AERAÇÃO DE GRÃOS ARMAZENADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AERAÇÃO DE GRÃOS ARMAZENADOS"

Transcrição

1 Capítulo 11 AERAÇÃO DE GRÃOS ARMAZENADOS Juarez de Sousa e Silva Adílio Flauzino de Lacerda Filho Ivano Alessandro Devilla Daniela de Carvalho Lopes 1. INTRODUÇÃO Os grãos, como materiais biológicos vivos, estão sujeitos a transformações de naturezas distintas, oriundas da tecnologia aplicada ao sistema de pré-processamento. A armazenagem tem por objetivo preservar as qualidades físicas, sanitárias e nutricionais dos grãos, depois de colhidos. Durante essa fase, os fatores que influenciam a boa conservação desses produtos são a temperatura e a umidade relativa do ar intergranular e a temperatura e o teor de água dos grãos. Além desses, as características estruturais e de higiene das instalações são fatores indispensáveis para a obtenção de boas práticas de armazenagem. Assim que a célula de armazenamento estiver sendo carregada, os grãos variarão, provavelmente, em temperatura e conteúdo de umidade, por causa de variações em maturidade, condições climáticas e variações na secagem. Porções de grãos quentes e deterioradas podem ser criadas dentro do silo, mesmo que a condição média da massa de grãos possa ser considerada adequada. Ainda hoje, em unidades armazenadoras antigas, os operadores, ao verificarem problema que possam comprometer a qualidade do produto, fazem movimentar a massa de grãos através do ar ambiente. A esse procedimento denomina-se "transilagem". Essa operação, apesar de resolver parcial ou totalmente os problemas, na prática, resulta em vários inconvenientes, como: a) Eleva o índice de danos mecânicos no produto durante a movimentação da massa de grãos; b) Necessita, na maioria das vezes, de mais tempo para a sua execução, considerando que com apenas uma circulação do produto pelo ar ambiente o problema pode não ser totalmente solucionado; c) Apresenta elevado custo de instalação, já que o processo exige uma célula de Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 269

2 estocagem vazia na unidade armazenadora; d) Tem custo operacional mais elevado, não só pela maior demanda de tempo, mas também por envolver maior número de equipamentos e consumo de energia; e e) Durante a movimentação, o atrito entre grãos e componentes do sistema de transporte e entre os próprios grãos, provoca o aparecimento de pó orgânico, que é potencialmente explosivo. Para solucionar alguns desses problemas, sugerem-se o uso da técnica de aeração, que consiste na passagem forçada do ar, com fluxo adequado, através da massa de grãos, com o objetivo de prevenir ou solucionar problemas de conservação. A aeração apresenta vantagens, como a possibilidade de supervisionar tanto o sistema quanto o produto durante a operação de aeração. Além disso, é utilizada para melhorar a preservação das qualidades dos grãos, em sistemas de armazenagem a granel, objetivando-se igualar a temperatura da massa, minimizar as atividades dos fungos, diminuir a taxa de respiração do produto armazenado e, quando possível, reduzir a temperatura dos grãos. É possível que sucessivas aplicações de aeração resultem na formação de blocos compactados de grãos e na concentração de finos em pontos localizados, dificultando a passagem do ar. Neste caso, deve-se corrigir o problema com uma movimentação ou transilagem do produto e, se possível, passá-lo pelo sistema de limpeza. Sabe-se que a armazenagem a granel torna-se difícil, sem o uso da aeração, se for realizada por longo período, mesmo sabendo que o produto encontra-se devidamente limpo e seco. 2. OBJETIVOS DA AERAÇÃO A aeração pode ter diferentes efeitos sobre a massa de grãos, dependendo das condições do ambiente e do próprio produto. Antes de colocar o sistema de aeração em funcionamento, é essencial fazer previsões sobre os possíveis resultados da operação. A utilização da técnica pode atender aos seguintes objetivos: a) Resfriar a massa de grãos. b) Uniformizar a temperatura da massa de grãos. c) Prevenir aquecimento e umedecimento de origens biológicas. d) Promover secagem, dentro de certos limites. e) Promover remoção de odores Resfriar a Massa de Grãos O resfriamento da massa de grãos armazenados constitui o principal objetivo e a principal utilidade da aeração. O microclima formado dentro da massa de grãos poderá trazer vários benefícios ao processo de conservação. Até há pouco tempo, esses benefícios estavam relacionados à supressão do desenvolvimento de insetos, ácaros e fungos. Entretanto, sabe-se que grãos armazenados em temperaturas elevadas, 25 a 40 C, como ocorre em muitas regiões brasileiras, têm a atividade respiratória intensificada, o que propicia incremento na perda de matéria seca, aumenta a umidade relativa do ar intergranular e produz calor. Na Tabela 1, observa-se que milho armazenado em temperaturas variando entre 25 e 35 C tiveram de 6 a 27 vezes mais perda de matéria seca, respectivamente, do que grãos refrigerados a 10 C. 270 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

3 Além disso, na faixa de temperatura de 25 a 40 C a oxidação de lipídios pode ser intensificada, o que contribui para a degradação da qualidade dos grãos, visto que a mesma é acelerada pela ação do calor, luz, reações de ionização, dentre outros. Durante esse processo degradativo, várias reações de decomposição podem ocorrer, levando à produção de hidrocarbonetos, aldeídos, álcoois e cetonas. Entretanto, a produção de ácidos graxos livres, resultante da degradação de lipídios, contribui significativamente para o aumento do custo de produção de óleos vegetais, causando significativos prejuízos às indústrias. TABELA 1 - Perda de matéria seca em t de milho armazenado durante 30 dias Condições ambientes Temperatura ( C) Perda de matéria seca Temperatura ambiente - média 25 Perda de 0,12% (= 1,2 t) Temperatura ambiente - alta 35 Perda de 0,54% (= 5,4 t) Grãos refrigerados 10 Perda de 0,02% (= 0,2 t) Fonte: Brunner, citado por LAZZARI, (2007) Inibir a Atividade de Insetos-praga e Ácaros A maioria dos insetos-praga que infestam os grãos armazenados é de origem tropical e subtropical e a faixa de temperatura adequada para o seu desenvolvimento está entre 27 e 34 C, sendo consideradas ideais as temperaturas entre 29 e 30 C. Depois de alguns meses de armazenagem, ou em ambientes com temperaturas acima de 27 C, a massa de grãos poderá ter elevado nível de infestação se ações preventivas não forem tomadas. Os insetos-praga são sensíveis a baixas e a altas temperaturas, reduzindo seus desenvolvimentos em temperaturas inferiores a 16 e superiores a 42 C. Podem-se estabelecer manejos adequados para o controle dos insetos-praga quando a temperatura é mantida entre 17 e 22 C, para aqueles cujo ciclo de vida é da ordem de três meses ou mais. Isto porque a oviposição e fecundação dos mesmos é restrita em baixa temperatura, com baixo crescimento da população, o que lava a danos menos significativos aos grãos. A umidade relativa crítica para o seu desenvolvimento é da ordem de 30%. Entretanto, são capazes de sobreviverem obtendo água metabólica, do ar ambiente ou do próprio grão. A Tabela 2 contém informações sobre o comportamento de algumas espécies de insetos-praga, de importância econômica para o processo de armazenagem, em relação ao ambiente. Os ácaros são pragas de grande importância econômica, principalmente nas em regiões de clima tropical e temperado. Podem danificar o gérmen dos cereais, casca de leguminosas, contaminarem os produtos com fezes e odores indesejáveis. O produto infestado por ácaros, se destinado para a alimentação animal, poderá causar problemas nutricionais aos mesmos e alergia aos operadores durante o manuseio. É importante ressaltar que a presença de ácaros está relacionada a fungos, uma fez que os mesmos, também, se alimentam desses microrganismos. Desenvolvem-se em ambientes cuja temperatura varia entre 7 e 30 C e umidade relativa acima de 60%. O ambiente ideal para o seu desenvolvimento é estabelecido por temperaturas entre 20 e 25 C e umidade relativa entre 80 e 90%. Portanto, para o seu controle deve-se estabelecer, principalmente, umidade relativa de equilíbrio inferior a Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 271

4 60%, o que se consegue por meio da redução do teor de água dos grãos, considerando-se determinada temperatura. Grãos com umidade superior a 14% (b.u.) devem ser mantidos em temperatura baixa (possível em climas temperados) ou por meio do resfriamento artificial do ar, evitando-se focos aquecidos na massa. Alguns pesquisadores consideram que, para infestações de pequena intensidade, o emprego dessa técnica poderá ser dispendioso. Na Tabela 3 contém informações sobre as temperaturas mínimas e ótimas para o desenvolvimento de algumas espécies de ácaros. TABELA 2 Valores das temperaturas ótimas e favoráveis para o desenvolvimento de insetos-praga em 100 dias e das umidades relativas mínimas para o desenvolvimento de algumas espécies. Espécies Tolerância à Temperatura ( C) Umidade Tolerância umidade ao frio Ótima Segura (1) relativa relativa mínima (%) Trogoderma granarium Tolerante a Cryptolestes ferrugineus Resistente baixa UR Oryzaephilus surinamensis Tribolium confusum Tolerante à Moderado baixa UR Tribolium cataneum Susceptíve Tolerante à l baixa UR Rhyzopertha dominica Moderado Moderado Cryptolestes pusillus Susceptíve l UR elevada Sitophilus granarius Resistente UR elevada Sitophilus oryzae Moderado UR elevada Fonte: Navarro et al. (2002). (1) da oviposição. Tabela 3 Valores de temperaturas mínimas e ótimas para o desenvolvimento de algumas espécies de ácaros Temperaturas ( C) Espécies Mínimas Ótimas Tyrophagus putrescentiae Glycyphagus deestructor Cheyletus eruditos Carpoglyphus lactis Aleuroglyphus ovatus Rhizoglyphus echinopus Caloglyphus berlesei 16, Acarus siru Fonte: Navarro et al. (2002). 272 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

5 2.3. Inibir o Desenvolvimento da Microflora O teor de água do produto e a temperatura dos grãos e a temperatura e umidade relativa do ar intergranular influenciam o desenvolvimento da microflora. Sabe-se que grãos com teor de água de até 15% (b.u.) podem ser armazenados durante mais tempo, se a temperatura for baixa (8 a 10 o C) e a umidade relativa do ar intergranular, não ultrapassar 70%. Em regiões de clima tropical e subtropical é difícil estabelecer estas condições por meio de aeração com ar natural. Segundo Lazzari (1999), apesar de existir grande número de espécies de fungos produtoras de micotoxinas, são poucos os que apresentam importância econômica, por infectarem os grãos. Na Tabela 4 estão relacionadas algumas das principais espécies produtoras de toxinas. TABELA 4 - Principais fungos toxicogênicos que infectam grãos e seus derivados, com as toxinas produzidas Espécies de fungos Toxinas Grãos e produtos Aspergillus flavus Aflatoxinas B1, B2, G1 e G2 Aspergillus parasiticus Fusarium graminearum Fusarium moliniforme Fusarium roseum Fusarium tricinctum Penicillium viridicatum Fonte: Lazzari, (1999). Zearalenona e vomitoxina Fumonisinas Ocratoxina A Sementes de algodão, amendoim, arroz, aveia e cevada. Canola, milho, trigo e triticale. Sorgo, soja, farelos (soja,milho e trigo) e tortas (algodão e amendoim). Navarro et a. (2002) informam que para remover a umidade dos grãos com ar natural é necessário mais ar do que para fazer resfriamento. Afirmaram que no processo de aeração normal é utilizado entre 0,22 e 0,33 m 3 de ar. min -1.t -1 para aerar, temporariamente produtos úmidos, enquanto que com o resfriamento será necessário aproximadamente 0,11 m 3 de ar. min -1. t -1 para resfriar ao ponto de inibir a atividade de fungos e ácaros. A Tabela 5 contém as indicações de temperaturas e umidades relativas mínimas ótimas e máximas para o desenvolvimento de algumas espécies fúngicas. Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 273

6

7 TABELA 5. Valores de umidade relativa, umidade de equilíbrio e de temperatura mínima,ótima e máxima para que ocorra o desenvolvimento de fungos Espécies de fungo Umidade relativa mínima para germinação (%) a Umidade de equilíbrio Temperatura de desenvolvimento (% b.u.) b ( C) Mínima Ótima Máxima Alternaria 91 b Aspergillus candidus (1) A. flavus (1) A. fumigatus (1) A. glaucus (1) 72 13,5-14, A. restrictus (1) , Cephalosporium acremonium Epicoccum Fusarium moniliforme F. graminearum 94 20, Mucor Nigrospora oryzae Penicillium funiculosum P. oxalicum P. brevicompactum (1) P. ciclopium (1) P. viridicatum (1) Nota: (1) se desenvolvem em baixo a moderado teor de água, as demais espécies, em alto teor de água. a Umidades relativas em que 5% ou mais de esporos podem germinar. b Umidade de equilíbrio à, aproximadamente, 25,5 C que estabelecem as mínimas umidades relativas de germinação de fungos, propiciando aumento no teor de água dos grãos, permitindo a competitividade dos fungos (valores médios para milho e trigo). Fonte: Lacey et al, citados por NAVARRO et al. (2002). Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 275

8 2.4. Preservar a Qualidade dos Grãos A qualidade dos grãos armazenados pode ser definida em função de diferentes atributos, os quais devem atender a diferentes seguimentos de mercado, tais como, o sementeiro, o da indústria de concentrados para a alimentação humana e animal, e o da comercialização do produto in natura. Por isso, além da germinação, outros atributos são utilizados para avaliar a qualidade dos grãos armazenados, quais sejam o teor de água, o índices de impurezas, o envelhecimento acelerado, a condutividade elétrica, a infecção por microrganismos, a contaminação por toxinas, a acidez de óleos e a formação de peróxidos, índices de quebrados, trincados e danificados, infestação por insetos-praga, massa específica aparente. Grãos que possuem baixa viabilidade são mais vulneráveis à infecção por fungos e, portanto, susceptíveis ao processo de deterioração. As modificações químicas que ocorrem nos grãos, quando mantidos em baixa temperatura durante a armazenagem, são lentas e, às vezes, até insignificantes. A velocidade das reações químicas que ocorrem nos alimentos armazenados pode ser reduzida à metade quando a temperatura decresce em 10 o C. Grãos armazenados a granel formam um ecossistema característico, em estado quase latente, em que todas as atividades bióticas são imperceptíveis (Figura 1), desde que sejam estabelecidas condições favoráveis para o estabelecimento desse estado de latência. Esta condição de aparente inatividade deve ser mantida durante maior tempo possível, desde que o processo não resulte em perdas de qualidade do produto armazenado, o que é alcançado por meio da redução de temperatura, do teor de água e do índice de impurezas dos grãos, principalmente. Acréscimo na temperatura e, ou na umidade relativa do ar intergranular poderá propiciar desequilíbrios em quaisquer dos fatores do sistema biótico, resultado em perdas parciais ou totais da massa de grãos. A introdução de uma massa de ar com temperatura baixa é uma técnica benéfica à conservação dos grãos, em estado de repouso, por período de tempo mais prolongado. Figura 1 Composição do ecossistema da massa de grãos em um silo. 276 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

9 A Tabela 6 contém informações sobre o período máximo de armazenagem de milho, considerando-se a perda de matéria seca de até 0,5%, em diferentes condições de temperatura e teor de água. TABELA 6 Estimativa do tempo possível de armazenagem de milho, em dias, com diferentes teores de água Temperatura Teor de água (% b.u.) (ºC) b 19 b c c c c c b Notas: b aeração contínua, com fluxo de 30 a 60 m 3 h -1 t -1, durante o período em que o milho foi mantido com 18% b.u. e, ou à temperatura de 27 ºC. c mais que dois anos. Fonte: Steele et al.; Thompson; Friday, citados por Noyes & Navarro (2002) Uniformizar a Temperatura Outro importante objetivo da aeração, principalmente nas regiões onde existem grandes amplitudes térmicas durante o dia, esta técnica pode ser utilizada para prevenir ou evitar a migração de umidade. Neste caso, não se busca o resfriamento efetivo da massa de grãos, mas mantê-la sob temperatura uniforme. Pelo fato de serem maus condutores de calor, variações nas temperaturas da massa de grãos, inferiores a 4 C, são consideradas uniformes. Gradientes elevados de temperatura poderão intensificar as correntes de convecções naturais do ar intergranular, resultando no fenômeno de migração de umidade, por propiciar a difusão de água. Por ocasião de tempo frio aparece uma corrente convectiva com o ar descendo pela camada de grãos mais frios, ao longo e próximos das paredes do silo, que sobe através das camadas de grãos, mais quente, no centro do silo. À medida que o ar sobe pelo centro, irá sendo aquecido e terá sua capacidade de absorver umidade aumentada, retirando água dos grãos. Entretanto, quando o ar estiver próximo da superfície superior e fria ele resfriará, perdendo capacidade de absorver umidade e transferindo a umidade adquirida anteriormente para a camada superior de grãos. Isto criará uma região de grãos úmidos no topo central do silo com grande potencial para deterioração (Figura 2 a). Por ocasião da estação mais quente, ocorrerá um fluxo de ar oposto (Figura 2b) por causa das temperaturas ambientais mais altas. A condensação com um potencial para deteriorarão acontecerá na região central no fundo do silo. Um dos maiores problemas decorrentes da migração de umidade, quando são Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 277

10 criadas condições favoráveis para o desenvolvimento de fungos e de insetos, consiste na mistura das camadas contaminadas com as descontaminadas, quando ocorrer a descarga parcial ou total do produto armazenado. Dentre os danos causados, o mais preocupante é a contaminação por micotoxinas. A intensidade da migração de umidade poderá ser influenciada pela espessura da camada de grãos e pela variação da temperatura em diferentes pontos da massa. Em camadas muito espessas, observa-se aumento na velocidade das correntes naturais de convecção e, consequentemente, incrementa-se o transporte de umidade e, a combinação entre camadas de alta espessura com elevada diferença de temperatura, também, intensifica a quantidade de umidade transportada. (a) (b) Figura 2 Pontos de possíveis danos à superfície da massa de grãos, em função do processo de migração de umidade Prevenir o Aquecimento dos Grãos Esta vantagem aplica-se freqüentemente à armazenagem em silo pulmão, com grãos úmidos, recém colhidos. Deve-se lembrar que, nessas condições, o produto deve passar por uma operação de pré-limpeza. Neste caso, a aeração permite aumentar o fluxo de entrada de produto úmido na unidade armazenadora, reduzindo nos investimentos ou no super dimensionamento de secadores. Existem limites máximos para teores de água e temperaturas dos produtos úmidos, em relação ao tempo de espera para a secagem. A Tabela 6 contém esses referenciais para milho. O operador deve estar atento e consultar a tabela sobre o tempo permissível para a armazenagem de grão sob diferentes condições de umidade e temperatura. Nesse caso, o sistema de aeração deve ser projetado para fornecer grandes volumes de ar, a fim de manter a qualidade original do produto úmido até o início da operação de secagem. Para as regiões tropicais, subtropicais e temperadas, o fluxo de ar aplicado em produtos úmidos 278 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

11 pode ser entre 10 e 15 vezes superior ao utilizado para fazer a aeração de equabilização ou de resfriamento Promover a Secagem Dentro de Certos Limites Em geral, não se entende a aeração como processo de secagem, porém, em condições favoráveis, grãos úmidos (abaixo de 20% b.u.) são secados (secagem com ar natural) em silos com altas vazões de ar em operação contínua, desde que a temperatura do ar não atinja valores próximos de 0 o C. O fluxo de ar mínimo recomendado para secagem, dependendo das condições ambientais e, como dito anteriormente, o fluxo é 15 a 25 vezes maior que o fluxo para a aeração de resfriamento. Por questões didáticas, a utilização da secagem em silos deve ser diferenciada da aeração de resfriamento. Remover os odores: em função da atividade biológica dos grãos e dos organismos que constituem o ecossistema da massa, odores não-desejáveis podem ocorrer. A aeração pode ser utilizada para remover, além desses odores, os gases resultantes do combate às pragas e devolver aos grãos o cheiro característico. 3. SISTEMA DE AERAÇÃO Consiste de um conjunto de equipamentos necessários à perfeita realização da aeração. Basicamente, é composto por: Ventilador com motor devem fornecer a quantidade de ar necessária ao resfriamento do produto e ser capaz de vencer a resistência oferecida à passagem deste ar pela massa de grãos armazenada. Dutos - permitem a insuflação ou a sucção de ar através da massa de grãos. Silos - armazenam a massa de grãos. Dispositivos para monitoramento - indicam as condições do ambiente interno e externo da massa de grãos e, em alguns casos, podem acionar ou ligar o sistema de ventilação em função daquelas condições. Um sistema de aeração com ventilador fixo para cada unidade de armazenagem pode ser simples, versátil e eficiente sob o ponto de vista técnico. Entretanto, pode ser a opção mais cara, por exigir vários motores e vários ventiladores para produzir a mesma quantidade de ar. A utilização de um único ventilador e duto de distribuição para mais de uma unidade de armazenagem é uma alternativa satisfatória para o suprimento de ar. Neste caso, faz-se a aeração em vários silos sucessivamente. A adoção de um ou mais sistemas de ventilação deve ser baseada em um criterioso estudo técnico e econômico. A Figura 3 ilustra um sistema de aeração em um silo. Algumas definições importantes sobre os componentes e a operação de um sistema de aeração são dadas a seguir: Dutos para distribuição de ar - podem ser divididos em duto principal ou de suprimento e duto secundário ou de aeração (Figura 4). O primeiro tem a finalidade de conectar o ventilador a um ou mais dutos secundários e, estes, a de distribuir, o mais uniformemente possível, o ar através da massa de grãos. A diferença básica está no fato de que o duto principal não possui perfurações. Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 279

12 Figura 3 Componentes básicos de um sistema de aeração em silos. Os dutos podem ser circulares, semicirculares, retangulares, em forma de "U" ou de "V" invertidos. Silos com fundo falso, totalmente perfurado, são também utilizados. Nos dutos perfurados, a área de perfuração deve corresponder no mínimo a 15% da área total do duto, e cada furo deve ter dimensão e formas tais que não permitam a passagem de grãos. Figura 4 Tipos de dutos de aeração. Clique para ver: vídeo Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

13 As principais dimensões de um sistema de dutos são: Tamanho - a seção transversal e a profundidade influenciarão a velocidade do ar dentro do duto e a uniformidade de distribuição do ar na massa de grãos. Área superficial - influenciará a pressão de saída de ar do duto para a massa de grãos. Espaçamento entre dutos - tem influência sobre a uniformidade de distribuição do ar na massa de grãos. Velocidade do ar dentro dos dutos - a velocidade admissível para o ar dentro do duto é 470 a 600 m.min -1, quando o seu comprimento é de no máximo 7,5 m, ou 300 a 470 m.min -1, quando o comprimento varia de 7,5 a 18 m. A velocidade do ar ao deixar os furos dos dutos para a entrada na massa de grãos não pode exceder a 10 m.min -1, em silos horizontais (predominância do diâmetro ou da largura sobre a altura), e 15 m.min -1, em silos verticais. Ventilador: é a máquina utilizada para movimentar o ar através da massa de grãos. Essa movimentação é feita por meio de um rotor centrífugo ou axial, acionado por uma unidade motora (veja Capítulo 10). O ventilador deve ser dimensionado para: a) Fluxo de ar: deve-se fornecer uma determinada quantidade de ar, medida em unidade de volume por unidade de tempo e de massa ou de volume de grãos (m 3 de ar por minuto por m 3 de grãos ou m 3 de ar por minuto por tonelada de grãos). Adotam-se diferentes fluxos em função da variação na distribuição de ar, para diferentes tipos de armazéns. Para silos verticais, pode variar entre 0,05 e 0,1 m 3 min -1. t -1 de grãos, e para estruturas horizontais, entre 0,1 e 0,20 m 3 min -1. t -1 de grãos. Apesar da possibilidade de existirem variações devido a condições atmosféricas, tipos de grãos, potência do motor, finalidade e tempo de aeração, a Tabela 7 fornece indicação de alguns fluxos de ar para aeração. b) Pressão estática: o ventilador deve vencer a resistência à passagem do fluxo de ar, isto é, ter pressão superior à pressão estática do sistema, que é medida em força por unidade de área e equivale à resistência que os grãos e o sistema de distribuição oferecem à passagem do ar. A pressão estática é um valor importante para o dimensionamento da potência do motor e o cálculo do ventilador. Normalmente este valor é dado em milímetros de coluna de água (mmca) ou Pascal (Pa). A pressão estática varia diretamente com a altura da camada de grãos e com a velocidade com que o ar atravessa esta camada. A Figura 6 mostra essa relação. Unidade armazenadora: é a estrutura para guardar os grãos. Esta estrutura pode ser vertical ou horizontal e depende das características técnicas e da relação entre a altura e o diâmetro ou altura e largura da estrutura. Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 281

14 Figura 6 Variação entre a vazão do ar e a pressão estática, por metro de profundidade de coluna de grãos. TABELA 7- Recomendação de fluxos de ar para aeração Tipo de unidade/finalidade Fluxo de ar (m 3 min -1. t -1 de grãos) Região fria Região quente Horizontal / grão seco 0,05 a 0,10 0,10 a 0,20 Vertical / grão seco 0,02 a 0,05 0,03 a 0,10 Pulmão / grãos úmidos 0,30 a 0,60 0,30 a 0,60 Seca-aeração 0,50 a 1,00 0,50 a 1,00 Clique ao lado para ver: vídeo 1 4. OPERAÇÃO DO SISTEMA DE AERAÇÃO Antes de optar pelo uso de um sistema de aeração, deve-se avaliar as condições climáticas, para atender aos objetivos propostos, principalmente quando se trata dos aspectos de conservação dos grãos durante a armazenagem. Um diagrama que relaciona temperatura e umidade de um lote de grãos é usado para previsão das características de conservação da massa, durante o armazenamento. Pelo diagrama, pode-se prever a natureza dos riscos a que o produto ficará sujeito durante a operação de aeração (Figura 6). Neste diagrama, a melhor condição para armazenar os grãos é estabelecida pela delimitação da área no espaço inferior à linha A 282 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

15 e à esquerda da linha B. O diagrama apresentado na Figura 7 mostra outras variáveis que permitem uma análise técnica sobre o uso de aeração. Pelo diagrama, pode-se estabelecer as seguintes condições: a) Para umidade relativa superior a 90%, a aeração é recomendada somente no caso em que a diferença de temperatura entre os grãos e o ar for superior a 5 o C. b) Para umidade relativa inferior ou igual a 60%, a aeração só é recomendada e aplicável em grãos úmidos ou que estejam aquecidos a uma temperatura muito superior à do ar, necessitando, portanto, de resfriamento. Em outra situação, poderá haver supersecagem da massa. c) Resfriamento inferior a 3 o C torna a aeração desnecessária. d) Resfriamento entre 3 e 5 o C torna a aeração recomendável. e) Resfriamento com gradiente de temperatura superior a 7 o C torna a aeração possível, porém pode provocar condensação do vapor d'água na superfície da massa e nas paredes do silo Como Resfriar ou Aquecer uma Massa de Grãos O conceito de frente de resfriamento, assim como se entende o conceito de frente de secagem, é importante para se entender a técnica da aeração. O funcionamento do sistema de ventilação por umas poucas horas não irá resfriar toda a massa de grãos, a não ser que o silo esteja carregado com uma camada pequena do produto. Num silo cheio ou com carga de alguns metros de espessura, os grãos próximos da entrada de ar serão resfriados à temperatura do ar, enquanto a temperatura dos grãos nas camadas superiores permanecerá praticamente nas condições iniciais, exceto em uma faixa onde está acontecendo o abaixamento de temperatura ou a frente de resfriamento (Figura 8). Assim, é necessário continuar a operação de aeração até que a frente de resfriamento tenha se movido através da massa de grãos e até que a camada superior tenha sido resfriada e atingido valor igual à temperatura do ar. Se o operador interromper a aeração, com a frente de resfriamento no interior da massa de grãos, as diferenças de temperatura entre as camadas resfriadas, as camadas em processo de resfriamento e as camadas em condições iniciais podem ser suficientes para que ocorra migração de umidade, além de acelerar o processo de deterioração do produto. Como foi dito, um dos objetivos da aeração é manter a temperatura da massa de grãos o mais uniforme possível e próxima da condição ambiental. Além do visto anteriormente, deve-se fazer aeração para evitar migração de umidade e promover o resfriamento da massa de grãos. Nesses casos, deve-se operar o ventilador sempre que a temperatura externa for 7 o C inferior à temperatura dos grãos, levando-se em consideração a umidade relativa média do ar de resfriamento, que deve ser igual ou um pouco inferior à umidade relativa de equilíbrio do produto armazenado. Entretanto, a flutuação diária da umidade relativa permitirá, de modo geral, operar o sistema de aeração quando os valores de umidade relativa do ar estiverem 10% acima dos valores da umidade relativa de equilíbrio. Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 283

16 Figura 6 - Diagrama indicativo de aeração. Figura 7 Diagrama de conservação de grãos. 284 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

17 Figura 8 - Detalhe das camadas de grãos durante pequeno período de resfriamento 5. SUCÇÃO OU INSUFLAÇÃO DO AR A forma de passar o fluxo pela massa de grãos pode gerar algumas características muito importantes para o sistema de aeração. Quando o movimento de ar é ascendente e o ventilador encontra-se instalado na base do silo, o sistema é conhecido como insuflação ou ventilação positiva. Em sentido contrário, a ventilação é chamada de sucção ou negativa (Figura 9). Em ambos os casos, tem havido controvérsia quanto às vantagens da utilização de uma ou outra forma de ventilação. Para se decidir sobre o uso de uma das opções, o operador da unidade armazenadora deve considerar alguns pontos importantes. Um deles é que a insuflação irá adicionar calor ao ar devido à ineficiência dos ventiladores. Em geral, os ventiladores e o próprio sistema de distribuição produzem acréscimos superiores a 3 o C na temperatura do ar. Dessa forma, a escolha da insuflação poderá ser uma alternativa correta, se a umidade da massa de grãos estiver acima da ideal de comercialização. A adição de calor abaixará a umidade relativa do ar e poderá provocar secagem do produto, caso a umidade do grão esteja acima da umidade de equilíbrio com a nova umidade relativa do ar. Em se considerando o controle de pó, devido principalmente a problemas ambientais e de segurança, o uso da sucção ou ventilação negativa é a opção correta. Outro fator que pode ser considerado na adoção de ventilação positiva ou negativa é a posição do foco de aquecimento. Se o ventilador estiver instalado na base do silo e o foco quente estiver na parte superior da camada de grãos, a ventilação deve ser ascendente, e, caso o foco esteja nas camadas inferiores, o fluxo deve ser descendente. De modo geral, o operador deve considerar as seguintes vantagens: 5.1. Ventilação Positiva a) facilita a avaliação da temperatura da massa de grão, em caso da inexistência do sistema de termometria; b) o calor gerado pela radiação solar no teto da unidade armazenadora não é incorporado à massa de grãos e sim eliminado imediatamente; e Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 285

18 c) o ar ambiente pode ter sua umidade relativa reduzida pela elevação da temperatura, em sua passagem pelo sistema de aeração antes de entrar na massa de grãos, sem perigo de aumentar o teor de umidade do produto Ventilação Negativa a) existe menor probabilidade de que ocorra condensação na superfície da massa de grãos e no teto da unidade armazenadora; b) os odores característicos que indicam a deterioração podem ser facilmente detectados na saída do ventilador; c) o calor proveniente do ventilador e do sistema de distribuição de ar não é transferido para a massa de grãos e, neste caso, não afeta de maneira pronunciada a umidade do produto, quando a umidade relativa do ambiente estiver próxima à de equilíbrio com a umidade da massa de grãos; e d) no caso de usar ventiladores axiais acionados por motores trifásicos, basta usar uma chave de reversão para mudar o sentido do fluxo de ar. (a) (b) Figura 9 - Fluxo de ar sendo impulsionado para cima (a) e succionado através da massa de grãos (b) 6. ACONDICIONAMENTO DO PRODUTO Material fino, sementes de erva daninha e outros materiais estranhos irão afetar negativamente a aeração, especialmente, se estes materiais estiverem concentrados em um determinado local que, de modo geral, ficam localizados nas projeções centrais do silo. Considerando que para aeração é usado pequenos fluxos de ar, qualquer aumento na resistência ao fluxo terá grandes efeitos na trajetória do fluxo. Além disso, o segmento cônico da carga, causado pelo ângulo de repouso do produto, quando espalhadores não são utilizados, faz com que as trajetórias do ar próximo às paredes, fiquem maiores do que nas regiões centrais do silo. Como resultado, será necessário 286 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

19 mais tempo deslocar a frente de aeração pelas regiões onde houver a concentração de finos ou maior altura de grãos (Figura 10). Para evitar os problemas, um ou mais dos seguintes procedimentos podem ser considerados pelo operador: a) Fazer uma limpeza correta do silo e do produto antes de carregá-lo; b) Evitar, ao máximo, que o produto caia com alta velocidade, produzindo grandes quantidades de quebrados e finos; c) Na impossibilidade de boa limpeza, distribuir, uniformemente, o produto (inclusive os materiais estranhos e finos) ao longo da altura do silo. A distribuição uniforme da "resistência" causará uma densidade global mais alta no silo. Entretanto, uniformiza a distribuição do fluxo de ar; d) Após o carregamento, tentar remover um pouco do produto do centro do silo. Esse procedimento ajudaria a eliminar parte do material "resistente" acumulado no centro do silo. O material central removido será, conseqüentemente, substituído por um produto mais limpo; e e) Certificar-se de que a frente de aeração tenha percorrido toda a massa de grãos. Ou seja: ventilar por tempo mais prolongado. Figura 10 - Caminhos, intensidade de fluxo e formas da frente de aeração; (a) insuflação (b) sucção. 7. SISTEMA DE TERMOMETRIA Um fluxo contínuo de elétrons é estabelecido através de dois fios de metais diferentes (termopar) quando as suas junções são expostas a duas temperaturas diferentes, como é mostrado na Figura 11. Quando se aquece a junção 1 e se resfria a junção 2 (junção de referência), a corrente elétrica começa a fluir no sentido de 2 para 1, até a junção quente. Esta corrente gerada é chamada de corrente termelétrica e, devido à diferença de temperatura, a força eletromotriz existente entre as duas junções é chamada de termo-força eletromotriz. A f.e.m. gerada nos termopares é dada em mv e depende da temperatura da junção de trabalho, da resistência e do tipo do termopar empregado. Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas 287

20 Figura 11 Circuito termelétrico de diferentes metais Instalação do Sistema de Termometria Na escolha do termopar deve-se levar em consideração o custo, a finalidade ou faixa de temperatura a ser medida, a condição ambiental, o esforço físico a que será submetido e a precisão da medida. Na prática, o termopar cobre-constantan é o mais utilizado para monitorar temperaturas nos sistemas de aeração. A instalação do sistema é feita com fixação dos cabos em pontos estratégicos na massa de grãos. O espaçamento entre os cabos e entre os pontos é determinado por critérios técnicos e econômicos, estabelecendo-se uma distância máxima de 6,0 m entre cabos e 2,0 a 2,5 m entre os pontos de cada cabo (Figura 12). Além dos fios condutores, o sistema é composto por cabos de aço com capacidade para suportar esforços de tração provenientes do escoamento dos grãos durante a descarga (Figura 13). O sistema de leitura pode ser feito por instrumentos (potenciômetros) portáteis, próprios para pequenas instalações, ou mesas computadorizadas, próprias para grandes unidades armazenadoras, cujos pontos de medição são identificados em quadros sinópticos (Figura 14). Nestas mesas, as temperaturas dos pontos são determinadas por meio de cabos termelétricos que possuem uma série de fios de cobre em volta de um fio de constantan, suportado por um cabo de aço (Figura 13) Monitoramento do Produto Armazenado Para manejar corretamente o produto, o operador deve estar apto a determinar as temperaturas da massa de grãos em vários pontos do silo, obedecendo corretamente os manuais dos fabricantes dos equipamentos e as normas da unidade armazenadora. Especial atenção deve ser dada na obtenção das temperaturas das últimas partes a serem atingidas pela frente de aeração. Em silos pequenos, pode-se trabalhar, razoavelmente, com sondas simples, porém, em silos com grandes dimensões, um sistema de termometria eficiente é altamente recomendado. Caso seja necessária a entrada do operador no silo, para o monitoramento das condições do produto, devem ser usadas medidas de segurança adequadas como: a) nunca entrar no silo durante a descarga; b) se parte do produto já foi retirada da célula, fique atento. Uma camada de grãos compactada pode esconder uma cavidade que pode desmoronar facilmente, com sérios danos para a célula ou para o operador. 288 Secagem e Armazenagem de Produtos Agrícolas

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com)

Aeração de Grãos Armazenados 1. SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) Aeração de Grãos Armazenados 1 SILVA, Luís César (enviar e-mail: www.agais.com) 1. Introdução Em unidades armazenadoras de grãos, o ar é empregado em diversas atividades que envolvem troca de calor e,

Leia mais

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS LACERDA CONSULTORIA LTDA MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS ADILIO FLAUZINO DE LACERDA FILHO, DSc Consultor em pós-colheita de grãos secagem, aeração, esfriamento artificial de grãos

Leia mais

Aeração com qualidade

Aeração com qualidade Armazenagem aeração Tetuo Hara Para se obter uma boa aeração é necessário analisar cautelosamente alguns elementos como umidade dos grãos, teor de impurezas, compactação da massa e condições climáticas

Leia mais

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente

Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente Qualidade de Grãos de Soja, com Diferentes Teores de Água, Aerados com Ar Natural e Ar Esfriado Artificialmente 05 Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 ; Roberta Jimenez de Alameida Rigueira 2 ; Kaio Kauê

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS

ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS ARMAZENAGEM EM NÍVEL DE FAZENDAS Adilio Flauzino de Lacerda Filho 1 Foi instalado em 30/01/2003, o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CONSEA, o qual tem caráter consultivo e assessora

Leia mais

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1.

ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO ABSTRACT 1. ANÁLISE TRIDIMENSIONAL DA VELOCIDADE E PRESSÃO ESTATÍSCA DO AR EM SILO DE AERAÇÃO USANDO ELEMENTOS FINITOS RESUMO EDUARDO VICENTE DO PRADO 1 DANIEL MARÇAL DE QUEIROZ O método de análise por elementos finitos

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS. Convênio: Universidade Federal de Viçosa/Cool Seed Ind. e Com. Ltda. Apôio: Caramuru Armazéns Gerais

RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES TÉCNICAS. Convênio: Universidade Federal de Viçosa/Cool Seed Ind. e Com. Ltda. Apôio: Caramuru Armazéns Gerais UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA Tel. (031)3899-2729 Fax (031)3899-2735 e-mail: dea@ufv.br 36570-000 VIÇOSA-MG BRASIL RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem

Secagem de Grãos 1. 1. Fundamentos do Processo de Secagem 1 Secagem de Grãos 1 Prof. Luís César da Silva email: silvalc@cca.ufes.br O processo de secagem é aplicado para reduzir o teor de umidade de produtos agrícolas. Desse modo, é reduzida disponibilidade de

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 3 2 DESCRIÇÃO DO LOCAL 5 RESUMO O presente estágio curricular obrigatório foi desenvolvido na unidade de recebimento e secagem de cereais da Campagro Insumos Agrícolas, unidade Boa Vista em Campo Mourão PR. O estágio teve a duração

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

www.agais.com Grãos: Métodos de Conservação 1

www.agais.com Grãos: Métodos de Conservação 1 1 Grãos: Métodos de Conservação 1 Prof. Luís César da Silva (enviar e-mail: www.agais.com) A massa de grãos armazenada constitui em um ecossistema em que estão presentes elementos abióticos e bióticos.

Leia mais

COMPRESSORES PARAFUSO

COMPRESSORES PARAFUSO COMPRESSORES PARAFUSO PARTE 1 Tradução e adaptação da Engenharia de Aplicação da Divisão de Contratos YORK REFRIGERAÇÃO. Introdução Os compressores parafuso são hoje largamente usados em refrigeração industrial

Leia mais

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min

1) d = V t. d = 60. (km) = 4km 60 2) Movimento relativo: s V rel 80 60 = t = (h) = h = 12min OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Manutenção da qualidade do arroz armazenado: um caso de sucesso no manejo de pragas RESUMO

Manutenção da qualidade do arroz armazenado: um caso de sucesso no manejo de pragas RESUMO Manutenção da qualidade do arroz armazenado: um caso de sucesso no manejo de pragas 78 Flavio Antonio Lazzari 1, Sonia Maria N. Lazzari 1, Fernanda N. Lazzari 1 RESUMO As restrições legislativas e a demanda

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1

ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1 30 ESFRIAMENTO DINÂMICO DE SEMENTES DE SOJA 1 ZUCHI, J. 2 LACERDA FILHO, A.F. 3 RESUMO - A produção de sementes de soja, com qualidade, é um desafio constante, principalmente das empresas situadas na região

Leia mais

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel

Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Aplicação de caixa de vapor em máquinas de papel Introdução Centenas de caixas de vapor foram instaladas no mundo inteiro em todo tipo de máquina de papel e celulose desde a década de 1940. As primeiras

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE EXAUSTÃO NATURAL CYCLOAR EM SILOS METÁLICOS ARMAZENADOS COM MILHO Osvaldo Resende 1, Kelly Aparecida de Sousa 2, Renan Ullmann 3, Tarcísio Honório Chaves 4 RESUMO: Objetivou-se

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 5 Controle de fumaça mecânico em edificações horizontais... 367 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO

Leia mais

VII - ARMAZENAMENTO. Os seguintes aspectos devem ser observados na construção de paióis:

VII - ARMAZENAMENTO. Os seguintes aspectos devem ser observados na construção de paióis: VII - ARMAZENAMENTO Renato de Alencar Fontes 1. INTRODUÇÃO o armazenamento de milho nas propriedades, à espera de melhores preços ou para o consumo gradual na entressafra é, de modo geral, realizado em

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO M A N U A L B A T E R I A C H U M B O - Á C I D A S E L A D A MANUAL DE INSTALAÇÃO, OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO BATERIAS CHUMBO-ÁCIDAS SELADAS COM RECOMBINAÇÃO DE GÁS POWERSAFE VF ÍNDICE 1.0 INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA

Leia mais

b. Temperatura Regra Prática

b. Temperatura Regra Prática Armazenamento Etapa final do processo Cuidados ARMAZENAMENTO DE SEMENTES OBJETIVOS Manter a qualidade fisiológica - deterioração Evitar aberrações cromossômicas - mutações Regularizar o mercado Época de

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

AIRE 2 SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO

AIRE 2 SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO AIRE 2 SOFTWARE PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE AERAÇÃO CLAYTON VIEIRA FRAGA FILHO 1 DANIELA DE CARVALHO LOPES 2 VALDONI RODRIGUES ROCHA 3 PAULO MÁRCIO DE FREITAS 4 EVANDRO DE CASTRO MELO 5 RESUMO

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso

Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Universidade Federal de Santa Catarina www.producaoonline.inf.br ISSN 1676-1901 / Vol. 1/ Num. 1/ Outubro de 2001 Otimização do Sistema de Armazenagem de Grãos: Um estudo de caso Silvana Aparecida Bragatto

Leia mais

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria

Arranjo Instalações Físico da Indústria. Caracterização dos Sistemas na Indústria Caracterização dos Sistemas na Indústria - Trata-se do conjunto de das instalações de processo e das instalações auxiliares, que são agrupadas de acordo com sua nalidade, em diversos sistemas integrados;

Leia mais

SOLUÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA AERAÇÃO DE SILOS COM ARMAZENAGEM DE GRÃOS DE MILHO

SOLUÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA AERAÇÃO DE SILOS COM ARMAZENAGEM DE GRÃOS DE MILHO 1 SOLUÇÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA AERAÇÃO DE SILOS COM ARMAZENAGEM DE GRÃOS DE MILHO Dr. Luciano Peske Ceron luciano.ceron@pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C

Questão 57. Questão 59. Questão 58. alternativa D. alternativa C OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representada por g. Quando necessário adote: para g, o valor de 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais

Código de Boas Práticas. para a Prevenção e Redução. de Micotoxinas em Cereais Código de Boas Práticas para a Prevenção e Redução de Micotoxinas em Cereais Índice: Introdução... 3 I. Práticas recomendadas com base nas Boas Práticas Agrícolas (BPA) e nas Boas Práticas de Fabrico (BPF)...

Leia mais

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE

13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE 167 13 TUBULAÇÕES DE REFRIGERANTE As tubulações de refrigerante representam uma parte essencial no sistema de refrigeração, pois requer as mesmas considerações gerais de projeto que qualquer sistema de

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção).

10 CICLONES. b) Não tem peças móveis (baixo custo de manutenção). 10 CICLONES ENTRE OS EQUIPAMENTOS DE SEPARAÇÃO DE PARTÍCULAS SÓLIDAS OU DE GOTÍCULAS LÍQUIDAS, DO TIPO CENTRÍFUGO, O MAIS AMPLAMENTE USADO É O CICLONE. 10.1 VANTAGENS DO CICLONE a) Baixo custo. b) Não

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

Armazenagem de milho a granel na fazenda

Armazenagem de milho a granel na fazenda ISSN 1518-4269 Armazenagem de milho a granel na fazenda 55 No Brasil, a prática de armazenagem de milho a granel nas fazendas não é muito utilizada. Mas, com a evolução tecnológica da cultura do milho,

Leia mais

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval DeLaval Brasil Rodovia Campinas Mogi-Mirim - KM 133,10 - S/N Bairro Roseira - Jaguariúna/SP - CEP: 13820-000 Telefone: (19) 3514-8201 comunicacao@delaval.com www.delaval.com.br Sua revenda DeLaval Proteja

Leia mais

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de?

grandeza do número de elétrons de condução que atravessam uma seção transversal do fio em segundos na forma, qual o valor de? Física 01. Um fio metálico e cilíndrico é percorrido por uma corrente elétrica constante de. Considere o módulo da carga do elétron igual a. Expressando a ordem de grandeza do número de elétrons de condução

Leia mais

DANIELA DE CARVALHO LOPES SIMULAÇÃO E CONTROLE EM TEMPO REAL PARA SISTEMAS DE AERAÇÃO DE GRÃOS

DANIELA DE CARVALHO LOPES SIMULAÇÃO E CONTROLE EM TEMPO REAL PARA SISTEMAS DE AERAÇÃO DE GRÃOS DANIELA DE CARVALHO LOPES SIMULAÇÃO E CONTROLE EM TEMPO REAL PARA SISTEMAS DE AERAÇÃO DE GRÃOS Tese apresentada à Universidade Federal de Viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós- Graduação

Leia mais

Qualidade de grãos de milho

Qualidade de grãos de milho 55ª Reunião Técnica Anual do Milho 38ª Reunião Técnica Anual do Sorgo 19 a 21 de Julho de 2010 (Vacaria, RS) Qualidade de grãos de milho Composição do grão de milho Proteína 9% Óleo 4% Açucares 1,7% Minerais

Leia mais

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo

Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Milho: o grão que vale ouro nas dietas de aves...... mas que ainda não recebeu a devida importância do setor produtivo Gustavo J. M. M. de Lima 1 1 Eng.Agr o., Ph.D., Embrapa Suínos e Aves, gustavo@cnpsa.embrapa.br.

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANO ERNO DIEFENTHÄLER

UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANO ERNO DIEFENTHÄLER UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CRISTIANO ERNO DIEFENTHÄLER FLUXO DE AR NA COLHEITADEIRA MF5650 PARA DIMINUIÇÃO DA UMIDADE DURANTE A COLHEITA DE CEREAIS (SOJA) Panambi

Leia mais

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé

Conceitos gerais. A movimentação do ar e dos gases de combustão é garantida por: Ventiladores centrífugos Efeito de sucção da chaminé TIRAGEM Definição Tiragem é o processo que garante a introdução do ar na fornalha e a circulação dos gases de combustão através de todo gerador de vapor, até a saída para a atmosfera 00:43 2 Conceitos

Leia mais

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências

Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências Transmissão de Calor e Meio Ambiente: Torres de Resfriamento e suas Decorrências João Paulo Moretti Leandro Corazzini Rafael Pagan Stefan Camargo Wilson Domingues Resumo Este trabalho procura apresentar

Leia mais

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA

PROJETOS EM INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INSTRUMENTAÇÃO - TEMPERATURA MÉTODO DE MEDIÇÃO Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro à dilatação de líquidos de sólido Termômetro à pressão

Leia mais

Operação de Secadores Cascata 1

Operação de Secadores Cascata 1 1 Operação de Secadores Cascata 1 Prof. Luís César da Silva Email: silvalc@cca.ufes.br - Website: www.agais.com O setor de secagem em uma unidade armazenadora deve receber especial atenção quanto ao gerenciamento

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 04

FÍSICA. Questões de 01 a 04 GRUPO 1 TIPO A FÍS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 04 01. Considere uma partícula presa a uma mola ideal de constante elástica k = 420 N / m e mergulhada em um reservatório térmico, isolado termicamente, com

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

O Programa Computacional GRAPSI

O Programa Computacional GRAPSI 1 Os Fundamentos do GRAPSI O Programa Computacional GRAPSI Prof. Evandro de Castro Melo, DS A determinação das propriedades psicrométricas do ar é uma tarefa freqüente para muitos profissionais da área

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO

ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO ECONOMIA DE ENERGIA ELETRICA COM USO RACIONAL DE AR COMPRIMIDO CONSUMO DE ENERGIA E AR COMPRIMIDO NA INDÚSTRIA Consumo de Energia 20% 50% 30% Fornec.de ar Refrigeração Outros Consumo de Ar Comprimido 10%

Leia mais

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem:

Resolução O período de oscilação do sistema proposto é dado por: m T = 2π k Sendo m = 250 g = 0,25 kg e k = 100 N/m, vem: 46 c FÍSICA Um corpo de 250 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezível e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura abaixo. O atrito entre as

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva

Fornalhas em secadores cascata 1. Por: Luís César da Silva 1 Fornalhas em secadores cascata 1 Por: Luís César da Silva Para a realização do processo de secagem artificial quase sempre é necessário aumentar o potencial de secagem do ar. Nesse caso, faz-se necessário

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

Tabelas de Dimensionamento

Tabelas de Dimensionamento Com o objetivo de oferecer um instrumento prático para auxiliar no trabalho de projetistas, instaladores e demais envolvidos com a seleção e dimensionamento dos em uma instalação elétrica de baixa tensão,

Leia mais

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um

Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um Algumas noções sobre a umidade relativa do ar Oar contém uma quantidade variável de vapor de água, que determina o grau de umidade de um ambiente. A capacidade do ar de reter vapor de água é tanto maior

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO

TORRES DE RESFRIAMENTO TORRES DE RESFRIAMENTO Torres de Resfriamento Introdução Em muitos sistemas de refrigeração, ar condicionado e processos industriais, gera-se calor que deve ser extraído e dissipado. Geralmente utiliza-se

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE GRÃOS

MANUAL DE CONSERVAÇÃO DE GRÃOS ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 FATORES QUE AFETAM OS GRÃOS NA ARMAZENAGEM... 3 DIAGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE CEREAIS... 3 DIAGRAMA DE CONSERVAÇÃO DE MILHO... 4 UMIDADE RELATIVA E TEMPERATURA AMBIENTE... 5 TEOR DE

Leia mais

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO

PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PERDA DE CARGA EM SISTEMAS DE VENTILAÇÃO Tal como nos sistemas de bombeamento de água, nos dutos de ventilação industrial carateriza-se o escoamento em função do número de Reynols. A queda de pressão em

Leia mais

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617)

COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES COMPRESSORES CENTRÍFUGOS (NORMA API 617) COMPRESSORES, SOPRADORES E VENTILADORES FAIXAS MAIS USADAS ÁRA SELEÇÃO DOS COMPRESSORES. CENTRÍFUGOS: ENTRE 2.000 E 200.000 FT 3 /MIN (CFM) PRESSÃO ATÉ 5.000 PSIG ALTERNATIVOS: ATÉ 16.000 CFM PRESSÃO ATÉ

Leia mais

Armazenagem temporária Investimento em eficiência

Armazenagem temporária Investimento em eficiência Armazenagem temporária Investimento em eficiência Por que utilizar a armazenagem temporária? Características e Benefícios A melhor relação Custo-Benefício O de armazenagem temporária de grãos Temp Stor

Leia mais

DRYPOINT M A SECAGEM ECONÔMICA, FÁCIL E CONFIÁVEL DO AR COMPRIMIDO

DRYPOINT M A SECAGEM ECONÔMICA, FÁCIL E CONFIÁVEL DO AR COMPRIMIDO Novo desenho! Novas características técnicas! Instalação em paralelo e controle eficiente do ar de purga DRYPOINT M A SECAGEM ECONÔMICA, FÁCIL E CONFIÁVEL DO AR COMPRIMIDO DESUMIDIFICAÇÃO NA MEDIDA EXATA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7

tecfix EP quartzolit Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi Boletim Técnico tecfix EP quartzolit Pág. 1 de 7 Pág. 1 de 7 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi 1. Descrição: Produto bicomponente, pré-dosado, à base de epóxi, isento de estireno e não retrátil, disposto em bisnaga com câmaras independentes,

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários

Por que os alimentos estragam? Introdução. Materiais Necessários Intro 01 Introdução Quando deixamos um alimento aberto ou fora da geladeira por alguns dias, ele estraga. Aparece mofo, bolor e, dependendo da quantidade de tempo, pode aparecer até larvas. O tipo de alimento

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente.

Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Módulo VII - 1ª Lei da Termodinâmica Aplicada a Volume de Controle: Princípio de Conservação da Massa. Regime Permanente. Conservação da Massa A massa, assim como a energia, é uma propriedade que se conserva,

Leia mais

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA

ARMAZENAMENTO NA FAZENDA Adriano Mallet adrianomallet@agrocult.com.br ARMAZENAMENTO NA FAZENDA O Brasil reconhece que a armazenagem na cadeia do Agronegócio é um dos principais itens da logística de escoamento da safra e fator

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2003 2º DIA FÍSICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Física Questão 01 Durante uma brincadeira, Rafael utiliza o dispositivo mostrado nesta figura para lançar uma bolinha horizontalmente. Nesse

Leia mais

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010

Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) 11/05/2010 Décima segunda aula de mecânica dos fluidos para engenharia química (ME5330) /05/00 SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO PROPOSTO CONSIDERANDO A CCI OBTIDA PARA O f CONSTANTE, ESCREVA SUA EQUAÇÃO QUE IRÁ OPERAR COM A

Leia mais

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças

UNIGRANRIO www.exerciciosdevestibulares.com.br. 2) (UNIGRANRIO) O sistema abaixo encontra-se em equilíbrio sobre ação de três forças 1) (UNIGRANRIO) Um veículo de massa 1200kg se desloca sobre uma superfície plana e horizontal. Em um determinado instante passa a ser acelerado uniformemente, sofrendo uma variação de velocidade representada

Leia mais

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo.

Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Medição de Vazão 1 Introdução Vazão ou fluxo: quantidade de fluido (liquido, gás ou vapor) que passa pela secao reta de um duto por unidade de tempo. Transporte de fluidos: gasodutos e oleodutos. Serviços

Leia mais

Springer - Carrier. Índice

Springer - Carrier. Índice Índice Página 1 - Diagnóstico de Defeitos em um Sistema de Refrigeração... 8 1.1 - Falha: Compressor faz ruído, tenta partir, porém não parte... 8 1.2 - Falha: Compressor funciona, porém não comprime...

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO.

RESPOSTA TÉCNICA 1 BOVINOS DE CORTE EM CONFINAMENTO MANEJO DE DEJETOS EM ESTERQUEIRA DIMENSIONAMENTO. Núcleo de Pesquisa em Ambiência e Engenharia de Sistemas Agroindustriais AMBIAGRO Departamento de Engenharia Agrícola Universidade Federal de Viçosa ambiagro@ufv.br 031 3899 2729 031 3899 1865 RESPOSTA

Leia mais

Armazenamento de energia

Armazenamento de energia Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica 3 º. trimestre, 2015 A energia solar é uma fonte de energia dependente do tempo. As necessidades de energia

Leia mais

PREPARO, SECAGEM E ARMAZENAGEM

PREPARO, SECAGEM E ARMAZENAGEM PREPARO, SECAGEM E ARMAZENAGEM Juarez de Sousa e Silva, Cristiane Pires Sampaio Marise Cotta Machado Paola Alfonsa Lo Monaco 1 - INTRODUÇÃO O café é um dos poucos produtos cujo valor cresce muito com a

Leia mais

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho

Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO ESPECIALIZAÇÃO em ENGENHARIA de SEGURANÇA do TRABALHO Ventilação Aplicada à Engenharia de Segurança do Trabalho (3ª Aula) Prof. Alex Maurício Araújo Recife - 2009 VGD

Leia mais

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos

Lista 04. F.02 Espelhos Planos e Esféricos F.02 Espelhos Planos e Esféricos 2º Série do Ensino Médio Turma: Turno: Vespertino Lista 03 Lista 04 Questão 01) Obedecendo às condições de Gauss, um espelho esférico fornece, de um objeto retilíneo de

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO LOW COST AIR FLOW MEASURER

MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO LOW COST AIR FLOW MEASURER MEDIDOR DE FLUXO DE AR DE BAIXO CUSTO RESUMO - O conhecimento do fluxo de ar é importante nos sistemas de aeração e secagem de grãos. Os equipamentos disponíveis no mercado são de preço elevado, tornando

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido.

A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 16 3 PSICROMETRIA A psicrometria é a parte da termodinâmica que tem por objetivo o estudo das propriedade do ar úmido. 3.1 CARTA PSICROMÉTRICA É um ábaco que permite representar graficamente as evoluções

Leia mais

Decantação primária e precipitação

Decantação primária e precipitação Decantação primária e precipitação Prof. Dr. Peterson B. Moraes Departamento de Tecnologia em Saneamento Ambiental Centro Superior de Educação Tecnológica UNICAMP - Limeira 1 Decantadores primários (sedimentação)

Leia mais

Modelos Empíricos para Simulação da Queda de Pressão Estática em uma Coluna de Grãos de Crambe

Modelos Empíricos para Simulação da Queda de Pressão Estática em uma Coluna de Grãos de Crambe Modelos Empíricos para Simulação da Queda de Pressão Estática em uma Coluna de Grãos de Crambe 34 Magnun Antonio Penariol da Silva 1, Felipe Carlos Spneski Sperotto 1, Fernando João Bispo Brandão 1, Marco

Leia mais