Integração de uma aplicação WAP com o PHP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Integração de uma aplicação WAP com o PHP"

Transcrição

1 Integração de uma aplicação WAP com o PHP Jacques Schreiber 1, Janice Inês Deters 2 1 Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC) - Departamento de Informática CEP: Santa Cruz do Sul RS- Brazil 2 Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) LSC Laboratório de sistemas de Conhecimento Caixa Postal Florianópolis SC Brazil Abstract. In this article a site developed in WAP is presented. This site allow that an user, using a cellular telephone with support to this technology, has access a page web. This page web makes possible the user to verify the available flights, allowing to select the starting point, destination and company. After one searches in the database, all the flights that if to fit in the parameters are presented in the screen of the cellular one. Resumo. Neste artigo é apresentado um site desenvolvido em WAP que permite a um usuário, utilizando um telefone celular com suporte a esta tecnologia, acesse uma página web. Esta página web possibilita o usuário verificar os voôs disponíveis, permitindo selecionar o ponto de partida, destino e companhia aérea. Após uma pesquisa na base de dados, todos os vôos que se enquadrarem nos parâmetros são apresentados na tela do celular. 1. Introdução O WAP (Wireless Application Protocol) é uma especificação aberta e global, que visa permitir aos usuários de dispositivos móveis, sem fio, acessem facilmente informações e serviços de forma instantânea. Esta tecnologia possibilita o acesso à Internet através de aparelhos de telefonia celular. O WAP está posicionado na convergência de duas tecnologias de rede que estão evoluindo muito rapidamente: a transmissão de dados sem fio e a Internet (Arehart, 2001). A grande maioria das tecnologias desenvolvidas para a Internet, entretanto, são destinadas a computadores de mesa, com alto poder de processamento, grande quantidade de memória, com média para alta largura de banda, em redes geralmente confiáveis. Por isso, a utilização em dispositivos sem fio obrigou a criação de um padrão que considerasse as seguintes características de ambientes móveis (Nokia, 2002): Menor poder de processamento Pouca memória (ROM e RAM)

2 Consumo restrito de energia Telas pequenas Diferentes dispositivos de entrada de dados (como o teclado do telefone celular, por exemplo) Pequena largura de banda Maior latência na transmissão de dados Pouca estabilidade entre e durante a conexão Neste artigo, é apresentada uma aplicação WAP. Esta aplicação Web permite que o usuário acesse um site WAP através do telefone celular. Este site apresenta no display do celular as cidades e respectivas companhias aéreas que as interligam. O aplicativo possibilita escolher um ponto de partida, o destino e a companhia aérea. Ao efetuar esta operação, uma página web é gerada dinamicamente contendo os horários dos vôos entre as cidades escolhidas. Esta funcionalidade é possível devido ao método dinâmico de criação da página em resposta a solicitação do usuário. O artigo é organizado em seções, a segunda seção, ressalta e explica as diferenças entre um site estático e um site dinâmico. A terceira seção, apresenta mais detalhadamente a tecnologia WAP/WML. Esta tecnologia permitiu a construção do lado cliente da aplicação considerada. A quarta seção contextualiza a aplicação, explica o projeto e apresenta os códigos implementados. Ao final, conclusões e trabalhos futuros são discutidos. 2. Sites Web: Estático X Dinâmico Há uma diferença sutil entre uma aplicação web estática e uma dinâmica. Uma aplicação Web dinâmica é um Web site onde as entradas do usuário (navegação pelo site e entrada de dados) afetam o conteúdo da página resultante. Na essência, uma aplicação dinâmica usa um Web site como o front end para uma aplicação mais típica. A arquitetura para um Web site contêm três componentes principais: um servidor Web, uma conexão de rede e um ou mais browsers cliente (figura 1). O servidor web distribui as páginas de informações formatadas para os clientes que as solicitaram. A informação disponibilizada em um Web site é tipicamente formatada e armazenada em arquivos. Clientes solicitam os arquivos pelo nome, os quais são denominados de páginas e representam o conteúdo de um Web site. Quando o conteúdo de uma página estiver armazenado em um ou mais arquivos temos uma aplicação Web estática, porém em algumas situações, o conteúdo de uma página não é necessariamente armazenada em arquivos. Ele pode ser montado em tempo de execução a partir de informações armazenadas em uma base de dados (ou outro repositório de informação) e por instruções formatadas em um arquivo. O servidor Web interpreta e executa os scripts da página (veja figura 2). Web sites que empregam essa estratégia são chamados sites dinâmicos.

3 Servidor Web requisita Browser Cliente distribui Página Web envia Figura 1 - Arquitetura de aplicação básica Web Banco de Dados Servidor Web requisição envia Browser Acessa e recupera dados executa Scripts do servidor monta página Figura 2 Criação dinâmica de uma página Web sites dinâmicos oferecem certas vantagens para projetistas do Web site. Eles facilitam a manutenção do conteúdo atualizado e sincronizado com os dados de uma base de dados. Neste contexto, o arquivo pode ser um arquivo texto com scripts interpretado pelo servidor Web, ou um arquivo binário compilado que é executado pelo servidor Web. Em ambos os casos o código na página referencia e utiliza recursos do servidor, tais como: base de dados, serviços de , serviços de arquivo, etc. 3. A tecnologia WAP/WML As origens do WAP são bem interessantes, já que elas foram criadas na premissa da cooperação entre as indústrias. Sem dúvida esta cooperação foi um dos maiores propelentes da grande aceitação do WAP, permitindo que os padrões fossem rapidamente desenvolvidos e integrados a muitos produtos já existentes de muitas das empresas responsáveis pelo seu desenvolvimento. Este padrão aberto também levou ao aparecimento de muitas iniciativas focadas no desenvolvimento e marketing de suas aplicações de nicho (Nokia, 2002). Como mais companhias participaram, começando a desenvolver tecnologias similares, tornou-se óbvio que a cooperação entre as várias organizações era o único caminho para que qualquer companhia tivesse lucros deste projeto. Após um tempo de intenso desenvolvimento e negociações, esta iniciativa cooperativa culminou na formação do WAP Forum. O WAP Forum é uma associação de várias indústrias líderes de mercado, como a Ericsson, Nokia e Motorola, que se uniram para formalizar uma tecnologia de acesso a serviços e informações através de dispositivos móveis, como telefone celulares. O padrão estabelecido ficou conhecido como WAP - Wireless Application Protocol. Em resumo, WAP provê um método para comunicação através de redes sem fio rapidamente, com segurança e eficiência. A comunicação pode tomar lugar utilizando-

4 se, mas não restrito, a dispositivos telefones celulares, pagers, rádios e PDA s. Estas comunicações não estão limitadas a páginas estáticas como a Internet fora antes, mas o WAP oferece a oportunidade de integrar bancos de dados, conteúdo dinâmico, comércio eletrônico trafegando via um dispositivo WAP 3.1. Formas de um dispositivo WAP se conectar à Internet Quando uma conexão é solicitada em um dispositivo WAP, um acesso dial-up para o provedor é iniciada, via PPP, da mesma forma que ocorre com usuários de Internet via computadores de mesa. Na maioria dos casos, configurações dial-up pré-definidas pela operadora são utilizadas. Entretanto, a maioria dos dispositivos WAP permitirão a utilização de configurações próprias do usuário, o que significa que corporações que possuem uma Intranet com serviços WAP poderão conectar-se diretamente com sua rede local. Através do protocolo PPP, após a autenticação do nome de usuário e senha, o dispositivo WAP recebe um número IP, e está, a partir daí, possibilidado a acessar serviços da Internet ou intranet, através da requisição via WAP Gateway. No Brasil, quatro fabricantes de celulares estão no mercado de internet móvel no Brasil: Motorola, Nokia, Ericsson e Sansung. 3.3 Desenvolvimento de sites WAP Os sites WAP são constituídos, basicamente, de páginas WML. Para criar sites WAP, o desenvolvedor deve aprender a utilizar a linguagem WML, trabalhar com imagens WBMP e construir scripts em WMLScript. Para construção de sites mais interativos, entretanto, é interessante trabalhar com páginas WML dinâmicas, ou seja, geradas por scritps executados no servidor, como ASP, PHP ou Servelts Java (Converse, 2001). 3.4 A linguagem WML O WML (Wireless Markup Language) é a linguagem de marcação utilizada para exibir documentos em dispositivos compatíveis com WAP. O WML está para o WAP assim como o HTML está para a Web. O WML é baseado em XML, e, por isso, é muito rigoroso em relação a sua formatação. Por ser destinado a dispositivos móveis, que possuem grandes limitações de exibição e entrada de dados, o WML é muito restrito, sendo composto basicamente por elementos de exibição de texto, imagens simples (WBMP) e formulários de dados (Arehart, 2001). A programação em WML é parecida com o HTML. Todo elemento é identificado por dois comandos, o abre <tag> e o fecha </tag>. A estrutura das páginas é a seguinte: <wml> <head> <template> <card>... </card> </wml>

5 Nas áreas <head> e <template> são feitas as configurações gerais da página. Já em <card> são colocados elementos da página, seria o equivalente a área <body> da programação HTML. Outra informação que faz parte de todo o código WML é o cabeçalho de identificação. Todo código WAP é considerado XML(eXtensible Markup Language), por isso no começo de todo código WML é colocado um cabeçalho parecido com este: <?xml version= 1.0?> <!DOCTYPE wml> Os exemplos acima apenas demonstram algumas características de programação em WML, um tutorial está fora do escopo deste artigo. Maiores detalhes poderão ser obtidos em sites especializados no assunto( 4. A aplicação desenvolvida - Aeroporto On-Line O WAP Site desenvolvido consiste de uma aplicação com a finalidade de apresentar horários de vôos no display de um celular. Este celular deve ter a capacidade tecnológica de acessar sites WAP. A funcionalidade do site é bastante simples. O usuário acessa o site, escolhe um aeroporto de origem, um de destino e a companhia aérea e, a partir desta escolha, uma consulta a base de dados é efetuada. O resultado é uma lista dos vôos e respectivos horários mostrados no display do celular. Sistematicamente, os passos são os seguintes: 1- O usuário acessa o site. O sistema apresenta uma página WAP com os aeroportos de origem 2- O usuário escolhe um aeroporto de origem, seu destino e companhia aérea de sua preferência, envia esta informação ao servidor 3- No servidor, um script, utiliza as informações fornecidas como parâmetro de seleção em uma tabela do Access 4- Os registros obtidos (vôos e horários) são utilizados para montar dinamicamente uma página WAP 5- Esta página é enviada ao microbrowser do usuário que então visualiza os vôos e horários de partida. A diagrama na figura 3 apresenta esta funcionalidade (os números indicam a ordem):

6 Figura 3. Diagrama apresentando a sequencia de passos(notação não oficial) Na prática, esta aplicação foi desenvolvida utilizando um emulador de microbrowser que lê e carrega, a partir do servidor web Apache, uma página WML. Esta página possui um formulário(semelhante a um form do HTML) que permite a escolha de um cinema. Veja o código da aplicação desenvolvida: <?xml version="1.0"?> <!DOCTYPE wml PUBLIC "-//WAPFORUM//DTD WML 1.1//EN" " <wml> <card id="lazer" title="aeroporto On-line"> <p> <small><b>ponto de partida </b></small><br/> <select name="org" title="origem" > <option value="porto Alegre">Porto Alegre</option> <option value="florianopolis">florianopolis</option> <option value="sao Paulo">Sao Paulo</option> <option value="recife">recife</option> <option value="curitiba">curitiba</option> </select> <br/><br/> <do type="accept" label="destino"> <go href="#destino"/> </do> </p> </card> <card id="destino" title="aeroporto On-line"> <p> <b><small> Selecione o destino</small></b><br/> <select name="des" title="destino" > <option value="campinas">campinas</option> <option value="florianopolis">florianopolis</option>

7 <option value="sao Paulo">Sao Paulo</option> <option value="recife">recife</option> <option value="curitiba">curitiba</option> <option value="rio de Janeiro">Rio de Janeiro</option> <option value="belo Horizonte">Belo Horizonte</option> <option value="salvador">salvador</option> </card> </select> <br/><br/> <do type="accept" label="companhia"> <go href="#companhia"/> </do> </p> <card id="companhia" title="companhias Aereas"> <p> <b><small>selecione a companhia aerea</small></b><br/> <select name="com" title="companhia" > <option value="varig">varig</option> <option value="tam">tam</option> <option value="vasp">vasp</option> </select> <br/><br/> <do type="accept" label="horarios"> <go href="wml3.php3" method="post"> <postfield name="origem" value="$(org)"/> * <postfield name="destino" value="$(des)"/> <postfield name="companhia" value="$(com)"/> </go> </do> </p> </card> </wml> Pode-se observar na linha de código WML aninhado com o caracter *, que, quando o ponto de partida, destino e companhia aérea forem selecionados e esta escolha for enviada para o servidor, um script chamado wml3.php3 será executado. As variáveis $Origem, $Destino e $Companhia conterão os parâmetros necessários para a seleção dos vôos. A) Já no lado servidor, o script wml3.php3 é executado, conforme abaixo: <? header("content-type: text/vnd.wap.wml"); echo("<?xml version=\"1.0\"?>\n"); echo("<!doctype wml PUBLIC \"-//WAPFORUM//DTD WML 1.1//EN\" \" <wml> <card id="result" title="aeroporto On-Line"> <p> <? $sql_sel_hor = "SELECT voo.cod_voo, voo.companhia, voo.[hora-saida], voo.[hora-chegada] FROM voo WHERE (((voo.origem)='$origem') AND ((voo.destino)='$destino') AND ((voo.companhia)='$companhia'))"; $qhorarios = 0; $erro = false;

8 B) C) $SITE_DSN = "odbc_voo"; $db = odbc_connect($site_dsn,"","",sql_cur_default); if (!$db){ echo(" Problema na consulta "); echo("<br>"); echo(" Contacte a sua operadora "); $erro = true; }else{ $qhorarios = odbc_exec($db,$sql_sel_hor); if (!$qhorarios){ echo("erro na consulta.<br>"); $erro = true; } }?> <? if (!$erro){ echo("<small>"); echo("companhia : "); echo("<b>");echo($companhia);echo("</b>"); echo("<br/>"); echo(" Voo Partida Chegada");echo("<br/>"); echo(" "); echo("</small>"); echo("<br/>"); odbc_fetch_row($qhorarios,1); do{ echo("<small>"); echo(odbc_result($qhorarios,'cod_voo')."..."); $hs = substr(odbc_result($qhorarios,'hora-saida'), -8); $hsaida = substr($hs, 0, 5); echo($hsaida);echo("..."); $hc = substr(odbc_result($qhorarios,'hora-chegada'), - 8); $hchegada = substr($hc, 0, 5); echo($hchegada); echo("<br/>"); echo("</small>"); }while(odbc_fetch_row($qhorarios)); </card> </wml> odbc_close($db); }?> </p> Para fins didáticos, neste artigo, o script foi dividido em três seções descritas a seguir: (a) a diretiva header tem a função de informar que o conteúdo gerado a partir deste ponto é conteúdo WML. Esta funcionalidade é requerida uma vez que o código padrão gerado pelo PHP é HTML e não WML (Wireless, 2003); (b) nesta seção, o script monta o comando de select, conecta-se(via ODBC) na base de dados e executa o comando de seleção; (c) a seção final do script monta dinamicamente a página de resposta. 5.1 O WAP Site interface Nesta sub-seção é apresentado o site WAP sob a perspectiva do usuário, ou seja, apenas o layout e funcionalidade do site sob ponto de vista do usuário é apresentada.

9 O site WAP apresenta-se conforme a Figura 4. Diante da lista das cidades de origem, o usuário utilizando o botão de navegação do celular, deverá escolher uma. O mesmo procedimento é efetuado para determinar a cidade de destino e a companhia aérea. O botão com a função de Ok é pressionado. Ocorre então uma consulta a base de dados e uma página com os respectivos vôos e horários aparece no display do celular, conforme é apresentado na figura 5. Figura 4 A interface do WAP dinamicamente Site Figura 5 Pág. Wap gerada Na figura 5, pode-se observar a página WAP com o vôo escolhido, a hora de partida e a hora de chegada ao destino. O usuário, utilizando os botões de navegação do celular, poderá selecionar outros destinos e/ou origens e então visualizar os vôos disponíveis. 5. Conclusão Este artigo apresentou um site WAP que possibilita um usuário através do seu telefone celular, selecionar um vôo e verificar os horários de partida e chegada respectivamente. O protótipo foi implementado utilizando a atual tecnologia WAP/WML no lado cliente e a linguagem PHP e o banco de dados Access, do lado servidor. As aplicações WAP nos conduz a reflexões sobre o design de sites, pois com uma área reduzida para apresentar informações, o projeto e layout certamente deverão ser melhor elaborados. Atualmente, por exemplo, um único formato de figuras é permitido: o formato WBMP. Este formato suporta apenas figuras monocromáticas e portanto um tratamento específico para essas imagens deverá ser feito. Possivelmente, com a disseminação desta nova tecnologia, alternativas viáveis para o design desta categoria de sites serão produzidas. Além desse fato, a evolução da tecnologia WAP provavelmente incluirá em futuras versões, novas possibilidades para o projeto estético de páginas WAP.

10 6. Referências Arehart, Charles et al. (2001) Professional WAP, Edited by Makron Books, NYC, USA. Converse, Tim. (2001) PHP4: a bíblia, Editora Campus, Rio de Janeiro. Nokia (2002) Nokia ToolKit, Disponível em: Acesso em: 23 de Agosto Wireless (2003) Adding Client-Side Logic To WAP Using WMLScript. Disponível em: Acesso em 20 de junho de 2003

HTML Página 1. Índice

HTML Página 1. Índice PARTE - 1 HTML Página 1 Índice HTML A HISTÓRIA... 2 O COMEÇO E A INTEROPERABILIADE... 3 Primeira Página... 4 Entendendo seu código... 5 Abrindo o código fonte da sua página... 6 Comentários na página...

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML

PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML PÓS-GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA COMPUTACIONAL INFORMÁTICA INSTRUMENTAL Aula 06: Introdução Linguagem HTML O Desenvolvimento Web O desenvolvimento web é o termo utilizado para descrever atividade relacionada

Leia mais

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução

Desenvolvimento em Ambiente Web. HTML - Introdução Desenvolvimento em Ambiente Web HTML - Introdução O que é HTML? HTML é uma linguagem para descrever a estrutura de uma página WEB. Ela permite: Publicar documentos online com cabeçalhos, texto, tabelas,

Leia mais

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo

Prefeitura de Belo Horizonte. Sistema de Controle de Protocolo Prefeitura de Belo Horizonte Sistema de Controle de Protocolo Relatório apresentado para concorrer ao 2º Prêmio Inovar BH conforme Edital SMARH nº 001/2014 Belo Horizonte Julho de 2014 Resumo Sendo grande

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web;

CONCEITOS INICIAIS. Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; CONCEITOS INICIAIS Agenda A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web; O que é necessário para se criar páginas para a Web; Navegadores; O que é site, Host, Provedor e Servidor Web; Protocolos.

Leia mais

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo

TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo TECNOLOGIA WEB Aula 1 Evolução da Internet Profa. Rosemary Melo Tópicos abordados Surgimento da internet Expansão x Popularização da internet A World Wide Web e a Internet Funcionamento e personagens da

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet

CAPÍTULO 2. Entendendo a Internet CAPÍTULO 2 Entendendo a Internet 2.1 O que é a Internet Internet é a rede mundial pública de computadores interligados, por meio da qual se transmite informações e dados para outros computadores conectados

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação

Internet. Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Internet Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Infomação Histórico da Web World Wide Web o nosso www é o meio de comunicação mais utilizado no mundo atualmente. Através da WWW qualquer usuário conectado

Leia mais

Rastreabilidade de requisitos através da web

Rastreabilidade de requisitos através da web Rastreabilidade de requisitos através da web Fernando dos Santos (FURB) fds@inf.furb.br Karly Schubert Vargas (FURB) karly@inf.furb.br Christian Rogério Câmara de Abreu (FURB) crca@inf.furb.br Resumo.

Leia mais

Requisitos de Sistemas

Requisitos de Sistemas Bancos de Dados III Acesso Cliente Servidor Arquiteturas Rogério Costa rogcosta@inf.puc-rio.br 1 Requisitos de Sistemas Grande competitividade no mercado TI deve apoiar a empresa atendendo com agilidade.

Leia mais

DIRETO. Manual do Usuário. PROCERGS Divisão 7

DIRETO. Manual do Usuário. PROCERGS Divisão 7 DIRETO Manual do Usuário PROCERGS Divisão 7 Este documento foi produzido pela PROCERGS Praça dos Açorianos, s/n - CEP 90010-340 Porto Alegre, RS (051) 210-3100 http:\\www.procergs.com.br Sumário Sobre

Leia mais

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC

Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Artur Petean Bove Júnior Tecnologia SJC Objetivo O objetivo do projeto é especificar o desenvolvimento de um software livre com a finalidade de automatizar a criação de WEBSITES através do armazenamento

Leia mais

Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais

Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais Emprego de Código de Barras Bidimensionais para Conferência da Autenticidade de Certificados Digitais Caroline F. Vicentini 1, Francisco T. M. Avelar 1, João Carlos D. Lima 2, Iara Augustin 2 1 Ciência

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES SEM FIO

INTRODUÇÃO A REDES SEM FIO INTRODUÇÃO A REDES SEM FIO Alternativas aos tradicionais meios para transmissão de dados Maior flexibilidade de recursos Mobilidade dos computadores na empresa Saída para os problemas de comunicação ocasionados

Leia mais

Um protótipo de ambiente de desenvolvimento Web para a linguagem R

Um protótipo de ambiente de desenvolvimento Web para a linguagem R Um protótipo de ambiente de desenvolvimento Web para a linguagem R Katiano Favretto 1, Willingthon Pavan 1, José Maurício Cunha Fernandes 2, Cristiano Roberto Cervi 3, Jaqson Dalbosco 1, Clyde William

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Programação para Internet II

Programação para Internet II Programação para Internet II Aulas 01 e 02 Prof. Fernando Freitas Costa http://professor.fimes.edu.br/fernando nando@fimes.edu.br Prof. Fernando 1 Ementa Instalação e configuração básica do NetBeans e

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE BOM DESPACHO-MG PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO - EDITAL 001/2009 CARGO: COORDENADOR DE INCLUSÃO DIGITAL CADERNO DE PROVAS CADERNO DE PROVAS 1 A prova terá a duração de duas horas, incluindo o tempo necessário para o preenchimento do gabarito. 2 Marque as respostas no caderno de provas, deixe para preencher o gabarito depois

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Como usar a opção Folha de Roteamento

Como usar a opção Folha de Roteamento Como usar a opção Folha de Roteamento Uma Folha de Roteamento é uma página especial com um código de barras contendo instruções de distribuição para seu documento. Com a opção Folha de Roteamento, o dispositivo

Leia mais

Linguagem de. Aula 06. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br

Linguagem de. Aula 06. Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Linguagem de Programação IV -PHP Aula 06 Profa Cristiane Koehler cristiane.koehler@canoas.ifrs.edu.br Criação de Formulários o Um formulário consiste em uma série de campos que são preenchidos pelo usuário

Leia mais

Motorola Phone Tools. Início Rápido

Motorola Phone Tools. Início Rápido Motorola Phone Tools Início Rápido Conteúdo Requisitos mínimos...2 Antes da instalação Motorola Phone Tools...3 Instalar Motorola Phone Tools...4 Instalação e configuração do dispositivo móvel...6 Registro

Leia mais

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation

Gerenciador de Multi-Projetos. Manual do Usuário. 2000 GMP Corporation GMP Corporation Gerenciador de Multi-Projetos Manual do Usuário 2000 GMP Corporation Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/08/2004 1.0 Versão inicial do documento Bárbara Siqueira Equipe

Leia mais

PLATAFORMA PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES USANDO WAP

PLATAFORMA PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES USANDO WAP UNICENP - Centro Universitário Positivo Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas Curso de Engenharia da Computação PLATAFORMA PARA DISPONIBILIZAÇÃO DE INFORMAÇÕES USANDO WAP Aluno: Fabiano Correa Mercer

Leia mais

Compartilhamento on-line 2.0. Nokia N76-1

Compartilhamento on-line 2.0. Nokia N76-1 2.0 Nokia N76-1 SEM GARANTIA Os aplicativos de terceiros fornecidos junto com seu aparelho podem ter sido criados e detidos por pessoas ou instituições não associadas nem relacionadas com a Nokia. A Nokia

Leia mais

Enviar imagens para um serviço da Web registrado

Enviar imagens para um serviço da Web registrado Observe que, neste documento, as páginas no manual Wi-Fi do produto são referenciadas. Consulte o site da Canon para baixar o PDF completo. O procedimento geral para enviar imagens para um serviço da Web

Leia mais

VERSÃO: 1.3 TÍTULO: GUIA DE INÍCIO RÁPIDO CLIENTE: FUNCEF

VERSÃO: 1.3 TÍTULO: GUIA DE INÍCIO RÁPIDO CLIENTE: FUNCEF Objetivo: Esse guia tem por objetivo auxiliar a instalação e configuração dos dispositivos a serem utilizados para monitoramento com o Olho Digital. Os acessos poderão ser feitos de 3 maneiras: 1- Por

Leia mais

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará :

CAPÍTULO 2. Este capítulo tratará : 1ª PARTE CAPÍTULO 2 Este capítulo tratará : 1. O que é necessário para se criar páginas para a Web. 2. A diferença entre páginas Web, Home Page e apresentação Web 3. Navegadores 4. O que é site, Host,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE QUÍMICA CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA LINDOMÁRIO LIMA ROCHA FACILITADOR VIRTUAL DA APRENDIZAGEM EM QUÍMICA Campina Grande-

Leia mais

Programação Web Prof. Wladimir

Programação Web Prof. Wladimir Programação Web Prof. Wladimir Linguagem de Script e PHP @wre2008 1 Sumário Introdução; PHP: Introdução. Enviando dados para o servidor HTTP; PHP: Instalação; Formato básico de um programa PHP; Manipulação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 9. A respeito da linguagem SQL, das afirmativas abaixo, é INCORRETO afirmar que a) é uma linguagem declarativa, ao contrário das linguagens tradicionais, que são do tipo procedimental. b) é constituída

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1ª. Série Ferramentas para Sistemas Web A Atividade Prática Supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

Sistemas Integrados em Rede para aula 9 iniciado em 04/10/2012 segundo texto. Redes moveis. Redes sem fio e redes móveis. 1.

Sistemas Integrados em Rede para aula 9 iniciado em 04/10/2012 segundo texto. Redes moveis. Redes sem fio e redes móveis. 1. Sistemas Integrados em Rede para aula 9 iniciado em 04/10/2012 segundo texto Redes moveis Redes sem fio e redes móveis 1. Usuários móveis 2. Redes sem fios 2.1. Interconexão de sistemas 2.2. LAN sem fio

Leia mais

Enviar imagens para um computador (função Wi-Fi) (PowerShot SX530 HS)

Enviar imagens para um computador (função Wi-Fi) (PowerShot SX530 HS) Enviar imagens para um computador (função Wi-Fi) (PowerShot SX530 HS) Introdução O procedimento para utilização da função Wi-Fi para enviar imagens de uma câmera para um computador é explicado nas quatro

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Relatório referente a compreensão da programação JSP. Realizado do dia de 22 abril de 2010 a 03 de maio de 2010.

Relatório referente a compreensão da programação JSP. Realizado do dia de 22 abril de 2010 a 03 de maio de 2010. Relatório do GPES Relatório referente a compreensão da programação JSP. Realizado do dia de 22 abril de 2010 a 03 de maio de 2010. Compreender a programação JSP. Os Servlets assim como JSP são tecnologias

Leia mais

Web Design Aula 11: XHTML

Web Design Aula 11: XHTML Web Design Aula 11: XHTML Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação HTML 1.0-2.0: Havia hipertextos, não havia preocupação com a apresentação HTML 3: Guerra dos Browser (Microsoft

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Enviar imagens de uma câmera para um computador via Wi-Fi (PowerShot SX60 HS)

Enviar imagens de uma câmera para um computador via Wi-Fi (PowerShot SX60 HS) Enviar imagens de uma câmera para um computador via Wi-Fi (PowerShot SX60 HS) Introdução O procedimento para utilização da função Wi-Fi para enviar imagens de uma câmera para um computador é explicado

Leia mais

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede

Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Estudo da Ferramenta Cacti, para análise de desempenho de rede Eduardo Perez Pereira 1, Rodrigo Costa de Moura 1 1 Centro Politécnico Universidade Católica de Pelotas (UCPel) Félix da Cunha, 412 - Pelotas

Leia mais

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso do "Volume".

Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no SAME, utilizando-se do recurso do Volume. Page 1 of 31 184771 Módulo: AMAP - SAME PDA 184771: Controle do Arquivamento de Pastas do SAME. SOLICITAÇÃO DO CLIENTE Ter o controle das pastas (Prontuários) armazenadas no "SAME", utilizando-se do recurso

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Universidade Federal do Pará Campus Universitário de Marabá Curso de Bacharelado em Sistemas de Informação Sistemas Distribuídos Prof.: Warley Junior warleyjunior05@gmail.com Plano de Ensino. Turma SI

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Estrutura Básica do Documento HTML

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Estrutura Básica do Documento HTML IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage EstruturaBásicadoDocumentoHTML ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE VARIAÁ VEL Antes de iniciarmos os comandos referentes a Banco de Dados, precisamos de uma breve descrição técnica sobre Variáveis que serão uma constante em programação seja qual for sua forma de leitura.

Leia mais

Incorporando JavaScript em HTML

Incorporando JavaScript em HTML Incorporando JavaScript em HTML Existem quatro maneiras de incorporar JavaScript em HTML. Vamos abordar as três primeiras, por ser mais comum: Entre as tags dentro do código HTML. A partir

Leia mais

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre?

Curso de PHP. FATEC - Jundiaí. Conteúdo do Curso. 40% de aula teórica 60% de aula prática. O que veremos neste semestre? Curso de PHP FATEC - Jundiaí Conteúdo do Curso 40% de aula teórica 60% de aula prática O que veremos neste semestre? Linguagem PHP Banco de Dados - PostgreSQL PHP - Introdução ao PHP - Estrutura de um

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior Relatório Apresentação Java Server Pages Adolfo Peixinho nº4067 Nuno Reis nº 3955 Índice O que é uma aplicação Web?... 3 Tecnologia Java EE... 4 Ciclo de Vida de uma Aplicação

Leia mais

DigitalPier e PurplePier

DigitalPier e PurplePier DigitalPier e PurplePier O que é a DigitalPier? Localizada na cidade de Campinas, a DigitalPier é uma agência especializada em marketing digital com um modelo de serviço inovador. Utilizamos a Plataforma

Leia mais

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas.

Publicação web. Será ativado um assistente de publicação que lhe guiará em todas as etapas a seguir apresentadas. Publicação web Pré requisitos: Lista de questões Formulário multimídia Este tutorial tem como objetivo, demonstrar de maneira ilustrativa, todos os passos e opções que devem ser seguidos para publicar

Leia mais

Autoria Web HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza

Autoria Web HTML. Introdução a HTML e as principais tags da linguagem. Thiago Miranda dos Santos Souza HTML Introdução a HTML e as principais tags da linguagem Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Objetivos Apresentar a HTML Apresentar

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS

APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS APERFEIÇOAMENTO DE PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL ONLINE: IMPLANTAÇÃO DE RELATÓRIOS ARMAZENÁVEIS Marina Pasquali Marconato Mancini CER, DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Internet Internet Internet é o conglomerado de redes, em escala mundial de milhões de computadores interligados, que permite o acesso a informações e todo

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

LINX POSTOS AUTOSYSTEM

LINX POSTOS AUTOSYSTEM LINX POSTOS AUTOSYSTEM Manual Sumário 1 INTRODUÇÃO AO POSTGRES...3 2 INSTALAÇÃO...3 2.1 Download...3 2.2 Instalação...4 3 CONFIGURAÇÃO...7 3.1 CIDR-ADDRESS...8 3.2 Biometria...9 4 LINHA DE COMANDO...10

Leia mais

Programação WEB II. Formulários Em PHP. Métodos GET e POST progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza

Programação WEB II. Formulários Em PHP. Métodos GET e POST progweb2@thiagomiranda.net. Thiago Miranda dos Santos Souza Formulários Em PHP Métodos GET e POST progweb2@thiagomiranda.net Conteúdos Os materiais de aula, apostilas e outras informações estarão disponíveis em: www.thiagomiranda.net Objetivos Entender o funcionamento

Leia mais

Videoconferência Tandberg Modelo 990MXP. Novembro de 2014.- Edição 001

Videoconferência Tandberg Modelo 990MXP. Novembro de 2014.- Edição 001 Suporte Videoconferência Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA Núcleo de Tecnologia da Informação e Comunicação - NTIC Office: +55 53 3240 5432 #8505 Email: vconf@ntic.unipampa.edu.br Webpage: www.ntic.unipampa.edu.br/vconf

Leia mais

Web. Professor: Rodrigo Alves Sarmento rsarmento@catolica-es.edu.br rasarmento@gmail.com

Web. Professor: Rodrigo Alves Sarmento rsarmento@catolica-es.edu.br rasarmento@gmail.com Web Professor: Rodrigo Alves Sarmento rsarmento@catolica-es.edu.br rasarmento@gmail.com Objetivos O que é uma aplicação Web? Web x Stand-Alone Web x Cliente Servidor Tradicional Tipos de Aplicação Dois

Leia mais

Desenvolvimento de uma Etapa

Desenvolvimento de uma Etapa Desenvolvimento de uma Etapa A Fase Evolutiva do desenvolvimento de um sistema compreende uma sucessão de etapas de trabalho. Cada etapa configura-se na forma de um mini-ciclo que abrange as atividades

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P

Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P Manual do Usuário ICCTAB 705B/W/P 1. Introdução ao Tablet PC 1.1 Diagrama geral do Tablet PC Diagrama Frontal: Figura 1-1. Diagrama Lateral: Figura 1-2 Diagrama Traseiro: Figura 1-3 1.2 Tablet PC - Uso

Leia mais

Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão

Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão Manual de Instalação do e.sic - Sistema Municipal de Informações ao Cidadão Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo DDS Diretoria de Desenvolvimento de Sistemas SDS Superintendência

Leia mais

Objetivos Específico

Objetivos Específico Banco de Dados Ementa (DBA) Conceitos Gerais sobre Banco de Dados Instalação e configuração da Ferramenta de Banco de Dados. Elaboração de projeto de Banco de Dados. Implementação do projeto de Banco de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB. PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO WEB PROFª. M.Sc. JULIANA H Q BENACCHIO Estrutura básica do HTML Um documento HTML deve estar delimitado pela tag e . Dentro deste documento, podemos ainda distinguir

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

Mensagem instantânea. Edição 1

Mensagem instantânea. Edição 1 Mensagem instantânea Edição 1 2008 Nokia. Todos os direitos reservados. Nokia, Nokia Connecting People e Nseries são marcas comerciais ou marcas registradas da Nokia Corporation. Nokia tune é uma marca

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

TECNOLOGIA WAP NA TOMADA DE DECISÕES NO MANEJO DE DOENÇAS DA CULTURA DO TRIGO

TECNOLOGIA WAP NA TOMADA DE DECISÕES NO MANEJO DE DOENÇAS DA CULTURA DO TRIGO TECNOLOGIA WAP NA TOMADA DE DECISÕES NO MANEJO DE DOENÇAS DA CULTURA DO TRIGO Autores Willingthon Pavan Email: pavan@upf.tche.br Vínculo: Professor Universitário - Universidade de Passo Fundo - RS Endereço:

Leia mais

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br

Desenvolvimento Web. Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas. http://www.saymonyury.com.br Desenvolvimento Web Saymon Yury C. Silva Analista de Sistemas http://www.saymonyury.com.br Vantagens Informação em qualquer hora e lugar; Rápidos resultados; Portabilidade absoluta; Manutenção facilitada

Leia mais

Programação de Página WEB - PHP ROSEMARY FRANCISCO

Programação de Página WEB - PHP ROSEMARY FRANCISCO Edição nº1-2007 ROSEMARY FRANCISCO Programação de Página WEB.indd 1 27/8/2007 13:22:09 2 Programação para Internet Apresentação Este livro-texto contém a disciplina de Programação para Internet, cujo conteúdo

Leia mais

Visão geral híbrida de Serviços Corporativos de Conectividade do SharePoint 2013

Visão geral híbrida de Serviços Corporativos de Conectividade do SharePoint 2013 Visão geral híbrida de Serviços Corporativos de Conectividade do SharePoint 2013 Christopher J Fox Microsoft Corporation Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint 2013, SharePoint Online Resumo: Um ambiente

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

www.coldfusionbrasil.com.br

www.coldfusionbrasil.com.br www.coldfusionbrasil.com.br 2000 1 O que é Cold Fusion? 3 Arquitetura Cold Fusion 3 Cold Fusion Markup Language (CFML) 4 O que devo saber para programar em CFML? 4 HTML 4 Desenho de Banco de Dados Relacionais

Leia mais

POLÍTICA DE PRIVACIDADE

POLÍTICA DE PRIVACIDADE POLÍTICA DE PRIVACIDADE Veja como protegemos suas informações. 1. DA ABRANGÊNCIA DESTA POLÍTICA DE PRIVACIDADE a. Como a Advisenet usa informações pessoais? Este documento explicita a forma pela qual a

Leia mais

Manual do navegador WAP da Palm

Manual do navegador WAP da Palm Manual do navegador WAP da Palm Copyright Copyright 2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. Palm e o logotipo da Palm são marcas comerciais

Leia mais

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS

BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS 21/11/2013 PET Sistemas de Informação Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 1 BEM-VINDOS AO CURSO DE ORIENTADO A OBJETOS Leonardo Pimentel Ferreira Higor Ernandes Ramos Silva 21/11/2013

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA EXPLORAÇÃO DE PUBLICIDADE NAS HOME PAGES DA UNESP. Referência: NT-AI.02.02.01. Data: 22/03/2000

NORMA TÉCNICA PARA EXPLORAÇÃO DE PUBLICIDADE NAS HOME PAGES DA UNESP. Referência: NT-AI.02.02.01. Data: 22/03/2000 NORMA TÉCNICA PARA EXPLORAÇÃO DE PUBLICIDADE NAS HOME PAGES DA UNESP Referência: NT-AI.02.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.02.02.01.pdf Data: 22/03/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria de Informática,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME Ana Paula A. ZANELATO 1 Eliezer Gomes Paraganba FILHO 2 Emerson Silas DÓRIA 3 RESUMO: Este artigo pretende apresentar a tecnologia J2ME (linguagem

Leia mais

Tutorial Moodle ESDM - professores

Tutorial Moodle ESDM - professores Primeira entrada: Tutorial Moodle ESDM - professores USUÁRIO - MODIFICAR PERFIL No primeiro login/entrada no MOODLE aparecerá a tela do PERFIL para que o usuário complete seus dados. EDITANDO O PERFIL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ REDES DE COMPUTADORES Laboratório 2 Wireshark

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais

Programação de Servidores CST Redes de Computadores

Programação de Servidores CST Redes de Computadores Programação de Servidores CST Redes de Computadores Marx Gomes Van der Linden http://marx.vanderlinden.com.br ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) HMTL Arquivo-texto

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO

LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO LONWORKS VISÃO DO PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO Aldo Ventura da Silva * RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal apresentar a tecnologia LonWorks, passando por alguns atributos da tecnologia,

Leia mais