1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. INTRODUÇÃO. Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas."

Transcrição

1 1. INTRODUÇÃO Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que lhe são fornecidas. Programa: É uma seqüência de instruções que descrevem como executar uma determinada tarefa. Instruções de Máquina: Instruções que o computador é capaz de reconhecer e executar, para o qual todos os programas devem ser convertidos antes que eles possam ser executados. Em geral não são muito complicadas. Exemplos: Somar dois números Verificar se um número é zero Mover um dado de uma parte da memória para a outra Linguagem de Máquina: Linguagem que torna possível as pessoas se comunicarem com o computador, composta pelas instruções primitivas de máquina. Quanto mais complexa a linguagem, e portanto as instruções, mais complicados são os circuitos eletrônicos para implementá-las. Quanto mais simples a linguagem, mais difícil é a sua utilização. 1

2 Como tornar a linguagem de máquina (L1) mais simples de ser utilizada? Projetar um novo conjunto de instruções, formando uma linguagem L2, mais fácil de se programar. 1 a Alternativa: Tradução Método que consiste na substituição de cada instrução do programa escrito na linguagem L2 por uma seqüência de instruções equivalente na linguagem L1. O computador executa o programa em L1. 2 a Alternativa: Interpretação Método onde um programa escrito na linguagem L1 recebe os programas escritos em L2, e cada instrução em L2 é executada por uma seqüência equivalente em L1. O computador executa o programa em L1. Comparação entre Tradução e Interpretação: Similares. Ambas executam seqüências equivalentes em L1 de cada instrução em L2. Na tradução, o programa em L2 é descartado, obtendo-se um programa equivalente em L1. Máquina Virtual: É um computador hipotético de linguagem de máquina de um nível mais elevado do que a linguagem inerente do computador. Pode-se ter também máquinas virtuais baseadas em outras máquinas virtuais. 2

3 Máquina Multinível: É um computador que possui máquinas virtuais dispostas em camadas ou níveis, umas sobre as outras. Cada linguagem utiliza a sua predecessora como base. Nível n Máquina Virtual Mn, com linguagem de máquina Ln... Os programas em Ln ou são interpretados por um interpretador em execução em uma linguagem de máquina de nível inferior, ou são traduzidos para a linguagem de máquina de uma máquina de nível inferior. Nível 4 Máquina Virtual M4, com linguagem de máquina L4 Nível 3 Máquina Virtual M3, com linguagem de máquina L3 Os programas em L3 ou são interpretados por interpretadores em execução em M2 ou M1, ou são traduzidos para L2 ou L1. Nível 2 Máquina Virtual M2, com linguagem de máquina L2 Os programas em L2 ou são interpretados por interpretadores em execução em M1, ou são traduzidos para L1. Nível 1 Computador Real M1, com linguagem de máquina L1 Os programas em L1 podem ser executados diretamente pelos circuitos eletrônicos. 3

4 1.1. Considerações Sobre Máquinas Virtuais Se uma máquina de linguagem L2 pudesse ser construída a um custo baixo, a máquina de linguagem L1 não existiria. As linguagens L1 e L2 não devem ser muito diferentes, para facilitar a tradução/interpretação. Cada máquina virtual ou real tem a sua linguagem de máquina (instruções que a máquina é capaz de executar). Uma máquina real com linguagem de máquina como o C ou Pascal seria muito complicada para os padrões atuais. O programador de um determinado nível não precisa conhecer os níveis inferiores. O termo Organização Estrutural de Computadores vem desta forma de se visualizar o computador, como um conjunto hierárquico de níveis. 4

5 1.2. Máquinas Multinível Contemporâneas Em geral, os computadores modernos são máquinas de seis níveis: Nível 5 Nível de linguagem orientada para problemas Tradução (compilador) Nível 4 Nível de linguagem de montagem Tradução (montador) Nível 3 Nível de sistema operacional Interpretação parcial operacional) (sistema Nível 2 Nível de máquina convencional Interpretação (microprograma) Nível 1 Nível de microprogramação Os microprogramas são executados diretamente pelo hardware Nível 0 Nível de lógica digital 5

6 Nível 0 - Nível de Lógica Digital Nível de portas lógicas. Entrada: 0 ou 1 Saída: função simples sobre as entradas (AND, etc.). Nível 1 - Nível de Microprogramação É o nível real de linguagem de máquina. Cada computador tem seu nível de microprogramação. Em geral, o número de instruções (micro-instruções) não ultrapassa 20. Maior parte: movimentação de dados. Possui microprogramas executados neste nível: Define uma linguagem de nível 2. Interpreta as instruções de nível 2. Nível 2 - Nível de Máquina Convencional Existe muita semelhança entre os fabricantes neste nível. Cada fabricante tem o seu Manual de Referência de Linguagem de Máquina. Nível 3 - Nível de Sistema Operacional É um nível híbrido. Uma parte das instruções deste nível é idêntica as instruções do nível 2 que são interpretadas pelos microprogramas. Uma outra parte é interpretada pelo sistema operacional. 6

7 Nível 4 - Nível de Linguagem de Montagem Provê um método para as pessoas escreverem programas para os níveis 1, 2 e 3 (linguagem simbólica). Os programas escritos em linguagem de montagem são traduzidos para as linguagens de nível 1, 2 ou 3 e interpretados pela máquina virtual ou real. Quem faz a tradução é o programa montador. Nível 5 - Nível de Linguagem de Alto Nível Exemplos: Basic, C, Cobol, Fortran, Lisp, Modula 2 e Pascal. Compilador: traduz os programas em linguagem de alto nível para os níveis 3 ou 4. Nível 6 e superiores -? Depende da aplicação. Pode ser criado para atender a necessidades específicas. Arquitetura de Computadores ou Organização de Computadores: É o estudo de como projetar as partes de um computador que são visíveis aos programadores. 7

8 1.3. Evolução das Máquinas Multinível 1940 s: 2 níveis: lógica digital e máquina convencional. Difícil de entender e construir. Não confiáveis. 1951: 3 níveis: lógica digital, microprogramação e máquina convencional. Interpretador embutido e imutável. Simplificação do hardware: passa a ter que executar microprogramas. Maior confiabilidade (menos válvulas) s: Surgimento dos montadores e compiladores s: Surgimento do nível de sistema operacional. Sistemas batchs (em lote). Sistemas time-sharing (tempo compartilhado) s: Generalização da interpretação e nível de microprogramação. 8

9 1.4. Hardware, Software e Máquinas Multinível Hardware do computador: É o conjunto de três elementos: Circuitos eletrônicos Memória Dispositivos de Entrada e Saída (E/S). Software: Conjunto de instruções que constituem os programas, armazenados em algum meio físico. Firmware: É o software embutido no dispositivo eletrônico durante a sua fabricação. Exemplos: Software imutável: briquedos, instrumentos, BIOS. Hardware e Sofware são logicamente equivalentes! Uma determinada operação pode ser implementada diretamente por hardware ou simulada por software. ADD - soma de dois operandos. MULT - multiplicação de dois elementos. Atualmente, muitas das operações antigamente programadas no nível de máquina convencional passaram a ser executadas pelo hardware ou microprogramas. 1. Instruções para multiplicação e divisão de inteiros. 2. Instruções aritméticas de ponto-flutuante. 3. Instruções aritméticas de dupla precisão (aritmética de números com duas vezes o número de algarismos significativos). 9

10 4. Instruções para chamar e retornar de procedimentos. 5. Instruções para acelerar laços (loops). 6. Instruções de contagem (somar 1 a uma variável). 7. Instruções para manipular cadeias de caracteres. 8. Aspectos de aceleração de computações envolvendo matrizes (indexação e endereçamento indireto). 9. Características para permitir que os programas fossem movidos na memória (facilidades de relocação). 10. Relógios para temporizar programas. 11. Sistemas de interrupção que avisam o computador tão logo uma operação de entrada ou saída esteja completada. 12. A capacidade de parar um programa e iniciar outro utilizando poucas instruções (chaveamento entre processos). A fronteira entre o hardware e o software é variável. É transparente se uma determinada instrução é realmente executada por hardware ou por software. A funcionalidade é a mesma. Muda a velocidade. 10

11 1.5. Evolução dos Computadores A Geração Zero - Computadores Mecânicos ( ) Primeiro computador - Blaise Pascal Computador mecânico com engrenagens e manivelas. Soma, subtração Computador mecânico - Leibniz Equivalente a uma calculadora de bolso: soma, subtração, multiplicação e divisão s - Máquina de diferenças - Charles Babbage Cálculo de tabelas para a navegação naval através de somas e subtrações sucessivas (método das diferenças finitas). Perfurava os resultados numa placa de cobre Máquina analítica - Charles Babbage Foi a primeira tentativa de se construir um computador digital. Possuia 4 componentes: Armazenamento (memória). Engenho (unidade de cálculo). Seção de entrada (leitora de cartões perfurados). Seção de saída (saída perfurada e impressa). Programação: Ada Byron. 11

12 Z1 - Zuse Primeira máquina calculadora a relés a funcionar Calculadora - Stibbitz Aritmética binária. Memória dinâmica a capacitores (necessitavam de refrescamento) Mark I - Aiken 72 palavras de 23 dígitos decimais. Ciclo de instrução de 6 segundos. A Primeira Geração - Válvulas ( ) COLOSSUS - Governo Britânico Primeiro computador eletrônico digital do mundo. Segredo militar ENIAC I - Eckert/Mauchley Início da história do computador moderno. Computador e Integrador Numérico Eletrônico válvulas e relés. 30 toneladas e consumo de 140 Kwatts. 20 registradores de 10 dígitos decimais. Programação: chaves e soquetes EDSAC - Wikes Primeiro computador de programa armazenado. 12

13 Whirlwind I - M.I.T. Primeiro computador de tempo real UNIVAC I - Eckert/Mauchley Primeiro computador vendido comercialmente IAS - von Neumann Programação por chaves e cabos era lenta. O programa era armazenado na forma digital na memória junto com os dados. Substituição da representação decimal (10 válvulas por dígito) na memória pela representação digital. Projeto básico é atual: máquina de von Neumann. Memória Entrada Unidade Unidade Lógica e de Aritmética Saída Controle Acumulador 13

14 Memória: 4096 palavras de 40 bits. Palavra: 40 bits. 2 instruções de 20 bits. 1 n o inteiro 39 bits com sinal. Instrução: 20 bits. 8 bits - tipo de instrução. 12 bits - endereço de 1 palavra na memória. Instruções típicas envolvendo o Acumulador (Ac): Ac Ac + Conteúdo de uma palavra na memória. Memória Ac IBM 2K palavras de 36 bits de núcleo de ferrite. 2 instruções por palavra IBM 4K palavras de 36 bits. Hardware de ponto-flutuante. A Segunda Geração - Transistores ( ) PDP-1 - DEC Primeiro minicomputador (50 vendidos). 4K palavras de 18 bits. Ciclo de instrução de 5 µseg. Custava cerca de US$ Display visual (CRT), com 512x512 pontos. 14

15 IBM Máquina comercial de pequeno porte muito popular IBM Dominou a computação científica no início dos anos B Burroughs Primeira máquina projetada para uma linguagem de alto nível (Algol 60) IBM IBM Primeira linha de produtos projetados como uma família (início) CDC Primeira máquina com amplo uso de paralelismo internamente. A Terceira Geração - Circuitos Integrados ( ) IBM Primeira linha de produtos projetados como uma família. Toda a família com a mesma linguagem de montagem. Multiprogramação: vários programas simultaneamente na memória. Endereçamento de 2 24 (16Mbytes). Sucessores: 370, 4300, 3080, Linha baseadas em circuitos integrados. 15

16 Linha IBM 360: Modelo Propriedade Desempenho Relativo 1 3, Tempo de Ciclo (ns) Memória Máxima (K) Bytes Buscados por Ciclo N o Máximo de Canais de Dados PDP-8 - DEC Primeiro minicomputador de venda em massa ( unidades vendidas). Barramento: conjunto de fios paralelos para conectar componentes de um computador. Omnibus: CPU (*) Memória Terminal Console E/S de fita de papel Outras E/S Omnibus (*) CPU: Unidade Central de Processamento PDP-11 - DEC Minicomputadores que dominaram os anos Intel Primeira CPU de uso geral em uma única pastilha CRAY-1 - Cray 16

17 Primeiro supercomputador VAX - DEC Primeiro supermini de 32 bits. A Quarta Geração - Computadores Pessoais e VLSI ( ) Com a evolução da microeletrônica, tornou-se possível a construção de circuitos integrados com milhões de transistores por chip. Computadores menores, mais rápidos e mais baratos. Diminui-se as necessidades dos centros de computação muito sofisticados. Passou a ser possível a construção de computadores de uso pessoal (microcomputadores). Processadores de textos, planilhas, divertimento, internet. Divisão atual dos computadores: Tipo MIPs (*) típicos (relativo) Mbytes típicos (relativo) Máquina exemplo Exemplo de uso Computador pessoal 1x 1x IBM PS/2 - PC Processamento de textos, etc. Minicomputador 2x 4x PDP-11/84 Controle de tempo real. Supermini 10x 32x SUN-4 Servidor de arquivos (rede). Mainframe 30x 128x IBM-3090/300 Bancos. Supercomputador 125x 1024x Cray-2 Previsão de tempo. (*) MIPs: Milhões de Instruções por Segundo. Fronteira entre estas categorias de computadores é dinâmica e muda rapidamente. O mainframe de hoje é o microcomputador de amanhã. 17

18 Supercomputadores: maximizam o número de FLOPs (Operações em Ponto-Flutuante por segundo). A Família Intel Primeiro microprocessador (CPU em uma única pastilha). O objetivo era servir de base para a construção de calculadores. 4 bits, 45 instruções, 4Kbytes de endereçamento Processador de 8 bits construído para controlar terminais. 8 bits, 48 instruções, 16Kbytes de endereçamento Características: 64Kbytes de endereçamento, clock 10 vezes mais rápido que o do 8008, compatível com a família TTL Nova versão do 8080, mais rápido. Incorpora gerador de clock e sinais de controle de sistema internamente a pastilha Características: 16 bits, 1Mbytes de endereçamento. Utilizado para a construção de microcomputadores. Deu origem a família 80x86. 18

19 Versão simplificada do 8086, com via de dados de 8 bits. Permitiu a construção de microcomputadores mais baratos Escolhido pela IBM como o microprocessador do IBM PC original Versão do 8086 que incorpora o gerador de clock, controlador de interrupção, temporizador e unidade de acesso direto a memória. Foi pouco usado Versão simplificada do 80186, com via de dados de 8 bits Versão do 8086 com 16Mbytes de endereçamento. 1Gbytes de espaço de endereçamento de memória virtual. Unidade de gerenciamento de memória. CPU do microcomputador PC-AT e de algumas versões do PS/ Versão do 8086 de 32 bits. Suporte a multi-tarefa. 4Gbytes de endereçamento. 64Tbytes de espaço de endereçamento de memória virtual DX: via de dados externa de 32 bits. 19

20 80386SX: via de dados externa de 16 bits. Permitiu a migração do hardware do de forma mais direta Versão melhorada do Kbytes de memória cache interna. Características de máquinas RISC DX: versão com o co-processador numérico SX: versão sem o co-processador numérico Pentium Versão melhorada do 80486, com via de dados externa de 64 bits, trabalhando internamente com 2 processadores. Cache interno de 16Kbytes (8 para dados e 8 para instruções) Pentium Pro Versão do Pentium com cache de nível 2 embutido na pastilha do microprocessador. 20

21 A Família Motorola Primeiro microprocessador da Motorola de 8 bits Evolução do 6800 com registradores adicionais, novas instruções de manipulação de dados de 16 bits e mais modos de endereçamento Microprocessador popular da Motorola, utilizado nas máquinas Apple, compatível com o Microprocessador de 16/32 bits possuindo vias de dados internas de 32 bits e externas de 16 bits, registradores de 32 bits. Nem todas as instruções trabalham com 32 bits. Não é compatível com os anteriores (projeto novo). Utilizado no microcomputadores Macintosh. Deu origem a família 680x Versão do com via de dados externa de 8 bits e vias de endereços de 20 bits (1Mbytes de endereçamento), que não foi muito utilizado Evolução do com controle de memória virtual. 16Mbytes de endereçamento. 21

22 Versão do com 2 Gbytes de endereçamento Microprocessador de 32 bits, com memória cache interna de 256 bytes. Todas as instruções trabalham com 32 bits. Utilizado pelas estações de trabalho Sun, Apollo e HP Versão melhorada do e com uma unidade de gerenciamento de memória dentro da pastilha. Equivalente ao Versão com co-processador numérico Memória cache interna de 4Kbytes para dados e instruções independentes. Equivalente ao Apresenta um projeto super-escalar, com múltiplas unidades de execução. 22

23 A Família Zilog A Zilog foi fundada em 1974, como uma dissidência da Intel, e projetou o famoso microprocessador Z Z80 Processador de 40 pinos, sendo uma versão melhorada do 8080, de 8 bits Z8000 Microprocessador de 16 bits capaz de endereçar até 8Mbytes de memória. Possui memória cache para dados e instruções de 256 bytes e unidade de gerenciamento de memória. 23

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 1. INTRODUÇÃO 2 1. INTRODUÇÃO Computador Digital: É uma máquina capaz de solucionar problemas através da execução de instruções que

Leia mais

Fundamentos de Arquiteturas de Computadores

Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br http://www.ic.uff.br/~mguerine 1 Introdução Capítulo 1 Livro do Mário Monteiro Conceitos Básicos Processamento de

Leia mais

Arquitetura de Computadores Aula 1 - Introdução

Arquitetura de Computadores Aula 1 - Introdução Arquitetura de Computadores Aula 1 - Introdução Prof. Othon M. N. Batista Mestre em Informática Roteiro Introdução Uma Visão em Camadas do Hardware Componentes Básicos de um Computador Descrição de Bit,

Leia mais

Aula 1: Introdução à Organização de Computadores

Aula 1: Introdução à Organização de Computadores BC1503: Arquitetura de Computadores 1o Trimestre / 2009 Aula 1: Introdução à Organização de Computadores Prof. Raphael Y. de Camargo raphael.camargo@ufabc.edu.br Roteiro da Aula Introdução História da

Leia mais

Unidade I ORGANIZAÇÃO DE. Prof. Antônio Palmeira

Unidade I ORGANIZAÇÃO DE. Prof. Antônio Palmeira Unidade I ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. Antônio Palmeira Apresentação da disciplina Conhecer as estruturas de hardware de um sistema computacional. Entender o funcionamento dos vários módulos que compõem

Leia mais

26/02/2010 CONCEITOS BÁSICOS ARQUITETURA DE COMPUTADORES. O problema de comunicação humano-computador

26/02/2010 CONCEITOS BÁSICOS ARQUITETURA DE COMPUTADORES. O problema de comunicação humano-computador Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. ARQUITETURA DE Profa. Delfa Huatuco Zuasnábar 2010 Programa: Seqüência de instruções (de uma dada linguagem de programação)

Leia mais

Aula Breve História dos Computadores - Informatiquês - O Computador - Software vs. Hardware. Introdução à Engenharia da Computação

Aula Breve História dos Computadores - Informatiquês - O Computador - Software vs. Hardware. Introdução à Engenharia da Computação Aula 02 - Breve História dos Computadores - Informatiquês - O Computador - Software vs. Hardware Slide 1 de - Qual é a origem etimológica da palavra COMPUTADOR? Computador procede do latim computatore.

Leia mais

Unidade I. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis

Unidade I. Organização de Computadores. Prof. Renato Lellis Unidade I Organização de Computadores Prof. Renato Lellis O que é um computador? Computador Datação 1789 cf. MS1 Acepções substantivo masculino 1 o que computa; calculador, calculista 2 Rubrica: informática.

Leia mais

Introdução histórica. José Delgado. Arquitetura de Computadores Introdução histórica 1

Introdução histórica. José Delgado. Arquitetura de Computadores Introdução histórica 1 Introdução histórica Arquitetura de Computadores Introdução histórica 1 Primeiro objeto de cálculo Ábaco - desde 3000 A.C. Usado ainda hoje (China, por exemplo) Arquitetura de Computadores Introdução histórica

Leia mais

Sistemas de Computação

Sistemas de Computação Sistemas de Computação Breve Histórico Haroldo Gambini Santos Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP 26 de abril de 2010 Haroldo Gambini Santos Sistemas de Computação 1/9 Seção 1 Pré-História 2 Geração

Leia mais

Estrutura dos Computadores. Arquitetura de Computadores

Estrutura dos Computadores. Arquitetura de Computadores Estrutura dos Computadores Arquitetura de Computadores Noções de Computador Hardware: Componentes mecânicos e eletroeletrônicos Software: Sequência de instruções e comandos que fazem o computador realizar

Leia mais

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação Arquitetura e Organização de Processadores Aula 1 Introdução Arquitetura e Organização 1. Arquitetura

Leia mais

Organização de Sistemas de Computadores

Organização de Sistemas de Computadores Organização de Sistemas de Computadores Cap. 2 (Tanenbaum), Cap. 3 (Weber) 2.1 Processadores 1 CPU UC = buscar instruções na memória principal e determinar o seu tipo ULA = adição e AND Registradores =

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO.

INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO. INFORMÁTICA BÁSICA HARDWARE: COMPONENTES BÁSICOS E FUNCIONAMENTO isabeladamke@hotmail.com Componentes de um Sistema de Computador HARDWARE: unidade responsável pelo processamento dos dados, ou seja, o

Leia mais

INFORMÁTICA E CONTABILIDADE. Prof. Me. Fábio Assunção CMP 1128 Parte 01

INFORMÁTICA E CONTABILIDADE. Prof. Me. Fábio Assunção CMP 1128 Parte 01 INFORMÁTICA E CONTABILIDADE Prof. Me. Fábio Assunção CMP 1128 Parte 01 INFORMAÇÃO Informação significa fatos. Expressada verbalmente, visualmente, por ondas, etc. Primórdios do processamento da informação:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES AULA 03 PROFº RITIELLE SOUZA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA DISTRIBUIÇÃO LÓGICA Arquitetura de Von Neumann Uma unidade central de processamento recebe informações através de uma unidade

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Introdução à Computação Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado e Gomes da Costa yandre@din.uem.br Histórico da Computação Prof. Yandre

Leia mais

Hardware. Computador. Computador. Computador. Evolução dos Computadores. Laboratório de Utilização de Microcomputadores (DCA0302) Aula 01

Hardware. Computador. Computador. Computador. Evolução dos Computadores. Laboratório de Utilização de Microcomputadores (DCA0302) Aula 01 Laboratório de Utilização de Microcomputadores (DCA0302) Diogo Pedrosa Hardware Aula 01 Computador Combinação de diversos dispositivos e circuitos digitais que podem executar uma seqüência de operações

Leia mais

a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1.

a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1. a) Computador b) Estrutura do sistema i. Hardware ii.software c) Linguagens de Programação i. Paradigmas e Programação 1. Estruturada 2. Orientada a eventos 3. Orientada a objetos d) Sistemas Operacionais

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Aula 2: Histórico da Evolução dos Computadores

Aula 2: Histórico da Evolução dos Computadores Aula 2: Histórico da Evolução dos Computadores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Histórico FAC 1 / 46 Dispositivos Primitivos de

Leia mais

Manutenção de Computadores e Redes

Manutenção de Computadores e Redes Manutenção de Computadores e Redes Cleidson Souza Fundação Educacional Montes Claros FEMC Técnico em Informática para Internet Geração zero Computadores Mecânicos (1642 1945) Época de surgimento dos primeiros

Leia mais

Informática Aplicada. Introdução

Informática Aplicada. Introdução Informática Aplicada Introdução Breve histórico da computação moderna Principais eventos 1000ac - Ábaco 1614 - Logaritmos (John Napier) 1623 - Sistema Binário (Francis Bacon) 1642 - Máquina de Turing 1946

Leia mais

A Evolução dos Computadores: do Ábaco ao ENIAC ao Sunway

A Evolução dos Computadores: do Ábaco ao ENIAC ao Sunway A Evolução dos Computadores: do Ábaco ao ENIAC ao Sunway Siang Wun Song agosto de 2016 História da Computação - Ábacos antigos Ábaco da Mesopotâmia (2700-2300 A.C.) Ábaco romano (1.o

Leia mais

Apresentação do Professor

Apresentação do Professor Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação do Professor Nome: André Luís Belini de Oliveira Graduação: Bacharel

Leia mais

4a. Geração VLSI 1980 à????

4a. Geração VLSI 1980 à???? 4a. Geração VLSI 1980 à???? A Microsoft tenta criar um novo padrão de micros: o MSX (Microsoft Extended), - já que havia diversos micros com diversos "padrões" Com o apoio total de diversas grande empresas

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I Sistemas Operacionais I Revisão de conceitos Sistemas Operacionais I Dionisio Gava Junior Componentes básicos Componentes Básicos da Tecnologia da Informação Hardware CPU, Memória e Periféricos de E/S.

Leia mais

Introdução: Histórico dos Computadores

Introdução: Histórico dos Computadores Departamento de Engenharia Elétrica e de Computação - EESC-USP SEL-0415 Introdução à Organização de Computadores Introdução: Histórico dos Computadores Aula 1 responsável: Profa. Luiza Maria Romeiro Codá

Leia mais

Softwares, Aplicativos e Sistemas Operacionais

Softwares, Aplicativos e Sistemas Operacionais Softwares, Aplicativos e Sistemas Operacionais Aula 03 Informática Básica Arthur Porto - IFNMG Campus Salinas arthur.porto@ifnmg.edu.br arthurporto.com.br Aula 03 Informática Básica Softwares, Aplicativos

Leia mais

Introdução à Computação MAC0110

Introdução à Computação MAC0110 Introdução à Computação MAC0110 Prof. Dr. Paulo Miranda IME-USP Aula 1 Introdução à Computação Eventos históricos: 1) Máquina universal de Turing criada em 1936 por Alan Turing, fundamento teórico para

Leia mais

EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores

EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores. EEL Microprocessadores Professores: Raimes Moraes, Fernando M. Azevedo e Renato Ojeda. EMENTA: Arquiteturas de microprocessadores e microcontrolador; Programação de microprocessadores e microcontrolador: linguagem Assembly;

Leia mais

Barramentos. Alguns sistemas reutilizam linhas de barramento para múltiplas funções; Dados Endereços Controle

Barramentos. Alguns sistemas reutilizam linhas de barramento para múltiplas funções; Dados Endereços Controle Aula 07 BARRAMENTOS Barramentos Para que as placas de expansão possam ser utilizados em qualquer micro, independentemente do processador instalado, utiliza-se diversos modelos de barramentos de expansão.

Leia mais

2º Estudo Dirigido CAP 3

2º Estudo Dirigido CAP 3 2º Estudo Dirigido CAP 3 1. Cite três exemplos de aspecto na definição e implementação de uma arquitetura que são influenciados pelas características do conjunto de instruções? R.: Operações lógicas e

Leia mais

FACULDADE LEÃO SAMPAIO

FACULDADE LEÃO SAMPAIO FACULDADE LEÃO SAMPAIO Primeiros computadores Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 Relógios mecânicos Século VIII: 2 Computadores mecânicos (Geração 0) 1642 a 1945 Características principais

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Competências: SOP 1. Compreender as abstrações de um sistema operacional e operar um sistema operacional Unix/Linux como

Leia mais

Aula 3 Máquina Multinível

Aula 3 Máquina Multinível Ciências da Computação Disciplina: Ciência da Computação e Profissão Professora: Simone Jaqueline Ferreira de Almeida Aula 3 Máquina Multinível Máquina Multinível - Computador Visão Tradicional de um computador:

Leia mais

Arquitetura e Organização de computadores

Arquitetura e Organização de computadores Arquitetura e Organização de computadores Aula 1: Organização e evolução de computador, parte 3 Prof. MSc. Pedro Brandão Neto pedroobn@gmail.com Sistemas de Informação - UNDB Introdução Durante a evolução

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 4

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 4 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 4 Índice 1. História da Arquitetura de Computadores - Continuação..3 1.1. Terceira Geração Circuitos Integrados (1965 1980)... 3 1.2. Quarta Geração Integração em Larga

Leia mais

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES

MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Álvaro Elias Flôres alvaro.flores@sc.senai.br MONTAGEM E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES Introdução A atividade de um computador pode ser definida por um modelo simples: Introdução Na etapa de processamento

Leia mais

Informática I. Aula 10. Aula 10-26/09/2007 1

Informática I. Aula 10.  Aula 10-26/09/2007 1 Informática I Aula 10 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 10-26/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br Introdução Instruções Primitivas L0 Linguagem de máquina; Divergência de capacidades: Os pc's podem fazer x As pessoas querem

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Tópico: História do Computador

Tópicos de Ambiente Web Tópico: História do Computador Tópicos de Ambiente Web Tópico: História do Computador Professora: Sheila Cáceres 2 3 História do Computador Fonte: http://www.estv.ipv.pt/paginaspessoais/caldeira/paginas%2007-08/tic/material/acetatos/01%20-%20historia%20computadores.pdf

Leia mais

Adriano J. Holanda FAFRAM. 4 e 11 de maio de 2012

Adriano J. Holanda FAFRAM. 4 e 11 de maio de 2012 Memória Adriano J. Holanda FAFRAM 4 e 11 de maio de 2012 Trilha Introdução Hierarquia da memória Memórias RAM Memória ROM Introdução Arquitetura de Von Neumann Memória Aritmética Controle E/S Unidade central

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register PROCESSADORES Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores, memória e dispositivos de entrada e saída. A CPU é o cérebro do computador. Sua função é executar programas armazenados

Leia mais

André Aziz Francielle Santos

André Aziz Francielle Santos André Aziz (andreaziz@deinfo.ufrpe.br) Francielle Santos (francielle@deinfo.ufrpe.br) Apresentações; A disciplina: Objetivos; Cronograma; Avaliação; O que é Computação; Breve histórico. DEINFO/UFRPE 2

Leia mais

Curso de Montagem e Manutenção de Computadores. Prof.: Bruno Rafael de Oliveira Rodrigues

Curso de Montagem e Manutenção de Computadores. Prof.: Bruno Rafael de Oliveira Rodrigues Curso de Montagem e Manutenção de Computadores FORM A ÇÃ O P R O F IS S I O N A L Prof.: Bruno Rafael de Oliveira Rodrigues História da Informática O que é computador? Pode se dizer que o "Computador é

Leia mais

SRAM Static RAM. E/L Escrita Leitura. FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus

SRAM Static RAM. E/L Escrita Leitura. FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus TIPOS DE MEMÓRIA RAM Random Access Memory E/L Escrita Leitura SRAM Static RAM DRAM Dynamic RAM FPM DRAM Fast Page Mode EDO DRAM Extended Data Output SDRAM Synchronous DDR SDRAM Double Data Rate RDRAM Rambus

Leia mais

C onceitos B ás icos de Informática

C onceitos B ás icos de Informática C onceitos B ás icos de Informática Ricardo Azambuja Silveira INE-CTC-UFSC E-Mail: silveira@inf.ufsc.br URL: http://www.inf.ufsc.br~silveira Material elaborado pelo prof Roberto Willrich Introdução Informática

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

- Arquitetura de sistemas digitais- Cap 2 Arquitetura de computadores

- Arquitetura de sistemas digitais- Cap 2 Arquitetura de computadores - Arquitetura de sistemas digitais- Cap 2 Arquitetura de computadores Prof. Alan Petrônio - www.ufsj.edu.br/alan Evolução e desempenho do computador Primeira geração: ENIAC 20 acumuladores de 10 dígitos

Leia mais

Historia do computador. Rogerio Neves

Historia do computador. Rogerio Neves Historia do computador Rogerio Neves Evolução Evolução Conceitual: - máquinas de calcular - processador de dados - computador programável Evolução Tecnológica: - mecânica - eletromecânica (relés) - válvulas

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises.souto@ifrn.edu.br Aula 04 ARQUITETURA DE COMPUTADORES LINGUAGENS, NÍVEIS

Leia mais

Aula 02. Prof. Laurence Rodrigues do Amaral FACOM/UFU. Prof. Laurence Rodrigues do Amaral UFU/FACOM/Patos de Minas

Aula 02. Prof. Laurence Rodrigues do Amaral FACOM/UFU. Prof. Laurence Rodrigues do Amaral UFU/FACOM/Patos de Minas Aula 02 Prof. Laurence Rodrigues do Amaral FACOM/UFU Índice Dados históricos Gerações de Computadores Características Exemplos Gerações dos Computadores 1ª Geração (1936 a ~1957) Computadores baseados

Leia mais

Ábaco. Ipad HISTÓRIA DA INFORMÁTICA E SUA EVOLUÇÃO. Tecnologias de Informação e Comunicação

Ábaco. Ipad HISTÓRIA DA INFORMÁTICA E SUA EVOLUÇÃO. Tecnologias de Informação e Comunicação PC Ábaco Ipad HISTÓRIA DA INFORMÁTICA E SUA EVOLUÇÃO Tecnologias de Informação e Comunicação Professor: Email: Marconitorquato@catolicadocariri.edu.br PRINCIPAIS MARCOS 2 CONSTANTES DA EVOLUÇÃO 3 ÁBACO

Leia mais

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores

Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores. Organização Básica de Computadores Ciência da Computação Arq. e Org. de Computadores Processadores Prof. Sergio Ribeiro Composição básica de um computador eletrônico digital: Processador Memória Memória Principal Memória Secundária Dispositivos

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. Dr. Daniel Caetano ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. Dr. Daniel Caetano 2011-2 Lembretes Compreender a função da unidade de controle Apresentar o ciclo

Leia mais

A HISTÓRIA DA COMPUTAÇÃO

A HISTÓRIA DA COMPUTAÇÃO A HISTÓRIA DA COMPUTAÇÃO COMPUTADOR Definição 1. que computa; calculador, calculista; 2. máquina destinada ao processamento de dados; dispositivo capaz de obedecer a instruções. INTRODUÇÃO Utilização dos

Leia mais

Arquitectura de Computadores (ACom)

Arquitectura de Computadores (ACom) Arquitectura de Computadores (ACom) MEAer Acetatos das Aulas Teóricas Versão 5.0 - Português Aula N o 01: Título: Apresentação Sumário: Apresentação da disciplina e seu funcionamento.. histórica. 2015/2016

Leia mais

Fundamentos de Programação 1

Fundamentos de Programação 1 Fundamentos de Programação 1 Slides N. 2 C / Prof. SIMÃO Slides elaborados pelo Prof. Robson Linhares elaborados pelo Prof. Robson Linhares http://www.dainf.ct.utfpr.edu.br/~robson/ Jean Marcelo SIMÃO

Leia mais

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação

AULA 2. Prof.: Jadiel Mestre. Introdução à Informática. Introdução à Informática Componentes de um Sistema de Informação AULA 2 Prof.: Jadiel Mestre. Componentes de um Sistema de Informação Os componentes de um sistema de informação são divididos em três partes 2 1 Componentes físicos do computador Dispositivos de Entrada/Saída

Leia mais

Montador (assembler)

Montador (assembler) Montador (assembler) Linguagem Assembly Linguagem de máquina Montador (assembler) Traduz um programa fonte em linguagem de montagem (linguagem assembly) em um módulo-objeto (em linguagem de máquina) não

Leia mais

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues

14/3/2016. Prof. Evandro L. L. Rodrigues SEL 433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I SEL-433 APLICAÇÕES DE MICROPROCESSADORES I Prof. Evandro L. L. Rodrigues Tópicos do curso Conceitos básicos - Aplicações e utilizações dos microcontroladores

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Leia mais

Arquiteturas Sequencias. Evolução dos Computadores BIBLIOGRAFIA BÁSICA. Organização e Arquitetura de Computadores

Arquiteturas Sequencias. Evolução dos Computadores BIBLIOGRAFIA BÁSICA. Organização e Arquitetura de Computadores Organização e Arquitetura Computadores Organização e Arquiteturas Computadores.Organização Básica Computadores - Histórico da - Organização Básica do Computador - Unida Lógica e Aritmética - Unida - Microprocessador

Leia mais

Memória é um dispositivo capaz de armazenar informação. Logo, podemos dividir dos dispositivos que podem armazenar dados em Quatro tipos:

Memória é um dispositivo capaz de armazenar informação. Logo, podemos dividir dos dispositivos que podem armazenar dados em Quatro tipos: Memória Memória é um dispositivo capaz de armazenar informação Logo, podemos dividir dos dispositivos que podem armazenar dados em Quatro tipos: Memória Principal ROM RAM Memória Secundária Disco rígidos,

Leia mais

Conceitos Básicos INFORMÁTICA = Trata a informação de forma automática

Conceitos Básicos INFORMÁTICA = Trata a informação de forma automática Conceitos Básicos INFORMÁTICA Trata a informação de forma automática INFORMÁTICA = INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA Ciência que estuda o tratamento automático e racional (matemático, lógico) da informação Ciência

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Conhecida como Processador ou é o cerebro do computador Unifica todo sistema e

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES. Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES A UNIDADE DE CONTROLE E A INTERPRETAÇÃO DE INSTRUÇÕES Prof. MSc. Tiago Alves de Oliveira Lembretes Compreender a função da unidade de controle Apresentar o ciclo

Leia mais

Introdução à Programação de computadores usando a Linguagem Pascal

Introdução à Programação de computadores usando a Linguagem Pascal unesp CAMPUS DE GUARATINGUETÁ Departamento de Matemática Introdução à Programação de computadores usando a Linguagem Pascal Notas de Aula Prof. Dr. Galeno José de Sena Edição: 2006 unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

funcionava com discos e rodas dentadas Escrita Primeiros registos O ÁBACO Escrita Primeiros registos Pascaline de Blaise Pascal

funcionava com discos e rodas dentadas Escrita Primeiros registos O ÁBACO Escrita Primeiros registos Pascaline de Blaise Pascal 1.1.2. Escrita Primeiros registos O ÁBACO Surgiu à cerca de 5000 anos na Ásia e ainda se encontra em uso. Foi o primeiro instrumento que apareceu tendo por finalidade auxiliar o homem nos cálculos matemáticos.

Leia mais

1.1 - INTRODUÇÃO CONCEITOS

1.1 - INTRODUÇÃO CONCEITOS 1.1 - INTRODUÇÃO O computador digital surgiu em resposta à necessidade do homem quanto a maneiras mais rápidas e eficientes de realizar grandes computações numéricas. Tais computações originam-se em situações

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS AULA 02 Evolução do Processamento Paulo Franco Paulo.franco@outlook.com Evolução do Processamento A evolução do processamento de informações ocorreu basicamente de

Leia mais

ARDUINO. Profº. Engº. Robson Dias Ramalho

ARDUINO. Profº. Engº. Robson Dias Ramalho ARDUINO Profº. Engº. Robson Dias Ramalho 3. Microprocessador (E/S) 4. Memória RAM (E/S) 5. Placa de vídeo (E/S) 8. Disco Rígido (E/S) 9. Mouse (Saída) 10. Teclado (E/S) 2. Placa mãe (barramento de dados)

Leia mais

Arquitetura de Computadores

Arquitetura de Computadores Arquitetura de Computadores Prof. Eduardo Simões de Albuquerque Instituto de Informática UFG 1o. Semestre / 2006 Adaptado do material do prof. Fábio Moreira Costa Programa e Introdução Assunto do curso

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Revisão Volnys Bernal. Agenda. Revisão: Arquitetura de Computadores. Sobre esta apresentação

Arquitetura de Computadores. Revisão Volnys Bernal. Agenda. Revisão: Arquitetura de Computadores. Sobre esta apresentação 1998-2010 - Volnys Bernal 1 1998-2010 - Volnys Bernal 2 Agenda Revisão: Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Arquitetura Geral Espaço de Endereçamento Processador e s Laboratório

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 5 Memória interna

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição. Capítulo 5 Memória interna William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 5 Memória interna Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Tipos de memória de semicondutor slide

Leia mais

1. Conceitos Básicos de Computação

1. Conceitos Básicos de Computação Introdução à Computação I IBM1006 1. Conceitos Básicos de Computação Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Computação e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 1.Conceitos Básicos de Computação 1.1.

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Arquitetura de Von Newmann Prof Daves Martins Msc Computação de Alto Desempenho Email: daves.martins@ifsudestemg.edu.br Vídeos Vídeo aula RNP http://edad.rnp.br/rioflashclient.php?xmlfile=/ufjf/licenciatura_com

Leia mais

1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4.

1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. 1 ( ก ก ) ก ก 1. 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 2. ก ก ก ก ก 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 3. ก ก ก 1. ก 2. 3. ก 4. 4. ก

Leia mais

1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4.

1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. 1 ก 1 ก ก 1. 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 2. ก ก ก ก ก 1. ADA AUGUSTA 2. HERMAN HOLLERITH 3. CHARLES BABBAGE 4. BLAISE PASCAL 3. ก ก ก 1. ก 2. 3. ก 4. 4. ก ก 1.

Leia mais

Princípios de Sistemas de Informação. Histórico da Computação

Princípios de Sistemas de Informação. Histórico da Computação Princípios de Sistemas de Informação Histórico da Computação redes de computador Pastores - Antigos pastores gregos e egípcios utilizavam pedrinhas para controlar a quantidade de ovelhas de seus rebanhos.

Leia mais

3. Unidade Central de Processamento

3. Unidade Central de Processamento 3. Unidade Central de Processamento Um microprocessador é um chip responsável por buscar e executar instruções e dados existentes na memória RAM. Vai de regra as instruções são bastante simples, como por

Leia mais

Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto

Sistemas Operacionais. Adão de Melo Neto Sistemas Operacionais Adão de Melo Neto 1 Computador Digital (Hardware) 2 Computador Digital Constituído por um conjunto de componentes interligados (hardware): processadores, memórias, registradores,

Leia mais

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis

Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Introdução à Computação: Máquinas Multiníveis Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Hardware. Informática

Hardware. Informática Hardware Informática l Sistema Informatizado Chama-se sistema informatizado a integração que acontece de três componentes básicos: a) Os computadores = hardware b) Os programas = software c) Os seres humanos

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado de Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Histórico da Computação

Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado de Ciência da Computação. Arquitetura de Computadores I. Histórico da Computação Universidade Federal do Rio de Janeiro Bacharelado de Ciência da Computação Arquitetura de Computadores I Histórico da Computação Ementa Unidade 1:Evolução Histórica do Computador 1.1 Calculadoras Primitivas

Leia mais

O que é um microprocessador?

O que é um microprocessador? MICROPROCESSADORES O que é um microprocessador? É um circuito integrado com milhares, ou mesmo milhões, de transistores, que estão interligados por superfinos traços de alumínio. Os transistores trabalham

Leia mais

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I - Turma 2

SSC0112 Organização de Computadores Digitais I - Turma 2 SSC0112 Organização de Computadores Digitais I - Turma 2 2ª Aula Evolução e questões de desempenho Profa. Sarita Mazzini Bruschi sarita@icmc.usp.br Copyright William Stallings & Adrian J Pullin Tradução,

Leia mais

Unesp. Introdução à Ciência da Computação. Introdução à Programação em C. Prof. Dr. G. J. de Sena CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA

Unesp. Introdução à Ciência da Computação. Introdução à Programação em C. Prof. Dr. G. J. de Sena CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA Unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE GUARATINGUETÁ FACULDADE DE ENGENHARIA Introdução à Programação em C Introdução à Ciência da Computação Prof. Dr. G. J. de Sena Edição: 2010 1 Capítulo 1 Introdução

Leia mais

As Gerações dos Computadores. Professor Leonardo Cabral da R. Soares

As Gerações dos Computadores. Professor Leonardo Cabral da R. Soares As Gerações dos Computadores Professor Leonardo Cabral da R. Soares Primeira Geração (1946 1954) A primeira geração de computadores utilizava válvulas eletrônicas e possuía dimensões gigantescas. Um dos

Leia mais

Circuitos Lógicos Aula 26

Circuitos Lógicos Aula 26 Circuitos Lógicos Aula 26 Aula passada Mais adição Circuito com maior largura Subtração Mais ULA Aula de hoje Memória Funcionamento e arquitetura ROM, RAM e variações Processador Intel Memória Memória:

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 10 Conjuntos de instruções: Características e funções slide 1 O que é um conjunto de instruções? A coleção completa de instruções

Leia mais

Montagem e Manutenção Processadores

Montagem e Manutenção Processadores Montagem e Manutenção Processadores Processador Cérebro Computacional Evolução dos Computadores 1ª Geração => Válvulas (1945-1955) ENIAC: Tinha 19.000 válvulas Pesava 30 toneladas Área de150 m 2 Evolução

Leia mais

Introdução aos Microprocessadores. António M. G. Pinheiro Universidade da Beira Interior Covilhã - Portugal

Introdução aos Microprocessadores. António M. G. Pinheiro Universidade da Beira Interior Covilhã - Portugal Introdução aos icroprocessadores António. G. Pinheiro Covilhã - Portugal pinheiro@ubi.pt EVOLUÇÃO DE COPUTADORES Evolução histórica 1a Geração Década de 40 Baseados em Válvulas 2a Geração Década de 50

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Aula 07 PROJETO MODERNO DE COMPUTADORES Princípios de Projeto para Computadores Modernos Todas as instruções são diretamente executadas pelo hardware Maximiza

Leia mais

Estudo da placa de prototipagem Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno.

Estudo da placa de prototipagem Intel Galileo Gen2. Apostila de acompanhamento para o aluno. Estudo da placa de prototipagem Intel Galileo Gen2 Apostila de acompanhamento para o aluno. 1 Conteúdo Conteúdo... 2 1. Introdução... 3 2. Informações Gerais... 3 3. Componentes da Placa... 4 4. Especificações

Leia mais

Introdução à Arquitetura de Computadores

Introdução à Arquitetura de Computadores Introdução à Arquitetura de Computadores José Costa Introdução à Arquitetura de Computadores Departamento de Engenharia Informática (DEI) Instituto Superior Técnico 2014-09-17 José Costa (DEI/IST) Introdução

Leia mais