PAPEL DOS HORMÔNIOS NA LACTAÇÃO *

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAPEL DOS HORMÔNIOS NA LACTAÇÃO *"

Transcrição

1 PAPEL DOS HORMÔNIOS NA LACTAÇÃO * Introdução. A glândula mamária é um tecido especializado, anatomo-morfologicamente adaptado a processos filtrativos e bioquimicamente complexo. Seu desenvolvimento caracteriza uma vitória ontogênica dos mamíferos mediante a qual muitos processos reprodutivos puderam ser mais eficientes (redução do tempo de gestação nos marsupiais; nascimento relativamente imaturo -desenvolvimento mandibular sem dentes que favorece a expulsão da cabeça do feto no momento do parto- e manutenção de crias em fases posteriores em toda a classe mammalia). Por isto, alguns consideram que a glândula mamária é um órgão reprodutivo anexo, dado que através de sua secreção a descendência dos mamíferos, que nasce em estado de total dependência nutricional obtém o alimento básico para continuar com seu desenvolvimento extra-uterino. Todos os mamíferos são absolutamente dependentes da mãe, quem mediante a secreção conhecida como leite entrega à cria um produto nutricionalmente balanceado que garante a vida do neonato. Na ausência desta, o recém-nascido não sobreviveria depois do parto. Reprodução e lactação são partes do mesmo processo. A fisiologia da lactação está relacionada com a fisiologia dos processos reprodutivos. A maior parte do desenvolvimento estrutural da glândula mamária ocorre durante a gestação. Neste período, a fisiologia da gestação desenvolve duas tarefas independentes mas sinérgicas que garantem a sobrevivência da espécie: de uma parte, o sistema materno fornece ambiente estéril, proteção, umidade, calor, nutrientes, intercâmbio gasoso, realiza funções metabólico-sensoriais; de outro lado, provê, mediante o desenvolvimento da glândula, a possibilidade de fornecer alimento (água, minerais, vitaminas, proteína e energia) ao recém-nascido que garantem sua sobrevivência e desenvolvimento, uma vez que no momento do parto ocorrem dramáticas transformações metabólicas e fisiológicas. Alguns hormônios envolvidos na gestação são também responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento da glândula mamária, em uma relação estreita entre crescimento fetal e desenvolvimento mamário (mamogênese). Próximo do parto e intimamente ligado aos eventos fisiológicos que causam a expulsão do feto, é iniciada a função secretora por parte da glândula (lactogênese). Zootecnicamente, o homem aproveitou o alto poder nutritivo da secreção láctea de alguns mamíferos (bovinos, caprinos, búfalos), como fonte alimentar de alto poder calórico, fácil obtenção e baixo custo, desenvolvendo na produção de leite uma indústria de amplos níveis técnicos em todas as áreas envolvidas no processo. Desenvolvimento da glândula mamária. A glândula mamária, é uma glândula apocrina modificada, pertencendo portanto, às glândulas cutâneas, mas com desenvolvimento funcional especial. Inicialmente, aparece na forma de um engrossamento epidérmico conhecido como linha mamária que se estende desde a região torácica até a região lombar. A linha mamária, por proliferação celular, origina a cresta mamária, a qual se destaca sobre a superfície e oferece uma dilatação regional. Na cresta, aparecem logo protuberâncias a intervalos definidos, dando o aspecto de um cordão chamado eminência mamária. A cresta desaparece, o * Seminário apresentado na disciplina Bioquímica do Tecido Animal (VET00036) no Programa de Pós- Graduação em Ciências Veterinárias da UFRGS, pelo aluno RÓMULO CAMPOS GAONA no primeiro semestre de Professor da disciplina: Félix H.D. González.

2 esboço da glândula mamária se desloca em direção ventral e as eminências mamárias originam os processos mamários, característicos de cada espécie. O desenvolvimento do mamilo vai acompanhado de transformações do mesênquima que rodeia a gema mamária, a qual se eleva desde a circunvolução cutânea que a delimita. O duto originado no broto primário está fechado ao exterior por um tampão córneo em nível do extremo do mamilo. Posteriormente, este se desfaz e origina o duto papilar e a cisterna láctea, em comunicação com o exterior. Até este momento, todos os eventos do desenvolvimento embriológico ocorrem como resultado da expressão genética primária. A glândula mamária fica em estado latente até a puberdade, momento em que começam a formar-se os alvéolos verdadeiros a partir do sistema glandular juvenil, quando é substituído o tecido adiposo de recheio por tecido glandular, apenas na fêmea, ficando no macho a glândula em estado juvenil. A partir da glândula mamária juvenil, os hormônios gonadotróficos hipofisiários (FSH, LH) estimulam seu crescimento, ao tempo que a fêmea desenvolve sua maturação sexual e regulariza sua ciclicidade estral. Entretanto, apenas ao momento da primeira gestação, e por influência dos estrógenos e da progesterona, quando se desenvolve plenamente o sistema de dutos lactíferos (efeito de estrógenos, hormônio do crescimento e esteróides adrenais) e a diferenciação completa dos alvéolos (efeito da progesterona e a prolactina). O tecido glandular sofre desenvolvimento cada vez mais acentuado, deslocando por completo o tecido adiposo e constituindo o parênquima. A camada epitelial de revestimento e as células que a rodeiam se formam por diferenciação gradual dos alvéolos. Todo o processo chama-se mamogênese, evento controlado de forma genética e endócrina. Existem ao menos dois eventos que confirmam este sistema de controle: primeiro, se o mesênquima mamário for transplantado para outro lugar, observa-se a formação do botão mamário no lugar do transplante; segundo, é possível conseguir que a glândula mamária em machos ou fêmeas tenha secreção ativa ao nascimento com a administração exógena de hormônios na mãe. O controle hormonal, no desenvolvimento da glândula mamária tem sido estudado mediante extirpação de glândulas endócrinas, especialmente através de hipofisectomias, adrenalectomias, isolamento de ilhotas pancreáticas, ovarectomias e tireoidectomias. Aos animais tratados cirurgicamente lhes são fornecidas diversas combinações de hormônios para medir o efeito das doses com relação ao crescimento e à diferenciação dos dutos e do tecido alveolar. Tanto os estudos in vivo como in vitro têm demonstrado o grande número de hormônios que estimula e controla o desenvolvimento da glândula mamária. Por exemplo, estrógenos e progesterona exógenos podem causar crescimento e desenvolvimento da glândula em animais ovarectomizados e hipofisectomizados, mas o efeito é menor quando somente são animais ovarectomizados, o que demonstra a influência na mamogênese de FSH e LH. Terapias de substituição, como a suplementação de hormônios tireoidianos em animais hipofisectomizados, mostram algum grau de resposta, especialmente na secreção de esteróides ováricos, mas somente se a terapia incluir ao mesmo tempo corticosteróides. Os hormônios envolvidos no crescimento e diferenciação do sistema da glândula mamária estimulam a síntese de DNA (estrógenos) ou a síntese de RNA e proteínas, como a caseína, ação em que a prolactina participa ativamente. Nesta fase de desenvolvimento fica claro que os estrógenos produzem crescimento extensivo dos dutos, pois na ovarectomia se interrompe o crescimento alométrico da glândula mamária, tornando-o isométrico. Também, nesta fase a placenta contribui com estrógenos na regulação do crescimento, embora os níveis desses hormônios não devem 2

3 ser elevados, uma vez que se conhece que a administração exógena de estrógenos resulta em glândulas mamárias pequenas. Quanto à progesterona, o maior desenvolvimento da glândula ocorre quando suas concentrações são altas, sendo a sua ação sinérgica com os estrógenos, juntos promovendo a multiplicação de células epiteliais mamárias, ação produzida mediante a redução do tempo de síntese de DNA mamário. À medida que a gestação avança, os receptores celulares para estrógenos e progesterona passam progressivamente da forma 4s a 8s, mudança que é induzida pela prolactina. Existe um efeito regulatório sobre o receptor de progesterona no citosol, pelo qual ele não está ativo durante a lactação, o que explica porquê a administração exógena de progesterona nesse período não afeta o desenvolvimento da glândula e, portanto, não induz síntese de leite. A hipófise participa na mamogênese através de vários hormônios como prolactina (PRL), hormônio do crescimento (GH), hormônio adrenocorticotrópico (ACTH), FSH/LH e hormônio estimulante da tiréoide (TSH). Essas participações têm sido estudadas a partir da radioimunoanálise e outras técnicas altamente sensíveis desenvolvidas nas últimas décadas. Também foi conhecido que a ação dos hormônios não é individual mas sinérgica, especialmente regulada pela atividade das gonadotrofinas (FSH/LH) que, por sua vez, induzem na gônada o desenvolvimento folicular ou luteal, com a respectiva secreção de estrógenos e progestágenos relacionados diretamente com o desenvolvimento da glândula. Os hormônios em maior grau envolvidos com o processo de crescimento são a PRL e o GH, atualmente classificados na família das somatotropinas e, aparentemente, com efeito aditivo. Em algumas espécies, um hormônio de origem placentária, denominado genericamente como lactogênio placentário similar à PRL, também participa na estimulação do crescimento da glândula. Em estudos específicos na fase de gestação, os receptores das células mamárias para o lactogênio placentário deslocam os receptores da PRL, o que explica parcialmente porquê as concentrações de PRL são baixas nos primeiros quatro meses da gestação em bovinos e depois se elevam consideravelmente. O GH não tem níveis circulantes elevados durante a gestação, tendo níveis significativos apenas nas duas últimas semanas. O hormônio adrenocorticotrópico (ACTH) não tem ação direta comprovada sobre a glândula mamária, mas seus efeitos sobre o metabolismo geram efeito sobre a glândula. Por isto, alguns corticóides aceleram o desenvolvimento mamário mediados pelo aumento das poliaminas espermidina e espermina (derivados de metionina ou ornitina, envolvidos no empacotamento do DNA). Similarmente ao GH, os níveis séricos de cortisol são baixos durante a gestação e só aumentam dois a três dias antes do parto. Os hormônios tireoidianos T 3 e T 4 tampouco possuem ação direta sobre a glândula mamária para estimular seu crescimento, tendo efeitos secundários, embora o hipotireoidismo detém o desenvolvimento da glândula em ratos, podendo reiniciar-se com suplementação exógena desses hormônios. O papel da insulina não é claro, pois ela estimula a mitose das células mamárias invitro, mas não é essencial para o crescimento in-vivo. Ainda sem conhecer a sua ação específica, têm sido isolados receptores para insulina nas células da glândula. Finalmente, os processos de crescimento da glândula mamária, ocorrem de forma crítica no final da gestação, quando a profunda integração endócrina direciona os processos metabólicos mediante ações sinérgicas diretas ou indiretas para obter hipertrofia (síntese de RNA) e diferenciação celular (síntese de DNA) do sistema glandular e do tecido de suporte (tecido conjuntivo), com o qual, a glândula estará 3

4 preparada para iniciar os processos de síntese bioquímica dos diferentes componentes de sua secreção após o início da lactogênese. GESTAÇÃO ESTRÓGENO PROLIFERAÇÃO PLACENTA PROGESTERONA CÉLULA MAMÁRIA ESTÍMULO ESTRÓGENO EFEITO EXTEROCEPTIVO PROGESTERONA SECUNDÁRIO CORTICÓIDES T3/T4 SNC MANUTENÇÃO GH PRL CÉLULAS MAMÁRIAS OVÁRIOS FSH/LH HIPOTÁLAMO RF HIPÓFISE IF Figura 1. Resumo da participação endócrina no processo da mamogênese. Considerações morfológicas da glândula mamária. Existe na literatura abundante material com descrições detalhadas dos aspectos anatômico-estruturais, de irrigação, inervação e de drenagem linfática da glândula mamária que não é do caso analisar aqui. Entretanto, vale a pena salientar a estrutura dos alvéolos com seu especial sistema de sustentação que na forma de rede invertida permite que a secreção láctea flua à cisterna da glândula, a qual é capaz de armazenar 100 a 400 ml de leite e serve como ponto de acumulação dos dutos principais (10-20), os quais se ramificam repetidamente para finalizar nos alvéolos, verdadeiro tecido secretor do leite. O alvéolo, pode considerar-se como unidade funcional da glândula mamária. Está composto por uma linha de células epiteliais rodeada de tecido conjuntivo e por células mioepiteliais e vasos sangüíneos. As células epiteliais são capazes de extrair nutrientes desde o sangue, sintetizar componentes do leite (gordura, proteína, lactose) e secretar leite para a luz do alvéolo. As células mioepiteliais são células musculares especializadas que envolvem os alvéolos e os dutos menores e se contraem na ejeção do leite. Dentro dos componentes celulares, a membrana celular possui ampla especialização e, aparentemente, tem elementos tisulares únicos que lhe permitem drásticos trabalhos de filtração. Para produzir um litro de leite, a glândula deve filtrar cerca de 500 litros de sangue a uma taxa de filtração de 800 litros/hora. Também permite o trabalho de ligação de receptores de membrana ou ativação de receptores de segundos mensageiros. O retículo endoplasmático sintetiza proteína e esterífica ácidos graxos, e o aparelho de Golgi sintetiza lactose e processa proteína. A inervação autônoma da glândula mamária só conta com o sistema simpático, não encontrando-se fibras nervosas parassimpáticas. O sistema eferente simpático inerva os músculos lisos que circundam os vasos sangüíneos, os túbulos coletores e os esfíncteres 4

5 do mamilo. A estimulação do mamilo envia informação aferente ao sistema nervoso central, que é recebida na hipófise posterior, onde se libera ocitocina e se inicia a ejeção do leite, mediante contração das células mioepiteliais. A hipófise anterior libera outros hormônios necessários para manter a galactopoiese. Quando ocorre excitação do animal, a adrenalina diminui o fluxo de sangue para a glândula mamária e reduz a saída de leite. Foi postulada a expressão de elementos na glândula de forma independente em cada quarto da glândula, quanto ao volume produzido sob um mesmo nível sangüíneo de hormônios ou de metabolitos circulantes. Lactogênese: generalidades fisiológicas. A lactogênese é o início da secreção de leite. A prolactina (PRL) desempenha um importante papel neste processo, liberando-se quando o mamilo é manipulado, seja pelo neonato (sucção) ou mediante estimulação mecânica ou manual (ordenha). Os estímulos sensoriais são levados ao hipotálamo, onde se sintetiza PRF (Fator de Liberação de Prolactina) e se secreta a dopamina, principal fator de inibição da prolactina, conhecido também como PIF (Fator Inibidor da Prolactina). Há evidência que o VIP (Peptídeo Intestinal Vasoativo) induz a secreção de PRF. Dois fatores possuem estreita relação com a liberação de PRL: em primeiro lugar, requer um tempo após o início da remoção do leite para atingir o pico máximo de secreção do hormônio, normalmente de 30 minutos. Em segundo lugar, é necessária a remoção permanente do leite em intervalo próximo a 12 horas para estimular a liberação de PRL. Os valores de PRL em circulação diminuem na medida que a lactação avança. Regulação endócrina da lactogênese. Dentro do complexo processo de síntese láctea, a regulação hormonal induz, modula ou bloqueia os diferentes eventos relacionados com a lactogênese. Os requerimentos endócrinos específicos variam entre as espécies, mas em geral as necessidades mínimas incluem PRL, glicocorticóides, ausência relativa de progesterona, hormônio do crescimento, parathormônio, calcitonina e ocitocina. Desde a década de 1960, se conhece que PRL, ACTH e estrógenos iniciam a lactação e que a progesterona inibe a lactogênese, o que explica porquê a secreção láctea aumenta gradualmente depois do parto, uma vez que os níveis séricos de progesterona, de origem luteal ou placentária caem. Basicamente se requerem três fatores para que a ação endócrina possa controlar a lactação: o número de células mamárias, a atividade sintética das células epiteliais mamárias e a manutenção de um eficiente reflexo para a ejeção do leite. Na Figura 2, se mostra um esquema resumido da interação endócrina no processo da lactação. Prolactina (PRL). Possui um peso molecular de 32 kda, com estrutura similar ao hormônio do crescimento (GH). É um hormônio protéico, com receptor na membrana. É produzido nos lactotropos (células acidófilas) da hipófise anterior, cujo número aumenta dramaticamente durante a fase final da gestação. A PRL está envolvida na iniciação e manutenção da lactação. Ela tem um papel importante na diferenciação das células da glândula mamária e controla os passos bioquímicos envolvidos na síntese do leite. Induz a acumulação de mrna da caseína, estimulando a expressão de genes desta proteína e provavelmente de outros genes. Os receptores para prolactina na glândula mamária aumentam paralelamente com o aumento da secreção de PRL no período do peri-parto. A PRL não atua sozinha, mas de forma sinérgica com outros hormônios. Estudos in-vitro têm demonstrado que a PRL 5

6 produz aumento na membrana da mitocôndria e induz a síntese de α-lactalbumina, lactose e gordura. HIPOTÁLAMO RF/IF HIPÓFISE ANTERIOR POSTERIOR GH/PRL ACTH TSH FSH/LH OT ADRENAL TIRÉOIDE OVÁRIO glicocorticóides T3/T4 E2/P4 PTH/CT INSULINA/GLUCAGON PROLIFERAÇÃO E REGULAÇÃO DAS CÉLULAS MAMÁRIAS Figura 2. Resumo da interação endócrina na lactação. As concentrações séricas de PRL têm correlação positiva mas de baixo nível com a secreção de leite em bovinos, não sendo possível aumentar a produção de leite mediante administração exógena de PRL. Igualmente, foi encontrado que a supressão da secreção de PRL durante uma lactação já estabelecida não afeta a produção de leite. Portanto, a PRL pode ser importante, porém não limitante para a manutenção da lactação. A hipofisectomia no início da lactação resulta em completa interrupção da secreção de leite. Várias drogas e compostos biológicos naturais reduzem a secreção de PRL, entre os quais estão a dopamina, a bromocriptina e os alcalóides derivados do ergot. O bloqueio da PRL ocorre em nível de sua secreção e não no receptor, o que foi evidenciado porque o único hormônio que bloqueia o receptor de PRL de forma específica é a progesterona. Igualmente, o bloqueio da PRL, não ocasiona inibição total da lactação, mas apenas a reduz em cerca de 45%. Para a sua ação biológica, a PRL ativa seu receptor, se internaliza na célula e causa indução da expressão gênica. Posteriormente, o complexo receptor-hormônio é degradado nos lisossomos. Com relação à PRL, há estudos sobre seus níveis de secreção, sua participação na lactação, o grau de inibição por bloqueadores farmacológicos ou pela ação de outros hormônios (progesterona, lactogênio placentário), que mostram marcadas diferenças conforme a espécie estudada. A secreção de PLR é estimulada por estímulos de sucção. Em geral, em ruminantes a ação da PRL é muito mais intensa que nos roedores. 6

7 Lactogênio placentário (LP). Tem sido encontrado nas diferentes espécies. Sua secreção começa desde poucos dias após a fecundação até metade da gestação. Possui atividade luteotrópica e lactogênica, embora esta última não suficientemente elucidada. Os efeitos metabólicos são similares aos ocasionados pelo hormônio do crescimento (GH). Os níveis circulantes de lactogênio placentário caem à medida que o parto se aproxima. Contudo, no primeiro estágio da lactação ainda persistem alguns níveis tão baixos (de forma prática indetectáveis), que há dúvida que por si só possam ter atividade lactogênica. Diferentes lactogênios placentários (ovino, humano) apresentam atividade lactogênica em cultivos de células mamárias in-vitro. A injeção de lactogênio placentário humano em coelhos ocasiona secreção de caseína, tendo, portanto, atividade lactogênica, porém muito inferior àquela desenvolvida pela PRL. A ação do lactogênio placentário é mediada através do receptor da PRL. Por si só o lactogênio bloqueia o receptor ocupando seu sítio de ativação, mas esta ação é de maior nível se existe progesterona em circulação. Acredita-se que os LP têm maior ação no processo de mamogênese que no de lactogênese, o que explica sua ação similar ao hormônio do crescimento. Conhece-se que o lactogênio placentário bovino é secretado primariamente na circulação fetal, mas o significado fisiológico deste fato não se sabe. A informação existente sobre os lactogênios placentários indica que eles teriam uma menor importância na lactogênese. Hormônio do crescimento (GH). O GH é um polipeptídio simples (uma cadeia) com peso próximo a 22 kda em todos os mamíferos. Sintetizado nos somatotrofos (cédulas acidófilas da hipófise),é o mais abundante dos hormônios hipofisiários e liberado por estímulo hipotalámico. É considerado como hormônio pertencente ao grupo das somatotropinas junto com a PRL e os LP. Os hormônios somatotrópicos são um grupo de hormônios protéicos com homologia na sua seqüência, contendo entre aminoácidos, com resíduos de triptofano e duas pontes dissulfeto, provenientes de um mesmo gene ancestral, embora a sua expressão precisa de múltiplos genes. O receptor para GH é membro da citocina-hematopoietina, cuja união ativa diferentes vias que atuam como sinais ativos em processos específicos como fosforilação e transcrição de genes, ativação da MAP-quinase, fosforilação e ativação da PI3-quinase e ativação da proteína C-quinase. O GH é essencial no crescimento pós-natal e no metabolismo de lipídios, proteínas e minerais. Todos os efeitos são mediados por IGF I e IGF II. O GH aumenta o transporte de aminoácidos nas células musculares, favorece a síntese de proteína, induz a síntese de RNA/DNA nos tecidos, provocando, em geral, um balanço energético positivo. No metabolismo dos carboidratos, o GH antagoniza os efeitos da insulina, sendo hiperglicemiante, aumenta a glicogenólise e, com isto, dando maior aporte de glicose aos tecidos. No metabolismo dos lipídios, promove a liberação de ácidos graxos e glicerol desde o tecido adiposo, aumenta a circulação de ácidos graxos livres e aumenta a oxidação desses ácidos no fígado. Ocasiona aumento dos valores séricos de cálcio, magnésio e fosfato, com ação sobre o osso. Também causa retenção de sódio. Por ter ampla participação em todas as vias metabólicas relacionadas com a lactogênese é talvez o hormônio com maior incidência direta sobre a lactação, atuando de forma sinérgica com PRL, ACTH e hormônios tireoidianos. 7

8 Conhece-se que o GH, junto com a PRL e os corticóides estão em pequenas quantidades na circulação durante grande parte da gestação. A progesterona freia sua ativação, mas permanecendo níveis basais. Pouco antes do parto começam mudanças nos níveis circulantes com pico significativo ao redor do parto. Desde 1937 se conhece que o GH é, claramente, galactopoiético em ruminantes, o que motivou sua síntese por DNA recombinante e sua produção industrial. Foi comprovado que o GH pode aumentar entre 6 a 35% a produção de leite, dependendo da forma a freqüência da suplementação exógena e das condições ambientais externas. A administração de GH, em vacas com balanço energético negativo (BEN), aumenta a quantidade de gordura no leite e causa diminuição dos níveis de proteína, sem afetar os níveis de lactose. No leite de animais tratados com GH há maior quantidade de ácidos graxos de cadeia média e longa que de cadeia curta e a α-lactalbúmina aumenta em até 32%. Em nível hepático, o GH estimula a capacidade do fígado para metabolizar propionato. Em contraste, quando a suplementação de GH é feita em animais em balanço energético positivo, não ocorrem mudanças na secreção láctea, o que indica que o GH modula efetivamente a homeorrese, direcionando a distribuição de nutrientes, favorecendo o uso de metabolitos pela glândula mamária. O uso prolongado de GH, natural ou recombinante, não produz mudanças a longo prazo nas características químicas da secreção (gordura, proteína, lactose). O GH produz mudanças no balanço energético nos animais suplementados, embora, após um período de adaptação, aumenta o consumo voluntário de alimentos retornando a um balanço energético positivo após 70 dias. As concentrações basais de GH e de TRH aumentam no início da lactação quando a glândula sintetiza volumes crescentes de leite. Foi comprovado estímulo positivo do GRH (Fator de Liberação do GH, de origem hipotalámica) em qualquer fase da lactação. Os mecanismos mediante os quais o GH atua em ruminantes envolvem mudanças coordenadas no metabolismo de gordura, proteína e carboidratos na glândula mamária. Entretanto, o GH, não atua modificando as taxas de digestibilidade de nutrientes, nem os requerimentos para manutenção corporal. As mudanças energéticas se associam ao aumento metabólico necessário para compensar o aumento na síntese láctea. O anterior confirma a hipótese de que o GH atua mediante modificação pós-absortiva de nutrientes. Diversos trabalhos têm estudado os mecanismos de ação do GH. Ele aumenta a taxa de uso de glicose para sua conversão em lactose, sem que os níveis basais de glicose abaixem, o que consegue mediante redução da oxidação da glicose em outros tecidos. Também, o GH participa na mobilização de lipídios de reserva, o que tem como conseqüência o aumento de ácidos graxos de cadeia longa no leite. Com relação aos minerais, o GH não modifica os níveis de cálcio e fósforo na secreção. As modificações que ocasiona o GH no organismo são, no geral, para produzir mudanças homerrésicas que garantam o aumento da secreção. Entretanto, o hormônio não se une especificamente a receptores na glândula mamária somente. De fato, se une com maior especificidade a receptores para GH no tecido hepático, mas ainda assim, exerce efeitos galatopoiéticos significativos. Tem sido postulado que a somatomedina C (IGF I ) pode mediar a resposta galatopoiética do GH, através de receptores específicos localizados tanto na glândula mamária como nos tecidos responsáveis pelo fornecimento de metabolitos precursores dos diversos componentes da secreção (fígado, tecido adiposo). 8

9 Glicocorticóides. Diversos trabalhos têm demonstrado que os glicocorticóides têm um papel importante no processo de lactogênese. Na célula alveolar, o cortisol induz a diferenciação do retículo endoplasmático rugoso e do aparelho de Golgi, participando no metabolismo de carboidratos e no balanço eletrolítico. A adrenalectomia bloqueia a síntese de proteínas (caseína) e de RNA que normalmente ocorre durante a lactogênese. Por isto, se deduz que o papel dos corticóides adrenais é importante durante toda a lactação. Os glicocorticóides começam a liberar-se, de forma crescente, no final da gestação. Mas os receptores para eles na glândula mamária estão bloqueados pela progesterona. Assim que os níveis dela caem, os corticóides tornam-se ativos. Adicionalmente, a globulina, que é a proteína transportadora dos corticóides no sangue, aumenta também no final da gestação. Têm sido encontrados maiores níveis circulantes de cortisol em vacas lactantes do que em não lactantes. Também, o número de receptores para cortisol na glândula mamária ativa supera em até quatro vezes o número de receptores na glândula mamária inativa, evidencia que dá suporte adicional sobre o papel dos corticóides na lactação. Por outra parte, quando se administram glicocorticóides exógenos em grandes quantidades, a síntese de leite é bloqueada. Hormônios tireoidianos. Os estudos sobre efeitos diretos dos hormônios tireoidianos na lactação, têm mostrado resultados contraditórios. Não se encontrou efeito direto dos hormônios sobre as células da glândula mamária, embora alguns trabalhos têm demonstrado que a triiodotironina (T 3 ) afeta a síntese de DNA nas células epiteliais mamárias. A administração de caseína iodada, que possui atividade como tiroxina (T 4 ) aumenta entre 10-30% a produção de leite, dependendo do momento de sua aplicação, sendo mais efetiva no final da lactação. Todavia, o aumento da produção de leite ocasiona maiores necessidades de nutrientes, ocasiona perda de peso, aumento do gasto cardíaco, maior consumo de oxigênio e aumento da temperatura corporal. Em diversos estudos se encontrou correlação negativa entre os níveis circulantes de hormônios tireoidianos e a produção de leite. Também, se conhece que a atividade de T 3 e de T 4 varia conforme a temperatura ambiental e o conteúdo energético da dieta. Assim, vacas em balanço energético negativo não respondem a tiroxina exógena, o que sugere que as mudanças na produção de leite estão mais relacionadas com efeitos de homeorrese do que com uma ação única da tiroxina. A aplicação de TRH, produz liberação de GH, PRL e TSH, aumentando a produção de leite, o que sugere um trabalho sinérgico entre os diferentes hormônios na lactação. Durante a lactação são excretadas grandes quantidades de iodo no leite, o que pode ocasionar redução nos níveis de T 3 e T 4, ocasionando um estado de hipotireoidismo temporário durante a lactação. Em recentes estudos se encontrou na glândula mamária um inibidor de hormônios tireoidianos em animais gestantes e em não lactantes, o que explica parcialmente o papel dos hormônios tireoidianos como hormônios galactopoiéticos. É possível, que a ação de T 3 sobre a lactação não seja especificamente sobre as células epiteliais da glândula mamária, mas de forma indireta através do metabolismo basal e da homeorrese. Calcitonina. A calcitonina é um peptídio de 32 aminoácidos, sintetizado nas células C da glândula tiréoide como pró-calcitonina. A calcitonina regula os níveis de cálcio, sendo secretada quando existe aumento dos níveis circulantes, prevenindo o aumento sérico de cálcio e 9

10 de fósforo durante a lactação, por inibição da ressorção óssea. Os níveis de calcitonina se elevam ao redor do parto, mas não existe evidência se sua depleção bloqueia a secreção normal de leite. Hormônio da paratiréoide (PTH). A ação do paratohormônio (PTH) é contrária àquela da calcitonina, aumentando portanto, os níveis de cálcio sangüíneo. A hipocalcemia estimula a liberação do hormônio. No peri-parto aumentam os níveis séricos do hormônio paratireoidiano que mobiliza de forma drástica cálcio desde o osso e estimula a atividade da 1,25 di-hidroxi-vitamina D 3, al qual aumenta a absorção de cálcio desde o intestino. Durante a lactação, e devido às altas taxas de secreção de cálcio no leite, a paratireoidectomia reduz a produção de leite. Insulina e glucagon. Os efeitos da insulina, de forma específica sobre a glândula mamária, não são claros. De fato, a insulina induz a utilização de glicose pelas células, mas, a glândula mamária pode utilizar glicose, acetato, β-oh-butirato e triglicerídeos de forma independente da insulina. Acredita-se que a insulina atua na lactação modulando a homeorrese, estimulando a síntese de proteína e lipídios e aumentando a utilização de acetato no tecido adiposo. A glândula mamária requer níveis basais de insulina. O glucagon atua de forma oposta à insulina, estimulando a glicogenólise e a gliconeogênese. Os níveis de glucagon aumentam entre os dias 5 a 30 da lactação, o que sugere um papel de controle do metabolismo energético durante o início da lactação. Sabendo que os níveis de insulina, glucagon, GH e T 4 se elevam no período do parto (duas semanas antes até um mês depois) isto se associa a sua participação no controle da lactação mediante o controle da absorção/utilização de nutrientes, da homeorrese e do metabolismo basal. Esteróides ováricos. Estabelecida a lactação, a ovarectomia não afeta a produção de leite de forma direta. Todavia, os estrógenos a diminuem de forma temporária, o que se evidencia com a queda de produção ao redor do cio. Existem receptores para estrógenos no tecido mamário. Estes hormônios, devido a sua estrutura esteróide (lipídica) se unem à gordura do leite, sendo secretados nele. O bloqueio dos receptores para estrógenos ou sua inibição, ocasiona redução no reflexo da ejeção, talvez mediada pela redução da ação das células mioepiteliais e das células contráteis dos alvéolos. A progesterona tem sido associada ao bloqueio da lactação. Os receptores de progesterona no tecido mamário são 75% menos em vacas lactantes do que em não lactantes. Pela alta afinidade da molécula de progesterona pela gordura, ela pode ser seqüestrada e excretada no leite anulando a sua função biológica na glândula. Os estrógenos ováricos têm sido usados para a indução da lactação mediante a sua administração exógena em doses controladas. Se utiliza em animais cuja lactação está no fim e estão gestantes. Procura-se obter produção de leite com rentabilidade econômica, em animais de alta produção, porém com falhas reprodutivas. O volume obtido nas lactações induzidas atinge 70% do volume de uma lactação normal. 10

11 Ocitocina (OXT). A ocitocina se sintetiza no hipotálamo e se armazena na hipófise posterior, sendo similar quanto a sua composição química ao hormônio antidiurético (ADH). Sua meia-vida é curta (2-4 minutos), possui ação sobre o músculo liso e sobre as células mioepiteliais na glândula mamária. A ocitocina se considera o hormônio da ejeção do leite, requisito básico para a lactogênese. Além disso, é considerado como hormônio galactopoiético. Encontram-se maiores valores basais de OXT no início da lactação do que no final. A secreção de ocitocina é inibida pela adrenalina. BIBLIOGRAFIA Bauman, D. E Bovine somatotropin: review of an emerging animal technology. J. Dairy Sci. 66: Collier, D, et al A review of endocrine regulation of metabolism during lactation. J. Animal Sci. 59: Forsyth, I.A Growth factors in mammary gland function. J. Reprod. Fert. 85: Hurley, W. L Lactation Biology: General References. Departament of Animal Sciences, University of Illinois, Urbana. Jensen, R.G., Ferris, A.M. & Lammi-Keefe, C.J The composition of milk fat. J. Dairy Sci. 74: Kronfeld, D.S Major metabolic determinants of milk volume, mammary efficiency and spontaneus ketosis in dairy cows. J. Dairy Sci. 65: McDonald, L Endocrinología Veterinaria y Reproducción. Cuarta Edición. Interamericana- McGraw-Hill, México. Plaut, K Role of Epidermal Growth Factor and transforming growth factors in mammary development and lactation. J. Dairy Sci. 76: Tucker, A., Lactation and Its Hormonal Control. In: The Physiology of Reproduction. Knobill & Neill Editors. Reven Press, New York. 11

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas)

Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) Existem três tipos de glândulas: endócrinas (tireóide, suprarrenal), exócrinas (lacrimais, mamárias) e anfícrinas ou mistas (pâncreas) É formado pelas glândulas endócrinas Essas tem origem no tecido epitelial

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Introdução Boa parte do funcionamento do corpo humano depende da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos que viajam pelos sangue. Conjunto de células produtoras de hormônios. Hormônios

Leia mais

Profª Leticia Pedroso

Profª Leticia Pedroso Profª Leticia Pedroso Sistema Endócrino O homem apresenta em seu organismo várias glândulas endócrinas (glândulas que secretam hormônios para dentro do sangue). Hormônios são mensageiros químicos responsáveis

Leia mais

CONTROLE E INTEGRAÇÂO

CONTROLE E INTEGRAÇÂO CONTROLE E INTEGRAÇÂO A homeostase é atingida através de uma série de mecanismos reguladores que envolve todos os órgãos do corpo. Dois sistemas, entretanto, são destinados exclusivamente para a regulação

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise):

Sistema Endócrino. Introdução. Glândulas e suas secreções. 1. Hipotálamo: 2. Hipófise anterior (adeno-hipófise): Introdução Sistema Endócrino O sistema endócrino é composto por um grupo de tecidos especializados (glândulas) cuja função é produzir e liberar na corrente sanguínea substâncias chamadas Hormônios. Os

Leia mais

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia

HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE. Introdução à Endocrinologia HIPOTÁLAMO E HIPÓFISE Introdução à Endocrinologia GENERALIDADES SOBRE HORMÔNIOS CONCEITO Hormônios são substâncias que funcionam como mensageiras inter-celulares CLASSIFICAÇÃO DOS HORMÔNIOS PROTÉICOS Formados

Leia mais

Fisiologia do Sistema Endócrino-I

Fisiologia do Sistema Endócrino-I Curso Preparatório para Residência em Enfermagem-2012 Fisiologia do Sistema Endócrino-I Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam

Leia mais

Aula 23 Sistema endócrino

Aula 23 Sistema endócrino Aula 23 Sistema endócrino O sistema endócrino é formado por órgãos e tecidos que secretam hormônios. Os hormônios são lançados na corrente sangüínea e influenciam a atividade de células, órgãos ou sistemas.

Leia mais

Exercícios de Coordenação Endócrina

Exercícios de Coordenação Endócrina Exercícios de Coordenação Endócrina 1. (UFABC) Leia a tirinha: Material de apoio do Extensivo Enquanto o futuro não chega, diabéticos controlam a glicemia através de injeções diárias de insulina ou mesmo

Leia mais

3) (UFABC/2009) Leia a tirinha:

3) (UFABC/2009) Leia a tirinha: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 11) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli

Disciplina de Fisiologia Veterinária. GH e PROLACTINA. Prof. Fabio Otero Ascoli Disciplina de Fisiologia Veterinária GH e PROLACTINA Prof. Fabio Otero Ascoli GH Sinônimos: Hormônio do crescimento ou somatotrópico ou somatotropina Histologia: Em torno de 30 a 40% das células da hipófise

Leia mais

10/06/2013 GLÂNDULAS ENDÓCRINAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (NAV) Tireóide Paratireóide Hipófise Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo

10/06/2013 GLÂNDULAS ENDÓCRINAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS (NAV) Tireóide Paratireóide Hipófise Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Campus Curitibanos Medicina Veterinária ANATOMIA II (NAV) Tireóide Paratireóide Pineal Adrenal Ilhotas pancreáticas Timo Profa. Rosane Silva glândulas de secreção

Leia mais

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse.

22.05. O tipo básico de tecido epitelial é o de revestimento sendo os demais tecidos epiteliais (glandular e neuroepitélio) derivados desse. BIO 8E aula 22 22.01. O tecido epitelial de revestimento é pobre em substância intercelular e avascular. Existe também o tecido epitelial glandular que é derivado do tecido epitelial de revestimento. O

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA III

FISIOLOGIA HUMANA III FISIOLOGIA HUMANA III UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO Profª Drª Silvia Aparecida Pieta Interação dos sistemas nervoso e endócrino Os sistemas nervoso e

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das VISÃO GERAL GLÂNDULAS ENDÓCRINAS

SISTEMA ENDÓCRINO. Jatin Das VISÃO GERAL GLÂNDULAS ENDÓCRINAS SISTEMA ENDÓCRINO Jatin Das VISÃO GERAL GLÂNDULAS ENDÓCRINAS As glândulas endócrinas mais importantes são: 1. hipófise; 2. tireóide; 3. paratireóides; 4. supra-renais; 5. ilhotas de Langerhans do pâncreas;

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL

SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL SISTEMA ENDÓCRINO SISTEMA HORMONAL HORMÔNIOS 1. MENSAGEIROS QUÍMICOS PRODUZIDOS PELAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS. 2. REGULADORES: - (ESTIMULANTES OU INIBIDORES) - (CRESCIMENTO, METABOLISMO, REPRODUÇÃO, ETC.)

Leia mais

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas

29/03/2012. Biologia. Principais glândulas endócrinas humanas Biologia Tema: Módulo 01: Anatomia e fisiologia Marcos Vinícius Introdução É um sistema que juntamente com o sistema nervoso atua no controle das funções gerais do nosso organismo. É representado pelos

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros

Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Gado de Leite 1/35 Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF) Em Bovinos Leiteiros Erick Fonseca de Castilho Doutor em Reprodução Animal (UFV/MG) efcmv@yahoo.com.br 2/35 Introdução Cronologia dos conceitos

Leia mais

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU

Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU SISTEMA ENDRÓCRINO Sistema Endócrino É UM SISTEMA SOFISTICADO E SENSÍVEL FORMADO POR VÁRIOS ÓRGÃOS OU GLÂNDULAS DIFERENTES QUE SECRETAM HORMÔNIOS. OS HORMÔNIOS SÃO MENSAGEIROS QUÍMICOS,GERALMENTE TRANSPORTADOS

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Me. Leandro Parussolo

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Me. Leandro Parussolo SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Me. Leandro Parussolo Sistema Endócrino Função de garantir o fluxo de informações entre diferentes cells, permitindo a integração funcional de todo o organismo; Garantir a reprodução;

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. TIAGO

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. TIAGO SISTEMA ENDÓCRINO Prof. TIAGO CARACTERÍSTICAS GERAIS INTEGRAÇÃO DOS SISTEMAS. CONTROLEDEATIVIDADES FISIOLOGICAS. SEMELHANTE AO SISTEMA NERVOSO. EFETUADO POR HORMÔNIOS TRANSPORTADO PELA CORRENTE SANGUINEA

Leia mais

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.

Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms. Fisiologia humana 0 (parte IV) Hormônios e reprodução Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com http://proenem.sites.ufms.br/ Sistema Endócrino Composto pelas glândulas endócrinas integra e regula

Leia mais

Hipófise (ou glândula Pituitária)

Hipófise (ou glândula Pituitária) Sistema Hormonal Sistema Hormonal O sistema endócrino é formado pelo conjunto de glândulas endócrinas, as quais são responsáveis pela secreção de substância denominadas hormonas. As glândulas endócrinas

Leia mais

d) uma célula é alvo apenas para um dado hormônio e) uma determinada função pode ser controlada por vários hormônios

d) uma célula é alvo apenas para um dado hormônio e) uma determinada função pode ser controlada por vários hormônios Fisiologia Endócrina - Bloco 1 de exercícios 1. O mecanismo de feedback ou retroação é o principal meio regulador da secreção das glândulas endócrinas. Um exemplo de feedback negativo é: a) aumento da

Leia mais

nasce uma nova estirpe de produtor no brasil Por que o fígado é tão importante para as vacas leiteiras? Nossa História: conheça a Fazenda Pinheiros

nasce uma nova estirpe de produtor no brasil Por que o fígado é tão importante para as vacas leiteiras? Nossa História: conheça a Fazenda Pinheiros Revista Técnica da Bovinocultura de Leite - Número 47 - Ano 7 fevereiro 2013 IMPRESSO FECHADO. PODE SER ABERTO PELA ECT. nasce uma nova estirpe de produtor no brasil Nossa História: conheça a Fazenda Pinheiros

Leia mais

ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema Endócrino

ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema Endócrino ANATOMIA DOS ANIMAIS DOMÉSTICOS Sistema Endócrino O sistema nervoso e as glândulas endócrinas são os dois principais mecanismos de comunicação e coordenação do corpo humano. Eles regulam quase todos os

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO PROFESSOR CLERSON

SISTEMA ENDÓCRINO PROFESSOR CLERSON SISTEMA ENDÓCRINO PROFESSOR CLERSON CARACTERÍSTICAS FUNCIONAMENTO DO CORPO COMUNICAÇÃO COM CÉLULAS: AÇÃO HORMONAL LIBERAÇÃO POR DETERMINADAS CÉLULAS GLÂNDULAS ENDÓCRINAS: CÉLULAS PRODUTORAS DE HORMÔNIOS

Leia mais

Sistema neuro-hormonal

Sistema neuro-hormonal Sistema neuro-hormonal O que é o sistema neuro-hormonal? Qualquer alteração no exterior ou no interior do corpo corresponde a um Estímulo que provoca uma resposta do sistema neurohormonal. Como funciona

Leia mais

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas.

Excreção. Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Fisiologia Animal Excreção Manutenção do equilíbrio de sal, água e remoção de excretas nitrogenadas. Sistema urinario Reabsorção de açucar, Glicose, sais, água. Regula volume sangue ADH: produzido pela

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 7: Suprarrenal e tireoide Prof. Carlos Castilho de Barros Algumas pessoas podem apresentar distúrbios que provocam a obesidade. Estórias como Eu como pouco mas continuo

Leia mais

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente.

ZONA DE SOBREVIVÊNCIA. Conforto Térmico. Gráfico 1: Variações da temperatura corporal de um animal homeotérmico em função da temperatura ambiente. ZONA DE SOBREVIVÊNCIA Hipotermia HOMEOTERMIA Homeotermia (HOMEOSTASIA) Hipertermia ou Homeostasia Termogênese Termoneutralidade Zona de Conforto Térmico Temperatura corporal TI TCIn Zona de TCS Termoneutralidade

Leia mais

Biologia. Aulas 33, 34 e 35 Setor B. Prof. Rafa

Biologia. Aulas 33, 34 e 35 Setor B. Prof. Rafa Biologia Aulas 33, 34 e 35 Setor B Prof. Rafa Tipos de glândulas: Exócrinas: com ducto de saída lacrimais, mamárias, salivares, sebáceas e sudoríparas Endócrinas: sem ducto de saída, secreções (hormônios)

Leia mais

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL

ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL ZOOLOGIA E HISTOLOGIA ANIMAL Sistema Endócrino Prof. Fernando Stuchi Introdução Os mensageiros químicos do corpo (hormônios) são produzidos pelas glândulas endócrinas ou glândulas de secreção interna,

Leia mais

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares;

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares; INTRODUÇÃO AO METABOLISMO Metabolismo é o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. O metabolismo tem quatro

Leia mais

ORGANIZAÇÃO MORFOLÓGICA E FUNCIONAL DO SISTEMA HIPOTALÂMICO HIPOFISÁRIO

ORGANIZAÇÃO MORFOLÓGICA E FUNCIONAL DO SISTEMA HIPOTALÂMICO HIPOFISÁRIO ORGANIZAÇÃO MORFOLÓGICA E FUNCIONAL DO SISTEMA HIPOTALÂMICO HIPOFISÁRIO Laboratório de Neuroendocrinologia Prof. Dr. Celso Rodrigues Franci Fernanda Barbosa Lima Os sistemas nervoso e endócrino regulam

Leia mais

Sistema Endócrino. Introdução

Sistema Endócrino. Introdução Introdução A coordenação das funções do organismo é feita pelos sistemas nervoso e endócrino. Este é formado pelo conjunto das glândulas, que produzem os hormônios, substâncias lançadas no sangue que influenciam

Leia mais

XIV O Sistema Endócrino

XIV O Sistema Endócrino 103 XIV O Sistema Endócrino a. HORMÔNIOS: São substâncias químicas produzidas por um grupo de células, numa parte do corpo e, secretadas na corrente sangüíneas, controlam ou ajudam no controle de outras

Leia mais

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual

Raniê Ralph GO. 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual 24 de Setembro de 2008. Professor Sobral. Ciclo Menstrual Fisiologia O ciclo menstrual para ocorrer depende de uma série de intercomunicações entre diversos compartimentos femininos. Todo o ciclo menstrual

Leia mais

Embriologia e Histologia Animal II

Embriologia e Histologia Animal II Embriologia e Histologia Animal II HISTOFISIOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO Daniela dos Santos Brum Glândulas endócrinas Secretam seus produtos (moléculas biologicamente ativas) HORMÔNIOS Corrente sanguínea

Leia mais

Sistema Endócrino: controle hormonal

Sistema Endócrino: controle hormonal Sistema Endócrino: controle hormonal Todos os processos fisiológicos estudados até agora, como digestão, respiração, circulação e excreção, estão na dependência do sistema que fabrica os hormônios. O sistema

Leia mais

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Fisiologia Endócrina. Introdução ao Sistema Endócrino Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM Fisiologia Endócrina Introdução ao Sistema Endócrino Prof. Wagner de Fátima Pereira Departamento de Ciências Básicas Faculdade de Ciências

Leia mais

FISIOLOGIA ENDÓCRINA. Aula Fisiologia da Tireóide

FISIOLOGIA ENDÓCRINA. Aula Fisiologia da Tireóide UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Programa de Pós-Graduação em Ciências Fisiológicas Lab. Regulação Central do Sistema Cardiovascular Prof. Hélder Mauad FISIOLOGIA ENDÓCRINA Aula Fisiologia da Tireóide

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - UNISC DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA DISCIPLINA DE FISIOLOGIA GERAL HORMÔNIOS MASCULINOS Andiara Onizzolo Marques Isadora Schmachtenberg Manoela Zaccani Maristela Ullrich

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Ornólia Paracampos

SISTEMA ENDÓCRINO. Ornólia Paracampos SISTEMA ENDÓCRINO Ornólia Paracampos CARACTERÍSTICAS Sistema de regulação e integração de funções O mediador químico é um hormônio Alcança o alvo via sangue Aã Ação mais lenta e mais duradoura d São glândulas

Leia mais

Neuroendocrinologia. Sistemas neuroendócrinos no cérebro dos peixes. Eixo hipotálamo - hipófise - glândulas-alvo

Neuroendocrinologia. Sistemas neuroendócrinos no cérebro dos peixes. Eixo hipotálamo - hipófise - glândulas-alvo Neuroendocrinologia Sistemas neuroendócrinos no cérebro dos peixes Eixo hipotálamo - hipófise - glândulas-alvo Neuro-endocrinologia O campo de neuro-endocrinologia - papel significante no entendimento

Leia mais

Universidade Castelo Branco Bases Anatomofisiológicas do Corpo Humano I Estudo Morfofuncional do Sistema Endócrino (Glândulas Endócrinas) Unidade IV

Universidade Castelo Branco Bases Anatomofisiológicas do Corpo Humano I Estudo Morfofuncional do Sistema Endócrino (Glândulas Endócrinas) Unidade IV 1 Universidade Castelo Branco Bases Anatomofisiológicas do Corpo Humano I Estudo Morfofuncional do Sistema Endócrino (Glândulas Endócrinas) Unidade IV Visão Geral do Sistema das Glândulas Endócrinas Introdução

Leia mais

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 18 SISTEMA ENDÓCRINO PARTE 1

BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 18 SISTEMA ENDÓCRINO PARTE 1 BIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 18 SISTEMA ENDÓCRINO PARTE 1 Paratireoides Tireoide Hipófise Timo Pâncreas Cápsulas suprarrenais ilhotas pancreáticas Testículos (no homem) Ovários (na mulher) glândula tireoide

Leia mais

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas.

Sistema endócrino I. As células produtoras de hormônios estão geralmente reunidas em órgãos denominados glândulas endócrinas. RESUMO DE AULA Sistema endócrino I O funcionamento e equilíbrio fisiológico do corpo humano dependem em parte da comunicação entre as células por meio de mensageiros químicos denominados de hormônios.

Leia mais

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV.

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. 1 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 31 O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. I II III IV a) Coluna vertebral

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó

Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino. Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Anatomia e Fisiologia Animal Sistema Endócrino Profa. Valdirene Zabot Unochapecó Sistema de Comunicação Corpórea: Endócrino Nervoso Produtos = Hormônios: ajudam a enviar informações para outras células

Leia mais

Tema 07: Glândulas Endócrinas

Tema 07: Glândulas Endócrinas Universidade Federal do Amazonas ICB Dep. Morfologia Disciplina: Tópicos Especiais para Biotecnologia Tema 07: Glândulas Endócrinas Função Produção de hormônios; 1 Constituição Controle da homeostase;

Leia mais

P R O V A DE BIOLO G I A I I

P R O V A DE BIOLO G I A I I 10 P R O V A DE BIOLO G I A I I QUESTÃO 31 Uma criança do sexo masculino pertencente ao grupo sangüíneo AB e com síndrome de Down foi curada de uma leucemia, após receber transplante de medula óssea proveniente

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares:

II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: Capítulo 1: Parte 3 1 II.4 - Histofisiologia dos Epitélios Glandulares: O epitélio que participa principalmente da secreção está geralmente disposto em estruturas denominadas glândulas. As substâncias

Leia mais

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino

SISTEMA REPRODUTOR. Sistema reprodutor feminino SISTEMA REPRODUTOR A reprodução é de importância tremenda para os seres vivos, pois é por meio dela que os organismos transmitem suas características hereditariamente e garantem a sobrevivência de suas

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn

SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn SISTEMA ENDÓCRINO - 1 Figuras desta aula são do livro de Silverthorn Bernardo Baldisserotto Departamento de Fisiologia e Farmacologia Universidade Federal de Santa Maria, Brasil Sistema nervoso: usualmente

Leia mais

GABARITO DEFINITIVO DA IX OBB (1ª FASE)

GABARITO DEFINITIVO DA IX OBB (1ª FASE) (1/5) Resolução Comentada OBB IX Fase 1 GABARITO DEFINITIVO DA IX OBB (1ª FASE) 1 A B C D E 11 A B C D E 21 A B C D E 2 A B C D E 12 A B C D E 22 A B C D E 3 A B C D E 13 A B C D E 23 A B C D E 4 A B C

Leia mais

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA ENDÓCRINO

FISIOLOGIA HUMANA SISTEMA ENDÓCRINO FISIOLOGIA HUMANA 1 SISTEMA ENDÓCRINO 2 1 Visão geral Sistema endócrino: Grupo de glândulas responsáveis por regular vários órgãos dentro do corpo; Satisfazer as necessidades de crescimento e reprodução

Leia mais

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física?

Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Fisiologia Humana QUESTÕES INICIAIS 1 2 3 Qual é o objeto de estudo da Fisiologia Humana? Por que a Fisiologia Humana é ensinada em um curso de licenciatura em Educação Física? Qual a importância dos conhecimentos

Leia mais

SISTEMA HIPOTÁLAMO- HIPÓFISE. Prof. Dra. Lucila L K Elias

SISTEMA HIPOTÁLAMO- HIPÓFISE. Prof. Dra. Lucila L K Elias SISTEMA HIPOTÁLAMO- HIPÓFISE Prof. Dra. Lucila L K Elias TÓPICOS Unidade hipotalâmica-hipofisária Eixos hipotálamo-hipófise-glândula-alvo Hormônios hipofisiotróficos Retroalimentação negativa Hipófise

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa 1 Hormônios 2 HORMÔNIOS DA HIPÓFISE E DO HIPOTÁLAMO Quanto a sua origem os hormônios da hipófise e hipotálamo podem ser classificados em : - Hormônios da hipófise

Leia mais

Alterações Hormonais no Estresse

Alterações Hormonais no Estresse Alterações Hormonais no Estresse Na reação simpática da Fase de Alarme do Estresse é onde ocorre maior secreção de hormônios anti-inflamatórios, como por exemplo, um dos corticosteroides, a desoxicorticosterona,

Leia mais

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA EXCRETOR P R O F E S S O R A N A I A N E O que não é assimilado pelo organismo O que o organismo não assimila, isto é, os materiais inúteis ou prejudiciais ao seu funcionamento, deve ser eliminado.

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS

ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS ORIENTAÇÃO DE ESTUDOS RECUPERAÇÃO SEMESTRAL 3º Ano do Ensino Médio Disciplina: Biologia 1. Para os estudiosos, a manifestação de "... vida..." deve-se a características, tais como: ( ) uma composição química

Leia mais

Fisiologia da glândula Tireóide

Fisiologia da glândula Tireóide Universidade Federal do Espírito Santo PSICOLOGIA Fisiologia da glândula Tireóide Élio Waichert Júnior Localização anatômica Secreta 3 Hormônios: Tiroxina (T4) Triiodotironina (T3) Calcitonina Prof. Élio

Leia mais

Fisiologia do sistema endócrino: hipotálamo e hipófise

Fisiologia do sistema endócrino: hipotálamo e hipófise Fisiologia do sistema endócrino: hipotálamo e hipófise Prof. Kellen Brunaldi Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Ciências Fisiológicas Curso: Odontologia Silverthorn, Capítulo 7. Roteiro

Leia mais

FISIOLOGIA DA GLÂNDULA MAMÁRIA

FISIOLOGIA DA GLÂNDULA MAMÁRIA FISIOLOGIA DA GLÂNDULA MAMÁRIA DeGroot Visser Pat A glândula mamária é considerada uma parte do sistema reprodutor, e a lactação pode ser considerada como a fase final da reprodução. Para a maioria dos

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Hormônios Metabólicos da

Hormônios Metabólicos da Hormônios Metabólicos da Tireóide Tireóide Produz Calcitoninahomeostasia de CA Produz hormôniocolóide [Ca +2 ] plasmática (inibe osteoclastos) [Ca +2 ] plasmática Síntese dos Hormônios Capilar Bomba de

Leia mais

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição

INCI. Biocomplexo anticelulítico de plantas da Amazônia com destacada ação Drenante. Definição Produto INCI Definição SLIMBUSTER H Water and Butylene Glycol and PEG-40 Hydrogenated Castor Oil and Ptychopetalum Olacoides Extract and Trichilia Catigua Extract and Pfaffia sp Extract Biocomplexo anticelulítico

Leia mais

3ºano-lista de exercícios-introdução à fisiologia animal

3ºano-lista de exercícios-introdução à fisiologia animal 1. (Udesc) Os hormônios são substâncias químicas produzidas pelas glândulas endócrinas que atuam sobre órgãos-alvo à distância. A ação hormonal pode provocar o estímulo ou a inibição das funções orgânicas.

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO:

NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. HISTÓRICO E IMPORTANCIA DOS ESTUDOS COM NUTRIÇÃO E ALIMENTAÇÃO: 1750 Europa com o início do processo da Revolução Industrial houve aumento da população nas cidades, com

Leia mais

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR

BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR BASES MACROMOLECULARES DA CONSTITUIÇÃO CELULAR As moléculas que constituem as células são formadas pelos mesmos átomos encontrados nos seres inanimados. Todavia, na origem e evolução das células, alguns

Leia mais

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.ª: Nize C.Pavinato - Disciplina: Ciências Aluno(a):

COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.ª: Nize C.Pavinato - Disciplina: Ciências Aluno(a): COLÉGIO SHALOM Ensino Fundamental 8 Ano Prof.ª: Nize C.Pavinato - Disciplina: Ciências Aluno(a): Trabalho de Recuperação Data: / /15 1. O sistema endócrino é formado por glândulas endócrinas e de secreção

Leia mais

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO- HIPOFISÁRIO

FISIOLOGIA DO EIXO HIPOTÁLAMO- HIPOFISÁRIO FISIOLOGIA DO EIXO - HIPOFISÁRIO Letícia Lotufo Histórico: Sec. XI d.c. Galeno - primeiras evidências da associação íntima entre o hipotálamo e a hipófise 1920 Lewi & Greving Identificação do trato hipotalâmico-hipofisário

Leia mais

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios

OVÁRIOS. Fonte de gametas e hormônios OVÁRIOS Fonte de gametas e hormônios OVOGÊNESE No feto células germinativas multiplicamse ovogônias Cresce meiose I para na prófase I ovócito I nascimento milhares de ovócitos primários. Ovócito primário

Leia mais

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br

Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Prof. Rita Martins rita.martins@ibmr.br Classificação: A. Tecidos conjuntivos embrionários: 1- Tecido Conjuntivo Mesenquimal (mesênquima) 2- Tecido Conjuntivo Mucoso B. Tecidos conjuntivos propriamente

Leia mais

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO Obtenção de Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A produção

Leia mais

UNIDADE II UNIDADE III

UNIDADE II UNIDADE III MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 P R O G R A M A D E E N S I N O

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. André Maia

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. André Maia SISTEMA ENDÓCRINO O sistema endócrino e formado pelo conjunto de glândulas endócrinas, as quais são responsáveis pela secreção de substancias denominadas hormônios. As glândulas endócrinas (do grego endos,

Leia mais

CITOLOGIA organelas e núcleo

CITOLOGIA organelas e núcleo Biologia CITOLOGIA organelas e núcleo Professor: Fernando Stuchi Níveis de Organização do Corpo Humano Conceitos Fundamentais População - Conjunto formado pelos organismos de determinada espécie, que vivem

Leia mais

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO

Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Profa. Juliana Normando Pinheiro UNIC -Universidade de Cuiabá SISTEMA REPRODUTOR FEMININO Funções Produz gametas: óvulos Produz hormônios da reprodução Recebe as células reprodutivas do macho Fornece local

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco.

Fluxo sanguíneo - 21% do débito cardíaco. Função renal: excreção, controle do volume e composição dos líquidos corporais. Composto por um par de rins, um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra. Os rins situam-se na parte dorsal do

Leia mais

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação.

NUTRIÇÃO DE GATOS. DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3. Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. NUTRIÇÃO DE GATOS DUTRA, Lara S. 1 ; CENTENARO, Vanessa B. 2 ; ARALDI, Daniele Furian 3 Palavras-chave: Nutrição. Gatos. Alimentação. Introdução Nutrição veterinária é a ciência que tem por objetivo descobrir

Leia mais

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira

Nestlé EM CAMPO. Período de transição. Eficiência e qualidade na produção leiteira Nestlé EM CAMPO Eficiência e qualidade na produção leiteira Período de transição Cuidados no pré e pós-parto garantem a boa condição reprodutiva e produtiva Ano 2 Número 12 Nov./Dez. 2015 Nestlé EM CAMPO

Leia mais

Sistema Endócrino II - Hormônios

Sistema Endócrino II - Hormônios Ciências Morfofuncionais III Sistema Endócrino II - Hormônios Natureza, química e funções Professores: Felipe, Jean-Pierre e Olivia Endocrinologia Estudo das secreções internas do organismo Hormônios São

Leia mais

Comportamento sexual está intimamente relacionado ao comportamento reprodutivo; Influenciado por vários fatores fisiológicos e comportamentais;

Comportamento sexual está intimamente relacionado ao comportamento reprodutivo; Influenciado por vários fatores fisiológicos e comportamentais; Curso - Psicologia Disciplina: Bases Biológicas do Comportamento Resumo Aula - Comportamento Reprodutivo Comportamento Reprodutivo Comportamento sexual está intimamente relacionado ao comportamento reprodutivo;

Leia mais

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1

Fisiologia I CÓRTEX ADRENAL. Prof. Élio Waichert Júnior 1 CÓRTEX ADRENAL Prof. Élio Waichert Júnior 1 Córtex adrenal Colesterol Hormônios corticosteróides Mineralocorticóides Glicocorticóides Hormônios androgênicos Afetam os eletrólitos (sódio, potássio) Afetam

Leia mais

AGRADECIMENTOS ESPECIAIS Ana Maria Piovesan Frade Cyro Antunes Zucarino Denise Pittigliani Lopes Maria de Fátima Alexandre Gomes

AGRADECIMENTOS ESPECIAIS Ana Maria Piovesan Frade Cyro Antunes Zucarino Denise Pittigliani Lopes Maria de Fátima Alexandre Gomes AGRADECIMENTOS ESPECIAIS Ana Maria Piovesan Frade Cyro Antunes Zucarino Denise Pittigliani Lopes Maria de Fátima Alexandre Gomes QUESTÃO 1 O tecido formado por células alongadas, com capacidade de contração

Leia mais

Atividade de Biologia 1 série

Atividade de Biologia 1 série Atividade de Biologia 1 série Nome: 1. (Fuvest 2013) Louis Pasteur realizou experimentos pioneiros em Microbiologia. Para tornar estéril um meio de cultura, o qual poderia estar contaminado com agentes

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares FUVEST 2010 1ª fase www.planetabio.com 1- O Índice de Massa Corporal (IMC) é o número obtido pela divisão da massa de um indivíduo adulto, em quilogramas, pelo quadrado da altura, medida em metros. É uma referência adotada pela Organização

Leia mais

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum UNIDADE 8 - INTERRELAÇÕES METABÓLICAS 8.1 - Ciclo Jejum-alimentação 8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum 8.3 - Inter-relações

Leia mais

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje.

Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. CENTRO UNIVERSITÁRIO ASSUNÇÃO- Vida saudável. Dicas e possibilidades nos dias de hoje. Profa. Dra. Valéria Batista O que é vida saudável? O que é vida saudável? Saúde é o estado de complexo bem-estar físico,

Leia mais

fibras musculares ou miócitos

fibras musculares ou miócitos Os tecidos musculares são de origem mesodérmica e relacionam-se com a locomoção e outros movimentos do corpo, como a contração dos órgãos do tubo digestório, do coração e das artérias. As células dos tecidos

Leia mais

Atividade Física. A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver os nutrientes.

Atividade Física. A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver os nutrientes. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Atividade Física A atividade física aumenta a sensibilidade à insulina e a capacidade de absorver

Leia mais