FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE DO FLUXO DE HOSPEDAGEM EM UMA POUSADA NO INTERIOR DE SÃO PAULO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE DO FLUXO DE HOSPEDAGEM EM UMA POUSADA NO INTERIOR DE SÃO PAULO"

Transcrição

1 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE DO FLUXO DE HOSPEDAGEM EM UMA POUSADA NO INTERIOR DE SÃO PAULO CRISTINA APARECIDA AVONA BRIZOLA SOCORRO 2012

2 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CONTROLE DO FLUXO DE HOSPEDAGEM EM UMA POUSADA NO INTERIOR DE SÃO PAULO Aluno: CRISTINA APARECIDA AVONA BRIZOLA Orientadores: Profª. Ms. Claudia Cobêro Prof. Ms. Laszlo Peter Andras Urmenyi Trabalho de Conclusão de Curso apresentado a Faculdade XV de Agosto como um dos prérequisitos para a obtenção do grau de bacharel em Administração. SOCORRO 2012

3 Dedico este trabalho a Deus, a toda minha família e a todas as pessoas que fazem parte da minha vida e em especial àquelas que tenho certeza que me querem bem!

4 AGRADECIMENTO Primeiramente agradeço a Deus por ter me dado saúde, persistência e sabedoria para que pudesse conclui assim, com muita satisfação, este trabalho e o curso de administração de empresas. Agradeço também a todos os professores da instituição onde consegui absorver um imenso conteúdo didático que só poderia ter resultado do esforço e dedicação de todos estes profissionais. De modo muito especial, quero agradecer a Professora Ms. Cláudia Cobêro, que se mostrou mais do que uma professora, logo uma grande amiga que me orientou e me mostrou não o que eu queria ouvir, mas sim o que era necessário ouvir contribuindo assim, para o meu desenvolvimento pessoal, sem falar que, ela não mediu esforços para a contribuição do trabalho realizado. Uma pessoa que conquistou minha amizade e admiração e, não posso deixar de agradecer, é o Mestre e Professor Laszlo Peter Andras Urmenyi, onde contribuiu demais para o desenvolvimento acadêmico e realização deste trabalho. É, e será sempre, um grande Amigo e exemplo de pessoa e de profissional que acreditou em mim e esteve ao meu lado durante todo o curso, onde o meu crescimento resultou também dos ensinamentos e das orientações deste grande profissional. Por fim, quero agradecer ainda, a todos que estiveram comigo nesses anos, se mostrando parceiros e amigos em que, de alguma forma, contribuíram para a realização deste trabalho.

5 "Os mais inesquecíveis encontros, já foram programados sem mesmo que os corpos se vissem".

6 RESUMO O presente trabalho trata de métodos e ferramentas necessárias no desenvolvimento e implantação do Sistema de Informações para o controle do fluxo de hospedagens efetuadas em uma empresa do ramo hoteleiro. A empresa está sediada no interior de São Paulo, cujo trabalho abrange desde os cadastros básicos de referência até a contabilidade de serviços como: CheckIn e CheckOut que são visualizados através da emissão de relatórios. O objetivo deste trabalho foi desenvolver um sistema de informação que servisse de apoio administrativo às atividades rotineiras do hotel analisado. Para tanto, no desenvolvimento do sistema foi preciso conhecer a política de serviços da empresa e realizar a coleta de informações necessárias a respeito do ambiente que recebeu o sistema. Tendo em mãos todos os elementos solicitados foi possível recorrer aos recursos benéficos da Modelagem de Dados apoiada em técnicas atuais de Integridade Relacional que fornece um modelo gráfico mostrando a amplitude e complexidade do sistema. Após a implantação, os colaboradores passaram por um adequado treinamento para utilização do sistema. Além de conferir maior agilidade no atendimento aos hóspedes, o sistema proporcionou confiabilidade e segurança nas informações obtidas, sem falar que, ele se tornou um forte auxiliador nas atividades de gerenciamento estratégico.

7 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO Empresa Analisada REFERENCIAL TEÓRICO Conceitos de sistema Conceitos de Informação Conceitos de Sistemas de Informações Gerenciais Componentes e Recursos do Sistema de Informação Gerencial Conceitos de Modelagem de Dados Conceitos de Banco de Dados Desenvolvimento de Sistemas de informações Ferramenta de Desenvolvimento METODOLOGIA Desenvolvimento de Sistema Implantação do Sistema RESULTADOS E ANÁLISE DOS RESULTADOS CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

8 7 1 - INTRODUÇÃO A expansão mundial da economia trouxe como resultado o fenômeno hoje bastante conhecido por globalização, que nada mais é de que um universo de diversidades, onde tem sido cada vez mais integrado pela agilidade dos avanços tecnológicos, cujos promovem a chegada da informação até as Organizações. Hoje o que mais importa não é a quantidade de dados que a Organização detém, e sim, a rapidez com que esses dados cheguem juntamente com a rapidez em convertê-los em informações objetivas e eficientes. É neste cenário que as Organizações devem estar alinhadas para atender e responder prontamente aos clientes e fornecedores, aonde a área de TI vem ao encontro disto, com todos os seus recursos e atributos, de maneira a atender o que é solicitado, com isso, garantirá credibilidade, transparência, vantagens competitivas e o alcance de metas. No âmbito das organizações do ramo hoteleiro a incorporação de software na execução de suas tarefas vem crescendo a cada ano, afinal tais organizações estão percebendo que suas atividades realmente precisam ser mais velozes a fim de atender seus clientes e seus fornecedores. Todavia, uma maneira de organizar e agilizar estas atividades é necessário recorrer a ferramentas destinadas justamente a este fim. Em virtude disso, a criação de software consegue suprir essa necessidade, mostrando assim, que é possível proporcionar um ambiente que organize os dados e que acelere as atividades o que aperfeiçoa todo o processo. Alem do mais, convém dissertar que a importância de software nos hotéis encontra-se na segurança dos dados armazenados e na capacidade de processá-los simultaneamente, resultando na disponibilidade das informações demandadas. Assegurando, antes de tudo, a qualidade, a competitividade, redução de custos e, inclusive, a satisfação dos desejos dos clientes, que são a verdadeira razão dos hotéis. Partindo deste quadro de necessidades, foi realizado um estudo para o desenvolvimento e implantação de um sistema de informação em uma pousada. O presente trabalho teve a finalidade de analisar o seguinte problema de pesquisa: Quais as possíveis ferramentas para obter o controle do fluxo de hospedagem na pousada analisada? E teve por objetivo desenvolver um sistema de informação para controle do fluxo de hospedagem, onde forneça informações em tempo real o que facilita a administração dos dados desde as entrada (check-in) até a saída (check-out) dos hóspedes, visando assim, maior agilidade, confiabilidade, padronização e segurança no controle de fluxo de hóspedes.

9 8 1.1 Empresa Analisada A empresa analisada é uma pousada, de pequeno porte e localizada no interior do Estado de São Paulo. Inaugurada há poucos meses, mais precisamente, no início do mês de março deste ano. Com somente um proprietário e com quatro colaboradores, além de outros funcionários contratados temporariamente. Possui 12 chalés e com capacidade de receber 46 hospedes. O marketing desta empresa prestadora de serviços é promovido por diversas mídias tais como: internet, radio, jornais da cidade e em pontos de referência de pousadas presentes na região. O objetivo da empresa é satisfazer sempre os hospedes, promovendo assim, o bem estar tanto dos hospedes como, e inclusive, dos colaboradores que são à base da empresa e, que precisam de todo respaldo para exercer suas tarefas com eficácia. Com isso, percebendo, já de início, uma deficiência no processo de hospedagem e uma nítida dificuldade em organizar, e armazenar com segurança, todos os dados necessários para o processo de hospedagem. O proprietário viu que a solução estava nos recursos e benefícios oferecidos pela tecnologia da informação.

10 9 2 - REFERENCIAL TEÓRICO Este capítulo irá abordar as teorias e conceitos relevantes, baseados em pesquisas de autores e obras referentes ao tema, utilizados no desenvolvimento deste estudo Conceitos de Sistema Conforme Oliveira D. (2004), o sistema pode ser definido como um conjunto de partes interagentes e interdependentes que, em conjunto, formam um todo unitário com determinado objetivo e efetuam determinada função. Assim sendo, na próxima figura são visualizados os componentes de um sistema e, em seguida, a explicação de cada um deles. Figura1: Componentes de um sistema Fonte: Oliveira, D (2004, p.24) Objetivos: se referem tanto do usuário como do próprio sistema, ou seja, é a finalidade para qual o sistema foi criado; Entradas: é a informação bruta (os dados) que o sistema precisará no processamento em si, atingindo assim a sua função pré-determinada; Processamento: é o processo de transformação, tem a colocação de transformar um dado (entradas) em um produto, serviço ou resultado (saída); Saídas: são os resultados do processamento, isto é, aquilo que o usuário solicitou do sistema;

11 10 Controle de avaliação: como o nome já diz, é onde verifica se as saídas estão coerentes com os objetivos estabelecidos e; Retroalimentação: é a forma de controlar os resultados da saída através de um retorno e uma modificação da entrada, dessa forma, quando for necessário obter uma nova informação na saída basta modificar os dados que alimentam a entrada, reduzindo assim ao mínimo as discrepâncias e tornando o sistema cada vez mais regulador daquilo que solicita. Já para Bio (2008), a palavra sistema envolve diversos tipos de ideias, em que se pode pensar em sistema solar ou ainda, ver o corpo humano como um sistema. Também é citado que, diariamente depara-se com sistemas como, o de transporte, de comunicação, o sistema econômico etc. Em fim, é considerado sistema para ele, um conjunto de elementos interdependentes ou partes que interagem formando assim, um todo organizado. Todavia existem dois tipos de sistema: sistema fechados, como relógio e, sistema abertos, como sistemas biológicos - homem. É de suma importância apresentar ainda, que os sistemas dependem de recursos e tecnologia para o seu desempenho. Sendo assim, é um conjunto organizado de pessoas, hardware, software, redes de comunicação e recursos de dados onde coleta, transforma e distribui as informações pelos departamentos da organização. (O BRIEN, 2004) Conceitos de Informação Inicialmente, torna-se essencial conceituar os elementos que conduzem as empresas nos seus negócios. De acordo com Bazzotti e Garcia (2012), existem dois elementos fundamentais para a tomada de decisões: os canais de informação e as redes de comunicação, ou seja, é através dos canais de informação que as organizações definem de onde serão adquiridos os dados, e serão as redes de comunicação que definirão para onde os dados serão encaminhados. Conforme a abordagem de Cassarro (1999), a informação é a matéria prima e produto acabado da atividade de sistemas, onde ela sendo adequadamente estruturada contribui, significativamente, para o bom comportamento nas tomadas de decisões da empresa. Cassarro mostra ainda, o conceito genérico da informação, onde pode ser entendida

12 11 como: atos ou fatos, no entanto a informação só se torna válida se estes atos ou fatos forem comunicado. Para melhor compreensão é necessário explanar outro conceito: a informação, como um todo, é um recurso vital da empresa quando devidamente estruturada entre os departamentos administrativos. A informação não pode ser confundida com dado, pois o dado é qualquer elemento identificado, onde isolado não conduz a compreensão de certa situação. Todavia a informação é considerada um dado trabalhado, ou melhor, dizendo, é o resultado da análise desses dados que, por sua vez, influencia no comportamento da empresa. (OLIVEIRA D. 2004) Sistemas de Informações Gerenciais Para Melo (2006), sistema de informação nada mais é do que todo e qualquer sistema que tem informações como entrada recursos lógicos, visando gerar outras informações de saída, lembrando que, há expectativa de se obter tais informações corresponde ao objetivo geral do sistema e, ainda, tem que satisfaz determinadas necessidades do usuário, orientando assim as suas futuras decisões. Segundo a abordagem de Cassarro (1999, p. 52), um sistema de informação é composto por um conjunto de dados que entram no sistema e outros conjunto de dados mantidos em tabelas e sobre os quais se aplica uma rotina de trabalho, um programa, um processamento de modo a obtermos informações de saída. É considerado sistema de informação gerencial um conjunto de pessoas, equipamentos, procedimentos, documentos e comunicações que coleta, valida, executa operações, transforma, armazena, recupera e mostra informações para serem utilizadas e usadas no planejamento, orçamento, contabilidade e em outros processos gerenciais, o que garante a tomada da empresa (SCHWARTZ, 1970, apud OLIVEIRA D. 2004). Oliveira D. ainda frisa que, Sistema de Informações Gerenciais (SIG) é todo processo de transformação de dados em informações que, posteriormente, terão influência na estrutura decisória da empresa, promovendo assim, a sustentação administrativa a fim de aperfeiçoar e otimizar os resultados esperados. Ressalvando que, o objetivo é fornecer suporte

13 12 para as funções de planejamento, controle e operação da organização, através da disponibilidade de informações no tempo adequado para orientar o tomador de decisões. Muitas organizações veem o sucesso dos sistemas de informações na eficiência da redução de custos, no menor tempo utilizado e no uso dos recursos da informação. Contudo, O Brien (2004) afirma que, o seu bom desempenho deve ser medido pela eficácia da tecnologia da informação no apoio às estratégias administrativas, na capacidade de seus processos empreendedores, no reforço das operações organizacionais e na ampliação do valor comercial da empresa. Os profissionais de TI (Tecnologia da Informação) juntamente com os Sistemas de Informações Gerenciais são de grande importância para as organizações, no que diz respeito às mudanças da economia global e das empresas comerciais, afinal proporcionam o impulso das atividades diárias e fundamentam os novos produtos e serviços baseados em economias de conhecimento. Portanto, as organizações tornam-se cada vez mais competitivas e eficientes, transformando-se em empresas digitais, em que quase todos os processos de negócios e relacionamentos com clientes, fornecedores e colaborados são habilitados digitalmente (LAUDON e LAUDON, 2004). E, o conceito de Bazzotti e Garcia (2012), as diversas formas de atuação dos sistemas de informação permitem que as empresas conheçam o seu potencial interno, e fiquem preparadas para atuar no meio externo e sobreviver aos incessantes ataques do mercado competitivo Componentes e Recursos do Sistema de Informação Gerencial Para ajudar a compreender melhor como funciona um sistema de informação gerencial é preciso saber quais são os componentes e recursos que ele necessita para a sua execução. Para tanto, figura 2 ilustra um modelo de sistema de informação, onde destaca as relações entre os seus componentes e as suas atividades em concordância com seus recursos principais.

14 13 Figura 2: Componentes e recursos do sistema de informação gerencia Fonte: O Brien (2004, p.20) Como mostra a imagem, O Brien (2004) explica que todos os sistemas de informação utilizam recursos humanos, de hardware, software, dados e rede para executar atividades de entrada, processamento, saída, armazenamento e controle que transformam os recursos de dados em produtos de informação. Recursos Humanos: Especialistas (analistas de sistemas, programadores, operadores de computadores) e Usuários (todos os demais que utilizam o sistema); Recursos de Hardware: Máquinas (computadores, monitores de vídeo, unidades de disco magnético, impressoras, scanners óticos) e Mídias (CD, DVD, pen drives, cartões de plásticos, formulários de papel); Recursos de Softwares: Programas (sistemas operacionais, planilhas eletrônicas, programas de processamento de textos e folhas de pagamentos) e Procedimentos (entrada de dados, correção de erros e distribuição de contracheques); Recursos de Dados: Descrição de produtos, cadastro de clientes, arquivos de colaboradores e banco de dados;

15 14 Recursos de Rede: Meios de comunicação (internet, intranets e extranets); Conceitos de Modelagem de Dados De acordo com Laudon e Laudon (2004), para criar um banco de dados há necessidade, antes de tudo, o desenvolvimento de um projeto de bancos de dados, em outras palavras modelagem de dados, em que se divide em dois tipos de exercício: um projeto conceitual e um projeto físico. Na perspectiva empresarial o projeto conceitual ou lógico é um modelo abstrato do banco de dados, onde requer uma descrição detalhada das informações que o usuário final precisará para realização de suas atividades. Já, o projeto físico apresenta a forma física como os dados que são armazenados. O projeto conceitual do banco de dados descreve como os elementos deverão ser agrupados, os quais são organizados, refinados e simplificados até surgir uma visão lógica das relações entre todos os elementos do banco de dados. Para isso, os projetistas utilizam o Diagrama de Entidade de Relacionamento (DER) que é a representação gráfica do banco de dados, onde ilustra as tabelas (grupo de elementos) e as suas relações internas. As tabelas internas dos sistemas de gerenciamento de dados além de serem classificadas por assunto, devem ser projetadas de maneira específica e pré-determinada a fim de fornecer aos usuários finais o fácil e rápido acesso, otimizando assim, o uso da disponibilidade de informações no banco de dados. (BEAL, 2004). Com relação ao ponto de vista de O Brien (2004), a estrutura de dados se estrutura nas relações que existem entre muitos registros individuais do banco de dados que são baseados em diversos modelos lógicos. Por ser um modelo orientado ao objeto, existe a possibilidade de serem automaticamente criados novos objetos (tabelas filho) mediante a herança de algumas ou todas as informações obtidas do objeto pai (tabelas pai), isso se dá através da presença de chaves de relacionamento entre tabelas (chaves indexadoras). Por exemplo: para a tabela de conta corrente (tabela filho) mostrar o extrato mensal precisa herdar alguns atributos (informações) da tabela de conta bancária (tabela pai), como: de qual cliente se trata, quais operações foram efetuadas em determinado período, o saldo, juros etc.

16 15 Além disso, Oliveira D. (2004) considera modelagem de dados sendo um modelo de representação abstrata e simplificada do sistema, cuja função é explicar e testar o comportamento do mesmo, em seu todo ou em partes. Tendo como objetivo básico obter uma ideia preliminar e geral do volume e da complexidade do projeto em desenvolvimento e da implementação do sistema de informação gerencial na empresa Conceitos de Banco de Dados Um banco de dados é visto como um repositório digital de dados, onde os aplicativos podem consultar e moldar informações através de chaves indexadoras e relacionamentos entre tabelas internas. Os dados armazenados no banco de dados são independentes dos programas aplicativos que os utilizam e também do tipo de dispositivos de armazenamento secundário nos quais são armazenados. (O BRIEN, 2004). Banco de dados é uma coleção organizada de dados e informações que pode atender as necessidades de muitos sistemas, com um mínimo de duplicação, que estabelece relações naturais entre dados e informações (OLIVEIRA D. 2004, p. 57). Para Cassarro (1999), o conceito banco de dados é como uma reunião, um agrupamento de dados inter-relacionados, baseados em uma estrutura lógica previamente definida, facilitando assim, o acesso às informações por parte um ou vários sistemas, simultaneamente. Os bancos de dados podem ser organizados em duas formas: hierarquicamente ou relacionalmente. Os bancos de dados hierárquicos mantém uma estrutura de dados organizados conforme uma hierarquia da empresa cuja consulta de informações apenas ocorrerá descendo (de cima para baixo) ou subindo (de baixo para cima) a hierarquia. Teoricamente se consegue armazenar mais dados neste tipo de banco de dados, no entanto, o tempo de acesso às informações é consideravelmente mais demorado. Já os bancos de dados relacionais, permitem acessos mais rápidos e com maior facilidade, por sua vez são os que mais atendem o mercado. Com base na teoria de Bio (2008), a moderna tecnologia da informação permite os bancos de dados nas empresas arquivarem dados sobre diversas operações em grande volume, alta velocidade de atualização e recuperação e por meio de acesso aleatório. Em síntese, o

17 16 banco de dados, pode ser entendido também como uma coleção de arquivos estruturados, e não redundantes que proporciona uma fonte única de dados para uma variedade de aplicações. Além disso, os Softwares de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) contemplam funções que visam garantir a segurança e recuperação de dados. Um SGBD, como o próprio nome diz, auxilia o usuário a gerenciar o banco de dados através de ferramentas para o conjunto de dados que constitui e preenche a base de dados, bem como a manipulação de seu conteúdo através de consultas, a atualização de dados e a geração de relatórios, que se dá pela padronização de banco de dados (SQL Structured Query Language), em outros termos, SGDB servem como interface entre o usuário e o banco de dados. Outra tarefa do SGBD é permitir apenas acesso autorizado aos dados, onde os usuários são cadastrados junto ao SGBD e têm acesso protegido por senhas, em que certos dados são acessíveis somente a determinada categoria de usuários, enquanto outros, a outra categoria. Além disso, o SGBD promovem recursos para backup da base de dados em meio magnético off-line, assim como sua recuperação posterior. (GUIMARÃES, 2003) Desenvolvimento de Sistemas de Informações Quando os sistemas são projetados com base na análise de requisitos de informação de uma organização, é chamado de desenvolvimento de sistemas ou desenvolvimento de aplicações. Para o desenvolvimento de um sistema de informação é fundamental o mapeamento das necessidades e requisitos de informação, ou seja, identificar e coletar dados a respeito das necessidades dos grupos e indivíduos que integram a organização para que possam ser desenvolvidos produtos orientados especificamente para cada grupo e necessidade. Este mapeamento de necessidades permite planejar com mais eficácia o desenvolvimento de sistemas e garante a resolução do problema certo (BEAL, 2004). Outro conceito envolvido é apresentado por Melo (2006), após a etapa de planejamento, deverão ser realizados testes para cada sub-rotina informatizada, a partir de massas de dados coletados, onde devem ser projetadas saídas correspondentes, a fim de compará-las ao resultado do processamento, assegurando dessa forma a validade do sistema.

18 17 Além disso, devem-se desenvolver especificações para os recursos de hardware, software, pessoal, rede e dados e os produtos de informação que atendem os requisitos funcionais do sistema proposto (O BRIEN, 2004). A etapa da implantação é o período de maior movimentação e requer a maior atenção. Na ocorrência de uma falha qualquer, em um dos passos da implantação, deve-se examinar qual é a extensão do problema, para que não se deixe de tomar providências com relação aos reflexos causados no ambiente (MELO, 2006). No contexto da implantação é preciso dar ênfase ao treinamento dos colaboradores, onde são emitidos e divulgados normas de procedimentos para cada área e nível de responsabilidade e, também, são executadas simulações de atividades operacionais, a fim consolidar o treinamento. Já com o sistema implantado e com o pessoal utilizando-o devidamente na execução de suas tarefas, devem ser emitidos manuais de procedimentos, em sua versão final, e toda a responsabilidade pela execução do sistema passará para as respectivas áreas usuárias, pois o computador é apenas um meio que serve a empresa para solução de seus sistemas, cabendo às áreas à responsabilidade pela a execução dos mesmos. Cassaro (1999), conclui dizendo que quanto melhor tiver sido o plano elaborado para execução da implantação e o treinamento dos colaboradores melhores serão os resultados da implantação e menor será o trabalho de acerto e concretização de procedimento. Tento o sistema implantado e funcionando normalmente, é preciso utilizar um processo de revisão pós-implantação para minitorar, avaliar e modificar o sistema conforme for necessário promovendo assim, melhorias no mesmo. Dessa forma, os objetivos da manutenção do sistema de informações são: comprovar a veracidade das informações e prevenir fraudes, localizar e corrigir erros e desperdícios brotados das mudanças do ambiente - mercado (BIO, 2008). Os frutos do desenvolvimento de sistemas podem ser extraordinariamente abundantes e variados. Acontece que, na maioria das vezes, esses frutos são avaliados somente no aspecto de redução de custos. Todavia sua avaliação deve ser completa, que abranja a melhoria da qualidade das informações, o aumento da eficiência da organização e no aperfeiçoamento dos mecanismos de controle e da imagem da empresa.

19 Ferramenta de Desenvolvimento Segundo O Brien (2004), as ferramentas de desenvolvimento de sistemas permitem que o programador encontre possíveis falhas no período de desenvolvimento, alem disso, essas ferramentas proporcionam um ambiente de desenvolvimento assistido pelo computador, onde seu objetivo é abrandar os esforços de programar e aumentar a produtividade do programador. Para o desenvolvimento do presente sistema foi empregado a ferramenta de desenvolvimento Clarion 5.5 Enterprise Edition, que pertence a classe de linguagens orientada ao objeto, reforçando o que foi textualizado anteriormente, tal linguagem apresenta maior facilidade no seu uso e eficiência nos resustados, além de promover a reutilização de objetos que é considerado um dos principais benefícios da programação orientada a objetos (CLARION 5.5, 2004). Clarion é uma ferramenta CASE/RAD (Rapid ApplicationDevelopment) da SoftVelocity, a qual sendo uma grande e poderosa ferramenta no desenvolvimento de aplicações clássicas do banco de dados. Suas aplicações são produzidas em 16 ou 32 bits, para Windows e suas versões, onde é tolerado pelo mesmo código fonte, e que ainda, pode acessar qualquer base de dados. Sem falar que é um ambiente de múltiplas linguagens que suporta C/C++, Módula-2, Clarion e Assembler (CLARION, 2012). Com o Clarion é possível distribuir a aplicação com um enxuto e simples executável já preparado para qualquer tipo de rede. Outro diferencial é o modo como favorece a produtividade do desenvolvedor, o que evita ao máximo a necessidade de codificação. Devido à tecnologia de teamplates programáveis, o Clarion permite que o desenvolvedor crie ao mesmo tempo, a inteface gráfica e a funcionalidade de sua aplicação. Explanando que os templates são uma série de modelos prontos e pré-testados que definem o código-fonte a ser gerado para programar as mais diversas funcionalidades que são requeridas por uma aplicação típica de acesso a bancos de dados.

20 19 3 METODOLOGIA A pesquisa realizada para executar este trabalho foi a Pesquisa exploratória, que segundo Oliveira S. (2004): é a ênfase dada à descoberta de praticas ou diretrizes que precisam modificar-se na elaboração de alternativas que possam ser substituídas Desenvolvimentos do sistema Para o desenvolvimento do sistema foram efetuadas reuniões com o proprietário, coletando, dessa maneira, informações necessárias sobre as rotinas de funcionamento e sobre as dificuldades vivenciadas pela empresa, tendo por finalidade obter o cadastro de hospedes e o cadastro das reservas de hospedagem realizados pela empresa. A partir dessas informações foi feita a modelagem de dados, que nada mais é do que uma forma ilustrativa do projeto a ser desenvolvido, com o propósito de estabelecer regras de reacionamentos e definir o seu conteúdo informacional. Ressalvando que modelagem de dados é a criação do Diagrama Entidade Relacionamento, onde podemos visualizar as tabelas, seus respectivos campos, relacionamentos e índices. O Diagrama Entidade Relacionamento DER, foi desenvolvido com o apoio de uma ferramenta de modelagem - o software Dia Portable, é um programa com download gratuito compatível com o Sistema Operacional Windows, e que permite a criação de diagramas e fluxogramas. Com ele foi possível obter uma visão espacial das tabelas, seus respectivos campos e relacionamentos, conforme mostra a figura 3 abaixo:

21 20 Figura 3: Diagrama Entidade Relacionamento. Fonte: Dados de pesquisa elaborados pelo autor. Após a criação do Diagrama Entidade Relacionamento, foi adotado um driver de dados do tipo ISAM (Indexed Sequential Access Method), e TopSpeed Database file system, um driver de dados de alta performance e alta segurança, compatível com o Clarion, ferramenta escolhida para o desenvolvimento da aplicação. A linguagem Clarion 5.5 Interprise Edition distribuída pela empresa Soft Velocity, foi escolhida por ter sido utilizada no curso de graduação. Trata-se de uma linguagem de desenvolvimento de sistemas que emprega tecnologia de ponta. Criado em 1983, seu mérito atual principal é a capacidade de criar executáveis compilados extremamente pequenos e velozes, pois o compilador converte a peça final C++, onde é uma das linguagens mais velozes e eficientes que se conhecem atualmente. Por ser uma linguagem Orientada ao Objeto, as peças do programa criado são obtidas e combinadas na forma de edição de imagens. Essas imagens geram automaticamente o código analítico responsável pela existência da aplicação, onde vale a reciprocidade de montar objetos para obter códigos, ou escrever códigos de programação para obter objetos funcionais. Sem falar que, o Clarion é um software totalmente profissional, capaz de produzir executáveis autônomos mediante a compilação dos objetos, isto é, tanto em redes locais como em grandes aglomerados de redes a execução do aplicativo ocorre normalmente,

Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia.

Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia. Gestão e Tecnologia para o Controle de Vendas em uma Pequena e Média Malharia. Alceu Antonio da Costa alceuacosta@gmail.com FAQ Claudia Cobero claudia.cobero@terra.com.br FAQ Resumo:: O trabalho apresenta

Leia mais

Sistema de Informação para Realização de Orçamentos de Mão de Obra em uma Construtora

Sistema de Informação para Realização de Orçamentos de Mão de Obra em uma Construtora Sistema de Informação para Realização de Orçamentos de Mão de Obra em uma Construtora Tadeu Donizete Sacco helpmaryhelp@ig.com.br FAQ Luiz Antônio Fernandes prof.luiz@faculdadexvdeagosto.edu.br FAQ Claudia

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Conceitos de Sistemas de Informação

Conceitos de Sistemas de Informação Conceitos de Sistemas de Informação Prof. Miguel Damasco AEDB 1 Objetivos da Unidade 1 Explicar por que o conhecimento dos sistemas de informação é importante para os profissionais das empresas e identificar

Leia mais

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAR CADASTRO DE CLIENTES E FICHA DE ANÁLISE EM UM BALNEÁRIO NO INTERIOR DE SÃO PAULO

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAR CADASTRO DE CLIENTES E FICHA DE ANÁLISE EM UM BALNEÁRIO NO INTERIOR DE SÃO PAULO FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAR CADASTRO DE CLIENTES E FICHA DE ANÁLISE EM UM BALNEÁRIO NO INTERIOR DE SÃO PAULO JEAN EDUARDO QUESSADA SOCORRO 2012 FAQ- FACULDADE XV DE

Leia mais

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET

ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET AULA 02 ASSUNTO DA APOSTILA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E AS DECISÕES GERENCIAIS NA ERA DA INTERNET JAMES A. O BRIEN CAPÍTULO 01 continuação Páginas 03 à 25 1 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO Especialistas

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Sistemas e Sistemas de Informação

Sistemas e Sistemas de Informação Sistemas e Sistemas de Informação 1) Defina pensamento sistêmico. É pensar na empresa como um sistema. A empresa não é vista como um conjunto de partes independentes, buscando alcançar objetivos isolados,

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

Visão Geral dos Sistemas de Informação

Visão Geral dos Sistemas de Informação Visão Geral dos Sistemas de Informação Existem muitos tipos de sistemas de informação no mundo real. Todos eles utilizam recursos de hardware, software, rede e pessoas para transformar os recursos de dados

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 1-13 1-13 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Ponta Grossa ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Ponta Grossa 2012 ANDRÉ LUIS CORDEIRO DE FARIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO Trabalho elaborado pelo

Leia mais

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula

Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Faculdade Pitágoras de Uberlândia Pós-graduação Sistemas de Informação Gerenciais Primeira Aula Prof. Me. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br Maio -2013 Bibliografia básica LAUDON,

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE

INTRODUÇÃO REQUISITOS TECNOLÓGICOS E DE AMBIENTE INTRODUÇÃO Na intenção de realizar um novo sistema financeiro para a gestão de recursos de convênios celebrados pela Academia Brasileira de Ciências, o setor de informática juntamente com o setor financeiro

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação

Estratégias em Tecnologia da Informação Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 6 Sistemas de Informações Estratégicas Sistemas integrados e sistemas legados Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados Material de apoio 2 Esclarecimentos

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.

VESOFTWARE - DESENVOLIMENTO DE SISTEMAS E WEBSITES Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com. Fone: (11) 4036-6980 VIVO(11)9607-5649 TIM(11)7013-8480 www.vesoftware.com.br 1-15 INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior,

Leia mais

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização.

MACROPROCESSOS É um conjunto de processos que correspondem a uma função da organização. GESTÃO POR PROCESSOS Prof. WAGNER RABELLO JR PROCESSO Conjunto de recursos e atividades interrelacionadas que transforma insumos (entradas) em serviços ou produtos (saídas); GESTÃO DE PROCESSO OU GESTÃO

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS 1/38 DOCUMENTO DE REQUISITOS GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Versão 1.1 Identificação do Projeto CLIENTE: NOME DO CLIENTE TIPO DO SISTEMA OU PROJETO Participantes Função Email Abilio Patrocinador

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E-

COMERCIAL) 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. E- 2014 ÍNDICE 1. Cadastros básicos 2. Módulos básicos (Incluso em todas as versões) CMC BASE 3. Agenda 4. Arquivos 5. Empresas ou Cadastros de empresas 6. Pessoas ou cadastro de pessoas 7. Módulos que compõem

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas UNIDADE 4. Introdução à Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas 4.1 Motivação Sistemas de Informação são usados em diversos níveis dentro de uma organização, apoiando a tomada de decisão; Precisam estar

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Group Folha no servidor...6

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP

DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP sistema para gerenciamento de instituições de ensino DESCRITIVO TÉCNICO - VERSÃO DESKTOP Nossa Empresa A Sponte Informática é uma empresa brasileira, localizada em Pato Branco, cidade considerada pólo

Leia mais

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas

SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas SISGAP - Sistema Gerenciador de Avaliações Psicopedagógicas Geandré Meller Zacher 1 Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar o projeto SISGAP, que

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Sistemas de Informações. Profº: Daniel Gondim

Sistemas de Informações. Profº: Daniel Gondim Sistemas de Informações Profº: Daniel Gondim 1 Roteiro O que é um sistema de informação. Entrada, processamento, saída, feedback. SI (Manuais e Computadorizados). Tipos de Sistema de Informação e Grupos

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005

SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 SISTEMAS DE GESTÃO São Paulo, Janeiro de 2005 ÍNDICE Introdução...3 A Necessidade do Gerenciamento e Controle das Informações...3 Benefícios de um Sistema de Gestão da Albi Informática...4 A Ferramenta...5

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP

PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP PORTAL DE RELACIONAMENTO GROUP MANUAL DO USUÁRIO Portal de Relacionamento - Manual do usuário... 1 SUMÁRIO 1. Informações gerais... 3 2. Sobre este documento... 3 3. Suporte técnico... 3 4. Visão Geral

Leia mais

Exame de Fundamentos da ITIL

Exame de Fundamentos da ITIL Exame de Fundamentos da ITIL Simulado B, versão 5.1 Múltipla escolha Instruções 1. Todas as 40 perguntas devem ser respondidas. 2. Todas as respostas devem ser assinaladas na grade de respostas fornecida.

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP

Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Solução Integrada para Gestão e Operação Empresarial - ERP Mastermaq Softwares Há quase 20 anos no mercado, a Mastermaq está entre as maiores software houses do país e é especialista em soluções para Gestão

Leia mais

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CADASTRO DE HABITE-SE DE UMA PREFEITURA DE MÉDIO PORTE DENIS CONSTANTINI

FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CADASTRO DE HABITE-SE DE UMA PREFEITURA DE MÉDIO PORTE DENIS CONSTANTINI FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CADASTRO DE HABITE-SE DE UMA PREFEITURA DE MÉDIO PORTE DENIS CONSTANTINI SOCORRO 2010 FAQ- FACULDADE XV DE AGOSTO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA CADASTRO

Leia mais

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br

Sistema. Atividades. Sistema de informações. Tipos de sistemas de informação. Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Sistema Tipos de sistemas de informação Everson Santos Araujo everson@everson.com.br Um sistema pode ser definido como um complexo de elementos em interação (Ludwig Von Bertalanffy) sistema é um conjunto

Leia mais

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação

Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Sistemas de Informação CEA460 - Gestão da Informação Janniele Aparecida Conceitos Sistema de Informação Conjunto de componentes interrelacionados que coletam (ou recuperam), processam e armazenam e distribuem

Leia mais

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software

A R P O BPMN++ MODELER KLUG PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE. Verificar requisitos para instalação. Testar instalação do software A R P O KLUG BPMN++ MODELER PROCESSO PARA DOWNLOAD E INSTALAÇÃO VERSÃO FREEWARE Verificar requisitos para instalação Iniciar procedimento de instalação Executar procedimento de instalação Efetuar primeiro

Leia mais

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária

Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Sistema de informação para controle de vendas em imobiliária Acadêmico: Diego Vicentini Orientador: Prof. Paulo R. Dias FURB Universidade Regional de Blumenau Julho/2007 Roteiro da apresentação Introdução

Leia mais

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02

ArpPrintServer. Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 ArpPrintServer Sistema de Gerenciamento de Impressão By Netsource www.netsource.com.br Rev: 02 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DO SISTEMA... 3 REQUISITOS DE SISTEMA... 4 INSTALAÇÃO

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Aula 01

Fundamentos de Sistemas de Informação Aula 01 Fundamentos de Sistemas de Informação Aula 01 Prof. Msc. Ubirajara Júnior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com Objetivos dos Sistemas de informação Fornecer exemplos de componentes de sistemas de informação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS Capítulo 7 ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE DADOS 7.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Por que as empresas sentem dificuldades para descobrir que tipo de informação precisam ter em seus sistemas de informação?

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino

1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino 1. DESCRIÇÃO DO SIE Sistema de Informações para o Ensino O SIE é um sistema aplicativo integrado, projetado segundo uma arquitetura multicamadas, cuja concepção funcional privilegiou as exigências da Legislação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Manual de Instalação Corporate

Manual de Instalação Corporate Manual de Instalação Corporate Sumário 1. Sobre este documento...3 2. Suporte técnico...3 3. Requisitos de hardware...3 3.1. Estação...3 3.2. Servidor...4 4. Instalação...4 4.1. Instalação do Imobiliária21

Leia mais

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA

CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA CONSULTORIA E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA Quem Somos A Vital T.I surgiu com apenas um propósito: atender com dedicação nossos clientes. Para nós, cada cliente é especial e procuramos entender toda a dinâmica

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação.

Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Aula 1 Conceitos básicos de Sistemas de Informação. Dados X Informações O que são Dados? São materiais brutos que precisam ser manipulados e colocados em um contexto compreensivo antes de se tornarem úteis

Leia mais

Título: De Olho na Produção

Título: De Olho na Produção Título: De Olho na Produção Resumo O De Olho na Produção trata-se de um sistema inovador de gestão de informação que tem por premissas: projetar a chegada dos vagões até os pontos de carregamento e descarga,

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos.

O PaperPort 12 Special Edition (SE) possui uma grande variedade de novos e valiosos recursos que ajudam a gerenciar seus documentos. Bem-vindo! O Nuance PaperPort é um pacote de aplicativos para gerenciamento de documentos da área de trabalho que ajuda o usuário a digitalizar, organizar, acessar, compartilhar e gerenciar documentos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF

Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Conjunto de soluções garante uma série de benefícios aos mais de 27 milhões de contribuintes do IRPF Perfil A Secretaria da Receita Federal do Brasil RFB desempenha funções essenciais para que o Estado

Leia mais

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais...

Software. Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais. Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... Software www.imagecomnet.com.br Bem vindo ao mundo do GED e Tecnologias Digitais Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Softwares, e muito mais... A Empresa A Imagecom, uma empresa conceituada no ramo

Leia mais

Sistema de Informação Destinado À Gestão Comercial de uma Empresa do Ramo Alimentício

Sistema de Informação Destinado À Gestão Comercial de uma Empresa do Ramo Alimentício Sistema de Informação Destinado À Gestão Comercial de uma Empresa do Ramo Alimentício Vanessa Aparecida Fiorini da Silva helpmaryhelp@ig.com.br FAQ Luiz Antônio Fernandes prof.luiz@faculdadexvdeagosto.edu.br

Leia mais

LMA, Solução em Sistemas

LMA, Solução em Sistemas LMA, Solução em Sistemas Ao longo dos anos os sistemas para gestão empresarial se tornaram fundamentais, e por meio dessa ferramenta as empresas aperfeiçoam os processos e os integram para uma gestão mais

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE O principal objetivo do SICOM é exercer um controle concomitante dos atos e fatos realizados nas administrações públicas, criando condições para identificar de

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Manual do Visualizador NF e KEY BEST

Manual do Visualizador NF e KEY BEST Manual do Visualizador NF e KEY BEST Versão 1.0 Maio/2011 INDICE SOBRE O VISUALIZADOR...................................................... 02 RISCOS POSSÍVEIS PARA O EMITENTE DA NOTA FISCAL ELETRÔNICA.................

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Estrutura de um Sistema de Informação Vimos

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM

MANUAL DO SERVICE DESK SYSTEM Manual do Sumário Conhecendo o SERVICE DESK SYSTEM... 3 - A tela de Acesso ao sistema:... 3 - A tela do sistema após o acesso(exemplo):... 3 OCORRÊNCIAS... 4 - Abertura de chamados:... 4 - Atendendo um

Leia mais

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque

SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque 1 / 7 SLA - Service Level Agreement (Acordo de Nível de Serviço) Gerenciamento de Estoque Código: : Data de Publicação: Cliente: Faculdade de Tecnologia SENAC-GO 2 / 7 Identificação e Histórico do Documento

Leia mais

DOCUMENTO DE REQUISITOS

DOCUMENTO DE REQUISITOS DOCUMENTO DE REQUISITOS ID documento: Data: / / Versão : Responsável pelo documento: ID Projeto: HISTÓRICO DE REVISÕES Data de criação/ atualização Descrição da(s) Mudança(s) Ocorrida(s) Autor Versão do

Leia mais