CONTROLE ELETRÔNICO DA EFETIVIDADE SETEMBRO/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTROLE ELETRÔNICO DA EFETIVIDADE SETEMBRO/2012"

Transcrição

1

2 PREFEITURA DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO SUPERVISÃO DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE DIREITOS E REGISTROS ÁREA DE CONTROLE DA EFETIVIDADE CONTROLE ELETRÔNICO DA EFETIVIDADE SETEMBRO/2012 Contato: Telefone: / 1699

3 SUMÁRIO 1 - Introdução 1.1. Objetivos do Sistema de Controle Eletrônico da Efetividade 1.2 Arquitetura Base 2 - Aspectos legais relacionados ao controle eletrônico da efetividade 2.1 Portaria 1.510/2009 do Ministério do Trabalho 2.2 Lei 133/1985, Estatuto do Servidor Municipal X Controle de Efetividade 2.3 Regime Especial de Trabalho (Lei 6.309/88, artigos 36, 37 e 38) 2.4 Decreto /2001 disciplina a execução de Serviço Extraordinário (HE) 2.5 Decreto /2011 Institui o Controle Eletrônico de Efetividade (alterado pelos Decretos /2012 e /2012) 2.7 Decreto /2011 Regulamenta a Compensação de Carga Horária / Banco de Horas (alterado pelo Decreto /2012) 3 - Das responsabilidades 3.1 Dos Servidores 3.2 Das Chefias 3.3 Das Áreas de Apoio Administrativo (RH s) 3.4 Da Área de Controle da Efetividade 4 - Especificidades no Controle da Frequência do Estagiário Decreto / Fechamento da Efetividade Prazos Cômputo da hora trabalhada Agrupamento de situações - TRABALHO Situações que não computam como hora trabalhada Situações que produzem efeitos pecuniários na Folha de Pagamento Do funcionamento dos Equipamentos (relógios) Principais mensagens emitidas pelos relógios Sistemática de registro das marcações Sistema RONDA PONTO - Conceitos importantes Das Funcionalidades do Sistema RONDA 12

4 1. Introdução A Prefeitura Municipal de Porto Alegre considerando a importância de implementar modernas ferramentas de gestão instituiu o Sistema de Registro Eletrônico de Efetividade Funcional dos Servidores Municipais. Esta modalidade de controle da frequência assegura maior veracidade e integridade dos registros funcionais, resguardando gestores e servidores. Dessa forma, os procedimentos administrativos se tornam mais ágeis, tempestivos e transparentes aos usuários, preservando os direitos dos servidores e viabilizando a adoção de medidas gerenciais por parte de seus gestores. Este sistema informatizado facilita os processos de auditoria internos e externos e colabora, através da disponibilização dessas informações, para o desenvolvimento de políticas de recursos humanos. Ao adotar este sistema, a PMPA avança ao encontro do que dispõem os princípios da Administração Publica: eficiência e economicidade. Conforme disciplina o Decreto /2011 que instituiu o Sistema de Registro Eletrônico da Efetividade no Município, é atribuição dos servidores usuários do sistema o devido acompanhamento de suas marcações através do Rh 24 horas comunicando a sua chefia imediata qualquer anormalidade. Às chefias compete acompanhar e controlar a frequência dos servidores efetuando a validação no Sistema dos registros e eventuais abonos até o 5º dia do mês subsequente e aplicando quando necessárias medidas administrativas cabíveis para garantir a fiel execução da legislação vigente. Deverão ainda manter informadas as suas respectivas áreas de RH sobre entradas e saídas de servidores de seu setor, alterações de horários e necessários ajustes de marcações. Da mesma forma, compete aos setores responsáveis pelo RH em cada órgão, a conferência e homologação dos registros de efetividade, realizando a sua transposição para o sistema da folha de pagamento, em conformidade com a legislação, até o 10º dia do mês subsequente. Cabe também às áreas de RH realizar a divulgação da nova legislação, orientar os servidores acerca dos procedimentos a serem adotados e zelar pela preservação dos equipamentos e programas. À Secretaria Municipal de Administração (SMA), através da Área de Controle da Efetividade (ACE) compete o acompanhamento dos processos de implantação do Ponto Eletrônico, a orientação e treinamento dos usuários e, principalmente os procedimentos de auditagem do Sistema. Colaborando para o pleno funcionamento desse sistema, o artigo 38 da Lei Complementar 133/85, foi regulamentado por meio do Decreto /2011, autorizando a compensação por folga, do trabalho realizado além das horas normais estabelecidas para o cargo. Dessa forma, o controle do Banco de Horas também passará a ser feito de forma automatizada e regrado de maneira uniforme no âmbito da PMPA, respeitando os princípios da transparência e da isonomia. Importante destacar, por fim que as regras instituídas no Sistema RONDA de Controle da Efetividade estão em conformidade com a legislação municipal, além dos já citados decretos, especificamente no que diz respeito aos Decretos /2006 (horas extras), /2000 (férias), 9.876/1990 (LP) e que o projeto prevê a sua plena integração com os Sistema de Recursos Humanos da PMPA-ERGON. 3

5 1.1- Objetivos do Sistema de Controle Eletrônico da Efetividade Dar cumprimento a Recomendação do Ministério Público; Verificar o efetivo cumprimento de carga horária por parte dos servidores; Controlar a execução de serviço extraordinário; Evitar pagamentos indevidos (Interoperação com a Folha de Pagamento); Ampliar os mecanismos de gestão de RH Arquitetura Base 2- Aspectos Legais Relacionados ao Controle da Efetividade 2.1- Portaria 1.510/2009 do Ministério do Trabalho A portaria do Ministério do Trabalho que dispõe sobre o controle eletrônico da efetividade, não permite qualquer ação (parametrização de sistema) que desvirtue os fins legais a que se destina o referido mecanismo, como por exemplo: Restrições de horário à marcação de ponto; Marcações automáticas de ponto, utilizando-se horários predeterminados ou o horário contratual; Exigência, por parte do sistema, de autorização prévia para marcação de sobrejornada; e Exigência de qualquer dispositivo que permita a alteração dos dados registrados pelo empregado. Dessa forma, a sistemática de gestão do ponto eletrônico, adotada na PMPA, preserva as marcações ou ausências de marcação de ponto do servidor, facultando a chefia a possibilidade de efetuar ajustes de quantidade de horas e inserção de códigos abonadores. 4

6 2.2 Lei 133/1985, Estatuto do Servidor Municipal O Prefeito determinará, quando não discriminado em lei ou regulamento, o horário de trabalho das repartições (art 35). O horário normal de trabalho de cada cargo ou função é o estabelecido na legislação específica (art. 36). O funcionário poderá ser convocado para prestar (art. 37): I - regime especial de trabalho nos termos da Lei, podendo ser: a) de tempo integral, quando o sujeitar a maior número de horas semanais do que o estabelecido por lei para o seu cargo; b) de dedicação exclusiva, quando além do tempo integral, assim o exijam condições especiais ao desempenho das atribuições do cargo; c) suplementar ou complementar, se integrante do magistério municipal em atividades vinculadas ao sistema de ensino e para área médica (Médico Clínico Geral e Médico Especialista). II - serviço extraordinário III - serviço noturno Para efeitos desta lei, consideram-se extraordinárias as horas de trabalho realizadas pelo servidor, além das normais estabelecidas por semana para o respectivo cargo (art. 38). Considerar-se-á ainda extraordinário o trabalho realizado em horas ou dias em que não houver expediente, quando não compensado por folga, facultada a opção do servidor no limite de 25% do número de horas ou plantões mensais estabelecidos com base na da carga horária do cargo (art. 39). São deveres do servidor (art. 196): I - manter a assiduidade; II- ser pontual; Ocasionarão desconto em folha de pagamento (artigo 116): I- atraso comparecer ao serviço dentro da hora seguinte a marcada ou saída antecipada; II- ½ falta deixar de comparecer a um dos turnos ou se apresentar após a hora seguinte a marcada; III- falta deixar de comparecer ao trabalho Regime Especial de Trabalho (Lei 6.309/88, artigos 36 a 38) Servidores convocados para Regime Especial de Trabalho (RTI / RDE) ficam obrigados a prestar serviço de 40 horas semanais - Lei 6.309/88. O Regime de Tempo Integral é prestado em dois turnos diários, correspondendo a 40 (quarenta) horas semanais. O regime de trabalho de tempo integral poderá, também, ser cumprido em turnos de serviços ou plantões. 2.4 Decreto /2006 disciplina a execução de Serviço Extraordinário (HE) Autorização prévia Prefeito As solicitações de horas extras deverão ser preenchidas previamente à sua execução, através de Formulário A-365, de solicitação de autorização para a realização de hora extra, e encaminhadas através de processo administrativo à Secretaria Municipal de Administração, no âmbito da Administração Centralizada, e seus equivalentes, nas Autarquias e Fundação. 5

7 2.4.2 Limites Diário e Mensal Estatutários: - sem regime: até 25% (vinte e cinco por cento) da carga horária mensal; - máximo 32:30 horas e extras mensais. *Atendidos os critérios da essencialidade; excepcionalidade; urgência: - até 63 (sessenta e três) horas extras mensais; - máximo 10 (dez) horas de trabalho diárias. * Plantonistas: - até 90 (noventa) horas extras mensais; - máximo 12 (doze) horas de trabalho diárias. Celetistas: - até 44 (quarenta e quatro) horas extras mensais; - máximo 02 (duas) horas extras diárias. *Atendidos critérios da essencialidade; excepcionalidade; urgência: - até 88 (oitenta e oito) horas extras mensais; - máximo 04 (quatro) horas extras diárias. 2.5 Decreto /2011 Institui o Controle Eletrônico de Efetividade (alterado pelos Decretos 17826/2012 e /2012) O Decreto /2011 institui o sistema de registro eletrônico da efetividade funcional dos servidores municipais das Administrações Direta, Autárquica e Fundacional do Município de Porto Alegre. São considerados servidores e, portanto, vinculados ao novo sistema de controle da efetividade os que seguem: I - servidores detentores de cargo de provimento efetivo e em comissão; II - empregados públicos; III - adidos externos; IV - municipalizados; V - pessoal admitido por tempo determinado (Lei 7.770); VI - estagiários; VII - residentes da área médica; e VIII - voluntários. As disposições da referida legislação não se aplicam aos agentes políticos (Prefeito; Vice-Prefeito; Secretários Municipais, Diretores Gerais e Presidentes das Autarquias e Fundações). O registro eletrônico será realizado pessoalmente, através de sistema que armazenará, diariamente, de forma automatizada, seus horários de entrada e saída e suas saídas e retornos intermediários. É vedado ao servidor efetuar registros de efetividade além dos limites de sua jornada, conforme sua carga horária semanal, exceto se previamente autorizado. Os servidores como regra geral obedecerão ao horário das 8h e 30 min às 12h e das 13h e 30 min às 18 h, de segunda a sexta. O servidor poderá antecipar ou prorrogar em 30 minutos, no máximo, diariamente, as entradas e saídas do local de trabalho, não implicando em redução da carga horária Intervalo mínimo entre jornadas - mais de 04 (quatro) horas e até 06 (seis) horas: mínimo 15 (quinze) minutos. - a partir de 06 (seis) horas: mínimo 30 minutos e no máximo 02 horas. - plantonistas: não há intervalo. 6

8 2.6 Decreto /2011 Regulamenta a Compensação de Carga Horária / Banco de Horas (alterado pelo Decreto /2012) O Decreto /2011 regulamentou o parágrafo único, do art. 38, do Estatuto dos Servidores Municipais que diz respeito à compensação de carga horária. O servidor que trabalhar além das horas normais estabelecidas por semana para o cargo ou em horas ou dias em que não houver expediente poderá valer-se da compensação de carga horária, caso o referido período não seja pago como serviço extraordinário. A compensação de carga horária será previamente autorizada e justificada, no sistema, pela chefia, em concordância com o servidor. A compensação de carga horária será autorizada quando o servidor possuir saldo positivo de horas trabalhadas, salvo exceções previstas em lei. Exceção é concedida à classe de médicos, através do art. 15 da Lei 677/2011, onde é facultado o acúmulo de, até 24 horas negativas, não computadas nos plantões normais de trabalho, contabilizadas em banco de horas, a serem realizadas conforme a necessidade de serviço. O servidor terá o prazo de 03 (três) meses, contados do mês de competência das horas executadas, para usufruir a compensação de carga horária. Esgotados os prazos do parágrafo 2º, a Administração Pública definirá, em qual período o servidor poderá compensar as horas executadas. A carga horária previamente autorizada e executada para fins de compensação não será convertida em pecúnia. A carga horária máxima de trabalho, incluídas as horas destinadas à compensação será de: I - 10 (dez) horas diárias para os servidores em geral; II - 12 (doze) horas diárias, para os servidores que exercem suas atividades em regime de plantão. As horas a serem compensadas não poderão ultrapassar o limite de 25% (vinte e cinco por cento) da carga horária mensal do servidor. O saldo positivo de horas trabalhadas, acumulado em data anterior à vigência deste Decreto, será registrado no sistema de registro de efetividade, em até 30 (trinta) dias após a implantação do novo Sistema. A compensação de carga horária será contabilizada através do Sistema de Controle Eletrônico da Efetividade, através dos códigos 800 e 801, crédito e débito de Banco de Horas do Sistema, respectivamente, cujos lançamentos poderão ser acompanhados pelo servidor através do RH 24 horas. 3- Das responsabilidades O Controle da Efetividade é o instrumento que garante a proteção aos direitos do servidor, assim como salvaguarda o gestor quanto a quaisquer questionamentos relativos às ocorrências e anormalidades durante a jornada de trabalho. Nesse sentido dispõe o Decreto /2011 as seguintes responsabilidades as partes envolvidas. 3.1 Dos Servidores Acompanhar suas marcações através do RH 24 Horas, comunicando qualquer anormalidade a sua chefia imediata. Para os servidores vinculados ao Sistema de Registro Eletrônico da Efetividade, fica dispensada a utilização da Folha Ponto Individual Modelo C-138. O servidor que por algum motivo não estiver portando o cartão de identificação deverá dirigir-se a sua chefia para justificar-se e solicitar o abono de ponto do dia. Esta situação será permitida até 05 vezes no mês. É responsabilidade do servidor zelar pelo Cartão de Identificação e nos casos de extravio ou dano ao mesmo, no prazo de até 24 horas, solicitar a 2ª via, situação em que deverá dirigir-se à Área de Controle da 7

9 Efetividade (Siqueira Campos, º andar, sala 810), assinar o formulário modelo C-258, autorizando o desconto em folha do valor de emissão da 2º via. É facultado o registro de ponto em locais diversos ao de lotação do servidor, mediante autorização da Chefia. O servidor, em caso de falta ou atraso, deverá providenciar a justificativa e informar a Chefia para que a mesma possa regularizar a marcação do ponto. O servidor que não cumprir estas determinações estará sujeito a medidas disciplinares conforme Estatuto dos Servidores Municipais. A utilização regular da antecipação ou prorrogação de 30 (trinta) minutos prevista na legislação dependerá de autorização da chefia do servidor. Nos locais onde exista atendimento externo, a prorrogação / antecipação deverá ser ajustada entre a equipe e a chefia para que não haja prejuízo ao serviço prestado a população. 3.2 Das Chefias Às chefias gestoras de ponto compete o acompanhamento e controle da frequência dos servidores através do RONDA PONTO. Efetuar no sistema a validação dos registros e eventuais abonos até o 5º dia do mês subsequente e aplicar, quando necessário, medidas administrativas cabíveis para garantir a fiel execução da legislação vigente. Devem também manter informadas as suas respectivas áreas de RH sobre entradas e saídas de servidores de seu setor, alterações de horários e possíveis ajustes de marcações, bem como acerca de alterações de horário de seus subordinados. 3.3 Das Áreas de Apoio Administrativo (RH s) É competência das áreas de apoio administrativo conferir e homologar os registros de efetividade de seu órgão, através do RONDA PONTO, devendo realizar validação para o sistema da folha de pagamento, em conformidade com a legislação, até o 10º dia do mês subsequente. Cabe também às áreas de RH realizar a divulgação da nova legislação, orientar os servidores acerca dos procedimentos a serem adotados e zelar pela preservação dos equipamentos. 3.4 Da ACE (Área de Controle da Efetividade da SMA) Está dentre as atribuições da ACE gerenciar as etapas de implantação, mantendo contato direto com a PROCEMPA, responsável pela infraestrutura, e com os representantes designados em cada órgão. Compete a ACE, também, a gestão do Sistema de Controle de Efetividade (relógios; integradora DIMEP; Sistema Senior; CSM; RH 24 horas; Cubos BI), encaminhando e validando as parametrizações do Sistema RONDA. Além disso, a ACE é responsável pelo cadastro e baixa de usuários (chefias e RH s) do Sistema RONDA, cabendo a orientação e treinamento dos mesmos. A ACE presta atendimento aos servidores realizando o cadastro biométrico e emitindo crachás de identificação, orientando acerca da nova sistemática de controle da efetividade. É de responsabilidade da ACE a auditoria dos procedimentos de controle da efetividade, verificando a consistência entre os registros do ERGON e RONDA. 4- Especificidades do Controle de Frequência do Estagiário Decreto /2008 O Decreto /2008 estabelece disposições gerais sobre o estágio remunerado e não remunerado e, em seu artigo 12, assegura o direito ao recesso aos estagiários nos seguintes moldes: I- estágios com duração igual ou superior a 01 (um) ano, recesso de 30 (trinta) dias, a ser gozado preferencialmente durante as férias escolares; 8

10 II- estágios com duração superior a 30 (trinta) dias e inferior a 01 (um) ano, recesso concedido de maneira proporcional. Os estágios obrigatórios e não obrigatórios deverão ser cumpridos de forma a compatibilizar o horário do estudante no estabelecimento de ensino com o horário do órgão municipal, não podendo ultrapassar: I- 04 (quatro) horas diárias e 20 (vinte) horas semanais (88 mensais), no caso de estudante de educação especial e anos finais de ensino fundamental, na modalidade profissional de educação de jovens e adultos;e II- 06 (seis) horas diárias e 30 (trinta) semanais (132 mensais), no caso de estudante de ensino superior da educação profissional de nível médio e de ensino médio regular. Os estágios que alternem teoria e prática, nos períodos em que não estão programadas aulas presenciais, poderão ter jornada de até 40 (quarenta) horas semanais, desde que previsto no projeto pedagógico do curso e da Instituição de Ensino. Nos dias de avaliações periódicas ou finais, a carga horária será reduzida pelo menos a metade, para garantir o bom desempenho do estudante, ficando mantido o pagamento integral da bolsa. 5- Fechamento da Efetividade 51. Prazos O envio das informações do Sistema RONDA (Controle da Efetividade) para o ERGON (Folha de Pagamento) se dará na madrugada do 11º (décimo primeiro) dia do mês subsequente. As chefias devem realizar, até o 5º (quinto) dia do mês subsequente, o fechamento de ponto de seus subordinados. As áreas de apoio administrativo têm até o 10º (décimo) dia do mês subsequente para homologar a efetividade, confirmando os registros que produzem efeitos em folha de pagamento Cômputo da hora trabalhada - Agrupamento de Situações TRABALHO Serão computadas como hora trabalhada as horas quantificadas no sistema através do código 06 Trabalhando conforme legislação, as quais são oriundas das marcações realizadas, no dia, pelo servidor. Além dessas horas, mediante acertos por parte da Chefia, poderão ser computadas como hora trabalhada as situações mencionadas abaixo: 013 Liberação para assistir aulas obrigatórias: deve ser utilizado cumprindo o que determina o art. 90, inciso III, da Lei 133/85. A chefia deverá substituir o código 401, (horas a menor), pelo código Atestado: deve ser utilizado para todas as situações em que o servidor apresentar um atestado comprovando a sua necessidade de afastar-se de trabalho, durante o dia, desde que devidamente autorizado pela chefia. Nestes casos a chefia deverá substituir o código 401 (horas a menor) pelo código 14. Exemplo: atestado de comparecimento em consulta médica, atestado de comparecimento para realização de matrícula, etc. 015 Horas justificadas: utilizado pela chefia para os casos de compensação da carga horária semanal e para os casos de justificativa verbal apresentada pelo servidor. 020 Saída para médico: deve ser utilizado nas situações em que o servidor sair do trabalho para comparecer a médico, comprovada com atestado. Deverá ser substituído o código 401 (horas a menor) pelo código 20 (saída para médico). 021 Viagem à serviço: este código deve ser utilizado quando o servidor realizar viagens curtas as quais não exigem formalização através de processo Compensação dia facultativo: utilizado nas situações em que houver necessidade de compensação da carga horária, a chefia deverá substituir o código 400 (horas a maior) pelo código 38 (compensação dia facultativo) Licença p/doação de sangue, conforme art. 76, inciso XIV, da LC 133/85. O servidor deverá apre- 9

11 sentar comprovante a sua chefia que substituirá o código 401 (horas a menor) pelo código 65 (licença para doação de sangue). 068 Atendimento acompanhamento funcional, conforme estabelecido na legislação. 069 Curso/treinamento autorizado Município, conforme estabelecido na legislação. 070 Curso/treinamento autorizado Externo, conforme estabelecido na legislação. 095 Licença prestação prova em concurso, conforme art. 76, inciso XIII, da LC 133/ Júri e outros serviços obrigatórios por lei, em conformidade com o art. 76, inciso VI, da LC 133/ Licença estudo/prova, conforme estabelecido no art. 90, incisos I e II, da LC 133/ Participação reunião desempenho escola filho menor, conforme art. 76, inciso XVIII, da LC 133/ Assistência a filho excepcional. Este código deverá ser utilizado pela chefia desde que atendido o disposto no art. 94, da LC 133/ Débito banco de horas: A chefia deverá valer-se da utilização deste código 801 (débito banco de horas) quando o servidor usufruir as horas de banco, substituindo o código 401 (horas a menor) pelo código 801 (débito banco de horas). 5.3 Situações que não computam como hora trabalhada na Folha Ponto As horas qualificadas pela Chefia do servidor nos códigos relacionados abaixo não são computadas como hora trabalhada e não produzem qualquer efeito em Folha. 008 Horas extras não autorizadas 039 Desconto de horas (desconta do 006 trabalhando conforme legislação ) 080 Atividade Qualidade de Vida 800 Crédito banco de horas 5.4 Situações que produzem efeitos pecuniários na Folha de Pagamento Ao serem realizados pela chefia, ajustes de ponto na tela de acertos do sistema RONDA PONTO, os códigos listados abaixo irão produzir efeito em folha de pagamento: 001 Falta (-) 002 Meia falta (-) 003 Atraso (-) 010 Falta plantão 12 horas (-) 011 Falta plantão 24 horas (-) 081 Hora extra diurna (+) 105 Adicional noturno (+) 110 Hora extra noturna (+) 111 Hora extra noturna folga (+) 6- Do funcionamento dos Equipamentos (relógios) 6.1- Principais mensagens emitidas pelos (relógios) O servidor ao efetuar as suas marcações de ponto, principalmente durante os primeiros dias após a implantação do novo sistema, deverá atentar para a mensagem emitida pelo relógio, considerando que, conforme exposto abaixo, somente duas mensagens representam a validação da marcação, as demais exigem comunicação imediata à área de RH que verificará junto a ACE eventual problema cadastral. Os relógios estão habilitados a receber as marcações dos servidores (marcação OK off-line), independente das condições de rede lógica ou de energia, mantendo as mesmas armazenadas no equipamento até que restabelecida a comunicação com o sistema Marcações de Ponto Validadas: Marcação OK (Realtime) Marcação OK off-line (Bach) 10

12 6.1.2 Marcações de Ponto não validadas: Negado local (Realtime) Bloqueado por lista (Bach) Crachá não reconhecido (Realtime/Bach) Digital não confere (Realtime/Bach) Aguarde (Realtime/Bach) Memória cheia (Realtime/Bach) 6.2- Sistemática de registro das marcações 11

13 7- Sistema RONDA PONTO - Conceitos importantes 7.1 Abrangência: Relação de servidores ou setor subordinado a gestão de ponto por determinada Chefia/RH. 7.2 Apuração: Funcionalidade do Sistema RONDA PONTO utilizada normalmente para que o sistema realize cálculos de marcações de ponto retroativos, posteriores a alguma alteração cadastral, como, por exemplo, alteração de escala/horário, inclusão de afastamentos, entre outros. 7.3 Cálculo: Período ou competência, a ser selecionada pela Chefia/RH para efetuar os acertos de ponto. 7.4 Acertos: Ajustes/abonos, realizados na Tela de Acertos do sistema Ronda Ponto, pela chefia habilitada. 7.5 Situações: Códigos, apresentados pelo Sistema Ronda Ponto, que representam a situação funcional do servidor (trabalhando; LTS; LP; Férias; exonerado; etc), na grande maioria oriundas dos registros realizados no ERGON, outras de livre utilização por parte das chefias (ex: atestado; hora extra; horas justificadas, crédito banco de horas e débito banco de horas, etc). 8- Das principais funcionalidades do Sistema RONDA 8.1 perfil Chefia: Diante da competência estabelecida pela legislação às chefias (gestores de efetividade), segue a seguir orientações de como estes usuários deverão operar o sistema RONDA para fins de acerto de ponto e acompanhamento da efetividade dos seus subordinados. I - Selecionando a sua Secretaria. 12

14 (visão após clicar no ícone) 13

15 II Selecionando o período de acerto. ( mês) Ao clicar com ícone mencionado abaixo, escolha o período que deseja fazer o acerto. (Visualização após clicar no ícone) 14

16 III - Visualizando as marcações dos servidores. Visualização, após clicar no ícone 15

17 Ao clicar no nome do servidor aparecerão todas as marcações diárias Ao clicar na data do acerto abrirá a tela acertos na data para que seja feito o ajuste de ponto do servidor. 16

18 IV - Cartão Ponto: 17

19 V - Gerenciando horários da equipe: Cálculo / Apuração / Gerenciar horários 1º Clicar em SELEÇÃO para selecionar os servidores da equipe. 2º Clicar em MOSTRAR para visualizar os seus horários em cadas dia do mês. 3º Caso seja necessário alterar os horários, clicar em GRAVAR para armazenar as informações. 18

20 VI - Gerando Relatórios: Relatórios de Apuração Relatórios de Banco de Horas 8.2 Perfil de RH Será tratado em cartilha específica em razão de que ainda não foi concluída a etapa de interoperação a qual irá refletir na definição das rotinas administrativas de controle da efetividade por parte dessa estruturas. 19

21

Cartilha Ponto Biométrico

Cartilha Ponto Biométrico Cartilha Ponto Biométrico Secretaria Municipal de Administração, Orçamento e Informação 2 CONTROLE E APURAÇÃO DA FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DA ADMINISTRAÇÃO DIRETA DO MUNICÍPIO DE DIVINÓPOLIS Prezado

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e

A Câmara Superior de Gestão Administrativo-Financeira, no uso das atribuições que lhe conferem o Estatuto e o Regimento Geral desta Instituição, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO N.º 05/2013 Regulamenta o sistema de registro eletrônico

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 03, DE 02/02/2015, PÁGINAS 03 A 08 PORTARIA Nº. 17, DE 23 DE JANEIRO DE 2015. Aprova

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: O equipamento é regulado para bater ponto só às 7 ou às 8 horas, nos horários tradicionais? Não, você pode bater o ponto em qualquer horário tendo como norte os horários institucionais.

Leia mais

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas

DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. O Prefeito Municipal de Querência - MT, no uso de suas DECRETO Nº. 1.370/2015 DE 05 DE JANEIRO DE 2015. Dispõe acerca da Política de uso do ponto eletrônico e da jornada de trabalho dos servidores públicos do Poder Executivo município de Querência - MT. atribuições,

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013.

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 2, DE 2013. Regulamenta o controle do cumprimento da jornada e do horário de trabalho pelos servidores do Senado Federal, nos termos do Ato da Comissão Diretora nº 7, de 2010. O

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 03/2014 Revoga a Resolução nº 05/2013 e dá nova redação

Leia mais

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações:

É a ausência ao trabalho e pode ser justificada nas seguintes situações: Frequência Conceito O comparecimento do servidor na unidade organizacional (local de trabalho) onde tem exercício, para o desempenho das atribuições do seu cargo caracteriza a frequência. A ausência do

Leia mais

DECRETO Nº. 044/2013

DECRETO Nº. 044/2013 DECRETO Nº. 044/2013 DISPÕE SOBRE HOMOLOGAÇÃO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA QUE DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS PARA O REGISTRO DE FREQUÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS, ESTABELECENDO ROTINAS NO ÂMBITO DA PREFEITURA

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 51, DE 29 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a jornada de trabalho, o registro e o controle da frequência dos servidores da ANAC. A DIRETORA-PRESIDENTE

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 016/2012

ATO NORMATIVO Nº 016/2012 ATO NORMATIVO Nº 016/2012 Dispõe sobre o horário de expediente e a jornada de trabalho dos servidores, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE

Leia mais

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009

DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 DECRETO JUDICIÁRIO Nº 135/2009 Dispõe sobre o registro e controle da freqüência dos servidores do Poder Judiciário. PUBLICADO NO DIÁRIO DO PODER JUDICIÁRIO NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2009. A PRESIDENTE DO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS REITORIA PORTARIA Nº 1.254, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o sistema de registro eletrônico de ponto e o controle de frequência dos servidores

Leia mais

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013.

REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. REGULAMENTO/COGEP Nº 001, DE 1º DE JUNHO DE 2012. 2ª Edição Atualizada em 29 de janeiro de 2013. Dispõe acerca da Política de uso do PONTO ELETRÔNICO E DA JORNADA DE TRABALHO dos servidores do Instituto

Leia mais

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009

DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 DIÁRIO OFICIAL Nº. 31389 de 31/03/2009 GABINETE DA GOVERNADORA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº_03 /2009. O Defensor Público Geral do Estado do Pará, no uso de atribuições previstas

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DE ESTADO DE GESTÃO E PLANEJAMENTO GABINETE r_------ ------------------- ------~ - ~ ~J INSTRUÇÃO NORMATIVA N aj.9 /2015-GAB, DE0Z,3DE J)tYci.Q. DE 2015 Dispõe sobre o controle e a fiscalização de frequência dos servidores públicos do Poder Executivo

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010

PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE PORTARIA NORMATIVA N 119, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2010 Dispõe sobre o horário de funcionamento do Instituto Chico Mendes, jornada de trabalho e controle

Leia mais

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10

NORMA 1/10 NORMA DE CONTROLE DE FREQUÊNCIA S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/10. 2 Definição, 2/10. 3 Competências, 4/10 NORMA 1/10 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/10 2 Definição, 2/10 3 Competências, 4/10 4 Procedimentos, 4/10 4.1 Horário de Expediente e Jornada de Trabalho, 4/10 4.2 Registro de Frequência, 5/10 4.3 Apuração

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu DECRETO N o 20.437, DE 3 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta jornada de trabalho, horas extraordinárias, tolerância de atraso e o banco de horas. O Prefeito Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, no uso

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/22 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Disciplinar e normatizar os procedimentos operacionais na Administração Pública sobre a realização de jornada de trabalho extraordinária e o registro de ponto eletrônico; 1.2)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 04, DE 20 DE OUTUBRO DE 2014. Estabelece orientações acerca do registro eletrônico de frequência dos servidores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE JORNADA DE TRABALHO

ACORDO COLETIVO DE JORNADA DE TRABALHO ACORDO COLETIVO DE JORNADA DE TRABALHO (2010/2012) QUE ENTRE SI FAZEM, DE UM LADO AS EMPRESAS Telemar Norte Leste S/A - Filial AM, TNL PCS S/A - Filial AM e Brasil Telecom S/A - Filial AM E, DO OUTRO LADO

Leia mais

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO

MANUAL MANUAL DO PONTO ELETRÔNICO Código: MT.GPES.001 Data: 30/08/2010 Versão: 1 Página: 1 de 7 DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO: 1. INTRODUÇÃO CONSIDERANDO QUE O REGISTRO DE PONTO ESTÁ PREVISTO NA CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO CLT, NO ARTIGO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PE000264/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/03/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005909/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46213.003630/2013-64 DATA DO

Leia mais

ATO REGULAMENTAR N. 18/2012-GPGJ

ATO REGULAMENTAR N. 18/2012-GPGJ ATO REGULAMENTAR N. 18/2012-GPGJ Dispõe sobre a regulamentação de registro e controle biométrico, por meio de impressão digital, de frequência dos servidores do Ministério Público do Estado do Maranhão.

Leia mais

PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006.

PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. PORTARIA PGR/MPU N.º 707, DE 20 DE DEZEMBRO DE 2006. Regulamenta a jornada de trabalho, o controle de freqüência, serviços extraordinários dos servidores do Ministério Público da União e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013

RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 RESOLUÇÃO N.º XXX, DE XX DE XXXXXX DE 2013 O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições regulamentares e, considerando

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias

NORMA DE PROCEDIMENTOS. Férias pág.: 1/6 1 Objetivo Estabelecer critérios e procedimentos para programação, concessão e pagamento de férias aos empregados da COPASA MG. 2 Referências Para aplicação desta norma poderá ser necessário

Leia mais

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS

ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS ACORDO PARA FLEXIBILIZAÇÃO DE JORNADA DE TRABALHO E FÉRIAS COLETIVAS Na melhor forma de direito, pelo presente instrumento de conciliação que entre si celebram, de um lado a pessoa jurídica de direito

Leia mais

Ato PGJ nº 001/2012 RESOLVE:

Ato PGJ nº 001/2012 RESOLVE: Ato PGJ nº 001/2012 Dispõe sobre a jornada de trabalho, a prestação de serviço extraordinário, o banco de horas e o controle de frequência dos servidores do Ministério Público do Estado do Piauí, e dá

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2013-UNEMAT

INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2013-UNEMAT INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2013-UNEMAT Dispõe sobre o registro de ponto e controle de frequência dos servidores da Sede da Reitoria da Universidade do Estado de Mato Grosso. CONSIDERANDO o disposto no Decreto

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Servidores Públicos-MTE-Controle de Frequência-REP-Identificação Biométrica PORTARIA MTE nº 206/2011-DOU:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2013 Regulamenta o processo de implementação e avaliação da flexibilização para ajuste de jornada de trabalho

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE FREQUÊNCIA 22/0/203. INTRODUÇÃO A Política de Apuração de Frequência tem por objetivo estabelecer as regras para falta e atraso, além de estabelecer controles relativos à apuração de informações de frequência de

Leia mais

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO

O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO O R I E N T A Ç Ã O T É C N I C A D E P A G A M E N T O ESCLARECENDO DÚVIDAS DE PAGAMENTO - Férias regulamentares clique aqui - Pagamento proporcional de férias clique aqui - Fixação de sede de controle

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual, DECRETO N.º 2299 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Regulamenta o estágio estudantil no âmbito do Poder Executivo Estadual e dá outras providências.

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001554/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 12/08/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032670/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023032/2010-49 DATA DO

Leia mais

PRECISO ENCAMINHAR ALGUM REGISTRO DE FREQUÊNCIA PARA A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DO MPGO?

PRECISO ENCAMINHAR ALGUM REGISTRO DE FREQUÊNCIA PARA A ÁREA DE RECURSOS HUMANOS DO MPGO? Orientações sobre o Para operacionalizar o Ato PGJ n. 59/2014, que dispõe sobre a jornada de trabalho, o MP-GO adquiriu um sistema informatizado chamado Forponto. A utilização do sistema eletrônico evitará

Leia mais

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.*

MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* MINISTÉRIO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008.* Estabelece orientação sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO DEPARTAMENTO DE PESSOAL - Registro de Ponto Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha: 1/20 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DO - Registro de Ponto Versão 2.0 Cópia Controlada nº Código: RHP07 V02 Emissão: 01/12/2013 Folha:

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 76, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre os procedimentos complementares relativos à jornada de trabalho e ao controle de assiduidade e pontualidade

Leia mais

Sistema de Registro Eletrônico de Frequência - SIREF MANUAL DO USUÁRIO: SERVIDOR E CHEFIA IMEDIATA

Sistema de Registro Eletrônico de Frequência - SIREF MANUAL DO USUÁRIO: SERVIDOR E CHEFIA IMEDIATA Sistema de Registro Eletrônico de Frequência - SIREF Ministério da Saúde Secretaria-Executiva Subsecretaria de Assuntos Administrativos Coordenação-Geral de Gestão de Pessoas MANUAL DO USUÁRIO: SERVIDOR

Leia mais

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999

Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 Lei 7645 de 12 de Fevereiro de 1999 INSTITUI O PLANO DE CARREIRA DOS SERVIDORES DA ÁREA DE ATIVIDADES DE TRIBUTAÇÃO, ESTABELECE A RESPECTIVA TABELA DE VENCIMENTO E DISPÕE SOBRE O QUADRO ESPECIAL DA SECRETARIA

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 14/CUn, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 Regulamenta os estágios curriculares dos alunos dos cursos de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO

INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARA REGULARIZAÇÃO DO CONTROLE DE JORNADA DE TRABALHO ATRAVÉS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE MARCAÇÃO DE PONTO POR MEIO DE CARTÃO MAGNÉTICO OU SISTEMA BIOMÉTRICO. Acordo Coletivo

Leia mais

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 101/2009 Dispõe sobre as normas relativas ao registro eletrônico de ponto, horário de funcionamento do Tribunal, jornada de trabalho, banco de horas, serviço extraordinário, controle e apuração

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais;

O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais; LEI Nº 2451 DE 24 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre o estágio de estudantes junto ao poder público Municipal, suas autarquias e fundações e dá outras providencias. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUANHÃES, Estado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SIGRH - FREQUÊNCIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SIGRH - FREQUÊNCIA SIGRH - FREQUÊNCIA Boa Vista RR, 21 novembro de 2014. É o módulo do Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos (SIGRH) que tem por objetivo permitir o gerenciamento das informações relacionadas ao

Leia mais

RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 1ª REGIÃO RESOLUÇÃO PRESI 28 DE 16 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta o expediente e a jornada de trabalho do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, institui o controle eletrônico

Leia mais

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011.

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. O Reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela

Leia mais

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 101/2009. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 101/2009 Dispõe sobre as normas relativas ao registro eletrônico de ponto, horário de funcionamento do Tribunal, jornada de trabalho, banco de horas, serviço extraordinário, controle e apuração

Leia mais

Manual Sistema Eletrônico de Controle da Jorna de Trabalho dos Servidores da UFS

Manual Sistema Eletrônico de Controle da Jorna de Trabalho dos Servidores da UFS Manual Sistema Eletrônico de Controle da Jorna de Trabalho dos Servidores da UFS 1 Sumário 1. Apresentação do Sistema... p. 2 2. Resolução N. 005/2012... p. 6 3. Perguntas mais frequentes... p. 10 4. Portaria

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Florianópolis, XX de junho de 2011.

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Florianópolis, XX de junho de 2011. MINUTA DE RESOLUÇÃO Florianópolis, XX de junho de 2011. A REITORA DO INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelos artigos 10o. Paragrafo 4o e 11, da lei 11.892,

Leia mais

Para efeito desta Lei:

Para efeito desta Lei: LEI ORDINARIA n 39/1993 de 17 de Dezembro de 1993 (Mural 17/12/1993) Estabelece o Plano de carreira do Magistério público do Município, institui o respectivo quadro de cargos e dá outras providências.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 03/11/2011) DECRETO Nº 2888-R, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2011 Regulamenta o Art. 57, III, da Lei Complementar nº 46, de 31 de janeiro de 1994. O GOVERNADOR

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002

Desenvolvimento Sustentável para o Cerrado Brasileiro N. VALEC NGL-03-01-002 Rev./ VALEC INDICAR NESTE QUADRO EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA Rev. / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 1-1 1 1 1 0 0 0 16 2 17 3 18 4 19 5 20 6 21 7 22 8 23 9 24 10 25 11 26 12 27 13 28 14 29

Leia mais

Cartilha Ponto Eletrônico

Cartilha Ponto Eletrônico Divisão de Gestão de Pessoas Unidade de Desenvolvimento de Pessoas Cartilha Ponto Eletrônico Procedimentos Importantes APRESENTAÇÃO Esta cartilha tem como objetivo esclarecer as principais dúvidas ou questionamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO EDITAL PROGRAD Nº 18/2008, DE 22 DE JULHO DE 2008 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS DO PROGRAMA PRÓ-ESTÁGIO UFGD 2008 O PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, no uso

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE GESTÃO PÚBLICA ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4, DE 4 DE JULHO DE 2014 Estabelece orientações sobre a aceitação de estagiários no âmbito da Administração

Leia mais

INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO

INSTITUTO METODISTA DE EDUCAÇÃO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO PARA REGULARIZAÇÃO DO CONTROLE DE JORNADA DE TRABALHO ATRAVÉS DE REGISTRO ELETRÔNICO DE MARCAÇÃO DE PONTO POR MEIO DE CARTÃO MAGNÉTICO OU SISTEMA BIOMÉTRICO. Acordo Coletivo

Leia mais

DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5)

DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5) DECRETO N.º 10.224, DE 30 DE JANEIRO DE 2001. (DOE n.º 5.439 de 31 de janeiro de 2001 p.3/5) Dispõe sobre o registro diário das entradas e saídas dos servidores em exercício nos órgãos e entidades do Poder

Leia mais

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente

DESPACHO. Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente DESPACHO Nº. 46/2013 Data: 2013/12/20 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente Face à entrada em vigor da Lei n.º 68/2013 de 29 de agosto e às alterações provocadas no regime da duração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2014-UNEMAT

INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2014-UNEMAT INSTRUÇÃO NORMATIVA 006/2014-UNEMAT Dispõe sobre o registro de ponto e controle de frequência dos Profissionais Técnicos da Educação Superior da Universidade do Estado de Mato Grosso. CONSIDERANDO o disposto

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001/2012. Versão: 02.00 Data: 01/03/2013 Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Administração (SEMAD)

INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001/2012. Versão: 02.00 Data: 01/03/2013 Unidade Responsável: Secretaria Municipal de Administração (SEMAD) INSTRUÇÃO NORMATIVA SRH Nº 001/2012. Dispõe sobre os procedimentos para disciplinar horário de trabalho, o registro da frequência ao serviço, as ausências do local de trabalho dos servidores da Prefeitura

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2004 SESC - SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO que entre si fazem o SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO SESC - Administração Regional no Distrito Federal,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO Uberaba-MG RESOLUÇÃO N 28 DE 17 DE SETEMBRO DE 2015, DA REITORA DA UFTM Dispõe sobre instrumento de registro de assiduidade e pontualidade

Leia mais

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas

Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Gestão Coordenadoria de Gestão de Pessoas Coordenação de Administração de Pessoas Cartão de Ponto O

Leia mais

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA

MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA/BA Dispõe sobre o Plano de Carreira e Remuneração dos Servidores da Administração Direta, das Autarquias e Fundações Públicas do Município de Vitória da Conquista, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA COMISSÃO SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO COSUEN N 015 DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 Revoga e substitui, ad referendum, a Resolução CONSUN

Leia mais

CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ

CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ Página 1 de 12 PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PJERJ DIRETORIA GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS DGPES DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS - DEDEP CARTILHA DO PROGRAMA DE ESTÁGIO DO PJERJ

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002058/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR018377/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004510/2012-13 DATA DO

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001

ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 ORDEM DE SERVIÇO Nº 010/2001 Estabelece normatização quanto à frequência, assiduidade e questões funcionais dos servidores além dos fluxos de encaminhamento dos documentos e seu posterior arquivamento.

Leia mais

Manual usuario sipon. Índice. Introdução. Características do Sistema. De Wiki Intranet. 1 Introdução 1.1 Características do Sistema

Manual usuario sipon. Índice. Introdução. Características do Sistema. De Wiki Intranet. 1 Introdução 1.1 Características do Sistema Manual usuario sipon De Wiki Intranet Índice 1 Introdução 1.1 Características do Sistema 1.2 Regras Gerais (Tipos de Jornada, Prazos, Tolerância, Justificativas, Limites do Banco de Horas etc) 1.2.1 Tipos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO RESOLUÇÃO AD REFERENDUM Nº 41/2014, DE 10 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre a aprovação do regulamento

Leia mais

A Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, no uso de suas atribuições legais,

A Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, no uso de suas atribuições legais, Portaria n. 0957, de 25 de junho de 2012. A Presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, no uso de suas atribuições legais, CONSIDERANDO os princípios da legalidade, publicidade e eficiência

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, ATO Nº 101/2009 Dispõe sobre as normas relativas ao registro eletrônico de ponto, horário de funcionamento do Tribunal, jornada de trabalho, banco de horas, serviço extraordinário, controle e apuração

Leia mais

Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA

Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA Manual para utilização do ponto pelo servidor/funcionário/estagiário da SMA Acessar o ponto através de: http://ponto CETESBNET Menu Serviços RH Freqüência Controle de Entrada e Saída O login e senha são

Leia mais

DECRETO Nº 16.674, de 5 de maio de 2010.

DECRETO Nº 16.674, de 5 de maio de 2010. DECRETO Nº 16.674, de 5 de maio de 2010. Disciplina a gestão de pessoal no âmbito do Poder Executivo Municipal e institui o Sistema de Recursos Humanos do Município do Porto Alegre RHPOA. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO

NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS SOBRE JORNADA DE TRABALHO 1. OBJETIVO O departamento de Recursos Humanos da FECAP pretende com esse manual de normas e procedimentos sobre a jornada de trabalho, informar os seus

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014. RESOLUÇÃO N.º 11, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre o controle da jornada de trabalho dos servidores e o regime de prestação de serviço extraordinário no Poder Judiciário do Estado de Roraima e dá outras

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO CONDIÇÕES DE TRABALHO, NORMAS DE

RELAÇÕES DE TRABALHO CONDIÇÕES DE TRABALHO, NORMAS DE Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR005308/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR067852/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.015192/2014-78 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

ANEXO I DA PORTARIA de Nº 1.088/ 2014 TÍTULO I. Das Disposições Gerais

ANEXO I DA PORTARIA de Nº 1.088/ 2014 TÍTULO I. Das Disposições Gerais ANEXO I DA PORTARIA de Nº 1.088/ 2014 TÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º - Todos os setores da Universidade deverão observar os procedimentos previstos na legislação pertinente e o disposto nesta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO PÚBLICA DEPARTAMENTO DE RECURSOS EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MANUAL PARA PREENCHIMENTO DE REQUERIMENTOS ON-LINE Mogi das Cruzes, 2010. Sumário 1. Requerimentos Disponíveis...

Leia mais

Art. 2º O horário de funcionamento da AGU, de segunda a sexta feira, é de 07:00 horas às 20:00 horas, ininterruptamente.

Art. 2º O horário de funcionamento da AGU, de segunda a sexta feira, é de 07:00 horas às 20:00 horas, ininterruptamente. PORTARIA Nº 1.519, DE 21 DE OUTUBRO DE 2009 Dispõe sobre o horário de funcionamento da Advocacia Geral da União, a jornada de trabalho e o controle de freqüência dos servidores técnico administrativos

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES MEDIDA PROVISÓRIA Nº 201, DE 31 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre as formas de cumprimento da jornada de trabalho e o banco de horas no âmbito do Instituto Geral de Perícias (IGP) e estabelece outras providências.

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO MARANHÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO N.º 01/2010-TJ PODER JUDICIÁRIO Dispõe sobre o controle de frequência dos servidores do Poder Judiciário do Estado do Maranhão. O PRESIDENTE DO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS

ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS ACORDO COLETIVO DE COMPENSAÇÃO DE HORÁRIO ATRAVÉS DE BANCO DE HORAS Pelo presente termo de Acordo Coletivo de Trabalho, e de acordo com a convenção Coletiva de Trabalho conforme cláusulas específicas celebraram

Leia mais

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos

Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Prefeitura do Município de Amparo Estado de São Paulo Secretaria Municipal de Administração - SMA Departamento de Recursos Humanos Tipo do Instrumento: Regulamento Interno Tema: Frequência dos Empregados

Leia mais

64 São Paulo, 124 (238) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

64 São Paulo, 124 (238) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 64 São Paulo, 124 (238) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 quarta-feira, 17 de dezembro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (238)

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09)

A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09) A - Subprocuradoria-Geral de Justiça Assuntos Jurídicos: ATO NORMATIVO Nº 586/2009-PGJ, de 11 de Maio de 2009. (Pt. nº 50.900/09) Texto compilado até o Ato (N) nº 769/2013 PGJ, de 08/04/2013 Estabelece

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR

REGULAMENTO ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO E DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Resolução nº 22/08

Leia mais

*DECRETO Nº 3328-R, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a concessão e a prestação de contas de diárias no âmbito do Poder Executivo Estadual.

*DECRETO Nº 3328-R, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a concessão e a prestação de contas de diárias no âmbito do Poder Executivo Estadual. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 08/07/2013) *DECRETO Nº 3328-R, DE 17 DE JUNHO DE 2013. Dispõe sobre a concessão e a prestação de contas de diárias no âmbito do Poder Executivo

Leia mais

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015

PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015 PAUTA DE REIVINDICAÇÕES DATAMEC 2014-2015 EIXO POLÍTICO CAMPANHA EM DEFESA DA DATAMEC E DE SUA HISTORIA. CLÁUSULA REAJUSTAMENTO Os salários fixos ou a parte fixa dos salários mistos, vigentes em 30/04/2014,

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais