Tratamento das Anemias Aplásticas Congênitas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratamento das Anemias Aplásticas Congênitas"

Transcrição

1 Tratamento das Anemias Aplásticas Congênitas Carmem Bonfim Coordenadora do Programa de TCTH Pediátrico Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná 2013

2 Características Gerais As síndromes de falência medular congênitas são caracterizadas por uma falência medular progressiva e predisposição ao câncer. Muitas também são associadas a uma serie de anomalias congênitas. Importante ressaltar que: Este diagnóstico não é exclusivo do hematologista pediátrico. O diagnóstico correto é essencial para o tratamento adequado, para definir o prognóstico da doença para o paciente e TODA a sua família permitindo que irmão afetados assintomáticos sejam diagnosticados precocemente e excluídos como potenciais doadores.

3 Objetivos Anemia de Fanconi Disceratose Congênita Síndrome de Shwachman-Diamond syndrome Mais raramente: Anemia de Blackfan Diamond Púrpura Amegacariocítica

4 Anemias Aplásticas Congênitas Tratamento Suportivo Andrógenos Transfusões Antibióticos profiláticos Quelação de ferro Tratamento Curativo Transplante de Células-tronco Hematopoéticas

5 Anemias Aplásticas Congênitas Tratamento das complicações relacionadas à doença de base Fanconi : endocrinopatias, alterações ortopédicas, neurológicas, gastrointestinais ou renais, etc Disceratose Congênita: alterações pulmonares, hepáticas,oculares, genito-urinárias, etc SDS : Insuficiência Pancreática, alterações esqueléticas, hepáticas, etc Acompanhamento por toda a vida Prevenção do câncer Fertilidade

6 Anemia de Fanconi Doença rara. Geralmente herdada de maneira autossômica recessiva Heterozigotos: 1/300 Diagnóstico :Exposição a agentes clastogênicos (DEB, Mitomicina) Anomalias Congênitas Defeitos na célulatronco hematopoiética Predisposição ao Cancer

7 Anemia de Fanconi As principais causas de morte estão relacionadas ao desenvolvimento de pancitopenia, evolução para SMD/LA e CEC de (cabeça e pescoço, vulva) O único tratamento com possibilidade de cura das manifestações hematológicas é o TCTH Falência medular : Hb<8g/dl; Plaquetas < /ul e Neutrófilos < 500/ul SMD/Leucemias agudas Kutler et al, Blood 2003

8 Tratamento suportivo : fase de aplasia Para os pacientes sem doadores compatível ou para aqueles que aguardam um doador : observar a evolução da pancitopenia HB< 8g/dl; plaquetas < /ul, neutrófilos < 500/ul Andrógenos : 50% de resposta Sempre começar com a menor dose possível : Oximetolona : 0,5 a 2mg/kg/dia Danazol: 2,5mg/kg/dia Tem menos efeitos colaterais (meninas), porém poucos dados na literatura

9 Tratamento Suportivo Fase de Aplasia Fatores de Crescimento : G-CSF Neutropenia Grave e infecções de repetição Atenção para o uso em pacientes com alterações citogenéticas Transfusões: Não transfundir apenas pelos valores do hemograma Hemoderivados filtrados e/ou irradiados Iniciar quelação de ferro se ferritina > 1000 Atenção : os efeitos colaterais dos quelantes orais ainda não estão bem esclarecidos nos pacientes com pancitopenia

10 Como podemos diagnosticar e tratar a SMD e LMA na Anemia de Fanconi? o MDS/AML: Definição Anormalidades Clonais: Cr 3 (FISH), 1 e 7 Tratamento: SMD : Direto para o TCTH? Azacitidina? LMA: Mini FLAG Jean Soulier Hematology 2011

11 TCTH na Anemia de Fanconi Atualmente, as chances de sobrevida são iguais para os pts que possuem doadores aparentados ou nao aparentados compatíveis (medula óssea), principalmente se forem jovens, em fase de aplasia e com poucas transfusões prévias. 48 pts < 10ys: OS - 96% at 5ys : 20pts OS 90% at 2 ys 37pts 10ys: OS - 72% at 5 ys : 18pts OS 55% at 5 ys p=0,012 p=0,02 TMO aparentado compatível Protocolo : CFA60mg/kg: 85pts TMO NAP compatível: 38pts - CFA60mg/kg + Fludarabine 125mg/m2 + ATG 5mg/kg

12 Como escolher o melhor doador? O melhor doador é sempre um irmão compatível não afetado Fase da doença Anemia Aplástica x SMD e LMA Disponibilidade do doador Idade do paciente Fonte de células: MEDULA ÓSSEA Sangue de cordão umbilical: maior risco de rejeição Células-tronco periféricas : não recomendado

13 TCTH aparentado na Anemia de Fanconi CFA 60mg/kg Profilaxia da DECH : Csa +Mtx Cortesia Dr Stella Davies (Cincinatti) Regime de Gluckman modificado Bonfim C et al Biol Blood and Marrow Transp 2007:13:1455

14 TCTH aparentado na Anemia de Fanconi Comentários Nos pacientes jovens em fase de aplasia : Ciclofosfamida 60mg/kg é muito bem tolerado, com uma baixa mortalidade e excelentes resultados. Não é necessário acrescentar radioterapia neste grupo de pts. Pacientes mais velhos tem uma elevada incidência de DECH crônica e a adição de ATG pode diminuir o risco desta complicação nesta faixa etária (CFA 60mg/kg + ATG 5mg/kg) Pacientes com SMD ou LMA devem receber condicionamentos mais agressivos : CFA 40mg/kg + Fludarabina 150mg/m2 + ICT 300 rads +/- ATG

15 TCTH Não aparentado na Anemia de Fanconi Resultados Iniciais : SG em 5 anos de 15-30%. Paciente: Muito transfundido, infectado e uso prévio de andrógenos Transplante: Doadores incompatíveis, rejeição e alta MRT Última década: Melhores resultados Seleção do paciente Compatibilidade do doador Uso de Fludarabina Gluckman E et al ; Blood 1995 Wagner JE et al ; Blood 2007

16 Sobrevida global de acordo com a época do TCTH Resultados de Curitiba : 20pts OS 90% at 2 ys TMO NAP < 2002: 20 pts OS: 15% in 10ys : 18pts OS 55% at 5 ys p=0, : Tipagem DRB1 Alta resolução 2008: Alta resolução de Classe I

17 Transplante de sangue de cordão umbilical + Uso de fludarabina Gluckman BBMT 2007

18 TCTH não aparentado: Comentários Seleção do paciente: Transfusões < 20 Idade < 10 anos CMV Andrógenos(?) Seleção do doador Idade Compatibilidade A,B,C,DR : AR DQ e DP e anticorpo anti-hla Cuidados suportivos - DECH, Transfusões, LTFU

19 Se nao existir um doador imediatamente disponivel Falência medular estável: Observar evolução da pancitopenia. S/N : andrógenos TSCU : Sobrevida Global % Quantidade de células e compatibilidade são importantes TNC > 5.7 x 10*7/kg e Cordões 6/6 or 5/6 ( 8/8??) Haplo-idêntico: Protocolos experimentais: Depleção de células T nao está regularmente disponível no Brasil Haplo com CFA pós : 13 pts em Curitiba ( 10 vivos). Experimental

20 A longa sobrevida é determinada pelos seguintes fatores Evolução da doença hematológica TCTH Complicações relacionadas ao transplante DECH Rejeição Infecções CANCER Complicações da própria doença Endocrinológicas, neurológicas, GI, ortopédicas, etc

21 DECH crônica estensa Risco de câncer nos pacientes que desenvolveram DECH crônica 1. Screening agressivo 2. Não fumar 3. Nao ingerir bebidas alcoólicas 11 pts/ 3 vivos Idade ao TCTH : 6 34anos (M: 8anos) DECH crônica limitada Idade ao TCTH: 4 20anos (M: 8anos) Idade ao diag do cancer: 11 36a (M: 15a) Idade ao diag do cancer: 15 28a (M: 18a) Tempo após o TCTH: 2 7anos(M: 5a) Tempo após o TCTH: 8 11 anos (M: 11 a) Seguimento recente: CFA mg/kg; melhor screening Sem ICT Sem DECH 4. Manter uma excelente higiene oral 5. Vacinação HPV Seguimento mais longo: CFA mg/kg, sem screening adequado

22 Segunda parte

23 Disceratose Congênita Doença multi-sistêmica Heterogênea ( telômeros) Forma Clássica : tríade com alterações mucocutâneas, falência de medula óssea e predisposição ao câncer Causas de morte: Falência de medula óssea ( AAS, SMD e LMA): 60-70% Doença pulmonar:10-15% Câncer 10%

24 TCTH na Disceratose Congênita 2/3 dos pts respondem ao uso de andrógenos ( doses mais baixas do que aquelas usadas nos pts com AF), porém o TCTH é o único tratamento com possibilidade de cura Risco aumentado de câncer com o aumento da idade do paciente Como nas outras síndromes de falência medula Congênita :toda a família deve ser investigada e doadores portadores não podem ser usados no transplante Blanche P. Alter, Blood, :

25 Disceratose Congênita - Resultados de Curitiba 22 pacientes com DC foram avaliados em nosso centro entre 1993 e 2012 Destes, 10 receberam transplante enquanto que 3 ainda aguardam a definição de doador não aparentado ou aparentado Apresentação clínica: 8 pts com a síndrome clássica 2 pts com apresentação menos comum: AAS + telômeros muito curtos ( Mutação em TERC/NIH) Revesz Síndrome

26 Disceratose Congênita - Resultados de Curitiba Características dos Transplantes e Desfecho Pt Gender/Age Donor/Source Match Conditioning Regimen GVHD Prophylaxis NC dose/kg (x10 8 /Kg) Neutrophil recovery a Platelet recovery b Chimerism 1 M/16 R/BM 8/8 CY 200 MTX +CSA 3, % 2 M/18 R/BM 8/8 CY 200 MTX +CSA 2, % 3 M/7 R/BM 8/8 CY 200 MTX +CSA 2, % 4 M/17 R/BM 8/8 CY 200 MTX +CSA 2, % 5 F/21 R/BM 8/8 CY 200 MTX +CSA 5, % 6 F/13 UR/CBU Mis DR BU12+FLU125+ATG4 CSA +steroid 6, % 7 F/26 UR/BM 10/10 CY300+FLU150+ATG6,7 MTX +CSA 4, % 8 F/2 UR/BM 9/10(A) CY1200/m 2 +Flu120+ATG6,7 MTX +CSA 3, % 9 M/8 UR/BM 9/10(DQB1) CY60+FLU120+ATG7,5 MTX +CSA 5, % 10 M/19 UR/BM 9/10(DQB1) CY60+FLU120+ATG7,5 MTX +CSA 7, % F = female, M = male, R = related, UR = unrelated, CY = cyclophosphamide, BU = bussulfan, FLU = fludarabine, ATG = rabbit ATG, MTX = methotrexate, CSA = cyclosporine, BM = bone marrow, CBU = cord blood unit, NC = nucleated cel, Pt = patient, GVHD = graft versus host disease. a Neutrophil recovery: absolute neutrophil count 0,5 x 10 9 /L for 3 consecutive days. b Platelets recovery: untransfused platelet count 50 x 10 9 /L for 7 consecutive days.

27 Disceratose Congênita - Resultados de Curitiba Não houve rejeição neste grupo de pts DECH só ocorreu nos pts que receberam TCTH nao aparentado Todos os pts receberam RIC e a adição de fludarabina nos transplantes não aparentados foi mais recente. 5 pts estão vivos e bem: 7 meses, 1, 3, 12 e 13 anos pós transplante 5 pacientes morreram. 1pt : VOD/DECH ( < 100 dias) 4 pts : Progressão da doença- 1,8,9 e 11 anos pós transplante

28 Disceratose Congênita - Resultados de Curitiba Apesar das opções limitadas de tratamento, o uso de RIC possibilitou a pega do enxerto com poucas complicações relacionadas ao transplante A progressão da doença ainda é o maior desafio neste grupo e mais estudos devem ser realizados para tentar deter o quadro de fibrose pulmonar e hepática. Com um seguimento médio ainda pequeno 6 anos, nenhum paciente nesta série desenvolveu câncer.

29 Síndrome de Shwachman-Diamond Doença rara, herdada de maneira autossomica recessiva e caracterizada por uma insuficiência pancreática exócrina, disfunção da medula óssea, alterações esqueléticas ( disostose metafisária) e predisposição a leucemia Outras alterações como bx estatura, imunodeficiência e anormalidades hepáticas também são relatadas. Apesar da maioria ter manifestações hematológicas, o TCTH não é frequentemente indicado. 20% desenvolvem pancitopenia e 6% MDS. O risco de transformação leucêmica é alto e varia de acordo com a idade ( 5% crianças X 24% adultos)

30 Síndrome de Shwachman-Diamond A neutropenia é a manifestação clínica mais comum seguida por anemia. Os pts podem responder a doses contínuas ou intermitentes de GCSF. Alguns pts respondem a doses muito baixas de andrógenos mas estes devem ser usados com cautela pela maior toxicidade hepática 90% desenvolvem disfunção pancreática e necessitam reposição de enzimas pancreáticas e vitaminas. Alterações esqueléticas e outras alterações ósseas, principalmente nos dentes necessitam de tratamento

31 Indicação de TCTH na Síndrome de Shwachman-Diamond TCTH é a única possibilidade de cura das manifestações hematológicas na SDS, mas decidir quando é o melhor momento é o que é o maior problema. Não parece existir uma correlação genótipo fenótipo Indicação: AAS, SMD e LMA. Melhor prognóstico nas Aplasias Como nas outras doenças vistas anteriormente, a toxicidade relacionada aos esquemas de condicionamento pré-transplante é muito grande : RIC

32 TCTH na Síndrome de Shwachman-Diamond Poucos casos na literatura. Nenhum no Brasil ( falta diagnóstico) Vibhakar et al: 28 pts Maioria recebeu condicionamento de intensidade reduzida, doador não aparentado e medula óssea Mortalidade próxima de 40% sendo que as complicações cardiopulmonares foram precoces e ocorreram em mais de 50% destes Grupo Europeu: 26 pts ( Cesaro et al) MRT de 35,5% em 1 ano

33 Comentários Finais e Perspectivas Futuras Diagnóstico correto é essencial + Screening familiar Tratamento suportivo : andrógenos, transfusões e fatores de crescimento Tratamento curativo ( hematológico) : TCTH : Diminuir a incidência de DECH, selecionar melhor o paciente e doador e usar regimes de intensidade reduzida. Melhores tratamentos para a doença de base Complicações pulmonares e hepáticas na DC Risco de câncer /LMA em todas as doenças estudadas Terapia Gênica?

34 !"#"$%&'()*+,"$)(*+"+-&".()+/"+01)'2#)&+ 3().4&/+!!!!!!"#$%$&'%()(%*+(),-.'(/(01%-"23"45#2,264(%*+($%*%6.$.*-(27(#*".'#-.+( C."-%(.-(%,(0/2*.(C%''29(D'%*53,%*-%E2*(72'(F*".'#-.+(/2*.(C%''29( /#LL.-2(.-(%,0(M&-N2$.5(%O.'('.,%-.+(%*+(&*'.,%-.+(&$8#,#N%,(N2'+(8,22+( -'%*53,%*-%E2*(72'(".'.+#-%'4(82*.($%''29(7%#,&'.(54*+'2$.5(2-".'(-"%*( R,%N"25(.-(%,0(S#%$2*+(/,%NT7%*()*.$#%(:.6#5-'4(F*N#+.*N.(27(*.23,%5#%(#*(

35 !"#"$%&'()*5+-&".()+/"+6)&'4&(+!!!!!! C%NC#,,%*(C(%*+([%6*.'(\(0(P%.$%-232.#EN(N.,,(-'%*53,%*-%E2*(72'(G%*N2*#(%*%.$#%(B( _,&NT$%*(`(.-(%,(:.5&,-5(27(&*'.,%-.+(N2'+(8,22+(-'%*53,%*-(#*(7%*N2*#(%*.$#%(3%E.*-5U('#5T( )4%5((.-(%,(),,26.*.#N(".$%-232#.EN(N.,,(-'%*53,%*-%E2*(72'(7%*N2*#(%*.$#%(#*(3%E.*-5(9#-"( 3'.(-'%*53,%*-%E2*(N4-26.*.EN(%8*2'$%,#E.5Q($4.,2+453,%5EN(54*+'2$.Q(2'(%N&-.(,.&T.$#%0(\( 1%5a&#*#(.-(%,(Pb)Y$%-N".+(5#8,#*6(".$%-232#.EN(5-.$(N.,,(-'%*53,%*-%E2*(72'(7%*N2*#(%*.$#%U( N2$3%'#52*(27(#''%+#%E2*(%*+(*2*Y#''%+#%E2*(N2*-%#*#*6(N2*+#E2*#*6('.6#$.*50(/#2,(/,22+( /2*c$(HC^(C.+.#'25(H:(.-(%,((Pb)Y$%-N".+(:.,%-.+(S2*2'(P.$%-232#.EN(H.,,( D'%*53,%*-%E2*(#*(=W(1%E.*-5(9#-"(G%*N2*#()*.$#%(H2*+#E2*.+(9#-"(Z?($6dT6(27( <<JZY<<Z<(

36 !"#"$%&'()*+5+3(*'"$)74*"+84&9%&(7)+"+ :;<)';.)&=3().4&/+!!!!! S#.-L(.-(%,(S#5.%5.Y53.N#cN(".$%-232#.EN(N.,,(-'%*53,%*-%E2*U(*2*$4.,2%8,%E;.( N2*+#E2*#*6('.6#$.*(72'(+45T.'%-25#5(N2*6.*#-%0(/2*.(C%''29(D'%*53,%*-%E2*( H.5%'2(!(.-(%,0((P%.$%-232#.EN(5-.$(N.,,(-'%*53,%*-%E2*(72'(!"9%N"$%*YS#%$2*+( +#5.%5.U(%(5-&+4(7'2$(-".(`&'23.%*(_'2&3(72'(8,22+(%*+($%''29(-'%*53,%*-%E2*0(0( S'2'(.-(%,(S'%O(N2*5.*5&5(6&#+.,#*.5(72'(+#%6*25#5(%*+(-'.%-$.*-(27(!"9%N"$%*Y =?YJJ(

Tratamento das Anemias Aplásticas Congênitas

Tratamento das Anemias Aplásticas Congênitas Tratamento das Anemias Aplásticas Congênitas Carmem Bonfim Coordenadora do Programa de TCTH Pediátrico Hospital de Clínicas Universidade Federal do Paraná 2013 Características Gerais As síndromes de falência

Leia mais

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO

ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO ANEMIA APLÁSTICA CARLOS EDUARDO PIZZINO INTRODUÇÃO: - A anemia aplás-ca é caracterizada pela acentuada redução ou ausência de células eritroides, mieloides e megacariocí-cas na medula óssea, com resultante

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Síndromes de falência medular hereditárias

Síndromes de falência medular hereditárias Síndromes de falência medular hereditárias VI Board Review - Curso de Revisão em Hematologia e Hemoterapia Hospital Israelita Albert Einstein 23 de junho de 2012 Juliana Folloni Fernandes Serviço de onco-hematologia

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2009 Medicina - Especialização - TMO Este Caderno contém as questões discursivas de Conhecimentos Específicos correspondentes ao curso descrito acima. Confira se este

Leia mais

TRANSPLANTE HAPLOIDêNTICO

TRANSPLANTE HAPLOIDêNTICO TRANSPLANTE HAPLOIDêNTICO Dra. Andreza Alice Feitosa Ribeiro VI Board Review Hospital Israelita Albert Einstein São Paulo, 22 de junho de 2012 One-Year Survival, % 100 80 60 40 20 Sobrevida paratmo mieloablativo

Leia mais

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA 1 Células hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem ajudar na recuperação de AVC s As células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem promover

Leia mais

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro

TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro TMO em Anemia Falciforme O cenário brasileiro Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo TMO em Anemia Falciforme O objetivo do TMO na anemia falciforme: Eliminar

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO

ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO ANEXO I TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS TCTH REGULAMENTO TÉCNICO I - DEFINIÇÕES 1. TCTH de Medula Óssea - Substituição de células-tronco hematopoéticas a partir de células-tronco hematopoéticas

Leia mais

Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior

Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior Transplante de Medula Óssea em Talassemia Maior Belinda Pinto Simões Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto USP Beta talassemia major Doença genética resultando em redução ou ausência da síntese da cadeia

Leia mais

Tratamento da Doença do Enxerto contra o Hospedeiro Aguda (DECHa) pós-transplante de medula óssea com a infusão de células mesenquimais multipotentes.

Tratamento da Doença do Enxerto contra o Hospedeiro Aguda (DECHa) pós-transplante de medula óssea com a infusão de células mesenquimais multipotentes. Tratamento da Doença do Enxerto contra o Hospedeiro Aguda (DECHa) pós-transplante de medula óssea com a infusão de células mesenquimais multipotentes. Dimas Tadeu Covas Professor Titular em Hematologia

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH

Protocolo. Cuidados Transfusionais em TCTH Protocolo Cuidados Transfusionais em TCTH Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Nas últimas décadas observou-se um contínuo aumento do número de transplantes de células tronco hematopoéticas (TCTH)

Leia mais

ANEMIA APLÁSTICA- TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA

ANEMIA APLÁSTICA- TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ANEMIA APLÁSTICA- TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Ricardo Pasquini Professor Emérito - UFPR VI BOARD REVIEW CURSO DE REVISÃO EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA HOSPITAL ISRAELITA ALBERT EINSTEIN JUNHO - 2012 ANEMIAS

Leia mais

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia

Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) Epidemiologia Leucemia Mielomonocítica Juvenil (1996) DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO Maria Lucia de Martino Lee Desordem do grupo pediátrico previamente denominada leucemia mielóide crônica juvenil (LMCJ) ou LMMC (equivalente

Leia mais

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA)

PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) PROGRAMA PRELIMINAR SALA PEDIATRIA 29 DE AGOSTO DE 2013 (QUINTA-FEIRA) 29/08/2013 14:00-15:30 h PEDIATRIA (SALA SÃO PAULO) - DISCUSSÃO DE CASOS TCTH em Tumores Sólidos Moderador: Cláudio Galvão de Castro

Leia mais

Diagnóstico das anemias aplásticas congênitas

Diagnóstico das anemias aplásticas congênitas Diagnóstico das anemias aplásticas congênitas Rodrigo T. Calado Professor Associado Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo Medula Óssea Normocelular

Leia mais

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg.

Laboratório. Apresentação de Valcyte. Valcyte - Indicações. Contra-indicações de Valcyte. Advertências. Roche. fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Laboratório Roche Apresentação de Valcyte fr. c/ 60 compr. rev. de 450mg. Valcyte - Indicações Valcyte (cloridrato de valganciclovir) é indicado para o tratamento de retinite por citomegalovírus (CMV)

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. HEMOCOMPONENTES: POR QUE IRRADIAR? Franklin José Candido Santos Hematologista-HemoterapêutaHemoterapêuta do HEMOCE e ICC Indicação: Prevenção

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFÓIDE AGUDA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

I. Este protocolo envolve: QUIMIOTERAPIA MIELOABLATIVA COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS DE DOADOR APARENTADO HAPLOIDÊNTICO

I. Este protocolo envolve: QUIMIOTERAPIA MIELOABLATIVA COM RESGATE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS DE DOADOR APARENTADO HAPLOIDÊNTICO Protocolo Transplante de células tronco hematopoéticas de doador parcialmente compatível (haploidêntico) utilizando-se regime de condicionamento não mieloablativo associado a ciclofosfamida pós transplante

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas

Transplante de Células Tronco Hematopoéticas 20 Congresso Multidisciplinar em Oncologia do Hospital Mãe de Deus Transplante de Células Tronco Hematopoéticas Enfermeira Fabiane Marek Especialista em Enfermagem Oncológica Unidade de Ambiente Protegido

Leia mais

Protocolo. Doenças Mieloproliferativas e Transplante de células tronco-hematopoiéticas

Protocolo. Doenças Mieloproliferativas e Transplante de células tronco-hematopoiéticas Protocolo Doenças Mieloproliferativas e Transplante de células tronco-hematopoiéticas Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 I. Este protocolo envolve: pacientes com Mielofibrose, Leucemia Mielomonocítica

Leia mais

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA

LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA EXAMES LABORATORIAIS AO DIAGNÓSTICO LEUCEMIA MIELÓIDE AGUDA Hemograma com hematoscopia do sangue periférico Bioquímica completa incluindo hepatograma e função renal Coagulograma Citoquímica e Imunofenotipagem

Leia mais

Contribuições da Consulta Pública sobre Transplante de células-tronco hematoéiticas para Falciforme - CONITEC

Contribuições da Consulta Pública sobre Transplante de células-tronco hematoéiticas para Falciforme - CONITEC Contribuições da Consulta Pública sobre Transplante de células-tronco hematoéiticas para Falciforme - CONITEC Dt. contrib. Contribuiu como Descrição da contribuição Referência 19/03/2015 Instituição de

Leia mais

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE

ALTA COMPLEXIDADE: TRANSPLANTE MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.217, DE 13 DE OUTUBRO DE 1999 DO Nº 197-E, de 14/10/99 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a necessidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE ODONTOLOGIA GEISA BADAUY LAURIA SILVA USO DO LASER DE BAIXA INTENSIDADE (GaAlAs) NA PREVENÇÃO DE MUCOSITE BUCAL EM PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE DE MEDULA

Leia mais

Transplante de células hematopoéticas (TCH) de sangue de cordão umbilical (SCU)

Transplante de células hematopoéticas (TCH) de sangue de cordão umbilical (SCU) Transplante de células hematopoéticas (TCH) de sangue de cordão umbilical (SCU) Fábio R. Kerbauy fkerbauy@einstein.br 22/06/2012 TCH - Breve Histórico No. de Transplantes 35.000 40.000 35.000 30.000 25.000

Leia mais

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios?

Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Câncer de Pulmão: Radioterapia Profilática de Crânio Total. Quais as evidências e os benefícios? JUMARA MARTINS RADIOTERAPIA UNICAMP 2012 Introdução

Leia mais

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea

Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Módulo: Doença Metastática para Sistema Nervoso central Bloco: Manejo das Lesões Múltiplas Tema: Tratamento da Doença Leptomeníngea Aknar Calabrich Oncologia Clínica Em 1 ano... Pubmed 67 artigos (nenhum

Leia mais

Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ

Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ Dr. Ricardo Bigni Médico Hematologista INCA Coordenador TMO COI Resp. Técnico TMO H. Clin. Niterói Coordenador Assist. Oncológica HCPM / PMERJ Resposta Curva Dose-Resposta Dose Odaimi et al. Am J Clin

Leia mais

Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML

Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML Granulokine filgrastim (G-CSF) Roche Fator estimulador de colônias de granulócitos (glóbulos

Leia mais

TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA EM ANEMIA DE FANCONI

TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA EM ANEMIA DE FANCONI TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA EM ANEMIA DE FANCONI DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DE MEDICINA INTERNA DO DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - C U R I T I B A - 1 9 9 2 ORIENTADOR:

Leia mais

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia

O que é Leucemia? Tipos de Leucemia O que é Leucemia? O termo leucemia refere-se a um grupo de doenças complexas e diferentes entre si que afetam a produção dos glóbulos brancos. Para melhor entender esta, ou melhor, estas doenças, é importante

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC

Leucemias Crônicas HEMATOLOGIA II 5/6/2010. Curso de Farmácia Prof. Christian LEUCEMIAS CRÔNICAS AGUDAS LINFÓIDES MIELÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LLC HEMATOLOGIA II Curso de Farmácia Prof. Christian Leucemias Crônicas LEUCEMIAS AGUDAS CRÔNICAS MIELÓIDES LINFÓIDES MIELÓIDES LINFÓIDES LMA LLA LMC LLC M0 A M7 L1, L2, L3 1 LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA (LLC)

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Linfoma. Não-Hodgkin HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LINFOMA NÃO-HODGKIN EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Linfoma Não-Hodgkin Introdução Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia.

CLINICA MÉDICA FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR FALÊNCIA MEDULAR HEMATOLOGIA 2003-2004. Fisiopatologia. CLINICA MÉDICA HEMATOLOGIA 2003-2004 1 2 Alterações da célula mãe (stem) hematopoiética que envolvem uma ou mais linhas da série mieloide (eritróide, mielóide ou megacariocítica) As células linfóides são

Leia mais

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos

Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Prof. Rivaldo Assuntos Enfermagem em Oncologia e Cuidados Paliativos Administração e Gerenciamento de Enfermagem Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher e da Criança Enfermagem nas Doenças Transmissíveis

Leia mais

Transplante de Medula Óssea Antes - Depois Riscos x Benefícios Dra. Yana Novis Centro de Oncologia Hospital Sírio Libanês São Paulo

Transplante de Medula Óssea Antes - Depois Riscos x Benefícios Dra. Yana Novis Centro de Oncologia Hospital Sírio Libanês São Paulo Transplante de Medula Óssea Antes - Depois Riscos x Benefícios Dra. Yana Novis Centro de Oncologia Hospital Sírio Libanês São Paulo DEFINIÇÃO Qualquer procedimento com células progenitoras hematopoéticas

Leia mais

O QUE SÃO CÉLULAS ESTAMINAIS?

O QUE SÃO CÉLULAS ESTAMINAIS? O QUE SÃO CÉLULAS ESTAMINAIS? As células estaminais, também conhecidas por células mãe ou células tronco, distinguem-se das demais por serem células indiferenciadas, o que significa que não possuem a especialização

Leia mais

Boas-vindas e Introdução

Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias Boas-vindas e Introdução Ensaios clínicos ou tratamento padrão? Opções para leucemias John P. Leonard, médico Reitor Associado de Pesquisa Clínica

Leia mais

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA

ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA ALTERAÇÕES CROMOSSÔMICAS, PROGNÓSTICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS NA LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA Laiz Silva Ribeiro laiz0711@bol.com.br Prof Dr. Rodrigo da Silva Santos rdssantos@gmail.com FACULDADE ALFREDO

Leia mais

29 Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DOADOR DE MEDULA ÓSSEA DO PRESENTE E DO FUTURO

29 Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DOADOR DE MEDULA ÓSSEA DO PRESENTE E DO FUTURO DOADOR DE MEDULA ÓSSEA DO PRESENTE E DO FUTURO Área Temática: Saúde Eni Picchioni Bompeixe (Coordenadora da Ação de Extensão) Eni Picchioni Bompeixe 1 Maria da Graça Bicalho 2 Suelen Camargo Zeck 2 Teresa

Leia mais

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL

DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL DIA MUNDIAL DO CÂNCER 08 DE ABRIL Enviado por LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL 04-Abr-2016 PQN - O Portal da Comunicação LINK COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL - 04/04/2016 Que tal aproveitar o Dia Mundial do Câncer

Leia mais

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial.

Tipos de Câncer. Saber identifi car sinais é essencial. Tipos de Câncer Saber identifi car sinais é essencial. O QUE É CÂNCER É uma doença cuja característica principal é o crescimento acelerado e desordenado das células, as quais têm grande potencial para

Leia mais

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica.

Hemoglobina. Uma mulher com Hb de 11,5 a vida toda pode ser considerada normal e não anêmica. 11 de Agosto de 2008. Professor Fernando Pretti. Anemia Abordagem Diagnóstica Definição É a redução, abaixo do normal, da concentração de hemoglobina circulante total. A anemia não é um diagnóstico de

Leia mais

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006

Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria Estadual de Saúde / Fundação HEMOPE Processo Seletivo Simplificado 2006 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 01 A respeito do diagnóstico do Mieloma Múltiplo, qual entre as alternativas não representa um critério de diagnóstico? A) Componente M na Urina. B) Cálcio sérico >12mg/dl.

Leia mais

Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML

Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. Solução injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML Granulokine (filgrastim) Produtos Roche Químicos e Farmacêuticos S.A. injetável 30 MU/ML e 60 MU/ML Granulokine filgrastim (G-CSF) Roche Fator estimulador de colônias de granulócitos (glóbulos brancos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA ADRIANA MENDES DE QUADROS CAVILHA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA ADRIANA MENDES DE QUADROS CAVILHA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANA ADRIANA MENDES DE QUADROS CAVILHA AGENDA INTERDICIPLINAR PARA OS PACIENTES PRÉ TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPÓÉTICAS CURITIBA 2011 ADRIANA MENDES DE QUADROS CAVILHA

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Self-evaluation Tutorial 2009. Prof Dr Irene Lorand-Metze State University of Campinas

Self-evaluation Tutorial 2009. Prof Dr Irene Lorand-Metze State University of Campinas Self-evaluation Tutorial 2009 Prof Dr Irene Lorand-Metze State University of Campinas SEV 3.2 start Male 34 years old patient. He came to the Emergency Unit of our Hospital referring high fever and cough

Leia mais

Tema: Anemias na Infância

Tema: Anemias na Infância ANEMIAS NA INFÂNCIA Tema: Anemias na Infância Objetivos Conceituar e classificar as anemias da infância Correlacionar o aparecimento das sindromes anêmicas com as fases da infância e adolescência Identificar

Leia mais

Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado.

Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado. Ultrafer ferro polimaltosado Forma farmacêutica e apresentação Xarope Embalagem contendo 100 ml com copo medida graduado. USO ADULTO E PEDIÁTRICO VIA ORAL Composição Cada ml de xarope contém: ferro polimaltosado...

Leia mais

Protocolo. Síndromes mielodisplásicas- Propostas para diagnóstico e tratamento (incluindo TCTH)

Protocolo. Síndromes mielodisplásicas- Propostas para diagnóstico e tratamento (incluindo TCTH) Protocolo Síndromes mielodisplásicas- Propostas para diagnóstico e tratamento (incluindo TCTH) Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Conceito As síndromes mielodisplásicas constituem um grupo heterogêneo

Leia mais

Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br

Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br Rua Pamplona,518-5º Andar Jd. Paulista São Paulo (SP) CEP 01405-000 (11) 3149-5190 0800-773-9973 abrale@abrale.org.br O que você deve saber sobre Leucemia Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

Diagnóstico Diferencial Das Anemias

Diagnóstico Diferencial Das Anemias 2014 2 de Maio 6ª feira Diagnóstico Diferencial Das Anemias Sessão Televoter António Pedro Machado Manuel Ferreira Gomes Tolerabilidade Anemia Bem tolerada Mal tolerada Anemia crónica Anemia aguda Crónica

Leia mais

TRABALHOS APROVADOS PARA VISITAÇÃO NO DIA 31 DE AGOSTO (SÁBADO) HORÁRIO DE VISITAÇÃO: 10H30 ÀS 11H E 16H00 ÀS 16H30

TRABALHOS APROVADOS PARA VISITAÇÃO NO DIA 31 DE AGOSTO (SÁBADO) HORÁRIO DE VISITAÇÃO: 10H30 ÀS 11H E 16H00 ÀS 16H30 ID Título Autor Instituição Data da Apresentação Tópico Apresentação G1 Map of human herpesviruses reactivation in the first 100 days after hematopoietic stem-cell transplantation. Vanessa mmel CMO-INCA

Leia mais

ANEXO 1 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO

ANEXO 1 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO ANEXO 1 RESUMO DAS CARACTERÍSTICAS DO MEDICAMENTO 1 1. NOME DO MEDICAMENTO Busilvex 6 mg/ml concentrado para solução para perfusão 2. COMPOSIÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA Um ml de concentrado contém 6

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV

Tema: NIVOLUMABE EM ADENOCARCINOMA MUCINOSO DE PULMÃO ESTADIO IV Nota Técnica 2015 NATS HC UFMG Solicitante: Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Seção Judiciária de Minas Gerais Nº Processo: 41970-36.2015.4.01.3800 Data 20/08/2015 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS

BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS BULA DE NALDECON DOR COMPRIMIDOS BRISTOL-MYERS SQUIBB NALDECON DOR paracetamol Dores em geral Febre Uma dose = 2 comprimidos FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO NALDECON DOR é apresentado em displays com

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

Transplante de Medula Óssea em Doenças Falciformes

Transplante de Medula Óssea em Doenças Falciformes Transplante de Medula Óssea em Doenças Falciformes Belinda P. Simões Faculdade de Medicina Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Transplante alogênico de MO Utilizado no tratamento especialmente de

Leia mais

Grupo Técnico - Medicamentos Adjuvantes e para Tratamento de Efeitos Colaterais e Efeitos Adversos 15/04/2014

Grupo Técnico - Medicamentos Adjuvantes e para Tratamento de Efeitos Colaterais e Efeitos Adversos 15/04/2014 Grupo Técnico - Medicamentos Adjuvantes e para Tratamento de Efeitos Colaterais e Efeitos Adversos 15/04/2014 COSAÚDE Pauta da 2ª. Reunião: 1. Informes: Assessoria Normativa e Nota sobre validade de registro

Leia mais

Tipos de células-tronco:

Tipos de células-tronco: Células-tronco Profa. Dra. Patricia Pranke, PhD Professora dehematologia da Faculdade de Farmácia e da Pós-graduação em Ciências Médicas da Faculdade de Medicina, da Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea 2012

Diretrizes da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea 2012 Diretrizes da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea 2012 [FOLHA DE ROSTO] Diretrizes da Sociedade Brasileira de Transplante de Medula Óssea 2012 II Reunião de Diretrizes da Sociedade Brasileira

Leia mais

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm?

O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? O que fazer com o nódulo suspeito menor que 2 cm? Gustavo Rêgo Coêlho! Professor Adjunto do Departamento de Cirurgia! Serviço de Cirurgia I e Transplante de Fígado! Hospital Universitário Walter Cantídio!

Leia mais

Milionésimo transplante de células-tronco hematopoiéticas constitui marco na medicina

Milionésimo transplante de células-tronco hematopoiéticas constitui marco na medicina For Immediate Release Jan. 30, 2013 Milionésimo transplante de células-tronco hematopoiéticas constitui marco na medicina Cooperação internacional entre médicos e cientistas foi responsável pelo feito

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diabetes & você

INTRODUÇÃO. Diabetes & você INTRODUÇÃO Diabetes & você Uma das coisas mais importantes na vida de uma pessoa com diabetes é a educação sobre a doença. Conhecer e saber lidar diariamente com o diabetes é fundamental para levar uma

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria

Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Transfusão de Hemocomponentes em Pediatria Adriana Barretto de Mello hemoba@hemoba.ba.gov.br Todo sangue é fracionado em componentes Vantagens Uma doação pode ajudar vários pacientes Para manter as propriedades

Leia mais

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014

SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS. Hye, 2014 SÍNDROMES MIELODISPLÁSICAS Hye, 2014 DEFINIÇÃO Trata se de um grupo de diversas desordens da medula óssea que leva o indivíduo não produzir células sanguíneas saudáveis em número suficiente. SINTOMATOLOGIA

Leia mais

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses

Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Aféreses Transfusionais Uso de Plaquetas de Doadores Múltiplos ou de Plaquetas por Aféreses Maria Odila Jacob de Assis Moura Centro de Hematologia de São Paulo odila@chsp.org.br Unidades transfundidas

Leia mais

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de

Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Hemoglobinopatias e Talassemias Profa. Dra. Claudia Regina Bonini Domingos Laboratório de Hemoglobinas e Genética das Doenças Hematológicas Departamento de Biologia Instituto de Biociências, Letras e Ciências

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EDGARD SANTOS- UFBA - HUPES

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PROF. EDGARD SANTOS- UFBA - HUPES DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Pesquisador: PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP Título da Pesquisa: IMPACTO DE EXERCÍCIOS BASEADOS NO PILATES SOLO VERSUS EXERCÍCIO AERÓBICO NA DOENÇA HEPÁTICA GORDUROSA NÃO ALCOÓLICA,

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL SOBREVIDA DE PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE MEDULA ÓSSEA

ARTIGO ORIGINAL SOBREVIDA DE PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE MEDULA ÓSSEA ARTIGO ORIGINAL SOBREVIDA DE PACIENTES SUBMETIDOS A TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE MEDULA ÓSSEA SURVIVAL OF PATIENTS SUBMITTED TO ALLOGENEIC BONE MARROW TRANSPLANTATION Lillian Gonçalves Campos, Alessandra Aparecida

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL

TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO - HERNIORRAFIA ABDOMINAL PREZADO PACIENTE: O Termo de Consentimento Informado é um documento no qual sua AUTONOMIA (vontade) em CONSENTIR (autorizar) é manifestada. A intervenção

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

Bruna Tirapelli IMPLICAÇÕES DO USO DE NUTRIÇÃO PARENTERAL TOTAL (NPT) NO TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS

Bruna Tirapelli IMPLICAÇÕES DO USO DE NUTRIÇÃO PARENTERAL TOTAL (NPT) NO TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS Bruna Tirapelli IMPLICAÇÕES DO USO DE NUTRIÇÃO PARENTERAL TOTAL (NPT) NO TRANSPLANTE ALOGÊNICO DE CÉLULAS TRONCO HEMATOPOÉTICAS Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina,

Leia mais

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA PROCESSO SELETIVO 02/2016 PARA INGRESSO NOS PROGRAMAS DE RESIDÊNCIA MÉDICA ANOS OPCIONAIS E ÁREAS DE ATUAÇÃO E CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO NOS MOLDES FELLOW - INCA PRM EM HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA PEDIÁTRICA

Leia mais

DANIELA HESPANHA MARINHO

DANIELA HESPANHA MARINHO 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DANIELA HESPANHA MARINHO COMPLICAÇÕES PRECOCES DO TRANSPLANTE DE CÉLULA TRONCO HEMATOPOIÉTICA NÃO APARENTADO EM PACIENTES PEDIÁTRICOS CURITIBA 2013 1 DANIELA HESPANHA MARINHO

Leia mais

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker

Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distrofias Musculares de Duchenne e de Becker As distrofias musculares de Duchenne e de Becker as

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Nome do Candidato Caderno de Prova 18, PROVA DISSERTATIVA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 18 - Área de atuação em Hematologia e Hemoterapia Nome do Candidato

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS FAURGS HCPA Edital 05/2007 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 05/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 22 MÉDICO (Urologia) 01. A 11. B 02. C 12. A 03. B 13.

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH

PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH PROTOCOLO DE ABORDAGEM E TRATAMENTO DA SEPSE GRAVE E CHOQUE SÉPTICO DAS UNIDADES DE PRONTO ATENDIMENTO (UPA)/ ISGH 1. APRESENTAÇÃO A SEPSE TEM ALTA INCIDÊNCIA, ALTA LETALIDADE E CUSTO ELEVADO, SENDO A

Leia mais

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS

VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS VIVER BEM OS RINS DO SEU FABRÍCIO AGENOR DOENÇAS RENAIS Leia o código e assista a história de seu Fabrício Agenor. Este é o seu Fabrício Agenor. Ele sempre gostou de comidas pesadas e com muito tempero

Leia mais