Regulamento do Processo Seletivo 003/2007. Prova 11/11/2007 ENGENHEIRO SÊNIOR I CONHECIMENTO ESPECÍFICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regulamento do Processo Seletivo 003/2007. Prova 11/11/2007 ENGENHEIRO SÊNIOR I CONHECIMENTO ESPECÍFICO"

Transcrição

1 Regulamento do Processo Seletivo 003/2007 Prova 11/11/2007 ENGENHEIRO SÊNIOR I ONHEIMENTO ESPEÍFIO 01 - Em uma Especificação Técnica para Transformadores de orrente (T s), considere as seguintes características: 1. orrente nominal e relação de transformação. 2. arga nominal. 3. lasse de exatidão. 4. Número de pólos. 5. Nível de isolamento. As principais características a serem consideradas nesse tipo de especificação são: a) 1, 2 e 5 apenas. b) 2, 3 e 4 apenas. c) 3, 4 e 5 apenas. *d) 1, 2, 3 e 5 apenas. e) 3 e 5 apenas Na fiscalização de atividades de montagem eletromecânica, a equipe de fiscalização tem autoridade para decidir algumas questões, EXETO sobre: a) a interpretação dos projetos e especificações técnicas. b) a aceitação dos materiais fornecidos pela contratada. c) o modo e ritmo de condução dos serviços. d) o cumprimento dos termos do contrato. *e) as que interferem diretamente na administração da contratada onsidere os seguintes softwares/aplicativos: 1. Autocad 2. Microstation 3. Ms Project 4. Primavera 5. orel Draw São indicados para o planejamento e gerenciamento de obras os aplicativos: a) 2 e 3 apenas. b) 1, 3 e 4 apenas. *c) 3 e 4 apenas. d) 1, 2, 3 e 5 apenas. e) 3 e 5 apenas No dimensionamento da capacidade de carga de uma ponte rolante para uma casa de força de uma usina hidrelétrica de grande porte, o que deve ser levado em consideração? a) O peso do rotor da turbina. *b) O peso do rotor do gerador. c) O peso do estator do gerador. d) O eixo do gerador. e) A caixa espiral No caso de uma usina hidrelétrica, qual a seqüência de montagem mais adequada no poço dos equipamentos listados abaixo? ( ) Rotor do gerador. ( ) ruzeta inferior. ( ) aixa espiral. ( ) Rotor da turbina. ( ) ruzeta superior. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta, de cima para baixo. a) b) c) d) e) (*) Questão anulada e pontuada a todos os candidatos

2 onsidere o esquema de uma subestação apresentado no desenho abaixo: Esse esquema utiliza: a) arranjo em barra principal e de transferência. *b) arranjo em disjuntor e meio. c) arranjo em anel. d) arranjo em barra dupla e disjuntor triplo. e) arranjo em disjuntor e terço Qual deve ser a seção mínima dos cabos de cobre isolados em uma instalação elétrica para circuitos de iluminação? *a) 1,5 milímetros quadrados. b) 10,0 milímetros quadrados. c) 4,0 milímetros quadrados. d) 0,5 milímetro quadrado. e) 1,0 milímetro quadrado Para realizar a reforma de um conjunto de painéis em uma usina hidrelétrica, estão previstas 4 atividades: 1ª) Retirada dos painéis antigos. 2ª) Montagem dos novos painéis. 3ª) Lançamento e conexão dos cabos. 4ª) omissionamento. O cronograma de atividades deve obedecer à seguinte seqüência: A retirada dos painéis antigos inicia na data zero e tem duração de 14 dias. A montagem dos novos painéis termina juntamente com o lançamento e conexão dos cabos e tem duração de 16 dias. O lançamento e conexão de cabos começa 6 dias após o início da retirada dos painéis e tem duração de 13 dias. O comissionamento deve começar junto com o lançamento e conexão de cabos e tem duração prevista de 15 dias. O caminho crítico, em dias, dessa reforma é de: a) 30 dias. b) 29 dias. c) 15 dias. d) 19 dias. *e) 21 dias.

3 Qual deve ser a especificação do grau de proteção de um painel elétrico a ser montado em uma instalação elétrica industrial, que deverá ter uma proteção relativa contra poeiras em seu interior e estar protegido contra projeções d água em qualquer direção? *a) IP54 b) IP52 c) IP46 d) IP67 e) IP A respeito da aplicação da norma NR-10 (Norma Regulamentadora nº 10 Segurança em instalações e serviços de eletricidade) para atividades de montagem eletromecânica, considere as seguintes afirmativas: 1. De acordo com a NR-10, todo profissional, para inspecionar uma instalação elétrica, deve estar apto a executar o resgate e prestar primeiros-socorros a acidentados, especialmente por meio de reanimação cardiorrespiratória, e estar apto a manusear e operar equipamentos de prevenção e combate a incêndio existentes nas instalações. 2. A responsabilidade quanto ao cumprimento da NR-10 é exclusiva dos contratados envolvidos. 3. Os serviços em instalações elétricas energizadas em Alta Tensão (AT) e aqueles executados no Sistema Elétrico de Potência (SEP) não podem ser realizados individualmente. 4. Na NR-10 é considerada Alta Tensão (AT) a tensão superior a 500 V em corrente alternada ou 1000 V em corrente contínua. São verdadeiras apenas as afirmativas: a) 1, 2 e 3. b) 2 e 3. c) 1, 3 e 4. *d) 1 e 3. e) 2 e onsidere as seguintes características: 1. Peso Líquido. 2. Potência Nominal. 3. Deslocamento Angular. 4. Método de Resfriamento. 5. Meio Isolante. Na especificação de um transformador elevador de uma usina hidrelétrica de grande porte, que características devem ser consideradas? a) 1, 2, 4 e 5 apenas. b) 1, 3, e 4 apenas. c) 3 e 5 apenas. *d) 2, 3 e 4 apenas. e) 2, 3 e 5 apenas om relação à montagem de transformadores elevadores de uma UHE de grande porte, considere as seguintes afirmativas: 1. O transformador só poderá ser instalado em sua base definitiva após a conclusão das obras civis. 2. O transformador já vem de fábrica com o tanque completo de óleo isolante. 3. Os ensaios que devem ser realizados no óleo isolante são: rigidez dielétrica, teor de umidade e medição de resistência de isolamento. 4. Podem-se utilizar dormentes de madeira para assentamento do transformador, quando a descarga for realizada em local provisório. 5. Deve-se evitar instalar o transformador em dias chuvosos, com umidade relativa do ar acima de 80%. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras. *b) Somente as afirmativas 1, 4 e 5 são verdadeiras. c) As afirmativas 1, 2, 3, 4 e 5 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 2 e 5 são verdadeiras. e) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras.

4 onsidere as seguintes afirmativas: 1. Nas instalações elétricas, as sobretensões são de origem atmosférica, de manobra ou decorrentes de faltas para a terra. 2. Para se evitar problemas com a compatibilidade eletromagnética, deve-se considerar o uso do condutor de proteção (PE) e do condutor de neutro (N) separados somente dentro do painel que abriga o equipamento a ser protegido. 3. O dimensionamento de cabos de força deverá atender aos critérios de secção mínima, capacidade do condutor, queda de tensão, sobrecarga, curto-circuito e contato indireto. 4. A capacidade do condutor poderá sofrer alterações em função das correntes harmônicas presentes no circuito em questão. Estão estabelecidos na NR 5410: a) Somente as afirmativas 1, 2 e 4 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. *c) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 3 e 4 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras O código ANSI/IEEE é utilizado normalmente para indicar as funções dos dispositivos elétricos. Numere a coluna da direita com base nos códigos da coluna esquerda ( ) Função de proteção de distância ( ) Função de bloqueio ( ) Função de proteção freqüência ( ) Função de proteção diferencial ( ) Função de teleproteção. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta da coluna da direita, de cima para baixo. a) b) c) *d) e) onsidere os seguintes requisitos de procedimento de rede para conexão de agentes à rede básica: 1. Por princípio, os requisitos técnicos das instalações de conexão devem estar em conformidade com as Normas Técnicas da ANT no que for aplicável e, na sua falta, com as Normas Técnicas da IE e ANSI, nessa ordem de preferência. 2. ada terminal de linha de transmissão deve ser equipado com um relé de proteção adequado para a proteção da linha de transmissão em que foi instalada, considerando ou não a utilização de compensação série. 3. A proteção de distância deve ser complementada com a utilização de proteção de sobrecorrente direcional de neutro (67N), com unidades instantâneas e temporizadas 4. É permitida a utilização de excitação tipo rotativa para unidades geradoras de potência superior a 50 MW. São requisitos estabelecidos pelo ONS: *a) 1 e 3 apenas. b) 3 e 4 apenas. c) 1 e 2 apenas. d) 2, 3 e 4 apenas. e) 1, 2, 3 e A respeito de ontrolador Lógico Programável (LP), considere as seguintes afirmativas: 1. O LP é utilizado para substituir os relés auxiliares que fazem o automatismo das unidades geradoras. 2. As saídas dos LP são utilizadas para acionar diretamente as bobinas de abertura dos disjuntores de alta tensão. 3. Todos os LP têm a capacidade de realizar seqüências de eventos com resolução de 1ms. 4. Os LP podem ser programados em linguagem tipo Ladder. Assinale a alternativa correta. a) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. b) Somente as afirmativas 1, 3 e 4 são verdadeiras. *c) Somente as afirmativas 1 e 4 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2, 3 e 4 são verdadeiras.

5 onsidere as seguintes afirmativas com relação a aterramento de geradores: 1. Um gerador é aterrado através de alta resistência, com a finalidade de limitar a corrente de falta fase-terra entre os valores de 5 a 15 A. 2. Em um gerador não aterrado podem ocorrer sobretensões transitórias excessivas. 3. Um gerador é aterrado através de circuito ressonante com a finalidade de reduzir a corrente de falta à terra até um valor próximo de zero. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. *b) Somente as afirmativas 1 e 2 são verdadeiras. c) Somente as afirmativas 1 e 3 são verdadeiras. d) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras. (*) Questão alterada para a resposta 18 - Durante a fase de montagem de um gerador de grande porte, são realizados ensaios para o controle de qualidade do equipamento. Sobre o assunto, considere as seguintes afirmativas: 1. Os ensaios de indução no estator são realizados após ele estar totalmente montado. 2. São realizados ensaios de tensão aplicada e corona visual. 3. om relação à tensão aplicada, o ensaio é feito com 100% do valor normalizado. Assinale a alternativa correta. a) Somente a afirmativa 1 é verdadeira. *b) Somente a afirmativa 2 é verdadeira. c) Somente a afirmativa 3 é verdadeira. d) Somente as afirmativas 2 e 3 são verdadeiras. e) As afirmativas 1, 2 e 3 são verdadeiras Abaixo estão indicadas as etapas que habitualmente são realizadas para a construção de subestações. Determine a seqüência de montagem habitualmente aplicada para esse tipo de construção. ( ) Iluminação do pátio da subestação. ( ) Drenagem e canaletas de cabos. ( ) Malha de terra. ( ) ases de equipamentos. ( ) Montagem de equipamentos. Assinale a alternativa que apresenta a numeração correta, de cima para baixo. a) b) c) d) e) (*) Questão anulada e pontuada a todos os candidatos 20 - O conjunto de especificações técnicas para o fornecimento de equipamentos eletromecânicos detalha os requisitos exigidos para contemplar as necessidades de operacionalização de uma usina e subestação associada. onsidere os agrupamentos abaixo, que discriminam tanto equipamentos elétricos quanto mecânicos: 1. Gerador, turbina, comportas. 2. Gerador, serviços auxiliares, alimentação. 3. Turbina, serviços auxiliares, alimentação A. 4. Gerador, alimentação, alimentação A. 5. Supervisão, controle e proteção. 6. omportas, seccionadoras e disjuntores. São agrupamentos que discriminam equipamentos elétricos: a) 1, 2, 3, 4, 5 e 6. b) 4 e 5 apenas. c) 5 e 6 apenas. *d) 2, 4 e 5 apenas. e) 1, 2, 3, 4 e 5 apenas.

6 onsidere os seguintes equipamentos: 1. ombas de drenagem e esgotamento. 2. Proteção contra incêndios. 3. ontrole das comportas da tomada d água. 4. Iluminação de emergência. 5. Ar comprimido para regulação. 6. PL. 7. Proteção contra choques elétricos. 8. Sistema de telecomunicações. São equipamentos essenciais para operação de uma usina que requerem energia elétrica de emergência: a) 1, 2, 3, 6 e 7 apenas. b) 2, 3, 4, 5 e 6 apenas. *c) 1, 3, 4, 5 e 8 apenas. d) 4, 5, 6 e 7 apenas. e) 1, 3, 5, 6 e 8 apenas onsidere as seguintes fontes de alimentação: 1. Derivação no barramento das unidades geradoras. 2. Grupo gerador diesel. 3. Sistema de energia solar. 4. Transformador de uma linha externa de 13,8 kv. 5. Sistema de alimentação ininterruptível. 6. ircuito de 220 Vac de um circuito de distribuição. As cargas normais para alimentação de uma usina são provenientes das fontes discriminadas em: a) 1, 2 e 6 apenas. b) 2, 4 e 5 apenas. c) 3, 5 e 6 apenas. d) 1, 4 e 5 apenas. *e) 1, 2 e 4 apenas onsidere as seguintes funções: 1. Teleproteção. 2. Aquisição de dados. 3. Registro de perturbações. 4. Seqüenciamento de eventos. 5. ontrole remoto para controle automático de tensão. 6. Trip. 7. Registro de alarmes e eventos. 8. Verificação de falha de abertura de disjuntores de alta tensão. 9. Sincronismo de tempo. 10. Medição de descargas parciais. Assinale a alternativa que apresenta somente funções básicas de um sistema SADA, de acordo com a classificação do ONS. a) 1, 2, 4, 7 e 9. b) 2, 3, 5, 8 e 9. *c) 2, 4, 5, 7 e 9. d) 4, 5, 6, 8 e 10. e) 4, 5, 6, 9 e Assinale a alternativa que apresenta a função lógica (Z) realizada pelo circuito mostrado abaixo. A Z *a) Z = A+ b) Z = A+ c) Z = A+ + d) Z = A(+ ) e) Z= A+ A

7 O bloco mostrado abaixo corresponde a um meio somador binário, no qual a saída S representa a soma dos bits A e, e a saída representa o carry ( vai um ). A S(soma) ( vai um ) As funções lógicas relativas às saídas S e são, respectivamente: a) S = A+ e = A b) S= A e = A+ *c) S= A e = A d) S= A e = A+ e) S = A+ e = A 26 - onsidere a função lógica representada através da tabela-verdade mostrada abaixo: A Z A expressão que representa a função é: a) Z = + *b) Z = + c) Z = + d) Z = A + e) Z = O circuito mostrado abaixo, composto por flip-flops tipo JK disparados pela borda de subida do clock, gera uma seqüência de valores (Q 1Q 0). J Q J Q K Q' K Q' lock Q1 Supondo que o valor inicial dos dois flip-flops seja zero, a seqüência de valores (Q 1Q 0) gerados pelo circuito é: a) 00, 01, 10, 11 b) 00, 01, 11, 10 c) 00, 10, 01, 11 *d) 00, 10, 11, 01 e) 00, 11, 10, 01 Q0

8 8 28 No sistema abaixo, a tensão na barra 1 é de 1,0 j pu. A reatância equivalente do sistema elétrico conectado à barra 1 é igual a 0,2 pu na base de 20 MVA. Os componentes do sistema são: 1. A reatância subtransitória de cada gerador é igual a 0,1 pu, na base 10 MVA e 6,9 kv. 2. A reatância do transformador é igual a 0,1 pu, na base 20 MVA, e relação de transformação 13,8/6,9 kv. Qual o valor total da corrente de curto-circuito trifásico na barra 1? Adote os valores base de 20 MVA e 6,9 kv (referente ao lado delta do transformador). 13,8 kv Sistema Elétrico 1 6,9 kv a) 2,5 pu b) 2,85 pu c) 5 pu *d) 10 pu e) 11,66 pu onsidere o sistema elétrico representado na figura a seguir. Os componentes do sistema são: 1. Geradores: - reatâncias subtransitória e de seqüência negativa de cada gerador são iguais a 0,1 pu, na base 30 MVA e 13,8 kv. - reatância de seqüência zero de cada gerador é igual a 0,05 pu, na base 30 MVA e 13,8 kv. 2. Transformadores: TR1: a reatância é igual a 0,2 pu, na base 30 MVA, e relação de transformação 13,8/138 kv. TR2: a reatância é igual a 0,1 pu, na base 30 MVA, e relação de transformação 13,8/138 kv. 3. Linha de transmissão: - reatâncias de sequência positiva e negativa são iguais a 5 pu, na base 30 MVA e tensão 13,8 kv. - reatância de sequência zero igual é igual a 10 pu, na base 30 MVA e tensão 13,8 kv. A tensão na barra 2 é de 1,0 j pu. Adote a base de 30 MVA e 138 kv na barra 2. Qual é o valor da corrente de curto-circuito fase terra (fase A), na barra 2? a) 2 pu b) 5 pu *c) 6 pu d) 7,5 pu e) 10 pu 30 - Suponha um transformador trifásico formado por um banco de transformadores monofásicos ligados em -Y. ada transformador monofásico tem relação de transformação igual a 69/13,8 kv, sendo que o lado de 13,8 kv é que está ligado em estrela aterrado. Uma carga trifásica equilibrada, ligada em estrela aterrada, tem 10 ohms em cada fase e está conectada no lado do transformador ligado em estrela aterrado. Adote a potência base como sendo de 138 MVA, tensão base de 69 kv no lado do transformador ligado em triângulo. Qual o valor da resistência em pu da carga? *a) ( 10 4, 14) pu b) ( 4, 14 10) pu c) ( 10 1, 38) pu d) ( 1, 38 10) pu e) ( 30 4, 14) pu

9 9 INGLÊS Turkey Prime Minister inaugurates 300-MW orcka In April, turkish Prime Minister Recep Tayypi Erdogan inaugurated the 300-MW orcka hydroelectric project on Turkey s oruh River. While Turkey has 138 hydroelectric projects producing 46 billion kilowatt-hours per year, Erdogan noted that is only 36 percent of the country s hydropower potential. At the same time it has a burgeoning electricity demand. Turkey still cannot use 64 percent of its potential, the prime minister said. In order to benefit from such potential, 540 new hydroelectric plants should be established in addition to the existing ones. In remarks reported by Turkish press, Erdogan said nearly 1,000 applications have been received for rapid development of new hydropower plants. Turkey s General Directorate of State Hydraulic Works (DSi) awarded a 167 million euro (U$183 million) turnkey contract in 1999 for construction of orcka and 115-MW Muratli, on the lower reaches of the oruh. (HRW, riefings, volume 15, number 4, September 2007.) 31 - onsider the following information: 1. The location of orcka hydroelectric project. 2. The country s political leader who officially put into operation orcka hydroelectric project. 3. The amount of money Turkey s government needs to construct new plants. 4. The plants Turkey s General Directorate of State Hydraulic Works is building to increase orcka s hydroelectric power. Which information is in the text? a) 1, 3 and 4 only. b) 1, 2 and 4 only. c) 2 and 3 only. d) 1, 2 and 3 only. e) 2 and 4 only. (*) Questão anulada e pontuada a todos os candidatos 32 - The sentence At the same time it has a burgeoning electricity demand means: *a) Turkey has an increasing need for electricity. b) Turkey has to diminish the demand for electricity. c) Electricity is a demanding priority in Turkey. d) Electricity is in rapid expansion. e) The demand for electricity is under control According to the text: a) Turkey prime minister believes that 36 percent of the country s hydropower potential are necessary for future projects. b) New hydroelectric plants are being constructed by Turkey s government in order to cope with hydroelectric problems. c) The Turkish press gave detailed information about Recep Tayypi Erdogan and the credits he was awarded with from international banks. *d) Turkey needs a total number of 678 hydroelectric plants to fulfill its needs. e) Turkey has applied to more than 1,000 different corporations to start new hydropower plants In the sentence While Turkey has 138 hydroelectric projects..., the underlined word means: *a) In spite of the fact that. b) Once in a while. c) In addition to. d) Moreover. e) Except that In the sentence In order to benefit from such potential, the underlined expression refers to the potential: a) from the recently inaugurated plant. b) from the 138 hydroelectric projects. c) which produces 46 billion kilowatt-hours per year. *d) Turkey has not used yet. e) from the 540 new hydroelectric plants being constructed.

10 10 DISURSIVAS 01 - Uma concessionária decide fazer um empreendimento de Engenharia a construção de uma usina hidrelétrica, e para isso resolve fazer uma contratação na modalidade TURNKEY. Descrever o que é uma contratação do tipo TURNKEY. RASUNHO 02 - O que são e quais são os principais objetivos dos Procedimentos de Rede elaborados pelo ONS? RASUNHO

11 Descrever os serviços para ampliação de uma subestação referente ao aterramento, com base na itemização abaixo: 1 - HASTES DE TERRA 2 - MALHA DE TERRA RASUNHO

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro

Capítulo V. Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Aterramento do neutro 60 Capítulo V Transformadores de aterramento Parte I Paulo Fernandes Costa* Os transformadores de aterramento são aplicados em muitas situações onde o arranjo do sistema elétrico exige que seja criado

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 17/04/2006 A 23/04/2006 RELATÓRIO ONS - 3/107/06 EMITIDO EM: 28/04/2006 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações

Submódulo 2.6. Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Submódulo 2.6 Requisitos mínimos para os sistemas de proteção e de telecomunicações Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0.0 Este documento foi

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL

1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá. 3. Empresa responsável: TRACTEBEL 1. ECE 2.46.01 ( Esquema desabilitado ) 2. Esquema de corte de geração da UHE Itá 3. Empresa responsável: 4. Categoria do esquema: Corte de geração 5. Finalidade: A finalidade deste esquema é evitar que

Leia mais

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9%

Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Gerência Técnica Grupo Investidor 50,1% 24,5% 24,5% 0,9% Grupo Construtor Obras Civis e Montagem Eletromecânica Engenharia Contratada: Fornecimentos Eletromecânicos Fornecimentos Eletromecânicos Principais

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo:

20 m. 20 m. 12. Seja L a indutância de uma linha de transmissão e C a capacitância entre esta linha e a terra, conforme modelo abaixo: ENGENHEIRO ELETRICISTA 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Um sistema de proteção contra descargas atmosféricas do tipo Franklin foi concebido para prover a segurança de uma edificação

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II

Capítulo X Proteção de transformadores Parte II 30 Capítulo X Proteção de transformadores Parte II Por Cláudio Mardegan* No capítulo anterior, iniciamos o estudo sobre proteção dos transformadores. Na primeira parte, falamos sobre normas, guias de consulta

Leia mais

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR-10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NORMA REGULAMETADORA NR10 Dispõe sobre as diretrizes básicas para a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos, destinados

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br

Série Quasar. Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente. www.altus.com.br Série Quasar Quadro Geral de Baixa Tensão Quadro de Distribuição Centro de Controle de Motores Inteligente www.altus.com.br Na medida exata para seu negócio Modular: ampla variedade de configurações para

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL SUPERIOR CARGO: Tecnologista da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Tecnologista Junior Padrão I TEMA: CADERNO DE PROVAS

Leia mais

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Submódulo 2.3 Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Rev. Nº. 0.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa*

Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* 62 Capítulo I Escolha do tipo de resistor de aterramento do neutro em sistemas elétricos industriais Paulo Fernandes Costa* Novo! A aplicação de resistores de aterramento do neutro em sistemas industriais,

Leia mais

Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido

Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido Produtos de Média Tensão Is-limiter Limitador de corrente extra rápido Is-limiter O limitador de corrente extra rápido reduz os custos das instalações resolve problemas de curto-circuito em instalações

Leia mais

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt

Proteção de Bancos de Capacitores Shunt 26 Capítulo XIII Proteção de Bancos de Capacitores Shunt Por Cláudio Mardegan* A utilização de bancos de capacitores em sistemas elétricos industriais tem crescido ultimamente devido ao fato de se constituir

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Conceitos modernos de especificação e uso de Subestações e Painéis de média tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA - NORMAS DE REFERÊNCIA

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações.

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações. DISTRIBUIÇÃO POR AGENTES GERADORES DE Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.03 1/14 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Nas questões de 21 a 50, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a folha de respostas, único documento válido para a correção das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CESPE CEBRASPE MECPS Aplicação: 2015 A B C TN PEN 66 A figura a seguir ilustra de forma correta o comportamento da tensão no capacitor do circuito. massas Figura I 67 Se a fonte

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Proteção de geradores

Proteção de geradores 28 Capítulo XI Proteção de geradores Por Cláudio Mardegan* Este capítulo abordará as funções 46, 51V, 40, 32, 81, 24, 59GN, 49S e 60. São as funções típicas para a proteção de geradores. Apresentam-se

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3

ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 ELIPSE POWER AUTOMATIZA A SUBESTAÇÃO CRUZ ALTA DA CPFL, UTILIZANDO OS PROTOCOLOS IEC 61850 E DNP3 Solução da Elipse Software apresenta rápida integração com os equipamentos da subestação localizada em

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV

ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGIA DE CÁLCULO. SUBESTAÇÕES DE 15kV ESTUDO DE PROTEÇÃO METODOLOGA DE CÁLCULO SUBESTAÇÕES DE 5kV Elaborado por Carlos Alberto Oliveira Júnior Maio 26 ÍNDCE. Obtenção dos dados...2.. Documentos necessários...2.2. Dados necessários...2 2. Cálculo

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Capítulo 4 Parte 2 Condutores elétricos: 1. semestre de 2011 Abraham Ortega Número de condutores isolados no interior de um eletroduto Eletroduto é um elemento de linha elétrica fechada,

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2 V it () t = 0 CAIXA PRETA A V W R s X s R M X M 1,2 kv/120 V Considere que a figura acima represente um circuito linear em que todos os elementos sejam ideais. A parte denominada

Leia mais

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U).

Proteção de cabos. o valor da relação Uo/U, que representa o quanto o cabo suporta de sobretensão fase-terra (Uo) e entre fases (U). 32 Apoio Proteção e seletividade Capítulo XII Proteção de cabos Por Cláudio Mardegan* Falando em proteção de cabos, este capítulo abordará de proteção deve ficar, no máximo, igual ao valor de alguns critérios

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s

6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s UNVERSDADE FEDERAL DE JUZ DE FORA Análise de Sistemas Elétricos de Potência 6.0 Curto-Circuito Simétrico P r o f. F l á v i o V a n d e r s o n G o m e s E - m a i l : f l a v i o. g o m e s @ u f j f.

Leia mais

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O

A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O A N E X O III M Ó D U L O S C O N S T R U T I V O S DE S U B E S T A Ç Õ E S D E D I S T R I B U I Ç Ã O C A T Á L O G O R E F E R E N C I A L DE M Ó D U L O S P A D R Õ E S D E C O N S T R U Ç Ã O D E

Leia mais

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos:

Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 5 Proteção e Coordenação de Instalações Industriais Para que o sistema de proteção atinja a finalidade a que se propõe ele deve obedecer aos seguintes requisitos básicos: 1 Seletividade É a capacidade

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site

Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site 1 de 6 10/06/2012 10:44 Sobre a SEL Localização Cadastro Press Releases Fale Conosco Mapa do Site Buscar Soluções Geração Transmissão Distribuição Redes de Distribuição Indústrias Redes de Comunicação

Leia mais

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências.

Rendimento EscolarFrequência : Obrigatório Critério de Avaliação : NOTA. DependênciasCritérios: Este curso não admite dependências. Titulação : Eletricista Nome Abreviado : Eletricista Nível : Aprendizagem Tipo de Curso : Aprendizagem Industrial Área : Eletroeletrônica Segmento de Área : Eletricidade Estratégia : Presencial Carga Horária

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Novas Diretrizes de projeto e aplicação de painéis de baixa tensão Eng. Nunziante Graziano, M. Sc. AGENDA Normas de Referência Por que um

Leia mais

TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO 106 ENGENHEIRO ÁREA ELETRICISTA

TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO 106 ENGENHEIRO ÁREA ELETRICISTA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA CONCURSO PÚBLICO NÍVEL SUPERIOR TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO 106 ENGENHEIRO ÁREA ELETRICISTA INSTRUÇÕES Verifique atentamente se este

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.003 2ª Folha 1 DE 17 23/10/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES

REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES REQUISITOS DE COMPARTILHAMENTO PARA INSTALAÇÕES DE TRANSMISSÃO EXISTENTES Revisão Motivo da revisão Data 0 1 Este documento foi motivado para dar transparência das normas e padrões técnicos comuns das

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios

Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Proteção de Subestações de Distribuição Filosofia e Critérios Revisão 03 12/2014 NORMA ND.62 ELEKTRO Eletricidade e Serviços S.A. Diretoria de Operações Gerência Executiva de Engenharia, Planejamento e

Leia mais

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR

Blog Segurança do Trabalho WWW.BLOGSEGURANCADOTRABALHO.COM.BR NOME DA EMPRESA CHECK LIST - NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 Empresa: Inspetor (es): Data da Inspeção: / / Responsável pelo Local de Trabalho / Setor: Local de Trabalho / Setor: ITENS DESCRIÇÃO SIM DA INSPEÇÃO

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca de equipamentos que utilizam sistemas de controle para o seu funcionamento, julgue o item abaixo. CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 5 As modernas máquinas de lavar roupa, em que é possível controlar desde

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE ALTA TENSÃO - GSE

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE ALTA TENSÃO - GSE XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GSE.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO - VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE ALTA TENSÃO

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras

Chaves 3 KU Seccionadoras e Comutadoras haves 3 KU Seccionadoras e omutadoras haves Seccionadoras e omutadoras Seccionadoras s chaves Seccionadoras E tipo 3KU1, para cargas de 12 a 1000 em 00 Vca 0- Hz, são apropriadas para uso como chaves gerais

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. 4ª 13/08/2007 Inclusão dos itens 4.9, 4.10 e substituição do ANEXO III e IV. Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição, com Processo Atendimento aos Clientes Atividade Código Edição Data SM01.00-00.007 7ª Folha 1 DE 15 21/07/2010 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR

É PERMITIDO O USO DE CALCULADORA PADRÃO (NÃO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE ENSINO DA MARINHA Prova : Amarela (PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO PARA INGRESSO NO CORPO AUXILIAR DE PRAÇAS DA MARINHA /PSCAP/2011) É PERMITIDO O USO

Leia mais

Dispositivos de Proteção

Dispositivos de Proteção 4 Dispositivos de Proteção Todos os circuitos deverão ser protegidos, a fim de garantir a integridade física das pessoas das instalações e equipamentos. Para isso, existem diversos dispositivos e equipamentos

Leia mais

Proteção dos transformadores Parte I

Proteção dos transformadores Parte I 26 Capítulo IX Proteção dos transformadores Parte I Por Cláudio Mardegan* Normas e guias Para o desenvolvimento deste capítulo, proteção dos transformadores, as seguintes normas/guias foram consideradas:

Leia mais

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS

II. IMPACTO DA SUPORTABILIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS 1 Impactos da Suportabilidade de Geradores Síncronos Distribuídos a Afundamentos de Tensão na Proteção de Sobrecorrente e Anti-ilhamento Rafael S. Silva, Fernanda C. L. Trindade, Walmir Freitas Resumo--Este

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais