FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO"

Transcrição

1

2 MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária Nacional de Políticas de Turismo Ana Isabel Mesquita de Oliveira Diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico Ricardo Moesch Coordenação Geral de Serviços Turísticos Rosiane Rockenbach FUNDAÇÃO UNIVERSA Presidente da Fundação Universa Prof. Dr. José Manoel Pires Alves Superintendente da Fundação Universa Prof. Msc. Alberto F. Monteiro do Nascimento Diretor de Desenvolvimento Prof. Oto Morato Alvarez Coordenador de Projetos Dalmo Antônio Tavares de Queiroz FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO Coordenação Geral Rosiane Rockenbach Coordenação Técnica Nalu R. Nascimento Berto Equipe Técnica Alice Souto Maior Anna Modesto Leal Bianca Lago Fernando Caixeta Humberto Sousa Letícia Pires Luis Valentim Rossi Naara Bandeira Consultoria Alexandre Garrido Guilherme Witte José Augusto Pinto Abreu EQUIPE TÉCNICA DO INMETRO Ana Paula Stutzel Luciana Portugal Luciane Lobo Martha Stoffella Guimarães 2010, Ministério do Turismo Todos os direitos reservados. Coordenação e Execução Ministério de Turismo e Fundação Universa Impresso no Brasil - Printed in Brazil. 2ª edição Distribuição gratuita. Ministério do Turismo Esplanada dos Ministérios, bloco U, 2º andar Brasília - DF 2

3 O novo Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) foi elaborado de forma participativa, através de uma ampla parceria entre o Ministério do Turismo, o Inmetro, a Sociedade Brasileira de Metrologia SBM e a sociedade civil, e adotado como estratégia para o país, aumentando a competitividade do setor. A classificação é, reconhecidamente, um instrumento de divulgação de informações claras e objetivas sobre meios de hospedagem, sendo um importante mecanismo de comunicação com o mercado. Possibilita a concorrência justa entre os meios de hospedagem do país e auxilia turistas, brasileiros e estrangeiros, em suas escolhas. Estas cartilhas foram elaboradas com o intuito de informar sobre o novo sistema e apresentar os principais requisitos que caracterizam cada tipo. 3

4 O Sistema Brasileiro de Classificação estabeleceu sete tipos de Meios de Hospedagem, para atender a diversidade da oferta hoteleira nacional (Hotel, Resort, Hotel Fazenda, Cama & Café, Hotel Histórico, Pousada e Flat/Apart-Hotel) e utiliza a consagrada simbologia de estrelas para diferenciar as categorias. Considerando que cada tipo de meio de hospedagem reflete diferentes práticas de mercado e expectativas distintas dos turistas (um Hotel 5 estrelas é diferente de uma Pousada 5 estrelas, por exemplo), o SBClass estabeleceu categorias específicas para cada tipo: Hotel de 1 a 5 estrelas Resort de 4 e 5 estrelas Hotel Fazenda de 1 a 5 estrelas Cama & Café de 1 a 4 estrelas Hotel Histórico de 3 a 5 estrelas Pousada de 1 a 5 estrelas Flat/Apart-Hotel de 3 a 5 estrelas 4

5 Para fins dos tipos empregados, entende-se por MEIO DE HOSPEDAGEM Os empreendimentos ou estabelecimentos, independentemente de sua forma de constituição, destinados a prestar serviços de alojamento temporário, ofertados em unidades de freqüência individual e de uso exclusivo do hóspede, bem como outros serviços necessários aos usuários, denominados de serviços de hospedagem, mediante adoção de instrumento contratual, tácito ou expresso, e cobrança de diária. (artigo 23 da Lei nº /2008) O Sistema Brasileiro de Classificação é de adesão e adoção voluntárias pelos meios de hospedagem. O SBClass está fundamentado em uma série de requisitos a que os meios de hospedagem devem atender. 5

6 Requisitos Infraestrutura vinculados às instalações e aos equipamentos; Serviços vinculados à oferta de serviços; Sustentabilidade vinculados às ações de sustentabilidade (uso dos recursos, de maneira ambientalmente responsável, socialmente justa e economicamente viável, de forma que o atendimento das necessidades atuais não comprometa a possibilidade de uso pelas futuras gerações). Os requisitos são divididos em mandatórios (ou seja, de cumprimento obrigatório pelo meio de hospedagem) e eletivos (ou seja, de livre escolha do meio de hospedagem, tendo como base uma lista pré-defi nida). O meio de hospedagem para ser classifi cado na categoria pretendida deve ser avaliado por um representante legal do Inmetro e demonstrar o atendimento a 100% dos requisitos mandatórios e a no mínimo 30% dos requisitos eletivos (para cada conjunto de requisitos). 6

7 CAMA & CAFÉ Hospedagem em residência com no máximo três unidades habitacionais para uso turístico, com serviços de café da manhã e limpeza, na qual o possuidor do estabelecimento resida. Para o tipo CAMA & CAFÉ, o SBClass estabelece as categorias de uma estrela (mínimo) a quatro estrelas (máximo). O CAMA & CAFÉ de categoria uma estrela deve atender a requisitos mínimos de infraestrutura, serviços e sustentabilidade. Para cada estrela adicional, o CAMA & CAFÉ deve atender a uma série de requisitos adicionais que diferenciam as categorias entre si. Por meio da comparação entre a infraestrutura e serviços oferecidos, assim como das ações de sustentabilidade executadas pelo meio de hospedagem, o consumidor poderá fazer uma melhor escolha. 7

8 Como exemplo, é destacada uma parte dos requisitos mandatórios a que um CAMA & CAFÉ deve atender, de acordo com a categoria pretendida. CATEGORIA O anfitrião deve ser acessível por telefone durante 24 horas Serviço para guarda dos valores dos hóspedes Área útil da UH, exceto banheiro, com no mínimo 8 m² Banheiro compartilhado com 1,30 m² Cama com colchão solteiro, com mínimo de 0,80 m x 1,90 m, ou cama com colchão casal, com mínimo de 1,40 m x 1,90 m Troca de roupas de cama a cada três dias Troca de roupas de banho a cada três dias Café da manhã básico (café, leite, achocolatado em pó, chá, 01 fruta, manteiga/margarina, pão, geleia, açúcar e adoçante) 8

9 Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem Monitoramento das expectativas e impressões dos hóspedes em relação aos serviços ofertados, incluindo pesquisas de opinião, espaço para reclamações e meios para solucioná-las Programa de treinamento para empregados Medidas permanentes de sensibilização para os hóspedes em relação à sustentabilidade Medidas permanentes para valorizar a cultura local CATEGORIA O anfitrião deve ser acessível por telefone durante 24 horas Serviço para guarda dos valores dos hóspedes Área útil da UH, exceto banheiro, com no mínimo 8 m² Banheiro compartilhado com 1,30 m² Cama com colchão solteiro, com mínimo de 0,80 m x 1,90 m, ou cama com colchão casal, com mínimo de 1,40 m x 1,90 m 9

10 Troca de roupas de cama a cada três dias Troca de roupas de banho a cada três dias Café da manhã básico + 01 item opcional Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem Monitoramento das expectativas e impressões dos hóspedes em relação aos serviços ofertados, incluindo pesquisas de opinião, espaço para reclamações e meios para solucioná-las Programa de treinamento para empregados Medidas permanentes de sensibilização para os hóspedes em relação à sustentabilidade Medidas permanentes para valorizar a cultura local 10

11 CATEGORIA O anfitrião deve ser acessível por telefone durante 24 horas Área útil da UH, exceto banheiro, com no mínimo 11 m² Banheiro privativo com 2 m² Cama com colchão solteiro, com mínimo de 0,80 m x 1,90 m, ou cama com colchão casal, com mínimo de 1,40 m x 1,90 m Troca de roupas de cama a cada três dias Troca de roupas de banho em dias alternados Sala de estar com televisão Uma mesa com cadeira em 100% das UH Climatização (refrigeração/ventilação forçada/calefação) adequada em 100% das UH Café da manhã básico + 01 suco + 3 itens opcionais Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água 11

12 Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem Monitoramento das expectativas e impressões dos hóspedes em relação aos serviços ofertados, incluindo pesquisas de opinião, espaço para reclamações e meios para solucioná-las Programa de treinamento para empregados Medidas permanentes de sensibilização para os hóspedes em relação à sustentabilidade Medidas permanentes para valorizar a cultura local CATEGORIA O anfitrião deve ser acessível por telefone durante 24 horas Serviço de cofre em 100% das UH para guarda dos valores dos hóspedes Área útil da UH, exceto banheiro, com no mínimo 11 m² Banheiro privativo com 2 m² 12

13 Cama com colchão solteiro, com mínimo de 0,80 m x 1,90 m ou cama com colchão casal, com mínimo de 1,40 m x 1,90 m Troca de roupas de cama a cada três dias Troca de roupas de banho em dias alternados Serviço de lavanderia Sala de estar com televisão Televisão em 100% das UH Acesso à internet nas áreas sociais Disponibilização de computador portátil com acesso à internet, a pedido Uma mesa com cadeira em 100% das UH Climatização (refrigeração/ventilação forçada/calefação) adequada em 100% das UH Café da manhã básico + 01 suco + 5 itens opcionais Medidas permanentes para redução do consumo de energia elétrica e de água 13

14 Medidas permanentes para o gerenciamento de resíduos sólidos, com foco na redução, reuso e reciclagem Monitoramento das expectativas e impressões dos hóspedes em relação aos serviços ofertados, incluindo pesquisas de opinião, espaço para reclamações e meios para solucioná-las Programa de treinamento para empregados Medidas permanentes de sensibilização para os hóspedes em relação à sustentabilidade Medidas permanentes para valorizar a cultura local 14

15 Para saber mais sobre o Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem, consulte:

16

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Pedro Novais Lima Secretário Executivo Frederico Silva da Costa Secretário Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Colbert Martins da Silva Filho Secretária

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE CORUMBÁ GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1.442, DE 6 DE NOVEMBRO DE 2014 Regulamenta a modalidade de hospedagem alternativa denominada "Cama e Café", a qual foi instituída no âmbito do Município de Corumbá pela Lei Complementar n 177,

Leia mais

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach

FICHA TÉCNICA EQUIPE DO MINISTÉRIO DO TURISMO. Coordenação Geral Rosiane Rockenbach MINISTÉRIO DO TURISMO Ministro do Turismo Luiz Eduardo Barretto Filho Secretaria Executiva Secretaria Nacional de Programas de Desenvolvimento do Turismo Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Diretor

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem

Manual do Usuário. Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Manual do Usuário Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem Usuário Meio de Hospedagem Julho de 2011 1 Sumário 1. Introdução... 3 2. Siglas... 3 3. Descrição do Sistema... 3 4. Como utilizar

Leia mais

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL

MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL MEMORIAL DE REQUISITOS CONSTRUTIVOS PARA PROJETO DE CONCESSÃO DE ÁREA PARA HOTEL NO AEROPORTO INTERNACIONAL DE SÃO LUIS (MA) - SBSL 1. DIMENSIONAMENTO E CLASSIFICAÇÕES 1.1 Área do terreno: 7.528,02m² (sete

Leia mais

Matrizes de Classificação de Meios de Hospedagem

Matrizes de Classificação de Meios de Hospedagem atrizes de Classificação de eios de Hospedagem OBSERVAÇÕES GERAIS: 1- No anexo II as siglas assinaladas para cada categoria têm o significado, a saber: Requisito mandatório Requisito eletivo 2- Os números

Leia mais

PROJETO BÁSICO SERVIÇO DE HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO PARA OS EVENTOS CULTURAIS

PROJETO BÁSICO SERVIÇO DE HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO PARA OS EVENTOS CULTURAIS PROJETO BÁSICO SERVIÇO DE HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO PARA OS EVENTOS CULTURAIS ANEXO I PROJETO BÁSICO 2/9 1. DADOS DA INSTITUIÇÃO ORGÃO / ENTIDADE PROPONENTE SECRETARIA DE ESTADO DE CULTURA CGC / C.P.F:

Leia mais

POUSADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE ACORDO COM A NOVA CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO BRASIL.

POUSADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE ACORDO COM A NOVA CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO BRASIL. POUSADAS E SUAS CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE ACORDO COM A NOVA CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM NO BRASIL. ROIM, Talita Prado Barbosa. Bacharel em Turismo Faculdade de Ciências Humanas FAHU/ACEG

Leia mais

Art.1º - Os artigos 1º e 2º do Decreto Distrital nº 063 de 02 de maio de 2012, passam a vigorar com as seguintes modificações:

Art.1º - Os artigos 1º e 2º do Decreto Distrital nº 063 de 02 de maio de 2012, passam a vigorar com as seguintes modificações: DECRETO DISTRITAL Nº 069/2013 Ementa: Altera a matriz de classificação das hospedarias domiciliares aprovada pelo Decreto Distrital nº 063/2012 e dá outras providências. O Administrador Geral do Distrito

Leia mais

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015

ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DO TURISMO EM ALAGOAS, PARA MAIO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC) Diretoria de Estatística e Indicadores A análise do setor de Turismo

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011

GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011 GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 100, DE 16 DE JUNHO DE 2011 Institui o Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass), estabelece os critérios de classificação destes, cria o Conselho

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 101/2014. A Câmara Municipal de Foz do Iguaçu, Estado do Paraná, Aprova: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Nº 101/2014 Dispõe sobre a Regulamentação para registro e funcionamento de Meios de Hospedagem no Município de Foz do Iguaçu, exceto Hotéis, Flats, Apart-Hotéis, Hotéis-Residência e Similares.

Leia mais

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO

A HOTELARIA NA CIDADE DE PONTA GROSSA PR: UMA ANÁLISE DO PERFIL DO HÓSPEDE E DA OCUPAÇÃO HOTELEIRA ATRAVÉS DE PROJETO DE EXTENSÃO 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Programa Cama e Café no Estado de Mato Grosso

Programa Cama e Café no Estado de Mato Grosso Programa Cama e Café no Estado de Mato Grosso Municípios participantes Cuiabá, Poconé, Várzea Grande e Santo Antônio do Leverger Realização Elaboração Cuiabá, MT Outubro, 2013 CRÉDITOS Elaboração: Secullos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem.

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA- UNESP Prof. Msc. Francisco Nascimento Curso de Turismo 5º Semestre Disciplina Meios de Hospedagem 1º Semestre 2013 O Cadastur Registro Hotel, Hotel histórico, hotel de lazer/resort,

Leia mais

EDITAL DE CADASTRAMENTO DE MEIOS DE HOSPEDAGENS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM DIVERSOS ESTADOS DO TERRITÓRIO NACIONAL

EDITAL DE CADASTRAMENTO DE MEIOS DE HOSPEDAGENS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM DIVERSOS ESTADOS DO TERRITÓRIO NACIONAL EDITAL DE CADASTRAMENTO DE MEIOS DE HOSPEDAGENS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM DIVERSOS ESTADOS DO TERRITÓRIO NACIONAL O SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO, ADMINISTRAÇÃO REGIONAL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL

O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL O SISTEMA BRASILEIRO DE CLASSIFICAÇÃO DE MEIOS DE HOSPEDAGEM E A HOTELARIA NO BRASIL Anna Carolina do Carmo Castro Larissa Mongruel Martins de Lara RESUMO: O presente estudo tem por objetivo explicar a

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE DO PRODUTO HOTELEIRO

CONTROLE DE QUALIDADE DO PRODUTO HOTELEIRO CONTROLE DE QUALIDADE DO PRODUTO HOTELEIRO Autor: Antônio Sérgio da Gama Gomes Sobre o autor: Com amplo conhecimento nas áreas ambiental, turística e educacional, possui vinte e um anos de experiência

Leia mais

FORMULE 1: O CONCEITO QUE DEMOCRATIZOU OS HOTÉIS

FORMULE 1: O CONCEITO QUE DEMOCRATIZOU OS HOTÉIS Kit de Imprensa 1 FORMULE 1: O CONCEITO QUE DEMOCRATIZOU OS HOTÉIS Criada em 1984, a rede de hotéis supereconômicos soma mais de 383 unidades em 14 países No início dos anos 70, a oferta de hotéis nas

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR

1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO. Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES COMIGRAR 1ª CONFERÊNCIA NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES E REFÚGIO Maio 2014 - São Paulo, Brasil PASSO A PASSO PARA CONFERÊNCIAS LIVRES MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA José Eduardo Cardozo SECRETARIA EXECUTIVA Márcia Pelegrini

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA

CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA CURSO DE BACHARELADO EM HOTELARIA ESTÁGIO SUPERVISIONADO I e II Orientações aos Alunos Julho de 2010 NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Supervisionado I e II são disciplinas integrantes

Leia mais

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento

Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação. Ministério do Planejamento Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento CPSUSTENTÁVEIS Definição O que é? Criação de uma política de Contratações Públicas que leve em consideração critérios de sustentabilidade,

Leia mais

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento.

SUMÁRIO. Sobre o curso Pág. 3. Etapas do Processo Seletivo. Cronograma de Aulas. Coordenação Programa e metodologia; Investimento. SUMÁRIO Sobre o curso Pág. 3 Coordenação Programa e metodologia; Investimento Etapas do Processo Seletivo Pág. Matrícula Cronograma de Aulas Pág. PÓS-GRADUAÇÃO EM HOTELARIA HOSPITALAR - CURITIBA Unidade

Leia mais

Ministério do Turismo do Brasil. Presidenta da República Federativa do Brasil. Ministro de Estado do Turismo. Secretário Executivo

Ministério do Turismo do Brasil. Presidenta da República Federativa do Brasil. Ministro de Estado do Turismo. Secretário Executivo VERSÃO RESUMIDA 1 Ministério do Turismo do Brasil Presidenta da República Federativa do Brasil Dilma Rousseff Ministro de Estado do Turismo Vinicius Lages Secretário Executivo Alberto Alves Secretário

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00011

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015*

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA *EDIÇÃO 2015* 1 SINOPSE. Um dos maiores desafios atuais para as empresas é ter um sistema de gestão documental de fácil entendimento entre todos profissionais da organização.

Leia mais

PROGRAMA DE FORMAÇÃO JOVEM PROFESSOR

PROGRAMA DE FORMAÇÃO JOVEM PROFESSOR PROGRAMA DE FORMAÇÃO JOVEM PROFESSOR Regulamento 1º Sem. 2016 19ª TURMA SUMÁRIO I. MISSÃO DA HOTEC 04 II. ESTRUTURA ADMINISTRATIVA e PEDAGÓGICA da HOTEC 05 III. LINHA EDUCACIONAL HOTEC 06 IV. PROCESSO

Leia mais

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br.

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br. 1. OBJETIVO O SENAI CETIQT está comprometido em prover total satisfação dos clientes, através de produtos e serviços que atendam as suas necessidades e expectativas em um ambiente de prevenção e melhoria

Leia mais

Produtos do Inmetro - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL)

Produtos do Inmetro - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL) Produtos do - Metodologia dos Eixos Estruturantes do Grupo de Trabalho Permanente do Mdic (GTP APL) EIXO FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃO Categoria Instituições Instrumento Descrição Como Acessar Formação (1) Formação

Leia mais

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95

BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 BRASIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOIS LAJEADOS LEI MUNICIPAL Nº 460/95 INSTITUI O PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO A CONSTRUÇÃO OU AMPLIA- ÇÃO DE EDIFICAÇÃO COM FINALIDADE HOTELEIRA,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Última atualização: Agosto/2014 EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pelas área de Risco Operacional Aprovado e revisado pela Diretoria Executiva A reprodução

Leia mais

ANÁLISE DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DO BRASIL

ANÁLISE DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DO BRASIL ANÁLISE DO SISTEMA OFICIAL DE CLASSIFICAÇÃO DOS MEIOS DE HOSPEDAGEM DO BRASIL Paula Dutra Leão de Menezes Mestre em Ciências da Sociedade pela Universidade Estadual da Paraíba, Brasil. Professora da Universidade

Leia mais

Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Este manual tem por finalidade padronizar o uso da Marca de Classificação dos Meios de Hospedagem por estabelecimentos

Leia mais

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes:

1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO. Número de participantes: 1ª ETAPA DO XIII CBC RELATÓRIO DO SEMINÁRIO ESTADUAL PREPARATÓRIO Organização Estadual: Sistema OCB/SESCOOP-RR Data de realização do seminário: 17 de Junho de 2010 Local: Auditório do Sistema FAERR/SENAR-RR

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 5 CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO 7 CAPACITAÇÃO

Leia mais

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011

Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 Investimentos no Brasil: Hotéis & Resorts -2011 INVESTIMENTOS NO BRASIL: HOTÉIS & RESORTS - 2011 Este relatório foi realizado pela BSH Travel Research, divisão estatística da BSH International e apresenta

Leia mais

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL

COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL COMPANHIA IMOBILIÁRIA DE BRASÍLIA - TERRACAP AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO DISTRITO FEDERAL DIPRE Diretoria de Prospecção e Formatação de Novos Empreendimentos GEPRE Gerência de Prospecção de Novos Empreendimentos

Leia mais

DECRETO Nº 14.066, DE 11 DE AGOSTO DE 2010

DECRETO Nº 14.066, DE 11 DE AGOSTO DE 2010 Sumário: Decreto Municipal nº14.066, de 11 de Agosto de 2.010, que regulamenta a lei municipal nº9.952/10, que institui a Operação Urbana de Estímulo ao Desenvolvimento da Infraestrutura de Saúde, de Turismo

Leia mais

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires

Projeto Básico Ambiental (PBA) UHE Teles Pires UHE Teles Pires P.38 - Programa de Apoio à Revitalização e Incremento da Atividade de Turismo Equipe Responsável pela Elaboração do Programa Responsável Registro Cadastro Técnico Profissional Federal IBAMA

Leia mais

XVII CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO 3ª Etapa Mandirituba/PR - 08 a 11 Out 2015.

XVII CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO 3ª Etapa Mandirituba/PR - 08 a 11 Out 2015. XVII CAMPEONATO BRASILEIRO DE ORIENTAÇÃO 3ª Etapa Mandirituba/PR - 08 a 11 Out 2015. Boletim nº 03 A Confederação Brasileira de Orientação, a Federação Paranaense de Orientação e o Clube de Orientação

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Julho de 00 N o 9 Parceria Seade-Agemcamp para gerenciamento dos portais na Internet Portais web para divulgação institucional, atração de investimentos e promoção da cultura e do turismo de negócios na

Leia mais

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO Nº 005/2015. DATA: 10/março/2015.

PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO Nº 005/2015. DATA: 10/março/2015. PROPOSTA DE ORÇAMENTO PARA SERVIÇOS DE HOSPEDAGEM E ALIMENTAÇÃO Nº 005/2015. DATA: 10/março/2015. 1 ENTIDADE: Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social CONGEMAS PROGRAMA: Apoio ao

Leia mais

Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes,

Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes, Empresa de classe global, concebida para honrar a excelência em operação portuária capixaba, alinhada com as justas expectativas dos clientes, sociedade, profissionais, governos e investidores. O Mercado

Leia mais

EDITAL Nº 001/2009, DE 30 DE SETEMBRO DE 2009

EDITAL Nº 001/2009, DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 EDITAL Nº 001/2009, DE 30 DE SETEMBRO DE 2009 O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas, em parceria com os municípios participantes do Programa Escola Técnica Aberta do Brasil

Leia mais

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE ORIENTAÇÃO Fundada em 30 de maio de 1998 CNPJ 03.752.683/0001-21 1ª ETAPA CONVITE

FEDERAÇÃO PARANAENSE DE ORIENTAÇÃO Fundada em 30 de maio de 1998 CNPJ 03.752.683/0001-21 1ª ETAPA CONVITE FEDERAÇÃO PARANAENSE DE ORIENTAÇÃO Fundada em 30 de maio de 1998 CNPJ 03.752.683/0001-21 1ª ETAPA CONVITE A Federação Paranaense de Orientação (FPO) e o Clube de Orientação Gralha Azul (COGA), têm a honra

Leia mais

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria

A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores da Alegria Agentes Financiadores Notícias e atualidades sobre Agentes Financiadores nacionais e internacionais página inicial A técnica a serviço da aproximação com os doadores: Marketing de relacionamento nos Doutores

Leia mais

GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br

GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br GERÊNCIA DE PROJETOS Prof. Késsia Rita da Costa Marchi 4ª Série kessia@unipar.br O QUE É PROJETO? Empreendimento não repetitivo, caracterizado por uma seqüência lógica de eventos, com início, meio e fim,

Leia mais

Custeio em organizações de serviços: abordagem para pequenos meios de hospedagem.

Custeio em organizações de serviços: abordagem para pequenos meios de hospedagem. Custeio em organizações de serviços: abordagem para pequenos meios de hospedagem. Ana Carolina Manfrinato Pimentel Resumo: Gestão de custos é um aspecto relevante para todas as organizações, independente

Leia mais

BOLETIM DO TURISMO PARNANGUARA 2/2012

BOLETIM DO TURISMO PARNANGUARA 2/2012 OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE PARANAGUÁ BOLETIM DO TURISMO PARNANGUARA 2/2012 TAXA DE OCUPAÇÃO HOTELEIRA PERFIL DOS HÓSPEDES EM MEIOS DE HÓPEDAGEM CENTRAIS DE INFORMAÇÕES TURÍSTICAS ESTAÇÃO FERROVIÁRIA

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude ANEXO V ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE TRABALHO Entende-se que o Programa de Trabalho é a demonstração do conjunto dos elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequada para caracterizar

Leia mais

Segundo 1.892.390. identificação da. Gráfico. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 500.

Segundo 1.892.390. identificação da. Gráfico. Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 500. MOVIMENTAÇÃO DE PASSAGEIROS EM ALAGOAS E DO SETOR HOTELEIRO EM MACEIÓ, PARA JANEIRO DE 2015 Superintendência de Produção da Informação e do Conhecimento (SINC)( Diretoria de Estatística e Indicadores Segundo

Leia mais

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES

DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL - DIDES PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES S PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL - PES Iniciativa conjunta Ministério do Planejamento Meio Ambiente Minas e Energia

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL

TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL TERCEIRIZAÇÃO DE SERVIÇOS: A MODERNA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL NA GESTÃO ORGANIZACIONAL Aline Aparecida de Oliveira, Ana Carolina da Silva, Christian Roberto de Godoy, Natália Sayuri Suzuki, Thais Rubia Ferreira

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Técnicas e Ferramentas de Mercado Objetivo Este curso tem como objetivo consolidar conhecimentos sobre as principais técnicas e ferramentas de Gerenciamento da Qualidade utilizadas

Leia mais

NOTA TÉCNICA CGPEG/DILIC/IBAMA Nº 02/10

NOTA TÉCNICA CGPEG/DILIC/IBAMA Nº 02/10 NOTA TÉCNICA CGPEG/DILIC/IBAMA Nº 02/10 I. INTRODUÇÃO Esta Nota Técnica tem por objetivo destacar quais foram as alterações feitas pela CGPEG/IBAMA no texto da minuta da Nota Técnica CGPEG/DILIC/IBAMA

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: LECTRON INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010 EMENTA

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral

CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS CONTABILIDADE. Sônia Maria de Araújo. Custos. Maria Selma da Costa Cabral CURSO TÉCNICO EM OPERAÇÕES COMERCIAIS 13 CONTABILIDADE Sônia Maria de Araújo Custos Maria Selma da Costa Cabral Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação a Distância

Leia mais

ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013

ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 1 ATORES DA LICITAÇÃO POR SRP E IMPLICAÇÕES DO NOVO REGULAMENTO Nº 7.892/2013 Por: Flavia Daniel Vianna Advogada especialista e instrutora na área das licitações e contratos administrativos. Pós-graduada

Leia mais

PISA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Diversificar para produzir com sustentabilidade alimentos seguros e de qualidade

PISA. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Diversificar para produzir com sustentabilidade alimentos seguros e de qualidade PISA Programa de Produção Integrada de Sistemas Agropecuários em Microbacias Hidrográficas Diversificar para produzir com sustentabilidade alimentos seguros e de qualidade Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

STR/STR GLOBAL - DIRETRIZES PARA RELATÓRIOS DE DADOS 2015

STR/STR GLOBAL - DIRETRIZES PARA RELATÓRIOS DE DADOS 2015 STR/STR GLOBAL - DIRETRIZES PARA RELATÓRIOS DE DADOS 2015 As Diretrizes para Relatórios de Dados da STR/STR Global foram desenvolvidas para estar em conformidade com a Décima Primeira Edição Revisada do

Leia mais

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CÂMBIO &

MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CÂMBIO & MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CÂMBIO & 1 Tópicos: Ações da BM&FBOVESPA Principais Ações de Divulgação pela ABBI Interação da ABBI com o Mercado Plano de Ação da ABBI - Pesquisa junto as IFs, - Projeto Piloto,

Leia mais

Chamada de Projetos nº 03/2008

Chamada de Projetos nº 03/2008 Ministério do Turismo Chamada de Projetos nº 03/2008 O Ministério do Turismo, por intermédio da Comissão Avaliadora de Eventos, torna pública a realização de processo seletivo de projetos para apoio à

Leia mais

CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGO DA ESTRADA EDIÇÃO DE BOLSO (4.ª Edição) Actualização N.º 3 Código da Estrada Edição de Bolsa 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DA ESTRADA Actualização N.º 3 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida Fernão

Leia mais

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais.

sociais (7,6%a.a.); já os segmentos que empregaram maiores contingentes foram o comércio de mercadorias, prestação de serviços e serviços sociais. CONCLUSÃO O Amapá tem uma das menores densidades populacionais, de cerca de 2,6 habitantes por km 2. Em 1996, apenas três de seus 15 municípios possuíam população superior a 20 mil habitantes e totalizavam

Leia mais

É o relatório. II-FUNDAMENTAÇÃO

É o relatório. II-FUNDAMENTAÇÃO 0980595 08012.000149/2015-56 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Nota Técnica nº 12/2015/CGARI/GAB SENACON/SENACON PROCESSO Nº 08012.000149/2015-56 INTERESSADO: GABINETE DA SECRETARIA NACIONAL DO CONSUMIDOR, COORDENAÇÃO

Leia mais

Estratégias para atuação do Instituto de Ciência e Tecnologia da UFF no município de Rio das Ostras

Estratégias para atuação do Instituto de Ciência e Tecnologia da UFF no município de Rio das Ostras Estratégias para atuação do Instituto de Ciência e Tecnologia da UFF no município de Rio das Ostras Rio das Ostras RJ Setembro de 2012 Sumário da apresentação Panorama de Rio das Ostras Instituto de Ciência

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO BASQUETE MINEIRO O que é? O Programa de Desenvolvimento do Basquete Mineiro (PDBM) é um projeto focado no atendimento as demandas dos clubes e escolas, em novas metodologias

Leia mais

Ajudando você a fazer a diferença!

Ajudando você a fazer a diferença! Diretores da Lannes Consulting Luciano Lannes Consultor Organizacional e Palestrante com foco no Trabalho em Equipe e o processo de aprendizagem organizacional, visa o desenvolvimento empresarial e a educação

Leia mais

PROJETO DE BANCO DE DADOS

PROJETO DE BANCO DE DADOS 1 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO PROJETO DE BANCO DE DADOS RESORT SYSTEM Recife 2012 2 UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO ESCOLA POLITÉCNICA DE PERNAMBUCO PROJETO DE BANCO DE DADOS

Leia mais

Orientação Técnica Geral 04. OTG/GTCON ESTATAIS N 04 Cessão de Bens

Orientação Técnica Geral 04. OTG/GTCON ESTATAIS N 04 Cessão de Bens Orientação Técnica Geral 04 OTG/GTCON ESTATAIS N 04 Cessão de Bens TERMO DE APROVAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA GERAL OTG/GTCON ESTATAIS Nº 04 Cessão de Bens O Grupo de Trabalho de Procedimentos Contábeis de

Leia mais

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO

1. DA AUTORIZAÇÃO 2. DO OBJETO MINISTÉRIO DAS COMUNICAÇÕES SECRETARIA DE INCLUSÃO DIGITAL AVISO DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 02, DE 4 DE OUTUBRO DE 2012 PROGRAMA COMPUTADORES PARA INCLUSÃO A União, por intermédio da Secretaria de Inclusão

Leia mais

São Paulo, 23 de outubro de 2015.

São Paulo, 23 de outubro de 2015. À Excelentíssima Senhora Izabella Mônica Vieira Teixeira Ministra de Meio Ambiente da República Federativa do Brasil Esplanada dos Ministérios, Bloco B, Brasília DF CEP: 70068 900 Senhora Ministra São,

Leia mais

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas

UGE Unidade de Gestão Estratégica Área de Estudos e Pesquisas Pesquisa Setorial Meios de Hospedagem Sebrae em em Goiás Goiás Conselho Deliberativo Conselho Deliberativo Marcelo Baiocchi Carneiro Marcelo Baiocchi Carneiro Presidente Presidente Diretoria Executiva

Leia mais

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2014 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário

Leia mais

BB Fundo de Investimento Imobiliário Progressivo

BB Fundo de Investimento Imobiliário Progressivo Proposta para BB Fundo de Investimento Imobiliário Progressivo Valoração de Imóvel P.VAL.WG.016/12 12 de Abril de 2012 Apresentado por: Luis G. S. Mayor Diretor T. +55 11 5185-4684 F. +55 11 5185-6947

Leia mais

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM

REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM REGULAMENTO DE INSTALAÇÃO, EXPLORAÇÃO E FUNCIONAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS DE HOSPEDAGEM A Câmara Municipal de Óbidos, sob proposta do seu Presidente, no uso das competências que lhe são conferidas por

Leia mais

2ª Convenção de Planejamento Estratégico 26/05/15

2ª Convenção de Planejamento Estratégico 26/05/15 2ª Convenção de Planejamento Estratégico 26/05/15 Participantes MISSÃO E VISÃO CIEAM MISSÃO E VISÃO MISSÃO: Fortalecer, integrar e promover o desenvolvimento da Indústria do Estado do Amazonas, contribuindo

Leia mais

Tipo de Documento: Documentos do SGQ Data de Emissão: 25/08/2010 Data de revisão: 12/01/2016

Tipo de Documento: Documentos do SGQ Data de Emissão: 25/08/2010 Data de revisão: 12/01/2016 Página 1 de 8 EDITAL Nº 02/2016 A INCIT - Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá torna público que estarão abertas às inscrições para o processo seletivo de novas startups para o Programa

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO

PROGRAMAS E PROJETOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO º PROGRAMAS E S PARA O DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO PÓLO DO CANTÃO Programa de utilização sustentável dos atrativos turísticos naturais Implementação do Plano de Manejo do Parque do Cantão Garantir

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES. O que é PROINFO?

PERGUNTAS FREQUENTES. O que é PROINFO? PERGUNTAS FREQUENTES O que é PROINFO? O Programa Nacional de Tecnologia Educacional (ProInfo) é um programa educacional criado pela Portaria nº 522/MEC, de 9 de abril de 1997, para promover o uso pedagógico

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS SOBRE CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO São Carlos 03 de junho de 2005 UFSCAR NIT

CICLO DE PALESTRAS SOBRE CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO São Carlos 03 de junho de 2005 UFSCAR NIT CICLO DE PALESTRAS SOBRE CICLO DE PALESTRAS SOBRE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO São Carlos 03 de junho de 2005 UFSCAR NIT INFORMAÇÃO PARA A QUALIDADE NO CONTEXTO DA TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA TIB Graça

Leia mais

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço

Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço Instrumentos de ação: Sistema de Produto-Serviço ou Product-Service System (PSS) ÁUREA RAPÔSO Doutoranda em Engenharia Industrial (PEI/UFBA) Professora e Pesquisadora do IFAL Campus Maceió Bolsista CAPES

Leia mais

27 e 28. Abril LICITAÇÕES E CONTRATOS NA VISÃO DO TCU E DOS TRIBUNAIS SUPERIORES. LOCAL: Belo Horizonte - MG

27 e 28. Abril LICITAÇÕES E CONTRATOS NA VISÃO DO TCU E DOS TRIBUNAIS SUPERIORES. LOCAL: Belo Horizonte - MG 27 e 28 Abril LOCAL: Belo Horizonte - MG LICITAÇÕES E CONTRATOS NA VISÃO DO TCU E DOS TRIBUNAIS SUPERIORES LICITAÇÕES E CONTRATOS NA VISÃO DO TCU E DOS TRIBUNAIS SUPERIORES Descrição do objeto: qualidade

Leia mais

PROGRAMAÇÃO APRESENTAÇÃO MODALIDADE ORAL 13/11/2014 5ª feira SALA: B17 GRUPO DE TRABALHO: ADMINISTRAÇÃO/ RECURSOS HUMANOS

PROGRAMAÇÃO APRESENTAÇÃO MODALIDADE ORAL 13/11/2014 5ª feira SALA: B17 GRUPO DE TRABALHO: ADMINISTRAÇÃO/ RECURSOS HUMANOS 13/11/2014 5ª feira SALA: B17 / RECURSOS HUMANOS O USO DAS REDES SOCIAIS PARA FINS PESSOAIS NO AMBIENTE DE TRABALHO: UMA PESQUISA DE OPINIÃO Naraiane Leni Pereira 19h10 ECOCARE UM ESTUDO SOBRE A VIABILIDADE

Leia mais

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS

III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO COSTA DAS DUNAS 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-070 - GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS GERADOS PELA REDE HOTELEIRA DO PÓLO DE TURISMO

Leia mais

Proposta de Otimização da Gestão e dos Recursos Financeiros do Turismo

Proposta de Otimização da Gestão e dos Recursos Financeiros do Turismo Proposta de Otimização da Gestão e dos Recursos Financeiros do Turismo A Administração Pública vem passando por processos de modernização em busca da otimização de recursos e melhoria do desempenho público.

Leia mais

Faculdade Monteiro Lobato

Faculdade Monteiro Lobato RELATÓRIO AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2015 Porto Alegre, fevereiro de 2016 I DADOS E APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO Nome/ Código da IES: SOCIEDADE EDUCACIONAL MONTEIRO LOBATO / 2198 Caracterização de IES: Instituição

Leia mais