INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária. 1- Cálculo 4. 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos. 3- Noções de Física 4"

Transcrição

1 Curso ID.N1 INSPEÇÃO DE DUTOS TERRESTRES - NÍVEL 1 Carga Horária: 160 Conteúdo Programático Carga Horária 1- Cálculo 4 2- Unidade de Medidas Lineares, Angulares e Arredondamentos 2 3- Noções de Física 4 4- Desenho Técnico 4 5- Equip. Típicos de Construção e Montagem 4 6- Instrumentos Básicos 2 7- Aparelhos / Testes 2 8- Práticas de Medição e Leitura 8 9- Acessórios de Tubulação Tubulação Válvulas Pintura Revestimento Externo e Interno Concreto Tubos/Bases Topografia, Locação e Marcação Abertura de Pista Abertura de Vala Distribuição de Tubos Curvamento de Tubos Soldagem 8 Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 1 de 11

2 Conteúdo Programático (Continuação) Carga Horária 21- Ensaios Não Destrutivos Abaixamento de Coluna Cobertura Cruzamentos Travessias, Obras Especiais Tie-ins e furo Direcional Instalação de PTE e Leitos de Anodos Limpeza, Calibração do Duto, TH e Condicionamento Inspeção e teste no Revestimento Externo após a Cobertura Documentação Técnica e Registro de Resultados Sistemas da Qualidade Segurança, Meio Ambiente e Saúde Ocupacional 16 AVALIAÇÕES 12 TOTAL DE HORAS 160 Pré -Requisitos para Certificação ID.N1: Grau de Escolaridade Experiência Profissional (meses) Treinamento (horas) CURSO TÉCNICO EM METALURGIA, MECÂNICA, NAVAL, CIVIL, SOLDAGEM, ESTRADAS, EDIFICAÇÕES, AGRIMENSURA, ELÉTRICA, ELETRÔNICA, MECATRÔNICA E TELECOMUNI- CAÇÕES ( COM REGISTRO NO CREA) CURSO SUPERIOR EM ENGENHARIA NA ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS OU CURSO DE TECNOLOGIA DE SOLDAGEM Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 2 de 11

3 FORMAS DE COMPROVAÇÃO DE EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL: EMPREGADO: cópia autenticada da carteira profissional comprovando vínculo empregatício e declaração em papel timbrado da empresa, com carimbo de CNPJ, especificando as atividades desenvolvidas para o método solicitado (CLT+declaração) AUTÔNOMO: cópia autenticada do contrato ou do RPA com recolhimento comprovado do INSS e a declaração em papel timbrado (contrato+declaração). EMPREGADO PRÓPRIO: cópia autenticada do contrato social da empresa e declaração em papel timbrado. MATRIZ DE ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL ID-N1 e ID-N2: Recebimento de Matérias -Verificar, por comparação entre marcações, a correspondência entre os materiais e os certificados de qualidade recebidos. -Executar ensaio visual e controle dimensional nos materiais, de acordo com o procedimento de recebimento de materiais e os desenhos e de acordo com as normas e especificações técnicas. -Verificar se os certificados da qualidade dos materiais recebidos atendem as normas e especificações técnicas. -Executar ou testemunhar o teste de detecção de descontinuidades ( holiday test ) no revestimento de tubos, de acordo com o procedimen-to de ensaio e com as normas e especificações técnicas. Armazenamento e Preservação Mecânica -Verificar se o armazenamento e preservação de materiais está de açordo com o procedimento de armazenamento e preservação, construção e montagem e de acordo com as normas e especificações técnicas. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 3 de 11

4 Topografia, Locação e Marcação -Verificar, por meio de análise do levantamento topográfico, se a locação está de acordo com o projeto. -Verificar se foram identificadas linhas e interferências existentes. Abertura de Pista -Verificar se a pista está sendo aberta de acordo com o procedimento de abertura de pista e com o projeto. Abertura de Vala -Verificar se a vala está sendo aberta de acordo com o procedimento de abertura de vala e com o projeto. -Verificar estabilidade de vala [certificado de estabilidade emitido por Profissional habilitado, conforme norma reguladora no 18 (NR-18)]. Distribuição de Tubos -Verificar se os tubos estão sendo distribuídos de acordo com o Procedimento de distribuição de tubos e com o projeto. -Verificar se os tubos estão sendo adequadamente protegido contra danos e armazenamentos de acordo com o procedimento de manuseio e armazenamento de tubos. Curvamento de Tubos a Frio -Verificar a comprovação de manutenção das curvadeiras. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 4 de 11

5 -Verificar se o curvamento está sendo conduzido de acordo com o procedimento de curvamento. -Executar ensaio visual e controle dimensional nos tubos curvados, de acordo com o procedimento de curvamento. -Executar ou testemunhar o teste de detecção de descontinuidades ( holiday test ) nos tubos curvados, de acordo com o procedimento de ensaio. Concretagem -Verificar se a concretagem (tubos, caixas de válvulas, canaletas, bases de scrapers, abrigos de retificadores e provadores de corrosão e suportes) está sendo executada de acordo com o procedimento de concretagem. Soldagem e END -Verificar se as atividades de inspeção de soldagem e END estão sendo executadas e acompanhadas por pessoal qualificado. Revestimento de Juntas de Campo e Reparos no Revestimento -Verificar se o procedimento de revestimento de juntas e de reparos está de acordo com as normas e especificações técnicas. Aprovar a quali-ficação do procedimento de revestimento de juntas e de reparos de revestimento e dos revestidores. -Verificar se a preparação da superfície da junta está sendo executada de acordo com o procedimento aprovado. -Verificar se o revestimento de juntas e os reparos de revestimento estão sendo conduzidos de acordo com os respectivos procedimentos aprova-dos. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 5 de 11

6 -Verificar se o revestimento de juntas e os reparos estão sendo executados por pessoal qualificado. -Executar ensaio visual e dimensional no revestimento e nos reparos de revestimento, de acordo com o procedimento de revestimento de juntas e de reparos. -Executar ou testemunhar o teste de detecção de descontinuidades ( holiday test ) no revestimento e nos reparos de revestimento, de acordo com o procedimento do ensaio. -Executar ou testemunhar o teste de aderência no revestimento de juntas de campo, de acordo com o procedimento de ensaio. Abaixamento da Coluna -Verificar se o procedimento contempla o número mínimo de side-booms, distância entre apoios e demais cuidados no momento do abaixamento. -Executar ou testemunhar o teste de detecção de descontinuidades ( holiday test ), de acordo com o procedimento de ensaio. -Verificar se o abaixamento está sendo executado de acordo com o procedimento de abaixamento e com o projeto. Cobertura -Verificar se a cobertura da vala está sendo executada de acordo com o procedimento de Cobertura e com o projeto. -Verificar se foi executa a drenagem provisória da faixa. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 6 de 11

7 Obras Especiais (cruzamentos, travessias, furos direcionados, tie-in s, etc.) -Verificar se as obras especiais estão sendo executadas de acordo com o projeto executivo e com o procedimento aprovado. -Verificar se foram executados os testes complementares das obras especiais. Instalação de PTE e Leitos de Anodos -Verificar se a instalação dos PTE e a preparação dos leitos de anodos estão sendo executados de acordo com projeto e de acordo com o procedimento de execução. -Verificar se o sistema de proteção catódica provisório atende ao projeto e ao procedimento de execução. -Verificar ou testemunhar a medição da eficiência do sistema de proteção catódica provisório, com base no procedimento aprovado. Limpeza, Calibração, Teste Hidrostático e Condicionamento -Verificar se as atividades de limpeza, calibração, teste hidrostático, e condicionamento estão sendo executadas de acordo com o plano de teste hidrostático e o procedimento de teste hidrostático. Inspeção do Revestimento Externo Anticorrosivo após a Cobertura -Verificar se as inspeções e teste no revestimento externo após a cobertura estão de acordo com os procedimentos aprovados. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 7 de 11

8 Jateamento e Pintura de Válvulas, Scrapers e Pequenas Estruturas -Verificar se as atividades de inspeção de pintura estão sendo executadas e acompanhadas por pessoal qualificado. Montagem e Instalação de Complementos -Verificar se as válvulas e scrapres estão sendo testadas hidrostaticamente antes de sua montagem. -Verificar se a montagem e a instalação de complementos estão de acordo com o projeto e com o procedimento aprovado. Restauração, Proteção e Sinalização -Verificar se a execução da restauração, proteção e sinalização estão de acordo com o projeto e com o procedimento aprovado. Documentação Técnica e Registro de Resultados -Verificar se os procedimentos, projetos executivos e documentos de SMS estão disponíveis, em suas revisões atualizadas, nas respectivas frentes de serviço. -Registrar resultados e relatar não-conformidades, de acordo com procedimentos estabelecidos. Saúde, Meio Ambiente e Segurança -Observar o cumprimento dos requisitos regulamentares e normativos relativos a Saúde, Meio Ambiente e Segurança. -Participar da elaboração das APRI e das fases que deve acompanhar. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 8 de 11

9 MATRIZ DE ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS DO PROFISSIONAL ID-N2: Concretagem -Verificar se o procedimento de concretagem está de acordo com as normas e especificações técnicas. Soldagem e END -Verificar se os procedimentos de soldagem e END estão qualificados por inspetor de soldagem nível 2 na norma aplicável e de END nível 3 respectivamente. Abaixamento da Coluna -Verificar se o procedimento de abaixamento está de acordo com as normas e especificações técnicas aplicáveis. Cobertura -Verificar se o procedimento de cobertura esta de acordo com as normas e especificações técnicas aplicáveis. Obras Especiais (cruzamentos, travessias, furos direcionados, tie-in s, etc.) -Verificar se o projeto executivo e o procedimento de execução de obras especiais estão aprovados e de acordo com as normas, licenças e especificações técnicas. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 9 de 11

10 Instalação de PTE e Leitos de Anodos -Verificar se o projeto de instalação do PTE, inclusive sistema de proteção catódica provisório, e de leitos de anodos está aprovado e se está de acordo com as normas e especificações técnicas. Limpeza, Calibração, Teste Hidrostático e Condicionamento -Verificar e aprovar o procedimento de teste hidrostático e o plano de teste hidrostático, com base nas normas e especificações técnicas. Inspeção do Revestimento Externo Anticorrosivo após a Cobertura -Verificar se o procedimento de teste do revestimento externo após a cobertura está de acordo com as normas e especificações técnicas. Jateamento e Pintura de Válvulas, Scrapers e Pequenas Estruturas -Verificar se o procedimento de pintura está aprovado por inspetor de pintura nível 2 qualificado. Montagem e Instalação de Complementos Verificar se o projeto e o procedimento de montagem e instalação de complementos, estão de acordo com as normas e especificações aplicáveis. Restauração, Proteção e Sinalização -Verificar se o projeto e o procedimento de restauração, proteção e sinalização, estão de acordo com as normas, licenças e especificações aplicáveis. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 10 de 11

11 Documentação Técnica e Registro de Resultados -Preparar e/ou emitir planos e instruções de inspeção de dutos terrestres com sua respectiva abrangência, de acordo com as normas e especificações técnicas. -Verificar e avaliar a organização e a atualização do arquivo de documentos técnicos e registros, no tocante à construção e montagem de dutos terrestres. INFORMAÇÕES E FORMULÁRIOS NECESSÁRIOS PARA SOLICITAR A QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO NACIONAL SNQC/END - ABENDE: - FM-003 : Formulário de solicitação de exames; - FM-005 : Formulário de Acuidade Visual; - FM-055 : Declaração de Ciência dos Pré-requisitos para Qualificação; - Modelo de declaração de experiência profissional; - Código de ética; - IT END Instrução Geral Candidato; - IT Exame Prático de Ensaio Visual - Instruções ao Candidato; - Taxa de Qualificação. DOCUMENTAÇÃO: Certificado de escolaridade*; Documento de identificação (RG, CNH, CREA)*; CPF*; Certificado de conclusão do curso/treinamento*; 01 foto 3 x 4. *todos os documentos deverão ser apresentados com cópias autenticadas. Curso ID.N1 Inspeção de Dutos Terrestres - 11 de 11

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca

Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca Lista de cargos e funções disponíveis no Consórcio Ipojuca 1. INSPETOR CONTROLE DE QUALIDADE- Atuar com inspeção de processos / final, ensaios de rotina, controle de qualidade e verificação de falhas na

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

Relação de documentos necessários para dar entrada na qualificação de: LP, PM, ER, US, CP, EV, EA - N 1 e 2 junto a ABENDE.

Relação de documentos necessários para dar entrada na qualificação de: LP, PM, ER, US, CP, EV, EA - N 1 e 2 junto a ABENDE. Parceiros da Qualidade Relação de documentos necessários para dar entrada na qualificação de: LP, PM, ER, US, CP, EV, EA - N 1 e 2 junto a ABENDE. Check List Documento Formulário de solicitação de exames

Leia mais

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem:

PETRÓLEO E GÁS. Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS Os serviços da Cugnier abrangem: PETRÓLEO E GÁS A Cugnier está credenciada junto à estatal Petrobras através do CRCC (Certificado de Registro e Classificação Cadastral), possuindo aprovação

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

ANEXO 07 RELAÇÃO DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO

ANEXO 07 RELAÇÃO DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO ESPECIALIZADO Página 1 de 6 DECLARAÇÃO DE DISPONIBILIDADE DE PESSOAL TÉCNICO Pela presente declaramos ter a disponibilidade do pessoal técnico abaixo relacionado, com o compromisso de utilizá-lo na execução do Contrato

Leia mais

Procedimento Operacional

Procedimento Operacional 1/11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Revisão geral do documento 02 Adequação dos registros e padrões Adequação para o Sistema de Gestão Integrado, alteração do Item

Leia mais

TERMO DE ADESÃO A CURSO ON LINE

TERMO DE ADESÃO A CURSO ON LINE TERMO DE ADESÃO A CURSO ON LINE O site disponibiliza, para usuários interessados e devidamente cadastrados, os cursos de: Inspetor de Soldagem N1 EAD Inspetor de Soldagem N2 EAD Inspetor de Equipamentos

Leia mais

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS.

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. Paulo César Francisco Henriques Consultor - Rua Tirol 690 / 206 - Jacarepaguá - Rio de Janeiro RJ 22.750-007 pcfhenriques@ig.com.br

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ

FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS. Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ FORMAÇÃO DE INSPETOR DE EQUIPAMENTOS Manuel Joaquim de Castro Lourenço Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca CEFET/RJ Marcelo Maciel Pereira Fundação Brasileira de Tecnologia da

Leia mais

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão.

Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de precisão. CatÁlogo de cursos Eixo tecnológico - Controle e Processos Industriais Ajustador Mecânico Ajustar, reparar e instalar peças e equipamentos em conjuntos mecânicos e dispositivos de usinagem e controle de

Leia mais

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO CONVITE N º 1-010-11

ANEXO I - MEMORIAL DESCRITIVO CONVITE N º 1-010-11 Página 1 de 7 1. OBJETIVO Este Memorial Descritivo tem como objetivo apresentar o escopo dos serviços de manutenção que serão realizados na tubulação aérea passante sob a Ponte de Igapó. 2. NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Instituto de Meio Ambiente de Alagoas IMA Diretoria da Presidência DIPRE Diretoria Técnica DIT Diretoria de Licenciamento DILIC POSTOS DE COMBUSTÍVEIS POSTOS DE COMBUSTÍVEIS LICENÇA PRÉVIA 1. Formulário de requerimento padrão dirigido à Presidência do IMA, devidamente preenchido e assinado; 2. Comprovante de pagamento da Taxa de Concessão da Licença

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS EM ESTANQUEIDADE NA-019 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAS EM ESTANQUEIDADE NA-019 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 Página: 1 de 10 1. OBJETIVO 2 2. REFERÊNCIAS NORMATIVAS 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. MODALIDADES DE COMPETÊNCIA 4 5. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 4 5.1 Geral 4 5.2 Centros de Exames de

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1/3 (primeiro de três) Período: de 01/out/2009 a 19/nov/2009

RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1/3 (primeiro de três) Período: de 01/out/2009 a 19/nov/2009 Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Mecânica Coordenadoria de Estágio do Curso de Engenharia Mecânica CEP 88040-970 - Florianópolis - SC - BRASIL www.emc.ufsc.br/estagiomecanica

Leia mais

2 Construção e Montagem de Dutos Terrestres 2.1 Considerações Iniciais

2 Construção e Montagem de Dutos Terrestres 2.1 Considerações Iniciais 15 2 Construção e Montagem de Dutos Terrestres 2.1 Considerações Iniciais Duto é a designação da ligação de tubos destinados ao transporte de petróleo, seus derivados ou gás natural. Eles são classificados

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

Portaria n.º 349, de 26 de novembro de 2009

Portaria n.º 349, de 26 de novembro de 2009 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 349, de 26 de novembro de

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

Procedimento. Qualificação de Soldas, Soldadores e Inspetores JANEIRO 2016 ABPE P009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOSE SISTEMAS

Procedimento. Qualificação de Soldas, Soldadores e Inspetores JANEIRO 2016 ABPE P009 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE TUBOS POLIOLEFÍNICOSE SISTEMAS JANEIRO 2016 ABPE P009 Qualificação de Soldas, Soldadores e Inspetores Procedimento Origem abpe - Associação Brasileira de Tubos Poliolefínicos e Sistemas CN - Comissão de Normalização ABPE P009 Polyethylene

Leia mais

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação

COPINAVAL 24/10/2007. END s Aplicação no setor naval Certificação COPINAVAL 24/10/2007 END s Aplicação no setor naval Certificação O que significa END? Ensaios Não Destrutivos: Verificar a existência de descontinuidades; Verificar a propriedade de um material; Não causa

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) CÓDIGO 09.00 GRUPO/ATIVIDADES 09.07 Postos de Revenda de Combustíveis e Derivados de Petróleo com ou sem lavagem e ou lubrificação de veículos PPD M AGRUPAMENTO NORMATIVO

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Qualificação Técnica

APRESENTAÇÃO. Qualificação Técnica APRESENTAÇÃO A Via de Reis Alpinismo Industrial Ltda. é especialista em trabalho em altura e engenharia de acesso por cordas para serviços onde é necessário ou requerido o acesso a pontos remotos e de

Leia mais

Autorização de transporte de pessoas em veículos de carga

Autorização de transporte de pessoas em veículos de carga Autorização de transporte de pessoas em veículos de carga É necessário obter uma autorização para transportar pessoas em veículos de carga. Esse tipo de transporte normalmente ocorre em áreas rurais, por

Leia mais

Identificação: N01 Revisão: 04 Folha: 1 / 19

Identificação: N01 Revisão: 04 Folha: 1 / 19 Identificação: N01 Revisão: 04 Folha: 1 / 19 1 - OBJETIVO O objetivo desde documento é estabelecer os critérios padronizados para avaliação de empresas da cadeia produtiva de estruturas metálicas, para

Leia mais

ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS

ANEXO II QUADRO DEMONSTRATIVO DAS PROVAS OBJETIVAS Escolaridade: Nível Superior Médico do Trabalho, Médico Auditor, Engenheiro de Segurança do Trabalho, Engenheiro Civil, Contador, Assistente Social, Administrador (RH e Finanças), Administrador (Marketing),

Leia mais

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Missão Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da indústria brasileira. Políticas de Gestão do

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA CADASTRO DE EMPREITEIRAS PARA EXECUTAR SERVIÇOS DE PARTICULARES EM ÁREA DE CONCESSÃO DA CELESC SERVIÇOS DE TELECOM As empresas prestadoras de serviços (construção e/ou manutenção

Leia mais

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA O SETOR SUBAQUÁTICO NA-003

QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS PARA O SETOR SUBAQUÁTICO NA-003 Página: 1 de 30 1. OBJETIVO Esta Norma estabelece a sistemática adotada pela Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos e Inspeção ABENDI, através do Sistema Nacional de Qualificação e Certificação

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO GERENCIA DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS -TGO PREGÃO ELETRÔNICO 010/2010 ITEM 15.1.5 NEXO V DOCUMENTOS SEREM OBRIGTORIMENTE PRESENTDOS PR LIBERÇÃO DOS PGMENTOS NOME D EMPRES CONTRTD: Nº DO CONTRTO: NO Item DOCUMENTOS DETLHMENT O QUNDO EXIGIR DOCUMENTO

Leia mais

Parágrafo único. O prazo de validade do CA objeto de pedido de alteração será o mesmo do CA anteriormente concedido.

Parágrafo único. O prazo de validade do CA objeto de pedido de alteração será o mesmo do CA anteriormente concedido. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N.º 162, DE 12 DE MAIO DE 2006 (DOU de 16/05/06 Seção 1) Estabelece procedimentos para o cadastro de empresas e para a emissão

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

Plano de curso Operação de Plataforma Aérea

Plano de curso Operação de Plataforma Aérea PLANO DE CURSO MSOBROPPTA08 PAG1 Plano de curso Operação de Plataforma Aérea Justificativa do Curso As plataformas aéreas geralmente são utilizadas para fins de acesso flexível e temporários, tais como

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE INFRA-ESTRUTURA E LOGÍSTICA DEPARTAMENTO AUTÔNOMO DE ESTRADAS DE RODAGEM EDITAL N 001/2009 Anexo IV Da classificação e da tabela de pontuação A) Para os cargos de Técnico em Assuntos Rodoviários e Técnico em Assuntos Administrativos: TEMPO DE FORMAÇÃO NA PROFISSÃO: Comprovação através de Diploma

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/educacao-a-distancia/2012/09/1,5682/novos-cursos.html Novos Cursos O SENAI criou 40 novos cursos a distância, sendo 10 cursos

Leia mais

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE)

VISTORIA PREVIA ALVARÁ DE FUNCIONAMENTO (INICIO DE ATIVIDADE) VISTORIA PREVIA REQUERIMENTO PREENCHIDO E ASSINADO PELO REPRESENTANTE LEGAL DA EMPRESA DECLARACAO A PROPRIO PUNHO INFORMANDO O RAMO DE ATIVIDADE GUIA DE IPTU DO ULTIMO ANO QUITADA LISTA DE DOCUMENTOS DISPONIVEL

Leia mais

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS CRITÉRIO ESPECÍFICO PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO DE ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS NORMA Nº: NIT-DIOIS-003 APROVADA EM JUN/2011 Nº 0 01/09 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO PETROBRAS 2013

PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO PETROBRAS 2013 PROCESSO SELETIVO PROGRAMA DE ESTÁGIO PETROBRAS 2013 O Instituto Euvaldo Lodi IEL/AM realiza o processo seletivo para o Programa de Estágio da Petrobras Serviços Compartilhados Amazonas. O objetivo desse

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012.

Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 108, de 06 de março de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS

DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS Página: 1 de 18 1. OBJETIVO Complementar a norma ABENDE NA-001, no que se refere ao estabelecimento da sistemática para Qualificação e Certificação de Pessoal em Ensaios Não Destrutivos nos setores industriais

Leia mais

AVISO DE RETIFICAÇÃO e NOVA DATA DE ABERTURA

AVISO DE RETIFICAÇÃO e NOVA DATA DE ABERTURA AVISO DE RETIFICAÇÃO e NOVA DATA DE ABERTURA EDITAL N.º: 014/2015 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 013/2015 Processo Administrativo nº: 000019-0496/15-0 OBJETO: Registro de preços para a fornecimento de materiais

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

1. OBJETIVO 3 2. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3 3. CLASSIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 6 4. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 8

1. OBJETIVO 3 2. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3 3. CLASSIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 6 4. SISTEMÁTICA PARA QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 8 Página: 1 de 25 1. OBJETIVO 3 2. SIGLAS E DEFINIÇÕES 3 2.1 Siglas 3 2.2 Definições 3 3. CLASSIFICAÇÃO DOS NÍVEIS DE QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 6 3.1 Profissionais END Nível 1 7 3.2 Profissionais END Nível

Leia mais

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA

E-QP-EIN-022 REV. B 25/Jul/2011 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. APLICAÇÃO 4. TERMINOLOGIA 5. REGRAS GERAIS 6. EXECUÇÃO DA PROVA PRÁTICA ENGENHARIA QUALIFICAÇÃO DE INSPETOR DE CONSTRUÇÃO, MONTAGEM E COMISSIONAMENTO DE INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL 1 Instruções ao Candidato Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados

Leia mais

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO

RECURSOS HUMANOS ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL SUMÁRIO TERCEIRIZADAS NA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 02 2. ÂMBITO... 02 3. CONCEITOS... 02 4. NORMAS APLICÁVEIS E DOCUMENTOS DE REFERÊNCIAS... 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 03 6. PROCEDIMENTOS... 03 7. CONTROLE DE REGISTROS...

Leia mais

Nº 02/2015, 02 2015, 1. DAS FUNÇÕES, VAGAS, SALÁRIO, REQUISITOS E CONDIÇÕES PARA A INSCRIÇÃO. 1.1 ENGENHEIRO CIVIL _ 01 _ - SMITUR _

Nº 02/2015, 02 2015, 1. DAS FUNÇÕES, VAGAS, SALÁRIO, REQUISITOS E CONDIÇÕES PARA A INSCRIÇÃO. 1.1 ENGENHEIRO CIVIL _ 01 _ - SMITUR _ EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº001/2015 A Prefeitura do Município de Piraí do Norte, Bahia, no uso de suas atribuições legais TORNA PÚBLICO a abertura de inscrições para o PROCESSO SELETIVO

Leia mais

Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014.

Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 248, de 28 de maio de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS

INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS INFOMAÇÕES IMPORTANTES CATEGORIAS Para efeito de seleção das categorias que possuem divisão de 1 o, 2 o,3 o, vigoram os seguintes paramentos abaixo listados: 1 o categoria Contrato social acima de R$ 30.000,00

Leia mais

52º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO SEQUI. Gerência de Certificação, Qualificação e Inspeção ENGENHARIA/SL/SEQUI. Classificação: PÚBLICO

52º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO SEQUI. Gerência de Certificação, Qualificação e Inspeção ENGENHARIA/SL/SEQUI. Classificação: PÚBLICO 52º CONGRESSO BRASILEIRO DE CONCRETO SEQUI Gerência de Certificação, Qualificação e Inspeção ENGENHARIA/SL/SEQUI Classificação: PÚBLICO 1978 Início do Sistema Brasileiro de Certificação Criação do SEQUI

Leia mais

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07

2013 2014 2015 2016 2017 J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J A S O N D J F M A M J J 01/07 ESTALEIRO EISA ALAGOAS S.A. - CRONOGRMA DE CONSTRUÇÃO 45,96 meses 1 LICENÇA AMBIENTAL 29,51 meses 1.1 LICENÇA PRÉVIA 0 meses 1.2 LICENÇA DE INSTALAÇÃO 5,33 meses 1.2.1 PROJETOS EXECUTIVOS 4 meses 1.2.2

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO

CONTROLE DIMENSIONAL CALDEIRARIA INSTRUÇÕES AO CANDIDATO Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo orientar os candidatos na execução de provas práticas, na qualificação de Inspetor de Controle Dimensional, modalidade Caldeiraria. 2. REGRAS

Leia mais

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL COTEQ A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL Hermann Schubert 1, Edvaldo H. K. Ide 2, Higor Gerbovic 3, Reginaldo Luz 4, Ronaldo K. Shiomi 5 Copyright 2011, ABENDI. Trabalho apresentado

Leia mais

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA

SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DE ITAPIRA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO PARA LOTEAMENTOS URBANOS 1 DO OBJETIVO A presente Norma estabelece os requisitos mínimos a serem obedecidos

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA MATRÍCULA PROGRAMA SENAC DE GRATUIDADE 1. DO PROGRAMA 1.1 Os cursos gratuitos do Programa Senac de Gratuidade (PSG) destinam-se a pessoas de baixa renda, na condição de alunos

Leia mais

Ficha Cadastral de Fornecedores

Ficha Cadastral de Fornecedores de Fornecedores Informações Jurídicas Razão Social: CNPJ: Nome Fantasia: Responsáveis legais: CPF: Responsável técnico: Nº Documento: Órgão emissor: CNES: ANS: Endereço Completo: Fone/Fax: e-mail vendas:

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

Certificação de Pessoas

Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas Certificação de Pessoas O que é? Reconhecimento formal dos conhecimentos, habilidades, atitudes e competências do trabalhador, requeridos pelo sistema produtivo e definidos em termos

Leia mais

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS

APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Título APLICAÇÃO DA PROTEÇÃO CATÓDICA NA PREVENÇÃO DE CORROSÃO DE ADUTORAS E RESERVATÓRIOS METÁLICOS Autores Eng o. Luiz Rodrigues Leite Jr. - Engenheiro II. Engenheiro Eletricista Eng o. Nilton Franco

Leia mais

Relação de documentos exigidos para processo de Bolsa de Estudo FAPCOM 2015

Relação de documentos exigidos para processo de Bolsa de Estudo FAPCOM 2015 Relação de documentos exigidos para processo de Bolsa de Estudo FAPCOM 2015 IMPORTANTE: esta é uma ótima oportunidade para obter uma Bolsa de Estudo na FAPCOM e, para tanto, solicitamos sua atenção para

Leia mais

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO

UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO UNI VERSI DADE DE PERNAMBUCO PEDRO DE ALCÂNTARA NETO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu em Engenharia Naval e Offshore na UPE desenvolvem a capacidade para planejar, desenvolver

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

REQUISITO DE INSPEÇÃO PADRÃO DE VÁLVULAS DE BLOQUEIO

REQUISITO DE INSPEÇÃO PADRÃO DE VÁLVULAS DE BLOQUEIO MATERIAIS/CDBS/IF REQUISITO DE INSPEÇÃO N º 0009 (Revisão 6) Março/2007 PADRÃO DE VÁLVULAS DE BLOQUEIO Este documento estabelece os requisitos de inspeção a serem observados pelo fornecedor em atendimento

Leia mais

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco

Certificação de Pessoas. Danilo Stocco Certificação de Pessoas Danilo Stocco Entidade técnico-científica, sem fins lucrativos, de direito privado, com sede em São Paulo, fundada em 1979, com a finalidade de difundir as técnicas de Ensaios Não

Leia mais

APRESENTAÇÃO EMPRESA. Rômulo Paizante de Paula Diretor Técnico. Folha 1/8 Rev. 0 ATIVIDADES

APRESENTAÇÃO EMPRESA. Rômulo Paizante de Paula Diretor Técnico. Folha 1/8 Rev. 0 ATIVIDADES Folha 1/8 APRESENTAÇÃO EMPRESA Em 2001, a Paizante Inspeções Ltda, iniciou suas atividades atuando na área de Qualidade industrial, visando suprir as necessidades das empresas com Qualificação Procedimentos

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO

GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO GUIA PRÁTICO DE FISCALIZAÇÃO 1. DOS CONCEITOS: Administração: a Universidade Federal de Lavras, como órgão integrante da Administração Pública Federal; Comissão de Fiscalização: servidores designados pelo

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro

Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro Ministério de Minas e Energia Gabinete do Ministro PORTARIA N o 94, DE 5 DE MARÇO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único, incisos

Leia mais

EDITAL Nº 01/2012. Art. 1º O processo seletivo compreende o acesso de professores para ao quadro de docentes da Estácio FIC.

EDITAL Nº 01/2012. Art. 1º O processo seletivo compreende o acesso de professores para ao quadro de docentes da Estácio FIC. EDITAL Nº 01/2012 Processo Seletivo de Docentes dos Cursos de Arquitetura e Urbanismo, Design de Moda, Design Gráfico da Estácio FIC 2012. A DIRETORA GERAL da Faculdade Estácio do Ceará - Estácio FIC,

Leia mais

ANEXO III MODELO DE CHECKLIST DE DOCUMENTOS POR CARGO. PROCESSOS SELETIVO SIMPLICADO SECTEC EDITAL nº 005/2013 CHECKLIST DE DOCUMENTOS

ANEXO III MODELO DE CHECKLIST DE DOCUMENTOS POR CARGO. PROCESSOS SELETIVO SIMPLICADO SECTEC EDITAL nº 005/2013 CHECKLIST DE DOCUMENTOS ANEXO III MODELO DE POR CARGO Cargo: Professor de Nível Superior Função: TUTOR Graduação em qualquer área Cópia do comprovante do Curso em Informática (certificado / declaração), que tenha contemplado

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 2: PROTEÇÃO CATÓDICA DE DUTOS TERRESTRES Este material contém informações classificadas como NP1 PROGRAMAÇÃO 1.Introdução: Projeto de dutos;

Leia mais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais

2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624 :: Artistas visuais,desenhistas industriais e conservadores-restauradores de bens culturais 2624-05 - Artista (artes visuais) Aquarelista, Artesão (artista visual), Artista plástico, Caricaturista,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015. Sempre focado no crescimento e inovação.

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015. Sempre focado no crescimento e inovação. APRESENTAÇÃO CORPORATIVA 2015 Sempre focado no crescimento e inovação. INDICE Sobre a Mettalica Visão, Missão e Valores Aplicação Capacidade Programas Certificações Normas atendidas Principais Clientes

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria n.º 186, de 04 de dezembro de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

LINHA DE SERVIÇOS TAJET BAHIA

LINHA DE SERVIÇOS TAJET BAHIA Fachada sede Escada/PE Fachada sede Bahia/BA A TAJET Iniciou suas atividades em maio de 2005, desenvolvendo serviços de manutenção de estruturas metálicas com foco no segmento de telecomunicações, em junho

Leia mais

Universidade de Pernambuco UPE Escola Politécnica de Pernambuco POLI Programa de Pós-Graduação E D I T A L

Universidade de Pernambuco UPE Escola Politécnica de Pernambuco POLI Programa de Pós-Graduação E D I T A L Universidade de Pernambuco UPE Escola Politécnica de Pernambuco POLI Programa de Pós-Graduação E D I T A L A Coordenação Setorial de Pós-Graduação e Pesquisa da POLI/UPE e o Conselho de Gestão Acadêmica

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENAÇÃO DOS INSTITUTOS DE PESQUISA Portaria CVS 15, de 26 de Dezembro de 2002. Define diretrizes, critérios e procedimentos para a avaliação físico funcional de projetos

Leia mais

EDITAL Nº 007/2015/DG/IFMA CAMPUS BARRA DO CORDA

EDITAL Nº 007/2015/DG/IFMA CAMPUS BARRA DO CORDA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CAMPUS BARRA DO CORDA EDITAL Nº 007/2015/DG/IFMA CAMPUS BARRA DO

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 019/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010, RESOLVE: Art. 1º -

Leia mais

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica

Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Serviços Relacionados à Pessoa Jurídica Atenção: Documentos apresentados em fotocópia devem ser autenticados em Cartório ou acompanhados dos originais para receberem autenticação do CREA. Documentos obrigatórios

Leia mais

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012

NND 03.10. Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique. Normas Nacionais de Desminagem Segunda Edição Junho de 2012 NND 03.10 Normas Nacionais de Desminagem Monitoria de Operações de Desminagem em Moçambique Instituto Nacional de Desminagem (IND) Maputo, Moçambique Telefone: +258 1 418577/8; +258 82 3023650; 258 82

Leia mais

PROMINP Tecnológico 22 de Julho de 2010

PROMINP Tecnológico 22 de Julho de 2010 PROMINP Tecnológico 22 de Julho de 2010 Estudo de Competitividade da Indústria Fornecedora de B&S para o Setor de P&G BLOCO II Estudo da Competitividade Competitividade Classe Mundial Setores Industriais

Leia mais

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada ESCOLA SENAI DE MAUÁ Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada S NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Eletropneumática 40 27/04/2016 19/05/2016 15h 18h X X X X X Eletropneumática 40 04/07/2016 27/07/2016

Leia mais

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS (Arame Tubular, Eletrodo Revestido, MIG/MAG e TIG) Esquemas de Certificação Maio de 2015 Página 1 de 42 SUMÁRIO Soldador de Materiais Metálicos no Processo Arame Tubular...

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

Prêmio Soldador Padrão 2016

Prêmio Soldador Padrão 2016 Prêmio Soldador Padrão 2016 Inscrições de 01/04/2016 até 15/07/2016 INSCRIÇÕES GRATUITAS Instruções aos Competidores INTRODUÇÃO O Prêmio Soldador Padrão tem como objetivo estimular o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261

ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 ESPAÇO CORPORATIVO SILVA BUENO - CSB 261 RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS OBRAS PERÍODO DEZEMBRO DE 2014 Estrutura de Concreto: Conclusão do 9º pavimento 100% executado; Conclusão do 10º pavimento Barrilete,

Leia mais

L. 23.504.245/0001-51 20 / A CEP

L. 23.504.245/0001-51 20 / A CEP SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Com mais de 10 anos de experiência em soluções industriais e inspeções de qualidade a GMAC oferece atendimento objetivo e focado nos resultados desejados. A confiabilidade e segurança

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2

CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL. (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2 CURSO TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL (Antigo Curso de Instrumentação Controle de Processos) SELEÇÃO 2010.2 OBJETIVO Participar de atividades de planejamento, supervisão e execução de projetos específicos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 189,de 17 de novembro de 2004. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

EDITAL 005.2/2014 - PROEN/IFMS

EDITAL 005.2/2014 - PROEN/IFMS EDITAL 005.2/24 - PROEN/IFMS PROCESSO SELETIVO DE PROFESSOR E TUTOR PRESENCIAL PARA ATUAR NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NOS CURSOS TÉCNICOS DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQUENTES DA REDE e-tec BRASIL O REITOR DO INSTITUTO

Leia mais

sócios a experiência adquirida ao longo de aproximadamente vinte anos nas grandes outras. Missão: Valores: Visão:

sócios a experiência adquirida ao longo de aproximadamente vinte anos nas grandes outras. Missão: Valores: Visão: A Dusa Engenharia e Construção Ltda está capacitada para atuar nas áreas de óleo e gás, saneamento, mineração, obras ferroviárias, rodoviárias e eletrificação e tem em seus sócios a experiência adquirida

Leia mais