Resoluções de Exercícios

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resoluções de Exercícios"

Transcrição

1 Resoluções de Exercícios EA: EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EH: EXERCITANDO HABILIDADES TC: TAREFA DE CASA BIOLOGIA II 17 EVOLUÇÃO DA VIDA Seleção Artificial e seu Impacto sobre Ambientes Naturais e sobre Populações Humanas 10 C Quando o homem escolhe os atributos e promove reprodução dos indivíduos que os apresentem, temos a seleção artificial. 11 B A criação de um organismo com determinada característica de interesse, por ação humana, caracteriza a seleção artificial. EA BLOCO 01 Observe que os indivíduos com fenótipos extremos são beneficiados, isso caracteriza a seleção diversificadora. 19 EVOLUÇÃO DA VIDA Provas ou Evidências de Evolução O uso inadequado desse antibiótico facilitou que algumas bactérias sobrevivessem, podendo sofrer mutação e ser selecionada. 03 D Quando o homem interfere selecionando os melhores indivíduos de acordo com as características que são financeiramente interessantes, chamamos de seleção natural. TC BLOCO 01 Em uma população existem variações, o meio ambiente seleciona as mais vantajosas. No caso em tela, as bactérias resistentes são selecionadas positivamente. 02 C A competição é um fator seletivo proposto por Darwin. No trecho B do gráfico, observa-se uma drástica diminuição no número de indivíduos da população. Este fato nos revela a eliminação dos indivíduos sensíveis e a consequente seleção dos resistentes. A coloração do pelo semelhante à coloração do solo traduz-se como um mecanismo protetor, compatibilizando o desenvolvimento mais favorável das populações cuja cor do pelo se confunde com a do solo, enfim, é um processo seletivo ambiental. 05 E Ver comentário da questão anterior. 06 D Segundo Lamarck, os seres vivos devem adaptar-se ao meio para poder sobreviver; o uso contínuo de um órgão determina seu desenvolvimento; todas as características adquiridas podem ser transmitidas. O item I refere-se a uma ideia errada, pois é um caso de seleção natural do pensamento darwinista. 07 C Lei do desuso: Lamarck. 08 D Veja comentário sobre a lei do uso e da transmissão dos caracteres adquiridos de Lamarck (APOSTILA 3). 09 B Essa experiência confirma a premissa de que os caracteres adquiridos não são transmitidos para os descendentes, pois se assim o fosse é provável que tivessem nascido animais sem rabo. EA BLOCO 02 Trata a questão de um caso de especiação, onde espécies diferentes de formigas formaram-se a partir de uma população por isolamento geográfico, seguido de isolamento reprodutivo constatado no laboratório de evolução. I. Falso. Ora, se indivíduos da mesma espécie podem apresentar genótipos diferentes, imagine se são de espécies diferentes. V. Falso. Indivíduos da mesma espécie podem ou não apresentarem genótipos iguais e diferentes, ou seja, existe variabilidade. VI. Falso. O conceito está invertido, gênero é que se define como sendo um conjunto de espécies. 03 E A população A, quando cruzada com indivíduos de C produzem descendentes, logo, representam uma mesma espécie. A população A, quando cruzada com B, produz descendentes híbridos estéreis, mostrando isolamento reprodutivo pós-zigótico, são, portanto, espécies distintas, embora evolutivamente próximas. A população B não produz descendentes quando cruzada com C, mais uma vez, há isolamento reprodutivo, agora, pré-zigótico. TC BLOCO 02 Espécies distintas se isolam reprodutivamente. A poliploidia é um tipo de especiação em que o fator tempo não tem influência, pois se trata de processo simpático mutacional, em que não há isolamento geográfico. A questão faz referência a fatores anagênicos que possibilitam o processo. A questão versa sobre o processo de especiação alopátrica, ou seja, isolamento geográfico, seguido de isolamento reprodutivo. Assim sendo, se as espécies W e Z não se cruzam mais, está formalizado o isolamento reprodutivo e elas constituem espécies diferentes. Nota-se que entre o canário Belga (Serinus Canaria) e o pintassilgo (Carduelis Spinus) existe isolamento reprodutivo do tipo pós-zigótico, são eles de espécies diferentes. Entre eles existe cópula, há produção de descendentes, embora com anomalias genéticas; esses fatos apontam para um grande parentesco evolutivo. 06 biologia Volume 04 biologia ii AP 2013 BIO II V4 DARWIN RESOLUCAO.indd 6 09/08/ :04:26

2 06 B Mudanças observadas nos indivíduos B, C e D ocorreram sem isolamento geográfico. A frequência total dos genes numa população em equilíbrio é sempre igual a D A questão versa sobre o processo de especiação alopátrica, ou seja, isolamento geográfico, seguido de isolamento reprodutivo. Assim sendo, se as espécies do Havaí e da Austrália não se cruzam mais, está formalizado o isolamento reprodutivo e elas constituem espécies diferentes. 08 D Os fósseis se formaram em quaisquer meios que ofereceram condições naturais, quer fossem gelados, tropicais, não importa. Consideração 1, errada, pois órgãos análogos não possuem qualquer relação direta com órgãos vestigiais. Consideração 4, também errada. 09 E Ora, se a peça fossilizada foi encontrada no mesmo estrato que documenta a existência de placodermos e estes só viveram no período devoniano, é de se concluir que esta espécie viveu nesse mesmo período. Para que uma população esteja em equilíbrio, deve-se considerar: a população tem que ser de tamanho infinitamente grande, os cruzamentos aleatórios e não esteja submetida a nenhum fator evolutivo. EH BLOCO 01 Entende-se que, se várias espécies conviveram por milhões de anos e houve extinção de algumas e sobrevivência de somente uma, esta estava mais adaptada ao ambiente e foi selecionada positivamente, isso é seleção natural. EH BLOCO C O período Pré-cambriano (4,5 bilhões de anos) corresponde ao período em que surgiram as primeiras formas de vida (hipótese heterotrófica), ou seja, em ambiente marinho e heterotrófico. Indivíduos de espécies diferentes vivendo em um mesmo ambiente desenvolvem adaptações semelhantes, isso é convergência adaptativa. 12 C O esquema nos mostra a formação de espécies diferentes a partir de um mesmo ancestral. Isso é divergência adaptativa. 13 B Populações alopátricas, com padrão gênico diferente, mas que podem se cruzar, formam raças distintas. 14 E No processo de especiação, alguns acontecimentos são de real importância, isto é, a população deverá ser dividida, isolada geograficamente por longo tempo. A seleção natural agirá diferencialmente nos fatores anagênicos de cada população separada. Após longo tempo, deverá ocorrer o isolamento reprodutivo para que novas espécies sejam formadas. Durante o mecanismo de fecundação, o espermatozoide contribui apenas com os 23 cromossomos paternos, pois só o núcleo penetra no ovócito. Esse fato torna evidente que as mitocôndrias que os filhos herdam são todas de origem materna. TC BLOCO 03 Na herança sanguínea do sistema MN, os indivíduos do grupo sanguíneo M têm genótipo MM e os do grupo N, apresentam genótipos NN. Assim sendo: f(mm) = M2 = 36% M2 = 0,36 M = 0,6, isto é, a frequência do gene M é 0,6. M + N = 1 N = 1 M N = 1 0,6 = 0,4, a frequência do gene N é igual a 0,4, logo, a frequência dos indivíduos N e MN será: f(nn) = N2 = (0,4)2 = 0,16 ou 16%. f(mn) = 2M. N = 2 x 0,6 x 0,4 = 0,48 ou 48%. f(b) = p = 70% ou 0,7, como p + q = 1 q = 1 p q = 1 0,7, logo, q = 0,3. F(Aa) = 2(0,7. 0,3) = 0, A Órgãos análogos são aqueles que possuem a mesma função, porém origem embrionária diferente. A existência de órgãos análogos indica convergência adaptativa e, logo, espécies diferentes com as mesmas adaptações. Desta forma, não há ancestralidade comum. 17 A Órgãos homólogos são aqueles que apresentam obrigatoriamente a mesma origem embrionária, podendo ou não ter a mesma função. A anatomia interna destes órgãos é a mesma, de modo que os indivíduos portadores destes têm a mesma ancestralidade. Europeus do norte: ƒ(m) = 0,4 Europeus do sul: ƒ(m) = 0,6 A população da Europa como um todo não está em equilíbrio de Hardy-Weinberg. Se os casamentos fossem ao acaso, a frequência dos genes seria a mesma nas duas populações. 04 E A) Falsa. Entre os indivíduos com a característica normal poderão existir heterozigotos que são portadores do gene recessivo. B) Verdadeira. C) Falsa. D) Verdadeira, os cruzamentos entre indivíduos heterozigotos (Aa) a médio prazo produziram indivíduos aa. 05 A V, F, V, V. 21 Evolução Humana População ind. 90 AA 40 Aa 70 aa 400 genes EA BLOCO 03 Das condições exigidas para o equilíbrio das populações do Teorema de Hardy e Weinberg, apenas os números I e II indicam duas delas. F(A) = F(a) = = = 0, = = 0,45 biologia ii biologia Volume AP 2013 BIO II V4 DARWIN RESOLUCAO.indd 7 09/08/ :04:29

3 População ind. 400 genes 45 AA 130 Aa 25 aa A evolução do homem se deu através de vários processos divergentes (cladogênicos), logo, não pode ser adequadamente representado em uma linha reta, como a figura demonstra. Não podemos assegurar, por exemplo, que o indivíduo na posição três, da esquerda para a direita, originou-se do indivíduo da segunda posição. F(A) = F(a) = = = 0, = = 0,45 A população 1 apresenta maior número de homozigotos. O número de indivíduos homozigotos na população 1 é de 160 indivíduos, sendo 90 homozigotos dominantes e 70 recessivos. Na população 2, existem somente 70 indivíduos homozigotos, sendo 45 dominantes e 25 recessivos. 06 B Observe que no ambiente 2, o número de heterozigotos é bastante reduzido em relação ao ambiente 1, mostrando que a seleção natural favoreceu este genótipo no ambiente D Se a frequência gênica permanece constante ao longo das gerações, ela estará em equilíbrio. Estando em equilíbrio, a frequência do gene a é 0,4 e a do gene A é 0,6. Logo, os heterozigotos seriam 0,48 e os homozigotos dominantes 0,36. Espera-se, portanto, que a frequência dos indivíduos castanhos seja de 0,84. A endogamia poderá alterar essa frequência. 08 C As mutações aumentam a variabilidade genética e a seleção natural elimina aquelas desfavoráveis. 09 C F(A) = / = 1080 / = 0,45 A mulher só é calva se for CC. A frequência de mulheres CC é igual à frequência de homens CC, pois o gene é autossômico, portanto, 1%. Como a população possui 1000 indivíduos, espera-se que metade seja homem e metade seja mulher (500). 1% de 500 é 5. A mulher daltônica é X d X d. A frequência de x d é 0,2, pois 20% dos homens são daltônicos e apresentam apenas um x d. Então teremos que 0,2 x 0,2 = 4%. Como a população possui indivíduos, espera-se que metade seja homem e metade seja mulher (500). 4% de 500 é 20. De conformidade com a árvore filogenética, o ancestral comum do homem e dos grandes macacos está por volta dos 15 milhões de anos (Ramapithecus). 12 B Traçando uma reta vertical no ponto em que se verifica a divergência que resultou na formação dos macacos do Velho Mundo, grandes macacos e humanos, constata-se que tal fato ocorreu por volta dos 40 milhões de anos. 13 A Nessa população a frequência dos indivíduos aa será: f(aa) = 320 / = 0,16, logo, q2 = 0,16 q = 0,4. Como p =1 q p = 1 0,4 p = 0,6. O problema pede o número de heterozigotos: 2 pq = 2 x 0,6 x 04 = 0,48, isto é, 48%. Conclusão: 48% de 2000 são heterozigotos (48 x / 100) = 960 heterozigotos. 14 A De indivíduos, recessivos e dominantes f(qq) = q2 = / = 1/16 q = raiz quadrada de 1/16 = 1/ 4 = 0,25. Se q = 0,25 p = 0,75. O número de heterozigotos é: 2 pq = 2(0,75 x 0,25) = 0,375 x = C A única proposta errada é a primeira, já que o A. afarensis, por irradiação, deu origem ao A. africanus e ao Homo habilis. 17 E A análise da história evolutiva nos credencia a afirmar que dentre todos os animais, mesmo entre os primatas, o que mais se aproxima evolutivamente do homem é o chimpanzé. A figura evidencia isso quando comparamos as semelhanças morfológicas nas figuras 8 e EA BLOCO 04 Fisiologia do Aparelho Reprodutor Masculino O sêmen contém espermatozoide (f), líquido da vesícula seminal (d) e próstata (c). Os túbulos seminíferos são encontrados nos testículos (f). 03 E Vesícula seminal (d) e próstata (c). TC BLOCO 04 O caminho dos espermatozoides produzidos nos testículos é túbulos seminíferos, epidídimo, canal deferente e uretra. As células de Leydg são responsáveis pela produção de espermatozoides. Somente a C está correta. As demais estão corrigidas abaixo. A) A corresponde ao pênis, cujas artérias se dilatam para a ereção e a cópula. B) Os espermatozoides produzidos na gônada masculina, quando lançados para o meio exterior, percorrem a seguinte sequência de estruturas: testículo, túbulos seminíferos, ducto deferente, próstata e uretra. D) O líquido seminal é produzido só em D. E) B corresponde à uretra, onde passam as secreções do aparelho reprodutor masculino e urinário. Veja o desenho da apostila que mostra a fecundação ocorrendo. 06 C Com o corte no canal deferente, os espermatozoides não são mais liberados. 07 B É feito um corte no canal deferente e os espermatozoides não são mais liberados. 08 C A temperatura corporal interna é de 36,5 ºC e impede a produção de gametas masculinos. A temperatura da bolsa escrotal fica entre 33 ºC e 35ºC e é ideal para produção de espermatozoides. 08 biologia Volume 04 biologia ii AP 2013 BIO II V4 DARWIN RESOLUCAO.indd 8 09/08/ :04:31

4 09 D A glândula hipófise atua controlando a produção de hormônio nos testículos, pois ela produz ICSH que estimula as células de Leydig dos testículos a produzirem testosterona. Quando o nível de testosterona cai, a hipófise produz mais ICSH e quando o nível de testosterona está alto, a hipófise passa a produzir menos ICSH. Com a vasectomia ainda ocorre espermatogênese normalmente. 11 D A ereção se deve a ação da testosterona e também de sistema nervoso autônomo parassimpático. 12 A 09 E O FSH estimula o folículo que produz estrogênio que, por sua vez, estimula a hipófise a produzir LH. 10 E A ovulação ocorre no 14 o dia de um ciclo de 28 o dias e a taxa de progesterona começa a aumentar. A ovulação ocorre com o LH no máximo e a menstruação ocorre com a queda de progesterona. 12 D É a progesterona que prepara o útero para a nidação e gravidez. 13 A A ovulação coincide com o pico de LH, rompendo o folículo. 23 Fisiologia do Aparelho Reprodutor Feminino e Ciclo Menstrual 14 A As vilosidades coriônicas e a placenta mantêm a produção de HCG, que evita a degeneração do corpo amarelo até o terceiro mês de gravidez. 15 D A gonadotrofina coriônica só começa a ser produzida no sétimo dia após a fecundação e a nidação começa no sexto. EA BLOCO 05 O local mais comum de fecundação é a tuba uterina, que não está indicada por número. 24 MÉTODOS ANTICONCEPCIONAIS A própria sequência da letra a explica a questão. A fecundação ocorre na trompa de Falópio. Trompa de Eustáquio é um canal que vai da faringe até o ouvido médio. TC BLOCO 05 As vilosidades coriônicas produzem o HCG que vai estimular o corpo lúteo a produzir progesterona que impede a menstruação. O folículo ovariano transforma-se em corpo amarelo logo que elimina o ovócito II, ou seja, após a ovulação. 04 B O hormônio folículo-estimulante (produzido na hipófise) induz as células foliculares a liberar estrógeno (produzido nos ovários), responsável pelo crescimento do endométrio (camada interna do útero). I. FSH: Promove crescimento folicular. II. LH: Estimula a ovulação. III. Estrogênio: Prolifera o endométrio. IV. Progesterona: Prepara o endométrio para a gravidez. 06 D Ocorre morte do ovócito II de 24 a 48 h após a ovulação. 07 E O ovário produz primeiro estrogênio e depois progesterona. 08 E Somente a frase um está errada, pois a maturação do folículo ovariano sofre influência direta do FSH. EA BLOCO 06 De ovular até menstruar, 14 dias vão se passar. Devemos somar 14 ao dia 10. A menstruação deve chegar no dia 24 de abril Se a menstruação veio no dia 03 e o ciclo dura 28 dias, virá novamente no dia 31 de dezembro e 14 dias antes será a ovulação. Portanto, dia 17. A ovulação é o rompimento do folículo Graaf, com liberação do ovócito II, que se dirige para uma das trompas. TC BLOCO 06 Com a primeira menstruação, entendemos que a hipófise já está estimulando o ovário a ovular, aproximadamente a cada 28 dias. No ciclo menstrual existem períodos de fertilidade e de infertilidades intercalados. Esses períodos são regulados por hormônios e repete-se aproximadamente a cada 28 dias, começando na puberdade. A menstruação não é considerada período de fertilidade e sim, a ovulação. As informação na alternativa C correspondem ao DIU. 04 D A pílula contém estrogênio que inibe a produção de FSH e progesterona que inibe as produções de FSH e de LH. Por ação do estrogênio e da progesterona, a mucosa uterina cresce. Quando termina a cartela ocorre queda na taxa desses hormônios e a menstruação ocorre. biologia ii biologia Volume AP 2013 BIO II V4 DARWIN RESOLUCAO.indd 9 09/08/ :04:35

5 06 B A menstruação ocorre 14 dias antes de cada menstruação, coincidindo com o meio do ciclo de 28 dias. Portanto, ao redor do 14 o dia após o início da menstruação. 07 A A ovulação ocorre próximo ao 14 o do ciclo, quando o ciclo é de 28 dias. Deve-se evitar relações entre o 10 o e o 18 o dia do ciclo, considerando o tempo de vida dos gametas e também a possibilidade de adiantar ou de atrasar a ovulação. 08 B I. Os testículos precisam de uma temperatura menor (33 C a 34 ºC) que a corporal para produzirem os espermatozoides. II. A obstrução total dos canais deferentes realmente leva à esterilidade masculina. III. A pílula anticoncepcional inibe a ovulação. IV. Os hormônios que regulam o ciclo menstrual (FSH e LH) geralmente favorecem a ocorrência da ovulação por volta da metade do ciclo. V. A formação dos gametas femininos inicia-se antes do nascimento. 20 C Espécies diferentes, mas que apresentam filogenia muito próxima, podem raramente intercruzar. Esta semelhança filogenética favorece o acasalamento de indivíduos de espécies diferentes. 21 B O texto trata de uma mutação por poliploidia, que se classifica como uma mutação numérica. 22 C A poliploidia é uma forma de especiação sem isolamento geográfico. Assim sendo, o sapo poliploide e o diploide são espécies distintas. 23 A Observe que o texto assegura que a forma poliploide habita o Brasil, Uruguai e Argentina, mostrando que esta espécie de sapo conquistou vários ambientes e adaptou-se a todos, logo, tem maior adaptabilidade. 09 C A, B, D e E estão corrigidas abaixo. A) O diafragma impede a passagem de espermatozoides da vagina para o útero. B) O dispositivo intrauterino, DIU, mata espermatozoides e também dificulta a nidação. C) O método hormonal feminino, pílula, impede a ovulação. D) O método de tabela é mais eficiente se forem evitadas relações sexuais entre o 10 o e o 18 o dia do ciclo, para mulheres com ciclo de 28 dias. E) O preservativo masculino, camisinha, impede que espermatozoides sejam depositados na vagina. A laqueadura é a cirurgia em que as trompas são amarradas e cortadas. A pílula contém estrogênio e progesterona que inibem a produção de FSH e LH. 12 D A, B, C e E estão corrigidas abaixo. A) 1 atua sobre o ovário, levando ao amadurecimento do folículo. B) A menstruação ocorre quando a taxa de 4 no sangue diminui bruscamente. C) Quando ocorre a ovulação, a concentração de 2 no sangue é alta e a de 1 é baixa. E) O aumento da produção de 4 leva a diminuir a produção de E O cobre mata espermatozoides e se houver fecundação, ainda pode causar inflamações no endométrio, impedindo a nidação. 14 D Após o quarto mês, a produção de progesterona é feita pela placenta. 15 B Alguns autores consideram que a gravidez começa com a nidação e outros consideram que a fecundação marca o início de uma nova vida. Sem o lobo anterior da hipófise, não haverá produção de ICSH e, consequentemente, não haverá produção de testosterona. 17 B Este hormônio é produzido nas vilosidades coriônicas, indicando gravidez. 18 A A égua e o jegue apresentam um alto grau de parentesco, embora sejam de espécies diferentes. Tratando-se de espécies diferentes que produzem descendentes estéreis, devemos atribuir a esse caso o isolamento pós-zigótico. 19 E Questão puramente conceitual. 10 biologia Volume 04 biologia II AP 2013 BIO II V4 DARWIN RESOLUCAO.indd 10 09/08/ :04:35

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA

HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA HORMÔNIOS SEXUAIS SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA GLÂNDULAS SEXUAIS GÔNADAS MASCULINAS = TESTÍCULOS GÔNADAS FEMININAS = OVÁRIOS PRODUZEM GAMETAS E HORMÔNIOS SEXUAIS CONTROLE HORMONAL DO SISTEMA TESTÍCULOS

Leia mais

TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres. INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade

TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres. INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade TD DE CIÊNCIAS 8ª. série PROFa. Marjory Tôrres INTRODUÇÃO À GENÉTICA Os princípios básicos da Hereditariedade Todas as pessoas são diferentes, cada um é único, apresentam características que são próprias

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 43 MÉTODOS CONTRACEPTIVOS

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 43 MÉTODOS CONTRACEPTIVOS BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 43 MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Como pode cair no enem? (UFC) A pílula do dia seguinte é composta de hormônios, os mesmos da pílula anticoncepcional comum, só que em doses mais elevadas.

Leia mais

3º ano-lista de exercícios-reprodução humana

3º ano-lista de exercícios-reprodução humana 1. (Udesc) Observe o gráfico a seguir em que estão representadas as curvas de crescimento (médias) de diferentes partes do corpo. (HARRISON, G. A. et al., apud SANTOS, M. A. dos. BIOLOGIA EDUCACIONAL.

Leia mais

Projeto-síntese de Ciências 8º ano 3º trimestre

Projeto-síntese de Ciências 8º ano 3º trimestre Ciências/15 8º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 8ºcie303r Caros alunos, Projeto-síntese de Ciências 8º ano 3º trimestre O 3º trimestre de Ciências encerra nossos estudos sobre o corpo humano e trata

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 41 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 41 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 41 APARELHO REPRODUTOR MASCULINO Como pode cair no enem? (PUC) A produção do hormônio luteinizante estimula as células intersticiais ou de Leydig a liberar um hormônio que,

Leia mais

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms. Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Sistema Endócrino Composto pelas glândulas endócrinas integra e regula

Leia mais

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto

Unidade 7. Fecundação. Gestação. Parto Unidade 7 Fecundação Gestação Parto Reprodução Sexual A fecundação resulta na formação de uma nova célula (célula-ovo ou zigoto), que dará origem a um novo indivíduo. A célula deste novo indivíduo contém

Leia mais

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO

METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS CONTRACEPTIVOS ENF. MARIANA P. JUSTINO METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozóides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e de haver fecundação. Espermicidas (sob a forma de óvulos,

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 42 APARELHO REPRODUTOR FEMININO Fixação 1) (UERJ) O gráfico abaixo ilustra um padrão de níveis plasmáticos de vários hormônios durante o ciclo menstrual da mulher. a) Estabeleça

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia

SISTEMA REPRODUTOR. Prof. André Maia SISTEMA REPRODUTOR Denomina-se reprodução a capacidade que os seres vivos possuem de produzir descendentes. Ocorre a reprodução sexuada no homem, ou seja, para que esta reprodução aconteça é necessário

Leia mais

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE

CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO CIÊNCIAS E PROGRAMA DE SAÚDE 15 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP Só se constrói uma nação com cidadãos. Só se constrói cidadãos

Leia mais

TD de revisão 8º Ano- 4ª etapa- 2015

TD de revisão 8º Ano- 4ª etapa- 2015 TD de revisão 8º Ano- 4ª etapa- 2015 1. Classifique os métodos anticoncepcionais abaixo, relacionando as colunas: (1) Natural ou comportamental (2) De Barreira (3) Hormonal (4)Cirúrgico ( ) Camisinha (M)

Leia mais

Processo Seletivo 2012-2 Disciplina: Biologia

Processo Seletivo 2012-2 Disciplina: Biologia 1) Gabarito oficial definitivo sem distribuição dos pontos - Questão 1 Tropismo é o movimento de uma planta em resposta a um estímulo externo. O tropismo positivo ocorre quando a planta se movimenta em

Leia mais

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano

MÉTODOS CONTRACEPTIVOS. Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano MÉTODOS CONTRACEPTIVOS Professora Daiana Escola La Salle Águas Claras 8º ano METODOS DE BARREIRA Imobilizam os espermatozoides, impedindo-os de entrar em contato com o óvulo e ocorrer a fecundação. Espermicidas

Leia mais

Exercícios de Reprodução Comparada

Exercícios de Reprodução Comparada Exercícios de Reprodução Comparada Material de apoio do Extensivo 1. (PUC) Os seres vivos podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Sobre este assunto, destaque a afirmativa correta: a) A reprodução

Leia mais

7ª série / 8º ano U. E. 11

7ª série / 8º ano U. E. 11 7ª série / 8º ano U. E. 11 Os sistemas genitais masculino e feminino A espécie humana se reproduz sexuadamente. As células reprodutivas femininas os óvulos são produzidas nos ovários da mulher, e as células

Leia mais

Biologia 1ª Série Resumo - Reprodução Humana

Biologia 1ª Série Resumo - Reprodução Humana Assim como as casas são feitas de tijolos, todos os organismos são formados por pequenas unidades, chamadas células. Extremamente pequenas, cabem centenas de células num pingo de um i Toda a programação

Leia mais

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes

ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO. Curso Inicial & Integração Novos Representantes ANATOMIA E FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Curso Inicial & Integração Novos Representantes 1 SISTEMA REPRODUTOR FEMININO O conjunto de órgãos do sistema reprodutor feminino tem como função principal

Leia mais

Genética de Populações

Genética de Populações MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL Genética de Populações COMO SE CONSEGUE ATINGIR OS OBJETIVOS DO

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil

TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2. Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil TESTE DE AVALIAÇÃO ESCRITA º 2 MÓDULO 2 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Infância/Ensino Secundário Prova Escrita de Consulta da Disciplina de Saúde Infantil Turma [I] do 10º Ano de Escolaridade

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.1 Conteúdo: Métodos Contraceptivos. 2 Habilidade: Compreender o funcionamento dos principais métodos contraceptivos (comportamentais, químicos, de barreira e definitivos).

Leia mais

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana

Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Bem Explicado - Centro de Explicações Lda. C.N. 9º Ano Reprodução humana Nome: Data: / / 1. Os sistemas reprodutores masculino e feminino são diferentes apesar de serem constituídos por estruturas com

Leia mais

Perpetuando a vida - 2

Perpetuando a vida - 2 A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Perpetuando a vida - 2 Atenção - Maria, olhe só o resultado do exame: positivo para gonadotrofina coriônica! Alberto e Maria olharam um para o outro, sem

Leia mais

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin

REPRODUÇÃO HUMANA. Profª Fernanda Biazin REPRODUÇÃO HUMANA Profª Fernanda Biazin Puberdade: período de transição do desenvolvimento humano, correspondente à passagem da fase da infância para adolescência. Alterações morfológicas e fisiológicas

Leia mais

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida

DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Dr. JOSÉ BENTO Médico ginecologista e obstetra A MELHOR IDADE DA MULHER Manual prático para viver com saúde os melhores anos da vida Sumário Apresentação... 7 Introdução... 11 Capítulo 1 Um corpo de mudanças...

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UNESP 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UNESP 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- Leia a notícia. Dengue tipo 4 reaparece após 25 anos A dengue é causada por quatro tipos de vírus: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4. O tipo DENV-4 não era encontrado no país desde 1982, mas exames de

Leia mais

A PRIMEIRA LEI DE MENDEL E A ESPÉCIE HUMANA TESTES

A PRIMEIRA LEI DE MENDEL E A ESPÉCIE HUMANA TESTES 1 A PRIMEIRA LEI DE MENDEL E A ESPÉCIE HUMANA TESTES 1) Se um homem for heterozigoto para o albinismo: I.Qual a proporção dos espermatozoides que conterão um gene A e dos que conterão o gene a? II. E se

Leia mais

Contextualizando. Capítulo 2

Contextualizando. Capítulo 2 Capítulo 2 A Teoria Sintética Introdução Você já deve ter notado que para Darwin estar correto é preciso uma condição básica: tem de haver diferenças entre os organismos de uma determinada espécie, de

Leia mais

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que

(www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais que ocorrem no ciclo menstrual, é correto afirmar que 01 - (Unicastelo SP) O gráfico representa os níveis de concentração dos diferentes hormônios femininos, no organismo, durante o ciclo menstrual. (www.gineco.com.br) Com relação às alterações hormonais

Leia mais

SISTEMAS GENITAIS HUMANOS

SISTEMAS GENITAIS HUMANOS https://naturalmath.wikispaces.com/birds+and+learning SISTEMAS GENITAIS HUMANOS Maximiliano Mendes 2015 maxaug.blogspot.com Youtube.com/maxaug 1 Somos uma espécie: Dioica: cada organismo possui apenas

Leia mais

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores.

daltônico. Esta doença traz como consequência problemas nas células denominadas de cones, que ajudam a enxergar cores. BIO V7 CAP 19 19.01 O genótipo do casal III-2 e III-3 é X A X a x X a y. Fazendo o cruzamento os filhos podem ser: X A X a, X A Y, X a X a, X a Y. Como se pode observar qual é o masculino e qual é o feminino,

Leia mais

Aula 23 Sistema endócrino

Aula 23 Sistema endócrino Aula 23 Sistema endócrino O sistema endócrino é formado por órgãos e tecidos que secretam hormônios. Os hormônios são lançados na corrente sangüínea e influenciam a atividade de células, órgãos ou sistemas.

Leia mais

Tempo de Ciências. SUGESTÃO DE AVALIAÇÃO Temas 1 e 2

Tempo de Ciências. SUGESTÃO DE AVALIAÇÃO Temas 1 e 2 Tempo de Ciências 6 SUGESTÃO DE AVALIAÇÃO Temas 1 e 2 Avaliação Ciências da Natureza NOME: N o TURMA: ESCOLA: PROFESSOR: DATA: 1. Complete as lacunas do texto a seguir com as palavras do quadro abaixo.

Leia mais

CRIPTÓGAMAS FANERÓGAMAS TRAQUEÓFITAS NÃO TRAQUEÓFITAS VII ESPERMATÓFITAS III VIII NÃO ESPERMATÓFITAS

CRIPTÓGAMAS FANERÓGAMAS TRAQUEÓFITAS NÃO TRAQUEÓFITAS VII ESPERMATÓFITAS III VIII NÃO ESPERMATÓFITAS 21 c BIOLOGIA TRAQUEÓFITAS NÃO TRAQUEÓFITAS ESPERMATÓFITAS NÃO ESPERMATÓFITAS CRIPTÓGAMAS I II III IV FANERÓGAMAS V VI VII VIII Musgo, samambaia, pinheiro e mandioca podem ser colocados, respectivamente,

Leia mais

Métodos contraceptivos

Métodos contraceptivos Métodos contraceptivos http://www.youtube.com/watch?v=igloovv-kc8 Professor: Gil Amaro Aluna: Thalyta M. Baptista Disciplina: Estratégias de Ensino em Biologia Os métodos contraceptivos podem ser divididos

Leia mais

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014.

COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. COLÉGIO SÃO PAULO Rio de Janeiro, junho/2014. ENSINO MÉDIO RECUPERAÇÃO PARALELA PARCIAL ORIENTAÇÃO DE ESTUDO DISCIPLINA: Biologia (2ª série) PROFESSOR: Priscila Temas/Capítulos - Cap 12 Núcleo, divisões

Leia mais

Reprodução. Mantenedora das espécies Caminho da Evolução

Reprodução. Mantenedora das espécies Caminho da Evolução Reprodução Mantenedora das espécies Caminho da Evolução Breve Histórico Geração espontânea Com ajuda do microscópio... Não se esqueçam que toda teoria precisa ser testada! Pra que serve a reprodução? Tipos

Leia mais

o hemofílico. Meu filho também será?

o hemofílico. Meu filho também será? A U A UL LA Sou hemofílico. Meu filho também será? Nas aulas anteriores, você estudou alguns casos de herança genética, tanto no homem quanto em outros animais. Nesta aula, analisaremos a herança da hemofilia.

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 2 Módulo 25 Questão 01 A Ao analisarmos os dados temos: B determina coloração acinzentada bb determina coloração preta Alelo epistático em outro cromossomo: A determina coloração

Leia mais

BIOLOGIA EVOLUÇÃO PROF ESTEVAM

BIOLOGIA EVOLUÇÃO PROF ESTEVAM BIOLOGIA EVOLUÇÃO PROF ESTEVAM TESTES 1) (Santos) Muitos antibióticos, inicialmente usados com sucesso contra bactérias patogênicas, parecem ter perdido sua eficiência. Um mesmo antibiótico, usado para

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA POR: AMANDA REIS NORMANDIA AG.EDUCADOR II SMERJ OBJETIVO: DISCUTIR A INCIDÊNCIA DA GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA ASSUNTOS ABORDADOS: ADOLESCÊNCIA GRAVIDEZ PRECOCE PREVENÇÃO DA GRAVIDEZ

Leia mais

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE

Unidade 1 - REPRODUÇÃO E MANIPULAÇÃO DA FERTILIDADE Que modificações ocorrem no organismo feminino após a nidação? A nidação e as primeiras fases de gestação encontram-se sob estreito controlo hormonal. A hormona hcg estimula o corpo lúteo a produzir hormonas,

Leia mais

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas Biologia Tema: Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um sistema que juntamente com o sistema nervoso atua no controle das funções gerais do nosso organismo. É representado pelos

Leia mais

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo???

Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Mas por que só pode entrar um espermatozóide no óvulo??? Lembre-se que os seres humanos só podem ter 46 cromossomos, sendo um par sexual, por exemplo: se dois espermatozóides com cromossomo sexual X e

Leia mais

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica.

e) O indivíduo X é o esporófito proveniente da multiplicação celular mitótica. Aula n ọ 05 01. A meiose é um processo de divisão celular que ocorre na natureza e que visa à produção de esporos ou gametas. Esta divisão celular produz células-filhas com a metade dos cromossomos da

Leia mais

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que

3) As afirmativas a seguir referem-se ao processo de especiação (formação de novas espécies). Com relação a esse processo é INCORRETO afirmar que Exercícios Evolução - parte 2 Professora: Ana Paula Souto Nome: n o : Turma: 1) Selecione no capítulo 7 duas características de defesa de plantas. a) DESCREVA cada característica. b) Para cada característica,

Leia mais

Professor Fernando Stuchi

Professor Fernando Stuchi REPRODUÇÃO Aulas 2 a 5 1º Bimestre Professor Fernando Stuchi Seres Vivos Segundo a Teoria Celular, todos os seres vivos (animais e vegetais) são constituídos por células (exceção dos vírus que não possuem

Leia mais

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto

Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... Fisiologia do aparelho reprodutor Ciclos Sexuais Gravidez e Parto Transmissão da Vida... - Morfologia do Aparelho Reprodutor Feminino Útero Trompa de Falópio Colo do útero Vagina

Leia mais

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino.

Outubro 2013 VERSÂO 1. 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. BIOLOGIA 1 12º A Outubro 2013 VERSÂO 1 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura 1. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a

Leia mais

Biologia 12ºA Outubro 2013

Biologia 12ºA Outubro 2013 Biologia 12ºA Outubro 2013 1 VERSÂO 2 1. Observe a figura a lado que representa o sistema reprodutor masculino. Figura 1 1.1. Complete a legenda da figura. 1.2. Identifique a estrutura onde ocorre a maturação

Leia mais

GENÉTICA DE POPULAÇÕES:

GENÉTICA DE POPULAÇÕES: Genética Animal Fatores Evolutivos 1 GENÉTICA DE POPULAÇÕES: A genética de populações lida com populações naturais. Estas consistem em todos os indivíduos que, ao se reproduzir uns com os outros, compartilham

Leia mais

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia

Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino. Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Carla Cristina Zeppenfeld Doutoranda Zootecnia Introdução Durante a gestação, a diferenciação sexual se dá ou não pela presença do hormônio antimülleriano e da

Leia mais

b) Ao longo da sucessão ecológica de uma floresta pluvial tropical, restaurada rumo ao clímax, discuta o que ocorre com os seguintes fatores

b) Ao longo da sucessão ecológica de uma floresta pluvial tropical, restaurada rumo ao clímax, discuta o que ocorre com os seguintes fatores Questão 1 Leia o seguinte texto: Com a oportunidade de colocar em prática a nova lei do código florestal brasileiro (lei 12.631/12) e estabelecer estratégias para a recuperação de áreas degradadas, o Ministério

Leia mais

Calendário 4º Bimestre 2ºA,B,D 16/10 Apresentação Trabalhos (Presença obrigatória TODOS) (sexta) Durante período de Aula. Calendário 4º Bimestre 2ºC

Calendário 4º Bimestre 2ºA,B,D 16/10 Apresentação Trabalhos (Presença obrigatória TODOS) (sexta) Durante período de Aula. Calendário 4º Bimestre 2ºC Calendário 4º Bimestre 2ºA,B,D 16/10 Apresentação Trabalhos (Presença obrigatória TODOS) (sexta) Durante período de Aula 30/10 isto Caderno - Exercícios Genética Parte 1 (3 Pontos) 13/11 isto Caderno -

Leia mais

A árvore genealógica dos seres vivos

A árvore genealógica dos seres vivos Aula 11 Objetivo O objetivo desta unidade é apresentar os principais conceitos utilizados na descrição da árvore genealógica dos seres vivos. O presente é a chave do passado J. Hutton Evolução é um metafenômeno.

Leia mais

Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Genética de Populações

Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Genética de Populações Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Genética de Populações GENÉTICA DE POPULAÇÕES Quando estudamos, em determinada família ou linhagem, o modo

Leia mais

GENÉTICA 1ª Lei de Mendel

GENÉTICA 1ª Lei de Mendel GENÉTICA 1ª Lei de Mendel 1) Um rato marrom foi cruzado com duas fêmeas pretas. Uma delas teve 7 filhotes pretos e 6 filhotes de cor marrom. A outra teve 14 filhotes de cor preta. Os genótipos do macho

Leia mais

Capítulo 2 Endogamia. Acasalamentos Preferenciais. Introdução

Capítulo 2 Endogamia. Acasalamentos Preferenciais. Introdução Capítulo 2 Endogamia Acasalamentos Preferenciais Introdução No capítulo anterior foi demonstrado que se os acasalamentos forem aleatórios, as populações têm proporções genotípicas equivalentes às calculadas

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

Aparelho Reprodutor Feminino

Aparelho Reprodutor Feminino Aparelho Reprodutor Feminino Profa Elaine C. S. Ovalle Aparelho Reprodutor Feminino Composto por: - ovários - tubas uterinas - útero - vagina - glândulas mamárias 1 Ovários Funções do Sistema Genital Feminino

Leia mais

Minha filha está ficando uma moça!

Minha filha está ficando uma moça! Minha filha está ficando uma moça! A UU L AL A O que faz as meninas se transformarem em mulheres? O que acontece com seu corpo? Em geral, todos nós, homens e mulheres, somos capazes de lembrar muito bem

Leia mais

Biologia. Aulas 33, 34 e 35 Setor B. Prof. Rafa

Biologia. Aulas 33, 34 e 35 Setor B. Prof. Rafa Biologia Aulas 33, 34 e 35 Setor B Prof. Rafa Tipos de glândulas: Exócrinas: com ducto de saída lacrimais, mamárias, salivares, sebáceas e sudoríparas Endócrinas: sem ducto de saída, secreções (hormônios)

Leia mais

Resposta da questão 1: [D] A fórmula molecular do composto representado na alternativa [D] é C4H10. O, portanto não é uma molécula isômera de C4H8O.

Resposta da questão 1: [D] A fórmula molecular do composto representado na alternativa [D] é C4H10. O, portanto não é uma molécula isômera de C4H8O. GABARITO-2ª CHAMADA-2º ANO QUIMICA- DANIEL NORMANDO Gabarito: Resposta da questão 1: [D] A fórmula molecular do composto representado na alternativa [D] é C4H10 O, portanto não é uma molécula isômera de

Leia mais

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO

GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES & SISTEMAS REPRODUTORES HUMANOS PROF. CARLOS FREDERICO GAMETOGÊNESES O processo de formação de gametas, na maioria dos animais, se dád através s da meiose e recebe a denominação de gametogênese..

Leia mais

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos

HISTOLOGIA. Folículos ovarianos HISTOLOGIA No ovário identificamos duas porções distintas: a medula do ovário, que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, rico em vasos sangüíneos, célula hilares (intersticiais), e a córtex do ovário,

Leia mais

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I

Áudio. GUIA DO PROFESSOR Síndrome de Down - Parte I Síndrome de Down - Parte I Conteúdos: Tempo: Síndrome de Down 5 minutos Objetivos: Auxiliar o aluno na compreensão do que é síndrome de Down Descrição: Produções Relacionadas: Neste programa de Biologia

Leia mais

Resoluções de Exercícios

Resoluções de Exercícios Resoluções de Exercícios BIOLOGIA IV 01 Embriologia Humana A espermatogônia é uma célula diploide (2n) e o espermatócito II é uma célula haploide (n), portanto, a espermatogônia terá o dobro do número

Leia mais

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual.

Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Glossário A Abstinência sexual: acto de privar-se temporária ou permanentemente da actividade sexual. Afrodisíaco: substância que se acredita excitar o desejo sexual e aumentar a capacidade para a actividade

Leia mais

Reprodução dos Seres Vivos Reprodução Humana Extras. Sistema Reprodutor. Prof. Thiago Lins. tiagolinsnasc@gmail.com 1 /32

Reprodução dos Seres Vivos Reprodução Humana Extras. Sistema Reprodutor. Prof. Thiago Lins. tiagolinsnasc@gmail.com 1 /32 Sistema Reprodutor Prof. Thiago Lins tiagolinsnasc@gmail.com 2014 1 /32 Sumário Reprodução dos Seres Vivos 1 Reprodução dos Seres Vivos Reprodução Tipos de Reprodução Tipos de desenvolvimento nos vertebrados

Leia mais

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM

BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM BIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 64 EVOLUÇÃO DO HOMEM EVOLUÇÃO DO HOMEM A PARTIR DO AUSTRALOPITECUS, QUE VIVEU HÁ 1.200.000 ANOS Fixação 1) Recentes análises do DNA de chimpanzés permitiram concluir que o

Leia mais

P R O V A DE BIOLO G I A I I

P R O V A DE BIOLO G I A I I 10 P R O V A DE BIOLO G I A I I QUESTÃO 31 Uma criança do sexo masculino pertencente ao grupo sangüíneo AB e com síndrome de Down foi curada de uma leucemia, após receber transplante de medula óssea proveniente

Leia mais

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO 1 UNIVERSIDADE DE CUIABÁ Atividade Presencial: estudo através de Textos e Questionários realizado em sala de aula SOBRE A FISIOLOGIA DO SISTEMA REPRODUTOR FEMININO CADA ESTUDANTE DEVERÁ IMPRIMIR E LEVAR

Leia mais

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino

FISIOLOGIA. 7. Sistema Reprodutor Masculino. Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino FISIOLOGIA 7. Sistema Reprodutor Masculino Sistema Reprodutor Masculino Anatomia e Fisiologia do Sistema Reprodutor Masculino Espermatogênese e condução do espermatozóide Função da Vesícula Seminal Função

Leia mais

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos

SISTEMA GENITAL MASCULINO. Testículos SISTEMA GENITAL MASCULINO Testículos - São as gônadas ou glândulas sexuais masculinas. Estes encontram-se alojados numa bolsa de pele, o escroto (saco escrotal); - Na fase embrionária estão dentro da cavidade

Leia mais

BA.28: Evolução BIOLOGIA

BA.28: Evolução BIOLOGIA ATIVIDADES 1. (UFMG) Uma população de formigas foi dividida pela passagem de um rio em seu território. As duas populações formadas ficaram isoladas durante muito tempo. Reunidas em laboratório, observouse

Leia mais

Classificação: valores

Classificação: valores ESCOLA SECUNDÁRIA DE CASQUILHOS BARREIRO 1º Teste Sumativo DISCIPLINA DE BIOLOGIA 12ºano Turma A TEMA : Reprodução Humana 20 de Outubro de 2011 90 minutos Nome: Nº Classificação: valores A professora:

Leia mais

Hipófise (ou glândula Pituitária)

Hipófise (ou glândula Pituitária) Sistema Hormonal Sistema Hormonal O sistema endócrino é formado pelo conjunto de glândulas endócrinas, as quais são responsáveis pela secreção de substância denominadas hormonas. As glândulas endócrinas

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 37 REPRODUTOR MASCULINO Bexiga urinária Vesícula seminal Canal deferente Osso Púbis Pênis Uretra Corpos cavernosos Glande peniana Prepúcio Escroto Testículo Glândula bulbouretal

Leia mais

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE?

POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? POR QUE O MEU É DIFERENTE DO DELE? Rafael chegou em casa um tanto cabisbaixo... Na verdade, estava muito pensativo. No dia anterior tinha ido dormir na casa de Pedro, seu grande amigo, e ficou com a cabeça

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS Andiara Onizzolo Marques Isadora Schmachtenberg Manoela Zaccani Maristela Ullrich

Leia mais

M t é o t d o os o Contraceptivos

M t é o t d o os o Contraceptivos Métodos Contraceptivos São meios utilizados para evitar a gravidez quando esta não é desejada, permitindo a vivência da sexualidade de forma responsável. Permitem o planeamento familiar. 2 Como se classificam

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II

COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º & 2º TURNOS 3ª SÉRIE / ENSINO MÉDIO REGULAR & INTEGRADO ANO LETIVO 2015 PROFESSORES: FRED & PEDRO

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2009 2ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2009 2ª fase www.planetabio.com 1- O gráfico a seguir mostra as fases do ciclo ovariano que ocorre ao longo do ciclo de menstruação de uma mulher. Sabe-se que um óvulo pode viver até 48 horas e os espermatozóides podem viver até cinco

Leia mais

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN

2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 2ª LISTA - GENÉTICA - 3º ANO - CMCG - PROF. BELAN 1. (FUVEST) A cor dos pelos nas cobaias é condicionada por uma série de alelos múltiplos com a seguinte escala de dominância: C (preta) > C 1 (marrom)

Leia mais

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada.

ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS. Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. ANATOMIA I Profª Ingrid Frederico Barreto ICA 1 ESTUDO DIRIGIDO: OSSOS Objetivo: Ajudar o estudante a rever os conteúdos de forma aplicada. 1. Liste todos os ossos do esqueleto axial. 2. Liste todos os

Leia mais

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB >

< Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice < Maria Inês; nº 17; 9ºB > < Ricardo Santos; nº18; 9ºB > Índice Índice... 2 Métodos Contraceptivos... 3 O que são?... 3 Métodos Reversíveis... 4 Métodos Contraceptivos Hormonais... 4 Pílula Contraceptiva...

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

Lista de Exercícios (BIO-LEO)

Lista de Exercícios (BIO-LEO) Lista de Exercícios (BIO-LEO) 1. (Fgv 2015) As estruturas ilustram os ossos das mãos ou patas anteriores de seis espécies de mamíferos, não pertencentes obrigatoriamente ao mesmo ecossistema. V. A recombinação

Leia mais

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO

Informe Público - Out/2010 Santa Maria / RS. www.labpasteursm.com.br SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO SEXUALIDADE E CONTRACEPÇÃO O início da vida sexual é um momento marcante na adolescência. São tantas dúvidas, medos preconceitos e mitos, que as vezes ficamos confusos! O exercício da sexualidade exige

Leia mais