ESTÁGIO CURRICULAR II CONVERSÃO E CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTÁGIO CURRICULAR II CONVERSÃO E CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAL"

Transcrição

1 MIRIAN COELHO THIEL ESTÁGIO CURRICULAR II CONVERSÃO E CUSTOMIZAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAL EMPRESA: PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE SETOR: Unidade de Tecnologia da Informação SUPERVISOR: Mozart Moser ORIENTADOR: Débora Cabral Nazário CURSO DE TÉCNOLOGO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGIAS - CCT UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC JOINVILLE SANTA CATARINA - BRASIL 06/2008

2 ii APROVADO EM.../.../... Professor Débora Cabral Nazário Mestre em Ciência da Computação Professora Orientadora Professor Éverlin Fighera Costa Marques Mestre em Ciência da Computação Professor Jorge Manuel Lage Fernandes Graduado em Ciência da Computação Mozart Moser Supervisor da CONCEDENTE

3 iii Carimbo da Empresa UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Prefeitura Municipal de Joinville CGC/MF: / Endereço: R. Hermann August Lepper, 10 Bairro: Saguaçu CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Supervisor: Mozart Moser Cargo: Gerente de Unidade ESTAGIÁRIO Nome : Mirian Coelho Thiel Matrícula: Endereço: R. São Leopoldo, 800 Bairro: Boa Vista CEP: Cidade: Joinville UF: SC Fone: Curso de : Tecnologia em Sistemas de Informação Título do Estágio: Conversão e Customização de Sistema de Gestão de Pessoal Período: 28/02/2008 a 28/03/2008 Carga horária: 120 h AVALIAÇÃO FINAL DO ESTÁGIO PELO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS Representada pelo Professor Orientador: Débora Cabral Nazário CONCEITO FINAL NOTA Excelente (9,1 a 10) Muito Bom (8,1 a 9,0) Bom (7,1 a 8,0) Regular (5,0 a 7,0) Reprovado (0,0 a 4,9) Rubrica do Professor Orientador Joinville / /

4 iv Nome do Estagiário : Mirian Coelho Thiel QUADRO I AVALIAÇÃO NOS ASPECTOS PROFISSIONAIS QUALIDADE DO TRABALHO: Considerando o possível. ENGENHOSIDADE: Capacidade de sugerir, projetar, executar modificações ou inovações. CONHECIMENTO: Demonstrado no desenvolvimento das atividades programadas. CUMPRIMENTO DAS TAREFAS: Considerar o volume de atividades dentro do padrão razoável. ESPÍRITO INQUISITIVO: Disposição demonstrada para aprender. INICIATIVA: No desenvolvimento das atividades. SOMA Pontos QUADRO II AVALIAÇÃO DOS ASPECTOS HUMANOS ASSIDUIDADE: Cumprimento do horário e ausência de faltas. DISCIPLINA: Observância das normas internas da Empresa. SOCIABILIDADE: Facilidade de se integrar com os outros no ambiente de trabalho. COOPERAÇÃO: Disposição para cooperar com os demais para atender as atividades. SENSO DE RESPONSABILIDADE: Zelo pelo material, equipamentos e bens da empresa. Pontos SOMA PONTUAÇÃO PARA O QUADRO I E II Sofrível - 1 ponto, Regular - 2 pontos, Bom - 3 pontos, Muito Bom - 4 pontos, Excelente - 5 pontos LIMITES PARA CONCEITUAÇÃO AVALIAÇÃO FINAL Pontos De 57 a SOFRÍVEL SOMA do Quadro I multiplicada por 7 De 102 a REGULAR SOMA do Quadro II multiplicada por 3 De 148 a BOM SOMA TOTAL De 195 a MUITO BOM De 241 a EXCELENTE Nome da Empresa: Prefeitura Municipal de Joinville Representada pelo Supervisor: Mozart Moser CONCEITO CONFORME SOMA TOTAL Rubrica do Supervisor da Empresa Local: Data : Carimbo da Empresa

5 v UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - FEJ PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR II ESTAGIÁRIO Nome: Mirian Coelho Thiel Matrícula: Endereço (Em Jlle): R. São Leopoldo, 800 Bairro: Boa Vista CEP: Cidade: Joinville UF:SC Fone: Endereço (Local estágio): R. Hermann August Lepper, 10 Bairro:Saguaçu CEP: Cidade: Joinville UF:SC Fone: Regularmente matriculado no semestre: 6 º. Curso: Tecnologia em Sistemas de Informação Formatura (prevista) Semestre/Ano: 01/2008 UNIDADE CONCEDENTE Razão Social: Prefeitura Municipal de Joinville CGC/MF: / Endereço: R. Hermann August Lepper, 10 Bairro: Saguaçu CEP: Cidade: Joinville UF:SC Fone: Atividade Principal : Prestação de Serviços ao Cidadão Supervisor: Mozart Moser Cargo: Gerente de Unidade DADOS DO ESTÁGIO Área de atuação: Conversão e Implantação de Software de Gestão de Pessoal Departamento de atuação: Unidade de Tecnologia da Informação Fone: Ramal: Horário do estágio: 08:00 às 14:00 h Total de horas: 6 h Período: 28/02/2008 a 28/03/2008 Nome do Professor Orientador: Débora Cabral Nazário Disciplina(s) simultânea(s) com o estágio Quantas: 02 Quais: TES - 05 Visão de Marketing TES - 06 Fundamentos de Interfaces Humano-Computador

6 vi OBJETIVO GERAL Acompanhar a transição de tecnologia do sistema da Secretaria de Gestão de Pessoas, fazendo a conversão do sistema legado e implementar relatórios específicos voltados às necessidades dos usuários. ATIVIDADES OBJETIVO ESPECÍFICO HORAS Conversão de dados do sistema legado Criar arquivos texto em Dataflex, conforme layout específico 50 h Capacitação nos módulos do novo sistema Receber treinamentos nos módulos de ferramentas do sistema Vetorh 40 h Criação de relatórios específicos Criar relatórios na ferramenta - Senior Gerador de Relatórios conforme necessidade dos usuários 30 h Rubrica Professor Orientador do Rubrica do Coordenador de Estágios Rubrica Supervisor Empresa do da Data: Data: Data: Carimbo da Empresa

7 CRONOGRAMA FÍSICO E REAL ATIVIDADES Conversão de dados do sistema legado PERÍODO (120 horas) PR P R Capacitação nos módulos do novo sistema P Criação de relatórios específicos P R R P Previsto R Realizado

8 viii FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS - CCT COORDENADORIA DE ESTÁGIOS TERMO DE COMPROMISSO PARA REALIZAÇÃO DE ESTÁGIOS (1) EMPRESA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE Representada por MOZART MOSER Cargo GERENTE DE UNIDADE (2) ESTAGIÁRIO E MIRIAN COELHO THIEL Matrícula Curso TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO (3) Da Fundação Universidade do Estado de Santa Catarina, representada pelo Professor César Malutta. Acertam o seguinte, na forma da Lei nº , de 07/12/77, regulamentada pelo Decreto nº , de 18/08/82, tendo em vista Convênio nº._121 /_2005, publicado em Diário Oficial nº. _17690 de _06 / 06 / 2005_. Art. 1º - O ALUNO desenvolverá Estágio: Obrigatório ( X ) Não obrigatório ( ) Art. 2º - O ESTAGIÁRIO desenvolverá atividades dentro de sua linha de formação. Art. 3º - A EMPRESA elaborará Programa de Atividades a ser cumprido pelo ESTAGIÁRIO, em conformidade com as disciplinas cursadas pelo mesmo, respeitados os horários de obrigações do ESTAGIÁRIO com a UDESC/CENTRO. Art. 4º - O Estágio será desenvolvido na Área de Tecnologia da Informação no período de 28/02/2008 a 28/03/2008 durante o horário das 08:00 às 14:00 totalizando 120 horas/mês. 1º - Este período poderá ser prorrogado mediante prévio entendimento entre as partes. 2º - Tanto a EMPRESA como o ESTAGIÁRIO poderão a qualquer momento dar por terminado o Estágio, mediante comunicação escrita. Art. 5º - Pelas reais e recíprocas vantagens técnicas e administrativas, a EMPRESA designará como Supervisor Interno de Estágios e avaliador o Senhor MOZART MOSER Art. 6º - O ESTAGIÁRIO declara concordar com as normas internas da EMPRESA, conduzir-se dentro da ética profissional e submeter-se a acompanhamento e avaliação de seu desempenho e aproveitamento. Art. 7º - O ESTAGIÁRIO se obriga a cumprir fielmente a programação de estágio. Art. 8º - O ESTAGIÁRIO responderá pelas perdas e danos conseqüentes da inobservância das normas internas da EMPRESA.

9 ix Art. 9º - O ESTAGIÁRIO se compromete a elaborar Relatório sobre o Estágio realizado apresentando-o à EMPRESA através de seu Supervisor, e à Universidade através do Coordenador de Estágios respectivo. Art. 10º - A EMPRESA se responsabilizará por despesas relativas a atividades extras impostas ao ESTAGIÁRIO. Art. 11º - O ESTAGIÁRIO não terá para quaisquer efeitos, vínculo empregatício com a EMPRESA, ficando aquele segurado contra acidentes pessoais durante o estágio pela apólice nº da Companhia MAPFRE Seguros Art. 12º - O ESTAGIÁRIO receberá uma bolsa no valor de R$ 0,00( Zero reais). Art. 13º - Fica firmado o presente em 3 (três) vias de igual teor. Joinville, 17 de março de (1) EMPRESA:... (2) ESTAGIÁRIO:... (3) INSTITUIÇÃO DE ENSINO:...

10 x Aos meus pais, Ilse e Waldir, pelo carinho e dedicação

11 xi AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus por mais esta conquista. Meus professores pela paciência e atenção na orientação dispensada para realização deste trabalho. A amizade de meus colegas.

12 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS... XIII LISTA DE TABELAS... XIV RESUMO... XV INTRODUÇÃO OBJETIVOS Geral Específicos ORGANIZAÇÃO DO RELATÓRIO A EMPRESA HISTÓRICO Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão Histórico da Unidade de Informática CONSIDERAÇÕES GERAIS Finanças Municipais DESENVOLVIMENTO CONVERSÃO DE DADOS TREINAMENTO NAS FERRAMENTAS DO SISTEMA VETORH Gerenciador de usuários Gerador de Relatórios Central de Banco de Dados Senior(CBDS) Gerador de Importação e Exportação CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS ESPECÍFICOS CONSIDERAÇÕES FINAIS...27 ANEXOS...29 ANEXO A: DOCUMENTO DE REQUERIMENTOS DE NEGÓCIO DA ATIVIDADE ACOMPANHAMENTO PERICIAL ANEXO B: LAYOUT IMPORTAÇÃO CARGA HORÁRIA PROFESSOR ANEXO C: LAYOUT IMPORTAÇÃO CARGOS ANEXO D: LAYOUT IMPORTAÇÃO HISTÓRICOS DE AFASTAMENTOS ANEXO E: MODELO DA TABELA DE CARGA HORÁRIA DE PROFESSOR ANEXO F: MODELO DA TABELA DE CARGOS ANEXO G: MODELO DA TABELA DE HISTÓRICOS DE AFASTAMENTOS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...39

13 xiii LISTA DE FIGURAS Figura 1: Interface do programa de conversão da ficha financeira Figura 2: Programas criados para a conversão Figura 3: Seleção de campos do arquivo no Dfquery Figura 4: Seleção da competência desejada Figura 5: Resultado do Query Figura 6: Tela de propriedades do grupo Figura 7: Interface do gerador de relatórios Figura 8: Editor de SQL Figura 9: Propriedades de campo de uma tabela criada no CBDS Figura 10: Interface do gerador de importação e exportação Figura 11: Tela de execução da importação e exportação Figura 12: Exemplo das seções utilizadas no relatório Figura 13: Inserção de campo da tabela de Locais do Organograma Figura 14: Exemplo de cadastramento de entrada de valores Figura 15: Modelo da interface do relatório Figura 16: Modelo final do relatório... 26

14 xiv LISTA DE TABELAS Tabela 1: Estrutura Organizacional da Prefeitura Municipal de Joinville... 7 Tabela 2: Fontes de Receitas Municipais... 8

15 xv RESUMO Este relatório consiste na apresentação das atividades desenvolvidas no estágio realizado na Prefeitura Municipal de Joinville, no período de fevereiro a março de O trabalho compreendeu num primeiro momento a conversão dos dados em linguagem Dataflex, do sistema legado de Recursos Humanos, Sistema Integrado de Administração Pública (SIAP) para o sistema Senior Vetorh, na Secretaria de Gestão de Pessoas. Na etapa seguinte do estágio, ocorreu o treinamento nas ferramentas do novo sistema, Vetorh, a saber: Senior Gerenciador de Usuários, Senior Gerador de Relatórios, Central de Base de Dados Senior e Gerador de Importação e Exportação que permitiram fazer as customizações, criações de arquivos e adequações do sistema às necessidades apresentadas pelos usuários. O estágio permitiu o acompanhamento da transição de tecnologia e das melhorias efetuadas pelo sistema de Planejamento de Recursos Empresariais (ERP) visando aperfeiçoar o modelo de gestão da referida Instituição Pública.

16 INTRODUÇÃO Este trabalho tem por finalidade descrever as atividades desenvolvidas durante o Estágio Supervisionado, realizado na Prefeitura Municipal de Joinville. O estágio ocorreu no momento em que se iniciava o processo de implantação do sistema de Gestão de Pessoas, após a realização em etapa anterior, do levantamento dos processos de negócio existentes na Secretaria de Gestão de Pessoas. Naquela etapa foram identificados os eventos que disparam os processos, identificadas e registradas as regras de negócio existentes nos processos executados e definidas as oportunidades de melhorias. Para o desenvolvimento do Estágio foi inicialmente definido um plano com as atividades a serem desenvolvidas. Estas foram realizadas juntamente com os consultores da empresa contratada para o serviço OBJETIVOS Geral Acompanhar a transição de tecnologia do sistema da Secretaria de Gestão de Pessoas, fazendo a conversão do sistema legado e implementar relatórios específicos voltados às necessidades dos usuários Específicos - Conversão de dados conforme leiaute específico; - Treinamento nas ferramentas do sistema Vetorh; - Criação de relatórios específicos.

17 ORGANIZAÇÃO DO RELATÓRIO Este relatório é composto de capítulos e demais seções pertinentes. O Capitulo 1 apresenta os objetivos gerais e específicos do estágio. O Capitulo 2 apresenta a Prefeitura Municipal de Joinville, onde foi realizado o estágio, dando uma breve organização da mesma, quantidade de empregados e arrecadação. O Capitulo 3 trata dos conceitos relativos às atividades desenvolvidas durante o estágio, como também o desenvolvimento das respectivas atividades. Na seqüência são expostas as considerações finais contendo as principais dificuldades encontradas, disciplinas que mais contribuíram para o sucesso do estágio, e o atendimento aos objetivos estabelecidos no plano de estágio. Por fim são apresentados nos anexos alguns modelos de arquivos de importação criados, modelos de tabelas e as referências bibliográficas utilizadas na elaboração do relatório.

18 2. A EMPRESA A história da Prefeitura de Joinville se confunde com a própria história da cidade de Joinville. Nesse capítulo serão apresentados alguns fatos referentes ao início da história da cidade HISTÓRICO De acordo com o historiador e pesquisador Cunha (2003), o surgimento da colônia Dona Francisca, atual cidade de Joinville, surgiu do contrato assinado em 1849 entre a Sociedade Colonizadora de Hamburgo e o príncipe e a princesa de Joinville (ele, filho do rei da França e ela, irmã do imperador D. Pedro II), mediante o qual estes cediam 8 léguas quadradas à essa Sociedade, para que fossem colonizadas. Por volta de 1840, uma grave crise econômica, social e política assolaram a Europa. Fugindo da miséria, do desemprego, de perseguições políticas, milhares de pessoas resolveram emigrar. Um dos destinos era a colônia Dona Francisca, para onde vieram cerca de pessoas entre 1850 e 1888, a maioria protestantes, agricultores sem recursos, estimados pela propaganda, que apresentava o lugar como se fosse um verdadeiro paraíso terrestre. A intenção da Sociedade Colonizadora, formada por banqueiros, empresários e comerciantes era, entretanto, auferir grandes lucros com a "exportação" dessa "carga humana" e estabelecer uma colônia "alemã", vinculada aos interesses comerciais alemães. O governo imperial brasileiro por sua vez incentivava a imigração visando substituir a mão-de-obra escrava por colonos "livres", ocupar os vazios demográficos e também "branquear" a população brasileira. Assim, a história de Joinville começa com a chegada da primeira leva de imigrantes europeus e a "fundação" da cidade em 9 de março de Em 1888, Joinville foi elevada à categoria de cidade (em 1866 fora elevada à vila, desmembrando-se politicamente de São Francisco do Sul).

19 4 Segundo dados do Arquivo Histórico, na Monarquia - Joinville foi administrada pelos Diretores da Colônia e a partir de 1869 simultaneamente pelos Presidentes da Câmara Municipal. Os diretores eram nomeados pela Sociedade Colonizadora de Hamburgo, para administrar toda a Colônia Dona Francisca. Com a instalação da Câmara Municipal, os vereadores eleitos pelo voto popular escolhiam o Presidente da Câmara que passou a acumular a função de chefe do executivo tornando-se responsável somente pela administração da cidade de Joinville, ficando a Colônia Dona Francisca (que abrangia os atuais municípios de São Bento do Sul e Jaraguá do Sul) ainda sob a direção da Sociedade Colonizadora de Hamburgo. Na República - segundo as leis da época, eram conferidos aos superintendentes eleitos diretamente pelo voto popular, funções executivas. Os superintendentes foram substituídos, a partir da década de 1930 pelos prefeitos. Sedes da Prefeitura Municipal de Joinville 1ª e 2ª Sedes Administrativas (Direção da Colônia) ( ) Hafenstrasse (Rua do Porto) atual Rua Nove de Março 3ª Sede Administrativa (Direção da Colônia) ( ) Início da Rua do Príncipe 4ª Sede Administrativa (Direção da Colônia / Prefeitura) ( ) Rua do Príncipe, na atual Praça Nereu Ramos 5ª Sede Administrativa (Prefeitura) ( ) Rua Padre Carlos 6ª Sede Administrativa (Prefeitura) ( ) Rua Max Colin 7ª Sede Administrativa Atual Avenida Hermann August Lepper, 10 Inaugurada em 25/10/1996

20 Secretaria do Planejamento, Orçamento e Gestão Essa secretaria foi criada pela Lei Ordinária nº 5163/2004 de 29/12/2004, que alterou a Estrutura Administrativa do Poder Executivo Municipal. Tem como missão o planejamento municipal, a gestão orçamentária do município em todas as suas esferas da administração (direta e indireta) e a aplicação de modernas técnicas de gestão com o objetivo de inserir o município dentro de um contexto competitivo. É composta pela seguinte estrutura administrativa: a) Diretoria Executiva; b) Gerência de Planejamento e Orçamento; c) Gerência de Gestão e Controle Interno; d) Gerência da Unidade de Tecnologia da Informação; e) 12 (doze) Coordenadorias Histórico da Unidade de Informática Iniciou como uma pequena estrutura interna, designada como Divisão de Informática (DI), ligada a Secretaria da Administração e Recursos Humanos, no antigo prédio da prefeitura na rua Dr. João Colin. No período, com a mudança para a nova sede, houve uma mudança estrutural diluindo-se a Divisão. A Secretaria de Administração passou a terceirizar os serviços em Tecnologia da Informação. Desta forma, no período de 1996 até 2000 pequenas empresas eram contratadas através de cartas convites para prestar serviços de informática. Em 1999, com a mudança do Secretário da pasta da Fazenda, deu-se início à um novo processo Criação da nova Divisão da Informática. Neste período, teve início uma fase importante, o de renovação tecnológica com a contratação de um sistema integrado de gestão municipal, pois o sistema contratado já não atendia as necessidades de controles gerenciais. Em 2000, diante dos pareceres técnicos positivos e das vantagens de integração do Sistema de Informação Municipal, da Faculdade de Tecnologia de Santa Maria- RS, a Prefeitura Municipal de Joinville e a Sociedade Educacional de Santa Catarina tendo sido envolvida no processo como mediadora e como conselheira, decidiu implantar o sistema. Neste período, a Divisão de Informática foi tomando corpo. Foram chamados os concursados que iam automaticamente assumindo funções

21 6 estratégicas dentro da estrutura. Neste período, os funcionários da DI foram remanejados em diversos setores, aprendendo as funções e atividades de cada área envolvida, reduzindo o impacto de uma possível ruptura de contrato das empresas contratadas. Em 2003, a PMJ passou a ter novo direcionamento no que trata a área da informática. Inicialmente a DI foi tirada da pasta da Fazenda passando a integrar a pasta da Administração. Em seguida, houve interrupção do projeto de implantação do SIM da FATEC tendo sido contratado em caráter emergencial o sistema da empresa CETIL (Centro Eletrônico da Indústria Têxtil), de Blumenau. Estas alterações administrativas resultaram também em não renovar o contrato com a empresa Tente Serviços de Informática (TSI), principal fornecedora de serviços e de suporte técnico aos softwares e hardware da PMJ. Diante disto, os funcionários foram remanejados de forma a atender a demanda existente de serviços, aberta com a saída dos funcionários da empresa TSI passando a integrar as equipes de implantação do sistema da empresa CETIL em caráter de urgência. A partir de 2005, a Unidade de Tecnologia da Informação, substituiu a DI, passando a fazer parte da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão CONSIDERAÇÕES GERAIS A Prefeitura de Joinville conta atualmente no seu quadro de pessoal com aproximadamente servidores municipais. Em sua grande maioria, são vinculados ao Regime Jurídico Único, como concursados efetivos e contratados por processo seletivo especial para serviços temporários. Existe ainda um número crescente de servidores de outro tipo de vínculo; nesta categoria se enquadram os agentes políticos dos primeiros escalões e os que ocupam cargo comissionado (que não são servidores municipais), os funcionários cedidos por outros órgãos e estagiários. A Administração Pública de Joinville tem sua estrutura político-administrativa composta por órgãos da Administração Direta e Administração Indireta, divididos em Secretarias, Autarquias, Fundações, Empresas de Economia Mista e outros vinculados diretamente ao Gabinete do Prefeito. A tabela 1 apresenta a atual Estrutura Organizacional da Prefeitura Municipal de Joinville.

22 7 Tabela 1 - Estrutura Organizacional da Prefeitura Municipal de Joinville ADMINISTRAÇÃO DIRETA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA Gabinete do Prefeito Gabinete do Vice-prefeito Procuradoria Geral do Município Secretaria de Comunicação Secretaria de Integração e Desenvolvimento Econômico Secretaria de Habitação Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Gestão de Pessoas Secretarias Municipais Secretaria de Administração Secretaria da Fazenda Secretaria da Educação Secretaria de Infra-Estrutura Secretaria da Saúde Secretaria de Assistência Social Secretaria Distrital Pirabeiraba Secretarias Regionais Fundações Autarquias Empresas de Economia Mista Regional Aventureiro Regional Itaum Regional Boa Vista Regional Nova Brasília Regional Boehmerwald Regional Vila Nova Regional Costa e Silva Regional Comasa Regional Iririú Regional Centro Regional Paraíso Regional Fátima Regional Paranaguamirim Fundação Cultural de Joinville Fundação Municipal de Vigilância Fundação de Desenvolvimento Rural 25 de julho Fundação Municipal Albano Schmidt- FUNDAMAS Fundação Municipal de Esportes, Lazer e Eventos de Joinville Fundação Municipal do Meio Ambiente Fundação Instituto de Pesquisa e Planejamento para o Desenvolvimento Sustentável de Joinville IPPUJ Fundação de Promoção e Planejamento turístico de Joinville- PROMOTUR Hospital Municipal São José Instituto de Previdência Social dos Servidores Públicos do Município de Joinville - IPREVILLE Companhia de Desenvolvimento e Urbanização de Joinville CONURB Agência Municipal de Regulação dos Serviços de Água e Esgotos de Joinville - AMAE Fonte: Joinville Cidade em Dados 2007

23 Finanças Municipais A tabela 2 mostra as fontes das finanças municipais, em R$ milhares. Tabela 2 - Fontes de Receitas Municipais Fonte: Secretaria Municipal da Fazenda 2007 A tabela mostra o crescimento de 52.5 % no total da arrecadação e aumento de 24,4 % nas receitas transferidas, com um incremento geral de quase 36% nas receitas neste período.

24 3. DESENVOLVIMENTO As atividades desenvolvidas durante o Estágio Curricular II foram o resultado dos trabalhos que se iniciaram no Estágio Curricular I. Naquele período foi realizado o mapeamento das atividades executadas pelas áreas de Gestão de Pessoas e construído os documentos de Requerimentos de Negócio para cada atividade identificada. Foram registrados os objetivos, diretrizes e regras de negócio das atividades, de acordo com as determinações da Instituição, visando à identificação dos requisitos necessários para a implantação do novo software de gestão pública. O contexto do documento de Requerimento de Negócios apresentava os seguintes tópicos: - Objetivo: Descrever os objetivos da atividade, dentro do respectivo processo. Utilizar verbos no infinitivo. Exemplo: Realizar, Executar, Planejar... - Diretrizes que se aplicam ao processo/atividade: Descrever as diretrizes gerais pela empresa à execução da atividade. Mencionar leis, quando for o caso. Uma diretriz é uma determinação global da empresa que deve ser respeitada pelo processo e respectivas atividades e regras de negócio. - Regras de Negócio: Listar as regras de negócio que regem a execução da atividade. Mencionar variações da atividade quando existirem. - Entradas necessárias: Listar os documentos, eventos ou requisitos que dão origem ou contêm informações de entrada para a atividade e sua origem. - Saídas Geradas: Listar os documentos, relatórios ou outras saídas que são geradas pela atividade. As saídas geradas automaticamente pelo sistema atual também devem ser especificadas. - Eventos que interferem na Atividade: Citar os eventos externos que possam interferir na execução da atividade, impedindo ou interrompendo seu desenvolvimento, ou alterando o fluxo de execução da mesma. - Indicadores : Relacionar os indicadores de desempenho da atividade que são utilizados para o gerenciamento e controle. Exemplo: Fechamento no 5º. dia útil, índice de eficiência de cobrança = 70 %, nível de estoque médio = 10000; etc.

25 10 - Detalhamento das Regras de Negócios: Descrever cada regra de negócio, seus critérios e restrições. Especificar todas as variações da atividade. - Anexos: Listar os anexos eventualmente necessários para especificar a atividade. Não incluir como anexo manuais de procedimentos atuais, a menos que solicitados pelo consultor. Ao final do trabalho foram gerados 46 documentos de Requerimentos de Negócio na área de Gestão de Pessoas. O Anexo A do presente relatório apresenta o modelo de documento dos requisitos da atividade de Acompanhamento Pericial documento NEG050 - MAN009 (Processo Manter Pessoas). Após esse diagnóstico realizado por uma consultoria junto a Prefeitura Municipal de Joinville, foi contratada então uma empresa especializada em implantação de sistema de Planejamento de Recursos Empresariais (ERP). No período referente ao Estágio II, estava ocorrendo a etapa de implantação na Secretaria de Gestão de Pessoas, do sistema escolhido, Senior Sistemas Vetorh. Nesta etapa a autora do relatório participou como facilitadora de TI, fazendo a conversão dos dados do sistema legado, adequação de relatórios e layouts, criação de arquivos, importação e conferência dos dados CONVERSÃO DE DADOS Nesta etapa foi necessário converter os dados do sistema legado de Gestão de Recursos Humanos, mais conhecido como Sistema Integrado de Administração Pública (SIAP), desenvolvido em ambiente caracter, utilizando Dataflex. Foi uma etapa muito trabalhosa porque também foram convertidos pela outra empresa terceirizada, os dados do sistema atual dos Recursos Humanos que estão no sistema da empresa Cetil. Nos últimos cinco anos os dois sistemas, Cetil e SIAP foram usados em paralelo, pois nem todos os módulos do SIAP foram desenvolvidos para o Sistema Cetil. O objetivo dessa conversão foi fazer a integração de todas as informações no mesmo banco de dados (Oracle). Segundo Oliveira (1995), o Dataflex foi criado em 1981 pela software house americana Data Access, e era para ser inicialmente um produto para a manipulação de arquivos de dados, com uma pequena linguagem de programação que permitia manipular as informações de forma prática e rápida. Com o tempo o Dataflex se tornou uma ferramenta para desenvolvimento de

26 11 aplicações que inclui um Sistema Gerenciador de Banco de Dados Relacional combinado com uma linguagem de quarta geração procedural e linguagem de programação orientada à objetos. O Dataflex oferece um ambiente completamente portável podendo-se utilizar o DOS, Windows (95/98/NT/2000), ou qualquer uma das plataformas Unix/Linux suportadas e portar a aplicação para qualquer um dos ambientes homologados. Durante o estágio foi usado o Dataflex procedural versão 1.0 para criação dos códigos fontes. Exemplo de trecho do código de geração de dados da ficha financeira:.. open srhfinan open srhpes open srhverba open srhcontr open srhfiold abre os arquivos para leitura string linha 51 nome_texto 30 wcompet 6 mes 2 ano 4 number seq matricula valor qtde wverba totverba definição de variáveis move 0 to wverba move "" to wcompet limpeza das variáveis blankform tela limpeza da tela acesso a tela de entrada accept tela.1 {check="01/02/03/04/05/06/07/08/09/10/11/12"} accept tela.2 {check="1987/1989/1990/1991/1992/1993/1994/ Check: Verifica 1995/1996/1997/1998/1999/2000/2001/2002/2003"} se os valores digitados na janela estão contidos na string de checagem append wcompet tela.2 tela.1 muda a data de 01/1987 para ,por exemplo move "Gerando : - Verbas Ficha Financeira Mensal" to tela.3 mensagem gerada na tela MOVE "" TO NOME_TEXTO move "/aplic/rh/tmp/" to nome_texto APPEND NOME_TEXTO tela.1 tela.2 ".txt" monta o nome do arquivo com os dados lançados da tela DIRECT_OUTPUT NOME_TEXTO direciona a saída dos dados em arquivo clear srhfiold move wcompet to srhfiold.competencia prepara o arquivo para receber a informação e move o dado para o campo desejado repeat find gt srhfiold by index.2 estrutura de repetição indicate okfiold as [found] para leitura do arquivo

27 12 [okfiold] indicate okfiold as compara os dados da tela srhfiold.competencia eq wcompet com as informações do arquivo [okfiold] begin blankform taux pad "" to linha 244 limpeza da linha do registro insert "0001 " in linha at 01 posicionamento dos dados na linha do registro move srhfiold.matricula to taux.1 if taux.1 lt 10 insert " " in taux.1 at 1 else if taux.1 lt 100 insert "000000" in taux.1 at 1 preenchimento else if taux.1 lt 1000 insert "00000" in taux.1 at 1 com zeros else if taux.1 lt insert "0000" in taux.1 at 1 em campo else if taux.1 lt insert "000" in taux.1 at 1 numérico else if taux.1 lt insert "00" in taux.1 at 1 else if taux.1 lt insert "0" in taux.1 at 1 insert taux.1 in linha at move "" to valor move (srhfiold.valor * 100) to valor move valor to taux.4 call monta_valor chama procedure writeln linha gera a linha do registro end // okfiold until [not okfiold] término da rotina de leitura do arquivo close_output fecha arquivo keyproc key.escape tecla de função escape procedure monta_valor if (length(taux.4)) eq 1 begin insert " " in linha at 40 insert taux.4 in linha at 50 end else if (length(taux.4)) eq 2 begin insert " " in linha at 40 insert taux.4 in linha at 49 end else if (length(taux.4)) eq 3 begin insert " " in linha at 40 insert taux.4 in linha at 48 end.. procedure para preenchimento com zeros em campo decimal

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE

ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE FERNANDO RODRIGO NASCIMENTO GUSE i ESTÁGIO CURRICULAR I e II SISTEMA DE MONITORAMENTO DE TI EM SOFTWARE LIVRE EMPRESA: Globalmind Serviços em Tecnologia da Informação LTDA. SETOR: Infra Estrutura SUPERVISOR:

Leia mais

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX)

CEP 2 100 99010-640 0 (XX) 54 3316 4500 0 (XX) ANEXO 2 INFORMAÇÕES GERAIS VISTORIA 1. É obrigatória a visita ao hospital, para que a empresa faça uma vistoria prévia das condições, instalações, capacidade dos equipamentos, migração do software e da

Leia mais

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução

SCIM 1.0. Guia Rápido. Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal. Introdução SCIM 1.0 Guia Rápido Instalando, Parametrizando e Utilizando o Sistema de Controle Interno Municipal Introdução Nesta Edição O sistema de Controle Interno administra o questionário que será usado no chek-list

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Página: 1/16 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA ACADEMIA Módulo CBDS (Central de Banco de Dados Senior) A quem se destina: Todos que tiverem a necessidade de administrar os dados da base de dados da Senior Sistemas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO DO M3

MANUAL DO USUÁRIO DO M3 MANUAL DO USUÁRIO DO M3 1 CADASTROS 1.1 Clientes Abre uma tela de busca na qual o usuário poderá localizar o cadastro dos clientes da empresa. Preencha o campo de busca com o nome, ou parte do nome, e

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS

ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS Bruno Luiz Corbani Garcia ESTÁGIO CURRICULAR II DESENVOLVIMENTO E ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS EMPRESA: Conceito W SETOR: Banco de Dados SUPERVISOR: Ademir da Cunha Junior ORIENTADOR: Edino Mariano

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS. Versão 1.0 MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE DIÁRIAS DA MGS Versão 1.0 SUMÁRIO 1. Descrição do Local de Acesso... 1 2. Módulo Registrar Diárias... 3 3. Módulo Aprovar Diárias... 11 4. Registrar Prestação de Contas...

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014

Manual Laboratório. ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 2014 Manual Laboratório ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Acesso ao Sistema... 2 Menu Cadastros... 4 Cadastro de usuários... 4 Inclusão de Novo Usuário... 5 Alteração de usuários...

Leia mais

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb

Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Dezembro/2012 2 Manual de Utilização das Funções Básicas do Sistema ClinicWeb Sumário de Informações do Documento Título do Documento: Resumo:

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO

ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO THALLES GRESCHECHEN ESTÁGIO CURRICULAR II SUPORTE E MONITORAMENTO EMPRESA: NEOGRID INFORMÁTICA S/A SETOR: SUPORTE E MONITORAMENTO SUPERVISOR: FÁBIO ROBERTO MENDES ORIENTADOR: PROF. GERSON VOLNEY LAGEMANN

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR I SUPORTE TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE BACHARELADO EM

Leia mais

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED

MANUAL INSTALAÇÃO MDMED MANUAL INSTALAÇÃO MDMED Contents 3 Indice 0 Part I Instalação MDMED 1 Equipamentos... necessários Part II 1 - Instalando 4 4 4 1 1.1 - CD... de instalação 4 2 1.2 - Escolha... o micro "Servidor" 4 3 1.3

Leia mais

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH

Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI. Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Assessoria Técnica de Tecnologia da Informação - ATTI Projeto de Informatização da Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Paulo SISRH Sistema de Gestão de Pessoas Versão 2.0a Manual de Operação

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

Usuários. Manual. Pergamum

Usuários. Manual. Pergamum Usuários Manual Pergamum Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 1-2 2 CADASTRANDO UM NOVO USUÁRIO/OPERADOR... 2-1 3 UTILIZANDO O MÓDULO DE USUÁRIOS... 3-2 3.1 CONFIGURAÇÃO DE GUIAS NO EXPLORER... 3-3 4 CADASTRO...

Leia mais

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas

Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas Treinamento GVcollege Módulo Administrador de Programas e Sistemas AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

Leia mais

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR

Manual de utilização do. sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Manual de utilização do sistema integrado de controle médico WWW.ISA.NET.BR Sistema integrado de controle médico Acesso... 3 Menu principal... 4 Cadastrar... 6 Cadastro de pacientes... 6 Convênios... 10

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso

Manual do Usuário. SCA - Sistema de Controle de Acesso Manual do Usuário SCA - Sistema de Controle de Acesso Equipe-documentacao@procergs.rs.gov.br Data: Julho/2012 Este documento foi produzido por Praça dos Açorianos, s/n CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (51)

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO SInAE Sistema Integrado de Administração Escolar Fevereiro - 2006 Sumário INTRODUÇÃO... 2 APRESENTAÇÃO DOS MÓDULOS... 3 Módulo Acadêmico... 3 Módulo de Cofigurações da Escola...

Leia mais

SuperStore Sistema para Automação de Óticas

SuperStore Sistema para Automação de Óticas SuperStore Sistema para Automação de Óticas MANUAL DO USUÁRIO (Administrador) Contato: (34) 9974-7848 http://www.superstoreudi.com.br superstoreudi@superstoreudi.com.br SUMÁRIO 1 ACESSANDO O SISTEMA PELA

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO MNT FROTA

ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO MNT FROTA RAFAEL REINERT ESTÁGIO CURRICULAR I e II CUSTOMIZAÇÃO DO MNT FROTA EMPRESA: NG Informática SETOR: Desenvolvimento SUPERVISOR: Rafael Diogo Richter ORIENTADOR: Carlos Norberto Vetorazzi Júnior CURSO DE

Leia mais

Este manual foi desenvolvido usando a versão 3.4.81 do Ponto Secullum 3 e a versão 1.0.51 do Ponto Secullum 4.

Este manual foi desenvolvido usando a versão 3.4.81 do Ponto Secullum 3 e a versão 1.0.51 do Ponto Secullum 4. Migrando do Ponto Secullum 3 para o Ponto Secullum 4 A Secullum Sistemas de Ponto e Acesso vem através desse manual esclarecer as duvidas em relação a migração do sistema de Ponto Secullum 3 para o Ponto

Leia mais

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7)

Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Solução Planner para Nota Fiscal Eletrônica (P/NF-e 3.7) Introdução Desde abril de 2008 a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e) se tornou obrigatória para diversos setores da economia nacional. A cada 6 meses,

Leia mais

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio.

AVISO. O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. AVISO O conteúdo deste documento é de propriedade intelectual exclusiva da GVDASA Sistemas e está sujeito a alterações sem aviso prévio. Nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida nem transmitida

Leia mais

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP

PMAT. Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações. Manual. Desenvolvido pelo BNDES AS/DEGEP PMAT Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações Manual 1 Índice 1. O que é o Sistema de Análise e Acompanhamento de Operações PMAT... 3 2. Acessando o sistema pela primeira vez Download... 3 3. Fluxogramas

Leia mais

Codificar Sistemas Tecnológicos

Codificar Sistemas Tecnológicos Codificar Sistemas Tecnológicos Especificação dos Requisitos do Software Sistema de gestão para a Empresa Cliente SlimSys Autor: Equipe Codificar Belo Horizonte MG Especificação dos Requisitos do Software

Leia mais

Volpe Enterprise Resource Planning

Volpe Enterprise Resource Planning Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado, reproduzido, traduzido ou reduzido a qualquer mídia eletrônica ou máquina de leitura, sem a expressa

Leia mais

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador

Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador Tutorial SIGAMAZÔNIA - Área Pesquisador 2015 TUTORIAL SIGAMAZÔNIA Desenvolvido por: FAPESPA LABES-UFPA Sumário Sumário... 3 CADASTRO NO SISTEMA... 5 FAZENDO LOGIN NO SIGAMAZÔNIA... 5 MENU INICIAL... 6

Leia mais

Manual Controle de Estoque

Manual Controle de Estoque 2014 Manual Controle de Estoque ICS Sistemas de Gestão em Saúde ICS 01/01/2014 Sumário Manual de Utilização... 3 1 - Cadastro... 3 1.1 Cadastro de Fornecedores... 4 1.2 Grupo de Materiais... 6 1.3 Unidades

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê

Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário do Portal Ypadê Balaio Digital Tecnologia em Gestão Ltda ME. Manual do Usuário Portal Ypadê Centro de Agricultura Alternativa CAA Manual do Usuário Portal Ypadê Montes Claros, 16 de Julho de 2011 Revisão 3 Sumário 1. Apresentação do portal e escopo deste documento... 2 2. Acessando o Portal Ypadê...

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1

MANUAL DE OPERAÇÃO. ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL. Manual de Operação do SIMPLES 1 Manual de Operação do SIMPLES 1 MANUAL DE OPERAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO COMERCIAL ASP Consultoria e Desenvolvimento de Softwares Ltda. Manual de Operação do SIMPLES 2 A Empresa A ASP Desenvolvimento de Softwares

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET

MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET MANUAL DE UTILIZAÇÃO SISTEMA DE CADASTRO INTRANET I Sumário 1. Objetivo do Documento... 1 2. Início... 1 3. Cadastro de Pessoa Física... 3 3.1. Preenchimentos Obrigatórios.... 4 3.2. Acesso aos Campos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO. Versão do Guia: 1.1 SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO APLICATIVO CONTROLE DE ACESSO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Fevereiro de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Leia mais

APLICAÇÕES WEB GUIA DO USUÁRIO

APLICAÇÕES WEB GUIA DO USUÁRIO Parte:...................................... Gabarito Assunto:............................ Atualização: Original........................ Página: 1 SIA 7.5 - Sistema Integrado de Arrecadação APLICAÇÕES

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Prontuários eletrônicos práticos, com recursos textuais e de multimídia

Prontuários eletrônicos práticos, com recursos textuais e de multimídia Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição

SSE 3.0. Guia Rápido. Módulo Secretaria. Nesta Edição SSE 3.0 Guia Rápido Módulo Secretaria Nesta Edição 1 Acessando o Módulo Secretaria 2 Cadastros Auxiliares 3 Criação de Modelos Definindo o Layout do Modelo Alterando o Layout do Cabeçalho 4 Parametrização

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA

MANUAL PARA USO DO SISTEMA Clínicas Odontológicas MANUAL PARA USO DO SISTEMA (GCO) GERENCIADOR CLÍNICO ODONTOLÓGICO SmilePrev Versão 2.0 SmilePrev Clínicas Odontológicas www.smilepev.com 2008 REQUISITOS BÁSICOS DO SISTEMA HARDWARE

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR II ANÁLISE E SUPORTE EM TI HOSPITALAR

GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR II ANÁLISE E SUPORTE EM TI HOSPITALAR GILMAR ARAUJO ESTÁGIO CURRICULAR II ANÁLISE E SUPORTE EM TI HOSPITALAR EMPRESA: TRÍPLICE CONSULTORIA E SERVIÇOS LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: RONALDO GUIZARDI ORIENTADOR: VILSON VIEIRA CURSO DE

Leia mais

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES

CRM GESTÃO DOS SERVIÇOS AOS CLIENTES Página 1 de 6 Este sistema automatiza todos os contatos com os clientes, ajuda as companhias a criar e manter um bom relacionamento com seus clientes armazenando e inter-relacionando atendimentos com informações

Leia mais

Prefeitura de Araxá - MG

Prefeitura de Araxá - MG ARAXÁ - MG sexta-feira, 10 de setembro de 2015 Manual NFSe - Prestadores e Tomadores de Serviço ÍNDICE Desbloquear PopUps Legislação Cadastrando A Senha Eletrônica Acessando O Sistema De Nfs- E Pela Primeira

Leia mais

Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios

Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios Medware Clínicas Sistema de Gerenciamento de Clínicas e Consultórios A Empresa MEDWARE Sistemas Médicos Ltda A Medware Sistemas Médicos é uma empresa de desenvolvimento de sistemas voltada para a criação

Leia mais

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor

SIAP - Sistema de Apoio ao Professor Introdução O SIAP, Sistema de Apoio ao Professor, é um programa que vai contribuir, de forma decisiva, com o cotidiano escolar de alunos, professores, gestores e funcionários administrativos. Com a implantação

Leia mais

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4

MÓDULO CLIENTE 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 MÓDULO CLIENTE Conteúdo 1. O QUE PODE SER FEITO PELO SITE: 3 2. APRESENTAÇÃO DO SITE 4 2.2 HOME 4 2.3 A VALECARD 5 2.4 PRODUTOS 6 2.5 REDE CREDENCIADA 7 2.6 ROTA 9 2.7 CONTATO 9 3. EMPRESAS 11 3.1. ACESSO

Leia mais

Índice 1. PORTAL DE VENDAS... 3 2. INTEGRAÇÃO PORTAL DE VENDAS X FOX... 4 3. CADASTRO DE VENDEDORES/SUPERVISORES... 5 4. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA...

Índice 1. PORTAL DE VENDAS... 3 2. INTEGRAÇÃO PORTAL DE VENDAS X FOX... 4 3. CADASTRO DE VENDEDORES/SUPERVISORES... 5 4. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA... Portal de Vendas Índice 1. PORTAL DE VENDAS... 3 2. INTEGRAÇÃO PORTAL DE VENDAS X FOX... 4 3. CADASTRO DE VENDEDORES/SUPERVISORES... 5 1.1. Guia Portal de Vendas... 7 4. CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA... 8 5.

Leia mais

Manual de utilização do Relatório de Viagens

Manual de utilização do Relatório de Viagens Manual de utilização do Relatório de Viagens Os Módulos do Sistema de Relatório de Viagens foram criados tendo com base a Regulamentação de Viagem da MGS - Minas Gerais Administração e Serviços S/A (RG/AD/02/10ª).

Leia mais

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin

Módulo 14. CgaInformatica. NFe. NFe para o Sistema Retwin Módulo 14 CgaInformatica NFe NFe para o Sistema Retwin 2 Sumário O que é... 3 Benefícios... 3 Requisitos para Instalação e Implantação... 3 Obrigação Backup... 4 Configuração Geral do Sistema... 5 Cadastro

Leia mais

Gerencie a sala de espera e garanta a satisfação dos pacientes

Gerencie a sala de espera e garanta a satisfação dos pacientes Centralx Clinic O ciclo de trabalho completo em um só sistema. Para ambientes de alta produtividade, do agendamento à consulta, do faturamento ao rateio entre prestadores de serviço, o Centralx Clinic

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE

ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE VALTER JOSÉ ZIMMERMANN JÚNIOR ESTÁGIO CURRICULAR DESENVOLVIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE EMPRESA: MALVA CONFECÇÕES IND. E COM. LTDA. SETOR: INFORMÁTICA SUPERVISOR: MARLUCE ZIMMERMANN ORIENTADOR: JORGE FERNANDES

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilização Versão 1.0 18/01/2013 Sempre consulte por atualizações deste manual em nossa página. O Cotação Web está em constante desenvolvimento, podendo ter novas funcionalidades adicionadas

Leia mais

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13

Visão Empresa de Contabilidade. Versão 8.1A-13 Visão Empresa de Contabilidade Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse

Leia mais

Introdução. William Braga

Introdução. William Braga Introdução I William Braga II Introdução III William Braga Rio de Janeiro. 2007 IV - Copyright 2007 da Editora Alta Books Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5988 de 14/12/73. Nenhuma

Leia mais

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL

Revisão: Introdução. - Integração com o AutoManager; 1 Atualização de versão do banco de dados PostgreSQL Urano Indústria de Balanças e Equipamentos Eletrônicos Ltda. Rua Irmão Pedro 709 Vila Rosa Canoas RS Fone: (51) 3462.8700 Fax: (51) 3477.4441 Características do Software Urano Integra 2.2 Data: 12/05/2014

Leia mais

jfinanç as Pessoal Versão 2.0 - Fevereiro/2015

jfinanç as Pessoal Versão 2.0 - Fevereiro/2015 jfinanças Pessoal Versão 2.0 - Fevereiro/2015 Índice 1 INTRODUÇÃO E VISÃO GERAL... 1 2 INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO INICIAL DO JFINANÇAS PESSOAL... 2 2.1 Download... 3 2.2 Instalação do jfinanças Pessoal...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO

MANUAL DO USUÁRIO SUMÁRIO SUMÁRIO 1. Home -------------------------------------------------------------------------------------------------------- 7 2. Cadastros -------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

BH PARK Software de Estacionamento

BH PARK Software de Estacionamento BH PARK Software de Estacionamento WWW.ASASSOFTWARES.COM.BR Índice 1 Informações Básicas... 1 1.1 Sair da aplicação... 1 1.2 Travar aplicação... 1 1.3 Licenciando a aplicação... 1 1.4 Contrato de Manutenção...

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Manual de Integração do Esmeralda DOS com a S_Line

Manual de Integração do Esmeralda DOS com a S_Line O que configurar no Esmeralda DOS? 1. Endereço Internet do Laboratório Utilizar a opção L - Parametros/Internet para informar o endereço Internet do LABORATÓRIO, que será impresso no Comprovante de Coleta;

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES 1.3

Leia mais

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar

Processos de Compras. Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar Processos de Compras Tecinco Informática Ltda. Av. Brasil, 5256 3º Andar 1 Centro Cascavel PR www.tecinco.com.br Sumário Controle de Compras... 4 Parametrização... 4 Funcionamento... 4 Processo de Controle...

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sistema Nota Fiscal Eletrônica. Sil Tecnologia LTDA

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Sistema Nota Fiscal Eletrônica. Sil Tecnologia LTDA Sistema Nota Fiscal Eletrônica Sil Tecnologia LTDA SUMÁRIO INTRODUÇÃO 4 1. CONHECENDO OS COMANDOS DO SISTEMA 5 1.1 Tela Inicial do Sistema 5 1.2 Navegador de registros 6 1.3 Filtro de Registros 6 2. TELA

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO MILLENNIUM BUSINESS 1 Conteúdo Apresentação... 3 1 Página Principal do Sistema... 4 2 Telas de busca... 8 3 Teclas de Navegação... 11 4 Tela de Menu de Relatório... 12 5 Telas de

Leia mais

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS

HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS HELP DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA ONLINE DOCTOR/SBOT PARA MÉDICOS 1 CADASTRANDO CLIENTES 1.1 BUSCANDO CLIENTES 1.1.1 BUSCANDO CLIENTES PELO NOME 1.1.2 BUSCANDO CLIENTES POR OUTRAS BUSCAS 1.2 CAMPO OBSERVAÇÕES

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica

Manual do Sistema Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Editorial Brazil Informatica Manual do Sistema "Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro" Editorial Brazil Informatica I Venda - Gerenciamento de Vendas, Estoque, Clientes e Financeiro Conteúdo Part I Introdução

Leia mais

CERTIDÕES UNIFICADAS

CERTIDÕES UNIFICADAS CERTIDÕES UNIFICADAS Manual de operação Perfil Cartório CERTUNI Versão 1.0.0 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Departamento de Inovação Tecnológica Divisão de Tecnologia da Informação Sumário LISTA DE FIGURAS... 2

Leia mais

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2015 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Versão 8.1A-13 Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

Comissão do Jovem Advogado

Comissão do Jovem Advogado REGULAMENTO DO PROGRAMA MEU PRIMEIRO ESTÁGIO Estabelece normas para acompanhamento das atividades do programa meu primeiro estágio, da Comissão da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Acre OAB/AC.

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/8 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na administração de recursos humanos; 1.2) Garantir maior segurança na admissão e exoneração de pessoal; 1.3) Manter atualizado

Leia mais

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo :

Para inserir custo fixo às tarefas, siga os passos abaixo : Capítulo 9 Custos 166 CUSTOS INSERINDO CUSTO FIXO AO PROJETO O custo total do projeto é o custo total de recurso somado ao custo total de custos fixos. O custo com recurso já é computado quando alocamos

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO

MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO MANUAL EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO Diretoria de Vigilância Epidemiológica/SES/SC 2006 1 Módulo 04 - Exportação e Importação de Dados Manual do SINASC Módulo Exportador Importador Introdução O Sistema SINASC

Leia mais

Manual Q-Acadêmico 2.0. Módulo Web - Professor

Manual Q-Acadêmico 2.0. Módulo Web - Professor Manual Q-Acadêmico 2.0 Módulo Web - Professor Índice 1 Acessando o sistema via internet... 3 2 Menu de Funcionalidades... 6 2.1 Acompanhamento de Calendários Acadêmicos... 7 2.2 Alterar Senha... 9 2.3

Leia mais

Departamento de Treinamentos BIG SISTEMAS. Certificação em Entradas Configurações Gerais Entrada Manual Entrada NFe Conferência

Departamento de Treinamentos BIG SISTEMAS. Certificação em Entradas Configurações Gerais Entrada Manual Entrada NFe Conferência Departamento de Treinamentos BIG SISTEMAS Certificação em Entradas Configurações Gerais Entrada Manual Entrada NFe Conferência Sumário Índice de Figuras... 3 Histórico de Revisões... 4 Introdução... 5

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação. 23 julho 2014

Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação. 23 julho 2014 Primeiro Encontro de Usuários do Pergamum na UFF: MóduloCirculação 23 julho 2014 AFASTAMENTOS: A inclusão e exclusão de afastamentos é restrita às chefias. A versão atual está permitindo ao auxiliar fazer

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

A seguir falaremos sobre os campos que deverão ser preenchidos no Shop Control 8.

A seguir falaremos sobre os campos que deverão ser preenchidos no Shop Control 8. Nota Fiscal Eletrônica Este módulo permite a integração do Shop Control 8 com o site da Secretaria da Fazenda dos Estados e Receita Federal para emitir a Nota Fiscal Eletrônica (NFe) : Este módulo é exclusivo

Leia mais

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário

Smart Laudos 1.9. A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos. Manual do Usuário Smart Laudos 1.9 A Forma Inteligente de Criar seus Laudos Médicos Manual do Usuário Conteúdo 1. O que é o Smart Laudos?... 3 2. Características... 3 3. Instalação... 3 4. Menu do Sistema... 4 5. Configurando

Leia mais

Manual do Usuário SUMÁRIO

Manual do Usuário SUMÁRIO SUMÁRIO VISUAL LIVRO CAIXA 1. Noções Gerais 1.1. Objetivo... 03 1.2. Sistema com Fundamento Legal Atualizado...03 1.3. Assistência Técnica... 03 1.3.1. Suporte Técnico... 03 1.3.2. Office Service... 03

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação. SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL

Universidade Federal de Mato Grosso. Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação. SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL Universidade Federal de Mato Grosso Secretaria de Tecnologias da Informação e Comunicação SISCOFRE Sistema de Controle de Frequência MANUAL Versão 2.1 2013 Cuiabá MT Sumário Usuários do SISCOFRE... 3 Fases

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento da Assistência Farmacêutica (SIGAF) - Manual Prático

Sistema Integrado de Gerenciamento da Assistência Farmacêutica (SIGAF) - Manual Prático Versão n 01: Mar/2010 Sistema Integrado de Gerenciamento da Assistência Farmacêutica (SIGAF) - Manual Prático Assistência Farmacêutica Municipal Secretaria da Saúde do Estado da Bahia SESAB Superintendência

Leia mais

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

1998-2011 Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio Sistemas poderá ter

Leia mais

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde

SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Ministério da Saúde Secretária Executiva Departamento de Informática do SUS SCNES - Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde Manual de Operação Versão 1.0 M 01 Rio de Janeiro 2006 GARANTIAS

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER. Manual do Usuário

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER. Manual do Usuário GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E RECURSOS HUMANOS - SEGER SIGED Sistema de Gestão de Despesas Manual do Usuário MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DESPESAS - SIGED SUMÁRIO

Leia mais

Tutorial Administrativo (Backoffice)

Tutorial Administrativo (Backoffice) Manual - Software ENTRANDO NO SISTEMA BACKOFFICE Para entrar no sitema Backoffice, digite no seu navegador de internet o seguinte endereço: http://pesquisa.webbyapp.com/ Entre com o login e senha. Caso

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Acompanhamento e Fiscalização Concedente, Instituição Mandatária e Convenente. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Acompanhamento e Fiscalização Concedente, Instituição Mandatária e Convenente. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DA INFORMAÇÃO Portal dos Convênios - SICONV Acompanhamento e Fiscalização

Leia mais

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE TURISMO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os estágios curriculares do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Turismo do Instituto

Leia mais

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário

Portal dos Convênios - SICONV. Inclusão e Envio de Proposta. Manual do Usuário MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios - SICONV Inclusão e Envio de Proposta Manual

Leia mais

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário

Centro de Computação - Unicamp Gerência de Atendimento ao Cliente (e-mail:apoio@turing.unicamp.br) Sumário Sumário Conceitos Microsoft Access 97... 01 Inicialização do Access... 02 Convertendo um Banco de Dados... 03 Criando uma Tabela... 06 Estrutura da Tabela... 07 Propriedades do Campo... 08 Chave Primária...

Leia mais

SEAP / CAS. Manual V1.0

SEAP / CAS. Manual V1.0 SEAP / CAS Manual V1.0 Janeiro - 2013 Coordenadoria de Administração de Serviços - CAS Palácio das Araucárias Rua Jacy Loureiro de Campos, s/nº 80530-140 - Centro Cívico - Curitiba Paraná Fone: (41) 3313-6071

Leia mais

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica

Ponto Secullum 4 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS FUNCIONALIDADES FICHA TÉCNICA. Ficha Técnica ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Ponto Secullum 4 Sistema Operacional: compatível com Windows 98 ou superior Banco de Dados: Access, SQL Server ou Oracle; Computador Requerido: Processador com 500Mhz, Memória Ram

Leia mais