CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO"

Transcrição

1 CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO NOVEMBRO DE 2013

2 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº , de 30 de junho de 2003 e autorizada a funcionar por prazo indeterminado pela Portaria nº 24, de 12 de fevereiro de 2004, da Secretaria de Previdência Complementar SPC, órgão vinculado ao Ministério da Previdência e Assistência Social MPAS e patrocinada pela Companhia de Água e Esgoto do Ceará CAGECE, apresenta aos seus participantes e assistidos uma visão geral do desempenho alcançado no mês de novembro de Gestão dos Investimentos Cenário Nacional Novembro foi marcado por volatilidade dos ativos do mercado financeiro. A sinalização do banco central norte-americano de que poderá iniciar logo o programa de redução da liquidez monetária e a surpresa negativa com o elevado déficit fiscal no Brasil manteve os mercados apreensivos ao longo do mês. Em relação ao cenário econômico brasileiro, merece destaque a piora nas contas públicas de curto prazo, e consequente menção das agências de classificação de risco soberano de que poderão reduzir o rating do Brasil se não houver melhora fiscal. A atividade econômica segue morna. As vendas ao varejo avançam em ritmo relativamente firme, enquanto a produção industrial registra desempenho pífio. Os dados de mercado de trabalho tardam em apontar deterioração, mas também não podem ser considerados alentadores. O PIB do 3T13 recuou 0,5% ante o trimestre anterior, na série dessazonalizada. A retração colocou o desempenho da economia como o pior desde o 1T09. Destaque negativo para os investimentos, que recuaram 2,2% ante o trimestre anterior, enquanto o consumo das famílias 1

3 apresentou recuperação de 1% na mesma comparação, após dois trimestres consecutivos de relativa estabilidade. As exportações líquidas também foram negativas no período, em -0,2%. Em relação à política monetária, a mudança do comunicado da reunião do Copom de novembro reforça a avaliação de que o Copom reduzirá o ritmo de alta das taxas de juros para 0,25 p.p. na reunião de 15 de janeiro, devendo a taxa Selic se manter em 10,25% na maior parte de Estima-se uma taxa Selic em 10,00% em 2013 e 10,75% ao ano, no final de Fatores como o baixo nível de investimentos, menor expansão do crédito com aumento das taxas de juros e o elevado endividamento das famílias sugerem capacidade limitada de expansão da economia. Além disso, a piora das contas públicas no curto prazo somada à deterioração dos fundamentos de longo prazo da política fiscal ainda requer atenção mesmo num ambiente de ainda muita liquidez internacional. Análise da Carteira de Investimentos A carteira de investimentos do Plano CV encerrou o mês de novembro com uma rentabilidade de 0,27% (Meta Atuarial: 1,01%) e acumula no ano uma rentabilidade de 0,52% (Meta Atuarial: 10,52%). Investimentos - Estrutura e Desempenho Segmento R$ Participação (%) Rentabilidade nov/2013 (%) Rentabilidade Acumulada em 2013 (%) Renda Fixa ,97 85,24% 0,09% 0,00% Sulamerica Aqua ,40 50,65% -0,26% 4,85% CEF Aqua ,99 44,25% 0,61% -4,12% BB IMA-B ,14 2,45% -3,65% -11,39% BB IRF-M ,44 2,64% -0,45% 1,49% Renda Variável ,20 6,73% 1,32% -7,20% Expertise ,08 62,07% 4,58% 4,58% Total Return ,88 23,79% -2,70% -13,53% Expertise II ,24 14,14% -5,06% -8,65% Empréstimos ,75 7,65% 1,30% 17,84% Imóveis ,40 0,39% 0,34% 2,39% Total ,32 100% 0,27% 0,52% INPC + 6% (Meta Atuarial) 1,01% 10,56% 2

4 Renda Fixa Encerramos o mês de novembro com um resultado positivo em 0,09% na carteira de renda fixa. Segue os principais acontecimentos: Juros Nominais (pré-fixados): Na estratégia de juros pré-fixados, a forte abertura da curva de juros nos levou a aumentar a posição do fundo Aqua Sul América, inicialmente no vencimento jan/15. Com o sucesso do leilão dos aeroportos, voltamos a aumentar a posição pré-fixada nos vencimentos jan/16. O resultado da estratégia de juros foi positivo no mês. Juros Reais (Inflação): Na estratégia de inflação, mantivemos no Fundo Aqua Sul América a posição em NTN-B curta apostando no carrego positivo dessas operações ficando o fundo sub alocado em relação ao seu benchmark de inflação. A forte abertura das taxas dos juros reais prejudicou a estratégia de inflação no mês, porém gerou alfa positivo se comparado ao benchmark do fundo. Renda Variável Encerramos o mês de novembro com um resultado positivo. Segue os principais acontecimentos: Fundo Expertise: No mês de novembro, o fundo Expertise teve um desempenho completamente díspar da média do mercado, o que está em linha com sua filosofia de investimento, baseada muito mais nos micro fundamentos de cada uma das empresas em carteira, do que nas variáveis macroeconômicas. O fundo se valorizou em 4,58%, com alpha de 5,0% em relação ao seu benchmark. No ano, o fundo acumula também uma valorização de 4,58%, com alpha de pouco menos de 1% negativo contra o IVBX-2, mas com quase 20% de ganho sobre o Ibovespa. 3

5 Fundo Expertise II: O desempenho negativo do Fundo em Novembro se deveu principalmente às quedas de PDG, Vanguarda Agro e Magazine Luiza, que juntas somaram um impacto negativo de 2,7%. Nos últimos meses as ações da PDG vêm apresentando resultados negativos e no mês de Novembro fecharam com queda de 17,2%, o que impactou o Fundo negativamente em quase 1%. O baixo desempenho das ações se deve ao resultado do 3T13, quando a companhia reportou prejuízo de R$ 111 milhões, sobretudo em função de baixa rentabilidade dos projetos das safras antigas, alto patamar de cancelamentos de vendas e alta das despesas financeiras, além da estrutura administrativa, que ainda é pesada em relação ao menor patamar de lançamentos. Apesar de negativo, o desempenho esteve de acordo com o esperado no processo de reestruturação e espera-se melhora a partir do ano de 2014, quando os resultados da companhia deverão ser impactados positivamente por: maior rentabilidade dos novos projetos, redução do estoque de imóveis com baixa velocidade de vendas, menores despesas financeiras com o início do processo de desalavancagem e redução do patamar de despesas administrativas, na medida em que avançam as entregas e se reduz a necessidade de estrutura de gestão de recebíveis e serviços de pós-venda. Em Novembro viu-se uma queda acentuada das ações da Vanguarda, de 9,3%, e que impactou negativamente o resultado do Fundo em 0,9%. Não houve nenhum motivo específico operacional aparente que justificasse a queda. Após dois meses de altas expressivas, as ações do Magazine Luiza apresentaram performance negativa de 11% em Novembro. Não se observou fatos que possam ter influenciado as ações, uma vez que as vendas de eletrônicos e móveis seguem firmes, indicando um bom resultado para o 4T13 e as expectativas para 2014 são favoráveis por conta da Copa do Mundo e do programa Minha Casa Melhor. Entretanto acredita-se que a precificação da Via Varejo - oferta secundária para venda de participação de seus acionistas controladores tem impacto sobre a valorização da empresa no mercado, dadas as similaridades entre as duas empresas e, por consequência, a comparabilidade de valuation dos dois varejistas de eletroeletrônicos e móveis. Fundo Total Return: O fundo desvalorizou-se 2,70% em novembro, comparado à queda de 3,27% do Ibovespa e à perda de 2,44% do IBX-50. Destacaram-se no portfólio as altas de 4

6 13,1% de Tupy e de 4,6% de JSL. Ocorreram quedas mais expressivas em IMC Holdings (- 7,5%), Petrobras (-6,2%) e SLC Agrícola (- 4,8%). Indicadores e Benchmarks 2013 Indicadores de Desempenho (%) jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Ano Carteira 1,09-0,19-0,27 0,81-1,03-1,81-0,04-0,15 0,98 0,90 0,27 0,52 20% CDI + 80% IMA-B 0,55-0,61-1,40 1,38-3,50-2,11 1,17-1,95 0,45 0,89-2,73-7,71 CDI 0,59 0,48 0,54 0,60 0,58 0,59 0,71 0,69 0,70 0,80 0,71 7,21 IMA-B 0,54-0,88-1,88 1,58-4,52-2,79 1,29-2,61 0,39 0,91-3,59-11,18 IRF-M 0,01 0,04 0,14 1,35-0,87-0,98 1,34-1,09 1,54 0,74-0,44 1,75 IBOVESPA - 1,95-3,91-1,87-0,78-4,30-11,31 1,64 3,68 4,65 3,66-3,27-13,90 IVBX-2 1,06-0,67-0,96 0,89-1,76-5,72 2,09 2,61 3,83 4,84-0,41 5,50 IBrX ,76 1,04-1,25-9,30 1,61 2,69 5,10 6,16-2,44 3,57 INPC 0,92 0,52 0,60 0,59 0,35 0,28-0,13 0,16 0,27 0,61 0,54 4,81 Meta Atuarial (INPC + 6%) 1,43 0,94 1,07 1,10 0,82 0,74 0,40 0,67 0,76 1,15 1,01 10,56 1,50 1,00 0, ,50 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13-1,00-1,50 Carteira Meta Atuarial (INPC + 6%) 5

7 Desempenho da Carteira desde o Inicio Indicadores - Desempenho % * INPC 3,42 5,05 2,81 5,10 6,48 4,11 6,47 6,08 6,20 4,81 INPC + 6% 7,04 11,32 8,91 11,31 12,92 10,41 12,83 12,42 12,54 10,56 COTA 7,24 16,76 13,57 11,09 9,29 12,65 11,65 10,36 15,72 0,28 INVESTIMENTOS 9,55 18,54 15,08 12,48 9,73 13,98 11,92 11,79 19,27 0,52 EMPRÉSTIMOS 9,86 17,37 14,36 16,68 19,48 16,08 17,91 23,22 20,13 17,84 IPCA 7,6 5,69 3,14 4,46 5,9 4,31 5,91 6,50 5,84 4,95 CDI 9,32 19,00 15,05 11,82 12,37 9,9 9,74 11,59 8,40 7,22 VALOR DA COTA 1,07 1,25 1,42 1,58 1,73 1,94 2,17 2,40 2,77 2,78 * novembro de 2013 Fonte: IBGE, VESTING, CAIXA, BB, SULAMERICA * INPC + 6% INVESTIMENTOS 6

8 Composição dos Investimentos ATIVO PARTICIPAÇÃO VALOR Ações 6,27% ,99 CDB 3,25% ,44 Compromissadas 0,17% ,85 Debêntures 8,24% ,49 DPGE 3,59% ,25 Empréstimos 7,65% ,75 Imóveis 0,39% ,40 LFT 4,62% ,01 LTN-OVER 12,43% ,38 NTN-B 49,87% ,01 NTN-F 0,64% ,16 NTN-OVER 2,88% ,59 Total Carteira de Investimentos da CAGEPREV 100,00% ,32 NTN-OVER 2,88% NTN-F 0,64% NTN-B 49,87% Ações 6,27% CDB 3,25% Compromissadas 0,17% Debêntures 8,24% DPGE 3,59% Empréstimos 7,65% Imóveis 0,39% LTN-OVER 12,43% LFT 4,62% 7

9 Rentabilidade Mensal e Anual , , , , , , , ,00 Sulamerica Aqua CEF Aqua BB IMA-B BB IRF-M Safra Expertise Total Return Expertise II Empréstimos Imóveis , , , , , , , , ,00 Sulamerica Aqua CEF Aqua BB IMA-B BB IRF-M Safra Expertise Total Return Expertise II Empréstimos Imóveis 8

10 Risco de Crédito e de Liquidez Composição da Carteira dos Fundos de Renda Fixa Emissor Vencimento Gestor Indexador % do Indexador % do PL Valor Liquidez Rating S&P FITCH MOODY S CDB 4,02% ,44 BRADESCO 07/08/2015 Sulamerica IPCA ,97 4,02% , AAA AAA Aaa Debenture 9,98% ,49 DASA 29/04/2016 Sulamerica CDI ,40 0,35% , AA- AAA - CBEE (AMPLA) 15/06/2019 Sulamerica IPCA ,00 0,47% , AA- - - CBEE (AMPLA) 15/06/2019 CAIXA IPCA ,06 1,41% , AA- - - ENERGISA 15/07/2019 CAIXA IPCA ,68 0,68% , AA- Aa3 ECORODOVIAS 15/10/2019 Sulamerica IPCA ,00 0,96% , AAA - - TAESA 15/10/2020 Sulamerica IPCA ,85 0,65% , AAA AAA Aa1 ANDRADE 15/06/2022 Sulamerica IPCA ,20 0,44% , AA - - ANDRADE 15/06/2022 CAIXA IPCA ,69 1,27% , AA - - ELEKTRO 12/09/2022 Sulamerica IPCA ,50 1,00% , AAA - - ELEKTRO 12/09/2022 CAIXA IPCA ,92 1,25% , AAA - - ECORODOVIAS 15/10/2022 Sulamerica IPCA ,35 0,14% , AAA - - ECORODOVIAS 15/04/2023 CAIXA IPCA ,57 1,37% , AAA - - DPGE 4,44% ,28 SCHAIN 21/11/2014 Sulamerica IPCA ,46 4,44% , BBB- B2 COMPROMISSADAS 22,31% ,15 Tesouro Nacional 01/04/2014 Sulamerica PRE 8,9 12,86% , Tesouro Nacional 01/01/2014 CAIXA DI 9,45% ,99 31 NTN-B 59,26% ,03 Tesouro Nacional 15/08/2014 Sulamérica IPCA ,40 3,52% ,11 No Vencimento Tesouro Nacional 15/05/2015 Sulamérica IPCA ,90 0,62% ,22 Diária Tesouro Nacional 15/08/2016 Sulamérica IPCA ,30 0,31% ,33 Diária Tesouro Nacional 15/08/2016 Sulamérica IPCA ,30 0,93% ,00 Diária Tesouro Nacional 15/05/2017 Sulamérica IPCA ,50 4,47% ,13 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2018 Sulamérica IPCA ,43 3,13% ,86 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2020 CAIXA IPCA ,61 7,81% ,55 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2022 Sulamérica IPCA ,00 0,90% ,28 Diária Tesouro Nacional 15/08/2024 Sulamérica IPCA ,13 5,24% ,24 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2030 Sulamérica IPCA ,99 1,89% ,19 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2030 CAIXA IPCA ,44 6,48% ,20 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2040 Sulamérica IPCA ,41 4,06% ,46 Diária Tesouro Nacional 15/08/2040 CAIXA IPCA ,49 8,17% ,24 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2050 Sulamérica IPCA ,66 2,98% ,47 No Vencimento Tesouro Nacional 15/08/2050 CAIXA IPCA ,61 8,75% ,75 No Vencimento Carteira dos Fundos Exclusivos (CAIXA e Sul América) % do PL Valor 80,89% ,39 Carteira de Renda Fixa PL INVESTIMENTOS % do PL Valor ,32 80,89% ,39 9

11 3. Gestão Previdencial População O plano PCV administrado pela Fundação contava, em novembro de 2013, com pessoas vinculadas, entre participantes ativos, autopatrocinados, pensionistas e aposentados e seus respectivos beneficiários. PUBLICO DO PLANO CV (novembro/2013) Descrição Quantidade (%) Participantes Ativos ,73 Participantes Assistidos (Pensionistas) 11 0,97 Beneficiários Assistidos (Autopatrocinados - PRSP)113 9,95 Participantes Assistidos (Aposentados) 4 0,35 Total Beneficiários Ativos Aposentados Autopatrocinados Pensionistas 10

12 Receitas e Despesas Previdencial As Receitas Previdenciais aumentaram em 3,27% em relação ao mês de outubro de 2013, totalizando R$ ,81 (R$ ,93 em outubro de 2013). O aumento se deve a 68 novas adesões. As Despesas Previdenciais aumentaram em 8,04% em relação ao mês de outubro de 2013, totalizando R$ ,08 (R$ ,30 em outubro de 2013), referente ao pagamento do seguro de vida em virtude da adesão de 68 novos participantes. Receitas e Despesas Previdenciais Com parativo nov/13 out/13 Variação Receitas , ,93 3,27% Patrocinador , ,30 2,88% Participante , ,82 8,20% Autopatrocinado , ,81-0,03% Despesas , ,30 8,04% Aposentadoria Programada 4.245, ,28 0,00% Invalidez - - 0,00% Pensão 8.595, ,65 0,00% Outros Beneficios de Prestação Continuada 113,87 113,87 0,00% Beneficios de Prestação Única - - 0,00% Institutos - - 0,00% Outras Deduções , ,50 10,99% Resultado , ,63 2,97% 11

13 4. Gestão Atuarial As Provisões Matemáticas do Plano CV são constituídas pelos: a) benefícios concedidos corresponde ao valor atual dos compromissos futuros a serem pagos pela Fundação em relação aos atuais aposentados e pensionistas e; b) benefícios a conceder corresponde ao valor presente dos benefícios futuros (ainda não concedidos), não compreendendo as contribuições futuras dos Participantes e da Patrocinadora para os Participantes Ativos que não adquiriram os direitos de aposentadoria e pensão. Provisões Matem áticas (Exigível Atuarial) Em R$ Exercício nov/13 out/13 Beneficios Concedidos , ,78 Beneficios a Conceder , ,50 Total , ,28 Prem issas Atuariais Biom étricas Tábua de M ortalidade AT-83 AT-83 Econôm icas Taxa Real de Juros 6% a.a. 6% a.a. Projeção de Crescimento Real do Salário 1% a.a. 1% a.a. 12

14 5. Patrimônio Social Juntamente com seus investimentos, a CAGEPREV fechou o mês de novembro de 2013 com um Patrimônio de R$ ,00 representando um crescimento de 8,86% em relação a dezembro de A evolução do Patrimônio da CAGEPREV está representada no gráfico e quadro demonstrativo do crescimento. 120 Evolução Patrimonial da CAGEPREV (R$ mil) ,85 98, ,80 71, ,98 35,44 26,44 22,42 18,21 14, nov

15 6. Gestão Administrativa Investimentos No mês de novembro de 2013, o rendimento da carteira de investimentos do Plano de Gestão Administrativa PGA da CAGEPREV em renda fixa (Bradesco FI RENDA FIXA IMA GERAL) foi negativo em 1,49%. Investimentos - Estrutura e Desempenho Segmento R$ Participação (%) Rentabilidade Novembro/20 13 (%) Rentabilidade Acumulada em 2013 (%) Renda Fixa Bradesco FI RENDA FIXA IMA GERAL ,74 100,00% -1,49% -2,81% Total ,74 100% -1,49% -2,81% Despesas Administrativas Novembro/2013 (Realizado) x Outubro/2013 (Realizado) Despesas Administrativas Composição nov/13 out/13 Var. Abs. Var. % Pessoal e Encargos , ,92 (21.216,51) -34,93% Despesas Gerais 5.543, ,70 (2.375,99) -30,00% Serviços de Terceiros , , ,00 8,93% Depreciações e Amortizações 456,19 456,19-0,00% Tributos e Taxas 4.633, ,29 (141,31) -2,96% Total , ,19 (22.073,81) -23,87% 14

16 Pessoal e Encargos: corresponde aos gastos com remuneração da Diretoria, salários e provisões do Pessoal Próprio da Fundação, gastos com encargos e benefícios; participação em treinamentos, congressos; viagens e estadias. A redução das despesas no mês de novembro foi em decorrência de ajuste nas despesas de ressarcimento e nas provisões de férias, 13º salário e PLR. Serviços de Terceiros: corresponde aos gastos com consultoria atuarial, contábil e de auditoria; serviços de jornalismo; aluguéis dos sistemas para a gestão das atividades administrativas da CAGEPREV. O aumento no mês de novembro foi decorrente do restante do pagamento da Consultoria Atuarial para atendimento das demandas da equipe de fiscalização da PREVIC. Despesas Gerais: corresponde aos gastos com suprimentos, telefone, energia, manutenção das salas, comunicação com o participante, entidades e associações e demais gastos. O aumento dos gastos no mês de outubro foi decorrente dos gastos com impressão do Jornal trimestral. 7. Gestão Orçamentária Acompanhamento Orçamentário - Acumulado de 2013 Grupos Previsto Realizado Var. Abs. Var. % Gestão Previdencial , , ,46 5,35% Gestão dos Investimentos , ,22 ( ,74) -96,09% Gestão Administrativa , ,06 (55.453,50) -5,56% 15

17 Gestão Administrativa Despesas Administrativas (Acumulado) Composição Realizado Orçado Var. Abs. Var. % Pessoal e Encargos , ,11 - (12.222,61) -2,04% Despesas Gerais , , ,87 34,67% Serviços de Terceiros , ,07 (51.795,00) -18,55% Depreciações e Amortizações 5.271, ,08 486,50 10,17% Tributos e Taxas , ,01 (10.553,26) -17,65% Total , ,56 (55.453,50) -5,56% Gestão Previdencial Premissas consideradas para projeção das receitas e despesas previdenciárias: i) Reajuste das contribuições em 6,73% (INPC=5,73% + 1%) no mês de maio de 2013 para todas as categorias de contribuição; ii) Entrada de 20 (vinte) pessoas na condição de autopatrocinados (PRSP); iii) Alteração de contribuição para os participantes que ainda estão contribuindo abaixo do ideal. Gestão de Investimentos Projeção Premissas consideradas para projeção dos investimentos: i) Foi considerado uma rentabilidade média mensal de 0,96% a partir de uma projeção do INPC para 12,10% (6% do INPC + 5,75% meta atuarial); ii) Foi considerado que todas as contribuições futuras seriam aplicadas no Fundo CAIXA Aqua. 16

18 8. Indicadores de Gestão do PGA Indicadores de Desempenho do PGA Composição nov/13 out/13 Var. Abs. Variação % (a) Patrimônio Social (R$) , , ,70 0,97% (b) Despesas Administrativas (R$) , , ,38 8,08% Número de Participantes ,97% (b/a) Despesas sobre o Patrimônio (%) 0,96% 0,89% 0,00 7,04% (b/c) Despesa per Capita (R$1,00) 828,43 812,23 16,20 2,00% 9. Balancete Consolidado CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR CNPJ / Balancete Consolidado de 30 de novembro de 2013 ATIVO PASSIVO DISPONIVEL EXIGIVEL OPERACIONAL Caixa 95 Gestão Previdencial Banco c/movimento Gestão Administrativa Investimentos REALIZÁVEL Gestão Previdencial EXIGIVEL CONTINGENCIAL Gestão Administrativa Gestão Administrativa Investimentos Total Investimentos do Plano PATRIMÔNIO SOCIAL Renda Fixa Patrimônio de Cobertura do Plano Renda Variavel Provisões Matemáticas Imóveis Benefícios Concedidos Empréstimos Benefícios a Conceder Investimentos do PGA Fundos Renda Fixa Fundos Fundos Previdenciais PERMANENTE Fundos Administrativos TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO A DIRETORIA 17

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques

FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR COMENTÁRIO DE DESEMPENHO 1º SEMESTRE DE 2012. Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Maio/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 30.04.14 APLICAÇÃO

Leia mais

Principais Destaques

Principais Destaques Aumento do Patrimônio Atingimento da Meta Atuarial Principais Destaques 1. Perfil Institucional A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313, de 30 de

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - ARROJADA MIX 40 BENCHMARK RF:60.00% ( 100.00%CDI ) + RV:40.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 03/11/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/11/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

RENDIMENTO X META ATUARIAL BB PREVI RF IDKA 2 1.211.884,00 BB PREVD RF IRF-M 671.325,46

RENDIMENTO X META ATUARIAL BB PREVI RF IDKA 2 1.211.884,00 BB PREVD RF IRF-M 671.325,46 JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO FAPS FUNDO DE APOSENTADORIA E PENSÃO DO SERVIDOR SALVADOR DO SUL SALVADOR DO SUL CNPJ 12.799.725/000170 DEMONSTRATIVO

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Janeiro/2015 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.12.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Março de 2016 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Março de 2016 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA CC DI/RF IRFM1 IMAB5 SUBTOTAL 31/dez/2013 26.103,99 26.103,99

Leia mais

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX

Renda Fixa: 88%[(78% [CDI+0,5%]+17% IMAB + 5%IMAB5)+12%(103%CDI)] Renda Variável Ativa = 100%(IBrx+6%) Inv. estruturados = IFM Inv. no exterior = BDRX Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Março de 2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 28.02.14 APLICAÇÃO

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO JUNHO DE 2014 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Julho de RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) PGA PB TOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI IRFM1 FI

Leia mais

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total

Santa Helena. jan/12 Aplicações Financeiro Inicial Aplicação Resgate Rendimento Total Santa Helena Consultoria de Investimentos TC Consultoria de Investimentos Consultor Responsável: Diego Siqueira Santos Certificado pela CVM, Ato declaratório 11.187, de 23 de Julho de 2010 jan/12 Aplicações

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 POLÍTICA DE INVESTIMENTOS PARA 2010 Subordinada à Resolução CMN nº 3.792 de 24/09/09 1- INTRODUÇÃO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes a serem observadas na aplicação dos recursos

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA POLÍTICA DE INVESTIMENTO E RESUMO DO INFORMATIVO MENSAL DA BB GESTÃO DE RECURSOS DTVM Novembro/2014 1. Extrato Sintético das Aplicações FUNDOS RENDA FIXA SALDO 31.10.14 APLICAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO Expectativas de Mercado BACEN (17/04/2015) Pág. 2 abril de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % FEVEREIRO MARÇO DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015

RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS. Setembro de 2015 RELATÓRIO DE INVESTIMENTOS Setembro de 2015 1 RESULTADOS DOS INVESTIMENTOS 1.1. Saldos Financeiros Saldos Segregados por Planos (em R$ mil) DATA CC FI DI/RF PGA FI IRFM1 FI IMAB5 SUBTOTAL CC FI DI/RF FI

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO OUTUBRO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO AGOSTO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL Expectativas de Mercado BACEN (15/05/2015) Pág. 2 maio de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % MARÇO ABRIL DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO ABRIL DE 2014 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO MAIO DE 2014 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II

MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II MUTUOPREV 2014 - RELATÓRIO ANUAL DO PLANO DE BENEFÍCIOS II A MUTUOPREV Entidade de Previdência Complementar - CNPJ nº 12.905.021/0001-35 e CNPB 2010.0045-74, aprovado pela portaria nº 763 de 27 de setembro

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO JULHO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

CADERNO APOS Nº 1. PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15)

CADERNO APOS Nº 1. PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15) CADERNO APOS Nº 1 PROCEDIMENTOS PARA ACOMPANHAMENTO DO DESEMPENHO DE SEU PLANO DA SISTEL Edição 2 (abril/15) 1 1 Introdução... 3 2 Quadro Balancete Sintético (superávit ou déficit do plano) mensal... 3

Leia mais

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito;

Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; 06-set-2013 Semana com dólar em forte queda, alta da Bolsa e menor pressão nos juros futuros; Programa de intervenção do BCB no câmbio vem surtindo efeito; Ata do Copom referendou nosso novo cenário para

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 4 de maio de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 4 de maio de 2015 1. Alocação recomendada para Maio de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2012 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO SETEMBRO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO

RELATÓRIO MENSAL RENDA FIXA TESOURO DIRETO RENDA FIXA TESOURO DIRETO CARTEIRA RECOMENDADA A nossa carteira para este mês continua estruturada com base no cenário de queda da taxa de juros no curto prazo. Acreditamos, no entanto, que esse cenário

Leia mais

1. Atividade Econômica

1. Atividade Econômica Julho/212 O Núcleo de Pesquisa da FECAP apresenta no seu Boletim Econômico uma compilação dos principais indicadores macroeconômicos nacionais que foram publicados ao longo do mês de referência deste boletim.

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO JUNHO DE 2013 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

Demonstrativo de Investimentos

Demonstrativo de Investimentos Demonstrativo de Investimentos 1º Trimestre de 2013 Este relatório é de uso exclusivo dos órgãos de administração (Diretoria, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal) da SIAS. Diretoria Administrativa

Leia mais

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010

PROPOSTA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 Secretaria da Administração do Estado da Bahia Superintendência de Previdência Diretoria de Gestão Financeira Previdenciária e Investimentos PROPOSTA DE POLÍTICA DE INVESTIMENTOS - 2010 REGIME PRÓPRIO

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO JANEIRO DE 2014 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes

Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2007 e de 2006 e parecer dos auditores independentes Bungeprev Fundo Múltiplo de Previdência Privada Demonstrações e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores, Participantes e Patrocinadores Bungeprev Fundo

Leia mais

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014

POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 POUPREV FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DE INFORMAÇÕES DE 2014 O presente resumo do Relatório Anual de Informações de 2014 trata das atividades desenvolvidas pela POUPREV, no referido

Leia mais

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI)

NUCLEOS Instituto de Seguridade Social. Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) NUCLEOS Instituto de Seguridade Social Relatório de acompanhamento da Política de Investimento e resumo do Demonstrativo de Investimentos (DI) Maio, 2009 Índice Capítulo Página I Introdução...1 II Alocação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS MARÇO-2014. Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS MARÇO-2014. Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS MARÇO-2014 Regime Próprio de Previdência do Município de Agudo - RS INTRODUÇÃO O Relatório de Gestão de Investimentos do Regime Próprio de Previdência do Município

Leia mais

1. Objetivo e Descrição do fundo

1. Objetivo e Descrição do fundo FATOR VERITÀ FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ: 11.664.201/0001-00 Administrado pelo Banco Fator S.A. CNPJ: 33.644.196/0001-06 RELATÓRIO SEMESTRAL 1º. SEM. 2013 1. Objetivo e Descrição do fundo

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV

RELATÓRIO MENSAL DE INVESTIMENTOS INFINITY JUSPREV CENÁRIO ECONÔMICO EM OUTUBRO São Paulo, 04 de novembro de 2010. O mês de outubro foi marcado pela continuidade do processo de lenta recuperação das economias maduras, porém com bons resultados no setor

Leia mais

VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros. GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros. GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos 1 CENÁRIO ECONÔMICO Economia Internacional RECUPERAÇÃO Produção Industrial (total) 115.00 Revisões

Leia mais

Plano de Gestão Administrativa - PGA

Plano de Gestão Administrativa - PGA Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Período: Jan/09 - Mai/15 (R$ Mil) 43.000 42.000 41.000 40.000 39.000 38.000 37.000 36.000 35.000 34.000 33.000 32.000 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E DE 2003 SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA FGV PREVI SOCIEDADE CIVIL FGV DE PREVIDÊNCIA PRIVADA - FGV PREVI DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE

Leia mais

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL

RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL RELATÓRIO DE CONTROLES INTERNOS DO CONSELHO FISCAL Artigo 19, da Resolução do CGPC nº 13/04. CAPOF Caixa de Assistência e Aposentadoria dos Funcionários do Banco do Estado do Maranhão. 1º SEMESTRE DE 2011

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013

Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Relatório de Gestão Renda Fixa e Multimercados Junho de 2013 Política e Economia Atividade Econômica: Os indicadores de atividade, de forma geral, apresentaram bom desempenho em abril. A produção industrial

Leia mais

Sumário. Aos Participantes 5. Governança Corporativa 6. Posição Patrimonial Consolidada 7. Planos Previdenciários 9. Política de Investimentos 16

Sumário. Aos Participantes 5. Governança Corporativa 6. Posição Patrimonial Consolidada 7. Planos Previdenciários 9. Política de Investimentos 16 RELATÓRIO ANUAL RELATÓRIO ANUAL Sumário Aos Participantes 5 Governança Corporativa 6 Posição Patrimonial Consolidada 7 Planos Previdenciários 9 Política de Investimentos 16 Desempenho Financeiro 27 Planos

Leia mais

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40;

Conjuntura semanal. Itaú Personnalité. Semana de 12 a 16 de Agosto. Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Semana de 12 a 16 de Agosto Fatores externos e internos elevaram o dólar para perto de R$ 2,40; Curva de juros voltou a precificar mais aumentos de 0,5 p.p. para a taxa Selic; Com a presente semana muito

Leia mais

Sumário. Planos de Contribuição Variável

Sumário. Planos de Contribuição Variável Planos de Contribuição Variável Sumário Plano Sanasa Parecer atuarial sobre o balanço...2 Demonstrações patrimonial e de resultados de plano de benefícios de natureza previdencial...7 Demonstrativo de

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações

DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações DAIEA Demonstrativo Analítico dos Investimentos e Enquadramento das Aplicações FUNDO DE PENSÃO PRECIN 1 Semestre / 2006 DAIEA Demonstrativo Analítico de Investimentos e de Enquadramentos das Aplicações

Leia mais

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008

AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 AGÊNCIA ESPECIAL DE FINANCIAMENTO INDUSTRIAL FINAME RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Senhor acionista e demais interessados: Apresentamos o Relatório da Administração e as informações

Leia mais

Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos. ITABIRAPREV - Instituto de Previdência de Itabira - MG

Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos. ITABIRAPREV - Instituto de Previdência de Itabira - MG Relatório de Acompanhamento da Carteira de Investimentos ITABIRAPREV - Instituto de Previdência de Itabira - MG Milhares (R$) Milhões 1. Introdução O presente relatório possui o objetivo de demonstrar

Leia mais

GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA RPPS PONTÃO MARÇO

GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA RPPS PONTÃO MARÇO 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA MARÇO BANCO CENTRAL DO BRASIL. Focus Relatório de Mercado de 6 de março de 2015. Disponível em: http://www.bcb.gov.br/pec/gci/port/readout/r20150306.pdf.

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 01 de Setembro de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 03/08/2015 a 31/08/2015 Panorama Mensal Agosto 2015 O mês de agosto novamente foi marcado por grande volatilidade nos mercados

Leia mais

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência

Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência Mercado de Renda Fixa: Regras de Negócios, Liquidez e Transparência 1º Seminário Internacional sobre Renda Fixa em Mercado de Balcão 29/9/2006 Agenda Cenário Macroeconômico Transparência e Liquidez Principais

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 1.000.000 Período: Jan/08 - Jul/14 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado O ciclo de flexibilização monetária iniciado em janeiro, quando a meta para a taxa básica de juros foi reduzida em p.b.,

Leia mais

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, 1º Trimestre de 2016 CARTA ECONÔMICA Nº 03/2016

Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, 1º Trimestre de 2016 CARTA ECONÔMICA Nº 03/2016 CARTA ECONÔMICA Nº 03/2016 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, 1º Trimestre de 2016 1) PANORAMA POLÍTICO NO TRIMESTRE No início deste primeiro trimestre com a retomada

Leia mais

VALORES DE MERCADO DOS INVESTIMENTOS R$ (MIL)

VALORES DE MERCADO DOS INVESTIMENTOS R$ (MIL) INVESTIMENTOS Discriminação dos Investimentos VALORES DE MERCADO DOS INVESTIMENTOS R$ (MIL) Plano dez/2013 %Aplicação %Política de Investimentos PGA dez/2013 %Aplicação Entidade dez/2013 %Aplicação Limite

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO OUTUBRO DE 2014 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº 13.313,

Leia mais

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos

VITER GEICO. Vice-Presidência de Gestão. Gerência Nacional de Investidores Corporativos VITER Vice-Presidência de Gestão de Ativos de Terceiros GEICO Gerência Nacional de Investidores Corporativos CENÁRIOS ECONÔMICOS JUROS JUROS x INFLAÇÃO x META ATUARIAL Meta Atuarial = 6,00% + IPCA (FOCUS

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 15/2015 Data: 10/08/2015 Participantes Efetivos: Wagner de Jesus Soares Presidente, Mariana Machado de Azevedo Economista, Rosangela Pereira

Leia mais

Boletim Econômico da Scot Consultoria

Boletim Econômico da Scot Consultoria Boletim Econômico da Scot Consultoria ano 1 edição 2 22 a 28 de abril de 2013 Destaque da semana Alta na taxa Selic O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu elevar a taxa Selic para 7,50% ao ano,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542.

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS. Av. Gabriel de Lara, 1307 Leblon Paranaguá PR Cep 83.203-550 - (041) 3425-6969 - CNPJ - 08.542. POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2008 ÍNDICE 1 Introdução 2 Objetivo 3 Estrutura Organizacional para Tomada de Decisões de Investimento 4 Diretrizes de Alocação dos Recursos 4.1. Segmentos de Aplicação 4.2. Objetivos

Leia mais

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007

NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 NÍVEL DE ATIVIDADE, INFLAÇÃO E POLÍTICA MONETÁRIA A evolução dos principais indicadores econômicos do Brasil em 2007 Introdução Guilherme R. S. Souza e Silva * Lucas Lautert Dezordi ** Este artigo pretende

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 20/2013

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 20/2013 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 20/2013 Data: 27/11/2013. Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Investimento derrete e leva o PIB junto.

Investimento derrete e leva o PIB junto. Ibovespa 8-6-29:,54% Pontos: 53.63,39 Ibovespa 8-6-9 INTRADAY 545 54 535 53 525 52 515 Indicador Valor Var.% Data Dólar Comercial 1,936-1,63 1h45 Dólar Paralelo 2,3, 8/6 Dólar Turismo 2,9 +,97 8/6 Dólar/Euro

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 950.000 Período: Jan/07 - Ago/12 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08

Leia mais

Política de Investimentos 2014 a 2018

Política de Investimentos 2014 a 2018 Política de Investimentos 2014 a 2018 Fundação de Previdência dos Servidores do Instituto de Resseguros do Brasil PREVIRB Plano de Gestão Administrativa 1 Introdução A presente política de investimento

Leia mais

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82%

Período São Bernardo SB Zero SB 20 SB 40 CDI. Janeiro 0,92% 1,05% -0,29% -1,71% 0,93% Fevereiro 0,81% 0,74% 1,93% 3,23% 0,82% Rentabilidade da Renda Fixa em 2015 Desde o mês de junho deste ano as carteiras de investimentos financeiros que compõem os perfis de investimentos da São Bernardo têm sofrido forte flutuação de rentabilidade,não

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA (R$ Mil) 1.050.000 Período: Jan/08 - Dez/14 1.000.000 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS DA ASSISTÊNCIA JANEIRO-2015

RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS DA ASSISTÊNCIA JANEIRO-2015 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE NOVO HAMBURGO RELATÓRIO MENSAL DAS APLICAÇÕES FINANCEIRAS DOS RECURSOS DA ASSISTÊNCIA JANEIRO- ÍNDICE DEMOSTRATIVO DAS APLICAÇÕES DA

Leia mais

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 16/2013

ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 16/2013 ATA DE REUNIÃO DO COMITÊ DE INVESTIMENTOS - COMIN COMIN - Nº 16/2013 Data: 23/09/2013. Participantes Efetivos: Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Presidente, Valcinea Correia da Silva Assessora Especial,

Leia mais

Síntese de set/out/nov-2014

Síntese de set/out/nov-2014 Síntese de set/out/nov-2014 23 de dezembro de 2014 Análise de Cenário O que está ruim pode piorar um pouco mais... Embora a nomeação da equipe econômica e seus primeiros discursos tenham agradado aos mercados,

Leia mais

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012):

O mercado monetário. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): O mercado monetário Prof. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br Blog: www.marcoarbex.wordpress.com Os mercados financeiros são subdivididos em quatro categorias (ASSAF NETO, 2012): Mercado Atuação

Leia mais

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT

Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios - Visão Celular CRT Demonstrações Financeiras Relatório Anual 04 Visão Prev Demonstração do Ativo Líquido por Plano de Benefícios Visão Celular CRT Período: 04 e 03 dezembro R$ Mil Descrição 04 03 Variação (%). Ativos.85.769

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

RENDA FIXA CDB FUNDOS

RENDA FIXA CDB FUNDOS Este relatório tem como objetivo atender a Instrução SPC nº de 2005, e informar aos Participantes, Assistidos, Patrocinadores, Entidades de Classe e a Secretaria de Previdência Complementar ( SPC ) sobre

Leia mais

Relatório Mensal. Rio Bravo Crédito Imobiliário I - FII

Relatório Mensal. Rio Bravo Crédito Imobiliário I - FII Relatório Mensal Rio Bravo Crédito Imobiliário I - FII Março 2016 Rio Bravo Crédito Imobiliário I Fundo de Investimento Imobiliário FII O fundo Rio Bravo Crédito Imobiliário I FII iniciou suas atividades

Leia mais

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos

Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos Fundo de Aposentadoria e Previdência Social dos Servidores Efetivos do Município de Barra do Rio Azul-RS. Gestão Econômica e Financeira. Comitê de Investimentos RELATORIO GESTÃO FINANCEIRA 01/2015 O Comitê

Leia mais

Extrato de Fundos de Investimento

Extrato de Fundos de Investimento São Paulo, 04 de Maio de 2015 Prezado(a) FUNDO DE PENSAO MULTIPATR OAB 01/04/2015 a 30/04/2015 Panorama Mensal Abril 2015 No cenário internacional, o mês de abril foi marcado por surpresas negativas em

Leia mais

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43

3 INFLAÇÃO. Carta de Conjuntura 26 mar. 2015 43 3 INFLAÇÃO SUMÁRIO A inflação brasileira, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), vinha apresentando uma trajetória de aceleração desde o início de 2014, mas mantinha-se dentro

Leia mais

Conjuntura Dezembro. Boletim de

Conjuntura Dezembro. Boletim de Dezembro de 2014 PIB de serviços avança em 2014, mas crise industrial derruba taxa de crescimento econômico Mais um ano de crescimento fraco O crescimento do PIB brasileiro nos primeiros nove meses do

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA COMPRA DE TÍTULOS NO TESOURO DIRETO Um título público consiste, de maneira simplificada, um empréstimo ao governo federal, ou seja, o governo fica com uma dívida com o comprador

Leia mais

Apresentação Diretoria de Investimentos

Apresentação Diretoria de Investimentos Apresentação Diretoria de Investimentos Brasília (DF), 12/mai/2014 Situação Atual Resumo Tipo Conta Corrente Fundos de Investimento Instituição Financeira Banco do Brasil CAIXA Banco do Brasil CAIXA Descrição

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [00.469.585/0001-93] FACEB - FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS EMPREGADOS DA CEB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2006.0068-11] CEBPREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2013 Atuário

Leia mais

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO

CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO CAGEPREV FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR RELATÓRIO DE DESEMPENHO FEVEREIRO DE 2014 1. Apresentação A Fundação CAGECE de Previdência Complementar CAGEPREV, criada através da Lei Estadual nº

Leia mais

Balancete Contábil Dezembro de 2012

Balancete Contábil Dezembro de 2012 Balancete Contábil Dezembro de 2012 CAGEPREV - FUNDAÇÃO CAGECE DE PREVIDENCIA COMPLEMENTAR DISPONIVEL 7.619 EXIGIVEL OPERACIONAL 315.366 Caixa 97 Gestão Previdencial 116.641 Banco c/movimento 7.523 Gestão

Leia mais

DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

DIRETORIA DE INVESTIMENTOS DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal de Investimentos Fundo Financeiro e Previdenciário Fevereiro Rio de Janeiro 2015 1 Diretoria de Investimentos Gustavo de Oliveira Barbosa Diretor Presidente

Leia mais

Política de Investimentos. Resultados Obtidos

Política de Investimentos. Resultados Obtidos Política de Investimentos Resultados Obtidos Política de Investimentos 2014» 2014: Ano de Transição Migração dos recursos investidos em dois fundos de investimento atrelados ao DI (BB e CAIXA) para novos

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JANEIRO - 2015

RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JANEIRO - 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS JANEIRO - 2015 Í NDICE RELATÓRIO DE GESTÃO DE INVESTIMENTOS Carteira Consolidada... 1 Carteira Detalhada... 2 Política de Investimento 2015... 3 Análise de Rentabilidade...

Leia mais

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015

BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 BRB ANUNCIA RESULTADOS DE 2015 Brasília, 22 de março de 2016 O BRB - Banco de Brasília S.A., sociedade de economia mista, cujo acionista majoritário é o Governo de Brasília, anuncia seus resultados do

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE

RELATÓRIO 2º TRIMESTRE RELATÓRIO 2º TRIMESTRE FPMSMS FUNDO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE SÃO MATEUS DO SUL 2º TRIMESTRE 2014 ÍNDICE CENÁRIO MACROECONÔMICO ------------------------------------------------------------------ 4

Leia mais