA CIDADE A PARTIR DE UM PROJETO INTERDISCIPLINAR Adriana Ramos Santana 1 Isabele Barbosa dos Santos

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO

OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO OS JOGOS PEDAGÓGICOS COMO FERRAMENTAS DE ENSINO Resumo FIALHO, Neusa Nogueira FACINTER neusa_nf@yahoo.com.br Área Temática: Educação: Teorias, Metodologias e Práticas. Não contou com financiamento A falta

Leia mais

JOGOS RITMICOS E DEFICIENCIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO

JOGOS RITMICOS E DEFICIENCIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO JOGOS RITMICOS E DEFICIENCIA: UMA EXPERIÊNCIA DE ESTÁGIO Amanda Rezende Pereira 1 Michele Gley de Freitas Monteiro² Maria do Carmo Morales Pinheiro³ Resumo: Este trabalho refere-se a uma experiência de

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro

Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro Porquê ler ao meu bebé? Projecto O meu brinquedo é um livro O meu brinquedo é um livro é um projecto de promoção da leitura proposto pela Associação

Leia mais

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem.

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem. Brasília, 24 de fevereiro de 2014. Senhores Pais e/ou Responsáveis, Neste documento, listamos os conteúdos e objetivos referentes às aprendizagens pretendidas para os alunos do Maternal II, durante o 1º

Leia mais

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 369 PROJETO SOCIAL CITY PETRÓPOLIS: NOVOS HORIZONTES NA APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Jorge Leonardo Garcia (Uni-FACEF) Sílvia Regina Viel Rodrigues (Uni-FACEF) O Ensino da Matemática Hoje As aulas típicas

Leia mais

RELATÓRIO. Oficina de Formação

RELATÓRIO. Oficina de Formação RELATÓRIO Oficina de Formação Exploração e construção de situações de aprendizagem da matemática com programação em Scratch no pré escolar e no 1º ciclo do ensino básico Formadores: Miguel Figueiredo e

Leia mais

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL PEDAGOGIA EM AÇÃO: O USO DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS COMO ELEMENTO INDISPENSÁVEL PARA A TRANSFORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA AMBIENTAL Kelly Cristina Costa de Lima, UEPA Aline Marques Sousa, UEPA Cassia Regina Rosa

Leia mais

Palavras-chave: Brincar, Educação Física, Educação Infantil

Palavras-chave: Brincar, Educação Física, Educação Infantil MOVIMENTO E EDUCAÇÃO INFANTIL NO PIBID MACKENZIE EDUCAÇÃO FÍSICA: O TRABALHO COM CIRCUITOS PARA CRIANÇAS DE 1 E 2 ANOS Estefani Divino de Melo Gabriela Santos Elias Isabel Porto Filgueiras RESUMO O objetivo

Leia mais

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert

Biodanza. Para Crianças e Jovens. Manuela Mestre Robert Biodanza Para Crianças e Jovens Manuela Mestre Robert FICHA TÉCNICA: TÍTULO Biodanza para Crianças e Jovens AUTORIA Manuela Mestre Robert Manuela Mestre Robert, 2008 CAPA Crianças do 1º ciclo do Ensino

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE E O LÚDICO NA ALFABETIZAÇÃO. Palavras-chave: Criança.Aprendizado.Lúdico.Alfabetização.Prática.

FORMAÇÃO DOCENTE E O LÚDICO NA ALFABETIZAÇÃO. Palavras-chave: Criança.Aprendizado.Lúdico.Alfabetização.Prática. FORMAÇÃO DOCENTE E O LÚDICO NA ALFABETIZAÇÃO Ana Claudia Rodrigues - Graduanda de Pedagogia - UEPB Aline Carla da Silva Costa - Graduanda de Pedagogia - UEPB Ana Paula Martins Costa - Graduanda de Pedagogia

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos

DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos DESAFIOS CRIATIVOS E FASCINANTES Aula de Filosofia: busca de valores humanos Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br Eu queria testar a metodologia criativa com alunos que eu não conhecesse. Teria de

Leia mais

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL

COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL 389 COMPOSIÇÃO COMO RECURSO NO PROCESSO ENSINO / APRENDIZAGEM MUSICAL Ruth de Sousa Ferreira Silva Mestranda em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia Introdução Este relato de experiência tem como

Leia mais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais

Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS UMANAS IFCH FACULDADE DE EDUCAÇÃO FACED Relatório do estágio de prática de ensino em ciências sociais Curso: Ciências Sociais

Leia mais

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE

Anexo 2. . Falar educação Um programa do Instituto de Tecnologia Educativa Radio Televisão Portuguesa (1975) EDUCAÇÃO PELA ARTE Anexo 2 O documento que se apresenta em seguida é um dos que consideramos mais apelativos neste estudo visto ser possível ver Cecília Menano e João dos Santos e a cumplicidade que caracterizou a sua parceria

Leia mais

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM

A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM 00092 A COMPETÊNCIA LEITORA NOS ESPAÇOS DA COMUNIDADE DO PARANANEMA-PARINTINS/AM Maria Valcirlene de Souza Bruce 1 Monica Silva Aikawa 2 Resumo: O artigo apresenta o resultado de uma intervenção pedagógica

Leia mais

O início de minha vida...

O início de minha vida... Relato 1 Memórias de minha vida Juliana Pedroso 1 O início de minha vida... Perceber com clareza é o mesmo que ter a visão iluminada pela Luz da Alma. Podemos ficar livres da ignorância e ver corretamente

Leia mais

A MATEMÁTICA NO CIRCO: UMA PROPOSTA DE ESTÁGIO EM MATEMÁTICA PARA LICENCIANDOS

A MATEMÁTICA NO CIRCO: UMA PROPOSTA DE ESTÁGIO EM MATEMÁTICA PARA LICENCIANDOS A MATEMÁTICA NO CIRCO: UMA PROPOSTA DE ESTÁGIO EM MATEMÁTICA PARA LICENCIANDOS Vinícius Silveira de Camargo Instituto Militar de Engenharia Universidade Federal de Goiás viniciuskmargo@hotmail.com Ana

Leia mais

MATA ATLÂNTICA: CONHECER PARA PRESERVAR Pereira, Patrícia

MATA ATLÂNTICA: CONHECER PARA PRESERVAR Pereira, Patrícia MATA ATLÂNTICA: CONHECER PARA PRESERVAR Pereira, Patrícia Resumo O projeto se iniciou a partir da necessidade de ser apresentado esse conteúdo já previsto no material do PIC (Projeto Intensivo no Ciclo)

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Jeana Maria de Moura Telles

Jeana Maria de Moura Telles Jeana Maria de Moura Telles Brincar, compartilhar e aprender: A ludicidade como elemento norteador de uma aula mais proveitosa, atrativa e eficaz Araguaína TO 2013 Jeana Maria de Moura Telles Brincar,

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

LUTAS E BRIGAS: QUESTIONAMENTOS COM ALUNOS DA 6ª ANO DE UMA ESCOLA PELO PROJETO PIBID/UNIFEB DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1

LUTAS E BRIGAS: QUESTIONAMENTOS COM ALUNOS DA 6ª ANO DE UMA ESCOLA PELO PROJETO PIBID/UNIFEB DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 LUTAS E BRIGAS: QUESTIONAMENTOS COM ALUNOS DA 6ª ANO DE UMA ESCOLA PELO PROJETO PIBID/UNIFEB DE EDUCAÇÃO FÍSICA 1 Diulien Helena Pereira Rodrigues Pâmela Caroline Roberti Dos Santos Souza Walter Batista

Leia mais