LIMPEZA ROBOTIZADA DE DUTOS DE AR REFRIGERADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIMPEZA ROBOTIZADA DE DUTOS DE AR REFRIGERADO"

Transcrição

1 LIMPEZA ROBOTIZADA DE DUTOS DE AR REFRIGERADO

2 ÍNDICE A SÍNDROME DO EDIFÍCIO DOENTE (SED) A LIMPEZA DOS DUTOS MÉTODOS TRADICIONAIS MÉTODO ROBOIIN REPORTAGENS TELEVISÃO JORNAIS Contatos comerciais

3 1.0 - A síndrome do edifício doente Síndrome dos Edifícios Doentes INTRODUÇÃO SED O termo síndrome dos edifícios doentes (SED) é usado para descrever situações de desconforto laboral e/ou de problemas agudos de saúde referidos pelos trabalhadores, que parecem estar relacionados com a permanência no interior de alguns edifícios. Muitas vezes não é possível estabelecer-se qualquer diagnóstico específico ou identificarem-se as eventuais causas do desconforto/problema de saúde. As queixas podem estar relacionadas com um compartimento ou área específica, ou com a totalidade do edifício. O termo doenças relacionadas com edifícios (DRE) é utilizado quando os sintomas de uma doença específica estão relacionados com um determinado edifício e são atribuídos a eventuais contaminantes ambientais/aéreos. Frequentemente, os problemas (SED e DRE) surgem quando a manutenção do edifício, ou as actividades e tarefas desenvolvidas no seu interior são pouco consistentes com a estrutura e operacionalidade adequadas, ou seja, os problemas que ocorrem no interior dos edifícios resultam muitas vezes de um desenho estrutural desajustado, considerando as atividades dos seus ocupantes (i.e. edifício não adequado aos fins para que é utilizado). Histórico Sobre Edifício Doente Em meados dos anos 70, com a ocorrência da crise do petróleo e a consequente alta dos preços dos combustíveis, que culminaram em uma crise energética em nível mundial, houve uma mudança nos projetos de construção de novos edifícios. Observava-se a tendência em construir prédios cada vez mais fechados, com poucas aberturas para ventilação, e que, portanto, gastavam menos energia para a manutenção da circulação e da refrigeração do ar.

4 Entretanto, essa nova tendência demandava a necessidade de automatização dos sistemas de ar condicionado que, diante dessa nova realidade, prezavam apenas pelo controle das variáveis temperatura e umidade relativa do ar interno, ignorando outros parâmetros envolvendo a qualidade do ar que, no que diz respeito à saúde dos ocupantes desses ambientes, possuem importância muito mais relevante. A construção de prédios "hermeticamente" fechados solucionou o problema do consumo de energia, porém, a redução drástica da captação do ar externo, passou a ser responsável pelo aumento da concentração de poluentes químicos e biológicos no ar interno, pois a taxa de renovação do ar e limpeza dos dutos era insuficiente. Poluentes químicos como o monóxido e o dióxido de carbono (CO e CO2), amônia, dióxido de enxofre e formaldeído, produzidos no interior dos estabelecimentos a partir de materiais de construção, materiais de limpeza, fumaça de cigarro, fotocopiadoras e pelo próprio metabolismo humano, e os poluentes biológicos, como fungos, algas, protozoários, bactérias e ácaros, cuja proliferação era favorecida pela limpeza inadequada de dutos de ar refrigerado, carpetes, tapetes e cortinas, foram a causa do que se convencionou chamar de "Síndrome do Edifício Doente" (Sick Building Syndrome SBS). A Síndrome do Edifício Doente refere-se à relação entre causa e efeito das condições ambientais observadas em áreas internas, com reduzida renovação de ar, e os vários níveis de agressão à saúde de seus ocupantes através de fontes poluentes de origem física, química e/ou microbiológica. Em 1982, a Organização Mundial de Saúde OMS reconheceu a existência da Síndrome do Edifício Doente quando se comprovou que a contaminação do ar interno de um hotel na Filadélfia foi responsável por 182 casos de pneumonia e pela morte de 29 pessoas. Diz-se que um edifício está "doente" quando cerca de 20% de seus ocupantes apresentam sintomas transitórios associados ao tempo de permanência em seu interior, que tendem a desaparecer após curtos períodos de afastamento. Em alguns casos, a simples saída do local já é suficiente para que os sintomas desapareçam. Os principais sintomas apresentados são: irritação dos olhos, nariz, pele e garganta, dores de cabeça, fadiga, falta de concentração, náuseas, entre outros. Outros fatores associados à Síndrome do Edifício Doente são a elevação da taxa de absenteísmo (trabalhador que falta ao trabalho) e a redução na produtividade e na qualidade de vida do trabalhador, diante de sua exposição a um ambiente inadequado à ocupação. Desta forma, a qualidade do ar de ambientes interiores assumiu importante papel não só em questões relativas à Saúde Pública, como também, no que diz respeito à Saúde Ocupacional. No Brasil, a necessidade de se combater a SBS tornou-se evidente quando, em abril de 1998, o então Ministro das Comunicações, Sérgio

5 Motta, faleceu após ter seu quadro clínico agravado em função de fungos alojados em dutos do sistema de climatização. (Fonte de Consulta: Em agosto de 1998, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa, órgão regulamentador do sistema de saúde, publica a Portaria nº 3.523, estabelecendo, para todos os ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo, a obrigatoriedade de elaborar e manter um plano de manutenção, operação e controle dos sistemas de condicionamento de ar. A partir de março de 1999, inicia-se o treinamento dos técnicos das Vigilâncias Sanitárias estaduais com o objetivo de sistematizar e implantar o processo de fiscalização com a elaboração de uma rotina de procedimentos de verificação. Apesar de todo o esforço empreendido pela Anvisa, faltava ainda criar critérios que avaliassem a adequação dos procedimentos adotados pelas empresas de manutenção dos estabelecimentos, ou seja, se tais procedimentos refletiam diretamente na melhora da qualidade do ar interior. Diante dessa necessidade, publicou-se, em outubro de 2000, a Resolução nº 176, contendo parâmetros biológicos, químicos e físicos através dos quais é possível avaliar a qualidade do ar interior. A partir desse momento, começaram a surgir iniciativas que revelaram a preocupação das instituições com a qualidade de vida e, claro, com a produtividade de seus funcionários. Dentre as empresas pioneiras, podemos citar a Infraero e a Embratel. A primeira, com o lançamento de um projeto que visa garantir a qualidade do ar em todos os aeroportos brasileiros, que sejam climatizados artificialmente, a partir de levantamentos periódicos. A segunda, buscando a qualidade do ar interior de todos os prédios sob sua administração. Atualmente, a Anvisa trabalha na definição de critérios para ambientes climatizados com fins especiais, como as salas de cirurgia e Unidades de Tratamento Intensivo de hospitais, por exemplo, onde o risco de contaminação pode ser fatal para pessoas com organismo debilitado. INDICADORES Os indicadores utilizados na avaliação de edifícios doentes (ED) podem ser divididos em dois grupos: indicadores SED e indicadores DRE. Contudo, os sinais e sintomas que constituem aqueles indicadores, a seguir referidos, podem ser resultado de situações que não têm qualquer relação com o SED ou as DRE (problemas não relacionados com ED), como hipersensibilidade/alergias, stress ocupacional, falta de satisfação ou interesse no trabalho, fatores psicossociais, etc.. Também se deve referir o fato de que os mesmos sinais e sintomas podem ser causados ou exacerbados por problemas relacionados com a qualidade do ar no interior dos edifícios.

6 INDICADORES SED: Os ocupantes do edifício apresentam sinais e sintomas associados a situações agudas de desconforto, nomeadamente: - Astenia/fadiga - Cefaléias - Dificuldade de concentração - Hipersensibilidade a odores - Irritação ocular, nasal e/ou faríngea - Náuseas e tonturas/vertigens - Prurido cutâneo e/ou pele seca - Tosse seca - Mau humor INDICADORES DRE: Os ocupantes do edifício apresentam geralmente os seguintes sinais e sintomas: - Arrepios - Dores musculares - Febre - Sensação de opressão torácica - Tosse Os sinais e sintomas são bem definidos clinicamente, existem causas identificáveis e a maior parte deles só desaparecem vários dias depois de se abandonar o edifício. ETIOLOGIA As causas principais ou fatores que podem contribuir para a ocorrência de um SED são: - Ventilação inadequada ou insuficiente, - Contaminantes químicos originados no interior do ED, - Contaminantes químicos externos. - Contaminantes biológicos. INVESTIGAÇÃO A investigação de um ED tem como finalidade procurar identificar e solucionar os aspectos relacionados com as queixas que decorrem da qualidade do ar interior, de modo a prevenir a recorrência de sinais e sintomas, e o aparecimento de outros problemas. Para se atingir aquela finalidade, a investigação tem como objetivos : - O estabelecimento de uma relação de causalidade entre as queixas apresentadas pelos ocupantes e a qualidade do ar interior. - A identificação das causas.

7 - A implementação das medidas corretivas mais apropriadas. - Eliminar mofo e fungos em Edifício Doente A limpeza do ar é feita com um biocida que controla contaminantes que muitas vezes causam má qualidade do ar interior e da "síndrome do edifício doente" na origem do sistema de HVAC. Além disso, a limpeza do ar com armicrobiocida impede danos causados por esgotos ligados, eliminando depósitos de lodo. A limpeza do ar é amigável e não há necessidade de evacuar o local durante a aplicação. É facilmente aplicado com o uso do pulverizador previsto ou com qualquer pulverizador de ar comprimido ou dispositivo de vaporização para unidades centrais de ar condicionado. 1.1 Como resolver? A empresa especializada em limpeza de dutos deve prestar, com pessoal treinado, os seguintes serviços: - Limpeza e assepsia dos dutos - Limpeza de dutos de qualquer tipo, posição e diâmetro. - Manutenção periódica - Emissão de certificado de conclusão dos serviços - Execução dos serviços sem interferência na rotina da empresa - Execução dos serviços de acordo com a conveniência da empresa A LIMPEZA DOS DUTOS Existem empresas especializadas em limpeza de dutos de ar refrigerado e elas trabalham com equipamentos e metodologias diferentes. - Métodos tradicionais - Método Roboinn 2.1 MÉTODOS TRADICIONAIS Antigamente existiam apenas 2 métodos de limpeza de dutos: - Método obsoleto. - Método antigo Método obsoleto: Como o nome já diz o método obsoleto é completamente ultrapassado, só sendo utilizado por empresas que não conseguem possuir um conhecimento avançado na área de robótica, pois seus robôs não fazem o serviço, só inspecionam. Utilizando grande quantidade de mão de obra e equipamentos diferentes os serviços são realizados em 7 etapas, a saber:

8 Etapa 1: Isolamento do local Retirada de todas as pessoas das dependências que contêm a seção parcial do duto a ser limpo ou realizar o serviço durante a madrugada; Etapa 2: Cobertura dos móveis Cobertura com plásticos e fitas adesivas de todos os móveis e carpetes do recinto; Etapa 3: Isolamento do duto a ser limpo Obstrução das extremidades do duto a ser limpo, para que as sujidades retiradas das paredes do citado duto não flutuem, contaminando outros recintos; Etapa 4: Inspeção inicial Introdução do veículo para realização da inspeção; Etapa 5: Limpeza cega do duto Retirada do veículo citado na etapa 4 e introdução do dispositivo para limpeza, com a escova pneumática que por ser acionada por ar comprimido, levanta toda a sujidade resultante da escovação e, caso possua uma câmera, impede a observação do serviço enquanto estiver sendo realizado; Etapa 6: Aspiração cega das sujidades removidas Retirada do dispositivo de escovação citado na etapa 5 e introdução de uma mangueira flexível, acoplada a um aspirador que aspira as sujidades suspensas e parcialmente as sujidades consistentes depositadas no fundo do duto. Etapa 7: Inspeção final É introduzido novamente o citado veículo da etapa 4 para uma inspeção final e, caso não tenha sido bem executada a escovação cega e/ou a aspiração, reinicia-se todo o processo. Continua na próxima página

9 Imagens do método obsoleto: Imagem 1 Diagrama de dutos de ar Imagem 2 Funcionário da concorrência com vários equipamentos diferentes introduzindo uma escova rotativa pneumática num escritório com moveis e carpetes protegidos. Reparem que a foto da escova girando foi tirada com o duto novo e limpo, caso contrário ninguém poderia enxergar nada com a poeira resultante.

10 Imagem 3 Trabalhador introduzindo escova pneumática Inconveniências: É um método quase rudimentar em que, por vezes, se é obrigado a interromper a circulação dos usuários no recinto, causando perda de tempo com consequente atraso no cumprimento de metas além de causar transtornos aos funcionários e principalmente aos clientes, podendo interferir fortemente no andamento dos negócios, prejudicando o faturamento Método antigo: É melhor que o método obsoleto... MAS, - Os robôs fazem apenas uma parte do trabalho pois possuem apenas uma ferramenta pneumática circular, acionada por um compressor externo. - A poeira resultante da escovação pneumática deixa a visibilidade à zero, por isso a escovação é realizado as cegas. - Obrigatoriedade de retirar o robô e introduzir uma grande mangueira acoplada a um grande coletor externo para sugar apenas parcialmente os resíduos - Reintroduzir o robô para inspeção final. Embora utilizando menor quantidade de mão de obra e equipamentos do que os utilizados no método obsoleto (item 1.2.1) os serviços são realizados também em 7 etapas, a saber: Etapa 1: Isolamento do local Retirada de todas as pessoas das dependências ou realizar o serviço durante a madrugada; Etapa 2: Cobertura dos móveis

11 Cobertura com plásticos e fitas adesivas de todos os móveis e carpetes do recinto; Etapa 3: Isolamento do duto a ser limpo Obstrução das extremidades do duto a ser limpo, para que as sujidades retiradas das paredes do citado duto não flutuem, contaminando outros recintos; Etapa 4: Inspeção inicial e limpeza cega Introdução do veículo para realização da inspeção e inicio do serviço com a escova pneumática acoplada que por ser acionada por ar comprimido, levanta toda a sujidade resultante da escovação e impede a observação do serviço enquanto estiver sendo realizado; Etapa 5: Inspeção durante o serviço Paralisação do serviço para que, após algum tempo para esperar baixar a poeira resultante da escovação, se possa observar o resultado do trabalho naquele setor do duto. Etapa 6: Aspiração cega das sujidades Retirada do veículo citado na etapa 4 e introdução de uma mangueira flexível, acoplada a um aspirador que aspira teoricamente as sujidades suspensas e parcialmente as consistentes depositadas no fundo do duto. Etapa 7: Inspeção final É introduzido novamente o citado veículo da etapa 4 para uma inspeção final e, caso não tenha sido bem executada a escovação cega e/ou a aspiração, reinicia-se todo o processo. Imagem 4 colônias de fungos e bactérias

12 Imagem 5 - Diagrama do método antigo Imagem 6 Robô antigo com escova pneumática e sem esteiras para realizar um deslocamento eficaz Inconveniências: Como já foi relatado é um pouco melhor que o método obsoleto, mas também ainda é necessário, que não existam

13 usuários no recinto, causando também perda de tempo com consequente atraso no cumprimento de metas ou realizando o serviço na madrugada. Além de proporcionar transtornos aos funcionários e principalmente aos clientes, pode também, interferir no andamento dos negócios, com reflexos nos lucros da empresa ou obrigar o contratante a deixar a chave com a empresa contratada (madrugada) MÉTODO ROBOIIN Entre os 3 métodos com certeza é o que possui a melhor relação custo/benefício proporcionando um serviço muito mais rápido e de qualidade inigualável. Como nossa escova rotativa horizontal é envolvida por uma saia e a escovação e a aspiração são realizadas simultaneamente dentro da referida saia, a poeira resultante dos métodos tradicionais citados no item 2.1 não escapa da aspiração permitindo uma observação constante do trabalho pelos operadores de nossos diferentes tipos de robôs. De maneira similar também é realizada, caso necessário, uma escovação vertical também simultaneamente com a aspiração. Outra grande diferença de nossos robôs são as 2 ferramentas eletrônicas que permitem aos nossos robôs agarrar, erguer e retirar corpos sólidos com até 300 g de dentro dos dutos, ( trabalho que nossos concorrentes não podem realizar com facilidade). Nossos robôs podem ainda prender, com um gancho, e arrastar corpos sólidos com até 500 g Como podemos inspecionar, escovar, aspirar e higienizar simultaneamente, executamos o serviço completo em apenas 2 etapas. Etapa 1: Inspeção e escovação parcial Introdução do robô no duto para inspecionar, escovar horizontalmente e aspirar sem a necessidade da retirada de todas as pessoas das dependências ou realizar o serviço durante a madrugada; Etapa 2: Troca de escovas e higienização Retirada do robô para efetuar a rápida troca da escova horizontal pela escova vertical. Se for preciso efetuar a escovação vertical simultaneamente com a aspiração com o robô deslocando-se para frente e higienizar durante o retorno do mesmo, finalizando o trabalho.

14 Imagens dos Modelos da Roboiin: Imagem 7 - RX com escova horizontal e aspirador Imagem 8 - RX sem a escova horizontal e aspirador

15 Imagem 9 RX 100 só para inspeções Imagem 10 Módulo de controle e transporte

16 Imagem 11 - Módulo de controle pronto para transporte Imagem 12 Feira de Petróleo e gás - Riocentro

17 Imagem 12 - Feira de Petróleo e gás Riocentro Imagem 13 Dutos antes e depois do trabalho

18 3.0 REPORTAGENS Nos Itens abaixo apresentamos reportagens sobre os problemas causados por dutos sujos de ar refrigerado. 3.1 Redes de Televisão Vídeos do You Tube Matéria do Fantástico, sobre limpeza prev Dutos de ar DGgOU&feature=related) Nova gripe aumenta preocupação com Qualidade do Ar Interior (Jornal Hoje no dia 14/08/09) Reportagem 1- RedeTv_0001.wmv (http://www.youtube.com/watch?v=35jva1ij78i&feature=related Jornal da Band ob8 Robô limpador de dutos de ar ITJ (METODO RUDIMENTAR) robô para limpeza de duto (MÉTODO OBSOLETO) Jornais Publicado no Jornal Folha de São Paulo em 23/12/2010 Medico recomenda cuidados com o ar condicionado no verão. l No verão, época em que o ar condicionado é usado com mais frequência, os cuidados com a limpeza devem ser ainda mais rigorosos. Isso porque o aparelho usado no trabalho, em casa ou até mesmo no carro pode causar sérios danos à saúde, caso não seja feita uma limpeza periódica. A má condição de higiene e o mau uso do aparelho podem provocar doenças respiratórias, alerta o médico pneumologista Ricardo Luiz. "O uso do ar condicionado pode trazer doenças consigo. É muito importante que a pessoa tenha primeiro: um cuidado com a manutenção do equipamento, principalmente com o filtro e os dutos. Se não tiver

19 essa manutenção adequada, esse ar condicionado pode transmitir fungo, bactérias, vírus", diz o especialista. Segundo o pneumologista, quem já possui um problema respiratório, como asma, rinites ou sinusites tem um risco maior de desenvolvimento crises graves com o uso do ar Fonte: - Folha de São Paulo - São Paulo, domingo, 23 de outubro de 2011 Até ratos mortos foram encontrados em dutos de ar de shopping s O levantamento feito em inspeções-surpresa realizadas desde 2007 pela Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde), ligada à Secretaria Municipal da Saúde, nos 25 dos maiores centros comerciais da cidade de São Paulo, que não limparam seu sistema de ar-condicionado nos últimos anos Todos os shoppings visitados foram reprovados na primeira visita, diz a Covisa. POEIRA E RATOS MUMIFICADOS Vídeos gravados por um robô-câmera mostram que há camada de poeira de mais de um centímetro e ratos mumificados dentro de dutos de ar de alguns centros comerciais. A Covisa e o Ministério Público do Trabalho não divulgam os nomes das empresas. Imagem 14 Ratos mortos dentro de dutos de ar refrigerado de shopping s PROBLEMAS Shopping D - A perícia apontou que o shopping não cumpria a renovação de ar exigida por lei (27 m3 de ar fresco por hora para cada pessoa no ambiente). Ou seja: o mesmo ar era resfriado e voltava aos corredores. Shopping Anália Franco - Nunca tinha limpado seus dutos, em 11 anos de funcionamento. Na audiência, um representante do shopping disse que "não há densidade de poeira que demande a limpeza dos dutos".

20 Shopping West Plaza, na zona oeste Os inspetores descobriram, em 2010, que a última limpeza no sistema de ar fora feita em anos após a abertura do local, tempo em que se acumularam 33 kg de impurezas nos canos. Todos os shoppings assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta), comprometendo-se a remediar as falhas. FALTA DE LIMPEZA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO CONSEQÜÊNCIAS ALERGIAS Relatório da Organização Mundial da Saúde aponta que 45% dos processos alérgicos são causados por falta de manutenção de ar-condicionado. "Sujeira no ar piora doenças como rinite, sinusite e asma. Disseminar bactérias e fungos que causam doenças", diz o infectologista José Hermaniani. SITUAÇÃO É ASSUSTADORA' DIZ FISCALIZAÇÃO Na avaliação de Szymon Gartenkraut, da Covisa (Coordenação de Vigilância em Saúde), a situação encontrada nos shoppings de São Paulo "é assustadora". No duto de ar-condicionado de um dos principais shoppings da cidade, cujo nome não foi revelado, foram encontrados dezenas de ratos mortos. Por causa do frio, eles não apodreceram e não deixaram mau cheiro - foram encontrados roedores mumificados em três andares. Outro caso é o da saída de ar de um "pet shop" que dava direto no restaurante de uma grande rede, a três lojas dali. Pelos, pulgas e ácaro eram "servidos" com o ar de quem comia no local. De acordo com a Covisa, um dos shoppings nunca tinha limpado o arcondicionado. Formou-se um "tapete" com 1 cm de poeira. As paredes dos dutos estavam tingidas por fungos. Imagem -15 Dutos que nunca foram limpos

21 Imagem 16 Parece uma saborosa pizza mas é uma foto amplificada de varias colônias de fungos encontradas dentro de dutos sujos de ar refrigerado INQUÉRITO Após as vistorias, a Covisa denunciou as irregularidades ao Ministério Público do Trabalho. Até agora, há 14 inquéritos civis em curso no órgão, segundo a promotora Danielle Leite. Analisam-se casos em que a inadequação põe em risco a saúde de quem trabalha nos shoppings. "Se houver condenação, a indenização é pelos danos não só aos trabalhadores, mas a toda a coletividade", afirma ela. A multa pode chegar a R$ 500 mil. Fonte: Folha de São Paulo - São Paulo, 23 de outubro de 2011

22 Dúvidas sobre limpeza de dutos de ar condicionado e respostas a elas. Com que freqüência devo fazer a limpeza dos dutos do ar condicionado? R - Essa freqüência é dada por leis estaduais. Em geral elas mencionam a cada ano. Com que freqüência deve ser feitos exames em laboratório da qualidade do ar e inspeção visual interna dos dutos? R - A resolução 09 da ANVISA determina que os exames e a inspeção devem ser feitos a cada 6 meses. Quando estiver fazendo a limpeza dos dutos o ar condicionado pode ser usado normalmente? R -A limpeza deve ser executada fora do expediente normal de trabalho. Dependendo do método utilizado para a limpeza, ele não impede que o ar condicionado seja utilizado normalmente caso apenas uma parte dos dutos tenha sido limpa, devido a extensão deles. É preciso realmente fazer a limpeza dos dutos de ar condicionado? Não basta colocar filtros nas casas de máquinas para reduzir o nível de fungos e bactérias no resultado da análise laboratorial? R - É preciso realmente fazer a limpeza porque a colocação de filtros desobedece a legislação e não há respaldo técnico para essa prática. O que se faz com a colocação de filtros é o confinamento dos fungos e bactérias dentro dos dutos e não sua remoção. Na verdade essa má prática protege os fungos e bactérias, permitindo que elas se desenvolvam e venham a prejudicar a saúde dos usuários do ar condicionado. O que é o PMOC? R - É um Plano de Manutenção Operação e Controle, exigido nas portaria do Ministério da Saúde. Nele é estipulado quando as verificações e correções técnicas deverão ser executadas em cada ponto do sistema de refrigeração. É especificado também, qual o número de ocupantes de cada ambiente refrigerado, a carga térmica do equipamento e o tipo de atividade desenvolvida no local. Não faço a limpeza dos dutos de ar condicionado e não tenho PMOC, o que pode me acontecer? R - Desencadear uma microepidemia devido à má qualidade do ar, a chamada síndrome do edifício doente. A partir de cerca de 20% dos usuários de um mesmo ambiente apresentando algum tipo de problema devido à contaminação do ar já caracteriza uma microepidemia. Responder a processo judicial de reparação de danos por promover disseminação ou agravamento de doenças respiratórias pré-existentes em ocupantes do ambiente climatizado. Estes processos, normalmente são promovidos por ex-ocupantes ou exfuncionários do ambiente. Fonte: Portal de Refrigeração Organismos Biológicos encontrados em sistema de ar condicionado

23 Esporos de Fungos, Bactérias, Vírus, Pólen, Artrópodes, Protozoários. Fontes: Mofos e outros fungos, Umidificantes e água estagnada, Superfícies e materiais afetados por água, Grelhas de condensação e bandejas em sistemas de ar condicionado, Grelhas de aquecimento sujas em condicionadores de Ar, Animais, roedores, insetos e humanos Microorganismos como os fungos, bactérias, vírus e algas compartilham o ar dos escritórios com seus trabalhadores, habitando os dutos de ar condicionado, vivendo ao redor de tijolos, no teto, nos forros, etc., são sempre encontrados em locais úmidos e quentes. Os micróbios necessitam apenas de quatros ingredientes para sobreviver: nutrientes orgânicos e inorgânicos, água, superfície de apoio e sombra. Os fungos em geral vêm de fora, e assim que acham umidade, alimento e abrigo, proliferam. Bactérias e fungos produzem partículas finas carregadas pelo vento, chamadas bioaerossóis como os esporos e microtoxinas que podem causar serias perturbações alérgicas às pessoas dentro do escritório em exposição continuada. Tosse, dor de cabeça, espirros corizas, olhos lacrimejantes, e outras reações alérgicas são comuns nestas circunstâncias. CASO HISTÓRICO: A doença do legionário é provocada pela Legionella pneumophila, uma bactéria que, encontrando na água o ambiente favorável para o seu desenvolvimento, tem como habitat natural os rios e lagos de água doce. O problema foi descoberto, pela primeira vez, em 1976, a partir de um episódio epidêmico ocorrido num hotel de Filadélfia (EUA) onde se realizava uma convenção da Legião Americana, em que muitos dos participantes foram afetados por um quadro de pneumonia atípica, acabando alguns deles por falecer ao fim de poucos dias (34 mortes). As investigações posteriores permitiram identificar o agente causador e estabelecer o mecanismo através do qual se produziu o contágio, já que os microorganismos se tinham desenvolvido nos sistemas de climatização do hotel, propagando-se através dos dutos de ventilação. Epidemiologia Um terço das pneumonias graves são legioneloses, havendo cerca de 1 caso em cada pessoas por ano nos países desenvolvidos. Os doentes são geralmente pessoas debilitadas ou com problemas cardíacos, especialmente idosos. As infecções são causadas pela inalação contendo o bacilo. Pode aparecer em epidemias ou casos esporádicos, sendo que as epidemias são devidas ao contacto com a mesma fonte dos organismos (por exemplo, ar condicionado) e não há transmissão entre pessoas. O bacilo precisa de locais úmidos, e frequentemente os focos de infecção são localizados em colônias em aparelho de ar condicionado, torre de água, tanque de água fria ou quente.

24 A colonização de fungos nos aparelhos e dutos pode ser evitada pela sua limpeza regular bem executada. Progressão e sintomas A inalação da Legionella leva as bactérias diretamente para os alvéolos pulmonares. A incubação é de dois a dez dias, após o que surge pneumonia multifocal necrotizante com formação de microabcessos. Sintomas; febre, tremores, tosse seca, dores de cabeça. A radiografia torácica mostra uma pneumonia atípica. A mortalidade é ainda superior a 20%, mesmo com tratamento. Fontes: Mediapédia e Wikipedia 10 de setembro de Imagem 17 Reportagens em revistas científicas conceituadas: Contato: Para agendar uma demonstração (custo zero) de nossos equipamentos basta entrar em contato com nosso representante comercial abaixo Informamos que não iremos alterar a rotina diária das empresas visitadas

RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO

RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO RESPIRE SAÚDE SANITIZAÇÃO para aparelhos de AR-CONDICIONADO QUALIDADE DE Somos a primeira em no seguimento de pre limpeza, higienização aparelhos de ar-condi a remoção. Sim, nossa ra possibilita a realiz

Leia mais

Qualidade do Ar Interior

Qualidade do Ar Interior Qualidade do Ar Interior A realidade nacional A Integração da Qualidade do Ar Interior e da Eficiência Energética em Edifícios Ana Rita Antunes Lisboa, 20 de Fevereiro de 2014 Quercus - ANCN 2 Associação

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Veículo: Jornal da Comunidade Data: 07/02/2009 Seção: Viva Melhor Pág.: 06 e 07 Perigos do ar-condicionado Capaz de proporcionar alívio nos dias quentes, o aparelho de ar-condicionado necessita de limpeza

Leia mais

QUALIDADE DO AR INTERIOR

QUALIDADE DO AR INTERIOR QUALIDADE DO AR INTERIOR POR DIA OS NOSSOS PULMÕES FILTRAM CERCA DE 13. 000 LITROS DE AR! A POLUIÇÃO EM AMBIENTES FECHADOS É UMA DAS PRINCIPAIS CAUSAS DE DOENÇAS RESPIRATÓRIAS A maior parte das nossas

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC

INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS HOSPITAIS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS - SC I CONGRESSO BAIANO DE ENGENHARIA AMBIENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental INVESTIGAÇÃO DE FOCOS DE LEGIONELA NO SISTEMA DE AR CONDICIONADO EM DOIS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Washington Reis) Dispõe sobre limpeza e inspeção de ar condicionado central, na forma que menciona. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º É obrigatória a realização anual

Leia mais

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos

Ar Condicionado. Tipos de aparelhos Ar Condicionado As pessoas passam, porventura, até cerca de 90 % das suas vidas nos espaços confinados, seja nas suas residências, no trabalho, nos transportes ou mesmo em espaços comerciais. A questão

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

Um robô que gosta de limpeza e trabalha em prol da saúde

Um robô que gosta de limpeza e trabalha em prol da saúde 15 Rio Pesquisa - nº 4 - Ano I Robô desperta a curiosidade de alunos do ensino fundamental durante exibição em evento de tecnologia INOVAÇÃO Um robô que gosta de limpeza e trabalha em prol da saúde Depois

Leia mais

Bactéria que causou infecção em jovem é encontrada em ar-condicionado

Bactéria que causou infecção em jovem é encontrada em ar-condicionado Veículo: Tribuna do Brasil Data: 02/02/2009 Seção: Brasil Pág.: 10 Nutricionista continua internada com infecção Bactéria que causou infecção em jovem é encontrada em ar-condicionado A nutricionista Aline

Leia mais

Compreendendo Investigações e Remediação do Mofo

Compreendendo Investigações e Remediação do Mofo Mofo Orientações para Residentes em New Jersey Compreendendo Investigações e Remediação do Mofo Quais serviços devo pedir? Quais são os Procedimentos de Inspeção importantes? É Útil Uma Amostragem do Mofo?

Leia mais

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização em Redes de Dutos de Ar Condicionado Engenheiro Carlos Alberto Araujo de Queiroz CREA-RJ 1978104018 Legislação PORTARIA M.S. nº 3.523/98 RESOLUÇÃO RE-09/03 da ANVISA LEI ESTADUAL nº 4.192/03

Leia mais

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE

aktron RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE RESOLUÇÃO 9/2003 DA ANVISA: TUDO QUE O PROFISSIONAL DE SEGURANÇA DO TRABALHO PRECISA SABER SOBRE QUALIDADE DO AR AMBIENTE Resolução 9/2003 da ANVISA: tudo que o profissional de Segurança do Trabalho precisa

Leia mais

Síndrome dos Edifícios Doentes em Recintos com Ventilação e Climatização Artificiais: Revisão de Literatura

Síndrome dos Edifícios Doentes em Recintos com Ventilação e Climatização Artificiais: Revisão de Literatura Síndrome dos Edifícios Doentes em Recintos com Ventilação e Climatização Artificiais: Revisão de Literatura Dimas Barbosa Teixeira Universidade Federal Fluminense Mestrado em Sistemas de Gestão LATEC /

Leia mais

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR?

Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? Doenças Respiratórias O QUE SÃO E COMO AS PREVENIR? O NÚMERO DE PESSOAS AFETADAS POR DOENÇAS RESPIRATÓRIAS EVITÁVEIS NÃO PÁRA DE AUMENTAR. AS CRIANÇAS E OS MAIS VELHOS SÃO OS MAIS ATINGIDOS. SÃO DOENÇAS

Leia mais

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus...

Inmetro - Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo#conclus... Página 1 de 7.: Qualidade do Ar em Estabelecimentos de Uso Público e Coletivo :. Metodologia de Análise, Ensaios Realizados e Resultados Obtidos As equipes que visitaram os estabelecimentos eram compostas

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ROBÔ PARA LIMPEZA DE DUTOS DE AR CONDICIONADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos

Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Módulo 1 Entendendo a contaminação dos alimentos Aula 1 - O que é um Alimento Seguro? Por que nos alimentamos? A alimentação é uma atividade básica para o indivíduo manter- se vivo. Precisamos nos nutrir

Leia mais

LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS. Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade

LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS. Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade LEGIONELLA COMO MINIMIZAR RISCOS Marcos d Avila Bensoussan SETRI Consultoria em Sustentabilidade SUSTENTABILIDADE PESSOAS PLANETA - PRODUTIVIDADE Ter práticas sustentáveis, também é prover menos riscos

Leia mais

Agir contra a Gripe A

Agir contra a Gripe A Agir contra a Gripe A O papel dos estabelecimentos de educação e ensino Maria Neto Responsável pela área funcional da Promoção e Protecção da Saúde Responsável pelo Programa Nacional de Saúde Escolar na

Leia mais

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES.

GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES. GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE DE AR DE INTERIORES. Volume I - Guia nº 01 2003 GUIA DE CONTRATAÇÃO DE EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS EM CONTROLE DE QUALIDADE

Leia mais

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01

em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Contaminantes Microbiológicos em ambientes climatizados RE-09 Bióloga Maria José Silveira Especialista em Microbiologia CRBio 18.098-01 Como podemos avaliar a qualidade do ar ambiental Como avaliar se

Leia mais

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana

SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES. Guilherme Francisco Botana Curso - Higienização em sistemas de ar condicionado e ambientes SANITIZAÇÃO DE AMBIENTES Guilherme Francisco Botana Fontes de Contaminação Ambientes Climatizados Fonte Primária Fonte Secundaria Fonte Terciária

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo IV Aula 01 1. Introdução Vamos estudar as torres de refrigeração que são muito utilizadas nas instalações de ar condicionado nos edifícios, na

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas

Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Influenza A (H1N1): Perguntas e Respostas Para entender a influenza: perguntas e respostas A comunicação tem espaço fundamental na luta contra qualquer doença. Um exemplo é o caso do enfrentamento da influenza

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco.

BIOSSEGURANÇA/RISCO. S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. BIOSSEGURANÇA/RISCO S e r v i ç o s O d o n t o l ó g i c o s : prevenção e controle de risco. SIGLÁRIO ANVISA Agência Nacional de Vigilância Sanitária CAT Comunicação de Acidente de Trabalho CDC Centro

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS

UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS UM OLHAR SOBRE O COMPRESSOR NOS CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS NAS INSPEÇÕES DE CONSULTÓRIOS E CLÍNICAS ODONTOLÓGICAS ATÉ RECENTEMENTE NÃO ERA DADA A DEVIDA ATENÇÃO AO COMPRESSOR - TIPO - LOCAL

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR

HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HOSPITAL DE CLÍNICAS UFPR HC UFPR COMITÊ DE INFLUENZA SUÍNA 27 de abril DIREÇÃO DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE EPIDEMIOLOGIA INFECTOLOGIA CLÍNICA - ADULTO E PEDIÁTRICA SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina)

Influenza. João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) Influenza João Pedro Marins Brum Brito da Costa (Instituto ABEL) Orientador: André Assis (UFRJ Medicina) O que éinfluenza Também conhecida como gripe, a influenza éuma infecção do sistema respiratório

Leia mais

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL

PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL COMUNICADO OFICIAL N.: 193 DATA: 2009.11.20 PROCEDIMENTOS RELATIVOS À GRIPE A (H1N1) PARA AS COMPETIÇÕES DA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL Para conhecimento dos Sócios Ordinários, Clubes, Sad s e demais

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)

Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Gripe Suína ou Influenza A (H1N1) Perguntas e respostas 1. O que é Gripe Suína ou Influenza A (H1N1)? 2. A gripe causada pelo Influenza A (H1N1) é contagiosa? 3. Quem pode adoecer pela nova gripe causada

Leia mais

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br } Os contaminantes do ar de ambientes de interiores podem causar danos a saúde dos ocupantes. } Em muitos ambientes

Leia mais

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr

Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Programa RespirAr. Asma e bronquite sem crise. RespirAr Prevenir é o melhor remédio para uma boa saúde, evitando-se as doenças e suas complicações. Problemas respiratórios, por exemplo, podem se tornar

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

Glossário GLOSSÁRIO. O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 223

Glossário GLOSSÁRIO. O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 223 Glossário GLOSSÁRIO O Ambiente Interior e a Saúde dos Ocupantes de Edifícios de Habitação. 223 224 Catarina Fabíola Cardoso Abreu Glossário GLOSSÁRIO Admissão de ar - Embora possa ser feita pela própria

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUÍMICO Nome do Produto: Nome da Empresa: SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa CITIMANTA CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP: 05037-090

Leia mais

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

INDUFIX FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 014 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Indufix Código interno: 2000 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE LIMPEZA DE SOFÁ APÓS SER FEITA A HIGIENIZAÇÃO DO ESTOFADO ELA SERÁ VÁLIDA POR QUANTO TEMPO? Depende. O recomendado é ser efetuada a cada 6 meses, mas se animais e crianças utilizam muito os estofados esse prazo precisa

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC

Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC Qualidade do Ar Interior Novas Problemáticas Novas Politicas Novas Práticas Auditorias Ambientais Monitorização e Manutenção de Sistemas AVAC José Luís Alexandre jla@fe.up.pt DEMEGI FEUP Expornor Porto,

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da

A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da 2 A pneumonia é uma doença inflamatória do pulmão que afecta os alvéolos pulmonares (sacos de ar) que são preenchidos por líquido resultante da inflamação, o que dificulta a realização das trocas gasosas.

Leia mais

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais.

Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Ministério da Saúde esclarece as principais dúvidas sobre a doença e apresenta recomendações para viajantes internacionais. Fonte: Agência Fiocruz 1. Há casos de influenza A (H1N1) no Brasil? Não. Até

Leia mais

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br

Rua Manoel Joaquim Filho, 303, cep.13140-000 Paulínia / SP E-mail: ceva@cevabrasil.com.br Produto: TILDREN Página 1 de 5 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Nome do Fabricante: Nome do Distribuidor: Endereço: TILDREN La Ballastiere BP 126-33501 Libourne. Ceva Saúde Animal

Leia mais

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V

Desumidificador. Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Desumidificador Desidrat Plus IV Desidrat Plus V Obrigado por escolher esse produto. Por favor, leia esse manual de instrução antes de usar o aparelho. Índice: Introdução do Produto... 1 Instrução de Uso...

Leia mais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais

Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar. Informação para alunos e Pais Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para alunos e Pais O que éo vírus da Gripe A(H1N1)v? O vírus A(H1N1)v é um novo vírus da gripe, que afecta os seres humanos. Esta nova estirpe,

Leia mais

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS

INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS GRIPE A (H1N1) INFORMAÇÃO É PREVENÇÃO! ESCLAREÇA AQUI SUAS DÚVIDAS Fazer de cada dia um dia melhor Informe-se e proteja a sua saúde e a de sua família. Talvez você esteja inseguro com tantas informações

Leia mais

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS

REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS GUIA PARA A REABILITAÇÃO REDE E SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E AQUECIMENTO DE ÁGUAS USANDO FONTES RENOVÁVEIS E NÃO RENOVÁVEIS PROJETO Cooperar para Reabilitar da InovaDomus Autoria do Relatório Consultoria

Leia mais

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

EXTRUTOP FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA FISPQ 017 REVISÃO: 30/03/2014 PÁGINA 1/6 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: Extrutop Código interno: AGM215 e AGM216 Empresa: Indutil Indústria de Tintas Ltda. e-mail: indutil@indutil.com.br

Leia mais

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00

CAS Nome Químico Concentração (%) Solvente de Petróleo < 50,00 Gás Propelente < 50,00 Nome do Produto: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml/200g Página 1 de 7 1 IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1 Nome Comercial: Limpa Contato GT2000 Gold Inflamável 306ml / 200g 1.2 Código de

Leia mais

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar

GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar GRIPE A (H1N1) v Medidas de Prevenção e Controlo em Meio Escolar Informação para Professores Agosto de 2009 Direcção-Geral da Saúde (www.dgs.pt) Direcção de Serviços de Promoção e Protecção da Saúde Gripe

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa

Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos. SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa SEÇÃO I - Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do produto: COLA PVA EXTRA FORMICA Nome da empresa: Formiline Indústria de Laminados Ltda. Endereço: Estrada Portão do Honda, 120 Rio Abaixo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE

PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EM SAÙDE Ensaio para Controle das Doenças Respiratórias Agudas Graves PROTOCOLO PARA VIGILÂNCIA MICROBIOLÓGICA DA QUALIDADE DO AR Protocolo

Leia mais

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de

Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial deste novo vírus, o Comitê Estadual de Enfrentamento da Influenza A H1N1 elaborou esta cartilha com

Leia mais

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado

Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Higienização de Sistemas e em Redes de Dutos de Ar Condicionado Eng. Leonardo Cozac Splits Aparelhos de Janela Centrais: self contained ou fancoil 2 3 Limpeza do Sistema Renovação do Ar Filtragem do Ar

Leia mais

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral

INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral INFLUENZA A (H1N1) CARTILHA DE RECOMENDAÇÕES Para empresas, repartições públicas e comércio em geral Diante da pandemia de influenza A (H1N1) e com base no conhecimento atual sobre a disseminação mundial

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

Doença dos Legionários: Avaliação de riscos e a problemática hospitalar

Doença dos Legionários: Avaliação de riscos e a problemática hospitalar Doença dos Legionários: Avaliação de riscos e a problemática hospitalar O presente artigo incide sobre os principais aspectos associados à avaliação de risco associado à ocorrência da bactéria do género

Leia mais

de Segurança de Produtos Químicos

de Segurança de Produtos Químicos 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome do Produto: CONCRECOR CIMENFLEX Fornecedor:. Av Eng Juarez de Siqueira Britto Wanderley, 380 Jd Vale do Sol CEP: 12.238-565 São José dos Campos - SP e-mail:

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA PRODUTO QUIMICO SEÇÃO I Identificação do Produto Químico e da Empresa Nome do Produto: ISOPLUS COMPONENTE B Nome da Empresa: CITIMAT MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO LTDA. RUA COMENDADOR SOUZA 72/82 AGUA BRANCA SÃO PAULO SP CEP:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados. Linha DX. Índice. Modo de Usar Paginas 3 4

MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR. Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados. Linha DX. Índice. Modo de Usar Paginas 3 4 MANUAL DO USUÁRIO EQUIPAMENTOS DE IONIZAÇÃO DE AR Airgenic Unidades para Dutos de Ar-condicionados Linha DX Airgenic Unidades para Dutos de Arcondicionados centrais - Linha DX Índice Modo de Usar Paginas

Leia mais

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem

Ingredientes que contribuam para o perigo: Nome químico ou genérico N CAS % Classificação e rotulagem FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: DENINPLUS 400-N Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: DENINPLUS 400-N Nome da Empresa: INDÚSTRIA

Leia mais

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1

Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 Informe sobre a gripe causada pelo novo vírus Influenza A/H1N1 DOCUMENTO PARA O PÚBLICO EM GERAL Coordenação: Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) Associação Médica Brasileira (AMB) Apoio e participação:

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações

Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações Técnica Especificações Técnicas de edifícios comerciais: Ar condicionado Dando continuidade à serie de matérias sobre as especificações técnicas, falaremos sobre o tema Ar condicionado. Outros temas desta

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT FISPQ n : 0270/09 Data da última revisão: 05/11/08 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FISPQ Nome do produto: BIOCAT Página 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto: BIOCAT Nome da Empresa: INDÚSTRIA QUÍMICA ZEQUINI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CARTILHA DO PESCADOR ARTESANAL Boas Práticas na Manipulação dos Produtos da Pesca Artesanal Carmelita de Fátima Amaral Ribeiro Oriana Trindade de Almeida Sérgio Luiz de Medeiros

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA

Produto: MAXPREN LAJE PRETO FISPQ n 040 emissão 02/02/09 Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Ficha de Informação de Segurança de Produto Químico 1 - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto: MAXPREN LAJE PRETO Código do produto: 16100 Nome da empresa: Maxton Brasil Endereço: Rua Ivo

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores.

1. Procedimentos para seleção dos respiradores. 4. Procedimentos para uso adequado de respiradores. protrespsimples.doc Um guia para os usuários de respiradores, escrito de forma simples e de fácil entendimento. Mantenha este guia sempre à mão, releia-o periodicamente e conte sempre com a ajuda do seu

Leia mais

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42)

(DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) (DOU 166 31.8.98, Seção I, pags. 40 a 42) Portaria nº 3.523/GM Em, 28 de agosto de 1998 O Ministro de Estado da Saúde, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 87, Parágrafo único, item II, da Constituição

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS

ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS ALERGIA RESPIRATÓRIA POEIRA DOMICILIAR PERGUNTAS E RESPOSTAS A poeira domiciliar provoca alergia mesmo em casa bem limpa? Sim. A poeira domiciliar desencadeia crises de coriza aquosa, nariz entupido, coceira

Leia mais

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel

TORRE DE. Engenharia mecânica. Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel TORRE DE RESFRIAMENTO Engenharia mecânica Adriano Beraldo Daniel Alves Danilo Di Lazzaro Diogenes Fernandes Paulo Berbel FIGURA 01: Introdução São equipamentos utilizados para o resfriamento e reaproveitamento

Leia mais

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO

um inimigo que se respira A LEGIONELOSE: PROCESSO DE CONTAMINAÇÃO DOENÇA DOS LEGIONÁRIOS Leg ionela um inimigo que se respira É hóspede indesejável dos sistemas de climatização, duches e outras fontes de vapor de água ou de aerossol, mas apenas é detectada em casos graves.

Leia mais

LIMPEZA DO EVAPORADOR

LIMPEZA DO EVAPORADOR LIMPEZA DO EVAPORADOR Esta limpeza é facilmente confundida com a higienização das condutas de entrada do ar externo, através de sprays nebulizadores. O procedimento de limpeza da caixa é utilizado para

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE

PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE PROGRAMA PARA CONTROLAR A ASMA PRIMEIRA PARTE O cuidado apropriado com a asma pode ajudar o paciente a prevenir a maior parte das crises, a ficar livre de sintomas problemáticos diurnos e noturnos e a

Leia mais

Prevenção da Gripe A(H1N1)v

Prevenção da Gripe A(H1N1)v Prevenção da Gripe A(H1N1)v Recomendações DSD Departamento da Qualidade na Saúde Quais os Sintomas? Os sintomas são semelhantes aos da gripe sazonal: Febre de início súbito (superior a 38ºC) Tosse Dores

Leia mais

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água

Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Funcionamento de uma Torre de Resfriamento de Água Giorgia Francine Cortinovis (EPUSP) Tah Wun Song (EPUSP) 1) Introdução Em muitos processos, há necessidade de remover carga térmica de um dado sistema

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO Página: 1 de 5 FISPQ Nº: 037 Data da última revisão: 26/10/2010 Nome do Produto: Betugrout 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Betugrout Código do Produto: 026050025. Nome da Empresa:

Leia mais

Introdução. O objectivo desta apresentação:

Introdução. O objectivo desta apresentação: Prevenção da Gripe A Introdução O objectivo desta apresentação: Consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente, de modo, articulado, em cada fase da evolução da pandemia.

Leia mais

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório.

3. Identificação dos Perigos Perigos mais importantes : Ação irritante para olhos, pele e sistema respiratório. Tripolifosfato de Sódio Página 1 de 5 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do produto : Tripolifosfato de Sódio Código do produto : 001.019 Empresa Corpo de Bombeiros : 193 Polícia Militar : 190

Leia mais

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1).

É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). INFLUENZA (GRIPE) SUÍNA INFLUENZA SUÍNA É uma doença respiratória aguda, causada pelo vírus A (H1N1). Assim como a gripe comum, a influenza suína é transmitida, principalmente, por meio de tosse, espirro

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR. INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE PARA A COMUNIDADE ESCOLAR INFLUENZA A H1N1 junho de 2011 Medidas de prevenção: Higienizar as mãos com água e sabonete/sabão antes

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM

INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Plano de Contingência Gripe A (H1N1) SANTARÉM, JULHO, 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DE SANTARÉM Gripe A (H1N1) Informações Gerais SANTARÉM, JULHO, 2009 Primeira pandemia

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais