UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA HUDSON SÉRGIO DE SOUZA SISTEMA DE TREINAMENTO EM ACUIDADE VISUAL - SiTAV MARINGÁ 2014

2 HUDSON SÉRGIO DE SOUZA SISTEMA DE TREINAMENTO EM ACUIDADE VISUAL - SiTAV Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Agronomia do Departamento de Agronomia, Centro de Ciências Agrárias da Universidade Estadual de Maringá, como requisito parcial para obtenção do título de Mestre em Agronomia. Área de concentração: Proteção de plantas. Orientador: Prof. Dr. William Mário de Carvalho Nunes MARINGÁ 2014

3 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Biblioteca Central - UEM, Maringá, PR, Brasil) S729s Souza, Hudson Sérgio Sistema de treinamento em acuidade visual - SiTAV / Hudson Sérgio de Souza. -- Maringá, xix, 148 f. + anexos : il., figs., tabs. Orientador: Prof. Dr. William Mário de Carvalho Nunes. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Maringá, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Agronomia, Programa de Pós-Graduação em Agronomia, Sistema de treinamento em acuidade visual (SiTAV). 2. Acuidade visual - Treinamento - Website. 3. Plantas - Doenças - Taxa de severidade. 4. Plantas - Fitopatologia. 5. Agroinformática. I. Nunes, William Mário de Carvalho, orient. II. Universidade Estadual de Maringá. Centro de Ciências Agrárias. Departamento de Agronomia. Programa de Pós-Graduação em Agronomia. III. Título. CDD 21.ed GVS

4

5 DEDICATÓRIA A minha mãe, Dona Helena, que trabalhou a vida toda para proporcionar condições para que seus filhos alcançassem o conhecimento necessário para se tornarem pessoas de bem e possuíssem uma vida melhor que ela mesma teve. ii

6 AGRADECIMENTOS Primeiramente a Deus, por me dar forças, sabedoria e saúde para trilhar este caminho árduo em busca do conhecimento. A minha Família, em especial a minha mãe, Dona Helena, aos meus irmãos Josias in memoriam, Marizete, Aparecida e João, por acreditarem em minha capacidade e compreenderam meus momentos de ausência. À Universidade Estadual de Maringá UEM pela oportunidade concedida em participar do Programa de Pós-Graduação de Agronomia PGA, junto ao Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia Aplicada NBA. Ao orientador e amigo, Prof. Dr. William Mário de Carvalho Nunes, pela oportunidade, incentivo e apoio, tanto em questões acadêmicas quanto na condução da vida pessoal. À Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES pelo apoio financeiro durante todo o período de meu aprendizado. Aos amigos Prof. MSc. Antonio Pires Junior e Prof. Dr. Julio Cesar Tocacelli Colella pela indicação e incentivo durante esta jornada do saber. À Sra. Terezinha Dal-Pra pelo apoio em minha formação no Ensino Fundamental e Médio, o qual auxiliou a moldar minha personalidade pelos melhores caminhos. Aos membros do NBA-UEM pelos momentos que passamos juntos nos apoiando. E a todos aqueles que de uma forma direta ou indireta contribuíram para a conclusão deste trabalho tão importante em minha vida. iii

7 Quando a última ÁRVORE tiver caído, quando o último RIO tiver secado, quando o último PEIXE for pescado, vocês vão entender que o DINHEIRO não se come. Greenpeace iv

8 Sistema de Treinamento em Acuidade Visual SiTAV RESUMO A presente dissertação aborda o desenvolvimento de um software web para realizar o treinamento da acuidade visual de avaliadores com ou sem experiência no processo de avaliação da incidência de severidade das lesões de doenças de plantas em determinadas culturas. O processo de treinamento adequado ao avaliador exige métodos padronizados de quantificação da área lesionada pela doença de planta, buscando minimizar a subjetividade na estimativa da severidade das doenças de plantas, realizando o treinamento da precisão e acurácia dos avaliadores. A variável severidade é considerada o melhor parâmetro para referenciar o dano causado pelas doenças de plantas em folhas ou frutos e a escala diagramática é considerada a melhor alternativa de auxílio à avaliação das lesões de doenças de plantas. A importância de um treinamento de acuidade visual adequado reflete diretamente em uma coleta de dados eficiente que pode determinar a curva de progresso da doença, servindo como parâmetro para o manejo mais adequado para o controle eficaz da doença na lavoura. O poder de processamento da informática em atividades cotidianas, repetitivas, execução de cálculos matemáticos complexos e no gerenciamento de base de dados, impulsionou a fitopatologia e a ciência moderna no avanço para novas descobertas científicas e na divulgação imediata dos resultados alcançados. A exportação dos dados de treinamento do projeto SiTAV para o formato de planilha de cálculo (.xls) possibilitou a utilização do programa estatístico Statistic Analysis System (SAS) 9.3 para processar os dados e gerar informações relevantes sobre o desempenho dos avaliadores e a qualidade de treinamento do sistema SiTAV. Palavras-chave: Website, treinamento, acuidade visual. v

9 Training System in Visual Acuity SiTAV ABSTRACT This dissertation describes the development of a web software, to provide visual acuity training to evaluators with or without experience in the process of evaluating incidence and severity of disease injure on plants in certain crops. Proper evaluator training process requires standard methods to quantify the plant disease injure area, pursuing to minimize subjectivity in estimating the severity of plant diseases, providing precision and accuracy training to evaluators. The severity variable is considered the best parameter to reference the damage caused by plant diseases on leaves or fruits, and diagrammatic scale is considered the best support alternative on lesions evaluation of plant diseases. The importance of proper visual acuity training is directly reflected in a collection of data that can efficiently determine the disease progress curve, used as standard to the most appropriate management for effective control of the disease in the field. The processing power of computing in everyday activities, repetitive, performing complex mathematical calculations and managing database, boosted both plant pathology and modern science, in advancing new scientific discoveries and immediate dissemination of the results. Export of training data from SiTAV project for to spreadsheet format (.xls) allowed the use of Statistic Analysis System (SAS) 9.3 statistical software to process the data and generate relevant information on evaluators performance and training quality of SiTAV system. Keywords: Website, training, visual acuity. vi

10 LISTA DE TABELAS CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LITERATURA Tabela 1 Intervalo dos limites dos graus de severidade de doenças de planta que podem ser observados pela acuidade visual humana baseada na Lei de Weber-Fechhner CAPÍTULO 3 USABILIDADE DO SISTEMA WEB SITAV Tabela 1 Nível de permissões por ator atribuídas ao usuário do sistema SiTAV Tabela 2 Situação de disponibilidade atual do usuário no sistema SiTAV Tabela 3 Resultados apurados com a validação do sistema SiTAV através da Prova Online, realizada nas dependências do laboratório de Informática da Universidade Estadual de Maringá (UEM), com a participação voluntária dos acadêmicos do curso do 3º ano de Agronomia CAPÍTULO 4 ANÁLISE ESTATÍSTICA DOS DADOS DE TREINAMENTO DO SITAV Tabela 1 Análise da precisão geral dos dados de treinamento do projeto SiTAV através do processamento do programa estatístico SAS Tabela 2 Análise da avaliação dos grupos de validação do projeto SiTAV realizada através do processamento do programa estatístico SAS Tabela 3 Avaliação individual da precisão das imagens de treinamento dos avaliadores através do processamento pelo programa SAS, referente ao dados de treinamento do projeto SiTAV vii

11 LISTA DE FIGURAS CAPÍTULO 1 REVISÃO DE LITERATURA Figura 1 Intervalo maior e menor do grau de severidade de doenças de plantas que podem ser observadas pela acuidade visual humana baseada na Lei de Weber-Fechener Figura 2 Percepção da acuidade visual humana do grau de severidade de doença de planta baseada na Lei de Weber-Fechener Figura 3 Fluxograma hierárquico dos processos para análise computacional de imagem que determinam o valor da severidade real de doenças de plantas Figura 4 Processamento computacional de imagem através do software Quant para realizar a mensuração do valor real da área lesionada por doenças de plantas na superfície de fruto ou folha Figura 5 Escala diagramática com cinco níveis de severidade para doença de cancro cítrico em laranja madura causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri CAPÍTULO 2 DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA WEB SITAV Figura 1 Logotipos do sistema operacional Linux: A) Kernel GNU/Linux 3.0, B) Distribuição Kubuntu 12.10, C) Ambiente Gráfico KDE Figura 2 Logotipos das linguagens de programação utilizadas no desenvolvimento do projeto SiTAV: A) Recomendações para desenvolvimento de software da W3C, B) Servidor Web Apache, C) Linguagem de Programação PHP, D) Linguagem de Programação HTML, E) Folha de Estilo em Cascata CSS, F) Linguagem de Programação JavaScript, G) Framework JQuery, H) Ferramenta de desenvolvimento IDE NetBeans Figura 3 Logotipos das ferramentas de armazenamento de dados: A) Banco de Dados MySQL, B) Ferramenta de Gestão Gráfica de Banco de Dados PHPMyAdmin Figura 4 Logotipos das ferramentas de edição de imagem: A) Ferramenta de viii

12 manipulação de imagem GIMP, B) Ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape, C) Ferramenta de mensuração de área das lesões de doenças de plantas Quant Figura 5 Logotipos das ferramentas de edição gráfica: A) Ferramenta de geração dinâmica de gráficos PHPlot, B) Editor visual de formatação de texto em html TinyMCE Figura 6 Logotipos das ferramentas de interação como usuário: A) Serviço de visualização e busca de mapas e rotas Google Maps, B) Gravação de screencasts e vídeos Camtasia Studio Figura 7 Trecho do código fonte HTML mesclado com PHP, arquivo index.php Figura 8 Trecho do código fonte da folha de estilo em cascata CSS, arquivo estilo/estilo1.css Figura 9 Trecho de código fonte de máscara e autenticação de campos dos formulários com JavaScript Figura 10 Cardinalidade do relacionamento Um-para-Muitos (1-*) entre as tabelas categoria e subcategoria Figura 11 Trecho de código fonte de preenchimento das combobox Categoria e Subcategoria com JQuery, arquivo cadastro/pessoa.php Figura 12 Tela de consulta do cadastro: Categoria / Subcategoria Figura 13 Trecho de código fonte de conexão ao banco de dados mysql, arquivo banco/conecta.php Figura 14 Trecho de código fonte de manipulação do bando de dados MySQL: abrir conexão, inserir, alterar, deletar, consultar, concretizar e encerrar a conexão Figura 15 Ferramenta gráfica PHPMyAdmin de acesso e gestão a banco de dados MySQL Figura 16 Edição da imagem do fruto de laranja verde através da ferramenta de manipulação de imagem Gimp Figura 17 Logomarca SiTAV criada através da ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape Figura 18 Processamento da imagem do fruto de laranja verde para mensuração da área com lesões provocadas por doenças de plantas através do software Quant e editada graficamente pelo software Gimp Figura 19 Trecho de código fonte de envio de dados fixos por parâmetro para ix

13 biblioteca PHPlot, arquivo treinamento/relatindividual.php Figura 20 Trecho de código fonte de envio de dados variáveis por parâmetro (Array) para biblioteca PHPlot, arquivo treinamento/relatindividual.php Figura 21 Trecho do código fonte para geração de gráficos como PHPplot, arquivo treinamento/graficomediatreinamento.php Figura 22 Trecho de código fonte de impressão da imagem do gráfico concluído na página PHP, arquivo treinamento/relatindividual.php Figura 23 Imagens concluídas dos gráficos de barras (parâmetros fixos) e gráficos de linhas (parâmetros variáveis) Figura 24 Trecho de código fonte da caixa de texto com a barra de formatação TinyMCE, arquivo cadastro/traducao.php Figura 25 Barra de formatação TinyMCE cadastro/traducao.php Figura 26 Trecho de código fonte da codificação do mapa de localização no NBA-UEM do serviço web da Google Maps inserido na página PHP do projeto SiTAV, arquivo localizacao.php Figura 27 Mapa e link de localização do NBA-UEM, no serviço web da Google Maps inserido na página PHP do projeto SiTAV, arquivo localizacao.php Figura 28 Tela da videoaula de apresentação do projeto SiTAV, hospedada no YouTube e inserida na página PHP do projeto SiTAV, arquivo videoaula.php Figura 29 Trecho de código fonte de inserção de videoaula gerada pelo Camtasia Studio, hospedada no YouTube e inserida na página PHP do projeto SiTAV, arquivo videoaula.php Figura 30 Arte gráfica do cartão de visita do projeto SiTAV, criada pela ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape CAPÍTULO 3 USABILIDADE DO SISTEMA WEB SITAV Figura 1 Diagrama de caso de uso, Atores papeis permissão de usabilidade disponível aos usuários Figura 2 Diagrama de caso de uso: Visitante, permissão de usabilidade disponível ao usuário Figura 3 Diagrama de caso de uso: Sitav, permissão de usabilidade disponível ao usuário x

14 Figura 4 Diagrama de caso de uso: Temporário, permissão de usabilidade disponível ao usuário Figura 5 Diagrama de caso de uso: Avaliador, permissão de usabilidade disponível ao usuário Figura 6 Diagrama de caso de uso: Professor, permissão de usabilidade disponível ao usuário Figura 7 Diagrama de caso de uso: Orientador, permissão de usabilidade disponível ao usuário Figura 8 Diagrama de caso de uso: Desenvolvedor, permissão de usabilidade disponível ao usuário Figura 9 Tela do formulário de Cadastro de Cultura Figura 10 Tela do formulário de Cadastro de Banco de Imagem Figura 11 Tela do formulário de Cadastro de Banco de Imagem Consulta Figura 12 Tela do formulário de Cadastro de Banco de Imagem Alteração Figura 13 Tela do formulário de Cadastro de Categoria e Subcategoria: salvar/alterar/excluir Figura 14 Tela do formulário de Cadastro de Avaliador Figura 15 Tela de configuração inicial do treinamento Figura 16 Tela de treinamento de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com o auxílio da escala diagramática Figura 17 Tela de treinamento de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com o auxílio da escala diagramática, visualizando o comparativo entre o valor da severidade real com o valor estimado pelo avaliador, juntamente com a imagem da cultura que serviu de base para o treino Figura 18 Trecho do código fonte de seleção randômica da lista Array de imagens que serão analisadas pelo avaliador em seu treinamento Figura 19 Tela de resultado do treinamento de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com o auxílio da escala diagramática, visualizando os resultados alcançados pelo avaliador após o treinamento, mantendo o avaliador informado de seu progresso a cada treinamento Figura 20 Tela do Relatório de Treinamento Individual de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com e sem o auxílio da escala diagramática, visualizando os resultados alcançados pelo avaliador no decorrer do treinamento xi

15 Figura 21 Trecho do código fonte utilizado para realizar automaticamente os cálculos matemáticos do Valor da Avaliação que será atribuído como nota ao treino Figura 22 Tela do Relatório de Ranking dos Avaliadores Sem Experiência em avaliações Figura 23 Tela do Relatório de Ranking dos Avaliadores Com Experiência em avaliações Figura 24 Tela de cadastro de agendamento de prova online na visão do ator Professor Figura 25 Tela de cadastro de agendamento de prova online na visão do ator Professor, acrescentando os acadêmicos ao agendamento Figura 26 Tela de lista de agendamentos de prova online na visão do ator Professor Figura 27 Tela de alteração dos dados do agendamento da prova online na visão do ator Professor Figura 28 Tela de alteração [inclusão e exclusão] dos acadêmicos do agendamento da prova online na visão do ator Professor Figura 29 Tela de lista de agendamentos de prova online na visão do ator Professor, com alteração no número identificador dos avaliadores devido à inclusão e exclusão de acadêmicos Figura 30 Tela de relatório de prova online na visão do ator Professor, com a descrição dos dados da prova e os acadêmicos cadastrados nesta prova online, destaque para o campo Prova com a descrição Aguardando informando que nenhum acadêmico realizou a prova online até o momento Figura 31 Tela de correção da prova online na visão do ator Professor, ao ser clicado no link sobre o nome do acadêmico o qual consta no campo Prova com a descrição Aguardando, ou seja, o acadêmico não realizou a prova online até o momento Figura 32 Tela de agendamento de prova online na visão do ator Avaliador, com os dados referentes a sua prova online Figura 33 Tela de agendamento de prova online na visão do ator Avaliador, informando que não consta nenhum agendamento de prova online para o avaliador Figura 34 Tela de cadastro de avaliador na visão do ator Professor, com a descrição da prova online agendada xii

16 Figura 35 Tela com a descrição dos dados da prova na visão do ator Avaliador, com o botão Iniciar a Prova Figura 36 Tela da execução do treinamento de avaliação da prova online, na visão do ator Avaliador, com a avaliação da porcentagem da lesão em um fruto de laranja verde decorrente da doença de cancro cítrico causado pela bactéria Xanthomonas citri sub citri Figura 37 Tela do relatório de prova online na visão do ator Professor, com a descrição dos dados da prova e os avaliadores cadastrados nesta prova online, destaque para o campo Prova com a descrição Realizada informando que o avaliador 38-MAYKON realizou a prova online Figura 38 Tela de resultado da avaliação da prova online na visão do ator Professor, do acadêmico 38-MAYKON, calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, com um campo denominado Nota da Prova editável Figura 39 Continuação da tela de resultado da avaliação da prova online na visão do ator Professor, do avaliador 38-MAYKON, calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, com a demostração da tabela numérica com os resultados individuais de cada treino da prova online e o gráfico de linha que demostra visualmente o resultado dos treinos da prova online visualizando o desempenho alcançado pelo avaliador Figura 40 Tela de relatório de prova online na visão do ator Professor, com a descrição dos dados da prova e os acadêmicos cadastrados nesta prova online, destaque para o campo Prova com a descrição Realizada e o campo Nota com o valor da avaliação lançado manualmente pelo professor, informando que o avaliador 38-MAYKON realizou a prova online e o professor já corrigiu e lançou a nota Figura 41 Tela do encaminhado automaticamente pelo sistema SiTAV ao professor responsável pela prova online, informando que o avaliador MAYKON finalizou a prova online com sucesso Figura 42 Tela do formulário de cadastro e edição de idioma, na visão do ator Professor Figura 43 Tela do formulário de cadastro das frases do idioma, na visão do ator Professor Figura 44 Tela do formulário de cadastro das frases do idioma, na visão do ator Professor, com edição do texto diretamente no código fonte das xiii

17 Tag's (etiquetas) HTML, sem o auxílio na barra de formatação do TinyMCE Figura 45 Tela de consulta de idioma das frases traduzidas, na visão do ator Professor Figura 46 Tela do sistema SiTAV traduzida nos idiomas A) Português pt-br [padrão], B) Espanhol es e C) Inglês en, disponíveis para todos os atores e nas sessões públicas e privadas Figura 47 Tela de consulta de idioma das frases traduzidas, na visão do ator Professor Figura 48 Tela do Relatório Geral - Detalhado, na visão do ator Professor, visualizado no formato HTML Figura 49 Trecho do código fonte para criação do Relatório Geral Detalhado, visualizado no formato HTML Figura 50 Trecho do código fonte para criação do estilo de visualização da formatação da página do Relatório Geral Detalhado, visualizado no formato HTML, arquivo estilo/estilo1.css Figura 51 Tela do Relatório Geral - Agrupado, na visão do ator Professor, visualizado no formato HTML Figura 52 Tela do Relatório Exportação - Geral, na visão do ator Professor, visualizado no formato HTML Figura 53 Tela do Relatório Exportação - Individual, na visão do ator Professor, visualizado no formato HTML Figura 54 Tela do Relatório Exportação - Individual, na visão do ator Professor, visualizado no formato XLS Figura 55 Tela do Relatório Exportação - Individual, na visão do ator Professor, visualizado no formato.txt com separador (Tab) Figura 56 Tela do Relatório Exportação - Individual, na visão do ator Professor, visualizado no formato.txt com separador (ponto e vírgula) Figura 57 Trecho do código fonte de exportação dos dados armazenados no banco de dados MySQL para os tipos de arquivo de planilha de cálculos do Microsoft Office Excel (.xls) e do arquivo de texto (.txt), arquivo treinamento/relatexportacao-xls Figura 58 Tela do Relatório Categoria e Subcategoria - Geral, na visão do ator Professor, visualizado no formato HTML xiv

18 Figura 59 Tela do Relatório Controle de Acesso, na visão do ator Professor, visualizado no formato HTML Figura 60 Tela do Relatório Suporte - Permissões, na visão do ator Desenvolvedor, visualizado no formato HTML Figura 61 Tela de Backup Manual do banco de dados MySQL do projeto SiTAV, na visão do ator Desenvolvedor Figura 62 Trecho do código fonte de backup manual do banco de dados do projeto SiTAV, na visão do ator Desenvolvedor Figura 63 Realização da validação do sistema SiTAV, nas dependência do laboratório de Informática da Universidade Estadual de Maringá (UEM), com a participação voluntária dos acadêmicos do curso do 3º ano de Agronomia Figura 64 Resultado das médias das turmas do curso do 3o ano de Agronomia da Universidade Estadual de Maringá (UEM), que participaram de forma voluntária da validação do projeto SiTAV CAPÍTULO 4 ANÁLISE ESTATÍSTICA DOS DADOS DE TREINAMENTO DO SITAV Figura 1 Análise da precisão geral dos dados de treinamento do projeto SiTAV, através do processamento do programa estatístico SAS Figura 2 Trecho do código fonte do processamento do programa estatístico SAS, referente ao dados de treinamento do projeto SiTAV, sobre a precisão geral dos avaliadores Figura 3 Análise da avaliação dos grupos de validação do projeto SiTAV, realizada através do processamento do programa estatístico SAS Figura 4 Trecho do código fonte do processamento do programa estatístico SAS, referente ao dados de treinamento do projeto SiTAV, sobre a avaliação dos grupos de validação do projeto SiTAV xv

19 LISTA DE SÍMBOLOS, ABREVIATURAS E NOMENCLATURAS Browser CSS Desktop Driver Framework GPL Hardware Hosting HTML Internet JavaScript Log Open Source PHP Plugin Script Servidor Software Tag Navegador de página de Internet Cascading Style Sheets / Folha de Estilo em Cascata Computador pessoal de mesa É um software que possibilita a comunicação e o funcionamento entre um dispositivo integrado e a placa mãe de um computador É um conjunto de partes de softwares (bibliotecas) específico de uma linguagem de programação, utilização no auxílio do desenvolvimento do software principal. General Public License / Licença Pública Geral Componentes ou partes físicas do computador É o nome (identificação) de um computador que esteja conectado a uma rede ou na Internet Hyper Text Markup Language / Linguagem de Marcação de Hipertexto É uma rede de comunicação mundial que interliga os computadores de forma estática, dinâmica ou em tempo real É uma linguagem de programação baseada em Script É o registro de eventos que ocorrem durante a execução de um software Open Source / Código Aberto - Software de código fonte livre Hypertext Preprocessor / Personal Home Page / Página Pessoal É um software secundário que adiciona funções e funcionalidades específicas a um software principal É um software que executa um conjunto de instruções específicas dentro de um software principal É um sistema de computação robusto tanto em equipamentos físicos quanto no alto poder computacional, que centraliza a comunicação e a execução de processos em uma rede É uma sequência lógica de comandos (código fonte) com o propósito de resolver um problema definido É uma linguagem de marcação que possui início e fim, que serve para executar pequenas instruções xvi

20 URL Uniform Resource Locator / Localizador-Padrão de Recursos é o endereço eletrônico de uma máquina, arquivo, multimídia que se encontra disponível na rede local ou na Internet Virtualização É o processo de desvinculação entre o hardware e o software que executam os processos Website É um conjunto de endereços eletrônicos (URL) de páginas pessoais, comerciais e governamentais, que são hospedadas e disponibilizadas em um servidor WWW World Wide Web / Web / Teia Mundial XML extensible Markup Language / Linguagem de Marcação Extensível Software Legado Software desenvolvido há muitos anos e de difícil manutenção atualmente xvii

21 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 O USO DA ESCALA DIAGRAMÁTICA RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO Escala diagramática Aplicabilidade da escala diagramática CONCLUSÃO REFERÊNCIAS CAPÍTULO 2 DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA WEB SITAV RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO DESENVOLVIMENTO DO PROJETO WEB SITAV MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO REFERÊNCIAS CAPÍTULO 3 USABILIDADE DO SISTEMA WEB SITAV RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO USABILIDADE DO SISTEMA WEB SITAV MATERIAIS E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO REFERÊNCIAS CAPÍTULO 4 ANÁLISE ESTATÍSTICA DOS DADOS DE TREINAMENTO DO SITAV RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO xviii

22 2 PROGRAMA DE ANÁLISE DOS DADOS ANÁLISE DOS DADOS DE TREINAMENTOS ARMAZENADOS RESULTADOS E DISCUSSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo A Software Legado DISPRO Anexo B Software Legado DISTRAIN Anexo C Ficha dos grupos de Acadêmicos que participaram do treinamento em acuidade visual e validação do sistema SiTAV Anexo D Correção Ortográfica da Lingua Portuguesa da Dissertação xix

23 INTRODUÇÃO A fitopatologia vem sendo uma das áreas da Agronomia que mais se beneficia com a utilização dos recursos da informática em suas atividades cotidianas e repetitivas. Os recursos computacionais são capazes de executar cálculos matemáticos complexos, gerenciar base de dados genéticos de acesso público a comunidade científica e realizar troca de informações entre os centros de pesquisa do mundo (CANTERI, 2004). Seguindo a linha de raciocínio, o mesmo autor afirma que a internet é uma ferramenta indispensável para a comunicação científica, tanto na busca quanto na disseminação de informações e conhecimentos de forma rápida e de abrangência mundial. As linguagens de programação evoluem de forma exponencial e atualmente a forma de programação orientada a objetos destaca-se principalmente pelas novas técnicas de programação e pela facilidade de implementação e reutilização do código fonte do sistema em desenvolvimento. O processamento digital de imagem tem um respaldo positivo da comunidade científica fitopatológica quando aplicado na quantificação de doenças de plantas devido a sua precisão na contagem dos pixels de cores. A utilização do programa Quant pode ser avaliado como relevante se confrontada com o método visual de avaliação que é muito trabalhosos, e retorna uma análise pouco acurada, ou na comparação com equipamentos de alto valor financeiro e sofisticação (JULIATTI et al., 2013). Durante o processo de avaliação de doença é desejável que exista uma padronização dos métodos utilizados, desta forma outros pesquisadores poderão comparar os dados em locais e datas distintas (JULIATTI et al., 2013). O acesso de banda larga no Brasil cresceu 55% no ano de 2013 registrando 133,7 milhões de acessos à internet em banda larga, sendo as redes 3G e 4G, foram responsáveis por 111,4 milhões (83%) de conexões, conforme o levantamento realizado pela Associação Brasileira de Telecomunicaçções (Telebrasil) e vinculado à Empresa Brasil de Comunicação (EBC) (RIBEIRO, 2014). Um fator como o aumento na demanda do acesso à internet via dispositivos móveis reforça a escolha pelo desenvolvimento de um software web. A presente dissertação visou ao desenvolvimento de um software web de treinamento de acuidade visual denominado Sistema de Treinamento em Acuidade Visual SiTAV, e o objetivo foi realizar o treinamento de avaliadores para melhorar a precisão e acurácia dos mesmos, visando minimizar a subjetividade na estimativa da severidade das doenças de

24 plantas. A exportação dos dados de treinamento armazenados no banco de dados MySQL do projeto SiTAV para um formato de planilha de cálculos (.xls) foi fundamental para a realização das análises estatísticas mais aprofundadas através do programa estatístico SAS. Para melhor compreensão da organização e hierarquia dos assuntos abordados dividiu-se o presente trabalho em quatro capítulos, sendo o Capítulo 1 uma revisão de literatura sobre a escala diagramática, o Capítulo 2 abordou o desenvolvimento do sistema SiTAV, o Capítulo 3 foi direcionado para a usabilidade do sistema web SiTAV e o Capítulo 4 finalizando com a análise estatística dos dados de treinamento. 2

25 CAPÍTULO 1 O USO DA ESCALA DIAGRAMÁTICA

26 RESUMO O desenvolvimento de um software web para o treinamento da acuidade visual de avaliadores de doença de plantas é o foco deste trabalho. A necessidade de um treinamento visual adequado ao avaliador de doença de planta, com ou sem o auxílio de uma escala diagramática, para a avaliação da incidência de severidade da doença, busca melhorar o nível de classificação do avaliador entre excelente e bom. Através de métodos padronizados de quantificação da área lesionada pela doença de planta, buscou-se superar os fatores que afetam diretamente o avaliador, como: a experiência ou não em avaliações, o grau de precisão, a acurácia, a acuidade visual e a calibração de sua estimativa através de uma escala diagramática desenvolvida com qualidade. Esse trabalho tem o objetivo de realizar o treinamento da acuidade visual do avaliador em doença de plantas, com o auxilio de uma escala diagramática específica para doenças de plantas. A indústria de software possui soluções para o treinamento da precisão e acurácia do avaliador, visando minimizar a subjetividade da estimativa da severidade de doenças de plantas e as consequências ocasionadas por erros de estimativa visual, que acarretam em erros de avaliação da amostra, assim como possível erro na sugestão do controle da doença de planta. Palavras-chave: software, treinamento, severidade. 4

27 ABSTRACT The development of a web software for visual acuity training of a plant disease evaluator is the focus of this work. The need of a standard visual training to the plant disease evaluator, with or without diagrammatic scale support, to assess the disease incidence and severity, pursuing to improve the evaluator classification level between excellent and good. Using standardized methods to quantify the injured area by plant disease, taking into account factors that directly affect the evaluator, as the experience or not of them, the precision, accuracy, visual acuity and calibration estimate using a diagrammatic scale developed with quality. This study objective is to perform the visual acuity training of the evaluator in plant disease, with support of a specific diagrammatic scale to plant diseases. The software industry has solutions for training evaluator precision and accuracy, in order to minimize the subjectivity of the plant diseases estimated severity, and the consequences caused by visual estimation errors, which lead to sample evaluation errors, as well as possible error on plant disease management. Keywords: software, training, severity. 5

28 1 INTRODUÇÃO Para a fitopatologia, a avaliação visual de doenças possui grande relevância no desenvolvimento de projetos de pesquisa, principalmente na área de proteção de plantas com a metodologia de análise de imagem pelo computador (TOMERLIN, 1988). Na epidemiologia as medidas de incidência e severidade que são amplamente utilizadas para quantificar doença de plantas, tornaram-se um fator primordial para uma correta interpretação de estudos de controle (ALVES et al., 2012). Para um treinamento visual adequado do avaliador é necessário que haja métodos padronizados de quantificação da área lesionada com a doença para que se minimizem os efeitos de erros de estimativa visual dessa severidade (ANDRADE et. al., 2005). A utilização adequada de uma escala diagramática auxilia tanto o avaliador com experiência quanto o sem experiência em avaliações da severidade das doenças de plantas. Fatores intrínsecos ao avaliador são relevantes para classificá-lo como excelente ou bom na avaliação de uma determinada doença, tais como: a experiência ou não em avaliações, o grau de precisão e acurácia, a sua acuidade visual e a calibração de sua subjetividade na estimativa da doença com uso de uma escala diagramática desenvolvida com qualidade para essa doença a ser avaliada (TOMERLIN, 1988). O treinamento do avaliador pode ser feito com a observação das partes das plantas afetadas, tais como folhas ou frutos, com o auxílio de uma escala diagramática ou com a utilização de programas computacionais que utilizam a capacidade de visualização do avaliador na tela do computador, uma solução desenvolvida pela indústria de software para o treinamento de precisão e acurácia, buscando aferir e minimizar a subjetividade da estimativa do avaliador (ALVES et al., 2012). Com o emprego de softwares específicos no treinamento da acuidade visual, como por exemplo os softwares legados Distrain e o Disease.Pro, é plausível que haja uma melhora significativa do avaliador em sua estimativa, minimizando a sua subjetividade (NUTTER & SCHULTZ, 1995). 1.1 Escala diagramática Uma escala diagramática pode ser descrita como uma representação gráfica de uma planta, ou partes desta planta, que possua em sua superfície uma sintomatologia com diferentes níveis de severidade de doença de plantas (ALVES et al., 2012). 6

29 Quantificar uma doença é uma das fases primordiais em um programa de manejo de doença de plantas, sendo que tanto a comparação quanto o desenvolvimento de métodos quantitativos oferecem recursos de prevenção contra erros ao coletar os dados necessários para analisar a medida de controle, para elaboração da curva de progressão de doença e até mesmo para criar uma estimativa de dados que a doença pode provocar na lavoura (BERGAMIN FILHO & AMORIM, 1996). A incidência de doença de planta representa a porcentagem da planta que se encontra doente ou mesmo as partes de plantas que se encontram doentes dentro de uma amostra ou população (AMORIM, 1995 apud BRAIDO, 2011). A diagramação de montagem da escala diagramática deve reproduzir com exatidão o formato da planta, suas proporções de tamanho, seus contornos e levar em consideração o tamanho e a distribuição das lesões na superfície da planta doente (ALVES et al., 2012). Em regiões de clima temperado as doenças aumentam sua severidade através do desenvolvimento de novas lesões, no entanto, em regões de clima tropical o aumento das lesões é classificado como uma estratégia da doença para o aumento da severidade (BERGAMIN FILHO; AMORIM, 1996). A estimativa da severidade de doença de plantas em lesões pequenas tende a ser superestimada pelo avaliador, uma vez que o estímulo visual sobre muitas lesões pequenas pode criar uma falsa ilusão de que o tamanho da área afetada pela doença seja maior do que realmente é exemplo destas lesões pequenas são: a entomosporiose em pereira, a ferrugem da soja, a ferrugem de cereais de inverno, entre outras (VALE et. al., 2004). A severidade da doença de planta define-se com o percentual da área de tecido ocupado pela sintomatologia da doença de plantas, sendo indicada para mensurar doenças em plantas em suas partes aéreas, porém sua quantificação exige maior atenção e treinamento por parte do avaliador (AMORIM, 1995 apud BRAIDO, 2011). O fato de disponibilizar uma escala diagramática para uma doença de planta específica, está diretamente ligado a pesquisa epidemiológica para a compreensão da doença e o nível de resistência do hospedeiro em circunstâncias adversar dos fatores ambientais, reduzindo a subjetividade na estimativa da severidade de doenças de plantas do avaliador (MARTINS et al., 2004). A severidade da doença de plantas quando avaliada visualmente é considerada como uma forma de estimativa subjetiva da severidade e, neste sentido, o auxilio da escala diagramática tornou-se uma ferramenta fundamental para diminuir a subjetividade do avaliador, dando-lhe embasamento para futuras avaliações (GODOY et al., 1997). 7

30 Tratando-se de doenças de plantas, a severidade é a variável mais empregada na avaliação da doença, sendo realizada de forma subjetiva na forma de análise visual de frutos e folhas, acarretando o uso consequente da escala diagramática que se transformou em uma ferramenta fundamental na análise (GODOY et al., 1996). Estimar severidade é considerado um método direto de avaliação de doenças, principalmente em doenças foliares, que possuem uma área de tecido foliar coberta por sintomas de doença, normalmente mensurado em porcentagem, a qual reflete com maior fidelidade a intensidade da doença do que a sua incidência, ou seja, a porcentagem das plantas inteiras ou parcialmente doentes dentro de uma amostra ou população (AMORIM et al., 1995). A variável severidade é considerada a melhor referência para demonstrar o dano causado por doenças de plantas em folhas ou frutos, mesmo sendo um método considerado subjetivo de avaliação de doença utilizado pelo avaliador, a escala diagramática é a melhor alternativa de auxilio à avaliação entre as diversas estratégias já elaboradas (AMORIM et al., 1993). A metodologia mais comum empregada no processo de estimativa de severidade em doenças de planta é a comparação do tecido doente de uma planta com uma imagem padronizada da lesão causada por uma doença sobre o tecido da planta, a qual se encontra padronizada em uma escala diagramática específica (TOMERLIN, 1988). A quantidade da área lesionada ou nível de severidade é determinado por um método quantitativo e qualitativo que calcula a porcentagem da área superficial do tecido afetado pela doença, seja um sinal visível ou um sintoma, através de uma estimativa visual direta da região lesionada utilizando escala diagramática, escala descritiva, software de medição de área digitalizada, medição automática e sensor remoto (MORAES, 2007). A quantificação de doenças de plantas tem por finalidade definir a acurácia e a precisão da estimativa, podendo ser realizada através da severidade, da incidência e da prevalência. No caso da quantificação por severidade, pode-se utilizar o método de mensuração por meio da comparação incidência/severidade, escala diagramática, sensoriamento remoto, medição eletrônica e análise de vídeo (MAFIA et al., 2011 apud MAFFIA et al., 1999). A acurácia (exatidão) é mensurada pelo valor estimado em relação ao valor real, sendo definida pela regressão linear e a precisão é mensurada pela repetição da avaliação, sendo quantificada pelo coeficiente de determinação (r 2 ) (MAFIA et al., 2011 apud NUTTER et al., 1991). 8

31 A acurácia da avaliação pode ser determinada por valores que estejam entre o valor real e o estimado (BERGAMIN FILHO & AMORIM, 1996). Uma escala diagramática é uma representação ilustrada de uma planta ou parte dela com sintomatologia de diferentes níveis de severidade de doença de planta em sua superfície Na escala diagramática encontram-se diversos graus de severidade de doença organizados de forma crescente entre a menor e a maior porcentagem de severidade encontrada na amostra de plantas analisadas para o desenvolvimento da escala diagramática. O avaliador utiliza a escala diagramática como uma ferramenta de auxílio à avaliação de doenças de planta, com a finalidade de detectar qual a porcentagem do grau de severidade da planta doente em relação às porcentagens pré-definidas nas ilustrações da escala diagramática (BERGAMIN FILHO & AMORIM, 1996). Através da coleta dos dados de severidade de uma determinada doença de plantas ao longo do tempo, é possível determinar a curva de progresso da doença, que está diretamente vinculado à ação ocorrida entre o triângulo da doença que envolve o hospedeiro, o patógeno e o ambiente (ALVES et al., 2012). A utilização da escala diagramática permite ao avaliador estabelecer sua estimativa em um intervalo de porcentagem de severidade menor, abrangendo apenas o intervalo entre dois níveis de severidade apresentados pela escala (AMORIM et al., 1995). Segundo Andrade et al. (2005), partindo do princípio da necessidade de métodos padronizados e confiáveis na quantificação de doenças de plantas, desenvolveu-se uma escala diagramática para a doença de plantas com diversos níveis de severidade com o intuito de auxiliar o avaliador em sua atividade de avaliação. Neste contexto, em decorrência da necessidade de métodos padronizados e confiáveis, desenvolveu-se uma escala diagramática específica inédita para a quantificação e identificação da intensidade da severidade de lesões de doenças do cancro cítrico em laranja madura causado pela Xanthomonas citri subsp. citri (BRAIDO, 2014). Para elaboração de uma escala diagramática de qualidade e confiabilidade, deve-se respeitar alguns critérios, como: a. Garantir a alta precisão na detecção da quantidade real de doença encontrada na amostra; b. Os limites inferior e superior da escala diagramática devem ser equivalentes à porcentagem mínima e máxima, respectivamente, da doença de planta encontrada na amostra; c. As subdivisões do grau de porcentagem dentro da escala diagramática devem 9

32 levar em conta os limites da percepção da acuidade visual humana, estabelecidos na Lei do Estímulo de Weber-Fechner, que define que a visão do ser humano consegue identificar lesões de severidade de doenças de planta inferiores a 50%, seja da área folhar ou do fruto (HORSFALL & COWLING, 1978; LIMA et al., 2013; CAPUCHO et. al., 2010). Para o melhor aproveitamento do uso de uma escala diagramática, a mesma deve ser simples, utilizável em diversas situações, possuir intervalos que representem os níveis de severidade distintos, considerar aspectos como quantidade máxima de doença detectada no campo ilustrada na escala, conter ilustração precisa dos sintomas que representam os níveis de severidade e a realidade do fruto ou folha, e respeitar o limite da acuidade visual humana definida pelas leis de estímulo-resposta de Weber e de Fechner, conhecida como a Lei de Weber-Fechner (NUTTER & ESKER, 2005 apud HORSFALL & BARRAT, 1945), uma vez que os valores intermediários entre a porcentagem mínima e máxima da escala diagramática são calculados de acordo com a sequência logarítmica da quantidade e a distribuição da doença no tecido da planta lesionada (LIMA et al., 2013; VIEIRA et. al., 2011). A fotocélula humana (visão) é utilizada para estimar a área de severidade de doenças de plantas, considerando que na Lei de Weber-Fechner a acuidade visual é proporcional ao logaritmo da intensidade de estímulo, através de doze intervalos de graus de severidade distintos (NUTTER & ESKER, 2005 apud HORSFALL & BARRAT, 1945), conforme representados graficamente na Tabela 1 e Figura 1. Tabela 1. Intervalo dos limites dos graus de severidade de doenças de planta que podem ser observados pela acuidade visual humana baseada na Lei de Weber-Fechner INTERVALO LIMITES MENOR (%) MAIOR (%) Fonte: NUTTER & ESKER, 2005 apud Horsfall & Barrat,

33 Figura 1. Intervalo maior e menor do grau de severidade de doenças de plantas que podem ser observadas pela acuidade visual humana baseada na Lei de Weber-Fechner. Conforme o estímulo expressado pelo grau de severidade, a visão humana é capaz de reconhecer tecidos de plantas doentes abaixo de 50% da área total lesionada e reconhecer acima de 50% da área de tecidos sadios, conforme ilustrado na Figura 2 (NUTTER & ESKER, 2005 apud HORSFALL & BARRAT, 1945). Figura 2. Percepção da acuidade visual humana do grau de severidade de doença de planta baseado na Lei de Weber-Fechner. O trabalho de desenvolvimento, tanto da escala diagramática quanto da análise de imagens que possam quantificar a severidade existente na planta, foi facilitados, devido à popularização do microcomputador e da câmera fotográfica digital (ALVES et al., 2012). O processamento da imagem digital permite medir a severidade real da superfície da planta lesionada, mensurar o tamanho da lesão, realizar a sua classificação de acordo com a quantidade de lesões encontradas na superfície da planta e também pelo tamanho da lesão. 11

34 Durante o processo de análise computacional da imagem de planta doente para determinar o valor da severidade real, é necessário uma hierarquia de procedimentos para o sucesso da operação, tais como: o primeiro procedimento é o Início, com a inicialização do programa de análise de imagem; o segundo procedimento é a Entrada da imagem digitalizada, podendo ser via scanner de uma imagem impressa ou uma fotografia digitalizada, a resolução do equipamento deve ser configurada em aproximadamente 300 dpi, o que garantirá a qualidade da imagem para quantificação da área a ser analisada, a posição e distância da câmera fotográfica digital deve ser a mesma para todas as unidades da amostra, garantindo uma padronização das imagens, a iluminação também deve ser constante e controlada através de filtros em todas as fotografias para gerar imagens com maior nitidez; o terceiro procedimento é o Processamento da imagem, no qual será realizada a calibração da imagem através de software de manipulação de imagem, como por exemplo o Gimp ou o Photoshop, para padronizar todas as imagens em um tamanho único de 100 pixel/cm e realizar a redução das cores da imagem deixando apenas uma cor para a lesão, uma segunda cor para o halo e uma terceira cor para o tecido sadio; o quarto procedimento é a Quantificação da imagem, onde serão obtidos os valores de severidade real, o tamanho das lesões, o número de lesões e a classe de tamanho das lesões através de software específico para esta tarefa de avaliação de doença de plantas; o quinto e último procedimento é o Fim, no qual finaliza o programa de análise de imagens, Figura 3 (ALVES et al., 2012). 12

35 Início Entrada da imagem digitalizada Processamento da imagem Quantificação Fim Figura 3. Fluxograma hierárquico dos processos para análise computacional de imagem que determinam o valor da severidade real de doenças de plantas. A elaboração da escala diagramática de cancro cítrico iniciou-se com a coleta de frutos de laranjas maduras com sintomas da doença de plantas localizadas em pomar de laranjeira localizado na Fazenda Experimental de Iguatemi (FEI) em Iguatemi, distrito da cidade de Maringá, Estado do Paraná. O próximo procedimento foi a identificação e digitalização dos frutos doentes com cancro cítrico com uma câmera fotográfica digital de 8 (oito) megapixel. O procedimento de digitalização de imagem exige um ambiente com controle de iluminação, de altura e angulação da fixação da câmera digital, uma superfície com cor sólida escura (preto) para servir como base de apoio ao fruto e também como cor de fundo para a imagem digitalizada. Tanto a visão computacional quanto o processamento digital de imagens estão sendo empregados largamente em diversas áreas de pesquisa, como a medicina, multimídia, impressão digital, reconhecimento facial, sensoriamento remoto, ensino e aprendizagem, simulação, etc. (LIMA et at., 2012). O processo de quantificação da quantidade de pixels por valor de intensidade em uma imagem é conhecido como histograma (GONZALEZ & WOODS, 2002). Para manipulação das imagens utilizou-se o software de imagem Quant v.1.0.2, que se trata de um sistema de processamento de imagens que permite a análise da imagem com precisão matemática, levando em conta a variação das cores com base em uma escala, podendo distinguir 60 (sessenta) mil cores e tonalidades (VALE et al., 2003). O programa Quant foi desenvolvido para atuar na área da fitopatológia na detecção quantitativa das doenças de plantas a partir de imagens digitalizadas de folhas e frutos (VALE 13

36 et al., 2003), no entanto, este programa vem sendo utilizado em diversas áreas científicas, dentro e fora do território nacional (JULIATTI et al., 2013). A função primária do programa é realizar a segmentação e a quantificação das dimensões da imagem digitalizada. Para a avaliação da severidade de doenças de plantas a imagem será segmentada em 4 (quatro) partes: 1. área de fundo da imagem (descartada), 2. área do tecido sadio da planta, 3. área do halo e 4. área necrosada. Como resultado da análise da imagem, o programa disponibiliza a quantificação no formato de medida em porcentagem da área total da planta, da área do tecido sadio, da área do tecido doente (severidade) e a quantidade de lesões (VALE et al., 2003). O forma de quantificação da imagem digital pelo sistema Quant é a redução de milhares de cores da imagem para no máximo 3 (três) ou 4 (quatro) cores, sendo os pixels de cada cor contados e convertidos em área (porcentagem). O processo de redução das cores da imagem é feito através da limiar a cor branca e preta, separação das cores em pallete, distinção das cores por intervalo de coordenadas de cor, escolha das cores através de amostragem e a triagem das cores através de funções discriminantes (VALE et al., 2003). Para mensurar o fruto lesionado o software Quant elimina a cor de fundo da imagem, calcula a área total do fruto, a área do halo que circunda a lesão e a área da lesão propriamente dita e os valores de cada área são calculados em porcentagem e ilustrados com cores diferentes para auxiliar na identificação. A mensuração da lesão para a doença de Cancro Cítrico causada pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri em laranja madura ou verde é a somatória entre a área da lesão e a área do halo, Figura 4. Figura 4. Processo computacional de imagem através do software Quant para realizar a mensuração do valor real da área lesionada por doenças de plantas na superfície de fruto ou folha. Com o uso da escala diagramática há uma redução da subjetividade da estimativa de severidade tanto para maior quanto para menor entre os avaliadores, através do aperfeiçoamento e aferição da precisão e a acurácia dos mesmos, porém, a escala deve ser 14

37 reproduzível e apresentar diferentes níveis que caracterizem o avanço do progresso da doença (GODOY et al., 2006). Para que o auxílio gerado pela escala diagramática ao avaliador seja bem aproveitado, além dos critérios técnicos envolvidos na criação desta escala, fatores como a percepção visual e a experiência ou não do avaliador em avaliar a doença da planta são levados em consideração (GODOY et al., 1997). No entanto, o avaliador deve possuir os critérios para realizar o reconhecimento do sintoma da doença, a disseminação da doença pela planta e na parte a ser avaliada, assim como as variações encontradas em folhas novas e velhas (ALVES et al., 2012). Outros critérios pessoais considerados são a acurácia, que descreve o quanto a média dos valores estimados pelos avaliadores está próxima do valor real da doença já avaliada e a precisão que informa a variação ou repetibilidade associada a uma estimativa não levando em consideração a média dos valores (PARKER et al., 1995). Estes critérios são complementados pelos conceitos de Alves et al. (2012), nos quais a precisão é determinada pela falta de variação na estimativa da amostra, seja entre avaliações de diversos avaliadores ou de apenas um avaliador, a acurácia representa a exatidão em uma avaliação e refere-se a quão próximos os valores estimados estão dos valores reais e, para uma avaliação eficiente entre a precisão e a acurácia de uma avaliador, é necessário que se faça a regressão linear entre os valores reais e os estimados. Há avaliadores que não estão aptos a realizar uma avaliação, como por exemplo pessoas com daltonismo, doença que provoca uma falta de sensibilidade na identificação de algumas cores, ou um avaliador que não é capaz de avaliar o quão próxima está a sua estimativa do valor da severidade real em doenças de planta (TOMERLIN, 1988). O modelo de regressão linear simples proporciona um método para quantificar o erro do avaliador ou da metodologia de avaliação (NUTTER et al., 2005). Dentro da metodologia da estatística encontra-se a análise de regressão linear simples, que envolve duas variáveis quantitativas de maneira que uma variável pode ser explicada através da outra. A escolha da escala diagramática com cinco níveis (0,7; 2,0; 7,0; 21,0 e 39,0%) desenvolvida pelo pesquisador Braido (2014), referente à doença de cancro cítrico em laranja causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri, atribui-se pelo fato dessa escala ser reprodutível pelos coeficientes linear, angular, de determinação, variação de resíduos e pelos resultados alcançados nos testes aplicados, nos quais, com o auxílio da escala diagramática, os avaliadores foram mais acurados e precisos em suas estimativas do que sem o auxílio da escala diagramática, Figura 5 (SANGOI et.al., 2000). 15

38 Figura 5. Escala diagramática com cinco níveis de severidade para doença de cancro cítrico em laranja madura causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri. Fonte: Braido, Com a utilização de ambos os critérios, acurácia e precisão, é possível avaliar a estratégia de manejo de doença, realizar a modelagem e a quantificação da doença em relação ao tempo e espaço, realizar estimativas de doenças futuras e explicar a relação entre o dano e a injúria (NUTTER & SCHULTZ, 1995). A validação da escala diagramática deve ser realizada por avaliadores diferentes, com a finalidade de comprovar sua eficiência na estimativa de severidade. A precisão é medida pela confiabilidade na avaliação da doença através da quantificação do coeficiente de determinação das equações de regressão linear definida entre a estimativa de severidade da amostra e a severidade real, o valor da precisão será explicado através do maior valor mais próximo a 1,0 (um) do valor de coeficiente de determinação (R 2 ) (LENZ et al., 2009). A acurácia, que representa o grau de proximidade entre a severidade real e a média da estimativa de severidade, pode ser quantificada pela interseção das linhas de regressão definida entre a severidade real e a estimativa da severidade amostrada e, também pela quantificação do coeficiente angular. Assim, o seu valor será maior enquanto mais próximo a 0,0 (zero) for a interseção e mais próximo a 1,0 (um) seja o coeficiente angular (LENZ et al., 2009). A detecção do nível de erro absoluto apurado na medida de intensidade da severidade de doença de planta pode ser amenizado através da padronização e rapidez ao utilizar uma escala diagramática e, para um avaliador ser classificado como Excelente, sua margem de erro da estimativa deve estar entre um intervalo de aproximadamente 5% (cinco por cento) do valor da severidade real e para se classificar como Bom sua margem de erro não pode ultrapassar 10% (dez por cento) do valor de severidade real (NUTTER & WORAWITLIKIT, 1989). A severidade real do fruto amostrado é mensurada através do software Quant. A validação da referida escala diagramática com cinco níveis de severidade para a doença de cancro cítrico causado pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri, foi realizada 16

39 com o auxilio quinze avaliadores sem experiência na avaliação da doença de cancro cítrico em laranja madura, o qual visualizaram as quarenta imagens aleatórias de frutos de laranja madura com lesões através do recurso computacional Office Microsoft PowerPoint 2011 com diferentes níveis de severidade, previamente analisados e com o valor da área lesionada validado pelo software Quant. Os quinze avvaliadores primeiramente avaliaram as quarenta amostras sem o auxílio da escala diagramática e tiveram suas respostas anotadas em uma planilha eletrônica Office Microsoft Excel Em seguida, os mesmos avaliadores refizeram a avaliação com as mesmas quarenta imagens de fruto de laranja madura com cancro cítrico em ordem aleatórias, com o auxilio da escala diagramática e tiveram suas respostas anotadas em uma planilha eletrônica para futura tabulação dos dados (BRAIDO, 2014). Desenvolver um método de padronização que mensure quantitativamente a doença na planta requer uma validação deste método (escala diagramática) bem elaborada e criteriosa, caso esta validação apresente falhas, os custos gerados pela utilização deste método poderá ser maior que os benefícios que supostamente traria (PASSADOR et al., 2013). Durante o processo de análise dos resultados são manipulados os dados de forma a gerar informações sobre o desempenho do avaliador através da: regressão linear, precisão e acurácia. A regressão linear busca estimar um valor (y) condicional a um valor (x) relacionado ao tempo, entre a severidade observada (variável dependente) e a severidade real (variável independente), validada por softwares como o Quant (VALE et al., 2003; BRAIDO, 2014) ou o software Assess 2.0 (LAMARI, 2008; LIMA et al., 2013), a regressão é calculada para cada avaliador individualmente com o auxílio do software Minitab 14 (INFORMER, 2013; LIMA et al., 2013). A acurácia das estimativas pode ser observada de forma individual a cada avaliador, através do Teste t aplicado aos coeficientes lineares (α) e coeficientes angulares da reta (β) de regressão, verificando se os valores estimados foram estatisticamente diferentes de 0 e 1, respectivamente, onde o nível de probabilidade é de 5% (LIMA et al., 2013; BRAIDO, 2014), utilizando os recursos computacionais do software estatístico R (R Foundation, 2011). A precisão da estimativa do avaliador pode ser observada através do coeficiente de determinação (R 2 ) da regressão linear e também pela variação dos resíduos (severidade estimada (variável dependente) subtraída da severidade real (variável independente) da amostra. A plotagem dos gráficos pode ser realizada através do software SigmaPlot

40 (SIGMAPOT, 2012; BRAIDO, 2011). Através dos recursos obtidos com a regressão linear é possível identificar o melhor comportamento da função da reprodutibilidade da escala, abrangendo a variável independente e a variável dependente, estimadas individualmente pelos avaliadores e confrontadas entre si, para avaliar a acurácia e a precisão das estimativas entre todas as combinações, através dos coeficientes. Desta análise pode-se observar na combinação entre os avaliadores que os coeficientes não diferem estatisticamente entre si, apresentando comportamento similar em relação à aplicação da escala diagramática, o que confere a característica de reprodutibilidade à escala (BRAIDO, 2011). Neste contexto, a escala diagramática com cinco níveis mostrou-se estar adequada para avaliar e contribuir com a diminuição dos erros em estimativas visuais de severidade de doença de laranja madura causada pela bactéria Xanthomonas citri subsp, citri, em avaliadores com ou sem experiência nesta tarefa (BRAIDO, 2014). 1.2 Aplicabilidade da escala diagramática Segundo Sousa et al., (2011), a análise visual com base na escala diagramática para identificação da severidade de Cercopora sojina que provoca a ocorrência da doença Olho de Rã na soja, foi fundamental para indicar as diferentes dosagens de agrosilício utilizado para realizar o controle da doença na cultura. Conforme Andrade et al., (2005), a variável severidade é o método mais indicado para detectar a quantidade de doenças, como a doença de mancha foliar em eucalipto, sendo que o auxílio da escala diagramática tornou-se a ferramenta mais indicada para realização da estimativa da severidade da doença, principalmente para o avaliador iniciante e sem experiência na avaliação desta cultura. Para obter resultados eficientes tanto em estudos epidemiológicos quanto em medidas de controle de doenças de plantas e que sejam precisos e reprodutíveis no processo de quantificação de doenças de plantas, é necessário que haja uma metodologia confiável. A utilização de escala diagramática é indicada para auxiliar no processo subjetivo de estimativa visual em foliares de milho com a doença de mancha branca (SACHS et al., 2011). Com a utilização da escala diagramática como ferramenta de auxílio ao avaliador durante o processo de treinamento da estimativa de severidade com a doença pinta-preta em frutos de mamoeiro, observou-se que com os avaliadores obtiveram um melhor nível de precisão, acurácia e repetibilidade das estimativas, com erro absoluto em torno de 5%, 18

41 considerado aceitável na quantificação de severidade de doenças de plantas (VIVAS et al., 2010). O desenvolvimento e a utilização da uma escala diagramática para a mancha alvo do pepineiro foi viável no processo de quantificação da doença, da rapidez e da precisão dos resultados obtidos, na medida de controle e na descrição da curva de progresso da doença (TERAMOTO et al., 2011). Segundo Correia et al., (2011), para um estudo mais aprofundado sobre a doença antracnose da pinha causada pelo Colletotrichum gloeosporioides, foi desenvolvida uma escala diagramática específica com a finalidade de auxiliar o avaliador em suas estimativas da quantificação da doença, uma vez que com a utilização da escala houve um melhor nível de acurácia e precisão das estimativas, obtendo resultados com o erro absoluto na faixa de 10%, a repetibilidade em 91% e a reprodutibilidade maior ou igual a 90% em 94,5% dos casos estimados. Durante o processo de avaliação de clone de seringueira quanto à resistência ao oídio, foi desenvolvida uma escala diagramática exclusiva visando auxiliar os avaliadores sem experiência nesta categoria de avaliação. Como resultado, os avaliadores obtiveram maior precisão que a acurácia em suas estimativas, ficando evidenciado que sem o uso da escala diagramática houve uma superestimação das estimativas e com a utilização houve uma subestimativa, sendo que o valor da precisão foi inferior a 95% com o uso da escala durante as avaliações (TUMURA et al., 2013). A elaboração de uma escala diagramática para avaliação da severidade da mancha angular do feijoeiro tem como objetivo auxiliar o avaliador na estimativa da severidade localizada na área foliar doente e sadia, assim como a área abaixo da curva de progresso da doença (PARRELLA et al., 2013). 19

42 2 CONCLUSÃO Os benefícios provenientes da utilização da escala diagramática como ferramenta de apoio ao avaliador de doenças de plantas são relevantes, principalmente aos avaliadores sem experiência em avaliação de determinadas culturas. Para que a escala diagramática cumpra o seu papel com eficiência no auxílio ao processo de avaliação de doenças de plantas, ela necessita ser bem elaborada com padrões de qualidade e confiabilidade, no valor real de doença encontrado na planta, nos limites inferior e superior de doenças encontrados na amostra, nas subdivisões internas do grau de porcentagem dentro da escala diagramática estabelecidas pela Lei de Weber-Fechener, na simplicidade de apresentação e utilização, na precisão e nitidez das ilustrações da cultura (fruto, folha e galho) e nos sintomas de doenças de plantas (necrose e âlo). A aplicabilidade da escala diagramática na Agronomia pode ser comprovada através de alguns casos onde esta técnica de auxílio ao avaliador na avaliação de doenças de plantas foi implementada, como no: olho de rã na soja, mancha foliar em eucalipto, mancha branca no milho, pinta preta em mamoeiro, mancha alvo no pepineiro, antracnose da pinha, oídio no clone da seringueira, mancha angular do feijoeiro, entre outros. 20

43 3 REFERÊNCIAS AGRIOS, George N. Plant pathology. 5.ed. California-USA: Elsevier, 2005, 922p. ALVES, Silvio André Meirelles; NUNES, Claudia Cardoso. Metodologia para elaboração de escala diagramática para avaliação de doenças em plantas. Embrapa, Comunicado Técnico 120, ISSN , Bento Gonçalves-RS, Jul AMORIM, L. Avaliação de doenças. Manual de fitopatologia: princípios e conceitos. 3.ed. São Paulo: Agronômica Ceres, AMORIM, L.; BERGAMIN FILHO, A.; PALAZZO, D.; BASSANEZI, R.B.; GODOY, C.V.; TORRES, G.A.M. Clorose variegada dos citros: uma escala diagramática para avaliação da severidade da doença. Fitopatologia Brasileira, v.18, n.2, p , ANDRADE, G.C.G.; ALFENAS, A.C.; MAFIA, R.G.; MAFFIA, L.A.; GONÇALVES, R.C. Escala diagramática para avaliação da severidade da mancha foliar do eucalipto causada por Quambalaria eucalypti. Fitopatologia Brasileira, ISSN , v.30, n.5, p , ANDRADE, Gabriela C. G.; ALFENAS, Acelino C.; MAFIA, Reginaldo G.; MAFFIA, Luiz A.; GONÇALVES, Rivadalve C. Escala Diagramática para Avaliação da Severidade da Mancha Foliar do Eucalipto Causada por Quambalaria eucalypti. Fitopatologia Brasileira, v.30, n.5, p , Set./Out BERGAMIN FILHO, Armando; AMORIM, Lilian. Doenças de plantas tropicais: epidemiologia e controle econômico. São Paulo: Agronômica Ceres, p. BERGAMIN FILHO, Armando; KIMATI, Hirooshi; AMORIM, Lilian. Manual de fitopatologia: Princípios e conceitos. 3.ed. São Paulo: Agronômica Ceres, 1995, 898p. BRAIDO, Ricardo. Elaboração e validação de escalas diagramáticas para avaliação de cancro cítrico em frutos de laranja p. Dissertação (Mestrado). Universidade Estadual de Maringá. BRAIDO, Ricardo; GONÇALVES-ZULIANI, Aline Janeiro; CARVALHO, Vanderly; BELASQUE JR, Sérgio; BOCK, José; NUNES, William. Development and validaiton of standard area diagrams as assessment aids for estimatinf the severity of citrus canker on unripe oranges. Plant Disease, 26 Jan CAPUCHO, A.S.; ZAMBOLIM, L.; DUARTE, H.S.S.; PARREIRA, D.F.; FERREIRA, P.A.; LANZA, F.E. COSTA, R.V.; CASELA, C.R.; COTA, L.V. Influence of leaf position that correspond to whole plant severity and diagrammatic scale for white spot of corn. Corp Protection, v.29, p , CORREIA, Kamila Câmara; MARTINS, Ricardo Brainer; CÂMARA, Marcos Paz Saraiva; MICHEREFF, Sami Jorge. Escala diagramática para avaliação da severidade da antracnose em pinha. Ciência Rural, Santa Maria, ISSN , v.41, n.1, p.1-4, Jan, GODOY, C.V., KOGA, L.J. & CANTERI, M.G. Diagrammatic scale for assessment of soybean rust severity. Fitopatologia Brasileira, v.31, p.63-68, jan.-fev GODOY, Cláudia V.; CARNEIRO, Solange M.T.P.G.; IAMAUTI, Marilene T.; PRIA, Maristela D., AMORIM, Lilian; BERGER, R.D.; BERGAMIN FILHO, A. Diagrammatic 21

44 scales for bean diseases: Development and validation. Journal of Plant Disease and Protection v.104, p GONZALEZ, Rafael C.; WOODS, Richard Eugene. Digital Image Processing. 2.ed. New Jersey: Prentice-Hall, HORSFALL, J.C.; BARRATT R.W. An improved grading system for measuring plant diseases. Phytopathology, v.35, p.665, HORSFALL, J.G.; COWLING, E.B. Patometry: the measurement of plant disease. In: HORSFALL, J.G.; COWLING, E.B (Ed.). Plant disease: an advanced treatise. How disease develops in populations. New York: Academic Press, 1978, v.2, p HORSFALL, J.G.; COWLING, E.B. Plant disease: an advanced treatise how disease develops in populations. New York Academic, v.2, p , INFORMER Technologies Inc. Minitab 14 Trial. Software. Teachinf tools. Disponível em: <http://minitab.software.informer.com>. Acesso em: 02 Nov JULIATTI, Fernando Cezar; CRATO, Fausto Fernandes do; JULIATTI, Fernanda Cristina; COUTO, Karla Rodrigues; JULIATTI, Breno Cezar Marinho. Escala diagramática para avaliação da severidade de mofo branco em soja. Biosci. J., Uberlândia-MG, v.29, n.3, p , May./Jun., LAMARI, Lakhdar. ASSESS 2.0: Image analysis software for disease quantification. American Phytopathological Society, ISBN-13: , Saint Paul: APS, 15, Jul. 2008, 125p, CD-ROM. Disponível em: <http://www.apsnet.org/apsstore/shopapspress/ Pages/43696m.aspx>. Acesso em: 9 Nov LENZ, G.; COSTA, I.D.; BALARDIN, R.S.; MARQUES, L.N.; ARRUÉ, A.; STEFANELO, M.S.; ZEMOLIN, C.R. Elaboração e validade de escala diagramática para quantificação de mancha de isariopsis da videira. Rev. Ciência Rural, Santa Maria, v.39, n.8, p , nov LIMA, Hyanameyka Evangelista de; NECHET, Kátia de Lima; VIEIRA, Bernardo de Almeida Halfeld; OLIVEIRA, José Rogério de; DUARTE, Henrique da Silva Silveira; QUEIROZ, Ezequiel de Souza; OLIVEIRA, Francidalva de Lima. Elaboranção e validação de escalas diagramáticas para avaliação da severidade da mancha-bacteriana do feijão - caupi em cultivares com trifólios morfologicamente distintos. Ciência Rural, Santa Maria, v.43, n.10, p , Out LIMA, J.R.; NAME, M.H.; VAZ, M.S.M.G.; HENNEBERG, L.; JACCOUD FILHO, D.S.; FALATE, R. Comparação de histogramas de imagens digitais para determinação de similaridade em sementes de milho. Revista de Engenharia e Tecnologia, ISSN , v.4, n.2, Ago MAFIA, Reginaldo Gonçalves; FERREIRA, Maria Alves; BINOTI, Daniel Henrique Brenda; LEITE, Hélio Garcia. Procedimento estatístico para validação de escalas diagramáticas na quantificação de doenças. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.35, n.2, p , MARTINS, Mônica C. GUERZONI, Rodrigo A.; CÂMARA, Gil M.S.; MATTIAZZI, Patrícia; LOURENÇO, Sílvia A.; AMORIM, Lilian. Escala diagramática para a quantificação do complexo de doenças foliares de final de ciclo em soja. Fitopatologia Brasileira, ISSN , v.29, n.2, p , Mar./Abr.,

45 MORAES, Sérgio Almeida de. Quantificação de doenças de plantas Disponível em: <http://www.infobibos.com/artigos/2007_1/doencas/index.htm>. Acesso em: 12 jul NBA - Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia Aplicada. AgroInformática. Universidade Estadual de Maringá - UEM, Maringá-PR, NUTTER JR, Forrest W.; ESKER, Paul D. The role of psychophysics in phytopathology: The Weber-Fechner law revisited. European Journal of Plant Pathology, v.114, p , NUTTER JR., F.W.; SCHULTZ, P.M. Improving the accuracy and precision of disease assessments: selection of methods and use of computer-aided training programs. Canadian Journal of Plant Pathology, v.17, n.1, p , NUTTER JR., F.W.; WORAWITLIKIT, O. Disease Pro: a computer program for evaluating and improving a person s ability to assess disease proportion. Phytopathology, v.79, p.1135, PARRELLA, Rafael Augusto da Costa; SANTOS, João Bosco dos; PARRELLA, Nádia Nardely Lacerda Durães; FALEIRO E SILVA, Diego Velásquez. Evaluation efficiency of severity of angular leaf spot in common bean based on diseased and healthy leaf area. Crop Breeding and Applied Biotechnology, v.13, p , PASSADOR, Martha Maria; PORCENA, Alex Sander; MASSON, Marcus Vinícius; PIERI, Cristiane de; FINKENAUER, Elder; FURTADO, Edson Luiz. Escala diagramática para quantificação da severidade de manchas em folhas de Eucalyptus globulus Labill. causadas por Teratosphaeria nubilosa (Cooke) Crous & U. Braun. Ciência Florestal, Santa Maria-SC, ISSN , v.23, n.2, p , Abr./Jun., R Foundation version Copyright. The R Foundation for Statistical Computing. ISBN , Sede em Viena, Áustria. Platform: i386-pc-mingw32/i386 (32-bit) RIBEIRO, Stênio. Empresa Brasil de Comunicação (EBC). Brasil registra 133 milhões de acessos à banda larga em Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/ geral/noticia/ /brasil-registra-133-milhoes-de-acessos-internet-banda-larga-em-2013>. Acesso em 31 Jan SACHS, Paula Jimena Diniz; NEVES, Carmen Silvia Vieira Janeiro; CANTERI, Marcelo Giovanetti; SACHS, Luís Guilherme. Escala diagramática para avaliação da severidade da mancha branca em milho. Summa Phytopathologica, v.37, n.4, p , SANGOI, L.; ENDER, M.; GUIDOLIN, A.F.; BOGO, A.; KOTHE, D.M. Incidência e severidade de doenças de quatro híbridos de milho cultivados com diferentes densidades de plantas. Ciência Rural, ISSN , Santa Maria, v.30, não.1, para.17-21, SIGMAPOT, Exact Graphs and Data Alasysis. Systat Statistical Analysis Productor for Windows version Disponível em: <http://www.systat.com/ MystatProducts.aspx>. Acesso em: 15 jul SOUSA, Thatyane Pereira de; NASCIMENTO, Ivaneide Oliveira; MAIA, Claudio Belmino; FERNANDES, Patrícia Sumara Moreira; MOARAIS, Joacir; GONÇALVES, Suzana Silva. Severidade de Cercospora sojina hara em soja transgênica BRS valiosa RR no Estado do Maranhão, sob diferentes dosagens de agrosilício. Agroecossistemas, v.3, n.1, p ,

46 TERAMOTO, Adriana; AGUIAR, Renata Alves; GARCIA, Riccely Ávila; MARTINS, Marise Cagnin; CUNHA, Marcos Gomes. Escala diagramática para avaliação da severidade da mancha alvo em folhas de pepineiro. Pesq. Agropec. Trop., Goiânia, v.41, n.3, p , Jul./Set TOMERLIN, J.R. Distrain: A computer program for training people to estimate disease severity on cereal leaves. Plant Disease, v.72, n.5, p , May TUMURA, Karina Goulart; PIZETTA, Marília; SILVA, Lucas Luís da; FURTADO, Edson Luiz. Avaliação de clones de seringueira quanto à resistência ao oídio. Summa Phytopathol., Botucatu-SP, v.39, n.4, p , VALE, F.X.R.; FERNANDES FILHO, E. I.; LIBERATO, J.R. Quant: A software for plant disease severity assessment. 8th International Congress of Plant Pathology, Christchurch, New Zealand, Abstract 8.18, p.105, VALE, F.X.R.do; JESUS JUNIOR, W.C.de; LIBERATO, J.R.; SOUZA, C.A.de. Quantificação de doenças e do crescimento do hospedeiro. In: Epidemiologia aplicada ao manejo de doenças de plantas. Belo Horizonte: Perffil, p , VIEIRA, Rafael A.; MESQUINI, Renata M.; SILVA, Cleiltan N.; HATA, Fernando T.; TESSMANN, Dauri J.; SCAPIM, Carlos A. A new diagrammatic scale for the assessment of northern corn leaf blight. Crop. Pretection, v.56, p.55-57, VIVAS, Marcelo; TERRA, Carlos Eduardo Pessanha da Silva; SILVEIRA, Silvaldo Felipe da, FONTES, Renata Venturim; PEREIRA, Messias Gonzaga. Escala diagramática para avaliação da severidade da pinta-preta em frutos de mamoeiro. Summa Phytopathologica, v.36, n.2, p ,

47 CAPÍTULO 2 DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA WEB SITAV

48 RESUMO O desenvolvimento de um software web denominado Sistema de Treinamento em Acuidade Visual SiTAV com a finalidade de realizar o treinamento da precisão e acurácia dos avaliadores em doenças de plantas fitopatológicas é o foco deste projeto. Durante o processo de desenvolvimento do projeto SiTAV, utilizou-se como base o sistema operacional Linux, servidor web Apache, linguagens de programação PHP, HTML, CSS, JavaScript e JQuery, ferramenta de codificação IDE NetBeans, banco de dados MySQL, que utilizam a orientação objeto e o reaproveitamento de código fonte através das recomendações da W3C de boas práticas de programação e usabilidade do sistema. Edições de imagens através das ferramentas Gimp, Inkscape e Quant. Gerenciador de gráficos PHPlot, serviço de rotas e mapas Google Maps e recursos de videoaula gravados com Camtasia. A exportação dos dados armazenados no banco de dados para os (.xls) e (.txt) possibilitam a utilização dos programas estatísticos para revelar padrões, tendências e possíveis erros não perceptíveis com a observação dos dados isolados. Os objetivos do projeto de desenvolvimento de um software web de treinamento de acuidade visual foram alcançados. Os resultados alcançados com o projeto foram satisfatórios devido aos recursos tecnológicos empregados, sendo que o software não necessita ser instalado no computador local e sim acessado via internet, tendo a autenticação do avaliador através do login/senha, as imagens fotográficas das culturas nas quais serão realizados os treinamentos transmitem uma realidade maior que as imagens computadorizadas utilizadas no software legado, assim como o acompanhamento dos resultados acumulados durante os treinamentos que podem ser visualizados em tabelas ou gráficos. Palavras-chave: software, treinamento, fitopatologia. 26

49 ABSTRACT The development of a web software called Training System on Visual Acuity - SiTAV in order to perform the training of the precision and accuracy of the evaluators Phytopathological of plant diseases, is the focus of this project. During the development process SiTAV project, it is used as a base Linux operating system, Apache web server, programming languages PHP, HTML, CSS, JavaScript and JQuery, coding tool NetBeans IDE, MySQL database, using the object orientation and reuse source code through the W3C recommendations of good programming practices and system usability. Editions of images through Gimp, Inkscape and Quant tools. Manager of PHPlot charts, route maps, and Google Maps and features videoaula recorded with Camtasia service. The export of data stored in the database for (.xls) and (.txt) permit the use of statistical methods to reveal patterns, trends and possible not noticeable errors with the observation of isolated data programs. The design goals of developing a web software visual acuity training were achieved. The results achieved were satisfactory with the project due to technological resources used, and the software need not be installed on the local computer but accessed via internet with authentication evaluator by login/password, crop the images which will be held trainings transmit greater than the computerized images used in legacy software, as well as the monitoring of accrued during training that can be viewed in tables or graphical results reality. Keywords: software, training, plant pathology. 27

50 1. INTRODUÇÃO As linguagens de programação evoluíram e atualmente a forma de programação orientada a objetos destaca-se principalmente pelas novas técnicas e pela facilidade de implementação e reutilização do código fonte do sistema em desenvolvimento (CANTERI, 2004). O Sistema de Treinamento em Acuidade Visual SiTAV foi idealizado visando a atualização de um software legado de treinamento de acuidade visual denominado Distran de 1988, sua instalação para uso dos avaliadores era realizada de forma individual em cada computador rodando a plataforma MsDOS. Com o avanço propiciado pela plataforma do sistema operacional Windows Seven ou superior e processadores de 64 bits, não foi mais possível o funcionamento e utilização deste software legado. Deste modo surgiu a necessidade do desenvolvimento de um software web independente da plataforma de sistema operacional e da instalação física individual do sistema. O projeto SiTAV atua totalmente online e de forma independente, realizando a gestão de acesso de usuários, cadastros de categoria, cultura, imagem, idioma, controle do treinamento, agendamentos de prova online, rancking dos avaliadores, backup do sistema, relatórios diversos e exportação dos dados armazenados no bando de dados. O processo de desenvolvimento do projeto SiTAV empregou recursos tecnológicos específicos em cada etapa do projeto. Iniciando com a tecnologia de base através do Sistema Operacional GNU/Linux, Distribuição Kubuntu e Ambiente Gráfico KDE. A utilização da tecnologia para programação do sistema de servidor web com o Apache, Linguagem de Programação PHP, Linguagem de Marcação HTML, Folha de Estilo CSS, JavaScript, JQuery e IDE NetBeans. O armazenamento e a manipulação dos dados do sistema através do Banco de Dados MySQL e PHPMyAdmin. A edição gráfica das imagens do sistema com o Gimp, Inkscape e Quant. A geração de informações visuais em formato de gráficos através do PHPlot. A inserção de uma barra de formatação de texto no topo da caixa de texto através da biblioteca TinyMCE. O serviço de rotas e visualização de mapas do Google Maps. O recurso de videoaula através da ferramenta Camtasia Studio. A criação da arte gráfica do cartão de visitas do projeto SiTAV com o uso da ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape. O projeto SiTAV tem por objetivo desenvolver um sistema web de treinamento de acuidade visual, com a missão de realizar o treinamento da precisão e acurácia do avaliador, visando minimizar a subjetividade na estimativa da severidade das doenças em plantas. 28

51 2. DESENVOLVIMENTO DO PROJETO WEB SITAV O sistema operacional utilizado para o desenvolvimento do projeto SiTAV é o GNU/Linux (Figura 1-A) sob a licença General Public License / Licença Pública Geral (GPL) que é a designação da licença de software livre desenvolvida por Richard Matthew Stallman em 1989, na qual qualquer pessoa possa utilizar, estudar, modificar e distribuir livremente de acordo com os termos da licença (FSF, 2012). A distribuição adotada é a Kubuntu (Figura 1-B) com interface gráfica KDE (Figura 1-C) (KUBUNTU, 2012), é distribuída gratuitamente pela mantenedora Canonical Ltd., uma empresa privada sediada na Ilha de Man no Reino Unido, fundada pelo sul-africano Mark Shuttlework (CANONICAL, 2012). Figura 1. Logotipos do sistema operacional Linux: A) Kernel GNU/Linux 3.0, B) Distribuição Kubuntu 12.10, C) Ambiente Gráfico KDE Durante o processo de desenvolvimento de um sistema, são adotados padrões/recomendações para a programação e interpretação dos conteúdos destinados à Web, através da World Wide Web Consortium / Consórcio da Rede Mundial de Computadores (W3C) que é um consórcio internacional com cerca de 400 membros, composto por empresas privadas, organizações independentes e órgãos públicos, conforme Figura 2-A. A padronização dos dados garante o acesso facilitado ao código fonte e a compreensão de onde será empregado o conteúdo descrito no documento. O britânico Tim Jhon Berners-Lee fundou a W3C no ano de 1994, com a pretensão de extrair o maior potencial da Web, através de protocolos e fóruns de discussão (W3C BRASIL, 2013). O servidor de páginas para internet Apache (Apache HTTP Server), conforme Figura 2-B, é um software livre sob a licença GPL e foi desenvolvido por Rob McCool, colaborador da empresa americana National Center for Supercomputing Applications (NCSA), em Atualmente foi incorporado pela The Apache Software Foundation, é o projeto líder da 29

52 fundação que mantem a pesquisa de mais de uma dezena de subprojetos que envolvem a transmissão de dados via Web, o Apache encontra-se na versão (APACHE, 2012). O servidor Apache é o mais recomendado servidor livre de páginas Web da atualidade, sendo utilizado em aproximadamente 55% dos servidores web ativos no mundo no mês de maio de 2010 (NETCRAFT, 2012). O Apache possui a característica de portabilidade para as plataformas Linux, Unix, Windows, Mac, Novel e OS/2. É capaz de executar código fonte nas linguagens ASP, Perl, Shell Script e PHP, pode ser configurado para ser um servidor de arquivos FTP, servidor Web de página HTTP e para páginas seguras HTTPS. As principais funções do Apache são o suporte à criptografia Crypto e MD5, mensagens de erro e logs do sistema, virtualização de hosting. A combinação de softwares mais utilizada para websites é o servidor Apache, com a linguagem de programação PHP e o banco de dados MySQL (GUIA FOCA, 2012). A linguagem principal de programação utilizada no desenvolvimento do projeto SiTAV foi a Hypertext Preprocessor ou Personal Home Page / Página Pessoal (PHP), é um software livre licenciado pela PHP License, foi desenvolvida por Rasmus Lerdorf em 1995 e encontra-se na versão lançada em 18 de outubro de 2012, a qual é mantida pela organização The PHP Group. Tem por característica ser uma linguagem interpretada, onde seu código fonte é executado primeiramente por um programa chamado interpretador e na sequência pelo sistema operacional. A linguagem de programação PHP é utilizada para desenvolver sistema com código fonte interpretado do lado do servidor e gerar conteúdo dinâmico WWW (World Wide Web/Teia Mundial) do lado do cliente, conforme Figura 2-C (PHP, 2012). Já a linguagem de programação Hyper Text Markup Language / Linguagem de Marcação de Hipertexto (HTML) é uma linguagem de marcação utilizada na geração de páginas Web estáticas, que são interpretadas pelos navegadores Web. A linguagem HTML foi criada por Tim Berners-Lee em 1992, utilizando um ambiente de programação NeXTSTEP e surgiu da junção entre as tecnologias HyTime e SGML. A HyTime é um padrão de representação de estrutura de hipermídia e conteúdo com base no tempo e a SGML é um padrão utilizado na formatação do texto. Do formato de estrutura do SGML, o HTML herdou diversas TAGs (etiquetas) que são utilizadas para formatação do texto no formato HTML, conforme Figura 2-D (COSTA, 2007, p.9). Para tornar uma página estática HTML em uma página dinâmica, utilizam-se trechos de código PHP inseridos no escopo da página HTML, desta forma é possível acessar o banco de dados, realizar consultas, preencher e alterar dados dos formulários, realizar cálculos, e 30

53 outras operações mais complexas de forma que aumente a interação com o usuário (PHP, 2012). A codificação para a formatação do layout, cores, fontes e disposição dos objetos dentro da página Web é configurada na Cascading Style Sheets / Folha de Estilo em Cascata (CSS), que foi desenvolvida por Hakon Wium Lie em 1994 e trata-se de uma linguagem de programação de estilo utilizada na definição da apresentação de um conteúdo (texto, imagem, multimídia), através de uma linguagem de marcação como o HTML ou o XML (extensible Markup Language / Linguagem de Marcação Extensível) (EIS, 2012). A principal vantagem da utilização do CSS é a divisão entre o que é o conteúdo do que é arquivo de formatação e qual será a forma a ser apresentada. Nos primórdios da computação, a formatação do estilo de apresentação da página Web era descrita junto com o conteúdo de exibição da página, atualmente são criados arquivos separados, sendo o primeiro arquivo com o conteúdo a ser apresentado e o segundo arquivo com o código fonte com o estilo que o conteúdo deva ser apresentado, conforme Figura 2-E (SILVA, 2012). Esta metodologia garante uma padronização de todos os conteúdos a serem exibidos, assim com uma maior praticidade e rapidez para realizar a manutenção e alteração no estilo de apresentação do conteúdo. Desta forma o arquivo com a declaração de estilo que possui a extensão CSS [arquivo_estilo.css] é lincado/vinculado ao arquivo com o código fonte do conteúdo com extensão HTML / XML / PHP e outras [arquivo_conteudo.html], resultando uma página Web, [arquivo_estilo.css + arquivo_conteudo.html = pagina_web] que será visualizada no navegador (browser) para computador, iped, table, iphone e celular (SOBCZAK, 2012). Para facilitar a navegação e o processamento dos dados do projeto SiTAV utilizou-se a linguagem de programação interpretada JavaScript que foi desenvolvida por Brendan Eich. Esta linguagem a princípio recebeu o nome de Mocha através de um projeto da empresa norte americana Netscape Communications Inc. O JavaScript é uma linguagem dinâmica, orientada a objetos, padronizada através das normas da Associação Especializada na Padronização de Sistemas de Informação (ECMA) e é baseada em scripts (podendo ser executada no interior de outras linguagens ou programas), conforme Figura 2-F. Em setembro de 1995 este nome foi modificado para LiveScript sendo integrado ainda como versão beta (versão de desenvolvimento) no navegador Netscape 2.0. Em dezembro de 1995, através de uma parceria com a empresa privada americana Sun Microsystems Inc., recebeu o nome de JavaScript sendo implementado no navegador web Netscape 2.0B3, na mesma época em que o navegador recebeu suporte à tecnologia Java (Applets). A linguagem JavaScript foi desenvolvida como sendo parte dos navegadores web, 31

54 desta forma os códigos fonte (scripts) seriam executados do lado do cliente (client-side), o que economizaria tráfego de dados e recursos de processamento do lado do servidor. Mesmo contendo Java em seu nome a linguagem JavaScript diferencia-se da linguagem Java tanto na sintaxe quanto nos recursos próprios não disponíveis nas linguagens Java ou C++ (MOZILLA, 2013). Na definição descrita por Pree (1995), framework é um software parcialmente completo, composto por biblioteca de código fonte, linguagem script e software de apoio, unidos em uma única ferramenta, para auxiliar o programador de software em ganho de desempenho, agilidade e rapidez, principalmente em tarefas repetitivas e manuais. No desenvolvimento do projeto SiTAV utilizou-se o framework JQuery que foi desenvolvido em janeiro de 2006 por Jhon Resig e apresentado pela primeira vez em uma rede internacional de conferência para demonstração de novos projetos de informática denominada BarCamp, na cidade de Nova York nos Estados Unidos. Atualmente o JQuery encontra-se na versão e é considerado a biblioteca JavaScript mais popular entre os desenvolvedores Web. Foi desenvolvido com base em código aberto e possui duas licenças de uso, uma é a licença Massachusetts Institute of Technology / Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) que consente a reutilização de software a proprietários licenciados em software livre e a outra é a licença General Public License / Licença Pública Geral (GNU), já descrita anteriormente, conforme Figura 2-G (THE JQUERY, 2012). A forma de programação utilizando JQuery foi criar uma maneira simplificada de navegação do arquivo escrito em linguagem HTML, animação, seleção de elementos, manipulação de eventos, aplicativos com Ajax e a criação e manipulação de plugins. A ferramenta utilizada para realizar a codificação de todas as linguagens de programação empregadas no projeto SiTAV foi a IDE NetBeans, que foi desenvolvida por dois estudantes da Universidade de Charles, na cidade de Praga, na República Checa, no ano de 1996, é uma ferramenta para desenvolvimento de sistemas, um ambiente de desenvolvimento integrado (IDE), totalmente escrita em linguagem de programação Java e oferece diversas ferramentas que agilizam os processos de programação de escrever, compilar, debugar e instalar aplicações, além de oferecer uma gama de instaladores de plugins externos que contribuem com a melhora da performance do desenvolvedor. Trata-se de uma IDE gratuita, de código fonte aberto, encontra-se na versão 7.2.1, sua portabilidade suporta as plataformas Linux, Solaris, Mac e Windows e a sua compatibilidade suporta as principais linguagens de programação da atualidade, tais como: C#, C/C++, PHP, XML, HML, JavaScript, JSP, Python, Java, Ruby e Groovy, conforme Figura 2-H (NETBEANS, 2012). 32

55 Figura 2. Logotipos das linguagens de programação utilizadas no desenvolvimento do projeto SiTAV: A) Recomendações para desenvolvimento de software da W3C, B) Servidor Web Apache, C) Linguagem de Programação PHP, D) Linguagem de Programação HTML, E) Folha de Estilo em Cascata CSS, F) Linguagem de Programação JavaScript, G) Framework JQuery, H) Ferramenta de desenvolvimento IDE NetBeans. O armazenamento dos dados derivado do projeto SiTAV está a cargo do banco de dados MySQL Community Server v5.5.28, que foi desenvolvido na Suécia no ano de 1980 por Davix Axmark, Allan Larsson, Michael Widenius e pela empresa MySQL AB. Caracteriza-se por ser um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) utilizando como interface a linguagem Structures Query Language / Linguagem de Consulta Estruturada (SQL). Considerado um banco de dados com portabilidade excelente, sendo que suporta quase todas as plataformas de sistema operacional atuais, entre elas suporta as plataformas: 33

56 Windows, Linux e Mac. Sua compatibilidade permite conexão com as principais linguagens de programação, havendo drivers de conexão para.net, ODBC, JDBC, além de módulos de interface para as linguagens C#, C/C++, Delphi, Visual Basic, ASP, Perl, PHP, Python, Java, Ruby. Em janeiro de 2008 a empresa Sun Microsystems comprou a empresa MySQL AB., passando a ser proprietária do banco de dados MySQL. Em abril de 2009, após investigação da Comissão Europeia para evitar o monopólio no mercado de banco de dados, a empresa Oracle Corporation que possui o maior banco de dados privado do mundo, o Oracle Database 11g, foi liberada para comprar a empresa Sun Microsystems e seu produto MySQL, desde que fosse mantido o banco de dados MySQL como uma produto software livre com base na licença GPL. É considerado um dos bancos de dados gratuitos mais populares da atualidade com cerca de 10 milhões de instalações por todo o mundo. Outro fator de sucesso deste banco é a sua praticidade na interação com a linguagem PHP e sua disponibilidade desde os pacotes básicos de hospedagem de website na Internet, conforme Figura 3-A (MYSQL, 2012). Para realizar o acesso local ou remoto do bando de dados MySQL com o auxílio de uma ferramenta gráfica, foi empregado junto ao projeto SiTAV o PHPMyAdmin, que é um aplicativo Web desenvolvido em linguagem de programação PHP, que se encontra na versão O aplicativo foi desenvolvido por Tobias Ratschiller (1998), destinado a realizar a gestão gráfica do banco de dados MySQL através de conexão local ou remota via Internet. Atualmente o software conta com suporte em 54 (cinquenta e quatro) idiomas incluindo Português-Brasil (pt-br) e vem sendo mantido pelo The PhpMyAdmin Projet de Olivier Müller. Possui a funcionalidade de criar e remover base de dados; criar, alterar e remover tabelas; inserir, alterar e remover campos; manipular campos de chaves primária e secundária e executar scripts SQL no banco de dados MySQL. É uma ferramenta de fácil manipulação e é normalmente oferecida desde os pacotes básicos de hospedagem de sites, conforme Figura 3-B (PHPMYADMIN, 2012). Figura 3. Logotipos das ferramentas de armazenamento de dados: A) Banco de Dados MySQL, B) Ferramenta de Gestão Gráfica de Banco de Dados PHPMyAdmin. 34

57 Para realizar a edição gráfica da imagem, o redimensionamento, o corte de partes da imagem, girar, juntar duas ou mais imagens, realizar a correção dos padrões de cores, tons, brilho, contraste, entre outros, foi utilizada a ferramenta Gimp GNU Image Manipulation Program / GNU Programa de Manipulação de Imagem, que se encontra na versão 2.8. Foi desenvolvida por Spencer Kimball e Peter Mattis em 1995, possui a licença General Public License / Licença Pública Geral (GNU) de código aberto, sua principal funcionalidade é a de edição gráfica, criação e edição de imagens raster e vetorial. O projeto Gimp foi desenvolvido por estudantes universitários como uma alternativa livre ao conceituado software proprietário Adobe Photoshop e foi o precursor em software livre desenvolvido diretamente ao usuário final, o que abriu as portas para outros projetos neste sentido. Utiliza como plataforma base para sua interface gráfica a biblioteca GTK, que oferece suporte e compatibilidade à plataforma Linux, Windows e Mac. Por não oferecer nativamente suporte ao modelo de cores CMYK que é utilizado em impressões gráficas profissionais, seu uso está restrito a trabalho digital que utiliza o modelo de cores RGB. Por ser um software de licença gratuita, ele não inclui a licença para o pacote de cores Pantone, que garante uma padronização de cores no trabalho profissional gráfico, conforme Figura 4-A (GIMP, 2012). Para a criação de desenhos vetoriais que utilizam recursos da computação gráfica, foi empregado o Inkscape , que é uma ferramenta de edição eletrônica vetorial de código aberto, que utiliza Scalable Vector Graphics / Vetor Gráfico Escalável (SVG) recomendado pela W3C e baseado em XML como formato nativo (extensão) e suporta instalação nas principais plataformas de sistemas operacionais em uso no mercado atualmente como o Windows, o Mac OS e o Linux. Por se tratar de um programa software livre o Inkscape é desenvolvido por comunidades de desenvolvedores em todo o mundo, no território nacional há a Comunidade Inkscape Brasil (http://wiki.softwarelivre.org/inkscapebrasil) que participa ativamente deste projeto, conforme Figura 4-B. O Inkscape é derivado de uma ramificação (fork) do projeto Sodipodi que foi descontinuado em 2003 tendo como autor Lauris Kaplinski. No entanto, o Sodipodi também é a continuação ramificada do descontinuado projeto Gill escrito por Raph Levien (INKSCAPE, 2013). A ferramenta computacional de edição gráfica de imagem utilizada para realizar a mensuração das áreas das lesões de doença de plantas foi o software Quant v.1.0.2, que se trata de um sistema de processamento de imagens que permite a análise da imagem com precisão matemática, levando em conta a variação das cores com base em uma escala, podendo distinguir 60 (sessenta) mil cores e tonalidades, conforme Figura 4-C (VALE et al., 35

58 2003). O programa Quant foi desenvolvido para atuar na área da fitopatologia na detecção quantitativa das doenças de plantas a partir de imagens digitalizadas de folhas e frutos (VALE et al., 2003), no entanto este programa vem sendo utilizado em diversas áreas científicas, dentro e fora do território nacional (JULIATTI et al., 2013). A função primária do programa é realizar a segmentação e a quantificação das dimensões da imagem digitalizada, para a avaliação da severidade de doenças de plantas a imagem será segmentada em 4 (quatro) partes: 1. área de fundo da imagem (descartada), 2. área do tecido sadio da planta, 3. área do halo e 4. área necrosada. Como resultado da análise da imagem, o programa disponibiliza a quantificação no formato de medida em porcentagem da área total da planta, da área do tecido sadio, da área do tecido doente (severidade) e a quantidade de lesões (VALE et al., 2003). A forma de quantificação da imagem digital pelo sotware Quant é a redução de milhares de cores da imagem para no máximo 3 (três) ou 4 (quatro) cores, onde os pixels de cada cor serão contados e convertidos em área (porcentagem). O processo de redução das cores da imagem é feito através da: limiar a cor branca e preta, separação das cores em pallete, distinção das cores por intervalo de coordenadas de cor, escolha das cores através de amostragem e a triagem das cores através de funções discriminantes (VALE et al., 2003). Figura 4. Logotipos das ferramentas de edição de imagem: A) Ferramenta de manipulação de imagem GIMP, B) Ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape, C) Ferramenta de mensuração de área das lesões de doenças de plantas Quant Durante o processo de geração dinâmica de gráficos em tempo real utilizando passagem de dados por parâmetro ou em Array array[] provenientes da linguagem de programação PHP, foi utilizada a biblioteca gráfica PHPlot 6.1.0, especializada para criação e manipulação de gráficos na forma de objeto, exibindo o gráfico concluído em forma de pizza, linha, barra, pontos, etc, no formato de uma imagem com extensão ['.jpg', '.png', '.gif' e '.wbmp']. O PHPlot utiliza o servidor onde está hospedado o sistema para realizar o processamento dos dados e criação da imagem do gráfico, evitando a utilização de recursos 36

59 de processamento do lado do cliente e da incompatibilidade de navegador ou do sistema operacional. Como pré-requisito à instalação da biblioteca PHPlot, é exigida a versão do PHP 5.3 ou superior, com extensão GD a qual utiliza a biblioteca (libgd), conforme Figura 5-A (BAYUK et al, 2013; DICE et al, 2013). O editor visual de formatação de texto em HTML aplicado juntamente com as caixas de texto do projeto SiTAV foi a biblioteca TinyMCE escrita em JavaScript utilizado em website, possui a característica de ser muito leve, de fácil instalação e configuração, utiliza plugins de terceiros, possui tradução, é independente de plataforma e roda nos principais navegadores atuais, tais como: Internet Explorer, Mozilla Firefox, Opera e Safari. A função do TinyMCE é acoplar uma caixa de ferramentas de formatação de texto sobre uma caixa de texto HTML (textarea), onde a edição e formatação do texto são realizadas em tempo real através das ações de seleção do texto e seleção do tipo de formatação desejado para o texto, conforme Figura 5-B (TINYMCE, 2013). Figura 5. Logotipos das ferramentas de edição gráfica: A) Ferramenta de geração dinâmica de gráficos PHPlot, B) Editor visual de formatação de texto em html TinyMCE O serviço de visualização e busca de mapas políticos ou imagens de satélite empregado no projeto SiTAV denomina-se Google Maps https://maps.google.com, oferecido gratuitamente na web pela empresa norte americana Google Inc., disponibiliza rotas e mapas para todos os pontos dos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Brasil e União Europeia e demais países, conforme Figura 6-A. As maiores capitais do mundo contam com imagens de satélite com possibilidade de zoom em alta resolução. Por intermédio de uma conta oficial da Google é possível personalizar seus próprios mapas, rotas, áreas, compartilhamento de links e realizar a integração através do arquivo KML com a ferramenta Google Earth. Outros dois projetos do mesmo seguimento em desenvolvimento atualmente, são o projeto Google Moon que possibilita a visualização da Lua terrestre em até 08 (oito) tipos diferentes de zoom e observar os marcadores que mostram as missões especiais da agência norte americana National Aeronautics and Space Administration / Administração Nacional da Aeronáutica e do Espaço (NASA) que viajaram à 37

60 Lua e o projeto Google Mars recentemente lançado e que possibilita a visualização de poucos detalhes até então da superfície do planeta Marte (GOOGLE, 2013). Uma ferramenta para produção de videoaulas, com recursos avançados e profissionais para criação de screencasts e gravação de vídeo, utilizada no projeto SiTAV, foi a Camtasia Studio 8, que é capaz de fazer a captura de vídeo da tela inteira ou parcial do computador e captura do áudio, tanto pelo saída de áudio do computador quanto pela entrada de áudio do microfone, criação de apresentação com notas explicativas escritas, efeitos captura de movimento do mouse, mesclas de músicas, imagens e vídeos, conforme Figura 6-B. O software foi desenvolvido pela empresa TechSmith Corporation para a plataforma de sistema operacional Microsoft Windows XP, Vista, 7 e 8. Por se tratar de uma ferramenta proprietária, possui o custo para aquisição da licença de uso no valor de U$ (Duzentos e noventa e nove dólares americanos), no entanto, para a criação das videoaulas do projeto SiTAV utilizou-se a versão Camtasia Studio 8 Trial durante o período de experiência de 30 dias sem custos financeiros de licença de uso da ferramenta (TECHSMITH, 2013). Figura 6. Logotipos das ferramentas de interação como usuário: A) Serviço de visualização e busca de mapas e rotas Google Maps, B) Gravação de screencasts e vídeos Camtasia Studio. 38

61 3. MATERIAL E MÉTODOS Utilizou-se o sistema operacional GNU/Linux para o desenvolvimento do projeto Sistema de Treinamento em Acuidade Visual - SiTAV por possuir licença de uso baseada na General Public License (GPL) versão 2, utilizada em projetos software livre, não sendo necessário o pagamento pela licença de uso do sistema operacional. A distribuição Kubuntu com ambiente gráfico KDE também compartilha da mesma licença de uso GPL de software livre. Todos os softwares, aplicativos e frameworks utilizados no projeto SiTAV seguem as mesmas diretrizes de software livre. O projeto SiTAV é um software desenvolvido para web, em seu desenvolvimento foi necessária a instalação e configuração de um servidor de páginas web, sendo adotado o Apache HTTP Server por sua robustez e confiabilidade. O Apache transforma o computador em que foi instalado em um servidor de páginas web, denominado localhost, para que o sistema trabalhe com perfeição é necessário que todo código fonte do projeto SiTAV seja alocado fisicamente em uma pasta raiz específica do servidor Apache no endereço [/var/www/sitav/], endereço também conhecido como caminho absoluto (PATH). A visualização do website do projeto SiTAV a partir do servidor de desenvolvimento (localhost) é realizada através da utilização de um navegador de página para internet (browser), como por exemplo: o Mozilla Firefox, o Google Chrome, o Safari, o Opera, o Internet Explorer, entre outros, acessando a URL [http://localhost/sitav]. Para que os avaliadores, professores, desenvolvedor e visitantes do sistema possam acessar o website na Internet, o mesmo foi hospedado no endereço [http://www.hudsonss.com.br/sitav], sendo possível acessar através de smartphone, tablet, netbook, notebook ou desktop. Para o desenvolvimento do projeto SiTAV a linguagem de programação utilizada foi a Hypertext Preprocessor ou Personal Home Page (PHP), tendo como característica ser uma linguagem interpretada do lado do servidor e por gerar tanto conteúdo estático como conteúdo dinâmico, podendo ser mesclada juntamente com a linguagem de programação Hyper Text Language (HTML) que gerencia a estrutura interna e estática do website, através da formatação dos blocos de texto pelas TAGs a serem interpretada pelo navegador, conforme Figura 7. <?php?> <!DOCTYPE html> <html> <head> <meta http-equiv="content-type" content="text/html; charset=iso ; true"> 39

62 <title>sitav</title> <link rel="stylesheet" type="text/css" href="estilo/estilo1.css"> <script type="text/javascript" src="js/menuhorizontal.js"></script> </head> <body onload="horizontal()"> <div id="geral"> <?php include('funcao.php');?> <div id="cabecalho"> <?php include('cabecalho.php');?> </div> <div id="menu"> <?php include('menu.php');?> </div> <div id="corpo"> <?php include('corpo.php');?> </div> <div id="rodape"> <?php include('rodape.php');?> </div> </div> </body> </html> Figura 7. Trecho do código fonte HTML mesclado com PHP, arquivo index.php. O estilo visual de design do website SiTAV, layout, cores, fontes, posicionamento de imagens e espaços, estão a cargo da linguagem de programação de estilo Cascading Style Sheets (CSS) que tem como vantagem separar todos os arquivos de conteúdo com extensão (.php) de um único arquivo de codificação para formatação com extensão (.css), que será reaproveitado por todo o website. Para lincar/importar a folha de estilo (CSS) para dentro da página de conteúdo (PHP) deve-se utilizar uma TAG de marcação em HTML, dentro da sessão HEAD (cabeça) do arquivo através do código [<link rel="stylesheet" type="text/css" href="estilo/estilo1.css">], Figura 1, onde a TAG [link] informa ao navegador que será necessário localizar um arquivo fora da página HTML atual, o atributo [rel="stylesheet"] refere-se que o arquivo trata-se uma folha de estilo, o atributo [type="text/css"] trata do tipo de arquivo esperado que pode ser um text ou css e o atributo [href="estilo/estilo1.css"] refere-se ao caminho físico (path) do arquivo CSS, conforme Figura "iso "; body { background-color:#ffffff; font-family: Verdana, Geneva, Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 11pt; color: #000000; text-align: justify; } #cabecalho { height: 200px; 40

63 } background: #ffffff url(../img_int/sitav-layout.png) left no-repeat scroll; text-align: center; clear: both; /* nao flutuar */ #corpo { padding: 0px 10px 10px 10px; /* sup dir inf esq */ background-color:#ffffff; font-family: Verdana, Geneva, Arial, Helvetica, sans-serif; font-size: 11pt; color: #000000; text-align: justify; } #rodape { background-color:#f0fff0; text-align: center; color: #005500; font-family: Verdana; font-size: 9pt; padding-top: 5px; padding-bottom: 21px; clear: both; /* nao flutuar */ font-family: Verdana, Geneva, Arial, Helvetica, sans-serif; } Figura 8. Trecho do código fonte da folha de estilo em cascata CSS, arquivo estilo/estilo1.css. Os recursos de execuções de ações via scripts diretamente no navegador do usuário (client-side) disponível na linguagem de programação JavaScript facilitam a navegação do website, do menu e da máscara e autenticação de campos pré-definidos como: cpf, data, horário, valor, telefone e o foco do cursor em um campo determinado, conforme Figura 9. <script type="text/javascript"> //<![CDATA[ var r = new Restrict("form1"); r.field.cpf_ = "\\d.-"; r.mask.cpf_ = "###.###.###-##"; r.field.data_nasc_ = "\\d/"; r.mask.data_nasc_ = "##/##/####"; r.field.horario_fim_ = "\\d:"; r.mask.horario_fim_ = "##:##:##"; r.field.nota_ = "\\d."; r.mask.nota_ = "##.##"; r.field.fone_cel_ = "\\d-() "; r.mask.fone_cel_ = "(##) #####-####"; r.onkeyrefuse = function(o, k){ o.style.backgroundcolor = "#F0B7A4"; } r.onkeyaccept = function(o, k){ if(k > 30) o.style.backgroundcolor = "#FFFFFF"; } r.start(); function Acao(act){ frm = document.getelementbyid('form1'); //frm.action = act + '.php'; frm.action = act; frm.submit(); } 41

64 function campofoco() { document.getelementbyid("nome_").focus(); } //]]> </script> Figura 9. Trecho de código fonte de máscara e autenticação de campos dos formulários com JavaScript. A utilização do framework JQuery no projeto SiTAV tem como objetivo facilitar a navegação e realizar uma prefiltragem na consulta de informações do sistema. Na sessão de cadastro de categoria e subcategoria, há duas tabelas distintas, porém interligadas, onde um item da tabela categoria (tab_categoria) pode se relacionar com um ou muitos itens da tabela subcategoria (tab_subcategoria), conforme Figura 10. tab_categoria 1 * tab_subcategoria Figura 10. Cardinalidade do relacionamento Um-para-Muitos (1-*) entre as tabelas categoria e subcategoria. O trecho do código fonte da Figura 11 mostra a hierarquia e a forma de preenchimento da caixa de seleção (combobox) entre a categoria e a subcategoria, onde primeiramente é preenchida a caixa de seleção categoria com as informações armazenadas no banco de dados e, somente após a seleção de um dos itens da categoria pelo avaliador, é que será preenchida a caixa de seleção subcategoria que esteja diretamente relacionada ao item específico da categoria. O código [$ document).ready(function()] realiza a chamada da biblioteca JQuery, o código [$('#id_categoria_').change(function()] recebe o identificador do item da tabela categoria, o código [$('#id_subcategoria_').load('treinamento/subcategoria.php?id_categoria='+$ ('#id_categoria_').val() );] recebe o identificador do item da tabela subcategoria que está diretamente relacionado ao item da tabela categoria, o código [<option value="<?=$id_categoria?>"<?=($id_categoria==$pes_id_categoria)?"selected=' selected'":""?> > <?=$categoria?> </option>] preenche a caixa de seleção com os itens da tabela categoria, enquanto na caixa de seleção subcategoria aparecerá apenas a instrução Aguardando Categoria... através do código [<option value="0" disabled="disabled">aguardando Categoria...</option>], até que um item da categoria seja selecionado. 42

65 <!-- JQuery Combobox [Categoria/Subcategoria] --> <script type="text/javascript"> $(document).ready(function(){ $('#id_categoria_').change(function(){ $('#id_subcategoria_').load('treinamento/subcategoria.php?id_categoria='+$('#id_categ oria_').val() ); }); }); </script> <tr> <td><div align="right"><b>categoria:</b></div></td> <td> <select name="id_categoria_" id="id_categoria_"> <option value="0">--- Selecione ---</option> <? include("banco/conecta.php"); $categorias=mysql_query("select * from tb_categoria order by categoria asc;"); while($dados1 = mysql_fetch_array($categorias)) { $id_categoria = $dados1['id_categoria']; $categoria = $dados1['categoria'];?> <option value=" <?=$id_categoria?>" <?= ($id_categoria==$pes_id_categoria)? "selected='selected'":""?> > <?=$categoria?> </option> <? }?> </select> </td> </tr> <tr> <td><div align="right"><b>subcategoria:</b></div></td> <td> <select name="id_subcategoria_" id="id_subcategoria_"> <option value="0" disabled="disabled">aguardando Categoria...</option> </select> </td> </tr> Figura 11. Trecho de código fonte de preenchimento das combobox Categoria e Subcategoria com JQuery, arquivo cadastro/pessoa.php. No cadastro categoria pode ser inserido o nome das instituições de ensino ou empresas parceiras e no cadastro subcategoria podem ser inseridas as turmas ou departamentos, conforme sugerido no formulário (ano-semestre curso disciplina período turma sala), conforme Figura 12. Figura 12. Tela de consulta do cadastro: Categoria / Subcategoria. 43

66 Para realizar a codificação de todas as linguagens de programação utilizadas no projeto SiTAV foi utilizada a IDE Netbeans, por ser uma ferramenta gratuita, robusta, oferecer suporte e plugins externos para a edição de todos os tipos de linguagens de programação desse projeto, tais como: PHP, HTML, CSS, JavaScript, JQuery, script para banco de dados MySQL e script para gerar gráficos. Para o armazenamento e a manipulação dos dados gerados pelo projeto SiTAV foi eleito o banco de dados MySQL, que possui gratuidade da licença de uso, robustez suficiente para suportar a carga de transferência e armazenamento de dados devido às constantes melhorias e suporte técnico que vem recebendo por parte da empresa Oracle Corporation, pela facilidade de interação com a linguem PHP e pela disponibilidade de hospedagem na internet. A manipulação dos dados no banco de dados MySQL é feita através de script em linguagem PHP específico para manipular o banco de dados: conexão, inserir, alterar, deletar e consultar, conforme as Figura 13 e 14 respectivamente. <?php // === SERVIDOR HOTEL DA WEB === //$host = "localhost"; //$banco = "hudsonss_sitav"; //$usuario = "hudsonss_husitav"; //$senha = " "; (*) // === LOCALHOST === $host = "localhost"; $usuario = "root"; $senha = " "; (*) $banco = "hudsonss_sitav"; $conexao = mysql_connect("$host", "$usuario", "$senha"); mysql_select_db("$banco");?> Figura 13. Trecho de código fonte de conexão ao banco de dados mysql, arquivo banco/conecta.php. (*) número fictício da Senha <?php // ABRE CONEXAO COM BANCO DE DADOS include("banco/conecta.php"); // INSERIR mysql_query("insert INTO tb_idioma (id_idioma, idioma, sigla, bandeira ) VALUES (null, '$idioma', '$sigla', '$bandeira')"); // ALTERAR mysql_query("update tb_idioma SET idioma='$idioma', sigla='$sigla' WHERE tb_idioma.id_idioma='$id' limit 1") OR die(mysql_error()); // DELETAR mysql_query("delete FROM tb_idioma WHERE tb_idioma.id_idioma='$id' LIMIT 1;"); // CONSULTAR $idiomas=mysql_query("select * FROM tb_idioma ORDER BY idioma ASC;"); // CONCRETIZAR E ENCERRAR A TRANSACAO mysql_query("commit"); mysql_close();?> Figura 14. Trecho de código fonte de manipulação do banco de dados MySQL: abrir conexão, inserir, alterar, deletar, consultar, concretizar e encerrar a conexão. 44

67 A ferramenta PHPMyAdmin é usada para realizar o acesso local ou remoto do banco de dados MySQL e também para realizar a gestão da manipulação manual do banco via interface gráfica, que facilita a localização, inserção, alteração e exclusão de uma tabela ou registro no banco, conforme Figura 15. Figura 15. Ferramenta gráfica PHPMyAdmin de acesso e gestão de banco de dados MySQL. Para a edição gráfica das imagens utilizadas no projeto SiTAV, utilizou-se a ferramenta de manipulação de imagem Gimp (GNU Image Manipulation Program / Programa de Manipulação de Imagem), que possui recursos de redimensionamento de fotos, regulagem de brilho e contraste, limpeza do fundo da imagem, realce de cores, combinação de imagens em camadas, recorte, remoção de parte da imagem, etc. Na edição de imagem utilizada no projeto SiTAV, os recursos de limpeza do fundo da imagem, redimensionamento e realce de cores foram amplamente utilizados, conforme observado no resultado final da edição da imagem da Figura 16. Figura 16. Edição da imagem do fruto de laranja verde através da ferramenta de manipulação de imagem Gimp. 45

68 O Gimp edita imagem no modo raster (bitmap), mapa de bits com a descrição de cada pixel, com padrão de cores RGB (red/vermelho, green/verde, blue/azul). Este formato pode distorcer ou desfocar a imagem ao ser manipulada na compressão, redimensionamento e provocar o efeito de serrilhamento das bordas da imagem. Para a criação do logotipo e logomarca do projeto SiTAV utilizou-se a ferramenta Inkscape por trabalhar com imagem vetorial, que tem por característica não distorcer, desfocar ou gerar o efeito de serrilhamento da imagem durante o seu redimensionamento ou compressão. A inspiração para a criação do logotipo SiTAV surgiu com a observação do treinamento do olho humano que minimiza a subjetividade da estimativa da severidade das doenças de plantas, conforme Figura 17. Durante o processo de criação e edição da logomarca, o recurso de camada foi fundamental para sobrepor uma parte da imagem sobre a outra sem misturar as cores ou formas, para isso foram criadas 6 (seis) camadas sobrepostas, ordenadas da primeira (ao fundo) à sexta (à frente): íris, pupila, brilho, cílios, sobrancelha e texto. Figura 17. Logomarca SiTAV criada através da ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape. O processo de mensuração do valor real (em porcentagem) das lesões de doenças de plantas encontradas em frutos, folhas e galhos pode ser calculado através do processamento de imagem realizado pelo software Quant através da edição de uma imagem digitalizada, registrada por uma câmera digital com resolução de 5.1 mega pixels de zoom óptico (Sony CyberShot 5.1 MP), fixada a 20 centímetros de altura do alvo para padronizar a proporção do tamanho da imagem entre todas as amostras e o controle adequado da iluminação do ambiente evitando sombras ou reflexos na imagem (Figura 18-A). Durante o processamento da imagem o software Quant executa 4 (quadro) funções bem definidas: a) retira a cor de fundo da imagem, b) mensura a área total do fruto, c) mensura a área do halo ao redor da lesão e d) mensura a área da lesão. Como resultado final da mensuração é gerada uma nova imagem do fruto com uma ilustração em cores diferentes sobre as áreas do halo e da lesão 46

69 (Figura 18-B), assim como os resultados em porcentagem das áreas total do fruto, halo e lesão, onde o valor da mensuração da lesão do fruto é considerado a soma das áreas do halo e da lesão. A B Imagem Original Imagem Processada Figura 18. Processamento da imagem do fruto de laranja verde para mensuração da área com lesões provocadas por doenças de plantas através do software Quant e editada graficamente pelo software Gimp. Para a geração dinâmica dos gráficos de barra e de linha utilizando a biblioteca PHPlot deve-se seguir 03 (três) etapas: a) passagem dos dados por parâmetro ou array, b) processamento dos dados e geração da imagem do gráfico e c) impressão da imagem do gráfico na página PHP. Na primeira etapa de passagem de dados por parâmetro, quando se tem uma quantidade fixa de dados que irão compor o gráfico, utiliza-se a passagem dos dados por parâmetro, conforme Figura 19, uma vez que a quantidade de dados será sempre a mesma, não aumentando e nem diminuindo, o valor pode ser 0 (zero), porém este dado existirá. Neste caso, os dados a serem passados por parâmetro serão sempre em número de 3 (três) e com apenas uma quantidade de repetição destes valores. // ENVIO DE DADOS POR PARÂMETRO, PARA GERAÇÃO DE GRÁFICOS DE BARRA $_SESSION["s_subestimado"] = $subestimadot; $_SESSION["s_preciso"] = $precisot; $_SESSION["s_superestimado"] = $superestimadot; Figura 19. Trecho de código fonte de envio de dados fixos por parâmetro para biblioteca PHPlot, arquivo treinamento/relatindividual.php. No entanto, quando se tem uma quantidade variável de dados para a composição do gráfico, o ideal é realizar a passagem de parâmetro dos dados por Array, uma vez que o número de dados será sempre a mesma, mas a quantidade de repetições destes dados será 47

70 indeterminada, conforme Figura 20. Como, por exemplo, é o treinamento realizado por cada avaliador, o número de dados a serem analisados é conhecido mas a quantidade de treinamentos realizados por cada avaliador é indeterminada. if($acao=="filtro"){ // CONSULTA NO BANCO DE TODOS OS DADOS $pessoas1=mysql_query("select P.id_pessoa, P.nome, C.cultura, T.* from tb_pessoa P, tb_cultura C, tb_treinamento T where P.id_pessoa=T.id_pessoa and T.id_cultura=C.id_cultura and T.id_pessoa=$id and T.id_cultura LIKE '$id_cultura' order by T.data desc;"); // ENVIO DOS DADOS POR PARÂMETROS ARRAY unset($_session['s_grafico_linha_mysql']); $_SESSION["s_id_grafico"]=$id; $_SESSION["s_id_cultura_grafico"]=$id_cultura; $id_cultura_aux = $id_cultura; } Figura 20. Trecho de código fonte de envio de dados variáveis por parâmetro (Array) para biblioteca PHPlot, arquivo treinamento/relatindividual.php. Na segunda etapa do processamento dos dados e geração da imagem do gráfico, o processo tem um hierarquia a ser seguida de iniciar a sessão, incluir a biblioteca PHPlot, indicar o título do gráfico, receber os dados vindos por parâmetro, realizar a consulta no banco de dados, indicar tamanho, borda, tipo de gráfico, título dos itens do gráfico, legenda, valor acima da barra, formato de saída da imagem, geração do gráfico e a exclusão das variáveis de sessão, conforme Figura 21. <?php # INICIA SESSAO session_start(); # CHAMA BIBLIOTECA include("../biblioteca/phplot-6.1.0/phplot.php"); # TITULO $textoeixox = "TREINAMENTO INDIVIDUAL"; //array('estimativas', 15.33, '22', 10), // CONSULTA BANCO DADOS MySQL include("../banco/conecta.php"); $id = $_SESSION["s_id_grafico"]; $id_cultura = $_SESSION["s_id_cultura_grafico"]; $res =mysql_query("select T.data, T.subestimado, T.preciso, T.superestimado from tb_pessoa P, tb_cultura C, tb_treinamento T where P.id_pessoa=T.id_pessoa and T.id_cultura=C.id_cultura and T.id_pessoa=$id and T.id_cultura LIKE '$id_cultura' order by T.data asc;"); if (!$res ) exit(); $data2 = array(); $treino=1; while($campo = mysql_fetch_assoc($res)){ $data2[] = array("$treino", $campo['subestimado'], $campo['preciso'], $campo['superestimado']); $treino++; } // GERA GRAFICO #Instancia o objeto e setando o tamanho do grafico na tela $plot = new PHPlot(1000,300); #Tipo de borda $plot->setimagebordertype('plain'); #Tipo de grafico (pizza, linha, barra) $plot->setplottype('lines'); #Tipo de dados (texto vindo pelo array) // GRAFICO NA VERICAL $plot->setdatatype('text-data'); 48

71 // GRAFICO NA HORIZONTAL //$plot->setdatatype('text-data-yx'); #Setando os valores com os dados do array $plot->setdatavalues($data2); //$plot->setdatavalues($arraypronto); #Titulos do grafico $plot->settitle('gráfico de Evolução dos Treinamentos'); $plot->setxtitle("treinamentos"); $plot->setytitle("estimativas"); #Legenda, uma para cada barra $plot->setlegend(array('subestimado','preciso','superestimado')); #Utilizados p/ marcar labels $plot->setxticklabelpos('none'); $plot->setxtickpos('none'); // VALOR EM CIMA DA BARRA $plot->setydatalabelpos('plotin'); // linhas pontilhada $plot->setdrawxgrid(false); $plot->setdrawygrid(false); // CASAS DECIMAIS // $plot->setpielabeltype('value', 'data', 2); // formato da imagem: jpg, png, gif, wbmp $plot->setfileformat('jpg'); #Gera o grafico na tela $plot->drawgraph(); # APAGA VARIAVEL DE SESSAO $_SESSION["s_subestimado;"] = NULL; $_SESSION["s_superestimado;"] = NULL; $_SESSION["s_preciso;"] = NULL;?> Figura 21. Trecho do código fonte para geração de gráficos como PHPplot, arquivo treinamento/ graficomediatreinamento.php. A terceira etapa de impressão da imagem do gráfico na página PHP é realizada com a chamada da imagem do gráfico gerada e concluída pela biblioteca PHPlot diretamente na página PHP, da mesma forma como se codifica a impressão de uma imagem comum (Figura 22), tanto para a imagem do gráfico gerado por parâmetro fixo (Figura 23-A) quanto para imagem do gráfico gerado por parâmetro variável (Figura 23-B). <!-- IMPRIME GRÁFICO DE BARRA --> <img src="treinamento/graficomediatreinamento.php" /> <!-- IMPRIME GRÁFICO DE LINHA --> <img src="treinamento/graficoevolucaotreinamento.php" /> Figura 22. Trecho de código fonte de impressão da imagem do gráfico concluído na página PHP, arquivo treinamento/relatindividual.php. 49

72 Figura 23. Imagens concluídas dos gráficos de barras (parâmetros fixos) e gráficos de linhas (parâmetros variáveis). Durante o processo de tradução dos idiomas do projeto SiTAV houve a necessidade de armazenar no banco de dados MySQL as frases por idioma devidamente formatadas, para serem exibidas na página PHP conforme a ocorrência e o idioma selecionado, para gerenciar o processo manual de formatação dos textos em uma caixa de texto textarea utilizou-se a ferramenta TinyMCE devido a sua interação com o sistema, possibilidade de personalização, independência de plataforma e operacionalidade entre os navegadores mais utilizados na atualidade. Para instalação e configuração da ferramenta TinyMCE, primeiramente é necessário realizar o download da biblioteca do TinyMCE que inclui também a biblioteca JQuery tinymce_4.0.7_jquery.zip e descompactar o arquivo na sessão de biblioteca do projeto SiTAV no endereço biblioteca/tinymce/js/tinymce/tinymce.min.js. Na página PHP que será implementada, deve-se realizar a chamada da biblioteca pela Tag <script type = "text / javascript" src = " biblioteca/tinymce/js/tinymce/tinymce.min.js " > </script>, sendo possível realizar configurações personalizadas na ferramenta indicando qual a caixa de texto em que a ferramenta irá atuar textarea, a linguagem do idioma pt_br, definir o tema a ser usado modern e as Tags mais utilizadas 50

73 h1,h2,h3,h4,h5,h6,td,th,div,ul,ol,li,table,img, conforme Figura 24. Desta forma todas as caixas de texto textarea receberão a barra de ferramentas de formatação posicionada ao topo da caixa, conforme Figura 25. // CONFIGURAÇÃO TinyMCE <? if($barra == "barraformatacao") {?> // CHAMADA DA BIBLIOTECA <script type="text/javascript" src="biblioteca/tinymce/js/tinymce/tinymce.min.js"></script> // CONFIGURAÇÃO PERSONALIZADA DO SCRIPT <script type="text/javascript"> tinymce.init({ selector: "textarea", language : 'pt_br', theme: "modern", formats : { hudson : {selector : 'h1,h2,h3,h4,h5,h6,td,th,div,ul,ol,li,table,img', classes : 'left'}, }, // CONFIGURAÇÃO BÁSICA DO SCRIPT toolbar: "insertfile undo redo styleselect bold italic alignleft aligncenter alignright alignjustify bullist numlist outdent indent link image print preview media fullpage forecolor backcolor emoticons" }); </script> <? }?> // INSERÇÃO EDITOR DE TEXTO NO CAMPO 'textarea' HTML <img src='<?=$bandeira?>' width='20' border='0'> <?=$idioma?> - <?=$sigla?> <br> <textarea cols="100" rows="5" class="campo" name="frase_<?=$id_idioma?>" style="overflow:inherit; border:1px solid #c3c3c3;"><?=($frase==null)?"":$frase?></textarea> <br><br> Figura 24. Trecho de código fonte da caixa de texto com a barra de formatação TinyMCE, arquivo cadastro/traducao.php. Figura 25. Barra de formatação TinyMCE posicionada ao topo da caixa de texto, arquivo cadastro/traducao.php. 51

74 A ilustração da localização do endereço do Núcleo de Pesquisa em Biotecnologia Aplicada (NBA) dentro das dependências da Universidade Estadual de Maringá (UEM) foi realizada com o uso do serviço gratuito via web de rotas e visualização de mapas do Google Maps, sendo a localização do referido endereço demarcada no mapa do projeto Google Maps através da conta pessoal do desenvolvedor e a codificação com o link da localização no mapa foi inserida na página PHP do projeto SiTAV (Figura 26). O usuário do sistema SiTAV tem o opção de clicar sobre o link do mapa Exibir mapa ampliado o qual o remeterá ao mapa em tela cheia dentro do projeto Google Maps que facilitará a localização do NBA pelo usuário, além dos demais recursos oferecidos pelo Google Maps, tais como: como chegar, meus lugares, imprimir, link, visão de mapa, visão de satélite, foto, clima, terreno webcam, entre outros (Figura 27). // INSERE MAPA DE LOCALIZAÇÃO DO NBA ATRAVÉS DO GOOGLE MAPS <iframe width="425" height="350" frameborder="0" scrolling="no" marginheight="0" marginwidth="0" src="https://maps.google.com.br/maps/ms?msa=0&msid= c68ac8e56c81 5bc64&ie=UTF8&t=m&ll= , &spn= , &z=15&output=embed"></iframe> <br><br> <small> // LINK PARA AMPLIAR O MAPA PARA O SERVIÇO GOOGLE MAPS <a href="https://maps.google.com.br/maps/ms?msa=0&msid= c68ac8e56c8 15bc64&ie=UTF8&t=m&ll= , &spn= , &z=15&source=embed" style="color:#0000ff;textalign:left" target="_blank"> Exibir mapa ampliado</a> </small> Figura 26. Trecho de código fonte da codificação do mapa de localização no NBA-UEM do serviço web da Google Maps inserido na página PHP do projeto SiTAV, arquivo localizacao.php. 52

75 Figura 27. Mapa e link de localização do NBA-UEM, no serviço web da Google Maps inserido na página PHP do projeto SiTAV, arquivo localizacao.php. Os procedimentos de captura de áudio e vídeo para criação das videoaulas autoexplicativas do projeto SiTAV, iniciaram com 03 (três) software livres que não apresentaram um resultado satisfatório e 01 (um) software proprietário que atingiu o resultado satisfatório devido às configurações de hardware e software no equipamento utilizado na gravação das videoaulas. O primeiro software a ser utilizado foi o Kazam Screencaster desenvolvido pela empresa Launchpad by Canonical Ltd., disponível em <https://launchpad.net/kazam>, que apresentou um ligueiro travamento na captura do vídeo. O segundo software a ser testado foi o RecordMyDesktop disponível através da homepage do projeto <http://recordmydesktop.sourceforge.net/about.php>, apresentou uma incompatibilidade com a placa de áudio, não sendo possível a captura da voz do narrador com nitidez. O terceiro software adotado foi o Transmageddon Video Converter , disponível pelo website do projeto em <http://www.linuxrising.org/index.html>, que se trata de um transcodificador de vídeo para o sistema operacional Linux, desenvolvido através da biblioteca GStreamer e suporta a maioria dos formatos de vídeo tanto de entrada como de saída e foi utilizado para transformar os arquivos das videoaulas gerados através das ferramentas anteriores Kazam e RecordMyDesktop para o formato Áudio Vídeo Interleave 53

76 (.AVI) criado e disponibilizado livremente pela Microsoft Corporation, porém o resultado final das videoaulas foram insatisfatórios nos critérios de qualidade de áudio, qualidade de vídeo e tamanho do arquivo. A solução para as videoaulas veio através de uma quarta ferramenta não gratuita, denominada Camtasia Studio 8 Trial de propriedade da empresa TechSmith Corporation, que disponibiliza o uso da ferramenta pelo período de 30 dias livres do pagamento da licença para experiência. Para a captura de áudio do narrador foi utilizado um fone de ouvido com microfone para notebook de uso convencional. A ferramenta Camtasia Studio oferece recursos de configuração do tamanho da tela a ser capturado o vídeo, regulagem da entrada de áudio, efeitos, textos, mescla de imagens e vídeos e a configuração do formato e extensão da saída de vídeo, sendo selecionado o formato (.AVI), conforme Figura 27. Figura 28. Tela da videoaula de apresentação do projeto SiTAV, hospedada no YouTube e inserida na página PHP do projeto SiTAV, arquivo videoaula.php. O arquivo de videoaulas foi hospedado na conta particular do desenvolvedor do sistema Hudson Souza no YouTube-BR em <https://www.youtube.com>, a qual encontra-se disponível com o nome de sitav-apresentacao no endereço <http://youtu.be/1at3syoue2w>. Para inserir o link do arquivo da videoaula no projeto SiTAV na sessão de Videoaula utilizou-se a codificação através da Tag iframe na página videoaula.php, conforme Figura 29. <iframe width="560" height="315" src="http://www.youtube.com/embed/1at3syoue2w" frameborder="1" allowfullscreen></iframe> <br>apresentação SiTAV Figura 29. Trecho de código fonte de inserção de videoaula gerada pelo Camtasia Studio, hospedada no YouTube e inserida na página PHP do projeto SiTAV, arquivo videoaula.php. 54

77 Para auxiliar na divulgação com um cunho de profissionalismo e confiabilidade do projeto SiTAV foi criada a arte gráfica do cartão de visita com os principais dados para contatos, com a ferramenta Inkscape de edição eletrônica de imagens vetoriais, incluindo um QRCode que se trata de um código de barras bidimensional que ao ser escaneado com a câmera de um Smartphone através de um software de leitura de QRCode, como por exemplo o Qr Barcode Scanner desenvolvido por WB Development Team em 22/08/2012, disponível gratuitamente no website da Google Play Store no endereço <https://play.google.com/store/apps/detailsid=appinventor.ai_progetto2003.scan&hl=pt_br >, ao ser escaneado irá retornar a URL do projeto SiTAV <http://www.hudsonss.com.br/sitav >, a qual poderá facilmente acessar o website do sistema, conforme Figura 30. Figura 30. Arte gráfica do cartão de visita do projeto SiTAV criada pela ferramenta de edição eletrônica vetorial Inkscape. 55

78 4 RESULTADOS E DISCUSSÃO O processo de desenvolvimento do projeto web SiTAV segue as recomendações descritas pela W3C no que norteia o estilo de cores em tons pasteis que não sature a visão humana, fontes legíveis, disposição dos objetos em pontos estratégicos, layout flexível aos diferentes tipos e tamanhos de tela existentes atualmente para desktop, smartphone, tablet, palm, entre outros, linguagens de programação modernas e com recursos de reaproveitamento de código fonte, framework que facilitam a programação e auxiliam a navegação do avaliador, ferramentas de armazenamento dos dados com boa integração ao sistema que seja de fácil manipulação e acesso, imagens e artes gráficas com boa qualidade visual e estilo moderno, a utilização de serviços gratuitos da internet que facilitam a tanto a localização de rotas e mapas quanto a hospedagem de videoaulas que estão acessíveis a outros meios de busca que não sejam exclusivamente do sistema SiTAV, aumentando a abrangência e divulgação do projeto. O resultado final do projeto SiTAV superou as expectativas, que teve como tema primário atualizar um sistema legado de treinamento de acuidade visual que era instalada individualmente em cada terminal rodando sobre a plataforma MsDOS, para um novo projeto moderno baseado no acesso via internet com linguagens de programação e ferramentas de desenvolvimento atuais, todavia o projeto se estendeu e foi implementado o controle de acesso de usuário, videoaulas, download de artigos e programas, mapa de localização online, idiomas, grupos relacionados de categorias e subcategorias, agendamento de prova, provas online, backup manual do sistema, backup automático do sistema, relatório individual, relatório geral detalhado, relatório geral agrupado, relatório geral de exportação, relatório de exportação individual, relatório de categoria, relatório de prova, relatório de controle de acesso e controle de versão. Os dados que se encontram armazenados no banco de dados MySQL referente às atividades de treinamento realizadas pelos avaliadores no projeto SiTAV podem ser exportados nos formatos de planilha de cálculos.xls, no formato de texto com separador por (Tab).txt ou no formato de texto com separador por (;).txt, para a utilização dos mesmos em software estatísticos específicos para revelar padrões, tendências e possíveis erros que não são perceptíveis com a observação dos dados isolados. O projeto SiTAV cumpriu as metas propostas inicialmente e avançou satisfatoriamente em função dos recursos tecnológicos aplicados às técnicas de pesquisa fitopatológicas envolvidas em torno do projeto, tornando-se um sistema que inspira segurança, confiabilidade e credibilidade no treinamento realizado. 56

79 5 REFERÊNCIAS BAYUK, L.J.; BENITO, Miguel de; Ottenheimer, Afan. PHPlot Reference Manual: The PHPlot Documentation Team. Disponível em <http://phplot.sourceforge.net/phplotdocs/>. Acesso em: 22 Nov CANONICAL, Ltd. Kubuntu and KDE Disponível em: <http://www.canonical.com>. Acesso em: 17 Nov COSTA, Carlos J. Desenvolvimento para Web. Mota Veiga-Lisboa: Lusocredito, DICE Holdings, Inc. PHPlot: A PHP class for creating graphs, plots, chart. Disponível em: <http://sourceforge.net/projects/phplot/>. Acesso em 11 Out EIS, Diego. Tableless. Uma breve história do CSS. Disponível em: <http://campus.tableless.com.br/2012/04/propriedades-de-texto>. Acesso em: 20 Nov FSF, Free Software Foundation. General Public Licence GPL. Disponível em: <http://www.fsf.org>. Acesso em: 17 Nov GIMP Image Manipulation Program. Gimp 2.8. Disponível em: <http://www.gimp.org>. Acesso em 20 Fev GOOGLE Inc. Google Maps: Mapa de localização do NBA-UEM. Disponível em: <https://maps.google.com/>. Acesso em 15 jan GUIA FOCA, GNU/Linux. Guia foca linux avançado: Apache. versão 6.43, p , 5 Set Disponível em: <http://www.guiafoca.org>. Acesso em: 20 Nov INKSCAPE Draw Freely. Inkscape Disponível em: <http://www.inkscape.org/pt>. Acesso em 2 Fev JULIATTI, Fernando Cezar; CRATO, Fausto Fernandes do; JULIATTI, Fernanda Cristina; COUTO, Karla Rodrigues; JULIATTI, Breno Cezar Marinho. Escala diagramática para avaliação da severidade de mofo branco em soja. Biosci. J., Uberlândia-MG, v.29, n.3, p , May./Jun., KUBUNTU.org. Kubuntu with KDE Disponível em: <http://www.kubuntu.org>. Acesso em: 7 Nov MOZILLA Developer Network. JavaScript: Redirected from JavaScript Redirect 1. Disponível em: <https://developer.mozilla.org/en-us/docs/web/javascript?redirectlocale=en- US&redirectslug = JavaScript>. Acesso em: 28 Nov MYSQL.COM. MySQL Communuty Server v Disponível em: <http://www.mysql.com>. Acesso em: 8 Nov NETBEANS.Org. NetBeans IDE Disponível em: <http://netbeans. org/index.html>. Acesso em: 22 Nov NETCRAFT Ltd. May 2010 web server survey. Mai Disponível em: <http://news.netcraft.com/archives/2010/05/14/may_2010_web_server_survey.html>. Acesso em: 7 Nov

80 NÚCLEO de Pesquisa em Biotecnologia Aplicada (NBA), Universidade Estadual de Maringá (UEM). Manipulação de imagem. UEM, Maringá-PR, PHP Hypertext Preprocessor. PHP Language v Disponível em: <http://www.php.net/>. Acesso em: 7 Nov PHPMYADMIN. PhPMyAdmin v Disponível em: <http://www.phpmyadmin.net/home_ page/index.php>. Acesso em: 8 de Nov PREE, W. Design Patterns for Object-Oriented Software Development. Addison-Wesley, Reading, Mass, p.268, SILVA, Mauricio Maujor Samy. Maujor. Introdução ao CSS. 11 Mar Disponível em: <http://www.maujor.com/tutorial/intrtut.php>. Acesso em: 20 Nov SOBCZAK, Maicon. Webmaster. CSS: Princípios. Disponível em: <http://www.webmaster.pt/cssprincipios-890.html>. Acesso em: 20 Nov TECHSMITH, Corporation. Camtasia Studio 8. Disponível em: <http://www.techsmith.com/ camtasia.html>. Acesso em 05 Jun THE APACHE SOFTWARE FOUNDATION. Apache HTTP Server Projet v2.4. Disponível em:<http://httpd.apache.org>. Acesso em: 7 Nov THE JQUERY, Fundation. Framework Jquery Disponível em: <http://jquery.com>. Acesso em: 7 Dez TINYMCE, Javascript WYSIWYG Editor. TinyMCE with JQuery. Disponível em: <http://www.tinymce.com/download/download.php>. Acesso em 8 Set VALE, F.X.R.; FERNANDES FILHO, E. I.; LIBERATO, J.R. Quant: A software for plant disease severity assessment. 8th International Congress of Plant Pathology, Christchurch, New Zealand, Abstract 8.18, p.105, W3C BRASIL. Recomendações para o desenvolvimento e interpretação de conteúdo destinados a web. Disponível em: <http://www.w3c.br/>. Acesso em: 03 Dez

81 CAPÍTULO 3 USABILIDADE DO SISTEMA WEB SITAV

82 RESUMO Esta dissertação aborda a usabilidade do Sistema de Treinamento em Acuidade Visual (SiTAV) baseado nas recomendações da World Wide Web Consortium (W3C) de visualização de tela limpa, cores pasteis, fontes legíveis, elementos gráficos e imagens com boa definição e resolução. O acesso ao sistema pode ser feito por diferentes equipamentos com tamanhos e formatos distintos, desde que possua acesso à internet como o desktop, notebook, tablet ou smarphone. A configuração inicial do SiTAV envolve o cadastro dos usuários e atribuições dos atores específicos e suas permissões de acesso ao sistema, regido por uma política de segurança bem definida, assim como o cadastro do banco de imagens com diversos níveis de severidade de doenças de plantas que serviram para realização do treinamento de acuidade visual dos avaliadores e por fim o cadastro de categorias que relacionam as instituições de ensino ou empresas e a subcategoria que armazena informações das turmas ou departamentos. A realização do treinamento em acuidade visual é o foco do sistema, melhorando a precisão e acurácia do avaliador, que conta com feedback do sistema em cada treinamento realizado com dados numéricos, gráficos de barras e de linhas, para o acompanhamento do desempenho e evolução do avaliador. Outras implementações foram realizadas para tornar o sistema mais atrativo e confiável com o ranking, prova online, envio de automático de alerta pelo sistema, idiomas, relatórios de gestão de treinamentos e administrativos, exportação dos dados de treinamento armazenados no banco de dados MySQL para os formatos (.xls) e (.txt), realização de backup do sistema e o controle de versão. A validação do sistema contou com setenta e três acadêmicos que testaram o sistema, deram sugestões de melhorias no projeto, realizaram acesso ao sistema de diversos equipamentos e por fim realizaram a prova online, obtendo como média geral entre todos os avaliadores 71% de aproveitamento do treinamento da precisão e acurácia dos avaliadores em avaliação da severidade de doenças de plantas, valor percentual este considerado aceitável para a validação do projeto SiTAV, podendo-se afirmar que os objetivos do projeto foram alcançados com sucesso. Palavras-chave: usabilidade, treinamento, validação. 60

83 ABSTRACT This dissertation addresses the usability of Sistema de Training System on Visual Acuity - SiTAV under World Wide Web Consortium (W3C) recommendations of the clean viewing, pastel color, readable fonts, graphics and images with good definition and resolution. Access to the system can be done by different devices with different sizes and shapes, as long as you have internet access on desktop, notebook, tablet or smarphone. SiTAV initial configuration involves the user s registration of and roles to defined actors and their access permissions system, governed by a well-defined security policy, besides the image database registration with different levels of plant diseases severity, which served to perform the visual acuity training of evaluators, and still, the registrations categories relate with educational institutions or companies and the subcategory that stores information from classes or departments. The accomplishment of the training in visual acuity is the focus of the system, improving the precision and accuracy of the evaluator, who has system feedback for each conducted training, with numerical data, bars and lines graphs, to monitor the evaluator performance and progress. Other implementations were added to make the system more attractive and reliable, with rankings, online test, sending automatic alert, optional languages, training management and administrative reports, exported from training data stored in the database MySQL to formats (.xls) and (.txt), system backup and versioning. The validation of the system contained seventy-three academics, who tested the system, gave suggestions for improvements in design, accessed the system from several equipment and also performed the online test, getting 71% general mean of all evaluators yield from their precision and accuracy training in evaluating the severity of plant diseases, percentage considered acceptable to validate the SiTAV project, which may affirm that the project objectives were successfully achieved. Keywords : usability, training, validation. 61

84 1. INTRODUÇÃO Os métodos de usabilidade empregados no website Sistema de Treinamento em Acuidade Visual (SiTAV) visam facilitar o processo de ensino aprendizagem por parte do avaliador em seu treinamento de acuidade visual aprimorando a sua precisão e acurácia na mensuração de lesões em doenças de plantas. Usabilidade é um termo técnico em Interação Humano-Computador (IHC), área da Ciência da Computação, que estuda como avaliar e melhorar a relação de interação entre o usuário e o software, dependendo de algumas características como a satisfação do usuário, eficiência do software, a facilidade de aprendizagem pelos usuários, entre outras. As pesquisas na área de software web abordam sobre as técnicas de avaliação de usabilidade empregadas en relação aos resultados e a quantificação da eficiência destas técnicas, com isso, através dos processos de qualificação e validação do software avaliado, procura-se identificar os problemas de usabilidade e sugerir meios para resolvê-los (FREITAS et al., 2009). A abordagem do estilo de programação orientado a objetos usa a reutilização do código fonte para agilizar a programação, facilitar a manutenção do software, integrar outras tecnologias ao projeto de forma mais transparente, sendo empregada em linguagens de programa robustas e dinâmicas (LIMA, 2012). O projeto SiTAV integra várias tecnologias diferentes devido à reutilização de código fonte, passagem de dados por parâmetros entre as implementações, validação dos dados de forma independente e a facilidade de manutenção do software. Para representar graficamente as etapas do software e o papel que cada ator possui dentro do sistema, assim como suas permissões de acesso, utilizou-se a Linguagem Modelada Unificada (UML) que aborda de forma de forma simples os elementos fundamentais para as especificações e análises para o processo de desenvolvimento do software. Estudos em website de cursos de treinamento online são relevantes porque facilitam a capacidade de manipulação do software e auxiliam na aprendizagem do usuário, neste aspecto a realização de testes entre os acadêmicos, equipe de produção de material didático, administradores, professores, administradores, desenvolvedores, entre outros, é importantes para que possam dar sugestões com relação à funcionalidade, à interação, ao feedback, ao design e sobre a característica do software de confundir ou facilitar o usuário no processo de ensino e aprendizagem (FREITAS et al., 2009). A descrição das etapas em ordem cronológica para realizar a configuração inicial do projeto SiTAV, os cadastramentos básicos como do usuário como ator Desenvolvedor e o 62

85 cadastro do banco de imagens da cultura com diferentes níveis de lesões de doenças de plantas que servirão para a realização do treinamento da acuidade visual dos avaliadores, são ações primárias e essenciais para o funcionamento do website. Posteriormente serão cadastrados os usuários e atribuídos seus atores e permissões de acesso ao sistema para que possam realizar seus treinamentos, os quais geram uma quantidade significativa de dados armazenados no banco de dados do projeto, que alimentarão relatórios e serão exportados para serem analisados em programas específicos da área estatística. Para melhor compreensão e entendimento, este capítulo encontra-se divido em um breve referencial teórico sobre as técnicas de programação empregadas no projeto SiTAV, assim como a descrição das etapas, telas, formas de utilização e codificação do código fonte empregadas, na sequência a abordagem dos resultados e discussões, finalizando com as referências utilizadas na pesquisa. 63

86 2. USABILIDADE DO SISTEMA WEB SITAV Para se compreender os princípios da orientação a objetos, primeiramente precisa-se pensar orientado a objeto e para isso é necessário ter em mente os conceitos de orientação a objetos, objeto e abstração. O conceito de objeto diz respeito a tudo aquilo que se aprende a partir do conhecimento e que não seja o sujeito principal deste conhecimento, sendo perceptível por qualquer sentido, assim como: uma peça, uma matéria, um assunto, o que pode ser pensado ou repensado, um artigo de compra e venda, ente outros (LIMA, 2012, p.19). Um objeto é algo normalmente estruturado a partir do escopo do problema e do escopo da resolução (BOOCH et al, 2012, p.12). A abstração refere-se ao ato de se desmembrar item a item os elementos de algo que é um todo e complexo, o qual somente na imaginação é possível subsistir fora desse todo, o que pode gerar um conceito, um elemento de classe, um termo, uma ideia, entre outros (LIMA, 2012, p.19). Desta forma o conceito de orientação a objetos sugere uma abstração do mundo real e atraindo vantagens como a reutilização de partes dos elementos envolvidos na programação, como o código fonte, os requisitos, as análises, projeto e especificações, possibilitando maior produtividade através da tomada de processos, regras de negócio específicas de cada empresa e facilitando o desenvolvimento do software (LIMA, 2012, p.18). Observando o desenvolvimento de software de forma contemporânea, fica evidente a adoção de uma concepção de programação orientada a objetos, na qual o princípio de construção do software é baseado em objeto ou na classe. No qual a classe refere-se a um conjunto de objetos comuns a todo o sistema (BOOCH et al, 2012, p.12). A metodologia aplicada à orientação a objetos no desenvolvimento de software é vista como uma parte do fluxo principal do software, o qual foi provado o valor para desenvolvimento de sistemas para resolução de qualquer tipo de problema, qual quer que seja o grau ou complexidade do mesmo. A maioria dos sistemas operacionais, linguagens de programação e ferramentas de desenvolvimento possui algum formato de orientação a objetos, o que assegura a visão global de objetos (BOOCH et al, 2012, p.12-13). Para representar graficamente o esboço das etapas do desenvolvimento de um software, utiliza-se a Unified Modeling Language / Linguagem Modelada Unificada (UML), que se trata de uma linguagem gráfica para especificação, análise, visualização, construção e a documentação de artefatos para o desenvolvimento de software orientado a objetos através de 64

87 notações comuns (LIMA, 2013, p.27-30). O mesmo autor afirma que na área da tecnologia da informação, a criação de modelos de software exige uma UML que englobe elementos com formatos visuais que representem conceitos e uma notação simples porém poderosa desses elementos. Segundo Booch et al (2012, p.12-13), a linguagem UML é uma linguagem de padronização e criação da estrutura para o desenvolvimento de software e, além de flexível é totalmente extensível e não depende de nenhuma linguagem de programação, assegurando a liberdade para utilizar qualquer metodologia, processo ou linguagem de programação, reportando-se com clareza para os usuários ou desenvolvedores através de uma notação padrão. Um software pode ser modelado em UML descrevendo seus modelos, sendo que qualquer desenvolvedor ou ferramenta de desenvolvimento poderá interpretá-lo sem ambiguidades, uma vez que a UML declara o que está descrito em termos gráficos e a linguagem de programação declara o que está descrito em termos textuais. Dentro da estrutura básica da UML encontra-se o Caso de Uso, que atende as necessidades do cliente, também serve como uma forma de contrato entre desenvolvedor e cliente. O software é visualizado sob a perspectiva do usuário, isso coloca o caso de uso em uma posição central, tornando-se base para as demais visões, desenhos, análises, implementações, testes e planejamento para desenvolvimento do software. A representação do caso de uso é feita através de elementos gráficos, como um símbolo de um ator conectado por um traço, que demonstra a associação a uma elipse (LIMA, 2013, p.55-57). Os diagramas de caso de uso encontram-se disponíveis na UML para realizar a modelagem das características dinâmicas do software, é fundamental na modelagem dos componentes do software e demonstra um conjunto de caso de uso, atores e relacionamentos. Os diagramas de caso de uso são imprescindíveis na visualização, especificação e documentação dos componentes do software. Esses diagramas possibilitam que o software e classes tornem-se acessíveis e compreensíveis, através de uma visão externa sobre como os componentes encontram-se dispostos e relacionados no contexto (BOOCH et al, 2012, p ). A ferramenta utilizada na modelagem UML do projeto SiTAV foi a Astah Professional, desenvolvida pela empresa japonesa Change-Vision Inc., em 2006, derivada do projeto descontinuado JUDE (Java and UML Developers Environment / Ambiente para Desenvolvimento UML em Java). A ferramenta Astah atualmente encontra-se na versão 6.7 e por se tratar de uma ferramenta proprietária possui um custo para licença de uso no valor de U$ (Oitenta e nove dólares americanos), todavia a versão utilizada no projeto SiTAV foi 65

88 a versão Free Student Edition, que oferece gratuidade do pagamento da licença de uso por um ano para estudantes devidamente cadastrados. A ferramenta possui as funcionalidades principais de gerar os diagramas de: caso de uso, classe, sequência, colaboração, estado, atividade, implantação, componentes, exportar imagens para os formatos [.jpg.png.gif.emf.svg], gerar código fonte para as linguagens de programação [Java, C#, C++, PHP] (CHANGE, 2014). 66

89 3. MATERIAIS E MÉTODOS O website Sistema de Treinamento em Acuidade Visual SiTAV encontra-se disponível aos avaliadores através da URL [http://www.hudsonss.com.br/sitav] que possui uma sessão pública com informações relevantes ao sistema e a sessão privada onde se faz necessário um cadastramento e checagem dos dados para permitir o acesso através de um login e senha únicos a cada usuário. O projeto SiTAV possui uma política de segurança bem definida quanto ao acesso do usuário ao sistema, tanto em nível de permissão do ator quanto na situação de disponibilidade atual. O nível de permissão por ator refere-se à principal ação permitida ao usuário dentro do sistema Sitav, conforme Tabela 1. Tabela 1. Nível de permissões por ator atribuídas ao usuário do sistema SiTAV NÍVEL PERMISSÃO DESCRIÇÃO 0 Visitante Acesso a sessão pública do sistema 4 Sitav Realiza cadastro de novos avaliadores 1 Temporário Realiza a confirmação e autenticação dos dados cadastrais 3 Avaliadores Realiza o treinamento 5 Professor Gerencia os avaliadores 7 Orientador Manipula os dados de exportação 10 Desenvolvedor Gerencia o sistema A situação de disponibilidade atual refere-se à situação cadastral que se encontra o usuário atualmente no sistema SiTAV, sendo alterada exclusivamente pelo desenvolvedor do sistema, conforme Tabela 2. Tabela 2. Situação de disponibilidade atual do usuário no sistema SiTAV NÍVEL SITUAÇÃO DESCRIÇÃO t a Temporário Ativo Usuário recém cadastrado, porém seu cadastrado encontra-se aguardando a confirmação e autenticação Usuário autentica, com permissão de acesso atribuída: avaliador, professor, orientador, desenvolvedor i Inativo Usuário inativo, com acesso as sessões privadas bloqueadas temporariamente Os atores papeis de permissão de usabilidade disponíveis aos usuários dos serviços do projeto SiTAV são: visitante, sitav, temporário, avaliador, professor, orientador, desenvolvedor, conforme Figura 1. 67

90 A hierarquia encontrada no diagrama de caso de uso de atores, que representa a permissão de acesso do usuário do website do projeto SiTAV indica em ordem crescente desde o primeiro ator Visitante, que possui a permissão mais restrita com acesso a sessão pública do projeto até o último ator Desenvolvedor, que possui acesso irrestrito a todo o projeto. As posições intermediárias dos atores possuem a característica de serem acumulativas, por exemplo, o ator Avaliador acumula os privilégios de acesso dos atores anteriores Visitante, Sitav e Temporário, além de suas próprias atribuições de permissões de acesso. Todavia é possível via programação da linguagem PHP restringir o acesso de uma determinada ação/acesso de qualquer ator, independente de sua posição na tabela hierárquica de nível de permissão por ator (Tabela 1). Figura 1. Diagrama de caso de uso, Atores papeis permissão de usabilidade disponível aos usuários. 68

91 O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como Visitante no projeto SiTAV possui permissão de acesso à sessão pública, que tem como finalidade promover a divulgação dos serviços prestados pelo projeto e disponibiliza as permissões de acesso nas páginas: home, história, parceiros, videoaula, download, localização, contato, ajuda equipe e ajuda sobre, conforme Figura 2. Figura 2. Diagrama de caso de uso: Visitante, permissão de usabilidade disponível ao usuário. O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como Sitav no projeto SiTAV possui permissão atribuída automaticamente, exclusivamente para realização do cadastro de um novo avaliador, disponibilizando permissão de acesso à sessão privada de cadastro do avaliador, conforme Figura 3. Figura 3. Diagrama de caso de uso: Sitav, permissão de usabilidade disponível ao usuário. O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como 69

92 Temporário no projeto SiTAV possui permissão atribuída automaticamente ao usuário recém cadastrado, que esteja aguardando a confirmação e autenticação de seus dados cadastrais, disponibilizando permissão de acesso que automaticamente incorpora as permissões de acesso do papel do usuário Visitante permitindo acesso ao cadastro de avaliador, conforme Figura 4. Figura 4. Diagrama de caso de uso: Temporário, permissão de usabilidade disponível ao usuário. O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como Avaliador no projeto SiTAV possui permissão atribuída automaticamente após a confirmação e autenticação de seus dados cadastrais, disponibilizando permissão de acesso que automaticamente incorpora as permissões de acesso do papel do usuário Temporário permitindo acesso ao treinamento, consulta de agendamento de prova, provas online, relatório ranking com experiência, relatório ranking sem experiência, relatório individual, download privado, conforme Figura 5. 70

93 Figura 5. Diagrama de caso de uso: Avaliador, permissão de usabilidade disponível ao usuário. O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como Professor no projeto SiTAV possui permissão atribuída manualmente pelo desenvolvedor do sistema, após a confirmação e autenticação de seus dados cadastrais e a atribuição automática do papel de Avaliador pelo sistema SiTAV, disponibilizando permissão de acesso que automaticamente incorpora as permissões de acesso do papel do usuário Avaliador permitindo acesso ao cadastro de prova, cadastro de idioma, relatório geral detalhado, relatório geral agrupado, relatório exportação geral, relatório exportação individual, relatório de categorias, relatório de provas, relatório controle de acesso, conforme Figura 6. 71

94 Figura 6. Diagrama de caso de uso: Professor, permissão de usabilidade disponível ao usuário. O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como Orientador no projeto SiTAV possui permissão atribuída manualmente pelo desenvolvedor do sistema, após a confirmação e autenticação de seus dados cadastrais e a atribuição automática do papel de Avaliador pelo sistema SiTAV, disponibilizando permissão de acesso que automaticamente incorpora as permissões de acesso do papel do usuário Professor permitindo acesso à manipulação de dados estatísticos, conforme Figura 7. 72

95 Figura 7. Diagrama de caso de uso: Orientador, permissão de usabilidade disponível ao usuário. O diagrama de caso de uso das permissões do usuário categorizado como Desenvolvedor no projeto SiTAV possui permissão atribuída manualmente pelo desenvolvedor do sistema, após a confirmação e autenticação de seus dados cadastrais e a atribuição automática do papel de Avaliador pelo sistema SiTAV, disponibilizando permissão de acesso que automaticamente incorpora as permissões de acesso do papel do usuário Orientador permitindo acesso ao cadastro imagem, suporte membros e permissões, backup automático, backup manual, consulta backup, quem sou, código fonte do projeto, banco de dados MySQL, ferramenta PHPMyAdmin, acesso a hospedagem web do projeto, edição gráfica de imagem, geração de gráficos do sistema, codificação do serviço de rotas e mapas, gravação e edição de videoaulas e criação da arte gráfica do cartão de visita, conforme Figura 8. Figura 8. Diagrama de caso de uso: Desenvolvedor, permissão de usabilidade disponível ao usuário. 73

96 Após a definição do ator Desenvolvedor, é possível realizar o cadastro das imagens com doenças de plantas que serão avaliadas durante o treinamento. A imagem digitalizada registrada por uma câmera digital ou escaner, normalmente possui uma resolução alta acarretando um tráfego de dados grande na rede e um atraso no carregamento das imagens, tornando-se inviável a utilização das mesmas nestas condições no projeto SiTAV. A solução encontrada foi editar cada uma das imagens a serem utilizadas no projeto SiTAV antes de realizar o upload da imagem, como no exemplo, as imagens de frutos de laranja verde e maduras com lesões de doenças de plantas provenientes da doença de Cancro Cítrico causadas pela bactéria Xanthomonas citri sub citri, forma editadas através de um software de edição de imagem denominado Gimp, sendo padronizadas com o tamanho de 400 pixels de largura por 300 pixels de altura, o que gerou uma nova imagem com aproximadamente 35 Kb, este peso da nova imagem é tangível de ser transferido rapidamente pelas redes de computadores, mesmo em conexões de internet lentas, sendo possível realizar o acesso até mesmo via conexão 2G da telefonia celular móvel ou mesmo em um laboratório de informática sendo realizado o acesso ao sistema SiTAV por dezenas de avaliadores simultaneamente. O procedimento para registrar um nova imagem no projeto SiTAV inicia com a realização do usuário através de seu login e senha particular e intransferível a autenticar-se e assumir o papel do ator Desenvolvedor do sistema, o que lhe dá privilégios de acessar a sessão de cadastro de imagens. É necessário criar um cadastro da Cultura primeiramente, a qual será reutilizada para todas as imagens da mesma categoria, acessando o menu Cadastro/Cultura e preenchendo os dados do formulário: cultura, escala diagramática [upload da imagem da escola], legenda, fonte, observação, situação [ativo/inativo], conforme Figura 9. 74

97 Figura 9. Tela do formulário de Cadastro de Cultura. Para realizar o registro de uma nova imagem no banco de imagens, é preciso acessar o menu Cadastro/Imagem/Upload Imagem e preencher o formulário: descrição, imagem original [upload da imagem devidamente editada anteriormente], severidade [valor da severidade real da lesão de doença de planta calculada pelo software Quant], conforme Figura 10. Figura 10. Tela do formulário de Cadastro de Banco de Imagem. Após o cadastramento das imagens, é possível realizar uma consulta listando todas as imagens cadastradas, ordenadas pela descrição, valor da severidade e tipo da cultura, respectivamente. Para auxiliar na localização de uma imagem o SiTAV disponibiliza um filtro para pesquisa que pode ser consultado através de qualquer um dos campos código, descrição e severidade, conforme Figura 11. Clicando sobre o link da descrição, esta imagem será encaminhada a uma tela de edição onde é possível realizar a alteração dos dados e até mesmo 75

98 substituir a imagem, conforme Figura 12. Figura 11. Tela do formulário de Cadastro de Banco de Imagem Consulta. Figura 12. Tela do formulário de Cadastro de Banco de Imagem Alteração. O próximo cadastro de configuração prévia do projeto SiTAV necessário que seja realizado é o cadastro de Categoria e Subcategoria, que será utilizado durante o processo de cadastramento dos avaliadores, em forma de um dado fixo em uma caixa de seleção combobox, o qual não poderá ser alterado, somente selecionado. Para realizar o cadastro de Categoria e Subcategoria é necessário acessar o menu Cadastro/Categoria e preencher os dados do formulário Categoria: [nome da instituição / empresa] e em Subcategoria: [ano- 76

99 semestre curso disciplina período turma sala / departamento]. Abaixo do formulário consta a listagem subdividida entre os itens categoria e subcategoria, e para editar os dados é necessário clicar no item desejado, seja link da categoria ou da subcategoria. As operações de salvar, alterar e excluir encontram-se no mesmo formulário, conforme Figura 13. Figura 13. Tela do formulário de Cadastro de Categoria e Subcategoria: salvar/alterar/excluir. O cadastro de novo avaliador pode ser realizado através de um usuário logado como ator Professor, Orientador, Desenvolvedor ou de realizado uma nova autenticação com login: [sitav] e senha: [sitav], preenchendo todos os campos do formulário de Cadastro de Avaliador e clicando no botão Salvar a página será redirecionada para inserir os dados do login e após será redirecionada novamente para inserir a fotografia do avaliador que (dependendo o sexo do avaliador informado no momento do cadastro, aparecerá como fotografia padrão a sombra de uma caricatura masculina ou feminina), então será informado por meio de uma mensagem na tela que os dados de confirmação, link login e a senha [criptografada pelo sistema SiTAV] foram enviados automaticamente para a caixa de entrada do do avaliador, que o mesmo deve acessar o link para fazer a autenticação e alterar a sua senha. Outras opções disponíveis para os atores Professor, Orientador e Desenvolvedor referentes ao cadastro do avaliador são: alterar dados, alterar senha, relatório, exportação de relatórios, bloquear, reenviar senha, foto, temporário, inativo e limpar. 77

100 A opção alterar dados irá alterar os dados do avaliador que está no formulário de edição, a opção alterar senha irá alterar a senha do usuário que esteja logado no momento e não a senha do cadastro que está em edição, a opção relatório redirecionará para a página de Relatório Individual, a opção exportação de relatório redirecionará para a página de Relatório de Exportação Individual, a opção bloquear realizará o bloqueio temporário do avaliador ao sistema SiTAV, sendo necessário realizar o desbloqueio do mesmo manualmente, na opção reenviar senha e o sistema SiTAV irá enviar uma nova senha criptografada com 8 dígitos alfanuméricos juntamente com um link para autenticação que será encaminhado ao e- mail do avaliador, a opção foto permitirá realizar a troca da fotografia do avaliador, a opção temporário listará os usuários que ainda não clicaram no link incluso para autenticação que está no enviado automaticamente pelo sistema SiTAV ao avaliador, a opção inativo lista os avaliadores que se encontram bloqueados e com a opção do campo de cadastro situação marcada como i de inativo, a opção limpar apaga todos os dados que se encontram preenchidos no formulário de cadastro de avaliador, conforme Figura 14. Figura 14. Tela do formulário de Cadastro de Avaliador. Após a configuração prévia do projeto SiTAV realizada com o cadastro da imagem da cultura e o cadastro do usuário e sua autenticação realizada com sucesso, tendo seu ator 78

101 Avaliador atribuído o seu perfil, é possível realizar o treinamento de acuidade visual do avaliador, acessando o menu Treinamento/Início e configurando o seu treinamento selecionando o Número de Avaliações em uma caixa de seleção com as opções [5, 10, 15, 20, 25, 30, 40, 50, 60, 70, 80, 90, 100], o Tipo de Cultura em uma caixa de seleção com a opção [1 LARANJA FRUTO], o Nível de Severidade que tem como opção um grupo de marcadores que permite a seleção de apenas um item entre eles e por fim selecionar Escala Diagramática com a opção na caixa de seleção se for selecionada indica com auxílio e se permanecer desmarcada indica sem o auxílio da escala diagramática, conforme Figura 15. Os termos Treinamento e Treino comumente utilizados no projeto SiTAV possuem significados distintos o termo Treino significa a tentativa individual de análise de cada imagem da cultura pelo avaliador para detectar a porcentagem da lesão de doença de planta (Figura 16) e o termo Treinamento significa o procedimento da configuração inicial do treinamento com número de avaliações (treino) a serem realizadas pelo avaliador (Figura 15). Figura 15. Tela de configuração inicial do treinamento. Na tela de treinamento o avaliador visualizará os dados que foram pré-selecionados anteriormente com o nível de severidade, a quantidade de tentativas corrente e a total, a cultura, a quantidade de avaliações, imagem da cultura com a severidade de doenças de plantas a ser avaliada, o campo Estimativa no qual o avaliador irá inserir um valor inteiro referente a severidade que ele julgar ser preciso para aquela imagem da cultura visualizada no 79

102 momento, o botão OK tanto pode ser clicado ou pressionado ou a tecla Enter do teclado do computador para enviar a estimativa do avaliador para a análise, visualização da escala diagramática com a legenda explicativa logo abaixo e a fonte da referência de onde foi retirada esta escala diagramática, conforme Figura 16. Figura 16. Tela de treinamento de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com o auxílio da escala diagramática. Na sequência o avaliador digita o valor estimado em seu campo correspondente e clica no botão OK, o sistema SiTAV irá automaticamente analisar, comparar e visualizar na tela a resposta entre o valor da severidade real armazenada no banco de dados MySQL com o valor estimado pelo avaliador juntamente com imagem da cultura que serviu como base para o treinamento. Neste momento o avaliador inconscientemente fará uma análise comparando o valor real com o estimado tendo a imagem da cultura como suporte visual para auxiliar em seu treinamento. O botão Próximo pode ser clicado ou pressionado ou a tecla Enter do teclado, para encaminhar o avaliador para o próximo treinamento, conforme Figura

103 Figura 17. Tela de treinamento de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com o auxílio da escala diagramática, visualizando o comparativo entre o valor da severidade real com o valor estimado pelo avaliador, juntamente com a imagem da cultura que serviu de base para o treino. A forma de seleção na qual a imagem será disponibilizada para análise do avaliador em seu treino é feita automaticamente por um algoritmo do projeto SiTAV que obedece a dois critérios: o primeiro é a seleção manual do avaliador no momento da configuração de seu treinamento do tipo de cultura e entre um dos seis níveis de severidade disponíveis no menu Treinamento/Início e o segundo é a consulta realizada internamente pelo algoritmo do sistema SiTAV ao banco de dados MySQL sobre quais imagens atendem a cultura e o nível de severidade selecionado manualmente pelo avaliador. O resultado desta consulta ao banco de dados será uma lista Array com o número identificador id_imagem de cada imagem a ser analisada pelo avaliador. Após a formação da lista Array do número identificador de imagens, é possível realizar uma busca randômica nesta lista, o que resultara em apenas um número identificador [$sorteio = rand(0, $ndados-1);]. Para realizar o treino no avaliador o número identificador será consultado novamente no banco de dados MySQL para que seja retornado o endereço físico que a imagem correspondente ao número identificador possui. De posse do número identificador juntamente com o endereço correspondente da imagem, a mesma pode ser disponibilizada ao avaliador em seu treinamento, conforme Figura

104 <? // CONFIGURACAO INICIAL if($acao=="treinoconfig"){ // CRIA SESSAO if($qtd_tentativa_==0) {$qtd_tentativa_=1;} $_SESSION["s_qtd_tentativa"] = $qtd_tentativa_; if($id_cultura==0) {$id_cultura=1;} $_SESSION["s_id_cultura"] = $id_cultura; include("banco/conecta.php"); $culturas2=mysql_query("select cultura from tb_cultura where id_cultura='$id_cultura';"); $dados4=mysql_fetch_array($culturas2); $_SESSION["s_cultura"]=$dados4["cultura"]; $_SESSION["s_severidade"] = $severidade; $_SESSION["s_experiencia"] = $experiencia; $_SESSION["s_auxEscala"] = $auxescala; $_SESSION["s_datetime_inicial"] = data_aaaammdd_hms(); // VERIFICA NIVEL SEVERIDADE if($_session["s_severidade"] == 1){ $msg = "Severidade Nível 1: 0 a 3% "; $nivel_severidade = "0 a 3% "; $menor=0; $maior=3; } else if($_session["s_severidade"] == 2){ $msg = "Severidade Nível 2: 4 a 7% "; $nivel_severidade = "4 a 7% "; $menor=4; $maior=7; } else if($_session["s_severidade"] == 3){ $msg = "Severidade Nível 3: 8 a 21% "; $nivel_severidade = "8 a 21% "; $menor=8; $maior=21; } else if($_session["s_severidade"] == 4){ $msg = "Severidade Nível 4: 22 a 39% "; $nivel_severidade = "22 a 39% "; $menor=22; $maior=39; } else if($_session["s_severidade"] == 5){ $msg = "Severidade Nível 5: 40 a 50% "; $nivel_severidade = "40 a 50% "; $menor=40; $maior=50; } else if($_session["s_severidade"] == 6){ $msg = "Severidade Nível 6: 0 a 100%"; $nivel_severidade = "0 a 100%"; $menor=0; $maior=100; } // CONSULTA DO BANCO DE DADOS $id_cultura=$_session['s_id_cultura']; include("banco/conecta.php"); $pessoas=mysql_query("select * from tb_imagem where tipo='$id_cultura' and severidade>='$menor' and severidade<='$maior' and situacao='a'"); $ndados=mysql_num_rows($pessoas); $_SESSION["s_ndados"] = $ndados; $imagens=""; for ($i=0;$i<$ndados;$i++){ $dados=mysql_fetch_array($pessoas); $id_imagem=$dados["id_imagem"]; $img_array[$i]="$id_imagem"; $severidade=$dados["severidade"]; $severidade_array[$i]="$severidade"; } // COLOCA O ARRAY ID NA SESSION $_SESSION["s_id_sorteados"] = $img_array; $_SESSION["s_severidade_sorteados"] = $severidade_array; // REDIRECIONAMENTO PARA ESTIMATIVA echo "<meta HTTP-EQUIV='refresh' CONTENT='0; URL=index.php?menu=treinamento/treinamento&msg=$msg&nivel_severidade=$nivel_severidade&tentat iva=1&qtd_tentativa=$qtd_tentativa_&img_array=$img_array&acao=estima'>"; } 82

105 ?> // ESTIMATIVA DO AVALIADOR <? // SORTEIO UMA IMAGEM RANDOMICO DENTRO DO ARRAY $id_sorteados = $_SESSION["s_id_sorteados"]; $ndados = $_SESSION["s_ndados"]; $sorteio = rand(0, $ndados-1); $id_sorteado = $id_sorteados[$sorteio]; $severidade_sorteado = $_SESSION["s_severidade_sorteados"][$sorteio]; $_SESSION['ti_id_img_sorteados'][$tentativa] = $id_sorteado; // TREINO INDIVIDUAL // CONSULTA NO BANCO PARA BUSCAR A IMAGEM SORTEADA include("banco/conecta.php"); $pimagem=mysql_query("select * from tb_imagem where id_imagem='$id_sorteado'"); $dados2=mysql_fetch_array($pimagem); $id_imagem=$dados2["id_imagem"]; $img_original=$dados2["img_original"]; // REDIRECIONA PARA O CÁLCULO unset($_session["s_img_original"]); // MATA A SESSAO $_SESSION["s_img_original"] = $img_original;?> Figura 18. Trecho do código fonte de seleção randômica da lista Array de imagens que serão analisadas pelo avaliador em seu treinamento. Ao fim do treinamento, após 5 (cinco) treinos, conforme o exemplo adotado, o sistema SiTAV redirecionará para a página de Resultado do Treinamento onde o avaliador terá um resumo do valor médio do seu treinamento, através dos dados: cultura [cultura selecionada na configuração do treinamento], nível de severidade [nível de severidade selecionado na configuração do treinamento], auxílio da escala diagramática [se ouve ou não a visualização da escala diagramática como fonte de auxílio ao treino], experiência do avaliador [se o avaliador possui ou não experiência em avaliação desta cultura], tempo parcial de treinamento [tempo corrente em minutos que o avaliador demorou para realizar o treino, calculado automaticamente pelo sistema SiTAV resultante do horário final subtraído do horário inicial do treino], quantidade de tentativas [quantidade de treinos escolhidos], valor da avaliação [valor calculado automaticamente pelo sistema SiTAV], subestimado [valor calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, através da média (valor estimado é inferior ao valor da severidade real), do treinamento 5 (cinco) treinos do exemplo], preciso [valor calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, através da média (valor estimado é igual ao valor da severidade real), do treinamento 5 (cinco) treinos do exemplo], superestimado [valor calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, através da média (valor estimado é superior ao valor da severidade real), do treinamento 5 (cinco) treinos do exemplo], gráfico [ilustra a acurácia do avaliador através da média dos resultados do treinamento dos valores subestimado, preciso e superestimado]. A imagem do gráfico foi gerada através da biblioteca PHPlot, conforme Figura

106 Figura 19. Tela de resultado do treinamento de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com o auxílio da escala diagramática, visualizando os resultados alcançados pelo avaliador após o treinamento, mantendo o avaliador informado de seu progresso a cada treinamento. Uma maneira mais eficiente para o avaliador acompanhar o seu desempenho durante o treinamento é acessar o menu Relatório/Relatório Individual, selecionar um tipo de cultura específico ou total das culturas e clicar no botão Pesquisar. Assim como o resultado do treinamento apresentado anteriormente, esse Relatório Individual apresentará os dados: avaliador [nome do avaliador], data atual [data e horário da geração do relatório], os dados a seguir já foram descritos anteriormente, tais como o número de treinamentos, tempo de duração, número de avaliações, avaliação, média subestimada, média precisa, média superestimada e o gráfico. A evolução do treinamento do avaliador em termos de acurácia e precisão pode ser analisada em detalhes através da tabela de treinamento que qual possui todo os dados do treinamento, como: código do treino, data e hora do treinamento, tipo de cultura, código do treinamento, se o avaliador possui ou não experiência em avaliação desta cultura, se foi solicitado ou não o uso da escala diagramática no treinamento, qual o grau de severidade 84

107 selecionado, número de repetições de avaliações, duração em minutos, valor da avaliação, valor em porcentagem das avaliações classificadas como subestimada, valor em porcentagem das avaliações classificadas como precisa, valor em porcentagem das avaliações classificadas como superestimada e, para completar a autoanálise um gráfico em linha que favorece a visualização dos resultados da acurácia dos treinamentos do avaliador através dos dados subestimado, preciso e superestimado, conforme Figura 20. Figura 20. Tela do Relatório de Treinamento Individual de acuidade visual através da cultura de laranja fruto com e sem o auxílio da escala diagramática, visualizando os resultados alcançados pelo avaliador no decorrer do treinamento. O valor da avaliação em cada treino é atribuído como uma nota e é calculado automaticamente pelo SiTAV através de um algoritmo que executa vários cálculos matemáticos. Primeiramente o algoritmo analisa o valor estimado pelo avaliador com o valor da severidade real armazenada no banco de dados MySQL, se o valor estimado for inferior ao 85

108 valor da severidade real o treino será classificado como Subestimado, caso o valor estimado seja igual ao valor da severidade real o treino será classificado como Preciso e se o valor estimado for superior ao valor da severidade real o treino será classificado como Superestimado. Outro critério adotado para satisfazer a exigência do algoritmo é a adoção de peso para determinadas porcentagens de áreas que estão ao redor do valor da severidade real que se encontra no banco de dados MySQL, distribuído nas seguintes proporções: se o valor estimado estiver entre 0% a 0% do valor da severidade real, ou seja, for o valor exato, será atribuído Peso 4 e o treino será classificado com Excelente; se o valor estimado estiver entre 1% a 10% a maior ou a menor do valor da severidade real, será atribuído Peso 3 e o treino será classificado com Ótimo; se o valor estimado estiver entre 11% a 20% a maior ou a menor do valor da severidade real, será atribuído Peso 2 e o treino será classificado com Bom; se o valor estimado estiver entre 21% a 100% a maior ou a menor do valor da severidade real, será atribuído Peso 1 e o treino será classificado com Regular; Em suma, para que o algoritmo calcule o valor da avaliação, é obrigatório que os valores da acurácia [subestimado, preciso e superestimado] e a distribuição dos pesos [1, 2, 3 e 4] sejam passados por parâmetros internamente pelo sistema SiTAV, conforme Figura 21. // CALCULA VALOR AVALIACAO for($i=1; $i<=$qtd_tentativa; $i++){ // RECEBE VALORES 'real' E 'estimado' DO VETOR $real = $_SESSION['vetorReal'][$i]; $estimativa = $_SESSION['vetorEstimativa'][$i]; // VERIFICA ACURACIA 'subestimado' 'preciso' 'superestimado' if( $estimativa == $real){ $contadorc1++; } else if( $estimativa >= (0.9 * $real) && $estimativa < $real ){ $contadorc2++; } else if( $estimativa > $real && $estimativa <= (1.1 * $real) ){ $contadorc3++; } else if( $estimativa >= (0.8 * $real) && $estimativa < (0.9 * $real) ){ $contadorc4++; } else if( $estimativa > (1.1 * $real) && $estimativa <= (1.2 * $real) ){ $contadorc5++; } else if( $estimativa < (0.8 * $real) ){ $contadorc6++; } else if( $estimativa > (1.2 * $real) ){ $contadorc7++; } } // fecha o FOR 86

109 // CALCULA DO PESO DO VALOR DA AVALIACAO $vlr_avaliacao = ( ($contadorc1 * 4) + ($contadorc2 * 3) + ($contadorc3 * 3) + ($contadorc4 * 2) + ($contadorc5 * 2) + ($contadorc6 * 1) + ($contadorc7 * 1) ) / $qtd_tentativa; $vlravaliacao = number_format($vlr_avaliacao, 2,'.',""); // CALCULA PRECISAO $superestimado = ((($contadorc3 + $contadorc5 + $contadorc7) / $qtd_tentativa) * 100); $superestimado = number_format($superestimado, 2,'.',""); $preciso = ($contadorc1 / $qtd_tentativa) * 100; $preciso = number_format($preciso, 2,'.',""); $subestimado = ((($contadorc2 + $contadorc4 + $contadorc6) / $qtd_tentativa) * 100); $subestimado = number_format($subestimado, 2,'.',""); // PASSA OS DADOS PARA GERAR O GRAFICO DE BARRA $_SESSION["s_subestimado"] = $subestimado; $_SESSION["s_preciso"] = $preciso; $_SESSION["s_superestimado"] = $superestimado; Figura 21. Trecho do código fonte utilizado para realizar automaticamente os cálculos matemáticos do Valor da Avaliação que será atribuído como nota ao treino. Como forma de incentivar os avaliadores a continuarem realizando o treinamento, foi implementada uma listagem com os 10 (dez) avaliadores com maior número de pontuação acumulada em todos os seus treinamentos realizados, em uma forma de ranking ordenado pela pontuação, onde aparece a posição no ranking, a fotografia, o apelido, o nome e a pontuação acumulada. Os rankings foram divididos em dois requisitos, com e sem experiência em avaliação da cultura, podendo ser acessado através do menu Relatório/Ranking Sem Experiência e Relatório/Ranking Com Experiência. Um dos requisitos do treinamento de acurácia e precisão é classificar o avaliador com ou sem experiência na avaliação daquela cultura especificamente, normalmente este dado é informado pelo próprio avaliador. No projeto SiTAV versão 1.7 de 08 de maio de 2013 esta opção de autoinformação de possuir ou não experiência no treinamento daquela cultura em específico estava disponível aos avaliadores, porém no cenário de avaliação do sistema SiTAV, durante um treinamento realizado dentro de um laboratório de informática com 73 (setenta e três) alunos do curso de graduação em Agronomia, turma 4500/2013, da Universidade Estadual de Maringá UEM, foi observado tanto pelo professor orientador do projeto quanto pelo desenvolvedor do sistema que os avaliadores estavam informando essa opção erroneamente, como se tivessem experiência neste tipo de avaliação somente para aparecer no Relatório de Ranking Com Experiência. A decisão tomada entre o orientador e o desenvolvedor foi de retirar esta informação manual e transferir a responsabilidade para o sistema SiTAV calcular quantos treinos o avaliador já havia realizado e, automaticamente, o sistema iria classificar o avaliador como sem experiência entre 0 (zero) até 149 (cento e quarenta e nove) treinos, e acima de 150 (cento e cinquenta) treinos o avaliador seria considerado com experiência em avaliações, conforme Figuras 22 e

110 Figura 22. Tela do Relatório de Ranking dos Avaliadores Sem Experiência em avaliações. Figura 23. Tela do Relatório de Ranking dos Avaliadores Com Experiência em avaliações. A implementação do módulo prova online tem a finalidade de avaliar o desempenho do avaliador após a realização do treinamento de acuidade visual no projeto SiTAV. Este módulo possui visões e papeis diferentes para os atores Professor que configura e avalia o desempenho do avaliador e o ator Avaliador que realiza a avaliação online. O papel do ator Professor possui acesso à sessão de configuração e avaliação da prova online realizada pelo avaliador, havendo um campo específico para o professor responsável pelo treinamento inserir uma nota referente ao desempenho do avaliador. Já o papel do ator Avaliador possui restrições de acesso onde se encontra disponível a visualização do agendamento da prova online e a realização da mesma. A tela de configuração do agendamento da prova online encontra-se no menu 88

111 Cadastro/Prova/Novo Agendamento e inicia com o preenchimento automático e não editável dos dados do responsável pela prova online [código, nome, ], sendo como o usuário corrente logado ao sistema SiTAV categorizado como ator Professor, Orientador ou Desenvolvedor e, os dados do agendamento são preenchidos pelo professor responsável [descrição, data e horário de inicio, data e horário de término, duração da prova em minutos, tipo de cultura, número de avaliações, nível de severidade (fixo), sem o auxílio da escala diagramática (fixo), categoria, subcategoria, acadêmicos], conforme Figura 24. Figura 24. Tela de cadastro de agendamento de prova online na visão do ator Professor. Após o preenchimento de todos os dados do agendamento da prova online pelo professor responsável e o acionamento do botão Salvar, o sistema SiTAV salvará as informações no banco de dados MySQL e retornará a mesma tela possibilitando a alteração dos dados e trazendo a relação do grupo de avaliadores que fazem parte da categoria e subcategoria previamente cadastrados, sendo que para selecionar os avaliadores que farão parte da prova online agendada é necessário clicar para marcar a caixa de seleção à frente dos dados do avaliador, caso o professor reconsidere e não queira que o avaliador participe daquele agendamento específico basta desmarcar a caixa de seleção referente ao avaliador. Por fim, para salvar as alterações deve-se clicar no botão Alterar, conforme Figura

112 Figura 25. Tela de cadastro de agendamento de prova online na visão do ator Professor, acrescentando os acadêmicos ao agendamento. Realizado o agendamento, o professor responsável poderá visualizar uma lista com um resumo de todos os agendamentos registrados no projeto SiTAV através dos dados [data, responsável, descrição, início, término, duração, cultura, número de avaliações, nível de severidade, auxílio a escala diagramática, código de identificação dos avaliadores], entretanto, tanto a visualização quanto a edição de um agendamento só será permitido pelo sistema SiTAV caso o usuário logado no sistema naquele momento seja o mesmo usuário registrado no campo Responsável, esta medida faz parte da política de segurança do projeto SiTAV e visa garantir a privacidade das informações registradas no agendamento e a participação e desempenho do avaliador por parte de outro usuário do sistema que não seja o responsável direto por aquele agendamento em específico, conforme Figura

113 Figura 26. Tela de lista de agendamentos de prova online na visão do ator Professor. 91

114 Através do link localizado na descrição do agendamento encontrado na Lista de Agendamentos no menu Cadastro/Prova/Editar Agendamento e sabendo-se que somente o usuário registrado como responsável pelo agendamento da prova online poderá acessar esta sessão de alteração, a tela de alteração dos dados é idêntica à tela de novo cadastro para facilitar a manipulação dos dados pelo professor responsável, seguindo as recomendações da W3C (W3C BRASIL, 2013) sobre acessibilidade e manipulação dos dados. O professor responsável tem a opção de editar os dados dos campos do formulário e desmarcar os avaliadores que não farão mais parte deste agendamento e clicar no botão Alterar para salvar as alterações. Caso seja necessário acrescentar outros avaliadores que não estejam registrados neste agendamento, deve-se selecionar as opções desejadas nas caixas de seleção Categoria e Subcategoria e clicar no botão Acrescentar Avaliador e proceder marcando ou desmarcar a caixa de seleção do avaliador desejado e clicar no botão Salvar, conforme Figura 27. Figura 27. Tela de alteração dos dados do agendamento da prova online na visão do ator Professor. 92

115 Nesta simulação de alteração de avaliador, a princípio havia sido registrado no ato do agendamento da prova online os avaliadores com o código de identificação [1, 13, 10, 16 e 6] como pode ser visto nas Figuras 25 e 26. Uma observação a ser feita é que os dados do formulário não são editáveis nesta tela para acrescentar avaliadores. Durante o processo de alteração dos avaliadores, foi desmarcado (exclusão) o avaliador com código de identificação [13] e marcados (inclusão) os avaliadores com código de identificação [11 e 38] e clicado no botão Acrescentar, conforme Figura 28. Figura 28. Tela de alteração [inclusão e exclusão] dos acadêmicos do agendamento da prova online na visão do ator Professor. Após a atualização dos dados do agendamento da prova online e dos avaliadores cadastrados e alterados, tem-se na Lista de Agendamento disponível no menu Cadastro/Prova/Editar Agendamento a relação atualizada do agendamento de prova online descrita como 11-GRUPO DE VALIDAÇÃO SITAV e a relação dos avaliadores cujos códigos de identificação após a exclusão e inclusão dos avaliadores são [1, 10, 16, 6, 11 e 38], conforme Figura

116 Figura 29. Tela de lista de agendamentos de prova online na visão do ator Professor, com alteração no número identificador dos avaliadores devido à inclusão e exclusão de acadêmicos. A avaliação do desempenho dos avaliadores está exclusivamente a cargo do professor responsável pelo agendamento de prova online, podendo ser acessada através do menu Cadastro/Prova/Avaliação, no qual há um link na descrição do agendamento online referente ao professor responsável que o redirecionará para a tela de Relatório - Lista de 94

117 Alunos, nesta tela encontram-se os dados da prova online e a lista de avaliadores cadastrados para este agendamento. Destaca-se nesta tela o campo Prova com a descrição Aguardando na cor vermelha, o que significa que o avaliador não realizou a sua prova online agendada, conforme Figura 30. Figura 30. Tela de relatório de prova online na visão do ator Professor com a descrição dos dados da prova e os acadêmicos cadastrados nesta prova online, destaque para o campo Prova com a descrição Aguardando informando que nenhum acadêmico realizou a prova online até o momento. Ao clicar no link sobre o nome do avaliador, por exemplo, 38-MAYKON o sistema SiTAV redirecionará para a tela de RESULTADOS ACUMULADOS onde encontrará os dados de desempenho do avaliador durante a execução da prova online, o gráfico de acurácia do treinamento e a tabela de precisão do treinamento com todos os dados individuais referentes a cada treino da prova online. Todavia os dados de apuração automática do treinamento da prova online estão sem valor (Figura 31), porque o avaliador não realizou a prova online até o momento, conforme se pode constatar na Figura 30 onde no campo Prova encontra-se a descrição Aguardando. 95

118 Figura 31. Tela de correção da prova online na visão do ator Professor, ao ser clicado no link sobre o nome do acadêmico o qual consta no campo Prova com a descrição Aguardando, ou seja, o acadêmico não realizou a prova online até o momento. As informações do agendamento de prova online encontram-se disponíveis individualmente para cada avaliador no menu Treinamento/Agendamento de Prova através dos dados [descrição da prova, período, duração, cultura e número de avaliações]. O botão Prova Disponível estará disponível caso o avaliador esteja dentro do período de execução da prova online, como no exemplo ilustrado na Figura 32, o usuário maykon, que possui o ator de Avaliador no sistema SiTAV, acessou o website no dia 22 de janeiro de 2014 às 12:39 e o período agendado para realização da prova online tem como início dia 20/01/ :00:00 e o término no dia 25/01/ :00:00, portanto encontra-se dentro do período de execução e o botão está visível, conforme Figura 32. Caso o avaliador não esteja cadastrado em nenhum agendamento, no menu Treinamento/Agendamento de Prova aparecerá a seguinte frase informativa: [AGENDAMENTO DE PROVA Caro(a) avaliador(a) MAYKON, até o presente momento não consta nenhum agendamento de prova para você em nossos registros. Para maiores esclarecimentos, por favor entre em contato com seu Professor], conforme Figura

119 Figura 32. Tela de agendamento de prova online na visão do ator Avaliador, com os dados referentes a sua prova online. Figura 33. Tela de agendamento de prova online na visão do ator Avaliador informando que não consta nenhum agendamento de prova online para o avaliador. Conforme a necessidade do professor responsável, é possível realizar uma consulta diretamente no cadastro do avaliador através do menu Cadastro/Avaliador e realizar a busca do avaliador pelo nome no campo de pesquisa abaixo do formulário de cadastro. Ao clicar no link sobre o nome do avaliador na listagem da pesquisa, os dados serão carregados para o formulário de cadastro, onde há os campos Prova e Prova Agendada com os dados referentes ao agendamento de prova online do avaliador, conforme Figura

120 Figura 34. Tela de cadastro de avaliador na visão do ator Professor com a descrição da prova online agendada. A partir do momento que a prova online esteja disponibilizada ao avaliador, é possível acessá-la de duas formas: a primeira é clicando no botão Prova Disponível no menu Treinamento/Agendamento de Prova e a segunda é clicar diretamente no menu Prova que só estará visível para o avaliador que estiver cadastrado e dentro do período para realização da prova online. Na tela inicial da prova online o avaliador encontrará os dados [descrição, início, término, duração, número de avaliações, nível de severidade, uso da escala diagramática, foto / código de identificação / nome / apelido do avaliador] refentes ao agendamento da prova em que ele está cadastrado e, para dar início ao processo da avaliação da prova online, o avaliador deve clicar sobre o botão Iniciar a Prova, conforme Figura

121 Figura 35. Tela com a descrição dos dados da prova na visão do ator Avaliador com o botão Iniciar a Prova. A tela inicial da execução da prova online mantem o posicionamento dos elementos existentes no treinamento, seguindo as recomendações da W3C (W3C BRASIL, 2013), porém os dados [nível de severidade, tentativa, imagem da cultura e o campo para informar o valor da estimativa, botão OK ] são reduzidos com a finalidade de avaliar o conhecimento adquirido no decorrer do treinamento. O cursor do mouse é apontado para o campo de estimativa automaticamente e o botão OK de envio da informação pode ser clicável ou através do pressionamento da tecla Enter do teclado. Outra alteração é que ao informar o valor da severidade e pressionar a tecla OK o sistema redirecionada, para a próxima tela com a imagem a ser avaliada e não mais fará redirecionadamento para a tela de conferência entre a severidade real, valor estimado e a imagem da cultura, como acontece no treinamento de acuidade visual convencional do projeto SiTAV, conforme Figura Figura 36. Tela da execução do treinamento de avaliação da prova online, na visão do ator Avaliador, com a avaliação da porcentagem da lesão em um fruto de laranja verde decorrente da doença de cancro cítrico causado pela bactéria Xanthomonas citri sub citri. 99

122 A tela do Relatório Lista de Alunos descrita anteriormente destaca no campo Prova a descrição Realizada na cor verde, que indica que o avaliador 38-MAYKON já realizou a sua prova online e no campo Nota o valor 0.00 indica que o professor responsável ainda não realizou a avaliação da atividade ou que a nota atribuída pelo professor responsável é realmente 0.00 (zero), conforme Figura 37. Figura 37. Tela do relatório de prova online na visão do ator Professor, com a descrição dos dados da prova e os avaliadores cadastrados nesta prova online, destaque para o campo Prova com a descrição Realizada informando que o avaliador 38-MAYKON realizou a prova online. A avaliação do desempenho do avaliador na prova online é realizada exclusivamente pelo professor responsável, a qual tem acesso à tela dos resultados através do link sobre o nome do avaliador na tela de Relatório - Lista de Alunos. A tela de Resultados Acumulados traz uma sequência de dados descritos [nome do avaliador, data atual da avaliação, número de treinamentos, tempo de duração da execução do em minutos, número de avaliações, nota da avaliação calculada pelo SiTAV, média subestimado, média preciso, media superestimado, nota da prova atribuída manualmente pelo professor responsável]. Para melhor visualização na mensuração da acurácia do avaliador através das médias dos dados [subestimado, preciso, superestimado] utilizou-se o recurso visual denominado Gráfico de Médias dos Treinamentos, conforme Figura

123 Figura 38. Tela de resultado da avaliação da prova online na visão do ator Professor, do acadêmico 38- MAYKON, calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, com um campo denominado Nota da Prova editável. Continuando a análise da tela anterior de Resultados Acumulados que foi desmembrada para melhor visualização e entendimento, encontra-se a avaliação da precisão do avaliador mensurada através dos dados individuais do treino do avaliador na realização da prova online. A tabela numéria dos resultados individuais traz os dados isolados de cada treino para mensurar a precisão do avaliador através dos campos [sequência dos treinos, data, código treinamento, repetição, código treino individual, código identificador do avaliador, código da cultura, código da imagem, severidade real, valor estimado, precisão]. A utilização do gráfico de linha denominado Gráfico de Evolução dos Treinamentos foi a forma visual escolhida para facilitar a análise do professor responsável durante a avaliação do desempenho de precisão do avaliador na execução da prova online através das variáveis [severidade real e valor estimado], conforme Figura

124 Figura 39. Continuação da tela de resultado da avaliação da prova online na visão do ator Professor, do avaliador 38-MAYKON, calculado automaticamente pelo sistema SiTAV, com a demostração da tabela numérica com os resultados individuais de cada treino da prova online e o gráfico de linha que demonstra visualmente o resultado dos treinos da prova online visualizando o desempenho alcançado pelo avaliador. 102

125 Após a inserção manual da nota da avaliação da prova online pelo professor responsável no campo Nota da Prova na tela Resultados Acumulados, os resultados poderão ser visualizados na tela de Relatório Lista de Alunos, como, por exemplo, o avaliador 38-MAYKON com o valor da nota no campo Nota 0.80 e a descrição no campo Prova descrito Realizada na cor verde, o que indica que o avaliador já realizou a prova online e que o professor responsável já realizou o lançamento da nota referente à avaliação da prova online referente a este avaliador, conforme Figura 40. Figura 40. Tela de relatório de prova online na visão do ator Professor, com a descrição dos dados da prova e os acadêmicos cadastrados nesta prova online, destaque para o campo Prova com a descrição Realizada e o campo Nota com o valor da avaliação lançado manualmente pelo professor, informando que o avaliador 38-MAYKON realizou a prova online e o professor já corrigiu e lançou a nota da prova online. Ao final da execução da prova online o avaliador será automaticamente desconectado do sistema SiTAV e um de alerta será encaminhado automaticamente ao professor responsável com as informações de finalização da prova online juntamente com os dados [ip do cliente, código de identificação do avaliador, login, apelido, nome, permissão de acesso, situação de acesso, data e hora de finalização da prova, descrição do agendamento de prova online], conforme Figura

126 Figura 41. Tela do encaminhado automaticamente pelo sistema SiTAV ao professor responsável pela prova online, informando que o avaliador MAYKON finalizou a prova online com sucesso. O módulo de tradução de idiomas foi implementado para melhorar a divulgação e a visibilidade alcançada fora do território nacional em congressos e até mesmo em universidades no exterior. O desenvolvimento deste módulo idioma envolve o banco de dados MySQL, o cadastro dos idiomas e o cadastro das frases por idioma, podendo ser editado pelos atores Professor, Orientador e Desenvolvedor. A primeira etapa é realizar o cadastro do idioma através do menu Cadastro/Idioma/Tipos de Idioma preenchendo o formulário com os dados [nome do idioma, sigla, upload da imagem da bandeira] e não há limites para a quantidade de idiomas cadastrados no projeto SiTAV, os dados podem ser editados clicando sobre o link sobre o nome do idioma, conforme Figura 42. Figura 42. Tela do formulário de cadastro e edição de idioma, na visão do ator Professor. A segunda etapa é o cadastro da frase devidamente traduzida para o idioma 104

127 pretendido, com inserção dos dados no formulário de idioma através do menu Cadastro/Idioma/Tradução preenchendo os dados do formulário [número da página, descrição da página, número da frase, descrição da frase]. Como forma de organização interna do projeto SiTAV, cada página do website possui uma identificação própria [número da página e descrição da página], o que facilita para o desenvolvimento da programação, localização e configuração das traduções. A barra de ferramentas de formatação de texto provenientes do uso da biblioteca TinyMCE (TINYMCE, 2013) possibilita salvar o texto no banco de dados MySQL juntamente com as TAG's (etiquetas) em HTML, conforme Figura 43. Figura 43. Tela do formulário de cadastro das frases do idioma, na visão do ator Professor. Em algumas ocasiões específicas se faz necessária a configuração do texto do idioma no modo tradicional editado diretamente no código fonte das TAG's (etiqueta) do HTML, sem o auxílio da barra de formatação de textos do TinyMCE, para isso existe um botão denominado Editar HTML abaixo do formulário de inserção do texto do idioma. As Tag's são marcações de texto que podem ser armazenadas no banco de dados como parte do texto normal, porém só serão interpretadas pelo navegador de internet (browser) como comandos de formatação de texto, como no exemplo, onde as Tag's estão demarcadas em negrito para melhor serem visualizadas [The <B>Training System on Visual Acuity - SiTAV</B> has a mission to <BR> carry out the <B>training</B> of the <B>precision</B> and <B>accuracy</B> of the <B>evaluator</B>, to minimize <BR> subjectivity in estimating the severity of disease in plants.]. As Tag's possuem as 105

128 propriedade de serem abertas no início da palavra ou frase a ser formatada <B> e fechadas </B> ao fim da palavra ou frase, as Tag's mais utilizadas são: <BR> quebra de linha, <B> negrito, <I> itálico, <U> sublinhado, <S> riscado, <P> parágrafo, <A> link, <DIV> criar um bloco independente, <SPAN> editar parte pequena de texto, <IMG> imagem, <TITLE> título da página, <META> meta dados, <H1> título de cabeçalho página, <TEXTAREA> caixa de texto, entre outros, conforme Figura 44. Figura 44. Tela do formulário de cadastro das frases do idioma, na visão do ator Professor, com edição do texto diretamente no código fonte das Tag's (etiquetas) HTML, sem o auxílio na barra de formatação do TinyMCE. A consulta das frases traduzidas para os demais idiomas estão no menu Cadastro/Idioma/Tradução logo abaixo do formulário de idioma, organizada de forma a facilitar a localização da frases através do [número da página, código da fase, descrição, idioma, código da tradução]. Para carregar uma frase para o formulário de edição é necessário clicar no link do campo Descrição correspondente, conforme Figura 45. Figura 45. Tela de consulta de idioma das frases traduzidas, na visão do ator Professor. A funcionalidade do módulo idioma está disponível para todos os atores 106

129 [Visitante, Sitav, Temporário, Avaliador, Professor, Orientador, Desenvolvedor] tanto das sessões públicas quanto privadas, sendo necessário apenas que o usuário clique sobre a bandeirinha referente ao idioma preferido para que o sistema SiTAV automaticamente recarregue todo o website para aquele idioma selecionado, conforme ilustrado na Figura 46, a qual demonstra os 3 (três) idiomas disponíveis no website atualmente: A) Português pt-br [idioma padrão], B) Espanhol en e C) Inglês en. 107

130 A B C Figura 46. Tela do sistema SiTAV traduzida nos idiomas A) Português pt-br [padrão], B) Espanhol es e C) Inglês en, disponíveis para todos os atores e nas sessões públicas e privadas. 108

Treinamento de acuidade visual em doenças de plantas através da ferramenta web SiTAV

Treinamento de acuidade visual em doenças de plantas através da ferramenta web SiTAV Treinamento de acuidade visual em doenças de plantas através da ferramenta web SiTAV Hudson Sérgio de Souza 1, Josmar Mazucheli 2, William Mário de Carvalho Nunes 1 1 Departamento de Agronomia, Universidade

Leia mais

Desenvolvimento do Sistema de Treinamento de Acuidade Visual - SiTAV

Desenvolvimento do Sistema de Treinamento de Acuidade Visual - SiTAV Desenvolvimento do Sistema de Treinamento de Acuidade Visual - SiTAV Hudson Sérgio de Souza 1, William Mário de Carvalho Nunes 1 1 Departamento de Agronomia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática

Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO Curso Superior de Graduação em ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Ordens de Serviço HDA Soluções em Informática Por AUGUSTO CARRICONDE

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r

M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r M a n u a l d o R e c u r s o Q m o n i t o r i t i l advanced Todos os direitos reservados à Constat. Uso autorizado mediante licenciamento Qualitor Porto Alegre RS Av. Ceará, 1652 São João 90240-512

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PARA INTERNET WEBSITE MUNDO MULHER GABRIELA DE SOUZA DA SILVA LUANA MAIARA DE PAULA SILVA

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente

Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente Utilização do aplicativo ODK como suporte na inspeção de Via Permanente Eric Pretti Serafim 1 * 1 VALES/A. Rod. BR155, s/n, Pátio Ferroviário de Marabá, 68508-970, Marabá - Pará e-mail: eric.pretti@vale.com

Leia mais

Facilidade e flexibilidade na web

Facilidade e flexibilidade na web Facilidade e flexibilidade na web palavras-chave: acessibilidade, usabilidade, web 2.0 Tersis Zonato www.tersis.com.br Web 2.0 o termo de marketing x a nova forma de conhecimento Web 2.0 O conceito começou

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.

Introdução à Tecnologia Web. Ferramentas e Tecnologias de Desenvolvimento Web. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com. IntroduçãoàTecnologiaWeb FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br FerramentaseTecnologiasde DesenvolvimentoWeb

Leia mais

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno

Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Sistema de Acompanhamento ao Desempenho do Aluno Manoel Cardoso da Silveira Neto 1, Luciana Vescia Lourega 1 1 Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos RS - Brasil Caixa Postal 38 98.130-000

Leia mais

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA

Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA Manual do Usuário SisCommercePDV NFC-e Sistematic Tecnologia e Sistemas de Informação LTDA MANUAL DO USUÁRIO SisCommercePDV Emissor de Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) *Manual em desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNÓLOGO EM ANALISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS Sistema de Controle de Viaturas por Pablo Wasculewsky de Matos Orientador: Prof. Me. André Vinicius

Leia mais

Informática :: Presencial

Informática :: Presencial MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

Home Page da Estação Automática do IF-SC

Home Page da Estação Automática do IF-SC Home Page da Estação Automática do IF-SC Ana Paula Jorge Fraga Email: anaa_fraga@hotmail.com Artur da Silva Querino E-mail: arturquerino@gmail.com Kathilça Lopes de Souza E-mail: kathii16@hotmail.com Rayana

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Sistema de Automação Comercial de Pedidos

Sistema de Automação Comercial de Pedidos Termo de Abertura Sistema de Automação Comercial de Pedidos Cabana - Versão 1.0 Iteração 1.0- Release 1.0 Versão do Documento: 1.5 Histórico de Revisão Data Versão do Documento Descrição Autor 18/03/2011

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

Web Design. Prof. Felippe

Web Design. Prof. Felippe Web Design Prof. Felippe 2015 Sobre a disciplina Fornecer ao aluno subsídios para o projeto e desenvolvimento de interfaces de sistemas Web eficientes, amigáveis e intuitivas. Conceitos fundamentais sobre

Leia mais

2 Editoração Eletrônica

2 Editoração Eletrônica 8 2 Editoração Eletrônica A década de 80 foi um marco na história da computação. Foi quando a maioria dos esforços dos desenvolvedores, tanto de equipamentos, quanto de programas, foram direcionados para

Leia mais

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML

WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Carlos Henrique Pereira WebUML: Uma Ferramenta Colaborativa de Apoio ao Projeto e Análise de Sistemas Descritos em Classes UML Florianópolis - SC 2007 / 2 Resumo O objetivo deste trabalho é especificar

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet

Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Desenvolvimento e disponibilização de Conteúdos para a Internet Por Matheus Orion Principais tecnologias front-end HTML CSS JAVASCRIPT AJAX JQUERY FLASH JAVA APPLET Linguagens que executam no cliente HTML

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet.

Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. TERMINOLOGIA Navegador ou Browser Navegador ou browser, é um programa de computador que permite a seus usuários a interagirem com documentos virtuais da Internet. Os Browsers se comunicam com servidores

Leia mais

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa.

Ler e interpretar simbologias elétricas. Elaborar diagramas elétricos em planta baixa. Ler e interpretar Planta Baixa. : Técnico em Informática Descrição do Perfil Profissional: O profissional com habilitação Técnica em Microinformática, certificado pelo SENAI-MG, deverá ser capaz de: preparar ambientes para a instalação

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil

Casa do Código Livros para o programador Rua Vergueiro, 3185-8º andar 04101-300 Vila Mariana São Paulo SP Brasil Casa do Código Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei nº9.610, de 10/02/1998. Nenhuma parte deste livro poderá ser reproduzida, nem transmitida, sem autorização prévia por escrito da editora,

Leia mais

Montando um Site. Wordpress

Montando um Site. Wordpress Montando um Site Wordpress O Sistema Wordpress O Wordpress é uma plataforma de vanguarda para publicação pessoal, com foco na estética, nos Padrões Web e na usabilidade. Ao mesmo tempo um software livre

Leia mais

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados;

linguagem técnica de informática; Perceber os sinais de pontuação e identificar sua função no texto; Ler siglas e identificar seus significados; PLANO DE CURSO Disciplina Competências Habilidades Bases Tecnológicas INGLÊS TÉCNICO Aumentar e consolidar o seu vocabulário ativo e passivo, através da fixação de novas palavras e expressões contidas

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento

O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto Metodista Granbery: uma ferramenta de acompanhamento e relacionamento Revista Eletrônica da Faculdade Metodista Granbery http://re.granbery.edu.br - ISSN 1981 0377 Curso de Sistemas de Informação - N. 7, JUL/DEZ 2009 O Sistema de Controle de Egressos utilizado pelo Instituto

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1

Sumário. HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Sumário HTML CSS JQuery Referências IHC AULA 6 5-09-2011 1 Linguagem HTML HTML é a abreviação de HyperText Markup Language, que pode ser traduzido como Linguagem de Marcação de Hipertexto. Não é uma linguagem

Leia mais

Afinal o que é HTML?

Afinal o que é HTML? Aluno : Jakson Nunes Tavares Gestão e tecnologia da informacão Afinal o que é HTML? HTML é a sigla de HyperText Markup Language, expressão inglesa que significa "Linguagem de Marcação de Hipertexto". Consiste

Leia mais

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras.

Sistema irá modular até 32 câmeras: Você pode conectar de 1 até 32 câmeras. MANUAL DO SISTEMA Introdução Apresentação Requisitos mínimos Instalação do programa Acessando o Secullum DVR Tela Principal Indicador de espaço em disco Disposição de telas Status de Gravação Usuário atual

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB

Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Aula 01: Apresentação da Disciplina e Introdução a Conceitos Relacionados a Internet e WEB Regilan Meira Silva Professor de Informática do Campus Ilhéus Formação em Ciência da Computação com Especialização

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Introdução Aula 03: Pacote Microsoft Office 2007 O Pacote Microsoft Office é um conjunto de aplicativos composto, principalmente, pelos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...

Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL... Índice INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS WINDOWS...2 INSTALAÇÃO DO SOFTWARE EM SISTEMAS LINUX...3 TESTANDO A CONEXÃO DA REDE LOCAL...4 Configurações iniciais...5 Arquivo sudoers no Sistema Operacional

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal do Ceará Bacharelado em Computação cadeira de Engenharia de Software Estudo de Viabilidade Equipe: Carlos H. Sindeaux Edilson Júnior Emanuelle Vieira Franklin Chaves José M. Silveira

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc.

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc. Ambiente de trabalho Ambiente de trabalho Porquê criar páginas web? A World Wide Web é a melhor forma das pessoas comunicarem umas com as outras. Nos dias de hoje, é importante poder comunicar com outras

Leia mais

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software.

Manual Easy Chat Data de atualização: 20/12/2010 16:09 Versão atualizada do manual disponível na área de download do software. 1 - Sumário 1 - Sumário... 2 2 O Easy Chat... 3 3 Conceitos... 3 3.1 Perfil... 3 3.2 Categoria... 4 3.3 Ícone Específico... 4 3.4 Janela Específica... 4 3.5 Ícone Geral... 4 3.6 Janela Geral... 4 4 Instalação...

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI

EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI EDITAL PROCESSO DE SELEÇÃO PARA O PROJETO DE UNIVERSALIZAÇÃO DA INFORMÁTICA PUI A coordenação do Projeto de Universalização da Informática - PUI da UFJF torna público a existência de vagas para a seleção

Leia mais

MURILO TONELLI DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II JOINVILLE - SC

MURILO TONELLI DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II JOINVILLE - SC MURILO TONELLI DE OLIVEIRA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR I E II JOINVILLE - SC 2011 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS CCT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06

ÍNDICE BLUELAB A UTILIZAÇÃO DO BLUELAB PELO PROFESSOR RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ÍNDICE BLUELAB RECURSOS PARA PROFESSORES E ALUNOS...05 INICIANDO O BLUELAB PROFESSOR...06 ELEMENTOS DA TELA INICIAL DO BLUELAB PROFESSOR guia Meu Espaço de Trabalho...07 A INTERFACE DO BLUELAB...07 INICIANDO

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica

CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas. Nota Técnica CBPF Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas Nota Técnica Aplicação de Física Médica em imagens de Tomografia de Crânio e Tórax Autores: Dário Oliveira - dario@cbpf.br Marcelo Albuquerque - marcelo@cbpf.br

Leia mais

Interfaces Homem-Máquina

Interfaces Homem-Máquina Interfaces Homem-Máquina www.altus.com.br Muito mais que IHMs Insuperável: gráficos vetoriais em hardware de alto desempenho Interativa: comunicação com diversos dispositivos de automação Intuitiva: biblioteca

Leia mais

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web

Sumário. Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Sumário Apresentação O que é o Centro de Gerenciamento de Serviços (CGS) NTI? Terminologia Status do seu chamado Utilização do Portal Web Fazendo Login no Sistema Tela inicial do Portal WEB Criando um

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu

Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Áreas de utilização do GED e o que levar em consideração no Projeto de Implantação de GED em uma empresa Simone de Abreu Cerca de dois milhões de pessoas estão trabalhando em aproximadamente 300 mil projetos

Leia mais

SISTEMA DE FIXAÇÃO ALFABÉTICA

SISTEMA DE FIXAÇÃO ALFABÉTICA CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTADUAL DA ZONA OESTE Colegiado de Computação e Matemática Aplicada Curso de Bacharelado em Ciência da Computação SISTEMA DE FIXAÇÃO ALFABÉTICA ROBERTO AFFONSO GOMES RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: TÉCNICO EM INFORMÁTICA Qualificação:

Leia mais

INTERNET -- NAVEGAÇÃO

INTERNET -- NAVEGAÇÃO Página 1 INTRODUÇÃO Parte 1 O que é a Internet? A Internet é uma rede mundial de computadores, englobando redes menores distribuídas por vários países, estados e cidades. Ao contrário do que muitos pensam,

Leia mais

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL

INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL INTERFACE VIA WEB PARA BANCO DE DADOS DA DEFESA CIVIL Camila de Oliveira Raupp Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET/SC. Av. Mauro Ramos, 950 centro, Florianópolis -SC CEP 88020-300

Leia mais

Introdução. William Braga

Introdução. William Braga Introdução I William Braga II Introdução III William Braga Rio de Janeiro. 2007 IV - Copyright 2007 da Editora Alta Books Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 5988 de 14/12/73. Nenhuma

Leia mais

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS

A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS A REALIDADE VIRTUAL APLICADA AO CONTROLE E AUTOMAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS Gláucio Alves Oliveira; Ildeberto de Genova Bugatti Resumo O trabalho utilizou técnicas de integração entre tecnologia de Realidade

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz

Tecnologia da Informação. Prof. Esp. Lucas Cruz Tecnologia da Informação Prof. Esp. Lucas Cruz Componentes da Infraestrutura de TI Software A utilização comercial da informática nas empresas iniciou-se por volta dos anos 1960. O software era um item

Leia mais

MANUAL RASTREAMENTO 2013

MANUAL RASTREAMENTO 2013 MANUAL RASTREAMENTO 2013 Visão Geral O menu geral é o principal módulo do sistema. Através do visão geral é possível acessar as seguintes rotinas do sistema: Sumário, localização, trajetos, últimos registros.

Leia mais

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP Produto I: ATU SAAP Documento de projeto do novo sistema. Modelo de Dados, Casos de Usos e Interface Gráfica do Sistema Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988

Leia mais

LABORATÓRIO VIRTUAL DE MATEMÁTICA EM DVD

LABORATÓRIO VIRTUAL DE MATEMÁTICA EM DVD LABORATÓRIO VIRTUAL DE MATEMÁTICA EM DVD Tânia Michel Pereira Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul tmichel@unijui.edu.br Angéli Cervi Gabbi Universidade Regional do Noroeste

Leia mais

(STUDY OF AGILITY IN SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS WITH TEAMS AT DIFFERENT WORK UNITS USING A ON-LINE MANAGEMENT TOOL)

(STUDY OF AGILITY IN SOFTWARE DEVELOPMENT PROCESS WITH TEAMS AT DIFFERENT WORK UNITS USING A ON-LINE MANAGEMENT TOOL) ESTUDO DE AGILIDADE NO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM EQUIPES EM DIFERENTES UNIDADES DE TRABALHO UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE GERENCIAMENTO ON-LINE (STUDY OF AGILITY IN SOFTWARE DEVELOPMENT

Leia mais

Manual de uso do Gerente

Manual de uso do Gerente Manual de uso do Gerente Manual do Hypnobox: www.hypnobox.com.br/manual Índice Acessar o Hypnobox Endereço o www Login e Senha Tela Principal Perfil de acesso Editar Dados pessoais Fila de corretores Gerenciar

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli

ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML. Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli ESTUDO SOBRE AS LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO HOSPEDEIRAS SUPORTADAS PELA FERRAMENTA HTML Aluno: Rodrigo Ristow Orientador: Wilson Pedro Carli Objetivo; Roteiro da Apresentação Visão Geral sobre Internet,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 E CSS3 Eduardo Laguna Rubai, Tiago Piperno Bonetti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR- Brasil eduardorubay@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo.

Leia mais

Informática. Jamille Silva Madureira

Informática. Jamille Silva Madureira Informática Jamille Silva Madureira Conceitos de sistemas operacionais Sistemas Operacionais Atuais Desktop: Windows 7 e 8; Linux; Mac OS. Dispositivos Móveis: Windows Mobile; Android; iphone OS. Desktop

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Tecnologia WEB III. Prof. Erwin Alexander Uhlmann. PHP e MySQL. UHLMANN, Erwin Alexander. Introdução ao PHP. Instituto Siegen. Guarulhos, 2012.

Tecnologia WEB III. Prof. Erwin Alexander Uhlmann. PHP e MySQL. UHLMANN, Erwin Alexander. Introdução ao PHP. Instituto Siegen. Guarulhos, 2012. Tecnologia WEB III Prof. Erwin Alexander Uhlmann PHP e MySQL UHLMANN, Erwin Alexander. Introdução ao PHP. Instituto Siegen. Guarulhos, 2012. Agradecimentos Agradeço à minha esposa Kátia por entender minha

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

DRIVE CONTÁBIL NASAJON

DRIVE CONTÁBIL NASAJON DRIVE CONTÁBIL NASAJON Módulo Gestão de Documentos Versão 1.0 Manual do Usuário 1 Sumário Os Módulos do Gerenciador de NFe: Informações Básicas Primeiro Acesso: Requisitos Acesso ao Drive Contábil Nasajon

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 5ª. Série Programação e Design para Web A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

O USO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE VERSÕES COMO FERRAMENTA DE APOIO À PRODUÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - EaD

O USO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE VERSÕES COMO FERRAMENTA DE APOIO À PRODUÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - EaD O USO DE SOFTWARE PARA CONTROLE DE VERSÕES COMO FERRAMENTA DE APOIO À PRODUÇÃO DE MATERIAIS INSTRUCIONAIS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - EaD VITÓRIA ES 04 2010 José Mário Costa Junior Ifes - jcjunior@ifes.edu.br

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

Pré-requisito Conhecimento básico do sistema operacional Windows ou Mac OS.

Pré-requisito Conhecimento básico do sistema operacional Windows ou Mac OS. 1 e Descrição Este treinamento abortará conceitos essenciais de HTML e CSS para a construção de páginas web através do uso do Adobe, com a mínima necessidade de intervir ou escrever códigos, utilizando

Leia mais

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme

Aula 1 Desenvolvimento Web. Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Aula 1 Desenvolvimento Web Curso: Técnico em Informática / 2º módulo Disciplina: Desenvolvimento Web Professora: Luciana Balieiro Cosme Plano de Aula Ementa Avaliação Ementa Noções sobre Internet. HTML

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características...5 Configuração necessária para instalação...6 Conteúdo do CD de Instalação...7 Instruções para Instalação...8 Solicitação da Chave de Acesso...22 Funcionamento em Rede...26

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de

Leia mais