A Senior e sua Equipe Empreendedora: Evolução Sempre 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Senior e sua Equipe Empreendedora: Evolução Sempre 1"

Transcrição

1 1 Autor: Edmilson de Oliveira Lima A Senior surgiu por spin-off do CETIL em Não tivemos apoio [da empresamãe] no que diz respeito a capital, às estratégias e tal, mas sim no que diz respeito ao conhecimento. Nossa experiência naquela empresa nos deu uma certa abertura de visão para a construção de um projeto, na visualização de um projeto de uma nova empresa em um novo segmento [de software para microcomputadores]. A direção daquela empresa tinha uma concepção diferente, não quis entrar nesse novo segmento. Mas o mundo da informática começava a mudar a partir dos anos oitenta. Ele estava deixando de ser aquela coisa complexa baseada apenas no uso dos grandes computadores [os mainframes]. As empresas e os usuários ainda não acreditavam que o microcomputador pudesse ser uma solução séria em informática. Só que algumas pessoas apostaram. O Nésio e o Guido apostaram tecnicamente [desenvolvendo os primeiros sistemas da Senior]. Eu apostei como usuário no meu antigo emprego. Depois, me associei aos dois [em setembro de 1990]. (...) Quando eles começaram com a Senior, nós todos éramos muito jovens. Todos em torno de 20 e poucos anos. Nessa idade, não se vê dificuldades. Jorge José Cenci Presidente da empresa Este texto retrata importantes momentos da evolução da empresa Senior Sistemas e de seus dirigentes, dando ênfase a suas iniciativas empreendedoras, aos acontecimentos de maior impacto sobre os rumos da empresa e principalmente a questões relativas ao spin-off um processo de criação de uma nova empresa, a empresa derivada, a partir de uma organização-mãe implicando na transferência de recursos para o novo negócio como pessoas, conhecimento e/ou tecnologia. Com suas informações verídicas, o presente caso pode inspirar novos empreendedores, administradores e pessoas em geral a evitar erros e repetir acertos para realizar projetos de sucesso como a Senior. Esta é uma empresa de destaque no cenário brasileiro de desenvolvimento e comercialização de softwares, sendo a terceira maior desenvolvedora nacional de sistemas de apoio à gestão empresarial (ver: Fundada em 1988, a Senior localiza-se na cidade de Blumenau SC, celeiro de numerosas empresas produtoras de software no Brasil. Em 2006, o grupo Senior tem 370 empregados diretos, 60 distribuidores e mais de nove mil clientes em setores variados de atividade. Em 2005, seu faturamento anual ultrapassou os 35 milhões de Reais. 1 Este caso foi produzido graças ao apoio financeiro da FIR Capital, de Belo Horizonte. Copyright Fundação Dom Cabral. Todos os direitos reservados para todos os países. A tradução ou a modificação deste texto é proibida.. Este caso destina-se a servir de base para atividades de ensino e aprendizagem e não apresenta julgamento sobre as questões de que trata. Registrado na Fundação Dom Cabral Rua Bernardo Guimarães, Santo Agostinho CEP Belo Horizonte MG

2 Antecedentes de um importante spin-off Nos anos 80, Nésio Gilberto Roskowski e Guido Heinzen, que mais tarde seriam diretores da Senior, trabalham no CETIL, empresa blumenauense que é uma das pioneiras em informática no Brasil. Esta empresa chega a ter empregados em sua fase áurea e dá origem ao aglomerado de empresas produtoras de software de Blumenau por sucessivos spin-offs, a começar pela criação da WK Sistemas em Este primeiro spin-off, gerando uma empresa de sucesso, dá a muitos outros empregados do CETIL a sensação de que eles também podem ter suas próprias empresas utilizando aquilo que já aprenderam em informática. Na mesma época, Nésio e Guido compartilham o espaço de trabalho, aprendem e desenvolvem projetos com diferentes craques da área de informática no CETIL muitos dos quais criam suas empresas por spin-off. Enquanto isto, Jorge trabalha em uma grande empresa, a Fasolo, no Rio Grande do Sul. Lá, ele passa por diferentes áreas de atividade, trabalhando e aprendendo de tudo um pouco sobre administração, após ser admitido como técnico em contabilidade. No CETIL, Guido passa por um intenso processo de aprendizagem sobre a programação de computadores aplicada ao desenvolvimento de sistemas de folha de pagamento, como ele conta: Eu fiquei quase três anos nesta empresa. Mas eu trabalhava dia e noite. Os grandes analistas de lá não queriam no início, mas eu escrevia programas quando não tinha aula na FURB [a Universidade Regional de Blumenau]. Eu encostava no pessoal [mais experiente] e ficava vendo. E, quando alguém tinha um problema, eu ficava lá ajudando. Até mesmo aos sábados de manhã eu estava lá e estava aprendendo. Ou então eu estava na FURB programando. E sempre foi assim, estudando e trabalhando direto. Eu estava sozinho na época. Então esta aprendizagem foi muito rápida para mim. Em março de 1985, com 23 anos, Guido chega ao final de seu quarto ano do curso de tecnólogo em processamento de dados da FURB. Um mês depois, querendo uma melhor remuneração e tendo um projeto em mente, toma a iniciativa que ele mesmo descreve: Em abril eu saí já com a intenção de escrever meu próprio sistema de folha de pagamento para microinformática porque a empresa onde eu estava trabalhando não o fez e não iria fazer. A opção desta empresa sempre foi de ser um grande bureau [de serviços de processamento de dados com grandes computadores os mainframes]. Inclusive, muitas pessoas saíram de lá para abrir seus próprios negócios porque a empresa não ia entrar na microinformática. Eu comecei a procurar outro emprego e surgiu uma oportunidade (...). Eu fui ser gerente de informática de uma revenda de tratores lá em Braço do Norte [sul do estado de Santa Catarina]. Eu combinei de colocar o CPD [centro de processamento de dados] para funcionar, mas os sistemas que eu escreveria seriam meus. Eu poderia vendê-los. Foi este o negócio que eu fiz. Aí então eu mudei para lá. Por ter nascido no sul do estado, na cidade de São Martinho, Guido vê-se naquela região como um santo de casa que não faz milagres. Ele não consegue vender uma só cópia do seu sistema por lá enquanto trabalha como gerente de CPD. Mas um conhecido o representa em Blumenau, onde tem sucesso na venda do seu sistema de folha de pagamento para uma empresa agropecuária. Com esta empresa, Guido celebra um contrato de serviço. Buscando estar próximo ao seu cliente e aproveitando que já tem uma casa na cidade, além de esposa e filho blumenauenses, ele retorna depois de apenas um ano em Braço do Norte. Copyright Fundação Dom Cabral. 2

3 De volta a Blumenau, ele percebe nesta cidade que diferentes pequenas empresas surgidas por spin-off melhoram e adaptam para os microcomputadores as soluções que seus fundadores ajudaram a criar na empresa onde ele também trabalhou CETIL. Contudo, ele vê claramente que nenhuma das empresas da região produz um sistema de folha de pagamento para microinformática. Ele identifica isto como uma tentadora oportunidade de mercado que corresponde exatamente ao campo de competências e ao produto que ele está desenvolvendo há alguns anos. Guido tenta se associar a um ou outro dos fundadores de spin-offs do CETIL. Ele busca formar uma linha mais completa e atrativa de produtos entrando como sócio em uma empresa já estabelecida. Pensa que seu sistema de folha de pagamento pode complementar muito bem outros produtos como softwares de contabilidade ou de finanças. Contudo, os pequenos empresários abordados não se mostram muito interessados em seu produto, pois eles já utilizam a linguagem Pascal de programação, enquanto Guido tem seu produto ainda em Cobol como nos tempos do CETIL. Guido também enfrenta o lado negativo da diferença de tempo de experiência em informática entre ele, com cerca de quatro anos no setor, e os empresários que aborda buscando sociedade, com cerca de 12 anos de trabalho na área. Ele ainda não foi aceito no time dos grandes craques do software para poder ser ouvido e respeitado por seus colegas nas propostas que faz de negócios em parceria ou sociedade. Ele se vê obrigado a abrir uma sociedade com Jonas 2, também interessado em produtos em Cobol. Jonas está desenvolvendo um sistema de gestão empresarial para o qual o produto de Guido é complementar. Guido torna-se sócio na pequena empresa de Jonas em abril de Jonas fica com 55% da empresa, e Guido, com 45%. A insistência produz frutos, apesar de várias dificuldades. Os clientes potenciais, adeptos da microinformática, ficam reticentes em utilizar produtos feitos com uma linguagem de programação típica dos mainframes. O resultado disto é que o produto vai aos poucos conquistando clientes de médio a grande porte, em concorrência com o CETIL, que tem a folha de pagamento em Cobol também como um de seus principais produtos. Concretização de um spin-off alongado : a criação da Senior Antes de a Senior ser criada, o processo de spin-off formador desta empresa alonga-se por três anos na medida em que Guido se interessa por outras atividades após desligar-se do CETIL. No início de 1988, considerando promissor o seu sistema de folha de pagamento, ele quer alçar este produto a um patamar de vendas superior. Mas quer ter independência para fazê-lo com sua própria empresa dedicada exclusivamente a este e a outros produtos de gestão de recursos humanos (RH). No dia 2 de maio de 1988, Guido funda a Senior como único proprietário-dirigente, mas já dialogando com futuros sócios. Um deles é Jorge, que, em 1988, ainda tem seu cargo administrativo na Fasolo, em Bento Gonçalves RS. 2 Nome fictício. Copyright Fundação Dom Cabral. 3

4 Em seu trabalho, Jorge já adquiriu o sistema desenvolvido por Guido antes da fundação da Senior. Em paralelo ao seu emprego, ele tem em Bento Gonçalves, no fim dos anos 80, uma distribuidora de softwares e de hardware com dois sócios. Ele tem uma impressão muito positiva do produto de Guido. Jorge dá detalhes sobre o início da Senior: A partir de 1988, a Senior começa a oferecer soluções na área de RH [recursos humanos]. O objetivo naquela época... Nós conversávamos muito sobre isto [sobre objetivos e estratégia], embora eu ainda não fosse sócio no negócio. Mas a gente montava as estratégias subindo e descendo escada [caminhando pela Fasolo, empresa onde Jorge trabalhava no RS e que era visitada vez ou outra por Guido, como fornecedor de software]. Nos elevadores também a gente vivia estruturando, construindo o projeto de uma Senior produtora de software e tal. Então a Senior foi criada segundo a visão de ser especialista em RH. Isto lá desde 88. Mas ela tinha naquele momento um sistema de folha de pagamento em cobol. E, naquele momento, esta linguagem já não tinha um apelo tecnológico muito bom. Embora funcionassem muito bem, o mercado não queria mais comprar soluções em cobol. Assim, em 89, o Nésio se incorporou à empresa [depois de sair do CETIL e de passar um período trabalhando na Sulfabril]. Isto foi um ano antes da minha entrada. Ele trouxe inovação para o desenvolvimento do produto. Ele foi o protagonista da melhoria do software e da passagem dele para C++. A programação em C++ era a tecnologia do momento no mercado. A entrada de Nésio na sociedade reforça as características de spin-off do processo de criação da Senior por significar a transferência de mais recurso humano assim como de mais conhecimento e tecnologia do CETIL para a nova empresa. Tal transferência ocorre sem que a direção da primeira empresa queira propositalmente apoiar o desenvolvimento da segunda. O spin-off à revelia da empresa-mãe é uma característica marcante dos spin-offs a partir do CETIL, que acabam formando a aglomeração regional de empresas de software de Blumenau. Eles ocorreram simplesmente por iniciativa de empregados que queriam virar empresários, sem a promoção de atividades de apoio por parte do empregador. Nésio é o expert em computação que passa a dar mais solidez e arrojo às iniciativas de inovação tecnológica da Senior. Guido tem o espírito visionário para criar e gerar novos negócios explorando conhecimentos tecnológicos. Por sua vez, Jorge é aquele que chega à equipe para cobrir as necessidades de competência em administração geral e vendas. Tais necessidades são um ponto freqüentemente fraco em empresas tecnológicas, que muitas vezes são iniciadas por pessoas de perfil técnico. Na região de Blumenau, poucas são as empresas produtoras de software que têm em sua equipe empreendedora o complemento de uma pessoa hábil em gestão e vendas. Neste contexto, a Senior apresenta uma importante vantagem favorável ao seu sucesso. Como se vê no setor de informática de Blumenau, a atenção das pessoas de perfil técnico tende a se concentrar apenas no produto e na tecnologia em si, negligenciando importantes elementos da concepção dos negócios como um todo, questões de gestão geral e atividades essenciais de marketing. Jorge relata também outras informações sobre os primeiros anos da empresa: Além de melhorar e passar o primeiro produto para C++, o Nésio e o Guido começaram a desenvolver em 89 um sistema de automação de ponto [controle de entrada e saída de funcionários do trabalho] que hoje é o produto Ronda. Em setembro de 90, quando eu cheguei, o ponto estava pronto para ser vendido e em condição tecnológica adequada para entrar no mercado. E começamos a vendê-lo em todo o Brasil. Fomos muito felizes com este produto. E hoje o Ronda é um sistema Copyright Fundação Dom Cabral. 4

5 de automação de ponto, controle de portarias e tal. É um produto de referência no mercado nacional. Com esta tecnologia que o Nésio agregou, a gente teve um atrativo muito forte no mercado. Juntando de forma complementar três talentos, a equipe empreendedora dá à Senior, desde seus primeiros anos de vida, uma cobertura adequada para as atividades necessárias ao seu desenvolvimento. Desenvolvimento com diferenciais, diversificação e spin-offs Em 1993, o sistema de folha de pagamento está pronto em C++ e é lançado no mercado com o nome Rubi. Neste momento, a Senior está trabalhando, então, com dois produtos, visto que há também o sistema de ponto Ronda. Já desde 1991, a empresa tem um acordo comercial com a WK Sistemas, que tem uma excelente rede de distribuição em todo o Brasil. A Senior utiliza a marca do parceiro como endosso em seus produtos, primeiramente para vender o Ronda, e assim serve-se desta rede de modo a superar limitações nas vendas. Para tanto, ela paga à WK um porcentual sobre suas vendas. Tal acordo duraria até 1997 e auxiliaria na venda dos produtos Ronda e Rubi. O fim da parceria é desencadeado pela decisão dos dirigentes das duas empresas de criar sistemas de gestão empresarial (ERP) concorrentes. Em 1998, a Senior já comercializa seu próprio ERP, o Sapiens. O sistema é programado em Delphi para ser executado em ambiente Windows, diferentemente dos produtos anteriores que funcionam em DOS. Com os canais de distribuição utilizados e a força dos novos produtos, a Senior passa por uma fase de rápida ascensão na década de 90. Jorge explica aquilo que considera ser a base do crescimento nesta fase: Nós vencemos em grande parte pelo diferencial técnico. Foi o diferencial dos produtos, da forma como os produtos se apresentavam quanto ao conceito, à tecnologia e à funcionalidade. Comento com as pessoas que, quando eu comecei a visitar os clientes a partir de 1991, estava muito forte em mim a idéia de vender a solução que tínhamos. Eu adorava isto porque eu sabia o que significava a solução por ter sido usuário dela na outra organização [no emprego que tinha na Fasolo, no RS]. Eu sabia o que poderia ser ou não importante para o cliente. Creio que isso também foi muito importante. É necessário chegar no cliente e saber o que se está vendendo, que o produto serve para certa finalidade porque tem tais e tais benefícios e assim por diante. Outra coisa que também contribuiu muito fortemente é que nós sempre trabalhamos com competências somadas. Toda vez que eu chegava num cliente ou distribuidor de qualquer lugar do Brasil, eu falava também do Guido, do Nésio, do Evandro, do Alencar... Eu dizia que nosso trabalho era feito por pessoas muito competentes. (...) E então nosso trabalho gerou credibilidade, confiança. Hoje o nome dos produtos e da empresa têm uma imagem muito boa. Com seus diferenciais, a Senior obtém destaque gradativamente no contexto dos produtores de software de Blumenau, como complementa Jorge: Tinha organizações aqui na cidade de grande competência e com muito mais dinheiro. E nós não tínhamos quase nada. Dinheiro não tinha e tal. Então eu acho que nós construímos um projeto somando a cada dia mais pontos para ter uma imagem melhor. Contaram para isso a nossa tecnologia, a funcionalidade do software e a nossa postura de mercado, a nossa seriedade. Copyright Fundação Dom Cabral. 5

6 A lucratividade e a rentabilidade elevadas da década de 90 dão à Senior um expressivo potencial de investimento para desenvolver novos projetos, tais como novos produtos e a criação de empresas derivadas pelo processo de spin-off. Para manter em sua equipe de trabalho pessoas de grande competência tecnológica e passar a operar com unidades de negócios concentradas em linhas específicas de produtos, a diretoria da empresa promove seu primeiro spin-off em Com a criação da Senior Sistemas Corporativos para desenvolver e comercializar o Sapiens, ela aumenta o foco da empresa-mãe em suas atividades essenciais (core business), além de criar uma organização de pessoal e uma estrutura de tratamento específicas para o novo produto. A nova empresa é criada com cinco sócios e apenas dois empregados. Começa aí a prática de criação de novas empresas do grupo Senior sempre com os três proprietários-dirigentes da empresa-mãe e até duas pessoas a mais, freqüentemente exfuncionários, formando o grupo de sócios. Nestes novos negócios, os sócios dos três dirigentes da empresa-mãe têm uma participação de até 20% cada um, como se vê na Senior Sistemas Corporativos. Com esta receita, seriam criadas intencionalmente quatro empresas por spin-off para compor o grupo Senior em Blumenau. Na Senior Sistemas Corporativos, os dois sócios do trio empreendedor não são exfuncionários. Quando ocorrem os spin-offs com ex-funcionários, o processo é em grande parte motivado pelo interesse em manter mão-de-obra-chave. Isto diminui o risco de que o pessoal com competência tecnológica elevada e estrategicamente importante abandone o desenvolvimento de produtos da Senior em busca de trabalhos mais atraentes entre as empresas tecnológicas, a concorrência é grande por mão-de-obra especializada e experiente. Tal prática leva os funcionários tornados sócios a ter maior empenho e interesse nas atividades que realizam, além de maior fidelidade à empresa em que trabalham. Outra vantagem do spin-off para o tratamento específico dos produtos é a harmonização do processo de trabalho, como se compreende a partir da descrição de Guido, diretor de produto à época, sobre as atividades de P e D com múltiplos projetos antes dos spin-offs: Toda idéia nova, todo produto novo, sempre gerou um estresse muito grande internamente. Quando tínhamos só o sistema de folha de pagamento, o Ronda atrapalhou [o desenvolvimento do produto anterior]. E daí veio o sistema novo de folha. E ele atrapalhou o Ronda. E aí veio o sistema Vetor. Ele atrapalhou a folha e o Ronda. Sempre foi assim. [Os produtos novos] sempre geraram muito estresse e uma evolução. A evolução sempre gerou estresse. A segunda empresa derivada da Senior é a Senior Sistemas de Turismo, criada por cinco sócios em 1996 para desenvolver e comercializar o sistema Regente. O produto é específico para agências de viagem e empresas de turismo. No fim de 1998 e em 1999, o grupo Senior atravessa uma fase difícil. O sistema corporativo Sapiens, está em seu início de venda no mercado, mas há a necessidade de se aperfeiçoar rapidamente suas funcionalidades. A empresa enfrenta o risco de frustrar sua clientela e de ter perdas irreparáveis de imagem no mercado se não o fizer. Em meio à indefinição sobre como resolver o problema, Guido convence Jorge e Nésio para tomarem a iniciativa de contratar 11 novos programadores, apesar da situação financeira delicada da Senior Sistemas Corporativos. Isto produz um grande impacto internamente devido ao risco da iniciativa, pois os contratados recebem uma média salarial muito mais alta que o Copyright Fundação Dom Cabral. 6

7 pessoal da casa. Este pessoal não deixa de mostrar sua insatisfação, assim como os dirigentes das empresas locais de onde vêm os novos programadores. Tais dirigentes chegam até a telefonar para reclamar com os sócios da Senior sobre a contratação de seus funcionários. Contudo, a operação obtém êxito, reequilibrando a empresa. Em 2000, é criada a Senior Sistemas de Segurança e, logo após, a Senior Sistemas em Tecnologia (ou Senior TI). Esta última tem sua criação motivada principalmente pela busca de benefícios fiscais, segundo uma operação plenamente legal. Neste mesmo ano, realiza-se uma mudança societária premiando-se um importante gerente com 1% da empresa-mãe para se atender aos interesses de crescimento dele e fortalecer sua vontade de permanecer na empresa. O porcentual de cada um dos três sócios principais se arredonda portanto para 33% exatamente. Mudanças quase inesperadas Diferenças de perspectiva e de perfil sempre caracterizaram a equipe de direção da Senior, como ocorre nas equipes de direção em geral. Uma diferença importante é relativa ao valor dado por Guido e Jorge à prestação de serviços associada à venda dos diferentes produtos da empresa. Um tem a visão de transformar a empresa numa grande prestadora de serviços e o outro prefere que a empresa seja uma grande produtora de softwares no futuro. Guido é aficionado da geração de novas idéias e da superação contínua de desafios ligados à atividade de criação. Contudo, depois de vários anos de existência da Senior, mostra-se mais atrativa e racional para toda a direção a idéia de diminuir o ritmo de criação para aperfeiçoar os produtos e serviços desenvolvidos com vistas a elevar sua rentabilidade e os lucros. Chegados os dez anos da Senior, em 1998, Guido já sente falta de um ritmo intenso de criação, gostaria de estar sendo mais desafiado em seu trabalho. Anuncia à direção seu desejo de deixar a diretoria em cinco anos. Os outros diretores não se deixam convencer completamente, mas ele está sendo sério. Ele fala de sua maneira de ser e da origem do seu desejo de deixar a diretoria: A origem da coisa não é nem das diferenças [de perspectiva em relação aos outros diretores], mas sim pela falta de novos projetos, de coisa nova para fazer. Se eu tiver que fazer por dois ou três meses a mesma coisa, o trabalho vai ser abandonado, porque eu não consigo. Se tiver alguma coisa nova para ver, para desenvolver, um produto novo, um mercado novo, uma idéia nova, aí pronto. É comigo, trabalho 24 horas por dia, dia e noite. Isto me satisfaz. A partir do aviso de saída, Guido prepara gradualmente o corpo gerencial para cobrir suas funções. Em paralelo a isto, ao longo de três anos, ele desenvolve uma equipe de trabalho com a qual leva a Senior a ampliar a oferta de serviços, que passa a incluir novas atividades como a formação de distribuidores para vender produtos e a formação de clientes para utilizá-los. Em 2003, Guido deixa a diretoria da Senior, ficando apenas como sócio na empresa. Ele volta para sua cidade natal, São Martinho, para dirigir a empresa Kleiner Schein (pequeno brilho, em Alemão). Ela produz, para o Brasil e o exterior, móveis em estilo province, artigos decorativos e artesanato (ver: Foi aberta em 1999 em sociedade entre Guido, seus irmãos e sua esposa. Enquanto ele preparava sua saída da diretoria da Senior, um novo processo de spin-off tomava corpo na empresa. Alex Sandro da Silva, um dos jovens empregados da empresa, após a Copyright Fundação Dom Cabral. 7

8 conclusão do seu mestrado em Informática, iniciou o desenvolvimento de uma solução para telemedicina e auxílio ao diagnóstico médico através de imagens radiológicas. Ele apresentara o mesmo projeto a Guido para que fosse realizado em parceria, mas, embora houvesse interesse de ambas as partes, ele acabou não sendo colocado em prática com investimento da Senior. Em paralelo, Júlio, também jovem empregado da empresa, tinha sido incumbido de fazer a identificação no mercado de sistemas de teleconferência para possibilitar a formação à distância dos distribuidores de produtos da Senior. Só encontrou produtos e serviços com preços que considerava muito altos. Enfim, Júlio monta uma parceria com Alex, devido a sua experiência numa aplicação correlata, para criarem um produto a preço acessível de teleconferência por computadores. Um terceiro colega de trabalho também participa do projeto. Juntos, eles querem vir a atender necessidades de teleconferência parecidas com as da Senior no mercado brasileiro e internacional. Alex cria um novo projeto buscando uma parceria, mas o apresenta a Nésio desta vez. A Senior precisa do produto, mas sua diretoria se mostra reticente em fazer uma diversificação expressiva para a área de comunicação. Os três jovens empregados promovem o desenvolvimento do produto sem investimento do empregador, que, contudo, conhece o projeto. Eles começam a se dedicar ao seu próprio produto nas horas extras. Em 2004, Júlio e Alex deixam a Senior e fundam a Lector Tecnologia (ver: Seu terceiro colega prefere não deixar o emprego e fica fora da diretoria da Lector. A empresa desenvolve e comercializa o software Lector Live, de conferência por internet, para múltiplas pessoas se comunicarem simultaneamente visando a realizar práticas de ensino, reuniões, telemedicina e atividades de suporte técnico on-line. Algumas vantagens do produto destacadas por seus criadores são o baixo preço e a possibilidade de uso com qualidade para conexão de internet discada, de baixa velocidade. No Brasil, estas vantagens são de grande valor. Em 2005, a Senior é um dos importantes clientes da Lector, auxiliando esta empresa a ter entrada de caixa e figurando na lista de seus cases como referência para facilitar a conquista de novos clientes. Em contrapartida, a Senior barateia os custos de sua formação à distância e obtém vantagens para a aquisição do produto e dos serviços da Lector. As relações desenvolvidas por Alex e Julio em seu emprego antes do spin-off foram importantes facilitadores da aproximação destas duas empresas. Buscando a excelência A saída de Guido leva, entre outras coisas, à criação do cargo de presidente na empresamãe Senior, que é ocupado por Jorge. Antes disto, as decisões estratégicas eram tomadas principalmente de forma colegiada. Nésio passa a acumular o papel de diretor de produto. Um novo diretor contratado torna-se responsável pela diretoria comercial, assumindo atividades anteriormente de Jorge. A empresa tem-se desenvolvido e crescido com dinamismo. Entre seus clientes, há corporações como Petrobras, Sadia, Cargill, Fiat, Volkswagen, Weg e Tramontina. O desenvolvimento tecnológico obtido para a produção de seu sistema de gestão corporativa foi um fator decisivo para a conquista destes e de muitos outros clientes importantes. Nésio acrescenta: A produção nacional desse tipo de software hoje não deixa nada a dever em relação aos Copyright Fundação Dom Cabral. 8

9 produtores externos. Por isso, muitas empresas trocaram fornecedores estrangeiros por nacionais 3. Em 2005, a Senior é um dos participantes mais ativos em Blumenau do programa Parceiros para a Excelência PAEX, da Fundação Dom Cabral (ver: Com este programa, a diretoria visa a desenvolver sua capacitação para organizar adequadamente a empresa, profissionalizar seu quadro de alta gestão e, principalmente, elevar à excelência suas práticas de gestão estratégica. Buscando incentivar o aperfeiçoamento do trabalho também dos seus parceiros, a diretoria inclui no PAEX também 14 de seus distribuidores chamados na empresa de unidades Senior. Contudo, diferentes questões ficam em aberto sobre o futuro: A direção saberá manter o ritmo de desenvolvimento da empresa? O caminho para o sucesso ainda mais expressivo é a direção da empresa de forma independente? Ou as alianças estratégicas com outras empresas serão necessárias? Com o destaque obtido pela Senior no cenário nacional, ela não estaria na mira de grandes empresas para uma possível aquisição? Uma coisa, entretanto, é certa: os desafios para a empresa no mercado não cessarão de se renovar. Um deles, já previsto pelas empresas do setor, é a ameaça de criação de sistemas de gestão por grandes empresas como a SAP e a Microsoft para disputar com agressividade os clientes de pequeno e médio portes. Atualmente, o maior potencial de crescimento de vendas no setor está associado justamente a estes clientes, que tanto interessam a empresas brasileiras como a Senior. Diferentes empresas no Brasil já se reorganizam por fusão e aquisição para enfrentar este desafio 4. Que futuro aguarda a Senior? 3 Fonte: PEREIRA, Rodrigo. Trajetória de Sucesso na Área Tecnológica - Nésio Roskowski comanda a Senior Sistemas, em Blumenau. Joinville: Joinville: A Notícia. Caderno de Economia. 25 set Sítio internet visitado em 02/02/2006: 4 Ver, por exemplo: VALIM, Carlos Eduardo, SAITO, Ana Carolina, GODINHO, Rogério. Os Reflexos da Compra da RM pela Totvs. São Paulo: Gazeta Mercantil. Caderno Empresas e Negócios. 17 abr Copyright Fundação Dom Cabral. 9

Severino, José Milton e a Benner: Ícones Empreendedores 1

Severino, José Milton e a Benner: Ícones Empreendedores 1 1 Autor: Edmilson de Oliveira Lima Este caso apresenta a trajetória de José Milton da Silva, de Severino Benner e da empresa Benner Sistemas S.A., destacando elementos de empreendedorismo, gestão de negócios

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM

BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM BOAS PRÁTICAS NO DIA A DIA DAS CLÍNICAS DE IMAGEM Introdução ÍNDICE Boas práticas no dia a dia das clínicas de imagem A Importância de se estar conectado às tendências As melhores práticas no mercado de

Leia mais

Copyright 2011 Manual Gere Afiliados - www.gerasite.com MANUAL. Gere Afiliados. Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados

Copyright 2011 Manual Gere Afiliados - www.gerasite.com MANUAL. Gere Afiliados. Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados GERA SITE Apresenta... MANUAL Gere Afiliados Como Criar Seu Próprio Site de Vendas e Marketing de Afiliados Facilmente Copyright 2011 - Júnior Resende - Direitos Reservados Direitos de Reprodução Este

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

NO NEGÓCIO SAC TEXTO DE JULIANA KLEIN

NO NEGÓCIO SAC TEXTO DE JULIANA KLEIN NO NEGÓCIO SAC TEXTO DE JULIANA KLEIN 50 A ALMA DO NEGÓCIO Serviço de SAC eficiente é o que todos os clientes esperam e é no que todas as empresas deveriam investir. Especialistas afirmam: essa deve ser

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Vida Segura Empresarial Bradesco:

Vida Segura Empresarial Bradesco: PRÊMIO ANSP 2005 Vida Segura Empresarial Bradesco: A democratização do acesso ao Seguro de Vida chega às Micro e Pequenas Empresas. 1 SUMÁRIO 1. Sinopse 3 2. Introdução 4 3. O desafio de ser o pioneiro

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada

Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada Formulário de Apresentação da Proposta Simplificada A. Dados Cadastrais A.1. Informações para contato Endereço Completo: Bairro: Cidade: UF: CEP: Telefone: e-mail: Página na Internet: A.2. Caracterização

Leia mais

Data da Entrega: 09/05/2012 ATIVIDADE AVALIATIVA 1 GABARITO

Data da Entrega: 09/05/2012 ATIVIDADE AVALIATIVA 1 GABARITO NOME: CÓDIGO: Disciplina: Empreendedorismo Módulo: 8º semestre Docente Lúcia Silva Data de Postagem: 09/04/2012 Data da Entrega: 09/05/2012 ATIVIDADE AVALIATIVA 1 GABARITO POLO: - Objetivo desta atividade:

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS

Guia CARREIRAS E SALÁRIOS Guia CARREIRAS E SALÁRIOS em contabilidade Guia Carreiras e Salários Se você é gestor de alguma empresa contábil, está procurando melhorar sua posição profissional ou é dono de um escritório de contabilidade:

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com

oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com 73 oftware Totvs, Linx e Crivo foram os Destaques do Ano entre as empresas desenvolvedoras de software de grande, médio e pequeno portes, de acordo com os dados de balanço analisados pela equipe do Anuário

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor.

Módulo 6. Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Módulo 6 Módulo 6 Desenvolvimento do projeto com foco no negócio BPM, Análise e desenvolvimento, Benefícios, Detalhamento da metodologia de modelagem do fluxo de trabalho EPMA. Todos os direitos de cópia

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades

17 de setembro de 2007. SYSPHERA NO ANGELONI Análise do Projeto, Benefícios e Particularidades BUSINESS CASE VAREJO 17 de setembro de 2007 A SYSPHERA é uma empresa brasileira de tecnologia que se dedica ao desenvolvimento de soluções estratégicas para clientes que buscam a melhoria contínua de sua

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA

PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA PESQUISA GLOBAL DAS PMEs ÍNDICE DE CONFIANÇA EM TI RESULTADOS AMÉRICA LATINA 2013 SUMÁRIO 3 4 5 6 8 11 INTRODUÇÃO METODOLOGIA ÍNDICE DE CONFIANÇA DAS PMEs EM TI CARACTERÍSTICAS DAS PMEs TOP-TIER MELHORES

Leia mais

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA

PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA PESM PROJETO EU SOU DE MINAS PROPOSTA DE PARCERIA Prestação de Serviço de Configuração de Portal de Cidade VISÃO GERAL PESM Projeto Eu Sou de Minas tem a satisfação de enviar esta proposta de serviços

Leia mais

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história

vencido Desafio Tradição, superação e vontade Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história Desafio Atuação concisa e certeira, capacitação e união foram aspectos importantes de uma história de recuperação, tradição e sucesso no varejo de material de construção mineiro. O único caminho a seguir,

Leia mais

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado).

Figura 1 - Processo de transformação de dados em informação. Fonte: (STAIR e REYNOLDS, 2008, p. 6, adaptado). Tecnologia da Informação (TI) A tecnologia é o meio, o modo pelo qual os dados são transformados e organizados para a sua utilização (LAUDON; LAUDON, 1999). Os dados podem ser considerados como fatos básicos,

Leia mais

Respostas aos Fatos Reais SeqÅÇncia 4

Respostas aos Fatos Reais SeqÅÇncia 4 Respostas aos Fatos Reais SeqÅÇncia 4 Fato Real 1: Intuit, Inc.: desafio e inovação em softwares para consumidores e pequenas empresas 1. Que liäåes vocç aprendeu com este caso sobre a forma de desenvolver

Leia mais

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil

Campus Aloysio Faria. Campus BH. Campus SP. Campus RJ. Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus Aloysio Faria Av. Princesa Diana, 760 Alphaville Lagoa dos Ingleses 34000-000 Nova Lima MG Brasil Campus BH Rua Bernardo Guimarães, 3.071 Santo Agostinho 30140-083 Belo Horizonte MG Brasil Campus

Leia mais

Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado

Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado Empresa capixaba de tecnologia lança primeiro construtor de sites do Estado Por meio do www.webfacil.com.br qualquer usuário de informática é capaz de criar seu próprio site, no domínio que desejar, e

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Case Schutz Maurício Bastos

Case Schutz Maurício Bastos LIVRO DE CASES CASE 1 CASES Case Schutz Maurício Bastos Ano de fundação: 1995 Segmento: Varejo Calçados Localização: São Paulo Crescimento Ecommerce: 400% ao ano Funcionários: 900 Loja Online: loja.schutz.com.br

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa

Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa Tema: Responsabilidade Social Objetivos: Apresentar uma empresa modelo em Responsabilidade Social (Promon Engenharia) com analise dos 7P s da empresa e proposta de melhoria de pelo menos 2P s. Tópicos:

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Triana. Nossa visão: ser uma empresa líder em tecnologias de informação, com os melhores profissionais e com reconhecimento a nível Internacional.

Triana. Nossa visão: ser uma empresa líder em tecnologias de informação, com os melhores profissionais e com reconhecimento a nível Internacional. ÍNDICE 1 Triana Triana: uma empresa Moçambicana líder nacional no fornecimento de soluções de Tecnologias de Informação e Comunicação. O enfoque da nossa actuação é orientar e encontrar as melhores soluções

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina.

Lanches ser hoje uma referência gastronômica em Londrina. EntreVISTA Fotos: Divulgação/Shutterstock O grande empreendedor encara os desafios Entre esperar o livro pronto e escrevê-lo, o comerciante Arnaldo Tsuruda preferiu seguir pela segunda opção. A história

Leia mais

COMPRE DO PEQUENO NEGÓCIO

COMPRE DO PEQUENO NEGÓCIO COMPRE DO PEQUENO NEGÓCIO ALAVANQUE SUA EMPRESA EM TEMPOS DE INCERTEZA 2015 tem se mostrado um ano de grandes desafios. Sua empresa está passando por este período com resultados inferiores aos planejados?

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa

1. Apresentação. 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social. 1.2. Engajamento na Iniciativa 1. Apresentação 1.1. Conexão Digital para o Desenvolvimento Social A conexão Digital para o Desenvolvimento Social é uma iniciativa que abrange uma série de atividades desenvolvidas por ONGs em colaboração

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB. Incubadora Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB Incubadora 7. INCUBADORA 7.1 INCUBEM: desenvolvendo empresas de sucesso A Incubadora de Empresas do Sudoeste Baiano INCUBEM é uma instituição que tem por

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais

Sistemas de Informações Gerenciais Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 Sistema de Informação SI baseado em computadores Organização, administração e estratégia Professora: Cintia Caetano INTRODUÇÃO Sistemas de Informação são parte

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Metodologia e dinâmica do workshop O fim das vendas e do marketing da insistência

Metodologia e dinâmica do workshop O fim das vendas e do marketing da insistência Metodologia e dinâmica do workshop O fim das vendas e do marketing da insistência Como andam seus esforços em Prospecção, Follow-up e Networking? A forma como você faz hoje é a mais adequada? Será que

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Os sistemas ERP são divididos em módulos, tanto comercial quanto didaticamente, dentre os quais os mais clássicos são: financeiro, materiais, vendas, controladoria, qualidade,

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

DESENVOLVER SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PEQUENAS EMPRESAS

DESENVOLVER SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PEQUENAS EMPRESAS Palestras Gerenciais DESENVOLVER SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PARA PEQUENAS EMPRESAS O NEGÓCIO E AS NECESSIDADES DO MERCADO Manual do participante Autoria: Egnaldo Cesar O. Paulino Jorge Luiz da Rocha Pereira

Leia mais

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado

Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Mídias sociais nas empresas O relacionamento online com o mercado Maio de 2010 Conteúdo Introdução...4 Principais conclusões...5 Dados adicionais da pesquisa...14 Nossas ofertas de serviços em mídias sociais...21

Leia mais

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade...

3. Os erros têm sido cometidos exatamente onde há maior dificuldade... Entrevista com PEDRO MANDELLI Consultor na área de mudança organizacional, Pedro Mandelli é um dos maiores especialistas em desenho e condução de processos de mudança em organizações. É professor da Fundação

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes

Agora é possível interagir com os fornecedores e clientes O que é ERP? ERP é a sigla de Enterprise Resourse Planning (Planejamento dos Recursos Empresariais). Trata-se de uma técnica moderna de gestão empresarial pela qual todas as informações de todas as áreas

Leia mais

Na teoria e na vida, FDC

Na teoria e na vida, FDC C T E C E N T R O D E T E C N O L O G I A E M P R E S A R I A L C T E C o o p e r a ç ã o e n t r e e m p r e s a s d e g r a n d e p o r t e Na teoria e na vida, FDC AF - 05-006 - CTE02 R.indd 2 7/10/07

Leia mais

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso

12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Novo Negócio 12 Dicas Para Montar Um Negócio De Sucesso Vinícius Gonçalves Equipe Novo Negócio Espero sinceramente que você leia este PDF até o final, pois aqui tem informações muito importantes e que

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO, ORGANIZAÇÕES, ADMINISTRAÇÃO E ESTRATÉGIA 1 OBJETIVOS 1. O que os administradores precisam saber sobre organizações para montar e usar sistemas de informação com sucesso? 2. Que

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One

SAP Customer Success Story Turismo Hotel Urbano. Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Hotel Urbano automatiza controle financeiro e internaliza contabilidade com SAP Business One Geral Executiva Nome da Hotel Urbano Indústria Turismo Produtos e Serviços Comercialização online de pacotes

Leia mais

unidos pelas suas ideias

unidos pelas suas ideias especial unidos pelas suas ideias Especialistas em novos empreendimentos dão dicas para fazer sua startup decolar e explicam como usar o financiamento coletivo para concretizar objetivos 52 revista W W174.especial_starturpcrowdfunding.indd

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social

práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social práticas recomendadas Cinco maneiras de manter os recrutadores à frente da curva social Não há dúvidas de que as tecnologias sociais têm um impacto substancial no modo como as empresas funcionam atualmente.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Como conversar com possíveis iniciadas

Como conversar com possíveis iniciadas Como conversar com possíveis iniciadas Convidar outras mulheres a tornarem-se consultoras é uma atividade chave para quem quer tornar-se diretora. Aprenda como fazer a entrevista de iniciação, ou seja:

Leia mais

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções.

Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento. Coletar informação; e Identificar as direções. Revisão 1 Coletividade; Diferenciais; Informação; Dado; Informação; Conhecimento Coletar informação; e Identificar as direções. Precisa; Clara; Econômica; Flexível; Confiável; Dirigida; Simples; Rápida;

Leia mais

UM GUIA PASSO A PASSO PARA MONTAR SUA PRÓPRIA REVENDA DE HOSPEDAGEM ... Ganhe dinheiro revendendo hospedagem de sites ... Ebook produzido por:

UM GUIA PASSO A PASSO PARA MONTAR SUA PRÓPRIA REVENDA DE HOSPEDAGEM ... Ganhe dinheiro revendendo hospedagem de sites ... Ebook produzido por: UM GUIA PASSO A PASSO PARA MONTAR SUA PRÓPRIA REVENDA DE HOSPEDAGEM... Ganhe dinheiro revendendo hospedagem de sites... Ebook produzido por: Wagner Linaldi Marketing @wagnerlinaldi wagner.linaldi@corp........

Leia mais

Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL

Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial PROPOSTA COMERCIAL APRESENTAÇÃO Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial A Ivo Camargo Jr. Consultoria e Representação Comercial nasceu

Leia mais

Relatório Gestão do Projeto 2013

Relatório Gestão do Projeto 2013 Relatório Gestão do Projeto 2013 Fundação Aperam Acesita e Junior Achievement Minas Gerais: UMA PARCERIA DE SUCESSO SUMÁRIO Resultados 2013... 6 Resultados dos Programas... 7 Programa Vamos Falar de Ética...

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro

Tecnologia da Informação e Comunicação. Douglas Farias Cordeiro Tecnologia da Informação e Comunicação Douglas Farias Cordeiro Algumas coisas que vimos até aqui Qual a diferença entre as funções do analista e do projetista? Como funciona o ciclo de vida de um projeto

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA INFORMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL

A IMPORTÂNCIA DA INFORMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL A IMPORTÂNCIA DA INFORMÁTICA NA PROFISSÃO CONTÁBIL Contador da Empresa Menendez Amerino & Cia Ltda Contato: Sumário: I Introdução. II Importância da Informática na Contabilidade. III A Valorização do Profissional

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual?

Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? RESUMO DO PARCEIRO: CA VIRTUAL FOUNDATION SUITE Você está fornecendo valor a seus clientes para ajudálos a superar a Paralisação virtual e acelerar a maturidade virtual? O CA Virtual Foundation Suite permite

Leia mais

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS.

USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. USE O PODER DA NUVEM. VEJA COMO A NUVEM PODE TRANSFORMAR SEUS NEGÓCIOS. A computação em nuvem é uma mudança de paradigma no gerenciamento de TI e de datacenters, além de representar a capacidade da TI

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI

CLIPPING Mídias de Primeiro Foco. Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI CLIPPING Mídias de Primeiro Foco Cliente: Fharos Data: 17/09/08 Veículo: DCI Cliente: Fharos Data: 10/09/08 Veículo: Executivos Financeiros 2 3 Cliente: Fharos Data: 12/09/08 Veículo: Canal Executivo 4

Leia mais

Case: Reconheço Você

Case: Reconheço Você Case: Reconheço Você Razão Social: Wilson Sons Ramo de Atividade: Sistema Portuário e Logístico & Sistema Marítimo Ano de fundação: 1837 Nome/Titulação do responsável: Antônio Linhares, Rodrigo Sampaio

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A UAI Tecnologia e Comunicação, nome fantasia da UAI Software LTDA., (que significa "Unidade de Apoio à Informação do Software") foi fundada em 19 de Março de 2004, por Luiz Gustavo

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

TER RAZÃO OU SER FELIZ... COMO SOBREVIVER NUM MUNDO COMPETITIVO COM IMPOSTOS ELEVADOS

TER RAZÃO OU SER FELIZ... COMO SOBREVIVER NUM MUNDO COMPETITIVO COM IMPOSTOS ELEVADOS BOLETIM TÉCNICO JULHO/2012 TER RAZÃO OU SER FELIZ... COMO SOBREVIVER NUM MUNDO COMPETITIVO COM IMPOSTOS ELEVADOS "Um grande marco no desenvolvimento de um homem é quando ele compreende que outros homens

Leia mais

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic

Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic CUSTOMER SUCCESS STORY Globalweb otimiza oferta e entrega de serviços a clientes com CA AppLogic PERFIL DO CLIENTE Indústria: Serviços de TI Companhia: Globalweb Outsourcing Empregados: 600 EMPRESA A Globalweb

Leia mais

Estamos presentes em 20 estados

Estamos presentes em 20 estados http://goo.gl/7kuwo O IDEBRASIL é voltado para compartilhar conhecimento de gestão com o empreendedor do pequeno e micro negócio, de forma prática, objetiva e simplificada. A filosofia de capacitação é

Leia mais

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração

DCC133 Introdução à Sistemas de Informação. E-business global e colaboração Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação DCC133 Introdução à Sistemas de Informação TÓPICO 2 E-business global e colaboração Prof. Tarcísio de Souza Lima OBJETIVOS DE ESTUDO Identificar e descrever

Leia mais

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto

Slice Management. Controlando o que você não vê. Direto ao assunto Slice Management Controlando o que você não vê Direto ao assunto O Slice Management (SM) é uma prática de gerenciamento que consiste em colocar um sistema de inteligência em todas as áreas da empresa.

Leia mais

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções.

Estratégias para aumentar a rentabilidade. Indicadores importantes. Controle a produção. Reduza filas. Trabalhe com promoções. Uma publicação: Estratégias para aumentar a rentabilidade 04 Indicadores importantes 06 Controle a produção 08 Reduza filas 09 Trabalhe com promoções 10 Conclusões 11 Introdução Dinheiro em caixa. Em qualquer

Leia mais

GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA

GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA GESTÃO ECONÔMICO-FINANCEIRA 2013 Assim como a Natureza influencia o desenvolvimento das espécies, uma gestão financeira eficiente pode determinar a performance das organizações. Conheça a Fundação Dom

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Prezado Cooperado, Em 2012 a economia brasileira apresentou forte desaceleração, tendo uma das mais baixas taxas de crescimento da América Latina, inferior até as pessimistas

Leia mais