CÉLS B CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÉLS B CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS"

Transcrição

1 CÉLS B CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS Leucemia Linfoblástica de Céls Precursoras B / Linfoma Linfoblástico de Céls Precursoras B MADURAS Leucemia Linfocítica Crónica de Céls B / Linfoma Linfocítico de Céls B Pequenas Linfoma de Céls B da Zona Marginal Extra-Nodal do tipo MALT A Leucemia Linfoblástica Aguda de Céls B é a neoplasia + freq da infância Céls malignas com origem B ( CD10+, Tdt+ ) Dx - biópsia MO ( infiltração por linfoblastos malignos ) confirmado por imunofenótipo de céls pré-b, frequentemente c/ distúrbios citogenéticos característicos ( t 9:22 e t 4:11 ) A Leucemia Linfocítica + freq 7% dos LNH ~ 65 anos Rara em Crianças + freq em Homens brancos ( 53%) Dx - Linf circulantes (> /l, geralmente > /l) que são cels B monoclonais, CD5+, que infiltram a MO Esfregaço sanguíneo tipicamente com cels em cesto e cels fantasma, remanescentes nucleares 25-30% com trissomia 12 (mau px); tb alterações no Cr 13 50% possuem tumores que expressam genes Ig mutados com CD 38 baixo melhor px 50% expressam genes Ig não mutados e são + agressivos, CD 38 alto pior resposta tx 8% LNH ~ 60 anos Raro em crianças + freq em mulheres (52%) Linfoma de cels pequenas em locais Apresentação como Linfoma ( elevada taxa de cura ) é mto rara e geralmente tem rápida transformação em Leucemia; quando confinado aos gânglios, a taxa de cura é superior; tx ~ à leucemia - Sinais de Insuf. Medular palidez, fadiga, hemorragia, febre, infecção relacionados com as citopenias periféricas - Anemia + Trombocitopenia (leuc N, ou ) -Dça extra-ganglionar é comum linfadenopatia, hepato e/ou esplenomegalia, Dça SNC, aumento testicular e/ou infiltração cutânea 91% nos estadios III/IV 72% envolvimento MO 33% sintomas B ( sistémicos ) 3% envolvimento GI Dx: - Queixas de fadiga, infecções frequentes e linfadenopatia de novo - Achado acidental no Hemograma - Particular atenção para a detecção/presença de distúrbios AI: Anemia Hemolítica AI Trombocitopenia AI Hipogamaglobulinemia, Aplasia Eritróide Na apresentação como Linfoma é freq a linfadenopatia de novo, assintomática, c/ ou s/ esplenomegalia Tx Independente das Dças AI: - Glicocort. Para citopenias AI - Gamaglobulina para hipogamaglobulinemia 67% Estadios I/II 19% com sintomas B 14% com envolvimento MO 50% com envolvimento GI Indução de Remissão QT Combinada Fase Consolidação Tx sistémico com doses elevadas Tx Dça SNC Tx Contínuo para evitar recidiva e atingir a cura Mau px se: Leucocitose Dça SNC sintomática Distúrbios citogenéticos desfavoráveis (t 9:22 freq nos adultos) LLC B Típica Apenas envolvimento MO e linfocitose; sem sintomas ( RAI 0, BINET A ): - seguimento s/ tx específico - sobrevida > 10 anos Linfadenopatia e/ou esplenomegalia, s/ sintomas, c/ cels circulantes normais: - não iniciar tx - sobrevida 7 anos - maioria vai necessitar de tx nos 1ºs anos Insuf MO ( RAI III ou BINET C ) - tx - sobrevida 1,5 anos Tx Anti-Leucémico: - Clorambucil oral (poucos ef lat; idosos ) ou - Fludarabina i.v. (produz imunossupressão, RC significativa; Jovens ou quando Clorambucil falha) - CVP ou CHOP para a maioria dos linfomas - TMO Alogénico para jovens (curativo, mas c/ elevada inc de morte) Curável com RT ou Cx quando localizado Erradicar inf por Hp (pode levar a remissão duradoura) Clorambucil na Dça muito extensa QT Combinada se coexiste um linf difuso de Taxa de cura nas crianças 85% 50% adultos sobrevivem sem dça a longo prazo Bom px Hiperploidia Mau px t 9:22 t 4:11 t 8:14 Sobrevida 5 anos 51% Estadiamento para px por Sistemas RAI ou BINET Notas: Amplo d.d. Imunofenotipagem exclui distúrbios de cels T e algumas neos de cels B Linf. De cels do Manto ( tb é CD5+ ) Linfoma Linfoplasmocitário ( manifestação tecidual da Macroglobulinemia de Waldestrom) Linfoma de cels B da Zona Marginal Ganglionar Linfoma Difuso de Grandes Céls B CHP= ciclofosfamida + vincristina + prednisolona CHOP= ciclofosfamida + doxorrubicina + vincristina + prednisolona Sobrevida 5 anos 75% Se IPI baixa 90% Se IPI elevada 40% DD:

2 Linfoma de cels do Manto Linfoma Folicular extra-ganglionares Apresentação da forma gástrica associada a inf Hp Dx: - padrão característico de infiltração de pequenos linf q são cels monoclonais B, CD5- (nalguns casos ocorre transformação para Linfoma Difuso de grandes Céls B*) Pode ocorrer no estômago, órbita, intestino, pulomão, gl salivares, tiróide, pele, tec moles, bexiga, rim e SNC 6% LNH ~ 63 anos Raro em crianças + freq em homens (74%) Dx: Bx MO linf c/ núcleo ligeiramente denteado (CD5+ como no linf linfocítico pequeno) - t11:14 característica c/ superexpressão da prot BCL-1 22% LNH ~ 59 anos Raro em crianjças + freq em mulheres (58%) Dx pelas características morfológicas: Bx MO- cels grandes e pequenas clivadas em % variadas num padrão de crescimento folicular Imunofenotipagem cels B T14_18 expressão anormal da prot BCL-2 confirma o dx Achado de uma massa de novo em exame de rotina associada a desconforto abdominal superior no caso do gástrico Localizado no órgão em causa em 40% ou com metastização ganglionar regional em 30% Podem ocorrer metástases à distância, particularmente na transformação em linf difuso de grandes céls B Coexistência freq de pat. AI: S. Sjogren (MALT da gl salivar), tiroidite de Hashimoto (MALT toróideu), gastrite por Hp (MALT gástrico) 80% Estadios III/IV 28% com sintomas B 64% com envolovimento MO 9% com envolovimeto GI Linfadenopatia palpável, geralmente acompanhada de sintomas sistémicos 70% no Estadio IV c/ envolvimento MO e sanguíneo Dos locais extra-ganglionares envolvidos, o GI é o + imp (dts c/ Polipose Linfomatosa no cólon, geral~ apresentam LCManto) geral~ associada a envolvimento do anel de Waldeyer e vice-versa 67% Estadios III/IV 28% com sintomas B 42% com envolvimento MO 4% vom envolvimento GI Linfadenopatia não-dolorosa, c/ múltiplos locais de envolvimento (por vezes com envolvimento de locais invulgares, p.e. gg epitrocleares) Ocorrem apresentações extraganglionares Maioria sem febre, peso ou suores 50% com IPI 0-1 e <10% com IPI 4-5 grandes céls B EDA e Eco ajudam a defenir a extensão do linfoma gástrico * As mutações adicionais adquiridas que medeiam a progressão tornam o crescimento tumoral Hp independente Insatisfatório Raramente a dça é localizada PQT RT + freq a dça disseminada: PQT seguida de TMO nos jovens monoqt nos idosos assintomáticos Rituximab (atc anti-cd20)+qt (melhor resposta Dos q responde melhor à QT e RT 25% c/ regressão espontânea (geralmente transitória) - Dte Assintomático: Observação - Dte que necessita de tx: Clorambucil ou coclofosfamida ou QT Combinada (CVP ou CHOP) 50-75% entram em RC Maioria recidivam aos 2 anos, mas 20% permanecem em RC>10 anos - Linfoma Localizado (raro): RT de Campo px excelente - Novos tx: Fludarabina, IFN α, atc monoclonais c/ ou outros linfomas de cels pequenas B infiltração linfocítica benigna de órgãos extra ganglionares Sobrevida 5 anos 27% Se IPI baixo 50% DD: Linfoma Céls B Pequenas ( em particular o Linfoma Linfocítico de cels Pequenas B que compartilha a expressão característica de CD5+) Sobrevida aos 5 anos 72% DD: Hiperplasia Folicular Reactiva Avaliar possível coexistência de Linfoma Difuso de Grandes Céls B Subclassificação c/ significado px: Predomineo Pequenas cels Mistura de pequenas e grandes cels Predomíneo Grandes cels (maior fracção proliferativa, progressão + rápida e menor sobrevida total apenas c/ MonoQT) Elevada taxa de transformação

3 Linfoma Difuso de Grandes Céls B Linfoma / Leucemia de Burkitt Forma + freq de LNH (33%) 25% dos LNH na infância Foi denominado agressivo ou de grau intermédio ~ 64 anos + freq em Homens (55%) Dx: Bx MO + Imunofenótipo de cel B (não são necessários estudos de citogenética ou genética molecular, embora pareça q os q expressam prot BCL-2 têm maior probabilidade de recidivar) Os c/ envolvimento mediastínico proeminente são por vezes dx como um subgrupo distinto, + freq em mulheres (66%) e jovens (37 anos) Subtipos imunoblástico e c/ fibrose extensa s/ significado px T14:18 em 30% ( prot BCL-2) Raro nos adultos (< 1% LNH nos adultos) 30% LNH crianças* LLA L3 representa uma pequena % das LA na criança e no adulto - Linfoma: ~ 31 anos + freq em homens (89%) Dx pela presença de cels c/ tamanho e formas homogéneas e c/ elevada fracção proliferativa (~ 100% das cels tumorais estão em ciclo por desregulação do myc), presença de t8:14 ou de uma das suas variantes t2:8 (c-myc, gene das cadeias leves lambda), t8:22 (c-myc, gene das cadeias leves k) confirmam o dx 54% nos estadios I/II; restantes c/ linfoma mto disseminado 33% com sintomas B 16% c/ envolvimento MO (+ freq no de cels pequenas) 18% c/ envolvimento GI Dça nodular ou extra-ganglionar >50% c/ envolvimento extra-gg (GI em 15% e MO em 20%), podendo estar envolvido qualquer órgão, inclusivamente o cérebro (cujo envolvimento tem aumentado) - Linfoma: 62% Estadios I/II 22% com sintomas B 33% c/ envolvimento MO 11% c/ envolvimento GI 3 formas clínicas Endémica em crianças africanas Esporádica em crianças africanas e ocidentais Associado a imunodeficiência HIV+ Apresentação como linfadenopatia periférica ou massa intra-abdominal, rapidamente progressiva, c/ propensão para metastização para o SNC fazer PL s/ radionucleosídeos Vacinas anti-linfoma - Dts tx c/ PQT c/ doxorrubicina em RC IFN α sobrevida - Rituximab boa resposta em 35-50% dos casos recidivantes - TMO RC elevada em dts recidivantes - QT combinada: CHOP Estadio I/II 3 ou 4 ciclos seguidos de RT Estadios II(avançado)/II/IV 6 a 8 ciclos (geralmente 4 seguidos de reavaliação e se RC administram-se + 2 ciclos) - Tx Recidiva: QT Combinada Alternativa RC>50% mas baixa sobrevida a longo prazo (< 10%) TMO Autólogo se dça quimiossensível maior sobrevida sem dça ( ~ 40% dos dts cujos linfomas permanecem sensíveis à QT após a recidiva) QT Combinada contendo ciclofosfamida em doses elevadas e tx profilático do SNC: Cura em 70% (crianças e adultos jovens) Se a 1ª tentativa de tx falhar, geralmente a 2ª é ineficaz *Parece estar associado Á infecção pelo EBV no período na lactente Tumor Humano + rapidamente progressivo importância de dx e tx imediatos histológica p/ Linfoma Difuso de Grandes Céls B (7%/ano) q origina rápido crecimento ganglionar e sintomas sistémicos mau px (esquemas de PQT agressivos podem produzir RC do Linf Difuso de Grandes Céls B, deixando os dts c/ o Linfoma Folicular persistente) Sobrevida global 5 anos 46% Estagio I 80-90% Estagio II 60-70% Factores q influenciam o px: IPI q foi desenvolvido para estes tumores Características moleculares do tumor Citocinas circulantes e receptores solúveis Outros marcadores IPI: % casos; sob. 5An73% 2 27% / 54% 3 22% / 43% 4 16% / 26% Sobrevida aos 5 anos de 45% O patologista pode ter dificuldades em diferenciar o Linfoma de Burkitt do Linfoma Difuso de Grandes Céls B.

4 Leucemia Prólinfocítica de Céls B Leucemia de Cels em Cabeleira Linfoma da Zona Marginal Esplénica Linfoma Linfoplasmocitário Linfoma da Zoma Marginal Nodal ou Linfoma Cels B Monocitóide O tumor + rapidamente progressivo - LLA L3: Cels tamanho médio, c/ núcleos redondos, múltiplos nucléolos, citoplasma basofílico c/ vacúolos citoplasmáticos; imunofenótipo B Infiltração MO e sanguínea por grandes linfócitos c/ nucléolo proeminente Tipicamente leucocitose elevada, c/ Esplenomegalia e linfadenopatia mínima Probabilidade de resposta completa ao tx é baixa Rara; Idosos (>40 anos); + freq em homens Manifestação típica c/ Pancitopenia (alguns c/ apresentação leucémica), esplenomegalia freq Cels malignas c/ projecção em cabeleira ao microscópio óptico e electrónico e padrão característico de coloração por fosfatase ácida resistente ao tartarato A MO tem de ser bx porque a aspiração é tipicamente impossível ( fibrose c/ infiltração difusa por cels malignas Predisposição para infecções invulgares (Mycobacterium avium intracellulare) e para Síndromes Vasculíticos Responde à QT c/ IFN α, pentostatina ou cladribina (a última é preferidos) c/ RC na maioria e sobrevida longa sem dça frequente Sobrevida ~ 4 anos Infiltração da polpa branca esplénica por linf B pequenos monoclonais Raro; pode apresentar-se como leucemia ou linfoma Dx definitivo c/ esplenectomia, a qual tb constitui o tx eficaz Indolente; Quando necessário QT, deve-se usar Clorambucil Manifestação tecidual da Macroglobulinemia de Waldenstrom Associado a infec crónica por VHC Apresentação c/ linfadenopatia + esplenomegalia + envolvimento MO + envolvimento do sangue periférico; Cels tumorais CD5 negativas Prot monoclonal Ig M, cujos níveis elevados associados a sintomas de hiperviscosidade podem dominar o quadro Tx c/ redução da prot anormal (se presente) + QT ( clorambucil, fludarabina, cladribina ) Sobrevida aos 5 anos 60% 1% LNH; + freq em mulheres Dça disseminada (III/IV) em 75%; 1/3 com envolvimento MO Apresentação leucémica ocasional Avaliação para estadiamento e tx semelhante ao linfoma folicular Sobrevida aos 5 anos 60% CÉLS T CARACTERÍSTICAS GERAIS MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS TRATAMENTO PROGNÓSTICO PRECURSORAS Leucemia Linfoblástica de Céls T Precursoras / Linfoma Linfoblástico de Céls T Precursoras LLA ou Linfoma Agressivo Crianças e adultos jovens + freq em homens - Linfoma: ~ 28 A 40% LNH da Infância + freq homens (64%) 89% Estadio III/IV 21% c/ sintomas B 50% c/ envolvimento MO - LLA Insuficiência MO (anemia, neutropenia e trombocitopenia são menores do que na LLA de precursores B) Por vezes linfócitos mto aumentados, massa mediastínica, linfadenopatia, hepatoesplenomegalia - Linfoma: Jovem rapaz c/ massa mediastínica - Crianças (LLA de céls T Precursoras) Regimes de indução de remissão e consolidação agressivos (LLA) A maioria cura - Crianças + velhas e jovens adultos c/ linfoma tx ~ leucemia - Adultos c/ Linfoma, DHL ou envolvimento da MO ou SNC TMO como parte do tx primário Idade avançada associada a pior px Dça localizada excelente px Sobrevida 5 anos 26%

5 4% c/ envolvimento GI grande e derrame pleural MADURAS Micose Fungóide / Linfoma de cels T Cutâneo Leucemia / Linfoma de Céls T do Adulto Linfoma Anaplásico de Grandes Céls / Céls Nulas Linfoma de Céls T Periféricas ~ 55 anos + freq em homens + freq em negros De início as bx cutâneas são de difícil interpretação e o dx só se torna aparente com o tempo Manifestação da infec pelo retrovírus HTLV-1 Infec. Adquirida via transplacentária, transfusional, sexual, leite materno* Dx quadro morfológico típico c/ imunofenótipo de cel T (CD4+) nas cels malignas, q são pleomórficas, c/ núcleo indentado (em flor) + atc para HTLV-1 + freq no Japão e Caraíbas Inicialmente chamada Histiocitose Maligna ou Carcinoma Indiferenciado 2% LNH Atg CD30 ou Ki-1 T2:5 c/ superexpressão dap rot cínase (alk) do linfoma anaplásico 34 anos Comum em crianças (5% LNH Infância ) + freq em homens (70%) Dx quadro morfológico típico (imunofenótipo da cél nula ou T e CD30+); t2:5 e/ou superexpressão da prot alk Grupo de sind clínicos 7% LNH 5% LNH infância Ambos as apresentações c/ grande propensão para metastização SNC (freq na altura do dx) Linfoma indolente (vários anos de lesões cutâneas dermatíticas ou eczematosas q progridem de um estadio remendado a placas e tumores cutâneos) Nos estadios avançados metastiza para gg e órgãos viscerais Sind. Sézary eritrodermia + cels tumorais circulantes Um subgrupo c/ dça ténue e sobrevida longa Maioria c/ dça agressiva linfadenopatia, hepatoesplenomegalia, infiltração cutânea (pápulas, placas, tumores, ulcerações), hipercalcemia, lesões osteolíticas, DHL, envolvimento MO não mto extenso, anemia e trombocitopenia leves Após curta latência pode surgir paraparésia espástica tropical (geralmente associada a transfusão ou transmissão sexual) Ligeira predominância dos estadios I/II (51%) 53% c/ sintomas B (sistémicos) e LDH Raramente envolvimento MO (13%) ou GI (9%) Envolvimento cutâneo freq (alguns c/ dça confinada à pele têm evolução indolente Linfoma Anaplásico Cutâneo de Grandes Céls / Céls Nulas; pode estar relacionado c/ papulose linfomatóide) ~ 61 anos 80% nos Estadios III/IV 50% c/ sintomas B Raros são os dts c/ dça localizada q podem ser curados por RT (irradiação total da pele c/ feixe de e-) - Dça avançada tx c/: Glicocort. Tópicos + mustarda nitrogenada tópica + fototerapia + psoraleno c/ UV (PUVA) + radiação c/ electrões + IFN + citotóxicos sistémicos São todos tx paliativos QT Combinada ( RC verdadeira é rara ) ~ ao dos outros linfomas agressivos como Linfoma Difuso de Grandes Céls B ~ linfoma difuso de grandes cels B embora respondam pior ao tx Sobrevida média 7 meses * Os dts que adquirem o vírus da mãe pelo leite materno têm maior probabilidade de desenvolver linfoma, porém, o risco é de apenas 2,5%, c/ um período de latência médio de 55 anos. Sobrevida aos 5 anos 77% Melhor sobrevida do q os restantes linfomas agressivos IPI prevê a evolução c/ tx Superexpressão da prot alk é um factor px importante (tx c/ maior êxito se existe) Sobrevida aos 5 anos 25% Infelizmente os dts c/ Linfoma de

6 Linfoma T Angioimunoblástico Linfoma NK/T Extranodal tipo Nasal (Linfoma Angiocêntrico ou Granuloma Letal da Linha) Linfoma T tipo Intestinal (Enteropatia) Linfoma T gama- -delta Hepatosplénico Linfoma de Céls T Subcutâneo do tipo Paniculite Ligeira predominância masculina (55%) Dx por bx MO e imunofenotipagem maioria são CD4+; alguns CD4+ e CD8+ ou c/ imunofenótipo de NK Sem anomalias genéticas características (alguns c/ t8:14) Envolvimento MO 36% e GI 15% TMO em jovens DD c/ processos reactivos infiltrativos das cels T Nalguns casos é necessário mostrar uma população de cels T monoclonal utilizando estudos de rearranjo genético do receptor da cel T Subtipos Clínicos de Linfomas de Céls T Periféricos O síndrome + freq associado a Linfoma T Periférico 20% Linfomas T Tipicamente apresentam linfadenopatia generalizada, febre, perda de peso, rash cutâneo, hipergamaglobulinemia policlonal Por vezes é difícil separar dts c/ dça reactiva daqueles c/ linfoma verdadeiro + na Ásia e América do Sul; forte associação à inf. Pelo EBV + freq nas vias aéreas superiores, embora tb envolva outros órgãos Evolução agressiva. Dts muitas vezes apresentam Síndrome hemofagocítico durante a evolução Quando envolve o sangue e a MO é difícil distingui-lo da leucemia Alguns respondem à QT Combinada, porém o px é em geral sombrio Raro. Ocorre em dts c/ dça celíaca (enteropatia sensível ao glúten) não tratada Por vezes apresentação c/ perfuração intestinal Px sombrio Dça Sistémica infiltração sinusoidal do fígado, baço e MO por cels T malignas Geralmente não ocorrem massas tumorais Associado a sintomas sistémicos. É com freq difícil de diagnosticar Evolução c/ tx é má Rara. Frequentemente confundida c/ paniculite Apresentação como nódulos sc múltiplos q podem progredir e ulcerar Síndrome hemofagocítico freq (anemia profunda, ingestão de GR por monócitos e macrófagos) associado a morte Má resposta ao tx Resumo dos Linfomas Não-Hodgkin Aumento da incidência nos últimos anos; + freq em idosos e homens; Imunodeficiências Primárias ou Secundárias são fact de risco ( infec. HIV, pós-transplante, imunodeficiências primárias, síndrome seca, Artrite Reumatóide) Fact Ambientais no LNH: agentes infecciosos, exposição a substâncias químicas e tx clínicos Avaliação: H + B, VS, TC tórax, abdómen e pelve, Bx MO, nível sérico de LDH e β2-microglobulina, Electroforese de Proteínas Séricas Px pelo IPI LNH + frequentes: Linfoma Difuso de Grandes Céls B 33% Linfoma Folicular - 22% Linfoma de Céls B da Zona Marginal - 8% Extra-Nodal do Tipo MALT Linfoma de Céls T Periféricas - 7% Linfoma Linfocítico de Céls B Pequenas 7% Linfoma de Céls do Manto 6% Linfoma Anaplásico de Grandes Céls / 2% Céls Nulas LNH + frequentes na Infância: Céls T Periféricas costumam apresentar factores de mau px: 80% IPI 2 > 30% IPI 4

7 Linfoma Linfoblástico de Céls Precursoras T 40% Linfoma de Burkitt - 30% Linfoma Difuso de Grandes Céls B - 25% Linfoma de Céls T Periféricas - 5% Doença de Hodgkin (DH) A maioria tem origem em céls B; + freq em brancos; + freq em homens; distribuição etária bimodal ( e 80-90); Dça Hodgkin Classificação: Dça Hodgkin Nodular com Predomínio Linfocítico Dça Hodgkin Clássica: - DH c/ Esclerose Nodular (maioria nos EUA) - DH Linfocítica Clássica (rara) - DH c/ Celularidade Mista (minoria nos EUA) - DH c/ Deplecção Linfocítica (rara) Jovens - + freq DH c/ Esclerose Nodular Dts HIV+ subtipo de celularidade mista ou subtipo c/ deplecção linfocítica A infec. HIV e pelo EBV parecem ser fact de risco para DH DH Nodular com Predomínio Linfocítico: Rara; < 5% dos casos de DH; Predomínio de Pequenos Linfócitos c/ raras céls de Steinberg-Reed Tem características que sugerem relação c/ LNH: proliferação monoclonal de cels B e imunofenótipo distinto, céls tumorais que expressam cadeia J e exibem CD45 e atg da membrana epitelial (eme), mas não expressam 2 moléculas normalmente encontradas nas céls de Steinberg-Reed ( CD30 e CD15). Tende a seguir uma evolução recidivante crónica e, por vezes, sofre transformação em Linfoma Difuso de Grandes Céls B Tx controverso: Dça localizada RT Dça disseminada tx semelhante a DH Clássica Sobrevida a longo prazo > 80% DH Clássica: Apresentação : + freq adenopatia palpável, indolor, na maioria dos casos envolvendo os gg cervicais, supra-claviculares ou axilares. + de 50% c/ adenopatia mediastínica por ocasião do dx, constituindo por vezes a 1º manifestação da dça Apresentação Subdiafragmática é incomum, sendo + freq em homens de meia-idade 1/3 dos dta apresenta febre, sudorese nocturna e/ou perda de peso ( sintomas B ) Ocasionalmente pode manifestar-se como febre de origem indeterminada ( + freq em dts + velhos c/ DH de celularidade mista localizada no abdómen). Ocasionalmente a febre persiste por vários dias a semanas, seguida por intervalo afebril seguida de recorrência da febre Febre de Pel-Epstein Manifestações incomuns são possíveis: prurido intenso e inexplicado, distúrbios cutâneos (eritema nodoso e atrofia ictiosforme), degeneração cerebelar paraneoplásica e outros efeitos à distância no SNC, S. Nefrótico, Anemia Hemolílica AI, trombocitopenia, hipercalcemia e dor nos gg c/ o consumo de álcool DD de Bx de gg c/ suspeita de DH: Processo inflamatório Mononucleose LNH Adenomegalia induzida por difenilidantoína Neoplasia maligna não-linfomatosa

8 Avaliação da DH p/ estadiamento: Hx e exame físico, H + B, LDH, VS, Rx tórax, TC tórax, abdómen e pelve; Bx MO. Cintigrafia com Gálio (+ freq no término da tx para dopcumentar a ocorrência de remissão). Linfangiografia Bipodálica pode ser útil. Tx: DH localizada: cura > 90%. Dts c/ fact px favoráveis RT Campo ampliada apresenta elevada taxa de cura QT: cada vez + usada no tx inicial em todos os estagios; - Dça localizada, fact px favoráveis: breve curso de QT, seguida de RT nos locais de comprometimento local - Dça + extensa ou c/ sintomas B: curso completo de QT - Esquemas QT + usados: ABVD (doxorrubicina, bleomicina, vimblastina, dacarbazina) + usado actualmente ou MOPP (mecloretamina, vincristina, procarbazina, prednisolona - Sobrevida prolongada > 75% na dça disseminada s/ sintomas sistémicos e de 50-70% na dça disseminada c/ sintomas sistémicos Dts recidivantes após tx primário: - Se tx primário RT QT - Se tx primário QT geralmente não curável com QT nas doses convencionais. Dts com remissão inicial prolongada podem constituir uma excepção a esta regra - TMO Autólogo pode curar ~ 50% dos dts que não respondem a esquemas de QT Complicações a longo prazo da tx da DH: + imp são segundas neoplasias malignas e lesão cardíaca 2ª lesão maligna leucemia aguda nos primeiros 10 anos após o tx c/ QT c/ agentes alquilantes (+ freq c/ MOPP q c/ ABVD); a 2ª lesão surge geralmente no período de 10 anos pós-tx e associa-se + à RT que à QT. Logo, as mulhers tx c/ RT torácica devem fazer mamografias de rastreio 5 a 10 anos após o tx, e todos os dts devem ser aconselhados ao abandono tabágico A RT torácica tb acelera o desenvolvimento de coronariopatia e hipotiroidismo. A Síndrome de Lhermitte ( sensação de choque eléctrico nos membros inferiores c/ a flexão do pescoço) ocorre em 15% dos dts submetidos a RT torácica Infertilidade é tb comum pós tx de DH. Os dts + jovens têm maior probabilidade de recuperar a fertilidade. A infertilidade é + freq c/ o MOPP q c/ o ABDV DD Linfoma Distúrbios Semelhantes a Linfoma Hiperplasia Linfóide Atípica Reactiva: Pode apresentar-se c/ adenomegalia localizada ou disseminada e tb exibem sintomas sistémico característicos do linfoma Causas: Reacção farmacológica à difenilidantoína ou carbamazepina Distúrbios imunes (AR, LES) Infecções víricas (CMV, EBV) Infecções bacterianas (Dla da arranhadura de gato) Na ausência de dx definitivo após a bx inicial, o acompanhamento contínuo, a realização de outros testes e bxs repetidas, se necessário, constituem uma abordagem apropriada, em vez de instituir tx. Doença de Castleman: Pode apresentar-se c/ adenopatia localizada ou disseminada e, por vezes, com sintomas sistémicos. A forma Disseminada é freq acompanhada de Anemia e Hipergamaglobulinemia policlonal, e o distúrbio parece estar relacionado c/ a produção excessiva de IL-6, possi8velmente produzido pelo HSV-8. Tx: localizado para a dça localizada; Dça disseminada tratada com corticóides sistémicos. Histiocitose Sinusal com Linfadenopatia Maciça (Dça de Rosai-Dorfman) Adenomegalia volumosa em criança ou adulto jovem. Em geral, a dça é auto-limitada e não-progressiva; os dts podem apresentar Anemia Hemolítica AI Papulose Linfomatóide: Distúrbio linfoproliferativo cutâneo, frequentemente confundido c/ o Linfoma Anaplásico de Grandes Céls que acomete a pele. As céls são CD30+. No entanto o distúrbio caracteriza-se por exacerbações e remissões das lesões cutâneas que cicatrizam deixando pequenas cicatrizes

Lc/Lf Linfoblástica Pre-B LcLC-B/LfLC-B peq. Idade Mediana Infec associada Transloc / Onc % Crianças % Homens % III/IV % SX B % Compr MO % Compr GI

Lc/Lf Linfoblástica Pre-B LcLC-B/LfLC-B peq. Idade Mediana Infec associada Transloc / Onc % Crianças % Homens % III/IV % SX B % Compr MO % Compr GI Lc/Lf Linfoblástica Pre-B LcLC-B/LfLC-B peq Gerais Origem pré-b: CD10+, Tdt+ Idade Mediana Infec associada 28A A Leucemia Linfocítica + freq (7% dos LNH) 65A Transloc / Onc % Crianças % Homens % III/IV

Leia mais

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica

Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Janaína Le Sann Nascimento R1 Anatomia Patológica Individualizados; Encapsulados; Vasos linfáticos aferentes; Vaso linfático eferente; Córtex; Medula; Linha de defesa secundária; Cápsula Seios subcapsulares

Leia mais

Doenças Linfoproliferativas

Doenças Linfoproliferativas Doenças Linfoproliferativas Órgãos linfóides Linfoproliferações não clonais Agudas Mononucleose infecciosa Citomegalovirose Rubéola Sarampo Hepatites HIV Crônicas Tuberculose Toxoplasmose Brucelose Sífilis

Leia mais

16-06-2016 1/2 Info Saude

16-06-2016 1/2 Info Saude 16-06-2016 1/2 Info Saude Doença de Hodgkin A doença de Hodgkin (linfoma de Hodgkin) é um tipo de linfoma que se caracteriza por possuir um tipo particular de célula cancerosa, chamada célula de Reed-Sternberg,

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

Linfonodomegalias na Infância

Linfonodomegalias na Infância XII Curso de Atualização em Pediatria de Londrina - Módulo 03 Linfonodomegalias na Infância Tony Tannous Tahan Coordenador da Infectopediatria do Departamento de Pediatria do HC-UFPR Membro do Comitê de

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia

HEMATOLOGIA. 2010-11 3ºAno. 10ª Aula. Prof. Leonor Correia HEMATOLOGIA 2010-11 3ºAno Prof. Leonor Correia 10ª Aula Hematologia 2010/2011 Tumores dos tecidos hematopoiético e linfático Classificação OMS 2008: Interesse e objectivos da classificação Neoplasias mieloproliferativas

Leia mais

Curso de Patologia Digestiva

Curso de Patologia Digestiva Curso de Patologia Digestiva Neoplasias Linfóides do Tracto Gastro-Intestinal Aspectos Histológicos Sofia Loureiro dos Santos Serviço de Anatomia Patológica Hospital Fernando Fonseca, EPE SPG, Lisboa,

Leia mais

Linfomas. Claudia witzel

Linfomas. Claudia witzel Linfomas Claudia witzel Pode ser definido como um grupo de diversas doenças neoplásicas : Do sistema linfático Sistema linfóide Que tem origem da proliferação de linfócitos B ou T em qualquer um de seus

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Franklin José Candido Santos Hematologista do HEMOCE Fortaleza Hematologista do Hospital Haroldo Juaçaba A maioria dos pacientes que se

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS DENGUE Vera Magalhães Prof. Titular de Doenças Infecciosas da UFPE DENGUE Família Flaviviridae Gênero Flavivirus Virus RNA:

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias

Algoritmo de Investigação das Adenomegalias 2011 15 de Abril 6ª feira Algoritmo de Investigação das Adenomegalias João Espírito Santo Luís Brito Avô Manuel Ferreira Gomes Doente com adenomegalias Quadro agudo Recorrentes ou longa evolução Localização

Leia mais

LINFOMA NÃO HODGKIN EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO

LINFOMA NÃO HODGKIN EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LINFOMA NÃO HODGKIN EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO - Histopatologia do tumor - Imunohistoquímica - Hemograma - Bioquímica: ácido úrico, cálcio, fósforo, uréia, creatinina, provas de função hepática,

Leia mais

Linfomas gastrointestinais

Linfomas gastrointestinais Linfomas gastrointestinais Louise Gracielle de Melo e Costa R3 do Serviço de Patologia SAPC/HU-UFJF Introdução Linfomas extranodais: a maioria é de TGI. Ainda assim, linfomas primários gastrointestinais

Leia mais

Linfoma de Hodgkin. Anouchka Lavelle

Linfoma de Hodgkin. Anouchka Lavelle Linfoma de Hodgkin Anouchka Lavelle INTRODUÇÃO 1832 Thomas Hodgkin apresentou 7 casos posmortem 1865 Samuel Wilks descreveu a doença e os sintomas. 1898 and 1902, Carl Sternberg and Dorothy Reed descrevem

Leia mais

LAHEBA. Introdução Linfomas Leucemias Caso clínico Conclusão 05/10/2011. Anselmo Boa Sorte

LAHEBA. Introdução Linfomas Leucemias Caso clínico Conclusão 05/10/2011. Anselmo Boa Sorte UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA LIGA ACADÊMICA DE HEMATOLOGIA DA BAHIA LAHEBA Anselmo Boa Sorte Introdução Linfomas Leucemias Caso clínico Conclusão 1 LINFOMAS E LEUCEMIAS Escalada do desenvolvimento celular

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

Seminário Metástases Pulmonares

Seminário Metástases Pulmonares Seminário Metástases Pulmonares Tatiane Cardoso Motta 09/02/2011 CASO CLÍNICO Paciente do sexo feminino, 52 anos, refere que realizou RX de tórax de rotina que evidenciou nódulos pulmonares bilaterais.

Leia mais

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL

Apudoma TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO. PROCED. DESCRIÇÃO QT CID At. Prof. Vr. TOTAL TABELAS DE PROCEDIMENTOS POR NEOPLASIA E LOCALIZAÇÃO Apudoma 0304020117 Quimioterapia paliativa de apudoma (doença loco-regional avançada, inoperável, metastática ou recidivada; alteração da função hepática;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: HEMATOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Patologia do testículo e vias espermáticas

Patologia do testículo e vias espermáticas Patologia do testículo e vias espermáticas Adriano de Carvalho Nascimento 1. Anatomia 2. Histologia 3. Principais doenças das vias espermáticas e cordão espermático 4. Alterações congênitas 5. Infertilidade

Leia mais

Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial

Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial Universidade Federal da Bahia Febre de Origem Inderterminada Diagnóstico Diferencial Aknar Freire de Carvalho Calabrich Marianna Deway Andrade Orientadora: Dra. Nadya Carneiro Definições FOI clássica:

Leia mais

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO

Mandado de segurança contra ato do Secretário Municipal de Saúde RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO-HODGKIN FOLICULAR TRANSFORMADO EM DIFUSO Data: 08/12/2012 Nota Técnica 2012 Juízo da 4ª Vara de Fazenda Pública Municipal Juiz Renato Dresh Numeração Única: 3415341-21.201 Impetrante Marlene Andrade Montes Medicamento Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883

ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA. Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA Renata Loretti Ribeiro Enfermeira COREn/SP 42883 Fisiopatologia do Processo Maligno As células são conhecidas desde o século XVII, quando foram observadas com microscópios muito

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores

Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores. Imunologia dos tumores Introdução Objetivos Ags expressados pelas células cancerosas Natureza da resposta Imune Como o câncer escapa do sistema Imune Imunoterapia Introdução ao Câncer Crescimento descontrolado produz um tumor

Leia mais

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU

INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU DOENÇAS INDICADORAS DE INFECÇÃO PELO HIV/AIDS DETECÇÃO TARDIA: A DOENÇA JÁ COMEÇOU Doenças indicativas de infecção Síndrome retroviral aguda Febre prolongada Diarréia crônica pelo HIV / AIDS Infecções

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS

TEMA: RITUXIMABE PARA LINFOMA NÃO HODGKIN DE PEQUENAS CÉLULAS NOTA TÉCNICA 46/2014 Data: 17/03/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juiz de Direito Eduardo Soares de Araújo Número do processo: 0011607-07.2014.8.13.0026 Requerido(s): MUNICÍPIO

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: ONCOLOGISTA PEDIÁTRICO C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca da epidemiologia e das bases genéticas do câncer pediátrico, julgue os itens a seguir. 41 As leucemias e linfomas são os tumores malignos mais frequentes em lactentes, enquanto os sarcomas ósseo

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko

NEOPLASIAS. MSc. Isabela Brcko NEOPLASIAS MSc. Isabela Brcko Proliferações locais de clones celulares cuja reprodução foge ao controle normal, e que tendem para um tipo de crescimento autônomo e progressivo, e para a perda de diferenciação

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA. Data: 05/03/2014 NOTA TÉCNICA /2014. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA /2014 Data: 05/03/2014 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Marly Gonçalves Pinto - PJPI 3998-2 - Oficial de Apoio Judicial B - Escrivã Judicial da Comarca de Cláudio/MG

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical

INTRODUÇÃO. Mais frequentes: Idosos Sexo feminino Deficiência de iodo AP de irradiação cervical Célia Antunes INTRODUÇÃO Incidência dos nódulos tiroideus tem vindo a aumentar devido à maior solicitação de estudo da tiróide por ecografia. % Detecção: Palpação 4 a 8% Ecografia 19 a 67% Autópsia 50%

Leia mais

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo

Câncer de Pele. Faculdade de Medicina UFC. Catharine Louise Melo Araújo Câncer de Pele Faculdade de Medicina UFC Catharine Louise Melo Araújo Data: 25/10/2011 Camadas da Pele Câncer de Pele Os carcinomas cutâneos são as neoplasias malignas mais comuns. O principal fator para

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013

LINFOMAS. Maria Otávia da Costa Negro Xavier. Maio -2013 LINFOMAS GASTROINTESTINAIS Maria Otávia da Costa Negro Xavier Maio -2013 1 INTRODUÇÃO Cerca de 1 a 4% de todas as malignidades gastrointestinais são linfomas. Por definição os linfomas gastrointestinais

Leia mais

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DE ALERTA PARA O CÂNCER?

QUAIS SÃO OS SINAIS E SINTOMAS DE ALERTA PARA O CÂNCER? COMO DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE O CÂNCER INFANTO- JUVENIL? Departamento de Oncohematologia da SBP Na criança e no adolescente, o câncer compreende de 1 a 3% de todas as neoplasias malignas, estimando-se

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

24 de Abril de 2009. Linfomas

24 de Abril de 2009. Linfomas 24 de Abril de 2009. Linfomas A tendência dos linfócitos B e T ao sair da MO é migrar para o tecido linfóide. O linfócito B é liberado como célula pronta e vai direto para o tecido linfóide. O linfócito

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 A respeito do diagnóstico do Mieloma Múltiplo, qual entre as alternativas não representa um critério de diagnóstico? A) Componente M na Urina. B) Cálcio sérico >12mg/dl.

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO HEMATOLOGISTA QUESTÃO 21 A doença de Von Willebrand combina a presença da anormalidade da função plaquetária com a deficiência da atividade de um fator da coagulação.

Leia mais

Câncer. Claudia witzel

Câncer. Claudia witzel Câncer Claudia witzel Célula Tecido O que é câncer? Agente cancerígeno Órgão Célula cancerosa Tecido infiltrado Ozana de Campos 3 ESTÁGIOS de evolução da célula até chegar ao tumor 1 Célula 2 Tecido alterado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o conceito de humanizar a assistência ao paciente, julgue os itens a seguir. 41 A heteronomia do paciente, o cuidado do ser humano doente e a promoção de saúde visando apenas à cura da doença

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. Diagnóstico laboratorial em oncohematologia I DOENÇAS LINFOPROLIFERATIVAS CRÔNICAS Dr. João Carlos de Campos Guerra Departamento de Patologia Clínica

Leia mais

Autópsia-Carcinoma de Reto

Autópsia-Carcinoma de Reto Autópsia-Carcinoma de Reto RESULTADO DE EXAME ANATOMOPATOLÓGICO N.º PG 163 NOME: PCQ RESID.: CIDADE: São Paulo - SP FONE: ( ) SEXO M IDADE 31 COR P PROFISSÃO: PEDIDO pelo Dr Clínica Cirúrgica TEL. ( )

Leia mais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais

Introdução. Infecção pelo HIV. Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade. Profundas repercussões sociais Introdução Uma das mais devastadoras pandemias da história da humanidade Profundas repercussões sociais Possibilitou um enorme avanço no campo da virologia Prof. Marco Antonio Passou de doença letal a

Leia mais

Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com

Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com Dr Marco Antônio Dias Filho madiasfilho@gmail.com Paciente do sexo feminino de 78 anos, com passado de linfoma não hodgkin indolente há 10 meses, evoluindo com adenomegalia de crescimento rápido. Transformação?

Leia mais

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide

Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Sessão Clínica Inter-hospitalar da Sociedade Médica dos Hospitais da Zona Sul Hospital de Caldas da Rainha Apresentação rara e de difícil diagnóstico de Linfoma Plasmocitóide Catarina Louro Orientador:

Leia mais

Diagnóstico das doenças da próstata

Diagnóstico das doenças da próstata Diagnóstico das doenças da próstata A. A QUEM SE DEVE DIRIGIR SE TEM DIFICULDADES URINÁRIAS? O médico especialista em patologia prostática é o urologista. Este especialista realizará exames adequados para

Leia mais

DORES RECORRENTES MOMENTO II Abril 2010 DORES RECORRENTES - DENOMINADOR COMUM ETIOLOGIA: Maioria - dores primárias; Dicotomia: Orgânico x Emocional. Associação de vários tipos de dores; Presença de dores

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune. MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA AUTO-IMUNE EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Anemia Hemolítica Auto-Imune.

Leia mais

NEOPLASIAS DE CÉLULAS B

NEOPLASIAS DE CÉLULAS B NEOPLASIAS DE CÉLULAS B LINFOMA/LEUCEMIA LINFOBLÁSTICA DE PRECURSORES DE CÉL. B - O cancro + comum da infância - É raro surgir como linfoma (sofrem rápida transformação para leucemia) LEUCEMIA LINFÓIDE

Leia mais

Denominação geral dos tumores

Denominação geral dos tumores Imunologia dos tumores Denominação geral dos tumores Carcinomas - derivados de células epiteliais (rim, fígado, epitélio gastro-intestinal) Sarcomas - originários de fibroblastos, células musculares e

Leia mais

Tireoidites e Comportamento Tireoidiano

Tireoidites e Comportamento Tireoidiano Tireoidites e Comportamento Tireoidiano Dr Semy Krillos Orientação: prof. Dr. Romeu Carillo Jr Hipotálamo Células do sistema parvicelular Secretam TRH ( hormônio liberador de tireotropina) Secretam CRH

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Diretrizes Assistenciais Protocolo Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Pulmão Versão eletrônica atualizada em Julho - 2012 Protocolo Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Nódulo da Tireóide. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Cirurgia Turma 5 - Grupo D

Nódulo da Tireóide. Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Cirurgia Turma 5 - Grupo D Nódulo da Tireóide Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Serviço de Cirurgia Turma 5 - Grupo D Alberto Paulo Costa Ana Filipa Pedrosa Ana Rita Pombal João Carlos Costa João Cláudio Antunes Setembro

Leia mais

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO INTRODUÇÃO: - A anemia aplás-ca é caracterizada pela acentuada redução ou ausência de células eritroides, mieloides e megacariocí-cas na medula óssea, com resultante

Leia mais

Introdução às Doenças Onco-hematológicas. Juliane Musacchio MD, PhD Gerente de Hematologia do Grupo COI

Introdução às Doenças Onco-hematológicas. Juliane Musacchio MD, PhD Gerente de Hematologia do Grupo COI Introdução às Doenças Onco-hematológicas Juliane Musacchio MD, PhD Gerente de Hematologia do Grupo COI Leucemias Agudas Introdução Leucemias Agudas Leucemia linfoblástica aguda (LLA): neoplasia mais comum

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Citostal. Cápsulas. 10mg e 40mg

Citostal. Cápsulas. 10mg e 40mg Citostal Cápsulas 10mg e 40mg APRESENTAÇÕES CITOSTAL (lomustina) é apresentado na forma farmacêutica de cápsulas nas concentrações de 10mg e 40mg em frascos com 5 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

Seja bem-vindo ao Chat!

Seja bem-vindo ao Chat! Chat com o Dr. Jacques Dia 04 de setembro de 2014 Tema: Linfoma: Novas perspectivas em busca da cura Total atingido de pessoas na sala: 31 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 (10h

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral

Raniê Ralph Semio 2. 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral 11 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndrome Tumoral Doenças hematológicas tumorais Leucemias Linfomas Mieloma múltiplo Macrogobulinemia de Waldenstrom: discrasia de células plasmáticas com

Leia mais

LINFOMA DE HODGKIN NA INFÂNCIA: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA

LINFOMA DE HODGKIN NA INFÂNCIA: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA Hospital do Servidor Público Municipal LINFOMA DE HODGKIN NA INFÂNCIA: RELATO DE CASO E REVISÃO DA LITERATURA SWENY DE SOUSA MARINHO FERNANDES São Paulo 2011 Hospital do Servidor Público Municipal LINFOMA

Leia mais

Palavras-Chave: Linfoma, Semiologia, Cavidade Oral, Medicina Dentária

Palavras-Chave: Linfoma, Semiologia, Cavidade Oral, Medicina Dentária Resumo Os linfomas são neoplasias malignas das células linfóides; células B, T e natural killer (NK), ou dos seus percursores, com origem nos gânglios linfáticos ou tecidos linfáticos extraganglionares.

Leia mais

DIVISÃO ONCOLOGIA. ONCO - HEMATOLOGIA EXAME PRAZO MÉTODO FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH

DIVISÃO ONCOLOGIA. ONCO - HEMATOLOGIA EXAME PRAZO MÉTODO FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH DIVISÃO ONCOLOGIA ONCO - HEMATOLOGIA FISH Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22) 10 d. u. FISH PCR Rearranjo BCR ABL (Translocação: 9;22 ) 11 d. u. PCR FISH Rearranjo PML RARA (Translocação: 15;17) 12

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas É a neoplasia mais freqüente da cabeça e pescoço 90% dos casos é por Carcinoma epidermóide

Leia mais

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS

Protocolos de Diagnóstico e Terapêutica em Infecciologia Perinatal SÍFILIS A sífilis é uma infecção transmitida sexualmente que pode atingir a grávida e o feto em qualquer altura da gestação. No adulto, não tratada, evolui de sífilis primária para secundária e terciária. No feto

Leia mais

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes

Doenças Hematológicas. Patologia Bucal. Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Doenças Hematológicas Prof. Dr. Fábio Daumas Nunes Sangue Tecido fluido: porção celular em meio líquido (plasma) Porção celular: 45% do volume Plasma: 55% restantes Responde por 7% do peso corporal 5 litros

Leia mais

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014

NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO. Hye, 2014 NEOPLASIAS DO TECIDO HEMATOPOÉTICO Hye, 2014 O QUE GERA A SUSPEITA DE MALIGNIDADE HEMATOLÓGICA? Falta de energia; Facilidade de sangramentos; Infecções frequentes; Emagrecimento inexplicável; INVESTIGAÇÃO

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Laiz Silva Ribeiro laiz0711@bol.com.br Prof Dr. Rodrigo da Silva Santos rdssantos@gmail.com FACULDADE ALFREDO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1 CARACTERÍSTICAS GERAIS DAS NEOPLASIAS 1) INTRODUÇÃO Neoplasia significa crescimento novo. O termo tumor é usado como sinônimo e foi originalmente usado para os aumentos de volume causados pela inflamação.

Leia mais

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé

Cancro do Pulmão. Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Cancro do Pulmão O DESAFIO CONSTANTE Serviço de Pneumologia Director: Dr. Fernando Rodrigues Orientador: Dr. José Pedro Boléo-Tomé Telma Sequeira Interna de Formação Complementar de Pneumologia Amadora,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador:

BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA. Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos. Importador: BOLETIM TÉCNICO IMUNOCAN VACINA Vacina para Tratamento e Prevenção da DERMATOFITOSE em Cães e Gatos Importador: 1 As Dermatofitoses são micoses superficiais nas quais a infecção fungica afeta as camadas

Leia mais

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120

Anemia: generalidades... 114 Conceito e prevalência... 114 Anemia mínima... 115 Sintomas e sinais... 118 Classificação... 120 SUMÁRIO 1 Hemograma... 21 Introdução e filosofia de trabalho... 21 Registro e processamento de dados... 29 Coleta de material... 31 Contadores eletrônicos... 35 Microscopia... 44 Critérios para indicação

Leia mais

Raniê Ralph Semio 2. 4 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndromes Anêmicas

Raniê Ralph Semio 2. 4 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndromes Anêmicas 4 de Outubro de 2007. Professor Fernando Pretti. Síndromes Anêmicas Interrogatório: dados importantes no interrogatório do paciente anêmico. Raça Sexo Ocupação Doenças anteriores Idade Residência Alimentação

Leia mais

Hemangiomas Infantis

Hemangiomas Infantis Hemangiomas Infantis Sara Campos, Maria João Paiva Lopes Serviço de Dermatologia do Hospital dos Capuchos 17 de Setembro 2013 Hospital Dona Estefânia Serviço de Pediatria Anomalias Vasculares Nomenclatura

Leia mais

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS

COMERCIALIZAÇÃO PROIBIDA POR TERCEIROS 40 ISSN 677-7042 Nº 84, terça-feira, 6 de maio de 204 RS00436006 RS GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRAN- SILVEIRA MAR Água DE DO SUL RS050437323 RS PREF MUN TAQUARI TA Q U A R I RS050437876 RS PREF MUN TRES

Leia mais

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER

SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SINAIS DA PELE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER Estrutura deste E-book SINAIS DE ALARME? REMOVA ESSA PREOCUPAÇÃO 2 SINAIS PERIGOSOS ATENÇÃO! 3 QUE TIPO DE SINAIS É PRECISO VIGIAR COM MAIS ATENÇÃO? 3 QUAIS

Leia mais

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Maria Lucia de Martino Lee Desordem do grupo pediátrico previamente denominada leucemia mielóide crônica juvenil (LMCJ) ou LMMC (equivalente

Leia mais