I. Fundamentos para a realização deste estudo... 3

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I. Fundamentos para a realização deste estudo... 3"

Transcrição

1 CNIS Maio de

2 INDÍCE Pág. I. Fundamentos para a realização deste estudo... 3 II. Enquadramento teórico e conceptual... 5 III Estudo propriamente dito Ficha técnica Relação entre a Rede Nacional de Creches, a do Sector Solidário e a Rede de Creches da responsabilidade das IPSS filiadas na CNIS Projecto Educativo da Creche Projecto Pedagógico de Sala (PPS), Planos de Actividades de Sala (PAS) e Plano de Actividades Lúdicas e Socioculturais Participação das famílias Regulamento Interno de funcionamento e do Contrato de Prestação de Serviços Outras informações prestadas IV. Conclusões V. Perspectivas futuras Anexo Exemplar do questionário enviado às IPSS, associadas da CNIS, que desenvolvem a resposta social de Creche. 2

3 I. Fundamentos para a realização deste estudo O Centro de Estudos Sociais da CNIS desenvolveu um trabalho de reflexão que culminou com a elaboração da Declaração de Princípios da Educação no Sector Solidário, aprovada na Assembleia Geral da CNIS de 28 de Março de Para a CNIS e segundo a referida Declaração de Princípios; 1. A educação é um direito de todo o ser humano, como é proclamado pelas Organizações reconhecidas internacionalmente e consagrado na Constituição da República Portuguesa. A CNIS e o conjunto das Instituições suas associadas defendem que a concretização deste direito obriga a que cada pessoa possa aceder à educação, a partir da creche até aos graus superiores de ensino, de acordo com as capacidades intrínsecas de cada um e independentemente da sua condição social de origem; 2. A educação, é um pilar essencial de inclusão e coesão sociais. A dimensão e práticas de solidariedade da CNIS e do conjunto das Instituições suas associadas exigem e perspectivam uma opção permanente pela educação; 3. A educação a partir da creche é um objectivo essencial do Sector Solidário. A CNIS, com outros parceiros do Sector Solidário e com o conjunto das Instituições suas associadas, propõe-se definir estratégias que sustentem práticas educacionais a concretizar pelas IPSS a partir dos 0 anos. Estas estratégias fundamentam-se nos seguintes conceitos: A educação não se limita à infância e juventude, antes deve prolongar-se ao longo de toda a vida; A educação não pode resumir-se à escola com os seus espaços e tempos, antes deve alargar-se a novos espaços e tempos, ou seja deve acontecer em qualquer lugar e em qualquer hora; A necessidade de reflectir sobre o modelo de ensino: um, unidireccionado e assente em metodologias dirigistas; outro participado e em rede, defendendo espaços onde se partilham conhecimentos; A constatação que as IPSS têm condições ímpares para desenvolver projectos educativos, devendo ser parte activa, por direito próprio, do sistema educativo; 4. A CNIS e o conjunto das Instituições suas associadas encaram o sistema educativo, que não se limita ao sistema escolar formal, numa perspectiva complementar, integradora e responsável em relação às famílias, às escolas, ao Estado (autarquias e administração central) e organizações afins. A educação tem como um dos objectivos centrais, criar oportunidades para que cada ser humano aprenda a viver / conviver com os outros, sendo membro activo da comunidade; 5. A CNIS e o conjunto das Instituições suas associadas, em nome e no respeito pelos princípios da subsidiariedade e da proporcionalidade, exigem que seja respeitada, tida em conta e apoiada, por parte do Estado (autarquias e administração central), a liberdade efectiva de actuação e de escolha; 3

4 6. A CNIS e o conjunto das Instituições suas associadas defendem que a educação deve reflectir valores morais e cívicos intrínsecos ao destino de todo o ser humano sobre a terra e à convivência em democracia, nomeadamente: A solidariedade e a igualdade de oportunidades; A fraternidade e a cooperação; O respeito pelo outro em termos individuais e colectivos independentemente das diversidades provenientes de etnia, de género, de identidade cultural, de religião e de condição social; A cultura da responsabilidade cívica como elemento essencial da vivência social; A pessoa humana e o bem-estar comum como fins últimos da organização social e política; Os princípios fundadores da tradição judaico-cristã, intrínsecos à cultura da nossa sociedade, em diálogo e respeito com outras culturas; O espírito crítico e livre cultivado na dimensão da paz em toda a humanidade; O direito e o dever relativos ao trabalho digno para todos; O desenvolvimento humano e o desenvolvimento social, cultural e económico numa perspectiva sustentada; 7. A CNIS e o conjunto das Instituições suas associadas encaram a educação / qualificação ao longo da vida como um desafio e um elemento chave da igualdade de oportunidades e de combate às novas causas de exclusão social; 8. Para a CNIS e as Instituições suas associadas a educação como qualificação significa contribuir para que cada indivíduo possa ter uma vida com a autonomia possível, integrada socialmente e nomeadamente capacidade para exercer uma profissão, respondendo às necessidades de novos saberes e novas competências ao longo da vida; 9. Para a CNIS e as Instituições suas associadas o modelo escolar deve ter claro que, todas as suas funções devem centrar-se nos interesses e direitos das crianças, jovens e adultos, conjugados harmoniosamente com os da sociedade onde se integram; 10. A CNIS e as Instituições suas associadas pela sua opção solidária encaram de forma especial e privilegiada problemas e as fracturas do sistema educativo, devendo privilegiar nos seus projectos e acções os mais desfavorecidos. Neste sentido, e em coerência com o assumido em Assembleia Geral, foi inscrito no Plano de Acção de 2010 no Eixo 2 Cooperação, Ordenamento Jurídico, Redes Sociais e Parcerias - e cito No pressuposto de que todas as IPSS são agentes educativos e de que todos os jardins de Infância têm projecto educativo, providenciar no sentido de atingir o objectivo de que 90% das creches elaborem, desenvolvam e avaliem projectos educativos e pedagógicos de sala, incluindo o Berçário. 4

5 A definição quantitativa deste objectivo foi mais baseada em dados empíricos e na ambição, do que em dados científicos, já que não se possuíam informações reais sobre a existência e aplicação, nas creches, de projectos, práticas e procedimentos educativos e pedagógicos. A concretização desta acção exigia que previamente se tivesse conhecimento da real situação das creches desenvolvidas pelas IPSS associadas, quer quanto à sua organização quer quanto aos Projectos Educativos e Pedagógicos de Sala, para que, após esta informação, fosse possível desenhar as iniciativas mais adequadas para se atingir o objectivo proposto. Este é pois um dos fundamentos para a realização do presente estudo. Um outro fundamento, que é também um desafio, reside nas considerações e recomendações contidas no Parecer n.º 8/2008 do Conselho Nacional de Educação, aprovado em Outubro do mesmo ano sobre A Educação das Crianças dos 0 aos 12 anos. Nele é referido e citamos A evolução da educação em Portugal tem sido marcada por uma carência de estruturas e projectos destinados à educação dos 0 aos 3 anos e acrescenta que No que respeita à educação dos 0 aos 3 anos de idade, parece haver consenso sobre a necessidade de aumentar a oferta, de promover a intencionalidade educativa nos contextos de guarda, bem como avaliar e melhorar a qualidade dos meios existentes. Igualmente o Parecer do Conselho Nacional de Educação refere que Deveriam igualmente ser potenciadas estratégias de educação familiar, no sentido da revalorização do papel das famílias no enquadramento educativo das crianças. Face a estas considerações o Conselho Nacional de Educação, no Parecer já referenciado, recomenda: que a oferta seja alargada e dotada de intencionalidade educativa mais explícita, que haja uma maior articulação entre as famílias e as outras entidades educativas, bem como entre os serviços sociais e serviços educativos, com vista a evitar que os primeiros sejam associados às populações mais carenciados e os segundos às mais favorecidas. que paralelamente a este conjunto de medidas, sejam criadas e garantidas as condições que permitam às famílias conciliar os seus compromissos laborais com o acompanhamento das crianças o que implica uma visão integrada e multissectorial desta problemática. Serão as creches apenas contextos de guarda das crianças dos 3 meses aos 3 anos? Prestarão as creches um serviço com intencionalidade educativa? As famílias são envolvidas e chamadas a participar? Estas foram algumas das questões a que se procura responder com este estudo, dentro das limitações da amostra obtida. II. Enquadramento teórico e conceptual No decurso do processo de divulgação da Declaração de Princípios sobre a Educação no Sector Solidário a CNIS, em colaboração com o Centro de Estudos Sociais, realizou 1 Seminário Nacional (Outubro de 2008) e 2 Seminários Regionais (Maio de 2009 e Junho de 2009) destinados às Direcções e Equipas Educativas de Creche. No conjunto destes Seminários foram abrangidas directamente pessoas, na sua maioria técnicos da área da educação Nesses Seminários forma apresentados os fundamentos para a necessidade de projecto educativo de creche e de projecto pedagógico de sala, assim como de planos de actividade de sala, a par de outros procedimentos específicos à resposta social. Igualmente se procurou enquadrar sempre aquelas exigências nos princípios mais globais da educação no sector solidário. 5

6 Para tal tivemos a colaboração de diversos especialistas nestas matérias, nomeadamente de Isabel Candeias, Luísa Afonso, Lurdes Carvalho, Manuel Sarmento, Maria das Dores Oliveira, Maria de Jesus Sousa, Maria João Ataíde, Maria da Luz Borges, Mário Caldeira Dias e Teresa da Matos, que muito contribuíram para a implementação e reforço da aplicação destas opções e instrumentos educativos e pedagógicos, nas creches. Assim, e com base nas comunicações produzidas na altura, apresentamos alguns conceitos, julgados indispensáveis à compreensão deste estudo: Projecto Educativo da Instituição (PEI) É a expressão da Missão, Visão e Valores da Instituição, na óptica educativa. Deverá ser um elemento identificador da Instituição, uma expressão do seu traço educativo, dos grandes objectivos operacionalizados em acções concretas decorrentes da sua Missão. A adopção de um projecto educativo para toda a Instituição exige o envolvimento de todos os que, directa ou indirectamente, trabalham para e com os utentes, qualquer que seja a sua idade ou situação. Os familiares dos utentes, as outras Instituições, os diferentes parceiros e a própria comunidade serão, necessariamente, agentes neste processo. Creche Resposta social destinada às crianças até aos 3 anos, onde em ambiente de afecto, de interacção e brincadeira activa, de criatividade e de tranquilidade, são prestados cuidados essenciais com intencionalidade educativa, expressa em acções, práticas e documentos. Também nesta resposta social a ligação com a família e o reforço do seu envolvimento, participação e competências são objectivos educativos e pedagógicos a alcançar. Projecto Educativo da Creche (PEC) Enquadrado pelo Projecto Educativo da Instituição, o Projecto Educativo de Creche é a manifestação da intenção, dos princípios e dos valores, naquele expresso, e que servirá de referência à organização das acções educativas, planificação das actividades e de outras iniciativas nesta resposta social. Projecto Pedagógico de Sala (PPS) Com base no conhecimento do grupo de crianças e no Projecto Educativo da Creche, o PPS consiste no estabelecimento de um conjunto de procedimentos, acções e actividades significativas, que respeitando a individualidade de cada criança seja, por um lado promotor da prestação dos cuidados, de forma equilibrada e estável, ao nível da higiene, segurança e nutrição e por outro lado, e em simultâneo, permita desenvolver condições para que cada criança tenha um óptimo desenvolvimento global, nomeadamente nas áreas do desenvolvimento motor, cognitivo, pessoal e social. O Projecto Pedagógico de Sala (PPS) deverá estruturar o conjunto das acções e actividades a desenvolver, ser realizado em articulação com todos os colaboradores, com as famílias e, sempre que possível, com as próprias crianças. Deverá ser avaliado periodicamente, estar disponível por escrito para as famílias poderem consultar na sala e/ou a elas ser distribuído. Plano de Actividades de Sala (PAS) Com base no Projecto Pedagógico de Sala (PPS), deverá ser elaborado o Plano de Actividades de Sala, como instrumento de concretização e operacionalização daquele Projecto. Deverá ter em consideração as diferentes áreas para o desenvolvimento global das crianças como seja o desenvolvimento da motricidade fina e grossa (desenvolvimento motor), o desenvolvimento da linguagem, o pensamento lógico e criativo (desenvolvimento cognitivo) e o desenvolvimento pessoal, emocional e social. Dele deverá fazer parte o plano de rotinas ou cuidados pessoais básicos, pessoais e flexíveis, as actividades/brincadeiras livres e espontâneas e ainda as actividades/brincadeiras/jogos de aprendizagem estruturada e adequada. 6

7 Plano de Actividades Lúdicas e Socioculturais Conjunto de actividades, com objectivo lúdico, recreativo, cultural, desportivo e de convívio, como seja a promoção de festas e outras animações, celebração dos aniversários das crianças, passeios e idas à praia, convívios intergeracionais, aprendizagem de danças e canções, idas ao teatro e museus, visitas a exposições, ginástica. Estas actividades poderão ser realizadas noutros espaços da comunidade, que não os espaços próprios da creche. Para além destes conceitos, centrados na criança em creche, importa igualmente definir outros conceitos, igualmente centrados na criança, mas no seio da família. Assim: Parentalidade positiva comportamento parental que assegura a satisfação das principais necessidades da criança, isto é, o seu desenvolvimento e capacidades sem violência, proporcionando-lhe o reconhecimento e orientação necessárias, que exige a fixação de limites ao seu comportamento, para possibilitar o seu pleno desenvolvimento (Recomendações do Conselho da Europa 2006). Competência parental conjunto de capacidades e habilidades que permitem aos pais enfrentar, de modo flexível e adaptativo, a tarefa vital de serem pais, de acordo com as necessidades evolutivas e educativas dos seus filhos e com os padrões considerados como aceitáveis pela sociedade, aproveitando todas as oportunidades e apoios que são disponibilizados pelos sistemas de influência da família. Resiliência parental capacidade dos pais estabelecerem uma relação protectora e atenta com os seus filhos, mesmo vivendo em ambientes potenciadores de comportamentos de violência e de maus tratos. 7

8 III Estudo propriamente dito 1. Ficha técnica do estudo 2. Relação entre a Rede Nacional de Creches, a do Sector Solidário e a rede de Creches da Responsabilidade das IPSS filiadas na CNIS 3. Projecto Educativo de Creche 4. Projecto Pedagógico de Sala (PPS), Planos de Actividades de Sala (PAS) e Plano de Actividades Lúdicas e Socioculturais 5. Participação das famílias 6. Regulamento Interno de funcionamento e do Contrato de Prestação de Serviços 7. Outras informações prestadas 1. Ficha técnica do estudo Foi considerado como universo para o presente estudo as creches desenvolvidas por IPSS associadas da CNIS, ao nível de Portugal Continental e à data de Março de Às Instituições, suporte jurídico daquelas creches, foi enviado o questionário, de que se anexa um exemplar. Com o lançamento deste questionário pretendia-se apurar a existência de: 1. Projecto Educativo da Creche; 2. Projecto Pedagógico de Sala (PPS) de Creche, incluindo o berçário e algumas das características do PPS, tanto quanto à sua operacionalização através de Planos de Actividades de Sala (PAS), como quanto à metodologia da sua avaliação e divulgação; 3. Participação das famílias; 4. A existência de Regulamento Interno de Funcionamento e do Contrato de Prestação de Serviços a celebrar com os pais/encarregados da educação das crianças. O envio deste questionário foi prioritariamente concretizado via e fax. Recebemos 410 respostas que correspondem a 43% do universo considerado e que tecnicamente se pode considerar como representativo. A sistematização e análise da informação obtida foram essencialmente feitas em referência aos valores nacionais, procurando-se, contudo, destacar os Distritos, cujas creches apresentam respostas com percentagens mais determinantes em relação ao todo nacional. No entanto, podem ser construídas algumas reservas quanto à representatividade relativamente a alguns Distritos onde se verificou uma percentagem de respostas inferior a 30%. É o caso dos Distritos de Aveiro, Viana do Castelo e Viseu, que, eventualmente poderão ser objecto de alguma investigação complementar. Neste sentido, e aquando da análise distrital aqueles Distritos serão assinalados com o sinal de*. A análise destes dados ao nível do Distrito, face à representatividade da amostra, terá de ser feita relativizando a intensidade das percentagens das respostas obtidas, com a percentagem de creches que responderam. A distribuição distrital das creches desenvolvidas pelas IPSS associadas da CNIS e das respostas recebidas ao questionário que fora remetido é a apresentada no Quadro seguinte. 8

9 Quadro n.º 1 Distribuição geográfica do n.º de creches desenvolvidas pelas IPSS associadas da CNIS e do n.º de respostas recebidas Distrito Aveiro * Beja Braga N.º de creches das IPSS associadas Respostas recebidas N.º % % % % Bragança Castelo Branco 25 9 Coimbra Évora Faro 20 6 Guarda Leiria Lisboa Portalegre 15 6 Porto Santarém Setúbal Viana Castelo* 15 4 Vila Real Viseu * % 36% 43% 64% 30% 94% 43% 49% 40% 42% 64% 63% 27% 64% 22% Valores nacionais % * - Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 9

10 As IPSS associadas da CNIS desenvolviam em Portugal Continental, à data de Março de 2010, 950 creches. Destas, 410 responderam ao questionário enviado o que corresponde a 43% do total de creches, considerada como amostra representativa e válida. Em termos distritais, refira-se que o Distrito que regista um maior número de creches é o de Aveiro, com 161, seguido pelos Distritos de Lisboa, com 142 creches, Porto com 124 e Braga com 116 creches. O Distrito com maior percentagem de respostas foi o da Guarda (94%) seguido por Évora, Santarém e Vila Real cada um com 64% de respostas e por Setúbal com 63%. Estes valores adquirem melhor visibilidade com o Gráfico n.º 1 abaixo apresentado: Relação entre as creches desenvolvidas por IPSS associadas d e as respostas obtidas, por distrito Distritos N.º de creches 10

11 Sendo que, a Série 1 representa a totalidade das creches desenvolvidas pelas IPSS associadas da CNIS e a Série 2 as respostas obtidas. Em termos de Distritos: 1. Aveiro 10. Leiria 2. Beja 11. Lisboa 3. Braga 12. Portalegre 4. Bragança 13. Porto 5. Castelo Branco 14. Santarém 6. Coimbra 15. Setúbal 7. Évora 16. Viana do Castelo 8. Faro 17. Vila Real 9. Guarda 18. Viseu 2. Relação entre a rede nacional de Creches, a do Sector Solidário e a rede da responsabilidade das IPSS filiadas na CNIS Pelos dados da Carta Social (2008), a rede nacional de creches (sem Regiões Autónomas) era constituída por 2158 creches. Deste total, o Sector Solidário assumia, na mesma data, 1453 creches que corresponde a 67,3%, conforme se ilustra no Gráfico n.º 1 Gráfico n.º 2 Rede nacional de Creches (2008) e o total de Creches do Sector Solidário (Março de 2010) Total de Creches (2008) 1453 Total de Creches assumidas Sector Solidário (2008)

12 Gráfico n.º 3 Relação entre as Creches do Sector Solidário (2008) e as Creches da responsabilidade das IPSS associadas da CNIS (Março de 2010) Tot al Creches Rede Solidária Tot al Creches de IPSS associadas CNIS As 950 Creches da responsabilidade das IPSS associadas da CNIS correspondem a 65,3% das Creches do Sector Solidário. Neste sector estão incluídas todas as IPSS, as Irmandades das Santas Casa da Misericórdia e as Cooperativas de Solidariedade Social. Esta relação terá, no entanto de ser relativizada, na medida em que os dados são referentes a anos diferentes; os do Sector Solidário a 2008 e os relativos às IPSS filiadas na CNIS a Março de Projecto Educativo de Creche (PEC) Recorda-se o conceito de Projecto Educativo da Creche (PEC) Enquadrado pelo Projecto Educativo da Instituição, o Projecto Educativo de Creche é a manifestação da intenção, dos princípios e dos valores, naquele expresso, e que servirá de referência à organização das acções educativas, planificação das actividades e de outras iniciativas nesta resposta social. 12

13 Distrito Aveiro * Beja Braga Bragança C. Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Quadro n.º 2 Projecto Educativo da Creche (PEC) e sua duração Resp. obtidas Projecto Educativo Sim Não Nº % Nº % Duração do Projecto Educativo Anu Bi. Tri. Outra al 44 (27%) (54%) (38%) (43%) (36%) (43%) (64%) (30%) (94%) (43%) (49%) (40%) Porto 52 (42%) Santarém Setúbal V. Castelo* Vila Real Viseu * 2 4/4ano 25 (64%) (63%) (27%) (64%) (22%) Valores nacionais % 26 6 % % * Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 50 13% % 2 1% 13

14 A análise destes dados permite-nos concluir que a quase totalidade (94%) das Creches, que responderam, tem definido um Projecto Educativo e que esse Projecto Educativo tem, em 52% dos casos, uma duração trianual. Para 34% das creches o Projecto Educativo tem duração anual, sendo que ainda 13% refere a duração de bianual. Apenas duas referem que o seu projecto educativo tem uma duração quadrianual. Em termos distritais refira-se que todas as creches que responderam, dos distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Évora, Faro, Portalegre, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu, têm Projecto Educativo. Os distritos de Braga e do Porto apresentam o mesmo valor de 98%, seguido por Setúbal em que 95% das creches que participaram têm Projecto Educativo. Os Distritos que apresentam a menor percentagem de creches com Projecto Educativo são Coimbra e Leiria. Porque a definição de um Projecto Educativo supõe a participação e o envolvimento das Direcções, das equipas, das Famílias e até das próprias crianças era relevante relacionar a existência de Plano Educativo com o processo de participação criado para a sua definição. Assim, quanto aos agentes envolvidos na definição das prioridades educativas e na operacionalização do Projecto Educativo da creche, o quadro abaixo apresentado é elucidativo, nomeadamente no que se refere à participação das famílias e até das crianças, de acordo com as suas idades. 14

15 Quadro n.º 3 Agentes envolvidos na definição das prioridades educativas e na operacionalização do Projecto Educativo da Creche Distrito Creches com Projecto Educativo Direcção, isoladamente Agentes envolvidos Equipa técnica Direcção, colaboradores, famílias e crianças, em articulação (N.º e %) Aveiro* (58%) Beja (71%) Braga (60%) Bragança (83%) C. Branco (56%) Coimbra (36%) Évora (43%) Faro (50%) Guarda (29%) Leiria (41%) Lisboa (46%) Portalegre (83%) Porto (41%) Santarém (65%) Setúbal (49%) V. Castelo (100%) * Vila Real (81%) Viseu * (38%) Valores nacionais % 1 0,3% ,9% ,8% * Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 15

16 Em 47,9% das creches, que responderam e com Projecto Educativo, é a respectiva equipa técnica que assume a definição das prioridades educativas e a operacionalização daquele projecto. Com um valor bastante residual, apenas é referido por uma creche (0,3%), tal responsabilidade é assumida pela Direcção isoladamente. Em cerca de metade (51,8%) das creches com Projecto Educativo, as Direcções, colaboradores, famílias e crianças (de acordo com as idades) são envolvidas na definição das prioridades educativas e na operacionalização do Projecto Educativo, num processo de participação. Este estudo não nos permitiu, no entanto, avaliar o tipo e intensidade desta participação. Apesar de 94% das creches, que responderam, referirem ter definido um Projecto Educativo, a definição das prioridades educativas e a sua operacionalização, conta, apenas em 51,8% dos casos com a participação e articulação entre Direcções, colaboradores, famílias e crianças. Assim, consideramos mais correcto concluir que, apesar das preocupações educativas existentes nas 94% das creches, de facto só podemos falar em Projecto Educativo em pouco mais de 50% das creches, que responderam, já que o processo de participação é dele parte integrante. Em termos distritais refira-se que, perante as respostas recebidas, o Distrito cujas creches, para a definição das prioridades educativas e operacionalização do Projecto Educativo, as Direcções, colaboradores, famílias e crianças mais se articulam é Viana do Castelo, imediatamente seguido por Bragança e Portalegre. Vila Real apresenta o 3º maior valor percentual. O Distrito, em que as creches apresentam menor valor percentual é Guarda (29%), seguido por Coimbra, com 36%. 4. Projecto Pedagógico de Sala (PPS) Recorda-se o conceito de Projecto Pedagógico de Sala (PPS) Com base no conhecimento do grupo de crianças e no Projecto Educativo da Creche, o PPS consiste no estabelecimento de um conjunto de procedimentos, acções e actividades significativas, que respeitando a individualidade de cada criança seja, por um lado promotor da prestação dos cuidados, de forma equilibrada e estável, ao nível da higiene, segurança e nutrição e por outro lado, e em simultâneo, permita desenvolver condições para que cada criança tenha um óptimo desenvolvimento global, nomeadamente nas áreas do desenvolvimento motor, cognitivo, pessoal e social. O Projecto Pedagógico de Sala (PPS) deverá estruturar o conjunto das acções e actividades a desenvolver, ser realizado em articulação com todos os colaboradores, com as famílias e, sempre que possível, com as próprias crianças. Deverá ser avaliado periodicamente, estar disponível por escrito para as famílias poderem consultar na sala e/ou a elas ser distribuídos. A análise da informação apresentada no Quadro n.º 4 permite-nos concluir que a grande maioria das creches, que responderam, dizem ter Projecto Pedagógico de Sala em todas as salas incluindo o Berçário (77%). Uma percentagem de 1% apenas tem na sala dos 2/3 anos e 4% tem Projecto Pedagógico de Sala em todas as salas, com excepção do Berçário. Em 18% das creches que responderam a este questionário não está a ser desenvolvido Projecto Pedagógico de Sala em nenhuma das salas. 16

17 N.º de creches de IPSS filiadas, por Distrito Respostas obtidas (N.º e %) Quadro n.º 4 Respostas obtidas e existência de (PPS) Existência de Projecto Pedagógico de Sala (PPS) Em todas as salas incluindo o berçário Apenas na sala 2/3 anos Sim Excepto no berçário Total (N.º e %) Aveiro (161) 44 (27%) (82%) 8 * Beja (13) 7 (54%) (86%) 1 Braga (116) 44 (38%) (80%) 9 Bragança 6 (43%) (50%) 3 (14) C. Branco 9 (36%) (89%) 1 (25) Coimbra 26 (43%) (69%) 8 (60) Évora (22) 14 (64%) (93%) 1 Faro (20) 6 (30%) (83%) 1 Guarda (17) 16 (94%) (75%) 4 Leiria (46) 20 (43%) (70%) 6 Lisboa (142) 70 (49%) (87%) 9 Portalegre 6 (40%) (100%) - (15) Porto (124) 52 (42%) (79%) 11 Santarém 25 (64%) (92%) 2 (39) Setúbal (59) 37 (63%) (89%) 4 Vi. Castelo * 4 (27%) (100%) - (15) Vila Real (25) 16 (64%) (75%) 4 Viseu (37) * Valores nacionais (950) Não 8 (22%) (63%) (43%) 316 (77%) 4 (1%) 15 (4%) 335 (82%) 75 18% * Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 17

18 É relevante destacar que para 82% das creches (335), que responderam, a existência de Projecto Pedagógico de Sala é já uma realidade, não estando, no entanto, a ser aplicado em todas as salas. Para tal facto forma apresentadas algumas razões que se prendem essencialmente com a inexistência de Educador de Infância no Berçário. No entanto, é referido por uma creche refere que o PPS do Berçário está a ser assegurado pela Educadora de Infância responsável da sala destinada às crianças dos 12 aos 24 meses. Uma outra creche refere não ter nenhum Educador de Infância a trabalhar na creche e ainda outra informa não ter acordo de cooperação com a Segurança Social, situações a merecer uma atenção futura. Em termos distritais, em Portalegre e Viana do Castelo, a totalidade das creches que responderam têm Projecto Pedagógico de Sala, enquanto, nos Distritos de Évora e de Santarém aquele valor corresponde a 93% e 92%, respectivamente. O Distrito que apresenta a menor percentagem de creches com Projecto Pedagógico de Sala é Bragança (50%), seguido pelo Distrito de Viseu (37%). Quanto à avaliação do Projecto Pedagógico de Sala, à sua periodicidade e aos participantes neste processo, os dados recolhidos estão expressos no Quadro n.º 5. 18

19 Quadro n.º 5 Avaliação do PPS, participantes e periodicidade Distrito e % de respostas Avaliação do PPS Participação na avaliação do PPS Periodicidade da avaliação obtidas Cola. Outros M T S A Outra Sim Não Cola e D Q fam. V C D P Aveiro (27%) * % Beja (54%) % Braga (38%) % Bragança (43%) 100% Castelo Branco (36%) 89% Coimbra (43%) % Évora (64%) % Faro (30%) % Guarda (94%) % Leiria (43%) % Lisboa (49%) % Portalegre (40%) 100% Porto (42%) % Santarém (64%) 92% Setúbal (63%) % Viana Castelo (27%) * 100% Vila Real (64%) % Viseu (22%) * % Valores nacionais (43%) 88% 12% 55% 45% 6% 18% 6% 2% 10% 27% 13 49,6% o,2% 0,2% % * - Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 19

20 Legenda: Quanto à Participação na avaliação do PPS Coluna de Outros V Voluntários C Crianças (de acordo com a idade) D Direcção P Outros parceiros Quanto à Periodicidade da avaliação M Mensal T Trimestral S Semestral D Diária A Anual Q Quinzenal Pela análise dos dados apresentados conclui-se que 88% das creches que responderam ao questionário, avaliam o Projecto Pedagógico de Sala, contra 12% que referem não o fazer. O processo de avaliação é assumido pelos colaboradores que, apenas em 45% das situações, associam as famílias neste processo. O envolvimento das crianças no processo de avaliação regista-se em 18% das creches, o de voluntários e das Direcções em 6% para cada situação. A participação de outros parceiros, nomeadamente da Segurança Social é referida em 2% das creches. Importa salientar que, na avaliação dos Projectos Pedagógicos de Sala, as Direcções participam numa percentagem menor (6%), que na definição das prioridades do Projectos Educativos, mais global e transversal, em que se regista uma participação na ordem dos 51,8%, em articulação com as equipas educativas, as famílias e as crianças. Quanto à periodicidade da avaliação para 49,6% das creches ela é realizada anualmente, seguida por 27% que a realiza trimestralmente. Uma periodicidade mensal e semestral é praticada, respectivamente, por 10% e 13% das creches. Ainda 0,4% das creches tem outra periodicidade para a avaliação do Projecto Pedagógico de Sala (diária e quinzenal). Em termos distritais refira-se que os Distritos em que as creches, que responderam, apresentam a maior percentagem de avaliação do Projecto Pedagógico de Sala são Bragança, Faro, Portalegre, Setúbal e Viana do Castelo, seguidos por Évora e Santarém. O Distrito que apresenta menor valor percentual é Leiria (70%), seguido por Viseu (75%). Tal como sucedera na análise ao Projecto Educativo e à relação com o processo de participação para a sua definição e operacionalização, pretendia-se igualmente relacionar a existência do Projecto Pedagógico de Sala, com a sua avaliação e a participação das Famílias. A não avaliação corresponderia necessariamente à inexistência de Projecto Pedagógico de Sala, já que aquela era uma exigência indispensável. Como anteriormente fora referido, (82%) das creches têm definido e desenvolvem Projecto Pedagógico de Sala (PPS), em todas ou em algumas salas. Nestas creches é feita a avaliação do PPS, aliás como ele próprio exige e supõe. No entanto, cruzando essa informação com a que foi disponibilizada quanto à pergunta de saber se o PPS era avaliado, constatamos que mais 26 creches, embora não tendo PPS, têm práticas de avaliação (Quadro n.º 6) Assim, existência de práticas de avaliação em 88% das creches que responderam, é um factor facilitador para a melhoria das práticas e dos procedimentos educativos e pedagógicos. 20

21 Quadro n.º 6 Análise comparativa entre a existência de PPS e a sua avaliação Respostas obtidas, por Distrito Avaliação do PPS Sim Não Existência de Projecto Pedagógico de Sala (PPS) Sim Em todas as salas incluindo o berçário Apenas na sala 2/3 anos Excepto no berçário Aveiro (44) * Beja (7) Braga (44) Bragança (6) Castelo Branco (9) Coimbra (26) Évora (14) Faro (6) Guarda (16) Leiria (20) Lisboa (70) Portalegre (6) Porto (52) Santarém (25) Setúbal (37) Viana Castelo (4) * Vila Real (16) Viseu (8) * Valores nacionais (410) 361 (88%) 49 (12%) % 4 1% 15 4% * Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 21

22 Quanto à existência de Plano de Actividades de Sala (PAS), importa recordar o seu conceito. O PAS é elaborado com base no Projecto Pedagógico de Sala (PPS) e como instrumento de concretização e operacionalização deste Projecto. Deverá ter em consideração as diferentes áreas para o desenvolvimento global das crianças como seja o desenvolvimento da motricidade fina e grossa (desenvolvimento motor), o desenvolvimento da linguagem, o pensamento lógico e criativo (desenvolvimento cognitivo) e o desenvolvimento pessoal, emocional e social. Dele deverá fazer parte o plano de rotinas ou cuidados pessoais básicos, pessoais e flexíveis, as actividades/brincadeiras livres e espontâneas e ainda as actividades/brincadeiras/jogos de aprendizagem estruturada e adequada. Os dados obtidos são os apresentados no Quadro seguinte. Quadro n.º 7 Plano de Actividades de Sala (PAS) Respostas obtidas, por distrito Plano de actividades de sala Distrito Respostas (N.º e %) Sim (Nº e %) Não (Nº e %) Aveiro * 44 (27%) 42 (95%) 2 (5%) Beja 7 (54%) 7 (100%) - Braga 44 (38%) 42 (95%) 2 (5%) Bragança 6 (43%) 6 (100%) - Castelo Branco 9 (36%) 9 (100%) - Coimbra 26 (43%) 23 (88%) 3 (12%) Évora 14 (64%) 13 (93%) 1 (7%) Faro 6 (30%) 6 (100%) - Guarda 16 (94%) 16 (100%) - Leiria 20 (43%) 19 (95%) 1 (5%) Lisboa 70 (49%) 68 (97%) 2 (3%) Portalegre 6 (40%) 6 (100%) - Porto 52 (42%) 51 (98%) 1 (2%) Santarém 25 (64%) 24 (96%) 1 (4%) Setúbal 37 (63%) 37 (100%) - Viana Castelo * 4 (27%) 3 (75%) 1 (25%) Vila Real 16 (64%) 14 (88%) 2 (12%) Viseu * 8 (22%) 8 (100%) - Valores nacionais 410 (43%) 394 (96%) 16 (4%) * - Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 22

23 Concluímos, pela análise destes dados que a grande maioria (96%) das creches, que responderam, tem Planos de Actividades de Sala em percentagem superior à registada quanto à existência de Projecto Pedagógico de Sala. Em termos distritais Nos Distritos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Faro, Guarda, Portalegre, Setúbal e Viseu a totalidade das creches refere ter Planos de Actividades de Sala. Nos Distritos do Porto e de Lisboa a percentagem é, respectivamente, de 98% e de 97%. O Distrito em que as creches, que responderam, apresentam o menor valor percentual é Viana do Castelo, seguido por Coimbra e Vila Real, com o mesmo valor de 88%. Analisaremos de seguida se estas práticas de planificação das actividades de sala têm correspondência com a planificação de outras actividades de carácter lúdico e socioculturais, complementares no processo de desenvolvimento global das crianças. Recordemos o conceito de Plano de Actividades Lúdicas e Socioculturais Conjunto de actividades, com objectivo lúdico, recreativo, cultural, desportivo e de convívio, como seja a promoção de festas e outras animações, celebração dos aniversários das crianças, passeios e idas à praia, convívios intergeracionais, aprendizagem de danças e canções, idas ao teatro e museus, visitas a exposições, ginástica. Estas actividades poderão ser realizadas noutros espaços da comunidade, que não os espaços próprios da creche. 23

24 Aveiro * Beja Braga Quadro n.º 8 Plano anual de Actividades Lúdicas e Socioculturais Distrito Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Respostas Obtidas (N.º e %) 44 (27%) 7 (54%) 44 (38%) 6 (43%) 9 (36%) 26 (43%) 14 (64%) 6 (30%) 16 (94%) 20 (43%) 70 (49%) 6 (40%) 52 (42%) Santarém 25 (64%) Setúbal 37 (63%) Viana Castelo * 4 (27%) Vila Real 16 (64%) Viseu * 8 (22%) Valores nacionais Plano anual de Actividades Lúdicas e Socioculturais Sim Não N.º % N.º % (43%) * Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 24

25 Das Creches que responderam ao questionário, 89% refere ter Plano Anual de Actividades Lúdicas e Socioculturais. Em 11% dos casos esse plano não existe, embora se realizem algumas dessas actividades, de forma casuística e dispersa, sem integração intencional no projecto educativo e pedagógico. A análise comparativa desta informação com a fornecida quanto à existência de planeamento de actividades específicas de sala, pode conduzir à conclusão que esta diferença nas práticas de planeamento se podem dever ao facto de este conjunto de actividades, exigir na sua concretização grande articulação com a comunidade e a existência de outros recursos, quantas das vezes de alcance mais difícil para as equipas de sala. Em termos distritais refira-se que o Distrito em que as creches que responderam apresentam a percentagem mais elevada (100%) é Évora, seguido por Leiria. Em 3º lugar e com o mesmo valor estão os Distritos de Guarda, Porto e Vila Real. A menor percentagem é registada nas creches do Distrito de Viana do Castelo e Viseu. 5. Participação das famílias Respostas por Distrito Distrito N.º Quadro n.º 9 Divulgação dos documentos orientadores das práticas pedagógicas Site Afixado Distribuído Divulga Disponível Não aos Pais em reun. para consulta divulga Aveiro * (28%) (9%) 14 Beja (71%) Braga (30%) Bragança (17%) Castelo Branco (67%) Coimbra (43%) (12%) 9 Évora (36%) Faro (33%) Guarda (33%) (6%) 4 Leiria (55%) Lisboa (57%) (1%) 37 Portalegre (50%) Porto (39%) (2%) 13 Santarém (48%) Setúbal (40%) (5%) 15 Viana (75%) Castelo * Vila Real (25%) Viseu * (63%) IPSS com mais que uma forma de divulgação Valores nacionais (13%)(72%) 169 (42%) 97 (24%) 58 (15%) 12 (3%) 165 (41%) * - Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 25

26 A divulgação dos documentos orientadores das práticas pedagógicas, nomeadamente o Projecto Educativo e o Projecto Pedagógico de Sala assim como o Plano de Actividades de Sala é condição indispensável para o reforço da participação e envolvimento das famílias. De alguma forma esta divulgação é prosseguida pela grande maioria das creches (97%), embora recorrendo a diversas modalidades, que certamente terão diferente eficácia. Apenas 3%, ou seja 12 creches, não procedem a qualquer divulgação e 41% das creches usam, em simultâneo, mais do que uma das modalidades apresentadas. Do universo das creches que divulga os documentos orientadores das práticas pedagógicas, uma percentagem ainda reduzida de creches (13%) usa para esta divulgação o seu site; 72% das creches afixa estes documentos orientadores, mas é relevante referir que apenas 42% os distribui aos pais das crianças (este envio é feito por , segundo referido por 5 creches). A divulgação directa destes documentos, praticada por 24% das creches, é feita em reuniões com os pais das crianças, no início das actividades pedagógicas. Em 15% das creches os documentos orientadores das práticas pedagógicas estão disponíveis, nas salas, para consulta dos pais. Em termos distritais refira-se que as creches do Distrito de Viana do Castelo apresentam a maior percentagem (75%) na distribuição aos pais dos documentos orientadores das práticas pedagógicas, imediatamente seguido pelos Distritos de Beja e de Castelo Branco com 71% e 67% respectivamente. Nos distritos de Aveiro e de Coimbra 4 e 3 creches, respectivamente, não fazem qualquer divulgação dos documentos orientadores das suas práticas pedagógicas. No distrito de Setúbal este é o procedimento de 2 creches e de 1 creche nos distritos de Guarda, Lisboa e Porto. Quadro n.º 10 Envolvimento e participação das famílias Distrito Projecto Educativo Projecto Pedagógico Sala Existência Famílias envolvidas Avaliação Famílias envolvidas Aveiro * (58%) (35%) Beja 7 5 (71%) 6 3 (50%) Braga (60%) (49%) Bragança 6 5 (83%) 6 4 (67%) Castelo Branco 9 5 (56%) 8 3 (38%) Coimbra 22 8 (36%) (48%) Évora 14 6 (43%) 13 7 (54%) Faro 6 3 (50%) 6 3 (50%) Guarda 14 4 (29%) 14 4 (29%) Leiria 17 7 (41%) 14 7 (50%) Lisboa (46%) (36%) Portalegre 6 5 (83%) 6 3 (50%) Porto (41%) (40%) Santarém (65%) 23 9 (39%) Setúbal (49%) (73%) Viana 4 4 (100%) 4 2 (50%) Castelo * Vila Real (81%) 14 6 (50%) Viseu * 8 3 (38%) 6 1 (17%) Valores Nacionais (51,8%) (45%) * Distritos com percentagem de participação inferior a 30% 26

27 Relativamente ao Projecto Educativo, em 51,8% das creches que o têm definido, as famílias são envolvidas na definição das prioridades educativas e na sua operacionalização. Quanto ao Projecto Pedagógico de Sala, em 45% das creches que o desenvolvem, as famílias associadas às equipas educativas de sala, são parceiras no processo de avaliação e de acompanhamento da evolução do desenvolvimento das suas crianças. Foi referido que para tal é enviado aos pais, inclusivamente por sms e , a agenda das actividades, as ementas mensais, o relatório e a avaliação das actividades de sala com fotos dos seus filhos nas actividades. Para outras informações mais específicas e relativas a cada criança algumas creches referem usar o dos pais e cadernos/passaportes individuais com os registos diários. Uma creche refere ter um blog por sala de creche. Foi ainda indicado por uma creche a organização de acções de formação parental sobre temas relacionados com a educação das crianças e a criação de um Gabinete de apoio psicológico aberto às crianças e famílias. Constatamos a existência de cinco (5) creches que, embora situadas no mesmo Distrito e com o mesmo suporte jurídico, apresentam níveis diferentes de práticas e procedimentos educativos e pedagógicos, o que nos permite destacar o papel determinante das equipas educativas de cada creche e de sala. Em termos distritais relativamente ao Projecto Educativo são as creches que responderam do Distrito de Viana do Castelo que apresentam a percentagem mais elevada quanto ao envolvimento das famílias, seguidas pelas creches de Bragança e de Portalegre. As creches do Distrito de Vila Real apresentam a 3ª posição com 81%. Quanto à participação na avaliação do Projecto Pedagógico de Sala, são as creches do Distrito de Setúbal que apresentam a percentagem mais elevada, seguidas pelas creches de Bragança e Évora com 67% e 54% respectivamente. 6. Regulamento Interno de Funcionamento e Contrato de Prestação de Serviço Conforme o Quadro nº 11, o Regulamento Interno de Funcionamento está assumido pela quase totalidade das creches que responderam (99,7%). Apenas em uma este instrumento está ausente. Quanto à data da sua elaboração e/ou actualização, importa referir que, para 65 creches (16%) o Regulamento Interno em vigor é anterior a 2007 e que 15 (3,7%) creches não respondem a esta questão. Em processo de actualização do seu Regulamento estão 14 creches (3,4%). Se, no entanto, se somar as creches que têm o Regulamento Interno com data anterior a 2007, com as que estão em processo de o actualizar e com as que não respondem, temos um conjunto de 94 equipamentos/instituições (23%), a quem poderá ser muito útil o apoio da CNIS nesta matéria. Quanto ao Contrato de Prestação de Serviços, apesar de não ser obrigatório nesta resposta social, 66% das creches celebram-no com os pais ou encarregados de educação dos seus utentes. 27

28 Quadro n. º 11 Existência de Regulamento Interno de Funcionamento e de Contrato de Prestação de Serviços Distritos Respostas Regulamento Interno Data Regulamento Interno Contrato Prestação Serviços N.º % Sim Não A B C D E Sim Não Aveiro * 44 27% Beja 7 54% Braga 44 38% Bragança 6 43% C. Branco 9 36% Coimbra 26 43% Évora 14 64% Faro 6 30% Guarda 16 94% Leiria 20 43% Lisboa 70 49% Portalegre 6 40% Porto 52 42% Santarém 25 64% Setúbal 37 63% V. Castelo * 4 27% Vila Real 16 64% Viseu * 8 22% Total % ,7% 77% 66% 34% * Distritos com percentagens de participação inferior a 30% Legenda da Data do Regulamento Interno A Anterior a 2002 B De 2002 a 2007 C Depois de 2007 D Em actualização E Não responde 28

29 7. Outras informações prestadas A esta pergunta aberta e facultativa, inserida no questionário, as creches que responderam referiram-se essencialmente às questões relativas ao processo de melhoria da qualidade em que estão envolvidas. Assim: Das creches que participaram neste estudo, 10 referiram que iniciaram o processo da sua reorganização no sentido da aplicação, no próximo ano lectivo, dos Manuais de Gestão da Qualidade para esta resposta social; Outras 12 referiram que estão a implementar o Manual de Gestão da Qualidade; Uma (1) informa que aplica o Manual acima referido, desde 2008; Duas (2) estão em processo de certificação; Três (3) das creches participantes referem que estão certificadas pela Norma ISO: 9001; Uma (1) refere estar certificada pela Norma ISO: Assim, das creches que responderam 5% estão, de alguma forma envolvidas em processo de Gestão da Qualidade. Ainda, no âmbito desta pergunta foram apresentadas palavras de estímulo por esta iniciativa e o desejo que ela se concretize em medidas de ajuda às IPSS, no sentido do aumento da qualidade das respostas sociais. 29

30 IV. Conclusões A análise dos dados recolhidos permite retirar as seguintes conclusões: 1. As respostas recebidas, na ordem dos 43% do universo de 950 creches, permitem-nos considerá-las como representativas, em termos nacionais. No entanto, a análise destes dados ao nível do Distrito, face à exiguidade das respostas, terá de ser feita relativizando claramente a intensidade das percentagens das respostas obtidas com a percentagem de creches que responderam; 2. Destaque para a importância do Sector Solidário na resposta social creche, face à rede nacional. Na realidade, as 1453 Creches assumidas pelo Sector Solidário correspondem a 67,3% da rede nacional de creches (dados da Carta Social de 2008). 3. Destaque ainda para, dentro daquele Sector, o peso que têm as creches prosseguidas por IPSS associadas da CNIS. De facto, as 950 Creches da responsabilidade das IPSS associadas da CNIS (dados de Março de 2010) correspondem a 65,3% das Creches da responsabilidade do Sector Solidário (Carta Social 2008). Nos 34,7% restantes estão, pois, incluídas as Instituições não filiadas na CNIS. Esta relação terá, no entanto, de ser relativizada, na medida em que a análise comparativa tem por base anos de referência diferentes; 4. Apesar de 94% das creches que responderam referirem ter definido um Projecto Educativo, com duração maioritariamente trianual, a definição das prioridades educativas e a sua operacionalização, conta, apenas em 51,8% dos casos com a participação e articulação entre Direcções, colaboradores, famílias e crianças. Assim, consideramos mais correcto concluir que, apesar das preocupações educativas existentes nas 94% das creches, de facto só podemos falar em Projecto Educativo em pouco mais de 50% das creches que responderam, já que o processo de participação dele faz parte integrante e é condição indispensável; 5. Para 82% das creches (335) a existência de Projecto Pedagógico de Sala é já uma realidade, não estando, no entanto, a ser aplicado em todas as salas. Ainda 18% não tem Projecto Pedagógico em nenhuma sala de creche. Projecto Pedagógico de Sala, em todas as salas incluindo o Berçário, é uma realidade em 77% das creches que responderam, o que nos permite avaliar o muito que ainda há a fazer para se atingir a meta de 90% definida no Plano de Acção para 2010; 6. Das Creches que responderam, 88% refere ter práticas de avaliação (mesmo sem Projecto Pedagógico de Sala), com periodicidade essencialmente anual, assumida pelos colaboradores, que em apenas 45% das situações associam as famílias das crianças nesse processo; 7. Importa salientar que, na avaliação dos Projectos Pedagógicos de Sala, as Direcções participam numa percentagem menor (6%), que na definição das prioridades do Projectos Educativos, mais global e transversal, em que se regista uma participação na ordem dos 51,8%, em articulação com as equipas educativas, as famílias e as crianças. 30

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS

CNIS / CES / EDUCAÇÃO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS A EDUCAÇÃO NO SECTOR SOLIDÁRIO 1 1. FUNDAMENTOS DE UMA PROPOSTA O Sector Solidário, neste caso a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), assume que o sistema educativo 1 é um dos

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE

PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE PROJECTO EDUCATIVO DA CRECHE Uma proposta educativa própria de uma instituição e a forma global como se organiza para proporcionar às crianças o desenvolvimento do seu potencial, a experienciá-lo e a vivenciá-lo.

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. Gabinete do Secretário de Estado da Segurança Social DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 DESPACHO Nº 9-I/SESS/2008 O Despacho n.º 16790/2008, de 20 de Junho, 2.ª Série, criou a Medida de Apoio à Segurança dos Equipamentos Sociais, adiante designada por Medida de Apoio à Segurança, dirigida

Leia mais

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos

OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche. Maria Teresa de Matos OS PROJECTOS EDUCATIVOS A PARTIR DA CRECHE O Projecto Pedagógico na Creche Maria Teresa de Matos Projecto Pedagógico de Sala Creche Princípios Orientadores Projecto Pedagógico de Sala * Projecto Curricular

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3

ÍNDICE: 1. Introdução. 1. - Caracterização do meio 2. - Caracterização do espaço ATL... 2. - Caracterização do grupo. 3 ÍNDICE: 1. Introdução. 1 2. CONTEXTUALIZAÇÃO - Caracterização do meio 2 - Caracterização do espaço ATL... 2 3. Grupo - Caracterização do grupo. 3 - Caracterização da equipa/horário. 3 4. OBJETIVOS: - Objetivos

Leia mais

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico

GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO GESTÃO CURRICULAR Educação Pré-Escolar e 1.º Ciclo do Ensino Básico Relatório 008-009 Colecção Relatórios FICHA TÉCNICA Título Gestão Curricular na Educação Pré-Escolar e no

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO 2898 Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2008 22 de Abril de 2003. A convenção inicial e as alterações foram oportunamente objecto de extensão. Entretanto, a mesma associação de empregadores

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO FORMULÁRIO E RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE IDENTIFICAÇÃO Unidade Orgânica: Docente avaliado: Departamento

Leia mais

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma*

Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Proposta para a construção de um Projecto Curricular de Turma* Glória Macedo, PQND do 4º Grupo do 2º Ciclo do EB e Formadora do CFAE Calvet de Magalhães, Lisboa A Reorganização Curricular do Ensino Básico

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 2014 Plano de Acção da APP para o triénio 2012-201 Documento de trabalho para contributos Proposta I da APP 2012-201 ASSOCIAÇ PORTUGUESA DE PSICOGERONTOLOGIA - APP PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O TRIÉNIO 2012 201

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO D. MANUEL I, BEJA Plano Estratégico de Melhoria 2011-2012 Uma escola de valores, que educa para os valores Sustentabilidade, uma educação de, e para o Futuro 1. Plano Estratégico

Leia mais

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9

INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA. nep.010.1 Página 1 de 9 COLÉGIO DA IMACULADA CONCEIÇÃO REGULAMENTO Serviços de Psicologia e de Orientação INSTITUTO INÁCIO DE LOYOLA CERNACHE COIMBRA nep.010.1 Página 1 de 9 Índice Índice... 2 1. Definição dos Serviços... 3 2.Objectivos....3

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação

Regimento do Conselho Municipal de Educação Considerando que: 1- No Município do Seixal, a construção de um futuro melhor para os cidadãos tem passado pela promoção de um ensino público de qualidade, através da assunção de um importante conjunto

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA,

Ministérios da Administração Interna, do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação PROTOCOLO. Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, PROTOCOLO Entre MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL e MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO 2/7 A aposta na qualificação dos portugueses constitui uma condição essencial

Leia mais

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho.

melhoria e inovação da contratação colectiva; dignificação e melhoria das condições de trabalho. REGULAMENTO O Prémio Manuel Lopes foi instituído 1 pelo Ministério do Trabalho e da Solidariedade no sentido de homenagear Manuel Lopes considerando a sua dedicação à implementação da contratação colectiva

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 1 Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 2 Anexo F Normas de Funcionamento do Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica

Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Reconfiguração do contexto comunidade educativa: O Projecto Ria.EDU e a mediação tecnológica Florin Zamfir 1, Fernando Delgado 2 e Óscar Mealha 1 1 Universidade de Aveiro Departamento de Comunicação e

Leia mais

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL

PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL PROPOSTA DE REVISÃO CURRICULAR APRESENTADA PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA POSIÇÃO DA AMNISTIA INTERNACIONAL PORTUGAL A Amnistia Internacional Portugal defende a manutenção Formação Cívica nos 2.º

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º

Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575. Artigo 25.º. Artigo 20.º Diário da República, 1.ª série N.º 41 1 de Março de 2010 575 Artigo 20.º Oferta formativa e monitorização 1 A oferta formativa destinada aos activos desempregados é assegurada através de cursos de educação

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS SERVIÇOS DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO Artigo 1º Objectivo e Âmbito 1. Os (SPO) constituem um dos Serviços Técnico-Pedagógicos previsto no artigo 25º alínea a) do Regulamento Interno

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português

Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Avaliação de impacto e medidas prospetivas para a oferta do Português Língua Não Materna (PLNM) no Sistema Educativo Português Ana Madeira Joana Teixeira Fernanda Botelho João Costa Sofia Deus Alexandra

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 21 de julho de 2014. Série. Número 132 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 21 de julho de 2014 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho n.º 196/2014 Aprova o Calendário Escolar dos estabelecimentos

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

0,6% para atualização de todos os acordos de cooperação relativos às respostas sociais constantes do Anexo I e II ao Protocolo de Cooperação.

0,6% para atualização de todos os acordos de cooperação relativos às respostas sociais constantes do Anexo I e II ao Protocolo de Cooperação. ADENDA PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2013-2014 ENTRE O MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL E A UNIÃO DAS MISERICORDIAS PORTUGUESAS, A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/13 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Crianças e Jovens (35

Leia mais

A CPCJ exerce a sua competência na área do município de Beja.

A CPCJ exerce a sua competência na área do município de Beja. REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE BEJA 2010 O NOVO MODELO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO, EM VIGOR DESDE JANEIRO DE 2001, APELA À PARTICIPAÇÃO ACTIVA DA COMUNIDADE,

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA

REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA REGULAMENTO DO PROJECTO PONTE AMIGA NOTA JUSTIFICATIVA Atenta às desigualdades sociais, subjacentes à problemática da pobreza, cada vez mais é necessária a intervenção da autarquia, no âmbito da acção

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Agrupamento de Escolas José Maria dos Santos Departamento da Educação Pré Escolar CRITÉRIOS GERAIS de AVALIAÇÃO na EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Introdução A avaliação é um elemento integrante e regulador da prática

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO

Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra. Regulamento Interno PREÂMBULO Comissão de Protecção de Crianças de Jovens de Pampilhosa da Serra Regulamento Interno PREÂMBULO A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo (Lei n.º147/99 de 1 de Setembro) regula a criação, competência

Leia mais

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA

PROJETO ANUAL DA LUDOTECA O FAZ DE CONTA PROJETO ANUAL DA LUDOTECA ANO LECTIVO 2014/2015 Inês Matos ÍNDICE I- INTRODUÇÃO 3 II- PROJETOS 5 2.1. Semana da Alimentação 4 2.2. Formação Técnica 6 2.3. Acompanhamento às famílias 6 2.4.

Leia mais

Projeto Educativo de Escola

Projeto Educativo de Escola Projeto Educativo de Escola Professor 2012-2016 Índice 1. Identificação 02 2. Introdução 03 3. Princípios... 04 4. Valores.. 06 5. Objetivos Metas Estratégias... 07 6. Avaliação 11 7. Bibliografia 12 8.

Leia mais

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística

Portugueses com mais de 65 anos Breve caracterização estatística E S T U D O S Cada etapa da vida tem as suas próprias especificidades mas tem, também, os seus próprios desafios e as suas próprias capacidades, para a construção de uma sociedade para todas as idades.

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE PARTE A (a preencher pelo coordenador do departamento curricular ou pelo conselho executivo se o avaliado for coordenador de um departamento curricular)

Leia mais

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR

C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR C E N T R O C U L T U R A L E S O C I A L D E S A N T O A D R I Ã O REGULAMENTO INTERNO CATL-ACR A P R O V A D O E M A S S E M B L E I A G E R A L E M 1 1. 0 3. 2 0 1 6 ( A p ó s a s r e v i s õ e s e

Leia mais

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto

Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto Comissão de Protecção de Crianças e Jovens em Risco de Mondim de Basto Regulamento Interno Regulamento Interno CPCJ 1 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

SAÚDE 24 SÉNIOR. um serviço SAÚDE 24

SAÚDE 24 SÉNIOR. um serviço SAÚDE 24 um serviço SAÚDE 24 Desde Abril 2014 um serviço de acompanhamento em saúde, especifico da SAÚDE 24 e direcionado a todos os idosos residentes em Portugal com mais de 70 anos uma iniciativa do Ministério

Leia mais

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA SEGURANÇA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Maio 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação (DSIA) Edição e propriedade

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 468/XI/2ª CRIA A REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Exposição de motivos A importância das Bibliotecas Públicas As Bibliotecas Públicas são um serviço público essencial

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ

REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ REGULAMENTO DE ATRIBUIÇÃO DE APOIO FINANCEIRO ÀS ASSOCIAÇÕES AMBIENTAIS, CÍVICAS, CULTURAIS, DESPORTIVAS E JUVENIS DO MUNICÍPIO DA LOUSÃ CAPÍTULO I Disposições Comuns Artigo 1.º Lei Habilitante O presente

Leia mais

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial

Normas Orientadoras. Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Normas Orientadoras Centros de Recursos TIC para a Educação Especial Julho 2007 1 Contexto Plano de Acção para a Integração das Pessoas com Deficiência ou Incapacidade A criação de uma rede nacional de

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA 11ª, 12ª e 13ª classes Formação de Professores do 1º Ciclo do Ensino Secundário Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Metodologia do Ensino de Educação

Leia mais

Intervenção As organizações não governamentais Lino Maia

Intervenção As organizações não governamentais Lino Maia Intervenção As organizações não governamentais Lino Maia Conferência "Compromisso Cívico para a Inclusão" Santarém, 14 de Abril de 2007 1 1. AS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE No exercício da cidadania ou

Leia mais

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade

Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Manual de Avaliação dos alunos do pré-escolar ao 9º ano de escolaridade Índice Nota Introdutória Legislação Conceitos/Glossário de termos Princípios Orientadores e finalidades Documentos Nota Introdutória:

Leia mais

ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO. Destinatários

ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO. Destinatários ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO Destinatários A idade mínima para a frequência da Creche é de 3 meses de idade. ARTIGO QUARTO Áreas da Creche 1. A valência

Leia mais

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social

Projecto de Lei nº 68/XII. Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS:

NÍVEL I INTRODUÇÃO OBJECTIVOS: INTRODUÇÃO NÍVEL I O Gira-Volei é um jogo de iniciação à modalidade destinada aos jovens com idades compreendidas entre os 8 e 15 anos, onde através do jogo simplificado (2x2) e utilização do passe faz

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE)

RELATÓRIO INTERCALAR (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) (nº 3, do artigo 23º, da Decisão 2004/904/CE) Comissão Europeia Direcção-Geral da Justiça, da Liberdade e da Segurança Unidade B/4 Fundo Europeu para os Refugiados B-1049 Bruxelas Estado-Membro: PORTUGAL

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias 2015 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7

Leia mais

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo

Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Proposta de Regulamento de Apoio e Financiamento do Associativismo Desportivo Dezembro 2007 Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito e objecto 1. O presente regulamento visa definir as normas e

Leia mais

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5

Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul. Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Escola E.B. 2/3 Ciclos do Paul Trabalho elaborado por: Frederico Matias 8ºA nº8 João Craveiro 8ºA nº5 Introdução Este trabalho foi-nos proposto na aula de Área de Projecto pela Professora. Pretendemos

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias

JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR. Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias JUNTA DE FREGUESIA DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE SACAVÉM E PRIOR Projeto Pedagógico e de Animação de Campos de Férias ÍNDICE 2 Introdução Pág. 3 Princípios e Valores Pág. 3 Objetivos Gerais Pág. 4 Objetivos

Leia mais

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores

Serviços de Acção Social do IPVC. Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores Aprovadas pelo Conselho de Acção Social do IPVC em 1 de Fevereiro de 2011 Serviços de Acção Social do IPVC Normas de funcionamento da Bolsa de Colaboradores O Conselho de Acção Social do Instituto Politécnico

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto. Orquestra Geração

Ficha de Caracterização de Projecto. Orquestra Geração Ficha de Caracterização de Projecto Orquestra Geração 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto(s) Orquestras Sinfónicas Juvenis - Orquestra Geração Sigla Orquestra Geração Morada Rua dos Caetanos

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017

ESCOLAR GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO. Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR Plano Municipal para Gestão Escolar 2015/2017 Município de Cabeceiras de Basto Praça da República, 467 4860-355 Cabeceiras de Basto www. cabeceirasdebasto.pt Câmara Municipal

Leia mais

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE

PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE PROTOCOLO ENERGIA POSITIVA CONTRA A OBESIDADE A incidência e a prevalência quer da pré-obesidade quer da obesidade têm vindo a aumentar na União Europeia e, também, em Portugal, constituindo um importante

Leia mais

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE

CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE CARTA DOS DIREITOS DO CLIENTE 2010 APRESENTAÇÃO A gestão da qualidade das organizações da economia social inspira-se em orientações normativas, corporizadas em Normas da Qualidade internacionalmente reconhecidas,

Leia mais

Financiamento do Desporto

Financiamento do Desporto Financiamento do Desporto Para abordar o tema do financiamento do desporto no momento actual e suas prospectivas é conveniente recordarmos as Opções do Plano e o Programa do Governo. De igual modo, consubstanciando

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA: UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA UM DESAFIO PARA A IGUALDADE E AUTONOMIA CENTRO CULTURAL DE BELÉM 3 DE DEZEMBRO DE 2009 MARIA GUIDA DE FREITAS FARIA 1 AGRADEÇO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial

REGULAMENTO INTERNO. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Artigo 2º. Natureza. Artigo 3º. Competência Territorial REGULAMENTO INTERNO Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Protecção de Crianças e Jovens em Perigo, n.º 147/99 de 1 de Setembro, regula a criação, competência e funcionamento das Comissões

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA

CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA CÓDIGO DE ÉTICA DA HABITÁGUA ÍNDICE PREÂMBULO... 3 CÓDIGO DE ÉTICA... 5 Secção I: PARTE GERAL............................................... 6 Secção II: PRINCÍPIOS... 8 Secção III: DEVERES CORPORATIVOS...

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo

Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior. Preâmbulo Regulamento Municipal de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Alunos do Ensino Superior Preâmbulo O desenvolvimento das sociedades democráticas exige cada vez mais políticas educativas que promovam uma efectiva

Leia mais

Plano Anual de Actividades

Plano Anual de Actividades 2016 2016 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Actividades Resposta Social: Centro Comunitário Porto, 2016 1. INTRODUÇÃO O presente plano tem como objectivo definir e delinear estratégias

Leia mais

DESCRITOR DA PRÁTICA Sistema de Reconhecimento e Referenciação de Processos de Qualificação e de Profissionais para Entidades da Economia Social

DESCRITOR DA PRÁTICA Sistema de Reconhecimento e Referenciação de Processos de Qualificação e de Profissionais para Entidades da Economia Social ANEXO 1 - DESCRITOR DA PRÁTICA PRÁTICA para Reconhecimento e/ou referenciação Quer? Reconhecer Referenciar X É da Rede Animar? Sim Não X Entidade Responsável pela Prática: Pessoa de Contato na Entidade:

Leia mais

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO

Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO ADJUNTO E DOS ASSUNTOS EUROPEUS, DR. MIGUEL MORAIS LEITÃO Intervenção do Ministro da Solidariedade e da Segurança Social na Conferência sobre o Quadro Estratégico Europeu 2014-2020 «Os Fundos Comunitários: Passado e Futuro» Lisboa, 8 janeiro 2012 EXMO SENHOR

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO

TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO TURISMO DE PORTUGAL DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO GERAL DA FORMAÇÃO INDICE 1 NOTA PRÉVIA 3 2 LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA 4 3 PLANO DE FORMAÇÃO 4 4 FREQUÊNCIA DE ACÇÕES DE FORMAÇÃO 6

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais

Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Eixo Prioritário III Valorização e Qualificação Ambiental e Territorial Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos Sociais Aviso Apresentação de Candidaturas Equipamentos para a Coesão Local Equipamentos

Leia mais

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO ANEXO III REGULAMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Artigo 1.º Âmbito 1 - O presente regulamento de avaliação de desempenho aplica-se a todos os docentes que se encontrem integrados na carreira. 2 - A avaliação

Leia mais

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro

Portaria nº 1102/97. DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro 1 Portaria nº 1102/97 DR. Nº 254 I-B de 3 de Novembro As cooperativas e associações de ensino especial sem fins lucrativos corporizam uma importante experiência educativa e podem constituir um recurso

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO PROGRAMA NACIONAL de PROMOÇÃO da SAÚDE ORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 Grupo Regional da Saúde Oral Lisboa Julho 2008 Grupo Regional da Saúde

Leia mais

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 11/10 - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna pública que, por deliberação deste órgão autárquico na

Leia mais

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação

Sistema de Qualificação das Respostas Sociais. Processo de Certificação Sistema de Qualificação das Respostas Sociais Processo de Certificação Sistema de Qualificação - Enquadramento O Sistema de Qualificação das Respostas Sociais é baseado num conjunto de regras, requisitos

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte VI.1: Equipamentos Sociais e Respostas da Acção por Freguesia Parte 6.1 Equipamentos sociais e respostas da acção por freguesia Acção Social A acção social é um

Leia mais