Rastreio oftalmológico infantil dos 0 aos 6 meses

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rastreio oftalmológico infantil dos 0 aos 6 meses"

Transcrição

1 Rastreio oftalmológico infantil dos 0 aos 6 meses Recomendações da Secção de Pediatria do Ambulatório da SPP (Aprovadas pela Sociedade Portuguesa de Oftalmologia) Autores Fátima Pinto Assistente Graduada de Pediatria Centro de Saúde da Carvalhosa e Foz do Douro Vogal da SPA/SPP José Luís Fonseca Assistente Graduado de Pediatria e Neonatologia Centro Hospitalar do Alto Ave Guimarães Presidente da SPA/SPP 1

2 Argumentação Os problemas visuais são frequentes nas crianças sendo que 20% delas, até aos 5 anos, têm algum tipo de doença dos olhos muitas das vezes sem que disso os cuidadores se apercebam. Estas doenças podem influenciar de forma negativa o desenvolvimento infantil, especialmente se não detectadas durante os três primeiros anos de vida. O diagnóstico precoce destas situações é o passo que melhor permite o sucesso do tratamento, possibilitando uma vida adulta onde as potencialidades de cada um serão plenamente atingidas. A ambliopia, com uma incidência de 4 a 5% e principal causa de deficiência visual irreversível no adulto dos 20 aos 70 anos, resulta muitas vezes da ausência do seu tratamento na infância durante o período crítico do desenvolvimento visual, entre os 0 e os 6 anos. O seu diagnóstico precoce, simples e económico, permite o sucesso terapêutico, sendo o tratamento a penalização ocular bilateral programada conforme a idade. A Academia Americana de Pediatria (AAP), a Associação Americana de Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo (AAPOS) e a Academia Americana de Oftalmologia (AAO) recomendam: 1. O Pediatra deve adquirir competência no exame visual da criança 2. Avaliação visual sistemática de todos os recém-nascidos pelo Pediatra. 3. Avaliação periódica da função visual da criança na consulta de vigilância infantil 2

3 Protocolo do Rastreio Oftalmológico Infantil dos 0 aos 6 meses de idade A visão é um sentido extremamente importante para o desenvolvimento físico, educativo e psicológico da criança influenciando a aprendizagem, sendo que 85% do conhecimento é com ele adquirido. A visão vai-se desenvolvendo do nascimento aos 6 anos, período crítico do desenvolvimento visual. Para que haja visão é necessária a entrada de luz e a transparência dos meios ópticos, o alinhamento dos eixos oculares e um poder refractivo das lentes eficaz e semelhante nos dois olhos. A binocularidade é a percepção das duas imagens formadas nos dois olhos numa imagem única final. Depende da visão simultânea com os dois olhos (percepção simultânea), da formação de imagens idênticas de ambos os lados (fusão) e da percepção única final no córtex visual (estereopsia). A binocularidade melhora a acuidade visual, aumenta o campo visual e permite a noção de relevo e profundidade. A ambliopia, falta de visão de um olho estruturalmente normal que não é corrigível com refracção, é sempre a consequência do não desenvolvimento durante o período crítico visual. A sua classificação depende da causa e pode ser de privação quando há impedimento de entrada de luz no aparelho óptico por obstáculo no segmento externo (hemangioma palpebral, ptose) ou opacidades dos meios transparentes (glaucoma, catarata), estrábica quando não há paralelismo dos eixos oculares e refractiva quando existe doença refractiva grave ou diferença de poder refractivo nos dois olhos: anisometropia. A ambliopia é uma doença da infância e apenas durante ela tratável; no entanto o seu tratamento é 100% eficaz se efectuado num tempo que depende da etiologia mas sempre antes da idade escolar. Assim, nas ambliopias de privação o tempo de 3

4 intervenção eficaz é de cerca de 12 semanas, enquanto nas estrábicas se estende até aos 2 anos e nas refractivas até aos 6 anos. A incidência das ambliopias é de cerca de 4%. Na ausência de um teste único para o seu diagnóstico, propõe-se um conjunto de exames capazes, no seu todo, de funcionar como um crivo capaz de atempadamente as detectar O Rastreio Oftalmológico efectuado nas consultas de vigilância Infantil é passível de ser executado sem um acréscimo significativo de gastos económicos em material diminuindo a necessidade de ocupação de tempo de consulta da especialidade de oftalmologia, exigindo apenas o seguimento de um protocolo de exame adaptado às diferentes idades por parte dos médicos responsáveis pela saúde da criança. Este rastreio permite a suspeição atempada das patologias oftalmológicas, nomeadamente das ambliopias, permitindo a correcta e rápida orientação hospitalar das crianças com necessidade de tratamento. Antes dos 6 meses de idade os sinais de alarme são as anomalias ao nível das pálpebras, dos globos oculares, das córneas e das pupilas, os estrabismos fixos e os intermitentes que persistem para além dos 4 meses, os nistagmos, os torcicolos e as alterações do comportamento visual como a falta de interesse aos estímulos visuais, o não encerramento dos olhos com a luz forte e a ausência de fixação depois do primeiro mês e de seguimento depois do segundo. A ausência de interacção e da preensão dos objectos, bem como a constante estimulação dos olhos com as mãos (síndrome óculo digital) são sinais importantes de comprometimento visual. 4

5 ANAMNESE NOME MF/MA: TM: DATA (DD-MM-AAAA) IDADE MESES 1. Há na família (pais biológicos e irmãos/meios-irmãos) alguém que teve ou tem problemas de estrabismo? Sim Não Não sabe 2. Há na família (pais biológicos e irmãos/meios-irmãos) alguém que teve ao nascimento cataratas, retinoblastoma ou glaucoma? Sim Não Não sabe 3. A criança tem doença neurológica, metabólica ou cromossómica conhecida? Sim Não Não sabe 3.1. Se sim, qual? 3.2. O feto sofreu alguma doença infecciosa congénita (Sífilis, Citomegalovírus, Toxoplasmose)? 4. A criança teve algum traumatismo craneo encefálico com necessidade de internamento hospitalar? Sim Não Não sabe 5. A criança teve alguma infecção pós natal do SNC (meningite, encefalite)? Sim Não Não sabe 6. Está preocupado/a com a saúde visual da criança? Sim Não 7. A criança tem lacrimejo frequente? 8. A criança tem fotofobia? 9. Pensa que a criança não consegue manusear bem os objectos por falta de visão? Sim Não Não sabe 10. Alguma vez a criança foi observada pelo médico Oftalmologista? Sim Não Não sabe (termina) Quando? - - (dd-mm-aaaa) ou aos meses Qual foi o resultado do exame? Foram prescritos tratamentos? Sim Não (termina) Os tratamentos prescritos foram: Penalização com oclusão ou outro método Sim Não Uso de óculos Sim Não Outro Se foi o uso de óculos, a criança está com eles? Sim (termina) Não Se não, porquê? 5

6 Registo do Rastreio Oftalmológico Infantil (0-6 meses) NOME MF/MA: TM: DATA (DD-MM-AAAA) MÉDICO IDADE MESES Posição viciosa da cabeça S N Coloboma da íris S N Ptose S N Coloboma da pálpebra S N Exame ocular externo Nistagmo S N Blefarite S N Aspecto transparente do segmento anterior S N Conjuntivite S N Córnea 11mm S N Outras S N Reflexo vermelho pupilar S Vermelho S Róseo S Branco Simétrico S N Reflexo na córnea (Hirschberg) Centrado S N OD OE Para cima S N Para cima S N Movimentos oculares conjugados (partindo do olhar primário) Para baixo S N Para baixo S N Para dentro S N Para dentro S N Para fora S N Para fora S N Para cima e para dentro S N Para cima e para dentro S N Para cima e para fora S N Para cima e para fora S N Para baixo e para dentro S N Para baixo e para dentro S N Para baixo e para fora S N Para baixo e para fora S N OD OE Reflexo pupilar fotomotor Directo S N Directo S N Consensual S N Consensual S N Fixação S N Convergência S N Acomodação S N Seguimento S N Teste de cover Teste de cover/uncover OD OE Movimento S N Movimento S N OD OE Movimento S N Movimento S N Visão estereoscópica Lang 1 S Bom S Mau S Duvidoso Coordenação olho-mão S Boa S Má Desconforto à oclusão OD S N OE S N 6

7 Componentes do Rastreio Recomendações Situação a enviar à especialidade de Oftalmologia Anamnese Realizada desde o nascimento Identificar antecedentes familiares de doença oftalmológica Identificar antecedentes pessoais patológicos Antecedentes familiares de estrabismo, glaucoma congénito ou retinoblastoma Prematuridade Peso ao nascimento <1.500 gramas Doença neurológica, metabólica ou cromossómica Exame ocular externo Realizado desde o nascimento Coloboma da íris e da pálpebra Hiperemia conjuntival Hemangiomas das pálpebras Ptose palpebral Nistagmo Qualquer anomalia 7

8 Reflexo pupilar vermelho ( luar pupilar ) Realizado, desde o nascimento, a 20 e a 100 cm com Oftalmoscópio directo em sala escura. Avaliar: Cor, brilho e simetria Pupila branca (leucocoria) Qualquer alteração da cor e brilho Assimetria Reflexo da luz na córnea (Hirschberg) Realizado, logo que possível, com lanterna a 60 cm da face da criança com a fixação de objecto real: Reflexo da luz centrado em ambas as pupilas e simétrico Qualquer assimetria Movimentos oculares conjugados Avaliados a partir dos 3 meses com olho-de-boi ou brinquedo Observação dos movimentos conjugados nas 9 posições do olhar Qualquer alteração Reflexo pupilar fotomotor Realizado, logo que possível, com lanterna Dilatação pupilar com a luz (no olho iluminado e no Ausência de reflexo fotomotor directo e consensual Desigualdade de reflexo 8

9 outro) fotomotor Resposta à luz igual dos dois lados Fixação Observado com olho-de-boi ou brinquedo com contraste (riscas), colocado a 30cm da face Fixação do objecto Ausência ou deficiência da fixação Convergência e acomodação Observado, a partir dos 4 meses, com brinquedo colocado a 50m da face e aproximado até ao nariz Convergência e acomodação Ausência de convergência Seguimento Observado com olho-de-boi ou brinquedo a 50cm de distância deslocado na vertical e horizontal. Seguimento do objecto em todas as direcções Ausência ou deficiência do seguimento 9

10 Teste de cover e cover alternante Efectuado, a partir dos 4 meses, com oclusor, polegar ou mão e com fixação de objecto real a 60 cm Qualquer desvio ocular Visão estereoscópica Efectuado aos 6 meses com o teste de Lang 1 colocado a 40 cm da face da criança. Fixação de cada um dos 3 elementos do teste O teste só tem valor quando bem sucedido Coordenação olho-mão Efectuada aos 6 meses com oferta de brinquedos atractivos Ausência de boa coordenação olho-mão Efectuado com brinquedo atractivo que é mostrado à Reacção assimétrica; (a oclusão do olho com Desconforto à oclusão criança tapando alternadamente cada um dos olhos maior acuidade visual - olho dominante - leva a uma reacção de Reacção à oclusão desconforto traduzida pela recusa da criança a essa oclusão) 10

11 Procedimento geral no Rastreio Oftalmológico Infantil O propósito do Rastreio Oftalmológico Infantil é a confirmação da saúde visual da criança. Os examinadores deverão procurar situações de presunção de doença, nomeadamente aquela com capacidade ambliogénica. A criança deverá estar calma e por isso é recomendável a marcação de consulta com horário a cumprir para que a espera não seja um factor de não colaboração por cansaço, fome ou agitação. Será evitada a entrada de pessoas na sala de observação durante todo o exame. Antes de iniciar o rastreio o examinador certificar-se-á de que todo o material necessário está ao seu alcance. Serão destinados os primeiros minutos da consulta para conversar com os pais/acompanhantes para que a criança possa ganhar confiança no examinador. A observação será iniciada pelos testes mais simples e mais divertidos para incentivar a criança. De preferência a criança será observada ao colo do pai/mãe/acompanhante para que se sinta mais protegida e confiante. Será pedido ao pai/mãe/acompanhante que não ajude ou dê pistas à criança. Serão usados brinquedos sem estímulos sonoros, a não ser quando necessário. As crianças que usam óculos serão testadas com eles colocados. Se a criança não colabora deverá ser agendada uma nova observação. 11

12 Bibliografia: 1. Colorado Department of Education Visual Screening Guidelines: Children Birth through Five Years. Developed for the Use of Child Find Personnel. January Domínguez JJ, Labañou CS, Coruña A. Detección de trastornos visuales. Rev Pediatr Aten Primaria. 2006; 8 Supl 2: ANAES. Service des recommandations et références professionnelles. Dépistage Précoce des Troubles de la Fonction Visuelle chez L enfant pour Prévenir L amblyopie. Octobre Agency for Healthcare Research and Quality. U.S. Preventive Services Task Force. Screening for visual impairment in children younger than age 5 years. Update of the evidence from randomized controlled trials, Rockville, Donald H. Vision Screening Essentials: Screening Today for Eye Disorders in the Pediatric Patient. Pediatr. Rev. 2007;28: HAS. Service des recommandations professionnelles. Propositions portant sur le dépistage individuel chez l enfant de 28 jours à 6 ans, destinés aux médecins généralistes, pédiatres, médecins de PMI et médecins scolaires. Septembre

ROI Rastreio Oftalmológico Infantil

ROI Rastreio Oftalmológico Infantil Sociedade Portuguesa de Pediatria Secção Pediatria Ambulatória ROI Rastreio Oftalmológico Infantil Protocolos aprovados pela Sociedade Portuguesa de Oftalmologia 1 Grupo de trabalho de Pediatria Fátima

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

Rastreio Visual da Criança

Rastreio Visual da Criança Rastreio Visual Rastreio Visual da Criança O Desenvolvimento da Visão A visão é um sentido essencial para o correcto desenvolvimento físico e cognitivo da criança. É através da visão que a criança interage

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia de órbita

Imagem da Semana: Tomografia de órbita Imagem da Semana: Tomografia de órbita Figura: Tomografia computadorizada contrastada de crânio. Enunciado Criança do sexo masculino, 2 anos, natural de Parauapebas (PA), apresentava reflexo branco em

Leia mais

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas

EVITANDO ACIDENTES. Como evitar acidentes com os olhos. Cozinhando. Produtos de limpeza. Objetos e crianças. Plantas EVITANDO ACIDENTES Como evitar acidentes com os olhos Quando se trata de acidentes com os olhos, o melhor remédio é a prevenção, pois algumas lesões podem causar desde a perda da qualidade da visão até

Leia mais

Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa

Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Heteroforias Definição É um desvio latente que os eixos visuais estão fixando normalmente o objeto

Leia mais

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009

PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 PORTARIA Nº 177, DE 14 DE SETEMBRO DE 2009 DODF de 17.09.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o inciso X do artigo 204 do Regimento Interno,

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável.

Saúde Ocular. Atitudes para uma visão saudável. Saúde Ocular Atitudes para uma visão saudável. O OLHO HUMANO Todos os sentidos do corpo humano são importantes, mas a visão é o que estimula grande parte das informações recebidas e interpretadas pelo

Leia mais

Ambliopia. Desenvolvimento visual normal e período critico

Ambliopia. Desenvolvimento visual normal e período critico Ambliopia O termo ambliopia deriva do grego ( amblios = fraco, embotado; ops = acção de ver, visão) e significa visão fraca ou olho vago. A ambliopia consiste numa diminuição da acuidade visual produzida

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

Óptica do olho Humano.

Óptica do olho Humano. Universidade de São Paulo Faculdade de Educação Instituto de Física Metodologia do Ensino de Física I Professor Dr. Maurício Pietrocola Óptica do olho Humano. Autores: Allan Fernandes do Espirito Santo

Leia mais

Temas da Aula. Bibliografia. 1. Introdução. 3. Audição. Pediatria I (TP) Visão, Audição e Linguagem

Temas da Aula. Bibliografia. 1. Introdução. 3. Audição. Pediatria I (TP) Visão, Audição e Linguagem Anotadas do 4º Ano 2007/08 Data: 9-11-2007 Disciplina: Pediatria I TP Prof.: Manuela Baptista Tema da Aula: Visão, Audição e Linguagem Autora: Nélia Reis Equipa Revisora: Cláudia Quinta e Lia Rocha Temas

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Avaliação de uma Paralisia Oculomotora

Avaliação de uma Paralisia Oculomotora Sónia Barão - Ortoptista Introdução Um desequilíbrio motor provocado pela paralisia de um ou vários músculos extraoculares deve ser, sempre que possível, claramente distinguido de um estrabismo comitante

Leia mais

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona

OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Implante Biodegradável para Uso Oftálmico. Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona OZURDEX ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Implante Biodegradável para Uso Oftálmico Cada implante contém 0,7 mg de dexametasona BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÕES Implante biodegradável para uso oftálmico

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.2 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. 2 Habilidade: Compreender os conceitos das propriedades da óptica geométrica

Leia mais

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação

TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação 8 Teste do Olhinho TESTE DO REFLEXO VERMELHO tem ampla campanha nacional de divulgação Quando estava grávida, descobri que, logo ao nascer, de preferência na maternidade, todo bebê deve fazer um exame

Leia mais

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor

Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana. Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor Escola Técnica Estadual Republica ETER Sistema de Informação Profª: Adriana Alunos: Rodolfo Ribeiro Paulo Vitor De olho nos seus OLHOS! Síndrome da visão do computador Índice Vista Vermelha, embaçada e

Leia mais

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II

Tecnologias IXUS 210. Ecrã Táctil LCD PureColor II Tecnologias IXUS 210 Interface Táctil Avançada A IXUS 210 inclui o ecrã táctil IXUS com a interface de utilizador mais avançada até hoje, proporcionando acesso ao menu principal da câmara, bem como ícones

Leia mais

Dina Drogas Ortoptista

Dina Drogas Ortoptista Desvio Vertical Dissociado ELABORADO POR: Dina do Carmo Drogas (Técnica Diagnóstico e Terapêutica de Ortóptica) 1 Índice Dina Drogas Características Clínicas Exploração e Diagnóstico... 4 Medição do Desvio...

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 060/2012

PROJETO DE LEI Nº 060/2012 PROJETO DE LEI Nº 060/2012 Dispõe sobre a obrigatoriedade da realização do exame para diagnóstico da retinopatia da prematuridade, TESTE DO OLHINHO, nos recém-nascidos, antes da alta hospitalar, em Hospitais

Leia mais

Cole o cartaz em uma parede vazia, sem janelas, a aproximadamente 1,5 metro do chão.

Cole o cartaz em uma parede vazia, sem janelas, a aproximadamente 1,5 metro do chão. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Descubra como está a sua visão por conta própria. Este teste não substitui o exame completo de visão

Leia mais

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO Conjuntivite Olho seco Hemorragia subconjuntival Blefarite Erosão córnea e corpos estranhos córnea Pós trauma Episclerite Uveite anterior Queimaduras químicas Esclerite

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA

PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA PROVA ESPECÍFICA / ORTOPTISTA QUESTÃO 16 O estímulo luminoso elaborado na superfície da retina percorre nesta ordem as seguintes estruturas até atingir o córtex visual: A) nervo óptico, quiasma óptico,

Leia mais

Soluções que funcionam. Manual de Identidade Visual

Soluções que funcionam. Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Introdução Assim como as pessoas, as marcas sempre passam alguma impressão. Quando uma pessoa demonstra um comportamento diferente para cada situação, costumamos dizer que ela

Leia mais

Conheces a janela através da qual vês o mundo???

Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Pestanas : São filas de pêlos fininhos que saem das

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA. Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas?

12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA. Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas? 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO OFTALMOLOGISTA QUESTÃO 21 Qual substância é utilizada no tratamento antirreflexo das lentes oftálmicas orgânicas? a) fluoreto de magnésio. b) poliuretano. c)

Leia mais

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015

Óptica da Visão. Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 Óptica da Visão Prof.: Bruno Roberto Física 1 2º ano UP - 2015 O Olho Humano Partes do Olho Humano Córnea: Transparente. Serve para a passagem da luz. Umedecida pelas lágrimas. Humor Aquoso: Líquido incolor

Leia mais

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual

Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência visual Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Dicas para o ensino e prática de atividades motoras e mecanismos de informações para pessoas com deficiência

Leia mais

Projeto CAPAZ Intermediário Análise de Inadaptação

Projeto CAPAZ Intermediário Análise de Inadaptação 1 Introdução Quando um cliente retorna à loja reclamando de seus novos óculos com lentes progressivas, há uma chance em um milhão de resolver o problema dele na primeira tentativa. Deve-se evitar que ele

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1980L0155 PT 31.07.2001 002.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B DIRECTIVA DO CONSELHO de 21 de Janeiro de 1980 que tem por objectivo a coordenação

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Deficiência Visual Cortical

Deficiência Visual Cortical Deficiência Visual Cortical A deficiência Visual Cortical se refere a uma condição do Cérebro e não uma condição do olho e é o resultado das lesões no Cérebro e no Sistema Visual no que se refere ao processo

Leia mais

BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g)

BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g) BIAMOTIL-D ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril cloridrato de ciprofloxacino (3,5 mg/g) dexametasona (1,0 mg/g) BULA PARA O PACIENTE APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco

Leia mais

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO S. Tomé e Príncipe ENFERMAGEM HUMANITÁRIA COOPERAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO São Tomé e Príncipe A República Democrática de São Tomé e Príncipe, é um estado insular localizado no Golfo da Guiné. Composto

Leia mais

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO

SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO SISTEMA VESTIBULAR E MANUTENÇÃO DO EQUILÍBRIO Prof. Hélder Mauad APARELHO VESTIBULAR Órgão sensorial que detecta as sensações de equilíbrio. Constituído por labirinto ósseo e por dentro dele há o labirinto

Leia mais

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation

NEX-3/NEX-5/NEX-5C A-DRG-100-52(1) 2010 Sony Corporation NEX-3/NEX-5/NEX-5C As funções 3D disponibilizadas por esta actualização de firmware são descritas neste folheto. Por favor consulte o Manual de instruções e o Manual da α que estão incluídos no CD-ROM

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida

Óptica Geométrica. Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Dr. Edalmy Oliveira de Almeida Universidade do Estado do Rio Grande do Norte Rua Almino Afonso, 478 - Centro Mossoró / RN CEP: 59.610-210 www.uern.br email: reitoria@uern.br ou Fone: (84) 3315-2145 3342-4802 Óptica Geométrica Dr. Edalmy

Leia mais

Sexta Câmara Cível ACÓRDÃO

Sexta Câmara Cível ACÓRDÃO Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro Sexta Câmara Cível Apelação Cível nº 0070401-41.2008.8.19.0001 Apelante: Sul América Seguro Saúde S/A Advogado: Doutor Jason de Medeiros Silva Apelado: Roberto Justino

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso à continuidade do nosso estudo de ametropias. Nesta apostila você terá mais algumas informações para o aprofundamento dos conteúdos trabalhados e um organograma

Leia mais

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida

Tornando a visão uma prioridade de saúde. Enxergue bem durante toda a sua vida Tornando a visão uma prioridade de saúde Enxergue bem durante toda a sua vida A visão de todos nós pode mudar com a idade Algumas alterações na visão podem dificultar a realização de tarefas diárias. Estas

Leia mais

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ

VARICELA ZOSTER VARICELA E GRAVIDEZ ZOSTER E GRAVIDEZ A varicela é uma doença comum da infância considerada habitualmente benigna. Adquirida na idade adulta pode acompanhar-se de complicações que serão ainda mais graves se for uma mulher

Leia mais

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LUMIGAN ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril bimatoprosta (0,03%) BULA PARA O PACIENTE Bula para o Paciente Pág. 1 de 7 APRESENTAÇÕES Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico

Leia mais

! " # $ % &! $ $! ' '"# $ "$ #( )*! "#+, OE OD POSIÇÃO DOS OLHOS, DIVERGINDO PARA ALCANÇAREM FUSÃO DE IMAGENS EM POSIÇÃO EXOFÓRICA ! Bases nasais.2,6mm. 1.8mm. O,E, O,D A LINHA DE VISÃO NÃO SOFRE DESVIOS

Leia mais

Cuidados de enfermagem em Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais como promotores da vinculação Pais/Filhos.

Cuidados de enfermagem em Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais como promotores da vinculação Pais/Filhos. Cuidados de enfermagem em Unidades de Cuidados Intensivos Neonatais como promotores da vinculação Pais/Filhos. Carmo Sotelo, Rosa Borlido, Rosa Imperadeiro Enfermeiras Especialistas em Saúde Infantil e

Leia mais

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Guia do Apresentador

Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento. Guia do Apresentador Doenças e Condições Oculares Relacionadas ao Envelhecimento Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é fornecer informações sobre doenças e condições oculares

Leia mais

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Sistema Visual Humano. Carlos Alexandre Mello. Pós-Graduação em Ciência da Computação. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello Pós-Graduação em Ciência da Computação Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Nós somos criaturas visuais A maior parte das informações que adquirimos vem dos nossos olhos Cerca

Leia mais

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO

DEFIJI Semestre2014-1 10:07:19 1 INTRODUÇÃO 1 DEFIJI Semestre2014-1 Ótica Lentes Esféricos Prof. Robinson 10:07:19 1 O ÍNDICE DE REFRAÇÃO INTRODUÇÃO Quando a luz passa de um meio para outro, sua velocidade aumenta ou diminui devido as diferenças

Leia mais

Formadora: Sónia Rodrigues 1

Formadora: Sónia Rodrigues 1 Unidade A Operar, em segurança, equipamento tecnológico, designadamente o computador Unidade A Operar, em segurança, equipamento tecnológico, designadamente o computador Formadora: Sónia Rodrigues Critérios

Leia mais

PUPILOMETRO GR-4. w w w. m e l l o i n d u s t r i a l. c o m. b r

PUPILOMETRO GR-4. w w w. m e l l o i n d u s t r i a l. c o m. b r PUPILOMETRO GR-4 *O Pupilometro é um instrumento digital de precisão óptica usado para medir a distancia pupilar. *Este equipamento foi desenvolvido cientificamente integrando tecnologia, mecanismos, eletricidade

Leia mais

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França)

PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR. Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) PREVENIR PRECOCEMENTE A VIOLÊNCIA E O FRACASSO ESCOLAR Professor Maurice BERGER (Hospital Universitário Saint Etienne, França) 1 Trinta anos de experiência num serviço de psiquiatria infantil especializado

Leia mais

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA

OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA EMBRIOGÊNESE DO APARELHO OCULAR: FORMAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO DA VESÍCULA ÓPTICA Profa. Dra. MARIA ANGÉLICA SPADELLA Disciplina Embriologia Humana FAMEMA Cronologia do Desenvolvimento: Início do desenvolvimento:

Leia mais

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA

CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA CEREBELO PROFª. RESPONSÁVEL: NORMA M. S. FRANCO ORGANIZADOR: ANDRÉ R MENDONÇA FUNÇÃO DO CEREBELO. É a parte do encéfalo responsável pelo controle dos movimentos voluntários, aprendizagem motora, controle

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

INFORMAÇÃO IMPORTANTE. Para Pais Sobre TRIAGEM NEONATAL

INFORMAÇÃO IMPORTANTE. Para Pais Sobre TRIAGEM NEONATAL INFORMAÇÃO IMPORTANTE Para Pais Sobre TRIAGEM NEONATAL TRIAGEM NEONATAL... Uma altura especial... Um teste especial... Esta brochura descreve os testes de triagem neonatal que seu bebê receberá. A triagem

Leia mais

PROTOCOLO. É celebrado o presente Protocolo, que se regerá pelas seguintes cláusulas:

PROTOCOLO. É celebrado o presente Protocolo, que se regerá pelas seguintes cláusulas: PROTOCOLO Entre Grupo Ópticas Lince, com sede na Rua do Comércio, nº 32, 6300-679 Guarda, contribuinte nº 503 079 871, representado neste acto pela Administração, na pessoa da Drª Tatiana Figueiredo E

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão.

Biofísica da Visão. OLHO EMÉTROPE é o olho normal, sem defeitos de visão. Biofísica da Visão O OLHO HUMANO: O olho humano é um órgão extremamente complexo, constituído de numerosas partes. Do ponto de vista físico, podemos considerar o olho humano como um conjunto de meios transparentes,

Leia mais

Anexo 2. Anexo 2. Protocolos experimentais para o 7º ano

Anexo 2. Anexo 2. Protocolos experimentais para o 7º ano Anexo 2 Anexo 2 Protocolos experimentais para o 7º ano 174 Anexo 2 PROTOCOLO EXPERIMENTAL 1 Será que a espessura da camada de ozono influencia a quantidade de radiação ultravioleta que atinge a Terra?

Leia mais

MICROINCISÃO (CO-MICS E BIMANUAL)

MICROINCISÃO (CO-MICS E BIMANUAL) MICROINCISÃO (CO-MICS E BIMANUAL) Não há uma modificação importante relativamente à técnica de facoemulsificação standard. Só difere o tamanho da incisão entre 1,8 e 2,0 mm. Os padrões de irrigação/aspiração

Leia mais

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4

Sumário. 1. Instalando a Chave de Proteção 3. 2. Novas características da versão 1.3.8 3. 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 1 Sumário 1. Instalando a Chave de Proteção 3 2. Novas características da versão 1.3.8 3 3. Instalando o PhotoFacil Álbum 4 4. Executando o PhotoFacil Álbum 9 3.1. Verificação da Chave 9 3.1.1. Erro 0001-7

Leia mais

CERATOCONE. De acordo com a topografia detectada na vídeoceratoscopia, podemos ter 2 tipos de morfologia da ectasia corneana:

CERATOCONE. De acordo com a topografia detectada na vídeoceratoscopia, podemos ter 2 tipos de morfologia da ectasia corneana: Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CERATOCONE O ceratocone é uma distrofia da córnea em que ocorrem protusão e afinamento progressivos

Leia mais

PERCURSOS DE ORIENTAÇÃO PARA CRIANÇAS

PERCURSOS DE ORIENTAÇÃO PARA CRIANÇAS DOCUMENTOS DE APOIO AO ENSINO BÁSICO E SECUNDÁRIO E ESCOLAS DE ORIENTAÇÃO DOS CLUBES DA MODALIDADE CADERNO DIDÁCTICO Nº 2 PERCURSOS DE ORIENTAÇÃO PARA CRIANÇAS Recomendações Percursos Balizados Percursos

Leia mais

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas:

Instrumentos Ópticos. Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. Aberração Cromática. A Lente equivalente à associação de duas lentes Justapostas, apresenta vergências das lentes associadas:

Leia mais

Nascemos a ver ou aprendemos a ver?

Nascemos a ver ou aprendemos a ver? Nascemos a ver ou aprendemos a ver? A visão é uma função essencialmente aprendida pelos organismos superiores. Podemos dizer que o processo de visão compreende a sensação e a percepção. A sensação consiste

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

PROGRAMA DRE PJ. Diretoria de Programas Especiais Educação Integral/Saúde Escolar

PROGRAMA DRE PJ. Diretoria de Programas Especiais Educação Integral/Saúde Escolar PROGRAMA DRE PJ Diretoria de Programas Especiais Educação Integral/Saúde Escolar 2015 1 Treinamento Visão do Futuro Avaliação 1º anos O Programa Visão do Futuro é destinado à prevenção e recuperação da

Leia mais

Posição viciosa de cabeça por astigmatismo mal corrigido: relato de caso

Posição viciosa de cabeça por astigmatismo mal corrigido: relato de caso RELATOS DE CASOS Posição viciosa de cabeça por astigmatismo mal corrigido: relato de caso Abnormal head position caused by incorrect prescription for astigmatism: case report Flávia Augusta Attié de Castro

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

www.saudedireta.com.br

www.saudedireta.com.br H00-H59 CAPÍTULO VII : Doenças do olho e anexos H00-H06 Transtornos da pálpebra, do aparelho lacrimal e da órbita H10-H13 Transtornos da conjuntiva H15-H19 Transtornos da esclera e da córnea H20-H22 Transtornos

Leia mais

4º par craneano - nervo troclear

4º par craneano - nervo troclear 4º par craneano - nervo troclear O 4º par craneano é responsável pela inervação do músculo oblíquo superior, tendo este como principal acção a infraducção do olho, principalmente quando este se encontra

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia

Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Oftalmologia - Vol. 38: pp.7- Artigo Original Exotropia consecutiva a cirurgia de endotropia Mónica Franco, Cristina Pereira, Luisa Colaço, Raquel Seldon 2, Ana Vide Escada 2, Gabriela Varandas 3, Maria

Leia mais

Dificuldade Visual em Adultos e Idosos

Dificuldade Visual em Adultos e Idosos Dificuldade Visual em Adultos e Idosos Jayter Silva de Paula 1, João Marcello Fortes Furtado 2, Fabiano Cade Jorge 2, Eduardo Melani Rocha 1, Luciane Loures dos Santos 3, Maria de Lourdes Veronese Rodrigues

Leia mais

Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série.

Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. 1 REV 01 08/15 Parabéns, você acaba de adquirir um produto REI. Em caso de dúvida, por favor, entre em contato com os seguintes dados em mãos: Modelo e Número de Série. www.reibrasil.com.br E-mail: sat@reibrasil.com.br

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais

SABERES DOCENTES PARA INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO REGULAR

SABERES DOCENTES PARA INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO ENSINO REGULAR SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDENCIA DA EDUCAÇÃO SUED DIRETORIA DE POLÍTICAS E PROGRAMAS EDUCACIONAIS - DPPE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL PDE Av. Água Verde, 2140 CEP 80240-900

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO:

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS: CURSO: ALUNO: DISCIPLINA: FÍSICA II PROFESSOR: EDSON JOSÉ LENTES ESFÉRICAS 1. (FGV/2012) Uma estudante usou uma lupa para pesquisar a formação

Leia mais

Como avaliar o Astigmatismo. Filomena Ribeiro

Como avaliar o Astigmatismo. Filomena Ribeiro Como avaliar o Astigmatismo Filomena Ribeiro Objectivo Emetropia Até onde podemos chegar em qualidade visual? Esfera Astigmatismo Aberrações de alta ordem Astigmatismo e catarata % 25 20 15 17,1 19,1 14,8

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA

CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA TRABALHO PRÁTICO CALIBRAÇÃO DE UM ESPECTROSCÓPIO DE PRISMA Objectivo: Neste trabalho prático pretende-se: na 1ª parte, determinar o índice de refracção de um poliedro de vidro; na 2ª parte, proceder à

Leia mais

ADAPTADOR EM RELEVO. Todas as afirmações corretas estão em: A - I - II - III B - I - II - IV C - II - III - V D - III - IV E - IV - V

ADAPTADOR EM RELEVO. Todas as afirmações corretas estão em: A - I - II - III B - I - II - IV C - II - III - V D - III - IV E - IV - V ADAPTADOR EM RELEVO 16. A avaliação das funções visuais tem como objetivo o diagnóstico do tipo de defeito óptico do paciente, a predição do uso do auxílio óptico e sua magnificação, a avaliação da visão

Leia mais

Colégio Nacional de Óptica e Optometria

Colégio Nacional de Óptica e Optometria 1 ÍNDICE COMPETÊNCIAS:...3 1. CONTEXTO HISTÓRICO DA OPTOMETRIA...4 2. EXAME OPTOMÉTRICO OU HISTÓRIA CLÍNICA OPTOMÉTRICA...4 3- DADOS DO PACIENTE;... 5 4- ANAMNESE.... 5 5- ACUIDADE VISUAL... 8 6. OPTOTIPOS...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

AUTORES: ¹ Gabriel Aguiar Carvalho, ² Luiz Fernando Rossilho de Figueiredo Filho,³ Bruno Busch Cameschi, ⁴ Lucas Boreli Bovo

AUTORES: ¹ Gabriel Aguiar Carvalho, ² Luiz Fernando Rossilho de Figueiredo Filho,³ Bruno Busch Cameschi, ⁴ Lucas Boreli Bovo NÚMERO: 21 TÍTULO: Síndrome de Horner na Infância após cirurgia de tumor no Mediastino Relato de caso / Horner s Síndrome in Childhood Neuroblastoma in post mediastinum - Case Report AUTORES: ¹ Gabriel

Leia mais

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9

1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 Importância da avaliação nutricional em Cuidados Continuados Março 2008 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. RASTREIO E AVALIAÇÃO DO ESTADO NUTRICIONAL...6 3. INTERVENÇÃO NUTRICIONAL...9 4. GUIA PARA PREVENIR E

Leia mais

www.forumenfermagem.org

www.forumenfermagem.org Todos os conteúdos apresentados são propriedade dos referidos autores Retirado de: Comunidade On-line de Enfermagem www.forumenfermagem.org Hipertensão Arterial Considera-se se HTA quando a tensão arterial

Leia mais

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede

Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Seleção de comprimento de onda com espectrômetro de rede Fig. 1: Arranjo do experimento P2510502 O que você vai necessitar: Fotocélula sem caixa 06779.00 1 Rede de difração, 600 linhas/mm 08546.00 1 Filtro

Leia mais

Deficiência Visual. A visão

Deficiência Visual. A visão Deficiência Visual Formadora: Elisa de Castro Carvalho 1 A visão Quando o bebé nasce ele já possui algumas competências visuais apesar da imaturidade do aparelho visual. Nos primeiros meses de vida são

Leia mais

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO

CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO PROJECTO CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO do Hospital de Santa Maria CENTRO DE AMBULATÓRIO PEDIÁTRICO MARIA RAPOSA Todos os anos, um número crescente de crianças, dos 0 aos 18 anos de idade, são assistidas

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR

DIPLOPIA DIPLOPIA MONOCULAR DIPLOPIA Definição - Visão dupla dum objecto único. 1) DIPLOPIA MONOCULAR Diplopia que desaparece com a oclusão dum olho atingido 2) DIPLOPIA BINOCULAR ligada a um desequilíbrio binocular de oculomotricidade

Leia mais

COMPUTAÇÃO GRÁFICA E ESTEREOSCOPIA. Prof. Nilton Costa Junior Prof. Robson Nunes da Silva

COMPUTAÇÃO GRÁFICA E ESTEREOSCOPIA. Prof. Nilton Costa Junior Prof. Robson Nunes da Silva COMPUTAÇÃO GRÁFICA E ESTEREOSCOPIA Prof. Nilton Costa Junior Prof. Robson Nunes da Silva O QUE É ESTEREOSCOPIA? É o processo natural do córtex visual do cérebro em fundir duas imagens com pontos de observação

Leia mais

Reunião com Maria João da SPP

Reunião com Maria João da SPP Reunião com Maria João da SPP Fui a Lisboa dia 26 de Novembro de 2007 Nomeação de médicos para contactos com imprensa: Norte: José Luís Centro: Helena Sul: Leonor Reunião com Maria João da SPP Curso da

Leia mais

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004.

OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * Novembro, 2004. OS LEILÕES COMO INSTRUMENTOS DE REGULAÇÃO ECONÓMICA * POR: RUTE MARTINS SANTOS Novembro, 2004. Este documento está protegido pelo direito de autor nos termos da lei portuguesa, do direito comunitário e

Leia mais

Plano de Contingência

Plano de Contingência Plano de Contingência Gripe A (H1N1) Creche, Jardim-de-infância e ATL da ASSTAS Índice I INTRODUÇÃO... 2 II OBJECTIVOS... 3 III PREVENÇÃO E INFORMAÇÃO SOBRE A GRIPE A... 4 A) Quais os sintomas?... 4 B)

Leia mais

Noções básicas do Exame Neurológico

Noções básicas do Exame Neurológico Noções básicas do Exame Neurológico Prof Alexandre Alessi Semiologia Médica II - 2012 Componentes 1- Estado Mental 2- Pares Cranianos 3- Exame Motor 4- Exame Sensorial 5- Reflexos 6- Coordenação e Exame

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Ocular no Programa Saúde na Escola

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA. Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Ocular no Programa Saúde na Escola PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA Orientações Gerais sobre as ações de Saúde Ocular no Programa Saúde na Escola O Programa Saúde na Escola (PSE) propõe que as ações de promoção e prevenção de agravos à saúde ocular

Leia mais