ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS"

Transcrição

1 ELABORAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

2 PROJETO Um projeto é um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades inter-relacionadas e coordenadas para alcançar objetivos específicos dentro dos limites de um orçamento e de um período de tempo dado. ( O N U c i t ado por C ohen & F r anco, 1999, p. 85)

3 PROJETOS E PROJETOS SOCIAIS Projetos são ferramentas de ação que delimitam uma intervenção quanto aos objetivos, metas, formas de atuação, prazos, responsabilidades e avaliação. Projetos Sociais são uma forma de organizar ações para transformar determinada realidade social. ( S c huckar, 2005)

4 UM BOM PROJETO DEVE Ter começo, meio e fim; Ser claro, objetivo e conciso; Ter parcerias; Ser auto sustentável ; Ter objetivos quantificáveis; Ter orçamento real.

5 CICLO DO PROJETO CICLO DO PROJETO IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA AVALIAÇÃO PLANEJAMENTO REVISÃO E AJUSTES monitoramento monitoramento IMPLEMENTAÇÃO

6 CICLO DO PROJETO CICLO DO PROJETO Adaptado do Guia do PMBOK - 3ª ed.

7 TODO PROJETO GERA EM: PRODUTO RESULTADOS - IMPACTOS PRODUTOS - bens ou serviços criados ou fornecidos pelo projeto através de suas atividades. RESULTADOS - benefícios ou transformações para os participantes gerados durante ou logo após sua participação no projeto. IMPACTOS - benefícios de médio e longo prazo para os beneficiários diretos e indiretos do projeto.

8 A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO

9 ÁRVORE DE PROBLEMAS Efeitos Problema Causas

10 ÁRVORE DE PROBLEMAS

11 ÁRVORE DE OBJETIVOS

12 IDENTIFICAÇÃO DA INTERVENÇÃO

13 MARCO LÓGICO Uma ferramenta sistemática para organizar as ideias do projeto e identificar as relações entre os recursos, as atividades e os resultados do projeto; Uma ferramenta de comunicação visual para apresentar e compartilhar a lógica da intervenção do projeto;

14 A LOGICA VERTICAL DO MARCO LÓGICO DESCRIÇÃO DO PROJETO IMPACTOS OBJETIVOS RESULTADO ATIVIDADE O IMPACTO é alcançado quando ocorrem mudanças profundas no problema alvo do projeto. Se OBJETIVOS e RESULTADOS ocorrerem; então isso deve contribuir para o IMPACTO geral Se RESULTADOS forem produzidos; então os OBJETVOS ocorrerão Se as ATIVIDADES forem realizadas; então os RESULTADOS poderão ser produzidos Se RECURSOS adequados forem fornecidos, então as ATIVIDADES poderão ser realizadas

15 Contexto Objetivo Geral Resultados Objetivos Específicos Ações

16 ESTRUTURA DO PROJETO Título do projeto Apresentação da proposta Apresentação da Organização Justificativa Objetivos Publico Alvo Metodologia Equipe Parceiros Comunicação Indicadores e Formas de Avaliação Cronograma Orçamento físico -financeiro Anexos

17 APRESENTAÇÃO DA PROPOSTA. Breve resumo da organização, com história, missão e capacidade de implementar a proposta; Breve descrição do projeto, com objetivos, atividades e resultados previstos; Recursos requeridos para o projeto.

18 APRESENTAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ENTIDADE PROPONENTE/EXECUTORA DADOS DE I DENTIFICAÇÃO DADOS DE QUALIFICAÇÃO Nome Histórico da Organização Sigla da Or ganização Projetos que já realizou Endereço completo Projetos que realiza Sit e e correio eletrônico Principais fontes de recursos ou financiamentos Registro jurídico Parcerias existentes Composição da Diretoria Composição da Coordenação e Responsável pelo projeto

19 JUSTIFICATIVA POR QUE FAZER? Descreve as razões pelas quais o projeto deve ser realizado e como trazer impactos positivos para a qualidade de vida da população e o meio ambiente.

20 OBJETIVOS O QUE SE PRETENDE FAZER? Este é o momento de definir o que se quer realizar. OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS

21 OBJETIVO GERAL O QUE SE QUER TRANSFORMAR A PARTIR DO PROJETO? Refere-se a solução do problema a ser enfrentado pelo projeto. É mais abrangente e geralmente descrito de maneira mais genérica.

22 EXEMPLO DE OBJETIVO GERAL OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

23 OBJETIVOS ESPECÍFICOS O QUE SE QUER TRANSFORMAR A PARTIR DO PROJETO? Devem expressar os resultados concretos a curto prazo a serem atingidos. Traduzem situações que contribuem para a consecução do objetivo geral e são caracterizados por ações efetivas.

24 EXEMPLOS DE OBJETIVOS ESPECÍFICOS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

25 EXEMPLOS DE AÇÕES PLANEJADAS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS AÇÕES 1.1. Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada. 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

26 EXEMPLOS DE AÇÕES PLANEJADAS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS AÇÕES 1.1. Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada. 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras Formar carteira de parceiros, contatá-los rotineiramente e também abrir outros canais de relacionamento. 2.2 Criar e manter site para cadastro de formandos dos cursos para organizar e divulgar oferta a empregadores ou clientes. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

27 EXEMPLOS DE AÇÕES PLANEJADAS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS AÇÕES 1.1. Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada. 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos Formar carteira de parceiros, contatá-los rotineiramente e também abrir outros canais de relacionamento. 2.2 Criar e manter site para cadastro de formandos dos cursos para organizar e divulgar oferta a empregadores ou clientes Realizar 01 atividade mensal de promoção da cidadania, com 4h, para os participantes e/ou seus familiares após a formação Apoiar o avanço de escolaridade por ações que viabilizem aos participantes o acesso a classes em Educação de Jovens e Adultos (EJA) Realizar acompanhamento psicossocial semanal dos participantes e seus familiares, com elaboração de relatórios para avaliação de evolução na participação coletiva e autorrealização. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

28 EXEMPLOS DE RESULTADOS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS AÇÕES RESULTADOS ESPERADOS 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada. 120 jovens e adultos formados, com certificado de conclusão reconhecido por entidade 1.2. Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada. certificadora, preparados para atuar profissionalmente nas 1.3. Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada. áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e 1.4. Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada. construção civil Formar carteira de parceiros, contatá-los rotineiramente e também abrir outros canais de relacionamento. 2.2 Criar e manter site para cadastro de formandos dos cursos para organizar e divulgar oferta a empregadores ou clientes Realizar 01 atividade mensal de promoção da cidadania, com 4h, para os participantes e/ou seus familiares após a formação Apoiar o avanço de escolaridade por ações que viabilizem aos participantes o acesso a classes em Educação de Jovens e Adultos (EJA) Realizar acompanhamento psicossocial semanal dos participantes e seus familiares, com elaboração de relatórios para avaliação de evolução na participação coletiva e autorrealização. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

29 EXEMPLOS DE RESULTADOS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS AÇÕES RESULTADOS ESPERADOS 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada. 120 jovens e adultos formados, com certificado de conclusão reconhecido por entidade 1.2. Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada. certificadora, preparados para atuar profissionalmente nas 1.3. Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada. áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e 1.4. Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada. construção civil. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos Formar carteira de parceiros, contatá-los rotineiramente e também abrir outros canais de relacionamento. 2.2 Criar e manter site para cadastro de formandos dos cursos para organizar e divulgar oferta a empregadores ou clientes Realizar 01 atividade mensal de promoção da cidadania, com 4h, para os participantes e/ou seus familiares após a formação Apoiar o avanço de escolaridade por ações que viabilizem aos participantes o acesso a classes em Educação de Jovens e Adultos (EJA) Realizar acompanhamento psicossocial semanal dos participantes e seus familiares, com elaboração de relatórios para avaliação de evolução na participação coletiva e autorrealização. 50% de participantes empregados formalmente; e/ou 50% com capacidade e possibilidade de exercer autonomamente uma profissão. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

30 EXEMPLOS DE RESULTADOS OBJETIVO GERAL: Promover a reintegração na sociedade de jovens e adultos, egressos do sistema penitenciário, preparando-os para ingressar no mercado de trabalho, através de programas de educação e qualificação profissional. OBJETIVOS ESPECÍFICOS AÇÕES RESULTADOS ESPERADOS 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada. 120 jovens e adultos formados, com certificado de conclusão reconhecido por entidade 1.2. Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada. certificadora, preparados para atuar profissionalmente nas 1.3. Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada. áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e 1.4. Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada. construção civil. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. 3. Apoiar a reintegração dos participantes à sociedade, promovendo a assistência psicossocial aos indivíduos e suas famílias e trabalhando para a ampliação da sociabilidade dos egressos Formar carteira de parceiros, contatá-los rotineiramente e também abrir outros canais de relacionamento. 2.2 Criar e manter site para cadastro de formandos dos cursos para organizar e divulgar oferta a empregadores ou clientes Realizar 01 atividade mensal de promoção da cidadania, com 4h, para os participantes e/ou seus familiares após a formação Apoiar o avanço de escolaridade por ações que viabilizem aos participantes o acesso a classes em Educação de Jovens e Adultos (EJA) Realizar acompanhamento psicossocial semanal dos participantes e seus familiares, com elaboração de relatórios para avaliação de evolução na participação coletiva e autorrealização. 50% de participantes empregados formalmente; e/ou 50% com capacidade e possibilidade de exercer autonomamente uma profissão. 70% dos participantes com evolução em indicadores psicossociais relacionados a participação na comunidade e construção de projetos de realização pessoal e profissional; e 50% dos participantes com evolução de escolaridade. Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

31 PÚBLICO ALVO QUEM SÃO OS BENEFICIÁRIOS DO PROJETO? Deve-se descrever qual será a população dir etamente beneficiada pelo projeto.

32 EXEMPLO DE BENEFICIÁRIOS EXEMPLO DE BENEFICIÁRIOS DIRETOS 35 jovens, de 14 a 17 anos, de baixa renda, não incluídos no mercado formal de trabalho e residentes na Vila do Curuçá. EXEMPLOS DE BENEFICIÁRIOS INDIRETOS 35 famílias em situação de risco social, o que corresponde a cerca de 140 pessoas (7% da população). Toda a comunidade da Vila do Curuçá.

33 A QUEM SE DESTINA AS AÇÕES DO PROJETO? População Total População com problema social População alvo do projeto População beneficiária do projeto

34 METODOLOGIA COMO ESTE PROJETO SERÁ EXECUTADO? Esclarece os referenciais teóricos que norteiam o trabalho e os métodos a serem utilizados para alcançar os objetivos específicos propostos.

35 EQUIPE EQUIPE QUEM VAI FAZER? Os profissionais necessários para o desenvolvimento do projeto, ou seja, pessoal administrativo, técnico, consultores, e a coordenadores.

36 COMPOSIÇÃO DA EQUIPE NOME FUNÇÃO NO PROJETO FORMAÇÃO PROFISSIONAL NATUREZA DO VÍNCULO CARGA HORÁRIA SEMANAL REMUNERADO COM OS RECURSOS SOLICITADOS? Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

37 PARCEIROS QUEM SÃO OS PARCEIROS? Descrever as parcerias estabelecidas, bem como os recursos e valor aportados no projeto.

38 PARCEIROS Escolas Financiador Projeto Familiares Diretoria

39 PARCEIROS Prefeitura Senai Diretoria Familiares Senac Comunidade Local Projeto Sebrae Fornecedores, empresas contratadas e terceirizadas Financiador Escolas Universidades

40 COMUNICAÇÃO COMO SERÁ DIVULGADO O PROJETO? Deve ser utilizada para a divulgação e o f ortalecimento das ações do projeto.

41 PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DE DIVULGAÇÃO OBJETIVOS DE COMUNICAÇÕES (PARA QUÊ?) PÚBLICOS DE INTERESSE (PARA QUEM?) ESTRATÉGIAS (COMO?) INSTRUMENTOS DE COMUNICAÇÃO E MÍDIAS (O QUÊ?) QUANTIDADE (QUANTOS?) PERÍODO (MÊS DE REALIZAÇÃO DAS AÇÕES Informar a proposta do projeto e divulgar o andamento e os resultados obtidos Participantes Banner 2 1º/ 22ºmês Famílias Evento de lançamento / encerramento do Convites 200 1º/ 22ºmês projeto Comunidade em geral Folder º/ 22ºmês Dar visibilidade ao projeto Agregar novas parcerias Opinião pública Parceiros consolidados Potenciais parceiros Ações de publicidade Spot de rádio 30 1º/ 6º/ 12º/ 18º/ 23º mês Assessoria de Imprensa Acompanhamento dos resultados Release 10 1º/ 6º/ 12º/ 18º/ 22º mês Revista º/ 12ºmês Newsletter digital 10 6º/ 12ºmês Divulgação na Internet Site 1 2ºmês Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

42 AVALIAÇÃO O QUE MUDOU? Deve descrever como será o sistema de acompanhamento do projeto apontando os indicadores adotados, e apresentar os procedimentos de avaliação do projeto.

43 TIPOS DE AVALIAÇÃO AVALIAÇÃO DE PROCESSO Trata-se da avaliação da forma como o projeto é conduzido e procura verificar a eficiência do método de trabalho empregado para atingir o objetivos. AVALIAÇÃO DE RESULTADO Consiste em verificar o cumprimento dos objetivos e das metas estabelecidas, no período de tempo previsto. AVALIAÇÃO DE IMPACTO Refere-se aos impactos sociais e ambientais que o objetivos propostos causaram na área do projeto, e às transformações comportamentais percebidas no público -alvo e ou na comunidade.

44 CICLO DE AVALIAÇÃO M o n i t o r a m e n t o d a s a ç õ e s Avaliação de Processos Avaliação de Marco Zero Avaliação de Resultados Avaliação de Impactos

45 MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO MONITORAMENTO AVALIAÇÃO O QUE Revisão constante do progresso em atividades e resultados/produtos identifica ações corretivas necessárias. Coleta e análise de informações para verificar o avanço na entrega dos resultados e produtos e sua contribuição para atingir objetivos e impactos. POR QUE Analisar a situação atual Medir avanços em relação aos resultados/produtos, Manter atividades no cronograma, Tomar decisões sobre os recursos. Medir eficácia do projeto, Verificar se Objetivos foram atingidos, Aprender lições para melhorias futuras. QUANDO Da forma contínua ao longo do desenvolvimento do projeto. Periodicamente. Normalmente no meio, final e pós projeto. COMO Visita de campo, Registros, Relatórios, etc. Avaliação Interna e Avaliação Externa

46 O QUE SÃO INDICADORES? Em projetos sociais, indicadores são parâmetros qualificados e/ou quantificados que servem para detalhar em que medida os objetivos de um projeto foram alcançados, dentro de um prazo delimitado de tempo e numa localidade específica. ( Val arelli, c i t ado em P ogoda, P i r es e Moretti, s. d.)

47 CARACTERÍSTICAS DO INDICADOR S Específico (Specific) Diz exatamente o que pretende medir? M Mensurável Há métodos e ferramentas de coleta adequadas? A Alcançável É possível atingir o indicador respeitando as restrições do projeto? R Relevante Ele mede o que o projeto pretende mudar? T Definido no Tempo (time-bound) O tempo do indicador está coerente com o tempo do projeto?

48 FORMULAÇÃO DE INDICADORES PROCESSO Quando o que importa é observar a sequência das ações, a metodologia adotada, etc. RESULTADOS Efeitos relacionados com os objetivos específicos.

49 INDICADORES QUANTITATIVOS E QUALITATIVOS INDICADOR QUANTITATIVO INDICADOR QUALITATIVO DEFINIÇÃO Medidas de quantidades Julgamento e percepções das pessoas METODOS DE COLETA DE DADOS Estatísticas, questionários, censo, etc. Entrevistas, grupos focais, etc. EXEMPLO Aulas realizadas Satisfação dos alunos com o curso em que participaram

50 INDICADORES DE PROCESSO OBJETIVOS ESPECÍFICOS INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO PERÍODO DE VERIFICAÇÃO 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil. Percentual de participantes satisfeitos com os cursos Pesquisa de satisfação com os participantes e relatório de avaliação dos cursos Trimestral 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. Número de empresas parcerias Documento de formalização das parcerias Trimestral Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

51 INDICADORES DE RESULTADOS OBJETIVOS ESPECÍFICOS INDICADORES MEIOS DE VERIFICAÇÃO PERÍODO DE VERIFICAÇÃO 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil. Número de jovens e adultos formados nos cursos com certificados de conclusão reconhecidos Listagem de certificados entregues Semestral 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. Percentual de participantes empregados Relatório de acompanhamento dos participantes inseridos no mercado de trabalho Semestral Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

52 ANEXOS RELAÇÃO DE CAUSALIDADE

53 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES QUANDO E O QUE FAREMOS? Define-se o período de duração do projeto e como o conjunto das ações propostas se distribui no tempo.

54 EXEMPLOS DE CRONOGRAMA OBJETIVOS ESPECÍFICOS 1. Capacitar 120 jovens e adultos nos cursos de qualificação profissional nas áreas de mecânica automotiva, marcenaria, pintura e construção civil. 2. Viabilizar a empregabilidade dos participantes por meio da articulação com instituições e empresas parceiras. AÇÕES 1.1. Oferecer 06 turmas do curso de mecânica automotiva, com 120h cada Oferecer 04 turmas de marcenaria, com 80h cada Oferecer 08 turmas de pintura e construção civil, com 110h cada Oferecer 08 palestras sobre cidadania, com 4h cada Formar carteira de parceiros, contatá-los rotineiramente e também abrir outros canais de relacionamento Criar e manter site para cadastro de formandos dos cursos para organizar e divulgar oferta a empregadores ou clientes. MÊS 01 MÊS 02 X X MÊS 03 X MÊS 04 MÊS 05 X MÊS 06 X X X X X X X X X X X X X X X X Fonte: Petrobras - Roteiro para Elaboração de Projetos, 2013

55 ORÇAMENTO QUANTO CUSTA E QUAIS SÃO OS RECURSOS NECESSÁRIOS? Descrição dos recursos e custos necessários, sendo que muitas vezes é preciso adequar os custos às exigências do financiador.

56 CATEGORIAS DE DESPESAS RECURSOS HUMANOS Agrega, basicamente, três tipos de gastos: Pessoal permanente: pessoas que estão comprometidas com a execução do projeto até o seu final; Treinamento e capacitação: cursos, estágios, etc; Consultoria: ajuda externa de profissionais especializados. INVESTIMENTOS São aquisições de bens permanentes, que servirão para gerar outros bens e/ou serviços: equipamentos, reformas ou construções de instalações. DESPESAS OPERACIONAIS São gastos previsíveis e contínuos que precisam acontecer para que o trabalho funcione sem interrupções.

57 ORÇAMENTO FÍSICO FINANCEIRO CATEGORIAS RECURSOS HUMANOS MÊS 01 MÊS , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00 Subtotal INVESTIMENTOS , , ,00 Subtotal MÊS 03 MÊS 04 MÊS 05 MÊS 06

58 RESUMO DO ORÇAMENTO Deve ser objetivo em relação aos gastos; Indicar contrapartidas; Citar outros apoios recebidos e outras fontes em negociação.

59 ANEXOS ANEXOS Contém as informações que o financiador tenha solicitado ou as necessárias a complementação do projeto. Folder da Instituição; Cartas de apoio; Mapas; Fotos; Tabelas; Gráficos; Documentação legal; Reportagens marcantes.

60 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Escopo Qualidade Tempo Custo

61 GERENCIAMENTO DE PROJETOS Risco Risco Escopo Risco Risco Qualidade Risco Tempo Custo Risco

62 ÁREAS DE GERENCIAMENTO DE PROJETO

63 Nível de custos e de pessoal GERENCIAMENTO DE MUDANÇAS Identificação Planejamento Implementação Final e Design

64 PROPOSTA DO PROJETO E PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO PROPOSTA DO PROJETO PLANO DE IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO OBJETIVO FORMATO Obter a aprovação e financiamento para projeto Quase sempre definido pelo doador ou Agência de investimento Garantir que o projeto chegue no tempo, no alcance e com o orçamento acordado e dentro dos parâmetros de qualidade propostos Definido pela equipe do projeto NIVEL DE DETALHE Quase sempre tem poucos detalhes Detalhamento desenvolvido pela equipe PARTICIPAÇÃO Quase sempre redigida por uma equipe mínima Processo participativo PÚBLICO CALENDÁRIO E AGENDA Dirigida a doadores e parceiros ou agências com potencial financeiro Quase sempre escritas com limites de tempo, e meses ou até anos antes da sua implementação Dirigida às necessidades da equipe que implementa as atividades do projeto Desenvolver, revisar ou atualizar o plano no início da implementação.

65 IMPORTANTE P r oj eto é pl anej ament o e pl anejamento é atividade c ol etiva; E l aborar proj etos não é s om ente r edi gir docum entos. Tr ata - s e de articular propostas; Um proj eto deve s er encarado c om o um c ontrato; É preciso um a boa r el ação c usto/benefí cio; F i nanciador não é banco e s i m PA RCEIRO; N ão estam os v endendo proj etos, m as c onqui s t ando parcei r os; Conqui s t ar parcei ros é ter S UCESSO.

66 E R I K A G A U D E O S O e r i k v i s a o s o c i a l c o n s u l t o r i a. c o m. b r Para quem não sabe para que porto velejar, nenhum vento é favorável. ( S êneca, 4 a.c. -65 d.c.)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

Roteiro para Elaboração de Projeto Social 1. Projeto X (Título do Projeto)

Roteiro para Elaboração de Projeto Social 1. Projeto X (Título do Projeto) Roteiro para Elaboração de Projeto Social 1 Projeto X (Título do Projeto) Título do Projeto: o título deve ser informativo e/ou instigante e criativo. Pode informar sobre o que faz o projeto e onde. Por

Leia mais

Apresentação. O Programa tem as seguintes linhas de atuação: Geração de renda e oportunidade de trabalho. Educação para a qualificação profissional

Apresentação. O Programa tem as seguintes linhas de atuação: Geração de renda e oportunidade de trabalho. Educação para a qualificação profissional Apresentação O Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania reflete o nosso compromisso com o desenvolvimento local, regional e nacional.apoiamos iniciativas que promovam, de forma digna e produtiva,

Leia mais

Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos. Título do projeto em outra capa

Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos. Título do projeto em outra capa Logo do Alto Tietê, subcomitê e do 5 Elementos Título do projeto em outra capa Bacia Hidrográfica do Alto Tietê com destaque para a Sub-bacia Pinheiros-Pirapora Fortalecimento do Subcomitê Pinheiros-Pirapora

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1)

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO (Anexo 1) Prezado(a) Professor(a), Visando orientar e otimizar as informações que deverão constar no projeto, elencamos, abaixo, os itens imprescindíveis para compreensão e apresentação da sua proposta ao Prêmio

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR

ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR ELABORAÇÃO DE PROJETOS, RESPONSABILIDADE SOCIAL E INCENTIVO FISCAL PARA O TERCEIRO SETOR O que é projeto? Um empreendimento planejado que consiste num conjunto de atividades interrelacionadas e coordenadas,

Leia mais

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos

Concurso da Prefeitura São Paulo. Curso Gestão de Processos, Projetos e Tecnologia da Informação. Tema: Gestão de Projetos - Conceitos Básicos Contatos: E-mail: profanadeinformatica@yahoo.com.br Blog: http://profanadeinformatica.blogspot.com.br/ Facebook: https://www.facebook.com/anapinf Concurso da Prefeitura São Paulo Curso Gestão de Processos,

Leia mais

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS

Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Associação Beneficente Salvare ANEXO I FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS DADOS DA ORGANIZAÇÃO PROPONENTE Razão Social CNPJ Endereço Completo Inscrição Telefone Email Representante Legal

Leia mais

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO

SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO SEFAZ-TO SECRETARIA DE FAZENDA DO TOCANTINS SEFAZ-TO PROJETO DE MODERNIZAÇÃO FISCAL DO ESTADO DO TOCANTINS - PMF-TO (PROFISCO-TO). PLANO DE COMUNICAÇÃO 10 de Outubro de 2013 LISTA DE ILUSTRAÇÕES 2 Quadro 1- Matriz

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Escola que faz pela paz

Escola que faz pela paz Escola que faz pela paz Mostra Local de: Curitiba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Instituto de Educação para Não Violência Cidade:

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários

Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários MININSTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação Instruções Específicas para Desenvolvimento de Trabalho Social em Intervenções de Urbanização de Assentamentos Precários Programa: Urbanização Regularização

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE UNIBH NÚCLEO ACADÊMICO PESQUISA EDITAL 02/2015 PROJETOS DE PESQUISA EM PARCERIA COM A ONEFORCE/IBM

REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE UNIBH NÚCLEO ACADÊMICO PESQUISA EDITAL 02/2015 PROJETOS DE PESQUISA EM PARCERIA COM A ONEFORCE/IBM REITORIA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE UNIBH NÚCLEO ACADÊMICO PESQUISA EDITAL 02/2015 PROJETOS DE PESQUISA EM PARCERIA COM A ONEFORCE/IBM A Vice-Reitora do Centro Universitário de Belo Horizonte

Leia mais

Prazo de execução: xxxx meses, a partir da assinatura do convênio

Prazo de execução: xxxx meses, a partir da assinatura do convênio MODELO PARA APRESENTAÇÃO PLANO DE TRABALHO EDITAL 2013 1 - IDENTIFICAÇÃO 1.1 DO PROJETO Nome do Projeto: Local onde será executado o projeto: (endereço completo) Nº de Beneficiários diretos: xx crianças

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94 EDITAL Nº. 01/2014 - COMDICAVI Dispõe sobre o chancelamento de projetos das entidades não governamentais e órgãos governamentais de atendimento à criança e ao adolescente, para financiamento com recursos

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 11/06/2014 13:47:32 Endereço IP: 200.253.113.2 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 18/05/2016 16:38:00 Endereço IP: 200.198.193.162

Leia mais

Novas Formas de Aprender e Empreender

Novas Formas de Aprender e Empreender Novas Formas de Aprender e Empreender DÚVIDAS FREQUENTES 1. Sobre o Prêmio Instituto Claro, Novas Formas de Aprender e Empreender 1.1. O que é o Prêmio? O Prêmio Instituto Claro Novas Formas de Aprender

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro Campus São Gonçalo CoEX - Coordenação de Extensão EDITAL INTERNO

Leia mais

Biblioteca Digital Comunitária

Biblioteca Digital Comunitária Biblioteca Digital Comunitária Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Sicoob Norte do Paraná Cidade: Londrina

Leia mais

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO

Prova de qualidade. Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença EDUCAÇÃO Prova de qualidade Sistema de gestão do SESI Por um Brasil Alfabetizado faz a diferença Algumas ações simples, mas de grande eficiência, podem explicar por que alunos do SESI Por um Brasil Alfabetizado

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari. Cargo Presidente

PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari. Cargo Presidente PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari 1 DADOS CADASTRAIS Órgão/Entidade Proponente Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales - AMTURVALES

Leia mais

FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÂNDIA

FACULDADE POLITÉCNICA DE UBERLÂNDIA PROCESSO DE SELEÇÃO 01/2016 Ref.: PEIEX - Projeto de Extensão Industrial Exportadora Faculdade Politécnica (PEIEX-Faculdade Politécnica) SELEÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA DO NÚCLEO OPERACIONAL DO TRIÂNGULO MINEIRO

Leia mais

Elaboração de Projetos Sociais

Elaboração de Projetos Sociais Elaboração de Projetos Sociais Marco Antonio Pereira 18 DE JULHO DE 2009 PROJETOS E... PROJETOS PROJETO DA INSTITUIÇÃO MISSÃO VISÃO Projeto A Projeto E Projeto B Projeto C Projeto D 1 PROJETO INSTITUCIONAL

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO

MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO MANUAL DE ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO DADOS CADASTRAIS PLANO DE TRABALHO - ENTIDADE ÓRGÃO / ENTIDADE PROPONENTE: CNPJ: ENDEREÇO: ENDEREÇO ELETRÔNICO(E-MAIL): CIDADE: UF: CEP:

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS APRESENTAÇÃO ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Breve histórico da instituição seguido de diagnóstico e indicadores sobre a temática abrangida pelo projeto, especialmente dados que permitam análise da

Leia mais

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social do IFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO AO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PROIFAL 1. OBJETIVO Apoiar o Instituto Federal de Alagoas IFAL nas atividades de ensino, pesquisa e extensão

Leia mais

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste De microcrédito, o Banco do Nordeste entende. Primeiro Banco público do Brasil a ter um modelo de atuação voltado para o setor, o Banco

Leia mais

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015

Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 Leslier Soares Corrêa Estácio de Sá / Facitec Abril/Maio 2015 O Gerenciamento de Integração do Projeto envolve os processos necessários para assegurar que os diversos elementos do projeto serão coordenados

Leia mais

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br)

Questionário de avaliação de Práticas X Resultados de projetos - Carlos Magno Xavier (magno@beware.com.br) Obrigado por acessar esta pesquisa. Sei como é escasso o seu tempo, mas tenha a certeza que você estará contribuindo não somente para uma tese de doutorado, mas também para a melhoria das práticas da Comunidade

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 16/07/2014 11:10:14 Endereço IP: 200.139.16.10 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras

Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes nas Rodovias Brasileiras VAMOS ACABAR COM A EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NAS RODOVIAS BRASILEIRAS parceria estratégica parceria técnica Manual dos Indicadores de Acompanhamento do Pacto Empresarial Contra Exploração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica)

Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto. (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Edital para Contratação de Consultoria Externa para Avaliação Final de Projeto (Pessoa Física ou Pessoa Jurídica) Localização: Em domicílio (com visitas de campo previstas) Prazo para envio de candidatura:

Leia mais

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE

EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE EDITAL DO 1º CONCURSO DE IDEIAS E PROJETOS ECONOMIA VERDE Sumário: 1. Apresentação 2. Finalidade do Prêmio 3. A quem se destina 4. Requisitos de elegibilidade para inscrição 5. Critérios de Avaliação 6.

Leia mais

Pelo exposto e considerando a relevância do tema, contamos com o apoio e compreensão de V. Exª e ilustres Pares para aprovação do Projeto

Pelo exposto e considerando a relevância do tema, contamos com o apoio e compreensão de V. Exª e ilustres Pares para aprovação do Projeto Vitória, 22 de junho de 2012 Mensagem nº 150/2012 Senhor Presidente: Encaminho à apreciação dessa Casa de Leis o anexo projeto de lei que propõe a criação de cargos para contratação temporária, Funções

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH

TERMO DE REFERÊNCIA FINANCIAMENTO DE IMÓVEIS NA PLANTA E/OU EM CONSTRUÇÃO - RECURSOS FGTS PROGRAMA DE SUBSÍDIO À HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - PSH Informações sobre o Programa de Financiamento de Imóveis na Planta e/ou em Construção Recursos FGTS - PSH 1 O Programa O Programa acima foi instituído por intermédio da Medida Provisória 2212 de 30 / 0

Leia mais

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS

ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E METAS ANEXO I MATRIZ DE INDICADORES E S 31 MATRIZ DE INDICADORES e S Indicador 1 - Visão Visão: Ser reconhecido como um dos 10 Regionais mais céleres e eficientes na prestação jurisdicional, sendo considerado

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários.

Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários. Gestão de Pessoas - Ênfase em Recrutamento, Seleção e Integração de novos funcionários. Módulo 3: Etapa 1 Treinamento e qualificação O Processo de Qualificação / Treinamento e Desenvolvimento Até agora

Leia mais

ANEXO - Roteiro para elaboração dos projetos

ANEXO - Roteiro para elaboração dos projetos ANEXO - Roteiro para elaboração dos projetos Os projetos a serem apresentados deverão obedecer ao roteiro proposto. Deverão ser executados no prazo máximo de 12 (doze) meses, contados a partir da data

Leia mais

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC

29/05/2012. Gestão de Projetos. Luciano Gonçalves de Carvalho FATEC. Agenda. Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências FATEC Gestão de Projetos 1 Agenda Gerenciamento de Integração do Projeto Exercícios Referências 2 1 GERENCIAMENTO DA INTEGRAÇÃO DO PROJETO 3 Gerenciamento da Integração do Projeto Fonte: EPRoj@JrM 4 2 Gerenciamento

Leia mais

Proposta para implantação de um Escritório de Projetos. Eduardo Montes, PMP

Proposta para implantação de um Escritório de Projetos. Eduardo Montes, PMP Proposta para implantação de um Escritório de Projetos Eduardo Montes, PMP Agenda O que é o Escritório de Projetos? Missão, Objetivos e Diretrizes Metodologia Reuniões Semanais (Comitê/GP) Formas de atuação

Leia mais

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira

Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos. Raquel Moreira Práticas de Gerenciamento de Projetos (GP) em Mobilização de Recursos Raquel Moreira NIC Núcleo de Investigação em de Recursos Pesquisa e Consultoria Tema e objetivos de nossa conversa Reflexão sobre:

Leia mais

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014

REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 REGULAMENTO DO PRÊMIO 2014 1 ÍNDICE CRONOGRAMA ------------------------------------------------------------------------------- 3 CATEGORIAS -------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS

Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gerenciamento de Projeto /Turma 140 Data: Agosto/2014 GERENCIAMENTO DE PROJETOS AMBIENTAIS Eduardo Christófaro de Andrade Eng. Agrônomo Juliana Maria Mota

Leia mais

8º Encontro de Coordenação

8º Encontro de Coordenação PROGRAMA NACIONAL DE APOIO À GESTÃO ADMINISTRATIVA E FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS 8º Encontro de Coordenação Cuiabá (MT), maio de 2008 1 8º Encontro de Coordenação Cuiabá (MT), maio de 2008 melhores

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO

APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO APRESENTAÇÃO DA OFICINA DA INOVAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO. OFICINA DA INOVAÇÃO Página 1 de 10 ÍNDICE DO PORTFOLIO Apresentação dos serviços da Oficina da Inovação... 3 Consultoria...

Leia mais

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica.

Plano de Ensino. METODOLOGIA GERAL: Consultorias com o Professor Orientador, pesquisas de campo e reuniões com a empresa e pesquisa bibliográfica. CURSO: MBA em GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DISCIPLINA: PLANO DE TI PROJETO FINAL Última revisão: Junho/2014 Horas-aula - Orientação ao projeto: 30 Horas-aula - Desenvolvimento do projeto: 60 Horas-aula

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013 Planejamento Estratégico Municipal Atividade prática Pensar em problemas e soluções.

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA

REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA REGULAMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO - CPA O Regulamento da Comissão Própria de Avaliação CPA foi aprovado pelo CONSUP mediante a Resolução nº 012/2013 data de 26 de novembro de 2013. E foram revisados

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A VIRTUALLINK

PLANO DE COMUNICAÇÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A VIRTUALLINK PLANO DE COMUNICAÇÃO PLANO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL PARA A VIRTUALLINK - Equipe de Comunicação Multimídia e Relações Públicas: Márcio Lobato Nayanne Pacheco 1. - OBJETIVO: A presente proposta objetiva estruturar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE UNIDADE DE COORDENAÇÃO DO PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA A ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DO II ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO: 23/2010 ÁREA

Leia mais

Seleção Pública de Projetos Esportivos Educacionais 2014 --- Roteiro para a Elaboração de Projetos

Seleção Pública de Projetos Esportivos Educacionais 2014 --- Roteiro para a Elaboração de Projetos Seleção Pública de Projetos Esportivos Educacionais 2014 --- Roteiro para a Elaboração de Projetos Capa: Centro de Referência Esportiva (PE) Imagem: Guilherme Costa / Banco de Imagens Petrobras Ponto de

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP)

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA DE BIODIVERSIDADE E FLORESTAS (SBF) DEPARTAMENTO DE ÁREAS PROTEGIDAS (DAP) PROGRAMA ÁREAS PROTEGIDAS DA AMAZÔNIA (ARPA) TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2015.1230.00053-3 OBJETIVO:

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 20/05/2016 17:15:31 Endereço IP: 201.76.165.227

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE

QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE QUESTIONÁRIO PARA PARTICIPAÇÃO NO TOP DE MARKETING ADVB/RS CATEGORIA TOP SUSTENTABILIDADE ÍNDICE INTRODUÇÃO 03 PARA PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO 04 QUESTIONÁRIO 05 CAPÍTULO P PERFIL DA EMPRESA 05 CAPÍTULO

Leia mais

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP Treinamento 2013 Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller - SECOP DN 86/2012 Aspectos importantes do Manual de Convênios Encaminhamento de proposta de parceria

Leia mais

Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas no Projeto.

Leia mais

DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM

DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM . DAS ORIENTAÇÕES E MODELO DE PROJETO DE INTERVENÇÃO PARA ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL- PAES IFAM 1 CAPA Título do projeto de intervenção, linha de ação dos Programas Integrais da PAES- IFAM contemplada, campus

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

Agência Brasileira de Cooperação - ABC Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento

Agência Brasileira de Cooperação - ABC Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Agência Brasileira de Cooperação - ABC Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento RELATÓRIO DE PROGRESSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Sigla e Título do Projeto: BRA/14/G72 Gerenciamento e Destinação

Leia mais

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA

PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA PROJETO PARCERIA COM A POLÍCIA CAPACITAÇÃO SOBRE A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA PARA A POLÍCIA MILITAR E CIVIL 1) INTRODUÇÃO: O Ministério Público desempenha um papel fundamental quando colabora com a capacitação

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição

Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Novidades do Guia PMBOK 5ª edição Mauro Sotille, PMP O Guia PMBOK 5 a edição (A Guide to the Project Management Body of Knowledge (PMBOK Guide) Fifth Edition), em Inglês, foi lançado oficialmente pelo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional:

PROJETO PEDAGÓGICO. 2.3 Justificativa pela escolha da formação inicial e continuada / qualificação profissional: PROJETO PEDAGÓGICO 1 Identificação: Curso de Extensão em Navegação Marítima Básica Contextualização da(s) localidade(s) onde ocorrerá o curso: O curso será oferecido no CRPNM ( Centro de Referência em

Leia mais

ANEXO III - ROTEIRO DE PROJETO

ANEXO III - ROTEIRO DE PROJETO ANEXO III - ROTEIRO DE PROJETO 1.DADOS CADASTRAIS DA ENTIDADE OU ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPONENTE NOME DA ENTIDADE OU ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (abreviatura caso possua) NOME FANTASIA

Leia mais

O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil

O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil O Grupo Actcon e a Rede Educar Brasil Especializado em soluções que incorporam Tecnologia da Informação à Educação e à Modernização da Administração Pública, o Grupo Actcon tem como sua principal integrante

Leia mais

3º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional

3º Prêmio de Reabilitação e Readaptação Profissional Instituição: SENAC Comunidade Categoria: Escolas de Educação Profissional Trabalho Eliminando barreiras, construindo pontes: A experiência do SENAC Comunidade na inclusão de pessoas com deficiência intelectual

Leia mais

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação

Política de Formação da SEDUC. A escola como lócus da formação Política de Formação da SEDUC A escola como lócus da formação A qualidade da aprendizagem como objetivo estratégico A qualidade de uma escola é o resultado da qualidade da relação de ensino e aprendizagem

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI na Administração Pública Federal - Ciclo 2016 (322491) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 27/05/2016 11:27:56 Endereço IP: 200.139.21.10 Designação

Leia mais

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014

Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Plano de Trabalho ADEMI e a Sustentabilidade 2012-2014 Objetivos e Premissas do Plano Objetivos do Plano 1 Aperfeiçoar a condução das ações relativas ao tema sustentabilidade na ADEMI 2 - Guiar (instrumento

Leia mais

REGULAMENTO XIV PRÊMIOABT

REGULAMENTO XIV PRÊMIOABT REGULAMENTO XIV PRÊMIOABT O PRÊMIO Dirigido a empresas e profissionais que praticam a excelência em atendimento e relacionamento com o cliente, o PrêmioABT tem como objetivos identificar, reconhecer e

Leia mais

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2

Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Índice Cronograma -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Prefácio --------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS 1ª Série Empreendedorismo Administração A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem desenvolvido por meio de etapas,

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Administração e Finanças

Administração e Finanças Estrutura do Plano de Negócio Profa. Fernanda Pereira Caetano Trabalho pesado é geralmente a acumulação de tarefas pequenas que não foram feitas a tempo. (Henry Cooke) Não existe uma estrutura rígida e

Leia mais

Etapas para a preparação de um plano de negócios

Etapas para a preparação de um plano de negócios 1 Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: EMPREENDEDORISMO Turma: 5 ADN Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: O PLANO DE NEGÓCIO A necessidade de um plano de negócio

Leia mais

REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009

REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009 REGULAMENTO XIII PRÊMIO MÉRITO FITOSSANITÁRIO COOPERATIVAS 2009 1. Apresentação O Prêmio Mérito Fitossanitário é o reconhecimento ações de responsabilidade social e ambiental das indústrias de defensivos

Leia mais

10.207.232/0001-79, 1970 5 CEP: 04565-907, 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO

10.207.232/0001-79, 1970 5 CEP: 04565-907, 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO REGULAMENTO Realizadora: Instituto Claro, CNPJ: 10.207.232/0001-79, com sede na Rua Flórida, 1970 andar 5 CEP: 04565-907, Cidade Monções São Paulo/SP. 1) PRÊMIO INSTITUTO CLARO 1.1. O Prêmio Instituto

Leia mais

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais com Prof. Lucas Henrique da Luz Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 O que

Leia mais

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA

1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA 1 COMO ENCAMINHAR UMA PESQUISA 1.1 QUE É PESQUISA Procedimento racional e sistemático que tem por objetivo proporcionar respostas aos problemas que são propostos. Requerida quando não se dispõe de informação

Leia mais

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011

DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG. Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 DIRETRIZES DE EXTENSÃO 2011 DIRETRIZES DE APOIO ÀS ATIVIDADES DE EXTENSÃO DO IF SUDESTE-MG Execução: SETEMBRO DE 2011 A DEZEMBRO DE 2011 Diretrizes de Apoio a Projetos de Extensão no IF SUDESTE-MG 1 Av.

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Folder da Conferência Sustentabilidade e Deficiência onde nosso projeto foi apresentado Setor de Diversidade em Cachoeirinha Encontro da Comissão Organizadora

Leia mais