1- Questão. a) 12 M b) 22 M c) 18 M d) 14 M e) 36 M. Resposta: e

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1- Questão. a) 12 M b) 22 M c) 18 M d) 14 M e) 36 M. Resposta: e"

Transcrição

1 1- Questão A figura acima representa um esquema de memória, onde as regiões em cinza correspondem a blocos alocados e as regiões em branco, a áreas livres. O último bloco alocado é mostrado na figura. O gerenciador de memória recebe uma requisição para alocar 12 M. Sabendo-se que o gerenciador usa a estratégia "Worst Fit", o bloco de memória será alocado na região com espaço de a) 12 M b) 22 M c) 18 M d) 14 M e) 36 M Resposta: e

2 2- A fragmentação interna é uma anomalia observada quando o gerenciador de memória usa um esquema de particionamento dinâmico de memória. PORQUE No particionamento dinâmico de memória, tanto o número de partições quanto o tamanho das partições podem variar de acordo com a demanda dos processos. Analisando as afirmações acima, conclui-se que a) as duas afirmações são verdadeiras e a segunda justifica a primeira. b) as duas afirmações são verdadeiras e a segunda não justifica a primeira. c) a primeira afirmação é verdadeira e a segunda é falsa. d) a primeira afirmação é falsa e a segunda é verdadeira. e) as duas afirmações são falsas. Resposta: d

3 3- Alguns sistemas operacionais permitem que seus processos criem múltiplos threads de execução. Em operação normal, o que é previsto que os threads de um mesmo processo do sistema operacional compartilhem? a) Arquivos abertos b) Registradores c) Pilha (stack) d) Variáveis locais de cada thread e) Contador de instrução (program counter) Resposta: a

4 4- Se uma máquina possui endereçamento virtual de 48 bits e tamanho de página igual a 4 KB, quantas entradas são necessárias para a tabela de páginas? a) 2 12 b) 2 32 c) 2 36 d) 2 44 e) 2 60 Resposta: c

5 5- Uma instituição financeira adquiriu recentemente um software de análise estatística que rodará localmente nas estações dos usuários. Como o manual do fabricante indica que o produto é multithread e CPU bound, é recomendável, para aumentar significativamente o desempenho do software, que essas estações possuam a) dados em discos rígidos separados do sistema operacional. b) discos rígidos extremamente rápidos e espelhados. c) memória RAM de pelo menos 16 GB. d) gabinetes bastante arejados para dissipação de calor. e) dois ou mais processadores bastante velozes. Resposta: e

6 6- Uma das questões importantes na implementação de armazenamento de arquivos é a manutenção do controle de blocos de discos relacionados a arquivos. Para isso, são utilizados vários métodos em diferentes sistemas operacionais, sobre os quais é INCORRETA a seguinte afirmação a) A alocação indexada utiliza uma estrutura de dados chamada i-node que ocupa normalmente um espaço menor do que a FAT (File Allocation Table) na memória principal. b) A alocação de espaço contínuo apresenta alto desempenho e, com o tempo de utilização, reduz o nível de fragmentação do disco. c) A alocação por lista encadeada usando uma tabela na memória principal (FAT - File Allocation Table) é utilizada pelo sistema operacional MS-DOS. d) Na alocação por lista encadeada, o sistema operacional, para chegar ao bloco n, a partir do início do arquivo, deve ler os n - 1 blocos antes dele, prejudicando o acesso aleatório ao arquivo. e) Na alocação de espaço contínuo de disco, o controle sobre onde os blocos de um arquivo estão resume-se a saber apenas o endereço em disco do primeiro bloco e o número de blocos do arquivo. Resposta: b

7 7- O escalonamento de CPU trata do problema de decidir qual dos processos na fila de prontos deve ser entregue à CPU. Considere que o algoritmo de escalonamento Round-Robin esteja sendo utilizado e que o conjunto de processos abaixo chegue no momento 0, com a extensão do tempo de burst de CPU indicada em milissegundos. Dado: P1 é o primeiro processo na fila de prontos, P2 é o segundo e P3 é o terceiro Processo Tempo de burst P1 10 P2 3 P3 4 a) 2 b) 3 c) 4 d) 5 e) 6 Resposta: e Se for utilizado um quantum de 4 milissegundos, o tempo de espera médio será de

8 8- O núcleo do sistema operacional, drivers, utilitários e aplicativos são descritos internamente por instruções de máquina, e se diferenciam de acordo com sua capacidade de interagir com o hardware. Enquanto aplicativos e utilitários têm acesso mais restrito, os drivers e o núcleo devem ter pleno acesso ao hardware para poder configurá-lo e gerenciá-lo. Para que os acessos sejam diferenciados dentre os diversos tipos de software, os processadores contam com: a) níveis de privilégio de execução. b) interrupções e exceções. c) controladores de dispositivos. d) memória virtual. e) exclusão mútua. Resposta: a

9 9- O software que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador e tem como propósito propiciar um ambiente em que o usuário possa executar programas de forma conveniente e eficiente é o: a) HAL (Hardware Abstract Layer). b) montador. c) compilador. d) sistema operacional. e) driver. Resposta: d

10 10- A maioria dos computadores opera com apenas uma CPU e executam diversas tarefas, processando-as de forma concorrente e não simultânea. Esta modalidade de processamento é conhecida por: a) processamento online. b) processamento batch. c) processamento offline. d) multiprocessamento. e) multiprogramação. Resposta: e

11 11- Com o objetivo de melhorar a eficiência de processamento, microcomputadores utilizam um recurso associado à forma como os componentes da máquina podem interromper a seqüência normal de execução de instruções do processador. Nesse sentido, uma situação ocorre quando é gerada por alguma condição, resultante da execução de uma instrução, como divisão por zero, overflow em uma operação aritmética e referência a um endereço de memória fora do espaço de endereçamento de programa. Essa situação faz referência a uma classe conhecida por: a) interrupção de swap. b) interrupção de fetch. c) interrupção de clock. d) interrupção de software. e) interrupção de hardware. Resposta: d

12 12- Suponha que determinada unidade de disco tenha cilindros numerados de 0 a A unidade atualmente está atendendo a uma requisição no cilindro 53 e a requisição anterior foi no cilindro 55. Sabe-se que a unidade de disco utiliza o escalonamento SCAN e que a fila de requisições pendentes é: 98, 183, 37, 122, 11, 124, 60 e 67 Qual das requisições pendentes será a segunda a ser atendida? a) 11 b) 37 c) 60 d) 67 e) 98 Resposta: a

13 13- Considere os quatro processos a seguir com período de burst de CPU indicado em milissegundos. Processo Tempo de Chegada Tempo de burst P P P P Se os processos chegarem na fila de prontos nos momentos indicados e precisarem dos tempos de burst indicados, então, se for utilizado o escalonamento de CPU SJF (Shortest Job First) preempitivo, o tempo de espera médio será a) 5,5 b) 6,0 c) 6,5 d) 7,0 e) 7,5 Resposta: c

14 14- Considere o seguinte conjunto de processos e a duração de surto de CPU expressa em milissegundos: Processo Duração de Surto X 28 Y 4 Z 7 Se os processos chegam na ordem X, Y e Z, onde X chega no instante 0, qual o tempo de espera médio se os processos forem atendidos segundo o escalonamento FCFS (firstcome, first-served)? a) 10,6 b) 12 c) 13 d) 14 e) 20 Resposta: e

15 a) 10 b) 20 c) 28 d) 80 e) Ao executar um programa P, um computador gasta 80% do seu tempo de execução em um determinado tipo de cálculo X. O tempo total para execução de P é de 100 segundos. Se uma mudança for feita nesse computador que melhore X, tornando esse tipo de cálculo 10 vezes mais rápido, qual será o novo tempo de execução, em segundos, de P? Resposta: c

16 16- No âmbito de sistemas operacionais, uma seção ou região crítica é a: a) área da memória que contém dados compartilhados. b) área do programa que é executada 80% do tempo. c) área do sistema operacional que contém o código do loader. d) parte do programa que acessa dados compartilhados. e) parte da memória usada para operações criptográficas. Resposta: d

17 17- Para resolver o problema de hierarquia de processos, foi criado o conceito "thread", no qual um processo pode efetuar várias operações concorrente ou simultaneamente, sem o consumo de espaço de endereçamento. Neste caso, o processo é dividido no número de threads sem que haja necessidade de ser criado um outro processo concorrente. Baseado nesta idéia, indique a afirmativa INCORRETA. a) Mudanças feitas por um thread a um recurso compartilhado do sistema serão vistas por todos os outros threads. b) Threads podem compartilhar os recursos do processo com outros threads igualmente independentes. c) Threads não podem ser escalonados pelo sistema operacional e nem rodar como entidades independentes dentro de um processo. d) Cada thread tem seu próprio conjunto de registradores, mas todos eles compartilham o mesmo espaço de endereçamento, pois o processo é um só. e) Os threads criados por um processo morrem quando esse processo pai morre. Resposta: c

18 18- Considere um sistema operacional com escalonamento por prioridades, no qual a avaliação do escalonamento é realizada em um intervalo mínimo de 5 ut. Neste sistema, os processos A e B competem por uma única UCP. Desprezando os tempos de processamento relativo às funções do sistema operacional, a tabela a seguir fornece os estados dos processos A e B ao longo do tempo, medido em intervalos de 5 ut (E = execução, P = pronto e W = espera). O processo A tem menor prioridade que o processo B. Em que tempos A sofre preempção? a) Entre os instantes 9-10, 39-40, b) Entre os instantes 19-20, 54-55, c) Entre os instantes e d) Entre os instantes e) Nunca, pois o processo B tem maior prioridade do que o processo A. Resposta: c

19 19- Determinado sistema operacional apresenta a seguinte lista de segmentos de memória disponíveis, em seqüência: 10 KB, 20 KB, 40 KB, 80 KB, 160 KB Nesse momento, um processo solicita alocação de memória para 16 KB. Considerandose o uso do algoritmo first fit, que segmento será utilizado na alocação? a) 10 KB. b) 20 KB. c) 40 KB. d) 80 KB. e) 160 KB. Resposta: b

20 20- Um sistema operacional que usa segmentação de memória tem a seguinte configuração: Segmento 1: 100 KB Segmento 2: 50 KB Segmento 3: 200 KB Segmento 4: 50 KB A memória é preenchida com segmentos de diversos tamanhos, colocados na ordem abaixo. 20 KB, 50 KB, 10 KB, 50 KB, 20 KB, 20 KB, 40 KB Qual o espaço livre de cada segmento, respectivamente, para as estratégias abaixo? I: best-fit II: first-fit III: worst-fit a) I: 1=30 KB, 2=0 KB, 3=160 KB, 4=0 KB II: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=140 KB, 4=50 KB III: 1=60 KB, 2=50 KB, 3=30 KB, 4=50 KB b) I: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=160 KB, 4=30 KB II: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=140 KB, 4=50 KB III: 1=60 KB, 2=50 KB, 3=30 KB, 4=50 KB c) I: 1=30 KB, 2=0 KB, 3=160 KB, 4=0 KB II: 1=60 KB, 2=50 KB, 3=30 KB, 4=50 KB III: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=140 KB, 4=50 KB d) I: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=160 KB, 4=30 KB II: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=140 KB, 4=50 KB III: 1=20 KB, 2=0 KB, 3=120 KB, 4=50 KB e) I: 1=20 KB, 2=0 KB, 3=120 KB, 4=50 KB II: 1=60 KB, 2=50 KB, 3=30 KB, 4=50 KB III: 1=0 KB, 2=0 KB, 3=140 KB, 4=50 KB Resposta: a

21 21- Considerando-se o algoritmo de escalonamento por alternância circular (roundrobin) aplicado a sistemas interativos, que problema pode ocorrer quando um quantum muito longo é adotado? a) Aumento do número médio de preempções. b) Aumento do número de alternância de processos. c) Aumento do número de timeouts de processos ociosos. d) Redução na eficiência da CPU. e) Degradação no tempo de resposta às requisições interativas curtas. Resposta: e

22 22- Um sistema operacional é uma camada de software que atua entre o hardware e os diversos aplicativos existentes em um sistema computacional, executando diversas atividades, de modo a garantir a disponibilidade de recursos entre todos os programas em execução. O gerenciador de memória é uma atividade do sistema operacional, responsável por: a) distribuir a capacidade de processamento de forma justa entre as aplicações, evitando que uma aplicação monopolize o processador. b) implementar a interação com cada dispositivo, através de drivers, criando modelos abstratos que permitam agrupar vários dispositivos distintos sob a mesma interface de acesso. c) definir usuários e grupos de usuário, bem como identificar usuários que se conectam ao sistema, através de procedimentos de autenticação. d) criar as abstrações de arquivos e diretórios, definindo interface de acesso e regras para o seu uso. e) disponibilizar, para cada aplicação, um espaço de memória próprio, independente e isolado dos demais, inclusive do núcleo do sistema operacional. Resposta: e

23 23- O sistema operacional, através do gerenciador de memória, deve tentar manter na memória principal o maior número de processos residentes, permitindo maximizar o compartilhamento do processador e demais recursos computacionais. Mesmo na ausência de espaço livre, o sistema deve permitir que novos processos sejam aceitos e executados. A técnica de swapping foi introduzida para contornar o problema de insuficiência de memória principal, e consiste de: a) dividir o programa em módulos, de forma que seja possível a execução independente de cada módulo, utilizando uma mesma área de memória. b) dividir a memória principal em pedaços de tamanho fixo, chamados partições, onde o tamanho das partições é estabelecido na fase de inicialização do sistema. c) dividir a memória em pedaços de tamanho variável, de modo que cada programa utilize apenas o espaço necessário para sua execução. d) escolher um processo residente, a ser transferido da memória principal para a memória secundária (swap out), sendo que, posteriormente, o processo é carregado de volta da memória secundária para a memória principal (swap in). e) desenvolver as aplicações de modo a não ultrapassar o espaço de endereçamento de memória disponível. Resposta: d

24 24- A tecnologia através da qual periféricos como modens e scanners informam ao sistema operacional suas características, permitindo que o sistema operacional faça a auto-configuração dos periféricos, resolvendo os problemas de conflito que possam existir, é chamada de: a) DDR b) DMA c) FCCID d) PnP e) RISC Resposta: d

25 25- O sistema operacional gerencia os espaços no disco, através de técnicas que associam os blocos de dados aos arquivos. Dentre os vários métodos existentes, o de alocação encadeada: a) permite o acesso direto aos blocos do arquivo, não utilizando as informações de controle nos blocos, porém mantém os ponteiros de todos os blocos do arquivo em uma única estrutura denominada índice. b) consiste em associar a cada arquivo uma pequena tabela denominada nó-i, que lista os atributos e os endereços em disco dos blocos de dados do arquivo. c) consiste em manter o espaço em disco alocado ao arquivo com uma lista de blocos ligada logicamente, independente de sua localização física, sendo que cada bloco deve possuir um ponteiro para o bloco seguinte do arquivo e assim sucessivamente. d) consiste em enxergar o disco como um grande vetor, onde os elementos podem ser considerados segmentos com tamanhos diferentes de blocos contíguos. e) é o método mais simples de todos os esquemas de alocação, no qual o arquivo é armazenado no disco como um bloco contínuo de dados. Resposta: c

26 26- Um sistema operacional é formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às suas aplicações e também ao próprio sistema. Esse conjunto de rotinas é denominado núcleo do sistema operacional ou kernel. A estrutura do sistema operacional, ou seja, a maneira como o código do sistema é organizado, pode variar conforme a concepção do projeto. A arquitetura monolítica pode ser definida como um programa: a) composto por vários módulos que são compilados separadamente e depois linkados, formando um único programa executável. b) composto por vários níveis sobrepostos, onde cada camada fornece um conjunto de funções que podem ser utilizadas apenas pelas camadas superiores. c) composto por várias camadas, onde cada camada isola as funções do sistema operacional, facilitando sua manutenção e depuração, além de criar uma hierarquia de níveis de modos de acesso, protegendo as camadas mais internas. d) formado por vários níveis, sendo que a camada de nível mais baixo é o hardware, e cada um dos níveis acima cria uma máquina virtual independente, em que cada uma oferece uma cópia virtual do hardware. e) cujo núcleo do sistema é o menor e o mais simples possível e, neste caso, os servidores do sistema são responsáveis por oferecer um conjunto específico de funções, como gerência de arquivos, por exemplo. Resposta: a

27 27- Uma das funções principais de um sistema operacional é controlar todos os dispositivos de E/S (entrada/saída) de um computador. Sobre as formas como a E/S pode ser feita do ponto de vista dos sistemas operacionais, considere as seguintes afirmativas. I - Na E/S programada, a CPU principal lê ou escreve cada byte ou palavra e espera em um laço até que ela possa obter ou enviar o próximo dado. II - Na E/S orientada a interrupção, a CPU inicia uma transferência de E/S para um caractere ou palavra e segue para outra atividade até que uma interrupção sinalize a conclusão daquela E/S. III - Na E/S que usa DMA, um chip separado gerencia a transferência completa de um bloco de dados, ocorrendo uma interrupção somente quando o bloco for totalmente transferido. Está(ão) correta(s) a(s) afirmativa(s): a) I, apenas. b) II, apenas. c) III, apenas. d) I e II, apenas. e) I, II e III. Resposta: e

28 a) 200 b) 250 c) 300 d) 350 e) Quatro discos rígidos, cada um com 100 GB de capacidade, formam um arranjo RAID 0 em um computador. A quantidade de espaço em disco disponível, em GB, para o sistema operacional é de: Resposta: e

29 29- Victor está configurando o RAID-5 em um servidor utilizando 5 discos rígidos, que possuem 50 GB cada um. Qual porcentagem de redundância Victor prevê para essa configuração? a) 20% b) 32% c) 43% d) 50% e) 67% Resposta: a

30 30- Existem modelos de placa-mãe que permitem a utilização de um recurso denominado RAID ("Redundant Array of Independent Disks") para aumentar a segurança e o desempenho na gravação/recuperação de dados em discos rígidos. Focando esse recurso, analise o caso descrito a seguir: Um analista está trabalhando com um arquivo de dados de 100 MB. O disco rígido e a placa-mãe transferem dados a 100 MB/s; o arquivo vai demorar aproximadamente 1s para ser transferido. É empregada a técnica de data stripping, que usa dois discos rígidos iguais com divisão de dados, ocorrendo que o mesmo arquivo é dividido em dois de 50 MB e, com isso, demora 0,5s para ser gravado/lido em cada disco. Como o acesso aos dois discos ocorre de forma simultânea, o tempo total para acessar o mesmo disco passa a ser a metade (0,5s), ou seja, o desempenho dobra. A técnica descrita é conhecida como RAID: a) 0. b) 1. c) 2. d) 4. e) 5. Resposta: a

31 31- Em relação a um arranjo de sete discos em RAID nível 2, pode-se afirmar que a) somente um dos discos é dedicado à paridade. b) em caso de falha em um disco, haverá perda de dados. c) não exige muito processamento do controlador de disco. d) utiliza tiras de tamanho fixo - n setores em cada. e) é utilizado código de Hamming para redundância de informação. Resposta: e

32 32- O armazenamento e a rápida recuperação das informações em caso de falhas são importantes para as organizações. O RAID (redundand arrays of inexpensive disks) é uma solução que oferece mecanismos para melhorar a segurança dos dados, mantendo o desempenho do sistema. A respeito desse assunto, assinale a opção correta. a) O tempo de recuperação das informações é normalmente menor com o RAID Level 1 que com o RAID Level 5. b) O RAID Level 4 utiliza a técnica de correção de Hamming denominada hamming code parity correction. c) O RAID Level 5 permite o correto funcionamento do sistema com até dois discos contendo falhas. d) O RAID Level 3 requer no mínimo 4 discos para seu correto funcionamento: um deles é utilizado para paridade. e) O RAID Level combina a técnica de espelhamento com a técnica de correção de código Reed-Solomon. Resposta: a

33 33- Marcos é responsável por administrar uma máquina com Windows 2008 instalado. A máquina tem quatro discos em um subsistema SCSI. Disco 0, com 80 GB; Disco 1, com 80 GB; Disco 2, com 40 GB; Disco 3, com 40 GB. Recentemente, Marcos executou uma nova instalação do Windows, fazendo um backup de todos os dados dos discos, removendo todas as partições dos discos, e instalando o sistema operacional em uma partição de 20 GB no Disco 0. Agora, ele deve configurar todo o espaço restante da unidade, sendo que os dados de usuário não serão armazenados no volume do sistema operacional. Marcos deseja maximizar o armazenamento de dados e garantir o tempo de funcionamento no caso de falha em um único disco. Qual configuração Marcos poderá implementar, e qual a capacidade total de armazenamento para os dados do usuário? a) Configuração de RAID 0 com capacidade total de 200 GB. b) Configuração de RAID 1 com capacidade total de 80 GB. c) Configuração de RAID 0+1 com capacidade total de 180 GB. d) Combinação de RAID 5 e volumes espelhados com capacidade total de 140 GB. e) Combinação de RAID 5 e volumes espelhados com capacidade total de 120 GB. Resposta: d RAID 5 irá maximizar o armazenamento de dados e garantir o tempo de funcionamento no caso de falha em um único disco. Para fazer RAID 5 são necessários no mínimo 3 discos de capacidades idênticas. Caso as capacidades sejam diferentes, nivela-se pelo disco de menor capacidade e o espaço restante nos discos maiores não será usado (como já foi dito). É possível configurar RAID via software entre partições. Se as partições espelhadas estiverem em discos diferentes, a tolerância a falhas no disco estará garantida. O Disco 0 já está particionado e com o SO instalado, sobrando 60GB para os dados. Particiona-se os 60 GB restantes em duas partições: uma de 40 GB e outra de 20 GB. Particiona-se o Disco 1 da mesma forma: uma partição de 40 GB, e duas de 20 GB. Configura-se dois "volumes espelhados" (RAID 1) com as partições de 20 GB dos discos 0 e 1 para obter tolerância à falhas para as 2 particões de 20 GB de dados. Configura-se RAID 5 com os discos 2 e 3 e as partições de 40 GB dos discos 0 e 1. Teremos no RAID 5 a capacidade de 120 GB. Soma-se com a partição de 20 GB com RAID 1 nos discos 0 e 1 teremos um total de 140 GB de armazenamento. Acredito que esse tipo de configuração só é possível utilizando RAID via software, que permite criar partições e configurar RAID com elas.

34 34- No âmbito de sistemas operacionais, a Anomalia de Belady é um conceito relacionado à gerência de a) threads. b) deadlocks. c) memória. d) processos. e) coordenação distribuída. Resposta: c

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Drivers e s Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano

Leia mais

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários.

Um sistema é constituído de um conjunto de processos que executam seus respectivos códigos do sistema operacional e processos e códigos de usuários. Os sistemas computacionais atuais permitem que diversos programas sejam carregados na memória e executados simultaneamente. Essa evolução tornou necessário um controle maior na divisão de tarefas entre

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 4 SUPORTE AO SISTEMA OPERACIONAL Prof. Luiz Gustavo A. Martins Sistema Operacional (S.O.) Programa responsável por: Gerenciar os recursos do computador. Controlar a execução

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 13 Gerência de Memória Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Baseado no material disponibilizado por: SO - Prof. Edilberto Silva Prof. José Juan Espantoso Sumário

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Nível 3 Sistema Operacional

Nível 3 Sistema Operacional Nível 3 Sistema Operacional Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Tecnologia de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Organização de Computadores Prof. André Luiz 1 Nível

Leia mais

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Sistema Operacional. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sistema Operacional Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Tipos de Sistemas Operacionais; Escalonamento; Gerenciamento de Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos 2/25 Introdução

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais

Sistema Operacional. Processo e Threads. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Sistema Operacional Processo e Threads Introdução a Processos Todos os computadores modernos são capazes de fazer várias coisas ao mesmo tempo. Enquanto executa um programa do usuário, um computador pode

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Introdução Multiprogramação Permite a execução de diversos processos concorrentemente Maior

Leia mais

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola

SO - Conceitos Básicos. Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola SO - Conceitos Básicos Introdução ao Computador 2010/01 Renan Manola Definição de SO É uma camada de software que opera entre o hardware e os programas aplicativos voltados ao usuário final. É uma estrutura

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Sistemas Operacionais Processos e Threads

Sistemas Operacionais Processos e Threads Sistemas Operacionais Processos e Threads Prof. Marcos Monteiro, MBA http://www.marcosmonteiro.com.br contato@marcosmonteiro.com.br 1 Estrutura de um Sistema Operacional 2 GERÊNCIA DE PROCESSOS Um processo

Leia mais

TI Básico. Sistemas Operacionais. Professor: Ricardo Quintão e-mail: rgquintao@gmail.com Site: www.rgquintao.com.br

TI Básico. Sistemas Operacionais. Professor: Ricardo Quintão e-mail: rgquintao@gmail.com Site: www.rgquintao.com.br TI Básico Sistemas Operacionais Professor: Ricardo Quintão e-mail: rgquintao@gmail.com Site: www.rgquintao.com.br Objetivos dos Sistemas Operacionais Esconder a Complexidade do Hardware. Devido a grande

Leia mais

Visão Geral de Sistemas Operacionais

Visão Geral de Sistemas Operacionais Visão Geral de Sistemas Operacionais Sumário Um sistema operacional é um intermediário entre usuários e o hardware do computador. Desta forma, o usuário pode executar programas de forma conveniente e eficiente.

Leia mais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais

1.2 Tipos de Sistemas Operacionais 1.2 Tipos de Operacionais Tipos de Operacionais Monoprogramáveis/ Monotarefa Multiprogramáveis/ Multitarefa Com Múltiplos Processadores 1.2.1 Monoprogramáveis/Monotarefa Os primeiros sistemas operacionais

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV

Arquitetura de Computadores. Sistemas Operacionais IV Arquitetura de Computadores Sistemas Operacionais IV Introdução Multiprogramação implica em manter-se vários processos na memória. Memória necessita ser alocada de forma eficiente para permitir o máximo

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas de Computação O sistema operacional precisa garantir a operação correta do sistema de computação. Operação

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 02: Introdução (Cont.), Visão Geral Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com O QUE É UM SISTEMA OPERACIONAL? Um programa que atua como um intermediário entre

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br

Sistemas Operacionais. Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Sistemas Operacionais Alexandre Meslin meslin@inf.puc-rio.br Ementa Apresentação do curso Cap1 - Visão Geral Cap2 - Conceitos de Hardware e Software Cap3 - Concorrência Cap4 - Estrutura do Sistema Operacional

Leia mais

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão

Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão Prof. Kleber Rovai 1º TSI 22/03/2012 Sistema Operacional Correção - Exercício de Revisão 1. Como seria utilizar um computador sem um sistema operacional? Quais são suas duas principais funções? Não funcionaria.

Leia mais

AULA 13 - Gerência de Memória

AULA 13 - Gerência de Memória AULA 13 - Gerência de Memória omo sabemos, os computadores utilizam uma hierarquia de memória em sua organização, combinando memórias voláteis e não-voláteis, tais como: memória cache, memória principal

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais 7 Sistemas Operacionais 7.1 Fundamentos da ciência da computação Cengage Learning Objetivos 7.2 Compreender o papel do sistema operacional. Compreender o processo de inicialização para carregar o sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos:

Sistemas Operacionais Cap 3 Estruturas de Sistemas Operacionais. Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Estruturas de Sistemas Operacionais Podemos analisar um sistema operacional sob diversos aspectos: Os serviços que o sistema operacional oferece. A interface que o sistema operacional torna disponível

Leia mais

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos

Capítulo 5 Gerência de Dispositivos DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Capítulo 5 Gerência de Dispositivos Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização dos

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operativos

Introdução aos Sistemas Operativos Introdução aos Sistemas Operativos Computadores e Redes de Comunicação Mestrado em Gestão de Informação, FEUP 06/07 Sérgio Sobral Nunes mail: sergio.nunes@fe.up.pt web: www.fe.up.pt/~ssn Sumário Definição

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 4 Tipos de SO Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br SO - Prof. Edilberto Silva Os Sistemas Operacionais podem ser assim classificados: SO - Prof. Edilberto Silva

Leia mais

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Conceitos básicos e serviços do Sistema Operacional Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Tipos de serviço do S.O. O S.O.

Leia mais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais

Prof.: Roberto Franciscatto. Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Sistemas Operacionais Prof.: Roberto Franciscatto Capítulo 1.2 Aspectos Gerais Estrutura do Sistema Operacional Principais Funções do Sistema Operacional Tratamento de interrupções e exceções Criação e

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto

Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Disciplina: Sistemas Operacionais - CAFW-UFSM Professor: Roberto Franciscatto Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 16: Entrada e Saída: Estudo de Caso Diego Passos Última Aula Software de Entrada e Saída. Subsistema de E/S. Conjunto de camadas de abstração para realização de

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais

2. Introdução aos Sistemas Operacionais 2. Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? 1 Compilador 2 Editor de texto 3 Browser Aplicativos... Sistema Operacional (infraestrutura) Hardware n Quake No passado, a eficiência

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br

Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais. Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br Introdução a Computação 07 Sistemas operacionais Márcio Daniel Puntel marcio.puntel@ulbra.edu.br O que é? Pra que serve? Onde se usa? Como funciona? O que é? Uma coleção de programas Inicia e usa do HW

Leia mais

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software

Resumo até aqui. Gerenciamento Proteção Compartilhamento. Infra-estrutura de Software Resumo até aqui Complexidade do computador moderno, do ponto de vista do hardware Necessidade de abstrações software Sistema computacional em camadas SO como uma máquina estendida abstrações SO como um

Leia mais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais

1º Estudo Dirigido. Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1º Estudo Dirigido Capítulo 1 Introdução aos Sistemas Operacionais 1. Defina um sistema operacional de uma forma conceitual correta, através de suas palavras. R: Sistemas Operacionais são programas de

Leia mais

Gerenciador de Entrada/Saída

Gerenciador de Entrada/Saída Universidade Federal do ABC BC 1518 - Sistemas Operacionais (SO) Gerenciador de Entrada/Saída (aula 11) Prof. Marcelo Zanchetta do Nascimento Roteiro Princípios básicos de hardware de E/S; Operações dos

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Suporte do Sistema Operacional Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Objetivos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Introdução Um sistema operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O propósito

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais

Sistemas Operacionais Cap 2 Estruturas de Sistemas Computacionais Estruturas de Sistemas Computacionais Por que estudar a arquitetura de sistemas computacionais? Talvez porque o comportamento de um sistema operacional está ligado aos mecanismos de E/S de um computador.

Leia mais

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S

Sistemas Operativos. Sumário. Estruturas de sistemas de computação. ! Operação de um sistema de computação. ! Estruturas de E/S Estruturas de sistemas de computação Sumário! Operação de um sistema de computação! Estruturas de E/S! Estruturas de armazenamento! Hierarquia de armazenamento 2 1 Arquitectura de um sistema de computação

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

S.O.: Conceitos Básicos

S.O.: Conceitos Básicos S.O.: Conceitos Básicos Camada de software localizada entre o hardware e os programas que executam tarefas para o usuário; Acessa os periféricos Entrada e Saída Esconde os detalhes do hardware para o programador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr

ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC. Prof. Almeida Jr ARQUITETURA DE COMPUTADORES E SISTEMAS OPERACIONAIS P/ CONCURSOS PÚBLICOS FOCO: ESAF/CESGRANRIO/FCC Prof. Almeida Jr Processos Conceitos Básicos Nomes Tipos Batch: jobs CPU-bound T.Sharing: Tarefas/Processos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS

SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS SISTEMAS OPERACIONAIS GERÊNCIA DE TAREFAS 2012 1/11 Conteúdo INTRODUÇÃO...3 OS CONCEITOS...3 ESTADOS E ESTÍMULOS DAS TAREFAS...4 O AGENDAMENTO DE TAREFAS...8 ALGORITMOS DE AGENDAMENTO...8 ALGORITMO FCFS

Leia mais

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos

Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistemas Operacionais: Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos Arquivos Espaço contíguo de armazenamento Armazenado em dispositivo secundário Estrutura Nenhuma: seqüência de bytes Registros, documentos,

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Prof. Dr. José Luís Zem Prof. Dr. Renato Kraide Soffner Prof. Ms. Rossano Pablo Pinto Faculdade de Tecnologia de Americana Centro Paula Souza Tópicos O que é um Sistema

Leia mais

Estudo de Caso 2: Windows Vista

Estudo de Caso 2: Windows Vista Faculdades Integradas de Mineiros Curso de Sistemas de Informação Sistemas Operacionais II Estudo de Caso 2: Windows Vista Grupo 4 Helder / Wagner / Frantyeis Junho/2010 O Windows usa uma estratégia Just-In-Time

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de processos Controle e descrição de processos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Representação e controle de processos pelo SO Estrutura

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco

discos impressora CPU memória AULA 04 - Estruturas de Sistemas Computacionais Operação dos sistemas de computação Controlador de disco AULA 04 - Estruturas Sistemas Computacionais Nosso objetivo é apenas revisar conceitos relacionados a estrutura geral um sistema computacional para pois explicarmos os talhes operação do sistema e como

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA

SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA SISTEMAS OPERACIONAIS CAPÍTULO 3 CONCORRÊNCIA 1. INTRODUÇÃO O conceito de concorrência é o princípio básico para o projeto e a implementação dos sistemas operacionais multiprogramáveis. O sistemas multiprogramáveis

Leia mais

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual

Infraestrutura de Hardware. Memória Virtual Infraestrutura de Hardware Memória Virtual Perguntas que Devem ser Respondidas ao Final do Curso Como um programa escrito em uma linguagem de alto nível é entendido e executado pelo HW? Qual é a interface

Leia mais

Gerência de Processador

Gerência de Processador Gerência de Processador Prof. Edwar Saliba Júnior Junho de 2009 Unidade 03-003 Gerência de Processador 1 Introdução Com o surgimento dos sistemas multiprogramáveis, onde múltiplos processos poderiam permanecer

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo

EXEMPLO: Processo para atualização da hora Processo para monitoramento da necessidade de proteção de tela. Figura 4-1 - Exemplo 4 PROCESSOS Os primeiros sistemas operacionais permitiam que apenas um processo fosse executado por vez. Dessa maneira, este processo tinha todo o sistema computacional a sua disposição. Os atuais sistemas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerencia de Processos 4.1 Introdução aos Processos Gerenciamento de Processos Processo -Definição: É uma abstração do sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira

Sistemas Operacionais. Escalonamento de Processo. Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Sistemas Operacionais Escalonamento de Processo Prof. Dr. Márcio Andrey Teixeira Quando um computador é multiprogramado, ele muitas vezes tem variados processos que competem pela CPU ao mesmo tempo; Essa

Leia mais

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings)

Componentes básicos de um sistema computacional. Cap. 1 (Stallings) Componentes básicos de um sistema computacional Cap. 1 (Stallings) 1 Sistema de Operação Explora recursos de hardware de um ou mais processadores Provê um conjunto de serviços aos utilizadores Gerencia

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operacionais

Arquitetura de Sistemas Operacionais Arquitetura de Sistemas Operacionais 3 a Edição Versão: 3. (Jan/) Francis Berenger Machado Luiz Paulo Maia Soluções dos Exercícios LTC Soluções de Exercícios Versão 3. (Jan/4) Capítulo Visão Geral. Sem

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.

Aula 3. Sistemas Operacionais. Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress. Sistemas Operacionais Aula 3 Prof: Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardoxpto@gmail.com) http://carloseduardoxp.wordpress.com Nunca cone em um computador que você não pode jogar pela janela.

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Gerência de Memória Secundária. Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Gerência de Memória Secundária Prof. Valeria M. Bastos 18/06/2012 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Gerência de Entrada e Saída Gerência

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Componentes de um Sistema Operativo Maria João Viamonte / Luis Lino Ferreira Fevereiro de 2006 Sistema Operativo Um Sistema Operativo pode ser visto como um programa de grande complexidade, responsável

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

P5 P3. interrupçãocorrespondente. Sistemas Operacionais 2008/1 Profa. Patricia D. CostaLPRM/DI/UFES 3 Sistemas Operacionais 2008/1

P5 P3. interrupçãocorrespondente. Sistemas Operacionais 2008/1 Profa. Patricia D. CostaLPRM/DI/UFES 3 Sistemas Operacionais 2008/1 Conceitos Processos Básicos (Aula 4) Profa. É Provoca Constitui Mecanismo Patricia informa evento controle, a multiprogramação. Ex: rotina um a base de Interrupção de um (1) sistema de D. CostaLPRM/DI/UFES

Leia mais

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande

A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande A memória é um recurso fundamental e de extrema importância para a operação de qualquer Sistema Computacional; A memória trata-se de uma grande região de armazenamento formada por bytes ou palavras, cada

Leia mais

Máquina de estados UNIX O

Máquina de estados UNIX O Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Sistema de Entrada/Saída - Redundant Array of Independent Disks 0 - Matriz de Discos sem Tolerância a Falhas 1 - Espelhamento 2 - Código de Hamming 3 - Transferência Paralela

Leia mais

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de

Máquina de estados UNIX O. Sistemas Operacionais 2008/1Profa. Patricia S.O. computação: recursos D. S.O S.O. controla eventos no sistema de Estruturas Processos de Controle (Aula 5) Aula Interrupções Profa. Patricia Gerência fluxo, execução D. O Abstração passada Criação podendo de gerar hw e transição sw (mudança de CostaLPRM/DI/UFES que

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores

Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura de Computadores Entrada e saída Alexandre Amory Edson Moreno Nas Aulas Anteriores Foco na Arquitetura e Organização internas da Cleo Modelo Von Neuman Circuito combinacional Circuito

Leia mais

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR

Sistemas Operacionais. INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR Sistemas Operacionais INTRODUÇÃO Prof. Rafael Alberto Vital Pinto FACSUL/CESUR 1 Introdução O que se espera de um sistema de computação? Execução de programas de usuários Permitir a solução de problemas

Leia mais

Definição do problema SISTEMAS OPERACIONAIS. Conteúdo. Como solucionar o problema? 22/6/2009

Definição do problema SISTEMAS OPERACIONAIS. Conteúdo. Como solucionar o problema? 22/6/2009 Definição do problema SISTEMAS OPERACIONAIS Um sistema de computação consiste de diversos dispositivos. Todos os dispositivos são complexos de manipular. Escrever programas que fazem usos desses dispositivos

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Chamadas de Sistema e Processo

Chamadas de Sistema e Processo Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Chamadas de Sistema e Processo Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Estrutura do Computador Sistemas Operacionais Modos de Acesso ao S.O.

Leia mais

Introdução aos Sistemas

Introdução aos Sistemas Introdução Introdução aos Sistemas Operacionais 1 2 3... n Ambientes Operacionais Prof. Simão Sirineo Toscani stoscani@inf.pucrs.br www.inf.pucrs.br/~stoscani Compilador Editor de texto Browser Programas

Leia mais

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário

Arquitetura de Computadores para. Sistemas Operacionais. Sistemas Operacionais. Sumário Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores para Sistemas Operacionais Tecnologias em Informática 2o Semestre Sistemas Operacionais Prof. Cid R Andrade Sumário Conhecer

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Mecanismo de Interrupção

Mecanismo de Interrupção Mecanismo de Interrupção Paralelismo de Operação Num sistema multiprogramado a CPU está sempre apta a compartilhar o seu tempo entre os vários programas e os diferentes dispositivos periféricos que necessitam

Leia mais

Sistemas Operativos I

Sistemas Operativos I Gestão da Memória Luis Lino Ferreira / Maria João Viamonte Fevereiro de 2006 Gestão da Memória Gestão de memória? Porquê? Atribuição de instruções e dados à memória Endereços lógicos e físicos Overlays

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

Capítulo 8: Gerenciamento de Memória

Capítulo 8: Gerenciamento de Memória Capítulo 8: Gerenciamento de Memória Sobre a apresentação (About( the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação foi modificada

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade IV Sistema de arquivos. Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade IV Sistema de arquivos Prof. Valeria M. Bastos Prof. Antonio Carlos Gay Thomé 13/06/2012 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Sistema de Arquivos Gerenciamento de E/S

Leia mais

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira

IFPE. Disciplina: Sistemas Operacionais. Prof. Anderson Luiz Moreira IFPE Disciplina: Sistemas Operacionais Prof. Anderson Luiz Moreira SERVIÇOS OFERECIDOS PELOS SOS 1 Introdução O SO é formado por um conjunto de rotinas (procedimentos) que oferecem serviços aos usuários

Leia mais