AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA"

Transcrição

1 AGRICULTURA FAMILIAR E O PROGRAMA NACIONAL DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS: COMO A POLÍTICA PÚBLICA PODERÁ VIABILIZAR ESTA CADEIA PRODUTIVA Sandra Maria Pereira da Silva ; Iracélis Fátima de Moraes 1 Agradecimentos a FAPESP, participantes das equipes de pesquisa dos projetos citados e colaboradores. 2 Eng. Agr. Dra, Pesquisadora Científica, APTA - Pólo do Vale do Paraíba, Caixa Postal 32, CEP , Pindamonhangaba/SP; 3 Assist. Soc. Esp., Gerente do Centro de Práticas Integrativas e Complementares da Secretaria de Saúde e Promoção Social da Prefeitura Municipal de Pindamonhangaba/SP. RESUMO A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, nas quais se implementam o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF), estabelecem diretrizes e ações que contemplam a Agricultura Familiar como meio de produção de matéria-prima vegetal de qualidade, visando à geração de renda e organização do setor. Discute-se neste artigo estas diretrizes relacionadas à Agricultura Familiar, as ações da Secretaria da Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo relativas ao PNPMF, as experiências desenvolvidas na região do Vale do Paraíba paulista para fortalecer essas ações e os desafios a serem enfrentados para viabilizar o desenvolvimento da cadeia produtiva. Palavras-chave: plantas medicinais, políticas públicas, agricultura familiar 67

2 INTRODUÇÃO As políticas públicas relacionadas às plantas medicinais avançaram nos últimos dois anos após a publicação da Portaria 971 e do Decreto Estes tratam da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares - PNPIC (BRASIL, 2006a) e da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (BRASIL, 2006b), respectivamente. Na primeira Política, as práticas integrativas e complementares contempladas foram aquelas que possuíam experiências bem sucedidas, desenvolvidas na rede pública de muitos municípios e estados do Brasil, com destaque para acupuntura; fitoterapia; técnicas em medicina tradicional chinesa como: lian gong, tai chi chuan, lien chi, tui-ná; práticas corporais; atividades físicas; homeopatia; medicina antroposófica e termalismo-crenoterapia, que é o tratamento por meio de águas minerais (Brasil, 2006a). A PNPIC é considerada mais um passo do processo de implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) na atenção básica à saúde. Na segunda, foi definido o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos PNPMF (Ministério da Saúde, 2007), o qual já esteve sob consulta pública e, encontra-se em fase de publicação oficial. O objetivo deste artigo é discutir como essas políticas públicas se correlacionam com a Agricultura Familiar (AF), sendo as plantas medicinais e os fitoterápicos a matéria-prima vegetal e o produto final visados. Nesse contexto, destacam-se as iniciativas da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo pertinentes ao tema, as experiências desenvolvidas na região do Vale do Paraíba paulista para fortalecer essas ações e os desafios a serem enfrentados para viabilizar o desenvolvimento da cadeia produtiva. AS POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE P L A N T A S M E D I C I N A I S E A AGRICULTURA FAMILIAR A política nacional de práticas Integrativas e Complementares As discussões sobre a implantação de serviços de plantas medicinais e fitoterapia na rede de saúde iniciaram-se, no mundo, com a Declaração de Alma Ata, em 1978, resultado da Conferência Internacional sobre Cuidados Primários da Saúde, promovido pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Nesta, a OMS ressalta a necessidade de valorizar a utilização de plantas medicinais no âmbito sanitário, considerando que 80% da população mundial utiliza plantas ou preparações destas na atenção primária à saúde. E, no Brasil, a primeira ação efetiva relativa às políticas públicas foi através da Resolução CIPLAN no. 8, de 1988, que regulamentou a implantação da Fitoterapia nos serviços de saúde, criando procedimentos e rotinas sobre sua prática nas unidades de saúde (BRASIL, 2006a). Desde então foram muitas conferências, fóruns, reuniões técnicas, seminários, pesquisas, relatórios, resoluções e decreto presidencial para se chegar à publicação da PNPIC, em Nesta, a Fitoterapia é definida como a terapêutica caracterizada pelo uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas. A planta medicinal é definida como é uma espécie vegetal, cultivada ou não, utilizada com propósitos terapêuticos, denominando-se planta fresca aquela coletada no momento de uso e planta seca a que foi precedida de secagem, equivalendo à droga vegetal (BRASIL, 2006a). A relação da PNPIC com a Agricultura Familiar se evidencia quando se refere à ampliação do acesso às plantas medicinais e fitoterápicos pelos usuários do SUS. Este tema é tratado na segunda diretriz da mesma. As plantas medicinais e fitoterápicos poderão ser disponibilizados por meio dos seguintes produtos: planta medicinal in natura, planta medicinal seca (droga vegetal), fitoterápico manipulado e fitoterápico industrializado. Observa-se que, sendo a opção pelo fornecimento da planta medicinal in natura, deverão ser garantidos critérios relativos ao setor produtivo primário que envolve a Agricultura Familiar, tais como: o fornecimento das espécies constantes na Relação Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (RENAFITO) e, a utilização das espécies identificadas b o t a n i c a m e n t e, c u j a p r o d u ç ã o t e n h a, preferencialmente, a garantia das boas práticas de cultivo orgânico. Recomenda-se a implantação e manutenção de hortos oficiais de espécies medicinais e estímulo à criação de hortas e hortos comunitários, desde que reconhecidos junto a órgãos públicos, para o fornecimento das plantas aos usuários. Sendo a opção pelo fornecimento da planta seca (droga vegetal), os seguintes aspectos deverão ser observados: fornecimento de espécies constantes na RENAFITO, com correta identificação botânica e laudo de boas 68

3 práticas de produção; matéria-prima vegetal processada de acordo com as boas práticas de manipulação, oriunda de hortos oficiais de espécies medicinais, cooperativas, associações de produtores, extrativismo sustentável ou outros. Neste último caso deverá ter alvará ou licença dos órgãos competentes para tal (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007). Em fevereiro de 2009 foi publicada a Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (RENISUS) pelo Departamento de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (DAF/SCTIE/MS) (RENISUS, 2009), com setenta e uma espécies. Esta irá nortear as ações para seleção de espécies da RENAFITO, com potencial de avançar no desenvolvimento da cadeia produtiva e de gerar fitoterápicos para o SUS. Recomenda-se, portanto, a organização do setor produtivo, legalmente estabelecido e atendendo as Boas Práticas e as normas sanitárias, regulamentadas pela ANVISA (BRASIL, 2006d). Nesta política não está explícito que o fornecimento de plantas medicinais, seja in natura ou desidratada, deverá ser realizado por produtores familiares caracterizados como Agricultura Familiar, mas indica que os interessados em fornecer deverão estar organizados em cooperativas ou associações. No Brasil, há várias experiências sobre a dispensação de plantas medicinais direta aos usuários, principalmente por meio das hortas e hortos comunitários, muitas vezes instalados em Unidades de Saúde. Destaca-se o Programa Farmácias Vivas, projeto criado na Universidade Federal do Ceará, em 1985, pelo Prof. Dr. José Francisco de Abreu Matos, falecido em dezembro de Este é um programa de assistência social farmacêutica destinado a pequenas comunidades do Nordeste, entidades governamentais (Secretarias Municipais de Saúde) ou não-governamentais (ONGs), com o objetivo de transferir os resultados do conhecimento cientifico sobre o uso das plantas medicinais da região, após anos de pesquisas desenvolvidas sobre o conhecimento popular e a eficácia e segurança dos remédios caseiros. O Programa Farmácias Vivas tornou-se modelo em todo o Brasil, e muitos municípios o adotaram. Este está sendo revisto, pela equipe do Prof. Matos em conjunto com equipe do Ministério da Saúde e órgãos afins para ser transformado no programa previamente denominado Farmácias Verdes, a ser adotado pelo Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. O programa nacional de plantas medicinais e fitoterápicos A Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, quando aprovada em junho de 2006, tinha dentre seus objetivos estabelecer o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2007), com prazos prédeterminados. Este que define as ações da PNPMF, foi elaborado pelo Grupo de Trabalho Interministerial, publicado e colocado em consulta pública para que os cidadãos brasileiros pudessem opinar, a qual se encerrou em março de A compilação final do programa, reformulado após a consulta pública, foi publicada ainda através da Portaria interministerial no 2.960, de 9 de dezembro de 2008 (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2008). Os princípios orientadores do processo de formulação do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos foram: ampliação das opções terapêuticas e melhoria da atenção à saúde aos usuários do Sistema Único de Saúde SUS; uso sustentável da biodiversidade brasileira; valorização, valoração e preservação do conhecimento tradicional das comunidades tradicionais e indígenas; fortalecimento da agricultura familiar; crescimento com geração de emprego e renda, redutor das desigualdades regionais; desenvolvimento industrial e tecnológico; inclusão social, redução das desigualdades sociais e participação popular e controle social (Ministério da Saúde, 2007). Considerando que o objetivo principal da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos é garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o desenvolvimento da cadeia produtiva e da indústria nacional (Brasil, 2006b), o setor primário, responsável pela produção de matériaprima, deverá ter todo o suporte científico e tecnológico para que o Brasil avance neste segmento. Os dados sobre o mercado interno e externo de fitoterápicos são crescentes, em torno de 15% ao ano (Rodrigues et al., 2008), demonstrando a necessidade de organização do setor produtivo, principalmente da Agricultura Familiar, que poderá criar novas divisas de geração de renda dentro da unidade produtiva agropecuária. Observa-se, assim, que o fortalecimento da Agricultura Familiar é contemplado nesta política pública, através do Programa Nacional de Plantas Medicinas e Fitoterápicos, e diretrizes são estabelecidas para atingir especificamente estes objetivos. 69

4 Dentro desse objetivo principal, o Programa se propõe a promover a inclusão da agricultura familiar nas cadeias e nos arranjos produtivos das plantas medicinais, insumos e fitoterápicos. Nota-se que no Programa, a Agricultura Familiar é definida de acordo com a Lei da Agricultura Familiar (Brasil, 2006c), ou seja: Agricultura familiar é aquela em que os trabalhos em nível de unidade de produção são exercidos predominantemente pela família, mantendo ela a iniciativa, o domínio e o controle do que e de como produzir, havendo uma relação estreita entre o que é produzido e o que é consumido, mantendo também um alto grau de diversificação produtiva, tendo alguns produtos relacionados com o mercado. O PNPMF apresenta dezessete diretrizes para as ações do governo, nos âmbitos federal, estadual e municipal. A seguir são apresentadas as diretrizes desse programa que contemplam diretamente a Agricultura Familiar. A primeira diretriz do Programa define como ação: Criar legislação específica para regulamentação do manejo sustentável e produção/cultivo de plantas medicinais que incentive o fomento a organizações e ao associativismo e à difusão da agricultura familiar e das agroindústrias de plantas medicinais. Essa diretriz define ações para editar os padrões técnicos e os protocolos com objetivo de regulamentar todas as fases da cadeia produtiva. Deverão ser considerados os aspectos botânicos, agronômicos, químicos e farmacológicos para a obtenção de plantas medicinais e fitoterápicos com qualidade, eficácia e segurança asseguradas. Estudos e observações regionais sobre os diferentes sistemas de produção, técnicas e experiências desenvolvidas também terão que ser observados em relação aos conteúdos dos constituintes químicos e suas quantidades no produto final. Esses fatores afetam a formulação farmacêutica e podem interferir na ação farmacológica. Para regulamentação, o Programa prevê a criação de legislação específica para o manejo e cultivo de plantas medicinais. Em referência à regulamentação do manejo sustentável de plantas medicinais, no Estado de São Paulo há a Portaria 52 do DEPRN (Estado de São Paulo, 1998) que objetiva aperfeiçoar e sistematizar os conhecimentos técnico-científicos relativos ao manejo de espécies nativas, destacando-se a relação de algumas espécies nativas de amplo uso popular, com finalidade para uso in natura. Nela está prevista também a elaboração de planos de manejo para o extrativismo de espécies nativas visando ao licenciamento ambiental para exploração. Planos de manejo bem sucedidos poderão transformar-se em protocolos para que a Secretaria do Meio Ambiente disponibilize ao público os conhecimentos produzidos originados da sua elaboração e condução. No Programa, essas ações também estão para ser construídas com participação e articulação entre setores governamentais e não governamentais, garantindo participação de todos na criação das legislações para o manejo sustentável de plantas medicinais. Alguns estudos sobre manejo de plantas medicinais da Mata Atlântica no Estado de São Paulo, por exemplo, já estão publicados como o de Pavan-Fruehauf (2000), porém, não se obteve informações sobre publicações de resoluções sobre manejo oriundos desses estudos. A Associação dos Manejadores e Produtores de Plantas medicinais, Aromáticas e Úteis do Vale do Ribeira AEPAM desenvolvem atividades de manejo e cultivo de plantas medicinais nativas e exóticas, e atua dentro da legislação ambiental e sanitária previstas no âmbito estadual e federal (Oliveira, 2004). Para regulamentar a produção e cultivo de plantas medicinais como previsto nessa primeira diretriz é necessário, segundo a mesma, diagnosticar e sistematizar as legislações e experiências bem sucedidas sobre produção/cultivo de plantas medicinais de acordo com as Boas Práticas de Cultivo, além de implementar políticas de incentivo à participação social para produção/cultivo de plantas medicinais, visando ao fortalecimento da articulação entre setores governamentais e não governamentais; elaborar e/ou atualizar regulamentação específica para as Boas Práticas de Agrícolas (BPA) de Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares (Brasil, 2006d), e incentivar o fomento às organizações e ao associativismo e à difusão da Agricultura Familiar e das agroindústrias de plantas medicinais, além de outras ações como a consolidação da Subcomissão de Plantas Medicinais na Câmara Setorial Orgânica. Na quinta diretriz do Programa, a Agricultura Familiar é contemplada nas ações de fomento à pesquisa, desenvolvimento tecnológico e inovação com base na biodiversidade brasileira, abrangendo espécies vegetais nativas e exóticas adaptadas. Neste caso, priorizam-se as necessidades epidemiológicas da população, através da garantia da sua participação nas cadeias produtivas de plantas medicinais e fitoterápicos. O fomento se dará por meio de editais de agências de fomento como CNPQ, FINEP e outras, para financiamentos de projetos de pesquisa, os quais concorrerão aos recursos financeiros da União para se desenvolverem. 70

5 Na sétima diretriz, em que são previstas ações para apoiar a implantação de plataformas tecnológicas piloto para o desenvolvimento integrado de cultivo de plantas medicinais e produção de fitoterápicos, também se contempla a Agricultura Familiar. Nessa diretriz, garante-se o incentivo ao desenvolvimento de tecnologias apropriadas a pequenos empreendimentos e à agricultura familiar, para o uso sustentável da biodiversidade nacional. O sistema de produção deverá seguir, de preferência, os conceitos teóricos e práticos da agroecologia e agricultura orgânica. Nas ações dessas diretrizes estarão envolvidos praticamente todos os órgãos que compõem o Grupo Gestor Interministerial responsável pela gestão do PNPMF: Ministério da Saúde; Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Ministério da Ciência e Tecnologia; Casa Civil da Presidência da República; Ministério da Cultura; Ministério do D e s e n v o l v i m e n t o A g r á r i o ; M i n i s t é r i o d o Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior; Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome; Ministério da Integração Nacional; Ministério do Meio Ambiente; Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz.). O Ministério da Saúde coordena o Grupo Gestor Interministerial. Atuação da secretaria de agricultura e abastecimento Desde a publicação da Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos em junho de 2006, vários órgãos públicos se manifestaram por meio de ações articuladoras, visando organizar a discussão e implementação de políticas públicas com bases técnicas. Observa-se nesse processo a atuação da Fundação Instituto Osvaldo Cruz (Fiocruz), membro do Grupo Interministerial, que instituiu o Núcleo de Gestão em Biodiversidade e Saúde da Fiocruz, em setembro de Dentre as responsabilidades desse Núcleo está a organização das redes Fito por bioma brasileiro. Inicialmente, implementaram a Rede Fito Amazônia e, posteriormente, iniciou-se a organização e implementação da Rede Fito Mata Atlântica Seção São Paulo. A instituição que acolheu essa iniciativa no Estado de São Paulo foi a Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Em fevereiro de 2008 promoveu a primeira reunião da rede em São Paulo e, em abril a segunda. Houve a participação de vários atores representantes de todos os segmentos da cadeia produtiva de plantas medicinais e fitoterápicos como produtores rurais, empresários da indústria farmacêutica, pesquisadores e professores de instituições de pesquisa e ensino; técnicos da CATI e de prefeituras municipais, estudantes entre outros. Destacou-se o setor produtivo que, de forma organizada e/ou isolada, esteve presente e questionando aspectos técnicos, demandas de mercado e comercialização. A partir dessas duas reuniões criou-se o Documento-Base da Rede Fito Mata Atlântica-Seção São Paulo, colocado em consulta pública para alterações e sugestões dos participantes; e formou-se um grupo de trabalho estruturado nas áreas de Estrutura Técnico- Científica, Gestão do Conhecimento e Gestão Administrativa e escolheu-se um Conselho Gestor. Está em fase de estudo pelo Conselho Gestor sobre a oficialização dessas ações no Estado de São Paulo, considerando que o Estado possui a Lei nº , de 1º. de novembro de 2007, que autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Estadual de Fitoterápicos, Plantas Medicinais e Aromáticas (Estado de São Paulo, 2007). No Estado de São Paulo, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento, observando a demanda crescente por plantas medicinais, aromáticas e condimentares no Estado incluindo a formação dessa Rede Fito Mata Atlântica inicialmente em sua sede em São Paulo instituiu a Comissão Técnica de Plantas Aromáticas e Medicinais (Estado de São Paulo, 2008a), designando servidores públicos afins do Gabinete da Secretaria, da APTA e da CATI para comporem a Câmara como membros (Estado de São Paulo, 2008b). Desde então, essa Comissão tem se reunido regularmente para definição das prioridades de ações relativas ao setor produtivo, seguindo-se o Programa Nacional, e buscando participar ativamente do processo de construção do Programa Estadual, em parceria com as demais Secretarias do Estado. Está realizando também o levantamento das ações da Secretaria ao longo dos anos por meio de suas coordenadorias e departamentos, como nas áreas de pesquisa, extensão rural, programas etc. Os resultados obtidos serão compilados, analisados e publicados em forma de boletins técnicos para divulgação e conhecimento da sociedade paulista. Políticas públicas sobre plantas medicinais e f i t o t e r a p i a : e x p e r i ê n c i a d e Pindamonhangaba O Município de Pindamonhangaba destaca-se nas atividades de implementação de Práticas Integrativas de Saúde desde 1985 com a implantação de Homeopatia no SUS e, em 1990, com Plantas Medicinais e Fitoterapia e Alimentação Saudável. 71

6 Embasados nas diretrizes da Portaria 971, implantou e implementou suas ações, na região do Vale do Paraíba, é pioneiro em relação às experiências com plantas medicinais e fitoterapia na região (Silva et al., 2008). Em relação à primeira diretriz, que trata da estruturação e fortalecimento da atenção em práticas integrativas e complementares no SUS, o município realizou o 1 Workshop de Políticas Públicas em Plantas Medicinais e Fitoterapia no Município de Pindamonhangaba, entre 28 e 29 junho Este workshop teve como público-alvo os técnicos da Secretaria de Saúde e Promoção Social Municipal e técnicos de outras instituições afins. Os objetivos do evento foram: constituir uma equipe interinstitucional para formular projetos sobre plantas medicinais e fitoterapia, estabelecer parcerias com instituições e comunidades organizadas e discutir as diretrizes para fundamentar o Programa Municipal de Plantas Medicinais. o Garantiu na Lei Complementar n. 03, de 10 de outubro de 2006, da Prefeitura Municipal de Pindamonhangaba, que institui o Plano Diretor Municipal, a previsão na Seção III da Saúde da elaboração da Política Municipal de Plantas Medicinais e Fitoterapia, resultado da articulação das Instituições envolvidas nesse Projeto. Criou a Portaria Geral nº , de 27 abril de 2007, que institui a Portaria 971 no âmbito municipal. Buscando a implantação e implementação de Ações e Fortalecimento de Iniciativas existentes, a Secretaria também inaugurou o Centro de Práticas Integrativas e Complementares (CPIC) em 08 de agosto de 2006 com os objetivos de propiciar aos usuários do SUS atendimento diferenciado, respeitando sua integridade, sua autonomia em relação ao seu corpo e seu processo de saúde e doença; resgatar e valorizar o saber popular, através da participação e controle social e contribuir para uma melhor qualidade de vida do cidadão de Pindamonhangaba. Em relação à segunda diretriz, que trata do desenvolvimento de estratégias de qualificação em práticas integrativas e complementares para profissionais no SUS houve a capacitação de profissionais no SUS. Foram treinados, entre 2006 e 2007, quinze médicos, onze dentistas; doze enfermeiros e 80 agentes comunitários de saúde do Sistema, equivalendo a 16%, 23%, 39% e 59% por categora de profissionais, respectivamente.. Em 2008, ingressaram novos profissionais de saúde na rede de Pindamonhangaba após concurso público, os quais já participaram de uma reunião no CPIC para serem informados sobre o projeto e futuros treinamentos. Realizou-se o 1º Fórum do Centro de Práticas Integrativas, focando-se o tema Plantas Medicinais e Fitoterapia na Rede Municipal de Pindamonhangaba. Este evento teve como objetivo principal reunir trabalhadores e usuários deste serviço público para que participassem ativamente do processo de construção, implantação e implementação da Política Pública de Práticas Integrativas e Complementares e consolidar as parcerias envolvidas para a continuidade das ações na Fase II do projeto de políticas públicas da FAPESP. Participaram do Fórum 334 pessoas, sendo 62% da área de saúde. Observou-se que a escolha do Fórum como metodologia de trabalho atendeu ainda outros objetivos do projeto como subsídio ao diagnóstico da situação atual do Programa de Plantas Medicinais e Fitoterapia desenvolvido nas unidades básicas de saúde e nos Programas de Saúde da Família. Outra ação social do município é a promoção da Roda de Estudo de Plantas (REP), que é destinado aos usuários do SUS, participando profissionais de saúde, educação e agricultura, lideranças comunitárias, agentes de pastorais e comunidades organizadas. Participam ainda as instituições parceiras do Grupo de Estudos Interinstitucional de Plantas Medicinais. O objetivo do REP é resgatar e valorizar o conhecimento tradicional e promover a troca de conhecimento popular e científico, segundo a décima diretriz do Decreto 5.813/2006. Em relação à terceira diretriz da Portaria Geral (Prefeitura Municipal de Pindamonhangaba, 2007), que se refere à divulgação e informação para profissionais, gestores e usuários do SUS, a câmara de vereadores de Pindamonhangaba aprovou por meio de lei o Dia Municipal das Plantas Medicinais, sendo escolhida a data de 22 de agosto (Lei nº , de 20 de junho de 2008). Essa data comemorativa foi proposta pela Associação de Plantas Medicinais e Fitoterapia Nova Essência, uma organização não governamental que surgiu em 1993 como um movimento popular em apoio ao Programa de Plantas Medicinais e Fitoterapia do município. Nesse primeiro ano comemorativo dessa data, houve exposição de plantas medicinais e aromáticas, com informações sobre identificação botânica, origem e ações farmacológicas preparados pelo Pólo APTA Vale do Paraíba (Figura 1) e venda de mudas realizada pela Associação na praça central do município. Essas ações auxiliam a divulgação dos trabalhos e a orientação sobre o correto uso caseiro de plantas medicinais. 72

7 A Figura 1. Atividade do Dia Municipal de Plantas Medicinais de Pindamonhangaba: estande montado na Praça Monsenhor para visitação pública(a) a exposição de plantas medicinais e aromáticas do Pólo APTA do Vale do Paraíba (B). Pindamonhangaba, Outras ações neste segmento são desenvolvidas como a apresentação do tema em atividades do município como o evento Pinda Cidadã, que ocorre mensalmente em vários bairros com participação de outras Secretarias Municipais. As ações intersetoriais previstas na quarta diretriz envolvem o Projeto Políticas Públicas em Plantas Medicinais e Fitoterapia na Rede Municipal de Saúde de Pindamonhangaba/ FAPESP coordenado pelo Pólo APTA do Vale do Paraíba em parceria com a Prefeitura de Pindamonhangaba, a UNITAU, CATI e FCA/UNESP; o G.E.T.I./Fitoterapia Grupo de Estudo e Trabalho Interinstitucional sobre plantas medicinais e fitoterapia que envolve as instituições governamentais CATI, Pólo APTA do Vale do Paraíba/APTA, UNITAU, Departamento Municipal de Agricultura e Fundo Social de Solidariedade de Pindamonhangaba. B A sociedade civil participa do grupo através da Pastoral da Criança, Conselho Municipal de Saúde, Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Associação Nova Essência. Baseado no perfil de treinamento do corpo técnico dos Programas de Saúde da Família visitados, o GETI de Fitoterapia juntamente com a equipe do projeto FAPESP definiu como estratégia de continuidade do Programa de Plantas Medicinais e Fitoterapia de Pindamonhangaba uma sensibilização junto aos e médicos, enfermeiros e dentistas ocorrido no segundo semestre de 2007 e ao longo de O GETI se reúne sistematicamente, desde sua criação em 2006, em reuniões mensais. Nestas, a pauta se estabelece em assuntos relativos à implantação e implementação do programa de plantas medicinais e fitoterapia no âmbito municipal, tais como: estudos das políticas públicas para o setor; estratégias de ação; definição de critérios para elaboração da relação de plantas medicinais e fitoterápicos na rede; definição de atividades visando a capacitação de prescritores etc. Dentre os resultados da atuação do GETI observa-se a publicação da Portaria Geral de 27 de abril de De acordo com os levantamentos realizados desde o inicio do Programa de Plantas Medicinais e Fitoterapia no município, em 1991, e pesquisas mais recentes, selecionou-se até o momento as seguintes espécies para trabalhar na rede pública de saúde: Cymbopogon citratus (Poaceae) (Figura 2-A); Melissa officinalis (Lamiaceae); Lippia alba (Verbenaceae); Mikania glomerata (Asteraceae) (Figura 2-B); Calendula officinalis (Asteraceae); Aloe vera (Liliaceae); Baccharis trimera (Asteraceae); Plantago major e P. lanceolata(plantaginaceae); Bauhinia forficata (Caesalpiniaceae); Vernonia condensata (Asteraceae) e Plecthrantus barbatus (Lamiaceae) (Figura 2-C) (SILVA et al., 2008). Porém, observa-se que algumas destas espécies mais utilizadas pela população em Pindamonhangaba, e com certeza em muitos outros municípios do Brasil, não foram contempladas na RENISUS, como as cidreiras (Cymbopogon citratus; Melissa officinalis e Lippia alba. A RENISUS, segundo informações obtidas por meio de comunicações pessoais de colegas pesquisadores da área, será colocada em consulta pública para inclusão de outras espécies potenciais para compor a RENAFITO. Outras ações previstas nas demais diretrizes da política pública de Pindamonhangaba são desenvolvidas como: fortalecimento da participação social por meio de treinamentos para a comunidade; acesso aos Medicamentos Homeopáticos e Fitoterápicos nos postos de saúde e farmácias conveniadas. 73

8 Revista Revista Tecnologia Tecnologia & Inovação & Inovação Agropecuária Agropecuária Dezembro Dezembro de 2009de 2008 A B A rede Pública de Saúde oferece, desde 2000, os seguintes fitoterápicos: xarope de guaco (Mikania glomerata) a 10%; creme de calêndula (Calendula oficinallis) a 10% e Creme de babosa (Aloe vera) a 25%. Atualmente, estes fitoterápicos são produzidos na Farmácia Municipal de Cruzeiro por meio de convênio entre as prefeituras. Os insumos são adquiridos pelas prefeituras conveniadas, e do total produzido, 80% retornam ao município e 20% fica em Cruzeiro. Várias destas ações estão sendo possíveis através do Projeto de o Projeto Políticas Públicas em Plantas Medicinais e Fitoterapia/FAPESP, nas quais o poder municipal tem contribuído sistematicamente para que as metas previstas no mesmo sejam executadas com sucesso. Discute-se a ampliação do mesmo para o setor produtivo rural do município, enfocando a organização da Agricultura Familiar na forma de um arranjo produtivo local. D E S A F I O S R E L A T I V O S À S POLÍTICAS PÚBLICAS DE PLANTAS MEDICINAIS E FITOTERÁPICOS E A AGRICULTURA FAMILIAR C Figura 2. Algumas espécies medicinais selecionadas para o Programa de Plantas de Medicinais na rede pública de Saúde de Pindamonhangaba: A capim-limão (Cymbopogon citratus), B- guaco (Mykania glomerata) e C-Boldo (Plectranthus barbatus). Pindamonhangaba, Em relação à política pública municipal de Pindamonhangaba, que implementa a Portaria 971 no âmbito municipal, onde estão previstas as ações com plantas medicinais e fitoterapia, destacam-se como os principais desafios a ampliação da relação de plantas medicinais e fitoterápicos; realização do diagnóstico de uso popular com bases científicas para identificação botânica correta das espécies mais utilizadas pela população; implantação de uma Farmácia Municipal de Manipulação de Fitoterápicos; realização da formação e educação permanente de profissionais, principalmente da área de saúde focando os prescritores; ampliação dos Hortos Didáticos nas Unidades do Programa da Saúde da Família; publicação de materiais técnicos de divulgação direcionados aos trabalhadores, gestores, conselheiros de saúde e comunidade em geral e, dentre outros, a criação da política municipal de plantas medicinais e fitoterápicos, de acordo com a política e o programa nacional a ser publicado pelo Ministério de Saúde. Estes desafios estão contemplados no projeto de políticas públicas em andamento no município, tendo ainda a implementação do Horto Oficial, previsto em lei, no Pólo APTA do Vale do Paraíba. 74

9 O horto possibilitará o desenvolvimento de pesquisas agronômicas das espécies selecionadas para atender a este projeto e outros de municípios da região que tem demonstrado interesse pelo tema. Estudos sobre a rede produtiva deste segmento têm sido desenvolvidos na região (SILVA et al., 2007) e o interesse de produtores rurais também tem aumentado. Observa-se que o perfil dos produtores que procuram por informações relativas ao cultivo comercial de plantas medicinais é de empreendedor, e está decidido a investir neste segmento em função do potencial de mercado que tem observado a divulgação em diferentes meios de comunicação em massa. Geralmente possuem outra atividade econômica principal na propriedade rural (pecuária, fruticultura ou horticultura) ou cidade (comerciantes, empresários) e estão interessados em diversificar através das plantas medicinais e aromáticas. Porém, para fomentar esta cadeia ainda há necessidade de se aprofundar os estudos de mercado para que o produtor tenha a garantia de comercialização de seus produtos, assim como organizar o arranjo produtivo local na região do Vale do Paraíba. Definir espécies que tenham mercado garantido, assim como conhecer o seu comportamento agronômico na região do Vale do Paraíba ou elaborar planos de manejo para as espécies nativas promissoras são temas que carecem de estudos. A participação do tema em fóruns de discussão como reuniões de Conselhos de Desenvolvimento Rural, municipais, regionais e estaduais, e em eventos regionalizados como cursos e reuniões técnicas, tem sido freqüentes e, considera-se que são estratégias que poderão contribuir para sanar esses desafios. Observa-se, neste sentido, a mais recente discussão nacional e elaboração das diretrizes para a Política Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário, em que o tema aqui discutido é contemplado como um meio de garantia da qualidade de vida no meio rural além de uma fonte de renda para a A g r i c u l t u r a F a m i l i a r ( M I N I S T É R I O D O DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO, 2008). com qualidade fitossanitária e fitoquímica asseguradas, e de arranjos produtivos locais inseridos dentro de uma cadeia produtiva com comercialização garantida. Para que o mercado de plantas medicinas e aromáticas desenvolva o setor produtivo oriundo da Agricultura Familiar é necessário que se sistematize e implante, definitivamente, o PNPMF em todo o Sistema Único de Saúde do Brasil. Assim, a indústria nacional de fitoterápicos também se desenvolveria, e a demanda por matériaprima vegetal de qualidade, com eficácia e segurança garantidas, e em quantidade e periodicidade regularizadas, viabilizará essa cadeia. A Agricultura Familiar, desde que organizada em forma de cooperativas ou associações, poderá suprir essa demanda. Aguarda-se, até o momento, a publicação oficial do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos, revisado e atualizado após consulta pública, e da Relação Nacional de Plantas Medicinais, que nortearão as ações referentes a esse setor produtivo. Está em elaboração uma legislação sobre Farmácias Verdes, que regulamentará as Farmácias Vivas e garantirá o acesso às plantas medicinais de forma segura, eficiente e com qualidade. Dentre as metas a serem atingidas destaca-se a elaboração do Programa Estadual de Fitoterápicos, Plantas Medicinais e Aromáticas, em São Paulo; a elaboração de um programa de pesquisa científica, extensão rural e treinamentos técnicos da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, com metas de médio a longo prazo, objetivando dar suporte técnico-científico ao desenvolvimento da cadeia produtiva; o desenvolvimento de tecnologias e inovação voltadas às particularidades das plantas medicinais, aromáticas e da Agricultura Familiar; desenvolver ações em conjunto com outras Secretarias de Estado afins e implementar as diretrizes do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos em consonância com outras políticas públicas que atendem à demanda do desenvolvimento rural sustentável e solidário. CONSIDERAÇÕES FINAIS A organização da agricultura familiar, tendo os distintos movimentos sociais como colaboradores e usuários das políticas públicas relativas às plantas medicinais e aromáticas, poderá implantar e implementar as diretrizes previstas no Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Os desafios encontram-se principalmente no estabelecimento de sistemas de produção orgânicos, REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. 2006a. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - PNPIC-SUS/Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 92 p. 75

10 BRASIL. Decreto no. 5813, de 22 de junho de Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. 2006b. BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei da Agricultura Familiar nº , de 24 de julho de Diário Oficial da União, Brasília, 25 jul. 2006c. Seção 1, p. 1. BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2006d. Boas Práticas Agrícolas (BPA) de plantas medicinais, aromáticas e condimentares. (Ed.) SCHEFFER, M.C.; CORREA Jr., C. (Coord.) UDRY, M.C.; MARQUES, N.E.; KORNIJEZUK, R.M.P. MAPA;SDC: Brasília..48p. ESTADO DE SÃO PAULO. Portaria Número 52, de 28 de dezembro de 1998, do Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais Disponível em: cao/estadual/portarias/1998_port_deprn_52.pdf. Acessado em 15 de maio de ESTADO DE SÃO PAULO. Lei nº , de 1º. de novembro de Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Estadual de Fitoterápicos, Plantas Medicinais e Aromáticas. Diário da Assembléia Legislativa de São Paulo, São Paulo, 2 nov Vol. 117, n ESTADO DE SÃO PAULO. Resolução SAA número 19, de 22 de abril de Institui a Comissão Técnica de Plantas Aromáticas e Medicinais da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Diário Oficial, São Paulo, 2008a. ESTADO DE SÃO PAULO. Resolução SAA número 22, de 06 de maio de Designa os membros titulares e suplentes da Comissão Técnica de Plantas Aromáticas e Medicinais da Secretaria de Agricultura e Abastecimento. Diário Oficial, São Paulo, 7 mai. Vol. 118, n 83, p b. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Secretaria de Ciências, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Brasília- DF. 77p MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria interministerial no 2.960, de 9 de dezembro de Aprova o Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e cria o Comitê Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Seção 1, n D.O.U. 10 de dezembro D i s p o n í v e l e m ersao_publicada.pdf. Acessado em 9 de janeiro de MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário, 1. Documento Final. Conselho Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável, B r a s í l i a, A g o s t o D i s p o n í v e l e m 312.pdf. Acessado em 18 de agosto de OLIVEIRA, C. A. L. Extrativismo de Plantas Medicinais e Aromáticas. Palestra apresentada no I Seminário de Plantas Medicinais e Fitoterapia para Agricultura Familiar no Vale do Paraíba, FATEA, CATI/SAA. Lorena, São Paulo. 2 e 3 dez PAVAN-FRUEHAUF, S. Plantas medicinais de Mata Atlântica: manejo sustentado e amostragem. São Paulo: Annablume: FAPESP. 216p P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E PINDAMONHANGABA. Portaria Geral número 3.059, 27 de abril de Procuradoria Jurídica. Jornal Tribuna do Norte, Pindamonhnagaba, 4 mai. P RENISUS. Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Departamento de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (DAF/SCTIE/MS). Fev Disponível em S.pdf. Acessado em 12 de fevereiro de RODRIGUES, W.; NOGUEIRA, J. M; PARREIRA, L. A Competitividade da cadeia produtiva de plantas medicinais no Brasil: uma perspectiva a partir do comércio exterior. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 46. Disponível em: Acessado em 10 de julho de SILVA, S.M.P.; BLANCO, M.C.G.; MING, L.C.; CARVALHO, I. de; COSTA, M.A.G.; SOUZA, M.M.S. Diagnóstico sobre a cadeia produtiva de plantas medicinais, aromáticas e condimentares na região do Vale do Paraíba, SP. Jornal Brasileiro de Fitomedicina, São Paulo; Volume 5; Número 3; Julho/Setembro; pg SILVA, S.M.P.; MORAES, I. F.; SUAREZ, M. T. R.; FURLAN, M. R.; MING, L. C.; SOUZA, M.M.S. Políticas públicas e plantas medicinais: experiência do município de Pindamonhangaba-SP. In: Simpósio Brasileiro de Plantas Medicinais, XX; International Congresso Ethnopharmacology, X. Resumo São Paulo. Set

1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas em Saúde

1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas em Saúde Prefeitura Municipal de Pindamonhangaba CENTRO DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES 1º Seminário Internacional de Práticas Integrativas em Saúde Brasília 2008 Diretriz 1 : Estruturação e Fortalecimento

Leia mais

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA

NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA NOTA TÉCNICA FITOTERAPIA A Portaria nº 1.686 de 16 de Outubro de 2009 da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia instituiu o Núcleo Estadual de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Núcleo FITOBAHIA com o

Leia mais

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. III EnFarMed São Paulo Setembro_2009

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. III EnFarMed São Paulo Setembro_2009 Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos III EnFarMed São Paulo Setembro_2009 Políticas Públicas para Plantas Medicinais e Fitoterápicos Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPB0232 METODOLOGIA PARA SELEÇÃO DE ENTREVISTAS PARA IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS

Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS Arranjos Produtivos Locais de Plantas Medicinais e Fitoterápicos no âmbito do SUS Pré-Evento: II Encontro dos Núcleos Estaduais de Apoio a APLs 6ª Conferência Brasília, 3 dezembro de 2013 Contemplar as

Leia mais

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados. Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Biotecnologia como Geração de Conhecimentos e Benefícios Ampliados Foco:- Redes Fito e a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos Wanderli Pedro Tadei tadei@inpa.gov.br CENÁRIOS ATUAIS DA

Leia mais

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00.

Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Mesa Redonda: Plantas medicinais e fitoterápicos: uma resposta nacional Curitiba, Brasil. Data: 25 de março de 2006. Horário: 16:00. Organizador: Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) Contatos:

Leia mais

Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010

Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010 Seminário Estadual: Da Planta Medicinal ao Fitoterápico Em defesa da Vida ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA_RS 31 DE MAIO DE 2010 Alma-Ata 1978 CF 1988 PNAF 2004 Proposta PNPMF 2001 CEME 1982 PNM 1998 CNAF 2005 OMS

Leia mais

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução)

AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento e Execução) UNIÃO DE ENSINO SUPERIOR DE CAMPINA GRANDE FACULDADE DE CAMPINA GRANDE-FAC-CG PERÍODO LETIVO: 2015.2 CURSO: ENFERMAGEM - TURNO: NOTURNO 5º PERÍODO A AULA: PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES (Planejamento

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

NOTÍCIAS DO CFF Plenário do CFF aprova prescrição farmacêutica Data: 30/08/2013 De acordo com o texto da proposta, o farmacêutico poderá realizar a prescrição de medicamentos e produtos com finalidade

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais)

Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Decreto Nº 46186 DE 15/03/2013 (Estadual - Minas Gerais) Data D.O.: 16/03/2013 Regulamenta a Lei nº 13.965, de 27 de julho de 2001, que cria o Programa Mineiro de Incentivo ao Cultivo, à Extração, ao Consumo,

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro

Câmara Municipal de São Paulo Gabinete Vereador Floriano Pesaro SUBSTITUTIVO Nº, APRESENTADO EM PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 0141/2009 Institui o Programa de Incentivo a Rede de Comércio Solidário da Cidade de São Paulo, e dá outras providências. A D E C R E T A:

Leia mais

Práticas Integrativas e Complementares no SUS

Práticas Integrativas e Complementares no SUS MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Atenção Básica Coordenação Nacional de Práticas Integrativas e Complementares RELATÓRIO DE GESTÃO 2006/2010 Práticas Integrativas e Complementares

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

ANEXO II - Diagnóstico Situacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - 2008

ANEXO II - Diagnóstico Situacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - 2008 ANEXO II - Diagnóstico Situacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS - 2008 Em 2008, após dois anos de aprovação da PNPIC, o Departamento de Atenção Básica (DAB), em parceria com a Secretaria

Leia mais

Experiência em Práticas Integrativas da Secretaria de Saúde do Distrito Federal

Experiência em Práticas Integrativas da Secretaria de Saúde do Distrito Federal NÚCLEO DE MEDICINA NATURAL E TERAPÊUTICAS DE INTEGRAÇÃO PLANEJAMENTO E PESQUISA PRÁTICAS INTEGRATIVAS DE SAÚDE MEDICINA HOMEOPÁTICA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA MEDICINA E TERAPIAS ANTROPOSÓFICAS ACUPUNTURA

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

Desafios das Práticas Integrativas. Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio

Desafios das Práticas Integrativas. Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio Desafios das Práticas Integrativas Complementares- PIC no SUS- RN Secretaria Adjunta de saúde do estado do RN Ana Tânia Lopes Sampaio Para o RN, consideram-se Práticas Integrativas Complementares: Medicina

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO COM SUSTENTABILIDADE Introdução A capacidade da atuação do Estado Brasileiro na área ambiental baseia-se na ideia de responsabilidades compartilhadas entre União, Estados,

Leia mais

Farmácias Vivas e os níveis de complexidade

Farmácias Vivas e os níveis de complexidade Farmácias Vivas e os níveis de complexidade CONSIDERAÇÕES O Programa Farmácias Vivas é o primeiro programa de assistência social farmacêutica baseado no emprego científico de plantas medicinais e produtos

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

Ações de Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças do Governo Brasileiro

Ações de Incentivo ao Consumo de Frutas e Hortaliças do Governo Brasileiro Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Ministério da Saúde Coordenação Geral da Política de Alimentação e Nutrição Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR:

Leia mais

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga.

APPA Associação de Proteção e Preservação Ambiental de Araras A natureza, quando agredida, não se defende; porém,ela se vinga. O desmatamento, ao longo dos anos, no município de Araras, contribuiu para a redução no suprimento de água potável, devido à formação geológica local, que resulta nos aqüíferos do grupo Passa Dois e Basalto

Leia mais

PREFEITURA DE PORTO VELHO

PREFEITURA DE PORTO VELHO LEI Nº. 1628, DE 27 DE OUTUBRO DE 2005. Institui a Política Municipal de fomento à Economia Popular e Solidária na Cidade de Porto Velho e estabelece outras disposições. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PORTO

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ FACULDADE DE TECNOLOGIA DE GRAVATAÍ REGIMENTO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO Atualização do Regimento de 2012 Porto Alegre, março de 2015 Faculdade de Tecnologia de Porto Alegre Av. Julio de Castilhos,

Leia mais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais O SUAS e rede privada na oferta de serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS. Secretaria Nacional de Assistencia Social. DADOS

Leia mais

Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP

Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP Manuais ISGH Coordenadoria de Educação Permanente, Ensino e Pesquisa CEPEP Página 1 ELABORAÇÃO Assessoras Técnicas da Educação Permanente ISGH Ana Karine Girão Lima Társia Vitoria de Araujo Joaquim Nogueira

Leia mais

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL

ÁREAS TEMÁTICAS SITUAÇÕES PROBLEMA SOLUÇÕES SUGERIDAS PROFISSIONALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO SOCIAL Contribuições do GT Capoeira, Profissionalização e Internacionalização. Este documento apresenta os resultados dos debates desenvolvidos pelo Grupo de Trabalho Capoeira, Profissionalização e Internacionalização

Leia mais

EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO

EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO EDITAL 02/2011 TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATO POR PRODUTO ENVIO DA PROPOSTA Caixa Postal nº 8575 CEP:.70.312-970 - Brasília-DF Observação: O CANDIDATO DEVERÁ OBRIGATORIAMENTE INFORMAR NA CAPA DO ENVELOPE

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL

RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL RELATO DA PRÁTICA INOVADORA NA ASSISTÊNCIA SOCIAL 1. NOME DA PRÁTICA OU IDÉIA INOVADORA Projeto De Volta Pra Casa - Linha de Cuidado Aplicada à Assistência Social - Fortalecendo a Convivência Familiar

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular.

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências.

Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. Versão final do Workshop 09/07/2010 PROJETO DE LEI ESTADUAL - PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

PROJETO EM DEFESA DAS ÁGUAS E PROTEÇÃO DA VIDA RELATÓRIO FINAL I. DADOS BÁSICOS

PROJETO EM DEFESA DAS ÁGUAS E PROTEÇÃO DA VIDA RELATÓRIO FINAL I. DADOS BÁSICOS I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Tereviva Associação de Fomento Turístico e Desenvolvimento Sustentável S/C Título do projeto: Defense of Waters and Protection of Life: Três Picos State Park Parceiros

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE - Inclusão sócio produtiva; oficina de criatividade; empreendimentos econômicos solidários. Introdução

PALAVRAS-CHAVE - Inclusão sócio produtiva; oficina de criatividade; empreendimentos econômicos solidários. Introdução ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE (X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ECONOMIA SOLIDÁRIA E TRABALHO ASSOCIATIVO: A EXPERIÊNCIA DA

Leia mais

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 Apucarana, dezembro de 2006 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO I. PROJETO DECURTA DURAÇÃO

ANEXO I. PROJETO DECURTA DURAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DECURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação de Técnicos em Classificação de Produtos Vegetais

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar Projeto Consumo Responsável e Coletivo Oficina de Campina Grande, 21 de Novembro de 2011 Ana Flávia Badue, Danuta Chmielewska e Viviany Félix Instituto Kairós - Ética e Atuação Responsável www.institutokairos.net

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

META NACIONAL 15: garantir, em regime de colaboração entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, no prazo de 1 (um) ano de vigência deste PNE, política nacional de formação dos profissionais

Leia mais

DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005

DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005 DECRETO ESTADUAL Nº 49.723, DE 24 DE JUNHO DE 2005 Institui o Programa de Recuperação de Zonas Ciliares do Estado de São Paulo e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, Governador do Estado de São

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS

A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA A CONSTITUIÇÃO DO FÓRUM PERMANENTE DA PESSOA IDOSA NA REGIÃO DOS CAMPOS GERAIS Maria Iolanda de Oliveira 1 Rita de

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO Autor: Poder Executivo. LEI N 1.328/2016. CRIA O CONSELHO E FUNDO MUNICIPAL E POLÍTICAS SOBRE DROGAS DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Departamento do Agronegócio. AgroLegis. Estadual. Acompanhamento de Legislações. 17 de abril de 2013 Edição 82. Documento Interno

Departamento do Agronegócio. AgroLegis. Estadual. Acompanhamento de Legislações. 17 de abril de 2013 Edição 82. Documento Interno Departamento do Agronegócio AgroLegis Acompanhamento de Legislações 17 de abril de 2013 Edição 82 Documento Interno Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Presidente: Paulo Skaf Departamento do

Leia mais

Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028. TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia)

Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028. TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia) Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para Reduzir a Pobreza no Brasil BR-X1028 TERMOS DE REFERÊNCIA: Consultor de bioma (Amazônia) I. APRESENTAÇÃO 1.1. O Brasil é o décimo oitavo maior emissor

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Departamento t de Desenvolvimento Sustentável tá na Mineração Ministério das Minas e Energia LEI Nº 12.305/2010 Art. 1 o Esta Lei institui a Política Nacional de Resíduos

Leia mais

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia

Capacitação para o Desenvolvimento Sustentável na Amazônia Programa 0502 Amazônia Sustentável Objetivo Promover o desenvolvimento da Amazônia, mediante o uso sustentável de seus recursos naturais. Indicador(es) Número de Ações 9 Taxa de participação de produtos

Leia mais

Carta da Região Sudeste

Carta da Região Sudeste I FÓRUM ESTADUAL DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES I SEMINÁRIO SUDESTE DE PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES Carta da Região Sudeste Gestores da Saúde, Servidores da Saúde, Representantes de

Leia mais

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014.

Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares. CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. Seminário: As Compras Institucionais a Serviço dos Agricultores Familiares CSA, Bruxelas 23 de Abril de 2014. ESTRATÉGIA: SEGURANÇA E SOBERANIA ALIMENTAR X FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR Fortalecimento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Evair de Melo) Institui a Política Nacional de Incentivo à Produção de Café de Qualidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política Nacional

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.053 DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. Institui a Política Nacional para a População em Situação de Rua e seu Comitê Intersetorial

Leia mais

Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1

Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1 Plano de Comunicação: Projeto Tecnologias Sociais Para Empreendimentos Solidários da UNISINOS 1 Cassandra BRUNETTO 2 Deisi BUENO 3 Marina MARTINS 4 Tatiane FLORES 5 Vera Regina SCHMITZ 6 Universidade do

Leia mais

EDITAL Nº 001/2013 TERMO DE REFERÊNCIA N 007 PROJETO PNUD BRA/05/021 PERFIL 007

EDITAL Nº 001/2013 TERMO DE REFERÊNCIA N 007 PROJETO PNUD BRA/05/021 PERFIL 007 EDITAL Nº 001/2013 TERMO DE REFERÊNCIA N 007 PROJETO PNUD BRA/05/021 PERFIL 007 1. Função no Projeto Produzir informe técnico com recomendações sobre alternativas de financiamento para empreendedorismo

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 441 ARTIGOS COMPLETOS...442 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL Nº37, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2003, QUE INSTITUI O FUNDO ESTADUAL DE COMBATE À POBREZA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL Nº37, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2003, QUE INSTITUI O FUNDO ESTADUAL DE COMBATE À POBREZA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO Nº27.379, de 01 de março de 2004. REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL Nº37, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2003, QUE INSTITUI O FUNDO ESTADUAL DE COMBATE À POBREZA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR

Leia mais

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013

CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 CHAMAMENTO PARA A ELABORAÇÃO DE ACORDO SETORIAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE LOGÍSTICA REVERSA DE MEDICAMENTOS EDITAL Nº 02/2013 O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, tendo em vista o disposto na Lei nº

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO

INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO INCUBADORA DE EMPRESAS I-DEIA EDITAL 01/2011 PROCEDIMENTOS PARA O PROCESSO SELETIVO FEVEREIRO DE 2011 Telefones: (66) 3422 2461 / 6710 1 1. Apresentação da Incubadora de Empresas I-deia A Incubadora I-deia

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Folder da Conferência Sustentabilidade e Deficiência onde nosso projeto foi apresentado Setor de Diversidade em Cachoeirinha Encontro da Comissão Organizadora

Leia mais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais

Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais PARTE 3 Situação das capacidades no manejo dos recursos genéticos animais Os países em desenvolvimento precisam fortalecer as capacidades institucional e técnica. É necessário melhorar a formação profissional

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO

TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA PCT BRA/IICA/05/004 PAN DESERTIFICAÇÃO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Projeto de Cooperação Técnica PCT BRA/IICA/05/004 PAN Desertificação

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DAS LICENCIATURAS (NEPEx LICENCIATURAS) DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ENSINO, PESQUISA E

Leia mais

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau

Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Proposta de Plano de Desenvolvimento Local para a região do AHE Jirau Fundação Getulio Vargas, Abril de 2011 REGIÃO PODE TER LEGADO COMPATÍVEL COM DESENVOLVIMENTO INOVADOR E SUSTENTÁVEL Deixar um legado

Leia mais

Contrato por Produto Nacional. Número e Título do Projeto: BRA 03/034 Projeto da Agricultura Familiar. 1. Função no Projeto: 2.

Contrato por Produto Nacional. Número e Título do Projeto: BRA 03/034 Projeto da Agricultura Familiar. 1. Função no Projeto: 2. TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA 03/034 Projeto da Agricultura Familiar 1. Função no Projeto: Consultor em Agronomia. 2. Nosso Número: 3. Antecedentes:

Leia mais

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária

Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Fóruns Regionais de VISA: Política e práticas em vigilância sanitária Brasília, 2010. Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva Ministro da Saúde José Gomes Temporão Diretor Presidente da Anvisa

Leia mais

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL

A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO NO CONTEXTO ATUAL A PRÁTICA INVESTIGATIVA NO CURSO DE PEDAGOGIA: AVANÇOS E DESAFIOS Ana Lúcia Cunha Duarte UCB duart_ana@hotmail.com Resumo: A prática investigativa desenvolvida no curso de Pedagogia do Centro de Educação,

Leia mais