Despacho de Ordem de Serviço com OS Mobile. Ciclo PNQS 2015

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Despacho de Ordem de Serviço com OS Mobile. Ciclo PNQS 2015"

Transcrição

1 Despacho de Ordem de Serviço com OS Mobile Ciclo PNQS 2015

2 Organograma

3 A Oportunidade A.1 Qual foi a oportunidade de melhoria (problema, desafio, dificuldade), solucionada pela prática implementada? Informar de que forma o problema foi identificado. Apresentar resultados adversos ou não satisfatórios, constatados no período anterior à implementação da prática, explicando-os. Descrever a ligação do problema com os objetivos estratégicos da organização. Informar como esse problema afeta o setor. Diante dos serviços de água, esgoto e comercial a serem executados pela própria companhia ou através das empresas parceiras, havia um problema no gerenciamento das equipes e dos serviços, desse modo, tínhamos como principal desafio e dificuldade responder algumas perguntas: Referente as equipes Qual a localização em tempo real da equipe? Qual a rota realizada pela equipe durante todo o dia? Como identificar em tempo real se a equipe está em trânsito ou em atendimento? A quanto tempo a equipe está realizando um determinado atendimento? Referente aos serviços Como identificar em tempo real quando um serviço foi inicializado e/ ou concluído? Como permitir a visualização da distribuição geográfica entre os serviços a serem executados? Como controlar de maneira automatizada o tempo de execução de um serviço? Como sinalizar aos colaboradores que um serviço está próxima ao prazo final de execução ou já venceu? Como a companhia pode agir de maneira ecologicamente correta diante das impressões de cada serviço? A partir das dificuldades das Unidades de Negócio em responder perguntas como as descritas acima, sem estar em constante contato com as equipes de campo através de ligações telefônicas, foi percebido o quanto o projeto automatizaria e otimizaria esse processo. Enquanto não implantássemos melhorias que respondessem as perguntas supracitadas, teríamos algumas situações adversas ou não satisfatórias, tais como: Dificuldade da unidade em identificar a localização da equipe, bem como verificar o serviço que está sendo executado, sendo necessário realizar algum meio de contato; Dependência por parte das unidades do retorno das equipes de campo que ocorre apenas no final de cada expediente para o recebimento dos formulários contendo os dados pertinentes a baixa dos serviços e lançamento no Sistema Comercial; Não era possível a unidade garantir uma sequência real de execução dos serviços, ficando essa decisão a critério de cada equipe; A capacidade operacional de algumas equipes eram subestimadas em virtude da falta de gerenciamento detalhado das mesmas; Difícil visualização geográfica dos impactos gerados pelos serviços; Contabilização deficitária dos materiais consumidos pelas equipes, através de planilhas eletrônicas; Realização das impressões dos serviços. Tomando por base, a última situação adversa que trata das impressões dos serviços, a título de informação para que se possa ter uma visão quantitativa dessa ocorrência, foi constatado em apenas em um único dia a realização de impressões, podendo o caso ser agravado como por exemplo, no dia 18/11/2013 em que foi contabilizado o total de serviços impressos, afetando diretamente um dos objetivos estratégicos da companhia: garantir o crescimento sustentável e atuar com responsabilidade socioambiental. Havia impacto em outro objetivo estratégico, otimizar resultados econômico-financeiros e elevar o nível de satisfação dos clientes e melhorar a imagem institucional, em virtude dos atrasos na execução dos serviços, acarretado pelo acúmulo dessas atividades sobre as equipes operacionais que estavam com sua capacidade subestimada, afetando diretamente a otimização dos seus resultados.

4 Desta maneira, todas as Unidades de Negócio são afetadas quanto ao gerenciamento de suas equipes e seus serviços, fazendo inclusive com que dificulte a uma determinada unidade comprovar através de estudos estatísticos a real necessidade de ampliação de sua capacidade operacional. Podemos ver na figura 1, como a resolução do problema está alinhada com os objetivos estratégicos da OC. Figura 1: Objetivos estratégicos que serão alcançados com a resolução do problema A.2 De que maneira as causas do problema foram identificadas? Incluir a descrição da sistemática utilizada para identificar as causas. Mencionar as ferramentas utilizadas para a análise do problema. Informar as lideranças e profissionais envolvidos no processo de investigação. Através de visitas realizadas por integrantes da Getic, Gefar e Gdemp a todas as Unidades de Negócio da OC, levantando as descrições detalhadas de como os serviços eram executados pelas equipes operacionais, desde a abertura, seja por telefone ou através das lojas, até sua conclusão, e a partir destas reuniões cada unidade teve seu processo desenhado. Nestas reuniões foram utilizadas técnicas de levantamento de requisitos, criação de EAP, definição de casos de uso, prototipação das telas. Tivemos envolvido no processo de investigação, colaboradores da Getic, Gefar e Gdemp. Profissionais da GETIC Otávio Fernandes Frota Gerente do Projeto Humberto Lima Silva Luiz Ítalo Carvalho Coe Mirko Antônio Nunes Morais Profissionais da GEFAR João Neto Rodrigues - Área de Negócio responsável Profissionais da GDEMP Bruno Santos de Sousa Reginaldo Miranda Costa

5 B Ideia B.1 De que forma a solução foi planejada, concebida, desenvolvida e verificada? Informar quais as lideranças e profissionais envolvidos no projeto, internos e/ou externos, e descrever o seu grau de mobilização. Apresentar os recursos (financeiros, humanos e materiais) orçados e realizados no projeto, até a solução final. Incluir as principais origens ou fontes de inspiração, internas e/ou externas para desenvolvimento da ideia. Descrever atividades de treinamento necessárias e sua abrangência. Informar como a evolução do projeto foi controlada. A solução foi planejada a partir da necessidade da companhia em realizar um melhor gerenciamento na execução dos serviços e equipes operacionais, através da utilização de novas tecnologias. Foi realizada uma visita a Companhia Energética do Ceará - COELCE, onde buscamos analisar como eles realizavam seu despacho de ordem de serviço, por trabalharem com dispositivos móveis e gerenciamento da execução dos serviços em campo. De posse das informações levantadas através do benchmark, concebemos e desenvolvemos a solução através do levantando dos requisitos, desenhamos os processos de execução das ordens de serviços de cada Unidade de Negócio, os mesmos foram validados por seus representantes individualmente e selecionadas as melhores práticas. Os profissionais da Gefar como representantes da área de negócio, os profissionais da Getic através do conhecimento de análise e projeto e os profissionais da Gdemp com domínio de desenhos dos processos da Companhia. Os trabalhos resultaram na apresentação de um processo único que após a validação por parte das unidades, foi tornado corporativo. O passo seguinte foi a criação dos protótipos das telas que foram validados com todos os representantes das unidades, sendo as demais fases do projeto acompanhadas e validades pelos envolvidos no projeto. Em relação aos recursos humanos, a aplicação foi desenvolvida e implantada através de equipe própria da Getic no período de 6 (seis) meses para a implantação da aplicação em 30 (trinta) equipes distribuídas em 3 (três) unidades, sendo essas a UNMTL, UNMTO e UNBME. Em relação aos recursos financeiros temos aprovado R$ ,44 (Quinhentos mil, novecentos reais e quarenta e quatro centavos), tendo sido utilizado até o momento R$ ,00 (Duzentos mil reais) e materiais que contabilizam 250 tablets com serviço 3g, 10 televisores de 42 e 10 computadores. A principal fonte de inspiração da solução foi a utilização de equipamentos móveis com recurso de GPS e conexão com a internet que nos possibilitasse um maior gerenciamento das equipes e ordens de serviços. Para que fosse possível a utilização desta aplicação juntamente com esses equipamentos móveis, foi necessário a realização de dois treinamentos, que foram: construção da programação de serviços e procedimento para utilização do OS Mobile, sempre tentando se aproximar ao máximo do dia a dia trabalhado nas unidades. A evolução do projeto seguiu inicialmente com os requisitos chaves para o lançamento de uma versão que possibilitasse a implantação do OS Mobile. Após o lançamento, foram separados requisitos e lançados em versões semanais, deste modo a evolução está sendo controlada. Inicialmente selecionamos equipes de algumas Unidades de Negócio para testar os módulos e após a homologação da aplicação estamos implantando o OS Mobile gradativamente na OC, como pode ser observado na figura 2. Figura 2: Cronograma de Implantação OS Mobile: UNMTL, UNMTO e UNBME(Aquiraz) OS Mobile: UNMTS, UNMTN OS Mobile: UNMTL, UNMTO,UNMTN, UNMTS (Equipes Restantes) OS Mobile: UNBME, UNBBJ, UNBSI, UNBAC, UNBAJ, UNBPA, UNBBA, UNBCL, UNBSA Julho 2014 Novembro 2014 Março 2015 Dezembro 2015

6 B.2 Como funciona a prática? Descrever a sistemática, mencionando seus principais padrões, características de originalidade, de proatividade, agilidade, abrangência, mecanismos de controle, integração ao sistema de padrões existente da organização. Incluir padrões relativos a metas almejadas. Informar como os padrões são veiculados para as áreas pertinentes. O cliente realiza a solicitação do serviço através das lojas de atendimento, pelo 0800 ou pelo App, sendo registrado pelos colaboradores da Companhia no Sistema Comercial, inclusive relatando se é um serviço de urgência. Na abertura do serviço, o sistema de maneira automatizada define o prazo e a unidade responsável pela execução. Pelo menos duas vezes ao dia as Unidades de Negócio identificam as demandas cadastradas e geram uma programação para execução por parte da equipe operacional, que são organizados com base em alguns critérios, como por exemplo a proximidade entre eles, a prioridade de execução e qual equipe ira executar os serviços. O passo seguinte será carregar os serviços que cada equipe executará em campo, nos equipamentos móveis, que independe de local, mas sim da disponibilidade do serviço de rede 3G. Após feita a carga, a equipe começa a ser monitorada através de televisores instalados nas unidades ou máquinas locais via sistema comercial, exibindo a posição geográfica das equipes e os serviços que estão sob sua responsabilidade, informações essas monitoradas em tempo real, dentre as quais podemos destacar: Posição geográfica de cada equipe e serviços; Resumo dos serviços de cada equipe; Se uma equipe está em trânsito, em atendimento, com ou sem conexão 3G; Informações descrevendo as equipes e os serviços; Se um serviço está em atendimento, dentro do prazo, próximo do prazo final, atrasado, concluído ou se sua execução foi impedida; No momento que a equipe inicia o serviço, ela informa no aplicativo que iniciou a execução do mesmo e a unidade é notificada via tela de monitoramento. Durante a execução, são registradas informações sobre o material utilizado até a conclusão dos trabalhos enviados de forma on-line pelo pessoal de campo para a unidade, ao tempo que os colaboradores internos realizam a análise dos dados e gravam a confirmação da conclusão do serviço sem dependerem do retorno da equipe de campo. Para as situações onde não for possível a execução de um serviço em virtude do imóvel estar fechado, o cliente não autorizar o acesso as dependências do imóvel, dentre outros, o colaborador da unidade reagenda o serviço para um outro momento, garantindo a execução de todo o ciclo de atendimento. Como resultado deste processo teremos relatórios gerências e mapas temáticos que auxiliam nas decisões que possam agregar valor para a Companhia. A tela de monitoramento possibilita a Unidade de Negócio agir de forma proativa, possibilitando verificar como está o andamento das equipes e tomar decisões em tempo hábil para a execução correta das atividades. Podemos atuar de forma ágil, incluindo novos serviços ou alterando a ordem dos serviços na programação da equipe que está em campo, após este procedimento basta atualizar a aplicação, excluindo a possibilidade do retorno da equipe para a unidade de negócio. Todo o processo de execução de ordem de serviço pode ser observado na figura 3.

7 Figura 3: Processo de Despacho de Ordem de Serviço B.3 Como funciona a sistemática de avaliação e de melhoria da prática? Mencionar indicador ou indicadores, utilizados para avaliar o desempenho. Exemplificar eventuais melhorias que foram requeridas em função das avaliações iniciais. Os pontos que possibilitam avaliar o desempenho da aplicação são: Quantidade de serviços executados; Tempo médio de execução dos serviços; Quantidade de serviços executados fora do prazo; Impressões de ordens de serviços. Observamos que a quantidade de serviços concluídos tem aumentado, enquanto podemos analisar o tempo médio de execução do serviço que antes não era possível essa medição. A quantidade de serviços executados em atraso tem diminuído e as impressões estão cada vez menores, uma vez que não são mais necessárias devido a utilização dos tablets. Quando foi lançado o OS Mobile não tinha sido pensado, o caso em que ao chegarmos no cliente para realizar um atendimento, o mesmo não poderia ser executado por algum motivo externo, como o responsável não estar no imóvel, o imóvel estar fechado ou o responsável não autorizar o acesso as dependências. Desde então, incluímos uma opção que informasse a impossibilidade de executar o serviço. Outra melhoria obtida após avaliações inicias, foi a inclusão da funcionalidade que possibilita a contabilização do tempo de execução do serviço, onde a equipe em campo ao chegar para executar o serviço informa no OS Mobile que iniciou a execução e a conclusão é informada com a baixa das informações.

8 C.1 Apresentar um ou mais tipos de possíveis resultados relevantes com demonstração de favorabilidade obtidos em decorrência da implementação da prática, expressos quantitativamente por meio de indicadores de nível de desempenho e demonstração de tendências que evidenciem a inovação, por meio dos resultados obtidos. Informar níveis de desempenho e melhoria, abrangendo o período anterior e posterior à implementação da prática. Apresentar referenciais comparativos pertinentes externos à organização, que permitam avaliar a competitividade do resultado. Se o resultado apresentado não decorrer exclusivamente da prática, justificar a correlação forte com a mesma. Após a implantação do OS Mobile, as equipes de campo estão dotadas de um dispositivo móvel, que de forma online são registradas as execuções das Ordens de Serviços OS, resultando na baixa imediata, agilidade no processo de conclusão e ainda a contabilização do tempo de execução das mesmas. A OC iniciou os trabalhos com o OS Mobile em julho/ 2014, desde então, em virtude de todos os serviços executados em campo poderem ser cadastrados no sistema, foi distribuído gradativamente entre as equipes, os tablets com o aplicativo que resultou em várias melhorias, como a redução de serviços fechados fora do prazo, redução de impressão, acompanhamento em tempo real das equipes, acompanhamento da produtividade da equipe, tempo de execução, acompanhamento do material utilizado para execução do serviço, trajetória e tempo dos deslocamentos. Hoje todos os serviços executados em campo podem ser realizados junto ao OS Mobile. Podemos observar, no gráfico 1, uma melhora no atendimento aos clientes ao percebermos que a quantidade de serviços executados fora do prazo diminuiu. Antes da implantação, em média, cerca de 37,53% dos serviços executados eram concluídos em atraso, e hoje esse número caiu para 22,18%, logo tivemos uma redução média de 15,35%, desse modo, os clientes da OC estão esperando menos tempo para serem atendidos, melhorando a imagem da Companhia OS Mobile Percentual (%) Gráfico 1: Execução de Serviço Fora do Prazo Fora do Prazo 03/ / / / / / / / / / / / / / / /2015 Competência Podemos observar no gráfico 2, um crescimento na quantidade de serviços executados de 35,06% do período de implantação do OS Mobile em relação ao período de Janeiro de 2013 até Junho de Gráfico 2:Quantidade dos Serviços Executados OS Mobile Quantidade Todos os Serviços 0 03/ / / / / / / / / / / / / / / /2015 Competência

9 Escolhemos 4 dos serviços mais utilizados no aplicativo, são eles: 71, 75, 98 e 188, para exemplificar como a inclusão do aplicativo no dia a dia da unidade trouxe um crescimento na quantidade executada. Gráfico 3: Quantidade de Serviços Executados OS Mobile Quantidade / / / / / / / / / / / / / / / /2015 Competência A tabela 1 apresenta a taxa de crescimento dos serviços executados via OS Mobile Serviço Taxa de crescimento do serviço executado (%) 71 Substituição de Hidrômetro 158,93 75 Conserto de Vazamento na Rede 103,09 77 Desobstrução da Rede de Esgoto 55, Verificação de Irregularidade na Ligação 208,95 Tabela 1: Taxa de Crescimento do Serviço Executado Com a implantação desta prática, as ordens de serviços deixaram de ser impressas e seus dados podendo ser acessados pelos tables resultou em ganhos financeiros e ambientais conforme detalhado a seguir: Financeiro: redução no custo das impressões, onde o gasto é medido pelo custo da impressão; Ambiental: possibilidade de salvar algumas árvores e por consequência redução de CO2 na atmosfera. Evitar a devolução desses pepeis para o meio ambiente (lixões e/ ou aterros sanitários) na forma de lixo. Desde a aplicação dessa prática podemos estimar uma redução de folhas que não foram impressas, correspondendo a cerca de 17 árvores. Essa quantidade aumentará cada vez mais rapidamente, uma vez que a prática está sendo expandida para toda a Companhia. O Gráfico 4, mostra o percentual de ordem de serviços não impressas em relação a quantidade total executada. Gráfico 4: Ordens de Serviços Não Impressas OS Mobile Percentual (%) OS Não Impressa 03/ / / / / / / / / / / / / / / /2015 Competência

10 Com todo o processo de despacho de ordem de serviço sendo mapeado e acompanhado através do sistema comercial e do OS Mobile, podemos trazer outros dois bons resultados que são o monitoramento das equipes em campo e a execução dos serviços, bem como a apresentação através de mapa de calor georreferenciado dos serviços concluídos, proporcionando a oportunidade de tomada de decisão pelos gestores. Na figura 4 podemos observar as ordens de serviços programadas para execução diária, plotadas em um mapa, utilizando-se como referência geográfica a identificação do endereço do imóvel/ local constante na OS. Figura 4 - Monitoramento das equipes e OS Com as OS georreferenciadas no mapa, poderemos rastrear o posicionamento das equipes e gerenciar os atendimentos das ordens de serviços, rotas e priorização dos serviços. Na figura 5, temos o mapa termal que gera o resultado das OS executadas num determinado período de tempo em uma ou mais Unidades de Negócio. Desta maneira, podemos ter subsídios para realizar uma tomada de decisão mais fundamentada, visto que estamos trabalhando em informações de dados reais. Podemos aproveitar estas informações para auxiliar em várias atividades, dentre elas em projetos de ampliação e/ ou melhoria da rede de água e esgoto.

11 Figura 5 Relatório do Mapa Termal Ao executar o serviço de campo a equipe informa a quantidade de material que está sendo utilizado, cujos quantitativos são enviados ao sistema de controle do almoxarifado para a devida baixa, garantindo informações em tempo real e devido gerenciamento para a reposição dos mesmos no início da semana seguinte, evitando ponto de falha, visto que todas informações são geradas entre a comunicação do OS Mobile e Sistema ERP. Esse processo anteriormente era prejudicado devido o uso de planilhas eletrônicas, onde a manutenção era feita manualmente por usuários. A trajetória da equipe, os pontos de parada com longo período, o ponto de início e conclusão das ordens de serviços, bem como as ordens de serviços, podem ser apresentados em um mapa de modo georreferenciado. De posse destas informações poderemos saber exatamente todo o trabalho que foi realizado por uma equipe num determinado período, como podemos observar na figura 6. Figura 6 Rota Traçada pela Equipe

12 C.2 Quais são outros benefícios intangíveis decorrentes da implementação da prática, baseados em fatos, depoimentos ou reconhecimentos? Descrever eventuais reflexos positivos nas partes interessadas descritas na Folha de Elegibilidade. Com a implantação do OS Mobile tivemos uma redução significativa de impressões, pois os serviços saem para campo inclusos nos tablets, desse modo garantimos o crescimento sustentável, atuando com responsabilidade socioambiental. Os clientes tiveram suas solicitações atendidas com maior rapidez, impulsionado pelo crescimento dos serviços executados, possibilitando fornecer informação sobre o andamento da solicitação, atingindo diretamente da satisfação do cliente. O colaborador Jackson Barreto da UNMTO apresentou benefícios com o início da utilização do OS Mobile, conforme detalhado a seguir: A programação passou a ter o controle total de todas as ordens de serviços emitidas, determinando a rota a ser seguida pela equipe, de forma sequencial e por setor, isso retira a possibilidade da própria equipe escolher qual o serviço irá realizar, ação essa que anteriormente sempre acontecia, consequentemente ocorriam mais pendências, visto que quando o chefe da equipe recebia a sua rota, sempre descartava aquele serviço que supostamente seria mais difícil de se realizar, deixando assim o serviço pendente. O sistema de monitoramento facilitou a programação a manter-se sempre atualizada quanto a localização das equipes, fator esse de suma importância, pois permite um melhor acompanhamento de produtividade de nossas equipes e possibilita acionarmos a equipe que se encontre mais próxima, no caso de uma emergência. Facilitou o acesso mais rápido as baixas dos serviços executados em campo, pois anteriormente era necessário aguardar o retorno das equipes de campo, para posteriormente executarmos as baixas das ordens de serviços, onde muitas vezes teriam que ficar para o dia seguinte. Com o novo sistema de programação conseguimos baixar as ordens praticamente em tempo real. Permitindo assim, o rápido retorno aos clientes que necessitam de uma resposta rápida sobre a retirada de um vazamento, no medidor por exemplo, pois antes o cliente se deslocava até uma de nossas lojas, mas quando chegava tinha que aguardar a baixa da ordem de serviço referente a sua reclamação.. Glossário Ordens de Serviços: são geradas para o atendimento de uma solicitação de um cliente, após o mesmo entrar em contato com a OC por algum canal de comunicação, que poderá ser, lojas de atendimentos, 0800, Cagece App e website. OS Mobile: Aplicativo que foi desenvolvido para gerenciar as ordens de serviços que serão executadas pelas equipes de campo. Unidade de Negócio: Responsável pela execução das ordens de serviços. UNMTO: Unidade de Negócio Metropolitana Oeste. UNMTL: Unidade de Negócio Metropolitana Leste. UNMTS: Unidade de Negócio Metropolitana Sul. UNMTN: Unidade de Negócio Metropolitana Norte. GETIC: Gerência de Tecnologia, Informação e Comunicação. GEFAR: Gerência de Faturamento e Arrecadação. GDEMP: Gerência de Desenvolvimento Empresarial. OS: Ordem de Serviço.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento. Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento PNQS Inovação da Gestão em Saneamento IGS Gestão de Economias com o Serviço de Tratamento de Esgoto Melhorias no Processo para a Universalização do Saneamento.

Leia mais

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico

Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2011 INOVAÇÃO DA GESTÃO EM SANEAMENTO - IGS Inclusão Social pelo Projeto de Educação: Saneamento Básico SETEMBRO/2011 A. OPORTUNIDADE A.1 Qual foi a oportunidade

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil James Gustavo Black Rebelato Geraldo Cezar Correa Joao Henrique Gross Companhia Paranaense

Leia mais

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência. PNQS 2010 Categoria IGS Inovação da Gestão em Saneamento RDPG Relatório de Descrição de Prática de Gestão Gestão do Processo de Manutenção Eletromecânica A quebra de paradigmas em busca da excelência.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00. Página 1 de 11

TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00. Página 1 de 11 TERMO DE REFERÊNCIA PROCESSO Nº 0541.000060/2014-00 Página 1 de 11 1. DO OBJETO Contratação de desenvolvimento de aplicativo mobile de auditoria interna patrimonial. 1.1. Modalidade de Aquisição: Contratação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA LINK LOJA ALDEOTA

TERMO DE REFERÊNCIA LINK LOJA ALDEOTA SECRETARIA DAS CIDADES CAGECE COMPANHIA DE ÁGUA E ESGOTO DO CEARA TERMO DE REFERÊNCIA LINK LOJA ALDEOTA PROCESSO Nº 0664.000146/2015-10 Outubro/2015 Página 1 de 5 1. DO OBJETO Contratação por 12 (doze)

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO INTEGRADA DO MINISTÉRIO DA FAZENDA - PMIMF MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA EXECUTIVA ATORES DA REDE DE INOVAÇÃO 2 O MODELO CONTEMPLA: Premissas e diretrizes de implementação Modelo

Leia mais

Válvulas de Controle-"Case"- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2

Válvulas de Controle-Case- Copesul. Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 Válvulas de Controle-"Case"- Copesul Nelzo Luiz Neto da Silva 1 Jader Weber Brum 2 RESUMO Visando rever conceitos, procedimentos, estratégias e tecnologias voltadas para a manutenção de válvulas, partimos

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier

Manual do Portal do Fornecedor. isupplier isupplier Revisão 01 Setembro 2011 Sumário 1 Acesso ao portal isupplier... 03 2 Home Funções da Tela Inicial... 05 3 Ordens de Compra Consultar Ordens de Compra... 07 4 Entregas Consultar Entregas... 13

Leia mais

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular

O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular 53 O Impacto da Automação na Geração de Espelhos de Notas Fiscais no Processo de Logística Reversa da BrasilTelecom Celular José Sérgio Celestino Camargo, Paulo Tadeu Peres Ingracio e Romério de Oliveira

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS IGS 2013

Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS IGS 2013 Relatório de Descrição de Prática de Gestão PNQS IGS 2013 Presidência da OC Ouvidoria da OC Diretoria A Diretoria B Diretoria da OC Diretoria D Diretoria E Superintendência 1 Superintendência 2 Superintendência

Leia mais

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos

Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Variável: Infra estrutura precária Máquinas e Equipamentos Participantes do Aprofundamento da Variável: Coordenador: Mário Vinícius Bueno Cerâmica Betel - Uruaçu-Go Colaboradores: Juarez Rodrigues dos

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

4. Aplicação da Marca 22 a. O site www.umov.me 22 b. Publicidade 23 c. Estande de eventos 24 d. Flyers e lâminas 25

4. Aplicação da Marca 22 a. O site www.umov.me 22 b. Publicidade 23 c. Estande de eventos 24 d. Flyers e lâminas 25 Versão 1.0 Índice 1. Introdução 3 2. Elementos da Identidade Visual da umov.me 4 a. Logomarca 4 b. Cores e Fundos 5 c. Tipologia 12 d. Como usar a tipologia 15 e. As formas de escrita da marca umov.me

Leia mais

Responsável pelo projeto: Gustavo Adolpho Castilho Freire - Assessor E-mail: gustavo@ibge.gov.br

Responsável pelo projeto: Gustavo Adolpho Castilho Freire - Assessor E-mail: gustavo@ibge.gov.br 1 Experiência: Sistema de Suprimento de Fundos Instituição: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Coordenação de Orçamento e Finanças Coordenador: Reinaldo Silva Pereira E-mail:

Leia mais

TERMO DE CONFIDENCIALIDADE

TERMO DE CONFIDENCIALIDADE TERMO DE CONFIDENCIALIDADE Este material e as informações nele contidas são propriedades da PONTO SISTEMAS. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida ou transmitida sem prévia autorização da PONTO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Treinamento do Sistema RH1000

Treinamento do Sistema RH1000 Treinamento do Sistema RH1000 = Bloco Seleção = Ohl Braga Desenvolvimento Empresarial Atualizado em 23Jul2015 1 Estrutura do Sistema RH1000 Gerenciar e administrar Sistema RH1000 Planejamento Estratégico

Leia mais

Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes

Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes PREMIO NACIONAL DE QUALIDADE EM SANEAMENTO PNQS 2012 Relatório de Descrição de Prática de Gestão Uma alternativa para chegar mais perto dos clientes Categoria: Inovação da Gestão em Saneamento IGS Setembro

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento PNQS 2010 IGS SETEMBRO/2010 ORGANOGRAMA DA ORGANIZAÇÃO CANDIDATA Vice-presidência de GO Superintendência T Gerência Prod. e Desenvolvimento

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. referência à autores dentro do texto

1. INTRODUÇÃO. referência à autores dentro do texto 1. INTRODUÇÃO A seguir, veremos um texto ilustrativo para uma introdução, onde o trabalho deve ser apresentado com base em seu conteúdo de pesquisa. Geralmente a introdução é feita após o trabalho de pesquisa

Leia mais

Automatização dos processos do CSC através da implantação de. São Paulo, Setembro de 2013. Novos mercados. Grandes shoppings.

Automatização dos processos do CSC através da implantação de. São Paulo, Setembro de 2013. Novos mercados. Grandes shoppings. Automatização dos processos do CSC através da implantação de ferramenta BPMS São Paulo, Setembro de 2013 Novos mercados. Grandes shoppings. Agenda Contexto Escopo do Projeto Modelagem e Automação dos Processos

Leia mais

ANEXO V MODELOS DE RELATÓRIOS E COMUNICAÇÕES

ANEXO V MODELOS DE RELATÓRIOS E COMUNICAÇÕES ANEXO V MODELOS DE RELATÓRIOS E COMUNICAÇÕES 1. FINALIDADE. 1.1. Esse documento apresenta os modelos, sugeridos pelo CONTRATANTE, dos relatórios e das comunicações exigidos nos Anexos II-A e II-B. O CONTRATANTE

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

SAP Customer Success Story Turismo Avipam. Avipam garante integração com clientes com uso do SAP ERP

SAP Customer Success Story Turismo Avipam. Avipam garante integração com clientes com uso do SAP ERP Avipam garante integração com clientes com uso do SAP ERP Geral Executiva Nome da Avipam Turismo e Tecnologia Indústria Turismo Produtos e Serviços Gestão de viagens corporativas para pequenas, médias

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação O aumento da competitividade global, trouxe consigo a grande desenvolvimento da Tecnologia da informação. Os processos enxutos e sem erros, os grandes estoques, as decisões que

Leia mais

E-learning para servidores públicos de nível médio

E-learning para servidores públicos de nível médio 554.ART 04 24.06.05 19:13 Page 113 E-Learning para servidores públicos de nível médio E-learning para servidores públicos de nível médio Silvio Miyazaki* Marcelo Amaral Gonçalves de Mendonça** RESUMO Analisar

Leia mais

MANUAL DE ACESSO AO SITE DA CERTIFICAÇÃO

MANUAL DE ACESSO AO SITE DA CERTIFICAÇÃO MANUAL DE ACESSO AO SITE DA CERTIFICAÇÃO Para acesso das instituições participantes ao site da certificação Data da Elaboração: 01/11/2009 Última atualização: 29/01/2014 D.04.34.00 APROVADOR: Gerência

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2016

Questionário de Governança de TI 2016 Questionário de Governança de TI 2016 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS. Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: GESTÃO DE PROJETOS Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos O QUE SÃO PROCESSOS? De acordo com o Guia PMBOK, (2013) processo é um conjunto de ações e/ou atividades inter-relacionadas

Leia mais

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1

1. Introdução. Avaliação de Usabilidade Página 1 1. Introdução Avaliação de Usabilidade Página 1 Os procedimentos da Avaliação Heurística correspondem às quatro fases abaixo e no final é apresentado como resultado, uma lista de problemas de usabilidade,

Leia mais

Ideia Tecnologia. Consultoria LIMITE DE CRÉDITO. Autor: Jonas Santos Silva

Ideia Tecnologia. Consultoria LIMITE DE CRÉDITO. Autor: Jonas Santos Silva Ideia Tecnologia Consultoria LIMITE DE CRÉDITO Autor: Jonas Santos Silva Prezado cliente, com o objetivo de tornar a sua experiência com nosso software cada vez melhor e produtiva, nós estamos desenvolvendo

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Gestão inteligente de documentos eletrônicos

Gestão inteligente de documentos eletrônicos Gestão inteligente de documentos eletrônicos MANUAL DE UTILIZAÇÃO VISÃO DE EMPRESAS VISÃO EMPRESAS - USUÁRIOS (OVERVIEW) No ELDOC, o perfil de EMPRESA refere-se aos usuários com papel operacional. São

Leia mais

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900

*EMPRESA ENERGÉTICA DO MATO GROSSO DO SUL S/A CAMPO GRANDE, MS AV.GURY MARQUES N* 8000 CEP70072-900 SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 29 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDOS DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado

PRODUTOS DO COMPONENTE 3. 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado PRODUTOS DO COMPONENTE 3 3.1 - Modelo de Gestão Organizacional Formulado e Regulamentado A estruturação do atual modelo de gestão, caracterizou-se pela necessidade de alinhar permanentemente os órgãos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D

AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS OBTIDOS NA RECENTE EXPERIÊNCIA DE FURNAS EM P&D SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPD - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XV GRUPO DE INOVAÇÃO TECONOLÓGICA, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO - GPD AVALIAÇÃO

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011

IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 IMPLANTAÇÃO DOS PILARES DA MPT NO DESEMPENHO OPERACIONAL EM UM CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DE COSMÉTICOS. XV INIC / XI EPG - UNIVAP 2011 Rogério Carlos Tavares 1, José Luis Gomes da Silva² 1 Universidade de

Leia mais

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS

FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS FROTA - SISTEMA DE CONTROLE DE ATIVOS FERROVIÁRIOS Márcio José Camargo Rosalia Naomi Oyakawa 20ª SEMANA DE TECNOLOGIA METROFERROVIÁRIA PRÊMIO TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO METROFERROVIÁRIOS Categoria 3

Leia mais

Channel. Módulo Gerencial. Tutorial. Atualizado com a versão 4.02

Channel. Módulo Gerencial. Tutorial. Atualizado com a versão 4.02 Channel Módulo Gerencial Tutorial Atualizado com a versão 4.02 Copyright 2009 por JExperts Tecnologia Ltda. todos direitos reservados. É proibida a reprodução deste manual sem autorização prévia e por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE CURSO DE CONTABILIDADE E FINANÇAS ANÁLISE DE INVESTIMENTOS PARA UMA EMPRESA DO RAMO DE TRANSPORTE ALEXANDRO

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL

TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL TÍTULO: CONTABILIDADE AMBIENTAL E COMUNICAÇÃO: OS TERMOS UTILIZADOS PELA CONTABILIDADE AMBIENTAL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Data Versão Descrição Autor

Data Versão Descrição Autor Sistema de Controle de Pedidos SISCOP Versão 1.0 Termo de Abertura Versão 2.0 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 16/08/2010 2.0 Desenvolvimento do Termo de Abertura Adriano Marra Brasília,

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR

GESTÃO DE MATERIAIS: ALMOXARIFADO HOSPITALAR José Neto Aristides da Silva Graduando em Logística pelo Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil jneto12@gmail.com José Claudio de Souza Lima Mestre em Engenharia de Produção

Leia mais

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4. 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4 Planejamento Estratégico do Sindicato Caderno de Orientações para Outubro de 2008 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...3 2 LINHAS GERAIS...4 2.1. Diretrizes Básicas... 4 2.3. Objetivos... 4 2.4. Público-Alvo... 4

Leia mais

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH

Trabalho resgatado da época do Sinac. Título: Desenvolvimento de Recursos Humanos para a Comercialização Hortigranjeiro Autor: Equipe do CDRH Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Companhia Nacional de Abastecimento Conab Diretoria de Gestões de Estoques Diges Superintendência de Programas Institucionais e Sociais de Abastecimento

Leia mais

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO

PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA CENÁRIO 2010-2015: DESAFIOS ESTRATÉGICOS E PRIORIDADES DE GESTÃO PESQUISA RESPONDENTES 1065 executivos (as) PERÍODO De 02 a 17 (Novembro de 2009) CEOs Diretores UNs Diretores Funcionais QUESTIONÁRIO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL

CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL CUSTOS LOGÍSTICOS - UMA VISÃO GERENCIAL Data: 10/12/1998 Maurício Lima INTRODUÇÃO Um dos principais desafios da logística moderna é conseguir gerenciar a relação entre custo e nível de serviço (trade-off).

Leia mais

Transformando serviços automotivos: o caso de pneus

Transformando serviços automotivos: o caso de pneus Transformando serviços automotivos: o caso de pneus Alexandre Cardoso A Garra Pneus é uma revenda de pneus com prestação de serviços de alinhamento, balanceamento e desempeno de rodas. Fundada em 1994,

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console...

Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console... Manual Referência Introdução... 3 1 Comunidade Gestão de Frotas... 4 1.1 Fornecedor... 4 1.2 Plano de Manutenção... 7 1.3 Layout Importação... 11 1.4 Console... 14 1.4.1 Marca... 14 1.4.2 Modelo... 16

Leia mais

Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro

Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro Título: Jurídico-Financeiro: Rompendo barreiras, atingindo o sucesso Categoria: Modelo de Gestão Temática: Financeiro Resumo: Durante muito tempo a diretoria de Jurídico-Financeiro realizava suas atividades

Leia mais

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO?

Figura 1: tela inicial do BlueControl COMO COLOCAR A SALA DE INFORMÁTICA EM FUNCIONAMENTO? Índice BlueControl... 3 1 - Efetuando o logon no Windows... 4 2 - Efetuando o login no BlueControl... 5 3 - A grade de horários... 9 3.1 - Trabalhando com o calendário... 9 3.2 - Cancelando uma atividade

Leia mais

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO

EMENTA CURSO TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-ALVO: Os Cursos Técnicos são destinados a todos que estão cursando o 2º ano ou já completaram o Ensino Médio e que desejam aprender uma profissão, entrar no mercado de trabalho ou buscar uma melhor

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo

Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Título do Case: Mudança Cultural com Treinamento e Acompanhamento da Implantação do Programa 5S. Categoria: Projeto Externo Resumo: O Programa 5S se baseia em cinco sensos com a finalidade de garantir

Leia mais

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas (Produto 2) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO

Leia mais

GesANTT PLANO DO PROJETO EPP.PP.01 1.1. ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros

GesANTT PLANO DO PROJETO EPP.PP.01 1.1. ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros 1 Nome do Projeto ProPass Brasil Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros 2 Chefe do Projeto Maria Ângela Cavalcanti Oliveira 3 Gestor do Projeto Sonia

Leia mais

Experiência: IMPLANTAÇÃO DO PRÉ-ATENDIMENTO NA AGÊNCIA DOS CORREIOS ADOLFINA DE PINHEIROS EM SÃO PAULO

Experiência: IMPLANTAÇÃO DO PRÉ-ATENDIMENTO NA AGÊNCIA DOS CORREIOS ADOLFINA DE PINHEIROS EM SÃO PAULO Experiência: IMPLANTAÇÃO DO PRÉ-ATENDIMENTO NA AGÊNCIA DOS CORREIOS ADOLFINA DE PINHEIROS EM SÃO PAULO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos ECT Ministério das Comunicações Responsável: Lenice Venâncio

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Relatório de Atividades UNIDADE DE PATRIMÔNIO 2015 1 COLEGIADO EXECUTIVO EBSERH/HUSM

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Figura 1 - Visão geral do projeto

Figura 1 - Visão geral do projeto O projeto está organizado em três grandes movimentos que se complementam e interagem. Reúne as atividades necessárias à gestão do projeto, à coleta seletiva do resíduo papel e à coleta seletiva dos demais

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA

INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA INDICADOR DA QUALIDADE DO PROCESSO PARADA PROGRAMADA Santos, Julio Cezar Jeronimo (1) Melo, Welerson dos Reis Amaral (2) RESUMO Este trabalho fornece informações genéricas sobre o conceito de paradas programadas,

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA PREVENTIVA N 03/2014 Avaliação Objetiva Gestão de Patrimônio Imobiliário do IFAM

RELATÓRIO DE AUDITORIA PREVENTIVA N 03/2014 Avaliação Objetiva Gestão de Patrimônio Imobiliário do IFAM Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas Auditoria Interna do IFAM Rua Ferreira Pena nº. 1109, Centro, Manaus/AM

Leia mais

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil

Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Análise Econômica do Mercado de Resseguro no Brasil Estudo encomendado a Rating de Seguros Consultoria pela Terra Brasis Resseguros Autor: Francisco Galiza Sumário 1. Introdução... 3 2. Descrição do Setor...

Leia mais

Relatório de Gestão 30 dias 2015

Relatório de Gestão 30 dias 2015 COMPANHIA RIO-GRANDENSE DE ARTES GRÁFICAS CORAG Relatório de Gestão 30 dias 2015 O mês de março marca um novo ciclo de transformação na Corag, com a verificação de que temos potencial para ampliar nosso

Leia mais

Produto : Datasul, MFT(Faturamento), Datasul 12.1.6 Projeto : PCREQ-4786 Data da criação

Produto : Datasul, MFT(Faturamento), Datasul 12.1.6 Projeto : PCREQ-4786 Data da criação Nota Técnica 2014/001 Contingência EPEC Produto : Datasul, MFT(Faturamento), Datasul 12.1.6 Projeto : PCREQ-4786 Data da criação : 13/05/2015 Data da revisão : 24/06/15 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados

Leia mais

APÊNDICE C CHECKLIST DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES

APÊNDICE C CHECKLIST DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES CHECKLIST DE ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES Rev.00 Outubro/2015 i SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. EQUIPE DE GERENCIAMENTO DE EMERGÊNCIA(EMT)... 4 CHEFE DA SEÇÃO DE OPERAÇÕES (OSC)... 9 CHEFE DA SEÇÃO DE

Leia mais

TERMO DE ABERTURA Versão 1.1

TERMO DE ABERTURA Versão 1.1 1 TERMO DE ABERTURA Versão 1.1 2 HISTÓRICO DA REVISÃO Data Versão Descrição Autor 09/03/2015 1.0 Criação do documento Hugo Pazolline 11/05/2015 1.0 Revisão do documento Hugo Pazolline 25/05/2015 1.1 Peer

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ICA 7-26 PROCESSO DE GESTÃO DE RISCOS DE SEGURANÇA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO 2013 MINISTÉRIO

Leia mais

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE

Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Banco de Boas Práticas do Poder Judiciário cearense Boas Práticas de Gestão do TJCE Informações gerais sobre a prática Título Implantação da Norma Iso 9001:2008 no Departamento de Distribuição de Processos

Leia mais

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO

Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA PROGRAMAS CERTIFICATES Instruções para elaboração de um PLANO DE PROJETO I - APRESENTAÇÃO Estas instruções possuem como propósito: a) Estruturar processo de elaboração

Leia mais

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde.

Saiba mais sobre o histórico do Projeto Gestão por Competências no Ministério da Saúde. GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS NO MINISTÉRIO DA SAÚDE O projeto Gestão por Competências teve início no Ministério da Saúde (MS) em setembro de 2009. Esse modelo de Gestão de Pessoas foi implantado

Leia mais

Portal de Vendas Online

Portal de Vendas Online Portal de Vendas Online Manual do Representante Versão 1.0 Manual do Representante 2 Sumário Introdução ao Portal da Dorma... 3 Fluxo de Vendas... 3 Fluxo de Cadastro ou Alteração de Cliente... 4 Orientações

Leia mais

Como Capacitar sua Força de Vendas. Não é Automação. É Pessoal.

Como Capacitar sua Força de Vendas. Não é Automação. É Pessoal. Como Capacitar sua Força de Vendas Não é Automação. É Pessoal. 2 Como capacitar Sua Força de Vendas: Não É Automação. É Pessoal. Como capacitar Sua Força de Vendas Não É Automação. É Pessoal. O digital

Leia mais

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva

Estudo de Viabilidade. GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores. Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Estudo de Viabilidade GMon Sistema de Gerenciamento de Monitores Curso: Ciências da Computação Professora: Carla Silva Recife, 20 de Janeiro de 2012 1 Sumário 1. Motivação... 3 2. Problema identificado...

Leia mais

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos

Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Medindo a Produtividade do Desenvolvimento de Aplicativos Por Allan J. Albrecht Proc. Joint SHARE/GUIDE/IBM Application Development Symposium (October, 1979), 83-92 IBM Corporation, White Plains, New York

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Luiz Cláudio S Costa Paulo Gonçalves Vanelli CEMIG Distribuição S.A. CEMIG Distribuição

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N

IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N IDC A N A L Y S T C O N N E C T I O N Robert Young Gerente de pesquisas de software para gerenciamento de sistemas empresariais C o m o r e p e n s a r o gerenciamento de ativo s d e T I n a e ra da "Internet

Leia mais

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS

8.1 Planejar o Gerenciamento da Qualidade SAÍDAS Plano de Gerenciamento da Qualidade Descreve como as políticas de qualidade de uma organização serão implementadas. Como a equipe de gerenciamento do projeto planeja cumprir os requisitos de qualidade

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA DE BANCO DE DADOS

PLANO DE CONTINGÊNCIA DE BANCO DE DADOS PLANO DE CONTINGÊNCIA DE BANCO DE DADOS Pedro Henrique Jussani 1, Luiz Fernando Braga Lopes 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil pedrohenriquejussani@hotmail.com, lfbraga@unipar.br

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

Critérios para Cadastro no Gemini da Rede de Distribuição Subterrânea (RDS) - Savassi Belo Horizonte - MG

Critérios para Cadastro no Gemini da Rede de Distribuição Subterrânea (RDS) - Savassi Belo Horizonte - MG 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Critérios para Cadastro no Gemini da Rede de Distribuição Subterrânea (RDS) - Savassi Belo Horizonte - MG Ivan da Costa e Silva Pontes Júnior Ricardo Luiz

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais