Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9"

Transcrição

1 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL ÍNDICE Introdução 2 Metodologia 3 Eixos temáticos 4-5 Problemáticas por eixo de intervenção 6 Objetivos e estratégias por eixos 7-8 Conclusão 9 1

2 INTRODUÇÃO O plano de desenvolvimento social é um instrumento de definição conjunta e negociada de objetivos prioritários para a promoção do desenvolvimento social. Tem por finalidade erradicar ou pelo menos atenuar as problemáticas do território, mas também trabalhar a prevenção, no sentido de contribuir para processos de mudança com vista à melhoria da qualidade de vida da população. Esse foi o objetivo prioritário deste trabalho, mas também a potencialização do trabalho em rede, envolvendo as diferentes instituições parceiras do CLAS, bem como outros interlocutores privilegiados. Este documento bebe do retrato social elencado no diagnóstico social e procura traçar estratégias de trabalho. Deve orientar as respostas, enquadrar intervenções e promover o desenvolvimento social local, planear os objetivos, mas também dar nota da forma de os alcançar. Em suma, deve elencar as transformações mais prementes, identificar o papel dos parceiros na implementação das medidas e introduzir métodos de medição da intervenção. Por último, deve também cruzar com outros planos e promover localmente medidas/ estratégias definidas por organismos locais e supra locais. Procurou-se assim, articular este documento com as estratégias assumidas para o território, nomeadamente os compromissos em termos dos planos Europa 2020 e EDV Á semelhança destes planos estratégicos, também o plano de desenvolvimento social incidirá nos mesmos eixos de intervenção. Pretende-se que este documento se estenda até 2020, indo assim ao encontro de planos de desenvolvimento definidos para o mesmo período temporal (2020), podendo o seu conteúdo ser alvo de redefinição se os parceiros do CLAS assim o entenderem. 2

3 METODOLOGIA O plano de desenvolvimento social define as estratégias de intervenção social. Operacionaliza a definição conjunta e concertada de objetivos e estratégias prioritárias que promovam o desenvolvimento social local. Após aprovação do diagnóstico definem-se agora, com base nas problemáticas identificadas, 3 eixos de intervenção prioritários, definidos de acordo com as orientações dos documentos estratégicos. Planeia-se assim, contribuir para a concretização local e concertada de objetivos assumidos como estratégicos. O sucesso deste documento, à semelhança do programa rede social só será possível com o envolvimento e partilha de recursos dos diferentes parceiros, na identificação das área de intervenção prioritária, mas também na concretização de projetos socialmente inovadores e potenciadores do desenvolvimento social do território. 3

4 Eixos Temáticos ESTRATÉGIA EUROPA 2020 EDV 2020 PDS AROUCA Eixos temáticos Objetivos Eixos temáticos Objetivos Eixos temáticos Desenvolver uma Promover a Crescimento economia baseada no Crescimento especialização industrial Crescimento Inteligente conhecimento e na Inteligente e inteligente do território Inteligente inovação Promover uma economia Apostar na viabilidade do Crescimento mais eficiente em termos Crescimento território e na qualidade Crescimento Sustentável de utilização de recursos, Sustentável de vida das pessoas Sustentável mais ecológica e mais competitiva Fomentar uma economia Promover o Crescimento com níveis elevados de Crescimento desenvolvimento Crescimento Inclusivo emprego que assegura a Inclusivo equilibrado do Inclusivo coesão social e territorial subterritório sobretudo ao nível da inclusão social e do combate à Objetivos Apostar na promoção do empreendedorismo potenciando a utilização e valorização de recursos naturais endógenos. Potenciar o desenvolvimento do território e a qualidade de vida das pessoas. Contribuir para um concelho socialmente coeso, com respostas sociais adequadas e inovadoras que favoreçam a qualidade de vida das populações mais vulneráveis e o 4

5 pobreza desenvolvimento social do território. 5

6 PROBLEMÁTICAS POR EIXO DE INTERVENÇÃO Problemáticas Eixos Emprego formação e empreendedorismo Crescimento Inteligente Apostar na promoção do empreendedorismo potenciando a Desenvolvimento local utilização e valorização de recursos naturais endógenos Apoio social Rede Social Dependências População Sénior Doença mental Dinâmicas sócio- familiares Habitação Juventude Violência domestica Crescimento Sustentável Crescimento Inclusivo Potenciar o desenvolvimento do território e a qualidade de vida das pessoas Contribuir para um concelho socialmente coeso, com respostas sociais adequadas e inovadoras que favoreçam a qualidade de vida das populações mais vulneráveis e o desenvolvimento social do território. 6

7 EIXOS OBJETIVOS E ESTRATÉGIAS EIXO OBJETIVO(s) GERAL OBJETIVO(s) ESPECIFICO ESTRATÉGIAS Apostar na promoção do Contribuir para o aumento dos Reforçar a sensibilização à população, no empreendedorismo potenciando a níveis de empreendedorismo no âmbito do empreendedorismo. Crescimento utilização e valorização de recursos território. Envolver desempregados na resolução do Inteligente naturais e endógenos Reconhecer o empreendedorismo seu problema do desemprego. como solução potencial para Proporcionar ferramentas e apoio técnico colmatar a baixa empregabilidade personalizado. local. Apostar na valorização dos recursos naturais. Potenciar o desenvolvimento do Identificar áreas fulcrais na Trabalhar com as forças vivas locais, território e a qualidade de vida das promoção da qualidade de vida das nomeadamente autarquia, medidas com Crescimento pessoas. pessoas e sensibilizar para a sua implicação na qualidade de vida da Sustentável implementação. população. Implementar mecanismos de atr do território que potenciem a qualidade de vida das pessoas. 7

8 Contribuir para um concelho Trabalhar as parcerias com o intuito Envolver incessantemente diferentes socialmente coeso, com respostas de incentivar a coesão social parceiros na promoção do Crescimento sociais adequadas e inovadoras que desenvolvimento social local. Inclusivo favoreçam a qualidade de vida das Promover projetos coesos para Estimular o trabalho em rede e de populações mais vulneráveis e o atenuação da vulnerabilidade social. resposta às problemáticas socialmente desenvolvimento social do território. diagnosticados. 8

9 CONCLUSÃO De acordo com as problemáticas consideradas prioritárias no concelho foi concebido o presente plano, cujos objetivos estratégicos comungam de documentos estratégicos para o país e território. A concretização destes objetivos exige uma intervenção social concertada e articulada. O plano de desenvolvimento social é um desafio. Deve ser amplamente participado, a sua operacionalização requer a participação de diversos intervenientes, com uma participação ativa e efetiva ajustável à constante mutação social. 9

10 PLANO DE AÇÃO ÍNDICE Introdução 11 Metodologia 12 Proposta s Conclusão 51 Avaliação 52 10

11 INTRODUÇÃO O Plano de ação que se apresenta, terá um período de vigência 2014/2016. Este planeamento tem subjacente o trabalho em rede e contribui para a operacionalização do PDS- plano de desenvolvimento social, procurando elencar respostas para os eixos e problemáticas priorizadas. Este documento insere-se no processo de planeamento estratégico da intervenção social e é da responsabilidade do CLAS. Tem por objetivo servir de enquadramento a toda a intervenção social, procurando articular iniciativas de diferentes agentes e conciliar diferentes estratégias definidas para o território. Espelha projetos, ações e intervenções a implementar para uma resposta adequada e articulada aos problemas anteriormente diagnosticados. É o instrumento operativo do CLAS e pretende ser imprescindível no processo de melhoria de qualidade de vida da população, contribuindo para o desenvolvimento social equitativo. Para operacionalização destas estratégias de intervenção realizaram-se reuniões organizadas por grupos de trabalho, onde participaram parceiros formais e informais estratégicos. Seguindo-se todo um trabalho de planeamento realizado pelo Núcleo Executivo. De salientar, que a execução e êxito deste plano depende do envolvimento das diferentes entidades. 11

12 METODOLOGIA A metodologia debruçou-se essencialmente na discussão ativa e participada dos diferentes parceiros da rede e outros interlocutores privilegiados. Conjuntamente definiram-se objetivos e estratégias prioritárias para o desenvolvimento social local. Assim, após aprovação do Diagnóstico Social definiram-se 3 eixos de intervenção prioritários: Eixo I: crescimento inteligente Eixo II: crescimento sustentável Eixo III: crescimento inclusivo Com base nos 3 eixos, definidos em sede de Plano de desenvolvimento social, elaborou-se o plano de ação, para os três primeiros anos de vigência do PDS, sendo que o primeiro ano refere-se essencialmente a todo um trabalho de diagnóstico do território e de planeamento estratégico. Este plano de ação é acompanhado em termos de execução, monitorizado e avaliado com vista à reformulação, se necessário, tendo em vista a adaptação das ações propostas às reais necessidades da população alvo. 12

13 PROPOSTA DE ATIVIDADES EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Até Dezembro de 2015, realizar 3 sessões no âmbito do programa de empreendedorismo e empregabilidade com o intuito de estimular as capacidades empreendedoras, iniciativa e cri. Programa de empreendedorismo e empregabilidade ADRIMAG Aroucainclui e CMA Via Verde Social- GIP AECA Descrição Atividade da Promover o conjunto de sessões inerente ao programa referido. Promover sessão motivacional nos agrupamentos de escolas Promover sessão motivacional via rádio Promover sessão de informação Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Desempregados n.º participantes Ficha de inscrição Registo fotográfico Alunos 1 sessão p/ Registo da sessão Cartaz da sessão/ Ano letivo Ano letivo agrupamento programa 2014/ /2015 Registo fotográfico População em geral 4 sessões (1/ Registo publicitário Registo publicitário semestre) Empresários Realização da sessão Realização da Cartaz

14 direccionada aos empresários no âmbito do emprego e investimento. Promover sessão de sensibilização Atliê de ideias para promoção das potencialidades locais Desempregados Comunidade geral em numa empresa sessão Programa Registo fotográfico Realização de uma Realização da Cartaz sessão por ano civil. sessão Programa Registo fotográfico

15 EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Até Dez 2016, acompanhar 20 candidatos no âmbito da metodologia CRER, estimulando a criação de empresas no espaço rural Designação da acção Projeto CRER ADRIMAG Aroucainclui CMA - GIP Descrição da Apoiar candidatos que pretendem criar a própria empresa através da metodologia CRER Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Candidatos à Acompanhar no n.º candidatos Ficha de inscrição criação do pp mínimo 10 candidatos acompanhados negócio por ano 15

16 EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Ate dez de 2016 visitar 60 empresas arouquenses e distribuir informação atualizada sobre apoios à contratação e outras informações pertinentes. Programa auscultação do tecido empresarial CMA - GIP AECA Descrição da Visitas de auscultação ao tecido empresarial e entrega de documentação Apoio nas candidaturas das empresas interessadas Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Empresas 60 empresas visitadas arouquenses (30 visitas / ano) Empresas Apoiar a candidatura Arouquenses de pelo menos 1 empresa n.º empresas Fotos das visitas visitadas Candidaturas Registo da apresentadas candidatura 16

17 EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Até Dezembro de 2016 realizar 2 sessões de sensibilização à responsabilidade social das empresas, bem como 2 encontros de distinção de empresas socialmente responsáveis. Empresas socialmente responsáveis CMA AECA Descrição da Ação de sensibilização à responsabilidade social das empresas locais Encontro de reconhecimento de empresas socialmente responsáveis Destinatários Resultado esperado Empresas arouquenses Envolvimento de 3+3 empresas em ações socialmente responsáveis Empresas arouquenses 2 galas 3 empresas distinguidas p/ gala Indicador Fonte de verificação Data de Data de fim início n. de circulares Circular informativa enviadas Relatório social n.º de causas sociais apoiadas Ação desenvolvida Fotos do evento n.º empresas Inscrições distinguidas Empresas distinguidas 17

18 EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Até Junho de 2015, potenciar uma ferramenta digital que facilite o acesso da população à informação na área do emprego, formação e empreendedorismo Portal de emprego e formação Arouca Inclui CMA- GIP Descrição da Criar ferramenta digital e assegurar a sua manutenção Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Pop em geral 1 ferramenta digital Ferramenta criada Print screen da ferramenta criada Data de Data de fim início

19 EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Até Dezembro de 2015 articular com a Rede local para a qualificação entre Douro e Vouga a elaboração de um documento a enviar à ANQEP, dando nota do desajustamento da oferta formativa aprovada para o território Formação profissional Adrimag rede social Rede local para a qualificação entre Douro e Vouga Descrição da Elaboração de um documento a enviar à ANQEP dando nota do desajustamento da oferta formativa Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Entidades Elaboração de Documento Documento final formadoras documento (ofício) Data de Data de fim início

20 EIXO 1 : Crescimento inteligente Emprego formação e empreendedorismo Até Dezembro de 2016, implementar localmente as ações previstas em termos de agenda de empregabilidade do EDV 2020, desde que adequadas às necessidades do território. Agenda para a empregabilidade Rede Social CMA- GIP Descrição da Implementar ações da agenda para a empregabilidade do EDV, que se adeqúem à realidade. Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Pop em geral Implementação de Ações n.º ações ações previstas para o implementadas implementadas EDV n.º utentes envolvidos Data de Data de fim início

21 EIXO 2 : Crescimento Sustentável Desenvolvimento local Até Junho de 2015, enviar ao executivo municipal e outros agentes um memorando de problemáticas diagnosticadas no âmbito do diagnóstico social e cuja resolução depende de estratégias de desenvolvimento local. Memorando de recomendações Rede Social Descrição da Elaboração e envio de memorando de problemáticas sociais acompanhado de possíveis sugestões de resolução Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Autarquia local e Elaboração e envio do Memorando Cópia do outros agentes memorando memorando políticos Data de Data de fim início

22 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Dependências Até Dezembro de 2016 assegurar a continuidade ao projeto (Re) Agir, potenciado com resposta no âmbito das substâncias ilícitas. Projeto (RE)AGIR ADRIMAG AroucaInclui CMA Via Verde Social, Agrupamentos de escolas Descrição da Consulta motivacional Estreitar procedimentos com ET Continuidade dos grupos terapêuticos Acompanhamento à família Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Doentes c/ PLA Consulta motivacional Consultas Nº consultas Consumidores de realizadas substâncias ilícitas N.º utents Definição de um Protocolo de Cópia do protocolo circuito de aceleração colaboração de procedimentos Doentes c/ PLA Continuidade do grupo Reuniões do grupo n.º reuniõs terapêutico participantes n.º participantes Familiares dos Acompanhamento dos Famílias n.º famílias doentes familiares dos utentes acompanhadas acompanhadas 22

23 acompanhados Visitas familiares n.º visitas domiciliárias Criação de oficinas Doentes em fase Criação de pelo menos Oficina Programa de ocupacionais (pós pós- tratamento uma oficina s tratamento) ocupacional Nº participantes Apelo à Empresas Nas ações de Apoio recebido das n.º situações responsabilidade arouquenses sensibilização à empresas apoiadas social das empresas responsabilidade relatório com social apelar para a descrição do apoio temática 23

24 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo População Sénior Até Dezembro de 2016 operacionalizar 50% das ações previstas em plano gerontológico, com vista à melhoria da qualidade de vida da população sénior. Plano gerontológico CMA Entidades previstas em sede de plano gerontológico Descrição da Operacionalizar metade das ações previstas em plano gerontológico Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação População sénior Implementar 50% das n.º ações n.º ações ações previstas em implementadas concretizadas plano gerontológico n.º séniores abrangidos Data de Data de fim início

25 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo População Sénior Até Dez 2015 articular intervenção social junto dos idosos sinalizados pela GNR, no âmbito do programa idosos em segurança Idosos em segurança parte II Rede Social (Centro Distrital Aveiro ISS IP) CMA e restantes entidades c/ intervenção social Descrição da actividade Articular a intervenção social com idosos sinalizados pela GNR no âmbito do programa dos idosos em segurança Destinatários Resultado esperado Idosos Análise da sinalizados situação social pelo dos idosos levantamento sinalizados da GNR Indicador n.º idosos acompanhados Fonte de verificação Relatório social. Data de início Data de fim

26 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Designação da acção População Sénior Até Dez de 2016 enriquecer o plano gerontológico com as ações previstas em termos de EDV serviços de proximidade para a população idosa. Serviços de proximidade para a população idosa Rede Social Núcleo Executivo CMA Descrição da Projeto de voluntariado de proximidade (Núcleos Locais de Proximidade); Serviço Teleassistência e Serviço de Reparações Domésticas; Serviço de Apoio Domiciliário Noturno Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação População sénior Implementação de 50% das respostas Respostas implementadas n.º respostas implementadas n.º idosos abrangidos Data de início Data de fim

27 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Doença mental Até Dez de 2016 articular com entidade local a implementação de um fórum sócio- ocupacional Fórum Sócio- ocupacional Rede Social (ACES Feira Arouca) Rede Social Descrição da Apoiar entidade local na candidatura a fórum sócio ocupacional Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Utentes com patologia no âmbito da doença mental Criação da resposta e integração de 15 utentes Acordo atípico Contrato celebrado Ficha de integração dos utentes Data de início Data de fim

28 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Doença mental Até Dez de 2016 dar continuidade aos grupos psico- terapêuticos direcionados a mulheres em situação de doença depressiva. Projeto de combate às doenças depressivas e ansiosas Rede Social (ACES Feira Arouca) AICIA Santa Casa da Misericórdia CPPSR S Mafalda Descrição da Realização de grupos psico- terapêuticos, de 10 sessões/ 1 reunião semanal direcionada a mulheres com doença depressiva. Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Mulheres sinalizadas com doença depressiva Realização de 4 grupos terapêuticos (1/ semestre) Realização da N.º participantes Ficha de presenças Registo da Data de início Data de fim

29 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Dinâmicas Sócio- familiares Potenciar a responsábilidade parental - reforçar a parentalidade positiva Grupo de pais programa de apoio à parentalidade Rede Social (ACES Feira Arouca) Ass. pais, CPCJ de Arouca Descrição da Criar ou disseminar um programa de intervenção parental ajustado à realidade local Articular com entidades locais facilitadoras da implementação da ação Implementar um programa de Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Pais e educadores Entidades locais Pais e educadores Criação de um programa de intervenção parental Envolver s locais Operacionalização do programa Programa de intervenção parental Registo da sessão Conteúdos sessão Parceiros envolvidos n.º promovidas da acções Conteúdo do programa Registo da sessão Registo fotográfico Listagem conteúdos Divulgação sessão de da Data de início Data de fim

30 intervenção parental n.º pais Ficha de presenças com base na participantes Registo fotográfico parentalidade positiva 30

31 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Dinâmicas Sócio- familiares Potenciar os conhecimentos adequados para o desempenho de uma parentalidade segura Programa Nacional de Saúde Reprodutiva UCC Arouca do ACES Feira/Arouca Unidade Funcionais do ACES Feira/Arouca Descrição da Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Data de início Data de fim Desenvolver o projeto Gravidez Cuidada, Parto Tranquilo Desenvolver o Grávidas/casal a partir das 26 semanas de gravidez Puérperas Conseguir que 70% das grávidas/casais frequentem o curso Conseguir que 40% Percentagem de grávidas/casais que frequentam o Curso de Preparação para a Parentalidade Percentagem de Relatório de avaliação do projeto Relatório de projeto Mãe em residentes no das puérperas puérperas que avaliação do Forma Concelho de Arouca participem no curso de frequentam a RPP projeto RPP Desenvolver o Pais e bebés do 1º Conseguir que 40% Percentagem de Relatório de projeto Bebé Zen ao 6º mês de vida bebés participem em 3 bebés que avaliação do sessões da massagem frequentaram 3 projeto para bebés sessões da 31

32 massagem 32

33 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Dinâmicas Sócio- familiares Fornecer informação e estratégias especializadas aos cuidadores informais de utentes com dependência, temporária e/ou prolongada, nos autocuidados, portadores de patologias neurodegenerativas, cardiorespiratórias e/ou patologias articulares. Projeto + Cuidar UCC Arouca do ACES Feira/Arouca Unidade Funcionais do ACES Feira/Arouca; Rede Social Descrição da Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Data de início Data de fim Desenvolver projeto Cuidar o Mais Cuidadores informais de utentes, inscritos na UCSP de Arouca, Rossas, Chave, Alvarenga e USF de Escariz. Conseguir a adesão de 40% dos cuidadores identificados pela UCC e referenciados pelas equipas de Saúde Familiar Percentagem de cuidadores que forma alvo de intervenção no âmbito do Projeto Relatório de avaliação do projeto

34 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Apoio social Até dez 2016 agilizar procedimento de apoio económico em situações de emergência Concessão de prestações de natureza social situação emergente CMA Rede Social Descrição da Criar um mecanismo que permita agilizar o apoio a situações de emergência Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Utentes em sit de carência Apoio económico imediato N.º dias entre o pedido e atribuição de apoio Data de início Data de fim Relatório social

35 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Apoio social Até Dez de 2016, apoiar a cruz vermelha- delegação concelhia na organização de 4 ações de angariação de fundos, com o intuito de aumentar a capacidade de resposta do banco de ajudas técnicas. Capacitação do banco de ajudas técnicas Cruz Vermelha- delegação concelhia de Arouca Parceiros Rede social Descrição da Colaborar com a delegação da Cruz vermelha em campanhas de angariação de fundos Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Delegação concelhia Cruz vermelha Organização de 4 eventos de angariação de fundos Evento Cartaz de divulgação Registo fotográfico Data de início Data de fim

36 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Apoio social Até 2016 articular com IPSS s concelhias que pretendam criar a resposta apartamento de autonomização. Apartamento de autonomização NE Parceiros Rede Social Descrição da Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Data de início Data de fim Articular com IPSS s IPSS s com resposta Criação da resposta Protocolo de Protocolo de concelhias, com LIJ cooperação cooperação resposta LIJ, a resposta apartamento de autonomização 36

37 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Habitação Até 2016 operacionalizar um mecanismo de apoio à melhoria das condições habitacionais dos arouquenses carenciados ou em situação vulnerável. Serviço de reparações ao domicílio CMA Juntas de freguesia e empresas socialmente responsáveis Descrição da Assegurar pequenos serviços de reparação habitacional em agregados carenciados ou em situação vulnerável Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação População carenciada ou socialmente referenciada Operacionalização da resposta Arranjos efetuados Registo fotográfico Documento administrativo Data de início Data de fim

38 Implementar as ações previstas no programa de promoção Agregados com problemas habitacionais Implementação de ações que se adeqúem á realidade do território Ações implementadas Agregados apoiados n.º ações implementadas n. agregados apoiados habitacional, previsto no âmbito do EDV

39 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Juventude Até 2016, trabalhar com os jovens competências ao nível da formação cívica e cidadania. Juventude em movimento Agrupamentos de escolas de Arouca e Escariz Parceiros rede social Descrição da Enriquecimento do currículo - Criação da disciplina de Educação para a Cidadania (AE Escariz) e Formação Pessoal e Social (AE Arouca) na Oferta Complementar Formação de Jovens Líderes (AE Arouca) Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Alunos do 1º, 2º e 3º ciclos do ensino básico em contexto de sala de aula Jovens do 5º ao 12ºano em contexto de formação extracurricular Aumento da participação dos alunos na vida da turma, da escola e da comunidade Melhoria do comportamento e das atitudes manifestadas Aumento das competências necessárias ao exercício da cidadania Jovens abrangidos Ações desenvolvidas Fichas de registo de avaliação Registos de ocorrência Registo de ações organizadas no âmbito da solidariedade e da cidadania N.º de alunos a integrar os Quadros de Mérito Registo fotográfico Data de início Data de fim

40 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Juventude Até 2016, proporcionar aos jovens s lúdicas adequadas, inseridos em pelo menos 3 eventos municipais Juventude Ativa CMA CPCJ Agrupamentos de escolas Parceiros rede Social Descrição da Realizar junto dos jovens, em contexto escolar, levantamento de áreas/ s de interesse Articular com Municipio ações lúdicas direcionadas a jovens Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Jovens Jovens Aplicar questionário em amostra representativa aleatória da população jovem em contexto escolar, apartir do 9º ano Inclusão de ações para jovens, inserido em 3 eventos municipais Questionários Ações desenvolvidas n.º questionários recebidos proposta final Cartaz divulgação de Registo fotográfico Data de início Data de fim

41 Articular com Jovens Acordo de colaboração Partilha de n.º comunicações agrupamento de entre os informação enviadas escolas mecanismo agrupamentos e de facilitação de gabinete de circulação da comunicação da informação Câmara 41

42 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Violência doméstica Até Dezembro de 2015 capacitar, pelo menos, 6 técnicos, com intervenção social, para trabalho com vítimas de violência doméstica Capacitar para o apoio à vítima Rede Social - Núcleo executivo CIG- APAV- conselheiros municipais para a igualdade e outras Descrição da Solicitar à CIG apoio na implementação da resposta Capacitar técnicos no atendimento a vítimas de violência doméstica: Agilizar um procedimento a nível concelhio facilitador da Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Técnicos da intervenção social Técnicos da intervenção social Técnicos intervenção social da Plano de intervenção Reunião e proposta criada Capacitar pelo menos 6 técnicos com intervenção social Implementação procedimento de Nº. participantes Procedimento criado Ficha presenças reunião Proposta de s Ficha de inscrição Registo fotográfico Acordo cooperação de Data de início Data de fim

43 intervenção 43

44 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Violência doméstica Até Dez de 2016 preparar duas sessões de informação dirigidas à população em geral e principalmente a interlocutores locais privilegiados Workshop bem me quer mal me quer Rede Social _ Núcleo Executivo CIG- APAV- conselheiros municipais para a igualdade e outras Descrição da Ação de sensibilização sobre prevenção da violência doméstica Campanhas de sensibilização na comunicação social local Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação População em geral Realização de 2 Interlocutores locais sessões de informação privilegiados População em geral Promover 4 campanhas (2 via rádio e 2 via jornal) Sessões realizadas Cartaz Registo fotográfico Programa Campanha Cópia da realizada informação Data de Data de fim início

45 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Rede social Até 2016 envolver 50% dos parceiros em fóruns de reflexão sobre assuntos referenciados pelos parceiros, na área social, com o intuito de capacitar o trabalho em rede. Coaching Social Rede social Entidades pertinentes na área Descrição da Auscultação dos parceiros sobre assuntos pertinentes Realização de fóruns de reflexão sobre temáticas elencadas pelos parceiros Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Parceiros rede Definir áreas de Programa de Programa da social reflexão e intervenção sessão intervenientes Parceiros rede Participação de 30% n.º participantes Ficha presenças social dos parceiros da rede social 45

46 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Rede social Até 2016, avaliar a existência de uma plataforma digital que potencie o trabalho em rede e a partilha de informação entre os parceiros Plataforma colaborativa Rede social Entidades pertinentes na área Descrição da Possibilitar a partilha de uma boa prática para avaliação inicial Criação de uma plataforma colaborativa para partilha de informação Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Parceiros rede Conhecimento de boa Boa prática Documento com social prática partilhada análise e sugestões Parceiros rede Criação da plataforma Plataforma Print screen social 46

47 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Rede social Até Dez de 2016, promover pelo menos 2 ações de formação com o intuito de capacitar dirigentes e colaboradores do 3º setor Formação e qualificação para o 3º setor Rede social Entidades pertinentes na área Descrição da ação Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Levantamento das Dirigentes e Criar um documento Plano de formação Fichas de registo da necessidades de formação Ações de (in) formação dirigida a técnicos e colaboradores do 3º setor colaboradores do 3º com propostas de formação setor formação para 3º Plano da formação setor Dirigentes e Realização de duas Ações de formação Programa das colaboradores do 3º ações de formação setor ações de formação Ficha de presenças Data de Data de fim início

48 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Rede social Até 2016 dar continuidade a ações que potenciem o reforço do trabalho em rede Rede Social ativa: espetáculo social, estaleiro social, descentralização da reunião de CLAS, plataforma supraconcelhia do EDV, grupo de trabalho das redes sociais do EDV; Rede social Entidades pertinentes na área Descrição da Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de Data de Data de fim verificação início Espetáculo Social IPss s parceiras da Realização de um Espetáculo social Registo fotográfico rede social evento p/ ano civil do evento Estaleiro social População em geral Apoio de 10 famílias p/ Famílias apoiadas Relatório social ano civil, com bens do estaleiro social Descentralização da Parceiros Rede reunião de CLAS Social Plataforma Redes Sociais do supraconclhia do EDV EDV Descentralização das Reuniões realizadas Ficha de presenças redes sociais pelos parceiros Participação em 80% Reuniões da Ficha de presenças das reuniões da plataforma Ata da reunião plataforma 48

49 supraconcelhia Grupo de trabalho Redes Sociais do Participação em 80% Reuniões de redes Ficha de presenças das redes sociais do EDV das reuniões de sociais do EDV EDV trabalho 49

50 EIXO 3 : Crescimento Inclusivo Rede social Até Dez de 2016 envolver parceiros nos documentos de planeamento da rede social Articular para desenvolver Rede Social Entidades pertinentes na área Descrição da Actualizar documentos de planeamento, avaliar e monitorizar intervenções Disponibilizar documentos on- line Destinatários Resultado esperado Indicador Fonte de verificação Parceiros rede social Actualizar plano acção. Relatório de avaliação e monitorização do PA Plano acção Avaliação Publico em geral Documentos on-line Documentos acessíveis on-line Cópia PA Relatório de avaliação e monitorização Print screen dos documentos Data de início Data de fim

51 CONCLUSÃO O plano de ação aqui proposto tem por objetivo potenciar respostas a problemáticas que se incluíram em eixos estratégicos, retirados de planos estratégicos para o território: - crescimento inteligente; - crescimento sustentável; - crescimento inclusivo O objetivo é procurar estruturar uma resposta para as disfuncionalidades enumeradas pelos parceiros. Algumas dessas respostas passam pela fortificação de respostas já disponíveis no terreno. Surgem também outras propostas com o intuito de dar resposta às problemáticas verificadas no diagnóstico social, planeadas em plano de desenvolvimento social e operacionalizadas em plano de acção. Com o intuito de planear devidamente cada uma das ações definiu-se um conjunto de critérios com vista à melhor operacionalização de cada ação e também criar mecanismos de medição da eficiência e eficácia de cada uma. O objetivo último é criar condições para atenuar as vulnerabilidades sociais e promover o desenvolvimento social local. 51

52 AVALIAÇÃO A avaliação é um aspeto basilar na definição das políticas de ação social. A medição do impacto das medidas implementadas é fulcral no processo de desenvolvimento social local. Serão assim criados instrumentos que permitam avaliar o plano com a regularidade necessária a eventuais ajustes ou correções. A avaliação, será anual e incidirá sobre:. avaliação do documento;. avaliação da execução das ações;. avaliação do impacto. 52

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018

Casa do Povo de Vilarandelo. Plano de Ação 2015-2018 Plano de Ação 2015-2018 Eixo de Intervenção 1 Emprego, Formação e Qualificação a) Estabelecimento da Parceria com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, I.P., com o objetivo de facilitar os processos

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013-2015 APROVADO EM SESSÃO PLENÁRIA DO CLAS 21 DE MAIO DE 2013 1 NOTA INTRODUTÓRIA O Diagnóstico Social constituiu a base de trabalho da ação dos Parceiros Locais.

Leia mais

Índice. rede social pds e pa

Índice. rede social pds e pa Índice Introdução 2 Eios de intervenção 3 Metodologia 4 Articulação com outros planos 5 Linhas orientadoras 9 Eios intervenção 11 Conclusão PDS 22 Plano de acção 23 Planificação actividades 24 Conclusão

Leia mais

Projecto co-financiado pelo FSE

Projecto co-financiado pelo FSE CLAS DE MONDIM DE BASTO PLANO DE ACÇÃO 2012 REDE SOCIAL DE MONDIM DE BASTO Projecto co-financiado pelo FSE ÍNDICE ÍNDICE DE TABELAS... 3 CAPÍTULO I... 4 INTRODUÇÃO... 4 CAPÍTULO II... 6 PLANO DE ACÇÃO

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017

PLANO DE AÇÃO. Aprovar o Diagnóstico Social e o Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 PLANO DE AÇÃO O presente plano de ação engloba um conjunto de ações consideradas relevantes para a execução do Plano de Desenvolvimento Social 2015-2017 (PDS) e para o funcionamento da Rede Social de Aveiro,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013/2014

PLANO DE AÇÃO 2013/2014 Plano de Ação 2013/ PLANO DE AÇÃO 2013/ 1 Plano de Ação 2013/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal

Regulamento Interno. Conselho Local de Ação Social da. Rede Social do Seixal Regulamento Interno do Conselho Local de Ação Social da Rede Social do Seixal PREÂMBULO A Rede Social, criada pela Resolução do Conselho de Ministros (RCM) n.º 197/97, de 18 de novembro e, posteriormente,

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO

Plano de Desenvolvimento Social de Barrancos 2007 2009 INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento surge no âmbito do Programa Rede Social, que tem como principal objectivo a articulação e congregação de esforços das entidades públicas e das entidades privadas sem fins

Leia mais

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social

Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de Lisboa Sector da Rede Social REDE SOCIAL A Rede Social pretende constituir um novo tipo de parceria entre entidades públicas e privadas

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR

REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DE GONDOMAR Aprovado em Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar de 16 de março de 2015, em Reunião de Câmara de 01

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

Relatório de Avaliação

Relatório de Avaliação PDS Plano de Acção 2005 Relatório de Avaliação Rede Social CLAS de Vieira do Minho Introdução Este documento pretende constituir-se como um momento de avaliação e análise do trabalho que tem vindo a ser

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08

PROJETO EDUCATIVO. Revisão: 02. Data: 26/01/2015. Pág.: 1/ 08 PROJETO EDUCATIVO Revisão: 02 Data: 26/01/2015 Pág.: 1/ 08 Uma Escola com Identidade FINALIDADES E PRINCIPIOS GERAIS O projeto educativo de uma Escola Profissional mais do que um referencial de ação, nos

Leia mais

Gabinete de Apoio à Família

Gabinete de Apoio à Família Gabinete de Apoio à Família 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do Tojal, no concelho de Loures, é caracterizada por uma complexidade de problemas inerentes ao funcionamento da família.

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento

Agrupamento de Escolas da Trofa. Plano de Melhoria e Desenvolvimento Agrupamento de Escolas da Trofa Plano de Melhoria e Desenvolvimento Biénio 2015/2017 INTRODUÇÃO A autoavaliação e a avaliação externa são procedimentos obrigatórios e enquadrados na Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO -

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DE OURÉM - CLASO - CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que obedece a constituição,

Leia mais

Rede Social PLANO DE AÇÃO

Rede Social PLANO DE AÇÃO Rede Social PLANO DE AÇÃO 2011 R E D E SOCIAL DO CONCELHO DE VILA DO BISPO 1 Rede Social Rede Social do Concelho de Vila do PLANO DE ACÇÃO 2011 Ficha Técnica Entidade Promotora: Câmara Municipal de Vila

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo A Rede Social assenta numa estratégia participada de planeamento, que procura racionalizar e conferir maior eficácia, quer à intervenção dos agentes na aplicação das medidas,

Leia mais

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23

Pág. 19 Pág. 20 Pág. 21 Pág. 22-23 1 Indice Implementação do Cartão Social..... Pág. 3 Implementação da Oficina Doméstica.. Pág. 4 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida.. Pág. 5 Promover o Envelhecimento com Qualidade de Vida...

Leia mais

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8

ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 ÍNDICE ENQUADRAMENTO 2 CORPOS SOCIAIS TRIÉNIO 2007/2009 3 APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 4 ACTIVIDADES A DESENVOLVER 2007/2008 7 ESTATUTO DE IPSS 8 CASINHA DA ROUPA 9 OS RATINHOS DE REBOREDA 10 CRIAÇÃO DA COMISSÃO

Leia mais

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR

Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR Comissão Social de Freguesia de São Julião do Tojal Intervenção Psicossocial na Freguesia de São Julião do Tojal, especificamente no Bairro CAR 1- Enquadramento do Projecto A freguesia de São Julião do

Leia mais

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO

CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO CLUBE DE EMPREGO Área de intervenção - EMPREGO/FORMAÇÃO Projeto Objetivos Metas Indicadores Ações - Preencher as fichas de inscrição no site http://empregar.ire.gov.p; População Alvo Recursos Humanos Materiais

Leia mais

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO

CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAFAP Traços e Trajetos Serviço de Desenvolvimento para a Autonomia REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Disposições gerais) A Associação para o Planeamento da Família (APF) - Instituição

Leia mais

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014

Rede Social no Concelho de Azambuja Plano de Ação 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 PLANO DE ACÇÃO 2014 1 EDUCAÇÃO ÁREA ATIVIDADES RESPONSAVEIS PARTICIPANTES/ INTERVENIENTES Calendarização Manter os projetos existentes nos Agrupamentos de Escolas (Fénix, tutorias, Aprender a Estudar,

Leia mais

1º Jornada Responsabilidade Social em Portugal. New Atlântica 16 de outubro de 2015

1º Jornada Responsabilidade Social em Portugal. New Atlântica 16 de outubro de 2015 1º Jornada Responsabilidade Social em Portugal New Atlântica 16 de outubro de 2015 AGENDA 1/2 OEIRAS SOLIDÁRIA O que é o POS Objetivos O que fazemos Estrutura Organizativa Potencialidades Tipologia de

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020

Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Plano de Desenvolvimento Social do Município de Gondomar 2015-2020 Reunião Plenária do Conselho Local de Ação Social de Gondomar 16 de março de 2015 Biblioteca Municipal de Gondomar Eixo 1 Capacitação,

Leia mais

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO

REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO REGULAMENTO DA LOJA SOCIAL DA FREGUESIA DE PARANHOS PREÂMBULO Com a emergência de cada vez mais processos de exclusão social e a persistência de fortes desigualdades sociais, pessoais e espaciais, subjacentes

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Página 2 de 29 Plano de Desenvolvimento Social de Ponte de Lima 2014-2017 Índice Índice de Siglas. 4 Nota Prévia... 5 Exposição e Explicação dos

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL

CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO 2014 ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL (MAIO ) REDE SOCIAL DE ALANDROAL CLAS /2015 Área de Intervenção: Equipamentos e Respostas Sociais e Serviços 1 Objetivo Geral Objetivos Específicos Ação População - Alvo

Leia mais

Plano de Ação do CLAS de Cascais

Plano de Ação do CLAS de Cascais Plano de Ação do CLAS de Cascais 2015 1 INTRODUÇÃO A natureza dos problemas sociais complexos (wicked problems), difíceis de definir com rigor e evidenciando interdependências e multicausalidades, desafia

Leia mais

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno

Conselho Local de Acção Social de Vila Verde. Regulamento Interno Conselho Local de Acção Social de Vila Verde Regulamento Interno Regulamento Interno do Concelho Local de Acção Social de Vila Verde Preâmbulo A Rede Social é uma medida activa de política social criada

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES 2013 PROGRAMA DEEDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE

PLANO DE ATIVIDADES 2013 PROGRAMA DEEDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE PLANO DE ATIVIDADES 2013 PROGRAMA DEEDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE INTRODUÇÃO Tendo como linha orientadora a estratégia definida pelo município de Esposende no que diz respeito à sensibilização e formação

Leia mais

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba

Entidades parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de Borba): Maria do Carmo Cavaco Agrupamento de Escolas do Concelho de Borba 2015 PLANO DE AÇÃO Elaborado no âmbito do Programa Rede Social Plano de Ação do Concelho de 2015 s parceiras (Núcleo Executivo do CLAS de ): António Anselmo - Sofia Alexandra Dias - Crispim Francisco Lopes

Leia mais

Plano de Ação MARÇO DE 2014

Plano de Ação MARÇO DE 2014 Plano de Ação 2014 MARÇO DE 2014 FICHA TÉCNICA Plano de Ação do Concelho de Águeda março de 2014 Equipa de elaboração: Núcleo Executivo do CLAS de Águeda Colaboraram neste documento os seguintes autores:

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010

Plano de Desenvolvimento Social (2010/2012) Plano de Acção 2010 1 1- INTRODUÇÃO Depois de serem analisados os problemas e de terem sido definidos prioridades tendo em conta os recursos disponíveis e a possibilidade de intervenção dos parceiros, definiram-se os. Eixos

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL AGUIAR DA BEIRA 2011 INDICE I-Enquadrammento----------------------------------------3 II-Metodologia--------------------------------------------4 III-Do Diagnóstico ao Plano------------------------------5

Leia mais

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO

CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO CONTRATO LOCAL DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL (CLDS) ESPINHO VIVO EIXO 1 EMPREGO, FORMAÇÃO, QUALIFICAÇÃO E EMPREENDEDORISMO 01 - BALCÃO DE EMPREGABILIDADE; O Balcão de Empregabilidade pretende apoiar os desempregados

Leia mais

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra

Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra Rede Social do Concelho de Pampilhosa da Serra O Plano de para o ano de 2006 constitui-se enquanto instrumento de trabalho tendo sido construído com base no Plano Desenvolvimento Social. Apresenta um conjunto

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL

PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL PLANO DE AÇÃO DA REDE SOCIAL 2014 Aprovado na reunião do Plenário de 11.06.2014 16 de janeiro Workshop e assinatura de protocolo com CIG Público-alvo: comunidade no geral Local: Edifício Paço dos Concelho

Leia mais

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Graça, Tânia. Experiência profissional. Apelido / Nome(s)

Curriculum Vitae. Informação pessoal. Graça, Tânia. Experiência profissional. Apelido / Nome(s) Curriculum Vitae Informação pessoal Apelido / Nome(s) Morada Rua Ricardo Durão,79 2090-137 Alpiarça Telemóvel 926944712 Correio electrónico taniagraca@gmail.com Nacionalidade Portuguesa de nascimento 26.08.1982

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

Estrutura da Apresentação

Estrutura da Apresentação Capacitar para Qualificação e Inovação das Redes Sociais do Minho-Lima (CQIRS-ML) Seminário Redes Sociais, Desenvolvimento e Coesão Social do Alto Minho: Diagnóstico, Perspetivas e Ações 2014-2020 19 de

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013

CLAS de Melgaço Plano de Desenvolvimento Social 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 1 PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL 2014-2016 MELGAÇO, JULHO/2013 2 ÍNDICE NOTA PRÉVIA Enquadramento e contextualização geográfica e temporal 3 Percurso dos documentos estratégicos 3 Metodologias utilizadas

Leia mais

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013

Regulamento Interno de Funcionamento Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 1 Criamos oportunidades de integração e participação das famílias Medalha de Prata de Mérito Municipal 2012/2013 2 Anexo F Normas de Funcionamento do Centro de Apoio Familiar e Aconselhamento Parental

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1. A) ENTIDADE PROMOTORA 1. Identificação Ano a que respeita a candidatura FORMULÁRIO DE CANDIDATURA 1 NORMAS DE APOIO ÀS INSTITUIÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DE SAÚDE DO CONCELHO DE FARO Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Faro Solicito que seja

Leia mais

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local

Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola. Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Plano Municipal de Melhoria e Eficácia da Escola Uma estratégia para O Projeto Educativo Local Famalicão Cidade Educadora Vila Nova de Famalicão, cidade educadora, aderente ao movimento das Cidades Educadoras,

Leia mais

PROJETO REF-AMP DOCUMENTO DE TRABALHO. Referencial Estratégico para a Ação Social na Área Metropolitana do Porto

PROJETO REF-AMP DOCUMENTO DE TRABALHO. Referencial Estratégico para a Ação Social na Área Metropolitana do Porto DOCUMENTO DE TRABALHO AMP - REUNIÃO COM GRUPO DE TRABALHO PARA A AÇÃO SOCIAL Porto 12 de Março, 2014 PROJETO REF-AMP Referencial Estratégico para a Ação Social na Área Metropolitana do Porto Rui Serôdio,

Leia mais

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira

REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira REGULAMENTO programa de apoio às pessoas colectivas de direito privado sem fins lucrativos do município de santa maria da feira PG 02 NOTA JUSTIFICATIVA O presente regulamento promove a qualificação das

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO

PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA AVALIAÇÃO PLANO DESENVOLVIMENTO SOCIAL MAFRA 2013 2015 AVALIAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Social constitui um documento estratégico concelhio em matéria social, e integra, a um nível local, os problemas prioritários

Leia mais

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede

Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede Eixo 1 - Organização e Trabalho em Rede E1_O1E1A1 E1_O2E1A1 E1_O2E2A1 E1_O3E1A1 E1_O3E1A2 E1_O3E1A3 E1_O3E1A4 Harmonizar os instrumentos de planeamento e avaliação, utilizados pelos diversos órgãos da

Leia mais

PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE

PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE PARA UMA ESCOLA PROMOTORA DA CIDADANIA E DA SAÚDE Apresentação da APF A Associação para o Planeamento da Família (APF) é uma IPSS com Finalidades de Saúde, criada em 1967 e que tem como missão Contribuir

Leia mais

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa

Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa Encontro Rede de Espaços Internet 3 e 4 de Novembro de 2006, FIL, Lisboa O papel do Entre Douro e Vouga Digital no combate à info-exclusão e no estímulo à participação cívica electrónica luis.ferreira@edvdigital.pt

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental.

Regulamento. 5. O Concurso 50/50, promovido pelo ACM, IP, lançado pela primeira vez em 2015, assume um carácter experimental. Regulamento PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1º Âmbito 1. O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe a dinamização de um concurso de ideias, denominado Concurso 50/50, destinado

Leia mais

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora

_FICHA TÉCNICA PLANO DE AÇÃO 2015. Título Plano de Ação 2015. Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora _FICHA TÉCNICA Título Plano de Ação 2015 Documento elaborado por Núcleo Executivo CLAS da Amadora Ana Moreno Coordenadora Ana Costa & Rute Gonçalves & Sónia Pires Técnicas de Apoio António Venâncio & Helena

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) Plano de Ação de Melhoria 2015l2017 ÍNDICE ÍNDICE: INTRODUÇÃO... 3 ÁREAS DE AÇÃO DE MELHORIA.... 4 PLANOS DE AÇÃO DE MELHORIA.. 5 CONCLUSÃO...

Leia mais

No caminho de uma maior inclusão social

No caminho de uma maior inclusão social SUSTENTABILIDADE NA GESTÃO DOS PRODUTOS DE APOIO NA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA No caminho de uma maior inclusão social Serviço de gestão de produtos de apoio Cristina Vaz de Almeida Licenciada

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA ESPECÍFICO PARA AS ONDAS DE CALOR

PLANO DE CONTINGÊNCIA ESPECÍFICO PARA AS ONDAS DE CALOR PLANO DE CONTINGÊNCIA ESPECÍFICO PARA AS ONDAS DE CALOR ACES AMADORA 2013 Documento de trabalho proposto e 30 Abril 2013 Revisto em 14/05/2013 por Autoridades de Saúde do ACES Amadora Aprovado em / / 2013

Leia mais

Local, Regional, Nacional. Faro Local Falta de interesse dos alunos paa estes temas. Falta de mo vação

Local, Regional, Nacional. Faro Local Falta de interesse dos alunos paa estes temas. Falta de mo vação Timestamp Tipo de Organização/ Entidade área de intervenção concelho abrangência 12-04-2012 16:46 Projeto Escolhas inclusão social 2. Interculturalidade/ Solidariedade Inter-Geracional OBSTÁCULOS/ DESAFIOS

Leia mais

Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015

Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015 Recomendações Encontro Nacional de Juventude 2015 O Conselho Nacional de Juventude (CNJ) organizou, de 30 de outubro a 1 de novembro de 2015, em Cascais, na Escola de Hotelaria e Turismo do Estoril, o

Leia mais

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015

Externato Marista de Lisboa Gabinete de Psicologia 2014/2015 1 PLANO DE INTERVENÇÃO DO GABINETE DE PSICOLOGIA ANO LETIVO Psicólogas do Externato Pré-Escolar Dra. Irene Lopes Cardoso 1º Ciclo - (1º e 2º anos) Dra. Irene Lopes Cardoso (3º e 4º anos) Dra. Manuela Pires

Leia mais

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo.

Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. 10. ACÇÃO SOCIAL Quadro de referência de serviços e equipamentos de proximidade Recorda-se aqui o quadro de referência das tipologias de serviços de acção social abrangidas por este estudo. Incidência

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO Resolução do Conselho do Governo n.º 157/2015 de 11 de Novembro de 2015 Considerando que na Região Autónoma dos Açores, à semelhança do País, regista-se um elevado número de jovens

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO MUNICÍPIO DO BARREIRO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE COMISSÃO PARA A CIDADANIA E A IGUALDADE DE GÉNERO E MUNICÍPIO DO BARREIRO 1 Entre: O Município do Barreiro pessoa coletiva de direito público com o nº 506673626 com sede no

Leia mais

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu

UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu UNIÃO EUROPEIA Fundo Social Europeu Rede Social de Aljezur Plano de Acção (2009) Equipa de Elaboração do Plano de Acção de 2009 / Parceiros do Núcleo Executivo do CLAS/Aljezur Ana Pinela Centro Distrital

Leia mais

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17

ÍNDICE página 2 página 3 página 7 página 13 página 15 página 17 CLAS de Boticas ÍNDICE Introdução página 2 Resumo do página 3 Eixo I Promoção da Qualidade de Vida de Grupos Vulneráveis página 7 Eixo II Qualificação e Empreendedorismo página 13 Eixo III Dinamização

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Conselho Local de Ação Social de Gondomar

Conselho Local de Ação Social de Gondomar Conselho Local de Ação Social de Gondomar PLANO DE AÇÃO 2015/2016 consubstanciado no plano de desenvolvimento social do município de Gondomar 2015-2020 Aprovado em reunião plenária do Conselho Local de

Leia mais

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana

Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Cascais Desenvolve Alcabideche e São Domingos de Rana Comissão Social de Freguesia de São Domingos de Rana Março 2015 (FEDER, Fundo de Coesão, FSE, FEADER e FEAMP) DESENVOLVIMENTO LOCAL DE BASE COMUNITÁRIA

Leia mais

Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a

Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a Potencial humano com prioridade para intervenções no âmbito do emprego privado e público, da educação e formação e da formação avançada, promovendo a mobilidade, a coesão social e a igualdade de género,

Leia mais

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC)

Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Eixo Prioritário I Competitividade, Inovação e Conhecimento Sistema de Apoio às Ações Coletivas (SIAC) Impulso Jovem Aviso de Abertura de Convite Público para Apresentação de Candidaturas Sistema de Apoio

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Castelo Branco 2014-2017 Índice Plano de Desenvolvimento Social... 3 Definição dos Eixos de intervenção... 3 Operacionalização dos Eixos de Intervenção...

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento

Plano de Desenvolvimento Social. Plano de Desenvolvimento Plano de Desenvolvimento Social Índice 1-Introdução... 6 2-Enquadramento Metodológico... 8 3-Articulação do Plano de Desenvolvimento com as Politicas e Medidas Nacionais... 9 4. Eixos de Intervenção...

Leia mais

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL

1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL 1. FUNCIONAMENTO DA REDE SOCIAL Objectivo Geral Objectivo Especifico Medida Meta Indicador de Eecução % Responsavel Prestar Apoio técnico às CSF Reuniões semestrais com CSF 3 CSF em funcionamento, com

Leia mais

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação

Plano de Acção Ano 2011. Avaliação Rede Social de Pombal de Pombal Plano de Acção Ano 2011 Avaliação Prioridade 1- (PNAI) (Combater a pobreza das crianças e dos idosos, através de medidas que asseguremos seus direitos básicos de cidadania)

Leia mais

O QREN e a Coesão Social em Portugal

O QREN e a Coesão Social em Portugal 8 de janeiro de 213 O QREN e a Coesão Social em Portugal 1. A coesão social no âmbito do QREN A coesão social constitui uma das cinco prioridades estratégicas do Quadro de Referência Estratégico Nacional

Leia mais

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS

XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS XXXII PLENÁRIO DO CLAS DE CASCAIS 11 Agosto 2015 Centro Cultural de Cascais Candidatura CLDS 3G Enquadramento Legal - CLDS Os Contratos Locais de Desenvolvimento Social de 3ª Geração (CLDS3G), atentos

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Mafra Capítulo I (Disposições gerais) Artigo 1º Objecto O presente regulamento interno destina-se a definir e dar a conhecer os princípios a que

Leia mais

Plano de Ação 2015. Plano de Ação 2015

Plano de Ação 2015. Plano de Ação 2015 Plano de Ação PLANO DE AÇÃO DOCUMENTO ELABORADO PELO: Núcleo Executivo da Rede Social do Concelho do CONTACTOS: Câmara Municipal do Rede Social do Concelho do Av. Dr. Francisco Sá Carneiro 2550-103 Tel.

Leia mais

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL

Plano de Ação 2013. I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL 0 Plano de Ação I Eixo De Intervenção: QUALIFICAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES E RESPONSABILIDADE SOCIAL OBJETIVO GERAL: Dotar as Instituições do Município de competências na área da qualidade para melhorar a resposta

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA

CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA 1 CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO E PREVENÇÃO NA PRIMEIRA INFÂNCIA ENQUADRAMENTO Um projecto de prevenção em saúde mental na área da primeira infância implica sempre uma união de esforços e um trabalho em conjunto

Leia mais

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014

Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 Montemor-o-Novo, 14 de Novembro de 2014 O Diagnóstico Social e a Agenda 21 Local de Montemor-o- Novo identifica problemas/necessidades, oportunidades e principais fatores críticos ao desenvolvimento do

Leia mais

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO

RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO RESULTADOS DO CONCURSO NACIONAL DE BOAS PRÁTICAS NA ADMINISTRAÇÃO LOCAL 2007/2008 CATEGORIA A ADMINISTRAÇÃO AUTÁRQUICA E MODERNIZAÇÃO Nota de Abertura Em 2007/2008 teve lugar a 2.ª edição do Concurso Nacional

Leia mais

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009

CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 CNIS PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO 2009 PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO DE 2009, CELEBRADO ENTRE O MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E A CONFEDERAÇÃO NACIONAL DAS INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE O Protocolo

Leia mais

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI.

2015/2016. Página 1 de 11 I. NOTA INTRODUTÓRIA 2. EIXOS ESTRATÉGICOS 2.1. OFERTA EDUCATIVA, NOVOS PÚBLICOS, ATRATIVIDADE. Código IMP.EM.EI. 2015/2016 I. NOTA INTRODUTÓRIA A missão, os princípios e os valores de uma instituição são fulcrais para a sua definição estratégica, conforme expresso nos seus estatutos. O Instituto Superior de Ciências

Leia mais