M A T E M Á T I C A ENGENHARIA GEOGRÁFICA LICENCIATURAS MESTRADOS DOUTORAMENTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "M A T E M Á T I C A ENGENHARIA GEOGRÁFICA LICENCIATURAS MESTRADOS DOUTORAMENTOS"

Transcrição

1 M A T E M Á T I C A ENGENHARIA GEOGRÁFICA LICENCIATURAS MESTRADOS DOUTORAMENTOS

2 JÁ PENSASTE EM ESTUDAR MATEMÁTICA?

3 Esta brochura destina-se a todos os jovens que gostam de Matemática e que querem conhecer melhor este curso e as suas saídas profissionais.

4 O D E P A R T A M E N T O D E M A T E M Á T I C A No Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra são desenvolvidas múltiplas actividades que vão do ensino a nível de Licenciatura, Mestrado e Doutoramento até à Investigação em domínios de ponta, não esquecendo a divulgação dirigida aos públicos mais variados. O Departamento de Matemática forma estudantes em áreas puras e aplicadas da Matemática e Ciências da Computação, promovendo um ensino aberto às relações com outras disciplinas. Reflectindo o grande desenvolvimento da moderna Matemática, as actividades de investigação cobrem um vasto leque de domínios, desde áreas com carácter aplicado análise numérica, computação, estatística, optimização - até outras, como a álgebra, a análise e a geometria, que se dedicam ao estudo de questões teóricas fundamentais. A actividade científica dos professores do Departamento de Matemática, essencialmente desenvolvida no âmbito do Centro de Matemática da Universidade de Coimbra, tem obtido as mais altas classificações em avaliações efectuadas por júris internacionais, designados para o efeito pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia.

5 E N S I N O O Departamento de Matemática fornece aos seus estudantes uma sólida formação em áreas fundamentais da Matemática e um conhecimento actualizado do papel da Matemática no âmbito das aplicações. O ensino é concebido de modo a desenvolver a capacidade de pensar de modo criativo e a utilizar o pensamento matemático em problemas da sociedade contemporânea. Neste sentido são formados matemáticos que denotem compreensão e criatividade no desempenho das suas futuras carreiras no Ensino, na Investigação, nos Serviços, na Banca, nos Seguros, na Indústria ou em equipas interdisciplinares. A Licenciatura, de três anos, é de espectro largo, permitindo a saída para o mercado de trabalho ou a preparação para estudos posteriores, Mestrados e Doutoramento, no domínio da Matemática ou de outras áreas que exijam sólidas competências analíticas.

6 E S T U D A N T E S O Departamento de Matemática oferece muito boas condições de trabalho e oportunidades de integração na vida académica. O Departamento tem à disposição dos seus estudantes a melhor Biblioteca de Matemática do país, e uma das melhores da Península Ibérica, com cerca de trinta mil livros e um vasto número de revistas científicas. No Departamento de Matemática, os estudantes têm acesso a meios informáticos, quer através de mais de uma centena de terminais do seu Laboratório de Cálculo, quer através do acesso à rede sem fios para utilizadores reconhecidos nos sistemas informáticos da universidade. Existem várias Salas de Estudo, e também uma Sala de Convívio para estudantes. A integração dos estudantes na vida do Departamento é feita através da sua participação nos órgãos de gestão Conselho de Departamento - da colaboração em equipas que se dedicam a actividades de Divulgação, da participação em Conferências e Colóquios, e ainda através das actividades promovidas pelo NEMATEG, Núcleo de Estudantes de Matemática e Engenharia Geográfica.

7

8 L I C E N C I A T U R A E M M A T E M Á T I C A Provas de ingresso na Licenciatura em Matemática Matemática ou Matemática + Física e Química ou Matemática + Geometria Descritiva.

9 L I C E N C I A T U R A E M M A T E M Á T I C A A Licenciatura em Matemática tem a duração de três anos e oferece uma formação sólida e diversificada, desde os grandes temas clássicos de Geometria, Álgebra e Análise, até áreas mais recentes do conhecimento, que incluem, entre outras, a Estatística, a Matemática Computacional, a Optimização e as Ciências da Computação. A formação dada na Licenciatura permite aos alunos adquirir: capacidade de cálculo; competência na utilização de ferramentas computacionais; conhecimento sólido de resultados matemáticos; capacidade de generalização e abstracção; capacidade de formular e resolver problemas; concepção e utilização de modelos matemáticos para situações reais; argumentação lógica e espírito crítico; qualidades de trabalho individual e em equipa; autonomia e iniciativa de aprendizagem. A Licenciatura em Matemática constitui a preparação de acesso aos segundos ciclos (Mestrados) mas contempla também uma preparação que permite a entrada directa na vida activa.

10 L I C E N C I A T U R A E M M A T E M Á T I C A C O M M E N O R A Licenciatura em Matemática prevê a possibilidade de uma especialização, designada por Menor, em substituição de cinco disciplinas dos três últimos semestres. Este poderá ser escolhido de entre os seguintes Menores oferecidos pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra. Ciências do Espaço 1 Computação 1 Engenharia Geográfica 1 Informação e Decisão 1 2 Antropologia Biofísica Biologia Bioquímica Empreendedorismo Engenharia Geológica e de Minas Física Geologia Química O aluno, no início do 2º ano de estudos, deverá tomar a decisão de seguir um Menor, ou seguir a via principal da sua Licenciatura. 1- Estes Menores são da responsabilidade do Departamento de Matemática. A Licenciatura em Matemática com qualquer um deles permite obter formação profissionalizante na respectiva área. 2- a aguardar aprovação.

11

12 M E S T R A D O S Depois da Licenciatura, o estudante pode continuar a sua formação entrando num 2º ciclo, Mestrado, com a duração de dois anos e a que corresponderá o grau de Mestre. Em muitas situações profissionais a preparação universitária que confere formação plena obtém-se através da realização de um Mestrado. É com este objectivo que o Departamento de Matemática oferece o Mestrado em Matemática - com quatro áreas de especialização - o Mestrado em Ensino da Matemática e o Mestrado em Engenharia Geográfica. Está também em estudo um Mestrado na área de Métodos Quantitativos em Finanças, em colaboração com a Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra.

13 M E S T R A D O E M M A T E M Á T I C A O Mestrado em Matemática permite adquirir formação avançada em áreas científicas que contemplam quer os principais campos de aplicação da Matemática quer o seu desenvolvimento teórico. Este Mestrado está organizado em quatro especialidades. As áreas de especialidade Análise Aplicada e Matemática Computacional Estatística, Optimização e Matemática Financeira Computação visam criar perfis profissionais que respondam aos vários desafios do mercado de emprego, como por exemplo os ligados a entidades bancárias, seguradoras, empresas de informática e telecomunicações, análise e planeamento em empresas industriais, comerciais e de serviços, administração pública e consultoria. A área Geometria, Álgebra e Análise desenvolve competências inerentes às actividades de investigação matemática, à fundamentação do raciocínio e ao apuramento do poder de argumentação lógica e espírito crítico.

14 MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS E M F I N A N Ç A S O Mestrado em Métodos Quantitativos em Finanças (ainda em fase de preparação) tem um carácter interdisciplinar, preparando profissionais com conhecimentos nas áreas da Matemática, da Economia e das Finanças capazes de responder aos complexos desafios dos mercados financeiros.

15 M E S T R A D O E M E N S I N O D A M A T E M Á T I C A O Mestrado em Ensino da Matemática visa formar professores das disciplinas de Matemática dos ensinos Básico e Secundário. A este Mestrado corresponde o grau de Mestre em Ensino da Matemática, o qual, de acordo com a recente lei que define as condições da habilitação profissional para a docência, será condição necessária para o exercício da profissão de Professor dos ensinos Básico ou Secundário.

16 MESTRADO EM ENGENHARIA GEOGRÁFICA O Departamento de Matemática oferece ainda o Mestrado em Engenharia Geográfica. A Licenciatura em Matemática com um Menor em Engenharia Geográfica permite ingressar no Mestrado em Engenharia Geográfica. Este Mestrado tem como objectivo a preparação para o exercício de actividades profissionais nas áreas de Geodesia e Sistemas de Posicionamento e Navegação, Fotogrametria e Detecção Remota, Cartografia, Sistemas de Informação Geográfica, Metrologia e Controlo da Qualidade. Ao Mestrado em Engenharia Geográfica corresponde o grau de Mestre em Engenharia Geográfica.

17 I N T E R C Â M B I O S C O M U N I V E R S I D A D E S E E M P R E S A S E S T R A N G E I R A S Através do Programa Sócrates/Erasmus os estudantes podem frequentar uma outra Universidade europeia durante parte do seu curso. Durante a Licenciatura, aconselha-se que este tipo de intercâmbio se faça a partir do 4º semestre. Durante o Mestrado, é também possível fazer intercâmbio, existindo a possibilidade de a tese ser preparada no estrangeiro. O Programa Leonardo da Vinci possibilita a realização de estágios profissionais no estrangeiro.

18 D O U T O R A M E N T O S N O D E P A R T A M E N T O D E M A T E M Á T I C A Depois de terminado o Mestrado, é possível prosseguir com os estudos no Departamento de Matemática. O grau de Doutor pelo Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra é atribuído nas seguintes áreas de especialização: Matemática Aplicada Matemática Pura Engenharia Geográfica Recentemente, foi criado o Programa Inter-Universitário de Doutoramento em Matemática, uma parceria entre o Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra e o Departamento de Matemática Pura da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Mais informações sobre este programa em

19 I N V E S T I G A Ç Ã O A maioria dos professores do Departamento de Matemática pertence ao CMUC (Centro de Matemática da Universidade de Coimbra), um Centro que integra grupos de investigação com objectivos científicos na área da Matemática e suas aplicações. O CMUC tem neste momento cerca de cinquenta membros doutorados, distribuídos pelos seguintes grupos de investigação: - Álgebra - Análise - Análise Numérica, Optimização e Aplicações - Probabilidades e Estatística - Geometria e Aplicações - História e Metodologia da Matemática.

20 O CMUC é uma unidade de investigação financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, sendo avaliada periodicamente por um painel internacional. Na última avaliação promovida pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia foi atribuída ao CMUC a classificação de Excelente. O CMUC criou, recentemente, um Laboratório de Matemática Computacional, com o objectivo de promover a utilização da Matemática e do Cálculo Científico na resolução de problemas quantitativos em Ciência, Engenharia e Finanças.

21 E D E P O I S D E O B T E R U M D I P L O M A? O Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra considera da máxima importância a inserção dos seus diplomados no mundo do trabalho. É por esta razão que mantém um Programa de Estágios Profissionalizantes que proporciona aos recém-diplomados uma primeira experiência, preparando a sua futura integração no mercado de trabalho. A cooperação entre o Departamento de Matemática e Instituições e Empresas de todo o país, através da realização de protocolos, transformou tal Programa numa iniciativa de sucesso. Entre as empresas e instituições que têm estabelecido protocolos de colaboração com o Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra encontram-se as seguintes: Montepio Geral, Critical Software, Media Primer, Hovione, MERCER, Hospitais da UC, Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra, Sociedade Portuguesa de Cardiologia, Unidade de Controlo de Qualidade de Produtos Farmacêuticos da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra.

22 A opinião favorável das diversas empresas e instituições acerca dos diplomados em Matemática pela Universidade de Coimbra tem vindo a facilitar as suas saídas profissionais. Muitos antigos alunos do Departamento de Matemática da FCTUC trabalham hoje em Bancos, Seguradoras, Empresas de Software, na Indústria, nas Telecomunicações, no Sector da Saúde, no Sector Espacial e mais geralmente na área dos Serviços.

23 T E S T E M U N H O S D E E M P R E G A D O R E S D E D I P L O M A D O S E M M A T E M Á T I C A P E L A U N I V E R S I D A D E D E C O I M B R A Que opinião tem sobre o desempenho de matemáticos no seu ramo de actividade? R: Muito positiva. Que conhecimentos ou competências específicos em Matemática considera importantes para a sua empresa? R: As competências base mais determinantes são a capacidade de raciocínio e lógica que tipicamente está associada a quem vem de um curso de Matemática. ( Critical Software ) Tem actualmente diplomados em Matemática ou áreas próximas ao serviço da sua empresa? R: Das 33 pessoas que pertencem ao Retirement Service Centre, 32 são licenciadas em Matemática e uma em Economia. Que opinião tem sobre o desempenho de matemáticos no seu ramo de actividade? R: É muito importante termos licenciados em Matemática no nosso Departamento uma vez que o nosso trabalho envolve números, ciências actuariais, probabilidades e estatística.

24 Que conhecimentos ou competências específicas em Matemática (Estatística, Optimização, Matemática Computacional, Computação...) considera importantes para a sua empresa? R: Todas estas áreas são muito importantes para o desenvolvimento do nosso trabalho uma vez que queremos ser um centro de excelência em avaliações actuariais a nível da MERCER em todo o Mundo e precisamos de ter cada vez mais rigor nos nossos cálculos com optimização de custos, utilizando a computação e a programação matemática para atingir esses objectivos. ( MERCER ) Que opinião tem sobre o desempenho de matemáticos no seu ramo de actividade? R: Muito boa. Para além da preparação matemática específica, que competências gerais ou transversais considera importantes num diplomado em Matemática que pretenda trabalhar na sua empresa? R: Capacidade analítica elevada, adequada capacidade de transmissão dos resultados do seu trabalho, flexibilidade para proceder à integração plena nos processos de decisão, com elevado espírito de equipa e sentido prático. ( Montepio Geral )

25 Tem actualmente diplomados em Matemática ao serviço da sua empresa? R: Sim, existem cerca de 40 diplomados em Matemática na Direcção de Sistemas do BPI. Que opinião tem sobre o desempenho de matemáticos no seu ramo de actividade? R: Tendencialmente são mais organizados, com um raciocínio lógico mais desenvolvido, factores que contribuem para um desempenho acima da média. Em qualquer organização moderna, é valorizada a capacidade de arregaçar as mangas e abraçar novos desafios, tendo a percepção de que pouco conhecemos sobre quase todas as matérias mas que o maior trunfo que alguém pode ter é a capacidade de aprender rapidamente. E aqui, os matemáticos partem com uma clara vantagem. ( BPI ) T E S T E M U N H O S D E A N T I G O S A L U N O S Ingressei em 2002 na equipa de Produtos Estruturados do Banco BPI. Actualmente sou responsável pelo desenvolvimento de operações estruturadas junto de clientes institucionais offshore no continente americano. Um diplomado em Matemática com formação financeira poderá trabalhar em qualquer área da banca de investimento. Poderá também trabalhar nas áreas de risco desenvolvendo bases de dados e algoritmos de programação. Carlos Reis ( BPI )

26 Depois de um estágio na área da multimédia, nomeadamente na modelação e construção de ambientes virtuais, entrei para um projecto da Universidade de Coimbra, que é a candidatura a património mundial da UNESCO, onde continuo a fazer modelos tridimensionais. Jonatan Pedrosa ( Universidade de Coimbra ) Por intermédio do Departamento de Matemática da FCTUC, efectuei um estágio no Departamento de Risco de Crédito da Caixa Económica Montepio Geral. A minha formação em matemática aplicada deu-me bases para poder aprender novos conceitos e temas de forma autónoma durante o estágio, e, como consequência, integrar actualmente a instituição. Marta Umbelino ( Montepio Geral ) Terminei os estudos em Matemática em Fevereiro de 2007, mas já trabalho na Portugal Telecom - Sistemas de Informação (PT-SI) desde Setembro de Neste momento, desempenho funções de Administrador de Base de Dados ORACLE. José Monteiro ( PT ) Terminei a formação em Engenharia Geográfica em 2001 e neste momento trabalho na Norvia, como coordenadora do departamento de Topografia/Cartografia, fazendo o processamento em gabinete de todos os trabalhos de campo, tendo a meu cargo a organização e distribuição das tarefas dentro do departamento e coordenando o controlo topográfico em obra. Helena Alonso ( Norvia )

27 Terminei a minha formação em Engenharia Geográfica em Neste momento trabalho na Câmara Municipal de Coimbra. A minha actividade profissional como Engenheira Geógrafa divide-se entre as áreas de gestão corrente do serviço e áreas mais técnicas. Embora durante o curso as matérias tenham de ser compartimentadas por disciplinas, na prática verifica-se interdisciplinaridade. É frequente no âmbito de um mesmo parecer ou processo ter de se recorrer a conhecimentos adquiridos em várias disciplinas do curso. Virgínia Manta ( Câmara Municipal de Coimbra ) Terminei a minha formação em Engenharia Geográfica em Neste momento trabalho no CERN, em metrologia a grande escala para controlo da qualidade dos módulos do LHC (Large Hadron Collider), o maior acelerador de partículas do mundo. Susana Jesus ( CERN, Suiça ) Terminei a formação em Matemática em Janeiro de Neste momento trabalho na MERCER Human Resources Consulting, como Técnica de Actuariado na área das Pensões. Ângela Rocha ( MERCER )

28 F I C H A T É C N I C A T í t u l o M a t e m á t i c a E n g e n h a r i a G e o g r á f i c a Licenciaturas Mestrados Doutoramentos E d i ç ã o D M F C T U C, D e s i g n A n t ó n i o B a r r o s P r é - M e d i a G C I [ M a r i a J o ã o F r e i t a s e S é r g i o B r i t o ) I m p r e s s ã o L i t o g r a f i a C o i m b r a, S A. E x e m p l a r e s C R É D I T O S D E I M A G E M D M. F C T U C : p. 2, 3, 5, 7, 1 1, 1 5, 1 6, 1 9, 2 2 e c a p a.

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração:

EngIQ. em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química. Uma colaboração: EngIQ Programa de Doutoramento em Engenharia da Refinação, Petroquímica e Química Uma colaboração: Associação das Indústrias da Petroquímica, Química e Refinação (AIPQR) Universidade de Aveiro Universidade

Leia mais

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC

Candidatura de. António Dourado Pereira Correia. a Director da FCTUC. Programa de acção do Director da FCTUC Candidatura de António Dourado Pereira Correia a Director da FCTUC Programa de acção do Director da FCTUC No momento em que as regras de gestão da nossa Faculdade se alteram tão profundamente, centrando-a

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

Cursos de Doutoramento

Cursos de Doutoramento PROSPECTO FACULDADE DE ECONOMIA Cursos de Doutoramento CONTACTOS FACULDADE DE ECONOMIA Av. Julius Nyerere, Campus Universitário, 3453 Tel: +258 21 496301 Fax. +258 21 496301 1 MENSAGEM DO DIRECTOR Sejam

Leia mais

Universidade Católica Portuguesa. Escola Superior de Biotecnologia

Universidade Católica Portuguesa. Escola Superior de Biotecnologia Universidade Católica Portuguesa Escola Superior de Biotecnologia Licenciatura (1º Ciclo) em Bioengenharia Ramo Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Coordenador: Professora Doutora

Leia mais

1911 2011 A caminho do Centenário

1911 2011 A caminho do Centenário 1911 2011 A caminho do Centenário Licenciaturas ISEG 1º Ciclo de Bolonha ISEG: Uma Escola de referência. O ISEG forma Economistas e Gestores com espírito de liderança e inovação assente numa sólida capacidade

Leia mais

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK)

Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão de Marketing (LMK) Maputo, Julho de 2015 UDM 1

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Educação Formação Avançada

Educação Formação Avançada ISEC Instituto Superior de Educação e Ciências Educação Formação Avançada ISEC Instituto Superior de Educação e Ciências Educação Formação Avançada Unidade Científico- Pedagógica de Ciências da Educação

Leia mais

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA

INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA INOVAÇÃO PORTUGAL PROPOSTA DE PROGRAMA FACTORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA POLÍTICA DE INTENSIFICAÇÃO DO PROCESSO DE INOVAÇÃO EMPRESARIAL EM PORTUGAL E POTENCIAÇÃO DOS SEUS RESULTADOS 0. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL

EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL EMPREENDEDORISMO: O CONTEXTO NACIONAL Entrevista com Eng.º Victor Sá Carneiro N uma época de grandes transformações na economia dos países, em que a temática do Empreendedorismo assume uma grande relevância

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Gestão Financeira (LGF) Maputo, Julho de 2015 UDM 1 A

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS

INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS RELATÓRIO ANUAL (2009/2010) Índice 1 Cumprimento do plano estratégico e do plano anual... 2 1.1. Do plano estratégico... 2 1.1.1. - Desenvolvimento e Inovação

Leia mais

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatórios dos Docentes Desempenho do Curso Ano Lectivo 2012/2013 Curso de Licenciatura em Engenharia Mecânica Relatório de Desempenho do Curso Ano Lectivo

Leia mais

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda

Presidente do Instituto Politécnico da Guarda Pós-Graduações A formação ao longo da vida é hoje uma necessidade indiscutível que constitui uma oportunidade a não perder por parte da instituição. A aposta nas pós-graduações deve ser incrementada, e

Leia mais

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/13/00276 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a.

Leia mais

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade

O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade O Processo de Bolonha e o desafio da empregabilidade P o r M a r g a r i d a S a r a i v a, J o r g e C a s a s N o v a s, J o s é R o b e r t o e E l i z a b e t h R e i s Um ano lectivo após o arranque

Leia mais

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA

REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA REGULAMENTO DE REALIZAÇÃO DE CURSOS DE FORMAÇÃO PÓS-GRADUADA NO ISA Preâmbulo É cada vez mais consensual a importância estratégica que as pessoas (vulgarmente chamadas de recursos humanos) desempenharão

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

Com o apoio de. Programação e Gestão Cultural Formação Avançada

Com o apoio de. Programação e Gestão Cultural Formação Avançada Com o apoio de Programação e Gestão Cultural EAB Escola de Estudos Avançados das Beiras Programação Instalações da EAB, Edifício Expobeiras, Parque Industrial de Coimbrões, Viseu Contacto Ana Henriques

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS. 1.ª Edição 2011-2012 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PÓS-GRADUAÇÃO EM FINANÇAS EMPRESARIAIS 1.ª Edição 2011-2012 Nos termos do disposto no artigo 8.º, n.º 1, a), do Regime Jurídico das Instituições do Ensino Superior, aprovado

Leia mais

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma?

Daniel. -, 30% de professores estrangeiros e 30% termos de trabalho e desenvolvimento, quer. feita desta forma? Daniel Bessa assinala no entanto que «esta maior proximidade é apenas um ponto de partida, tudo dependendo, no finai, do posicionamento e da capacidade das escolas, e de quem as dirige». Esta entrevista

Leia mais

1 os CICLOS e MESTRADOS INTEGRADOS

1 os CICLOS e MESTRADOS INTEGRADOS 1 os CICLOS e MESTRADOS INTEGRADOS Índice Apresentação 2 Oferta formativa 7 1º Ciclo Biologia 8 Bioquímica 9 Ciências da Saúde 10 Engenharia Geoespacial 12 Engenharia Informática 13 Estatística Aplicada

Leia mais

Licenciatura em Administração Pública (LAP)

Licenciatura em Administração Pública (LAP) UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA CURRÍCULO DA ÁREA DE FORMAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS AFAGE Licenciatura em Administração Pública (LAP) Maputo, Julho de 2015 UDM

Leia mais

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/11/00731 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Coimbra A.1.a.

Leia mais

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO

UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO UNIVERSIDADE TÉCNICA DE MOÇAMBIQUE UDM DIRECÇÃO ACADÉMICA ÁREA DE FORMAÇÃO EM CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CURRÍCULO DO CURSO LICENCIATURA EM ENGENHARIA E GESTÃO DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ( T

Leia mais

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira

Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira Programa para o Departamento de Engenharia Cerâmica e do Vidro Mário Guerreiro Silva Ferreira. 2011-2014 1 Programa de acção Um programa de acção para qualquer unidade orgânica deve atender aos objectivos

Leia mais

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa

Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Bilinguismo, aprendizagem do Português L2 e sucesso educativo na Escola Portuguesa Projecto-piloto em desenvolvimento no ILTEC (Instituto de Linguística Teórica e Computacional) com financiamento e apoio

Leia mais

Informação Ano Lectivo 2016 Inscrições: janeiro e Fevereiro Inicio do ano Letivo: Março. Logo do ISPAJ

Informação Ano Lectivo 2016 Inscrições: janeiro e Fevereiro Inicio do ano Letivo: Março. Logo do ISPAJ Informação Ano Lectivo 2016 Inscrições: janeiro e Fevereiro Inicio do ano Letivo: Março Logo do ISPAJ Departamento de Ciências da Saúde Licenciatura OFERTA FORMATIVA Enfermagem Cardiopneumologia Odontologia

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados 1 CIDADES SUSTENTÁVEIS Diplomas de Estudos Pós-Graduados 1. Área Científica Predominante do Curso: Ambiente, urbanismo e desenvolvimento sustentável 2. Porquê um Curso na Área do Ambiente e Urbanismo na

Leia mais

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda.

Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 08.II.2006 C(2006) 241 final Assunto: Auxílio estatal notificado N 254/2005 Portugal Auxílio à formação a conceder à Blaupunkt Auto - Rádio Portugal, Lda. Excelência, I. Procedimento

Leia mais

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/15/00099 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Instituto Politécnico De Setúbal

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE OCEANOGRAFIA

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE OCEANOGRAFIA DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE OCEANOGRAFIA INTRODUÇÃO A Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação SESu/MEC designou uma Comissão de especialistas no Ensino de Geologia e Oceanografia

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Síntese do Projeto Pedagógico do curso Objetivos do curso Objetivo Geral O curso em Análise e Desenvolvimento de Sistemas da ESADE,

Leia mais

PERFIL DO JOVEM EMPREENDEDOR

PERFIL DO JOVEM EMPREENDEDOR DESCRIÇÃO DOS MÓDULOS E UNIDADES DE PERFIL DO JOVEM EMPREENDEDOR UNIDADES FUNDAMENTAIS QEQ NÍVEL QNQ parceiros HORAS DE PONTOS ECVET UNIDADES GENÉRICAS NÍVEL QEQ QNQ HORAS DE APRENDIZAG EM PONTOS ECVET

Leia mais

As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22

As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22 As TIC em entrevista ao Doutor João Paiva, 2004/11/22 (revista educação_texto editores) Nascido em Coimbra em 1966, João Carlos de Matos Paiva é Doutorado em Química (2000) pela Universidade de Aveiro.

Leia mais

Faculdades de Ciências

Faculdades de Ciências GAZETA N. 76-77 DE MATEMÁTICA Ser./Dezembro 1959 Faculdades de Ciências A. César de Freitas Lis boa No que vai seguir-se faremos algumas considerações de ordem geral sobre a forma como, em nosso entender,

Leia mais

DESCOBRIR & ESTUDAR na FCTUC

DESCOBRIR & ESTUDAR na FCTUC DESCOBRIR & ESTUDAR na FCTUC DESCOBRIR & ESTUDAR na FCT(UC) ÍNDICE A UNIVERSIDADE DE COIMBRA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UC ESPAÇOS E LOCALIZAÇÕES UNIDADES ORGÂNICAS DA UC OFERTA FORMATIVA/EDUCATIVA

Leia mais

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO

PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 1 PLANO DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 2012 FORMAÇÃO DE TREINADORES FEDERAÇÃO PORTUGUESA DO PENTATLO MODERNO 2 1. Introdução O processo de adaptação e ajustamento ao PNFT entra em 2012 na sua fase terminal

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO. Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO. e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO Entre O INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DA ADMINISTRAÇÃO e O SINDICATO DOS OFICIAIS DE JUSTIÇA Considerando que: 1. A mudança política, social, cultural, económica e tecnológica,

Leia mais

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253

7 de Maio de 2009. Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Contacto Netsonda : Departamento Comercial Tiago Cabral 91.7202203 Estudo NE253 Netsonda Network Research Travessa do Jasmim 10 1º Andar 1200-230 Lisboa Tel. 21.3429318 Fax 21.3429868 Estudo Número N de

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

3ª Edição 2010/2011 FEUC. mestrado. em marketing

3ª Edição 2010/2011 FEUC. mestrado. em marketing 3ª Edição 2010/2011 FEUC mestrado em marketing APRESENTAÇÃO Como Coordenadores dos programas de formação para executivos desta Faculdade,, damos-lhe as boas vindas a esta nova edição do programa de Mestrado

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE PONTE DE SOR

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE PONTE DE SOR ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO DE PONTE DE SOR CURSOS PROFISSIONAIS ANO LECTIVO 2006 / 2007 Cursos Profissionais Cursos vocacionados para a qualificação inicial dos alunos, privilegiando

Leia mais

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados

CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados 1 CIDADES SUSTENTÁVEIS Diploma de Estudos Pós-Graduados http://cidadessustentaveis.dcea.fct.unl.pt 1. Área Científica Predominante do Curso: Ambiente, urbanismo e desenvolvimento sustentável 2. Porquê

Leia mais

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR

CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Gabinete do Ministro CIÊNCIA, TECNOLOGIA E ENSINO SUPERIOR Breve apresentação da proposta de Orçamento de Estado para 2008 23 de Outubro de 2007 Texto

Leia mais

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Gestão

O Social pela Governança. Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Gestão O Social pela Governança Mestrados Profissionalizantes Planos Curriculares Gestão ÍNDICE GESTÃO... 3 OBJECTIVOS... 3 DESTINATÁRIOS... 3 CONDIÇÕES DE ACESSO E SELECÇÃO DOS CANDIDATOS... 3 INSCRIÇÕES E NÚMERO

Leia mais

MAPA DO EMPREENDEDOR. Demonstração de Interesse. Reunião de Sensibilização. Consulta Individual. Balanço de competências

MAPA DO EMPREENDEDOR. Demonstração de Interesse. Reunião de Sensibilização. Consulta Individual. Balanço de competências MAPA DO EMPREENDEDOR Campanha de Sensibilização -Rádio (spots e programas informativos) -Parceria de Desenvolvimento - RAL ( Câmaras Municipais, Juntas de freguesia, ONGs, etc) - Rede Trás-os-Montes digital

Leia mais

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/10/01836 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fedrave - Fundação Para O Estudo E

Leia mais

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes

Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO. FAQ s - Lista de Questões Frequentes Programa Municipal de Intervenção Vocacional EU PERTENÇO AO MEU FUTURO 12º ANO FAQ s - Lista de Questões Frequentes 1 - Já escolhi o curso superior quero frequentar. Devo ainda assim inscrever-me no Programa

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA 2007/2008 DEPARTAMENTO Secção Autónoma de Ciências da Saúde 1. INTRODUÇÃO Em 2003 foi criado o Mestrado em Geriatria e Gerontologia, que se iniciou no

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação e Formação Especialização: E-learning e Formação a Distância (Regime a Distância) 14 15 Edição Instituto

Leia mais

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS

MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Gabinete do Ministro INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Sessão REDES DE NOVA GERAÇÃO 2009 Fundação das Comunicações, 7 Janeiro 2009 (Vale

Leia mais

CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA MECÂNICA

CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA MECÂNICA CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA MECÂNICA Departamento de Engenharia Mecânica Instituto Superior Técnico Fevereiro de 2006 Nota Introdutória Este documento foi elaborado

Leia mais

O DEQ tem por finalidades essenciais a realização de actividades Ensino de primeiro, segundo e terceiro ciclos; Investigação científica e

O DEQ tem por finalidades essenciais a realização de actividades Ensino de primeiro, segundo e terceiro ciclos; Investigação científica e DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E BIOLÓGICA DEQB Ensino e Investigação Missão O DEQ tem por finalidades essenciais a realização de actividades DEPARTMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA E BIOLÓGICA Ensino de

Leia mais

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento

Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Taxas de serviço aos comerciantes na utilização de cartões de pagamento Caso comparativo Portugal vs. Espanha JULHO 2007 Síntese de conclusões Mais de 14% dos cartões de pagamento na Europa dos 15 são

Leia mais

Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência

Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência Apreciação do Anteprojecto de Decreto-Lei sobre o Regime Jurídico da Habilitação Profissional para a Docência Documento elaborado no âmbito das 1ª, 2ª e 3ª Comissões Permanentes e aprovado na reunião destas

Leia mais

A Importância do Desenho de Construção Mecânica e da Concepção e Fabrico Assistidos por Computador ao nível da Indústria Metalomecânica *

A Importância do Desenho de Construção Mecânica e da Concepção e Fabrico Assistidos por Computador ao nível da Indústria Metalomecânica * 1 A Importância do Desenho de Construção Mecânica e da Concepção e Fabrico Assistidos por Computador ao nível da Indústria Metalomecânica * José António Almacinha ** 1 Visão geral do problema Antigamente,

Leia mais

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA

UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA Escola Nacional de Saúde Pública REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA REGULAMENTO E PLANO DE ESTUDOS CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE PÚBLICA JULHO DE 2015 ÍNDICE CHAVE DE SIGLAS 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESTINATÁRIOS... 4 3. FINALIDADE... 4 4. OBJECTIVOS GERAIS... 4 5. PLANO

Leia mais

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/12/00971 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas

Orientações para desenvolver uma Política de DPC Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas CRITÉRIO 2: COMISSÃO DE INTERNA Este capítulo inclui: Visão geral Orientações para desenvolver uma Política de Provas requeridas para a acreditação Acrescentando valor: conjunto de boas práticas VISÃO

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Mestrado em Educação Especialização: Educação e Tecnologias Digitais (Regime a Distância) Edição Instituto de Educação da Universidade

Leia mais

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade.

Reitoria. No plano orçamental para 2009 foi definida uma provisão no valor de 300.000 euros para o Programa - Qualidade. Reitoria Circular RT-05/2009 Programa Qualidade 2009 Apesar dos constrangimentos financeiros impostos pelo orçamento atribuído para 2009, é importante garantir que são apoiadas as experiências e os projectos

Leia mais

MESTRADO EM INFORMAÇÃO E SISTEMAS EMPRESARIAIS

MESTRADO EM INFORMAÇÃO E SISTEMAS EMPRESARIAIS MESTRADO EM INFORMAÇÃO E SISTEMAS EMPRESARIAIS Belo Horizonte Município de Boane, Província de Maputo 2014 MESTRADO EM INFORMAÇÃO E SISTEMAS EMPRESARIAIS INTRODUÇÃO O curso de Mestrado em Informação e

Leia mais

Área das Engenharias

Área das Engenharias Engenharia de Alimentos Área das Engenharias Unidade: Escola Agronomia e Engenharia Alimentos - (EAEA) www.agro.ufg.br Duração: 10 semestres O Engenheiro de Alimentos é, atualmente, um dos profissionais

Leia mais

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias

Eixos Estratégicos Objectivos Estratégicos Objectivos Operacionais Acções. 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1. Oferta Formativa 1.1. Dinamizar e consolidar a oferta formativa 1.1.1.Aumentar a oferta formativa nas áreas das artes e das tecnologias 1.1.2. Promover o funcionamento de ciclos de estudos em regime

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO/DOUTORAMENTO CURSO PÓS-GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO QUÍMICA FARMACÊUTICA E TERAPÊUTICA Acreditado pela A3ES 9 ª Edição 2013/2015 O Curso de Especialização

Leia mais

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto

CAPÍTULO I. Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO CAPÍTULO I Denominação, Natureza, Âmbito, Duração, Sede e Objecto Artigo 1º (Denominação, natureza e âmbito) 1. O Instituto Superior de Ciências Educativas e o Instituto

Leia mais

TECHNICAL SUPPORT TEAM

TECHNICAL SUPPORT TEAM >> Atendimento personalizado para qualquer consulta técnica >>A Omron sempre ao seu serviço >>Suporte especializado 2 Empresa orientada para o servir A Omron Corporation, cujos escritórios centrais se

Leia mais

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro Universidade de Aveiro Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director de Curso: Prof.ª Doutora Ana Isabel Couto Miranda Objectivos: A Licenciatura em Engenharia

Leia mais

inovar Ajudamos http://www.adi.pt

inovar Ajudamos http://www.adi.pt Ajudamos a inovar http://www.adi.pt Promover a inovação e o desenvolvimento tecnológico facilitando o aprofundamento das relações entre o mundo da investigação e o tecido empresarial português A Agência

Leia mais

Unidade de Investigação da Escola Superior de Teatro e Cinema PREÂMBULO

Unidade de Investigação da Escola Superior de Teatro e Cinema PREÂMBULO Unidade de Investigação da Escola Superior de Teatro e Cinema PREÂMBULO A criação de uma Unidade de Investigação na Escola Superior de Teatro e Cinema decorre da necessidade de a ESTC afirmar uma participação

Leia mais

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/14972 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Leiria A.1.a. Identificação

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª

PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 609/XI/2.ª Cria o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Exposição de motivos A Escola defronta-se hoje com uma multiplicidade de tarefas a que a sociedade e principalmente

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo

Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo RT D Territórios, empresas e organizações 143 Vol. II (1), 143-147 (2005) Mobilidade de Alunos Associada a Motivações de Estudo Cristina Barroco Novais* Mestre em Gestão de Empresas WÊÊÊÊÊ Introdução A

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact

Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Descentralização da rede de call centres Descentralização da rede de Call Centres: a experiência da PT Contact Francisco Cesário PT Contact A PT CONTACT A PT Contact, Empresa do grupo Portugal Telecom,

Leia mais

Marketing Pessoal. aumentem de valor.

Marketing Pessoal. aumentem de valor. P U B L I C A Ç Ã O N º 3 2 3 D E Z E M B R O 2 0 0 9 Marketing Pessoal PONTOS DE INTERESSE: Conceito Na Prática Definir Objectivos Marca Pessoal Marketing Pessoal pode ser definido como o processo de

Leia mais

Instituto Politécnico de Beja

Instituto Politécnico de Beja Instituto Politécnico de Beja Escola Superior de Agrária de Beja Licenciatura (1º ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directora de Curso: Doutora Rosa Maria Cabral da Cunha

Leia mais

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica ICMC-USP (São Carlos)

Projeto Pedagógico do Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica ICMC-USP (São Carlos) 1) Histórico e Proposta do Curso Projeto Pedagógico do Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica ICMC-USP (São Carlos) O Bacharelado em Matemática Aplicada e Computação Científica (BMACC)

Leia mais

NCE/09/02097 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/09/02097 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/09/02097 Relatório preliminar da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas 1 a 7 1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Instituto Politécnico De Santarém 1.a.

Leia mais

Museus como plataformas para a inovação social:

Museus como plataformas para a inovação social: Museus como plataformas para a inovação social: Projecto-piloto educativo em espaços culturais Um projecto-piloto para jovens em situação de vulnerabilidade e exclusão social a desenvolver em colaboração

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO Regulamento Interno do Centro de Documentação e Informação CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1º (Natureza) O Centro de Documentação e Informação, abreviadamente designado

Leia mais

O ENSINO DE MECANIZAÇÃO AGROFLORESTAL APÓS O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA NO ESPAÇO EUROPEU DE ENSIO SUPERIOR

O ENSINO DE MECANIZAÇÃO AGROFLORESTAL APÓS O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA NO ESPAÇO EUROPEU DE ENSIO SUPERIOR O ENSINO DE MECANIZAÇÃO AGROFLORESTAL APÓS O PROCESSO DE CONVERGÊNCIA NO ESPAÇO EUROPEU DE ENSIO SUPERIOR (Processo de Bologna) SEIS ANOS DE EXPERIÊNCIA Almeida, Arlindo Departamento de Produção e Tecnologia

Leia mais

UNIDADE CURRICULAR: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO

UNIDADE CURRICULAR: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO UNIDADE CURRICULAR: SOCIEDADE, INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO DESCRIÇÃO E AUTO-AVALIAÇÃO DO PRODUTO 1 1 Documento elaborado a partir do Memorando do Produto e da Grelha de Análise da Qualidade dos Produtos

Leia mais

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos

NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos NCE/14/01786 Relatório final da CAE - Novo ciclo de estudos Caracterização do pedido Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de Ensino Superior / Entidade Instituidora: Universidade De Évora A.1.a. Outra(s)

Leia mais

Licenciatura em Matemática Aplicada e Computação

Licenciatura em Matemática Aplicada e Computação 1 Licenciatura em Matemática Aplicada e Computação Adequação no quadro do Processo de Bolonha Departamento de Matemática 21 de Março de 2006 2 A proposta de adequação da LMAC (Licenciatura em Matemática

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto

Ciclo de Seminários de Especialização. Avaliação do risco no projecto Ciclo de Seminários de Especialização Avaliação do risco no projecto Enquadramento O Ciclo de Seminários de especialização Avaliação do risco no projecto resulta de uma parceria entre a H.MENEZES Risk

Leia mais

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural

Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Secretaria de Estado para o Desenvolvimento Rural Decreto-Lei n.º 1/09 de 28 de Abril Tendo em conta a nova orgânica do Governo que de entre outros órgãos institui a Secretaria de Estado para o Desenvolvimento

Leia mais

Plano de Actividades 2009

Plano de Actividades 2009 Plano de Actividades 2009 Introdução No prosseguimento da sua missão consultiva, instituída no quadro da Lei de Bases do Sistema Educativo de 1986, e tendo por referência a Lei Orgânica (Decreto-lei nº

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SI À INVESTIGAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO SI À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME SESSÃO TÉCNICA SOBRE O VALE I&DT E VALE INOVAÇÃO NOS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Data: 13 de Outubro

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER CNE/CES 1.304/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/12/2001, publicado no Diário Oficial da União de 7/12/2001, Seção 1, p. 25. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais