Leonardo de Carvalho Soares (UFF) Denise Alvarez (UFF) Marcelo Figueiredo (UFF)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Leonardo de Carvalho Soares (UFF) leodcs@gmail.com Denise Alvarez (UFF) denisealvarez@vm.uff.br Marcelo Figueiredo (UFF) marceloparada@uol.com."

Transcrição

1 GESTÃO DO TRABALHO, SAÚDE E SEGURANÇA NA INDÚSTRIA PETROLÍFERA OFFSHORE DA BACIA DE CAMPOS: PISTAS A PARTIR DA ANÁLISE CRÍTICA DE UM ACIDENTE DE TRABALHO Leonardo de Carvalho Soares (UFF) Denise Alvarez (UFF) Marcelo Figueiredo (UFF) Este artigo apresenta a análise de um acidente de trabalho ocorrido na plataforma Namorado I (PNA-1) da Petrobras, situada na Bacia de Campos (RJ), que resultou na morte de um trabalhador de uma empresa que presta serviços à Petrobras. Ele se insere no âmbito dos resultados de uma pesquisa acerca das condições de trabalho no setor petrolífero offshore da Bacia de Campos. A análise permite vislumbrar uma série de fatores relacionados à gestão do trabalho, que se configuram como possíveis causas subjacentes do referido acidente, e que, em âmbito mais global, acarretam conseqüências importantes sobre a saúde e segurança dos trabalhadores. Destacam-se entre esses fatores o aumento da terceirização e a conseqüente diminuição de qualidade no treinamento, assim como a priorização das metas de produção em detrimento do atendimento de critérios de segurança. As conclusões indicam a necessidade de uma reavaliação da política de gestão e segurança do trabalho e dos processos de terceirização no setor petrolífero offshore da Bacia de Campos. Palavras-chaves: indústria petrolífera offshore; gestão do trabalho e da segurança; acidentes de trabalho; terceirização

2 1. INTRODUÇÃO O acidente de trabalho é um tema de preocupação para trabalhadores, governo e empresas, uma vez que, em escalas e dimensões diferentes, prejudica os três atores aí envolvidos. Essa preocupação nos conduz a um processo de reavaliação da gestão do trabalho, em especial no campo da saúde e da segurança, pois apesar dos possíveis avanços, temos constatado situações graves de precarização do trabalho, mesmo em alguns setores econômicos onde, paradoxalmente, convive-se com um dispositivo técnico altamente sofisticado, como é o caso do setor petrolífero, no qual destacamos as atividades de extração e produção offshore. Esta precarização se deve tanto pela insalubridade e periculosidade das condições ambientais de determinados locais de trabalho, que apresentam riscos variados, quanto pelos aspectos organizacionais, que envolvem fatores mais amplos e complexos, relacionados à falta de equipamentos adequados ou à sua qualidade inferior, treinamento insuficiente, longas jornadas de trabalho, desigualdade exacerbada de direitos e deveres entre indivíduos de um mesmo coletivo de trabalho e que exercem funções similares, etc. É importante não perdermos de vista, tal como já enfatizado por alguns autores (Ferreira e Igutti, 1996; Figueiredo, 2001), as características que marcam o trabalho em plataformas de petróleo offshore: o perigo, a complexidade, o caráter contínuo, a dimensão coletiva, o confinamento e o isolamento. Apesar da sofisticação dos novos métodos de verificação das causas dos acidentes e das ferramentas de gestão em saúde e segurança, ainda hoje, mesmo em diversas empresas do setor petrolífero, nas avaliações de acidentes predomina o erro humano como causa principal de inúmeros acidentes. Comumente, ele é considerado como um procedimento inadequado do trabalhador via de regra um ato inseguro -, ainda que boa parte dos programas implementados atualmente pelas empresas desta área não assumam de maneira explícita essa afirmação em seu discurso oficial. Todavia, sabemos que o erro humano é algo mais complexo, pois abordagens teóricas (Wisner, 1994; Leplat, 1997; Llory, 1999) que priorizam a tentativa de conhecimento do trabalho real vêm demonstrando que os fatores causais podem estar relacionados às próprias características do trabalho, aos disfuncionamentos técnicos, à natureza da tarefa, às lacunas na competência dos funcionários, aos aspectos ligados ao treinamento e a questões organizacionais diversas. As análises que se voltam para a complexidade inerente a tais processos produtivos identificam uma série de fatores relacionados às condições de trabalho e aos aspectos organizacionais (trabalho em turnos, fadiga, jornadas longas, terceirização, precarização, treinamento deficiente, EPIs de baixa qualidade e eficiência, cobrança por metas produtivas não compatíveis com a natureza das tarefas) como elementos que predispõem o trabalhador a não realizar suas atividades com segurança. Em consonância com essa linha de raciocínio, esse artigo apresenta em sua primeira parte alguns resultados do estudo de iniciação científica intitulado Condições de trabalho na indústria petrolífera offshore da bacia de Campos: a primeira peça do dominó para a ocorrência dos acidentes de trabalho, que relacionou as características do trabalho em plataformas de petróleo offshore aos indicadores de acidentes de trabalho relativos aos operadores dessa atividade, cotejando-os com alguns relatos de trabalhadores. 2

3 A segunda parte desse artigo dá continuidade à anterior e apresenta dados coletados sobre um acidente específico ocorrido com um operador em uma plataforma de petróleo offshore da bacia de Campos, visando correlacioná-los com os meios de trabalho, o tipo de contratação, o treinamento do operador e as condições de execução da tarefa no momento em que foi realizada. O objetivo maior foi, a partir de um caso específico, mapear os diferentes fatores contextuais e causais que propiciaram o evento acidente, com destaque para os aspectos gerenciais e organizacionais (Reason, 1993; Patê-Cornell, 1993; Freitas et al., 2001). Pretendeu-se com isso avançar na tentativa de deslocar a construção sempre presente nos programas de saúde e segurança quanto à individualização do risco o ato inseguro para uma visão mais contextualizada, tentando dar conta da complexidade existente no trabalho do setor em questão. O acidente em foco resultou no falecimento de um operador terceirizado que trabalhava na Plataforma Namorado 1 (PNA1) da Petrobras, em março de O operador realizava uma tarefa de limpeza de dutos com a introdução de um instrumento denominado pig. As análises fundamentam-se em material selecionado do acervo que compõe o Projeto Trabalho, Saúde e segurança na indústria petrolífera offshore na bacia de Campos, desenvolvido desde 2002 por nosso núcleo de pesquisa em parceria com o SINDIPETRO-NF. 2. METODOLOGIA Fez-se inicialmente um levantamento exploratório para contextualizar a situação da saúde e segurança do setor no Brasil, nos período de 2000 a 2003, e, mais especificamente, na indústria petrolífera da bacia de Campos, coletando dados do Ministério do Trabalho e Emprego, do INSS e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense (SINDIPETRO-NF). Em seguida dedicou-se maior atenção aos acidentes que ocorrem nas plataformas offshore, no setor de exploração e produção, com a intenção de identificar algumas de suas causas, relacionando-as com as condições de trabalho. Foram tratados também os dados de 191 CATs (Comunicação de Acidente de Trabalho) escolhidas aleatoriamente no universo das CATs catalogadas no SINDIPETRO-NF referentes aos trabalhadores da Petrobras, pois o Sindicato não possui registro de acidentes com trabalhadores terceirizados. Os itens considerados nas CATs foram: tipo de acidente (típico, trajeto ou doença), horário e horas trabalhadas antes do acidente, residência e agente causador. A maioria dos acidentes ocorreu no ano de 2002 e foi classificada como típicos, sendo que em apenas um deles ocorreu morte. A partir daí, à luz da abordagem ergonômica (Daniellou, 2004) e da perspectiva ergológica (Schwartz, 2000), fezse uma análise qualitativa utilizando-se a descrição dos acidentes feita por petroleiros. Os aportes metodológicos utilizados contribuem para uma maior aproximação do trabalho real e, por conseguinte, da defasagem entre as dimensões da prescrição e do efetivamente realizado. Isto se dá em larga medida por intermédio de métodos indiretos, via participação dos trabalhadores nas discussões, ao se valorizar sua experiência acumulada ao longo dos anos, seu saber-fazer, seus atributos associados àquela parcela de conhecimento que emerge no curso da atividade. Desta forma, no projeto de pesquisa mencionado buscou-se operar mobilizando um dispositivo alinhado à proposta das comunidades ampliadas de pesquisa (CAPs) (Athayde et al., 2003) envolvendo, no momento de maior dinamismo, os pesquisadores diretos (pesquisadores e estudantes), o grupo sindical (demandante) e um grupo de trabalhadores diretamente interessados (contatados via direção sindical), além de um pesquisador indireto, que acompanhava a pesquisa sem a participação sistemática na investigação no campo. 3

4 A metodologia adotada para as análises aqui desenvolvidas baseou-se primordialmente na construção de dados referentes à atividade offshore na última década, por intermédio de: matérias e artigos da imprensa geral e especializada; leitura de produções acadêmicas (monografias, dissertações, teses e artigos); consulta a entrevistas (realizadas no período de 2002 a 2008) com prestadores de serviço especializados, advogados, médicos, gerentes, funcionários do SINDPETRO-NF, e profissionais da área de saúde e segurança do trabalho; e grupos de discussão aqui denominados encontros sobre o trabalho (Athayde et al, 2003), realizados na sede do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense SINDIPETRO-NF e registrados em fitas cassetes. Esses encontros sobre o trabalho tiveram a participação de pesquisadores acadêmicos, trabalhadores e ex-trabalhadores offshore, sindicalizados ou não, diretores sindicais das áreas de saúde e segurança e trabalhadores de empresas terceirizadas. É importante, portanto, sublinhar aqui a ênfase atribuída à dialogia, às falas, aos elementos pertinentes ao sentido ou à interpretação que as pessoas envolvidas dão à situação de trabalho. Os encontros sobre o trabalho ocorreram uma vez a cada mês, quase todos no período de outubro de 2002 a dezembro de 2004, na sede do sindicato, em Macaé (RJ), com duração média de 2h e 30min para cada reunião. As reuniões tinham como objetivo principal discutir assuntos referentes à organização do trabalho e suas implicações para a saúde e segurança dos trabalhadores. Cabe acrescentar que o aprofundamento na temática dos acidentes e seus possíveis desdobramentos foram desenvolvidos centrando-se nossa análise no acidente da retirada do pig. As informações sobre este evento foram adquiridas no contato constante com representantes do SINDIPETRO-NF, por meio de relatórios da própria Petrobras e do Sindicato, e por entrevistas. Em maio de 2006, ocorreu uma reunião nas instalações do núcleo de pesquisa com nossa equipe, a assistente social e um dos diretores do Sindicato, este com rigoroso conhecimento dos procedimentos relacionados à operação de pig. Essa reunião dirimiu dúvidas sobre a operação de limpeza dos dutos e sobre a ocorrência do acidente. Foram apresentadas também várias características de trabalho relacionadas ao dia-a-dia dos funcionários efetivos da Petrobras e terceirizados. Em outra oportunidade, em agosto de 2006, realizou-se um encontro sobre o trabalho, na sede do Sindicato em Macaé, com a presença das mesmas pessoas da reunião anterior acrescida apenas da participação de um trabalhador terceirizado da Petrobras. Neste contato foi possível esclarecer algumas dúvidas sobre o acidente, sobre a operação do pig e sobre a importância da PNA-1 na produção brasileira de gás. 3. O TRABALHO REAL CONTRIBUINDO PARA A COMPREENSÃO DOS ACIDENTES 3.1. Gestão da saúde e segurança e condições de trabalho: fatores que contribuem para a ocorrência dos acidentes de trabalho Um dos resultados do primeiro estudo foi a constatação, ao longo da coleta e da análise dos dados, da falta de precisão no registro dos itens das CATs, já que não estão detalhadas as características e causas dos acidentes. Além disso, os dados levantados restringem-se aos trabalhadores da Petrobras, pois não há casos de registros de acidentes com terceirizados. Assim, como o estudo teve por objetivo analisar os acidentes como um todo, sem diferenciação entre terceiros e efetivos, demos maior ênfase à parte qualitativa do levantamento e análise, valendo-nos, sobretudo, dos materiais selecionados de alguns dos encontros sobre o trabalho. 4

5 Os resultados alcançados com o estudo quantitativo nos permitem inferir sobre algumas possíveis causas dos acidentes. A primeira questão notada foi a maior incidência de acidentes típicos e de trajeto com trabalhadores residentes de Macaé e Campos, constatação que contrariou as expectativas dos pesquisadores envolvidos, que imaginavam ser o cansaço das longas viagens de trabalhadores que moram em outros estados a principal causa dos acidentes de trajeto. Um outro ponto observado foi a maior incidência de acidentes de trajeto no horário de 7:00 às 8:00 horas da manhã, que é próximo aos horários de embarque matinal. Por trás desse dado poderia estar uma possível relação entre tais acidentes e a pressa para não perder o vôo de helicóptero para as plataformas. Algo a ser investigado em estudos posteriores. O estudo qualitativo objetivou identificar algumas causas subjacentes dos inúmeros acidentes ocorridos nas plataformas da bacia de Campos, tendo como eixo os relatos dos próprios petroleiros, tanto terceirizados quanto efetivos. Através deste estudo foi possível esboçar uma compreensão acerca de algumas situações vistas no estudo quantitativo, como, por exemplo, a diferença do número de acidentes entre os turnos de trabalho. Selecionamos para estudo e análise trechos que diziam respeito às condições e procedimentos de trabalho, acidentes, jornada, permissão de trabalho, natureza das atividades, treinamento e sofrimento psíquico. Alguns resultados são elencados a seguir. O problema das subnotificações, recorrente no Brasil em muitas atividades econômicas, é também uma realidade na bacia de Campos. Durante a coleta de dados de acidentes percebeuse que o Ministério do Trabalho e Emprego e o INSS não captam todos os casos de acidentes, como observado após a comparação dos dados levantados junto a esses organismos com os do sindicato. Outro aspecto constatado refere-se à política de segurança da Petrobras, que, por vários fatores, não consegue seguir as suas próprias prescrições no dia-a-dia. Esse descompasso está relacionado com a inadequação entre trabalho prescrito e trabalho real, já que, na prática, alguns procedimentos estabelecidos em programas como o SMS (Saúde, Meio Ambiente e Segurança) da Petrobras são comprometidos em detrimento da produção e da produtividade. Uma situação em que se evidencia esta relação é a execução de trabalhos onde a Permissão de Trabalho (PT) é necessária, pois o documento, que deveria ser lido pelo trabalhador antes do cumprimento da tarefa, para que esteja ciente dos riscos existentes naquela situação, muitas vezes não é lido ou é recebido após a execução do serviço. Dois aspectos organizacionais comprometem a aplicação dos procedimentos do programa de segurança da empresa e estão relacionados à organização do trabalho: o sistema de avaliação e premiação de gerentes e das respectivas plataformas (avaliação do gerente e sua equipe, e sua conseqüente bonificação ou não, de acordo com o número de acidentes ocorridos nestas unidades); a subordinação maior dos profissionais de segurança aos Gerentes de Plataforma (GEPLATs) e não mais à base em terra (fato que restringe a autonomia dos técnicos para suspender a operação de determinado equipamento ou exigirem o registro de acidentes). Com relação ao número significativo de acidentes, ainda que muitos sejam subnotificados ou notificados como doença, conclui-se pelos relatos que muitos deles podem ter como causas principais as questões organizacionais e gerenciais. O estudo qualitativo fez emergir uma série de situações que se dão no curso do trabalho real e que podem estar relacionadas com a ocorrência de acidentes, tais como: a jornada exaustiva de 12 horas (que às vezes é ultrapassada, pois alguns períodos de descanso são colocados à disposição da empresa); o desrespeito aos tempos de descanso durante o desembarque (seja com a realização de cursos e 5

6 treinamentos, seja com a convocação para outro embarque sem respeitar integralmente o período de folga); o treinamento ineficiente para trabalhos rotineiros ou de emergência, o que potencializa a chance dos trabalhadores adotarem condutas equivocadas, podendo a situação ser erroneamente classificada como ato inseguro; e o próprio sofrimento psíquico gerado nas condições de trabalho das plataformas (a grande carga de trabalho mental e física e a pressão por produção, dentre outros fatores). A diferença de tratamento, tanto no que tange aos aspectos contratuais como no que tange às condições de trabalho propriamente ditas entre terceiros e efetivos, também pode ser assumida como mais um fator de risco organizacional. Além da defasagem nos locais de descanso para os menos qualificados, os terceiros permanecem um período menor em terra (14 dias) em comparação com os efetivos (21 dias) e recebem um treinamento menos rigoroso. Outro dado relevante nesse contexto é a diferença dos trabalhos realizados por efetivos e terceiros, já que estes últimos fazem o trabalho mais ligado à operação de campo propriamente dita, estando, conseqüentemente, mais expostos aos riscos, enquanto aqueles realizam um trabalho mais ligado à supervisão. A conclusão final do primeiro estudo indica que os acidentes ocorridos na bacia de Campos estão relacionados, primeiramente, à própria natureza das tarefas desempenhadas no setor e às condições de trabalho nas plataformas de exploração de petróleo offshore, por se tratar de um local de trabalho perigoso, complexo, de caráter contínuo, sob confinamento e isolamento, dentre outras características, conforme relatado por Figueiredo (2001). Tais características fazem com que este ambiente se torne causador de extrema adversidade, potencialmente nocivo para a saúde e segurança dos trabalhadores. A outra causa está relacionada à questão gerencial/organizacional que, no caso da Petrobras, evidencia-se como um descompasso entre uma efetiva cultura de segurança e o estabelecimento de metas que privilegiam os indicadores de produtividade, como as premiações na ausência de acidentes, as premiações nas avaliações de desempenho, a falta de uma avaliação criteriosa do treinamento nas empresas terceiras, assim como outros aspectos. Estes precisariam ser revistos para que não sejam tomadas medidas inadequadas por parte de gerentes e supervisores como a subnotificação ou pressão pela liberação de trabalhos perigosos sem as devidas permissões de trabalho (PTs) Ajustando o foco: aspectos do procedimento técnico no acidente fatal em PNA1 A Plataforma PNA-1 (Namorado 1) é a principal Central de gás do país. Sua produção diária de gás é, em média, de nove milhões de metros cúbicos, o que equivale, aproximadamente, a 20% da produção nacional. É conectada por dezessete dutos, que a interligam a diversas outras unidades. A PNA-1 possui cerca de duzentos trabalhadores e a proporção de trabalhadores terceirizados para efetivos na plataforma é de aproximadamente três para um. A partir desta unidade o gás produzido escoa para Cabiúnas (já em terra), por meio da plataforma Barra do Furado ( Namoradão ), que o envia às refinarias A operação do pig A utilização de dutos é o meio mais prático e econômico para o transporte de grande quantidade de fluídos, por dispensar a utilização de veículos, como navios ou caminhões. Esta é, portanto, a maneira mais usual para a movimentação de toda sorte de produtos líquidos ou de gases na indústria mundial, e em particular na petrolífera. No caso da indústria offshore, oleodutos e gasodutos são utilizados para transportar petróleo, gás e seus derivados das 6

7 plataformas para refinarias e centros de distribuição. Ao longo do tempo, essas tubulações vão sofrendo diversos tipos de avarias, como corrosão, deformações, acúmulo de resíduos etc. Por isso, precisam ser inspecionadas periodicamente para evitar que estes fatores comprometam o fluxo dos produtos, ou até mesmo venham a causar acidentes, que poderiam ter sérias conseqüências para a operação e para o meio ambiente, uma vez que pelas tubulações são transportados produtos altamente tóxicos. É importante frisar que os gases que transitam pelas plataformas são ricos em vapores de água e hidrocarbonetos pesados e esses elementos combinados com a alta pressão existente nos dutos das plataformas podem ocasionar a formação de resíduos (geralmente hidratos) que se acomodam ao longo dos dutos, sendo necessário limpá-los constantemente. Essa limpeza seria realizada com a periodicidade de cinco em cinco anos, de acordo com a norma 2634 da Petrobras, sobre operações de passagem de pig em dutos. No caso da PNA-1 esta operação nunca tinha sido realizada desde que a plataforma foi ativada, onze anos antes do acidente. O procedimento consiste na introdução, no canhão da plataforma, de uma ferramenta chamada pig, que tem como função informar o estado do duto quanto ao acúmulo de resíduos, corrosão ou fissuras, ou ainda limpá-lo, dependendo da necessidade e do tipo de aparelho. Estando a ferramenta no interior do canhão utiliza-se um processo de alta pressão para conduzi-la pelos dutos até que atinja a outra plataforma. Pelo fato de lidar com pressões altíssimas o processo deve ser realizado com muito cuidado, para que não ocorra nenhum acidente. O tempo de passagem do pig de um terminal a outro pode variar em função de algumas variáveis, tais como o tamanho do duto, a velocidade do fluxo e o tipo de serviço realizado. Esta manobra de introdução do pig é complexa e de risco, e considerada pela Petrobras como uma tarefa crítica, nível 1 de alerta de segurança, pois se trabalha com os dutos abertos. O controle periódico da pressão interna dos dutos verifica a necessidade da realização do procedimento de lançamento de pig: se a pressão possuir uma variação positiva é provável que haja impurezas nos dutos. Nesses casos é empregado o pig que pode ser, basicamente, de três tipos: Pig instrumentado usado para reconhecer os possíveis motivos do incremento da pressão interna dos dutos, utilizando eletromagnetismo ou outras tecnologias para identificar danos à tubulação, tanto internos quanto externos; Pig espuma realiza a limpeza nos dutos que transportam gás; Pig bidirecional realiza limpeza nos dutos de óleo. A seguir descrevem-se sucintamente alguns passos da seqüência dos procedimentos técnicos da operação de pig espuma com o respectivo gráfico ilustrativo. Procedimentos na plataforma lançadora: Contatar a plataforma de destino, e se tudo já estiver preparado para o recebimento, seguir os seguintes passos: a) Selecionar e conferir calibração do pig; b) Abrir alívio para flare (a chama que fica acesa em torres de refinaria, poços, etc. para queimar os gases que não podem ser aproveitados) até a pressão do canhão zerar pelo pi (indicador de pressão) através do by-pass da PSV (válvula de alívio para a atmosfera); 7

8 c) Fechar alívio para flare e abrir para atmosfera confirmando despressurização total do canhão; d) Abrir tampa do canhão e introduzir o pig a jusante da tomada da linha de carregamento; e) Fechar tampa do canhão e válvula de alívio para atmosfera; f) Pressurizar canhão pela válvula de carregamento até abertura total; g) Abrir válvula principal do canhão totalmente; h) Fechar válvula do sistema totalmente observando a passagem do pig por meio do indicador mecânico no canhão e o eletrônico na linha. Avisar a plataforma de destino o número do pig e hora lançada. Após confirmar passagem do pig, desfazer alinhamento, seguindo os seguintes passos: a) Abrir totalmente válvula do sistema; b) Fechar totalmente válvula principal do canhão; c) Fechar totalmente válvula de carregamento; d) Despressurizar canhão para flare pelo by-pass da psv até pressão; e) Zerar totalmente e fechar alívio. Procedimento na plataforma receptora: Após ser contatada pela plataforma de origem, esta vai tomar suas providências e a plataforma receptora irá realizar seu alinhamento, seguindo os seguintes passos: a) Checar (confirmar) se as válvulas de alívio para flare e atmosfera estão fechadas; b) Iniciar pressurização do canhão pela válvula de carregamento até abri-la totalmente; c) Abrir válvula principal do canhão totalmente; d) Fechar válvula para o sistema totalmente; e) Avisar a plataforma de origem de que o alinhamento já está concluído e aguardar a chegada do pig. Ao confirmar a chegada do pig pelos indicadores mecânico e eletrônico, deve-se avisar a plataforma de origem e voltar ao alinhamento normal, seguindo os seguintes passos: a) Abrir totalmente a válvula para o sistema; b) Fechar totalmente a válvula principal do canhão; c) Fechar totalmente a válvula de carregamento; d) Abrir válvula de alívio para o flare até zerar toda a pressão; e) Fechar alívio para flare e abrir alívio para atmosfera confirmando a despressurização; f) Abrir tampa (boca de visita) do canhão e retirar o pig; g) Fechar tampa do canhão e válvula de alívio para atmosfera; h) Avisar à plataforma de origem estado de chegada do pig e quantidade estimada do volume de condensado recebido. 8

9 PSV ALÍVIO P/ FLARE SISTEMA ALÍVIO PARA ATMOSFERA PI VÁLVULA PRINCIPAL DO CANHÃO VÁLVULA DE / PARA SISTEMA LANÇADOR / RECEBEDOR GASODUTO VÁLVULA DE CARREGAMENTO Figura 1: Dispositivos da Operação Fonte: Apostila sobre a PNA-1 9

10 Figura 2: Instalação do canhão nos dutos Figura 3: Abastecimento do canhão

11 3.2.2 O Acidente Fonte: Sindipetro-NF O acidente fatal ocorreu na manhã do dia 6 de março de 2005 com um operador terceirizado, de aproximadamente 22 anos, na plataforma PNA-1. O operador acidentado fazia parte da equipe que realizava a limpeza dos dutos entre as plataformas PNA-1 e PCE-1, por meio da operação de pig. Este trabalhador exercia originalmente a função de operador, porém, no momento do acidente, desempenhava a função de encarregado de caldeiraria (espécie de líder de operações desta natureza). Seu conhecimento ainda não lhe permitia o desempenho dessa função, já que essa era a segunda vez que participava deste tipo de operação. No momento do acidente, seis empregados trabalhavam na abertura do canhão. O grupo era composto de dois operadores, um técnico de segurança da Petrobras, um ajudante de caldeiraria, um caldeireiro e o operador acidentado. Os três trabalhadores da equipe de caldeiraria utilizavam talha catraca e cinta marreta de bronze como ferramentas de auxilio na operação, caso houvesse necessidade de esforço adicional na abertura da tampa. Durante o processo de preparação para a introdução do pig, os operadores da plataforma PNA-1 se posicionaram ao redor da tampa que se abriria para a inclusão do pig no canhão. O operador acidentado se localizava no raio de abertura da tampa do canhão, e foi alertado por seu supervisor sobre a sua posição de risco, porém como já havia realizado, dois dias antes, uma preparação para a operação do pig, e não havia ocorrido nenhum incidente, ignorou a advertência de seu supervisor, provavelmente acreditando que novamente a manobra seria bem sucedida. Por lidarem com altas pressões os manômetros utilizados nas plataformas da Petrobras somente registram pressões iniciais maiores que 2 kgf/cm 2 e variam de 0 a 160 kgf/cm 2. A inspeção visual do manômetro não detectou a existência de gás residual no duto, entretanto estima-se que nele havia uma pressão interna entre 0,13 Kgf/cm 2 e 1,5 Kgf/cm 2. Segundo cálculos posteriores, o mais provável é que houvesse cerca de 0,35 Kgf/cm 2 de gás residual no duto, pressão esta que ao ser exercida na tampa do canhão ocasionaria uma força de 575 kgf, o suficiente para causar sua abertura, visto que a tampa possuía uma área de 1642 cm 2, um diâmetro de 18 polegadas e um peso de 206 kgf. Para se ter uma idéia, esta pressão estimada de gás residual no duto é menor que a metade da pressão necessária para se encher uma bola de futebol. Às 11h10min quando a equipe tentava abrir a tampa do canhão, essa se deslocou abruptamente, devido ao gás residual, atingindo o operador de modo fatal, diretamente em seu tórax, acarretando o rompimento do fígado. O funcionário foi lançado a uma distância de 2 metros, chocando-se com outro duto lançador de pig. Como conseqüência sofreu uma parada cardio-respiratória, e três minutos depois do impacto a equipe médica já estava no local realizando os procedimentos de reanimação. Às 11h20min encontrava-se na enfermaria recebendo os devidos tratamentos médicos. Às 12h25min o acidentado sofreu novamente uma parada cardio-respiratória. Às 13h15min o operador acidentado veio a falecer com traumatismo generalizado e hemorragia interna, antes mesmo do resgate chegar à plataforma. 4. CONTEXTUALIZANDO O ACIDENTE: PISTAS PARA REFLEXÃO Após a análise dos dados coletados sobre o acidente foi possível fazer uma correlação entre o acidente em si e os fatores contextuais que podem ser considerados como elementos importantes para a identificação de possíveis causas subjacentes. Nesta seção analisamos cada fator separadamente procurando correlacioná-los com a ocorrência do acidente.

12 4.1. Repercussões sobre a Terceirização Esta questão tem se revelado uma característica de forte tendência na atividade offshore no Brasil. Estima-se que hoje a Petrobras conte com aproximadamente 190 mil trabalhadores terceirizados em suas atividades, contra cerca de 50 mil efetivos (Folha de São Paulo, 07/02/2008), número considerado muito alto por diversos sindicalistas. Algumas das justificativas geralmente apontadas para este elevado número de terceirizados são: O acelerado ritmo de crescimento da companhia nos últimos anos devido à meta nacional de auto-suficiência em petróleo; A política de redução de pessoal no setor público que o Governo Federal adotou por cerca de 10 anos, só havendo uma efetiva retomada dos concursos públicos durante o governo Lula; O elevado tempo de treinamento de trabalhadores concursados, uma vez que estes passam por um período de no mínimo dois anos de treinamento para atuar em atividades como operação em plataformas, ao contrário dos terceirizados. A falta de uma fiscalização efetiva das empresas terceirizadas, aliada à forma de licitação utilizada pela Petrobras (que não raramente prioriza a proposta de menor preço em detrimento da proposta de melhor serviço) atrai um tipo de empresa que, na verdade, não está efetivamente preparada para fornecer a prestação com qualidade acompanhando o preço proposto. Em alguns casos pode-se afirmar que existem no mercado empresas que reduzem em demasia os custos do trabalho (Guimarães, 2004) para vencerem as licitações aproveitando-se do volume de capital movimentado pela indústria petrolífera. Em situações extremas, as chamadas coopergatos (Figueiredo, Alvarez et al., 2007), chegam a utilizar mãode-obra de baixa especialização e mal remunerada, sem fornecer os treinamentos necessários. Numa tentativa de reversão desse processo, a política da Petrobras, desde o ano de 2006, incluiu dar maior atenção à questão dos recursos humanos e a empresa realizou novos concursos públicos para aumentar seu quadro de trabalhadores efetivos. Uma de suas principais metas é rever cuidadosamente os esquemas de terceirização na maior parte das atividades de operação e manutenção. Pode-se dizer que uma das tendências em curso seria manter determinadas atividades a cargo apenas dos empregados próprios, acreditando-se que assim seria possível exercer um gerenciamento mais eficaz dos riscos nas unidades, tendo como um dos seus alicerces o maior engajamento daqueles (efetivos) atuando mais diretamente na execução das tarefas. Além disso, a empresa busca realizar contratos de duração mais longa e com cláusulas que se contraponham à precarização do trabalho, para coibir a ação das coopergatos e diminuir assim os índices de acidentes e o custo das ações trabalhistas (Martins, 2005). O acidente estudado nos ajuda a avançar em relação às seguintes indagações: em que medida não seria indispensável à empresa pautar-se por critérios mais rigorosos de terceirização, inclusive revendo algumas situações vigentes, e assumindo que, em certos casos, o mais indicado seria mesmo primeirizar algumas dessas funções? Não estaria assim dando um passo importante na direção de uma gestão mais efetiva no que tange aos aspectos de saúde e segurança, sem deixar flancos para a emergência daquilo que alguns especialistas chamam de gerenciamento artificial de riscos (Freitas et al., 2000)? O operador terceirizado possuía pouca experiência profissional em operações de pig e mesmo assim exercia, na hora do acidente, a função de encarregado de caldeiraria. De acordo com especialistas neste tipo de procedimento, um operador somente está apto a exercer esta função depois de dois a três anos 12

13 de experiência na operação (dependendo das habilidades do empregado este tempo pode ser superior). 4.2 Repercussões sobre o treinamento O processo admissional da maior empresa atuante na região, a Petrobras, prevê a realização de diferentes cursos e com durações especificas que variam para cada função. Alguns dos objetivos dessa preparação pós-concurso são: nivelar conhecimentos anteriormente adquiridos, formar profissionais na atividade fim da empresa, difundir a cultura empresarial e transmitir procedimentos. Somente após essa formação os funcionários assumem os postos para os quais foram designados. Além disso, os operadores recém chegados assumem o cargo como uma espécie de aprendiz, supervisionados por um operador mais experiente. Assim, os mais novos estão sempre acompanhados dos mais velhos. É dessa forma que a experiência e o conhecimento empírico, ou conhecimento tácito, são transferidos. Os operadores aprendem a forma mais prática de realizar o trabalho e também a forma como a prática revela-se mais segura, seguindo procedimentos, mas não necessariamente atendo-se só a eles. Esse acompanhamento pode durar cerca de cinco anos, tempo após o qual o operador pode ser considerado de alta qualificação para sua tarefa. A operação analisada a colocação de pig é um procedimento de alto risco, que envolve altíssimas pressões. Por esse motivo é de praxe na empresa que ela deva ser realizada diretamente ou supervisionada por trabalhadores efetivos, pelo fato destes terem sido submetidos a um rigoroso processo de aprendizagem e formação como descrevemos anteriormente. Caso operadores terceirizados venham a realizar a tarefa, a empresa sugere que estejam sob a supervisão dos efetivos, considerados mais experientes. Por outro lado, não é raro que as empresas terceirizadas enviem o operador sem muito conhecimento da tarefa a ser realizada e sem os devidos treinamentos obrigatórios de segurança. Diferentemente dos operadores efetivos, que recebem formação on the job, que pode se estender por até cinco anos, o operador terceirizado entra nessa função com um treinamento superficial, realizado normalmente em curtos períodos que antecedem ao embarque. Muito freqüentemente, já no quarto embarque é promovido a encarregado. Dessa forma, fica claro que a preparação de um terceiro não possui o mesmo rigor que a de um efetivo para realizar tarefas com o mesmo grau de complexidade e risco. No acidente estudado, no momento do evento, o trabalhador exercia a função de encarregado, apesar de seu cargo ser de operador, e de sua única experiência neste tipo de operação haver ocorrido apenas alguns dias antes, quando então atuava em sua função original, supervisionado por um encarregado. Seu conhecimento, portanto, ainda não o credenciava, numa avaliação mais criteriosa, para um desempenho satisfatório em tal função, principalmente sem o acompanhamento de um encarregado experiente. 4.3 Repercussões sobre os turnos de trabalho As atividades diárias de uma plataforma são geralmente de alto risco, sendo que algumas delas, por serem ainda mais arriscadas, são executadas em horários específicos para que se preserve a saúde e segurança dos embarcados. Por exemplo, as atividades que implicam na possibilidade de vazamentos de resíduos de gazes combustíveis no ar devem ser exercidas durante os períodos de almoço e descanso dos operadores, pois nesse intervalo de tempo há menor ocorrência de procedimentos e operações que produzem fagulhas ou faíscas, podendo ocasionar explosões na plataforma. 13

14 As manobras noturnas são geralmente as de manutenção básica para manter a plataforma habitável como, por exemplo, os reparos da estrutura elétrica, consertos dos seus equipamentos básicos e serviços de hotelaria. Há então uma relação entre natureza das tarefas e sua possível periculosidade, e escolha de turno previsto para sua realização. No caso da operação do pig, os operadores concordam que, assim como outros serviços que interrompam a produção, esse procedimento também deve ocorrer durante o intervalo de almoço (entre 11h e 13h), momento em que existe menor circulação de cargas e pessoas no convés. A operação que resultou no acidente estudado respeitava este horário de menor movimentação e foi realizada por volta das 11h. Embora o acidente só tenha feito um operador como vítima, é importante enfatizar que o procedimento de introdução do pig pode ser avaliado como de elevado grau de risco, pois se trabalha com altas pressões nos dutos das plataformas, podendo ocasionar grandes explosões. Portanto, verifica-se a necessidade de executar este tipo de atividade assiduamente nestes horários pré-determinados, visando à integridade física do coletivo. Conclui-se então que a operação foi realizada dentro do horário considerado menos arriscado para a repercussão de possíveis acidentes Repercussões sobre os projetos de equipamentos, normas, regulamentos e procedimentos Os procedimentos da operação do pig são arriscados e sofisticados e requerem, além de capacitação por parte dos funcionários, uma disposição adequada dos instrumentos. No tipo de tubulação em questão, por onde passam gases em alta pressão, é norma da Petrobras a existência de um monômetro que só registra pressões a partir de 2 Kgf/cm 2, impossibilitando a percepção de gases residuais abaixo desta pressão, que como já explicado anteriormente, é mais do que suficiente para causar um grave acidente. Além disso, o canhão em que trabalhavam não possuía uma válvula de alívio para a atmosfera, a qual poderia trazer mais segurança à operação ao igualar a pressão interna do duto à pressão atmosférica. Outro fator que pode contribuir para a ocorrência de acidentes deste tipo é o uso de equipamentos de auxilio para abertura da tampa como talha catraca, cinta e marreta de bronze, o que se torna necessário devido ao fato da tampa ser muito pesada e não possuir dispositivos eletrônicos para a sua abertura automática. O risco se apresenta por esta ação requerer que os operadores se posicionem muito próximos ao raio de abertura da tampa, expondo-os a aberturas repentinas ou projeção de fluidos residuais. Após o acidente, houve um inquérito para avaliar os motivos que levaram ao falecimento do funcionário. Descobriu-se falha no procedimento, o qual não informava a necessidade de abrir a válvula atmosférica para confirmar que a pressão interna era realmente zero, assim como a inexistência desta na tubulação em questão. Procedeu-se então à instalação da válvula e à alteração do procedimento padrão, incluindo a ação citada e recomendando mais atenção dos operadores quanto ao posicionamento durante a abertura da tampa. Outra medida implantada é a utilização de um segundo manômetro, para medir pressões inferiores a 2 kgf/cm REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ATHAYDE, M., BRITO, J., NEVES, M. (Orgs.). Caderno de textos: programa de formação em saúde, gênero e trabalho nas escolas. João Pessoa: Editora Universitária/UFPB, DANIELLOU, F. (Org.). A ergonomia em busca de seus princípios. São Paulo: Edgard Blücher, p. 1-13, 2004 FERREIRA, L.L.; IGUTI, A.M. O Trabalho dos Petroleiros: perigoso, complexo, contínuo e coletivo. 1.ed. São Paulo:Scritta,

15 FIGUEIREDO, M. O trabalho de mergulho profundo em instalações petrolíferas offshore na Bacia de Campos: a guerra de Highlander contra Leviatã. Tese de Doutorado, COPPE / UFRJ, Rio de Janeiro,RJ, Brasil, FIGUEIREDO, M.; ALVAREZ, D. Reestruturação produtiva, terceirização e relações de trabalho na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos (RJ). In: Gestão & Produção, São Carlos, SP, v. 14, n.1, p , jan.-abr FOLHA DE SÃO PAULO. Sítio Corporativo. Contratações disparam na Petrobras. Folha de São Paulo, São Paulo, 07 de fevereiro de Caderno Dinheiro. Disponível em <http://www1.folha.uol.com.br/fsp/dinheiro>. Acesso em 03/04/2006, 2008 FREITAS, C., PORTO, M., MACHADO, J. Acidentes industriais ampliados desafios e perspectivas para o controle e a prevenção. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2000 FREITAS, C.; SOUZA, C.; MACHADO, J. et al. Acidentes de trabalho em plataformas de petróleo da Bacia de Campos. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.17, n.1, p , GUIMARÃES, N. Caminhos cruzados: estratégias de empresas e trajetórias de trabalhadores. São Paulo: editora 34, LEPLAT, J. Regards sur l activité en situation de travail Contribuition à la psychologie ergonomique. Paris: PUF, LLORY, M. Acidentes industriais O custo do silêncio. Rio de Janeiro: MultiMais Editorial, 1999 MARQUES, B. Condições de trabalho na indústria petrolífera offshore da Bacia de Campos: a primeira pedra do dominó para a ocorrência dos acidentes de trabalho. Relatório Final PIBIC, UFF, Niterói, RJ, Brasil, MARTINS, L. Diagnóstico da terceirização e sua relação com as áreas de saúde, meio ambiente e segurança na indústria petrolífera offshore na Bacia de Campos. Dissertação (Mestrado) - Escola de Engenharia, Universidade Federal Fluminense, Niterói., O GLOBO ONLINE. Sitio corporativo. Petrobras deve fechar o ano com 7 mil contratações. O Globo, Rio de Janeiro 09 set Caderno de Economia. Disponível em <https://www.oglobo.com.br>. Acesso em: 15 set. 2006, PATÉ-CORNELL, M. Learning from the Piper Alpha Accident: a postmortem analysis of technical and organizational factors, Risk Analysis, vol. 13, n 2, pp PROTEÇÃO. Longe de casa há mais de uma semana. In: Revista Proteção. Especial trabalho em plataformas (Maio), pp 34-52, REASON, J. L erreur humaine. Paris: PUF, SCHWARTZ, Y. Le paradigme ergologique ou um métier de philosophe. Toulouse: Octarès Éditions, SINDIPETRO. Sitio corporativo. Disponível em: <www.sindipetronf.org.br>. Acesso em: 06/12/2005, SOUZA, C.; FREITAS, C. M. Perfil dos acidentes de trabalho em refinaria de petróleo. In: Revista de Saúde Pública, v. 36, n. 5 São Paulo, SP, oct., 2002 WISNER, A. A inteligência no trabalho: textos selecionados de ergonomia. São Paulo: Fundacentro,

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005

XXV Encontro Nac. de Eng. de Produção Porto Alegre, RS, Brasil, 29 out a 01 de nov de 2005 Primeirização, Contratão e SA 8000: Alternativas ao Processo de Intensificação da Terceirização no Setor de Exploração e Produção Offshore na Bacia de Campos Marcelo Gonçalves Figueiredo, D.Sc. (UFF) marceloparada@uol.com.br

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras 51 4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras Neste capítulo serão apresentados os acidentes que ocorreram recentemente nos dutos da Petrobras e abalaram a imagem da empresa, o cenário nacional no momento

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

Jáder Bezerra Xavier (1) Pedro Paulo Leite Alvarez (2) Alex Murteira Célem (3)

Jáder Bezerra Xavier (1) Pedro Paulo Leite Alvarez (2) Alex Murteira Célem (3) DISPOSITIVO QUE PERMITE SOLDAGEM EM TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS CONTAMINADAS COM FLUIDOS INFLAMÁVEIS, SEM O PROCESSO DE INERTIZAÇÃO CONVENCIONAL INERT INFLA Pedro Paulo Leite Alvarez (2) Alex Murteira Célem

Leia mais

Norma Regulamentadora Nº 13

Norma Regulamentadora Nº 13 Sede Nacional Sede Nacional - SP 1 Norma Regulamentadora Nº 13 Impactos da Nova Redação 1 Mixing Consultoria em Processos Industriais ANTÓNIO CARLOS BASSO DA CUNHA LEAL Consultor Técnico da ABIMAQ na CNTT

Leia mais

XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de 2003

XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasil, 21 a 24 de out de 2003 Um diagnóstico da organização do trabalho nas plataformas petrolíferas da Bacia de Campos e a influência dos investimentos em meio ambiente, saúde e segurança. Luciana Xavier Maia (UFF) maialuciana@hotmail.com

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NUMA INDÚSTRIA DO SETOR OFFSHORE: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA E SEUS LIMITANTES

A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NUMA INDÚSTRIA DO SETOR OFFSHORE: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA E SEUS LIMITANTES ISSN 1984-9354 A ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO NUMA INDÚSTRIA DO SETOR OFFSHORE: UMA REFLEXÃO SOBRE A PRÁTICA E SEUS LIMITANTES Michele Pereira Figueiredo (UFRJ) Francisco José de Castro Moura Duarte,

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda

International Paper do Brasil Ltda International Paper do Brasil Ltda Autor do Doc.: Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Tipo do Documento: SubTipo: Equipamentos de Transporte

Leia mais

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VISÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO 2014 PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS EMPRESA Presente no mercado desde 1999, a PETROENGE é uma empresa de engenharia focada na maximização

Leia mais

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS

GESMS. Gerência de Engenharia, Saúde, Meio Ambiente e Segurança. Prevencionista da SMS EM OBRAS Análise Prevencionista da Tarefa - APT SMS EM OBRAS INTRODUÇÃO Nos slides a seguir, estamos divulgando a APT que é uma ferramenta que complementa a AST, analisando o passo a passo e pontos de atenção das

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO

ACIDENTES DE TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITOS Acidente de trabalho é uma ocorrência imprevista e indesejável, instantânea ou não, relacionada com o exercício do trabalho, que provoca lesão pessoal ou de que decorre

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas ANEXO IV Referente ao Edital de Pregão nº. 010/2015 Especificações Técnicas 1. OBJETIVO 1.1. A presente licitação tem como objeto a prestação de serviços para realização de cursos para os colaboradores

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS.

TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. TREINAMENTO, QUALIFICAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE PESSOAL EM ENSAIOS NÃO-DESTRUTIVOS. Paulo César Francisco Henriques Consultor - Rua Tirol 690 / 206 - Jacarepaguá - Rio de Janeiro RJ 22.750-007 pcfhenriques@ig.com.br

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

Histórico da PLR da Petrobrás 2007 a 2012. Efeitos do Novo Regramento da PLR

Histórico da PLR da Petrobrás 2007 a 2012. Efeitos do Novo Regramento da PLR Histórico da PLR da Petrobrás 2007 a 2012 Efeitos do Novo Regramento da PLR Antes da aplicação do Regramento da PLR na Petrobrás Lucro Líquido Sistema - Petrobrás 2007-2012 em R$ milhões 40.000 35.000

Leia mais

Manual de Instruções TORVEL. Unidade de Potência Hidráulica S10014L3-45. Manual Técnico. Unidade de Potência Hidráulica S10014L3-45

Manual de Instruções TORVEL. Unidade de Potência Hidráulica S10014L3-45. Manual Técnico. Unidade de Potência Hidráulica S10014L3-45 Manual Técnico 1 Índice 1. Precauções de segurança...3 2. Diagrama hidropneumático...4 3. Principais componentes e suas funções...5 4. Características técnicas...6 e 7 5. Instalação...8 e 9 6. Componentes

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar:

O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? Objetivos da APR Entre os principais objetivos da análise preliminar de risco, podemos destacar: O que é APR (Análise Preliminar de Risco)? A expressão APR significa Análise Preliminar de Risco é muito utilizada no dia-a-dia dos profissionais da área de segurança e saúde do trabalho. APR é uma técnica

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

Normas para caldeiras

Normas para caldeiras Normas para caldeiras Normas de projeto e fabricação: No Brasil a norma mais adotada é o código ASME seção I da American Society of Mechanical Engineers ABNT: NB 227 Código para projeto e construção de

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE

DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE DESAFIOS DO SKYPE NA COLETA DE DADOS NA PESQUISA EM EDUCAÇÃO ONLINE Mayara Teles Viveiros de Lira (UFAL) Maria Helena de Melo Aragão (UFAL) Luis Paulo Leopoldo Mercado (UFAL) Resumo Este estudo analisa

Leia mais

Esta orientação de inspeção se refere à inspeção em Silos de Cimento, destinados ao transporte de cimento a granel.

Esta orientação de inspeção se refere à inspeção em Silos de Cimento, destinados ao transporte de cimento a granel. Folha 1 de 20 1. Objetiv o Esta orientação de inspeção se refere à inspeção em Silos de Cimento, destinados ao transporte de cimento a 2. Campo de aplicação Esta orientação deverá ser utilizada por todos

Leia mais

Tecnologia do Vácuo 1. INTRODUÇÃO

Tecnologia do Vácuo 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A automação dos processos industriais de produção vem crescendo dia após dia e, com ela, a necessidade do emprego de novas tecnologias cujo objetivo, na maior parte das vezes, busca substituir

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás

Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás cartilha ppd final imagem 2/24/06 6:12 PM Page 1 Antes de abrir uma vala, consulte a Comgás 08000 110 197 cadastroderede@comgas.com.br Companhia de Gás de São Paulo Rua das Olimpíadas, 205-10º andar (recepção)

Leia mais

Sistema de Proteção contra Sobrepressão

Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão Sistema de Proteção contra Sobrepressão HIPPS O QUE É UM SISTEMA HIPPS? HIPPS é uma sigla para High Integrity Pressure Protection System (Sistema de Proteção contra

Leia mais

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão

NR - 13 Caldeiras e Vasos de Pressão 1. Introdução 2. Tipos a. Aquotubular b. Flamotubular c. Mistas 3. Partes internas a. Economizadores b. Paredes dágua c. Superaquecedores d. Feixes tubulares e. Válvulas 4. Partes Externas a. Desaeradores

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO 1 AVALIAÇÃO DA MATURIDADE DE UM SISTEMA DE GESTÃO: PROPOSTA DE UM INSTRUMENTO Giovanni Moraes de Araújo Mestre em Sistema de Gestão pela UFF giomor@terra.com.br RESUMO Este trabalho tem por objetivo destacar

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DE UM POSTO REVENDEDOR DE COMBUSTÍVEIS (PRC) NA CIDADE DE NATAL/RN Cleciana Raylle Lopes Ferreira¹ ; Dayanne Costa da Silva²; Estefhany Marreiros de Lima³; Robson Garcia da Silva

Leia mais

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção

Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção Purgador de Bóia FTA - 550 Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax Sarco

Leia mais

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso.

A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A seguir parte do material didático que é distribuído aos participantes do curso. A próxima turma do curso VÁLVULAS INDUSTRIAIS está programada para o período de 16 a 19 de setembro de 2013, no Rio de

Leia mais

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza

Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Cadeia logística segura aplicada a portos e petróleo (mobilidade e rastreabilidade) Prof. Dr. Paulo Roberto Schroeder de Souza Petrobras fará verdadeira revolução na Logística da Indústria do Petróleo

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Sidney de Oliveira Salinas (Petrobras) Nildemar Corrêa Ruella (Petrobras)

Sidney de Oliveira Salinas (Petrobras) Nildemar Corrêa Ruella (Petrobras) ISSN 1984-9354 CURSO DE SEGURANÇA DE PROCESSO COM FOCO EM ANÁLISE DE RISCOS E DISCIPLINA OPERACIONAL EM INTERVENÇÕES COMO FERRAMENTA DE CRIAÇÃO E REFORÇO DE SMS COMO VALOR Sidney de Oliveira Salinas (Petrobras)

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA - NR 35 Trabalho em Altura 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura, envolvendo o

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz

Atlas Copco. Secadores de ar comprimido por refrigeração. FX1-16 60 Hz Atlas Copco Secadores de ar comprimido por refrigeração FX1-16 60 Hz Capacidade total, responsabilidade total A Atlas Copco fornece ar comprimido de qualidade para garantir uma excelente produtividade.

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas

Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas Prevenção e resposta a acidentes ambientais e suas repercussões jurídicas JURIDICO JURIDICO DE SERVIÇOS COORDENADORIA DE DIREITO AMBIENTAL Consultora 31/05/2012 Prevenção X Resposta na esfera jurídica

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES)

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SISTEMA DE DETECÇÃO DE VAZAMENTO EM DUTOS. SUMÁRIO Introdução...4 1. Qual é a distância entre os sensores?...5 2. O RLDS/I-RLDS

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL REGULAMENTO TÉCNICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA OPERACIONAL DAS INSTALAÇÕES MARÍTIMAS DE PERFURAÇÃO E PRODUÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL ÍNDICE CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1 OBJETIVO...

Leia mais

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO 1 Definição ANEXO I (Incluído pela Portaria SIT n.º 15, de 03 de julho de 2007) ANEXO IV PLATAFORMAS DE TRABALHO AÉREO (Alterado

Leia mais

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS

GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS GASES PERIGOSOS NOS ESPAÇOS CONFINADOS Nos diversos ambientes, muitos deles existentes no subsolo, como galerias, esgotos, os porões nas edificações, tanques etc., pela natureza de seus projetos e finalidades,

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO

MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO MÓDULO 4 4.8.2 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE POLIETILENO PARAGASES E AR COMPRIMIDO Normas Aplicáveis - NBR 14.462 Sistemas para Distribuição de Gás Combustível para Redes Enterradas

Leia mais

Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física (guia para o professor)

Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica no ensino de Física (guia para o professor) UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO Instituto de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Mestrado Profissional em Ensino de Física Brincar e aprender: o jogo como ferramenta pedagógica

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO CENTRAL DE COMPRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA DE ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO CENTRAL DE COMPRAS Processo Administrativo nº 14/10/02.867 Interessado: Secretaria Municipal de Administração Assunto: Pregão Presencial nº 256/2014 Objeto: Contratação de empresa para a prestação de serviços através de

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Identificar os riscos envolvidos em cada passo da tarefa, estabelecer salvaguardas que garantam a eliminação ou controle dos riscos identificados. Essa ferramenta deve ser utilizada

Leia mais

GESTÃO E USO DE SI NA ATIVIDADE DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO RIO DE JANEIRO

GESTÃO E USO DE SI NA ATIVIDADE DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO RIO DE JANEIRO GESTÃO E USO DE SI NA ATIVIDADE DE PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO RIO DE JANEIRO Hélder Pordeus Muniz Os serviços de saúde pública no Brasil têm sido criticados duramente tanto

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 Alterações/Atualizações D.O.U. Portaria MTE n.º 593, de 28 de abril

Leia mais

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL

RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências Sociais Aplicadas Departamento de Ciências Administrativas Programa de Pós-Graduação em Administração RELATÓRIO EXECUTIVO MESTRADO PROFISSIONAL Programas

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade

PROCEDIMENTO PARA VIAGENS E TREINAMENTO Data - 24/04/2015. Procedimento do Sistema Gestão da Qualidade FL. 01 / 08 1 OBJETIVO Este documento tem como objetivo estabelecer critérios para a emissão de bilhete de passagem aérea, reserva de hotel e locação de veículos para Serviço e/ou Treinamento em âmbito

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674

Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 Rotinas de Pessoal & Recursos Humanos www.sato.adm.br - sato@sato.adm.br - fone (11) 4742-6674 1987-2012 legislação consultoria assessoria informativos treinamento auditoria pesquisa qualidade Legislação

Leia mais

A terceirização no Setor Portuário

A terceirização no Setor Portuário A terceirização no Setor Portuário Em função de sua complexidade, dos múltiplos atores envolvidos e da diversidade de ocupações, identificar a terceirização no setor portuário é um exercício que requer

Leia mais

GESTÃO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMUNICAÇÃO AMBIENTAL EM ACIDENTES DE TRANSPORTE

GESTÃO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMUNICAÇÃO AMBIENTAL EM ACIDENTES DE TRANSPORTE GESTÃO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS PERIGOSOS COMUNICAÇÃO AMBIENTAL EM ACIDENTES DE TRANSPORTE Planos de emergência ISO 14001 Emergências ambientais Resultados ambientais Crises ambientais NORMA ISO 14001

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

II.3 - INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA RESPOSTA. II.3.1 - Sistema de alerta de derramamento de óleo

II.3 - INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA RESPOSTA. II.3.1 - Sistema de alerta de derramamento de óleo 1 / 19 II.3 - INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS PARA RESPOSTA II.3.1 - Sistema de alerta de derramamento de óleo II.3.1.1 - Sistema de alerta de derramamento de óleo da P-55 Todos os alertas de derramamento

Leia mais

MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO

MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO MANUAL DA ESTAÇÃO DE TESTE DE VAZÃO São Carlos Novembro de 2008 1 ÍNDICE 1) Introdução... 3 2) Inspeção... 3 3) Aplicação... 3 4) Dados técnicos... 3 5) Componentes principais e funções... 4 6) Advertências...

Leia mais

Classificação de incidentes

Classificação de incidentes norma técnica Classificação de incidentes Código: NT.00036.GN Edição: 1 O texto seguinte corresponde a uma tradução do Procedimento original Clasificación de incidentes (NT.00036.GN), Edição 1, com o fim

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 8 1 PROGRAMA OBRAS SEGURAS 2 REGRAS PARA AS EMPRESAS CONTRATADAS 3 VOCÊ PARTICIPA DO PROGRAMA 4 VISITA TÉCNICA 5 PRINCIPAIS DESVIOS 6 SUSPENSÃO Programa Obras Seguras PROGRAMA

Leia mais

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil ADRIANO AZEVEDO MOURA (FEAMIG) adriano.moura85@hotmail.com

Leia mais

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL.

ISSN: 1981-3031 O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. O USO DO PORTFÓLIO: CONTRIBUIÇÕES NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO CURSO NORMAL. Autores: Leila Carla dos Santos Quaresma¹ leilac.pedagogia@gmail.com Profª Dr. Maria Aparecida Pereira Viana² vianamota@gmail.com

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA

NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA NORMA REGULAMENTADORA Nº 35 - NR35 TRABALHO EM ALTURA Obs: 1- A Portaria MTE 593/2014 entra em vigor na data de sua publicação(28.04.2014), com exceção dos itens 2.1, alínea "b", e 3.2 do Anexo I - Acesso

Leia mais

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS REF. AO PREGÃO Nº 007/2009

VALEC: Desenvolvimento Sustentável do Brasil 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS REF. AO PREGÃO Nº 007/2009 1º CADERNO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS REF. AO PREGÃO Nº 007/2009 1) Qual é a função a ser cotada? Encarregado ou líder de turma? Tal pergunta se dá, uma vez que no termo de referência se fala em encarregado

Leia mais