Máquinas com arranque de cavaco (Máquinas Ferramentas)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Máquinas com arranque de cavaco (Máquinas Ferramentas)"

Transcrição

1 1 Máquinas com arranque de cavaco (Máquinas Ferramentas) Conformação das peças A maioria das peças fabricada é obtida mediante duas categorias operação: Sem arranque de cavacos Com arranque de cavacos Entre as operações sem arranque de cavaco podemos citar: - Fundição - Laminação - Trefilação - Extrusão - Forjamento - Corte por cisalhamento Entre as operações com arranque de cavaco temos: - Torneamento - Furação - Mandrilamento - Serramento - Fresagem - Plainamento Mesmo as operações de conformação sem arranque de cavaco, muitas vezes, passam ainda por uma operação posterior com arranque de cavaco denominadas também de usinagem para conferir as peças um melhor acabamento e tolerâncias para ajustes e torna-las inter cambiáveis. As principais maquinas ferramenta utilizadas em usinagem de peças, metálicas ou não metálicas são: - Torno - Furadeira - Plaina - Mandriladora - Broqueadeira - Brochamento A escolha correta de cada uma delas, depende da operação a ser realizada na peça, assim como o tamanho da peça, seu peso e sua capacidade de produção. Muitas peças, na maioria das vezes, passam por diversas operações e máquinas, para adquirirem o seu estado final. A tabela seguinte mostra a relação de movimento entre as peças e as ferramentas em diversos tipos de operações de usinagem

2 Posições e movimentos relativos entre peça e ferramenta nas operações de usinagem 2

3 3 O nome máquina ferramenta vem da necessidade de toda máquina de usinagem necessitar de uma ferramenta de corte para execução da peça. A evolução das máquinas ferramentas pode ser entendida na figura abaixo. Evolução da máquina ferramenta e sua utilização O torno O torno é uma das máquinas mais conhecidas e utilizadas na maioria das oficinas de usinagem. Os tornos são utilizados para a confecção de peças, na sua maioria de forma cilíndricas ou até mesmo cônicas. Possui grande versatilidade e também possibilita a usinagem de furos internos com boa tolerância. Existem vários tipos de tornos, adequados para cada tipo de aplicação. Os principais tipos são: - Torno paralelo - Torno vertical - Torno de faceamento ou de cabeçote - Torno broqueador (para furos profundos) - Torno revolver - Torno para múltiplas operações - Torno carrossel O acionamento das suas partes principais pode ser feito de forma manual, semiautomática ou totalmente automática.

4 4 Torno paralelo com a posição do operador Torno paralelo co linhas modernas As principais partes de um torno paralelo são: o cabeçote fixo, o cabeçote móvel, o carro porta ferramenta, e o barramento. O cabeçote fixo é o responsável por todo mecanismo de acionamento do torno e onde ficam as caixas de redução e avanço. No cabeçote fixo estão montadas a árvore de transmissão e o conjunto de engrenagens de redução, alem de servir para o apoio e a transmissão à peça do movimento giratório. O carro com o porta ferramenta oferece apoio a ferramenta e proporciona os movimentos de avanço e de penetração. Os carros devem mover-se nas guias do barramento do torno sem nenhuma folga. O carro longitudinal e o transversal podem mover-se manualmente ou por meio do fuso ou da vara, acionados pela arvore principal. O cabeçote móvel ou contra ponto é utilizado como encosto ou apoio para montagem entre pontas de peças à tornear compridas. Nas operações de furar, escarear ou mandrilar, coloca-se também no cabeçote móvel a ferramenta. O cabeçote móvel pode deslocar-se sobre o barramento do torno e imobilizar-se mediante uma alavanca ou manipulo de prisão. O barramento do torno é responsável por suportar todas as partes principais do torno. É apoiado sobre os pés do torno. Carro e contra ponto deslocam-se sobre suas guias. Estas ultimas possuem na maioria das vezes forma prismática. Para se poder usinar grandes diâmetros, o barramento é, freqüentemente, dotado de uma cava ou poço com calço desmontável. A fabricação de todas essas partes, requer a utilização de outras máquinas ferramentas de grande precisão e versatilidade.

5 5 Torno vertical mono montante Torno de faceamento Torno vertical de fabricação francesa Torno de faceamento reformado Mecanismos de operação de um torno O cabeçote está a colocação da arvore principal no caso do torno paralelo, que deve variar a velocidade conforme o trabalho a ser executado. As transmissões são, na sua maioria por correias ou rodas dentadas (engrenagens). Esses mecanismos permitem regular, de maneira continua ou escalonada as rotações necessárias para usinagem da peça. Mecanismo para o movimento de avanço Os movimentos de avanço e profundidade de corte podem ser produzidos manualmente pelo acionamento de alavancas no carro do torno. Por outro lado, também é possível o avanço

6 6 automático, por meio do engate da vara ou do fuso, o qual recebe o seu movimento de rotação da caixa de velocidades do cabeçote. Mecanismo de engrenagens do avental o avental está montado no carro do torno. O mecanismo de engrenagens, incorporado no avental do carro longitudinal, tem sobretudo a missão de transformar o movimento de rotação da vara nos movimentos longitudinais e transversais. O fuso serve apenas para a abertura das roscas ou filetagem. Recebe o seu movimento de rotação igualmente da caixa de velocidades, e pode deslocar o carro do torno na direção longitudinal com o auxilio da porca de duas metades. Bloqueio quando a porca de duas metades de acionamento do fuso e o sem fim de acionamento da vara são acionados simultaneamente, por imprudência ou inexperiência do operador, as peças chegam a fraturar-se. A fim de se evitar tal inconveniente, existe um dispositivo de bloqueio que impede o comando simultâneo das duas alavancas. Ferramentas para o torneamento Para o arranque do cavaco durante a operação de usinagem são utilizadas ferramentas. A eficiência dessas ferramentas depende do material de que são constituídas e da geometria do gume ou aresta cortante. O material das ferramentas de corte deve possuir as seguintes propriedades: dureza, tenacidade, resistência as temperaturas elevadas e resistência ao desgaste. A dureza é necessária para que a aresta de corte da ferramenta possa penetrar no material da peça. A tenacidade para evitar a quebra do material cortante por ação de pressão de corte. A resistência a temperaturas elevadas para que a ferramenta continue mantendo sua dureza e tenacidade mesmo quando aqueça devido ao atrito que se produz na formação do cavaco. A resistência ao desgaste tem por fim, evitar um desgaste prematuro a aresta de corte da ferramenta. Principais materiais para as ferramentas de corte O aço de ferramenta sem liga ou aço carbono para ferramentas é um aço com teores de carbono de 0,5 a 1,5 % de carbono. A uma temperatura de já perde a sua dureza, tornando-se impróprio para grandes velocidades de corte. Aço ferramenta com liga ou aço rápido contem como componentes de liga, alem do carbono, ainda adições de tungstênio, cromo, vanádio, molibdênio e

7 7 outros. Possui uma elevada temperatura ao desgaste, cerca de C e permite uma alta velocidade de corte. Metais duros ou carbonetos sinterizados permitem um grande aumento do rendimento efetivo da ferramenta. Os componentes principais das chamadas pastilhas de metal duro são: o tungstênio, molibdênio, cobalto, carbono e em alguns casos o titânio. Alcançam temperaturas de corte da ordem de C e permitem altas velocidades de corte. Devido seu elevado custo são soldadas ou presas com dispositivos nas pontas de hastes de aço carbono. Os diamantes também podem ser utilizados para corte em ferramentas. São bastante duros e resistentes ao desgaste. São utilizados para trabalhos finos de peças em máquinas especiais. Os materiais cerâmicos também são bastante duros e resistem a altas temperaturas. Atualmente são utilizados em ferramentas especiais, para bons acabamentos, e em substituição as pastilhas de diamantes. Cuidados requeridos para as ferramentas de corte O ferro de corte se afia primeiramente em um rebolo grosseiro e depois de definidas as formas, se acaba num rebolo mais fino. Na amolação final devem ser mantidos os ângulos convenientes para o corte. Para afiação de metal duro deve-se empregar um rebolo de carboneto de silício 1 O rebolo deve girar contra a aresta de corte; 2 A pressão de esmerilhamento ou afiação não deve ser exagerada; 3 Na afiação final, o líquido refrigerante de fluir abundantemente; 4 Deve-se evitar o esmerilhamento côncavo na face livre de incidência; 5 Verificar os ângulos da aresta de corte com o uso do gabarito; 6 Os rebolos devem não perfeitamente redondos e sujos devem ser evitados. 7 Devem ser seguidas as normas de segurança contra acidentes em esmeris. Ferramentas de torneamento: a) aço carbono, b) aço rápido, c) metal duro, d) diamante ou cerâmico. Suporte de fixação: a)diamante, b)calço, c)suporte, d)obturador.

8 8 Para usinagem em alta produção são utilizados atualmente tornos com alto poder de usinabilidade e completamente automáticos. Entre eles destacamos o torno revolver e, mais modernamente as centrais de torneamento completamente automáticas. Centro de torneamento automático Furadeiras A maioria das peças fabricadas possuem furações, sejam elas passantes ou mesmo cegas. Os furos são utilizados para os diversos fins, por exemplo, para o alojamento de rebites, parafusos, cavilhas, êmbolos, etc., ou para dar passagem a gases, líquidos e outros. A furação é um processo de usinagem que implica arranque de cavaco e se emprega para a execução de orifícios redondos (furos) em materiais metálicos e não metálicos. Existem vários tipos de furadeiras, aplicados conforme as necessidades de tamanho e peso da peça, posicionamento, quantidade de operação e precisão de operação. Furadeira de bancada Furadeira de bancada com cabeçote móvel

9 9 A furadeira de bancada é a mais simples delas e pode ser posicionada sobre qualquer bancada de uma oficina mecânica. A furadeira de coluna possui as mesmas condições de usinagem da furadeira de bancada. A furadeira de coluna é apropriada para furação em peças mais pesadas e impossíveis de se manusearem em cima de uma bancada de oficina. Furadeira de coluna e posicionamento do operador Furadeira de coluna com cabeçote móvel As furadeiras radiais são extremamente versáteis, permitindo com o braço móvel a utilização em várias peças posicionadas radialmente. Funciona orientada como coordenadas polares, com o avanço possível do cabeçote no sentido radial. Furadeira radial Furadeira de cabeçotes múltiplos As furadeiras de cabeçotes múltiplos servem para várias operações simultâneas em uma peça, como por exemplo: furar, escalonar, alargar e escariar com cada ferramenta apropriada em cada cabeçote. Cada cabeçote e operação podem ser acionados por motores independentes tendo assim velocidades e potencias diferentes necessárias para cada operação.

10 10 As furadeiras de fuso múltiplo servem para fazer vários furos simultaneamente em uma mesma peça. As furadeiras de fusos múltiplos se diferenciam das furadeiras de cabeçotes múltiplos por serem acionadas por um único motor e executarem simultaneamente uma única operação. Furadeira de fusos múltiplos Furadeira de montante As furadeiras de montante, apresentam uma coluna bastante robusta par aserviços pesados e de precisão. Ponteadeiras As ponteadeiras são projetadas para execução de furos com distancia entre furos muito rigorosos. A arvore porta-broca gira cuidadosamente apoiada. A peça a trabalhar é fixada na mesa da máquina constituída em forma de mesa de movimentos em cruz, isto é, está dotada de furos para a possibilidade de deslocamento longitudinal e transversal. Recorrendo a dispositivos rigorosos de medição podem regular-se distancias entre furos com uma precisão que vai até o,001 mm. Ponteadeira

11 11 Afiação de uma broca: pela maneira manual e dispositivo automático Fresadoras Por meio da fresagem podem obter-se peças dos mais diversos materiais e formatos. Permite a execução de superfícies planas ou curvas, com entalhes, com ranhuras, com sistemas de dentes,etc. Fresadora horizontal Fresadora de ferramentaria Os cavacos são removidos por uma ferramenta denominada fresa, cujas arestas cortantes ou dentes estão dispostas em forma de circunferência. A fresa é uma ferramenta de vários cortes. Ao movimento de rotação da peça dá-se o nome de movimento principal ou de corte.

12 12 Tipos de peças que podem ser executadas na frsadora Operação de fresar de empurrar Operação de fresar de puxar Mandriladoras Utiliza-se a mandriladora para trabalhos de furação, mandrilagem, fresagem e torneamento em peças complicadas e de difícil manuseamento. Mandriladeira horizontal com suporte do fuso Mandriladora com controle numérico.

13 13 Plainas O aplainamento é um importante processo de usinagem para obtenção de superfícies planas e curvas. O cavaco é arrancado da peça em forma de fitas em virtude do movimento principal retilíneo. Para a usinagem de peças curtas ou peças compridas existem diferentes tipos de construção de máquinas de aplainar. Plaina horizontal Plaina vertical A plaina com avanço da ferramenta horizontal, ou limadora, pode ser utilizada para comprimentos até 800 mm. Para o arranque do cavaco são necessários: o movimento principal do cabeçote, o movimento de avanço e o de ajuste da ferramenta. O movimento principal é executado pela ferramenta. Existe o curso útil e o curso em vazio. O curso útil é o responsável pelo arranque do cavaco. O curso em vazio diz respeito ao retorno da ferramenta. O movimento de avanço é o que produz a espessura da apara. Máquinas conjugadas com mesas e plainas com possibilidade de cabeçotes de fresar

14 14 O cabeçote limador é conduzido numa guia e produz o movimento principal. No seu topo dianteiro oferece apoio à espera porta ferramenta. A ferramenta de aplainar é fixada em um porta ferramenta que se assenta em uma placa com calço. No movimento para frente ou útil, a placa articulada é comprimida pelo esforço de corte de encontro ao suporte e no movimento de retrocesso ou passeio é levantada um pouco em virtude da sua articulação. O suporte porta ferramenta é ajustado para o aplainamento de superfícies inclinadas e com esta finalidade está dotada de uma escala graduada. Ferramentas para aplainar As ferramentas de aplainar são fabricadas preferencialmente em aço rápido. Muitas vezes, a aresta cortante pode, eventualmente, ser construída de metal duro. A forma da ferramenta assim como a geometria de sua aresta cortante escolhe-se de acordo com o trabalho de aplainamento a executar. Somente em casos excepcionais, se diferenciam as ferramentas de aplainar das ferramentas de tornear. Possibilidades de aplainamento e formas da ferramenta Possíveis posições do cabeçote de aplainar

15 15 Rompedeiras ou Brochadeiras Na usinagem de muitas peças pode ser necessária a execução de faces interiores e exteriores de peças metálicas de tamanhos pequenos e médios. Para esse efeito empurra-se ou puxa-se uma vara perfiladora provida de muitos dentes cortantes através de um previamente aberto e elimina-se o material em excesso por arranque de cavaco. Máquina perfiladora (brochadora ou vertical rompedeira) de interiores vertical Máquina perfiladora de exteriores As máquinas perfiladoras, brochadoras ou ainda rompedeiras, são de constituição bastante simples, porque só necessitam de executar o movimento principal retilíneo da vara ronpedeira. O movimento de avanço é realizado pela própria ferramenta em virtude das arestas cortantes serem cada vez maiores ao longo da vara perfiladora ou vara rompedeira. Perfiz obtidos por rompedeiras Funcionamento da ferramenta rompedeira.

16 16 Serras As serras são ferramentas de usinagem responsável para divisão de materiais em partes que se deseja usinar por uso de outras máquinas ferramenta. Existem basicamente 3 tipos de serras mais utilizadas em usinagem: a serra circular, a serra de fita e a serra de lamina. Com relação as serras de fita e de lamina, as duas apresentam o mesmo aspecto de funcionamento, porem, a serra de fita apresenta uma alimentação continua da ferramenta, sem a perda produtivo do retorno da ferramenta, o que acontece com a serra de lamina. As serras de laminas possuem um movimento alternativo e cortam somente e no movimento de ida da ferramenta ficando inoperante no retorno em passeio da máquina. Serra de fita (movimento continuo) Serra de lamina (movimento alternado) As peças de aço temperadas ou não, ferro fundido, latão ou bronze, alumínio, etc., podem ser cortadas em curto tempo por meio de disco abrasivo. Tais discos consistem em eletrocorundum ou em carboneto de silicato com aglutinante de baquelite. Possuem diâmetros de até 400 mm e uma espessura de 3,2 mm. A velocidade periférica é de 75 a 80 m/s. Serra circular com disco abrasivo

17 17 Retificadoras e esmerilhadoras Os trabalhos realizados com as retificadoras ou esmerilhadoras, apresentam um certo grau de acabamento inerente a esse processo de usinagem. No esmerilhamento de peças, trate-se de eliminar as irregularidades (rebarbas) ou de se conseguir afiação em arestas de ferramentas ou ainda de se obter peças com grande precisão e grande acabamento como é o caso das retificas. O esmerilhamento é um processo de usinagem pois envolve o arrqnque de cavacos. Afiação de ferramentas Retifica de peças A Retifica Retificas são máquinas que proporcionam um acabamento fino em peças de precisão. Existem basicamente dois tipos de retificas: A retifica cilíndrica e a retifica plana. A retifica cilíndrica é muito utilizada em acabamentos de precisão em eixos, pistões e peças cilíndricas com necessidade de encaixes precisos e intercambiáveis. A retifica plana é recomendada para o acabamento e peças que exijam superfícies bem acabadas e com grau de planicidade. Retifica de eixos Proteção mínima para uso de retificas

18 18 Tipos de rebolos utilizados em retifica e afiação de ferramentas Os rebolos ou mós, são constituídos de por grãos abrasivos duros, e de arestas aguçadas (meio esmerilhante), reunidos entre si, por um material aglutinante. Tipos de materiais abrasivos Existem materiais abrasivos naturais e artificiais. Materiais abrasivos naturais são o corindo natural e o quartzo. Para rebolos empregam-se de preferência os materiais abrasivos artificiais. O eletrocorundo ou corindo artificial (alumina anidra ou amorfa), obtem-se da argila em forno elétrico. Tem coloração parda. Existem o corindo normal e o corindo fino. O carboneto de silício (carborundum) ou silicato de carbono, que se obtém a partir da areia de quartzo e pó de carvão; possui coloração cinzenta e contem inclusões de brilho adiamantado. O eletrocorindo empregam-se para materiais tenazes como o aço;o carboneto de silício para materiais frágeis, como é o caso do ferro fundido. Esmerilhamento manual de peças e ferramentas. A granulação tem influencia sobre o rendimento do esmerilhamento e sobre a qualidade do acabamento superficial da peça. Grão grosso grande rendimento, superfície de acabamento e áspera; Grão fino pequeno rendimento, superfície lisa Os aglutinantes dos grãos podem ser por sua vez: cerâmicos, minerais e vegetais. O aglutinante cerâmico consiste em feldspato, argila e quartzo.mais de 75% de todos os rebolos são aglutinados ceramicamente.resistem a pancadas e a choques. Os aglutinantes minerais são apenas recomendados pa esmerilhamento a seco. Os aglutinantes vegetais são compostos de cauchu ou caucho ou ainda borracha, gomalaca ou baquelite. Como são tenazes e elásticos tornam-se ideais para mós delgadas e perfiz agudos. Use mós brandas para materiais duros e mós macias para materiais duros.

19 19 Fixação do rebolo:a) flange de fixação, b) ranhura anular, c) peso balanceador, d) disco intermediário de feltro ou coro Exemplo de estrutura de um rebolo Tabela para escolha do rebolo

20 20 Figura para ajuda na escolha do rebolo adequado Máquina para afiação de ferramenta

21 21 Formação do cavaco e ferramentas Ferramentas utilizadas em tornos e plainas Ferramentas para mandriladeiras Ferramentas de metal duro Ferramentas para fresadoras ferramenteiras Ferramentas para furadeiras e fresadoras

22 22 Tipos de cavacos Existem basicamente 3 tipos de cavacos ou aparas: finas, curtas e compridas. As aparas finas(agulhas,quebradiças ou friáveis) são obtidas em materiais frágeis como o ferro fundido e bronze. As aparas curtas (helicoidais e espirais) conseguem-se com materiais tenazes e reduzidas velocidades de corte. As aparas compridas (espiras compridas estreitas e largas, aparas enroladas), se consegue em materiais tenazes e elevada velocidade de corte. No torneamento é preferível o cavaco curto, porque são inofensivas e podem transportar-se facilmente. Ataque da ferramenta de corte e formação do cavaco. Cavaco arrancado (fino) Cavaco cortado Cavaco plástico (comprido) Os cavacos finos apresentam um volume bem menor, propiciando um fácil transporte e manuseio. São também os mais recomendados para utilização de sistemas de exaustão.

23 23 Estudo do Lay out na concepção para máquinas ferramentas Como as máquinas ferramentas especiais podem ser fabricadas por encomenda, é importante a previsão de todas as variáveis para o dimensionamento e a distribuição das operações em uma só máquina. Modelo de uma mandriladora de mesa Modelo de uma mandriladora de barramento duplo. O perfeito lay-out das características de uma máquina pode ajudar também no fator segurança, diminuindo as condições de risco aos quais podem ficar expostos os operadores, com estudo detalhado da movimentação da peça, troca de ferramenta, porta ferramenta, etc. Estudo das possibilidades de usinagem Mandriladora em operação

24 24 Alguns tipos de Maquinas Ferramentas Torno horizontal de grandes proporções Retifica plana Torno vertical de um montante Torno vertical de duplo montante Torno vertical Centro de usinagem

25 25 Aspectos de segurança e máquinas ferramentas Antes de inicio de qualquer operação em maquinas ferramentas deve-se verificar as condições específicas de trabalho: - Fixação da peça - Fixação da ferramenta - Ajuste correto das velocidades de avanço - Profundidade de corte - Iluminação Devem ser tomadas as devidas precauções com os fluidos de corte com relação ao seu direcionamento para a área especifica de corte. Verificar a existência de possíveis poças de óleo derramado na máquina, principalmente nas mandriladeiras de piso, pois poderão causar acidentes. Evitar o contato com a peça em usinagem devido a possibilidade de queimaduras, pois a mesma está sempre quente, mesmo com a utilização do fluido refrigerante e também devido as arestas vivas de usinagem que podem causar cortes graves. Os cavacos espalhados em torno da máquina devem ser amontoados em determinado lugar para que não sejam pisados e causarem tropeços e quedas. Os dispositivos utilizados para apertos e ajustes das ferramentas devem ser manuseados exclusivamente para a finalidade a qual foram projetados e não devem em hipótese alguma permanecer nos orifícios de ajustes, pois com o movimento da máquina podem saltar com a velocidade centrifuga e atingir o operador. Nunca se deve medir uma peça com a máquina em funcionamento. Mesmo que a medida seja feita com a peça fixada, a mesma deve estar totalmente parada. Não é recomendável também o lixamento de peças circulares no torno mecânico com a mão.qualquer cavaco pode rasgar de maneira violenta a pele do operador. È recomendável o uso de viseiras faciais nas operações próximas as peças ao invés dos óculos de segurança. Nas furadeiras, nunca segurar a peça com a mão, mesmo se estiver utilizando luvas. Se a peça possuir faces cortantes, o momento torçor da furadeira poder rasgar a luva e a mão do operador.

26 Utilizar botas de couro com solado de borracha e biqueira de aço. O solado ajuda a proteger contra o possível pisada em cavacos e descargas de aterramento da máquina.a biqueira de aço protege os dedos do pé do operador contra a queda de dispositivos e ferramentas. 26

Afiação de ferramentas

Afiação de ferramentas A UU L AL A Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se desgastam, apresentando trincas ou deformações na forma e nas propriedades. Devido a este desgaste, as

Leia mais

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros Parâmetros de corte Na aula passada, você aprendeu que usinagem é todo o processo de fabricação pelo qual o formato de uma peça é modificado pela remoção progressiva de cavacos ou aparas de material. Você

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

Preparação de máquina

Preparação de máquina A U A UL LA Preparação de máquina A retificação é um dos processos de usinagem por abrasão. Basicamente, a retificação visa corrigir as irregularidades de superfícies de peças ou materiais submetidos a

Leia mais

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima

LIMAGEM. Introdução Noções de limagem Tipos de Lima LIMAGEM Introdução Noções de limagem Tipos de Lima Temas a abordar Limagem manual; Classificação de limas; Métodos e regras de trabalho; Materiais industriais; Outros tipos de limagem; Exercícios simples

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Prática de Oficina Processos de Fabricação

Prática de Oficina Processos de Fabricação Prática de Oficina Processos de Fabricação Filipi Damasceno Vianna Porto Alegre, 24 de junho de 2002. Sumário Introdução 3 1 Torno Mecânico Horizontal Comum 4 1.1 Campo de Aplicação..............................

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA

Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Escola Técnica SENAI Caruaru Técnico em Eletromecânica TORNEARIA Profº Carlos Eduardo ALUNO(A): TURMA: Caruaru 2011 Afiação de ferramentas Após algum tempo de uso, as ferramentas de corte geralmente se

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro

MESTRE MARCENEIRO. Saúde e segurança do marceneiro Saúde e segurança marceneiro. A preocupação com o bem-estar, a saúde e a segurança do marceneiro no trabalho, vem crescendo no decorrer dos últimos anos, pois, quando o trabalho representa apenas uma obrigação

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA BROCAS (NOMENCLATURA,CARAC. TIPOS) São ferramentas de corte, de forma cilíndrica, com canais retos ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são afiadas

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Fresas Ferramentas de fresar

Fresas Ferramentas de fresar Fresas Ferramentas de fresar As maiores exigências de trabalho de usinagem de madeiras, de painéis aglomerados e MDF são hoje feitas para as ferramentas de fresar. 1. Condições de segurança 2. Alto rendimento

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento

Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento Processos de usinagem Mandrilhamento e brochamento Conteúdo INTRODUÇAO A PROCESSO DE FABRICAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO A MANDRILHAMENTO... 4 O QUE É MANDRILHAMENTO?... 6 TIPOS DE MANDRILHAMENTO... 6 MANDRILHAMENTO

Leia mais

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a

Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a Definição É uma operação de usinagem que tem por objetivo abrir furos em peças. Para tanto, a ferramenta ou a peça gira e, simultaneamente, a ferramenta ou a peça se desloca segundo uma trajetória retilínea,

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Retificação DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo:

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo: 1 8 - RETIFICAÇÃO 8.1 Introdução A retificação é um processo de usinagem por abrasão. Este processo é realizado utilizando-se uma máquina-ferramenta chamada retificadora, para dar acabamento fino e exatidão

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse torno só dá furo! Na aula sobre furação, você aprendeu que os materiais são furados com o uso de furadeiras e brocas. Isso é produtivo e se aplica a peças planas. Quando é preciso furar peças cilíndricas,

Leia mais

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2

CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 CATÁLOGO TÉCNICO 2013-2 PRODUTO CONTRA PONTO MESA DIVISORA HV-240 TAMBOR GRADUADO - Pode ser acoplado no lugar do disco perfurado sendo possível fazer divisões de 2 em 2 minutos. FLANGE PORTA PLACA - Para

Leia mais

59 Brunimento, lapidação, polimento

59 Brunimento, lapidação, polimento A U A UL LA Brunimento, lapidação, polimento Apesar de todos os cuidados, as peças usinadas e mesmo as de acabamento em máquina, como é o caso da retificação, apresentam sulcos ou riscos mais ou menos

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA ESMERILHADORAS DEFINIÇÃO: São máquinas em que o operador esmerilha materiais, é usado principalmente na afiação de ferramentas. CONSTITUIÇÃO: É constituída geralmente de um

Leia mais

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO

USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO USO, MANUTENÇÃO E REGULAGEM DE CASSETES PARA ÁREA DE TREFILAÇÃO Cassetes Os cassetes laminadores são micro cadeiras de laminação, que substituem as fieiras nas máquinas de trefilação. Seu surgimento no

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

Você já pensou o que seria do ser humano

Você já pensou o que seria do ser humano A UU L AL A Eixos e árvores Você já pensou o que seria do ser humano sem a coluna vertebral para lhe dar sustentação. Toda a estrutura de braços, pernas, mãos, pés seria um amontoado de ossos e músculos

Leia mais

Materiais de Corte Segmento Madeireiro

Materiais de Corte Segmento Madeireiro Materiais de Corte Segmento Madeireiro Devido a necessidade do aumento de produção no setor madeireiro, ao longo de décadas vem-se desenvolvendo cada vez mais os materiais para ferramentas de corte, visando

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar A U A UL LA Usinagem por eletroerosão Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar uma importante competição esportiva, esteja encarregado de providenciar um grande número de medalhas. O problema é que

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações

Rebolos. O que é um rebolo? Especificações Rebolos O que é um rebolo? Rebolo é uma ferramenta de corte formada por grãos abrasivos unidos por ligas especiais. Pode ser utilizado em máquinas para operação de corte e afiação produzindo acabamento

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Introdução Padronização e Definições Tipos e Usos de Parafusoso Introdução Elementos de fixação: Importância Por que estudar elementos de fixação. Papel em projetos

Leia mais

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade.

TORNO MECÂNICO. 1. Corpo da máquina: barramento, cabeçote fixo e móvel, caixas de mudança de velocidade. TORNO MECÂNICO É uma máquina-ferramenta muito versátil porque, além das operações de torneamento, pode executar operações que normalmente são feitas por outras máquinas como a furadeira, a fresadora e

Leia mais

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I

29 Recuperação de guias ou vias deslizantes I A U A UL LA Recuperação de guias ou vias deslizantes I Uma máquina foi retirada do setor de produção e levada para o setor de manutenção porque havia atingido o seu ponto de reforma. A equipe de manutenção

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less.

Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. Retificação plana Vimos que, conforme as operações que fazem, as máquinas retificadoras podem ser classificadas em planas, cilíndricas universais e center less. As retificadoras planas retificam peças

Leia mais

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída.

A afiação das ferramentas é feita somente nas superfícies que determinam os ângulos de ataque, de cunha e saída. O que é afiação? 1 Afiação é a operação de dar forma e perfilar arestas de ferramentas novas (última fase do processo de fabricação) e de restaurar o corte ou o perfil de ferramentas desgastadas pelo uso.

Leia mais

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste

Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Aspectos de Segurança - Discos de Corte e Desbaste Os discos de corte e desbaste são produzidos e controlados com rigor, sendo submetidos a testes internos que objetivam a reprodução da qualidade lote

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

Processos mecânicos de usinagem

Processos mecânicos de usinagem DDSSDD SENAI Departamento Regional de SãoPaulo Ensino a distância Usinagem - Tecnologia do corte módulo 1 Processos mecânicos de usinagem Programações a Distância de Tecnologia Industrial SENAI-SP, 1998

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Introdução Definição Classificação Características Aplicação Representação Definição São elementos que ligam peças permitindo que essas se movimentem sem sofrerem alterações.

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

1 ATUADORES HIDRÁULICOS

1 ATUADORES HIDRÁULICOS 1 ATUADORES HIDRÁULICOS Danniela Rosa Sua função é aplicar ou fazer atuar energia mecânica sobre uma máquina, levando-a a realizar um determinado trabalho. Aliás, o motor elétrico também é um tipo de atuador.

Leia mais

Rosqueadeiras. Manual de Instruções

Rosqueadeiras. Manual de Instruções Manual de Instruções 2 NOMAQ Roscar/Cortar/Escarear Modelos para tubos de ½ a 6 Modelo NQ-R2 NQ-R2A NQ-R4 NQ-R6 Roscas Tubos 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2 1/2, 3/4, 1, 2, 2.1/2, 4 2.1/2, 4, 5, 6 Roscas

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial

Prof. Daniel Hasse. Robótica Industrial Prof. Daniel Hasse Robótica Industrial Aula 02 - Robôs e seus Periféricos Tipos de Sistemas de Controle Volume de Trabalho Dinâmica e Precisão dos Movimentos Sistemas de Acionamentos Garras Tipos de Sistemas

Leia mais

Elementos de Máquinas

Elementos de Máquinas Professor: Leonardo Leódido Sumário Buchas Guias Mancais de Deslizamento e Rolamento Buchas Redução de Atrito Anel metálico entre eixos e rodas Eixo desliza dentro da bucha, deve-se utilizar lubrificação.

Leia mais

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos

TBA 42/60. Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 Tornos automáticos CNC de carros múltiplos TBA 42/60 - nova geração com moderna tecnologia Os tornos automáticos CNC de carros múltiplos Ergomat TBA 42 e TBA 60 se tornaram mais versáteis e produtivos

Leia mais

International Paper do Brasil Ltda.

International Paper do Brasil Ltda. International Paper do Brasil Ltda. Autor do Doc.: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Editores: Marco Antonio Codo / Wanderley Casarim Título: Técnicas de Inspeção, Montagem, uso de Rebolos ( Esmeris

Leia mais

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha

Buchas. Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se. Bucha A U A UL LA Buchas Introdução Não se sabe quem inventou a roda. Supõe-se que a primeira roda tenha sido um tronco cortado em sentido transversal. Com a invenção da roda, surgiu, logo depois, o eixo. O

Leia mais

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação

Acoplamento. Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, Conceito. Classificação A U A UL LA Acoplamento Introdução Uma pessoa, ao girar o volante de seu automóvel, percebeu um estranho ruído na roda. Preocupada, procurou um mecânico. Ao analisar o problema, o mecânico concluiu que

Leia mais

Preparo periódico do solo arados de discos *

Preparo periódico do solo arados de discos * Preparo periódico do solo arados de discos * 1. Arados de discos Os arados de discos distinguem-se das de aivecas por a lavoura ser efetuada por discos com movimento de rotação provocado pelo atrito de

Leia mais

Travas e vedantes químicos

Travas e vedantes químicos A U A UL LA Travas e vedantes químicos O mecânico de manutenção de uma empresa de caminhões tentava eliminar, de todas as formas, um vazamento de óleo que persistia na conexão de um manômetro de um sistema

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO

TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO TORNEIRO MECÂNICO OPERAÇÃO RETIFICAR SUPERF. CÔNICAS E CILÍNDRICAS EXTERNAS DEFINIÇÃO: É utilizar uma retificadora portátil, presa no carro superior do torno, cujo rebolo, em rotação, age como ferramenta,

Leia mais

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial:

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial: iamantados e CN Abrasivos iamantados Tipos de diamante Industrial: Sintéticos: Em forma de pó, pastilhas ou insertos; Naturais: Em forma de pó, pedra bruta ou lapidada; Nitreto de boro cúbico-cn: Em forma

Leia mais

Marca de quem compra qualidade MANUAL DE AFIAÇÃO PARA FACAS CALÇADAS

Marca de quem compra qualidade MANUAL DE AFIAÇÃO PARA FACAS CALÇADAS Marca de quem compra qualidade Marca de quem compra qualidade MANUAL DE AFIAÇÃO PARA FACAS CALÇADAS A RETÍFICA DE AFIAÇÃO: OS SEGUINTES ASPECTOS DEVEM SER CONSIDERADOS PARA A OBTENÇÃO DE UM BOM RESULTADO

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

ABC das Ferramentas (módulo V) 2. Serras Tico-Tico e Serras Circulares Tipos, Aplicações e Acessórios Convencionais.

ABC das Ferramentas (módulo V) 2. Serras Tico-Tico e Serras Circulares Tipos, Aplicações e Acessórios Convencionais. ABC das Ferramentas (módulo V) 1. Definições Gerais Como sabemos, existem diferentes tipos de ferramentas elétricas e estas, especificadas e indicadas para os diferentes tipos de trabalho que os usuários

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia

Usinagem. Processos de Fabricação. Filipi Vianna. Porto Alegre, 2013. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Usinagem Processos de Fabricação Filipi Vianna Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Porto Alegre, 2013 Processos de Fabricação Dentre os processos tradicionais

Leia mais

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d

Def e in i i n ç i ã ç o S o ã o f er e ram a en e t n as a s rot o at a iva v s a s pa p r a a a us u i s na n g a e g m e d e d Definição Fresas São ferramentas rotativas para usinagem de materiais, constituídas por uma série de dentes e gumes, geralmente dispostos simetricamente em torno de um eixo. Os dentes e gumes removem o

Leia mais

Retificação cilíndrica

Retificação cilíndrica A U A UL LA Retificação cilíndrica A retificadora cilíndrica universal é uma máquina utilizada na retificação de todas as superfícies cilíndricas, externas ou internas de peças. Em alguns casos, essa máquina

Leia mais

GCaet OnLine Divisão de Conteúdos

GCaet OnLine Divisão de Conteúdos GCaet OnLine Divisão de Conteúdos Minimização de Custos com Ferramentas de Usinagem Por Delmonte Friedrich, Msc. Eng. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação

Leia mais

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE

INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO DA CORRENTE UNP-130408 1 de 6 INSTALAÇÃO, LUBRIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DAS CORRENTES TRANSPORTADORAS A vida útil das correntes transportadoras e elevadoras está diretamente ligada aos cuidados com a instalação, lubrificação

Leia mais

Descrição B. Cilindro sensor PD 40..

Descrição B. Cilindro sensor PD 40.. Descrição B Cilindro sensor PD 40.. PT 1. Segurança 2 2. unção 3 3. Transporte 8 4. Montagem 8 5. Instalação 9 6. Comissionamento 10 7. uncionamento/operação 10 8. Eliminação de falhas / Reparação 11 9.

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

ABRASIVOS. Século XX Abrasivos artificiais, de alta dureza: abrasivos silicosos e aluminosos.

ABRASIVOS. Século XX Abrasivos artificiais, de alta dureza: abrasivos silicosos e aluminosos. ABRASIVOS Até século XIX Abrasivos naturais esmeril, mineral de cor preta, constituído de 40% óxido de ferro e 60% de óxido de alumínio. Dureza inferior a 9 Mohs (diamante = 10 Mohs) Século XX Abrasivos

Leia mais

MATERIAIS UTILIZADOS NOS CORTANTES SUA ESCOLHA

MATERIAIS UTILIZADOS NOS CORTANTES SUA ESCOLHA MATERIAIS UTILIZADOS NOS CORTANTES SUA ESCOLHA QUALIDADES BÁSICAS: - Dureza a frio - Dureza a quente - Tenacidade MATERIAIS DE QUE DISPOMOS: - Aços - Aços rápidos - Stellites - Carbonetos Metálicos - Cerâmicas

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

Caminhões basculantes. Design PGRT

Caminhões basculantes. Design PGRT Informações gerais sobre caminhões basculantes Informações gerais sobre caminhões basculantes Os caminhões basculantes são considerados como uma carroceria sujeita à torção. Os caminhões basculantes são

Leia mais

Sumário Serra Fita FAM

Sumário Serra Fita FAM Sumário Serra Fita FAM 1 Componentes... 1 Painel de controle... 1 Sensores de segurança... 2 Especificações... 2 Instalação... 3 Condições Gerais do Local... 3 Rede Elétrica... 3 Instalação da Tomada...

Leia mais

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455

Martelete Rotativo. Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. MANUAL DE INSTRUÇÕES HR2445- HR2455 Martelete Rotativo HR445- HR455 MANUAL DE INSTRUÇÕES Makita do Brasil Ferramentas Elétricas Ltda. Fábrica Rua Makita Brasil, 00 Bairro Alvarengas - S. B. do Campo - SP - CEP: 0985-080 PABX: (0xx) 439-4

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão

AULA 2 CONTEÚDO: Capítulo 3. Capítulo 5. Capítulo 6. Volume I do Livro Texto. Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão AULA 2 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 3 Capítulo 5 Capítulo 6 Meios de Ligação de Tubos. Conexões de Tubulação. Juntas de Expansão 1 MEIOS DE LIGAÇÃO DE TUBOS PRINCIPAIS MEIOS LIGAÇÕES ROSQUEADAS

Leia mais

Composição de uma ferramenta elétrica

Composição de uma ferramenta elétrica ABC das Ferramentas (módulo II) Composição de uma ferramenta elétrica As ferramentas elétricas convencionais ou a bateria são compostas por 3 (três) partes básicas que são: 1. Estrutural Constituem a parte

Leia mais

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001

Caixas SNH. www.fcm.ind.br VE-001-SNH. Copyright FCM 2001 Catálogo Eletrônico VE-001-SNH www.fcm.ind.br Caixas SNH Copyright FCM 2001 O conteúdo deste catálogo é de propriedade da empresa FCM - Fábrica de Mancais Curitiba Ltda., sendo proibida a reprodução parcial

Leia mais

MANUAL - POLICARBONATO POLICARBONATO CHAPAS E TELHAS TELEVENDAS. SÃO PAULO: +55 11 3871 7888 CAMPINAS: +55 19 3772 7200 www.vick.com.

MANUAL - POLICARBONATO POLICARBONATO CHAPAS E TELHAS TELEVENDAS. SÃO PAULO: +55 11 3871 7888 CAMPINAS: +55 19 3772 7200 www.vick.com. MANUAL POLICARBONATO POLICARBONATO CHAPAS E TELHAS TELEVENDAS SÃO PAULO: +55 11 3871 7888 CAMPINAS: +55 19 3772 7200 wwwvickcombr POLICARBONATO COMPACTO O Policarbonato Compacto é muito semelhante ao vidro

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993

TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993 TECNOLOGIA DOS MOTORES ALTERNATIVOS 1993 2 ÍNDICE 1- Introdução... 3 2- Constituição dos motores de combustão interna de quatro tempos... 3 2.1- Cabeça motor... 4 2.2- Bloco motor... 4 2.3- O cárter de

Leia mais

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima?

Eixos e correntes. Como o mecânico de manutenção deverá proceder para reparar os defeitos citados acima? Eixos e correntes A UU L AL A Uma máquina em processo de manutenção preventiva apresentava vários eixos e algumas correntes, além de mancais que necessitavam de reparos. Entre os eixos, um cônico e um

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006

IMETEX - SISTEMAS DE FIXAÇÃO - Anel de Fixação Série RFN 8006 Para conexões eixo-cubo extremamente tensionadas a união por encolhimento é insuperável. Nenhum outro tipo de fixação pode oferecer qualidades semelhantes, no que diz respeito à resistência à fadiga sob

Leia mais

ZJ20U93 Montagem e Operacional

ZJ20U93 Montagem e Operacional www.zoje.com.br ZJ20U93 Montagem e Operacional ÍNDICE 1. Aplicação...2 2. Operação segura...2 3. Cuidados antes da operação...2 4. Lubrificação...2 5. Seleção da agulha e do fio...3 6. A Inserção da agulha...3

Leia mais

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES

A TECNOLOGIA APLICADA EM TUBOS E PERFIS WWW.STARTECNOLOGIA.COM.BR. FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES FERRITES & IMPEDERS APLICAÇÕES 1 FERRITES Os ferrites são produzidos com óxido de ferro, cobalto, níquel, manganês e zinco. Após misturados são prensados de acordo com o perfil desejado. É sinterizado

Leia mais

PETG DATASHEET. www.vick.com.br

PETG DATASHEET. www.vick.com.br Pág. 1 / 5 Um plástico que pode ser parafusado, estampado à quente, cortado, facilmente termoformado, ou mesmo dobrado a frio sem lascar, esbranquiçar, rachar ou ficar irregular. É um plástico econômico

Leia mais

INCOMATOL MÁQUINAS LTDA SOBRE A INCOMATOL

INCOMATOL MÁQUINAS LTDA SOBRE A INCOMATOL FÁBRICA E ESCRITÓRIO Rua José Cardoso da Silva, 300 Centro Rio Bonito RJ Brasil cep 28.800-000 I Cx Postal 112752 T 21 2734.0282 I F 21 2734.0247 www.incomatol.com.br incomatol@incomatol.com.br SOBRE A

Leia mais

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia

Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia Exemplos das perguntas para Teste e defesas de Oficinas Gerais Serralharia 1. Apresentar os esquemas de medição das dimensões a, b e c indicadas na figura 1 (desenhar as testeiras, orelhas e pé do paquímetro

Leia mais