AÇÕES PREVENTIVAS DE ACIDENTES COM TRANSEUNTES EM OBRA URBANA DE GASODUTO TERRESTRE: UM ESTUDO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AÇÕES PREVENTIVAS DE ACIDENTES COM TRANSEUNTES EM OBRA URBANA DE GASODUTO TERRESTRE: UM ESTUDO DE CASO"

Transcrição

1 AÇÕES PREVENTIVAS DE ACIDENTES COM TRANSEUNTES EM OBRA URBANA DE GASODUTO TERRESTRE: UM ESTUDO DE CASO Roberta Lima de Souza Costa (UNAMA) Jose Alberto Silva de Sa (UNAMA) O presente trabalho analisou as causas dos acidentes ocorridos com transeuntes em obra urbana de gasoduto terrestre realizada na cidade de Manaus-AM no período de junho/2008 a setembro/2010, que resultou em danos e/ou transtornos aos moradoores no decorrer e sua execução. Buscou propor ações preventivas para esse tipo de obra em áreas urbanas. Realizou-se análise da tabela de acidentes e suas causas no dia a dia do processo de execução. Como resultado, foi possível identificar ações preventivas como intensificação da comunicação para os transeuntes e moradores com a descrição da obra, alertando-os sobre trafego de veículos naquele local informando alternativas de fluxo de tráfego com placas alusivas e refletivas e rota alternativa, data e hora de interdição de via; indicando ao pedestre passagem segura próximo a obra através de placas indicativas e educativas; colocação de sinalização ao longo do caminhamento da vala, desde a etapa de demarcação do local até o fechamento da vala e recomposição do pavimento; especificação de equipamento adequado ao local de execução da obra; programação de execução de obras em dias da semana de menor fluxo de trânsito, quando for o caso, em consonância com a determinação do gerente de trânsito da via em questão; programação de execução de obras de forma a evitar feriados ou festas locais, se for o caso; manutenção de placas metálicas sobre as valas nos cruzamentos de vias ou em acessos de veículos às propriedades existentes ao longo do caminhamento da tubulação; manutenção de sinalização no período noturno; colocação de tapumes ao longo da vala; manutenção de sinalização luminosa no período noturno; limpeza do local de execução das obras e desobstrução de espaço para circulação de pessoas com segurança; recomposição do piso e/ou pavimento. Abstract This study analyzed the causes of accidents involving pedestrians in urban gas pipeline project held land in the city of Manaus-AM in the period from June/2008 to September 2010, which resulted in damage and / or inconvenience to residents during their execution and. Sought to propose preventive actions for this type of work in urban areas. Analysis was performed and the table of accidents and their causes on the day of the execution process. As a result, it was possible to identify preventive actions such as increased

2 communication for pedestrians and residents with the description of the work, alerting them to vehicular traffic at that location stating alternative flow of traffic signs and reflective and allusive alternative route, date and time interdiction of road, indicating to pedestrians safe passage around th Palavras-chaves: Segurança. Transeuntes. Prevenção de acidentes. Gasoduto Terrestre. Obra Urbana. Key words: Security. Passers. Prevention of accidents. Pipeline Road. Work Urbana. 2

3 1. Introdução A via urbana é um espaço público, onde atividades diferentes ocorrem de uma maneira dinâmica, assim a via tem acima de tudo, uma função social dentro do contexto global da cidade, permitindo que por meio dela seja possível atingir locais onde novas atividades se desenvolvem. Atualmente enfrentamos atividades das mais diferenciadas e nem sempre desejáveis já se encontram alojadas nos seus lotes lindeiros e nem sempre existe uma calçada de obras urbanas está geralmente ligada ao crescimento populacional. Com a demanda de serviços suficientemente larga para a circulação de pedestres. Com o crescimento populacional vem junto o avanço de obras nas cidades e regiões metropolitanas e com isso nota-se que a preocupação com a segurança dos transeuntes é bem pequena, quase nulo e os acidentes vêm acontecendo no decorrer do cronograma da obra. O gás natural é de extrema importância para uma cidade, pois é fundamental para o crescimento urbano. Ele é usado como fonte de energia (combustível) para as indústrias, residências e veículos de transportes. E vem daí a necessidade de obra de gasoduto nas áreas urbanas. O processo de construção e montagem de dutos consiste na ligação de vários tubos de comprimento e diâmetro variável. Para essa construção, as indústrias contratam empresas especializadas, porém ficam responsáveis pela supervisão dos serviços para que seja garantida a qualidade, o prazo e o custo. Devido ao deslocamento permanente de máquinas, equipamentos, veículos pesados, pessoas, alojamentos, alimentos e energia, por vias urbanas, todos que ali passam são prejudicados de alguma forma, ou pelo atraso em chegar ao destino final pelo engarrafamento de veículos, ou por via interditada parcial ou total, ou por algum acidente causado. Portanto a realização desse estudo em analisar as causas de acidentes/transtornos ocorridos com transeuntes em áreas de obras urbanas de gasoduto terrestre. Com planejamento e organização se consegue realizar uma obra urbana com segurança evitando os acidentes/transtornos a população 2. Principais conceitos sobre segurança em obra urbana de gasoduto terrestre 2.1 Segurança Condição ou estado de estar seguro ou protegido (FERREIRA, 2010). 2.2 Segurança no trabalho Segurança do trabalho é um conjunto de medidas técnicas, educacionais, médicas e psicológicas, empregadas para prevenir acidentes, quer eliminando as condições inseguras do ambiente quer instruindo ou convencendo as pessoas da implantação de praticas preventivas (CHIAVENATO, 2002). A segurança do trabalho tem como finalidade estabelecer normas e procedimentos como objetivo de prevenir a integridade física do trabalhador, sua segurança nos locais de trabalho e 3

4 o controle dos riscos profissionais, bem como a melhoria das condições e do ambiente do trabalho nos mais diversos setores da empresa, pondo em prática os recursos possíveis para conseguir a prevenção de acidentes e controlando os resultados obtidos. 2.3 Prevenção de acidentes A prevenção de acidentes é um programa de longo prazo que objetiva, antes de tudo, conscientizar as pessoas a proteger a sua própria vida e a dos demais por meio de ações mais seguras. Essa ação preventiva se dá através de treinamentos, avisos, panfletos, campanhas educativas, dentre outros. (GONÇALVES, 2000). 2.4 Sinalização de obra A sinalização de obra consiste num conjunto de placas e dispositivos com características visuais próprias, cuja função principal é garantir segurança dos usuários e trabalhadores e a fluidez do tráfego nas áreas afetadas por intervenções temporárias tais como: realização de obras; serviços de pavimentação; sinalização; topografia; remoção de interferências e situações de emergência como rompimento de dutos; de pavimentos; etc. (COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO, 2004). A sinalização tem por finalidade: Advertir corretamente todos os usuários sobre a intervenção; Fornecer informações precisas, claras e padronizadas; Regulamentar a circulação e outros movimentos para reduzir os riscos de segurança com pedestres acidentes e congestionamentos; Assegurar a continuidade dos caminhos e os acessos às edificações lindeiras; Orientar sobre novos caminhos; Proteger a obra, os trabalhadores e os usuários da via em Geral; Diminuir o desconforto, causado aos moradores e à população em geral, da área afetada pela intervenção. 2.5 Transeuntes Segundo Ferreira (2010), transeunte é que passa, que não dura, que não permanece. 2.6 Segurança para pedestres A definição legal de segurança para pedestres em via pública foi estabelecida pela Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, Capitulo IV, artigo 68º. Segundo esta legislação, a segurança para pedestre define-se como: É assegurada ao pedestre a utilização dos passeios ou passagens apropriadas das vias urbanas e dos acostamentos das vias rurais para circulação, podendo a autoridade competente permitir a utilização de parte da calçada para outros fins, desde que não seja prejudicial ao fluxo de pedestres (LEI 9.503, 1997). 2.7 Gás natural Gás natural é todo hidrocarboneto ou mistura de hidrocarboneto que permaneça em estado gasoso nas condições atmosféricas normais, extraído diretamente a partir de reservatórios 4

5 petrolíferos ou gaseificados, incluindo gases úmidos, secos, residuais e gases raros (PORTARIA ANP, 2000 apud BONFIM, 2008, p. 28). 2.8 Gasoduto Gasoduto é uma rede de tubos que leva gás de uma região produtora para uma região consumidora. O gás é transportado pelos tubos com a ajuda da diferença de pressão: em um ponto, chamado estação de compressão, a pressão no duto é elevada e "empurra" o fluido para o ponto de menor pressão (MOTOMURA, 2006). 2.9 Faixa de domínio Faixa de domínio é a faixa de terreno de largura definida, ao longo da diretriz, onde o titular proprietário do imóvel detém sua posse e da qual a PETROBRAS obteve o direito de implantar, instalar, operar e manter um duto (PETROBRAS, 2003). 3. Metodologia O estudo foi realizado em uma obra realizada na cidade de Manaus-AM, no período de junho/2008 a setembro/2010, obra de implantação de rede de Distribuição de Gás Natural para atendimento às usinas termelétricas em Manaus, no total foram 43 Km de rede em aço carbono, dos quais cerca de 21 km dutos de 20 polegadas e 22 km em dutos de 10 polegadas, foram enterrados nas vias públicas a uma distância média de 1,20m da calçada. Para colocação dos dutos houve abertura de valas e, durante o período das obras, foi necessário ocupar uma pista das ruas e avenidas por onde passa a rede e houve a necessidade de algumas intervenções pontuais no trânsito. As intervenções foram parciais e temporárias. Foram distribuídos vários cartazes de comunicação à população avisando sobre a execução da obra bem como as intervenções no trânsito. As frentes de serviços foram iniciadas primeiramente no Ramal Mauazinho, devido ser o trecho de menor extensão, posteriormente se estendeu aos demais Ramais: Aparecida, Ponta Negra, Rio Amazonas e Manauara. Os dados de acidentes e/ou transtornos foram registrados pela empresa executora da obra, de acordo com os acontecimentos. Independente do local da ocorrência o encarregado comunica ao técnico de segurança do trabalho, que iniciava o registro de dados através de um formulário próprio para análise de acidentes. O registro é repassado imediatamente ao Engenheiro de Segurança do Trabalho que convoca uma reunião com a produção para divulgação da ocorrência e solicitar correção das falhas para que não venha ocorrer em outras frentes de serviços. Imediatamente o técnico em segurança juntamente com um ajudante realizam a correção da(s) falha(s) que ocasionou o acidente. Dependendo do grau do acidente e/ou transtorno, sendo com danos pessoais ou materiais, o tratamento era o seguinte: - Com danos pessoais: encaminhar imediatamente a pessoa para o posto de saúde mais próximo e acompanhar até o parecer do médico, tendo a empresa responsabilidade sobre o tratamento até o final do tratamento. - Com danos materiais: Encaminhar o caso ao Engenheiro de Produção que levará ao conhecimento do Gerente Financeiro para efetuar o ressarcimento dos prejuízos causados. O estudo realizado foi feito através dos dados armazenados dos registros de acidentes causados durante a obra, através de acompanhamentos nas frentes de serviços realizados, verificando as ações preventivas da empresa e sua eficácia, participando de reuniões com o 5

6 SESMT da contratada e da Fiscalização da obra, juntamente com a Companhia e Trânsito do município. Registros fotográficos foram realizados no encontro de situações inseguras para pedestres com observações feitas direta no local da obra. Segue abaixo alguns registros. Imagem 01: Proteção Inadequada FONTE: Da autora Imagem 02: Acesso para pedestres inadequado Imagem 03: Passagem de pedestres interditadas FONTE: Da autora 4.1 Descrições das etapas de execução da obra As obras de implantação do gasoduto são executadas na seguinte sequencia: Marcação da faixa de domínio / locação Inicialmente realizam-se os serviços de topografia, com as marcações da faixa em que será implantado o duto, do eixo do gasoduto para locação das valas Abertura de pista Posteriormente a marcação da faixa de domínio, a próxima etapa é a abertura da pista, que é a área de trabalho que será utilizada para implantar o duto Abertura da vala Na sequencia vem à abertura da vala para que o duto, já confeccionado (com solda e revestimentos completos), seja enterrado. Nessa etapa faz-se uso de máquinas e equipamentos como: escavadeira, retroescavadeira e martelete pneumático esse último caso seja necessário. A abertura de uma vala, em geral tem aproximadamente 1,5m de profundidade, dependendo do diâmetro do duto. Caso necessário realizar o escoramento da vala Transporte de tubos Nessa etapa os tubos que compõem o duto precisam ser transportados do local de armazenamento para o local da obra. À medida que a obra avança os tubos são transportados para frente de serviço paulatinamente Distribuição de tubos ou desfile de tubo Com a chegada dos tubos, depois da abertura da vala, é chegada a ocasião de se colocar os tubos perfilados ao lado da vala para serem soldados Soldagem O duto é produto da emenda dos tubos, ou seja, da soldagem. Segue a etapa da soldagem para o tubo se tornar um duto: a) Acoplamento O acoplamento é o momento de se unir dois conjuntos-sequências de tubos, requerendo habilidade do encarregado que coordena a operação de dois caminhões 6

7 com equipamento de guindar que aproximam os dois feixes de tubos, para que o soldador possa uni-los. No caso de tubos com diâmetro maior ou igual a 12, normalmente se utiliza uma acopladeira interna e externa, nessa operação de acoplamento, utilizam-se calços metálicos, que são colocados entre os tubos para garantir o espaçamento correto para a soldagem. Esses calços são colocados através de golpes de marreta. b) Limpeza do cordão de solda (lixamento e escovamento) Utiliza-se lixadeira e escova de aço para verificar a solda, realizando uma análise crítica de qualidade Ensaio não destrutivo Tendo como critério de aprovação requisitos de normas definidos em projeto os ensaios não destrutivos são utilizados para inspecionar soldas através do uso de radiografias. Um procedimento radiográfico é usado para produzir radiografias aceitáveis em cada diâmetro das soldas e em paredes grossas do tubo. Podendo utilizar ultrassom em casos em que a radiografia seja inadequada, ou seja, em áreas urbanas Revestimento de juntas Todas as juntas, depois de soldadas, inspecionadas e aprovadas, devem ser protegidas pelo revestimento com uma manta de polietileno para evitar que ocorra corrosão Abaixamento e cobertura Nessa etapa a coluna, uma vez aprovada, deve ser abaixada à vala o mais rapidamente possível, de modo a se evitar novos danos no revestimento. Antes do abaixamento, deve haver uma inspeção das condições laterais e de fundo da vala, que não deve conter pontas de pedra que possam danificar o revestimento. A coluna deve ficar totalmente acomodada no fundo da vala, e os espaços vazios devem ser preenchidos por solo selecionado ou areia Teste hidrostático Após a colocação do duto na vala, faz-se necessário realizar um teste para verificar a estanqueidade do duto Restauração e limpeza Terminado o teste hidrostático a restauração e limpeza é a etapa conclusiva da construção propriamente dita. O produto final dessa fase é o terreno recomposto com o duto enterrado Condicionamento O condicionamento é a etapa de preparação do duto para o recebimento de produtos. 5. Análise e discussão dos dados Inicialmente fez-se um levantamento dos acidentes causados aos pedestres decorrentes ao longo da obra. Tipos de Acidentes/Transtornos Motociclista se choca com sinalização de isolamento da obra. Pedestre torce o pé ao tentar atravessar a rua. Causas Falta de placa de aviso antecedente a obra, indicando obras à frente em uma determinada distância. Falta de passarela adequada para os pedestres que em algum momento atravessam sobre os tubos Carro cai na vala aberta em obra de O não fechamento da vala em tempo 7

8 gasoduto. Duto de 10 rola em direção a via de transito de veículos atingindo um carro particular. Pedestres correm risco de atropelamento Engarrafamento de veículos por horas prolongadas Atropelamento de pedestre Batidas de carro indicado no procedimento da obra; falta de sinalização suficiente indicando homens trabalhando e obras a frente, informando a distância. Apoio inadequado, não conforme com o procedimento da qualidade. Ausência de alternativa segura de passagem para pedestres quando a calçada está interditada. Ausência de alternativa de vias para liberação do trafego; atraso de cronograma da obra. Falta de alternativa segura para o pedestre transitar próximo a obra; falta de abertura de acesso próximo a ponto de ônibus, por exemplo. Falta de sinalização adequada, conforme normas de transito para alertar os motoristas de trecho em obra; Falta de comunicação adequada à população indicando o melhor caminho a seguir. Fonte: Dos autores Tabela 1: Tipos de acidentes/transtornos e suas causas do período de 2008 a 2010 Pela tabela é possível verificar que a maioria das causas dos acidentes foi à falta/ausência de sinalização suficiente para o bloqueio das causas. A responsabilidade de realizar a sinalização na obra era do SESMT- Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, cada frente de serviço possuía um Técnico em Segurança do Trabalho responsável pela frente de serviço. Quando havia uma frente de serviço que desse pra se deslocar a pé ficava um técnico cobrindo duas ou mais frentes. Quando não o técnico se deslocava através de veículo e deixava a outra área descoberta. Os tubos quando transportados para as frentes de serviços e muitas vezes o Técnico de Segurança não era informado, pela mudança repentina do cronograma, quando os tubos eram desfilados com isso não havia sinalização adequada causando. No geral na obra a responsabilidade pelo andamento das frentes de serviços era do Engenheiro de Produção que junto com sua equipe de supervisores e encarregados davam andamento as execuções das frentes de serviços. A obra funcionava em dois turnos (manhã e noite) com quadro de funcionários para cada turno. 8

9 Notou-se que o turno do dia não se comunicava com o turno da noite. Havia reclamações dos funcionários pelo motivo de: ferramentas utilizadas não se encontravam no mesmo lugar que a outra equipe deixou; uso de sinalização de outra frente sem execução do turno; serviços não concluídos; frentes de serviços sem organização e falta de limpeza; ausência de sinalização noturna e diurna suficiente, portanto o outro turno tinha que primeiramente resolver as pendências e depois iniciar suas atividades, isso contribuía para o atraso do cronograma. Sobre a sinalização de segurança as mesmas foram mal dimensionadas para o empreendimento e/ou não atendidas quando solicitada pelo setor responsável e quando outra frente de serviço era iniciada não havia sinalização suficiente para atender colocando assim o técnico em segurança a improvisar com outro tipo de sinalização não adequada o suficiente para a situação. A confecção de uma nova placa demorava praticamente de 1 a 2 semanas, devido o mercado aquecido de obra na cidade a demanda era grande e os prazos não atendidos a tempo. Percebeu-se que a falta de comprometimento com a segurança causou grandes transtornos aos transeuntes, o empreendimento possuía um Plano de Comunicação; Plano de Segurança juntamente com os programas exigidos pela legislação se segurança vigente além do mais a parceria que a empresa tinha com o órgão competente responsável pelo trânsito da cidade. Percebeu-se que houve certa falta de comprometimento em relação à segurança dos transeuntes, pois todos os empregados foram treinados e na programação de treinamento era incluso a segurança dos pedestres. O SESMT tinha limitações em suas atuações ao se tratar desse assunto, as frentes de serviços só queriam saber de produção visando premiações caso as etapas da obra fossem concluídas a tempo, portanto faziam o básico de sinalização que não era o suficiente para evitar os acidente/transtornos, não cumprindo com as Diretrizes de Segurança anteriormente mostrada. 6. Proposta O aumento do tráfego de pessoas, veículos e equipamentos em virtude da construção da obra, deve ser acompanhado de ações que permitam a integração com a população residente de forma a manter a segurança de todos os usuários. Primeira se deve fazer uma Linha de Ação: Informação e Educação. Para esta linha de ação devem ser previstas as atividades que visam atingir a população residente próxima à região de inserção da obra, motoristas e trabalhadores. Nas intervenções que exigem desvios de tráfego ou causem grandes transtornos aos usuários, é necessário que se estabeleça um plano de comunicação social que deve fornecer informações para facilitar a circulação de pessoas na área sob intervenção. As informações devem ter mensagens sucintas e claras, desenhos esquemáticos e devem ser estritamente necessárias para que o usuário identifique rapidamente a atitude e os cuidados a tomar. Devem ser evitados termos técnicos, tais como: coluna semafórica, projeto piloto, adequação geométrica, etc.; expressões não usuais no dia a dia da população, exemplos: adjacências, entorno e frases excessivamente extensas. Campanhas Educativas: A serem realizadas junto à população residente, trabalhadores e motoristas, através de material informativo específico, sobre cuidados do pedestre, e dos trabalhadores que circulam por estas vias. 9

10 Telefone de Socorro: Instalados nos trechos das vias próximas os canteiros de obras e pontos que terão maior circulação de máquinas e equipamentos, visando facilitar a comunicação em caso de acidentes envolvendo veículos de equipamentos pesados e de passeios que serão utilizados durante as obras de implantação do empreendimento. Definição de horários para o fluxo de veículos pesados: Os horários para o fluxo de veículos pesados que transportam equipamentos e materiais necessários a realização das obras de construção, deverão ser estabelecimento de forma a minimizar os transtornos. Painel luminoso - Nos casos de obras de grande porte e em locais de grande fluxo de veículos, podem ser usados painéis luminosos com mensagens variáveis informando os motoristas sobre as condições anormais existentes. As mensagens podem ser do tipo informativa ou educativa, tais como: ATENÇÃO HOMENS TRABALHANDO; OBRAS A 50M; OBRAS NOS PRÓXIMOS 40 DIAS VIA INTERDITADA; ETC. Luz Intermitente - É utilizada para chamar a atenção dos motoristas em locais de alta periculosidade. Posiciona-se geralmente, de frente para o fluxo de tráfego na área de canalização, junto aos primeiros dispositivos, sendo esta a sua melhor situação de uso. Para garantir os seus objetivos, a sinalização de obras deve: Estar limpa e em bom estado; Manter inalteradas formas e cores tanto no período diurno quanto noturno; Apresentar dimensões e elementos gráficos padronizados; Ser colocada sempre de forma a favorecer a sua visualização; Ser implantada de acordo com critérios uniformes e de forma a induzir o correto comportamento do usuário; Ser implantada antes do início da intervenção na via; Ser totalmente retirada quando da conclusão da etapa de obra que não tenha relação com a seguinte; Ser totalmente retirada quando a obra ou etapa a que ela se refere for concluída. Quando as intervenções na via interferem na passagem livre dos pedestres, deve-se providenciar sinalização específica para protegê-los e orientá-los. Nesses casos, a elaboração do projeto deve atender às seguintes determinações: As passagens provisórias devem ter separação física entre pedestres e veículos, bem como entre pedestres e obras e esta separação é feita por tapumes ou outros dispositivos de sinalização auxiliar; A circulação de pedestres deve ser mantida limpa e livre de obstáculos (buracos, entulhos, etc.), caso não seja possível, os obstáculos devem ser guarnecidos com dispositivos adequados e estar sinalizados; 10

11 Metros de largura, garantindo o trânsito de carrinhos de bebê e cadeiras de roda, mas devem ser mais largas em obstruções de comprimento superior a 30 metros ou em áreas de grande volume de pedestres; Sob trabalhos elevados (pontes, por exemplo), as passagens devem ser cobertas, com vão livre mínimo de 2,10 metros, ventilação natural e iluminação natural e/ou artificial; Os sinais e os equipamentos de controle de tráfego não podem constituir obstáculos aos pedestres; Os equipamentos refletivos são de pouca valia para os pedestres, porém luzes de advertência devem ser usadas para delinear o caminho dos pedestres e sinalizar obstáculos de forma apropriada; A iluminação temporária artificial à noite deve ser garantida, particularmente se as passagens adjacentes também forem iluminadas; Quando não for possível providenciar passagem adequada, os pedestres devem ser Orientados a utilizar outro caminho (calçada oposta, contorno da obra, outra quadra) por sinalização e equipamentos apropriados. Colocação de sinalização ao longo do caminhamento da vala, desde a etapa de demarcação do local até o fechamento da vala e recomposição do pavimento. As empresas devem realizar a manutenção periódica na atividade envolvendo transeuntes colocando em seus programas medidas básicas mais eficazes, como: - Especificação de equipamento adequado ao local de execução da obra; - Programação de execução de obras em dias da semana de menor fluxo de trânsito, quando for o caso, em consonância com a determinação do gerente de trânsito da via em questão; - Programação de execução de obras de forma a evitar feriados ou festas locais, se for o caso; - Manutenção de placas metálicas sobre as valas nos cruzamentos de vias ou em acessos de veículos às propriedades existentes ao longo do caminhamento da tubulação; - Manutenção de sinalização no período noturno - Colocação de tapumes ao longo da vala; - Manutenção de sinalização luminosa no período noturno; - Limpeza do local de execução das obras e desobstrução de espaço para circulação de pessoas com segurança. Através da implementação desta proposta, espera-se que os incômodos e transtornos relacionados com o aumento do trafego durante a implantação do empreendimento nas vias de acesso principais e vicinais, sejam minimizados, possibilitando a manutenção das condições de tráfego normais na região, uma vez que serão adotados procedimentos em consonância com: o poder público local, a população e o empreendedor. Todo programa de sinalização e segurança para pedestre deve ter uma interligação direta com o Plano Ambiental para Construção PAC; com o Programa de Comunicação Social e de Educação Ambiental para os Trabalhadores, Órgão de trânsito do município e com o PCMAT- Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e será desenvolvido de modo a definir e executar um conjunto de ações e medidas visando a manutenção das condições de tráfego na região de inserção do empreendimento, durante todo o período de implantação das obras. 11

12 Toda obra ou evento que possa perturbar ou interromper a livre circulação de veículos e pedestres, ou colocar em risco sua segurança, somente poderá ser iniciada com prévia autorização do órgão ou entidade executivo de trânsito com circunscrição sobre a via, cabendo ao responsável pela execução ou manutenção da obra a obrigação de sinalizar. Referências BONFIM, M. S. Considerações sobre a utilização do gás natural na geração de energia elétrica em municípios da região amazônica f. (Mestrado em Energia) Escola Politécnica / Faculdade de Economia e Administração / Instituto de Eletrotécnica e Energia / Instituto de Física, Universidade de São Paulo. São Paulo BRASIL, Lei n o 9.503, de 23 de setembro de Código de transito brasileiro, Brasília, DF, Capitulo IV, art. 68. CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos. Ed. compacta, 7º ed. SãoPaulo: Atlas, COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRAFÉGO. Manual de Sinalização Urbana. 8 vol. São Paulo: São Paulo, FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Ilustrado. Positivo, GONÇALVES, Edwar Abreu. Manual de Segurança e Saúde no Trabalho. Ed. LTR, MOTOMURA, Mariana. Como funciona o gasoduto? Mundo Estranho, Disponível em <http://mundoestranho.abril.com.br/materia/como-funciona-um-gasoduto>. Acesso em 28 de mar. de PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. N-2047, rev. B: apresentação de projeto de dutos terrestres. Rio de Janeiro,

UNIVERSIDADE DA AMAZONIA ROBERTA LIMA DE SOUZA COSTA

UNIVERSIDADE DA AMAZONIA ROBERTA LIMA DE SOUZA COSTA UNIVERSIDADE DA AMAZONIA ROBERTA LIMA DE SOUZA COSTA AÇÕES PREVENTIVAS DE ACIDENTES COM TRANSEUNTES EM OBRA URBANA DE GASODUTO TERRESTRE: UM ESTUDO DE CASO BELÉM 2012 2 ROBERTA LIMA DE SOUZA COSTA AÇÕES

Leia mais

Relatório de Inspeção

Relatório de Inspeção Relatório de Inspeção Obra: Recuperação do sistema de bondes de Santa Teresa Local: Rua Joaquim Murtinho, Santa Teresa, Rio de Janeiro-RJ Executante: Consórcio Elmo-Azvi Gerente da Obra: Sr. Angel Técnico

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO

ORIENTAÇÃO TÉCNICA ILUMINAÇÃO PÚBLICA SINALIZAÇÃO E ISOLAMENTO DA ÁREA DE TRABALHO 1/5 1. Objetivo Estabelecer critérios para sinalizar e isolar as áreas de trabalho, com a finalidade de garantir a distância e o isolamento adequado na execução de serviços em iluminação pública em redes

Leia mais

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás cartilha ppd final imagem 2/24/06 6:12 PM Page 1 Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás 08000 110 197 cadastroderede@comgas.com.br Companhia de Gás de São Paulo Rua das Olimpíadas, 205-10º andar (recepção)

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação, sinalização e isolamento de obras e serviços PÁG. 1/16 1. OBJETIVO Estabelecer um padrão de sinalização, identificação e isolamento nas obras e serviços da Bahiagás, a fim de minimizar os riscos a das atividades em vias públicas, proteger os munícipes

Leia mais

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia.

Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição de energia. fls. 1/11 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para ocupação transversal e/ou longitudinal da faixa de domínio por linhas físicas de transmissão e distribuição

Leia mais

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG

DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E INFORMAÇÃO - DI GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO - GPO DIVISÃO DE PROCESSOS DE GESTÃO DIPG NORMA INTERNA: UTILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE SINALIZAÇÃO DE OBRAS E

Leia mais

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia...

1. Introdução... 1. 1.1. Ações já Realizadas... 2. 2. Justificativa... 3. 3. Objetivos... 5. 4. Área de Abrangência... 6. 5. Metodologia... Fortuna II PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.10 Programa de Segurança e Alerta NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 3 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009 - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.2.4 Programa de Sinalização e Segurança de Tráfego Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.2 Plano Ambiental de

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução A proposta de Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes

Leia mais

G u i a p a ra o b ra s e m v i a s p ú b l i c a s n o s m u n i c í p i o s c o m g á s c a n a l i z a d o

G u i a p a ra o b ra s e m v i a s p ú b l i c a s n o s m u n i c í p i o s c o m g á s c a n a l i z a d o G u i a p a ra o b ra s e m v i a s p ú b l i c a s n o s m u n i c í p i o s c o m g á s c a n a l i z a d o Índice O que é o gás natural? 4 Como as tubulações de gás são instaladas? 5 O que deve ser

Leia mais

SAN.T.IN.PR 143. Projeto e Instalação de Válvulas de Controle e Macromedidores 1. FINALIDADE

SAN.T.IN.PR 143. Projeto e Instalação de Válvulas de Controle e Macromedidores 1. FINALIDADE 1 / 8 SUMÁRIO: 1. FINALIDADE 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 3. CONCEITOS BÁSICOS 4. PROCEDIMENTOS GERAIS 5. CONSIDERAÇÕES GERAIS 6. REFERÊNCIAS 7. ANEXOS 1. FINALIDADE Este procedimento define diretrizes básicas

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC

SINALIZAÇÃO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL DIRTEC Rev. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 DIRTEC ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ET-SUL-007.04 Rev. 12 CIA DE GÁS DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 1 de 15 REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE GÁS NATURAL ÍNDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU

Leia mais

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE

ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE ANEXO II AO DECRETO Nº 14.612 1. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS GERAIS DE DESENHO DO MOBILIÁRIO URBANO A SER IMPLANTADO NA CIDADE DE PORTO ALEGRE 1.1. ASPECTOS FUNCIONAIS a) Facilidade de identificação e utilização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol.

ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para Implantação de Ductos para Petróleo, Combustíveis Derivados e Etanol. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos.

DIRETORIA DE ENGENHARIA. ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. fls. 1/5 ÓRGÃO: DIRETORIA DE ENGENHARIA MANUAL: ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de oleodutos. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio, oleodutos. APROVAÇÃO EM: Portaria SUP/DER-

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont.

Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015. Aula 5. Características do tráfego (cont. Universidade Presbiteriana Mackenzie Escola de Engenharia Depto. de Engenharia Civil 2 0 semestre de 2015 Aula 5 Características do tráfego (cont.) fonte: revista 4 Rodas Publicidade, 1.962 5.1. Planejamento

Leia mais

Nova etapa da passagem do gasoduto terrestre do Projeto Mexilhão

Nova etapa da passagem do gasoduto terrestre do Projeto Mexilhão Anexo V - Releases e repercussão na imprensa Release do dia 19 de março de 2010 Nota à imprensa 19/03/2010 Nova etapa da passagem do gasoduto terrestre do Projeto Mexilhão Neste domingo (21/03), começa

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013

5.2. Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra. Revisão 00 NOV/2013 PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.2 Programa de Mobilização e Desmobilização da Mão de Obra CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já realizadas... 2 2. Justificativa... 6 3. Objetivos... 8 4. Área de abrangência...

Leia mais

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO CPA/SMPED 019/2014 PASSEIO PÚBLICO A Comissão Permanente de Acessibilidade CPA, em sua Reunião Ordinária, realizada em 28 de agosto de 2014. Considerando o previsto na Constituição da República

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL INTEGRADO PDMI Instrumentos de Gestão Ambiental Anexo 10 - Guia de Gestão e Segurança do Tráfego (GGST) O Manejo do Trânsito de veículos e pedestres no entorno e no

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda. BACIA C - BNDES Vila Adriana Serviços primários que consistem na sinalização

Leia mais

SDGN Região Metropolitana de São Paulo Interligação Avenida Engenheiro Caetano Álvares Relatório Ambiental para Solicitação de LI

SDGN Região Metropolitana de São Paulo Interligação Avenida Engenheiro Caetano Álvares Relatório Ambiental para Solicitação de LI 08/06/2005 Revisão 0 01-RT-04/05 SDGN Região Metropolitana de São Paulo Interligação Avenida Engenheiro Caetano Álvares Relatório Ambiental para Solicitação de LI Avenida Presidente Castelo Branco - Município

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva

SINALIZAÇÃO HORIZONTAL. Profa. Mariana de Paiva SINALIZAÇÃO HORIZONTAL Profa. Mariana de Paiva 3. INSTRUMENTOS DE CONTROLE DE TRÁFEGO 3.2 SINALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO Sinalização Vertical Sinalização Horizontal Sinais Luminosos Dispositivos de Sinalização

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo Locatelli Ltda PAC/BNDES BACIA D-E Parque Universitário BACIA I Coletor Vila Goulart 300 mm Instalações

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé

Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Diretrizes para o Plano de Mobilidade Urbana 2015 da Cidade de São Paulo referentes à mobilidade a pé Introdução Este material surge como resultado do acompanhamento das apresentações do Plano de Mobilidade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações

DEFESA CIVIL - ES. Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações. Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações DEFESA CIVIL - ES Recomendações Técnicas de Procedimentos Escavações Facilitador: Roney Gomes Nascimento Eng.º Civil Subcoordenador de Operações NR- 18 Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA

10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA 10. POSICIONAMENTO DA SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA Os dispositivos de sinalização semafórica devem ser implantados segundo critérios de projeto, de modo que a informação resultante para os condutores de veículos

Leia mais

Guia Prático para Construção de Calçadas

Guia Prático para Construção de Calçadas Guia Prático para Construção de Calçadas Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Urbano 19 3851.7021/ 3851.7022 E-mail: : spdu-contato@mogiguacu.sp.gov.br Introdução A acessibilidade é um direito

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E

SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E SPAS MANUAL DE PRÉ-INSTALAÇÃO 51- E 2 PARABÉNS!!!! Você adquiriu um SPA Jacuzzi Premium, feito na mais alta exigência de qualidade. Apenas com alguns cuidados, seu SPA pode proporcionar anos de alegria

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL

SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL GERÊNCIA DE OPERAÇÕES VIÁRIAS TRANSERP Planejamento Viário SINALIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO MUNICIPAL Eng. José Antônio S. Gonçalves 2006 PLANEJAMENTO OPERACIONAL Cidade de RIBEIRÃO PRETO SP. PLANEJAMENTO

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente.

O projeto abastecerá, de forma direta, 84 (oitenta e quatro) famílias, e também conectará, nos nós 5 e 7 na planta, a outra rede existente. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PICADA ARROIO DO MEIO ARROIO DO MEIO / RS MEMORIAL DESCRITIVO 1. Considerações preliminares O presente projeto visa à implantação de melhorias no sistema de abastecimento

Leia mais

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário

Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Plano de ações para segurança no corredor ferroviário Fase 3 Elaboração das propostas Etapa 3.1, 3.2 e 3.4 Concepção, análise e detalhamento das propostas Página 1 de 10 Sumário 2.5. Plano de ações para

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE.

TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. TERMO DE REFERÊNCIA NÚMERO 002/2012/3300/3000 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE SURVEY E PROJETOS DE REDES DE CABOS DE FIBRA ÓPTICA PARA OS ESTADOS DA REGIÃO NORTE. 1. OBJETIVO: 1.1.

Leia mais

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT

Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Obras do Sistema de Esgotamento Sanitário Rondonópolis MT Sistema Condominial de Esgotamento Sanitário Elmo LocatelliLtda PAC/OGU BACIA LUZ D AYARA Sinalização das ruas onde serão realizadas as escavações

Leia mais

Normas gerais de circulação e conduta

Normas gerais de circulação e conduta Normas gerais de circulação e conduta É muito importante a leitura do Capítulo III Normas Gerais de Circulação e Conduta, que vai dos artigos 26 ao 67, contidos no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Leia mais

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética

Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética Caderno de projetos para blindagens de ressonância magnética A blindagem de ressonância magnética é um componente fundamental para o bom funcionamento do complexo sistema de ressonância magnética (MRI).

Leia mais

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX)

ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL. RELATÓRIO Nº XX/20XX, referente ao mês XX/20XX (Medição nº XX) ANEXO 46 P16 MODELO DO RELATÓRIO GERENCIAL OBJETIVO DO REQUISITO: Demonstrar mensalmente os resultados qualitativos e quantitativos dos serviços, avaliando o cumprimento das obrigações e metas estabelecidas

Leia mais

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II DESENHO DE TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS II Informações sobre este material didático: Edição: 1ª Edição Data da versão: 30/12/2006 Autor(es): Bruno Campos Pedroza, DSc Professor

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pelo CONDOMÍNIO RESIDENCIAL JARDINS COIMBRA. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto

Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto Prefeitura anuncia plano de escavação dos túneis da Via Binário do Porto A Prefeitura, por meio da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), da CET-Rio e da Concessionária

Leia mais

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil 1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil A Petrobrás alcançou em julho de 2005 a média de produção de 1,76 milhões de barris por dia, sendo destes 1,45 milhões só na

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL

GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL GUIA PARA UMA CALÇADA LEGAL E ACESSÍVEL O QUE É A AÇÃO MINHA CALÇADA? É mais uma das ações da Prefeitura, dentro do movimento Porto Alegre: Eu Curto, Eu Cuido, que tem como principal objetivo conscientizar

Leia mais

SERVIÇOS PRELIMINARES ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2

SERVIÇOS PRELIMINARES ESPECIFICAÇÕES OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 1/28 SUMÁRIO OBJETIVO... 2 CONSIDERAÇÕES GERAIS... 2 CONSIDERAÇÕES ESPECÍFICAS... 2 01 PESQUISA E REMANEJAMENTO DE INTERFERÊNCIAS... 2 02 ACESSO PROVISÓRIO... 2 ESTIVA... 3 04 PREPARO DO TERRENO... 4 05

Leia mais

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR

Prefeitura Municipal de Tramandaí / RS MEMORIAL DESCRITIVO. MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR MEMORIAL DESCRITIVO MUNICÍPIO: Tramandaí / RS RUAS DE PERFILAGEM SOBRE CALÇAMENTO IRREGULAR Local: Diversas Ruas Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade expor de maneira detalhada

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: SERVIÇOS INICIAIS, CAPEAMENTO ASFÁLTICO, QUEBRA-MOLA, SINALIZAÇÃO E SERVIÇOS FINAIS E COMPLEMENTARES MUNICÍPIO: ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL - RS LOCAL: RUA LUIZ GRAEF ÁREA: 427,20

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura

Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Manual Irrigabras para obras de infra-estrutura Índice 1. Obras de infra-estrutura... 2 2. Base de concreto do Pivô... 2 3. Base de concreto da motobomba... 3 4. Casa de bombas... 4 5. Valeta da adutora...

Leia mais

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia

Estado de Mato Grosso PREFEITURA MUNICIPAL DE PRIMAVERA DO LESTE Secretaria Municipal de Infraestrutura Departamento de Engenharia MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DE ROTATÓRIAS, CANTEIROS E FAIXAS ELEVADAS EM DIVERSAS VIAS PÚBLICAS DO MUNICÍPIO Local 1: BORGUETTI; Local 2: Local 3: - RUA DO COMÉRCIO, ENTRE AV. INÁCIO CASTELLI E RUA

Leia mais

MANUAL DO CONSTRUTOR

MANUAL DO CONSTRUTOR 1. SOLICITAÇÕES PARA INÍCIO DA OBRA 01 jogo do projeto de arquitetura aprovado; Autorização para Construção emitida pela Associação Jardins Ibiza. 2. IMPLANTAÇÃO DO CANTEIRO DE OBRA 2.1 Fechamento do canteiro

Leia mais

Casa de steel frame - instalações (parte 4)

Casa de steel frame - instalações (parte 4) Página 1 de 6 Casa de steel frame - instalações (parte 4) As instalações elétricas e hidráulicas para edificações com sistema construtivo steel frame são as mesmas utilizadas em edificações convencionais

Leia mais

Atropelamentos. Não seja mais uma vítima! Gestão Ambiental da nova BR-135

Atropelamentos. Não seja mais uma vítima! Gestão Ambiental da nova BR-135 Atropelamentos Não seja mais uma vítima! Gestão Ambiental da nova BR-135 2 Atropelamentos 3 Cartilha de Educação Ambiental Tema: Atropelamentos Ano II, número 1, III trimestre de 2011 Redação, Diagramação

Leia mais

SUMÁRIO A PRIORIDADE DOS PEDESTRES SEGUNDO O CTB CAPÍTULO IV - DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS

SUMÁRIO A PRIORIDADE DOS PEDESTRES SEGUNDO O CTB CAPÍTULO IV - DOS PEDESTRES E CONDUTORES DE VEÍCULOS NÃO MOTORIZADOS TEMPO DE VERMELHO INTERMITENTE/PISCANTE EM SEMÁFOROS DE PEDESTRES, SEGUNDO O CTB CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO E A BOA PRÁTICA DE SEGURANÇA NA ENGENHARIA DE TRÁFEGO Sergio Ejzenberg SUMÁRIO APRESENTAÇÃO

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

Esquema especial para implosão do antigo prédio da Rheem Química, em Benfica

Esquema especial para implosão do antigo prédio da Rheem Química, em Benfica Esquema especial para implosão do antigo prédio da Rheem Química, em Benfica A Prefeitura do Rio montou um esquema especial para a implosão da antiga fábrica da Rheem Química, na Rua Prefeito Olympio de

Leia mais

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO

Programa Calçada Segura. Manual de Execução GUIA PRÁTICO Programa Calçada Segura Manual de Execução GUIA PRÁTICO Editorial Manual de Execução de Calçadas O Programa Calçada Segura interessa diretamente a todos. A Assessoria de Políticas para as Pessoas com

Leia mais

MANUAL PARA MONTADORAS

MANUAL PARA MONTADORAS 1. PERÍODO DE REALIZAÇÃO DO EVENTO: De 13 a 17 de Abril de 2015, das 08:00 às 18:00h. MANUAL PARA MONTADORAS 2. PERÍODO DE MONTAGENS E DESMONTAGENS DOS STANDS Período de montagem de stands será de 23/03/2015

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DO LOTEAMENTO VILLAS DO JACUÍPE Estrada do Coco, Km 31 Barra do Jacuípe CEP 42.833-000 Camaçari/Bahia CNPJ 03.380.253/0001-26 Telefones : (071) 3678-1690 e 3678-2356 E-mail : vjacuipe@oi.com.br

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200

Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 Manual de Referência Técnica ELEVAC 200 t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s t e c n o l o g i a em e l e v a d o r e s APRESENTAÇÃO O Elevador Pneumático Elevac-200, com patente registrada, fabricado

Leia mais

Cópia Não-Controlada

Cópia Não-Controlada Página 1 de 6 Tipo de Documento Formulário Empresarial - Recursos Humanos Título do Documento Análise Preliminar de Riscos Número e Versão do Documento Fase Elaborado por FE-RH0001 - V.1 Vigente Walnei

Leia mais

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução SP 03/95 NT 188/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Engº Marcio Antonio Anselmo 1. Introdução A sinalização horizontal contribui com a segurança dos usuários da via, influi na velocidade

Leia mais

2. Critérios PA escolha e priorização ao atendimento das escolas. 2.1.1. Levantamento das escolas particulares, estaduais e municipais por Dec s

2. Critérios PA escolha e priorização ao atendimento das escolas. 2.1.1. Levantamento das escolas particulares, estaduais e municipais por Dec s SP 01/93 NT 160/93 Projeto e Operação Escola Engº Waldemar A.C. Christianini (GET2) 1. Introdução O presente trabalho tem por objetivo principal adequar as condições de tráfego da malha viária junto às

Leia mais

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG

INICIATIVAS INSPIRADORAS ESPAÇOS PÚBLICOS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA SAVASSI BELO HORIZONTE MG ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DA CIDADE OS PASSOS PARA A REQUALIFICAÇÃO DA PRAÇA DA SAVASSI DIRETRIZES DO PROJETO

Leia mais

INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4

INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4 Curso ID.N1 INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária: 160 Conteúdo Programático Carga Horária 1- Cálculo 4 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos 2 3- Noções de Física

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO. São Paulo, setembro de 2.007 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PEDESTRES O PEDESTRE NO CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO São Paulo, setembro de 2.007 2 CODIGO DE TRANSITO BRASILEIRO -PEDESTRES- INDICE 2 CAPITULO I (Artigos 1 a 4) sem citação de

Leia mais

EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 024/2014 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ANEXO Q8

EDITAL DE PREGÃO PRESENCIAL Nº 024/2014 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO ANEXO Q8 OBS.: CADA ITEM MENCIONADO A SEGUIR REFERE-SE AOS ITENS DA PLANILHA DE PREÇOS UNITÁRIOS (PPU) 1. Sub-item 1.1 e 1.2: Mobilização e Desmobilização. Será medido na conclusão total de cada sub-item, 100%

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA

ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA ORIENTAÇÕES PARA INÍCIO DE OBRA Associação Alphaville Salvador Residencial 1 PROCEDIMENTOS PARA INÍCIO DE OBRA 1. Entregar uma cópia do jogo de Plantas Aprovadas pela Prefeitura Municipal de Salvador e

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: pavimentação asfáltica. Município: QUINZE DE NOVEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: pavimentação asfáltica Município: QUINZE DE NOVEMBRO 1 - INTRODUÇÃO Tem este por finalidade orientar e especificar a execução dos serviços e empregos dos materiais que farão parte

Leia mais

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA

TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA TESTE DA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA Porto Alegre Junho/2012 1 TESTE DE PONTOS CRÍTICOS PARA IMPLANTAÇÃO DA FUTURA CICLOVIA DA AV. IPIRANGA, EM PORTO ALEGRE O Laboratório de Políticas Públicas e Sociais (Lappus),

Leia mais

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000

Rua Mauá, 51 Luz - São Paulo/SP PABX: (11) 2627-8000 MEMORIAL DESCRITIVO QUADRA 50 SETOR 8 RUA HELVÉTIA, ALAMEDA DINO BUENO, PRAÇA JÚLIO PRESTES E ALAMEDA CLEVELAND DEMOLIÇÃO DAS EDIFICAÇÕES EXISTENTES CAMPOS ELÍSEOS SÃO PAULO/SP Contratação de empresa especializada

Leia mais

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça.

Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. fls. 1/5 ÓRGÃO: MANUAL: DIRETORIA DE ENGENHARIA ADMINISTRAÇÃO DA FAIXA DE DOMÍNIO Autorização para implantação de Adutora de Água, de Emissário de Esgoto e Rede de Vinhaça. PALAVRAS-CHAVE: Faixa de Domínio,

Leia mais

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS

DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS DIRETRIZES DO CADASTRO TÉCNICO DE REDES DE ESGOTOS SANITÁRIOS 1. OBJETIVO Esta Diretriz fixa as condições exigíveis na elaboração de plantas e relatórios detalhados do cadastro de redes de coleta de esgoto,

Leia mais

ESP- 09/92 IMPRIMAÇÕES BETUMINOSAS

ESP- 09/92 IMPRIMAÇÕES BETUMINOSAS INTRODUÇÃO Especificações de serviços definem os critérios da utilização de imprimações betuminosas em camadas de pavimento, de obras sob a fiscalização da Prefeitura do Município de São Paulo. 1. DESCRIÇÃO

Leia mais