PALESTRA TÉCNICA SISTEMAS DE EXAUSTÃO DE COZINHAS PROFISSIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PALESTRA TÉCNICA SISTEMAS DE EXAUSTÃO DE COZINHAS PROFISSIONAIS"

Transcrição

1 PALESTRA TÉCNICA SISTEMAS DE EXAUSTÃO DE COZINHAS PROFISSIONAIS PROMOÇÃO: IBF-INSTITUTO BRASILEIRO DO FRIO. Av.Rio Branco,1492-Campos Elíseos/SP (011) ,r.44-FATIMA BARDINI EMPRESA: CAPMETAL IND. COM.LTDA. R.Idalina Senra,45-São Cristovão/RJ (021) / (011) ATLANTICA SEPARADORES. PALESTRANTE: Eng.DOMENICO CAPULLI SP-DEZEMBRO DE 1996.

2 INTRODUÇÃO: A mobilização mundial quanto a questão da qualidade ambiental, reflete a tomada de consciência da sociedade no sentido de partir para ações de equilíbrio e preservação da qualidade de vida no planeta. A pressão exercida pelas organizações ambientalistas com ações diretas junto aos sistemas produtivos, visando alcançar níveis de atividade econômica sustentável sob a ótica econômica e ambiental. A iniciativa do INSTITUTO BRASILEIRO DO FRIO,complementa o elenco de ações de conscientização e profissionalização dos Sistemas de Exaustão de Cozinhas Profissionais, nos aspectos de ventilação, controle de emissões gasosas poluentes e Segurança anti-incêndio. Nesta oportunidade a Capmetal-Tecnologia em Controle Ambiental, expõe sua experiência no segmento, visando difundir, conscientizar e universalizar questões importantes afetas aos sistemas de exaustão de cozinhas. O preparo de alimentos é realizado através do uso de equipamentos de cocção, que em sua grande maioria exerce ação térmica sobre os alimentos, provocando a emissão de calor, gordura vaporizada, fumaça vapores, gases e odores, que devem ser captados, transportados, tratados assegurando a descarga do ar de processo em equilíbrio com o ambiente natural. O projeto de engenharia de sistemas de exaustão de cozinhas profissionais deve considerar as premissas de que o ar atmosférico apresenta-se contaminado com agentes poluentes, em desequilíbrio térmico e com produtos condensáveis e combustíveis; trata-se portanto de um projeto que envolve cálculos convencionais ajustados de Vazão de ar e perda de pressão conjugados com tecnologia de controle antipoluente atmosférico e Segurança anti-incêndio. ELEMENTOS CONSTITUITIVOS DE SISTEMAS DE EXAUSTÃO. A seguir expomos de forma seqüencial os elementos que constituem os sistemas de exaustão de cozinhas, em nível informativo e objetivo, demonstrando tipologia de coifas e captores, cálculo expedito de Vazão de ar requeridas pelas instalações, formas construtivas de rede de dutos, dimensionamento, especificação de acessórios, tecnologia e equipamentos de controle antipoluente, exaustores e dispositivos de Segurança anti-incêndio. A)VENTILAÇÃO LOCAL EXAUSTORA: Temos o conceito primordial de que as emissões gasosas poluentes devem ser captadas o mais próximo possível da fonte de geração, minimizando-se as possibilidades de dispersão pelo ambiente interno das cozinhas, fato que provocaria desconforto térmico para os operadores dos equipamentos de cocção, bem como comprometimento dos aspectos de higiene e qualidade dos alimentos preparados. A1)COIFAS DE CAPTAÇÃO: Devem dispor de especificidade para o uso em cozinhas, dentre as quais citamos construção metálica em aço inoxidável AISI 304(#18;#20) ou aço carbono galvanizado(#16;#18) a depender das dimensões, dispor de calha coletora de gordura,com dreno, nas bordas inferiores e na calha de apoio dos filtros primários. Nas cozinhas são adotados basicamente os tipos a seguir de captores: A1.1)COIFA ILHA OU DE CENTRO- Trata-se de construção tronco piramidal com plênum interno para abrigar filtros primários de retenção de frações pesadas de gordura que simultaneamente asseguram a equalização da aspiração dos gases em todo comprimento do captor; são indicados filtros tipo inerciais (placas defletoras superpostas)e contra indicados os tipo colmeia e tela (mesh) pois são de princípio acumulativo provocando perda de performance gradual, além do efeito bucha em caso de

3 princípios de incêndios. Este tipo de captor permite acesso e operação dos blocos de cocção por todo seu perímetro agilizando a produção de alimentos, implicando entretanto em elevadas vazões de ar exaurido, pois o ar é aspirado por quatro faces. A literatura indica velocidade de face da ordem de 0,635 m/s; como forma de cálculo da Vazão de ar à exaurir, recomenda-se o maior valor obtido dentre as duas equações a seguir; observando-se a recomendação de renovações do volume da cozinha, para efeitos de conforto e salubridade: Q1= x A1 Q2= 915 x A2 A1= C x L A2= 2 x(c+l)xh onde Q1,Q2-vazão de ar em m3/h;a1,a2-área em m2;c,l,h-comprimento,largura e distância da borda inferior do captor ao bloco de cocção respectivamente em metros. L FILTROS PRIMÁRIOS DE RETENÇÃO 1,80 PISO BLOCO DE Nas instalações com estação de grelhados, recomenda-se incrementar em 10% os valores obtidos face a maior velocidade de desprendimento de gases no choque térmico. O captor deve dispor de medidas no mínimo 15 cm superiores as do bloco de cocção, em seus lados livres.

4 A1.2)Coifa de Parede: Diferencia-se da anterior por dispor de um ou dois lados encostados em paredes, sendo um obrigatoriamente longitudinal. A literatura indica velocidades de face de 0,41 m/s, sendo válidas as mesmas recomendações do tipo anterior, para cálculo expedito da Vazão de ar requerida temos as equações a seguir: Q1 = x A1 A1 = CxL Q2 = 915 x A2 A2 = (C + 2xL) x H-para um lado encostado em parede A2 = (C + L) x H-para dois lados encostados em parede cocção Captor com dimensões no mínimo(a)15 cm acima do bloco piso a bloco de cocção a Neste modelo de captor o acesso é basicamente frontal, fato que diminui a Vazão de ar requerida e a capacidade de produção simultânea de alimentos. A1.3)Captor tipo low side ou de laterais semi-enclausuradas: Versão adotada em lojas de fast food, opera próximo a fonte de emissão de gases da cocção, requer menor Vazão de ar exaurido minimizando as perdas de ar condicionado em cozinhas contíguas e abertas a área do público. A literatura indica como velocidade de face 0,31 m/s; como cálculo expedito de Vazão temos a equação: Q =1.150 x C ; Hmáximo =0,90 m H cocção A1.4)Coifas Lavadoras WASH PULL : São captores patenteados que incorporam a função de lavar os gases no ponto de captação, através de circuito hidráulico interno com aspersores de liquido detergente, dispensam os filtros e a captação é realizada por fresta de aspiração. Dispõe de tanque de líquido recirculante interno ou externo e apresentam as vantagens de manter a linha de dutos limpa de gorduras com drástica queda da Manutenção requerida, dispensam limpeza de filtros e não ocupam o espaço adicional requerido pelos depuradores. Entretanto não são indicadas como único elemento de tratamento dos gases em instalações que não disponham de braseiros á carvão e/ou charbroiler, face a reduzida eficiência no controle de fumaças e odores; nestes casos são excelentes depuradores primários pela remoção de óleos, gorduras, particulas de carvão e principalmente pela imediata extinção de fagulhas de braseiros. Quanto aos

5 aspectos construtivos,metodologia de cálculo de Vazão prevalecem os indicados para os modelos anteriores á depender de sua forma de instalação. Linhas de aspersão e drenagem de liquido cocção dren piso Na concepção do projeto e cálculo deve-se atentar para as formas e fontes de admissão de ar externo através de aberturas(janelas, passa-prato, portas, etc),caso em que a velocidade máxima recomendada é de 4m/s na(s) áreas de admissão. Na impossibilidade de admissão de ar externo por aberturas deve-se prover por meios mecânicos o insuflamento do ar de compensação em valores de 90% -95% da Vazão de exaustão, mantendo-se a cozinha em pressão negativa, impedindo a migração de odores para outros ambientes, ou seja será aspirada de 10%-05% da Vazão de exaustão de áreas contíguas, inclusive as beneficiadas com sistemas de ar condicionado. Recomenda-se a instalação de filtros grau G3,ou lavadores de ar na tomada de ar externo visando a retenção de poluentes contidos no ar urbano. A2)REDE DE DUTOS: São os elementos de conexão entre os captores e os demais elementos constitutivos do sistema de exaustão e destes ao ambiente externo de descarga do ar, utilizado na exaustão dos agentes poluentes e calor dissipado no processo de preparo de alimentos. A2.1)Dimensionamento: A partir da Vazão estabelecida para cada coifa, deve-se dimensionar as seções de maneira a assegurar velocidades entre m/s, que minimizam a condensação de névoas de óleo e gordura. Para o cálculo adota-se a equação a seguir: A =(Q x 3.600) V ;onde A-área em m2,q-vazão em m3/h,v-velocidade em m/s A partir da área necessária para assegurar a Vazão e velocidades estabelecidas, calcula-se cada subramal e os ramais de conexão ao tramo principal, de forma a garantirmos fluxo isocinético em todo o percurso da rede de dutos. Cabe registrar que a rede de dutos que atenda á braseiros a carvão deve ser independente de quaisquer outra rede de dutos, no mínimo até equipamento depurador, que assegure a remoção de fagulhas e poeira de carvão. A2.3)Aspectos Construtivos: Indicamos adoção de dutos metálicos em aço carbono SAE1020 galvanizado (#16minimo)ou aço inoxidável AISI 304(#18minimo),totalmente soldado, flangeado, com juntas incombustíveis(fibra cerâmica, amianto envelopado em silicone)e estanques á líquidos e com parafusos para permitir desmontagem para limpeza, principalmente nos trechos anteriores ao equipamento depurador.recomenda-se o uso curvas de raio longo e transições em Y para minimizar perdas de pressão, sendo vedado o uso de veios internos ou outras obstruções que favoreçam a formação de depósitos e incrustações. Nos trechos com layout que provoquem acúmulo de óleo e condensados recomenda-se a instalação de drenos, para periódica remoção.

6 A2.4)Dispositivos Acessórios: Trata-se de registros de controle de Vazão e damper corta-fogo que quando adotados, devem ser instalados junto as coifas e com condições de fácil acesso para limpeza, pois favorecem a formação de incrustações de condensados. Outro item é o terminal de descarga do ar de exaustão, sendo empregados os tipo chapéu chinês, boca de lobo e copo For, este último sendo o mais recomendável. Em instalações de grande porte pode-se adotar portas de inspeção e limpeza nos dutos, que devem ser flangeadas e construídas no mínimo com o mesmo material do duto. CHAPÉU CHINÊS BOCA DE LOBO COPO FORD A3)EXAUSTORES: São os equipamentos responsáveis pelo transporte do ar desde o captor até a descarga ao ambiente externo, bem como pela captação do ar natural e insuflamento na cozinha em instalações com ar de compensação por insuflamento mecânico. Apenas dois tipos são adequados para aplicação em sistemas de exaustão de cozinhas profissionais, que são os exaustores centrífugos simples aspiração tipo limit load ou de paletas para trás e os axiais com transmissão indireta enclausurada e com motor externo. Ambos devem ser de construção em aço carbono SAE 1020(#16),montados com amortecedores de vibração e conectados a rede de dutos de admissão e descarga com flanges flexíveis de material incombustível(fibra cerâmica/amianto branco revestidos internamente com alumínio ou silicone, ou foles de aço inoxidável).toda instalação elétrica deve atender a norma ABNT-NBR 5410,sendo os motores do tipo totalmente fechados com ventilação externa(tfve), com grau de proteção IP54 e classe B ou F de isolamento elétrico. B)EQUIPAMENTOS E DISPOSITIVOS DE CONTROLE ANTIPOLUENTE E EXTRAÇÃO DE GORDURAS E CONDENSÁVEIS. Conforme inicialmente exposto, a ação térmica provoca a emissão de substâncias voláteis, que no caso caracterizam-se por partículas sólidas, névoa de óleo, gorduras vaporizadas, vapor d água, gases da combustão e odores, portanto trata-se de emissões multimodal,com os agravantes de aderência e combustibilidade. Tal caracterização determina a necessidade de tratamento para extração destes agentes poluentes de forma a garantir a qualidade do ar de exaustão em relação ao ar natural. O aspecto de combustibilidade potencializa essa necessidade como uma ação racional e preventiva anti-incêndio, pela ausência de combustível no percurso da rede de dutos, estatísticas informam aproximadamente incêndios/ano em cozinhas americanas, originadas no sistema de exaustão, num universo de incêndios/ano em restaurantes, hotéis, lanchonetes e estabelecimentos com cozinhas profissionais. As peculiaridades descritas, determinam o uso de filtros extratores de gorduras e despoluidores atmosféricos instalados antes dos exaustores, nas coifas captoras ou trecho mais próximo possível dessas, de maneira a garantir a contínua e permanente extração destes subprodutos do fluxo de ar de exaustão de cozinhas profissionais. A seguir apresentamos os principais equipamentos e dispositivos adotados no controle antipoluente e extração de gorduras.

7 B.1) Filtros das Coifas e Coifas Lavadoras. Os filtros dos captores deverão ser do tipo metálico, removíveis e laváveis, sendo de instalação obrigatória nas coifas que atendam blocos de cocção que emitam vapores de gordura. É dispensável o uso dos filtros nas coifas de exaustão sem gordura tais como: fornos elétricos, caldeirões,maquinas de lavar louça, salamandras, fornos de convicção e banho Maria. É vedado o uso de filtros de tela(mesh),colméia ou outros tipos acumulativos, isto é, que mantenham as gorduras e óleos condensados expostos ao fluxo e sujeitos á combustão. Nas coifas, principalmente de churrasqueiras ou outras de combustíveis sólidos e/ou com chama viva, deverá obrigatoriamente o filtro ser do tipo chicana; onde referido filtro quando instalado com ângulo mínimo de 45 graus com a horizontal, garante o escoamento da gordura para calha coletora, assegurando assim ausência de substância combustível acumulada, perda de pressão constante independentemente da freqüência das ações de Manutenção operacional. Os filtros dos captores deverão ser adequadamente fixados de maneira a não haver frestas no plenum da coifa, bem como, ter sua borda inferior apoiada nas calhas coletoras de gordura, que devem dispor de capacidade máxima de armazenamento de 500 mililitros de condensados de óleos e gordura. Os filtros devem operar com as chicanas na vertical e o número de células deve ser selecionada de acordo com a velocidade de face ou Vazão recomendada pela fabricante, de maneira a garantir velocidades compatíveis com a Vazão projetada para a instalação. As coifas lavadoras(wash pull)podem dispensar o uso de filtros de chicana, porem o liquido recirculante de lavagem contendo gorduras e óleos condensados não pode ficar exposto ao fluxo do ar de exaustão. As coifas lavadoras devem dispor de acessos de inspeção e manutenção interna e dreno de sobrenível que impeça transbordamento em situações de pane hidráulica. B.2) Despoluidores Atmosféricos e Extratores de Gordura Considerando que os filtros instalados nas coifas, têm como princípio de funcionamento uma seqüência de mudança de direção conjugada com variações de velocidade, o efeito antipoluente obtido é restrito à remoção das gorduras mais facilmente condensáveis. As substâncias residuais de gorduras, névoas de óleo, fumaças, gases e odores requerem um tratamento especializado que garanta a ausência de incrustações combustíveis na rede de dutos e elimine incômodos à comunidade. Os despoluidores e dispositivos de extração de gordura deverão ser de construção incombustível, não podendo haver a exposição dos motores, campos elétricos, lâmpadas, fiações e quaisquer outras fontes de centelhamento ao fluxo de ar de exaustão, inclusive exaustores axiais por transmissão indireta sem encapsulamento da transmissão mecânica. Os dispositivos de remoção de gordura, devem ser protegidos das saídas de gases de combustão e de contatos diretos com as chamas, ocorridas durante o funcionamento dos equipamentos de cocção que produzem altas temperaturas tais como: tachos, braseiros e charbroilers. Quando a distância entre o dispositivo de remoção de gordura e o equipamento de cocção for inferior a 0,50 m, deverá ser instalado uma placa de aço defletora, tipo chicana, à uma distância não inferior a 0,15 m do dispositivo de remoção de gorduras. Nos casos em que os dispositivos de remoção de gordura são usados em conjuntos de cocção como fornos a lenha, churrasqueiras a carvão vegetal ou tipos de broilers a carvão vegetal, inclusive charbroilers elétricos ou a gás, deve ser mantida uma distância vertical de 1,40 m entre a borda mais baixa do dispositivo de remoção de gordura e a superfície aquecida. Churrasqueiras a carvão, fornos a lenha, charbroilers e outros equipamentos de cocção severa ou com combustível sólido e chamas vivas, deverão dispor de despoluidores atmosféricos independentes, com rede de dutos exclusiva. Em tais dispositivos de extração de gordura não poderá haver exposição ao fluxo da exaustão do volume de substâncias contendo gorduras e óleos coletados e acumulados, que devem ser drenados de forma contínua e instantânea para fora do fluxo do ar de exaustão, acondicionadas em contenedores à prova de fogo( FIRE SAFE CONTAINER ).

8 Nas situações de difícil dispersão ambiental, isto é, ponto de descarga numa cota inferior ao das construções contidas num raio de 50 m do mesmo, deverá ser especificado Despoluidor atmosférico de alta performance que atue com eficiência comprovada por laudos técnicos idôneos, no controle do poluente crítico, que são os odores. Deve-se utilizar preferencialmente a melhor tecnologia ( BADCT) de forma a maximizar a qualidade do ar efluente. Os dispositivos extratores de gordura e despoluidores atmosféricos devem ser instalados em dutos ou coifas dos blocos de cocção numa distância máxima 04 m (+/- 10%) desde que observadas as distâncias mínimas estabelecidas, não devendo aumentar o risco de incêndio. Tal característica deve ser comprovada por laudo emitido por órgão técnico competente. Não podem ser utilizadas câmaras inerciais ou de filtros colmeias as seco. O conceito que deve prevalecer é o de prevenção de incêndios e de sua propagação por ausência de material combustível no perímetro do fluxo da exaustão. A temperatura do fluxo de descarga do ar de exaustão não poderá ser superior a 15ºC da temperatura ambiente, evitando-se poluição por saturação térmica. Despoluidores e outros dispositivos de extração de gordura devem ser instalados antes dos exaustores, sendo de construção incombustível, totalmente soldado, sendo que o material construtivo empregado deverá ter bitola mínima nº 18 MSG em aço inoxidável e nº16 MSG em aço carbono. O acabamento externo deverá ser com tinta alumínio auto extinguível com teor de sólidos maior que 25%. Não pode ser utilizada a pintura interna nas carcaças e demais componentes internos, que deverão ser de alumínio, aço inoxidável, ou zincados, inclusive soldas. Na descarga do ar de exaustão em localização inferior a 15 m de altura e/ou com vizinhança num raio igual ou menor a 50 m, o ar deve ser adequadamente isento de odores e fumaça no nível de 50 mg/nm 3, aferido conforme Epa Test Method Determination Of Condensible Particulate Emissions From Stationary Sources; além de um eficiente controle de odores. No memorial descritivo e projeto executivo deverá constar a especificação do despoluidor atmosférico, contendo tipo, dados de desempenho, capacidade, eficiência e potência. Deve constar ainda de forma clara a situação física e condições de descarga do ar de exaustão em relação a vizinhança num raio de 50 m. B.3) Tecnologia de equipamentos despoluidores atmosféricos e dispositivos extratores de gordura. As tecnologia adotadas na depuração dos agentes poluentes fundamentam-se nos princípios de: mixação com agente de seqüestro dos poluentes; ação sobre propriedades elétricas do fluxo ou combustão das frações orgânicas. A seguir registramos os equipamentos e dispositivos que devem ser utilizados com as características indicadas para sua adoção, bem como a conformidade de Segurança anti-incêndio. B.3.1) Incineradores e Conversores Catalíticos: Atuam por combustão dos produtos da exaustão em câmaras refratárias com eficiente controle de compostos orgânicos voláteis e odores, apresentam risco de refluxo do fogo na rede de dutos ajusante que devem apresentar dispositivo de Segurança adequada. O combustível de aquecimento deve ser gás natural ou GLP, temperatura mínima na câmara de 250 ºC com indicação externa e velocidade de fluxo inferior a 2 m/s no interior da câmara de combustão. Os incineradores e conversores catalíticos devem receber fluxo de ar isentos de gordura e sua instalação deve ser terminal do sistema, visando o controle de odores e gases com Segurança intrínseca pela distância do depósito de gordura. B.3.2) Lavadores: Proporcionam a lavagem dos produtos de exaustão visando condensação, encharcamento e absorção/ neutralização de poluentes em solução aquosa. Os princípios aceitos são de câmaras horizontais ou torres de lavagem dispondo de conjuntos de aspersores. No caso de uso de bicos pulverizadores estes devem operar com pressão mínima de fluido de 3 Kg/cm2,de forma a alcançar elevada atomização e atingir todo o perímetro interno da câmara, para minimizar depósitos de gordura nas superfícies internas. Operação obrigatoriamente com circuito líquido fechado dispondo de bocal para adição de detergente biodegradável não espumante e ciclo automático de aquecimento para auto limpeza. O líquido recirculante bem como as substâncias coletadas devem ser armazenadas em recipiente distinto do fluxo, com Segurança física que impeça contato com chamas ( Fire Safe Container ). A velocidade do fluxo do ar no interior dos lavadores não deve ser superior a 5m/s.

9 B.3.3) Leitos de Adsorvedores: Aplicáveis exclusivamente em fluxos de exaustão com eficiente extração prévia de gorduras e condensáveis, fundamentam-se na adsorção física de compostos orgânicos voláteis, os odores, nas porosidade superficiais. Apresentam restrições de uso em temperaturas acima de 50 ºC e umidade acima de 50%, bem como o agravante de no caso do carvão ativo, por este ser combustível. Na sua aplicação deve-se dispor de espessura do leito superior a 0,35 m e velocidade de fluxo inferior a 0,5 m/s. Deve-se estabelecer inspeção mínima trimestral de avaliação de odores residuais do ar efluente durante a cocção, para estabelecer a periodicidade de substituição do leito do adsorvedor saturado, que deve ser regenerado ou disposto de forma ambientalmente adequada. Deve-se considerar a perda de pressão estática elevada de tal dispositivo no cálculo do sistema. B.3.4) Leitos de Oxidação: Aplica-se na oxidação química de compostos orgânicos aromáticos leves, os odores, sendo premissa básica o pré- tratamento para eficiente remoção de gorduras, óleos e condensáveis. São constituídos por leitos de pellet s de substâncias oxidantes tais como Permanganato de Potássio (Km n O 4 ), onde a espessura do leito deve ser de no mínimo 0,35 m além de cuidados de Segurança face ao elevado potencial de fornecimento de oxigênio em caso de incêndio. O leito de sustentação do agente oxidante deve ser incombustível. B.3.5) Precipitador Eletrostático: Aplicável na remoção de partículas através de ionização com alta tensão elétrica do fluxo da exaustão e posterior coleta em placas com polaridades oposta ao da assumida pelas partículas. A elevada resistividade elétrica do fluxo de gorduras e óleos determinam o uso de tensões acima de 45 KV, reduzida concentração de poluentes e velocidade de fluxo inferiores a 1,5 m/s. Os Precipitadores Eletrostáticos devem dispor de elementos de Segurança que interrompam a energização na abertura de suas portas, transformadores com auto limitação ( Spark Cold ), sistema de auto limpeza de placas por raspagem ou lavagem com ciclos automáticos, bem como elementos ativos de extinção de incêndios e coletores de gordura condensada externo ao fluxo, contenedores corta fogo, de forma a impedir combustão do material coletado em caso de incêndio. A temperatura do fluxo deve ser modulada de maneira a impedir temperaturas reduzidas onde os condensados de gordura formam incrustações que isolam eletricamente a superfície de ionização com a conseqüente queda de eficiência Precipitadores Hidrodinâmicos: Tratam-se de equipamentos com capacidade própria de aspiração do fluxo da exaustão com elementos dinâmicos, que provocam a mixação simultânea dos poluentes atmosféricos com solução aquosa, obtendo-se os efeitos de encharcamento, condensação, solubilização e neutralização das substâncias poluentes. Os Precipitadores Hidrodinâmicos são unidades onde o fluxo gasoso tem sua velocidade elevada( 70m/s) ao ingressar no rotor por ação da força centrifuga, responsável também pela atomização da solução aquosa, que utilizando a tecnologia de centrifugação líquida Multi-Venturi promove o contato instantâneo entre o fluxo de exaustão poluente e o líquido de seqüestro. Devem operar em rotações acima de 900 rpm, dispor do fluxostatos na Linha Hidráulica, pressão de 2 Kg/cm 2 nos bicos aspersores de líquido, e deve prever dispositivos automáticos para adição de solução detergente biodegradável e não espumante. C)DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA ANTI-INCÊNDIO: Ao longo do texto já registramos algumas ações preventivas a incêndios, exporemos a seguir de forma sucinta elementos de ação efetiva contra incêndios. C.1)Sistema de injeção de dióxido de carbono(co2):trata-se de instalação fixa formada por cilindros de armazenamento de CO2(normalmente com 45 Kg),tubulação de aço galvanizado de interligação, bocais de aspersão(na coifa e trecho de dutos anteriores ao damper corta fogo) e detector que atue por calor ou acionamento manual. É o sistema atualmente mais empregado, sendo vedado o uso do gás halon. C.2)Sistema de injeção de água nebulizada: Fundamenta-se na formação de névoa finíssima de água na parte interna da coifa e consiste de cilindro de armazenamento de água em alta pressão ou uso de bomba de alta pressão conectada a rede de tubulação e bicos ultra-sônicos de pulverização. Neste tipo de sistema ativo o exaustor deve permanecer acionado durante o incêndio e não deve

10 haver damper corta fogo, para permitir o ingresso da névoa de água para dentro da rede de dutos.é um sistema pouco difundido no Brasil, porem acreditamos na sua eficácia. C.3)Sistema de injeção de vapor d'água: É uma instalação indicada quando dispõem-se de caldeira de geração de vapor para atender um processo fabril; cria-se então rede de tubulação com bicos de aspersão conectados a rede de dutos, sendo o objetivo inundar a rede com vapor áqueo,que remove calor do fogo favorecendo sua extinção. Neste sistema pode-se desligar o exaustor e dispor-se de damper corta fogo. Os dois sistemas que operam com agua, deve-se atentar para o risco da água retornar pela coifa e atingir o óleo de fritadeiras de imersão, que caso ligadas pode provocar acidentes graves. Finalmente registramos a fundamental importância das ações periódicas de Manutenção e limpeza,que devem ser delegadas a responsável qualificado e incorporadas na rotina de limpeza das instalações de cozinhas profissionais. PALESTTECibf.doc

Sistemas de exaustão para cozinhas profissionais modernas, eficientes e seguras?

Sistemas de exaustão para cozinhas profissionais modernas, eficientes e seguras? Cozinhas industriais Sistemas de exaustão para cozinhas profissionais modernas, eficientes e seguras? Quatorze anos após a publicação da NBR14518 Constatação de uma realidade 24 Parte I- Status Quo A mobilização

Leia mais

Vapor d água com partículas gordura. Fonte de Calor

Vapor d água com partículas gordura. Fonte de Calor Sistema de Ventilação em Cozinhas Profissionais ABNT NBR 14.518 Eng Franco Negretti Sistema de Exaustão. Sistema de Compensação de Ar Exaurido. Conforto térmico O conforto térmico não é um conceito exato

Leia mais

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014

DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 DESCRIÇÃO TÉCNICA DOS MATERIAIS EMPREGADOS Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 MATERIAL CÓDIGO SISTEMA DE EXAUSTÃO CE 01 SISTEMA DE EXAUSTÃO CE 01 Descrição de Equivalência Técnica Exigida Toda a cozinha

Leia mais

Coifa Frontal aberta (Flux) geralmente utilizada para ambientes que possuem um pé direito baixo. Coifa Piramidal (Prisma) para que quer uma coifa

Coifa Frontal aberta (Flux) geralmente utilizada para ambientes que possuem um pé direito baixo. Coifa Piramidal (Prisma) para que quer uma coifa A Wgui é uma empresa do grupo Atmos Ambiental do Brasil uma empresa experiente que visa o desenvolvimento de novas tecnologias sem estar agredindo o nosso eco sistema desenvolveu coifas com tecnologia

Leia mais

NBR 14518-2000:SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PARA COZINHAS PROFISSIONAIS 14 ANOS:REVISÃO E ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Domenico Capulli

NBR 14518-2000:SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PARA COZINHAS PROFISSIONAIS 14 ANOS:REVISÃO E ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Domenico Capulli NBR 14518-2000:SISTEMAS DE VENTILAÇÃO PARA COZINHAS PROFISSIONAIS 14 ANOS:REVISÃO E ATUALIZAÇÃO TECNOLÓGICA Domenico Capulli Engenheiro CAPMETAL TECNOLOGIA AMBIENTAL 1 NORMA PADRÃO ISO- INTERNATIONAL STANDARD

Leia mais

Copyright 2015 Todos os direitos reservados Air Atmos - Renovar, BRASIL - Atibaia, são Paulo-Brasil 12.942-080 Telefone Escritório: 11 4411 3027

Copyright 2015 Todos os direitos reservados Air Atmos - Renovar, BRASIL - Atibaia, são Paulo-Brasil 12.942-080 Telefone Escritório: 11 4411 3027 A Wgui é uma empresa do grupo Atmos Ambiental do Brasil uma empresa experiente que visa o desenvolvimento de novas tecnologias sem estar agredindo o nosso eco sistema desenvolveu coifas com tecnologia

Leia mais

Equipamentos de Controle de

Equipamentos de Controle de Módulo VI Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Equipamentos de Controle de Poluição do Ar Controle da emissão de material particulado Filtros de Manga Coletores Inerciais ou Gravitacionais Coletores

Leia mais

Segurança contra Incêndio em Cozinha Profissional

Segurança contra Incêndio em Cozinha Profissional SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 38/2004 Segurança contra Incêndio em Cozinha Profissional SUMÁRIO 1

Leia mais

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial

Disciplina Higiene do Trabalho. Ventilação Industrial Tópicos da Aula Complementar - Ventiladores; - Ventiladores Axiais; - Ventiladores Centrífugos; - Dados necessários para a seleção correta de um ventilador; - Modelos e Aspectos Gerais de Ventiladores.

Leia mais

Ventilação na Restauração

Ventilação na Restauração Ventilação na Restauração As deficiências na climatização e na exaustão de fumos dos Restaurantes são um problema frequente. Muitas vezes há deficiente extracção de fumos, com caudais de ar insuficientes,

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Controle de Poluição do Ar Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova

Leia mais

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA

TRANSFORMADORES MOLDADOS EM RESINA MODELO TAM TRANSFORMADORES - TIPO TAM Os transformadores a seco moldados em resina epóxi são indicados para operar em locais que exigem segurança, os materiais utilizados em sua construção são de difícil

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

LAVADOR DE GÁS. Lavador de Gás Standard 2015-11-19

LAVADOR DE GÁS. Lavador de Gás Standard 2015-11-19 LAVADOR DE GÁS Os Lavadores de Gases utilizam a água como meio principal para remover do fluxo de gases os poluentes provenientes dos mais diversos tipos de processos industriais e / ou comerciais. Podemos

Leia mais

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor.

Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. COMBATE A INCÊNDIO 116 1 Combate a incêndio Para aprendermos a combater o fogo, precisamos conhecê-lo muito bem. Fogo - É uma reação em cadeia de três elementos que produz luz e calor. Os três elementos

Leia mais

INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS

INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS INFORMATIVO DE PREVENÇÃO DE RISCOS LIBERTY RESTAURANTES E BARES ncêndios em bares, restaurantes e cozinhas industriais podem parecer raros, mas acontecem com mais frequência do que se possa imaginar. É

Leia mais

Pedido de Viabilidade

Pedido de Viabilidade Processo de Licenciamento nº 18xx PX/7X Localização: Largo Dr. XXXXXXX nº XX 2700-840 AMADORA Fração: AB, com 250 m2 Requerente: José XXXXXX, na qualidade de dono de obra NIF: 999 999 999 Pedido de Viabilidade

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 38/01

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 38/01 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 38/01 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS EM COZINHAS PROFISSIONAIS Sumário 1

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7.1 Tipos de aparelhos a gás 7.2 Localização de aparelhos a gás 7.3 Ventilação do ambiente 7.4 Exaustão dos produtos de combustão 7.5 Exemplos de instalação de aparelhos

Leia mais

Ventilação em Espaços Confinados

Ventilação em Espaços Confinados Ventilação em Espaços Confinados Objetivo: Apresentar os conceitos básicos e soluções para ventilação de espaços confinados no contexto da norma regulamentadora NR-33. Palestrante: Eng o José Maurício

Leia mais

CONSELHOS E SUGESTÕES

CONSELHOS E SUGESTÕES CONSELHOS E SUGESTÕES Este manual de instruções de uso se aplica a várias versões do equipamento. É possível encontrar descrições de características que não se aplicam ao seu dispositivo. INSTALAÇÃO O

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: HIGIENE OCUPACIONAL IV Aula 60 VENTILAÇÃO LOCAL EXAUSTORA Parte I da Aula 60

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO

INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 16 2ª EDIÇÃO SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas 4 Definições 5 Generalidades 6 Características e critérios para

Leia mais

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada

Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Simples aspiração Dupla aspiração Duplex Rotores de alumínio Rotores chapa galvanizada Fábrica: Av. Brasil, 20.151 Coelho Neto Rio de Janeiro CE 21.530-000 Telefax: (21) 3372-8484 vendas@trocalor.com.br

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Caldeira de Recuperação Guaíba 1 CMPC Celulose Riograndense. Mesa Redonda sobre Procedimento Seguro de Limpeza de Bicas e Vigias de Ar Primário

Caldeira de Recuperação Guaíba 1 CMPC Celulose Riograndense. Mesa Redonda sobre Procedimento Seguro de Limpeza de Bicas e Vigias de Ar Primário Caldeira de Recuperação Guaíba 1 CMPC Celulose Riograndense Mesa Redonda sobre Procedimento Seguro de Limpeza de Bicas e Vigias de Ar Primário Caldeira de Recuperação Tecnologia: B&W; Capacidade: 1.950

Leia mais

Evaporadores. Ciclo de refrigeração

Evaporadores. Ciclo de refrigeração Evaporadores Ciclo de refrigeração Evaporadores Função Extrair calor do meio a ser resfriado (ar, água ou outra substância). Processo Mudança de estado do gás refrigerante, da fase líquida para a fase

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 7.1. Aparelhos a gás... 7.3 7.1.1. Introdução... 7.3 7.1.2. O ambiente onde será instalado o aparelho a gás... 7.3 7.1.2.1. Ambiente a ser

Leia mais

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto.

Mezzo Compensação. cozinhas. Hottes > hottes tradicionais grande conforto. descrição técnica. p. 926. hotte de cozinha tradicional Conforto. Hottes > hottes tradicionais grande conforto cozinhas Mezzo Compensação hotte de cozinha tradicional Conforto vantagens Compensação integrada. Filtros de choque montados de série. Iluminação encastrada

Leia mais

vendas1@juntasamf.com.br

vendas1@juntasamf.com.br À Sr( a) Ref.: Apresentação para Cadastro de Fornecedor Prezados Senhores, Vimos através desta, apresentar a Juntas AMF Ind. e Com. de Peças Ltda., uma empresa que já se tornou referencia no mercado de

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA

VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA INSTALAÇÕES MECÂNICAS E DE UTILIDADES VENTILAÇÃO E EXAUSTÃO DE COZINHA O projeto de exaustão por ventilação mecânica para as instalações da área de serviço da EEP Escola de Ensino Profissionalizante justifica-se

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET

CONJUNTOS DE FACAS DE AR WINDJET CONJUNTOS DE FACAS WINDJET CONJUNTO DE FACAS WINDJET SOPRADORES CONJUNTOS DE FACAS WINDJET SUMÁRIO Página Visão geral dos pacotes de facas de ar Windjet 4 Soprador Regenerativo 4 Facas de ar Windjet 4

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

DEPURADOR BUILT MANUAL DE INSTRUÇÕES

DEPURADOR BUILT MANUAL DE INSTRUÇÕES DEPURADOR BUILT MANUAL DE INSTRUÇÕES ÍNDICE 1. GERAL 2. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA 3.. CUIDADOS 4.. INSTRUÇÃO PARA INSTALAÇÃO 5.. ATENÇÃO 6.OPERAÇÃO 7 USO E MANUTENÇÃO 8.. ESPECIFICAÇÕES 9............ TERMO

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Intercambiador de Calor de Extensão Direta 2 a 40 TR ESPECIICAÇÕES CONSTRUTIVAS Os climatizadores Modelo foram projetados visando obter maior vida útil, performance e facilidade

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

VIII CONBRAVA 30.09 a 03.10. 2003 1 NBR 14518 - Sistema de ventilação para cozinhas profissionais

VIII CONBRAVA 30.09 a 03.10. 2003 1 NBR 14518 - Sistema de ventilação para cozinhas profissionais VIII CONBRAVA 30.09 a 03.10. 2003 1 NBR 14518 - Sistema de ventilação para cozinhas profissionais Caracterização e Controle de Agentes Poluentes Atmosféricos Domenico Capulli A mobilização mundial quanto

Leia mais

TORRES DE RESFRIAMENTO

TORRES DE RESFRIAMENTO TORRES DE RESFRIAMENTO Torres de Resfriamento Introdução Em muitos sistemas de refrigeração, ar condicionado e processos industriais, gera-se calor que deve ser extraído e dissipado. Geralmente utiliza-se

Leia mais

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA CAPTAÇAO DE FUMOS E GASES DE SOLDAGEM

SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA CAPTAÇAO DE FUMOS E GASES DE SOLDAGEM SELEÇÃO DE EQUIPAMENTOS PARA CAPTAÇAO DE FUMOS E GASES DE SOLDAGEM INTRODUÇÃO Atualmente, o problema das emissões de fumos e gases tóxicos nos processos de solda já é bastante conhecido dos engenheiros

Leia mais

VENTILADOR INDUSTRIAL

VENTILADOR INDUSTRIAL VENTILADOR INDUSTRIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA VENTILADORES INDUSTRIAIS Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: E L D I 560 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação

Leia mais

E077 I 1S40AG 2H T B. Instruções para montagem e utilização

E077 I 1S40AG 2H T B. Instruções para montagem e utilização E077 I 1S40AG 2H T B Instruções para montagem e utilização Instruções para montagem e utilização Ater-se especificamente às instruções indicadas neste manual. Não nos responsabilizamos por eventuais

Leia mais

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno

Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno PPRA MANUAL PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO FORMULÁRIO PARA RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Material do curso PPRA EXPERT Apostila do aluno RECONHECIMENTO DOS RISCOS AMBIENTAIS Esse Formulário deve ser aplicado

Leia mais

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo.

AR COMPRIMIDO. Esse sistema compreende três componentes principais: o compressor, a rede de distribuição e os pontos de consumo. AR COMPRIMIDO Nos diversos processos industriais, os sistemas de ar comprimido desempenham papel fundamental na produção e representam parcela expressiva do consumo energético da instalação. Entretanto,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 27/2010 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR

PRINCIPAIS PARTES COMPONENTES DOS GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: Apesar de existir um grande número de tipos

Leia mais

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval

Proteja a qualidade do seu leite Tanques resfriadores DeLaval DeLaval Brasil Rodovia Campinas Mogi-Mirim - KM 133,10 - S/N Bairro Roseira - Jaguariúna/SP - CEP: 13820-000 Telefone: (19) 3514-8201 comunicacao@delaval.com www.delaval.com.br Sua revenda DeLaval Proteja

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

ISOTECH APLICAÇÃO VANTAGENS CONCEPÇÃO / FABRICAÇÃO. TECTO FILTRANTE FECHADO ISOTECH - Altura=350mm

ISOTECH APLICAÇÃO VANTAGENS CONCEPÇÃO / FABRICAÇÃO. TECTO FILTRANTE FECHADO ISOTECH - Altura=350mm ISOTECH TECTO FILTRANTE FECHADO ISOTECH - Altura=350mm O tecto filtrante fechado "ISOTECH" é um sistema de extracção moderno respondendo ao conjunto de exigências actuais em matéria de higiene. Uma extracção

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27. Armazenamento em silos

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27. Armazenamento em silos ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 27 Armazenamento em silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS

AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS AMBIENTAL MS PROJETOS EQUIPAMENTOS E SISTEMAS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA DE APROVEITAMENTO DE ÁGUA PLUVIAL MS TAC 4000 REV.02 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO AO SISTEMA DE TRATAMENTO PARA REUSO....

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA

14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA 14 COMBUSTÍVEIS E TEMPERATURA DE CHAMA O calor gerado pela reação de combustão é muito usado industrialmente. Entre inúmeros empregos podemos citar três aplicações mais importantes e frequentes: = Geração

Leia mais

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário

Bomba Circuladora SLX-PMP/6A. Manual do Usuário Bomba Circuladora SLX-PMP/6A Manual do Usuário Manual do Usuário SOLX - Bomba Circuladora - SLX-PMP/6A Reservados os direitos de alteração sem prévio aviso. Versão 1 - outubro/2013 Permitida a reprodução

Leia mais

Coldex Tosi Ar Condicionado

Coldex Tosi Ar Condicionado Coldex Tosi Ar Condicionado Especificações Construtivas Os climatizadores (Fan Coil Tosi Baby) foram projetado vizando obter maior vida útil, performance adequada e facilidade de instalação, operação

Leia mais

Informações e Alertas...1. Lista de Peças...2. Funções...3 Dados Técnicos...3

Informações e Alertas...1. Lista de Peças...2. Funções...3 Dados Técnicos...3 INTRODUÇÃO Parabéns Ao escolher a linha Built de produtos, você optou por um produto de qualidade. A coifa da Built agrega beleza, praticidade e economia. É prático e fácil de limpar. A Built se especializou

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS

UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS VENTILADORES AXIAL UM A M ARC A DO GRUPO ESPIRODUTOS DESCRIÇÃO E NOMENCLATURA DE VENTILADORES AXIAL Diâmetro Fabricação Aspiração Rotor Empresa Ex: EAFN 500 Diâmetro da seleção Tipo de Fabricação G = Gabinete

Leia mais

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás

Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Unidade: Instalações prediais de proteção contra incêndio e de gás Nesta Unidade da Disciplina tentaremos compreender a questão da problemática envolvida nos tratos dos assuntos atinentes a prevenção e

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011 Instrução Técnica nº 27/2011 - Armazenamento em silos 649 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 27/2011 Armazenamento

Leia mais

GERADORES DE VAPOR GERADORES DE VAPOR

GERADORES DE VAPOR GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-056 M.Sc. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 DEFINIÇÃO: Geradores de Vapor (GV s) podem ser considerados

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares

Arranjo Unidades Físico Típicas de Indústria. Unidades de Produção e Instalações Auxiliares O cina de Manutenção A localização deve obedecer os seguintes princípios: - Proximidade das unidades de maior concentração de equipamentos e das instalações sujeitas a manutenção mais freqüente; - Proximidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO ENGENHARIA IND. E COM. LTDA. Q -110-111. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5.

IMPLANTAÇÃO ENGENHARIA IND. E COM. LTDA. Q -110-111. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5. R.02 16-02-2005, folha 1 de 5. Sistema Simples de Queima de Biogás para Estações de Tratamento de Efluentes. Projetado e construído para operar com a vazão total unidade, porém necessitando de um sistema

Leia mais

Decreto n.º 22281 de 19 de novembro 2002

Decreto n.º 22281 de 19 de novembro 2002 Decreto n.º 22281 de 19 de novembro 2002 Institui o Regulamento para a Instalação e Conservação de Sistemas de Ar Condicionado e Ventilação Mecânica no Município do Rio de Janeiro. O PREFEITO DA CIDADE

Leia mais

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros Instrução Técnica Nº 027/2010 EM REVISÃO Armazenamento em Silos SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO:

1. DESCRIÇÃO: - Renovação do ar; - Movimentação do ar. 1.1 SISTEMA ADOTADO: 1. DESCRIÇÃO: OBJETO: O sistema de ventilação mecânica visa propiciar as condições de qualidade do ar interior nos vestiários do mercado público de Porto Alegre. Para a manutenção das condições serão controlados

Leia mais

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO

INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE A INCÊNDIO SENHORES MANCEBOS, A PROVA REGIMENTAL REFERENTE AO SEGUNDO BIMESTRE DE 2014 TERÁ COMO CONTEÚDO OS TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS E O SEGUINTE COMPLEMENTO TEÓRICO: Definições: INSTALAÇÕES PREDIAIS DE COMBATE

Leia mais

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE

TABELA A DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis Publicação D.O.U. Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07/78 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL 1 OBJETIVO: Padronizar os diversos tipos de sistemas de bomba de incêndio das edificações, seus requisitos técnicos, componentes, esquemas elétricos-hidráulicos e memória de cálculo, de acordo com os parâmetros

Leia mais

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores

VENTILADORES. Aspectos gerais. Detalhes construtivos. Ventiladores VENTILADORES Aspectos gerais As unidades de ventilação modelo BBS, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para frente, e BBL, com ventiladores centrífugos de pás curvadas para trás, são fruto de

Leia mais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais

EXAUSTORES LOCALIZADOS Vantagens puras. Extrator ideal para ambientes industriais Extrator ideal para ambientes industriais Nova tecnologia em combinação com novos materiais e foco no design fornecem ao Fumex PR muitas vantagens novas e importantes: - Facilidade de manobrabilidade única.

Leia mais

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1.

DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE À LINHA DE DIVISA DA PROPRIEDADE ADJACENTE. DISTÂNCIA MÍNIMA DO TANQUE ÀS VIAS PÚBLICAS Acima de 250 até 1. NR 20 - Líquidos combustíveis e inflamáveis (120.000-3) 20.1 Líquidos combustíveis. 20.1.1 Para efeito desta Norma Regulamentadora - NR fica definido "líquido combustível" como todo aquele que possua ponto

Leia mais

Compressor Portátil MOBILAIR M 135

Compressor Portátil MOBILAIR M 135 www.kaeser.com Compressor Portátil MOBILAIR M 135 Com o mundialmente renomado PERFIL SIGMA Vazão 10,5 a 13,0 m³/min Feito na Alemanha A renomada linha de compressores portáteis MOBILAIR da KAESER é fabricada

Leia mais

BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS. VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES

BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS. VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES BOMBA DE VÁCUO MANUAL DE OPERAÇÃO MODELOS VP-50D (1,8cfm) VP-140D ( 5cfm) VP-200D (7cfm) VP-340D (12cfm) I COMPONENTES II -MANUAL DE OPERAÇÃO 1 Leia atentamente antes de utilizar a bomba de Vácuo Todos

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

OPERADOR DE CALDEIRA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

OPERADOR DE CALDEIRA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos OPROR LIR NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos 01 caldeira em que os gases quentes da combustão percorrem o interior de seus tubos é aquotubular. elétrica. de enson. de circulação forçada.

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014

Climatização. Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Climatização Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva Engenharia de Energia Universidade Federal da Grande Dourados Dourados MS 2014 Ventilação Local Exaustora Climatização- 2014 Prof. Ramón Eduardo Pereira Silva

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais