do professor:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "E-mail do professor: rafaeldamota@gmail.com"

Transcrição

1 Turma e Ano: Delegado Civil (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 1 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitor: Marcelo Coimbra do professor: Parte Geral do Direito Civil: A parte geral do direito civil é dividida em três livros: pessoas, bens e fatos jurídicos. O livro I Das Pessoas é dividido em três títulos: da pessoa natural, da pessoa jurídica e do domicílio. O título I da pessoa natural é dividido em Personalidade, Capacidade, Direito da Personalidade e Ausência.

2 1) Personalidade: a. Conceito de Personalidade (Art. 1º CC): É a capacidade de adquirir direitos e deveres na ordem civil. Quem tem essa capacidade é chamado de sujeito de direito. Pode ser sujeito de direito tanto a pessoa natural quanto a pessoa jurídica. b. Início da Personalidade (Art. 2º CC): a personalidade da pessoa natural tem início no nascimento com vida. O Código Civil adotou a Teoria Natalista. A segunda parte do Art. 2º diz que os direitos do nascituro estão protegidos desde o momento da concepção. O nascituro tem direitos? Não. Ele tem somente expectativa de direito. Questão: eu posso fazer uma doação para um nascituro? Posso, mas a doação é um negocio jurídico condicional (existe, é valido, mas so produzira os efeitos se ocorrer um evento futuro e incerto que é o nascimento com vida - fazer uma remissão do Art. 2º para o Art. 542, que trabalha com a doação para o nascituro). Não esqueça que o STF e o STJ adotam a Teoria Concepcionista e por esta teoria, o nascituro já seria titular de direitos da personalidade. Não esqueça que a personalidade também pode ter outro viés. Pode ser chamada de Conjunto de Atributos da Pessoa Humana (honra, moral, nome, corpo, imagem, privacidade), que nada mais são que os Direitos da Personalidade. Enquanto a personalidade é tratada sob uma ótica patrimonial, os direitos da personalidade são tratados sob ótica extrapatrimonial. O nascituro para o STF e STJ só tem direito da personalidade, mas não tem personalidade no viés patrimonial, então para o STF e STJ continuam a ser um negocio jurídico condicional. c. Extinção da Personalidade: i. Tipos de Extinção da Personalidade: A personalidade da pessoa natural se extingue com a morte. A morte pode ser natural, acidental e presumida.

3 ii. Espécies de morte presumida: temos a morte presumida do Art. 7º e a morte presumida da Ausência (Art. 22 ao Art. 38). Art. 7º: Pode ser declarada a morte presumida, sem decretação de ausência: I - se for extremamente provável a morte de quem estava em perigo de vida; II - se alguém, desaparecido em campanha ou feito prisioneiro, não for encontrado até dois anos após o término da guerra. Parágrafo único. A declaração da morte presumida, nesses casos, somente poderá ser requerida depois de esgotadas as buscas e averiguações, devendo a sentença fixar a data provável do falecimento. No Art. 7º não é necessário um processo de ausência, porque nesse caso a morte é muito provável. Questão: uma pessoa esta num voo, o avião cai no mar e a pessoa desaparece. Para abrir um inventário é necessário somente um documento da empresa aérea dizendo que a pessoa estava no voo, ou é necessária uma sentença? A morte presumida do Art. 7º tem que ser declarada judicialmente? O parágrafo único do Art. 7º diz que sim, é necessária sentença. Essa sentença tem que ser registrada ou averbada? Em que cartório? Registro (Art. 9º) é um primeiro ato. Já averbação (Art. 10) tem um caráter acessório, é qualquer retificação que se faça naquele registro. Então a sentença que declare a morte presumida tem que ser REGISTRADA no registro civil de pessoas naturais. Morte presumida da ausência: precisa também de uma decisão judicial. Será trabalhada posteriormente.

4 2) Capacidade: a. Espécies de Capacidade: i. De Direito/Genérica: o conceito se confunde com o conceito de personalidade. É a capacidade de adquirir direitos e deveres. ii. De Fato/Exercício: é a aptidão que a pessoa tem para pessoalmente praticar atos jurídicos. Quem não tem essa aptidão é chamado de incapaz. A incapacidade é definida por lei. Não é a decisão que vai dizer se a pessoa é ou não incapaz, quem vai dizer é a lei, a sentença judicial é meramente declaratória. b. Incapacidade: i. Absoluta (Art. 3º): não pode praticar atos jurídicos pessoalmente, mas pode desde que esteja assistido. Quem é absolutamente incapaz? Art. 3o São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil: I - os menores de dezesseis anos; II - os que, por enfermidade ou deficiência mental, não tiverem o necessário discernimento para a prática desses atos; III - os que, mesmo por causa transitória, não puderem exprimir sua vontade. ii. Relativa (Art. 4º): Art. 4o São incapazes, relativamente a certos atos, ou à maneira de os exercer: I - os maiores de dezesseis e menores de dezoito anos; II - os ébrios habituais, os viciados em tóxicos, e os que, por deficiência mental, tenham o discernimento reduzido; III - os excepcionais, sem desenvolvimento mental completo;

5 IV - os pródigos. Parágrafo único. A capacidade dos índios será regulada por legislação especial. iii. Observações sobre incapacidade: 1. Atos em que o menor entre 16 e 18 anos pode praticar sem assistência: a. Depor como testemunha (Art. 228, I); b. Ser mandatário (Art. 666); c. Celebrar testamento (Art. 1860, p.u.); d. Votar e. Alistamento Militar 2. Hipóteses de Antecipação da Capacidade Plena do Menor (Emancipação) Art. 5º p.u.: a. Emancipação Voluntária (I -1ª Parte): é aquela que os pais realizam em favor dos filhos. Tem três requisitos: mínimo de 16 anos; vontade de ambos os pais; instrumento público. Se um dos pais não autoriza emancipação? O menor representado pelo outro pai tem que entrar com ação judicial de suprimento de vontade. A vontade desse pai será substituída por decisão judicial. A emancipação não deixa de ser voluntária, mesmo com a decisão judicial substituindo uma daquelas vontades. b. Emancipação Judicial (I 2ª Parte): é aquela que depende de decisão judicial. Ocorre quando o tutor quiser emancipar o seu tutelado. Nesse caso o menor também tem que ter o mínimo de 16 anos.

6 c. Emancipação Legal (II, III, IV e V): é a emancipação que independe de decisão judicial, ocorre pela vontade da lei. Casamento: é causa de emancipação. A idade núbil é de 16 anos (Art. 1517). O menor com 16 pode casar, mas precisa de autorização dos pais. Entretanto em hipótese de gravidez, poderá o menor casar com menos de 16 anos (Art. 1520). 3) Direitos da Personalidade: a. Características dos Direitos da Personalidade: i. Extrapatrimonial ii. Intransmissível (os direitos da personalidade não se transferem com a herança, são extintos com a morte) iii. Inalienável iv. Impenhorável v. Oponível Erga Omnes vi. Imprescritível vii. Inatos (decorrem da simples existência humana) viii. Irrenunciável: o seu titular não pode dispor de seus direitos, mas essa irrenunciabilidade é relativa o titular só poderá dispor dos próprios direitos da personalidade quando a lei autorizar. Hipóteses em que a lei autoriza a disposição dos direitos da personalidade: Art. 13 e 14 CC. Estes artigos trabalham com o direito ao corpo. Tanto pode se dispor do próprio corpo que eu posso doar um órgão. 4) Pessoa Jurídica:

7 a. Classificação da Pessoa Jurídica: i. Pessoa Jurídica de D. Público Interno: Art. 41. São pessoas jurídicas de direito público interno: I - a União; II - os Estados, o Distrito Federal e os Territórios; III - os Municípios; IV - as autarquias, inclusive as associações públicas; V - as demais entidades de caráter público criadas por lei. Parágrafo único. Salvo disposição em contrário, as pessoas jurídicas de direito público, a que se tenha dado estrutura de direito privado, regem-se, no que couber, quanto ao seu funcionamento, pelas normas deste Código. Temos duas observações a fazer no rol do Art. 41. A primeira observação está no inciso IV (Associações Públicas). Que associações públicas são essas? Podemos perceber que esse inciso IV foi alterado pela L /05 que é a Lei dos

8 Consórcios Públicos. Essa associação pública que está aqui é a associação que administra o consórcio público. Questão: o rol do Art. 41 é taxativo ou exemplificativo? É só olhar o inciso V, quando ele abre para as demais entidades de caráter público criadas por lei. Logo o rol é exemplificativo. Se o rol é exemplificativo, quais são as pessoas jurídicas de direito público interno que não estão nesse rol? O parágrafo único fala nas pessoas jurídicas de direito público a que se tenha dado estrutura de direito privado. Não estamos falando aqui das Sociedades de Economia Mista e Empresas Públicas, pois estas são pessoas de direito privado. Estamos falando sim das Fundações Públicas e os Entes de Fiscalização Profissional. Qual a natureza jurídica dos bens que integram essas pessoas jurídicas de direito público com estrutura de direito privado? (faça uma remissão do Art. 41 p.u. para o Art. 99 p.u.). Salvo disposição legal são bens públicos dominicais. ii. Pessoa Jurídica de D. Público Externo (Art. 42): Art. 42. São pessoas jurídicas de direito público externo os Estados estrangeiros e todas as pessoas que forem regidas pelo direito internacional público. Qual a natureza jurídica da República Federativa do Brasil? É de pessoa jurídica de direito público externo. iii. Pessoas Jurídicas de Direito Privado: Art. 44. São pessoas jurídicas de direito privado: I - as associações;

9 II - as sociedades; III - as fundações. IV - as organizações religiosas; V - os partidos políticos. VI - as empresas individuais de responsabilidade limitada. O rol do Art. 44 é taxativo ou exemplificativo? R: Exemplificativo. Temos outras pessoas de direito privado que não estão aqui, como as Empresas Públicas e as Sociedades de Economia Mista. O condomínio (há quem entenda que é pessoa jurídica) também não está aqui. 5) Domicílio: a. Conceito: o conceito de domicílio é formado por dois elementos: um elemento objetivo e elemento subjetivo. O elemento objetivo é a estada habitual em determinada localidade. Porém a simples estada não forma domicílio, por isso precisa do elemento subjetivo que é o animus de permanecer em definitivo. O Brasil adotou no Art. 71 CC a Teoria da Pluralidade Domiciliar. E aquelas pessoas que não tem o animo de permanecer em definitivo em lugar algum? São chamados de adônidas. O Art. 73 diz que o domicílio do adônida é o local onde for encontrado. b. Classificação do Domicílio: i. Domicílio Profissional (Art. 72) ii. Domicílio da Pessoa Jurídica (Art. 75) iii. Domicílio Necessário (Art. 76 e p.u.): é o domicílio imposto por lei. Não interessa o animus, interessa o que a lei quis. iv. Domicílio do Diplomata (Art. 77) v. Domicílio Especial (Art. 78)

10 6) Bens: Os bens estão disciplinados do Art. 79 ao 103. Estudaremos de forma diluída ao longo do curso. 7) Fatos Jurídicos: a. Conceito: É qualquer fato que cria, modifica ou extingue um direito. Se esse fato for causado pela natureza, temos um fato jurídico natural, se for causado pelo homem, temos um fato jurídico humano. b. Atos Ilícitos: Na responsabilidade civil, dividimos o estudo na responsabilidade civil extracontratual e na responsabilidade civil contratual. Qual é a fonte da responsabilidade civil extracontratual? O Ato ilícito. A fonte da responsabilidade civil contratual é o inadimplemento. O conceito de ato ilícito está no Art Deste conceito, nós tiramos os seus três elementos: culpa, nexo causal e dano.

11 Quando precisamos dos três elementos (culpa + nexo causal + dano) para comprovar a responsabilidade civil, estamos falando na responsabilidade subjetiva (Teoria da Culpa). Mas em alguns momentos podemos excluir o elemento culpa, que são os casos de responsabilidade civil objetiva, presentes no Art. 927, lembrando que o ato ilícito é fonte da responsabilidade extracontratual. Abuso de Direito (Art. 187): Hoje o exercício abusivo de um direito é ato ilícito. Mas quando uma pessoa exerce de forma abusiva um direito? O Art. 187 traz quatro limites: Limite do fim econômico, do fim social, dos bons costumes e da boa-fé objetiva. A responsabilidade civil no exercício abusivo de um direito é objetiva. Não é necessário demonstrar a conduta culposa. O Art. 188 trabalha com as Excludentes de Ilicitude (legitima defesa, exercício regular do direito e estado de necessidade. Aqui, por mais que se cause um dano a alguém o ato praticado será um ato lícito. c. Ato Jurídico: Qual a diferença entre Ato Jurídico e Negócio Jurídico? O ato jurídico tem os seus efeitos previstos em lei, enquanto o negócio jurídico tem os seus efeitos decorrentes da vontade das partes. O Art. 185 diz que se aplicam ao ato jurídico todas as disposições do negócio jurídico. Isso se deve ao fato de que o legislador, por lógica, achou melhor disciplinar de forma mais elaborada o negocio jurídico (cujos efeitos decorrem da vontade das parte) do que o ato jurídico (cujos efeitos se encontram na lei). d. Negócio Jurídico: i. Classificação do Negócio Jurídico:

12 1. Negocio Jurídico Unilateral: O negócio jurídico unilateral é aquele que se aperfeiçoa com a manifestação de apenas uma vontade. Os negócios unilaterais estão entre os Art. 854 a 878. Ex.: testamento, promessa de recompensa. 2. Negócio Jurídico Bilateral: é aquele que se aperfeiçoa com o encontro de pelo menos duas vontades. Ex.: Contrato. Obs.: não de pode confundir o negócio jurídico com o contrato unilateral e bilateral. O contrato unilateral é aquele que gera obrigações para apenas uma das partes. O contrato bilateral gera obrigação para as duas partes. Ex. Contrato Unilateral Doação. Para que o contrato de doação é necessária a aceitação do donatário (porque é um contrato). ii. Elementos do Negócio Jurídico:

13 1. Elementos Essenciais: são aqueles que devem estar presentes e todo e qualquer negócio jurídico. - Partes - Objeto - Consentimento - Forma 2. Elementos Acidentais (Art. 123 ao 127): são aqueles que vão estar presentes no negócio quando as partes convencionarem. - Condição - Termo - Encargo 3. Planos do Negócio Jurídico: a. Plano de Existência: o negócio jurídico existe quando estão presentes os elementos essenciais (partes, objeto, consentimento e forma), independentemente de estarem em conformação às exigências da lei. Ex.: Compra e venda celebrada por um menor de 11 anos existe? Sim. A capacidade da parte é irrelevante para o plano de existência. b. Plano de Validade: o negocio jurídico é válido quando estão presentes os elementos essenciais e todos estão em conformidade com a lei. É por isso que o art. 104 vai dizer que o negócio é valido quando as partes forem capazes e legitimas, quando o objeto for lícito, possível, determinado ou determinável; o consentimento for livre; e a forma for prescrita ou não defesa em lei. Em regra, aqui o negócio jurídico já é eficaz. A não ser que as partes estipulem os elementos

14 acidentais, que são a condição, o termo e o encargo. Porém caso o negócio seja inválido, temos que saber qual é o grau da invalidade, para isso temos a Teoria das Nulidades. Temos que saber se o negócio é nulo (nulidade absoluta), ou anulável (nulidade relativa). As hipóteses de nulidade absoluta ou relativa são impostas por lei. As hipóteses de nulidade absoluta estão no Art. 166 e as de nulidade relativa, no Art Diferenças entre Nulidade Absoluta e Nulidade Relativa: Nulidade Absoluta Nulidade Relativa Quanto aos legitimados para requerer a nulidade: Quanto à sanabilidade do vício Quanto aos prazos Qualquer interessado, ou o MP (Art. 168) Vício Insanável (Art. 169) Pode ser requerida a qualquer tempo Somente as partes. Vício Sanável as partes podem confirmar o negócio (Art. 172 ao 175) Prazo decadencial de dois ou quatro anos (A regra é que seja de quatro anos

15 Quanto ao reconhecimento de ofício pelo magistrado Quanto à natureza jurídica da sentença Quanto aos efeitos da sentença O juiz pode reconhecer de ofício (Art. 168 p.u.) Sentença declaratória Ex tunc - retroagem Art. 178) O juiz não pode reconhecer de ofício (Art. 177) Sentença constitutiva Em regra são ex nunc. Porém o Art. 182 traz o efeito ex tunc. c. Plano de Eficácia: o negócio jurídico será imediatamente eficaz se valido for e não estiverem presentes os elementos acidentais (condição, termo e encargo). 4. Hipóteses de Nulidade Absoluta: Vejamos o Art. 166: Art É nulo o negócio jurídico quando: I - celebrado por pessoa absolutamente incapaz; II - for ilícito, impossível ou indeterminável o seu objeto; III - o motivo determinante, comum a ambas as partes, for ilícito; IV - não revestir a forma prescrita em lei;

16 V - for preterida alguma solenidade que a lei considere essencial para a sua validade; VI - tiver por objetivo fraudar lei imperativa; VII - a lei taxativamente o declarar nulo, ou proibir-lhe a prática, sem cominar sanção. a. Inciso IV: quando falamos na forma do negócio jurídico a regra no CC é o formalismo ou o informalismo? A regra é o informalismo, essa regra está no Art. 107 CC. Eu posso celebrar o negocio jurídico do jeito que eu achar melhor é o principio da Liberdade das Formas. A não ser que a lei imponha uma forma específica. b. Inciso V: alguns contratos tem solenidade, e essas solenidade tem que ser observada sob pena de ser considerado nulo. Ex.: Casamento. c. Inciso VII: o rol do Art. 166 é taxativo ou exemplificativo? É exemplificativo, pois o inciso VII abre a outras hipóteses. Questão: o direito brasileiro permite a compra e venda de coisa futura? Sim, o Art. 483 permite. Porém a compra e venda de coisa futura é contrato aleatório (Art. 458 a 461). Mas qual é a única coisa futura que não pode ser objeto de compra e venda? A herança de pessoa viva (Art. 426 CC). Se eu ignoro essa proibição e vendo, é nulo, por força da 2º parte do inciso VII do Art Hipóteses de Nulidade Relativa (Art. 171): Art Além dos casos expressamente declarados na lei, é anulável o negócio jurídico: I - por incapacidade relativa do agente;

17 II - por vício resultante de erro, dolo, coação, estado de perigo, lesão ou fraude contra credores. O rol é exemplificativo. a. Inciso II: esse inciso traz um vício de consentimento e um vício social (fraude contra credores é um vicio social porque atinge um terceiro). Esses vícios estão todos eles disciplinados nos Art. 138 ao Art ) Prescrição e Decadência: a. Diferenças entre prescrição e decadência: Quanto ao direito envolvido Prescrição Direito Subjetivo Decadência Direito Potestativo Quanto ao objeto Pretensão Direito Potestativo Quanto aos prazos Quanto ao reconhecimento de ofício pelo magistrado Quanto à Renúncia Quanto às causas preclusivas Previsto em lei Sim Sim, expressa ou tacitamente. Sim (Art. 197, 198, 199 e 202) Previsto em lei ou pela vontade das partes Somente a decadência legal Somente a decadência convencional Em regra, não. Exceção: Art. 195 e 198, I.

18 i. Quanto ao Direito Envolvido: Direito subjetivo é o poder que a lei confere ao individuo para exigir determinada prestação de outrem. Já o direito potestativo é o poder que o individuo tem de influenciar a esfera jurídica alheia. Ex.: Divórcio. ii. Quanto ao Objeto: O objeto da prescrição é a pretensão (Art. 189). A pretensão é o que dá exigibilidade ao direito subjetivo. Se eu fico inerte, ocorre a extinção da pretensão, que é a prescrição (Os art. 882 e 883 dizem que a dívida prescrita é irrepetível). O objeto da decadência é o próprio direito potestativo. iii. Quanto aos Prazos: o Art. 192 diz que os prazos prescricionais só podem estar na lei, e estão nos Art. 205 e 206. No Art. 205 temos o prazo prescricional ordinário, que é de dez anos, e tem caráter residual (só será aplicado quando não tiver um prazo específico do art. 206). Os prazos decadenciais podem estar na lei ou decorrer do encontro de vontades. Qualquer prazo do código que não esteja no art. 205 e 206 é prazo decadencial. iv. Quanto ao Reconhecimento de ofício pelo magistrado: o juiz pode reconhecer de oficio a prescrição(art º CPC). Quanto a decadência? O Art. 210 CC diz que o juiz só pode reconhecer de ofício a decadência legal. v. Quanto à renúncia: é possível renunciar à prescrição? Sim, Art A renuncia poderá ser expressa ou tácita. Exemplo de renúncia tácita da prescrição é o pagamento. Outro exemplo é a novação de dívida prescrita. Renúncia à decadência: o Art. 209 diz que é nula a renúncia à decadência fixada em lei. Pode-se renunciar somente a decadência convencional. vi. Quanto ao momento para arguir: o Art. 193 diz que você pode arguir a prescrição em qualquer grau de jurisdição. Então eu posso arguir prescrição pela primeira vez em

19 recurso especial? Não, pois faltará o prequestionamento. E a decadência? Aqui não há uma diferença: ela também pode ser alegada em qualquer grau de jurisdição, tanto a legal quanto a convencional. Cuidado porque o Art. 211 vai dizer que a decadência convencional pode ser alegada em qualquer grau de jurisdição, mas a legal também pode. vii. Quanto às causas preclusivas: O que são causas preclusivas? São causas que impedem, suspendem ou interrompem os prazos. Essas causas se aplicam à prescrição? Sim. E quais são elas: estão nos Art. 197, 198 e 199 (impeditivas e suspensivas) e no Art. 202 (causas interruptivas). A mesma causa pode ser uma causa impeditiva e suspensiva? Sim. Tudo depende do momento em que o direito subjetivo for violado. O legislador tentou em cada um desses artigos agrupar causas de mesma natureza. No art. 197 ele agrupou causas que decorrem de relação jurídica (entre cônjuges, ascendentes e descendentes...). No Art. 198 o legislador agrupou causas que decorrem de uma situação pessoal do titular, e no Art. 199 o legislador agrupou causas externas. Causas que interrompem a prescrição: estão no Art Duas observações: a interrupção só pode ocorrer uma vez, por qualquer das causas; o prazo volta a contar do zero da data em que se interrompeu a prescrição. Essas causas preclusivas se aplicam à decadência? O Art. 207 diz que não se aplicam à decadência as normas que impedem, suspendem ou interrompem a prescrição, salvo disposição em contrário. Essa exceção está no Art. 208, que diz que se aplica a decadência o disposto nos art. 195 e 198, I (não corre a prescrição contra absolutamente incapaz). Contra o absolutamente incapaz nem a prescrição nem a decadência. 9) Direito das Obrigações:

20 a. Teoria do Adimplemento Obrigacional: o adimplemento de uma obrigação se dá com o pagamento. O efeito do pagamento é a extinção da obrigação. b. Modalidades de Pagamento: i. Pagamento Direto ii. Pagamento em Consignação iii. Pagamento com Sub-rogação iv. Imputação do Pagamento v. Dação em Pagamento c. Formas de Extinção das Obrigações sem pagamento: i. Novação: extinção da obrigação pela criação de uma nova obrigação. ii. Compensação iii. Confusão iv. Remissão: é um perdão, sem pagamento. v. Transação: a transação e o compromisso são contratos em espécie, e estão nos art. 840 a 855 CC. As modalidades de pagamento vão do Art. 304 ao 359, enquanto as formas de extinção sem pagamento vão do Art. 360 ao 388. vi. Compromisso d. Pagamento Direto (Art. 304 a 333): i. Quem deve pagar: o devedor. Mas o terceiro também pode pagar. O terceiro pode ser interessado ou não-interessado. O terceiro não interessado pode pagar em nome e conta do devedor ou pode pagar em nome próprio. ii. Terceiro Interessado: é aquele de quem o credor pode exigir diretamente o cumprimento da obrigação e também aquele que sofre as consequências do inadimplemento. Ex.: Fiador (pode ser exigido diretamente), sublocatário (sofre as consequências do inadimplemento), cônjuge, etc. O terceiro interessado pode pagar? Sim. Mas se ele pagar, o que acontece? Ele se sub-roga no direito do credor. A subrogação pode ser legal (Art. 346) ou convencional (Art. 347).

21 Na hipótese do terceiro interessado, a sub-rogação se dá por força de lei. Quais são os efeitos da sub-rogação? Estão no Art. 349, e são chamados efeitos translativos. Pelos efeitos translativos da sub-rogação, o terceiro interessado que paga assume todas as garantias e privilégios do credor. E se o credor se opõe ao pagamento de terceiro interessado? O terceiro interessado pode consignar o pagamento? Sim, Art. 304 (faça uma remissão para o Art. 334, que é o artigo da consignação em pagamento). O devedor pode se opor ao pagamento feito por terceiro interessado? Art. 306: sim, desde que demonstre que tem meios para ilidir a ação. iii. Terceiro Não-Interessado: O terceiro não-interessado pode pagar em nome e conta do devedor ou em nome próprio. O que acontece quando um terceiro não-interessado paga em nome e conta do devedor? Nada, pois é ato de liberalidade. O terceiro não interessado que paga em nome e conta do devedor, pode consignar o pagamento? Sim. O Art. 304 diz que igual direito cabe ao terceiro não interessado se fizer em nome e à conta do devedor. O devedor pode se opor ao pagamento de terceiro não interessado que o faz em sua conta e nome? O p.u. do Art. 304 diz que ele pode se opor, mas não precisa demonstrar meios para ilidir a ação.

22 O terceiro não-interessado que paga em nome próprio, o que acontece? Diz o Art. 305 que ele terá direito a reembolsar-se do que pagar, mas não se sub-roga nos direitos do credor. O terceiro não-interessado que paga em nome próprio pode consignar o pagamento? Não pode, por ausência de previsão legal. O devedor pode se opor ao pagamento feito por terceiro não interessado em nome próprio? Art. 306: pode, desde que demonstre meios para ilidir a ação. iv. A quem se deve pagar: ao credor (Art. 308). Aqui é importante ficar ligado na figura do credor putativo, que é um falso-credor. É aquele que aparenta ser o credor, mas não o é. Isso ocorre muito na cessão de crédito. Na cessão de credito o credor tem que dar ciência ao devedor. Uma cessão de credito sem a ciência do devedor é ineficaz em relação ao mesmo. O pagamento feito ao credor putativo extingue a obrigação, desde que feita de boa-fé. Para a próxima aula: Teoria do Inadimplemento.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida.

A extinção da personalidade ocorre com a morte, que pode ser natural, acidental ou presumida. Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 04 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Personalidade (continuação) 3. Extinção da personalidade:

Leia mais

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos)

NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) NEGÓCIO JURÍDICO Conceito MANIFESTAÇÃO DE VONTADE + FINALIDADE NEGOCIAL (aquisição, conservação, modificação e extinção de direitos) INTERPRETAÇÃO Boa-fé e usos do lugar CC113 Os negócios jurídicos devem

Leia mais

Sumário. Apresentação... 21. Prefácio da Obra... 23

Sumário. Apresentação... 21. Prefácio da Obra... 23 Sumário Nota do autor à 1ª edição... 15 Nota do autor à 3ª edição... 19 Apresentação... 21 Prefácio da Obra... 23 Capítulo I Princípios Constitucionais no Direito Civil Contemporâneo... 25 1. Introdução...

Leia mais

FATOS, ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS Resumo Prof. Lucas Siqueira

FATOS, ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS Resumo Prof. Lucas Siqueira FATOS, ATOS E NEGÓCIOS JURÍDICOS Resumo Prof. Lucas Siqueira Fatos Jurídicos Natural ou stricto sensu: Ocorrem segundo a lei da causalidade natural, sem interferência da vontade humana. * ordinário * extraordinário

Leia mais

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil

DIREITO CIVIL. Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil DIREITO CIVIL Obrigações, obrigações contratuais e responsabilidade civil 1 2 GILBERTO KERBER Advogado. Conselheiro Estadual OAB/RS. Mestre em Direito pela UFSC. Coordenador do Curso de Direito CNEC-IESA

Leia mais

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento

Art. 27 - rol de legitimados. Partilha Provisória dos bens do ausente. Com procurador - 3 anos contados do desaparecimento Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Direito Civil (Parte Geral) / Aula 05 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: II) Ausência: Sucessão Definitiva. III)Capacidade: Espécies de Capacidade

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CIVIL I. Lei de Introdução às Normas de Direito Brasileiro... 002 II. Pessoas Naturais e Pessoas Jurídicas... 013 III. Domicílio e Bens... 025 IV. Dos Fatos Jurídicos... 030 V. Prescrição e Decadência...

Leia mais

Fraude contra credores (continuação)

Fraude contra credores (continuação) Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 13 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Fraude contra credores (continuação) OBS1: Fraude

Leia mais

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt

Noções de Direito Civil Personalidade, Capacidade, Pessoa Natural e Pessoa Jurídica Profª: Tatiane Bittencourt PESSOA NATURAL 1. Conceito: é o ser humano, considerado como sujeito de direitos e deveres. Tais direitos e deveres podem ser adquiridos após o início da PERSONALIDADE, ou seja, após o nascimento com vida

Leia mais

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015.

DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015. DIREITO CIVIL IV TEORIA GERAL DAS OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS. Foed Saliba Smaka Jr. Aulas 27/28 10 e 11/11/2015. Introdução: Tão antigo quanto a troca, anterior a compra e venda. Transferência de Patrimônio

Leia mais

1. Defeitos do Negócio Jurídico continuação:

1. Defeitos do Negócio Jurídico continuação: 1 PONTO 1: Defeitos do Negócio Jurídico - continuação PONTO 2: Erro ou Ignorância PONTO 3: Dolo PONTO 4: Coação PONTO 5: Estado de perigo PONTO 6: Lesão PONTO 7: Fraude Contra Credores PONTO 8: Simulação

Leia mais

Direito Civil: parte geral. Prof. Thiago Caversan Antunes

Direito Civil: parte geral. Prof. Thiago Caversan Antunes Direito Civil: parte geral Prof. Thiago Caversan Antunes FEMPAR Londrina V Turma de Pós-Graduação Ano 2012 Parte Geral do Código Civil de 2002 - Das pessoas (art. 1º a 69); - Do domicílio (art. 70 a 78);

Leia mais

1 Geli de Moraes Santos M. Araújo

1 Geli de Moraes Santos M. Araújo 1 Contrato de Fiança. 1 Geli de Moraes Santos M. Araújo Sumário: Resumo. 1. Introdução. 2. Natureza jurídica da fiança. 3. Espécies de fiança. 4. Requisitos subjetivos e objetivos. 5. Efeitos da fiança.

Leia mais

Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna:

Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna: Classificação da pessoa jurídica quanto à estrutura interna: São consideradas universitas personarum, quando forem uma associação de pessoas, atenderem aos fins e interesses dos sócios. (fins mutáveis)

Leia mais

DIREITO CIVIL ALIMENTOS

DIREITO CIVIL ALIMENTOS DIREITO CIVIL ALIMENTOS Atualizado em 27/10/2015 Direito Civil Aula Professor André Barros 1 União Estável: 1. Conceito: Art. 1.723, CC: É reconhecida como entidade familiar a união estável entre o homem

Leia mais

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA

Sumário PARTE GERAL 3. PESSOA JURÍDICA Sumário PARTE GERAL 1. LINDB, DAS PESSOAS, DOS BENS E DO NEGÓCIO JURÍDICO 1. Introdução (DL 4.657/1942 da LINDB) 2. Direito objetivo e subjetivo 3. Fontes do Direito 4. Lacuna da lei (art. 4.º da LINDB)

Leia mais

UMA SUSCINTA ANÁLISE DA EFICÁCIA DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

UMA SUSCINTA ANÁLISE DA EFICÁCIA DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO UMA SUSCINTA ANÁLISE DA EFICÁCIA DA AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO Anne Karoline ÁVILA 1 RESUMO: A autora visa no presente trabalho analisar o instituto da consignação em pagamento e sua eficácia. Desta

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 19 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva DIREITO DAS COISAS (continuação) (III) Propriedade

Leia mais

DIREITO CIVIL Comentários Prova CETRO ISS/SP 2014 Prof. Lauro Escobar

DIREITO CIVIL Comentários Prova CETRO ISS/SP 2014 Prof. Lauro Escobar ISS/SP 2014) No que tange aos institutos da Prescrição e da Decadência, marque V para verdadeiro ou F para falso e, em seguida, assinale a alternativa que apresenta a sequência CORRETA. ( ) O princípio

Leia mais

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal:

DIREITO CIVIL. 1. Cláusula Penal: 1 PONTO 1: Cláusula Penal PONTO 2: Formação dos contratos PONTO 3: Arras PONTO 4: Extinção PONTO 5: Classificação dos contratos PONTO 6: Vícios redibitórios 1. Cláusula Penal: Estrutura da cláusula penal:

Leia mais

1. DEFEITOS DO CONTRATO DE TRABALHO. TEORIA DAS NULIDADES ESPECIAL DO DIREITO DO TRABALHO

1. DEFEITOS DO CONTRATO DE TRABALHO. TEORIA DAS NULIDADES ESPECIAL DO DIREITO DO TRABALHO Material do Professor: 1. DEFEITOS DO CONTRATO DE TRABALHO. TEORIA DAS NULIDADES ESPECIAL DO DIREITO DO TRABALHO 1. Introdução - manifestação de vontade interna X externa - discrepância CC 112 - vícios

Leia mais

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra

DA DOAÇÃO. É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra DAS VÁRIAS ESPÉCIES DE CONTRATO DA DOAÇÃO É o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio bens e vantagens para o de outra Unilateral, porque envolve prestação de uma só das

Leia mais

Alexander Perazo Direito Civil

Alexander Perazo Direito Civil Alexander Perazo Direito Civil Aulão EVP Receita Federal 1 - ( Prova: ESAF - 2009 - Receita Federal - Auditor Fiscal da Receita Federal - Prova 1 / Direito Civil / Lei de Introdução ao Código Civil; )

Leia mais

Direito de Família. Consuelo Huebra

Direito de Família. Consuelo Huebra Direito de Família Consuelo Huebra Casamento A lei só admite o casamento civil, mas o casamento religioso pode produzir efeitos civis na forma dos arts.1515 e 1516, C.C. Parentesco Natural pessoas que

Leia mais

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC

Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC Prova de Direito Civil Comentada Banca FUNDATEC 2014) QUESTÃO 54 Analise as seguintes assertivas sobre as causas de exclusão de ilicitude no Direito Civil: I. A legítima defesa de terceiro não atua como

Leia mais

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC).

AULA 07. Herança Jacente = herança sem herdeiros notoriamente conhecidos (arts. 1819 e ss. do CC). 01 Profª Helisia Góes Disciplina: DIREITO CIVIL VI SUCESSÕES Turmas: 8ºDIV, 8ºDIN-1 e 8º DIN-2 Data: 21/08/12 AULA 07 II - SUCESSÃO EM GERAL (Cont...) 11. Herança Jacente e Vacante (arts. 1.819 a 1.823,

Leia mais

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada

18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada 18/05/2010 (Orientação) Contabilidade - Participação de Menores na Sociedade Limitada Texto elaborado em 30.04.2010 Sumário 1. Introdução 2. Capacidade de ser sócio 3. Impedimentos 4. Impedimentos para

Leia mais

PROF. ROBERTA QUEIROZ

PROF. ROBERTA QUEIROZ Questão 01: /CESPE Julgue o item seguinte, que diz respeito à aplicação da lei, às pessoas e aos bens. Entre os direitos ressalvados pela lei ao nascituro estão os direitos da personalidade, os quais estão

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões.

Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Resumo Aula-tema 05: Direito de Família e das Sucessões. Para o autor do nosso livro-texto, o Direito de família consiste num complexo de normas que regulam a celebração do casamento e o reconhecimento

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 8 DIREITO CIVIL

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 8 DIREITO CIVIL INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 8 DIREITO CIVIL Índice 1. Direito Civil...3 1.1. Parte geral... 4 1.2. Das Pessoas... 4 1.2.1. Pessoa Natural... 4 1.2.2. Relativamente Incapazes... 5 1.2.3.

Leia mais

Nasce em razão da violação de um dever jurídico, mas depende da configuração de elementos.

Nasce em razão da violação de um dever jurídico, mas depende da configuração de elementos. OAB EXTENSIVO SEMANAL Disciplina: Direito Civil Prof.: Brunno Giancoli Data: 22.09.2009 Aula n 04 TEMAS TRATADOS EM AULA RESPONSABILIDADE CIVIL Nasce em razão da violação de um dever jurídico, mas depende

Leia mais

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 06. Professor: Rafael da Mota Mendonça

Turma e Ano: Turma Regular Master A. Matéria / Aula: Direito Civil Aula 06. Professor: Rafael da Mota Mendonça Turma e Ano: Turma Regular Master A Matéria / Aula: Direito Civil Aula 06 Professor: Rafael da Mota Mendonça Monitora: Fernanda Manso de Carvalho Silva Direitos da Personalidade 2. Características (continuação):

Leia mais

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS. Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta ESPÉCIES DE RENÚNCIA AO DIREITO HEREDITÁRIO E EFEITOS TRIBUTÁRIOS Artur Francisco Mori Rodrigues Motta

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR TURMA EXTENSIVA AOS SÁBADOS Disciplina: Direito Civil Professor: Cristiano Chaves Data: 12.12.2009 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CONTRATOS EM ESPÉCIE II Prof. Cristiano Chaves de Farias O CONTRATO DE DOAÇÃO

Leia mais

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m

Dano Moral no Direito do Consumidor. HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m Dano Moral no Direito do Consumidor HÉCTOR VALVERDE SANTANA hvs jur@ho tm ail.c o m RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO Consumidor padrão ou standard : art. 2º, caput Consumidor por equiparação: arts. 2º, parágrafo

Leia mais

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável

DIREITO DE FAMÍLIA. Concubinato X União estável DIREITO DE FAMÍLIA Concubinato X União estável Concubinato Até a CF/88 nós tínhamos o chamado concubinato. E o que é concubinato? Pessoas que viviam como se casados fossem. Com a CF/88, art. 226, 3º1,

Leia mais

Direito Civil III Contratos

Direito Civil III Contratos Direito Civil III Contratos Doação Art. 538 à 564 Prof. Andrei Brettas Grunwald 2011.1 1 Conceito Artigo 538 Considera-se doação o contrato em que uma pessoa, por liberalidade, transfere do seu patrimônio

Leia mais

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau).

1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral (transversal limitado ao 4º grau). 1 PONTO 1: Parentesco PONTO 2: Filiação PONTO 3: Bem de família PONTO 4: Tutela PONTO 5: Curatela 1. Parentesco: - Parentesco natural consaguíneo - linha reta (descendente e ascendente); linha colateral

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1

Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 Consignação em Pagamento: o meio indireto para a extinção de uma Obrigação. Alana Fagundes VALÉRIO 1 RESUMO: O artigo trata da Consignação em Pagamento, encontrado em nosso Código Civil, na Parte Especial,

Leia mais

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável:

PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos. 1. União estável: 1 PONTO 1: União estável PONTO 2: Alimentos 1. União estável: - Leis 8971/94 e 9278/96. - Lei 10.406/2002 e art. 1723 e seguintes. - Art. 226, 3 1, CF. União entre homem e mulher pública (notoriedade),

Leia mais

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL CONCEITO DE CONTRATO REQUISITOS DO CONTRATO CONTRATO CIVIS E NAS RELAÇÕES DE CONSUMO PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS a. Autonomia da vontade b. Relatividade das convenções c. Força vinculante d. Boa-fé FORMAÇÃO

Leia mais

Legislação e tributação comercial

Legislação e tributação comercial 6. CRÉDITO TRIBUTÁRIO 6.1 Conceito Na terminologia adotada pelo CTN, crédito tributário e obrigação tributária não se confundem. O crédito decorre da obrigação e tem a mesma natureza desta (CTN, 139).

Leia mais

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que:

OAB. OAB. DIREITO CIVIL. Glauka Archangelo. - ESPÉCIES DE SUCESSÃO. Dispõe o artigo 1.786 do Código Civil que: OAB. DIREITO CIVIL.. DISPOSIÇÕES GERAIS. DIREITO SUCESSÓRIO: Em regra geral na sucessão existe uma substituição do titular de um direito. Etimologicamente sub cedere alguém tomar o lugar de outrem. A expressão

Leia mais

- Espécies. Há três espécies de novação:

- Espécies. Há três espécies de novação: REMISSÃO DE DÍVIDAS - Conceito de remissão: é o perdão da dívida. Consiste na liberalidade do credor em dispensar o devedor do cumprimento da obrigação, renunciando o seu direito ao crédito. Traz como

Leia mais

A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO

A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO A ESSÊNCIA DA CAPACIDADE PARA O DIREITO Elton de Souza Moreira Jeanderson Resende de Souza Wesley Ferreira dos Reis SOUZA, G.N. de et al. A essência da capacidade para o direito. Jornal eletrônico da Faculdade

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Deve-se propor ação renovatória, com fulcro no art. 51 e ss. da Lei n.º 8.245/1991. Foro competente: Vara Cível de Goianésia GO, conforme dispõe o art. 58, II, da Lei n.º 8.245/1991:

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR PESSOA NATURAL

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR PESSOA NATURAL CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito Civil Professor: André Barros Data: 10/02/2010 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR PESSOA NATURAL 1. CONCEITO 2. PERSONALIDADE QUESTÃO: OS ANIMAIS TÊM PERSONALIDADE?

Leia mais

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS -

Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS JURÍDICOS - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 11 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Fatos Jurídicos: Negócio Jurídico - Classificação; Interpretação; Preservação. - FATOS

Leia mais

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7:

PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1 PROCESSO PENAL PONTO 1: Concurso de Crimes PONTO 2: Concurso Material PONTO 3: Concurso Formal ou Ideal PONTO 4: Crime Continuado PONTO 5: PONTO 6: PONTO 7: 1. CONCURSO DE CRIMES 1.1 DISTINÇÃO: * CONCURSO

Leia mais

2- Princípio da Solidariedade Social:

2- Princípio da Solidariedade Social: Princípios do direito de família: CF 1 ): 1- Princípio da dignidade da pessoa humana (artigo 1º, III, É um dos fundamentos da República Federativa do Brasil (não é o objetivo, não confundir), significa

Leia mais

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326

PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 PARECER COREN-SP 063/2013 CT PRCI n 102.713 Ticket 302.326 Ementa: Uso de contenção mecânica pela equipe de enfermagem, ante a recusa do paciente em receber tratamento. 1. Do fato Enfermeiro informa o

Leia mais

Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA JURÍDICA -

Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA JURÍDICA - Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 09 Professor: Rafael da Motta Conteúdo: Pessoa Jurídica: Entes Despersonalizados; Desconsideração da Personalidade Jurídica. - PESSOA

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

SAÚDE MENTAL E UMA RELEITURA DA TEORIA DAS INCAPACIDADES NO DIREITO PRIVADO

SAÚDE MENTAL E UMA RELEITURA DA TEORIA DAS INCAPACIDADES NO DIREITO PRIVADO A CAPACIDADE DOS INCAPAZES: SAÚDE MENTAL E UMA RELEITURA DA TEORIA DAS INCAPACIDADES NO DIREITO PRIVADO Maria de Fátima Freire de Sá PUC Minas www.cebid.com.br Evolução histórica Brasil-Império (1841)

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Código Civil Parte Geral - Arts. 01 a 103 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: P A R T E G E R A L LIVRO I DAS PESSOAS TÍTULO I DAS PESSOAS

Leia mais

go to http://www.speculumscriptum.com

go to http://www.speculumscriptum.com go to http://www.speculumscriptum.com CONTRATO DE EMPREITADA - Conceito: Empreitada é o contrato em que uma das partes (empreiteiro) se obriga, sem subordinação ou dependência, a realizar certo trabalho

Leia mais

DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL

DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL DANO AMBIENTAL E RESPONSABILIDADE CIVIL DANO AMBIENTAL PODE TRAZER CONSEQUÊNCIAS DE ORDEM CIVIL ADMINISTRATIVA E PENAL DANO É O PREJUÍZO CAUSADO A ALGUÉM PELA DETERIORAÇÃO OU INUTILIZAÇÃO DE BENS SEUS

Leia mais

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa

NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE. Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa NOÇÕES ACERCA DA HERANÇA JACENTE E VACANTE Dayane Sanara de Matos Lustosa Bacharelanda em Direito pela UEFS (Universidade Estadual

Leia mais

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011

ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 ATUALIZAÇÃO DO CONTEÚDO DE DIREITO PREVIDENCIÁRIO CONFORME LEI 12.470 DE 31/08/2011 8. DEPENDENTES Na ausência do arrimo de família, a sociedade houve por bem dar proteção social aos que dele (a) dependiam.

Leia mais

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site:

SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: SISTEMA EDUCACIONAL INTEGRADO CENTRO DE ESTUDOS UNIVERSITÁRIOS DE COLIDER Av. Senador Julio Campos, Lote 13, Loteamento Trevo Colider/MT Site: www.sei-cesucol.edu.br e-mail: sei-cesucol@vsp.com.br FACULDADE

Leia mais

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais.

Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais, Efeitos Patrimoniais. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Família e Sucessões / Aula 08 Professor: Andreia Amim Conteúdo: Divórcio e Espécies. Concubinato e União Estável: Pressupostos, Natureza Jurídica, Efeitos Pessoais,

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PARTE GERAL PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Disserte sobre os Direitos da Personalidade abordando os seguintes aspectos: I - a

Leia mais

NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denis Dall Asta Msc. Denisdall@unioeste.br

NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denis Dall Asta Msc. Denisdall@unioeste.br NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denisdall@unioeste.br TIPOS JURÍDICOS ABORDADOS EMPRESÁRIO SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA REVOGAÇÃO DE PARTE DO CÓDIGO COMERCIAL

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE DEFICIÊNCIA E FUNCIONALIDADE TRANSITANDO DO MODELO MÉDICO PARA O BIOPSICOSSOCIAL

I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE DEFICIÊNCIA E FUNCIONALIDADE TRANSITANDO DO MODELO MÉDICO PARA O BIOPSICOSSOCIAL I SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE DEFICIÊNCIA E FUNCIONALIDADE TRANSITANDO DO MODELO MÉDICO PARA O BIOPSICOSSOCIAL Capacidade Legal e Acesso a Justiça Quem são os incapazes? Quais os apoios que o estado precisa

Leia mais

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto.

RESUMO. Um problema que esse enfrenta nesta modalidade de obrigação é a escolha do objeto. RESUMO I - Obrigações Alternativas São aquelas que têm objeto múltiplo, de maneira que o devedor se exonera cumprindo apenas uma delas. Nasce com objeto múltiplo. Ex.: A se obriga a pagar a B objeto X

Leia mais

Assim, a validade de um contrato de trabalho está adstrita ao preenchimento de requisitos estabelecidos pelo art. 104 do CC.

Assim, a validade de um contrato de trabalho está adstrita ao preenchimento de requisitos estabelecidos pelo art. 104 do CC. Contrato de Trabalho Conceito segundo Orlando Gomes Contrato de Emprego (Trabalho) é a convenção pela qual um ou vários empregados, mediante certa remuneração e em caráter não eventual prestam trabalho

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 27-02-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 Alice, domiciliada

Leia mais

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE

PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1. TEORIA DA TIPICIDADE 1 DIREITO PENAL PONTO 1: Teoria da Tipicidade PONTO 2: Espécies de Tipo PONTO 3: Elementos do Tipo PONTO 4: Dolo PONTO 5: Culpa 1.1 FUNÇÕES DO TIPO: a) Função garantidora : 1. TEORIA DA TIPICIDADE b) Função

Leia mais

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional.

a) Liberatória (art. 299 CC) o devedor originário está exonerado do vínculo obrigacional. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Direito Civil / Aula 12 Professor: Rafael da Mota Mendonça Conteúdo: Obrigações: V - Transmissão das Obrigações: 2. Assunção de Dívida. Contratos: Teoria Geral

Leia mais

Sumário. Palavras Prévias (Apresentação da 10ª edição)... 21 Prefácio... 27 Apresentação... 25

Sumário. Palavras Prévias (Apresentação da 10ª edição)... 21 Prefácio... 27 Apresentação... 25 Sumário Palavras Prévias (Apresentação da 10ª edição)... 21 Prefácio... 27 Apresentação... 25 Capítulo I Introdução ao Direito Civil... 29 1. Noções Conceituais sobre o Direito... 29 2. Acepções da Palavra

Leia mais

PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos.

PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos. 1 DIREITO DO TRABALHO PONTO 1: Contrato Individual de Trabalho: 1. Conceito. 2. Sujeitos. 3. Características. 4. Requisitos. 1. Contrato Individual de Trabalho arts. 442 a 456 da CLT: 1. Conceito: É o

Leia mais

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior

OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior OAB 1ª Fase Direito Civil Contratos em Espécie Duarte Júnior 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CONTRATOS EM ESPÉCIE COMPRA E VENDA Arts. 481 a 532 NECESSIDADE

Leia mais

Guia de Procedimentos

Guia de Procedimentos Guia de Procedimentos Interdição e Inabilitação Versão Leitura Fácil e Pictogramas Índice 1. Introdução O que se pretende com este Guia 2. Linhas de Orientação De que é que trata o Guia de Procedimentos

Leia mais

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS

LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS LEI DE LOCAÇÕES - ALTERAÇÕES LEGISLATIVAS Diogo L. Machado de Melo Nathália Annette Vaz de Lima NORMA ANTERIOR (LEI 8245/91) ALTERAÇÃO TRAZIDA PELA LEI 12.112/09 (COM JUSTIFICATIVAS DE VETOS) (EM VIGOR

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MATERIAL DE APOIO PARA O CURSO DE RETA FINAL TRE/BA PROF. ANDRÉ B. C. BARROS

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MATERIAL DE APOIO PARA O CURSO DE RETA FINAL TRE/BA PROF. ANDRÉ B. C. BARROS RETA FINAL TRE/BA Disciplina: Direito Civil Profº André Barros Data: 17.01.2010 Aula nº. 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MATERIAL DE APOIO PARA O CURSO DE RETA FINAL TRE/BA PROF. ANDRÉ B. C. BARROS EDITAL

Leia mais

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL:

GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: GRUPO III ESPELHO DE CORREÇÃO CRITÉRIO GERAL: Nos termos do art. 20 do Regulamento do Concurso para Ingresso na Carreira do Ministério Público, na correção da prova escrita levar-se-á em conta o saber

Leia mais

SUMÁRIO. 3. Capacidade. 1. O Código Civil 17

SUMÁRIO. 3. Capacidade. 1. O Código Civil 17 SUMÁRIO CAPíTULO 1 - PESSOAS NATURAIS 1. O Código Civil 17 1.1 Divisão do Código Civil 19 1.2 Princípios ideológicus do Código Civil... 20 1.3 Princípios fundamentais do Código Civil... 20 1.3. I Princípio

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

Prescrição e decadência

Prescrição e decadência DIREITO CIVIL Professor Dicler A prescrição representa a perda da ação e da exceção (defesa) em razão do decurso de tempo. Tem como fundamento a paz social e a segurança jurídica que ficariam comprometidos

Leia mais

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES

DIREITO DAS OBRIGAÇÕES Direito Civil Professor Grevi Bôa Morte Júnior Obrigações DIREITO DAS OBRIGAÇÕES CONCEITO DE OBRIGAÇÃO Assinala Washington de Barros Monteiro que obrigação é a relação jurídica, de caráter transitório,

Leia mais

Jornada de Direito Civil aprova 46 enunciados Por Tadeu Rover

Jornada de Direito Civil aprova 46 enunciados Por Tadeu Rover Jornada de Direito Civil aprova 46 enunciados Por Tadeu Rover No ano em que o Código Civil completa 10 anos de vigência, o Conselho da Justiça Federal aprovou 46 novos enunciados que definem as interpretações

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES / 2012 2º SEMESTRE

INFORMAÇÕES SOBRE O CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES / 2012 2º SEMESTRE INFORMAÇÕES SOBRE O CONCURSO PÚBLICO PARA DOCENTES / 2012 2º SEMESTRE DEPARTAMENTO DE DIREITO Área, matéria ou disciplina: Direito Civil. Número de vagas: 01. Regime de trabalho: Horista. Titulação mínima

Leia mais

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO

www.direitofacil.com axz v É ]âü w vé @ `öüv t cxä áátü DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO DIREITO CIVIL DO NEGÓCIO JURÍDICO 01 Quanto aos Negócios Jurídicos, podemos dizer que: a) são seus elementos essenciais: agente capaz, objeto lícito, possível determinado ou determinável, consentimento

Leia mais

Direitos Reais sobre Imóveis e Contratos

Direitos Reais sobre Imóveis e Contratos Direitos Reais sobre Imóveis e Contratos Autores José Fernando Simão Maurício Baptistella Bunazar 2009 2007-2008 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução, mesmo parcial, por qualquer processo, sem autorização

Leia mais

Comissão de Graduação

Comissão de Graduação EDITAL 003/2015 - FDRP/Transferência Externa ABERTURA DE INSCRIÇÕES A SEGUNDA ETAPA DO PROCESSO SELETIVO DE TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA A FDRP/USP DE ALUNOS REGULARMENTE MATRICULADOS EM CURSOS DE GRADUAÇÃO

Leia mais

DIREITO CIVIL TEORIA DOS DANOS AUTÔNOMOS!!! 28/07/2015

DIREITO CIVIL TEORIA DOS DANOS AUTÔNOMOS!!! 28/07/2015 DIREITO CIVIL ESTÁCIO-CERS O Dano extrapatrimonial e a sua história Posição constitucional e contribuição jurisprudencial Prof Daniel Eduardo Branco Carnacchioni Tema: O Dano extrapatrimonial e a sua história

Leia mais

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL

REQUISITOS PARA O EXERCÍCIO DA ATIVIDADE EMPRESARIAL 1. Capacidade para o exercício da empresa Atualmente, existe a possibilidade de a atividade empresarial ser desenvolvida pelo empresário individual, pessoa física, o qual deverá contar com capacidade para

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL

SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL SÍNTESE DAS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO CÓDIGO CIVIL Rénan Kfuri Lopes As alterações trazidas pelo novo Código Civil têm de ser constantemente analisadas e estudadas, para que possamos com elas nos familiarizar.

Leia mais

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES CRIME DOLOSO E CRIME CULPOSO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Espécies de Conduta a) A conduta pode ser dolosa ou culposa. b) A conduta pode ser comissiva ou omissiva. O tema dolo e culpa estão ligados à

Leia mais

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES

FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES FATO TÍPICO PROFESSOR: LEONARDO DE MORAES Fato típico é o primeiro substrato do crime (Giuseppe Bettiol italiano) conceito analítico (fato típico dentro da estrutura do crime). Qual o conceito material

Leia mais

ASPECTOS DA DESAPROPRIAÇÃO POR NECESSIDADE OU UTILIDADE PÚBLICA E POR INTERESSE SOCIAL.

ASPECTOS DA DESAPROPRIAÇÃO POR NECESSIDADE OU UTILIDADE PÚBLICA E POR INTERESSE SOCIAL. ASPECTOS DA DESAPROPRIAÇÃO POR NECESSIDADE OU UTILIDADE PÚBLICA E POR INTERESSE SOCIAL. Por Osvaldo Feitosa de Lima, Advogado e mail: drfeitosalima@hotmail.com Em razão do princípio da supremacia do interesse

Leia mais

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE

EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE RETROATIVIDADE DA LEI QUE NÃO MAIS CONSIDERA O FATO COMO CRIMINOSO ART. 107, III ABOLITIO CRIMINIS O CRIME É APAGADO CONSIDERA-SE INEXISTENTE PRESCRIÇÃO ART. 107, IV CP PRESCRIÇÃO LIMITAÇÃO TEMPORAL DO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA

INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO DA PROVA 1) A prova terá duração máxima de 3 horas. 2) Cada questão possui apenas uma resposta correta e, a marcação de mais de uma assertiva, implicará em sua nulidade. 3) Durante

Leia mais

Responsabilidade Civil

Responsabilidade Civil Responsabilidade Civil Responsabilidade civil, dano e Regimes de Responsabilidade: A responsabilidade civil pode ser classificada em responsabilidade por culpa, pelo risco ou pelo sacrifício, dependendo

Leia mais

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO

CAPÍTULO I DO BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E DO BENEFICIÁRIO DECRETO N o 1.744, DE 8 DE DEZEMBRO DE 1995 Regulamenta o benefício de prestação continuada devido à pessoa portadora de deficiência e ao idoso, de que trata a Lei n 8.742, de 7 de dezembro de 1993, e

Leia mais